MANUAL DO COLABORADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO COLABORADOR"

Transcrição

1 MANUAL DO COLABORADOR

2 2 SUMÁRIO 1. Apresentação Histórico da empresa Serviços prestados pela empresa Princípios da empresa Nossa Missão Nossa Visão Nossos Valores Remuneração e Benefícios Salário Décimo Terceiro Salário Férias Seguro de Vida Carga Horária Hora Extra Alimentação Importante 6. Comportamentos avaliados Uniforme Pontualidade Assiduidade Patrimônio da empresa Relacionamento Interpessoal Princípios Básicos de Segurança do Trabalho Direitos e Deveres dos Funcionários Práticas não permitidas aos empregados Ética na Empresa Regras de Boa Convivência Penalizações Advertência Oral Advertência Escrita Demissão Nosso Contato

3 3 1. Mensagem ao colaborador Prezado colaborador: Seja Bem Vindo! Agora você passa a fazer parte do quadro de colaboradores da Turismo Barcelos. É muito importante para nós que você se sinta integrado à nossa empresa. Elaboramos este manual para orientá-lo sobre o histórico da empresa, serviços prestados, princípios, regras, políticas da empresa, seus direitos e deveres. Além disso, esperamos que você consiga se integrar e desenvolver suas atividades corretamente. Desejamos-lhe sucesso e esperamos de você profissionalismo, coleguismo e responsabilidade para atingirmos os objetivos propostos pela empresa. Desde já conte conosco. Nós contamos com você. A Direção.

4 4 2. História da Empresa A empresa de transporte de pessoas Turismo Barcelos, foi criada no dia 5 de março de 2001, por pai e filhos, pela necessidade de transporte universitário, já que, por ser uma cidade pequena, não havia uma empresa que fizesse o transporte de passageiros universitários para a região metropolitana. Com a dificuldade de se locomover para as universidades da região metropolitana, os gestores, que também necessitavam desse transporte, já que eram estudantes universitários na Ulbra em Canoas e em Gravataí, tiveram a ideia de montar esse projeto e apresentá-lo aos moradores da cidade de Santo Antonio da Patrulha. No decorrer dos anos a empresa expandiu-se no mercado e atualmente trabalha com o transporte executivo de pessoas para turismo e fretamento para empresas e universitários, atuando no estado, no país e nos países do Mercosul. 3. Serviços prestados pela empresa Transporte intermunicipal de estudantes universitários; Transporte executivo; Transporte exclusivo para empresas; Fretamento para turismo; Viagens escolares, de compras, shows e feiras. 4. Princípios da Empresa 4.1 Nossa Missão Atuar no ramo de transporte de pessoas e cargas com a melhor estrutura e qualidade proporcionando aos clientes conforto, segurança e pontualidade.

5 5 4.2 Nossa Visão Ser reconhecida como empresa referência no mercado de transporte de pessoas e cargas na região onde atua. 4.3 Nossos valores Comprometimento com seus clientes; Agilidade e pontualidade nos serviços oferecidos pela empresa; Qualidade nos serviços prestados, proporcionando aos seus clientes conforto e segurança; Respeito na organização, criando um ambiente harmônico entre gestores e colaboradores; Ética e transparência na realização dos serviços prestados.. 5 Remuneração e Benefícios 5.1 Salário O pagamento do salário é feito até o quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado. O pagamento é feito na empresa, em dinheiro, juntamente com a entrega do contracheque, que deve ser assinado pelo colaborador. 5.2 Décimo Terceiro Salário A Turismo Barcelos paga o décimo terceiro aos seus colaboradores em duas parcelas, a primeira parcela é paga até o dia 30/11 e a segunda parcela até o dia 20/ Férias Após doze meses de serviços prestados, você, colaborador, tem direito de receber suas férias. O mês de férias será programado com o gestor da empresa. No seu período de férias o colaborador receberá um adicional correspondente ao percentual de 1/3 (um terço) do seu salário.

6 6 5.4 Seguro de Vida A empresa oferece ao colaborador uma apólice de seguro de vida, para que, no caso de acidentes, o colaborador tenha seus direitos assegurados. No caso de morte fica segurado quem o colaborador beneficiou. 5.5 Carga Horária O funcionamento do escritório da empresa se dá em horário comercial, das 8h às 12h e das 13h30min às 18h30min. Para as viagens é feita uma escala semanalmente, informando as rotas e horários. 5.6 Horas extras A hora extra de trabalho será paga caso seja necessário trabalhar além do horário de trabalho e será calculada sobre as horas adicionais trabalhadas e os valores serão repassados para seu pagamento. As horas extras só serão realizadas com a autorização da chefia. 5.7 Alimentação O colaborador que, no período de serviço estiver afastado da sede da empresa ou de sua residência, terá direito ao ressarcimento de sua alimentação. Para isto, deverá apresentar a nota fiscal à Chefia. A empresa disponibiliza em média R$ 15,00 (Quinze Reais) por refeição. O colaborador que estiver na sede pode utilizar a cozinha para fazer suas refeições. 6 Comportamentos Avaliados Na organização é essencial que o comportamento de todos seja de respeito, qualidade e postura adequada. Você será avaliado segundo o cumprimento de alguns itens importantes:

7 7 6.1 Uniforme A empresa fornece aos funcionários uniforme, sendo assim é necessário que todos estejam uniformizados, para a boa apresentação da organização e identificação de seus funcionários pelos clientes. 6.2 Pontualidade O funcionário deve ser pontual nos seus horários, seja no trabalho ou nas viagens que irá fazer. Respeitar os horários é essencial para o bom desenvolvimento da empresa. 6.3 Assiduidade O funcionário precisa estar ciente de que é imprescindível a sua presença e por isto deve procurar não sair do seu ambiente de trabalho por motivos particulares. Caso isto seja realmente necessário, procure avisar o seu chefe com antecedência. Importante O colaborador que não puder comparecer ao serviço por motivo pessoal, atestado médico ou licenças deve comunicar à empresa para que esta possa encontrar alternativas para assegurar a prestação de serviços aos clientes, respeitando os prazos e horários. 6.4 Patrimônio da empresa Você, funcionário da Turismo Barcelos, deve procurar zelar pelos bens e imagem da empresa, conduzindo os veículos da empresa com segurança. Cuide dos veículos de trabalho, da conservação, limpeza, solicitação de manutenção e do bom uso de tudo. Você precisa disso para apresentar um bom desempenho e prestar um serviço de qualidade.

8 8 6.5 Relacionamento interpessoal É muito importante manter um bom ambiente de trabalho. Por isso, evite desentendimentos, fofocas e intrigas entre seus colegas. Lembre-se que o diálogo é a melhor opção para que se tenha respeito e cordialidade. 7 Princípios básicos de segurança do trabalho Evite praticar atos perigosos ou inseguros no ambiente de trabalho; Execute somente serviços para os quais estiver autorizado; Quando na direção dos veículos, respeite a sinalização e os pedestres; Colabore com a segurança; Conserve seu ambiente limpo e organizado; Revise os veículos antes de utilizá-los; É sua responsabilidade registrar junto à chefia quaisquer irregularidades que tenha verificado junto ao veículo, bem como eventuais incidentes ocorridos durante as viagens. Importante Em caso de acidente com vítima, prestar o socorro devido, chamar a autoridades de emergência e logo após informar à chefia. 8 Direitos e Deveres dos Funcionários Direitos dos Funcionários Utilizar de todos os serviços e benefícios concedidos pela empresa; Utilizar a cozinha da empresa para fazer suas refeições; Esclarecer suas dúvidas com o departamento administrativo no caso de faltas, horários de viagens, destinos, entre outros; Desempenhar suas funções de forma a prestar seus serviços com segurança.

9 9 Deveres dos Funcionários Estar sempre identificado com crachá e uniforme da empresa; Ser pontual nos horários de trabalho; Respeitar os colegas de trabalho; Prestar os serviços determinados com zelo, boa vontade e pontualidade; Cuidar do patrimônio da empresa; Comunicar o responsável o mais rápido possível caso não possa comparecer ao trabalho, seja qual for o motivo. 9 Práticas não permitidas aos empregados É expressamente proibido: Usar os veículos da empresa sem autorização da chefia; Ingerir bebidas alcoólicas durante o expediente de trabalho ou dirigir embriagado; Fumar, comer ou ingerir líquidos ao volante; Sair do local de trabalho ou das dependências da empresa sem autorização da chefia; Ultrapassar os limites de velocidade permitidos por lei; Infringir regras de trânsito; Dirigir de forma perigosa; Transportar animais ou cargas perigosas. 10 Ética na Empresa Ser ético é não prejudicar os outros, é ser correto e estar sempre visando o bem num todo. Existem alguns valores que nos fazem sermos éticos, estes são: Ser educado com os outros; Saber ouvir; Ser honesto em qualquer situação;

10 10 Ser prudente; Manter o respeito; Ser comprometido com seu trabalho; Cuidar da integridade da imagem da empresa. 11 Regras de Boa Convivência Seja educado com os passageiros que utilizam os serviços da empresa; Observe políticas, normas e procedimentos; Respeite a opinião dos outros; Seja flexível nas situações de conflitos; Procure agir com profissionalismo. Isto significa: Ser ético em primeiro lugar; Ver a empresa como uma fonte de renda para todos os funcionários e não apenas para você; Ajudar a empresa a crescer e a estar pronta para atender as necessidades dos clientes. 12 Penalizações O não cumprimento dessas normas pelos colaboradores causará as seguintes punições: Advertência oral O colaborador que não cumprir as normas descritas no manual receberá uma advertência oral do gestor, dizendo por qual violação praticada ele está sendo advertido.

11 11 Advertência escrita A advertência escrita é a punição aplicada ao colaborador que já teve advertências orais do gestor. Essa advertência será descrita e o colaborador assinará perante a chefia. Demissão do colaborador A demissão será feita se o colaborador desrespeitar as normas da empresa. Entre essas normas as mais importantes são referentes à segurança dos passageiros, ao mau uso dos veículos da empresa e o descumprimento das ordens dada pela chefia.

12 12 Nossos contatos: Site: Telefone empresa: (51) (51) A Turismo Barcelos tem a maior satisfação de poder contar com VOCÊ. Conte conosco. Seja bem vindo a nossa equipe!

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ABRANGÊNCIA Este Código de Ética e Conduta destina-se aos colaboradores e, no que couber, aos prestadores de serviços, visitantes e fornecedores da Panificação Tocantins. INTEGRIDADE

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA REV. 01-28/08/2009 Sumário Sumário... Erro! Indicador não definido. 1 Introdução e Princípios Gerais... 3 2 Relações da Empresa... 3 2.1 Com os colaboradores... 3 2.2 Com os clientes...

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos:

A SINIGAGLIA, endossa e pratica de forma sistemática os princípios do Pacto Global 1 da ONU, integrando-os a seus processos: INTRODUÇÃO O regime da livre iniciativa impõe às organizações e seus integrantes a conduzirem-se dentro de um ambiente de respeito e entendimento, zelando para que toda e qualquer forma de relacionamento,

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR INTRODUÇÃO Ciente de sua responsabilidade como fornecedora de refeições coletivas e prestadora de serviços, o Grupo Vivo Sabor divulga seu Manual

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Código de Ética e Conduta Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Introdução As açoes de todos os colaboradores pela integridade, respeito e transparência buscando o fortalecimento das relações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM da Solidus S/A CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 08/02/2013 A Corretora Solidus S/A CCVM assume o compromisso de zelar pela reputação de seus negócios e de sua imagem, assim

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS

União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS União dos Escoteiros do Brasil Região Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro João de Barro 172º RS Capítulo 1 - Apresentação Artigo 1º - O Grupo de Escoteiros João de Barro (João de Barro) é uma associação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda.

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Objetivo O presente Código de Conduta Ética tem por objetivo estabelecer os aspectos e postura exigidos de administradores, colaboradores e funcionários

Leia mais

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014 O objetivo deste manual é explicar passo a passo o controle da papeleta do motorista realizado no SAT. De acordo com a LEI Nº 12.619, DE 30 DE ABRIL DE 2012, que pode ser acessada em: http://www.planalto.gov.br

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES.

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. O que é a ANTT? A Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT regula e fiscaliza a prestação de serviços de transportes terrestres de passageiros em todo

Leia mais

Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa.

Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa. Prezado Bolsista, Inicialmente gostaríamos de parabenizá-lo pela aprovação de sua proposta de doutorado em nosso Programa. Para ajudá-lo na implementação de sua concessão, preparamos um guia que poderá

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 2013

CÓDIGO DE CONDUTA 2013 CÓDIGO DE CONDUTA 2013 CARTA DO PRESIDENTE A, traduzimos nossos valores e damos diretrizes à, de modo a garantir um relacionamento transparente e harmonioso com clientes, e e cotidianas de trabalho., aqui

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE NOVOS COLABORADORES 2015 A SUA INTEGRAÇÃO Este é o primeiro e indispensável passo sua adaptação na empresa. para Reserve um tempo e leia o manual com atenção. Em caso de dúvida,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Abrangência... 03 3 Valores... 03 4 - Conduta ética da PPL com os diversos públicos 4.1 - Cliente: Foco de nossa atuação... 03 4.2 - Relação e interação com fornecedores e parceiros...

Leia mais

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética

Políticas Corporativas. Código Interno de Ética Políticas Corporativas Versão: Janeiro de 2014 Área: Risco e Compliance Responsável: Leonardo Tavares Pereira Objetivo : Este Código tem por objetivo estabelecer os princípios, conceitos e valores que

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS

REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS Visão Ser referência na Educação. Missão Educar para formar cidadãos competentes. Valores Bom Relacionamento

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DOCUNTAÇÕES... 2 3.1 DO VEÍCULO... 2 3.2 DO CONDUTOR... 2 4. TREINAMENTOS... 2 5. PRATICAS SEGURAS

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ÍNDICE I. Introdução... 6 II. Carta de Apresentação... 7 III. Diretrizes Gerais... 8 IV. Ambiente de Trabalho... 10 a) Utilização e Preservação de Bens... 10 b) Segurança e

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE MISSÃO PRINCÍPIOS PESSOAS

MENSAGEM DO PRESIDENTE MISSÃO PRINCÍPIOS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O novo Código de Conduta do Grupo Dass objetiva o alinhamento dos princípios que regem o relacionamento da empresa com colaboradores, fornecedores, clientes e acionistas. Para nós,

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização NEP-MA- Núcleo da Excelência Pública no Estado do Maranhão

GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização NEP-MA- Núcleo da Excelência Pública no Estado do Maranhão Código de Conduta do NEP-MA Nosso Credo Visão Ser reconhecido como Centro de Produção de Conhecimento na Área da Gestão Pública baseado em Padrões Internacionais de Excelência até 2020. Missão Apoiar a

Leia mais

A Sioux efetua o pagamento no último dia útil de cada mês, descontados os ressarcimentos (se houver).

A Sioux efetua o pagamento no último dia útil de cada mês, descontados os ressarcimentos (se houver). OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e os funcionários. O documento será modificado sempre que necessário, em função dos novos cenários da empresa.

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO

GRUPO CICAL SISTEMA DE GESTÃO GRUPO CICAL / PO.RH./2008 RECURSOS HUMANOS.REV 1 de 7 VALIDAÇÃO NOMES DATA Elaborador: Verificador Sistema Gestão: Aprovador: Lygia Chaves Ana Paula Portugal Melgaço Wady Cecílio Neto Jair Cecilio Junior

Leia mais

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA

ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA ORDEM DE SERVICO nº 4-2011/PR Unidade Transporte Função: MOTORISTA O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás - IPASGO, C.N.P.J. 01.246.693/0001-60, em cumprimento às determinações

Leia mais

DANIELE CAROLINA MENEZES DE ARAÚJO HOLGA MARIA DE CASTRO MONTE JERSONITA GOMES MORENO DANIEL RODRIGUES

DANIELE CAROLINA MENEZES DE ARAÚJO HOLGA MARIA DE CASTRO MONTE JERSONITA GOMES MORENO DANIEL RODRIGUES UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I PROFESSOR (A): SUZETE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA Código de Ética e de Responsabilidade Social Propósitos A ACE Schmersal tem uma atuação corporativa pautada em valores éticos e morais. Estes mesmos valores regem

Leia mais

Se já é aluno, bom retorno; se está chegando agora, bom ingresso. Bem-vindos à Fundação das Artes de São Caetano do Sul!

Se já é aluno, bom retorno; se está chegando agora, bom ingresso. Bem-vindos à Fundação das Artes de São Caetano do Sul! Muitas pessoas estão acostumadas a lembrar da Fundação pelas centenas de atrações que ela promove ao longo de todo o ano (espetáculos, recitais, exposições etc.). Aqui, entretanto, apresentamos uma das

Leia mais

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é?

Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Manual de Boa Conduta dos profissionais da área da beleza. Ética, o que é? Para crescer profissionalmente não basta conhecer bem sua especialidade, é indispensável ser ético. De acordo com o dicionário

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br www.vb.com.br PAT Tudo sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador Com a VB seu maior benefício é aumentar a produtividade da sua empresa. Especializada na comercialização e logística de benefícios,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Manual de Regras e Procedimentos MANUAL DE REGRAS E PROCEDIMENTOS

Manual de Regras e Procedimentos MANUAL DE REGRAS E PROCEDIMENTOS MANUAL DE REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 SUMÁRIO ENTENDA O MANUAL 04 CONHECENDO A AMMAVIDA 05 PROJETO SHOW DE ESPORTES E CULTURAMMA 06 PROJETO LER PARA CRESCER 08 CONHEÇA AS REGRAS DO PROJETO 09 DEVERES DOS

Leia mais

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA

ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA ANEXO I MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA (Identificação completa do representante da EMPRESA), como representante devidamente constituído de (Identificação completa da EMPRESA)

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS BIBLIOTECA FACIPLAC

NORMAS E PROCEDIMENTOS BIBLIOTECA FACIPLAC UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº 368/08 (DOU 20/05/2008) NORMAS E PROCEDIMENTOS BIBLIOTECA

Leia mais

SAD - SERVIÇO DE APOIO

SAD - SERVIÇO DE APOIO A.S.C.R.D.P.P. SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO MANUAL DE FUNÇÕES SAD - SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO 1 Os recursos humanos afetos à valência de Serviço de Apoio Domiciliário da Associação Social, C.R.D.

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Este Manual dispõe sobre os procedimentos e regras a serem observados pelos Agentes Autônomos de Investimentos ( AAIs ) vinculados à ICAP do Brasil CTVM ( ICAP

Leia mais

O uniforme identifica o aluno, por isso sempre que vier ao Colégio, o aluno deverá se apresentar completamente uniformizado.

O uniforme identifica o aluno, por isso sempre que vier ao Colégio, o aluno deverá se apresentar completamente uniformizado. INFORMATIVO PARA MATRICULA -2015 Seguem, abaixo, algumas informações necessárias que visam a maiores esclarecimentos quanto ao uso do uniforme, horário, transporte escolar, agenda, material escolar, atendimento

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT.

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT. TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 2 ENTRADA E SAÍDA NA PORTARIA 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 4 ACHADOS E PERDIDOS 5 PROIBIÇÕES 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

A Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo PROJETO DE LEI Nº 172/2012 Dispõe sobre a responsabilidade no fornecimento de bebidas alcoólicas. A Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo D E C R E T A Art. 1º. O fornecedor de bebidas alcoólicas

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

Manual de SQUI Uso da Internet

Manual de SQUI Uso da Internet PE Manual de SQUI Uso da Internet Conteúdo Introdução...3 Finalidade... 3 Internet...4 Regras e Normas... 4 Monitoramento.....9 Causas à Desrespeito das Regras...10 Declaração de Acordo...11 Copyright

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS ARTIGO 1.º OBJECTIVO 1 O presente regulamento estabelece as regras gerais a observar nos Campos de Férias organizados pela Câmara Municipal de Vila

Leia mais

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16)

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) MODELO (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (16) SÃO PAULO (12) 2014

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA OBJETIVO DO MANUAL Este Manual

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

Resposta de pergunta para funcionários

Resposta de pergunta para funcionários Resposta de pergunta para funcionários Sobre a EthicsPoint Geração de Denúncias - Geral Segurança e Confidencialidade da Geração de Denúncias Dicas e Melhores Práticas Sobre a EthicsPoint O que é a EthicsPoint?

Leia mais

Regulamento Interno. Sumário. Declaração

Regulamento Interno. Sumário. Declaração Regulamento Interno Este é o Regulamento Interno da Casas da Água, o qual passa a fazer parte integrante do contrato de trabalho. O presente Regulamento Interno é válido para a totalidade dos colaboradores

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

Campo de Férias - FUBI

Campo de Férias - FUBI Campo de Férias - FUBI Regulamento Interno O presente regulamento dos campos de férias FUBI, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as atividades, para

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A Secretaria Municipal de Educação, através da 1ª Coordenadoria Regional de Educação, com sede na Rua Edgard Gordilho, nº 63 Praça Mauá CNPJ 42 498 733/0001-48 neste ato representada por Rita Eliane Clemente

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/17 1 - DOS OBJETIVOS a) Regulamentar procedimentos de controle da frota de veículos leves e pesados da Prefeitura, visando otimizar o uso dos mesmos e reduzir custos de manutenção. 2- DOS ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Tratando se das atribuições de um Vigia de um órgão público municipal, é correto afirmar que: A) A realização de rondas diurnas e noturnas tem como objetivo evitar roubos,

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF Art. 1º. A Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - FACEBG entende que a Educação Superior além de profissionalizar deve

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista SALÁRIO 11 SALÁRIO Kyuuryou O salário deve ser pago conforme os cinco princípios citados abaixo. Para ter certeza sobre os procedimentos adotados para pagamento de salários, peça ao empregador uma cópia

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS

MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS MANUAL DE PRÁTICAS COMERCIAIS 1 Joaçaba SC, 30 de setembro de 2013. Esta é a primeira versão do Manual de Práticas Comerciais da Paludo Incorporadora, visando descrever os requisitos necessários para a

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

CHEFE DA SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLAR compete acompanhar a tramitação de documentos e processos, observando o protocolo do mesmo; classificar, informar e conservar documentos; controle de matériais, providenciando

Leia mais