Plano de Desenvolvimento Institucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Desenvolvimento Institucional"

Transcrição

1 Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989 Mantida pelo Círculo de Trabalhadores Cristãos do Embaré Plano de Desenvolvimento Institucional

2 Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989 Mantida pelo Círculo de Trabalhadores Cristãos do Embaré REITORIA Prof. José Carlos Pettorossi Imparato Reitor Profª. Elaine Marcílio Santos Pró-Reitor de Graduação e Extensão Prof. Renato Amaro Zangaro Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Profª. Mara Regina Rosler Pró-Reitora Adjunta de Graduação e Extensão Dr. Darcy Gamero Marques Filho Pró-Reitor Administrativo Prof. Gustavo Duarte Mendes Diretor Acadêmico PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 2 de 312 ProGrad 11/004

3 Coordenação: FICHA TÉCNICA Profª. Elaine Marcílio Santos Pró Reitoria de Graduação - ProGrad Editores: Profª. Elaine Marcílio Santos Pró Reitoria de Graduação e Extensão - ProGrad Profª. Mara Regina Rosler Pró Reitoria de Graduação e Extensão - ProGrad Prof. Gustavo Duarte Mendes Pró Reitoria de Graduação - ProGrad Colaboradores: Prof. Renato Amaro Zangaro Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa - ProPesq Dr. Darcy Gamero Marques Filho Pró-Reitoria Administrativa - ProAd Prof. Paulo Roberto Marcatto Coordenador Geral do Campus - Descalvado Prof. Amauri Piratininga Silva Coordenador Geral do Campus - Fernandópolis Prof. Humberto Cáfaro Diretor Fernandópolis Prof a. Adamaris Izaura Cavalcanti Comissão Própria de Avaliação - CPA Prof a. Adriana Ap. de Lima Terçariol Núcleo de Educação a Distância - NEaD Prof a. Geraldina Porto Witter Comissão de Ética em Pesquisa - CEP Apoio Logístico: Cátia Beraldo Secretária da Reitoria Deise Regina Scanferlo Lima Secretaria Acadêmica Jeferson P. da Guia Secretário da Reitoria Karina Baptista Coordenadoria de Atendimento Social CAS Magda Cicone Bibliotecária Maria Ap. Moreira Fuzaro Bibliotecária Noemia Maria Figueiredo Zarda Auxiliar de Biblioteca Renata Simone Debiasi Bibliotecária Roberta S. M. C. Bonke Secretária da Reitoria Rosângela Aparecida de Oliveira Recursos Humanos Sonia Regina Del Valle Secretária da Reitoria Wagner Guadagnucci dos Santos Divisão de informática PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 3 de 312 ProGrad 11/004

4 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO MISSÃO DA UNICASTELO HISTÓRICO DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Perfil da UNICASTELO OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO Objetivos da Instituição Metas da Instituição Formação Pesquisa Extensão Parcerias Gestão Temáticas afro-brasileira e indígena Educacional ambiental ÁREA (S) DE ATUAÇÃO ACADÊMICA CURSOS, LOCAIS E TURMAS - NÚMERO DE ALUNOS POR CURSO/LOCAL/TURMAS PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Inserção Regional Campi Itaquera São Paulo SP Campi Fernandópolis SP Campi Descalvado SP Princípios filosóficos e teórico-metodológicos gerais que norteiam as práticas acadêmicas da instituição Políticas de Ensino Políticas de Pesquisa Política de pós-graduação Políticas de Extensão Políticas de Gestão Responsabilidade social da instituição IMPLEMENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA Cronograma de implantação e desenvolvimento da instituição para o período de vigência do PDI Tabela I - Programação de abertura de cursos de Graduação (Bacharelado, Licenciatura e Tecnólogo) Tabela II Programação de abertura de cursos de Pós-Graduação (Lato e Stricto Sensu) Tabela III Programação de abertura de cursos Sequenciais Tabela IV - Programação de abertura de cursos a Distância PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 4 de 312 ProGrad 11/004

5 3.1.5 Tabela V - Programação de aumento de vagas para cursos reconhecidos Tabela VI - Programação de remanejamento de vagas e/ou criação de novo turno Tabela VII - Programação de abertura de cursos de Extensão Tabela VII - Programação de Pesquisa Tabela VIII - Programação de abertura de cursos fora de sede pelas Universidades Plano para atendimento às diretrizes pedagógicas, estabelecendo os critérios gerais para definição de: Perfil de egresso Seleção de conteúdos Princípios metodológicos Processos de Avaliação CPA Atividades prática profissional, complementares e de estágio Inovações consideradas significativas, especialmente quanto à flexibilidade dos componentes curriculares Avanços tecnológicos CORPO DOCENTE Requisitos de titulação Experiência no magistério superior e experiência profissional não acadêmica Os critérios de seleção e contratação Políticas de qualificação, plano de carreira e regime de trabalho Procedimentos para substituição eventual dos professores do quadro Tabela IX Cronograma de expansão do corpo docente, considerando o período de vigência do PDI CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO Os critérios de seleção e contratação Políticas de qualificação plano de carreira e regime de trabalho Tabela X Cronograma de expansão do corpo técnico/administrativo, considerando o período de vigência do PDI: CORPO DISCENTE Formas de acesso Programas de apoio pedagógico e financeiro Estimulos à permanência (programa de nivelamento, atendimento psico-pedagógico) Organização estudantil (espaço para participação e convivência estudantil) Acompanhamento dos egressos ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Estrutura organizacional com as instâncias de decisão Organograma institucional e acadêmico Órgãos colegiados: competências e composição Órgãos de apoio às atividades acadêmicas Autonomia da IES em relação à mantenedora PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 5 de 312 ProGrad 11/004

6 7.6 - Relações e parcerias com a comunidade, instituições e empresas AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Metodologia, dimensões e instrumentos a serem a serem ultilizados no processo de auto-avaliação Formas de participação da comunidade acadêmica, técnica administrativa, incluindo a atuação da Comissão Própria de Avaliação CPA, em conformidade com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Formas de utilização dos resultados das avaliações INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS Infra estrutura física Tabela XI - infra estrutura física Tabela XII - Laboratórios de Informática Tabela XIII Laboratórios específicos Relação equipamento/aluno/curso Inovações tecnológicas significativas Biblioteca Tabela XVI - Acervo por área do conhecimento ATENDIMENTO ÀS PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS OU COM MOBILIDADE REDUZIDA Plano de promoção de acessibilidade e atendimento prioritário, imediato e diferenciado para a utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte, dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, serviços de tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais- Libras DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA Fluxo financeiros e de investimentos projetado a Fluxo financeiros e de investimentos projetado a ANEXOS ANEXO 1 (LABORATÓRIOS ESPECÍFICOS) ANEXO 2 (LIBRAS) PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 6 de 312 ProGrad 11/004

7 I. APRESENTAÇÃO A Universidade Camilo Castelo Branco mantida pelo Círculo de Trabalhadores do Embaré CTCE apresenta seu Plano de Desenvolvimento Institucional para o período 2012 a O trabalho resulta da produção coletiva, com participação da comunidade acadêmica, dos núcleos docentes, dos colegiados dos cursos, dos colegiados superiores, do diálogo entre a Universidade e a Mantenedora. O PDI é organizado e revisado pela Pró- Reitoria de Graduação. A UNICASTELO, após uma fase de revisão de todos os atos e ações, redesenha e planeja suas atividades para o período, embasada na crença de que a projeção realizada trará a possibilidade de melhor oferta do ensino, da extensão e da pesquisa, contribuindo para o crescimento e a melhor qualidade da educação superior. No último ano, a UNICASTELO experimentou 47 avaliações / INEP, entre outras formas, o quê contribuiu para o aperfeiçoamento de sua ação, contemplada neste novo PDI. A UNICASTELO recebeu nota 4 na avaliação institucional e 3 no IGC. A qualidade do ensino oferecido é preocupação permanente dos gestores e da comunidade universitária. PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 7 de 312 ProGrad 11/004

8 1. MISSÃO DA UNICASTELO A Universidade Camilo Castelo Branco - UNICASTELO é uma Universidade comprometida com a formação, ética e com a qualificação dos profissionais nas suas regiões de atuação. Desta forma, tem por missão: A missão da UNICASTELO é oferecer, de maneira crescente e sustentável, educação superior contemporânea comprometida com a formação de sujeitos éticos, socialmente responsáveis e profissionais qualificados para o mundo do trabalho e o exercício da cidadania que contribuam para melhoria da qualidade de vida. 1.1 HISTÓRICO DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO História da Mantenedora Pela Portaria Ministerial número 889, de dezoito de outubro de dois mil e sete, publicada no DOU em dezenove de outubro de dois mil e sete, seção 1-pag. 9,10,11 e 13 é aprovada a transferência da mantença da Universidade Camilo Castelo Branco, com seu Campi Itaquera, rua Carolina Fonseca,584, Bairro Itaquera, São Paulo, SP- CEP , CNPJ ; Campi Fernandópolis, Estrada Projetada F-1,sem número, Fazenda Santa Rita, Fernandópolis, CEP SP, CNPJ ; Campi Descalvado, rua Hilário da Silva Passos, 950, Parque Universitário, Descalvado, CEP , SP, CNPJ , para o Círculo de Trabalhadores Cristãos do Embaré CTCE, CNPJ / , situada na cidade de Santos, no estado de São Paulo, Rua Conselheiro Lafaiete, 35, Embaré, CEP: que está pré-notado sob o número em 01/11/2006, registrado e microfilmado sob o número 26188, anotado a margem do lançamento sob o número 25781/06 do livro protocolo do Cartório de Registros de Títulos e Documentos Civil da Pessoa Jurídica de Santos, situado na Rua Amador Bueno, nº. 70, CEP: PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 8 de 312 ProGrad 11/004

9 Santos SP. Foram nomeados como Procuradores da Círculo de Trabalhadores Cristões do Embaré CTCE pelo seu Diretor Presidente, Sra. Raquel Maria Ribeiro Junqueira Da Costa Netto, Dr. Carlos de Camargo Pacheco e Dr. Darcy Gamero Marques Filho, que hoje representam a Mantenedora em todos os seus atos legais. História da UNICASTELO A UNICASTELO, sediada na Rua Carolina Fonseca, 584, bairro de Itaquera, São Paulo, SP, CEP , é originária das Faculdades Camilo Castelo Branco e os primeiros cursos autorizados em 1971, foram reconhecidos em Os anos que se seguiram foram dedicados à expansão do número de cursos de tal forma que, no final da década de 1980, a Instituição já contava com um total de 24 (vinte e quatro cursos) de graduação. Com mais de quatro décadas de experiência na área educacional, no ensino básico e 40 anos na educação superior, a UNICASTELO pleiteou e obteve o seu credenciamento como Universidade, reconhecido pela Portaria ministerial 374 de 14/06/1989, publicada DOU de 16/06/1989. A Comissão de Reconhecimento foi formada pelos seguintes membros: Prof. Dr. Paulo Natanael Pereira de Souza; Dr. Adib Salim Cury; Profª Cecília Maria Westphalen e Drª. Zilma Gomes Parente de Barros, esta relatora do processo de instalação da Universidade. Em 03/05/1995, credenciou o Campi Fernandópolis, situado na Estrada Projetada F- 1, sem número, Fazenda Santa Rita, Fernandópolis, SP, CEP Através da Portaria Ministerial 735 de 06/05/1999, publicada no DOU em 07/05/1999 a UNICASTELO credenciou o Campi Descalvado, situado na Rua Hilário da Silva Passos, 950, Parque Universitário, Descalvado, SP, CEP A UNICASTELO, no bairro de Itaquera, Zona Leste da cidade de São Paulo, mantém atualmente 55 cursos em 11 grandes áreas do conhecimento, aptos à efetivação do ensino, da pesquisa e da extensão, articulados na produção e na difusão do saber, bem como no incremento da economia regional e nacional, distribuídos nos Campi de São Paulo, Fernandópolis e Descalvado. A UNICASTELO apresenta o seguinte perfil: 55 cursos de graduação em pleno funcionamento. Atuam 508 professores, dos quais 119 (23%) são doutores, 214 (42%) são PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 9 de 312 ProGrad 11/004

10 mestres, 177 (345%) são especialistas. A IES conta com 572 colaboradores administrativos. Estudam na Universidade no ano de 2011, 8912 alunos de graduação e 1707 alunos de Pós-Graduação. A UNICASTELO oferece 136 cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e 5 cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu (4 Programas de Mestrado e 1 Programa de Doutorado). Existem cadastrados 25 grupos de pesquisa certificados junto ao CNPQ, com projetos em desenvolvimento nas diferentes áreas do conhecimento. A UNICASTELO orgulha-se de já ter graduado mais de alunos, inseridos no mercado de trabalho, egressos esses que colaboram com a sociedade, comprometidos com a realidade, com a inclusão e com o meio ambiente, garantindo a própria qualidade o bem estar social. O atual Reitor, Prof. José Carlos Pettorossi Imparato, foi nomeado por Ato da Mantenedora no dia , imediatamente nomeando a Pró-Reitora de Graduação e Extensão, Profª. Elaine Marcílio Santos (Portaria n de ) e o Pró- Reitor de Pós Graduação e Pesquisa, o Prof. Renato Amaro Zangaro (Portaria n de ). Compõem ainda a reitoria a Profª. Mara Regina Rosler, Pró-Reitora Adjunta de Graduação e Extensão (Portaria n de ), e o Prof. Gustavo Duarte Mendes, Diretor Acadêmico (Portaria n de ). 1.2 Perfil da UNICASTELO A Universidade goza de autonomia didática, científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedece ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. À luz de seu estatuto, norteia-se pela unidade de patrimônio e administração e de gestão financeira e patrimonial. Enquanto organização educacional, estrutura-se com base nos cursos, que exercitam a interação entre as funções e, enfatizando a universalidade do conhecimento e o fomento à interdisciplinaridade, conforme previsto no Estatuto e no Regimento Geral. Através de decisões colegiadas, a UNICASTELO pratica o princípio da democracia e vivencia a gestão compartilhada, considerando a participação da comunidade PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 10 de 312 ProGrad 11/004

11 acadêmica, com marcante atuação dos colegiados de Curso e Núcleos Docentes Estruturantes. A UNICASTELO integra se à Cultura regional e nacional, estimula a interação com a sociedade, busca a sua internacionalização e investe na qualidade de seus projetos de ensino, pesquisa e extensão. Para cumprir suas finalidades, adota o princípio da liberdade de ensino, porque ele se apresenta como consequência de uma liberdade maior que é a liberdade de pensamento e de sua difusão. Reitera, também, o princípio da não discriminação, a busca da paz, a responsabilidade social e a garantia dos direitos humanos. Engajada num tempo de inclusão social e de preocupação com o desenvolvimento sustentável, alia-se à política de educação do País na busca do bem estar comum. As atividades desenvolvidas pelos cursos são executadas por um quadro docente e funcional, localizado em cada sede dos campi, o que viabiliza a plenitude do exercício das funções básicas. A UNICASTELO experimenta um modelo de gestão compartilhada em que a unidade na diversidade se dá pela implementação de políticas, programas e projetos notadamente os projetos pedagógicos dos cursos, programas de extensão, pesquisa, inclusão social, iniciação científica, com a participação de professores e alunos. A UNICASTELO materializa possibilidade de acesso ao conhecimento, pelas ações sociais que despertam a identidade, mobilizam interesses e levam a compromissos e responsabilidades fundamentadas em processos sociais. O papel da UNICASTELO, o seu sentido sócio-cultural e político, a sua missão, os seus valores, a sua organização contemplam os interesses e demandas da população. É uma instituição de direito privado que acolhe as decisões colegiadas, dialoga com a comunidade, com as instituições públicas e que, através do princípio da solidariedade e responsabilidade social, reconhece e exercita a democracia. A UNICASTELO é, na realidade, a união do almejado com o feito, o que permite transformar o realizado em alicerce para a conquista de objetivos plenos da universidade, só viável com o comprometimento de todos, com o derrubar de vaidades e mediocridades e com o compromisso da melhor qualidade e do maior comprometimento com a inclusão social, com a melhor vida, o cuidado com a natureza e com o respeito à cultura e à diversidade. PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 11 de 312 ProGrad 11/004

12 1.3 OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO Objetivos da Instituição A UNICASTELO tem como base para seus objetivos gerais a formação, a pesquisa e extensão, aliados à política de gestão e parcerias. Desta forma, adota por objetivos gerais: 1. Promover ensino superior qualificado e contínuo à comunidade de suas regiões de influência pela integração do ensino, da pesquisa e da extensão, formando profissionais competentes e éticos para o mundo do trabalho, e em busca de novas soluções para os problemas regionais e nacionais. 2. Fomentar a investigação científica, promovendo a produção do conhecimento à comunidade acadêmica e à sociedade. 3. Ampliar atividades de extensão como mecanismo de articulação da universidade com a comunidade, incentivando a cultura regional e ações sociais. 4. Promover parcerias e intercâmbios com instituições nacionais e internacionais de forma a ampliar processos educacionais e aperfeiçoar o conhecimento. 5. Implementar processos de gestão compartilhada com a comunidade acadêmica para suplementação das necessidades da universidade e da comunidade. 6. Implementar e fomentar estudos relativos às temáticas de inclusão, notadamente temas da cultura afro-brasileira e indígena. 7. Incentivar e apoiar ações relativas à política de educação ambiental no âmbito da universidade e suas regiões de abrangências. PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 12 de 312 ProGrad 11/004

13 1.3.2 Metas da Instituição As metas relacionam-se às políticas e diretrizes da Universidade, bem como, aos objetivos gerais estabelecidos neste Plano de Desenvolvimento Institucional Formação Para promover ensino superior qualificado e contínuo à comunidade de suas regiões de influência pela integração do ensino, da pesquisa e da extensão, formando profissionais competentes e éticos para o mundo do trabalho, e em busca de novas soluções para os problemas regionais e nacionais, são determinadas as metas abaixo: Metas Ações Cronograma Revisões dos PPC S: Revisar os projetos pedagógicos dos cursos de graduação, com adequações, atualizações curriculares, com a finalidade de aprofundar os conhecimentos, atender as DCN, as solicitações demandadas da sociedade, inovações educacionais, com a participação do NDE e colegiados. Adequação dos PPC S, currículos, oferta de vagas, considerando curso e habilitações. Atualização contínua dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação da UNICASTELO, ajustando-os as orientações e diretrizes e marcadas dos órgãos educacionais, dos avanços científicos, tecnológicos e culturais. X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 13 de 312 ProGrad 11/004

14 Metas Ações Cronograma Realização humana e acadêmica do aluno. Desenvolver um ambiente de integração, que possibilite a formação de profissionais comprometidos e competentes Criação de mecanismo de acompanhamento das políticas e diretrizes que visam à formação de profissionais qualificados e comprometidos socialmente, através de orientação e apoio ao aluno. Estimular á participação dos alunos com colegiados, diretórios e ações institucionais, conforme explicitado no estatuto e regimento da UNICASTELO. Fomento a participação de alunos com programas de pesquisa. Apoio à participação de universitários com eventos artísticos, culturais, cientifico e lazer, previsto nos programas de extensão, pesquisa e de inserção social. X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 14 de 312 ProGrad 11/004

15 Metas Ações Cronograma Aperfeiçoamento do perfil do egresso. Acompanhar o aluno, através do programa de acompanhamento de egresso, aperfeiçoando perfis, auxiliando a ser um profissional inovador, criativo, crítico e qualificado. Implantação do ciclo básico dos cursos de bacharelado para áreas as ciências humanas e biológicas Desenvolvimento de um sistema de acompanhamento do aluno egresso. Deliberação dos NDE, colegiados e CONSUNNL. X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 15 de 312 ProGrad 11/004

16 Pesquisa Para fomentar a investigação científica, promovendo a produção do conhecimento à comunidade acadêmica e à sociedade, são determinadas as metas abaixo: Metas Aumento de oferta de Programas Stricto Sensu Investimento em novos laboratórios de Pesquisa Investimento em novos laboratórios de Pesquisa Difusão do Conhecimento através de programas de IC Aumentar Atividades de Cooperaçao Internacional Aumentar Atividades de Cooperação Internacional Organização de Eventos Científicos Participação em Eventos Científicos Cronograma Ações/Quantificação Proposição de 7 novos programas Stricto Sensu à CAPES X X X X X Submissão à agencias de fomento de 05 novos Projetos de Pesquisa/ano X X X X X Orçamento Institucional Próprio R$ ,00/ano X X X X X Desenvolver Iniciação Científica junto ao Ensino Superior e Médio. Açao junto a três Instituiçes Educacionais X X X X X Estabelecer Programas de Pós- Graduaçao com Dupla Titulação 02 Programas até 2016 X X X X X Estabelecer Programas de Pesquisa com Instituições Internacionais X X X X X Organizar um evento Científico em Nível Nacional ao ano X X X X X Promover a participação de Pesquisadores que atuem no Stricto Sensu em Eventos Científicos Nacionais e Internacionais com Publicação de Trabalhos Completos 01 evento por ano/pesquisador X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 16 de 312 ProGrad 11/004

17 Metas Promoção e Realização de Atividades Científico Tecnológicas com a Indústria Cronograma Ações/Quantificação Organização de 01 Evento/ano em cooperação com a Indústria X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 17 de 312 ProGrad 11/004

18 Extensão Para ampliar atividades de extensão como mecanismo de articulação da universidade com a comunidade, incentivando a cultura regional e ações sociais, são determinadas as metas abaixo: Metas Ações Cronograma Aprimorar a qualidade dos cursos e programas de extensão Fomentar a pesquisa educacional de eficiência e de avaliação dos cursos e programas Aprofundar as exigências na apresentação da proposta. Avaliar a eficiência das exigências feitas e fazer as reformulações necessárias. Estimular o uso de novas tecnologias educacionais nos cursos e programas como às de ensino personalizado, EaD, técnicas diversificadas de ensino em grupo, monitoria e seminários. Priorizar projetos de curso de extensão que incluam pesquisa educacional, pelo menos de avaliação. Estimular a apresentação dos resultados das pesquisas em eventos da UNICASTELO e externos. Estimular a publicação em revistas científicas de artigos resultantes da pesquisa. Oferecer cursos de capacitação para os docentes (pesquisa, discurso e ética). X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 18 de 312 ProGrad 11/004

19 Metas Ações Cronograma Ampliar as metas de extensão de forma articulada com setores e da universidade e da comunidade. Estabelecer contato com empresas, clubes, escolas da região para instituir parcerias que atendam suas necessidades de RH, desenvolvimento cultural, lazer, educação e preservação ambiental, inclusão no trabalho e na comunidade. Desenvolver projetos de extensão em parecia que ampliem o desenvolvimento cultural regional e viabilizem ações sociais para melhoria da qualidade de vida, da saúde, da educação e preservação do ambiente. Estimular a parceria entre os cursos e serviços da UNICASTELO para o desenvolvimento da extensão interdisciplinar enfocando a educação ambiental, o desenvolvimento cultural, a alfabetização científica e a cultura científica. Fornecer assessoria aos cursos e serviços para o planejamento integrado interdisciplinar. Conduzir pesquisas de avaliação dos programas em parceria Estimular a apresentação dos resultados em eventos científicos e a publicação em revistas científicas. X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 19 de 312 ProGrad 11/004

20 Metas Ações Cronograma Ampliar as metas de extensão de forma articulada com setores e da universidade e da comunidade. Ampliar, melhorar e agilizar a divulgação dos programas e cursos de extensão. Unificar as necessidades e aspectos necessários para melhorar a qualidade do trabalho e qualidade de vida no trabalho que X X possam ser conseguidas nos cursos e serviços de extensão nos vários setores da UNICASTELO Fornecer cursos de extensão para a melhoria do desempenho dos X X X X recursos humanos. Fornecer cursos de extensão para a melhoria da qualidade de vida no trabalho enfocando aspectos ambientais, comportamentais, organizacionais e atividades de equilíbrio. X X X X X Agilizar a divulgação na homepage. X X X X X Estabelecer e agilizar a comunicação via com exalunos, empresas, clubes e outras X X X X X escolas pedindo divulgação quando for o caso. Recorrer aos jornais da região fornecendo material para publicação e estabelecendo acordo de coluna semanal de interesse técnico-científico educacional com X X X X X matéria gratuita fornecida pela UNICASTELO, bem como de eventos e cursos. Pesquisar o impacto da divulgação mediante pesquisa. X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 20 de 312 ProGrad 11/004

21 Metas Ações Cronograma Desenvolver uma gestão partilhada para melhoria na eficiência e da qualidade de vida no trabalho Ampliar a interdisciplinaridade em eventos acadêmico-culturais promovidos por professores e alunos na graduação visando tanto a extensão externa como a interna à UNICASTELO. Estimular a apresentação dos resultados da avaliação do impacto da divulgação em eventos. Estimular a divulgação dos resultados pela mídia e em periódicos científicos. Criar um banco de endereços e e- mail com os dados dos ex-alunos dos cursos de extensão. Criação de meios de comunicação ágeis com professores, funcionários e alunos estimulando a apresentação de dúvidas, sugestões e outras possibilidades de participação. Estimular a participação de funcionários, alunos e professores no colegiado de extensão, nas pesquisas e nos cursos de extensão. Continuar a estimular a integração multidiscplinar das Semanas Acadêmicas como já estão ocorrendo entre alguns cursos. Dar estímulo à pesquisa de avaliação educacional das Semanas Acadêmicas. Prover apoio e assessoria à realização das Semanas e pesquisa avaliativa das mesmas. Estimular a apresentação da avaliação em eventos. X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 21 de 312 ProGrad 11/004

22 Metas Ações Cronograma Estimular a oferta de eventos comemorativos social e cientificamente relevantes. Estimular a melhoria dos serviços de extensão que atendem às comunidades externa e interna à UNICASTELO Apoiar, orientar e dar assistência para a publicação da pesquisa de avaliação em periódicos técnico e/ou científicos. Estimular semanas e/ou eventos comemorativos sobre temas estabelecidos por organismos internacionais e nacionais para o ano, ou decorrentes de movimentos socioculturais ou de eventos adversos. Estimular a interdisciplinaridade e a integração com empresas, entidades e instituições da comunidade. Oferecer condições para melhoria de seus Recursos Humanos. Apoiar as iniciativas das gestões de serviços para melhoria de suas condições de serviço. Obter o credenciamento ético no CEP/UNICASTELHO, conforme exigências do CONEP de todos os serviços de atendimento Apoiar a apresentação das pesquisas sobre os serviços em eventos. Estimular a publicação das pesquisas em periódicos científicos. Viabilizar a capacitação e a atualização de seus Recursos Humanos. Criar um programa de participação colaborativa-formativa para exalunos atuarem nos serviços. X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 22 de 312 ProGrad 11/004

23 Metas Ações Cronograma Criar Nova área e Atuação da Extensão Multidisciplinar Criar assessoria de relações internacionais Analisar as necessidades regionais X X Analisar as potencialidades da UNICASTELO X X Elaborar Projetos de Extensão que gerem conhecimentos X Promover Projetos de Extensão Multidisciplinares que gerem conhecimento ao mesmo tempo que atendam à região X Envolve os grupos de pesquisa nos projetos Multidisciplinares X X X X X Elaboração de Normas e parceirias X X X X X PDF gerado 15/mai/2012 5:59:56 Página 23 de 312 ProGrad 11/004

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA MODALIDADE LICENCIATURA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA MODALIDADE LICENCIATURA Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012,

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING EAD PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING EAD PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012,

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018)

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA CAMPUS SÃO PAULO

CURSO DE FISIOTERAPIA CAMPUS SÃO PAULO 1 Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 523, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012,

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO UNICASTELO PROCESSO SELETIVO UNICASTELO EDITAL DO VESTIBULAR 2015/1

UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO UNICASTELO PROCESSO SELETIVO UNICASTELO EDITAL DO VESTIBULAR 2015/1 UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO UNICASTELO PROCESSO SELETIVO UNICASTELO EDITAL DO VESTIBULAR 2015/1 A UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO UNICASTELO, mantida pelo CÍRCULO DE TRABALHADORES CRISTÃOS DO

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012,

Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 708, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO FERNANDÓPOLIS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO FERNANDÓPOLIS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Reconhecida pela Portaria Ministerial 374 de 14/06/1989, publicada no DOU de 16/06/1989. Recredenciada pela Portaria Ministerial 523 de 10/05/2012, publicada no DOU de 11/05/2012. Credenciada para oferta

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2013-2015 UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS - FAE Prof. Dr. Francisco de Assis

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Santa Marcelina UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Santa Marcelina (FASM), com sede no Município

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 14/5/2011, Seção 1, Pág.147. Portaria n 545, publicada no D.O.U. de 14/5/2012, Seção 1, Pág.147. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE DIREITO - CAMPUS VN PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Porto Nacional, 27 de Agosto de 2014 1 Conteúdo 1.1 Mantenedora...

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ALTA FLORESTA FACTFLOR 2010/2011 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACTFLOR DIRETOR DA FACTFLOR Prof. Dr. JOSÉ ANTÔNIO TOBIAS VICE-DIRETORA

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CONCURSO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO UNICASTELO 2016/1 EDITAL

CONCURSO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO UNICASTELO 2016/1 EDITAL CONCURSO DE DE ESTUDO GRADUAÇÃO UNICASTELO 2016/1 EDITAL Por determinação do Reitor da Universidade Camilo Castelo Branco UNICASTELO, publica o presente edital para normatizar o processo de inscrições,

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

As políticas de avaliação da educação superior

As políticas de avaliação da educação superior VI FÓRUM DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS: A AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR COMO INDUTORA DE QUALIDADE As políticas de avaliação da educação superior Abril 2015 Panorama da educação superior no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Educacional da Igreja Evangélica Assembléia de UF: PR Deus em Curitiba (AEIEADC) ASSUNTO: Credenciamento

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem UF: BA Departamento Regional da Bahia SENAI-DR/BA ASSUNTO: Recredenciamento da

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 668, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA UniFil PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL LONDRINA 2004 1. IDENTIFICAÇÃO Centro Universitário Filadélfia UniFil Reitor: Dr. Eleazar Ferreira Pró-Reitora de Ensino de Graduação:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO PLANO DE GESTÃO 2013-2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PRINCÍPIOS...

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais