A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo"

Transcrição

1 A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo Nilza Maria Toledo Antenor Porto Velho Setembro / 2009 Sumário 1- A Outorga Onerosa do Direito de Construir e de Alteração de Uso: Conceitos e Diretrizes definidos no Estatuto da Cidade 2- Cada CIDADE é Única 3- A Outorga Onerosa do Direito de Construir no PDE do MSP 4- Estabelecimento de Estoque de Potencial Construtivo Lei /2004 de Uso do Solo 5- O que representa a Outorga Onerosa na Produção Imobiliária da Cidade de São Paulo 6- A Destinação dos Recursos do FUNDURB 7- Aperfeiçoamentos dos fatores de planejamento e social visando a contribuir não equilíbrio da relação emprego / habitante 8- Considerações Finais: destacando as diferenças urbanísticas de Aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir e do CEPAC Nas Operações Urbanas

2 Estatuto da Cidade DIRETRIZES GERAIS A POLÍTICA URBANA tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das FUNÇÕES SOCIAIS DA CIDADE e DA PROPRIEDADE O cumprimento da FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE dar-se-á quando forem reduzidas as desigualdades regionais e sociais, e quando forem restauradas a qualidade ambiental e as condições de vida urbana. A PROPRIEDADE URBANA cumpre a sua FUNÇÃO SOCIAL quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no Plano Diretor, assegurando o atendimento das necessidades dos cidadãos quanto à qualidade de vida, à justiça social e ao desenvolvimento das atividades econômicas. Estatuto da Cidade São DIRETRIZES DA POLÍTICA URBANA, dentre outros: A justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do processo de urbanização; A adequação dos instrumentos de política econômica, tributária e financeira e dos gastos públicos aos objetivos do desenvolvimento urbano, de modo a privilegiar os investimentos geradores de bem estar geral e a fruição dos bens pelos diferentes segmentos sociais; A recuperação dos investimentos do Poder Público de que tenha resultado a valorização de imóveis urbanos; A proteção, preservação e recuperação do meio ambiente natural e construído, do patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico e arqueológico.

3 Estatuto da Cidade A ORDENAÇÃO E O CONTROLE DO USO DO SOLO deverá evitar: A utilização inadequada dos imóveis urbanos; A proximidade de usos incompatíveis ou inconvenientes; O parcelamento do solo, a edificação ou o uso excessivos ou inadequados em relação à infraestrutura urbana; A instalação de empreendimentos ou atividades que possam funcionar como pólos geradores de tráfego, sem a previsão de infraestrutura correspondente. A retenção especulativa de imóvel urbano, que resulte na sua subutilização; A deterioração das áreas urbanizadas; A poluição e a degradação ambiental. Estatuto da Cidade OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O Plano Diretor poderá fixar áreas nas quais o direito de construir poderá ser exercido acima do coeficiente de aproveitamento básico adotado, mediante contrapartida a ser prestada pelo beneficiário. O Plano Diretor poderá fixar coeficiente de aproveitamento básico único para toda a zona urbana ou diferenciado para áreas específicas dentro da zona urbana. O Plano Diretor poderá fixar áreas nas quais poderá ser permitida alteração de uso do solo mediante contrapartida a ser prestada pelo beneficiário. Lei municipal estabelecerá as condições a serem observadas para a outorga onerosa do direito de construir e de alteração de uso, determinando: a fórmula de cálculo; os casos passíveis de isenção do pagamento da outorga; a contrapartida do beneficiário.

4 Estatuto da Cidade RECURSOS auferidos com a OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR serão aplicados: Regularização fundiária; Execução de programas e projetos habitacionais de interesse social; Constituição de reserva fundiária; Ordenamento e direcionamento da expansão urbana; Implantação de equipamentos urbanos e comunitários; Criação de espaços públicos de lazer e áreas verdes; Criação de unidades de conservação ou proteção de outras áreas de interesse ambiental; Proteção de Áreas de Interesse Histórico, Cultural ou Paisagístico.

5 Cidades CADA CIDADE É ÚNICA Cidade Global do Hemisfério Sul Superfície: km 2 Área urbanizada: km 2 População: 10,9 milhões de habitantes (2007) Densidade: 7.214,4 hab/km 2 PIB Total: US$ 108,12 bilhões (Fonte: IBGE/Seade 2005) PIB per capita: US$ 9,9 mil (Fonte: IBGE/Seade 2005) Dividida em 31 sub-prefeituras e 96 distritos Contêm: km de vias públicas 61,3 km de metro + 112,9 km de linhas de trem 111,5 km de corredores de ônibus 974 linhas urbanas de ônibus (frota: 15 mil veículos) Evolução da área construída total na cidade: milhões m milhões m milhões m milhões m 2 (268 milhões de uso residencial e 152 milhões para uso não-residencial) A Cidade de São Paulo

6 Potencialidades Cidade Global do Hemisfério Sul 19ª Cidade do Mundo em potencial de recursos 3ª maior bolsa de valores do mundo e 2ª das Américas 54 das 100 maiores empresas estrangeiras Melhor cidade para negócios na América Latina, a frente de Miami, Santiago e Cidade do México (Revista América Economia Maio/08) 2ª melhor universidade (USP) e melhores escolas de negócios da América Latina empresas privadas com atividades internas de Pesquisa & Desenvolvimento Maior centro médico-hospitalar da América Latina 70 culturas distintas vivendo em harmonia Centro de lazer e cultura (120 teatros, 280 cines, 88 museus) Um evento a cada 6 minutos Pólo Logístico (porto / aeroporto / rodovias / ferrovias) Debilidades Desigualdade social e territorial 20% da população mora em habitações precárias Taxa de desemprego: 13,7% Taxas de homicídio: 20,97 a cada hab Média de tempo gasto em transporte: 2 horas/dia Média de congestionamento:+ de 100 km/ h. pico 0,2 % de 16 mil toneladas por dia de lixo é reciclado

7 Diretrizes do PDE 3- A Outorga Onerosa do Direito de Construir no PDE do MSP Conceitos e Diretrizes do PDE DIRETRIZES DE ZONEAMENTO Zonas Exclusivamente Residenciais Zona Mista Zona Industrial em Reestruturação Área de Proteção Integral Área de Qualificação Ambiental Área de Uso Sustentável

8 Diretrizes do PDE LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANTIGO ZONEAMENTO Lei /2004 Z1 = 51, 31 Km² (4,4%) Z6 E Z7 57,97km² em 2002 Z3, Z4, Z5, Z10 e Z12 83,35 Km² (7,15%) ZER 1,2,3 = 45,96 Km² (3,94%) ZPI 37,97km² em 2004 ZM-3b e ZCPb = 87,36 Km² (7,49%) ZM-3a e ZCPa = 177,70 Km² (15,24%) ZM 2 = 164,13 Km² (14.08%) ZM 1 = 131,27 km² = (11,26%)

9 O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO MACROZONA DE ESTRUTURAÇÃO E QUALIFICAÇÃO URBANA CA MACROZONA DE ESTRUTURAÇÃO E QUALIFICAÇÃO URBANA DENSIDADE MÍN BÁSICO MÁX ZER-1: zona exclusivamente residencial Baixa 0, ZER-2: zona exclusivamente residencial Média 0, ZER-3: zona exclusivamente residencial Alta 0, ZPI: zona predominantemente industrial - 0,1 1 1,5 ZM-1: zona mista Baixa 0,2 1 1 ZM-2: zona mista Média 0,2 1 2 ZM-3a: zona mista Alta 0,2 1 2,5 ZM-3b: zona mista Alta 0,2 2 2,5 ZCPa: zona centralidade polar Alta 0,2 1 2,5 ZCPb: zona centralidade polar Alta 0,2 2 4 ZCLa: zona centralidade linear Alta 0,2 1 2,5 ZCLb: zona centralidade linear Alta 0,2 2 4 ZCLz-I: zona centralidade linear Baixa 0, ZCLz-II: zona centralidade linear Baixa 0, ZTLz-I: zona centralidade linear Baixa 0, ZTLz-II: zona centralidade linear Baixa 0, ZOE: zona de ocupação especial Plano Diretor Estratégico A Outorga Onerosa é a autorização, pelo Poder Público, de potencial construtivo adicional acima do resultante da aplicação do Coeficiente de Aproveitamento Básico, até o limite estabelecido pelo Coeficiente de Aproveitamento Máximo, de alteração de uso, mediante pagamento de contrapartida financeira, desde que haja estoque de área construída por uso. Os recursos auferidos com a outorga onerosa são destinados ao FUNDURB para atendimento das seguintes finalidades: I- execução de programas e projetos habitacionais de interesse social, incluindo a regularização fundiária e a aquisição de imóveis para constituição de reserva fundiária; II - transporte coletivo público urbano; III - ordenamento e direcionamento da expansão urbana, incluindo infra-estrutura, drenagem e saneamento; IV - implantação de equipamentos urbanos e comunitários, espaços públicos de lazer e áreas verdes; V - proteção de outras áreas de interesse histórico, cultural ou paisagístico, incluindo o financiamento de obras em imóveis públicos classificados como ZEPEC; VI - criação de unidades de conservação ou proteção de outras áreas de interesse ambiental

10 Fórmula da Contrapartida Financeira Ct = Fp x Fs x B Onde: Ct = contrapartida financeira relativa a cada m² de área construída adicional. Fp = fator de planejamento, entre 0,25 e 1,4, segundo o Quadro 15A anexo à Parte I da Lei /2004. Fs = fator de interesse social, entre 0 e 1,0, segundo o Quadro 16A anexo à Parte I da Lei /2004. B = benefício econômico agregado ao imóvel, calculado segundo a seguinte equação: B= vt CAb Sendo: vt = valor do m² do terreno fixado na Planta Genérica de Valores PGV CAb = Coeficiente de Aproveitamento Básico. Os recursos auferidos com a OUTORGA ONEROSA do DIREITO de CONSTRUIR são destinados ao Fundo de Desenvolvimento Urbano FUNDURB. Fórmula da Contrapartida FinanceiraExemplo de Aplicação da Outorga Onerosa CÁLCULO DE OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR EXEMPLO 1 Subprefeitura Vila Mariana Terreno A Terreno B m² 2.525,00 m² 2.329,00 m² Valor do m² de terreno R$ 773,13 R$ 725,82 Distrito Vila Mariana Uso Residencial - R 0,70 0,70 Fator de Planejamento Urbano - Fp Uso não Residencial - nr 1,00 1,00 Fator de Planejamento Urbano - Fp Fator de Interesse Social Fs 1,00 1,00 Zona de Uso ZCPb ZM3a CA básico 2,0 1,0 CA máximo 3,0 2,0 Classificação da via Coletora Coletora Largura da via 12 m 12 m Zona de uso na legislação anterior Z3 Z2 Gabarito de altura sem limite sem limite

11 Exemplo de aplicação da Outorga Onerosa USO RESIDENCIAL R Terreno A Ct = Fp x Fs x (Vt CAb) Ct = 0,70 x 1,00 x (R$ 773,13 2,0) Ct = R$ 270,60 Terreno B Ct = Fp x Fs x (Vt CAb) Ct = 0,70 x 1,00 x (R$ 725,82 2,0) Ct = R$ 254,04 Terreno A Terreno B PC lote = A. terreno x CA máximo PC lote = A. terreno x CA máximo PC lote = 2.525,00 m² x 3,0 PC lote = 2.329,00 m² x 2,0 PC lote = 7.575,00 m² PC lote = 4.658,00 m² PC básico = A. terreno x CA básico PC básico = A. terreno x CA básico PC básico = 2.525,00 m² x 2,0 PC básico = 2.329,00 m² x 2,0 PC básico = 5.050,00 m² PC básico = 4.658,00 m² PC adicional = PC lote - PC básico PC adicional = PC lote - PC básico PC adicional = 7.575,00 m² ,00 m² PC adicional = 4.658,00 m² ,00 m² PC adicional = 2.525,00 m² PC adicional = 00,00 m² O uso residencial do Terreno B utilizou-se do previsto no artigo 166 do PDE para acrescer em uma vez o CA básico. Exemplo de aplicação da Outorga Onerosa USO NÃO RESIDENCIAL nr Terreno A Ct = Fp x Fs x (Vt CAb) Ct = 1,00 x 1,00 x (R$ 773,13 2,0) Ct = R$ 386,56 Terreno B Ct = Fp x Fs x (Vt CAb) Ct = 1,00 x 1,00 x (R$ 725,82 1,0) Ct = R$ 725,82 Terreno A Terreno B PC lote = A. terreno x CA máximo PC lote = A. terreno x CA máximo PC lote = 2.525,00 m² x 3,0 PC lote = 2.329,00 m² x 2,0 PC lote = 7.575,00 m² PC lote = 4.658,00 m² PC básico = A. terreno x CA básico PC básico = A. terreno x CA básico PC básico = 2.525,00 m² x 2,0 PC básico = 2.329,00 m² x 1,0 PC básico = 5.050,00 m² PC básico = 2.329,00 m² PC adicional = PC lote - PC básico PC adicional = PC lote - PC básico PC adicional = 7.575,00 m² ,00 m² PC adicional = 4.658,00 m² ,00 m² PC adicional = 2.525,00 m² PC adicional = 2.329,00 m²

12 Estoque de Potencial Construtivo 4- Estabelecimento de Estoque de Potencial Construtivo Lei /2004 de Uso do Solo Metodologia Estoques de Potencial Construtivo Adicional A Metodologia para definição do Estoque de Potencial Construtivo Adicional Tomou por base a evolução da Área Construída por uso nas quadras contidas nos distritos, no período de 1991 a 2000 Análise dos coeficientes de aproveitamento máximo das zonas de uso do zoneamento vigente, com base na transição definida pelo PDE, dado que os PRE das 31 Subprefeituras estavam em elaboração. Foram calculadas as Áreas Mais Prováveis de Construção (AMPC) que tem por referência os dados de uso do solo por quadra contida nos distritos considerando a soma de: 90% de terrenos vagos; 40% da área de terreno com uso residencial horizontal; 30% da área de terreno com uso comercial e serviço horizontal 5% da área de terreno de uso residencial de médio padrão horizontal.

13 Metodologia Estoques de Potencial Construtivo Adicional A partir da AMPC (renovação) foram aplicadas três hipóteses de crescimento (mínimo, médio e máximo) em função da tendência observada no período de 1991 a Para cada distrito foram feitas avaliações junto a Secretaria Municipal de Transportes em especial a CET sistema operacional de tráfego, para ajustes dos estoques em distritos que já apresentavam maior comprometimento do sistema viário Este trabalho resultou na aprovação da Lei /2004 com a oferta de Área Construída Total Adicional = m² Residencial = m² (71%) Não Residencial = m² (29%) Que foram distribuídos em 91 distritos, Exceto os distritos: Anhanguera, Grajaú, Marsilac, Parelheiros, e Raposo Tavares da Macrozona de Proteção Ambiental. Estoque de Potencial Adicional Construtivo por Distrito NÃO RESIDENCIAL RESIDENCIAL

14 Fator de Planejamento (Fp) NÃO RESIDENCIAL RESIDENCIAL Fator de Planejamento (Fp)

15 Plano Diretor Estratégico O Fator de Planejamento (Fp) da equação foi estabelecido para os 96 distritos municipais, que variam segundo a categoria de uso (residencial e não residencial). O Fp para uso não residencial predominante é igual a 0,7 para um terço dos distritos (31), que corresponde aos distritos contidos na área intermediária no entorno do centro. Observa-se também que há 10 distritos com Fp igual a 0,3, situados no leste e norte extremos. O distrito com maior Fp é o Itaim Bibi com 1,4, seguido dos distritos Moema e Alto de Pinheiros ambos com FP igual a 1,2, e do distrito Jardim Paulista com Fp igual a 1,1. Já o Fp para o uso residencial apresenta pouca variação (0,6 a 1,2). A maior predominância do Fp para o uso residencial é de 0,6 para 64 distritos. O distrito com maior Fp para o uso residencial é Alto de Pinheiros (1,2) seguido e Itaim Bibi (1,0), de Moema, Jardim Paulista, República, Perdizes e Vila Andrade com Fp igual a 0,8, uma vez que já apresentam expressivo adensamento residencial. Verifica-se pequeno acréscimo do Fp (0,65) para os distritos Brasilândia, Cachoeirinha e Mandaqui, que são limites com a Reserva Estadual da Cantareira. O Fp deverá ser revisto em função de estudos que estão sendo realizados sobre a capacidade de suporte da infra-estrutura, por meio de Termo de Cooperação Técnica assinado pela Secretaria Municipal de Planejamento SEMPLA e a Secretaria de Transportes Metropolitanos STM, que tem como instrumento de avaliação o modelo TRANUS, que considera cenários em função das diretrizes de desenvolvimento urbano visando ao equilíbrio entre emprego e população. Como o Fator de Planejamento (Fp) varia para usos residenciais e não-residenciais, por distrito, verifica-se o encarecimento ou barateamento do custo das outorgas de área construída adicional de acordo com o interesse municipal em incentivar o adensamento de algumas regiões menos atraentes para o mercado imobiliário, assim como obter maior contrapartida financeira de empreendimentos localizados em porções já valorizadas do território paulistano. Fator Social (Fs) Para o Fator Social (Fs) a lei de uso (13.885/04) estabelece isenção ou redução de acordo com o interesse público para usos socialmente relevantes (sem variações quanto à localização no território municipal) como: habitações de interesse social; instituições educacionais; Instituições de saúde; Instituições culturais, esporte e lazer garantindo descontos às contrapartidas financeiras que podem chegar até 100% da outorga de área construída adicional.

16 Fator Social (Fs) Outorga Onerosa e a Produção Imobiliária 5- A Outorga Onerosa do Direito de Construir na Produção Imobiliária da Cidade de São Paulo

17 Evolução de Alvarás de Edificações Novas Evolução de Alvarás de Edificações Novas

18 Área Construída Aprovada e Outorga Onerosa (2002 a 2008) Relação entre Área Construída Adicional Onerosa e Área Construída Aprovada

19 Consumo de Áreas Construída Residencial em relação ao Estoque Consumo de Área Construída não Residencial em relação ao Estoque

20 Consumo de Outorga Onerosa no MSP (2002 a 2008) Consumo de outorga onerosa no Município de São Paulo ( ) Área Construída Excedente Contrapartida Financeira Média de valor do m² de outorga (R$/m²) Total de Área Construída Excedente Total de Contrapartid a Financeira (R$) Média de valor do m² de outorga (R$/m²) Total geral - Município de São Paulo Fonte: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, Departamento de Uso do Solo - PMSP Tabulação: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, Departamento de Urbanismo - PMSP Consumo de Estoque NÃO RESIDENCIAL RESIDENCIAL

21 Indicadores da Outorga Onerosa Residencial Indicadores da Outorga Onerosa Não Residencial

22 FUNDURB 6- A Destinação dos Recursos do FUNDURB Fundo de Desenvolvimento Urbano (FUNDURB) O Fundo de Desenvolvimento Urbano (FUNDURB) foi criado com a finalidade de implementar os planos e projetos urbanísticos e ambientais integrantes ou decorrentes do PDE de acordo com as prioridades estabelecidas pelo Conselho Gestor e apresentadas no Conselho Municipal de Política Urbana. Os recursos do FUNDURB são constituídos por: Dotações orçamentárias e créditos adicionais e suplementares; Empréstimos ou operações de financiamento internos e esternos; Contribuições ou doações de entidades internacionais; Outorga onerosa do direito de construir; Rendimentos obtidos com a aplicação de seu próprio patrimônio; dentre outras O FUNDURB é composto por 9 (nove) Secretários Municipais SMDU (Presidente); Habitação (Vice-Presidente) Finanças; Verde e Meio Ambiente; Infraestrutura Urbana e Obras; Governo; Coordenação das Subprefeituras; Transportes e Cultura; e 3 (três) Membros dentre os representantes eleitos.

23 Fundo de Desenvolvimento Urbano (FUNDURB) Definição de novos Estoques de Potencial Construtivo Adicional 7- Aperfeiçoamentos dos fatores de planejamento e social visando a contribuir não equilíbrio da relação emprego / habitante

24 Definição de novos Estoques de Potencial Construtivo Adicional Termo de Cooperação entre o Estado (STM) e a Prefeitura (SMDU) O Modelo TRANUS utilizando a rede de transporte do PITU 2025, os dados da Pesquisa O-D 2007 e os dados detalhados de uso do solo estabelece cenários de desenvolvimento urbano que permite avaliar as condições de mobilidade e de acessibilidade dos municípios da RMSP e a eficiência das redes multimodais de transportes e as políticas públicas necessárias para a busca do equilíbrio da relação emprego / habitante. Com o uso do Modelo TRANUS pode-se testar a capacidade de suporte do sistema viário no entorno das estações de transportes sobre trilhos e assim ajustar as políticas públicas que evite o movimento pendular de regiões dormitório aos pólos de emprego. Busca-se com isso a plena utilização da rede de transporte durante todo o período de operação nos dois sentidos da linha, diluindo os carregamentos da hora pico. Constituída por 102 cidade de 3 Regiões Metropolitanas agrupadas, mais 3 Aglomerações Urbanas: Região Metropolitana de São Paulo = 39 cidades Região Metropolitana de Campinas = 19 cidades Região Metropolitana da Baixada Santista = 9 cidades Aglomerado Urbano de São José dos Campos = 10 cidades Área de Expansão Metropolitana de Sorocaba-Jundiaí = 13 cidades Área de Expansão Metropolitana de Piracicaba-Limeira = 12 cidades Superfície Total: km 2 População Total: 28 milhões de habitantes (2007) PIB Total: US$ 239,1 bilhões (Fonte: IBGE/Seade 2005) Equivalente a 27,1% do PIB do Brasil Macrometrópole Paulista PIB per capita: US$ 8,5 mil (Fonte: IBGE/Seade 2005)

25 Revisão dos Estoques De Potencial Construtivo Densidade Habitacional Fonte: PITU 2025, TPCL 2008 Elaboração SMDU-DEURB Revisão dos Estoques De Potencial Construtivo Densidade Emprego Fonte: PITU 2025, TPCL 2008 Elaboração SMDU-DEURB 2009.

26 Revisão dos Estoques De Potencial Construtivo Relação Emprego por Habitante Melhorando o Desempenho do Sistema de Transportes pela Localização de Atividades Urbanas Induzindo a Ocupação de Áreas com Capacidade de Suporte induzir a implantação de centralidades sustentáveis adensamento onde há capacidade de suporte de viário, de transportes, ambiental e urbanística. adequar a capacidade de suporte onde há potencial para adensamento Fonte: SEMPLA/DEURB

27 Operação Urbana Consorciada 8- Considerações Finais: destacando as diferenças urbanísticas de Aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir e do CEPAC Nas Operações Urbanas CEPAC O CEPAC é um título negociável em bolsa proposto como forma de obtenção antecipada de recursos destinados à realização do programa de investimentos da Operação Urbana Consorciada. A emissão total autorizada pela CVM é em função do estoque de potencial construtivo por uso estabelecido para a operação. Um CEPAC pode variar em metros quadrados de área construída computável adicional conforme sua localização e o uso. Isso significa que um empreendedor que adquirir CEPAC em leilão poderá depois utilizá-lo em lote contido no perímetro da operação, trocando, por exemplo, um CEPAC por 1,5 m², de área construída computável adicional no Itaim se for construir edifício de escritórios, ou por 6,0 m², de área construída computável adicional na Vila Olímpia para a construção de edifício residencial. A questão fundamental é manter a competitividade do CEPAC em relação ao custo das quotas de terreno no mercado.

28 Pontos de Outorga Onerosa e de CEPAC Pontos de Outorga Onerosa e de CEPAC

29 OPERAÇÕES URBANAS 8 OPERAÇÕES URBANAS EXISTENTES 1) FARIA LIMA 2) ÁGUA BRANCA 3) CENTRO 4) ÁGUA ESPRAIADA 5) RIO VERDE / JACÚ OPERAÇÕES URBANAS PROPOSTAS 6) VILA SÔNIA 7) VILA LEOPOLDINA 8) DIAGONAL NORTE 9) DIAGONAL SUL 10) CARANDIRU / VILA MARIA 11) CELSO GARCIA 12) AMADOR BUENO 13) SANTO AMARO 14) PÓLO DESENVOLVIMENTO SUL 15) TERMINAL LOGÍSTICO FERNÃO DIAS 14 * A Operação Urbana Terminal Logístico Fernão Dias não foi prevista na Lei n /04 OPERAÇÕES URBANAS

30 Transformando a orla ferroviária e áreas industriais LEGENDA Predominância do Uso Industrial (TPCL 2005) Rede sobre Trilhos existente (CPTM) Rede de Metrô existente (Metrô) Operações Urbanas existentes Operações Urbanas propostas (Plano Diretor Estratégico Lei nº13.885/04) Transformando a orla ferroviária e áreas industriais Vila Leopoldina Água Branca Diagonal Sul Rio Verde Jacu LEGENDA Predominância do Uso Industrial (TPCL 2005) Pólo Desenvolvimento Sul Rede sobre Trilhos existente (CPTM) Rede de Metrô existente (Metrô) Rede Essencial do Metrô (Metrô ) Operação Urbana Rio Verde Jacu Operações Urbanas Selecionadas

31 Transformando a orla ferroviária e áreas industriais Vila Leopoldina Água Branca Diagonal Sul Rio Verde Jacu Zona Industrial de Itaquera LEGENDA Predominância do Uso Industrial (TPCL 2005) Pólo Desenvolvimento Sul Rede sobre Trilhos existente (CPTM) Rede de Metrô existente (Metrô) Rede Essencial de Metrô (Metrô ) Operação Urbana Rio Verde Jacu Operações Urbanas Selecionadas Transformando a orla ferroviária e áreas industriais Diagonal Norte Carandiru / Vila Maria Centro LEGENDA Predominância do Uso Industrial (TPCL 2005) Rede sobre Trilhos existente (CPTM) Rede de Metrô existente (Metro) Rede Essencial do Metrô (Metrô ) Operações Urbanas existentes Operações Urbanas propostas (Plano Diretor Estratégico Lei nº /04)

32 Operação Urbana Rio Verde-Jacu Oportunidade: Indução de atividade econômica Pólo Industrial Plataformas Logísticas Subproduto importante Melhoria do Desempenho do Sistema de Transportes É necessária a articulação com a Lei de Incentivos Fiscais para a Zona Leste Pólo Institucional de Itaquera Levantamento Fotográfico da Área de Intervenção

33 Pólo Institucional de Itaquera Implantação Geral do Pólo Institucional Ciclovia Itaquera - Guaianases 2 13 Ciclovia Tatuapé - Itaquera Ciclovia Itaquera - Pq. do Carmo 1 Fórum 2 Rodoviária 3 FATEC / ETEC 4 SENAI 5 Alimentação e Serviços 6 Incubadora e Laboratórios 7 Centro de Convenções 8 Auditório 9 Centro Cultural 10 Edifício Comercial 11 Polícia Militar e Bombeiros 12 Instituto Dom Bosco 13 Parque Linear Rio Verde Pólo Institucional de Itaquera

34 A aplicação da Outorga Onerosa do Direito de Construir em São Paulo Nilza Maria Toledo Antenor Porto Velho Setembro / 2009

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Outubro 2011 1. Ferramentas de Financiamento e seu Uso a) Que ferramentas para a

Leia mais

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Agosto / 2011 Desenvolvimento Urbano Sustentável - Desafios Desenvolvimento da Zona

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013

Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 Revisão do Plano Diretor Estratégico o que muda na legislação urbanística da cidade de São Paulo PL 688/2013 EDUARDO DELLA MANNA PPU PLANEJAMENTO E PROJETOS URBANOS LTDA sócio-diretor NIIT NÚCLEO DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável SP-URBANISMO Operações Urbanas - Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretario de Desenvolvimento Urbano do Municipio de São Paulo apresentado por João Cyro André

Leia mais

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo Organização do Espaço na Cidade de São Paulo A Copa do Mundo e o Desenvolvimento da Zona Leste Arq. Alberto Fasanaro Lauletta Setembro / 2011 Histórico da Expansão Urbana Até 1929 LEGENDA São Paulo Região

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Zona Leste

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Zona Leste Cenário Atual da Região Projeto de Desenvolvimento Atividades Alvo Lei 14.654/2007 - Benefícios Cenário Atual da Região As mudanças advindas dos processos de modernização da economia: Maior automação industrial

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

A mudança do Plano Diretor de São Paulo e a visão urbana da indústria imobiliária RICARDO YAZBEK SECOVI-SP 29-08-2013

A mudança do Plano Diretor de São Paulo e a visão urbana da indústria imobiliária RICARDO YAZBEK SECOVI-SP 29-08-2013 A mudança do Plano Diretor de São Paulo e a visão urbana da indústria imobiliária RICARDO YAZBEK SECOVI-SP 29-08-2013 afunção da indústria imobiliária no contexto do desenvolvimento urbano 2 produção de

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

Com tantas discussões sobre as

Com tantas discussões sobre as Mercado A LEGISLAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL Plano Diretor e alguns de seus instrumentos reguladores: Zoneamento e Operações Urbanas Consorciadas Com tantas discussões sobre as Operações Urbanas e

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014)

Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Os Impactos do novo Plano Diretor na Vila Madalena PDE LEI Nº16.050 (31 de Julho de 2014) Ivan Maglio Eng Civil e Dr em Saúde Ambiental Coordenador do PDE 2002, Planos Regionais das Subprefeituras e LUOS

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br Programa para Programa para LAND READJUSTMENT - REAJUSTE DE TERRENOS Administração

Leia mais

CORINTHIANS 25% 32,88% SÃO PAULO 21% 22,00% PALMEIRAS 18% 14,63% SANTOS 5% 5,88% FLAMENGO 4% 2,25% NENHUM 24% 19,75%

CORINTHIANS 25% 32,88% SÃO PAULO 21% 22,00% PALMEIRAS 18% 14,63% SANTOS 5% 5,88% FLAMENGO 4% 2,25% NENHUM 24% 19,75% VILA LEOPOLDINA 1 CORINTHIANS 25% 32,88% SÃO PAULO 21% 22,00% PALMEIRAS 18% 14,63% SANTOS 5% 5,88% FLAMENGO 4% 2,25% NENHUM 24% 19,75% Fonte: DNA Paulistano Datafolha 2009. 2 Características Fonte: GeoSecovi

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Lapa Dezembro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo

APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo APRESENTAÇÃO SMT Copa 2014 - São Paulo A cidade de São Paulo em números 11 milhões de habitantes 6ª maior cidade do mundo 145 milhões de m² de área verde 1 Feira/Exposição a cada 3 dias (US$ 1,2 bilhão

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região Título

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta

Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta Ocupação de áreas contaminadas na cidade de São Paulo: atuação da SVMA nos processos de aprovação de empreendimentos Geólogo Milton Tadeu Motta Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria Municipal do

Leia mais

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial Produção social da valorização imobiliária A valorização imobiliária é definida por: Distribuição de investimentos públicos

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento. Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento. Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento Urbano da Cidade de São Paulo Reunião com Entidades da Subprefeitura de Pinheiros 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento Urbano

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

Manual de Licenciamento de Projetos

Manual de Licenciamento de Projetos Manual de Licenciamento de Projetos Conteúdo Apresentação... 3 O que é o licenciamento de projetos?... 4 O que observar antes de fazer o projeto?... 5 Zoneamento... 6 Uso e Ocupação do Solo... 7 Melhoramento

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE LEGALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. SINDUSCON SP 09 DE SETEMBRO a 25 DE NOVEMBRO DE 2009

SEMINÁRIO SOBRE LEGALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. SINDUSCON SP 09 DE SETEMBRO a 25 DE NOVEMBRO DE 2009 SEMINÁRIO SOBRE LEGALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SINDUSCON SP 09 DE SETEMBRO a 25 DE NOVEMBRO DE 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO PARCELAMENTO DO SOLO ARQUITETA MARIA LÚCIA

Leia mais

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO + Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Taller sobre EL FUTURO DEL FINANCIAMIENTO URBANO EN AMÉRICA LATINA LATINA PORTO ALEGRE Curitiba População: SÃO PAULO 1 751 907 hab 1.751.907 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009: 1,26%

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE São Miguel Distritos Vila Jacuí, São Miguel Paulista e Jardim Helena T A

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Outubro 2013 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos:

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Gunther Calvente Grineberg Maio 2011 Mercado Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Alguém conhece

Leia mais

Nota da Reunião de 10 de outubro de 2013

Nota da Reunião de 10 de outubro de 2013 Introdução Nota da Reunião de 10 de outubro de 2013 Tema Debatido: Projeto de Lei do Plano Diretor Estratégico de São Paulo: Análise dos Impactos no Setor de Real Estate Em 26 de setembro, foi entregue

Leia mais

SUMÁRIO DAS NORMAS COMPLEMETARES AO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO

SUMÁRIO DAS NORMAS COMPLEMETARES AO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO SUMÁRIO PARTE I DAS NORMAS COMPLEMETARES AO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO Título I - Dos Elementos Estruturadores Capítulo I - Da Rede Estrutural Hídrica Ambiental Capítulo II - Da Rede Viária Estrutural Capítulo

Leia mais

Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2

Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2 Modelo De Desenvolvimento Policêntrico Orientado Pelo Transporte. Bruno de Lima Borges 1 ; Marcelo Fonseca Ignatios 2 1;2 SPUrbanismo, Diretoria de Desenvolvimento, Superintendência de Estruturação de

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Indicadores técnicos e de percepção

Indicadores técnicos e de percepção Indicadores técnicos e de percepção Observatório Cidadão Nossa São Paulo Banco virtual que disponibiliza um conjunto de indicadores sociais, ambientais, econômicos, políticos e culturais sobre a cidade

Leia mais

P L A N O S DIRETORES

P L A N O S DIRETORES PLANOS REGIONAIS ESTRATÉGICOS DAS SUBPREFEITURAS LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo Estabelece normas complementares

Leia mais

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 (Projeto de Lei nº 139/04, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Estabelece normas complementares ao Plano Diretor Estratégico, institui

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Campo Limpo RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos e Diretrizes de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos:

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: oportunidade para uma metrópole sustentável? III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: Sergio Myssior Arquiteto e Urbanista, diretor da MYR projetos sustentáveis, Conselheiro CAU/MG,

Leia mais

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Vila Mariana Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana A cidade a gente

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pinheiros Distritos Alto de Pinheiros, Pinheiros, Itaim Bibi e Jardim Paulista

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

AJUDA GEOSECOVI. 1. O QUE É O SITE DO GEOSECOVI? 2. FERRAMENTAS BÁSICAS DO USUÁRIO 3. NAVEGAÇÃO NO MAPA Move o Mapa. Afasta o Mapa.

AJUDA GEOSECOVI. 1. O QUE É O SITE DO GEOSECOVI? 2. FERRAMENTAS BÁSICAS DO USUÁRIO 3. NAVEGAÇÃO NO MAPA Move o Mapa. Afasta o Mapa. AJUDA GEOSECOVI 1. O QUE É O SITE DO GEOSECOVI? 2. FERRAMENTAS BÁSICAS DO USUÁRIO 3. NAVEGAÇÃO NO MAPA Move o Mapa Afasta o Mapa Aumenta o Mapa Visualização Geral 4. CONTROLE DE CAMADAS Liga e Desliga

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

A proposta de Substitutivo, apresentada em seguida a este Parecer, inclui o novo texto da Lei, quadros e mapas. Passemos às considerações.

A proposta de Substitutivo, apresentada em seguida a este Parecer, inclui o novo texto da Lei, quadros e mapas. Passemos às considerações. Parecer do Relator do Vereador Nabil Bonduki que acompanha o Substitutivo ao Projeto de Lei 688/2013, que trata da revisão do Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo Esse Parecer se refere

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 44.667, DE 26 DE ABRIL DE 2004 Regulamenta as disposições da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que institui o Plano Diretor Estratégico, relativas às Zonas Especiais de Interesse Social

Leia mais

DE SÃO PAULO. 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo.

DE SÃO PAULO. 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo. 80 CAPÍTULO 3 PLANOS DIRETORES ESTRATÉGICOS DE SÃO PAULO 3.1. Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo (2002). 3.1.1. Estruturação e conteúdo. Ao contrário do que normalmente acontece, o Plano

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo OBSERVATÓRIO DO USO DO SOLO E DA GESTÃO FUNDIÁRIA DO CENTRO DE SÃO PAULO: Avaliação dos instrumentos instituídos ou implementados nos últimos 15 anos na área central de São Paulo Resumo Executivo Parte

Leia mais

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Dinâmica do Licenciamento Evolução da Área Licenciada 1980-2011 5,3 mil Evolução da Área

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T Casa Verde Distritos Limão, Cachoeirinha e Casa Verde A cidade a gente

Leia mais

Projeto Porto Maravilha

Projeto Porto Maravilha Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO LEI COMPLEMENTAR Nº. 51/2013 de 22 de julho de 2013. Institui o Plano Diretor Municipal (PDM) de Jacarezinho. A Câmara Municipal de Jacarezinho,, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Itaim Paulista Distritos Lajeado e Itaim Paulista A cidade a gente constrói

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

A região Leste possui mais de 35% da população e apenas 16% dos empregos da cidade

A região Leste possui mais de 35% da população e apenas 16% dos empregos da cidade Relação entre População e Empregos Região Central Região Leste Região Norte Região Oeste Região Sul São Paulo Empregos Ocupados 974.539 763.075 510.020 1.039.346 1.520.026 4.809.006 População 431.106 3.998.237

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Os aluguéis das casas e apartamentos no mês de maio permaneceram estáveis em relação aos valores de abril. Em relação

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 No primeiro mês de 2015, os aluguéis registraram alta de 0,4%, comparado com o mês anterior. Considerando o comportamento

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Ministério das Cidades Planejamento Urbano

Ministério das Cidades Planejamento Urbano Ministério das Cidades Planejamento Urbano Workshop Financiamento de Municípios - ABDE Rio de Janeiro 18 de julho de 2013 Secretaria Nacional de Acessibilidade e Programas Urbanos Departamento de Políticas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BENEVIDES; Faço saber que a Câmara

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

A Relação entre Planos Diretores e Mobilidade Urbana: O caso de São Paulo

A Relação entre Planos Diretores e Mobilidade Urbana: O caso de São Paulo A Relação entre Planos Diretores e Mobilidade Urbana: O caso de São Paulo O Plano Diretor de São Paulo Fábio Mariz Gonçalves SMDU - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano TRANSPORTE

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos

Fazendo a cidade com as próprias mãos Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Penha Distritos de Artur Alvim, Penha, Cangaíba e Vila Matilde A cidade

Leia mais