REVISTA ELETRÔNICA FAFIT/FACIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA ELETRÔNICA FAFIT/FACIC"

Transcrição

1 Faculdades Integradas de Itararé FAFIT-FACIC Itararé SP Brasil v. 04, n. 01, jan./jun. 2013, p REVISTA ELETRÔNICA FAFIT/FACIC PERCEPÇÃO DE BEM-ESTAR: UM ESTUDO COM OPERADORES DE EMPILHADEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE PONTA GROSSA/PR PERCEPTION OF WELFARE: A STUDY WITH FORKLIFT OPERATORS OF A INDUSTRY OF PONTA GROSSA, STATE OF PARANÁ. Thaiane Moleta Curso de Especialização em Personal/Populacional Trainer da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Campus de Uvaranas UEPG Ponta Grossa Brasil Leandro Martinez Vargas Curso de Educação Física das Faculdades Integradas de Itararé FAFIT Itararé Brasil. Marcus William Hauser Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Ponta Grossa, campus de Uvaranas UEPG Ponta Grossa Brasil. Resumo O objetivo do presente estudo foi verificar a percepção de bem-estar em 32 operadores de empilhadeira de uma indústria do setor alimentício da cidade de Ponta Grossa/PR, dos quais 11 eram funcionários do turno da manhã, 12 do turno da tarde e 9 do turno da noite. A análise da percepção de bem-estar do grupo foi possível através da aplicação do questionário do Perfil do Estilo de Vida Individual (PEVI). Foi realizada a análise descritiva das variáveis mensuradas, apresentando os dados por meio de média e desvio padrão. A normalidade dos dados foi avaliada pelo teste de Shapiro-Wilk, onde foram consideradas estatisticamente normais aquelas variáveis que apresentaram valor de p<0,05. Foi possível concluir que os componentes mais negligenciados pelo grupo amostral foram: Nutrição e Atividade física. Propõe-se para a indústria participante a aplicação de atividades voltadas para a orientação e promoção de um estilo de vida saudável, com ênfase na alimentação e exercícios físicos. Palavras-chave: Bem-estar; Operadores de empilhadeira; Indústria. Abstract The aim of this study was to investigate the perception of well-being of 32 forklift operators of an industry in the food sector of the city of Ponta Grossa/PR, of which 11 were employees of the morning shift, 12 afternoon shift and 9 night shift. The analysis of the perception of well-being was of the group possible by applying the questionnaire Individual Lifestyle Profile (PEVI). We performed a descriptive analysis of variables measured, the data presents as mean and standard variation. Data normality was assessed by the Shapiro-Wilk test, which were considered statistically normal those variables that showed p<0,05. It was concluded that the most overlooked components for the sample group were: Nutrition and Physical Activity. It is proposed for the industry participant to apply activities aimed at guiding and promoting a healthy lifestyle with emphasis on diet and physical exercises.

2 Keywords: Welfare, forklift operators; Industry. 1. Introdução Por bem estar entende-se a integração harmoniosa entre os componentes mentais, físicos, espirituais e emocionais, preconizando que o todo é sempre maior que a soma das partes que o compõem (SEAWARD, 1997 apud NAHAS, 2000). Enquanto a condição de saúde é determinada por meios objetivos e subjetivos, o bem estar é sempre uma percepção subjetiva individual (NAHAS, 2000). Ligado ao bem estar, o estilo de vida compreende o conjunto de ações cotidianas que reflete as atitudes e valores das pessoas. Estas ações e hábitos estão associados à percepção de qualidade de vida que o indivíduo traz consigo (SALLIS; OWEN, 1999 apud NAHAS, 2000). Segundo o relatório geral do estilo de vida e hábitos de lazer dos trabalhadores das indústrias brasileiras (2009), o estilo de vida representa um dos principais fatores associados ao aparecimento das chamadas doenças da civilização, decorrentes das novas rotinas adotadas pela maioria das pessoas. Destaca-se, ainda, que a melhor forma de combater o problema é através da prevenção por meio de mudanças de comportamento, neste caso, dos trabalhadores. Mas, para que sejam desenvolvidas ações de promoção da saúde e qualidade de vida nas empresas, é necessário conhecer a realidade em cada contexto. Segundo Brasil (2009), desenvolver ações de promoção da saúde e da qualidade de vida representa um investimento de retorno garantido para as empresas a médio e longo prazo. Trabalhadores bem informados e conscientes de que seus comportamentos podem determinar maior ou menor risco de adoecer (ou mesmo de ficar incapacitado ou morrer precocemente) são, certamente, mais saudáveis, produtivos e, possivelmente, mais felizes. Nahasl et al. (2000) fundamentam um modelo sobre os componentes do estilo de vida que afetam a saúde e o bem estar individual: nutricionais, nível de stress, atividade física habitual, relacionamentos e comportamento preventivo. O modelo fundamenta-se na visão holística de saúde e qualidade de vida. É um instrumento de fácil visualização por ser representado através do Pentáculo do Bem Estar. Pode ser utilizado como base para intervenções individuais ou grupais, objetivando mudanças de comportamento e promoção da saúde. Santos e Venâncio (2006) utilizaram o Pentáculo do Bem Estar para analisar o perfil do estilo de vida de 43 acadêmicos concluintes em Educação Física do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - Unileste-MG. Os dados foram analisados através da média e percentual, e concluíram que o perfil deste grupo estava bom, deixando a desejar no componente atividade física e nutrição. Timossi et al. (2006) diagnosticaram o perfil do estilo de vida e da qualidade de vida de servidores em uma organização federal. O instrumento utilizado foi o Perfil do Estilo de Vida Individual (PEVI), sob a forma de questionário, aplicado a uma população de 32 pessoas. Os autores concluíram que os fatores presentes no estilo de vida dos servidores federais mais negligenciados foram: nutrição e atividade física. O estudo salienta a importância e os benefícios de se ampliar a compreensão sobre o estilo de vida, dentro e fora das organizações de trabalho, e sua íntima relação com a qualidade de vida e saúde. De acordo com o estudo de Brandstrup e Biering Sorensen (1987), os operadores de empilhadeira, quando comparados com outros grupos de trabalhadores da indústria, estão mais expostos a riscos ergonômicos. Não foram encontrados estudos que utilizaram o PEVI neste grupo de trabalhadores no Brasil. Pesquisas com esta população estão mais 2

3 relacionados à influência da ergonomia e vibração das máquinas com o sistema osteomuscular do trabalhador. Como limitação do estudo, Hernandez et al (2007) buscaram verificar as características psicométricas do instrumento PEVI de Nahas (2000) derivado do modelo do Pentáculo do Bem Estar. Constataram vários itens saturando em fatores não prescritos pelos autores, comprometendo a validade de construto da medida e a fidedignidade do instrumento ficou aquém do desejável. Entretanto Hernandez et al (2007), admitem que deve-se considerar o estudo como apenas uma pequena evidência que, certamente, contém erro ao longo do processo, pois a amostra usada foi do tipo acidental e, embora tenha sido abordada num bairro típico da classe média, não está garantida sua homogeneidade. Em contrapartida, Both et al. (2008), analisou a validade de construto da escala de PEVI em uma amostra homogênea de 1606 professores de Educação Física da região Sul do Brasil. As evidências encontradas confirmaram que o instrumento apresenta adequada consistência interna, que as questões estão associadas aos respectivos componentes, assim como abordam diferentes indicadores das dimensões investigadas. Os autores destacam que a carência de instrumentos que avaliassem o estilo de vida justificou a utilização freqüente do PEVI, considerando que esse questionário foi construído para avaliar o estilo de vida individual e de grupos, de uma forma informativa/educativa, para fomentar a adoção de hábitos saudáveis. Portanto, analisar a percepção de bem estar geral dos operadores de empilhadeira fornecerá informações para que os responsáveis pela saúde do trabalhador na indústria selecionada possam intervir nos domínios que apresentarem menores escalas, e assim, elevar a qualidade de vida dessa população. Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi verificar a percepção de bem-estar dos operadores de empilhadeira de uma indústria do setor alimentício da cidade de Ponta Grossa/PR. 2. Metodologia Trata-se de uma pesquisa com caráter transversal e de corte populacional. É de natureza aplicada, pois objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigido à solução de problemas específicos, neste caso, se houver classificação negativa ou regular em algum componente do questionário do PEVI respondido pelos operadores. Classificada como uma pesquisa quanti-qualitativa. Quantitativa por traduzir em números as informações obtidas através dos questionários, que possibilitará classificá-los e analisá-los utilizando-se procedimentos estatísticos. Qualitativa pois, segundo Silva e Menezes (2001), irá considerar que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números. Define-se como descritiva em relação aos seus objetivos e, de levantamento, quanto ao procedimento técnico, uma vez que se procede pela coleta de dados através de questionários visando descrever as características dos trabalhadores cujos comportamentos se deseja conhecer (SILVA; MENEZES, 2001). Também é bibliográfica por ser elaborada a partir de material já publicado, constituído de livros, artigos científicos de periódicos e materiais disponibilizados na rede mundial de computadores. Baseado nas preocupações éticas e metodológicas discutidas nas Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo Seres Humanos (Resolução 196/96), o presente estudo teve o seu projeto de pesquisa encaminhado à Comissão de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Ponta Grossa (COEP-UEPG), o qual foi aprovado sob o parecer nº 163/

4 Todos os participantes preencheram e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), contendo informações relacionadas sobre os questionários aos quais seriam submetidos e assegurando também a sua privacidade. Todos os voluntários estavam cientes de que poderiam abdicar da participação da pesquisa a qualquer momento, sem que houvesse a necessidade de se justificar ao pesquisador responsável e sem prejuízo pessoal. A abordagem com os participantes da pesquisa foi feita em grupos de acordo com os turnos de trabalho. Antes de entregar o TCLE, a pesquisadora envolvida na coleta dos dados realizou uma explanação sobre a pesquisa, elencando a sua finalidade, objetivos, por que a função de operadores de empilhadeira foi escolhida e por fim, quais eram os resultados esperados e os benefícios que o estudo poderá proporcionar-lhes. A pesquisa foi desenvolvida em uma indústria do setor alimentício da cidade de Ponta Grossa/PR, selecionada intencionalmente por critério de acessibilidade. A amostra compreendeu os 32 operadores de empilhadeira desta indústria, sendo 11 do turno da manhã, 12 do turno da tarde e 9 do turno da noite. Para que o trabalhador participasse da pesquisa, deveria estar na faixa de idade entre 18 e 59 anos e ser funcionário da indústria participante no cargo de operador de empilhadeira há, no mínimo, três meses sem interrupção. Caso o funcionário fosse desligado da indústria durante o período de seleção e coleta dos dados ou se estivesse dispensado de sua rotina diária de trabalho por qualquer motivo de afastamento, seria excluído da pesquisa. Os critérios escolhidos tiveram o objetivo de manter a homogeneidade da amostra populacional quanto aos aspectos socioeconômicos. A faixa etária foi escolhida considerando a faixa de idade de trabalhadores ativos. Com relação à percepção de bemestar, evitou-se a inclusão de trabalhadores que tivessem aderido a esta atividade muito recentemente, o que poderia dificultar a percepção dos mesmos nas alterações decorrentes dessa prática. Dos 32 funcionários atuantes na função de operador de empilhadeira nos dias da coleta de dados, três estavam em férias. Portanto, 29 questionários foram entregues e todos estavam dentro dos critérios de inclusão. A coleta de dados procedeu-se a partir da aplicação de dois questionários. O primeiro coletou as informações antropométricas e sócio-demográficas: peso (kg) e estatura (metros) auto-relatados; gênero; idade em anos completos; situação conjugal; escolaridade (grau incompleto ou completo); e tempo que trabalha na indústria selecionada como operador de empilhadeira (meses e anos). O indicativo de salário foi excluído por opção da empresa participante. O segundo, o questionário do Perfil do Estilo de Vida Individual PEVI (NAHAS, 2000), o qual gera um mapa individual de avaliação de cinco aspectos (nutrição; atividade física; comportamento preventivo; relacionamento social; e controle do stress) representados por um pentáculo que ilustra os componentes que contribuem para a qualidade de vida dos indivíduos. São três perguntas por componente, cada uma com valores de zero a três, quanto mais próximo do valor máximo melhor é a atitude do indivíduo com relação ao item avaliado. A pontuação 0 indica que nada deve ser colorido; com a pontuação 1 deve-se colorir o pentáculo do centro até o primeiro círculo; com a pontuação 2, do centro até o segundo círculo; e com a pontuação 3, do centro até o terceiro círculo. Quanto mais preenchido estiver o pentáculo, melhor será o estilo de vida do indivíduo. O entrevistado poderia destacar a figura do pentáculo ao final do questionário, colorida por ele próprio, para arquivar seu resultado. Este questionário possibilitou classificar qualitativamente o grupo com índice negativo (menos de 1), regular (entre 1 e 1,99) ou positivo (entre 2 e 3) com relação à percepção de bem-estar em cada componente. Para construção do Pentáculo, 4

5 considerou-se a conversão para um número inteiro da média dos valores obtidos pelo grupo, como mostra a Tabela 1. Tabela 1 Classificação considerada para as médias obtidas pelo grupo em cada questão. Média entre os intervalos Classificação considerada 0,0 a 0,49 0 0,50 a 1,49 1 1,50 a 2,49 2 2,50 a 3,00 3 Fonte: autoria própria (2012) Na apresentação das características sócio-demográficas da amostra, recorreu-se à estatística descritiva, com apresentação de medidas de tendência central (média), de dispersão (desvio padrão) e percentual. Os dados provenientes do PEVI também foram analisados através de medidas de tendência central. Foi aplicado o teste de normalidade de Shapiro-Wilk para verificar a homogeneidade da população, onde foram consideradas estatisticamente normais aquelas variáveis que apresentaram valor de p<0, Resultados e Discussão A estatística descritiva mostra a caracterização da população de estudo. Dos 29 questionários obtidos, aproveitou-se 20 (69%), com um percentual de recusas de 31%. As descrições dos valores das variáveis sócio-demográficas da população em estudo, consideradas de forma contínua e categorizadas, são mostradas nas tabelas 2 e 3, respectivamente. Utilizando o teste de normalidade encontramos todas as variáveis com p>0,100, afirmando a homogeneidade da amostra. Tabela 2 - Descrição da amostra de trabalhadores de uma indústria do setor alimentício de Ponta Grossa, Paraná, Brasil, Idade Peso Altura IMC Tempo na função Média (DP) Média (DP) Média (DP) Média (DP) Média (DP) 36,40 (8,43) 83,73 (14,26) 1,75 (0,07) 27,43 (4,05) 4,93 (3,76) Fonte: Autoria própria (2012) Observando os dados provenientes do IMC dos trabalhadores avaliados, onde a média total foi de 27,43±4,5 kg/m², considerando que a OMS classifica os indivíduos com IMC acima de 25 kg/m² como sobrepeso, podemos concluir que o controle de peso desta população é preocupante. Ainda mais quando se compara os dados obtidos da população estudada com os dados do Relatório Geral do Estilo de Vida e Hábitos de Lazer dos trabalhadores das Indústrias Brasileiras (BRASIL, 2009), onde foi verificado que entre os trabalhadores do estado do Paraná, a taxa de sobrepeso foi de 35% (incluindo os 6,8% com obesidade). No estudo feito com 298 trabalhadores do setor metal-mecânico, em Ponta Grossa/PR, por Vargas (2011), a prevalência de trabalhadores com sobrepeso foi de 47,4% (incluindo os 12,7% com obesidade), enquanto que no presente estudo encontramos 70% na mesma classificação (incluindo os 20% com obesidade). 5

6 Tabela 3 - Características da amostra de trabalhadores de uma indústria do setor alimentício, segundo aspectos sociodemográficos. Ponta Grossa, Paraná, Brasil, Gênero Características População total N % Masculino ,0 Situação Conjugal Casado/Com companheiro (a) ,0 Escolaridade Fundamental incompleto 0 0,0 Fundamental completo 1 5,0 Médio incompleto 0 0,0 Médio completo 14 70,0 Superior incompleto 3 15,0 Superior completo 2 10,0 Fonte: Autoria própria (2012) De acordo com a classificação da Tabela 1, chegamos ao Pentáculo da amostra, representado pela Figura 1. 6

7 Figura 1 Pentáculo do Bem-estar (NAHAS, 2000) de trabalhadores de uma indústria do setor alimentício de Ponta Grossa, Paraná, Brasil, Através da média do grupo nos cinco componentes que constituem o PEVI, chegamos à classificação de acordo com a Tabela 4. Tabela 4 Classificação dos componentes do PEVI de trabalhadores de uma indústria do setor alimentício de Ponta Grossa, Paraná, Brasil, Componente Média Desvio padrão Classificação Nutrição 1,45 0,58 Regular Atividade física 1,58 0,62 Regular Comportamento preventivo 2,45 0,56 Positivo Relacionamento social 2,25 0,47 Positivo Controle do stress 2,02 0,68 Positivo Fonte: Autoria própria (2012) Assim como nos estudos de Santos e Venâncio (2006) e Timossi et al. (2006), cada qual em sua amostra, notamos que os componentes mais negligenciados foram Nutrição e Atividade física. Notamos na Figura 1 que no componente Nutrição as questões com menores pontuações foram: a (Sua alimentação diária inclui ao menos cinco porções de frutas e verduras?); e b (Você evita ingerir alimentos gordurosos: carnes gordas, frituras e doces?). No componente Atividade física a questão com menor pontuação foi a d (Você realiza ao menos 30 minutos de atividades físicas moderadas ou intensas, de forma contínua ou acumulada, cinco ou mais dias na semana?). Nestas três perguntas o grupo teve resposta com pontuação 1, que equivale a raramente (às vezes corresponde ao comportamento). Timossi et al. (2006) também encontrou maior negligência na questão a, preconizando que o estilo de alimentação praticado pela amostra estudada se encaixa no perfil de alimentação ocidentalizada, com excesso de proteínas e gorduras de origem animal. Tal fato resulta em maior risco para o desenvolvimento de hipertensão arterial, diabetes tipo II, dislipidemia, aterosclerose e obesidade. A questão d também foi a mais negligenciada pela amostra do referido estudo. Com relação ao componente Atividade Física, o qual apresentou classificação regular pela população do presente estudo, Haskell et al. (2007), ao analisar diversos estudos relativos à quantidade mínima de atividade física recomendada para adultos, concluiu que em relação à recomendação para benefícios substanciais, preconiza-se um total superior a 150 minutos semanais de atividades aeróbicas com intensidade moderada. Este total pode ser obtido pela atividade cotidiana ou pela participação em programas de exercícios regulares. A importância de atingir essa recomendação pela população em geral, justifica-se pela possibilidade de redução de diversos fatores de risco e melhora do metabolismo de gorduras e carboidratos, controle do peso corporal, diminuição do risco de hipertensão, diabetes tipo II, doenças do coração e depressão (HASKEL et al., 2007). Essa prática também contribui para a preservação da saúde dos ossos, músculos e articulações. Nos componentes Comportamento preventivo, Relacionamento social e Controle do stress percebemos uma classificação positiva, resultado semelhante ao encontrado nos estudos de Santos e Venâncio (2006) e Timossi et al. (2006). Destacamos que a amostra deste estudo apresentou a pontuação máxima para as questões i (Você sempre usa cinto de segurança e, se dirige, o faz respeitando as normas de trânsito, nunca 7

8 ingerindo álcool, se vai dirigir?) e j (Você procura cultivar amigos e está satisfeito com seus relacionamentos?), demonstrando que essas afirmações são sempre verdadeiras no dia-a-dia da amostra, fazendo parte de seu estilo de vida. Geraldes et. al. (2006) aplicou o PEVI em 23 trabalhadores da Diretoria de Esportes e Lazer do SESI-SP. Em uma análise global, obtiveram uma classificação positiva dos componentes, mas percebemos através da representação do Pentáculo desse grupo que, assim como no presente estudo, os componentes com maiores pontuações foram: Comportamento preventivo e Relacionamento social. Também é coincidente a referência das questões com pontuação máxima: i e j. Com relação ao componente Controle do stress, encontramos idêntica marcação no Pentáculo de Geraldes et. al. (2006), com os dois grupos apresentando pontuação 2 nas três questões. Apesar de o componente mostrar uma tendência positiva, alguns cuidados relativos à prevenção do estress devem ser tomados, devido ao fato de que a pontuação 2 demonstra que o comportamento é quase sempre verdadeiro nas amostras relacionadas e, pela presente pesquisa ser de caráter transversal, é necessário procurar manter e/ou melhorar a classificação do grupo, para que não receba futuramente uma classificação regular ou negativa. 4. Considerações Finais Não podemos classificar o resultado geral como positivo por completo, mesmo que três dos cinco componentes tenham apresentado este resultado, pois a nutrição e atividade física apresentaram classificação regular, e tais componentes estão diretamente ligados a dois dos principais fatores de risco de doenças crônico degenerativas, a obesidade e o sedentarismo. O quadro apresentado pela população em estudo reflete, de maneira geral, a organização do trabalho aos quais muitos trabalhadores brasileiros estão condicionados. Tal forma de organização é pautada pelo comportamento produtivo, pela exigência de qualidade e envolvimento com metas de produtividade, de modo que acabam intensificando cada vez mais o ritmo de trabalho e despendendo boa parte do dia para as atividades laborais. Como resultado, acabam não favorecendo a prática de atividades salutares livres de pressões e metas, negligenciando hábitos de vida supérfluos, como a prática de exercícios físicos regulares e a manutenção de uma dieta saudável. Sugere-se aos operadores de empilhadeira que organizem seu tempo, suas atividades diárias, priorizando o que é mais significante, pois o tempo, se controlado de forma racional, é suficiente para realizar tudo que for necessário, principalmente quando o objetivo é manter a saúde física, mental e social em dia. Por sua vez, propõe-se a indústria participante, a aplicação de ações de promoção da saúde e de qualidade de vida, pautadas na orientação e promoção de um estilo de vida mais saudável, com ênfase em recomendações saudáveis sobre alimentação e a prática de exercícios físicos regulares. Como limitação, recomenda-se que os dados do presente estudo não sejam utilizados para comparação com outros grupos amostrais, pois a população foi selecionada de forma intencional e seus resultados referem-se apenas à indústria selecionada. Sugerimos que sejam realizados estudos com uma amostra maior de operadores de empilhadeira para que se possam fazer melhores comparações. Recomendamos que futuros estudos com esta população objetivem a análise de correlação das variáveis sócio-demográficas com os componentes do PEVI. Também há a possibilidade de separar a população por turnos e verificar se há diferença entre eles, já que, de acordo com Filho (2002), o sistema de trabalho em turnos não fixos e noturnos, por ir contra a natureza humana, eminentemente diurna, provoca prejuízos para a saúde do trabalhador nos aspectos físicos, psíquicos, emocionais e sociais. 8

9 REFERÊNCIAS BRASIL. Confederação Nacional da Indústria. Serviço Social da Indústria. Estilo de vida e hábitos de lazer dos trabalhadores das indústrias brasileiras: relatório geral. SESI: Brasília, BRENDSTRUP T., BIERING-SORENSEN F. Effects of fork-lift truck driving on low back trouble. Scand J Work Environ Health, n.13, p BOTH, Jorge et al. Validação da escala Perfil do Estilo de Vida Individual. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. v.13, n.1, GERALDES, C. F. et. al. Nível de qualidade de vida dos colaboradores da diretoria de esportes e lazer do SESI SP. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. V. 05, n. especial, HASKELL, William; et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine & Science of Sports & Exercise, v. 39, n. 8, p , HERNANDEZ, J. A. E. et al. Validação de construto do instrumento perfil do estilo de vida individual. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro. v.3, n.1, Jan./Jun NAHAS, Markus V., BARROS, Mauro V. G. de, FRANCALACCI, Vanessa. O Pentáculo do Bem Estar: Base Conceitual para Avaliação do Estilo de Vida de Indivíduos ou Grupos. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde; v. 5, n. 2, p , abril/junho ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Classificação do IMC. Disponível em: <http://apps.who.int/bmi/index.jsp?intropage=intro_3.html>. Acesso em: 30/1/2012. SANTOS, G. L. A. dos; VENÂNCIO, S. E. Perfil do estilo de vida de acadêmicos concluintes em Educação Física do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste MG. Movimentum Revista Digital de Educação Física, Ipatinga: Unileste, v. 1, ago/dez SILVA, Edna Lucia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. UFSC/PPGEP/LED, ed. 3, Florianópolis, TIMOSSI, Luciana da Silva et al. Diagnóstico do estilo e da qualidade de vida de trabalhadores em uma organização federal. In: XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, novembro de VARGAS, Leandro Martinez. Nível de atividade física e fatores associados: Um estudo com trabalhadores do setor metal-mecânico do Município de Ponta Grossa/PR f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa,

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 2012

SUMÁRIO EXECUTIVO 2012 SUMÁRIO EXECUTIVO 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema FIESC, por meio do SESI/SC, investe em ações de promoção da saúde e do bem-estar do trabalhador para um estilo de vida mais saudável e um ambiente de trabalho

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

PERFIL DO ESTILO DE VIDA DE ACADÊMICOS CONCLUINTES EM EDUCAÇÃO FÍSICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UNILESTE -MG.

PERFIL DO ESTILO DE VIDA DE ACADÊMICOS CONCLUINTES EM EDUCAÇÃO FÍSICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UNILESTE -MG. PERFIL DO ESTILO DE VIDA DE ACADÊMICOS CONCLUINTES EM EDUCAÇÃO FÍSICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UNILESTE -MG. Glayce Liliane Alves dos Santos Graduada Educação Física pelo Unileste-MG.

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E IDOSOS RESIDENTES EM ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Capítulo 14 Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Manuela de Santana Pi Chillida Mestre em Enfermagem UNICAMP Enfermeira Supervisora,

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Bianca Iuliano. Diretora da Consultoria

Bianca Iuliano. Diretora da Consultoria Bianca Iuliano Diretora da Consultoria 27 de Outubro de 2015 DE UM GRUPO DE APOIO À PERDA DE PESO PARA COLABORADORES DE UMA EMPRESA COOPERATIVA DA CIDADE DE SÃO PAULO Bianca Assunção Iuliano Nutricionista

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DE VIDA PERCEBIDA E A QUALIDADE DE VIDA AVALIADA PELO WHOQOL-100 NOS COLABORADORES DA UTFPR CAMPUS PONTA GROSSA

RELAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DE VIDA PERCEBIDA E A QUALIDADE DE VIDA AVALIADA PELO WHOQOL-100 NOS COLABORADORES DA UTFPR CAMPUS PONTA GROSSA RELAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DE VIDA PERCEBIDA E A QUALIDADE DE VIDA AVALIADA PELO WHOQOL-100 NOS COLABORADORES DA UTFPR CAMPUS PONTA GROSSA Juliano Dias de Freitas UTFPR PG (julianofreitasjf@gmail.com) Luciana

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL Autores: Rodrigo de Rosso Krug (1), Giovâni Firpo Del Duca (1), Kelly Samara da Silva

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC

PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC PERFIL DO ESTILO E QUALIDADE DE VIDA DOS PROFESSORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE SOMBRIO SC FLÁVIA BORGES LAURINDO* *GRADUANDA EM EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAREL - UNESC Resumo Este artigo tem como objetivo identificar

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Gisele Tolentino Caldeira Thaysa Zago Ázara Figueiredo

Gisele Tolentino Caldeira Thaysa Zago Ázara Figueiredo CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Ampliação da Aplicabilidade das Academias de Saúde Pública: Promoção da Saúde dos Trabalhadores do Sistema Único

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP Rafael Ribeiro Beatriz Vital Aline Souza Perla Silva Vitor Carloti Lucas Moreno Frantisek Oplustil

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Thiago Vinicius Krzesinski Guanis

Leia mais

PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E HÁBITOS ALIMENTARES DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Patricia de Souza e Silva, Claudia Soar Universidade

Leia mais

Melhoria da Saúde e Qualidade de Vida no IFPR Campus Palmas.

Melhoria da Saúde e Qualidade de Vida no IFPR Campus Palmas. Melhoria da Saúde e Qualidade de Vida no IFPR Campus Palmas. Mostra Local de: Palmas PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto

Leia mais

8. Atividade física. Introdução

8. Atividade física. Introdução 8. Atividade física Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde, a prática de atividade física regular reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascular cerebral, câncer de

Leia mais

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves

Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS Câmpus Bento Gonçalves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Diretoria de Gestão de Pessoas Seção de Atenção ao Servidor Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Relatório Enquete Virtual IFRS

Leia mais

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul CONTANDO SAÚDE Contadoria do Foro Central de Porto Alegre Responsáveis Técnicos: Magdala de Leon Distribuidora e

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

ESTILO DE VIDA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

ESTILO DE VIDA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESTILO DE

Leia mais

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Ademir Vicente e Kátia Ferreira 01/09/2013 SESI Serviço Social da Indústria criado 1946 1.218 unidades http://www.youtube.com/watch?v=5h7ub2k-1bu

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTILO DE VIDA EM ADULTOS JOVENS UNIVERSITÁRIOS RESUMO

AVALIAÇÃO DO ESTILO DE VIDA EM ADULTOS JOVENS UNIVERSITÁRIOS RESUMO AVALIAÇÃO DO ESTILO DE VIDA EM ADULTOS JOVENS UNIVERSITÁRIOS COELHO, Janaina 1 PEREIRA JÚNIOR, Altair Argentino 2 RESUMO O presente estudo teve como objetivo, verificar o estilo de vida dos universitários

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional.

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional. 3. Metodologia Desenho do estudo Estudo transversal de base populacional. População alvo A população alvo da pesquisa foi representada por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos no momento da

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 SCHNEIDER, Camila 2 PEDROTTI, Paulo Henrique de Oliveira²

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC

INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC INTERFERÊNCIA DO DIABETES MELLITUS NA QUALIDADE DE VIDA DE USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA EM BLUMENAU - SC Autores: Eduardo José Cecchin(1), Luiza Pinto de Macedo Soares(1), José Augusto Bach Neto(1), João

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT Giovanna Larissi S. Ribeiro João Batista Franco Borges giolsr@brturbo.com.br RESUMO Este texto trata a respeito da prática

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA

ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA ATIVIDADE FÌSICA E ALIMENTAÇÃO UMA COMBINAÇÃO ESSÊNCIAL EM TODOS OS CICLOS DA VIDA * Rodrigo de Rosso Krug ** Moane Marchesan RESUMO A prática regular de atividades físicas e uma boa alimentação trazem

Leia mais

Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG)

Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG) Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG) Resumo Este estudo teve como objetivo investigar o nível de atividade física em alunos

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Estilo de Vida e Hábitos de. Indústrias Brasileiras. Relatório Geral

Estilo de Vida e Hábitos de. Indústrias Brasileiras. Relatório Geral Estilo de Vida e Hábitos de Lazer dos Trabalhadores das Indústrias Brasileiras Relatório Geral Brasília 2009 Estilo de Vida e Hábitos de Lazer dos Trabalhadores das Indústrias Brasileiras CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Project Building a Healthy Future Through the Daily Practice of Physical Activity Regina Pozena Fisioterapeuta da Secretária

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais