Contratação de Pessoa Jurídica para Construção de Guia de Serviços dos Recursos Sociais da Cidade de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contratação de Pessoa Jurídica para Construção de Guia de Serviços dos Recursos Sociais da Cidade de São Paulo"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Pessoa Jurídica para Construção de Guia de Serviços dos Recursos Sociais da Cidade de São Paulo 1

2 1. Introdução Uma rápida passagem pela história da ocupação geográfica da cidade de São Paulo nos permite afirmar, sem equívocos, que esta se fez pela lógica da desordem, que a sua ocupação obedeceu a critérios de grupos sociais ou de indivíduos endinheirados que buscavam fazer valer os seus interesses em detrimento do todo social, que a sua ocupação desordenada também se efetiva por grandes contingentes de pobreza que se aglomeraram em favelas espalhadas pela cidade. As poucas tentativas de seguir um plano maior que definisse a ocupação dos lugares, em conjunto com todos os atores sociais, considerando suas práticas sociais, econômicas e culturais, malograram. Os investimentos públicos, com raras exceções, acompanharam os interesses de grupos politicamente influentes. Com efeito, algumas poucas áreas da cidade sofreram beneficiamentos em infra-estrutura, oferta de bens e serviços por parte de um Estado que desenhou, por séculos, um cenário caótico. São expressões desse cenário: o número de favelas em São Paulo chegou a 2.018,(IBGE Censo 2000), com uma população de pessoas, o que significa 11% da população do município. Segundo o IPVS Índice Paulista de Vulnerabilidade Social, na cidade de São Paulo há domicílios nos setores censitários classificados como de Alta e Muito Alta Vulnerabilidade Social, o que representa 11% do total de domicílios. Em termos populacionais, são moradores dos setores censitários de Alta e Muito Alta Vulnerabilidade Social pessoas, ou 13% da população total. Ao reconhecer esse cenário e vislumbrar a sua transformação no sentido de promover a inclusão de um número gigantesco de pobres que habitam essa metrópole, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social - SMADS afirma que para atingir objetivos tão expressivos a ação territorial é estratégica. O principal argumento a favor da adoção de estratégias territoriais para as políticas sociais tem a ver com a existência de fortes externalidades negativas relacionadas à residência em bairros com alta concentração de pobres (Durlauf, 2001). Nestes locais, o desempenho escolar tende a ser pior, por exemplo, simplesmente porque os jovens estudam numa escola onde o nível socioeconômico é baixo (César e Soares, 2001). Além disto, a probabilidade de conseguir um emprego formal é menor, porque existe uma baixa proporção de pessoas empregadas no setor formal, reduzindo as possibilidades de alguém conseguir trabalho através da sua rede de relações sociais. Finalmente, em muitos casos a população destes locais tende a estar mais exposta a outros riscos relacionados ao saneamento precário, à instabilidade na propriedade da terra e à violência. Esses elementos negativos se reforçam mutuamente, criando uma espiral negativa que tende a dificultar as soluções sociais existentes 1. A reversão desse quadro tem sido objeto de preocupação da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. Para tanto, vem reunindo grandes esforços para expandir os Centros de Referência de Assistência Social - CRAS e os Centros de 1 Haroldo da Gama Torres e Eduardo Marques, Políticas Sociais e Territórios,

3 Referência Especializados de Assistência Social CREAS, que, segundo a NOB- SUAS/2005 e a PNAS/2004, devem executar respectivamente serviços de proteção básica e especial, organizar e coordenar a rede de serviços socioassistenciais locais da política de assistência social. Para que cada CRAS e CREAS possam prestar informações e orientações para a população de sua área de abrangência, bem como articular a rede de proteção social local, faz-se necessário quantificar, classificar, de acordo com a natureza, e mapear os recursos sociais em cada território, objeto desse Termo de Referência. 2. Justificativa Para execução da política de assistência social, a Prefeitura da Cidade de São Paulo conta, em sua estrutura administrativa, com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), órgão responsável pela gestão da política de assistência social no âmbito municipal, que responde pela elaboração, articulação e execução das ações sociais. Sua missão é assegurar a proteção e o desenvolvimento social das populações e dos distritos mais vulneráveis, na cidade de São Paulo. A Política Nacional de Assistência e Social PNAS estabelece que o CRAS é uma unidade pública estatal de base territorial, localizado em áreas de vulnerabilidade social. Executa serviços de proteção social básica, organiza e coordena a rede de serviços socioassistenciais locais da política de assistência social. O CRAS atua com famílias e indivíduos em seu contexto comunitário, visando à orientação e o convívio sociofamiliar e comunitário. Neste sentido a equipe do CRAS deve prestar informações e orientação para a população de sua área de abrangência, bem como articular com a rede de proteção social local no que se refere aos direitos de cidadania. Deve promover também, o encaminhamento da população local para as demais políticas públicas e sociais, possibilitando o desenvolvimento de ações intersetoriais que visem a sustentabilidade, de forma a romper com o ciclo de reprodução intergeracional do processo de exclusão social, e evitar que estas famílias e indivíduos tenham direitos violados, recaindo em situações de vulnerabilidades e risco. (PNAS, 2004, p. 29). O CREAS constitui-se, também, numa unidade pública estatal, de prestação de serviços especializados e continuados a indivíduos e famílias com seus direitos violados, promovendo a integração de esforços, recursos e meios para enfrentar a dispersão dos serviços e potencializar a ação para seus usuários, envolvendo um conjunto de profissionais e processos de trabalho que devem ofertar apoio e acompanhamento individualizado especializado. Nesta perspectiva, o CREAS deve articular os serviços de média complexidade e operar a referência e a contra-referência com a rede de serviços socioassistenciais da proteção social básica e especial, com as demais políticas públicas e demais instituições que compõem o Sistema de Garantia de Direitos 2 e movimentos sociais. 2 Destaca-se que o denominado sistema de garantia de direitos consiste num conjunto de instituições das políticas de atendimento, a exemplo do CREAS; dos conselhos de defesa de direitos de criança e do adolescente e conselhos tutelares; das instituições do Poder Judiciário (Vara da Infância e da Juventude); Ministério Público; Defensoria Pública; organizações da 3

4 Atualmente a SMADS está dividida em 05 Coordenadorias de Assistência Social CAS, abrangendo 96 distritos da cidade, onde estão distribuídos os 32 CRAS e 03 CREAS. Desta forma, um Guia de Serviços dos Recursos Sociais organizado com critérios territoriais, constitui instrumento fundamental para que cada unidade do CRAS e CREAS possa prestar informações e orientações para a população de sua área de abrangência, bem como articular a rede de proteção social básica e especial de média complexidade no que se refere aos direitos de cidadania e de proteção à pessoa. 3. Objetivo da Contratação Construir Guia de Serviços dos Recursos Sociais da Cidade de São Paulo, com levantamento dos recursos sociais existentes, segmentado por temas e organizado geograficamente, a ser entregue em formato digital para publicação e alimentação de dados. 3.1 Objetivos Específicos Verificar a oferta de serviços (recursos sociais) disponíveis, mapeando-se, quantificando-se, suas características e seu acesso. Subsidiar as unidades de SMADS na atenção e viabilização dos sistemas de proteção social da Assistência Social. Articulação da rede de serviços. 4. Serviços a serem Executados A CONTRATADA deverá apresentar Plano de Trabalho discriminando a forma como realizará as atividades técnicas e operacionais a fim de contemplar atendimento a todos os aspectos requeridos neste Termo de Referência, como: A descrição das atividades dos produtos; A forma como realizará suas atividades nas cinco Coordenadorias de Assistência Social (CAS) regionalizadas na cidade de São Paulo; Apresentação completa da Equipe Técnica Envolvida (Grupo de Trabalho), indicando nomes e atribuições de cada integrante. A CONTRATADA deverá apresentar uma proposta detalhada levando em consideração as atividades que seguem abaixo descritas: sociedade civil que atuam no campo de defesa e promoção dos direitos de crianças e adolescentes (Centros de Defesa, fóruns de defesa de direitos, etc). O Sistema de Garantia de Direitos SGD tem o papel de potencializar estrategicamente a promoção e proteção dos direitos da infância /adolescência, no campo de todas as políticas públicas, especialmente no campo das políticas sociais e de b) manter restritamente um tipo especial de atendimento direto, emergencial, em linha de cuidado integrado inicial, a crianças e adolescentes com seus direitos ameaçados e violados ( credores de direitos) ou a adolescentes infratores (em conflito com a lei) (in Nogueira Neto, Wanderlino Revista Serviço Social e Sociedade nº 83, 2005) 3. Por ter esse papel estratégico, é fundamental que as instituições que compõem o SGD trabalhem articuladas. 4

5 4.1. Estabelecer plano de trabalho com os seguintes itens para validação de SMADS/ COPS: Introdução; Objetivos; Descrição dos métodos, técnicas, ferramentas e demais instrumentos que serão adotados na coleta e validação dos dados; Plano de atuação regional/local conforme a divisão distrital da SMADS (Quadro 1); Cronograma; 4.2. Produzir instrumentais para coleta dos dados e variáveis, pré-codificados, conforme a descrição mínima de itens abaixo: Dados Gerais: CAS, Subprefeitura, distrito, endereço, CEP, telefones 1, telefone 2, telefone 3, e outros, , endereço de página eletrônica, nome do responsável/gerente, horário e dias de atendimento; Missão Estatutária: Assistência Social, Educação, Saúde, Poder Judiciário e outros; Tipo de Instituição: pública, privada e outros; Tipo de Serviço: segundo tipologia da Assistência Social, Educação, Saúde, Poder Judiciário e outros; Gênero: Masculino e Feminino; Público Alvo e faixa etária: Criança, Adolescente, Jovens, Adultos; Idosos; Família; Abrangência Geografia dos serviços: Distrito, Subprefeitura, Cidade de São Paulo; Tipologia: dos serviços das Secretarias da Assistência Social, Saúde, Educação, Poder Judiciário e outros; Vulnerabilidade do Público Atendido: Situações de risco decorrente da pobreza, privações (ausência de renda, entre outros), fragilização de vínculos afetivos relacionais de pertencimento social (discriminações etárias, étnicas, de gênero ou por deficiências, dentre outras); situações de risco pessoal e social, por ocorrência de abandono, maus tratos físicos, e, ou, psíquicos, abuso sexual, uso de substâncias psicoativas, cumprimento de medidas sócio-educativas, situação de rua, situação de trabalho infantil, entre outras; Com ou sem certificação: COMAS, CMDCA, SMADS (Certificado, Matriculado, Credenciado); Atividades Oferecidas: convivência, socialização, acolhimento, promoção de integração ao mercado de trabalho, atenção integral às famílias, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, proteção, enfrentamento da pobreza, Cidadania e Defesa de direitos, Economia e Geração de Renda, Habitação e moradia, Inclusão digital, Meio-Ambiente/Ecologia, Orientação Sexual, Saneamento, Segurança alimentar, e outros; Quantificação: Capacidade de atendimento e vagas; Com ou sem conveniamento: Possui convênio com qual esfera: prefeitura, estado, governo federal ou outros? Formas de acesso: direto ou encaminhado; 5

6 Gratuidade: sim ou não; Acessibilidade: quais? 4.3. Manual dos instrumentais, Proposta de Treinamento presencial para Equipe Técnica que executará a coleta de dados; 4.4. Realizar reunião com SMADS/COPS e demais envolvidos para apresentação e validação do plano de trabalho, instrumental e estratégias de coleta de dados/variáveis e do cronograma; 4.5. Realizar levantamento primário e secundário das seguintes unidades de serviço: Unidades Básicas de Saúde, Centro de Atendimento Psicossocial, Ambulatório Especializado em Saúde Mental, Delegacias Regionais da Educação, Varas da Infância e da Juventude, Delegacias da Mulher e Delegacias do Idoso, Agências do INSS, Postos do Poupa-tempo, Serviço Funerário Municipal, Centros de Referência da Mulher, Centros de Cidadania da Mulher, Centro de Combate ao Racismo, Centro de Combate à Homofobia, Centros de Apoio ao Trabalho, Conselhos Tutelares; Realizar levantamentos a partir de dados secundários dos serviços sociais públicos diretos/conveniados com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social; Realizar levantamento secundário junto ao Conselho Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social - COMAS, os Centros de Referência de Assistência Social CRAS, Conselho Municipal da Criança e do Adolescente - CMDCA e a sítios especializados e/ou outros meios que achar conveniente, as instituições de Assistência Social não conveniadas com a Prefeitura Municipal de São Paulo. Deverão ser relacionadas todas as organizações que na sua missão abranger serviços relacionados à assistência social; Realizar levantamento primário quando ocorrer ausência de dados secundários. NOTA: Observar que no item 14 deste Termo de Referência constam alguns sítios / links referentes às Unidades da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social - SMADS. Entretanto, a informação fornecida não abrange todo o espaço amostral a ser considerado pela CONTRATADA pois refere-se as Unidades apenas da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social - SMADS. 6

7 4.6. A partir dos dados secundários realizar checagem/validação das informações coletadas; 4.7. Validar os dados coletados levantados nas fontes primárias; 4.8. Criar glossário de nomes e tipologia de serviços utilizados na pesquisa Produzir máscara do Banco de Dados para posterior inserção dos dados e variáveis a serem coletados; Realizar reunião com SMADS/COPS e demais envolvidos, para apresentação e validação da mascara da Banco de Dados; Produzir Banco de Dados em Access; Produzir Banco de Dados georreferenciado em formato shape-file; Produzir dicionários de variáveis referente ao Banco de Dados; Produzir manual de instruções para entrada, verificação e atualização de dados referente ao Banco de Dados; Organizar o resultado catalogando-se em formato de Guia para fins de impressão (publicação). 5. Metodologia Para a construção da primeira etapa do Banco de Dados, a contratada deverá realizar levantamento de dados em fontes secundárias. Tais dados podem ser coletados em diversas fontes e/ou publicações, como nas secretarias estaduais e municipais da Assistência Social, Saúde, Educação, Participação e Parcerias, Trabalho e Poder Judiciário, entre outros, referentes aos serviços detalhados no item 4.5.e subitens. A contratada deverá compilar todos os dados e variáveis constantes no item 4.2. para a construção da primeira etapa do Banco de Dados. Entendendo como fontes secundárias: publicações, guias, manuais, cartilhas, revistas sociais, sites, portais, produções de institutos e fundações, etc. Com relação aos serviços, públicos ou privados, conveniados ou não, a contratada deverá após o levantamento secundário, realizar checagem e atualização de dados. Deverá também efetuar levantamento primário através de instrumental de coleta de dados, observando-se o detalhamento do item 4.2. Esta segunda etapa deverá ser submetida a SMADS/COPS para aprovação. Na terceira etapa os dados e variáveis coletados deverão ser agrupados de forma sistematizada em Banco de Dados Access (formato eletrônico), visando à recuperação de dados/informações que permita a mensuração, alimentação, atualização e consulta, bem 7

8 como em formato específico para publicação e impressão do Guia de Serviços dos Recursos Sociais. 6. Produtos Esperados Deverão ser entregues quatro cópias impressas de todos os relatórios finalizados, após a validação de SMADS, e em mídia eletrônica (CD-RW) editável. Produto 1 - Entrega de Relatório com o Plano de Trabalho, com cronograma e definição de logística e atuação da equipe técnica, após validação de SMADS/COPS. Produto 2 Entrega de Relatório com versão formatada e pré-codificada dos instrumentais de coleta de dados, manual dos instrumentais a serem aplicados, lista de presença, do treinamento aplicado à equipe técnica que executará a coleta de dados. Produto 3 Relatório descritivo e entrega do Banco de Dados devidamente analisado, em sua consistência e validado por SMADS/COPS. As bases devem ser entregues no formato Access e Shape-file, glossário, dicionário de variáveis, estando as variáveis devidamente identificadas com rótulos e categorias, e entrega do manual de instruções para entrada, verificação e atualização de dados, após validação de SMADS/COPS; Produto 4 Entrega do Guia de Serviços dos Recursos Sociais no formato eletrônico e digitalizado para publicação e impressão, e relatório Final com a síntese de todo o processo e análise dos resultados, todos após validação de SMADS/COPS. 7. Grupo de Gestão e Acompanhamento composto por SMADS/COPS/CPSB/CPSE Os trabalhos serão acompanhados e avaliados por Grupo de Gestão e Acompanhamento a ser composto por representantes da Coordenadoria do Observatório de Políticas Sociais - COPS, pela Coordenadoria de Proteção Social Básica - CPSB e da Coordenadoria de Proteção Social Especial - CPSE. O Grupo de Gestão e Acompanhamento deverá assegurar a adequada implementação do estudo fornecendo permanentemente orientação, monitoramento dos resultados. 8. Obrigações da CONTRATADA Indicar um profissional que ficará responsável pela coordenação da equipe dos profissionais a quem a SMADS se reportará. Submeter à aprovação da SMADS/COPS e demais envolvidos o cronograma de realização das etapas, bem como o Plano de Trabalho apresentado e não realizar nenhuma alteração no conteúdo da pesquisa ou no cronograma de realização posterior à aprovação da SMADS. Deverá encaminhar relatório contendo os resultados de cada ação e entregar à Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social SMADS, para análise e aprovação. A CONTRADA deverá ainda respeitar os seguintes itens abaixo: a) Realizar reuniões com SMADS e suas diversas unidades descentralizadas; b) Assegurar a qualidade da aplicação da metodologia de levantamento e pesquisa ao longo de toda a execução, bem como coordenação das etapas junto a Equipe de Trabalho (Grupo de Trabalho) nas condições acordadas; c) A reprodução dos instrumentais de coleta de dados para sua aplicação será de inteira responsabilidade da CONTRATADA, bem como insumos necessários a execução dos serviços; 8

9 d) O Coordenador Geral será o responsável por receber e fornecer informações necessárias à SMADS, sobre o andamento dos Produtos que serão realizados. e) Quaisquer subsídios que não constem neste edital, serão de responsabilidade da Contratada; f) Em nenhuma hipótese, as informações prestadas por SMADS à CONTRATADA poderão ser divulgadas, cedidas, utilizadas, reproduzidas para outras finalidades que não aquelas necessárias para a concretização dos produtos contemplados neste Termo de Referência; g) Manter sob rigoroso controle e sigilo todos os dados, as informações e documentos, responsabilizando-se por sua adequada guarda e transporte; h) Todos os documentos gerados para esta consultoria deverão ser entregues a SMADS/COPS, devidamente acondicionados e identificados. i) A Contratação, a remuneração, bem como os encargos, tributos, taxas e impostos decorrentes da formalização dos contratos de trabalho dos profissionais da equipe que venham a ser alocados para a execução desta contratação, serão de responsabilidade da CONTRATADA; j) Arcar com todas as despesas decorrentes de viagens, locomoção e estada de profissionais, se ocorrerem; k) Participar de reuniões de planejamento, execução, avaliação, monitoramento e validações das atividades, junto a SMADS; l) A Contratada fica obrigada a aceitar, nas mesmas condições contratadas, acréscimos ou supressões que se fizerem necessários no objeto, a critério exclusivo da CONTRATANTE, até o limite de 20% (vinte por cento) no montante do contrato; m) Apresentar os Produtos que serão elaborados de acordo com os Cronogramas Físico e Financeiro apresentados; n) Refazer, sem ônus, os produtos e relatórios quando não se apresentarem dentro dos padrões requeridos; 9. Obrigações da SMADS/COPS Disponibilizar todas as informações relacionadas à rede socioassistêncial direta/conveniada necessárias para a realização do Guia de Serviços dos Recursos Sociais, por meio da Coordenadoria do Observatório de Políticas Sociais. a) Analisar, apontar, solicitar correção e aprovar os relatórios técnicos e produtos desenvolvidos pela CONTRATADA; b) Supervisionar o desenvolvimento dos trabalhos, em todas as suas fases, requerendo, a qualquer tempo, informações e relatos sobre as atividades e solicitando providências com vistas à correção de falhas e resolução de problemas que eventualmente possam ocorrer; c) Providenciar o ATESTO aos produtos validados e autorizar os pagamentos de acordo com o cronograma financeiro. 10. Condições de Pagamento Os pagamentos serão realizados mediante apresentação dos produtos, de acordo com o cronograma físico-financeiro apresentado. A autorização para pagamento será concedida somente após a aceitação do produto ou de suas etapas pela SMADS. Para o ATESTO, de cada produto, a CONTRATADA deverá apresentar também: 9

10 a) Nota fiscal/fatura referente aos produtos validados; b) Cópias dos recolhimentos de impostos, encargos, taxas, tributos e outros tributos das esferas: federal, estadual e municipal, de responsabilidade da contratada relativos aos desembolsos recebidos; 11. Prazos Estimados de Execução Cronograma Físico As atividades deverão ser agrupadas conforme a definição dos produtos e executadas a partir da assinatura do contrato. A proposta a ser apresentada pela LICITANTE deverá discriminar no cronograma físico as etapas de execução dos produtos o que não deverá ultrapassa o prazo máximo de 05 (cinco) meses. O cronograma detalhado e otimizado pela LICITANTE será objeto de avaliação conforme previsto no Critério de Avaliação Anexo III. Prazo de duração das atividades e de entrega de cada produto; Descrição das atividades em cada período; 12. Requisitos Mínimos Os requisitos mínimos encontram-se detalhados no Anexo III Critérios de Avaliação das Propostas. É imprescindível que a licitante possua experiência na prestação de serviços técnicos especializados no desenvolvimento/execução de pesquisa. Para fins de avaliação, a LICITANTE deverá apresentar currículo resumido do Coordenador Geral e de 02 (dois) profissionais que farão parte da Equipe Técnica que irão realizar os produtos descritos neste Termo de Referência (conforme modelo curriculum vitae). Quadro 1 Função e Perfil do Coordenador FUNÇÃO Responsável por gerenciar todas as atividades da Pesquisa, em âmbito municipal, atuando como representante da Contratada nas reuniões com a SMADS/COPS, para as tomadas decisões que se fizerem necessárias ao longo do contrato; garantir o bom andamento dos trabalhos, com eficiência e qualidade. Coordenar todas as atividades envolvidas na preparação, confecção e aplicação dos instrumentais, treinamentos da equipe técnica, manuseio, tabulação e classificação dos dados coletados. Coordenar a elaboração e adequação de relatórios, reuniões, entrega dos produtos e de todas as etapas necessárias a execução das atividades previstas neste Termo de Referência. 10

11 Quadro 2 Função e Perfil dos Profissionais Técnicos FUNÇÃO Profissional 1 Co-responsável pela aplicação dos instrumentais, definição da logística, cronograma, checagem, tabulação, dicionário de variáveis, classificação dos dados coletados, validados, em conjunto com o Coordenador. Profissional 2 Responsável pela construção do Banco de Dados, dentre outros itens e etapas necessárias a execução das atividades previstas neste Termo de Referência. 13. Da Cessão e Transferência dos Direitos Autorais A Contratada deverá ceder e transferir à SMADS os direitos autorais e patrimoniais referentes a todos os materiais criados com características de originalidade em decorrência deste Termo de Referência. Será, por conseguinte, de total responsabilidade da CONTRATADA, qualquer reivindicação futura de terceiros, estritamente no que concerne à originalidade dos materiais criados, obrigando-se a Contratada a arcar com eventuais indenizações, custas judiciais e honorários advocatícios. Pode à SMADS utilizar o material criado da forma que melhor aprouver aos seus objetivos, modificando-o, reproduzindo-o ou atualizando-o, a qualquer tempo e livre de qualquer pagamento adicional. 14. Endereços Gerais da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social SMADS a) SMADS: Rua Libero Badaró, 568/569 Tel.: CEP: Centro São Paulo/SP b) Coordenadorias de Assistência Social - CAS ( Vide FIGURA 1) social/ca s/index.php?p=2001 SMADS/CAS NORTE Rua Brazelisa Alves de Carvalho, 414 Tel CEP Casa Verde São Paulo/S.P. 11

12 SMADS/CAS SUL Rua Padre José de Anchieta, 802 Tel. (11) e CEP Santo Amaro São Paulo/S.P. SMADS/CAS CENTRO - OESTE Avenida Tiradentes, 749 Tel. (11) CEP Luz São Paulo/S.P. SMADS/CAS SUDESTE Rua Pedro de Toledo, térreo Tel. (11) CEP Vila Clementino - São Paulo/S.P. SMADS/CAS LESTE Rua Fontoura Xavier, 695 Tel: CEP: Vila Carmosina/SP c) Centros de Referência de Assistência Social CRAS : REGIÃO NORTE CRAS CASA VERDE /CACHOEIRINHA Av. Imirim, Vila Nova Cachoeirinha Tel.: / CRAS FREGUESIA DO Ó / CRAS BRASILÂNDIA - (2 Unidades) Rua Parapuã, 160 A - Freguesia do Ó Tel.: / CRAS JAÇANÃ / TREMEMBÉ Av. Guapira, 2145 Tel.: / CRAS PERUS Rua Padre Manuel Campello, 40 Tel.: / CRAS PIRITUBA Av. Dr. Felipe Pinel, 12 Fundos - Pirituba Tel.: / ramal 21 CRAS SANTANA / TUCURUVI Rua Voluntários da Pátria, Mandaqui Tel.: CRAS VILA MARIA / VILA GUILHERME Praça Santo Eduardo, 162 Tel.: / REGIÃO CENTRO/OESTE CRAS PINHEIROS Avenida das Nações Unidas, 7123 Tel.: CRAS BUTANTÃ Av. Upiano da Costa Manso, 201 Tel.: / CRAS LAPA Rua Caio Graco, 423 Tel.: / CRAS SÉ Avenida Tiradentes, 749 Tel.: REGIÃO SUL CRAS CAMPO LIMPO Rua Batista Crespo, 312 CRAS CAPELA DO SOCORRO Rua Cassiano dos Santos, 499 Tel.: ramais 2815, 2812, 2814 e 2813 CRAS CIDADE ADEMAR Av. Yervant Kissajikian, 416 Tel.:

13 CRAS M' BOI MIRIM Av. Guarapiranga, 1265 Tel.: / / CRAS PARELHEIROS Av. Sadamu Inoue, 5252 Tel.: ramais 6732 e 6734 CRAS SANTO AMARO Rua Padre Anchieta, 802 Tel.: / / REGIÃO LESTE CRAS ITAQUERA Rua Sábado D'Angelo, Itaquera Tel.: / CRAS GUAINASES Rua Clarinea, 19 A Tel: / 1717 FAX / CRAS CIDADE TIRADENTES Estrada do Iguatemi, Cid. Tiradentes Tel.: / CRAS ITAIM PAULISTA Av. Marechal Tito, Vila Curuçá em processo de mudança para R. Dom João Neri, Tel.: ramal 2012 CRAS ERMELINO MATARAZZO Av. São Miguel, Ermelino Matarazzo Tel.: / ramal 213 CRAS SÃO MATEUS Rua Claudio Augusto Fernandes, 180 / São Mateus Tel.: CRAS SÃO MIGUEL PAULISTA Rua Dr. José Guilherme Eiras, 182 Tel.: REGIÃO SUDESTE CRAS ARICANDUVA / VILA FORMOSA / CARRÃO Rua Salvador do Valle, Vila Formosa Tel.: CRAS IPIRANGA Av. Nazaré, Ipiranga Tel.: / / CRAS JABAQUARA Av. Engº de Arruda Pereira, Jabaquara Tel.: / CRAS MOÓCA Rua Henrique Sertório, Tatuapé Tel.: CRAS PENHA Rua Candapui, Vila Marieta Tel.: / CRAS VILA MARIANA Rua Pedro de Toledo, Vila Clementino Tel.: / ou ramal 6532 CRAS VILA PRUDENTE / SAPOPEMBA Rua Benedito Jacinto Mendes,54 Tel.: / / Proposta Técnica Envelope A A licitante deverá apresentar em sua Proposta a abordagem técnica, a metodologia que será aplicada e respectivo Plano de Trabalho para desenvolver e implantar o Guia de Serviços dos Recursos Sociais na Cidade de São Paulo, detalhando procedimentos e etapas para coleta de dados, logística de aplicação dos instrumentais, número de profissionais envolvidos e demais informações relevantes para compreensão de como o licitante pretende desenvolver os serviços. Identificação da Licitante (Razão Social, CNPJ, endereço, nome do representante legal e objeto da licitação) Edital n / Projeto 13

14 Proposta Técnica Apresentação da Licitante Apresentação do portfólio da Licitante, em no máximo três páginas. Na proposta técnica não deverá constar qualquer referência relativa aos preços ou custos da proposta. 16. Proposta Comercial Envelope B Neste documento deverão constar única e exclusivamente informações de natureza financeira. Quaisquer registros sobre fatos ou elementos relativos a aspectos técnicos serão considerados apenas referenciais e não poderão, sob qualquer hipótese, tratar-se de inclusão de esclarecimentos adicionais, modificações ou complementações relativas à Proposta Técnica Cronograma Financeiro O cronograma financeiro deverá ser apresentado juntamente da Proposta Comercial, em envelope separado da proposta técnica. Deverão estar relacionados todos os custos relativos ao serviço, valor por produto e custo total, incluídas a remuneração de pessoal, tributos, taxas e demais despesas, tais como subcontratação ou serviços de terceiros e quaisquer outros itens de despesa relevantes ao Serviço. FIGURA 1 14

15 15

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social CRAS - Centro de Referência de Assistência Social O Centro de Referência de Assistência Social CRAS é uma unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social. Executa

Leia mais

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS

3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 3º ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO DE ABRIGOS 2º SEMESTRE/2009 Organização do Sistema - SUAS A Assistência Social está organizada em Sistema de Proteção Social Básica e Especial: Sistema de

Leia mais

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA Metodologia e Amostra Pesquisa junto às consultoras Natura da cidade de São Paulo. Metodologia quantitativa, questionário auto-preenchido COLETA DOS DADOS Setembro

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h Relação de locais para as plenárias públicas 04/05 DRE - São Mateus Subprefeitura - São Mateus Local - CEU São Mateus - Rua Curumatim, 221 - Parque Boa Esperança Telefone: 11 2732-8117 05/05 DRE - Ipiranga

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DAS Norte Campinas/SP ASSISTÊNCIA SOCIAL Constituição de 1988 e LOAS Assistência Social inserida como política da Seguridade Social

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social EDITAL DE CHAMAMENTO PARA A CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS

Secretaria Municipal de Assistência Social EDITAL DE CHAMAMENTO PARA A CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS Diário Oficial do Município de São Paulo PREFEITA MARTA SUPLICY Palácio das Indústrias Parque D. Pedro II - CEP 03003-000 - Pabx:225-9077 Ano 49 - Número 7 - São Paulo, terça-feira, 13 de janeiro de 2004

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU Departamento de Urbanismo - DEURB Departamento de

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

REPUBLICAÇÃO DE 26/07/2012 A 31/07/2012

REPUBLICAÇÃO DE 26/07/2012 A 31/07/2012 REPUBLICAÇÃO DE 26/07/2012 A 31/07/2012 EDITAL Nº 003/12/SMADS/CGP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE CONSULTORIA - DE PESSOA FÍSICA CAPACITAÇÃO EM VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição

Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição Análise das metas municipais 1. Reduzir a mortalidade neonatal precoce 2. Ampliar a cobertura dos programas de atendimento à saúde da família

Leia mais

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015 A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil 02 de Dezembro de 2015 Adolescentes são assassinados na Baixada Fluminense Rio de Janeiro Diário da Manhã 02/10/2015 Estudo mostra que

Leia mais

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento As projeções populacionais até 2030 para os distritos da capital, realizadas pela Fundação

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O QUE É: O SUAS é uma ferramenta de gestão da Política

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Fernando Haddad Prefeito Antonio da Silva Pinto Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial Maurício

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Gestão do SUAS

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP Telefone (061) 3038 9300 Fax (061) 3038 9009 Internet: registry@undp.org.br

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

[GUIA DE SERVIÇOS À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA] Serviços disponíveis para o atendimento à população em situação de rua no município de São Paulo

[GUIA DE SERVIÇOS À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA] Serviços disponíveis para o atendimento à população em situação de rua no município de São Paulo 2011 Assessoria Técnica Psicossocial [GUIA DE SERVIÇOS À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA] Serviços disponíveis para o atendimento à população em situação de rua no município de São Paulo Rede socioassistencial

Leia mais

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500 ZONA SECCIONAL FISCAL Nº DISTRITO DISTRITOS Oeste Oeste Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP: 05060-000 Tel.(11) 3834-0530 lapa@crosp.org.br Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS 1988 Constituição Federal Política Pública MARCO LEGAL Novos atores 1993 Lei Orgânica da Assistência Social- Novas estratégias Novas práticas LOAS 2004 Política Nacional de Assistência Social- PNAS Reordenamento

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

ANEXO - I. REF.: Processo nº 2013-0.128.991-0 Licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/SMSP/COGEL/2013.

ANEXO - I. REF.: Processo nº 2013-0.128.991-0 Licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/SMSP/COGEL/2013. ANEXO - I TERMO DE REFERÊNCIA REF.: Processo nº 2013-0.128.991-0 Licitação na modalidade PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/SMSP/COGEL/2013. Objeto: Celebração de ATA de Registro de Preço para fornecimento de Concreto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Outubro 2013 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na

Leia mais

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas

desigual São Paulo uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito 3,4 milhões São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas São Paulo São Paulo: maior concentração de pobreza das Américas uma cidade 10.886.518 milhões de habitantes muito Jornal Folha de São Paulo, 02/12/2007 3,4 milhões desigual de pessoas pobres (até ½ SM

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014.

DECRETO Nº 31646. de 20 de fevereiro de 2014. DECRETO Nº 31646 de 20 de fevereiro de 2014. Reorganiza o detalhamento da estrutura básica da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social. SEBASTIÃO ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD)

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) Institui-se o Programa de Desenvolvimento Local Câmara de Animação Econômica, no âmbito da Secretaria Municipal de

Leia mais

SETOR UNIFICADO DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS, DE FAMÍLIA E SUCESSÕES E ACIDENTES DO TRABALHO

SETOR UNIFICADO DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS, DE FAMÍLIA E SUCESSÕES E ACIDENTES DO TRABALHO SETOR UNIFICADO DE CARTAS PRECATÓRIAS CÍVEIS, DE FAMÍLIA E SUCESSÕES E ACIDENTES DO TRABALHO - LOCALIZAÇÃO O Setor de Cartas Precatórias Cíveis está instalado no Fórum Hely Lopes Meirelles, no centro da

Leia mais

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Cria os Conselhos Tutelares de Capão Redondo, Cidade Líder, Jaraguá,

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Edital 02/2015 Saldo Remanescente

Edital 02/2015 Saldo Remanescente Edital 02/2015 Saldo Remanescente EDITAL Nº 02/2015 CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA, no

Leia mais

Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES

Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES Atendimento Vivo ATA RP 04/SEMPLA/COBES Contato de Vendas e Pós-Vendas Telefônica Vivo Business Solutions Plano de Comunicação Vivo x Prefeitura SP 29.01.2015 ESTRUTURA 1- GERENTE DE NEGÓCIOS 2- CONSULTORIA

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

Densidade de ocorrências de mortes violentas

Densidade de ocorrências de mortes violentas de mortes violentas Temporalidade e espaços dos homicídios dolosos na capital paulista Sérgio Adorno* No Município de São Paulo, a distribuição de ocorrências de homicídio doloso, segundo o período do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 Os contratos novos de aluguéis de casas e de apartamentos na capital paulista subiram em média 0,6% em novembro relativamente

Leia mais

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 PSIU no combate à poluição sonora O Programa de Silêncio Urbano (PSIU) da Prefeitura

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Os aluguéis das casas e apartamentos no mês de maio permaneceram estáveis em relação aos valores de abril. Em relação

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 As pessoas que procuraram moradias para alugar em agosto de 2013 encontraram locações com valores mais altos em relação

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 No primeiro mês de 2015, os aluguéis registraram alta de 0,4%, comparado com o mês anterior. Considerando o comportamento

Leia mais

INDICADORES POR DISTRITO

INDICADORES POR DISTRITO INDICADORES POR DISTRITO Assistência social População em situação de rua - acolhidos* Porcentagem da população em situação de rua em cada distrito sobre o total da cidade. (*acolhidos - pessoas que, também

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo)

LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo) LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo) Dispõe sobre a criação de Subprefeituras no Município de São Paulo, e dá outras providências. MARTA SUPLICY, Prefeita do

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO 2009 DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Novembro de 2008 RECEITAS Composição da Arrecadação Orçamento 2009 Receita

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 (Projeto de Lei nº 467/14, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CREAS

CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CREAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CREAS GUIA DE ORIENTAÇÃO Nº 1 (1ª Versão) Brasília,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

Configuração e tipologias

Configuração e tipologias OsE s p a ç o sp ú b l i c o ses u ai n f l u ê n c i an ame l h o r i ad aq u a l i d a d ed ev i d a O que são Espaços Públicos? P O espaço público é considerado como aquele que, dentro do território

Leia mais

INDICADORES POR DISTRITO

INDICADORES POR DISTRITO INDICADORES POR DISTRITO Assistência social População em situação de rua - acolhidos* Porcentagem da população em situação de rua em cada distrito sobre o total da cidade. (*acolhidos - pessoas que, também

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79 Renda e Trabalho A dimensão Renda e Trabalho aparece naturalmente como um importante indicador de qualidade de vida. Não há como discutir o assunto dentro

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social É a gestão da Assistência social de forma descentralizada e participativa,constituindo-se na regulação e organização em todo o território nacional das ações socioassistenciais.

Leia mais

Termos de Referência Projeto BRA5U201

Termos de Referência Projeto BRA5U201 Plano Integrado de enfrentamento à epidemia Projeto: BRA5U201 Fortalecimento das capacidades nacionais para a promoção e atenção à saúde sexual e reprodutiva e redução da morbi-mortalidade materna Produto

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009

EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 EDITAL Nº 06 SECAD/MEC, DE 1º DE ABRIL DE 2009 SELEÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PARA FOMENTO DA REDE DE EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE NO ÂMBITO DO SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB A União,

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo PREGÃO FEDERAL n.º 23/2009 APÊNDICE B Etapas de execução dos serviços Serviços que deverão ser executados na 1ª etapa. Comercial com 15 pavimentos: 1º ao 11º, 13º e 14º andares sim não sim 4.641 Sede I

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil 2000/2005 Maio 2007 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO EVOLUÇÃO DO ÍNDICE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais