Gestão da Empresa Agrícola no Século XXI. Manual I Marketing dos Produtos Agro-Pecuários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Empresa Agrícola no Século XXI. Manual I Marketing dos Produtos Agro-Pecuários"

Transcrição

1

2 Gestão da Empresa Agrícola no Século XXI Elaboração Conjunta AJAP/Agri-Ciência Coordenação Científica e Redacção: Leonor Queiroz e Mello, José Castro Coelho e Miguel de Castro Neto Coordenação Técnica e Recolha de Informação de Campo: Equipa técnica da AJAP Co-financiado no âmbito da Medida 10 do Programa AGRO Convite Público nº 04/ Projecto n.º

3 Edição Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Rua D. Pedro V, 108-2º Lisboa Tel.: Fax: URL: Impressão Gazela, Artes Gráficas, Lda. Depósito Legal n.º /07 Registo de Autoria n.º 4605/07 ISBN Distribuição Gratuita 2

4 ÍNDICE 1. Introdução O Marketing Marketing e Agricultura Evolução do marketing agrícola 8 2. Alguns conceitos básicos Necessidades, desejos e procura Produtos Valor e satisfação Trocas e relações Mercado Comportamento de compra Comportamento de compra e processo de decisão de compra dos consumidores Mercado Business to Business Segmentação, targeting e posicionamento Segmentação Targeting Posicionamento Plano de Marketing Missão, Visão e Objectivos Avaliação da situação Formulação de estratégias Objectivos de Marketing Estratégias de marketing Estimativa d o s r e s u l t a d o s e identificação d e p l a n o s a l t e r n a t i vo s Distribuição dos recursos e controlo FINALMENTE O PLANO! NA PRÁTICA Do s and Don ts do Marketing O seu Plano de Marketing 61 BIBLIOGRAFIA 75 GLOSSÁRIO DE TERMOS DE MARKETING

5 4

6 1. Introdução Este livro insere-se numa parceria de colaboração entre a AJAP e a Agri- Ciência visando a produção de uma série de três manuais versando sobre os temas do marketing, da gestão e das novas tecnologias da informação para a agricultura. Para a elaboração destes manuais, houve a preocupação de visitar empresas e agricultores membros da AJAP. No concreto, visitaramse empresas produtoras de flores, hortícolas, azeite, leite e vinho, cujas situações e problemas serviram de base a muitos dos exemplos apresentados nos manuais. O percurso de escrita, edição e publicação dos manuais foi propositado, pretendendo pôr em relevo um método lógico e sistemático de pensar as empresas e a produção agrícola. Primeiro, com este manual, trataremos das questões dos mercados e das produções agrícolas, tentando incutir nos leitores a necessidade e a vantagem de adoptarem uma perspectiva orientada para o cliente e o mercado (marketing oriented). Depois, no segundo manual, trataremos dos problemas de gestão da empresa agrícola, com especial enfoque nas questões relacionadas com o que?, como? e quanto? produzir. Por último, no terceiro manual, daremos notícia da importância e exemplificaremos a aplicação das novas tecnologias da informação na agricultura. Fazemos votos para que o esforço que colocámos na feitura destes manuais seja recompensado através da sua leitura e, sobretudo, da sua consequente utilização prática. 1.1 O Marketing a) Evolução do Marketing O Marketing existe desde que existem trocas comerciais, no entanto a forma como é praticado tem vindo a evoluir ao longo do tempo, em função da evolução da produção e dos mercados. Inicialmente toda a importância era colocada apenas no produto. O que 5

7 interessava era apenas produzir bem e de forma eficiente. Sendo a oferta reduzida, bastava que o produto tivesse alguma qualidade que a sua venda era garantida. Estávamos na era da produção. Com o passar do tempo e a chegada da Revolução Industrial, começa a haver mais oferta do que procura e começam a ser produzidos os primeiros produtos supérfluos. Para levar os consumidores a comprar já não chega produzir bem, é necessário evidenciar, de forma mais ou menos agressiva, as características dos produtos e levá-los até aos consumidores. Esta foi a era das vendas. A partir dos anos 60/70 a importância passou de um mercado de vendedores para um mercado de consumidores. A produção é agora uma consequência das necessidades dos consumidores e não o inverso. Interessa perceber quais as verdadeiras necessidades e desejos dos consumidores e tentar satisfazê-los da forma mais eficiente possível. b) Definições Actualmente, e como acontece com qualquer conceito, existem inúmeras definições de Marketing:...é a forma como as empresas são vistas na perspectiva dos consumidores (Drucker, 1991). O objectivo do marketing é tornar a venda supérflua. É conhecer o consumidor muito bem, de maneira a que o produto ou serviço é o necessário e vende-se sozinho (Peter Drucker). Marketing é o processo de gestão que identifica, antecipa e satisfaz as necessidades dos consumidores de uma forma lucrativa (The Chartered Institute of Marketing). É fornecer o produto e o serviço certo, ao cliente certo, no local certo, no momento certo, ao preço certo, com a comunicação certa (Kotler, 1991). Embora diferentes, todas estas definições tocam nos pontos-chave do marketing moderno. A principal função da empresa é satisfazer as necessidades/desejos dos seus clientes. As soluções para a satisfação dessas necessidades/desejos são os produtos. É importante notar que os consumidores não querem os produtos ou serviços, querem uma solução para o seu problema. Quando um agricultor compra um fitofármaco ele 6

8 não está a comprar um produto mas a tentar arranjar uma solução para um problema que é combater a praga A ou B. Para que a empresa consiga satisfazer os seus clientes tem, não só, que saber quais as suas necessidades actuais, mas também as suas necessidades futuras. Satisfazer o consumidor não chega, há que surpreendê-lo. Para isso, é fundamental um conhecimento mais ou menos profundo do consumidor, ou do público-alvo. Esse conhecimento é obtido através de estudos de mercado. A definição do Kotler é baseada num conjunto de ferramentas que a empresa tem à sua disposição, as quais, quando bem conjugadas permitem dar a resposta pretendida pelo público alvo. A esse conjunto de ferramentas chama-se Marketing Mix, e as ferramentas são os chamados 4 P s do Marketing Mix: Produto, Preço, Comunicação (em inglês Promotion) e Distribuição (em inglês Place). 1.2 Marketing e Agricultura Os produtos agrícolas distinguem-se dos restantes por uma série de factores que condicionam o marketing, fazendo, por isso, sentido falar em marketing agrícola. Dentre esses factores, salientam-se: Localização relacionada com a produção e não com o mercado. Regra geral as indústrias tendem a localizar-se próximo dos mercados de consumo, ou de vias de rápido acesso ao mercado. No caso dos produtos agrícolas, tal não é obviamente possível. Este factor, em conjunto com outras eventuais características específicas dos produtos agrícolas (por exemplo, a sua perecibilidade facilidade ou rapidez com os produtos se tornam impróprios para consumo -, ou o seu baixo valor unitário), vai condicionar uma série de decisões ao nível, por exemplo, dos custos e das distâncias de transporte. Produtos indiferenciados. Os produtos agrícolas são, em si mesmos, produtos altamente indiferenciados. Uma maçã, ou um cacho de bananas, do ponto de vista do consumidor, não apresentam grandes diferenças sejam quais forem as suas proveniências. Todavia, nos últimos anos tem-se assistido a uma tentativa de ultrapassar este ponto através, 7

9 por exemplo, das Denominações de Origem ou das certificações em termos de modos de produção. Distância entre o produtor e o consumidor. A distância, quer em termos físicos, quer em termos de comunicação, entre o produtor e consumidor tem implicações na estratégia de marketing adoptada. Em termos físicos, ao nível de decisões relacionadas com os transportes, com as margens, com o desenvolvimento de novos produtos/embalagens ou outras formas de ultrapassar o problema da perecibilidade dos produtos. Em termos de comunicação, pode ser difícil aos produtores reunirem informação sobre as necessidades/desejos dos consumidores, com implicações nas decisões estratégicas. A produção tem características, ou limitações, que tornam difícil a adaptação da oferta às necessidades dos consumidores no curto prazo. Por exemplo, no caso das culturas permanentes não é possível, em cada ano, ir mudando de variedade ao sabor dos gostos dos consumidores. Como também não é possível de um dia para o outro aumentar ou diminuir a produção em função das necessidades do mercado. Muitas decisões estratégicas importantes são tomadas a mais ou menos longo prazo e só dificilmente é possível alterá-las ao longo do ciclo produtivo. Este ponto tem fortes consequências ao nível das estratégias do produto e do preço. 1.3 Evolução do marketing agrícola O mercado dos produtos agrícolas foi evoluindo de uma forma mais lenta do que os restantes mercados. No entanto, e devido a uma série de factores que descrevemos a seguir, o marketing agrícola tem vindo a ganhar cada vez mais importância. Aumento do poder do consumidor. Com o aumento da informação disponível, e da variedade de produtos existentes, os consumidores estão cada vez mais exigentes em termos da relação qualidade/preço conseguida. Industrialização do agro-negócio. O aumento da dimensão das explorações agrícolas, tem vindo a conferir-lhes um estatuto de empresa, 8

10 com todas as alterações em termos de estratégias de negócio que isso implica. Crescente Regulamentação da produção agrícola. A existência de quotas de produção, as regulamentações em termos ambientais, etc., obrigam a adaptações na quantidade e no modo de produzir, que implicam também alterações em termos das estratégias de marketing. Progressiva globalização da agricultura. A importação e exportação de produtos agrícolas, aumentam a competição e trazem novas exigências em termos de legislação o que, mais uma vez, implica a adaptação das estratégias de marketing. No seu conjunto estas tendências representam uma série de oportunidades em termos de marketing. Os produtores podem tirar partido da exigência dos consumidores para produzir e promover produtos de qualidade superior, e assim ampliar as suas margens, ou tirar partido da maior dimensão da sua exploração através de economias de escala, as quais lhes permitam baixar custos e/ou rentabilizar novos investimentos. No entanto, para bem aproveitar estas oportunidades e para que as explorações se mantenham viáveis, é necessário que os agricultores cada vez mais apostem no marketing para manter ou aumentar as vendas e as margens. Hoje em dia já não basta produzir bem, é necessário ir um pouco mais além, traçar uma direcção a seguir e ter, tanto quanto possível, a certeza de que se está a produzir de acordo com as necessidades e os desejos do mercado. Segundo a Canadian Farm Business Farm Council o Marketing tem 3 dimensões: Cultural - é uma filosofia em que as necessidades dos consumidores são postas em primeiro lugar; Estratégica - determinar como é que a empresa vai competir no mercado em que se encontra, definindo quais as características que a distingue das demais; Táctica - desenvolver as ferramentas que compõem o marketing mix (produto, preço, promoção e distribuição), de forma a ir de encontro às necessidades dos consumidores. 9

11 Exemplos do mundo real: O caso de Idalina Carrilho, produtora de rosas para corte em hidroponia, ilustra bem a importância de ter em consideração estas três dimensões do marketing. Idalina Carrilho e o marido, funcionária num Notário e Engenheiro Civil, tinham um terreno agrícola com uma área de 2,2 ha, localizado relativamente próximo de Lisboa e, sentindo o apelo da terra, decidiram tentar enveredar pela agricultura. Não tendo, nenhum deles, formação nem experiência em agricultura tomaram a decisão de que Idalina se inscreveria num curso de Jovem Empresário Agrícola, o qual permitiria um primeiro contacto com o sector agrícola, estabelecer contactos com outros formandos e com os formadores e adquirir alguma formação em áreas mais técnicas. Durante o curso Idalina começou a ouvir falar em hidroponia. Este modo de produção permitiria ultrapassar o problema da textura do solo (muito barrento), e dava já alguma indicação sobre quais as culturas passíveis de serem efectuadas. Ao longo do curso, e à medida que ia recolhendo informação, o leque de culturas possíveis ficou reduzido a flores de corte, tendo como hipóteses os crisântemos, os cravos e as rosas. Tecnicamente a rosa era a flor com maior potencial de sucesso, mas isso não foi julgado como suficiente para tomar a decisão final sobre o que produzir. Decidiram, então, fazer o seu próprio estudo de mercado através de visitas a algumas floristas, para aclararem uma série de questões relacionadas com: qual era o tipo de flor de corte com mais procura?; quais as procuras ainda não satisfeitas?; como era o comportamento da procura ao longo do ano?; como se previa que fosse a procura no futuro?; etc. Seguiu-se uma fase de aprendizagem das técnicas de produção de rosas, de prospecção de fornecedores de factores de produção, de elaboração e candidatura de um projecto e de início de produção. Nesta fase houve a preocupação de que todas as decisões permitissem ter produto de primeira qualidade, que o produto fosse exactamente aquele que o mercado pretendia, e também que os custos de investimentos e de produção permitissem chegar a um preço de venda lucrativo, para a empresa, e competitivo, no mercado. Com este pequeno exemplo pretende-se mostrar como, com maior ou menor consciência disso, Idalina Carrilho acabou por integrar as três dimensões do marketing na sua linha lógica de raciocínio e como foi direccionando o seu projecto para a produção de um bem que fosse de encontro às necessidades do mercado e em que, tendo em conta a pouca experiência no sector, pudesse subir rapidamente na curva de experiência de modo a tornar-se competitiva o mais cedo possível. 10

12 2. Alguns conceitos básicos No Marketing tudo nasce e gira em torno de desejos e necessidades das pessoas e/ou consumidores. É por causa dos desejos e das necessidades que surgem os produtos, com diferentes preposições de valor e grau de satisfação, que geram múltiplas e variadas relações entre pessoas e organizações até serem disponibilizados em mercados. Figura 1 Conceitos centrais do Marketing (adaptado de Kotler et al,1999) 2.1 Necessidades, desejos e procura Uma das funções do Marketing, como ficou dito anteriormente, é identificar as necessidades e desejos dos consumidores e satisfazê-los. Pode dizer-se que as pessoas têm poucas necessidades mas desejos quase ilimitados. De acordo com Maslow, as necessidades das pessoas são de várias naturezas e tendem a ser preenchidas de acordo com uma hierarquia lógica, da base para o topo da pirâmide. Quer isto dizer, que as pessoas só passam para o nível seguinte/superior quando o anterior/ inferior está preenchido. Figura 2 Pirâmide das necessidades de Maslow 11

13 As necessidades Fisiológicas e de Segurança/Protecção são as mais básicas e em geral, nos países mais desenvolvidos, estão, à partida, completamente preenchidas. Por isso, o marketing, nesses países, está hoje em dia muito mais orientado para as necessidades sociais, relacionadas com a necessidade de pertença, de aceitação, de afecto, de auto-estima e de realização pessoal. Pensando na globalidade dos produtos agrícolas, podemos encontrar casos que se destinam a satisfazer os vários níveis de necessidades apresentados na pirâmide. Em muitos casos nota-se uma evolução, do ponto de vista do marketing, para acompanhar a escalada da pirâmide das necessidades. É o caso, por exemplo, do leite e do azeite. Ambos são produtos cuja utilização é bastante básica e, de início, preenchiam apenas as necessidades fisiológicas. Com o passar do tempo, e para acompanhar a evolução das necessidades dos consumidores, têm vindo a aparecer leites e azeites com pequenas grandes alterações. É o caso dos leites com mais vitaminas, ou com mais minerais, ou dos azeites aromatizados. Muitos consumidores adquirem estes produtos já não apenas para satisfazer uma necessidade fisiológica, mas também para se sentirem como pertencendo a uma determinada classe social ou associados a um certo tipo de pessoas. Embora muitas vezes, as estratégias de marketing sejam definidas ao nível da indústria e/ou da distribuição, é importante que os agricultores tenham isto em mente para se poderem ir adaptando e respondendo melhor e mais rapidamente às solicitações dos seus clientes. Uma vez identificada a necessidade, o consumidor vai então escolher, de entre as alternativas à sua disposição, quais as que lhe suscitam desejo. Há identificação de qual a solução que melhor satisfaz a sua necessidade. Tomando o exemplo do leite, imaginemos uma fábrica de queijos que recebeu uma encomenda com que não contava e não tem leite que chegue para a satisfazer. Tendo identificado uma necessidade, de leite, vai então tentar encontrar o produtor que lhe consegue entregar o produto em melhores condições. Dentro destas condições poderão estar não só preço e o prazo de entrega mas também a quantidade, a qualidade intrínseca do leite e as garantias associadas a tudo isto. Por fim, existirá procura se o consumidor puder efectivamente adquirir o produto. Se, mesmo cumprindo todos os requisitos em termos de qualidade e segurança alimentar, o produtor não consegue assegurar a 12

14 entrega da quantidade necessária poderá não haver transacção. A função do marketing é então a de identificar as necessidades, transformar essas necessidades em desejos e estimular a procura e o consumo dos produtos. Figura 3 Os papeis fulcrais do marketing Para que esta sucessão de acontecimentos se realize, o produtor de leite terá que estar a par das necessidades do mercado, quer em termos de quantidade de produto quer em termos das condições em que este é transaccionado, que envolvem, entre outras coisas, o seu preço, a sua qualidade e as garantias que oferece em termos de segurança comercial e alimentar. No caso dos produtos agrícolas em geral, esta é uma tarefa muito complexa porque, como ficou dito anteriormente, não são possíveis, no curto e até no médio prazo, alterações quer em termos dos modos de produção quer em termos de quantidades produzidas, já que muitas das produções agrícolas são sazonais e têm ciclos de produção relativamente longos. 2.2 Produtos As necessidades e os desejos são satisfeitos através dos produtos. Em termos de marketing um produto pode ser um produto físico, palpável, algo que um consumidor leva para casa, ou um serviço, algo intangível que não tem existência material. Um exemplo do primeiro tipo poderá ser um tractor, um saco de fruta, etc. Exemplos do segundo tipo de produtos poderão ser o acompanhamento técnico de uma exploração ou a prestação de serviços de jardinagem. Muitos produtos incorporam, ou conjugam, estas duas componentes. Um produto, em marketing, é o benefício ou a solução que se oferece ao consumidor. Por exemplo, um fitofármaco, para um agricultor, não é apenas uma embalagem com um produto lá dentro, é a solução para 13

15 uma doença ou para uma praga. Assim, todos os extras que se possam acrescentar ao produto em si, e que ajudem a responder melhor ao problema existente, acrescentam valor ao produto. O consumidor irá sempre procurar o produto que melhor satisfaz a sua necessidade e, por isso, o marketing deve prestar muita atenção, não só ao produto físico, mas também aos serviços associados. No caso do exemplo anterior fitofármaco - o marketing deve, para além de salientar as características e a eficácia curativa ou preventiva da substância activa utilizada, ser capaz de informar o agricultor sobre as doses, os métodos e as épocas de aplicação, os intervalos e as regras de segurança a respeitar, etc. Nos produtos agrícolas este é um ponto muito importante uma vez que o produto físico não terá diferenças sensíveis de produtor para produtor. Assim, o marketing deverá concentrar-se, por exemplo, na forma como o produto é embalado e apresentado, nos métodos de produção e/ou transformação utilizados, etc. Exemplos do mundo real: A flor, em si mesma, é um produto relativamente básico. No caso da floricultura de Idalina Carrilho, o problema dos clientes é ter na loja produtos variados e de boa qualidade, a qual se medirá não só pelo aspecto visual mas também pelo tempo que se aguentam em boas condições. A perecibilidade deste tipo de produtos é pois muito importante e poderá estar dependente não só da qualidade da flor em si, mas também das condições em que é colhida, manuseada e embalada. Assim sendo, qualquer alteração que permita, por exemplo, aumentar o tempo de vida da flor deverá ser vista como um valor acrescentado. Nos últimos tempos, Idalina Carrilho teve um problema com uma praga que não conseguia controlar. A técnica que acompanha a exploração sugeriu a aplicação de uma medida de protecção integrada, a qual resultou na perfeição. Idalina Carrilho decidiu então frequentar um curso de protecção integrada e está agora a passar a este modo de produção. Embora já haja certificação para a protecção integrada em frutas e hortícolas, não existe ainda nada para este modo de produção aplicado à floricultura. A questão que se põe actualmente, e para a qual ainda não há resposta, é se os clientes/consumidores vêem as rosas obtidas com recurso à protecção integrada como um valor acrescentado e, caso vejam, se estarão dispostos a pagar algo mais por isso. 2.3 Valor e satisfação Sendo o produto uma solução para um problema, para o cliente o produto terá tanto mais valor quanto melhor resolver esse problema. Mais uma vez o caso das rosas é um bom exemplo. 14

16 O valor atribuído a um produto depende também das expectativas criadas pelo consumidor em relação a esse produto. As expectativas são função de experiências de compra anteriores, opiniões de amigos, vendedores, especialistas, etc., e promessas feitas pelo produtor. Se, após a compra e utilização do produto, o benefício não corresponde ao esperado (função obrigatória) o consumidor sente-se defraudado; se corresponde ao esperado sente-se apenas pouco satisfeito; mas se o produto é capaz de superar a expectativa (função atractiva), então, o cliente sente-se muito positivamente satisfeito. A forma como a empresa consegue corresponder à expectativa criada, ou seja, o grau com que a promessa que todo e qualquer produto encerra é cumprida, é determinante na fidelização do cliente e na existência de compras repetidas. Mas os bons produtos são aqueles que, continuadamente, conseguem superar as expectativas, surpreendendo e encantando os clientes. Figura 4 Expectativas e grau de satisfação As expectativas relativamente aos produtos agrícolas são um ponto muito delicado, e não será muito difícil perceber porquê: não é possível, para uma boa parte dos produtos, garantir que a próxima colheita terá a mesma quantidade e qualidade que a anterior. No caso dos leites e dos sumos, produtos com algum processamento, transformação e uniformização industrial, este problema é um pouco menor. Mas se pensarmos em hortícolas, frutas e outros produtos para consumo em fresco o problema já é bastante mais difícil de controlar. O caso dos vinhos de qualidade superior, apesar de serem produtos transformados, é um exemplo notável de como é difícil manter a quantidade e qualidade. Quantas vezes, a propósito destes produtos, não se ouve dizer que a 15

17 colheita do ano XX foi excelente, enquanto que a do ano YY foi má. 2.4 Trocas e relações A troca de produtos leva ao estabelecimento de relações entre os vários intervenientes. A forma como essas relações se vão estabelecendo tem hoje um grande peso no sucesso das empresas. Na Figura 5 mostramse os vários tipos de relações que se vão estabelecendo: dentro da empresa, entre os funcionários e departamentos, com os fornecedores, com os clientes finais e intermediários da cadeia de distribuição e até com a concorrência. No sector agrícola, as relações existentes entre a produção e a indústria/ distribuição são fundamentais. De entrada: - Fornecedores Internas: - Funcionários - Departamentos - Divisões Marketing de Relações Externas: - Concorrência - Instituições De saída: - Clientes finais - Intermediários Figura 5 Marketing de relações Exemplos do mundo real: Por exemplo, no caso do produtor de leite que entrevistámos, ele vende todo o seu leite a um único cliente. Esta situação apenas é possível havendo uma relação de grande confiança entre os dois intervenientes. Já no caso da produtora de rosas, embora fosse possível um único distribuidor ficar com toda a sua produção, por uma questão de segurança ela preferiu não o fazer. O produtor de vinhos que entrevistámos, aposta fortemente no estabelecimento de relações com os seus clientes. Junto das suas vinhas tem um espaço onde recebe os clientes, onde lhes dá a provar os seus vinhos e aguardentes, explicando-lhes as particularidades de cada um, um espaço onde pode tratar cada cliente como um amigo. 16

18 2.5 Mercado Todas estas trocas e relações dão-se num mercado. O mercado inclui o conjunto de todos os compradores, reais e potenciais, para esse produto, e também os intervenientes na cadeia de distribuição (desde o produtor até ao consumidor). A empresa tenta satisfazer as necessidades e desejos dos seus clientes de uma forma consistente, lucrativa e responsável, ao longo do tempo (é importante ter em conta que essas necessidades e desejos podem ir mudando). Os elementos do mercado devem ter em comum as seguintes características: Procuram uma solução para um problema, ou seja, procuram um produto; São passíveis de fazer a compra; Têm capacidade financeira para fazer a compra; Têm a autoridade para tomar a decisão. 17

19 3. Comportamento de compra Ao longo das visitas que fizemos a vários produtores foi possível verificar que eles trabalham com dois grandes tipos de mercados: o dos consumidores, em que a compra é normalmente feita por uma única pessoa (particulares), e o B2B (Business to Business), em que os compradores podem ser distribuidores, industriais ou outras empresas. O quadro seguinte mostra como, para cada um dos produtores que visitámos, podem haver diferentes compradores pertencentes a estes dois tipos de mercados. Produção Flores Hortícolas Azeite Leite Vinhos Clientes Distribuidores, produtores-distribuidores, floristas e particulares Indústria, mercado de frescos Restauração, particulares Indústria Particulares, pequenos distribuidores, garrafeiras, restauração e, no futuro, exportação O número de intervenientes na compra, o número de compradores, a dimensão das compras e o risco comercial e financeiro envolvidos, são apenas algumas das diferenças entre os dois tipos de mercados e que justificam o seu tratamento separado. 3.1 Comportamento de compra e processo de decisão de compra dos consumidores O comportamento de compra do consumidor é influenciado, essencialmente, por quatro tipos de variáveis: psicológicas, pessoais, sociais e culturais. Todas estas variáveis estão relacionadas com a pirâmide das necessidades de Maslow, sobre a qual já se falou anteriormente. O processo de decisão de compra ocorre segundo as fases ilustradas na Figura 6. O processo inicia-se quando o consumidor se apercebe da existência de uma necessidade. O consumidor vai então procurar informação que lhe permita saber quais as várias alternativas (produtos e/ ou serviços) existentes para satisfazer essa necessidade. Esta informação pode ser procurada junto de fornecedores, amigos, colegas de trabalho, familiares, etc. Decorrida esta fase deverá ter identificado várias alternativas e vai então preocupar-se em avaliá-las. Uma vez escolhida a que lhe parece que melhor responde à sua necessidade decide-se então pela 18

20 compra. Após a compra há uma comparação entre o valor dispendido e a expectativa criada. Se o consumidor ficar satisfeito tenderá a repetir a compra, caso contrário, o processo é reiniciado e serão percorridas novamente todas as fases. Figura 6 Processo de tomada de decisão da compra Dependendo do tipo de produto, o processo de decisão de compra poderá demorar mais ou menos tempo e poderá ou não passar por todas as fases. Por exemplo, no caso da compra de um tractor ou de um equipamento de rega o processo irá ser com certeza demorado e incluirá todas as fases. Trata se de um produto com alguma complexidade, com um valor relativo elevado. Para proceder à compra o comprador irá tentar reunir toda a informação possível, informar-se junto de outros utilizadores, de pessoas cuja opinião seja reconhecida, irá fazer a avaliação de todas as alternativas e poderá decidir-se pela compra ou não. Poderá chegar à conclusão que, por exemplo, relativamente ao tractor compensa-lhe mais recorrer ao aluguer. No caso da compra de hortaliças para a sopa o processo de decisão de compra será seguramente mais rápido, embora possa passar ainda por todas as fases. O comprador sentiu a necessidade e dirige-se ao ponto de venda. A pesquisa da informação é feita aí, poderá estar na embalagem, em indicações no expositor, etc. Verifica quais as alternativas disponíveis e pode decidir que afinal nenhuma delas lhe agrada e acaba por comprar sopa de pacote. No caso de um produto que é comprado com bastante frequência passa-se directamente da percepção da necessidade para a decisão de compra. É o caso, por exemplo, do leite. Um consumidor que adquire sempre a mesma marca de leite, quando este se acaba vai ao ponto de venda, dirige-se directamente ao local onde se encontra a marca de leite normalmente consumida, compra e sai. 19

21 Para perceber bem o comportamento do consumidor é necessário ter em consideração dois factores fundamentais: o grau de diferenciação entre os produtos percebido pelo consumidor e o grau de envolvimento na compra, o qual depende, fundamentalmente, do valor dispendido na aquisição e da vida útil do produto/serviço. Considerando o nível de envolvimento na compra e a percepção que os consumidores têm da diferença entre marcas, podemos assim considerar quatro tipos de comportamentos, tal como se mostra na Figura 7. Figura 7 Envolvimento versus diferenciação O comportamento do consumidor é complexo quando há um grande envolvimento e o grau de diferenciação entre os produtos, do ponto de vista do consumidor, é elevado. Os produtos pertencentes a esta categoria são comprados apenas pontualmente, são caros e são muito diferenciados. Os consumidores tendem a procurar muita informação e formar uma opinião antes de tomarem uma decisão final. Os vendedores tendem a fornecer informação que enalteça as qualidades e o desempenho do produto. O preço, embora tenha alguma importância, não é o factor mais importante. Dentro desta categoria incluímos, por exemplo, uma estufa, uma prensa para uma adega ou um lagar, ou um equipamento de ordenha mecânica. Diz-se que há procura de variedade quando há um baixo envolvimento na compra e o consumidor é capaz de percepcionar grandes diferenças entre os produtos/marcas alternativas. Os produtos nesta categoria são únicos mas preenchem o mesmo tipo de necessidade. É o caso dos cereais de pequeno-almoço. Há hoje em dia uma variedade sem fim de cereais de pequeno-almoço preenchendo todos de igual forma a mesma necessidade. O principal desafio que se apresenta aos produtores é criar fidelidade à marca. Neste caso o que o consumidor procura é variedade e por isso as estratégias de descontos (25% quantidade grátis, leve 3 20

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Como criar um clube de vantagens para seus clientes

Como criar um clube de vantagens para seus clientes Como criar um clube de vantagens para seus clientes Introdução Adquirir clientes no mundo competitivo atual é cada vez mais difícil e caro. Por este motivo, torna-se muito importante ações que fidelize

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS:

PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS: O QUE É PRECISO PARA SER UM CORRETOR DE SUCESSO gerenciador e site imobiliário Introdução O perfil do corretor de imóveis de sucesso Aprimorando os pontos fracos Conclusão

Leia mais

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets.

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets. Plano Estratégico 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda 2º Argumentação do Outsourcing 3º Analise SWOT 4º Objectivos 5ºTargets. 6º Área Geográfica 7º Estudo Sobre as Empresas 8º Concorrência. 9º Serviços

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 1 CAPÍTULO I Introdução ao Marketing Introdução ao Estudo do Marketing Capítulo I 1) INTRODUÇÃO AO MARKETING Sumário Conceito e Importância do marketing A evolução do conceito de marketing Ética e Responsabilidade

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Questionário de Qualificação

Questionário de Qualificação Questionário de Qualificação Dados do Cliente: Por favor preencha, e devolva-nos, este questionário o mais cedo possível por fax. Este questionário foi concebido para alcançar duas coisas: 1) para me ajudar

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais