ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO"

Transcrição

1 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O sistema respiratório é responsável pelo mecanismo de troca gasosa (hematose) com o ar atmosférico para garantir que a concentração de oxigênio seja mantida no sangue. Além das trocas gasosas, o sistema respiratório também auxilia na regulação da temperatura corporal e na manutenção do ph do sangue. O mecanismo de hematose pulmonar é fundamental para manter o equilíbrio acidobásico do sangue. O sistema respiratório é constituído pelo nariz, cavidade nasal, faringe, laringe, traqueia, brônquios e pulmões. Classicamente, o sistema respiratório é dividido em vias aéreas superiores e vias aéreas inferiores. As vias aéreas superiores são formadas por órgãos que se situam externamente à caixa torácica, nariz externo, cavidade nasal, faringe e laringe. As vias aéreas inferiores são constituídas pelos órgãos localizados na caixa torácica, traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos pulmonares e pulmões. 1 Biomédica. Doutora em Ciências Médicas área de concentração Neurociências pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do departamento de anatomia da Universidade Federal do Paraná. 1

2 Os músculos respiratórios principais (músculo diafragma e músculos intercostais) e acessórios (músculos abdominais, músculo serrátil anterior, músculos escalenos, músculo esternocleidomastoide) são estruturas anexas ao sistema respiratório. ESTUDO DAS VIAS AÉREAS SUPERIORES NARIZ O nariz é uma estrutura ímpar, mediana, com formato de uma pirâmide triangular. Apresenta-se como uma protuberância situada no centro da face contendo uma raiz, um dorso, uma base e um ápice. As faces laterais do nariz apresentam uma saliência semilunar denominada de asa do nariz. O nariz é dividido em duas porções, o nariz externo, formado por um esqueleto cartilaginoso revestido internamente por mucosa e externamente por músculo e pele; o nariz interno, constituído por um esqueleto ósseo revestido internamente por mucosa. No interior no nariz apresenta-se uma ampla cavidade nasal, subdividida em dois compartimentos por meio do septo nasal em fossa nasal direita e fossa nasal esquerda. Cada compartimento dispõe de um orifício anterior (narina) e um posterior (coanas). As narinas são duas aberturas situadas na base do nariz externo formadas pelas cartilagens alares maiores do nariz. Essas aberturas procuram manter abertas as vias aéreas superiores para facilitar a ventilação pulmonar. Internamente as narinas apresentam pêlos especiais denominados de vibrissas. Essas estruturas procuram contribuir com a filtração do ar inspirado e impedem a entrada de insetos na cavidade nasal (Figura 1). 2

3 Figura 1. Nariz e cavidade nasal. As coanas são duas aberturas posteriores responsáveis pela comunicação da cavidade nasal com a faringe (Figura 2). 3

4 Figura 2. Vista inferior do crânio. Na cavidade nasal o ar torna-se condicionado, ou seja, é filtrado, umedecido e aquecido. Na parede lateral da cavidade nasal encontram-se as conchas nasais: superior, média e inferior. As conchas nasais são projeções ósseas, totalmente revestidas por 4

5 mucosa, constituídas pelo osso etmóide (concha nasal superior e média) e pelo osso concha nasal inferior. O esqueleto do nariz é formado por ossos, cartilagens, músculos, membrana fibrosa e uma membrana mucosa. O esqueleto ósseo do nariz é constituído pelos ossos nasais (02), osso etmoide (01), osso concha nasal inferior (02), osso vômer (01), ossos maxilares (02) e ossos palatinos (02). Os ossos nasais correspondem a dois pequeninos ossos classificados como laminares, localizados na raiz do nariz. 5

6 Figura 3. Vista anterior do crânio. O osso etmoide é um osso classificado como irregular. É responsável pela formação do teto da cavidade nasal por meio da lâmina cribriforme (ou lâmina crivosa) do osso etmoide. Inferiormente, o osso etmoide emite junto às paredes laterais da cavidade nasal as conchas nasais superiores e conchas nasais inferiores. O osso etmoide apresenta uma lâmina perpendicular, mediana, que contribui para a formação do septo nasal. 6

7 Os ossos conchas nasais inferiores são pares, classificados como ossos irregulares. São responsáveis pela constituição das conchas nasais inferiores, propriamente ditas. O osso vômer apresenta aspecto de uma lâmina delgada inferiormente localizada à lâmina perpendicular do osso etmoide. É responsável pela formação do septo nasal (Figura 3), da espinha nasal anterior e espinha nasal posterior. Os ossos maxilares são ossos classificados como irregulares e pneumáticos. Contribuem para a formação dos limites anterolaterais e inferiores da cavidade nasal. Os ossos palatinos em conjunto com os processos palatinos dos ossos maxilares formam o assoalho da cavidade nasal (Figura 4). 7

8 Figura 4. Vista inferior da base do crânio. A cavidade nasal apresenta comunicações com os seios paranasais. Os seios paranasais são encontrados nos ossos circunvizinhos ao nariz como: osso frontal (seio frontal), osso etmoide (células etmoidais), osso esfenoide (seio esfenoidal) e os ossos maxilares (seios maxilares). 8

9 O esqueleto cartilaginoso do nariz é formado pelas cartilagens laterais (02), cartilagens alares maiores (02), cartilagens alares menores (número variável) e cartilagem do septo nasal (01). As cartilagens laterais, direita e esquerda, apresentam forma de lâmina triangular. Sua margem superior une-se ao osso nasal e sua margem inferior entra em contato com a cartilagem da asa do nariz. Constitui as paredes laterais do nariz e o dorso do nariz. A cartilagem ala maior é uma cartilagem par com formato de uma letra U. É responsável pelo contorno das narinas e por mantê-las abertas. A cartilagem do septo nasal contribui com a formação do chamado septo nasal junto com a lâmina perpendicular do osso etmoide e o vômer. A camada muscular do nariz é formada pelos músculos cutâneos da face, inseridos no nariz externo. O músculo prócero mobiliza a pele frontonasal, enquanto todos os outros músculos, nasal, dilatador da narina, levantador do lábio superior e da asa do nariz atuam sobre a asa do nariz. A membrana fibrosa é uma membrana conjuntiva resistente encontrada nos espaços isentos que reúne as cartilagens e ossos do nariz. O revestimento interno do nariz ocorre por meio da mucosa nasal, que começa onde termina a pele dos vestíbulos nasais. É uma membrana formada por epitélio ciliado, altamente vascularizado e com muitas glândulas mucosas com o intuito de contribuir com o mecanismo de filtração, aquecimento e umedificação do ar inspirado. FARINGE A faringe é uma estrutura em forma tubular que inicia nas coanas e segue inferiormente em direção ao pescoço. A sua parede é constituída por músculos esqueléticos revestidos internamente por uma túnica mucosa. Localizam-se posteriormente às cavidades nasais e anteriormente as vértebras cervicais. 9

10 A faringe é uma via comum aos sistemas respiratório e digestório. Atua como via condutora de ar da cavidade nasal para a laringe e também como via condutora de alimento da cavidade bucal em direção ao esôfago. Figura 5. Faringe. A faringe apresenta comunicação com a cavidade nasal por meio das coanas, comunica-se com a cavidade oral através do istmo das fauces (garganta), com o ouvido médio por meio do óstio faríngeo da tuba auditiva, com a laringe através do adito da laringe e com o esôfago a partir de sua continuidade inferior. No indivíduo adulto a faringe mede aproximadamente cinco centímetros se estendendo desde a base exterior do crânio até a 6ª ou 7ª vértebra cervical. A faringe divide-se em três regiões anatômicas, nasofaringe, orofaringe e laringofaringe (Figura 5). 10

11 Figura 6. Regiões da Faringe Nasofaringe ou rinofaringe Corresponde a região posterior à cavidade nasal, superiormente ao palato mole. Apresenta função respiratória, sendo uma extensão das cavidades respiratórias, a partir das coanas (Figura 6). 11

12 A nasofaringe inicia nas coanas e segue até uma linha transversal imaginária na altura da úvula. Apresenta tecido linfoide, a tonsila faríngea, no recesso faríngeo. A nasofaringe apresenta comunicação com a cavidade timpânica por meio da tuba auditiva, que permite a passagem do ar entre as cavidades e assim o equilíbrio de pressão entre elas. Orofaringe ou bucofaringe Corresponde à parte intermediária da faringe, localiza-se posterior a cavidade oral. A orofaringe encontra-se compreendida entre a úvula (palato mole) e a epiglote, no nível do osso hioide. Atua como passagem tanto para o ar como para o alimento. A orofaringe apresenta tecido linfoide, as tonsilas palatinas, entre os arcos palatoglosso e palatofaríngeo que formam o istmo das fauces. Laringofaringe ou hipofaringe A laringofaringe corresponde ao segmento faríngeo compreendido entre o nível da epiglote (superiormente) e o nível da cartilagem cricoide (posteroinferiormente). Na laringofaringe ocorre a passagem do ar para a laringe e conteúdo alimentar para o esôfago. LARINGE A laringe (Figura 7) é uma estrutura tubular que liga a faringe com a traquéia. Apresenta-se situada na linha mediana do pescoço, anteriormente a quarta, quinta e sexta vértebras cervicais. 12

13 Figura 7. Laringe. A parede da laringe é composta por nove cartilagens, sendo três ímpares e três pares. São elas: cartilagem tireoide (01), cartilagem cricoide (01), cartilagem epiglótica (01), cartilagens aritenoides (02), cartilagens corniculadas (02) e cartilagens cuneiformes (02). 13

14 A laringe além de atuar como via de condução de ar, desempenha função na produção de som (órgão de fonação). Na sua superfície interna, a laringe apresenta uma fenda anteroposterior denominada vestíbulo da laringe formada por duas pregas (Figura 8): prega vestibular (pregas vocais falsas) e a prega vocal (pregas vocais verdadeiras). Figura 8. Vista interna da laringe. 14

15 TRAQUEIA A traqueia é uma estrutura anatômica com formato tubular (Figura 9). Apresenta-se como um tubo cilíndrico de 10 cm a 12,5 cm de comprimento e de 2,5cm de diâmetro, dividindo duas porções, um cervical e outra torácica. 15

16 Figura 9. Traquéia. A traqueia situa-se medial e anteriormente ao esôfago, e na sua terminação desviase ligeiramente para a direita. É constituída por uma série de aproximadamente 20 anéis cartilagíneos incompletos posteriormente, denominados de cartilagens traqueais. Esses mesmos anéis se sobrepõem e são ligados entre si pelos ligamentos anulares, que possuem a função de manter a traquéia rígida, para que a mesma não entre em colapso, e ao mesmo tempo, unidas por tecido elástico, fique assegurada a sua mobilidade e flexibilidade que se desloca durante o processo de respiração e com os movimentos da laringe. A parede posterior da traqueia, desprovida de cartilagem, apresenta uma musculatura lisa, constituindo desta forma, a parede membranácea posterior da traqueia, onde se encontra o músculo traqueal. Desde o término da cartilagem cricoide da laringe, na altura da sexta vértebra cervical segue-se a traqueia, que penetra no tórax terminando dividindo-se nos dois brônquios principais que se inserem nos pulmões direito e esquerdo, ao nível do ângulo esternal (na altura da quinta vértebra torácica). BRÔNQUIOS Os brônquios são os condutos cartilaginosos que levam o ar da traqueia aos pulmões. Os mesmos estão localizados abaixo da região inferior da traqueia e se estendem desde a ramificação desta até o hilo pulmonar, na porção mediana do tórax. São compostos por anéis de cartilagem e fibras musculares, assim como na traqueia, e revestidos por um epitélio ciliado com células capazes de produzir muco, as células caliciformes. O brônquio principal direito se apresenta mais largo e mais curto do que o esquerdo, o que explica a consequência do maior afluxo de corpos estranhos que nele penetram. Após sua inserção no hilo pulmonar, o brônquio principal direito se divide em brônquios lobares ou de segunda ordem, superior, médio e inferior. 16

17 Figura 10. Arvore brônquica. O mesmo não ocorre com o brônquio principal esquerdo que se apresenta dividido apenas em brônquios superior e inferior, visto que a secção do pulmão esquerdo ocorre apenas pela fissura oblíqua, dividindo-o em lobos superior e inferior. 17

18 Dos brônquios lobares seguem os brônquios segmentares ou de terceira ordem, responsáveis pela ventilação dos lobos pulmonares e que se ramificam inúmeras vezes até darem origem aos bronquíolos, um para cada alvéolo pulmonar, até se estabelecer a árvore bronquial (Figura 10). PULMÕES Os pulmões são órgãos duplos localizados um de cada lado do tórax, na região interior da cavidade torácica. É o principal órgão do sistema respiratório. Os pulmões apresentam em média o peso de 700 g e altura de 25 cm. Cada pulmão tem uma forma piramidal com um ápice, uma base, três bordas e três faces. O ápice do pulmão encontra-se voltado cranialmente e tem forma levemente arredondada. Apresenta um sulco percorrido pela artéria subclávia, denominado sulco da artéria subclávia. No corpo humano, o ápice do pulmão atinge o nível da articulação esternoclavicular A base do pulmão apresenta uma forma côncava, apoiando-se sobre a face superior do músculo diafragma. A concavidade da base do pulmão direito é mais profunda que a do esquerdo devido à presença do fígado. Cada pulmão apresenta três margens: uma anterior, uma posterior e uma inferior. A borda anterior é delgada e estende-se à face ventral do coração. A borda anterior do pulmão esquerdo apresenta uma incisura produzida pelo coração, à incisura cardíaca. A borda posterior é romba e projeta-se na superfície posterior da cavidade torácica. A borda inferior apresenta duas porções: (1) uma que é delgada e projetase no recesso costofrênico e (2) outra que é mais arredondada e projeta-se no mediastino. O pulmão apresenta três faces, sendo elas: a face costal ou lateral (relativamente lisa e convexa voltada para a superfície interna da cavidade torácica); a face diafragmática ou face inferior (face côncava que assenta sobre a cúpula 18

19 diafragmática) e a face mediastínica ou face medial (possui uma região côncava onde se acomoda o coração). Figura 11. Pulmões. Os pulmões apresentam características morfológicas diferentes. O pulmão direito apresenta três lobos (superior, inferior e médio) divididos por duas fissuras. Sendo uma fissura oblíqua faz a divisão do lobo inferior dos lobos médio e superior e a fissura horizontal, que separa o lobo superior do lobo médio (Figura 11). O pulmão esquerdo apresenta dois lobos (superior e inferior) separados por uma fissura oblíqua. Cada lobo pulmonar é subdividido em segmentos pulmonares, que constituem unidades pulmonares completas, consideradas autônomas sob o ponto de vista anatômico: 19

20 I. Pulmão Direito: lobo superior, apical, anterior e posterior; lobo médio, medial e lateral; lobo inferior, apical (superior), basal anterior, basal posterior, basal medial e basal lateral. II. Pulmão Esquerdo: lobo superior, Apicoposterior, anterior, lingular superior e lingular inferior; lobo inferior, apical (superior), basal anterior, basal posterior, basal medial e basal lateral. PLEURA A pleura é uma membrana serosa de dupla camada que reveste internamente a parede torácica, o músculo diafragma e o mediastino (espaço entre os pulmões) para formar a pleura parietal. Em seguida, a pleura reflete-se na região do hilo pulmonar sobre a superfície externa dos pulmões revestindo-os intimamente e também aprofundando em suas fissuras e nos lobos pulmonares para constituir a pleura visceral ou pleura pulmonar. A cavidade pleural é o espaço virtual entre as pleuras visceral e parietal. Apresentase preenchido por uma pequena quantidade de líquido pleural. O líquido pleural tem a função de diminuir o atrito entre pleuras visceral e parietal facilitando o deslizamento entre elas durante os movimentos respiratórios de inspiração e expiração. HILO PULMONAR O hilo pulmonar corresponde a uma abertura localizada na face mediastinal de cada pulmão (Figura 12). Atua como um portal para a entrada dos brônquios principais direito e esquerdo, artérias pulmonares, direita e esquerda, e saída de nervos e vasos linfáticos. 20

21 O conjunto de estruturas que passam no hilo pulmonar é denominado em grupo de pedículo pulmonar. Figura 12. Hilo pulmonar. No hilo pulmonar os brônquios ocupam posição caudal e posterior, enquanto que as veias pulmonares são inferiores e anteriores. A artéria pulmonar ocupa uma posição superior e mediana em relação aos brônquios e veias pulmonares. 21

22 MECANISMO DE INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO Inspiração e expiração correspondem à entrada e saída de ar dos pulmões, respectivamente. Ambos os movimentos são promovidos pela ação coordenada de uma série de músculos respiratórios que se contraem e relaxam de forma sincronizada, proporcionando a sucessiva expansão e retração da cavidade torácica e, consequentemente, dos pulmões, cujo parênquima é caracterizado por grande elasticidade. Durante o mecanismo de Inspiração ocorre contração do músculo diafragma, acompanhada da contração dos músculos intercostais externos. Essas contrações musculares dinâmicas contribuem com a ocorrência de pressões negativas internamente e conseqüentemente a entrada de ar até os alvéolos pulmonares. Os principais músculos inspiratórios são os músculos diafragma e intercostais externos, que ao se contraírem tendem a ampliar a cavidade torácica nos dois sentidos, longitudinal e transversal. O músculo diafragma se apresenta como um amplo e potente músculo de forma arcada que separa a cavidade torácica da abdominal. É o músculo inspiratório mais importante. Quando se contrai apresenta-se plano, exercendo tração para baixo, o que proporciona a expansão de toda a cavidade torácica. Existem outros músculos do tórax que intervêm nas inspirações profundas ou na presença algum obstáculo que ocasiona dificuldade na entrada de ar até os pulmões. Os mais importantes são os músculos peitorais maiores e menores, que revestem a parede anterior do tórax; o músculo esternocleidomastóideo, localizado bilateralmente na face anterolateral do pescoço e o músculo serrátil anterior situado na parede lateral do abdome. A contração dos músculos inspiratórios provoca a dilatação de toda a cavidade torácica e da pleura parietal. Paralelamente, a expansão da pleura parietal provoca o aumento da pressão negativa que existe, normalmente, no espaço que separa a mesma da pleura visceral. Neste espaço pleural, gera-se uma pressão negativa 22

23 provocando um efeito de "vácuo" levando a pleura visceral ser igualmente impulsionada para fora. Por fim, como o tecido pulmonar é elástico, a expansão da pleura visceral proporciona o mesmo fenômeno com os pulmões, gerando uma pressão negativa no interior dos alvéolos que provoca a penetração do ar e insuflação com consequente dilatação. Os músculos intercostais externos, situados entre as costelas, atuam auxiliando sinergicamente o músculo diafragma, elevando as costelas, ao exercerem tração sobre o esterno anteriormente, ampliando a cavidade torácica laterolateralmente. Quando os músculos inspiratórios relaxam, deixam de exercer força sobre a cavidade torácica, os pulmões tendem a voltar ao seu volume normal, expulsando o ar para o exterior. A expiração corresponde a um mecanismo mais passivo. Ocorre relaxamento do músculo diafragma e dos músculos intercostais externos acompanhados de leves contrações dos músculos intercostais internos. Os músculos intercostais externos são os músculos expiratórios mais importantes que ao se contraírem aproximam as costelas causando a retração da cavidade torácica e saída de ar dos pulmões. HEMATOSE Hematose é um mecanismo fisiológico vital de trocas gasosas nos alvéolos pulmonares. Os alvéolos pulmonares são estruturas saculares microscópicas, localizados no final dos bronquíolos. A hematose, ou troca gasosa, ocorre durante a respiração orgânica do ser vivo e corresponde ao processo em que o oxigênio é conduzido dos alvéolos pulmonares para a corrente sanguínea e conseqüentemente ser conduzido pelas hemácias e futuramente entrar nas células e ocasionar a respiração aeróbia na presença da glicose. 23

24 A hematose possibilita a transformação de sangue venoso, rico em gás carbônico, em sangue arterial, oxigenado. A grande eficiência das trocas gasosas nos seres humanos ocorre devido à grande área de superfície alveolar, à sua parede extremamente fina e à sua ampla rede de vasos capilares sanguíneos alveolares. CONTROLE DOS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS Em decorrência do centro nervoso respiratório, localizado no bulbo (estrutura do tronco encefálico), os movimentos respiratórios ocorrem rotineiramente de forma espontânea, mas podem ser realizados voluntariamente. O centro nervoso respiratório é responsável pelo ritmo respiratório, controle da frequência respiratória, pelo controle da intensidade dos músculos respiratórios além de controlar o ph do sangue, bem como os níveis de oxigênio e dióxido de carbono, parâmetros detectados pelos quimiorreceptores localizados nos seios carotídeos, nas artérias carótidas e na artéria aorta. MECÂNICA RESPIRATÓRIA O ar move-se pela traqueia para o interior dos pulmões quando a pressão intrapulmonar é menor que a pressão atmosférica e para fora quando a pressão intrapulmonar é maior que a atmosférica. Para que a mobilização do ar ocorra por meio das vias aéreas, que caracteriza o ato de respirar - há necessidade do aumento e diminuição do volume da caixa torácica. Durante a inspiração a cúpula diafragmática move-se para baixo aumentando o volume da caixa torácica no sentido longitudinal, que ocorre devido à ação do principal músculo da inspiração, o diafragma. Depois, os músculos intercostais externos e os músculos cervicais (esternodeidomastoideo e escalenos) elevam a 24

25 parte anterior da caixa torácica, diminuindo o ângulo das costelas com o eixo vertical, aumentando o diâmetro anteroposterior da caixa torácica. Com o aumento do diâmetro, há uma diminuição da pressão intratorácica, criando uma ação de sucção do ar atmosférico para dentro dos pulmões, chamado de efeito pressórico negativo. A expiração ocorre, via de regra, passivamente. Quando os músculos envolvidos na inspiração relaxam, a retração elástica dos pulmões, a parede torácica e as estruturas abdominais retornam às costelas e o diafragma à posição de descanso. Isto reduz o volume da cavidade torácica e aumenta a pressão nos pulmões, até que a mesma fique um pouco superior à pressão atmosférica, havendo a saída do ar, até que as pressões intrapulmonares e atmosféricas entrem novamente em equilíbrio. PADRÃO RÍTMICO DA RESPIRAÇÃO O padrão rítmico normal de um adulto é de 12 a 16 incursões respiratórias por minuto e depende da atividade cíclica dos neurônios que suprem os músculos respiratórios. Os corpos celulares destes neurônios estão localizados no bulbo, em uma área denominada centro respiratório, e estão assim localizados: 1. Área inspiratória: região dorsolateral do bulbo (o ritmo básico da respiração é gerado nesta área); 2. Área expiratória: região ventrolateral do bulbo (estão quase sempre inativos, são excitados apenas durante o exercício intenso). 3. Área pneumotáxica: substância reticular, ativado apenas quando há necessidade de aumentar a frequência e diminuir a amplitude respiratória, visando aumentar a troca de CO2, por meio de uma respiração rápida e superficial. ESPAÇO MORTO ANATÔMICO 25

26 Em condições normais, num indivíduo adulto em repouso, a cada movimento inspiratório entra nas vias respiratórias cerca de 500 ml de ar, o denominado volume corrente. Desta quantidade, cerca de 150 ml não chegam aos pulmões, apenas alcançam os brônquios, no designado espaço morto anatômico. Em situações de esforço, durante uma inspiração profunda, pode-se chegar a aspirar adicionalmente um máximo de 3 l de ar, o que corresponde ao volume de reserva inspiratória. A soma de ambos os valores, do volume corrente e do volume de reserva inspiratória, perfazem no máximo 3,5 l, constituindo a capacidade inspiratória. Ao longo das expirações realizadas em repouso sai uma quantidade de ar correspondente ao volume corrente. No entanto, numa expiração forçada, os pulmões podem expulsar uma quantidade de ar adicional de cerca de 1 litro, denominado de volume de reserva expiratória. A quantidade máxima de ar que pode ser colocada em movimento, ou capacidade vital, corresponde à soma da capacidade inspiratória e do volume de reserva expiratória, o que equivale a um máximo de 4,5 l. Após uma expiração forçada, existe sempre uma determinada quantidade de ar que permanece nos alvéolos, que nunca chegam a esvaziar-se completamente em condições normais, ou seja, a capacidade residual funcional, num máximo de 1,2 l. Por fim, a capacidade pulmonar total, que equivale ao máximo de ar que se pode conter nos pulmões após uma inspiração forçada, é de cerca de 4 l no sexo feminino e de aproximadamente 6 l no sexo masculino. MEMBRANA RESPIRATÓRIA É definida como toda a superfície pulmonar que permite a difusão dos gases do ar alveolar para as hemácias. 26

27 Incluem os bronquíolos respiratórios, os ductos alveolares, os anéis ventriculares, os sacos alveolares e os alvéolos, constituindo uma superfície de troca de aproximadamente 70 m². Essa membrana é bastante delgada, facilitando a difusão dos gases através dela. Outras características que permitem o transporte de gases através da membrana respiratória são: 1. Gradiente de pressão dos gases entre uma face e outra da membrana; 2. A maior superfície de troca da mesma; 3. A solubilidade do gás na membrana (ex: CO² é vinte vezes mais solúvel que o O² e o O² duas vezes mais solúvel que o nitrogênio). Epitélio Alveolar O epitélio que forra os alvéolos contém dois tipos de células alveolares, além de células fagocitárias. As células alveolares podem ser do tipo I e do tipo II. Tipo I: constituem a maioria das células alveolares e são responsáveis pela hematose. Tipo II: secretam uma substância chamada surfactante (agente superfície ativo), que atua diminuindo a tensão superficial do liquido que reveste os alvéolos, impedindo o colapso alveolar e diminuindo o esforço respiratório (esforço muscular para expandir os pulmões). REFERÊNCIAS: 1. DÂNGELO, J. G.; FATTINI, C. A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu, ELIS, H., LOGAN, B., DIXON, A. Anatomia Seccional Humana. São Paulo, Editora Santos,

28 3. FLECKENSTEIN, P.; TRANUM-JENSEN, J. Anatomia em Diagnóstico por Imagens. 2ª ed. São Paulo: Manole, GUYTON AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; GRAY, Tratado de Anatomia Humana. 36ª Edição, Guanabara Koogan, MOORE, K. L., DALLEY, A. F. Anatomia orientada para a clínica. 5ª. Edição. Editora Guanabara Koogan NETTER, F. Atlas de Anatomia Humana. Editora Artmed SOBOTTA. Atlas de Anatomia Humana. Rio de Janeiro: Guanabara- Koogan, SPENCE, A. P. Anatomia Humana Básica. 2ª ed. São Paulo: Manole, ROHEN, J. W. Y., YOKOCHI, C. Atlas Fotográfico de Anatomía Humana. Editora Manole Van de Graaff KM. Anatomia Humana. 6ª ed. São Paulo: Manole, WEIR, J.; ABRAHAMS, P.H. Atlas de Anatomia Humana em Imagens. 2ª ed. São Paulo: Manole, WOLF-HEIDEGGER, G. Atlas de Anatomia Humana. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio 1 Generalidades Quase todas as células utilizam continuamente o O 2 para as reações metabólicas: Que liberam energia a partir

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Dr. Thiago Cabral

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Dr. Thiago Cabral SISTEMA RESPIRATÓRIO Respiração É o processo pelo qual o organismo absorve oxigênio e elimina gás carbônico. Órgão respiratório Pulmão Elemento intermediário Sangue Divisão do Sistema Respiratório Porção

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes Sistema respiratório Profa. Mirelle Saes Sistema Respiratório Respiração troca substâncias gasosas entre o ar e a corrente sanguínea. Bulbo amplitude e freqüência da respiração. Diafragma nervo frênico.

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA RESPIRATÓRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA RESPIRATÓRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA E FARMÁCIA SISTEMA RESPIRATÓRIO Função primária do sistema respiratório Atender às necessidades metabólicas de O 2 e CO 2 Sistema respiratório

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Basicamente a respiração é a absorção pelo organismo de oxigênio e a eliminação do gás carbônico resultante do

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

APARELHO RESPIRATÓRIO

APARELHO RESPIRATÓRIO UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Anatomia Veterinária I APARELHO RESPIRATÓRIO Médico Veterinário

Leia mais

Sistema respiratório

Sistema respiratório Sistema respiratório Introdução ao sistema respiratório rio Respiração Respiração celular Respiração externa Troca de gases entre o sangue e as células Troca de gás g s carbônico entre o organismo e o

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Basicamente a respiração é a absorção pelo organismo de oxigênio e a eliminação do gás carbônico

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiologia Fisiologia do Sistema Respiratório Respiração nos Mamíferos -Respiração: inclui todos os processos químicos e físicos pelos quais o organismo efetua trocas gasosas

Leia mais

Anatomia do Sistema Respiratório. Prof.Gabriel Villas-Bôas

Anatomia do Sistema Respiratório. Prof.Gabriel Villas-Bôas Anatomia do Sistema Respiratório Prof.Gabriel Villas-Bôas Objetivos Compreender as partes anatômicas que compõem o sistema respiratório incluindo: O sistema condutor; A nasofaringe e laringofaringe; A

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

É A TROCA ENTRE O AR E O SANGUE AS TROCAS DE GASES ENTRE O SANGUE E OUTROS TECIDOS DO CORPO DO CORPO

É A TROCA ENTRE O AR E O SANGUE AS TROCAS DE GASES ENTRE O SANGUE E OUTROS TECIDOS DO CORPO DO CORPO É A TROCA ENTRE O AR E O SANGUE AS TROCAS DE GASES ENTRE O SANGUE E OUTROS TECIDOS DO CORPO DO CORPO SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório contem os tubos que transportam o ar do meio externo aos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Embriogênese do Aparelho Respiratório rio e sua relação com as Adaptações à Vida Pós-NatalP Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 1)

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para as células, e a retirada do CO 2, dejeto do metabolismo celular,

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Circulatório A função básica do sistema circulatório é a de levar material nutritivo e

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

TÓRAX. Prof.: Gustavo Martins Pires

TÓRAX. Prof.: Gustavo Martins Pires TÓRAX Prof.: Gustavo Martins Pires INTRODUÇÃO O tórax é a porção mais superior do tronco e abriga órgãos fundamentais para a respiração, os pulmões, e para a circulação, o coração. Além disto, é atravessado

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES entrada de poeira. A cartilagem hialina dá sustentação. 6,7,8,9 O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Funções: Transportar Nutrientes e oxigênio as células; Retirar resíduos do metabolismo; Defender o organismo contra substâncias estranhas e microorganismos. Características Sistema fechado; Constituído

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 2 Período: 2 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Sistema circulatório. Coração e generalidades

Sistema circulatório. Coração e generalidades Sistema circulatório Coração e generalidades Sistema Circulatório Coração propulsão do sangue Vasos centrípetos veias e linfáticos: condução Vasos centífugos artérias: condução Capilares: trocas Função:

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens Biologia - revisão 301 1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens a) Cite o nome do substrato digerido pela principal

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO: DIVISÃO DO SISTEMA DIGESTÓRIO 05/10/2013 CONCEITO: SISTEMA DIGESTÓRIO Conjunto de órgãos responsáveis pela preensão, mastigação, transformação química e absorção dos alimentos, e a expulsão dos resíduos, eliminados sob a forma de fezes. Prof.Msc.MoisésMendes

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório. Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva

Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório. Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva Aspectos Anatômicos do Sistema Respiratório Professora: Karen Mascaro Gonçalves da Silva Objetivo da aula Descrever a anatomia do sistema respiratório, sua relação com o corpo e seus vizinhos imediatos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

ANATOMIA CARDIOVASCULAR

ANATOMIA CARDIOVASCULAR ANATOMIA CARDIOVASCULAR Acadêmico: Vitor Montanholi Medicina - Universidade Federal Mato Grosso do Sul Liga de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular. Coração: Localização Tórax é dividido em 3 compartimentos,

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais