Estratégia Global da IBIS para Governação Democrática, Direitos dos Cidadãos e Justiça Económica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia Global da IBIS para Governação Democrática, Direitos dos Cidadãos e Justiça Económica 2012-2017"

Transcrição

1 Estratégia Global da IBIS para Governação Democrática, Direitos dos Cidadãos e Justiça Económica Versão Final Aprovada pelo Conselho Directivo da IBIS a

2 1. Introdução A IBIS acredita que a participação directa e a influência de uma sociedade civil bem organizada, competente e legítima constituem uma pré-condição fundamental para o desenvolvimento de democracias transparentes e responsáveis, em que são respeitados os direitos individuais e colectivos dos cidadãos. A presente estratégia assenta numa abordagem do desenvolvimento baseada em direitos e estabelece o quadro geral para as estratégias nacionais, e programas e projectos de governação da IBIS em todo o mundo. O objectivo é reforçar a voz e a influência da sociedade civil e transformar assim os países em vias de desenvolvimento em sociedades efectivamente democráticas, que visem a igualdade social e económica, a igualdade de direitos, a democracia intercultural 1 e a inclusão política a todos os níveis 2. Em muitos países em vias de desenvolvimento, os cidadãos, homens e mulheres, estão a exigir mudanças para modelos democráticos genuínos e inclusivos. Os partidos e sistemas políticos existentes não têm conseguido reduzir o nível de desigualdade e de exclusão. A IBIS entende a democracia como uma forma de coexistência política que vai além de um sistema democrático formal. Inclui o direito de todos os cidadãos à informação, à liberdade de expressão e a exercer influência em todos os aspectos da política e da governação 3, também no período entre eleições. É essencial para a IBIS que a implementação desta estratégia leve a mudanças democráticas concretas para os cidadãos dos países com que a IBIS colabora, com um enfoque especial nas mulheres, nos jovens e nos povos indígenas, que constituem os grupos mais marginalizados nos países onde a IBIS tem programas 4. O desenvolvimento democrático é uma agenda ampla e ambiciosa, e a IBIS procurará trabalhar em cooperação com os parceiros da Aliança 2015, ONGs internacionais e outros intervenientes pertinentes, estatais e do sector privado, a fim de aumentar a eficácia do desenvolvimento, e centrar-se em resultados quantitativos e qualitativos. Objectivo geral A sociedade civil está capacitada e criou legitimidade para produzir mudança democrática, incluindo a concretização de direitos individuais e colectivos, e a justiça económica, aos níveis local, nacional e internacional, num quadro de desenvolvimento sustentável. Objectivos específicos Capacitação da sociedade civil para fazer advocacia local, nacional e internacional por reformas democráticas, redistribuição económica justa e plena transparência e prestação de contas de orçamentos e despesas dos sectores público e privado Participação e influência da sociedade civil na governação, com enfoque nas mulheres, povos indígenas e jovens, aos níveis local, nacional e internacional, incluindo territórios indígenas Acesso equitativo aos recursos naturais, influência nas políticas relativas a extracção e mudanças climáticas, e apoio a iniciativas de adaptação 2

3 2. Linhas de acção estratégicas Nos próximos anos, a IBIS esforçar-se-á por alcançar os objectivos da presente estratégia fazendo incidir os programas de governação, em África e na América Latina, em três linhas de acção. A finalidade de definir as linhas estratégicas de acção é criar um quadro para desenvolver especialização global na IBIS em áreas específicas da governação. Isso permitirá à IBIS agregar um valor importante aos esforços da sociedade civil para alcançar mudança política e económica nos países com que a IBIS colabora, por meio de capacitação organizacional e desenvolvimento profissional. Este enfoque permitirá à IBIS e às organizações suas parceiras documentar e divulgar resultados e modelos para a mudança democrática que possam ser usados em iniciativas de advocacia junto dos sujeitos de deveres e para reprodução noutros contextos. Além disso, dará à IBIS um perfil claro ao coordenar a acção com os membros da Aliança 2015 ou outras ONGs internacionais, e para as actividades de angariação de fundos e trabalho de comunicação nos países onde tem programas, ao nível internacional, e na Dinamarca. As três linhas de acção globais seleccionadas são descritas nas secções que se seguem e remetem para cada um dos três objectivos específicos. 2.1 Reformas Democráticas e Redistribuição Económica A IBIS e os seus parceiros procurarão influência directa sobre questões fundamentais relacionadas com a governação local, nacional e global. A IBIS reforçará as organizações da sociedade civil nacionais e internacionais, e as organizações e coligações de povos indígenas para pesquisarem e delinearem soluções democráticas alternativas, e advogarem redistribuição económica nacional e internacional. Além disso, a IBIS empenhar-se-á em actividades seleccionadas de advocacia e de informação na Dinamarca e ao nível da UE, para influenciar a ajuda ao desenvolvimento, o comércio, os investimentos e as políticas de desenvolvimento numa direcção justa e sustentável. Em vários países em vias de desenvolvimento, como sejam os países com programas da IBIS na América Latina, bem como o Gana e Moçambique, tem-se verificado crescimento económico nesta última década. No entanto, a concentração da riqueza económica numa elite relativamente pequena e um número limitado de empresas privadas internacionais e nacionais continuam a produzir um vasto fosso de pobreza. A maioria dos países já adoptou legislação bastante progressiva e ratificou declarações e convenções internacionais sobre direitos dos cidadãos, mas a implementação do quadro legislativo continua a constituir um desafio, devido a falta de vontade política, discriminação, e limitações de recursos económicos e capacidade institucional e humana. A corrupção é também um dos grandes entraves ao crescimento económico e a uma distribuição justa da riqueza. Além disso, raramente são promovidas pelas elites no poder reformas relacionadas com redistribuição económica, transparência, tributação das empresas e tributação da propriedade e dos rendimentos. A reforma dessas áreas é de fundamental importância para a sociedade civil poder reivindicar que os detentores do poder, nacionais e internacionais, redefinam prioridades e redistribuam os recursos em prol de toda a população. Os orçamentos dos governos reflectem prioridades das políticas sociais e económicas. Um enfoque nos orçamentos é, pois, crucial para influenciar políticas governamentais, 3

4 desenvolvimento e planificação, e para garantir que os direitos e as necessidades das pessoas sejam contemplados na planificação e nas despesas locais e nacionais. O trabalho com o orçamento, bem como rastreio de recursos e gestão, é um elemento-chave para reforçar a capacidade da sociedade civil de fazer advocacia pela mudança. A participação dos cidadãos e das suas organizações, através de planificação participativa, mecanismos de prestação directa de contas e processos de advocacia, é um elemento fundamental no trabalho em prol da redistribuição económica, descentralização fiscal, aumento da governação democrática, transparência e alívio da pobreza. Trabalhar com estas questões complexas exige um profundo entendimento dos contextos. O êxito da realização de reformas democráticas e redistribuição económica por intermédio de advocacia e de diálogo com sujeitos de deveres dependerá da capacidade da IBIS, dos programas de governação e dos parceiros para formar coligações e coordenar a sua acção com diversas outras partes interessadas. Podem ser universidades, instituições de pesquisa, ONGs internacionais, programas de educação e de advocacia da IBIS, África Contra a Pobreza (ACP) e América Latina Contra a Pobreza e Desigualdade (ALCPD), bem como os governos relevantes, a UE, a ONU e actores do sector privado. Áreas de intervenção Fazer advocacia pela redistribuição económica, por exemplo, através de impostos progressivos sobre rendimentos, impostos sobre a propriedade privada, impostos sobre a exploração de recursos naturais e impostos sobre os rendimentos das empresas Fazer advocacia pela descentralização fiscal e pela desconcentração Ajudar os parceiros a fazerem rastreio das receitas e gastos do sector público e privado, em coordenação com redes Fazer advocacia pela transparência das empresas privadas aos níveis nacional e internacional, por exemplo, legislação sobre o direito à informação e relatórios por país Fazer advocacia por orçamentação aberta, transparência e informação sobre o orçamento do sector público Influenciar processos de legislação, seleccionados pelos programas da IBIS, relacionados com questões de governação nacionais e globais que sejam cruciais para reforçar os direitos individuais e colectivos Apoiar e documentar processos seleccionados de autonomia ou autodeterminação e fazer advocacia por melhores condições para as autonomias indígenas Fazer rastreio de recursos da ajuda externa e fazer advocacia na Dinamarca e junto da UE, ONU, Banco Mundial e FMI relativamente a políticas de desenvolvimento e modalidades de financiamento 4

5 2.2 Participação Política A participação das mulheres, povos indígenas e jovens em processos decisórios é de elevada prioridade na estratégia de governação da IBIS. A IBIS promoverá e apoiará a participação activa das mulheres na governação e nas tomadas de decisão, através da educação cívica e acções afirmativas, com mulheres que participem na política e com mulheres representantes da sociedade civil. Além disso, opor-se-á às barreiras legais, sociais, institucionais e culturais que impedem as mulheres de alcançar igualdade de respeito, influência e oportunidade de participar no processo democrático. Isto inclui a aplicação de critérios de género na selecção de parceiros, na monitoria dos programas, em actividades de advocacia e no seio da própria IBIS. Os povos indígenas são marginalizados nas sociedades contemporâneas, embora sejam titulares de direitos ancestrais e colectivos, definidos em convenções e declarações internacionais. Dar-se-á especial destaque à sua inclusão e participação nos países onde a IBIS tem um historial de apoio aos movimentos e organizações indígenas. A IBIS trabalhará para garantir que os direitos destes povos sejam respeitados e que sejam incluídos nos processos políticos, incluindo o estabelecimento de autonomias políticas. Os jovens são muitas vezes afastados das tomadas de decisão e da influência social e política. A IBIS reconhece o potencial de mudança que há em mulheres e homens jovens e procurará activamente capacitar os jovens para estes reivindicarem serem reconhecidos como cidadãos e para lhes permitir alcançar influência social e política. Uma abordagem incisiva de educação cívica, complementada com iniciativas de actividades geradoras de rendimento, pode capacitar os jovens para exercerem uma cidadania activa. A IBIS vê potencial de mudança nas mulheres e nos homens jovens influenciando a agenda de desenvolvimento do seu país 5. Áreas de intervenção Desenvolver estratégias para eliminar os obstáculos e assegurar a participação política das mulheres, dos povos indígenas e dos jovens Capacitar a próxima geração de líderes da sociedade civil, com especial destaque para os jovens líderes (mulheres e homens) Reforçar as organizações de povos indígenas e a sua influência nos processos políticos, trabalhando activamente com direitos colectivos e instrumentos jurídicos internacionais Promover processos políticos que respeitem a diversidade cultural (interculturalidade) Mobilizar os jovens e facilitar espaços para estes se reunirem e discutirem direitos, responsabilidades e as suas opiniões e reivindicações relativamente ao desenvolvimento democrático Reforçar a organização e a voz de mulheres e jovens nas parcerias já em curso e em novas parcerias Utilizar as tecnologias informáticas e as redes sociais para mobilizar as pessoas, especialmente os jovens, para a participação política 5

6 2.3 Recursos Naturais e Alterações Climáticas Nos países em vias de desenvolvimento, as pessoas vulneráveis sofrem de falta de acesso aos recursos naturais, como sejam água, terra e energia. Ao mesmo tempo, são muitas vezes afectadas pelas indústrias relacionadas com a extracção insustentável desses recursos e envolvidas em conflitos relacionados com poluição e disputas de terra. Segundo as convenções internacionais 6, os povos indígenas têm o direito ao consentimento livre, prévio e informado antes de as indústrias começaram a operar nos seus territórios, um direito que se deve aplicar a todas as populações que vivem em zonas de exploração. A IBIS trabalhará para que esses direitos sejam respeitados e para garantir que os estados e as empresas cumpram as suas responsabilidades e obrigações 7. As populações mais vulneráveis são também mais vulneráveis às alterações climáticas, o que, nos próximos anos, terá graves efeitos nas suas condições de vida e nos seus direitos sociais e económicos. Embora os problemas estejam a aumentar rapidamente, pouco progresso tem sido feito ao nível internacional para chegar a um acordo sobre uma convenção legalmente vinculativa. A estrutura institucional para financiamento internacional do clima é também um importante motivo de controvérsia. O apoio para adaptação 8 está cada vez mais a ser financiado por ajuda oficial ao desenvolvimento reafectada, em vez de receber financiamento adicional e fundos do sector privado, o que causa problemas de transparência e eficiência. A IBIS e os parceiros seus aliados procurarão monitorar e influenciar o financiamento do clima e os seus efeitos. As iniciativas de redução de emissões de carbono são uma prioridade importante da política externa dos países nórdicos e estão numa fase inicial de implementação, mas têm consequências para os direitos das populações locais ao uso das terras e territórios, quando implementadas sem qualquer consulta ou convite à participação nos processos de decisão. A IBIS apoiará os parceiros para estes reivindicarem uma elaboração participativa de iniciativas de conservação e de gestão da terra relacionadas com a redução de carbono que respeitem os direitos aos territórios e à terra, e integrem experiências e conhecimentos locais. Finalmente, os países ricos em recursos não têm regulamentação sobre a divulgação de informações que possa ajudar a sociedade civil a monitorar os efeitos das operações relacionadas com a extracção de recursos e as alterações climáticas. Existem iniciativas e convenções internacionais, como, por exemplo, a ITIE 9, mas raramente têm impacto a nível local. A IBIS apoiará, de forma activa e através do reforço das organizações da sociedade civil, iniciativas de advocacia pela transparência, para os estados e empresas tornarem pública toda a informação relacionada com extracção de recursos naturais e alterações climáticas. Áreas de intervenção Apoiar os povos indígenas e outras populações afectadas no seu direito ao consentimento livre, prévio e informado em relação às indústrias extractivas, influência nas políticas nacionais e inclusão na concepção de iniciativas relativas ao clima Ajudar a sociedade civil e as suas organizações a monitorar o impacto económico e social e a fazer advocacia por transparência e prestação de contas por parte das indústrias extractivas 6

7 Fazer advocacia pela utilização das receitas provenientes dos recursos naturais no desenvolvimento, integrando a sociedade civil em processos de transparência e de influência Usar casos seleccionados de rastreio de recursos, nacionais e internacionais, e advocacia relacionada com indústrias extractivas específicas nos países em que a IBIS tem programas para trabalho de advocacia assente em factos documentados Construir alianças internacionais e fazer campanhas sobre questões específicas relacionadas com indústrias extractivas e alterações climáticas Fazer monitoria orçamental e advocacia por uma afectação justa de fundos internacionais e nacionais para o clima Criar sinergia estratégica com a ACP, a ALCPD, a Aliança 2015 e a Campanha Global pela Educação 3. Abordagem de Parceria e de Programa A abordagem geral para conseguir mudanças assentará na Estratégia de Parceria da IBIS 10 e incidirá no reforço das competências temáticas e da capacidade organizacional dos parceiros da sociedade civil, visando processos de advocacia a vários níveis, como explanado no Triângulo da Mudança 11, no Manual de Advocacia da IBIS 12, e na metodologia de Governação Territorial 13. As organizações da sociedade civil são os parceiros naturais do IBIS nos esforços para promover o empoderamento, a participação e a influência das pessoas marginalizadas. As organizações da sociedade civil servem de porta-voz das suas bases e de agentes de mudança, formulando modelos democráticos alternativos, influenciando as tomadas de decisões e através de um diálogo com os sujeitos de deveres e de um empenho activo em trabalho de advocacia e campanhas. Além disso, a IBIS colaborará com o sector privado e instituições estatais, quando relevante, para a melhoria das condições e dos direitos da sociedade civil. Os programas da IBIS usarão a advocacia como ferramenta fundamental para alcançar os resultados esperados. A IBIS considera a advocacia um processo planeado de actividades estratégicas de uma ou mais organizações da sociedade civil que visem mudanças sociais, legais, económicas ou políticas aos níveis local, nacional ou internacional. É essencial para a IBIS aplicar estrategicamente os recursos, de modo a optimizar os resultados. Esta estratégia sublinha, pois, a importância de seleccionar temas para advocacia em estreita coordenação com os programas de educação da IBIS, com os seus programas de advocacia ou com organizações afins, a nível nacional e internacional. O papel e as responsabilidades do pessoal da IBIS serão, consoante o contexto, uma combinação dos seguintes elementos: Apoiar planificação e facilitação de processos de advocacia com resultados esperados claros, incluindo a análise das relações de poder, e objectivos a curto e a longo prazo 7

8 Priorizar alguns objectivos de mudança seleccionados em programas de governação da IBIS e centrar-se neles, a fim de investir de forma eficiente tempo e recursos para atingir os resultados esperados Dar apoio estratégico e facilitação a plataformas ou coligações constituídas por uma combinação de organizações da sociedade civil locais, nacionais e internacionais que representem conhecimentos e competências complementares importantes relacionados com o objectivo concreto Documentar, divulgar e comunicar resultados e práticas de desenvolvimento alternativas e inovadoras. Apoiar colaboração estratégica nos meios de comunicação com jornalistas, jornais, redes sociais, rádios e televisão. Tomar a iniciativa de harmonizar com outras ONGs nacionais ou internacionais o apoio de coligações ou plataformas nas suas aspirações à mudança Os programas de governação da IBIS trabalharão em estreita colaboração com os seus programas de educação em iniciativas relacionadas com educação cívica e advocacia, por exemplo, com rastreio orçamental, descentralização e afectação de recursos no sector da educação. A IBIS facilitará o conhecimento e a capacitação com base nas suas próprias experiências e nas melhores práticas de outras organizações nacionais e internacionais. Na Dinamarca, a IBIS comunicará ao público e às partes interessadas importantes as linhas estratégicas de acção da estratégia, com um duplo objectivo: angariar fundos e obter apoio público para o trabalho da IBIS; e influenciar as agendas políticas para permitir que sejam alcançados os objectivos e resultados dos programas em África e na América Latina. Para este fim, a documentação dos resultados alcançados e dos desafios de desenvolvimento com que se trabalhou devem ser comunicadas ao público dinamarquês e internacional de forma clara e cativante, permitindo-lhe acompanhar o progresso das actividades de governação da IBIS. Para cativar e convencer os diferentes públicos e conseguir as mudanças e o apoio desejados, há que planificar a documentação necessária. Estas necessidades de comunicação serão integradas nas linhas estratégicas de acção e nas actividades concretas dos programas. 4. Diversidade de Contextos A IBIS trabalha num leque de contextos diferentes que são todos específicos e devem ser minuciosamente analisados e respeitados ao elaborar os programas temáticos de governação. Há várias questões específicas de cada contexto, listadas a seguir, que constituem o ambiente operacional para a implementação da estratégia de governação da IBIS nos países onde colabora na América Latina e em África. Pobreza e desigualdade são os principais factores que afectam a sociedade civil em todos os países onde a IBIS trabalha. Na África subsaariana, calcula-se que 47,5% da população viva em condições de extrema pobreza e que 69,2% viva na pobreza 14. Em Moçambique, a 3ª Avaliação da Pobreza Nacional, de 2010, mostra uma taxa de pobreza inalterada de 54%, apesar da taxa média de crescimento económico anual de cerca de 8% nas últimas duas décadas 15. A desigualdade na distribuição de rendimentos, por exemplo, na Libéria, é 8

9 impressionante, uma vez que 30% dos rendimentos são acumulados pelos 10% mais ricos da população, cabendo apenas 2,4% dos rendimentos aos 10% mais pobres da população. Em comparação, o crescimento económico e a redistribuição melhoraram na região latinoamericana, o que levou a uma baixa da pobreza moderada de 73 milhões desde Os analistas críticos fazem notar que os países mais pobres da região, por exemplo, a Bolívia e a Nicarágua, mostram uma redução significativamente mais baixa da pobreza extrema e moderada, de apenas 1% em Ainda assim, trata-se de um contexto de sociedades relativamente ricas, em que a pobreza dos grupos marginalizados assenta na exclusão, na discriminação e na grave desigualdade na distribuição dos rendimentos. Os números da distribuição de rendimentos na Bolívia (2007) mostram que mais de 45% dos mesmos são acumulados pelos 10% mais ricos da população, enquanto apenas 1% é partilhado pelos 10% mais pobres. Sociedades multiculturais e estados plurinacionais são característicos de vários países onde a IBIS actua, o que constitui uma realidade complicada. A coexistência de diferentes culturas sociais e políticas e sistemas de autoridade, de povos indígenas e descendentes de europeus e africanos, de globalização e de direitos ancestrais criam a necessidade de soluções democráticas interculturais. Embora os povos indígenas tenham ganho poder político principalmente em países latino-americanos, noutros contextos são desrespeitados e confrontam-se com a deterioração dos seus espaços económicos e culturais, e as respectivas consequências da migração. Em alguns países africanos, democracias relativamente estáveis e legislação e sistemas administrativos estruturados requerem apoio ao diálogo institucionalizado sobre desenvolvimento entre a sociedade civil, as autoridades tradicionais e os governos locais e nacionais. Outros países africanos saíram recentemente de longas e exaustivas guerras civis e são estados frágeis, onde a falta de um sistema de governação funcional, instituições fracas e má infra-estrutura colocam enormes desafios tanto aos novos governos como à sociedade civil, com uma necessidade urgente de preencher o vazio democrático criado pelas guerras. Em países como Moçambique e a Nicarágua, um espaço cada vez mais reduzido para a sociedade civil é um problema que tem vindo a aumentar para os cidadãos individualmente, para as organizações da sociedade civil e para os povos indígenas. O controle e a repressão exercidos por sistemas autoritários sobre a liberdade de expressão e sobre os líderes da sociedade civil e da oposição exigem uma estratégia de como lidar com esses contextos. A violência, e em especial a violência contra as mulheres, é um motivo de grande preocupação que, nalguns casos, se torna um grande obstáculo à participação das mulheres e ao desenvolvimento democrático propriamente dito. Há uma questão demográfica específica que influencia gravemente o cenário político: os jovens (com menos de 15 anos) constituem cerca de 30% da população da América Latina e perfazem mais de 40% da população da África Ocidental 18. Isto poderia, por um lado, indicar oportunidades para uma nova agenda política, através da conquista de espaço político, mas, por outro lado, a grave falta de educação e de possibilidades de emprego é mais um factor agravante de situações já instáveis. As questões relativas a recursos naturais e às indústrias extractivas são urgentes e muito pertinentes na maioria dos países onde a IBIS opera. Os processos de globalização, de reforma do Estado e as medidas de transformação económica com vista à liberalização das economias para investimento estrangeiro podem melhorar o crescimento económico, mas agravam simultaneamente a pobreza e os problemas de desigualdade. Em muitos países, os rendimentos 9

10 das indústrias extractivas limitam-se a beneficiar uma pequena elite local ou empresas internacionais. Isto implica um aprofundamento das disparidades sociais e agrava a situação da desigualdade de direitos entre as elites no poder e a maioria da população. Os impactos das alterações climáticas têm também o efeito de agravar a desigualdade económica e política. Os efeitos directos da mudança das condições climáticas e de produção criam um maior grau de vulnerabilidade e instabilidade social em muitos países africanos. Na América Latina, os povos indígenas sofrem os efeitos de actividades internacionais de redução de emissões de carbono, uma vez que os programas de conservação são executados sem a participação da população local, que está dependente do uso da terra. A estratégia de governação e as linhas de acção apresentadas neste documento são válidas para todos os contextos específicos em que IBIS trabalha na América Latina e em África. Os vários programas de governação centrar-se-ão na implementação das linhas de acção que se apliquem melhor ao seu contexto específico e que tenham mais probabilidades de produzir resultados através de mudanças políticas e estruturais. 1 Define-se o conceito de interculturalidade como o processo político de criar novas relações de poder, que visa o estabelecimento de estados e sociedades que respeitem a diversidade cultural e incluam povos e comunidades que tenham sido historicamente marginalizadas. 2 Esta estratégia segue todo o quadro de estratégias e políticas da IBIS, especialmente os documentos sobre Abordagem Baseada em Direitos, Indústrias Extractivas, Educação para a Mudança, Parcerias, Igualdade de Género, Juventude, Trabalho com Rastreio Orçamental e de Recursos, Comunicação, Angariação de Fundos e Combate à Corrupção. 3 Governação é o processo de gerir sociedades e organizações. A governação tem a ver com poder, relações e prestação de contas. (Inspirado por Plumptre 1999: 3). 4 A IBIS tem consciência dos argumentos para distinguir sociedade civil de povos indígenas. Na presente estratégia, porém, os povos indígenas estão incluídos no seu conceito de sociedade civil, que significa todos os actores que não fazem parte do Estado ou do mercado. 5 O Documento de Posicionamento da IBIS sobre a Juventude afirma: A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação em tomadas de decisão, bem como acesso aos recursos e ao seu controlo. 6 Convenção 169 da OIT e Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas das Nações Unidas. 7 Ver Política da IBIS sobre Indústrias Extractivas, Adaptação: Passos práticos para proteger países e comunidades das prováveis perturbações e danos que resultarão dos efeitos das alterações climáticas. (Site do Secretariado da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, CQAC) 9 Iniciativa para Transparência nas Indústrias Extractivas 10 Ver Estratégia de Parceria da IBIS, Ver O Triângulo da Mudança, O Manual de Advocacia da IBIS será publicado em Ver Aparicio (ed.) 2011, in Derechos de los pueblos indígenas a los recursos naturales y al territorio ( ), Icaria Editorial, Barcelona, Banco Mundial (2008) 15 Pobreza e bem-estar em Moçambique. 3ª Avaliação Nacional da Pobreza, Outubro de 2010, Ministério da Planificação e Desenvolvimento. 16 Banco Mundial (2010) 17 Helwege e Birch: Declining Poverty in Latin America? GDAE, documento de trabalho nº Unstats/unsd/demographic/products/dyb/dyb /Table02/pdf. 10

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU

PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU PROMOVENDO CIDADANIA PARA A MUDANÇA - PROCIMU A IBIS Moçambique é uma Organização Não Governamental Dinamarquesa, com sede em Maputo que trabalha em Moçambique desde 1976. As áreas temáticas actuais da

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA

Moçambique. Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com 2015-2020 MFA MINISTRY FOR FOREIGN AFFAIRS, SWEDEN UTRIKESDEPARTEMENTET Estratégia da Suécia para a cooperação para o desenvolvimento com Moçambique 2015-2020 MFA 103 39 Stockholm Telephone: +46 8 405 10 00, Web site:

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade

3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade 3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade 3.6.1 As instâncias internacionais, a capacitação e a participação das organizações não governamentais É sabido que as mulheres

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Arte y Trabajo Social. Dr. Eduardo Marques

Arte y Trabajo Social. Dr. Eduardo Marques ARTE Y TRABAJO SOCIAL Dr. Eduardo Marques. Hemisferios Solidarios, Portugal. Desde tu experiencia, Qué es la comunidad? É uma COMUM UNIDADE; isto é, um grupo de pessoas que partilham características comuns,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO

PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO Pr émio Nacional Jornalismo sobre Tributação PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO I. Justificação 1. A comunicação social desempenha, nos dias de hoje, um papel insubstituível na sociedade, ao

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009 2 24 os ESTADOS GERAIS DO CONSELHO DOS MUNICÍPIOS E REGIÕES DA EUROPA «PRONTOS PARA O FUTURO? COMO É QUE SE PREPARAM OS PODERES LOCAIS E REGIONAIS DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT Ruth McLead ONU-HABITAT/Nepal ONU-HABITAT EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) Abordar EQUIDADE desigualdades

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa Caminho para a dignidade 2015-2030 Uma Agenda universal e participativa 2015 Caminho para a dignidade 2015-2030 Fusão de 6 agendas/diálogos internacionais (!) 1.Agenda do desenvolvimento e os ODM 2.Desenvolvimento

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE

DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE 1. FOCO DO ESTUDO 2. OBJECTIVOS 3. CONCEITO DE ESPAÇO DE DIÁLOGO 4. METODOLOGIA 5. LIMITAÇÕES DO ESTUDO 6. PRINCIPAIS RESULTADOS 7. INDICADORES DO RESULTADO 2 8. RECOMENDAÇÕES PARA O PROGRAMA Espaços de

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique

Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Reformas em curso no Sistema de Gestão e Informação do INAS em Moçambique Contextualização Para a operacionalização dos Programas de Segurança Social Básica o MMAS conta com O Instituto Nacional de Acção

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais