Manual de Negociações Internacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Negociações Internacionais"

Transcrição

1 Manual de Negociações Internacionais

2 MANUAL DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS FEDERAÇÃO E CENTRO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR DEREX GERÊNCIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR junho/2003

3 Sumário Introdução Conceitos básicos para compreensão das negociações internacionais Organização Mundial do Comércio (OMC) Mercado Comum do Sul (Mercosul) Mercosul-União Européia Área de Livre Comércio das Américas (Alca) Índice das perguntas

4 Índice Introdução 1. O que são e para que servem as Negociações Comerciais Internacionais? Quais são as vantagens de o Brasil participar das Negociações Internacionais? Quais são as negociações de maior interesse para a Indústria Brasileira? Por que as Negociações Internacionais são importantes para sua empresa? Quem é o responsável pelas Negociações Internacionais no Brasil? Qual é o papel da FIESP/CIESP nos processos de negociação? Como a FIESP/CIESP pode ajudar a sua empresa? Conceitos básicos para compreensão das Negociações Internacionais 8. O que é a liberalização comercial? Como são feitas as negociações para liberalização comercial? O que são os princípios gerais das negociações? Quais são os assuntos que geralmente são negociados? A negociação é diferente, conforme o assunto? O que significa negociar acesso a mercados? O que são métodos e modalidades? O que são listas positivas e negativas? Como são elaboradas as listas de ofertas dos países? O que é desgravação tarifária? O que são barreiras não-tarifárias ao comércio? Quais são os outros usos das barreiras não-tarifárias? O que são barreiras técnicas e regulamentação sanitária e fitossanitária? O que é regra de origem? O que é subsídio? O que é dumping? O que são medidas compensatórias e direitos anti-dumping? O que são salvaguardas? O que é propriedade intelectual? O que são procedimentos aduaneiros e facilitação de comércio?

5 Organização Mundial do Comércio (OMC) 27. O que é a OMC e como se estrutura? Quais são os acordos constitutivos da OMC e seus princípios fundamentais? O que significa implementação? O que são tarifas consolidadas e tarifas aplicadas? Como são regulamentados serviços e investimentos? Como a OMC trata da propriedade intelectual? Como as decisões tomadas na OMC afetam a minha empresa? Como os governos podem proteger indústrias que consideram vulneráveis? Como um país pode impedir as exportações de bens não-agrícolas de outro? O que acontece se há restrições abusivas à importação por parte de um país? Como são resolvidos os conflitos entre países na OMC? Como funciona o mecanismo de solução de controvérsias? Como a OMC relaciona-se com a Alca, o Mercosul e outros processos de integração regional? O que são as rodadas de negociação? Quais os princípios da negociação na Rodada de Doha? O que está em negociação na Rodada de Doha? O que são as questões de implementação? Quais são os principais desafios que o Brasil enfrenta nas negociações? Mercado Comum do Sul (Mercosul) 45. O que é o Mercosul e como está estruturado? Qual o atual estágio da Tarifa Externa Comum (TEC)? O que tem sido feito recentemente para aprofundar a integração regional? Quais são os acordos externos do Mercosul? Como são solucionados os conflitos comerciais entre os membros do Mercosul?

6 Mercosul-União Européia 50. Como é o relacionamento entre o Mercosul e a União Européia? Como estão estruturadas as negociações governamentais e empresariais entre os dois blocos? Quais são os principais obstáculos para a implementação do Acordo Bi-Regional em acesso a mercados para bens agrícolas e industriais? Quais são os principais obstáculos para a implementação do acordo em investimentos e serviços? Qual é a agenda negociadora até 2005? Área de Livre Comércio das Américas (Alca) 55. O que é a Alca e como está estruturada? Quais são os princípios da negociação? Quais são os 9 grupos de negociação? Quais são os 4 comitês especiais? Qual é a agenda negociadora até 2005? Como a Alca pode afetar a minha empresa? Quais são os principais riscos e oportunidades para o Brasil nas negociações da Alca? Qual é o papel do Mercosul nas negociações da Alca? O que significa 4+1? Como os Estados Unidos posicionam-se em relação à Alca? Quais são as barreiras mais importantes que os produtos brasileiros enfrentam para ter acesso ao mercado dos EUA? O que é o TPA e quais são as suas características?

7 Apresentação Prezado Companheiro da Indústria, O processo de interdependência econômica do mundo contemporâneo impõe grandes desafios ao Brasil e ao seu setor produtivo. Chegou o momento de negociar com habilidade e competência para se alcançar vantagens reais que assegurem a expansão do comércio externo e o desenvolvimento. Para isso é necessário que todos possam compreender a complexidade e a amplitude dos temas que compõe a pauta do comércio internacional. Além da OMC - Organização Mundial do Comércio, que é o grande foro internacional de discussão e determinação das regras de liberalização comercial, ocorrem simultaneamente outros processos de integração regional para formação de áreas de livre comércio pelo mundo afora. A Área de Livre Comércio das Américas, a ALCA, e o processo de negociação de uma área de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia são apenas dois entre os vários foros de negociação em que nosso país está envolvido. Há muito o que estudar e aprender. Devemos evitar as discussões superficiais do a favor ou contra e buscarmos aprofundamento na análise dos temas do livre comércio para os diferentes setores produtivos. A indústria do Brasil e a indústria de São Paulo já estão trabalhando nos processos de integração e liberalização comercial para se posicionar com inteligência e com uma ampla e firme base de informação confiável. Este manual pretende ser um ponto de apoio a todos aqueles que buscam esclarecimentos iniciais sobre temas básicos do comércio internacional e das negociações internacionais. São perguntas e respostas para iniciantes e iniciados. Estaremos atentos às vantagens e aos riscos do processo de liberalização comercial. Vamos em frente. Há muito trabalho a fazer. Horacio Lafer Piva Presidente da FIESP

8 O presente manual busca apresentar todo o conteúdo básico para a compreensão das negociações internacionais de que o Brasil participa. Está dividido em seis seções temáticas, sendo duas introdutórias e as demais voltadas a cada negociação. As palavras e expressões em negrito possuem uma pergunta específica que esclarece o seu conceito. Esperamos ajudá-lo na tarefa de estimular o desenvolvimento e a conscientização da Indústria do Brasil e de São Paulo. Boa leitura! Introdução 1. O que são e para que servem as Negociações Comerciais Internacionais? As negociações comerciais internacionais são foros em que diversos países reúnem-se para discutir novas regras para o comércio de produtos e serviços. As negociações servem sobretudo para possibilitar a liberalização do comércio entre os países e para garantir um ambiente mais seguro para produtores e investidores. 2. Quais são as vantagens de o Brasil participar das Negociações Internacionais? As vantagens obtidas pelo Brasil são concentradas sobretudo na possibilidade de fazer valer os seus interesses no resultado das negociações. Esses interesses relacionam-se com a maior abertura dos mercados aos produtos brasileiros por meio da redução tarifária e da eliminação de subsídios e apoio interno dados pelos países desenvolvidos a seus produtores, em especial no setor agrícola. Essas medidas retiram injustamente a competitividade dos produtos do Brasil nos mercados internacionais e inviabilizam as exportações do País. Além disso, por meio das negociações internacionais é possível obter compromissos de outros países quanto a normas anti-dumping, sobre salvaguardas e medidas compensatórias e normas técnicas, sanitárias e fitossanitárias, para que haja maior compatibilidade entre os sistemas existentes, restringindo abusos na aplicação desses regulamentos. O Brasil também experimenta vantagens por meio das negociações internacionais na medida em que a sua condição de país em desenvolvimento é reconhecida pelas nações desenvolvidas. Faz parte dos princípios das negociações internacionais o reconhecimento de que países em desenvolvimento devem fazer concessões menores que outros países, uma vez que seus setores produtivos não estão preparados para enfren- 13

9 tar condições de concorrência extrema. Assim, os prazos para liberalização, por exemplo, poderão ser maiores do que os aplicados para países desenvolvidos, podendo haver mecanismos para a proteção de setores industriais nascentes. As vantagens para o Brasil oriundas das negociações resumem-se na possibilidade de criação de um ambiente mais seguro para as exportações brasileiras, por meio da criação de instrumentos que restrinjam os abusos contra seus produtos e serviços, assegurando as preferências tarifárias concedidas por outros países. 3. Quais são as negociações de maior interesse para a Indústria Brasileira? Os interesses da indústria brasileira encontram-se fundamentalmente na rodada de negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC), nas negociações para o estabelecimento da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e para a área de livre comércio bi-regional entre Mercosul e União Européia. Em cada uma dessas instâncias, diversos temas de interesse para a indústria são discutidos, tais como: a abertura dos mercados para produtos manufaturados e agrícolas, serviços, compras governamentais, investimentos, novas disciplinas para a propriedade intelectual, regras de origem, defesa da concorrência, entre outros. 4. Por que as Negociações Internacionais são importantes para sua empresa? As negociações internacionais abrem os mercados mundiais aos produtos estrangeiros e estabelecem regras sobre a produção, a concessão de subsídios e apoio interno, os direitos de propriedade intelectual, a realização de investimentos e outros assuntos, que são obrigatórias para todos os países que delas participem. Tais negociações têm impacto direto sobre a indústria, porque criam oportunidades para a entrada de produtos importados e para maior concorrência no mercado interno e possibilitam o aumento das exportações. Nesse sentido, é de grande importância que o empresariado intervenha firmemente nesse processo, para garantir o equilíbrio entre as concessões feitas e as vantagens recebidas. 14

10 5. Quem é o responsável pelas Negociações Internacionais no Brasil? No Brasil, as negociações internacionais são conduzidas pelo Governo Federal, por meio de representantes oficiais dos Ministérios das Relações Exteriores, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, da Agricultura, da Saúde, da Fazenda e do Planejamento. As entidades ligadas ao empresariado e às universidades e centros de pesquisa também cooperam com o governo, respondendo a consultas e encaminhando suas posições e interesses. 6. Qual é o papel da FIESP/CIESP nos processos de negociação? A FIESP/CIESP atua nas negociações internacionais de duas formas complementares. Em primeiro lugar, a FIESP/CIESP é membro ativo da Coalizão Empresarial Brasileira (CEB), entidade que congrega confederações, federações, associações e empresas e que busca servir como interlocutor entre o governo e o empresariado. Na CEB são discutidos todos os temas de interesse das negociações, para a elaboração de uma posição uniforme dos setores produtivos sobre esses assuntos. A FIESP/CIESP é membro da CEB e tem atuado fortemente na defesa dos interesses da indústria do estado, em especial na elaboração das listas de ofertas de produtos para serem encaminhadas ao governo. Por outro lado, a FIESP/CIESP realiza um trabalho de conscientização da indústria do estado sobre a estrutura, a evolução e as conseqüências das negociações comerciais internacionais em que o Brasil está inserido, por meio de palestras na Capital e nos CIESPs, e por meio de consultas aos sindicatos. Além disso, a FIESP/CIESP participa de foros empresariais dedicados à discussão das negociações da Alca (Foro Empresarial das Américas) e do Acordo Mercosul-União Européia (Mercosur-European Union Business Forum MEBF). 7. Como a FIESP/CIESP pode ajudar a sua empresa? A FIESP/CIESP realiza trabalho sistemático de conscientização dos associados por meio de palestras/debates realizados no edifício-sede e nos CIESPs. Qualquer associado pode entrar em contato com a Gerência de Relações Internacionais para solucionar dúvidas sobre as negociações internacionais. Além disso, a FIESP/CIESP realiza o monitoramento das negociações, relatado periodicamente no Encarte Internacional do Jornal FIESP/CIESP, também disponível no 15

11 site Por outro lado, a FIESP/CIESP, a partir da Coalizão Empresarial Brasileira (CEB), realiza consultas aos sindicatos sobre diversos pontos relevantes das negociações. Procure o seu sindicato para obter informações sobre os cronogramas e relatórios de decisões relevantes nas negociações. Conceitos básicos para compreensão das Negociações Internacionais 8. O que é a liberalização comercial? A liberalização comercial é a concessão de maior abertura dos mercados nacionais ao comércio com outros países. A liberalização comercial é o objetivo fundamental da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ela é realizada por meio da redução nas tarifas de importação de um dado produto, por exemplo. A legislação poderá ter objetivos mais ambiciosos, visando à integração regional pela criação de uma área de livre comércio (em que os bens poderão ser comercializados entre os países do bloco sem quaisquer tarifas, como se pretende na Alca), uma união aduaneira (em que, além disso, há a utilização de uma tarifa externa comum no comércio com países de fora do bloco, como no Mercosul), ou um mercado comum (sendo esse o passo final, com a livre circulação de pessoas e de capitais, bem como a coordenação de políticas macroeconômicas e setoriais, como na União Européia). 9. Como são feitas as negociações para liberalização comercial? As negociações são discussões entre os representantes oficiais dos países-membros com o objetivo de assinar acordos liberalizando o comércio. Elas são feitas em torno de grupos de trabalho, divididos segundo assuntos específicos, tais como acesso a mercados ou agricultura, por exemplo. Esses grupos são compostos por representantes de cada um dos países, e são responsáveis pela elaboração de um acordo. Para que se chegue a esse acordo, cada grupo deve seguir um cronograma e trabalhar segundo certos princípios gerais que orientam todas as conversas, estabelecidos por consenso entre os países participantes. Um rascunho do acordo vai sendo trabalhado pelos países até que se chegue a um consenso final quanto ao seu conteúdo. Além disso, nas negociações para acesso a mercados, cada país tem uma lista de ofertas, em que estabelece os setores que serão abertos e o modo como isso será feito. 16

12 10. O que são os princípios gerais das negociações? Os princípios são as regras gerais que valem para todos os grupos de negociação, e que deverão estar presentes em todos os acordos. Cada negociação internacional pode ter um conjunto de princípios diferente das outras. Por exemplo, pode ser determinado que, para um país aceitar e se beneficiar de um acordo, possa ser obrigado a aceitar todos os outros que foram preparados na mesma negociação. Assim, para que um acordo seja aceito, todos os outros também devem ser. Esse princípio é denominado single undertaking ( compromisso único ), aplicado às negociações da OMC e da Alca. Um outro exemplo seria determinar que os países em desenvolvimento recebam mais benefícios ou menos obrigações que os outros, o que se denomina tratamento especial e diferenciado, também aplicado às negociações da OMC e Alca. 11. Quais são os assuntos que geralmente são negociados? A negociação é diferente, conforme o assunto? Hoje, nas negociações de que o Brasil faz parte, o que se negocia é acesso a mercados, serviços, agricultura, investimentos e compras governamentais. Para esses casos, dois tipos de texto são negociados ao mesmo tempo: o primeiro é o acordo, com regras gerais. O segundo, que cada país deve preparar, é a sua lista de ofertas. Nessas listas estão as tarifas, prazos, limitações às legislações internas que, por exemplo, o Brasil oferece aos outros para conseguir abertura em setores que nos interessam. Tudo isso é feito por meio de listas positivas ou negativas. Para orientar esse trabalho, os países determinam antes como serão as modalidades. Outros temas que o Brasil negocia atualmente são o mecanismo de solução de controvérsias (conflitos surgidos entre os países pelos direitos oriundos dos acordos), propriedade intelectual, anti-dumping, subsídios e medidas compensatórias e defesa da concorrência. Para esses temas, no geral, o que se negocia é apenas o texto de um acordo. 12. O que significa negociar acesso a mercados? Negociar acesso a mercados significa debater como os mercados domésticos para bens industriais e agrícolas serão abertos. Em acesso a mercados também incluem-se temas regras de origem, barreiras técnicas ao comércio, procedimentos aduaneiros, etc. 17

13 13. O que são métodos e modalidades? São as regras que orientarão as ofertas. Eis alguns temas abordados em métodos e modalidades: - produtos ou serviços em negociação (todo o universo ou apenas alguns itens); - tarifa-base para o início da desgravação (se a aplicada numa determinada data ou a consolidada na OMC), no caso das modalidades para acesso a mercados; - no caso das negociações em serviços, o ponto de partida das negociações (se serão os compromissos de liberalização firmados na OMC ou as regulamentações nacionais aplicadas); - no caso de negociações em acesso a mercados para bens, a forma de redução tarifária e eventuais produtos excluídos dessa regra. Essa redução poderá ser por meio de uma fórmula ou tabela. O exemplo abaixo, retirado do Tratado de Assunção, que deu origem ao Mercosul, ilustra a questão: Tabela 1 Percentuais de desgravação tarifária entre 1991 e 1994 Data Percentual de Desgravação 30/06/ /12/ /06/ /12/ /06/ /12/ /06/ /12/ tratamento especial e diferenciado aplicado a países em desenvolvimento e economias menores; - tratamento dado a quotas, salvaguardas, subsídios, apoio interno e barreiras não tarifárias; 18

14 - forma como as ofertas serão feitas (se serão num esquema bilateral, ou cada país fará uma oferta válida para todos os demais); - tipo de listas de ofertas a serem apresentadas (positivas ou negativas); e - as datas para apresentação das ofertas. 14. O que são listas positivas e negativas? Listas são o conjunto de produtos/serviços a serem apresentados para liberalização. Elas são apresentadas por cada país nas negociações. Se cada país desejar colocar na sua lista todos os produtos que serão liberalizados, o que não constar estará fora das negociações e essa será uma lista positiva. Se a lista contiver apenas o que não puder ser negociado, deixando o resto para ser liberalizado, será uma lista negativa. 15. Como são elaboradas as listas de ofertas dos países? Cada país consulta seus setores produtivos para saber quais produtos ou serviços são sensíveis, ou seja, cujas importações não podem ser liberalizadas, e quais são suficientemente competitivos para suportar a concorrência de produtos/serviços estrangeiros. Esse trabalho, no Brasil, é feito principalmente pela Coalizão Empresarial Brasileira (CEB). A partir das respostas dadas, os governos coordenam suas listas e as apresentam nos prazos estabelecidos. No decorrer das negociações, essas listas são revisadas, melhoradas e reapresentadas aos outros países. 16. O que é desgravação tarifária? Desgravação tarifária é a progressiva diminuição das tarifas de um país em vista dos compromissos que tenha assumido nas negociações comerciais internacionais. Essa redução pode se dar por progressivas diminuições ao longo dos anos ou de uma só vez. Pode, ainda, ser produto a produto ou igual para uma mesma categoria de produtos, de acordo com a modalidade aplicada. Por exemplo, a desgravação tarifária feita no âmbito do Mercosul segue o quadro disposto na pergunta 13. Entretanto, segundo o Tratado de Assunção, cada país-membro poderia apresentar uma lista de produtos correspondente às suas exceções a essa regra geral, cujas tarifas seriam reduzidas mais lentamente. 19

15 17. O que são barreiras não-tarifárias ao comércio? Qualquer governo pode estabelecer normas e regulamentos técnicos, bem como normas sanitárias e fitossanitárias (aplicável a espécies vegetais importadas) que, na prática, impeçam a importação de certos produtos. Pode, também, tornar mais difíceis os procedimentos ou impor quotas de importação, por país ou por produto. Todas essas práticas correspondem a barreiras não-tarifárias. 18. Quais são os outros usos das barreiras não-tarifárias? As barreiras não-tarifárias têm sido usadas por muitos países como instrumento protecionista para dificultar as exportações de outros países. Por essa razão, tornase necessária a análise detalhada das justificativas e dos efeitos de distorção do comércio presentes nessas barreiras. 19. O que são barreiras técnicas e regulamentação sanitária e fitossanitária? Barreiras técnicas são aquelas produzidas por normas e/ou regulamentos técnicos aplicados pelos países. Regulamentos técnicos são conjuntos de regras elaborados pelos governos cujo cumprimento é obrigatório. Normas técnicas são padrões elaborados por agentes privados, como a ISO (International Organization for Standardization), de cumprimento voluntário. Para atestar o cumprimento de normas e regulamentos, são utilizados os procedimentos de avaliação de conformidade feitos, por exemplo, por laboratórios e entidades privadas. Essas normas e regulamentos existem para garantir e harmonizar a qualidade, segurança e as especificações dos produtos a serem importados, podendo transformar-se em barreiras por estabelecer, por exemplo, procedimentos excessivamente burocráticos para evitar importações. Regulamentação sanitária e fitossanitária corresponde às normas aplicáveis aos produtos importados para proteger (i) a vida humana ou animal de doenças transmitidas por alimentos, (ii) a saúde humana de doenças transmitidas por animais ou plantas, e (iii) animais e plantas de pestes e doenças. 20

16 20. O que é regra de origem? São as normas aplicadas para verificar a verdadeira origem de um produto. São importantes porque os governos utilizam-se dessas regras para aplicar medidas compensatórias, direitos anti-dumping, salvaguardas, quotas de importação de têxteis e tarifas preferenciais concedidas a outros países por meio de acordos. Regras de origem, assim, podem ser elaboradas por cada país, para essas finalidades, ou dentro de acordos para a liberalização do comércio, de forma a garantir que as preferências concedidas a um país não sejam aproveitadas por outro. Acordos como o Mercosul e o Nafta (entre Estados Unidos, México e Canadá) possuem suas próprias regras de origem. Para aferir a procedência de um produto e aplicar as tarifas preferenciais, considera-se primeiro o fato de o produto ter sido totalmente obtido com materiais oriundos de países-membros do acordo em questão. Nessas circunstâncias, o produto está qualificado a receber tratamento preferencial. Se, por outro lado, contiver uma porção importada de fora do acordo, ainda é possível receber o mesmo tratamento, desde que o produto cumpra certos requisitos. As condições para a concessão das preferências tarifárias seguem três métodos distintos, sendo que cada acordo pode optar por um ou por uma combinação deles: (i) conteúdo regional mínimo, ou a presença de um mínimo de valor agregado por países-membros do acordo no valor final do produto; (ii) salto tarifário, ou a transformação das matérias-primas que possibilite a sua mudança de classificação tarifária no produto final; e (iii) operação suficiente, ou a existência de transformação efetiva das matérias-primas importadas. 21. O que é subsídio? Subsídios são benefícios concedidos pelo governo a determinados setores, por meio da transferência de recursos, isenção de tributos ou aquisição de bens a preços não-comerciais. Nem todos os subsídios são condenados, mas somente aqueles que injustamente prejudicam produtores competitivos e diminuem a eficiência da produção global, como os direcionados ao aumento das exportações ou do consumo de bens nacionais em relação aos importados. Os subsídios se dividem em proibidos, acionáveis (que são permitidos, mas, se causarem prejuízo a outros países, podem ser objeto de retaliação) e não-acionáveis. Em geral, nos dois primeiros casos, os países podem impor medidas compensatórias por si mesmos ou podem trazer a questão para ser julgada por uma outra parte. 21

17 22. O que é dumping? Dumping é o uso de certas medidas para tornar o preço do produto importado menor no país de destino do que no de origem. O dumping pode ser resultado, por exemplo, da utilização, pelos governos, de leis fracas, que permitam a destruição do meio ambiente para baratear a produção. Com isso, o produtor pode diminuir o preço de seus produtos nos mercados externos e prejudicar as indústrias de outros países. 23. O que são medidas compensatórias e direitos anti-dumping? São as medidas que os governos podem tomar quando, respectivamente, percebem que há a utilização injusta de subsídios ou a prática de dumping por outros países. Essas medidas podem levar, por exemplo, ao aumento das tarifas alfandegárias do produto em questão. 24. O que são salvaguardas? Aos governos é aberta a possibilidade de, após investigação pelas autoridades governamentais em que se verifique que (i) um determinado produto tem sido importado em quantidades crescentes e (ii) isso prejudica grande parte da produção nacional de artigos concorrentes, proceder à aplicação de salvaguardas. Isso significa que os governos poderão temporariamente aumentar as tarifas incidentes sobre produtos estrangeiros concorrentes ou impor quotas de importação a esses produtos, mas somente para promover ajustes que aumentem a competitividade do setor nacional atingido. O governo em questão, além disso, deverá oferecer compensações aos outros países prejudicados pela aplicação das medidas. 25. O que é propriedade intelectual? São os direitos que se referem à proteção das criações da mente humana, como patentes (direitos sobre invenções), marcas (direitos sobre sinais visuais usados para individualizar um produto ou serviço, podendo conter palavras, números, figuras, cores), desenhos industriais (direitos sobre os aspectos ornamentais de produtos, como formas, linhas, motivos, cores), direitos de autor (direitos sobre a reprodução de livros, canções, programas de computador, etc.) e indicações geográficas (direitos referentes à origem de um produto, como vinho Bordeaux prove- 22

18 niente de uma região específica da França; outros vinhos não poderão utilizar essa denominação se não forem produzidos nessa região). 26. O que são procedimentos aduaneiros e facilitação de comércio? Procedimentos aduaneiros são os trâmites burocráticos enfrentados por importações e exportações na alfândega de cada país. Facilitação de comércio, por sua vez, são medidas acordadas pelos países para simplificar os procedimentos aduaneiros, aumentar o grau de transparência e informação dos setores produtivos, melhorar logística e transporte de produtos, aumentar a cooperação entre aduanas, etc. Essas medidas visam a diminuir os custos de importação e exportação, sobretudo burocráticos, e aumentar o fluxo de comércio entre países. Organização Mundial do Comércio (OMC) 27. O que é a OMC e como se estrutura? A OMC é uma instituição internacional fundada em 1995 e responsável tanto pelo monitoramento da implementação pelos Estados dos seus acordos constitutivos, quanto pelo julgamento de disputas entre países com relação a esses acordos. Além disso, a OMC também é responsável por organizar as rodadas de negociações entre os países-membros. A sua estrutura principal gira em torno da Conferência Ministerial, órgão que se reúne a cada dois anos e que é formado por ministros de cada país-membro, sendo responsável pela tomada de decisões dentro de qualquer dos temas dos acordos. Abaixo dele, há o Conselho Geral, responsável pela direção geral da OMC, podendo inclusive reunir-se como órgão de solução de disputas entre países, como comitê de negociações comerciais e como órgão de revisão das políticas comerciais de cada país. Abaixo desses, há os conselhos de comércio de bens, serviços e propriedade intelectual, além de diversos comitês e grupos de trabalho especializados, divididos em tópicos como agricultura e meio ambiente. 23

19 28. Quais são os acordos constitutivos da OMC e quais são os seus princípios fundamentais? Os acordos constitutivos da OMC são as regras gerais que orientam todo o comércio internacional, que devem ser seguidas e implementadas pelos governos e pelos setores produtivos de cada país-membro. Essas regras foram estabelecidas sobretudo por ocasião da conclusão da Rodada Uruguai em Os principais acordos são: Acordo Constitutivo da OMC, Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT General Agreement on Tariffs and Trade), Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços (GATS General Agreement on Trade in Services), Acordo sobre Aspectos de Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (TRIPs Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights) e o Entendimento sobre Regras e Procedimentos de Solução de Controvérsias (DSU Dispute Settlement Understanding). Há, ainda, acordos sobre agricultura, barreiras técnicas (TBT Agreement on Technical Barriers to Trade), medidas sanitárias e fitossanitárias (SPS Agreement on the Application of Sanitary and Phytosanitary Measures), têxteis e confecções, investimentos (TRIMs Trade-Related Investment Measures), subsídios (SCM Agreement on Subsidies and Countervailing Measures), antidumping (ADP Agreement on Anti-dumping Practices) e salvaguardas. Os princípios fundamentais dos acordos regem a sua implementação e o próprio comportamento da OMC. São eles: (i) proteção da produção nacional somente por meio de tarifas, na medida em que outros tipos de proteção, como quotas de importação, são pouco transparentes e dificultam as negociações para liberalização; (ii) redução e consolidação das tarifas, em que, nas sucessivas rodadas de negociação, os países devem esforçar-se para reduzir as suas tarifas até um patamar negociado, não podendo elevá-las sem justificativa; (iii) nação mais favorecida (MFN Most Favored Nation), em que o que cada país concede a outro deve ser estendido aos demais; e (iv) tratamento nacional, que determina que um produto importado não possa ser tratado de forma diferente de um nacional (por meio de impostos a mais, por exemplo). 24

20 29. O que significa implementação? Implementação corresponde a todas as medidas a serem tomadas pelos governos para que as suas legislações e regulamentos internos obedeçam aos acordos da OMC. Existem prazos diferenciados para implementação de acordo com o assunto ou o grau de desenvolvimento de cada país. Os prazos para redução de tarifas sobre bens não-agrícolas, por exemplo, foram de quatro anos (de 01/01/1995 até 01/01/1999), nos quais os países deveriam fazer as reduções em quatro parcelas anuais. 30. O que são tarifas consolidadas e tarifas aplicadas? Durante as negociações, os países assumem compromissos recíprocos para a redução de suas tarifas até um patamar combinado, ou tarifa consolidada. Entretanto, a tarifa que é utilizada no dia-a-dia por cada país pode ser menor que esse patamar, o que é denominado tarifa aplicada. 31. Como são regulamentados serviços e investimentos? O comércio de serviços, na OMC, é regulado pelo Acordo Geral sobre Comércio de Serviços (GATS). Em linhas gerais, o GATS estabelece regras gerais para o comércio internacional de serviços, semelhantes aos princípios gerais da OMC, bem como os compromissos de liberalização de cada país. Para serviços, entretanto, esses compromissos não se referem a tarifas, como no comércio de bens, mas a modificações no tratamento dado a serviços estrangeiros ou prestados por estrangeiros, de forma a não haver discriminação entre esses e os seus similares nacionais. Investimentos são regulados pelo Acordo sobre Medidas de Investimento Relacionadas ao Comércio (TRIMs). O TRIMs busca regular as medidas que os governos utilizam para atrair investimentos para seus países e direcioná-los para certos objetivos, como desenvolvimento da produção nacional e das exportações. Nesse sentido, o TRIMs visa a proibir certas medidas que não estão de acordo com as regras da OMC, como por exemplo: obrigar a produção auxiliada por investimentos estrangeiros a ter um mínimo de matérias-primas nacionais; limitar a quantidade dessa produção que pode ser exportada. 25

21 32. Como a OMC trata da propriedade intelectual? A propriedade intelectual é regulada pelo Acordo sobre Aspectos de Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (TRIPs). O TRIPs determina os padrões mínimos de proteção a esses direitos e as formas para a sua garantia pelas legislações nacionais. 33. Como as decisões tomadas na OMC afetam a minha empresa? Os acordos da OMC têm impacto direto sobre virtualmente todo o comércio internacional. A OMC tem aproximadamente 150 países-membros, que deverão adaptar suas legislações nacionais às regras da OMC. Assim, também o produtor será afetado por essas regras, seja no seu país de origem (pela competição com produtos/serviços estrangeiros), seja nos países para os quais deseja exportar. A abertura de mercados e o aumento da competição internacional afetam quase todos os setores, pois os produtos e serviços estrangeiros passam a contar com maiores possibilidades de entrada competitiva. Ao mesmo tempo em que a indústria nacional deve se adaptar a essas novas condições, é importante ressaltar que o exportador também é beneficiado pela maior segurança com que poderá trabalhar. Por exemplo, os compromissos de reduzir tarifas impedem que outros países simplesmente se fechem às exportações pelo aumento das tarifas ou da burocracia para desembaraçar mercadorias. 34. Como os governos podem proteger indústrias que consideram vulneráveis? Muito embora a OMC defenda a abertura de mercados, é importante notar que os efeitos negativos disso sobre certos setores não são esquecidos. Assim, após investigação pelas autoridades governamentais, é possível aplicar salvaguardas para o setor prejudicado. Além disso, é permitido aos países em desenvolvimento impor salvaguardas para proteger setores industriais nascentes, após prévia notificação à OMC. 26

22 35. Como um país pode impedir as exportações de bens não-agrícolas de outro 1? Além de impor salvaguardas (v. acima), os governos podem, após investigações, considerar que um determinado produto importado é subsidiado injustamente ou é tem seus preços resultantes de dumping. Nesses casos, poderão impor medidas compensatórias ou anti-dumping, respectivamente. Essas investigações, além das de salvaguardas, podem ser feitas diretamente pelo governo ou mediante pedido da categoria. Os governos podem, ainda, recorrer a consultas bilaterais ou ao mecanismo de solução de controvérsias da OMC diretamente ou após requisição dos setores nacionais afetados. Por fim, os países podem impedir exportações ao impor barreiras nãotarifárias. Nada impede, no entanto, que o estabelecimento de salvaguardas, medidas compensatórias, anti-dumping ou barreiras não-tarifárias seja feito de forma abusiva, portanto contra os acordos. 36. O que acontece se há restrições abusivas à importação por parte de um país? Caso um governo julgue que há subsídio ou dumping que o prejudica, ou imponha salvaguardas ou barreiras não-tarifárias de forma irregular ou abusiva, o país prejudicado poderá levar essa questão para consultas bilaterais ou ao Órgão de Solução de Controvérsias da OMC. Esse procedimento pode ser iniciado diretamente pelo governo ou mediante requisição fundamentada do setor interessado. 37. Como são resolvidos os conflitos entre países na OMC? O primeiro passo para a solução de controvérsias na OMC são as consultas bilaterais entre os países envolvidos na questão, para que se encontre uma solução para o problema. Não havendo acordo, o Órgão de Solução de Controvérsias (DSB Dispute Settlement Body) poderá ser acionado. 1Há regras especiais para têxteis e vestuário, bem como para aeronaves e compras governamentais. 27

23 38. Como funciona o mecanismo de solução de controvérsias? Após o acionamento do DSB, inicia-se o procedimento para apreciação e julgamento do caso, denominado painel. Após as investigações, será emitido um parecer sobre a questão, que determinará se houve ou não violação, e, nesse caso, as medidas para saná-la. Se um dos países não concordar com a decisão, poderá recorrer ao Órgão de Apelação, que manterá ou modificará o primeiro parecer em decisão final e definitiva. Se for decidido que houve violação, o país condenado deverá aplicar as medidas sugeridas no parecer para remediar a situação. Se não o fizer, o país prejudicado poderá receber compensações ou, se isso não ocorrer, retaliar por meio do aumento das tarifas dos produtos exportados pelo outro, por exemplo. 39. Como a OMC relaciona-se com a Alca, o Mercosul e outros processos de integração regional? A OMC dita as regras gerais para acordos de integração regional como a Alca e o Mercosul. Muito embora um dos princípios gerais da OMC seja o da nação mais favorecida, determinando a não discriminação entre países, a sua exceção mais importante é a permissão para o estabelecimento de processos de integração regional. Nesses processos, os países participantes poderão, por exemplo, negociar para diminuir as tarifas alfandegárias entre si, sem precisar conceder a todos os outros países essas vantagens. Entretanto, a OMC estabelece critérios mínimos para que esses processos possam ser considerados regulares, determinando especialmente (i) que as vantagens concedidas sejam com relação a parte substancial do comércio entre os países, e (ii) que as barreiras existentes ao comércio já negociadas sob a OMC não aumentem com relação a países de fora, isto é, que os processos de integração regional sejam mais liberalizantes que o da OMC. Além disso, todos os acordos que forem assinados para dar origem à integração regional não podem conflitar com os da OMC, ou seja, o seu conteúdo deve estar alinhado às regras da OMC. Assim, por exemplo, caso seja assinado um acordo no âmbito da Alca que verse sobre propriedade intelectual, esse não poderá ir contra o acordo de TRIPs. 28

24 40. O que são as rodadas de negociação? Rodadas de negociação são períodos especiais para o aprofundamento e a criação de novas regras para o comércio internacional. Nesses períodos, negocia-se a redução e consolidação de tarifas sobre bens, bem como para a discussão de outros pontos sobre comércio internacional (como a implementação e o avanço nos acordos constitutivos da OMC). Essas rodadas têm uma agenda específica, para cada assunto, e têm princípios gerais. Ao final, um documento ou acordo sobre cada assunto deverá ser assinado pelos países, com os seus compromissos. A última delas foi a Rodada Uruguai, que durou de 1986 até Desde 2001, temos a Rodada de Doha, prevista para ser concluída em Quais os princípios da negociação na Rodada de Doha? Os princípios centrais que norteiam as negociações são: single undertaking (vide questão 10); ampla participação; transparência; tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento; desenvolvimento sustentável; e atenção especial a aspectos que, muito embora sejam cruciais, não foram postos em negociação pelos países. 42. O que está em negociação na Rodada de Doha? Estão em negociação, principalmente, a abertura dos mercados para bens agrícolas, o aumento da liberalização para bens industriais e para serviços, a revisão do mecanismo de solução de controvérsias e do acordo de TRIPs, a questão dos subsídios, dumping e acordos regionais, meio ambiente, transparência nas compras governamentais, maior abertura para investimentos estrangeiros. Até 2005, todos os temas devem ter sido negociados e os acordos sobre eles assinados. 43. O que são as questões de implementação? Além dos tópicos em negociação relacionados acima, há ainda a questão da implementação dos acordos já existentes, tema advogado especialmente pelos países em desenvolvimento. De um universo de 100 questões sobre esse tema levantadas pelos países, (i) cerca de 50 obtiveram acordo antes ou durante a Conferência de Doha em 2001; (ii) outras tantas, para as quais houvesse mandato negociador estabelecido pela Declaração Ministerial de Doha (ou seja, cuja negociação houvesse sido determinada 29

25 entre os países), seriam discutidas no comitê negociador respectivo; e (iii) as restantes que não contassem com mandato seriam analisadas pelos órgãos relevantes da OMC até o final de 2002, para que as medidas cabíveis fossem tomadas. A controvérsia reside no fato de que não há consenso se as questões que não dispõem de mandato deveriam ser submetidas à negociação ou somente a discussões; também não está definido se farão parte do single undertaking. 44. Quais são os principais desafios que o Brasil enfrenta nas negociações? O Brasil enfrenta o desafio de obter nas negociações um resultado amplo e equilibrado, que ofereça vantagens a todos os participantes, em especial aos países em desenvolvimento. Busca a abertura dos mercados dos países desenvolvidos aos produtos agrícolas, eliminando não só tarifas e quotas, como outras barreiras às exportações brasileiras. Busca, ainda, a eliminação dos subsídios e que haja tratamento diferenciado para os países em desenvolvimento, refletindo as suas condições específicas. Além disso, o Brasil negocia para que as regras sobre anti-dumping sejam aperfeiçoadas para evitar abusos na sua utilização e prejuízo às exportações brasileiras, e para que certas questões de implementação sejam decididas e levadas a cabo. Negocia também para que a abertura aos investimentos estrangeiros não limite a sua capacidade de se desenvolver, e para que haja flexibilidade nos direitos de propriedade intelectual referentes aos medicamentos utilizados para doenças como a AIDS e a tuberculose. Mercado Comum do Sul (Mercosul) 45. O que é o Mercosul e como está estruturado? O Mercosul é uma união aduaneira (v. pergunta 8) entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Assim, entre os quatro membros, guardadas algumas exceções, os bens circulam isentos de tarifas, e seu comércio com terceiros países é feito com base em uma Tarifa Externa Comum (TEC). Para garantir que os produtos beneficiários dessas vantagens tarifárias tenham sido produzidos no bloco, foram criadas regras de origem próprias do Mercosul. Todas as decisões são tomadas por consenso e devem passar por um processo de implementação pelos quatro governos. Os órgãos mais importantes do Mercosul são o Conselho do Mercado 30

26 Comum (CMC), órgão político responsável pela condução geral do processo de integração, e o Grupo Mercado Comum (GMC), órgão executivo do MERCOSUL, responsável pelo cumprimento das decisões do CMC e pela fixação de programas de trabalho para a implementação da integração. O Mercosul é, ainda, o ponto fundamental das negociações internacionais brasileiras. Tanto na Alca, quanto na OMC e nas negociações com a União Européia, a atuação brasileira é pautada em grande parte pela aliança com os demais parceiros do Mercosul para dar força e legitimidade às posições dos quatro países. 46. Qual o atual estágio da Tarifa Externa Comum (TEC)? A TEC é a harmonização entre as tarifas externas dos quatro membros do Mercosul. Ou seja, os quatro têm a mesma tarifa para o comércio com outros países. Ela foi estabelecida em 1995, e hoje cobre quase todos os bens comercializados com o exterior, salvo algumas exceções que durarão até Essas exceções existem para os bens de capital (máquinas e equipamentos), informática e telecomunicações. Além disso, cada país conta com uma lista de exceções de 100 outros itens, que deverá ser eliminada até 31/12/ O que tem sido feito recentemente para aprofundar a integração regional? Os governos dos quatro países-membros têm afirmado a importância do Mercosul e a necessidade de aprofundar sua estrutura. Nesse sentido, recentemente, a Secretaria Administrativa do Mercosul foi transformada em Secretaria Técnica, como forma de melhor assessorar a estrutura administrativa do Mercosul na elaboração de documentos e na análise do processo de integração. Os membros do Mercosul têm-se esforçado para possibilitar que questões como inflação e câmbio estejam alinhadas entre os quatro, para que haja estabilidade e sucesso na integração. Para isso, foi criado o Grupo de Monitoramento Macroeconômico. Há esforços para maior integração jurídica, educacional e em infra-estrutura, bem como a assinatura de acordos externos para a criação de zonas de livre comércio entre o Mercosul e outros países. 31

27 48. Quais são os acordos externos do Mercosul? Atualmente, o Mercosul tem Acordos assinados com o Chile e com a Bolívia, que conferem a esses países a qualidade de nações associadas ao Mercosul. Além disso, firmou-se acordo marco para a criação de uma Área de Livre Comércio entre o Mercosul e a Comunidade Andina (composta por Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela), e outro com o México. Há, ademais, Acordo assinado entre o Mercosul e a África do Sul para a liberalização comercial, e negociações para o mesmo fim com a União Européia. 49. Como são solucionados os conflitos comerciais entre os membros do Mercosul? Os conflitos comerciais entre os Membros, que poderão surgir pelo não cumprimento dos acordos celebrados entre os quatro, ou pela imposição de medidas abusivas, deverão seguir o procedimento para solução de controvérsias do Mercosul. Tal procedimento inicia-se por meio de negociações diretas entre os Estados interessados. Caso não haja acordo, recorre-se ao Grupo Mercado Comum (GMC) (v. pergunta 45), que formulará recomendações. A não aceitação pelas partes possibilitará o recurso a Tribunal Arbitral Ad Hoc (temporário) ou ao Tribunal Permanente de Revisão do Mercosul. Ambos serão compostos por árbitros que deverão emitir um laudo, reconhecendo ou rejeitando a reclamação do país-membro. Naquele primeiro caso, o país condenado deverá aplicar as medidas sugeridas no laudo e, se não o fizer, o país prejudicado poderá retaliar. Há, por fim, a possibilidade de recorrer ao Tribunal Permanente caso a controvérsia tenha sido decidida por Tribunal Ad Hoc. As reclamações de particulares serão encaminhadas à Seção Nacional do GMC ou da Comissão de Comércio do Mercosul (CCM) do país em que residirem no bloco, que poderá negociar com a Seção Nacional do país reclamado e, caso não haja acordo, levar a controvérsia diretamente ao GMC ou à CCM (caso em que deverá ser levada posteriormente a um Comitê Técnico e ao GMC). Se não houver solução, a controvérsia será levada ao procedimento arbitral ou ao Tribunal Permanente. 32

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

AVII 8º ANO Globalização Qual é a mais próxima da realidade? Como será o futuro? Escola do futuro de 1910 Cidade-prédio de 1895 A era das redes aumentou ou diminuiu o tamanho do mundo?

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014

Ações Reunião Extraordinária realizada no dia 30 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Representação Efetiva Comitê de Coordenação de Barreiras Técnicas ao Comercio - CBTC

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL

ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 32/04 ACORDO PARA A FACILITAÇÃO DE ATIVIDADES EMPRESARIAIS NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 26/03 do Conselho do Mercado

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO

ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO O Governo da República de Angola e o Governo dos Estados Unidos

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO.

PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO. MERCOSUL/CMC/DEC. N 7/95 PROTOCOLO DE INTEGRAÇÃO EDUCATIVA E REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS, CERTIFICADOS, TÍTULOS E RECONHECIMENTO DE ESTUDOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO. TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e seus

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos;

Expressando que este processo de integração constitui uma resposta adequada a tais acontecimentos; TRATADO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO COMUM ENTRE A REPUBLICA ARGENTINA, A REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPUBLICA DO PARAGUAI E A REPUBLICA ORIENTAL DO URUGUAI (ASSUNÇÃO, 26/03/1991) A República

Leia mais

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais.

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE A COOPERAÇÃO NOS USOS PACÍFICOS DO ESPAÇO EXTERIOR O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

BENS DE CAPITAL. Que o acesso a bens de capital é essencial para manter os níveis de crescimento das economias da região.

BENS DE CAPITAL. Que o acesso a bens de capital é essencial para manter os níveis de crescimento das economias da região. MERCOSUL/CMC/DEC. N 34/03 BENS DE CAPITAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 07/94, 22/94, 69/00, 01/01, 05/01, 02/03 e 10/03 do Conselho do Mercado Comum.

Leia mais

Mercosul Protocolo de Ouro Preto

Mercosul Protocolo de Ouro Preto PROTOCOLO DE OURO PRETO PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO MERCOSUL (Ouro Preto, 17/12/1994) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC Nota Técnica 1. Introdução O comércio internacional de bens usados tem sido, em muitos países, objeto de um tratamento diferenciado em comparação com

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

O Governo da República do Chile (doravante denominados "as Partes"),

O Governo da República do Chile (doravante denominados as Partes), MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO COMÉRCIO E DOS INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO CHILE O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA MERCOSUL/GMC/RES Nº 16/97 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE: MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/95 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO MERCOSUL, EM MATÉRIA DE MARCAS, INDICAÇÕES DE PROCEDÊNCIA E DENOMINAÇÕES DE ORIGEM. TENDO EM VISTA: O Artigo

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra)

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) 1. ACEITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA Esta Ordem de Compra somente será aceita pelo PNUD mediante a assinatura por ambas as partes e fornecimento de acordo

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER

DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER DECLARAÇÃO DE POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS DA UNILEVER Acreditamos que as empresas só podem florescer em sociedades nas quais os direitos humanos sejam protegidos e respeitados. Reconhecemos que as empresas

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses ACLARAÇÃO DO LAUDO ARBITRAL DO TRIBUNAL ARBITRAL AD HOC DO MERCOSUL CONSTITUÍDO PARA DECIDIR A CONTROVÉRSIA ENTRE A REPÚBLICA DO PARAGUAI E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI SOBRE A APLICAÇÃO DO IMESI (IMPOSTO

Leia mais

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 PROPRIEDADE INTELECTUAL E BIODIVERSIDADE: AVANÇOS NAS NEGOCIAÇÕES DENTRO DO PARÁGRAFO 19 DA DECLARAÇÃO DE DOHA Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 Oacordo TRIPS é o acordo que regula os direitos

Leia mais

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA MERCOSUL/CMC/DEC N 2/99 PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais

Gestão de Negócios Internacionais Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 03: Regulação do Comércio Internacional e impactos nos negócios: os acordos de defesa comercial sobre Consequências da Globalização 2-16 Evolução dos Negócios

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais