I. INTRODUÇÃO p Poucos livros podem ser mais positivo do que estudo recente do filósofo Andrew Altman do Critical Legal Studies.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. INTRODUÇÃO p. 01 - Poucos livros podem ser mais positivo do que estudo recente do filósofo Andrew Altman do Critical Legal Studies."

Transcrição

1 UNIVERSIDA DE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DIREITO PÚBLICO LINHA: LIMITES DO DISCURSO JURÍDICO Disciplina: Metodologia da Pesquisa em Direito. Docente: Professores Doutores Nelson Cerqueira e Rodolfo Pamplona Discente: Leonardo Vinícius Santos de Souza. BALKIN, Jack M. Ideology as Constraint. Deconstructive Practice and Legal Theory. Transcendental Deconstruction, Transcendent Justice. The Bad, the Good, and the Self-Reliant. Notas Biográficas: Jack Balkin M. Knight é professor de Direito Constitucional e da Primeira Emenda da Faculdade de Direito de Yale. Professor Balkin recebeu seu doutorado em filosofia pela Universidade de Cambridge, e seus graus de AB e JD da Universidade de Harvard. Ele serviu como escrevente para Juiz Carolyn D. King dos Estados Unidos Tribunal de Apelações do Quinto Circuito e praticado como um advogado na Cravath, Swaine e Moore, em Nova York antes de entrar na academia jurídica. Professor Balkin tem sido um membro das faculdades de Direito da Universidade do Texas e da Universidade de Missouri-Kansas City, e professor visitante na Harvard University, New York University, a Faculdade de Direito Buchman Universidade de Tel Aviv e na Universidade de Londres. Ele é membro da Academia Americana de Artes e Ciências e escreve o comentário político e jurídico na Balkinization weblog ( ). Ele também tem escrito extensamente sobre as questões legais para publicações como o New York Times, o Boston Globe, o jornal Los Angeles Times, The New England Journal of Medicine, The American Prospect, Washington Monthly, The New Republic Online e Slate. Professor Balkin é o fundador e diretor da Sociedade da Informação Projeto de Yale Law School, um centro interdisciplinar que estuda direito e as novas tecnologias da informação, eo diretor do Knight Yale Law e do Programa Media. Ele é o autor de mais de noventa artigos e autor ou editor de nove livros. Seu trabalho varia ao longo de muitos campos diferentes, incluindo a evolução cultural das telecomunicações, Internet e Direito, os direitos reprodutivos, a liberdade de discurso, retórica, jurisprudência e raciocínio jurídico, a teoria da ideologia e interpretação musical e legais. I. INTRODUÇÃO p Poucos livros podem ser mais positivo do que estudo recente do filósofo Andrew Altman do Critical Legal Studies. Página 1 de 12

2 Altman aceita a alegação de que as regras sociais e práticas afectam a justiça do sistema jurídico, tanto quanto as normas legais, e argumenta que sem uma cultura de tolerância e respeito pela liberdade, garantias legais de direitos humanos não serão suficientes para prevenir a opressão. p O livro tem uma fraqueza alguns notáveis. Ele não contém discussão da teoria crítica feminista ou raça, os quais têm transformado profundamente CLS na última década. Na verdade, é justo dizer que as críticas dos estudiosos da teoria racial crítica e estudiosos feministas têm efetivamente redefinir a agenda da bolsa de estudos no âmbito do movimento Critical Legal Studies. representação de Altman do CLS é, assim, talvez mais verdadeira para o estado do movimento, digamos, em 1983 do que em seu trabalho CLS hoje. p Pela descrição de Altman é um dos temas principais do CLS, dificilmente acho que os estudiosos CLS estavam interessados em questões de raça, classe e gênero, em oposição a questões abstratas da determinidade lingüística e teorias de precedente legal. filosofia jurídica é o foco do livro. A suposição de que "questões de filosofia jurídica" são realmente "muito longe" [fóruns] das questões da teoria política normativa ou questões sobre as relações ilegítimas do poder na sociedade é precisamente o que os estudiosos CLS deseja examinar criticamente. Se a tendência de Altman para tratar CLS como a filosofia analítica é, de certa forma maior fraqueza do livro, é também sua maior força. Toda página demonstra escrúpulo do autor na descompactação argumentos e submetê-los a um exame rigoroso. Livro argumento central: Critical Legal Studies críticas resto em última instância, um [imperfeita, Viciada] falho teoria da realidade social e, em particular, uma conta errada de como as estruturas sociais condicionam o pensamento individual de crença e ação. p A teoria da estruturação social só é cabalmente e imperfeita trabalhou no CLS escrito. CLS dúvidas sobre a coerência doutrina jurídica ea sua capacidade de restringir tomadores de decisão jurídica é realmente um caso especial de um ceticismo mais geral sobre a possibilidade de qualquer estrutura social objetiva, que pode restringir a crença individual, pensamento e ação. A outra alegação principal de seu livro é que realmente existem duas posições distintas CLS, um radical, outro moderado. A posição radical ou posição desconstrucionista alega que não há nenhuma estrutura objetiva da lei ou qualquer instituição social. A posição moderada rejeita a posição desconstrucionistas sobre o significado e afirma que a nossa lei não tem uma estrutura objetiva. p Altman foi amplamente mal compreendida que a teoria da estrutura social. Ao longo do livro Altman coloca questões da teoria social e jurídica, sob a forma de uma dicotomia: (I) ou um acredita em mais ou menos objectivo estruturas sociais e legais que condicionam o pensamento e ações individuais, ou (II), acredita-se que tais restrições são ilusória e as pessoas são livres para fazer o que gosta. p Teoria Crítica social rejeita essa falsa dicotomia. O que faz a falsa dicotomia são as suas hipóteses sobre a escolha autónoma [inexiste uma Autonomia]. A teoria social subjacente à obra de CLS tem como premissa a construção social do pensamento do sujeito, crenças e desejos através da ideologia, bem como através de termos rules.the social da escolha individual, já são moldados pela cultura e ideologia, mesmo antes de o indivíduo começa a escolher. Individual pensamento, desejo, crença e ação são moldadas e construídas por estruturas sociais, que por sua vez são o produto do pensamento individual anterior, crença, desejo e ação. Essa visão dialética é ininteligível na dicotomia ou seja, que a análise de quadros de Altman, criando a aparência de indivíduos que são livres para escolher qualquer conjunto de crenças. Página 2 de 12

3 p Neste ensaio, deve oferecer um relato de como a estrutura social afeta a experiência do indivíduo das normas legais, quando se supõe a construção social do indivíduo. A teoria pode ser resumida em três palavras: "a ideologia é Restrição". Defendo que quando a construção social do sujeito [ideologia] está devidamente tidos em conta na teoria jurisprudencial, que contabiliza o determinismo das normas jurídicas ao invés de sua indeterminação. Em outras palavras, as regularidades no pensamento jurídico e crença não são devidas apenas à existência de "objetivo" regras sociais ou de doutrina jurídica, mas também às contribuições da ideologia partilhada. Legal doutrina e ideologia não pode ser falado como formas completamente distintas de coação social, pois eles [a doutrina e ideologia] parcialmente constituem mutuamente e funcionam em conjunto para gerar a experiência interna de ser sujeitos a um regime de direito. É comum que a doutrina jurídica reflete nossa ideologia. II. Estrutura Social e CONSTRAINT INDIVIDUAL A. REGRAS AS LIMITAÇÕES: A Metáfora do PRISIONES IN CHAINS p Altman vontade de defender os dois pedidos diferentes contra o que ele acredita ser a posição CLS. (I) A primeira é que a realidade social é constituída por regras sociais que constrangem os indivíduos, e não dependem de seus conteúdos na percepção de cada indivíduo. (II) A segunda alegação é que a doutrina jurídica tem uma estrutura objetiva que constrange os indivíduos, e que a doutrina jurídica não é tão simples que qualquer indivíduo em particular opta por ver nele. discussão Altman implicitamente assume que as regras sociais e legais limitam em muito a mesma maneira. Altman primeiro argumenta que as regras sociais são objetivos e limitar a ação individual, e então ele passa a aplicar o mesmo raciocínio às normas jurídicas. Ele inicia sua discussão da realidade social, contrastando duas concepções alternativas da teoria social: (I) A primeira, que ele chama de uma "concepção regra" da sociedade, vê a "realidade social... como fundamentalmente constituída por regras". (II) O segundo, uma concepção instrumentalista ou regras argumenta que "as regras exercer nenhum poder (ou pouco poder) do seu próprio sobre o pensamento individual, o desejo ea ação, são meras palavras. No entanto, as regras podem ser invocados por aqueles que detêm o poder. p Altman vontade de defender algo mais próximo de uma concepção baseada em regras da sociedade e da doutrina jurídica, em que as regras sociais e legais limitar a ação individual, enquanto sua estrutura é "independente da escolha ou de percepção de qualquer indivíduo em particular". O mais interessante sobre o projeto de Altman é o seu modelo implícito da realidade social. A realidade social constituído por regras sociais. As regras sociais (e doutrinas jurídicas) são fenômenos objetivos que condicionam as vontades individuais. Como limitações físicas, regras sociais e legais nos impedir de fazer o que queremos fazer. A idéia de restrição evoca a imagem de um prisioneiro que deve estar fisicamente impedido de fazer o que ele escolhe para fazer. Este modelo de estrutura social informa todo o livro. Na concepção baseada em regras da sociedade, as regras são o que mantém as pessoas de fazer o que eles querem fazer. Na visão instrumentalista, as pessoas buscam seus valores escolhidos através de manipulação das regras sociais que são indeterminados ou ilusório. p Essa maneira de pensar sobre estruturação social repousa sobre uma dicotomia entre os sujeitos (atores individuais). Objetivo regras sociais são separadas dos indivíduos. Na concepção baseada em regra, o agente da vontade e do desejo se colocam contra as regras sociais que mantêm a vontade eo desejo de ser exercido na forma como os indivíduos quer. Estes gostos, desejos, aspirações e valores preexistem regras sociais ou jurídicas da mesma maneira que gosta do prisioneiro e desejos preexistem as correntes que o prendem. Página 3 de 12

4 O sujeito da vontade e do desejo são limitados, mas não constitui, pela regra social. Mesmo quando se deseja seguir a regra social, um desejo ainda estão separadas do Estado social em si, porque se pode sempre optar por fazer o contrário, a desobedecer. Conformidade é obtida pela ameaça de castigo ou desaprovação social, o que restringe o indivíduo de fazer o que ele quer fazer de outra forma. Se uma separa as regras sociais e individuais desta maneira, o maior problema para a jurisprudência é o que poderíamos chamar de "juiz desonesto". Não há nada que impede o juiz rouge de fazer o que ele quer fazer acordo com a agenda pré-existente do juiz político. Ela não impediria as pessoas de fazerem o que quer ou quis fazer, porque a estrutura social ou jurídica pode muito facilmente estar em conformidade com o que eles queriam que fosse. B. Além do modelo de regras: A Dialética da experiência subjetiva e ESTRUTURA SOCIAL OBJETIVO p Eu acredito que esta forma de olhar a realidade social, é incorrecto, não porque estruturação social não ocorre por meio de regras sociais, mas porque essa conta é incompleto. Uma grande parte não pode ser explicado pela divisão da vida social no desejo subjetivo e uma estrutura separada social objetiva e composta de regras sociais. Esse é o erro fundamental da jurisprudência liberal tradicional. A estrutura social não pode ser totalmente explicada de acordo com o modelo de regras sociais. Devemos também ter em conta a construção social do sujeito. Em vez disso, as preferências individuais e as percepções individuais da realidade social, já teria sido construído e, necessariamente, pelas forças sociais. Assim, a metáfora física adequada não seriam as cadeias que prendiam um preso, impedindo-o de fazer o que ele queria fazer. Seria a estrutura do cérebro do preso ou de retina, moldando-lhe os desejos eo modo como ele constrói e percebe o mundo ao seu redor. Alguns do que chamamos de social "normas" poderia ser melhor descrito como "moldes" que "normalizar" com certeza, mas fazendo um grande número de indivíduos pensam, sentem e agem da mesma forma. De forma semelhante, o problema do juiz rouge seria substituído pelo problema do juiz sincero, que deseja interpretar o direito fielmente, mas, no entanto, está destinado a ver a lei de acordo com suas próprias percepções e crenças ideológicas. p Um está menos preocupado com a forma como restrição não é possível que com a forma como formas indesejáveis de cegueira pode ser evitada. Com esta concepção diferente das normas sociais vem de uma relação dialética entre sujeitos individuais e objectivos das estruturas sociais. Sujeito e objeto são mutuamente diferenciado e mutuamente dependentes. As estruturas sociais não pode existir se não forem dadas forma por pensamentos, ações e crenças dos indivíduos. No entanto, o sentido do pensamento individual, ação e crença só pode ser entendida por referência a uma cultura e suas formas de acompanhamento da estrutura social. As estruturas sociais e os eventos são opostas, mas interdependentes Vou me referir a ação individual, o pensamento e crença como aspectos subjetivos da vida social. Vou me referir a cultura, língua, ideologia e instituições sociais como aspectos objetivos da vida social. p A vida social é objetiva porque é partilhado e estruturante. Da mesma forma, "subjetivo" quero dizer "individualizados" e "abordagem experiencial". A experiência subjetiva é socialmente construído, mas a cultura, a ideologia ea linguagem só existem como instâncias, em experiências de diversos assuntos. Como os elementos objetivos e subjetivos da vida social existem em uma relação de diferenciação e de dependência mútua, pode-se enfatizar tanto a sua diferenciação, ou sua dependência, os chamados erros de separação e redução. Cada erro vem em duas variedades diferentes, fazendo quatro no total: Página 4 de 12

5 (I) erros de separação: a reificação ou do subjetivismo radical (1) A tentativa de explicar muito da vida social em termos de objectivo estruturas sociais, sem reconhecer que as estruturas sociais dependem de pensamento individual, a crença ea ação. (2) A tentativa de explicar muito da vida social em termos de pensamento individual, a crença ea ação, sem reconhecer que o pensamento individual, a crença ea ação dependem da estrutura social objetiva (subjetivismo Radical) (II) Redução de erros: o reducionismo próprio ou anti-humanismo (3) A tentativa de explicar muita estrutura social objetiva, em termos de pensamento individual, a crença ea ação. Isso reduz o objetivo do subjetivo (reducionismo propriamente dita). (4) A tentativa de explicar muito do pensamento individual de crença e de acção em termos de estrutura social objetiva. Isso reduz o subjetivo ao objetivo. ele erro de reificação faz os elementos objectivos da vida social em uma "coisa" independente sobre os quais os elementos subjetivos parecem não ter nenhum controle. Por exemplo, os conceitos de "sociedade" ou "propriedade". p Embora Altman acredita claramente que as estruturas sociais, sob a forma de regras sociais ou colectivas sejam objectivas, ele não reconhecer adequadamente as formas de estruturação social, como [ESTA e A Crítica, principal um Altman] ideologia, que não funcionam como regras. III. TEORIA Altman, de regras sociais e constrangimento social p Pode-se criticar Durkheim para reificar alguns dos elementos objetivos da vida social em sua idéia de uma consciência coletiva. No entanto, Altman tende a cometer o erro oposto. Ele confunde a visão de Durkheim com a posição mais plausível que a experiência subjetiva depende de elementos objectivos de vida social. Sua teoria tenta reduzir todas as formas de estruturação social ao pensamento e à ação individual. Este excesso de compensação é o erro de [redução do objetivismo AO subjetivismo] reducionismo [Reducionismo propriamente Dito]. Ele underemphasizes alguns dos elementos objetivos da vida social e as formas de estruturação social que não funcionam como regras de ideologia, em outras palavras. p Ele tende a enfatizar a autonomia individual na escolha de valores. Sua ontologia social inclui apenas "seres humanos, suas ações, pensamentos e relações uns com os outros, mas não contém quaisquer pessoas colectivas, no sentido de Durkheim". Para Altman toda a conversa de constrangimento por regras pode ser traduzido para uma linguagem de constrangimento por indivíduos, quando "os indivíduos são vistos de uma forma que abstrai de sua particularidade". Porque a teoria de Altman é demasiado redutora, é uma visão incompleta e empobrecida da estruturação social. Um segundo problema com a conta de Altman de restrição individual é que emprega um modelo de restrição de regras quando nem todas as formas de estruturação social [como a ideologia] funcionam desta forma. O paradigma das estruturas sociais como um conjunto de regras articulável malhas [encaixa, engrena] bem com a imagem do indivíduo autônomo que escolhe de acordo com seus próprios valores e, portanto, pode escolher entre obedecer ou desobedecer a uma regra, e sofrer as conseqüências. Mas muitos tipos de estruturas sociais não são conscientemente articuladas por indivíduos. Para dizer que as pessoas agem de acordo com as normas sociais, então, não é a mesma coisa que dizer que eles conscientemente decidir seguir essas normas para evitar a desaprovação social. Ideologia é um processo de estruturação social que cria as normas sociais, mas não opera da mesma forma como norma jurídica ou social. As normas sociais produzidas pela ideologia forma nossos processos de pensamento ao invés de apresentar-se como regras a ser obedecido ou desobedecido. Página 5 de 12

6 p O racismo eo sexismo são exemplos de normas sociais produzidas pela ideologia que não são benignos ou funcional. Uma das contribuições mais importantes da teoria racial crítica e os estudos feministas tem sido para nos lembrar da construção social de atitudes sobre raça e gênero. Diferentes indivíduos verá o mundo da mesma maneira, não porque temem o castigo ou desaprovação por parte de alguns outros generalizada, mas porque eles compartilham as mesmas categorias de percepção. p teoria Altman, de regras sociais não pode ser responsável por essas formas de estruturação social, porque tais normas não operam por meio de um sentimento de reprovação do comportamento individual. Em vez disso, elas operam antes esse sentimento e antes de comportamento individual. [Este e o Ponto fulcral da divergência] teorias de Altman estão presos [Presas] dentro do paradigma do indivíduo autônomo que responde ao fenômeno baseado em sua pré-existentes, livremente escolhido preferências individuais. Devido à influência formativa da ideologia, no entanto, a escolha individual nunca é puramente individual, é moldado e estruturado antes que o indivíduo começa a sua deliberação consciente. IV. IDEOLOGIA E convencionalismo JURÍDICA p A teoria de Altman de obrigação legal é basicamente uma teoria do convencionalismo jurídico. Na sua opinião, as regras legais limitam por causa da existência de convenções de fundo. p Minha única briga com Altman, é que ele não toma a teoria da convenção colectiva suficientemente longe. Nem todas as convenções precisam ser voluntária [Eles são impostas pela ideologia]. Nós nascemos e socializados em um mundo já governado por uma série de convenções. A palavra "convenção" também pode sugerir uma idéia da funcionalidade. Algumas convenções existem porque eles ajudam as pessoas recebem cerca no mundo. p No entanto, nem todas as convenções são funcionais. Algumas convenções pode ser disfuncional, ou opressivo para certos grupos sociais. Finalmente, a idéia de funcionalidade sugere que as convenções coordenar o seu comportamento, quando as convenções de fato pode afetar a percepção eo sentido do mundo social que nos rodeia. No entanto, as convenções podem ser falsas. As atitudes racistas podem ser convencionais. A língua é um bom exemplo do tipo de convenção social. Esta conta do convencionalismo lingüístico obscurece o grau em que a linguagem molda a nossa realidade, a actos que idiomas como uma série de lentes que afetam o modo como percebemos os eventos sociais e atribuem [atribuimos] social-lhes o sentido. Tais práticas não só representam um "acordo" implícito sobre como se comportar, mas são formas de moldar a percepção, a realidade social eo sentido social. Nesse sentido, as convenções operar antes de escolher, antes de se comportar, antes de experimentar. Eles escolha da estrutura, de preferência, o desejo ea percepção. Se entendermos convenções para incluir não apenas os acordos querida ou implícita entre os atores sociais, mas também as formas pré-consciente do comportamento, o significado ea percepção, convencionalism jurídica assume um elenco totalmente diferente. É esta a interpretação do convencionalismo legal que eu gostaria de oferecer aqui. p Muito do que Altman atribui a "convenção" poderia facilmente ser chamado de "ideologia" ou da "construção social do sujeito" [Ver este ponto: a ideologia = construção social do sujeito]. A ideologia é de restrição. A ideologia não é um fenômeno homogêneo. Os sistemas de crença em si são simplesmente nunca conjunto de princípios e associações. É melhor pensar neles como contendo sistemas de princípios e associações, com algumas dominante e outro subordinado ou suprimido, mas mesmo assim presente. Assim, a heterogeneidade ea tensão estão sempre presentes no sistema. Página 6 de 12

7 p A ideologia é normalmente visto como uma fonte de indeterminação jurídica. Devido à influência de diferentes ideologias, os juízes de diferentes pontos de vista políticos tendem a discordar, e de juízes com posições extremas devem ser dissuadidos de inserir suas agendas políticas particulares nas matérias de direito. Mas eu sugiro que, precisamente o oposto é verdadeiro. A ideologia é uma fonte de grande grau de concordância entre os juízes e outros tomadores de decisão judicial. p Ao invés de ver a tomada de decisão não-ideológica, como a norma ea tomada de decisões ideológicas como a exceção, eu sugiro que é muito o contrário. V. duas escolas do CLS? p Quando Altman se volta para a teoria do CLS. Altman faz uma distinção entre "teoria" super-teoria [Unger] e "teoria" ultra-, que se identifica com o CLS "radicais". Super-teoria considera que existem estruturas sociais "que constrangem e canalizar o comportamento individual e pensamento e as atividades de rotina e pensamentos que ocorrem dentro do quadro". CLS ultra-teóricos não acreditam que existam estruturas sociais. p CLS teoria ultra: As normas jurídicas não podem limitar o comportamento individual, porque não há normas sociais pode nunca ter esse efeito. Mas, precisamente o oposto é verdadeiro. pensadores CLS estão vitalmente interessados na construção ideológica do mundo social, porque acreditam que a ideologia produz um quadro de pensamento que faz com que certas práticas sociais parecem naturais e normativamente superior quando na verdade eles são injustas e opressivas. Altman não ter plenamente em conta a construção social do sujeito implícito na Critical Legal Studies. p A alegação de que a construção social do sujeito produz a experiência de determinidade jurídica parece ter sido a posição dominante entre erudito CLS todo [que Altman não reconhece]. VI. Estruturalismo e da estrutura da doutrina jurídica p Assim como Altman não aprecia que os argumentos CLS socialmente construído assuntos, ele também não reconhece a metodologia específica que Kennedy usa para descrever e analisar a construção social-estruturalismo. Kennedy argumentou que a doutrina jurídica é caracterizada pela luta permanente entre dois modos opostos de retórica, que chamamos de individualismo e altruísmo. p argumentos individualistas enfatizar a liberdade pessoal eo direito a um comportamento auto-interessado, embora menos ênfase em relação aos outros; argumentos altruísmo enfatizar o auto-sacrifício e deveres e as responsabilidades devidas aos outros. Nenhuma doutrina jurídica é individualista ou altruísta por si só. É apenas relativamente individualista ou altruísta em relação a algumas outras doutrinas ou posição. Assim, a negligência é relativamente individualista em contraste com a responsabilidade objetiva, mas relativamente altruísta em comparação com nenhum dever. p. 32/33 - Um princípio básico do estruturalismo pela teoria Kennedy é que os artefatos culturais e eventos não têm significado em si mesmas. Pelo contrário, elas só têm significado dentro de um sistema ou estrutura de relacionamentos com outros artefatos culturais e eventos. Para os estruturalistas, o sujeito próprio do estudo não são coisas de uma cultura, mas a relação entre as coisas de uma cultura. Essas relações formam uma estrutura, portanto, [por isso], o "estruturalista" prazo. Em uma análise estruturalista diferenças, semelhanças e não, criar um significado cultural. p Não existem posições individualistas por ser. Há apenas uma posição relativamente individualista. Assim, podemos dizer que a doutrina jurídica é dupla face: a diferentes significados culturais emergem como é comparados e contrastados com outras normas legais que diferem de maneiras diferentes. Página 7 de 12

8 tintas Kennedy um quadro bastante diferente da lei. Ele sugere que, virtualmente, qualquer uma de nossas doutrinas jurídicas é compatível tanto com o individualismo ou o altruísmo. Altman, assim, vistas Kennedy como argumento inconsistente e que o direito pode ser individualista ou altruísta, dependendo de como o indivíduo escolhe a olhar para ela. (I) Em primeiro lugar, o individualista ou caráter altruísta da doutrina não é uma propriedade intrínseca da doutrina, mas emerge de sua diferenciação de outras doutrinas, real ou hipotética no sistema jurídico. Negligência pode ser sustentada por argumentos altruísta, porque pode se opor a nenhum dever, que pode ser sustentada por argumentos individualistas, porque pode ser oposta à responsabilidade objectiva, (II) Em segundo lugar, uma análise estruturalista sempre assume que os elementos culturais têm um significado independente de qualquer observador particular. A estrutura básica das diferenças que dá sentido à artefatos culturais é realizada em comum por diferentes indivíduos, um outro nome para esta estrutura é a ideologia. A estrutura das diferenças se existe uma determinada pessoa deseja que eles existem ou não. Cada escolha entre normas jurídicas, argumenta Kennedy, produz uma luta entre individualismo e altruísmo na medida em que em cada caso, uma alternativa é relativamente individualista e outra relativa altruísta. A estrutura preexistente de significados culturais, e não desejo particular de qualquer pessoa a ver o mundo dessa forma, garante este resultado. p Nós podemos ver o padrão de negligência como apoio às políticas individualista (quando contrastada à responsabilidade objectiva) ou como apoiar os altruístas (quando contrastado com nenhum direito). Esse é outro o caminho dizendo que a doutrina é Janusfaced. Mas isso não nega que a estrutura doutrinária é objetiva. [O hum Traz Autor Exemplo Interessante Desta Realidade AO discursar Sobre a Responsabilidade Objetiva / subjetiva fls como. 37/38]. p Essa é a idéia fundamental do estruturalismo - as coisas têm significado cultural, pois estão inseridas em um sistema de contraste e diferenciação [comparação]. Remover este sistema, e seus colapsos significado. p Cada instanciação concreta, seja a negligência, a liberdade de contrato ou propriedade privada, podem exemplificar tanto individualismo ou o seu oposto, o altruísmo, dependendo do contexto em que ela é considerada. Não existem formas de individualismo ou o altruísmo no céu. [Veja o exemplo da propriedade na página 39. Interessante] p estrutura doutrinária tem uma certa gestalt. É uma gestalt que vivemos, porque vivemos e pensar um sistema de significados culturais. Nós compartilhamos o entendimento comum. Altman não apreciar plenamente a construção ideológica de significado cultural. caracterização Altman da doutrina jurídica como apenas o que um indivíduo escolhe para ver. p Porque estruturalismo postula que o significado é produzido por um sistema de diferenças, ele localiza a fonte de significado não na mente humana individual, mas do próprio sistema, que é compartilhado, de alguma forma por todos os membros de uma cultura. Em vez disso, os estruturalistas são muito mais propensos a errar no sentido de reificação de anti-humanismo [ver nazismo] a acreditar que as estruturas sociais existem independentemente da mente individual e que a mente individual é em grande parte construídas e controladas por essas estruturas. VII. CONCLUSÕES p CLS bolsa tem tanto strucutralist e uma vertente subjetivista. A vertente estruturalista enfatiza a ideologia e as forças de construção social. A vertente subjetivista, ao contrário, centra-se na experiência dos indivíduos dentro de um sistema jurídico. Este elemento do CLS é escrito ou fenomenológica existencialista. Página 8 de 12

9 As abordagens subjetivistas e estruturalistas foram claramente opostas: a abordagem estruturalista [Visão] tenta explicar a vida social em larga medida independente do sujeito, enquanto que a abordagem subjetivista parece desvalorizar teorias estruturais pela primazia que dá à experiência pessoal e imediata a idéia existencialista associados que, dada a contingência de todas as disposições sociais e filosóficas, a escolha pessoal é o ímã só. Boyle concluiu: "cada uma das vertentes do CLS, por escrito, tanto contradiz e depende do outro". p O estruturalismo enfatiza os elementos objectivos da vida social, como a fenomenologia eo existencialismo enfatizar os subjetivos. Finalmente, entretanto, os elementos objetivos e subjetivos da vida social devem ser interdependentes, assim como diferenciados. teóricos sociais que não conseguem reconhecer isso tende a se envolver em uma das quatro formas de sobrecompensação: reificação, subjetivismo radical, o reducionismo próprio ou anti-humanismo. O perigo se aproxima do estruturalismo e do pósestruturalismo é anti-humanista apagamento do sujeito, enquanto o perigo de abordagens fenomenológica e existencialista é a ingenuidade [Inocência] ou subjectivismo radical. p A interdependência das formas subjetivas e objetivas da vida social. Altman acredita que o defeito central do Critical Legal Studies é a sua incapacidade para explicar como cada restrição é possível: na verdade o maior problema para os estudiosos CLS é explicar como autodeterminação individual e coletiva a reforma social nunca poderá ser alcançado. 2. DESCONSTRUCTIVE PRÁTICA E TEORIA JURÍDICA Embora Derrida é um filósofo, seu trabalho tem sido aplicado principalmente aos problemas da crítica literária, como resultado grande parte da literatura sobre a desconstrução é escrito por críticos literários e scholars.5 Adaptação da obra de Derrida e outros críticos literários para os problemas da segurança jurídica eo pensamento político não é, no entanto, tão difícil como pode parecer à primeira vista. Derrida está acima de todos os interessados na conexão (e erradas) entre o que queremos dizer e os sinais que usamos para expressar nosso significado. Em suma, ele está interessado na interpretação de textos, e que dificilmente é território estranho para os advogados, que passam a maior parte de seu tempo tentando entender o que os outros advogados disseram em textos legais. Por outro lado, explicando a prática desconstrutiva é nenhuma empresa de pequeno porte. Como muitos intelectuais franceses de sua época, Derrida foi educado na tradição da filosofia continental, cujas principais influências são Hegel, Husserl e Heidegger. Nenhum destes filósofos é conhecida pela clareza de exposição, e muitas vezes Derrida faz pouco melhor do que seus intelectuais predecessors.6 Por esta razão, vou tentar traduzir suas idéias em um formulário que pode ser mais facilmente entendida por aqueles familiarizados com a anglo- escolas americanas de filosofia. I. a inversão das hierarquias A. Metafísica da presença Descrito na sua forma mais simples, o projeto desconstrucionista envolve a identificação de oposições hierárquicas, seguido por uma inversão temporária da hierarquia. Assim, para usar o exemplo favorito de Derrida, se a história da civilização ocidental tem sido marcada por um viés em favor do discurso sobre a escrita, devemos investigar o que seria como se escrever fosse mais importante do que fala. Devemos tentar ver o discurso como um tipo de escrita, como última instância parasitária na escrita, como um caso especial de escrever, ao invés do contrário. Ao fazer isso, nós invertemos a posição privilegiada do discurso sobre a escrita, e substituir temporariamente uma nova prioridade. Esta nova prioridade não é para ser Página 9 de 12

10 permanente, pois pode ser revertida por sua vez, utilizando técnicas idênticas. A questão não é estabelecer um novo fundamento conceitual, mas sim para investigar o que acontece quando o arranjo dado, "senso comum" é invertida. Derrida acredita que obtemos novos insights quando a preferência em um texto é transformado em sua cabeça. B. Diferença e Trace Os três exemplos de privilégio que eu tenho dado tudo o que uma única característica em comum. Uma vez que a hierarquia do termo mais básicas sobre o termo menos básica é desconstruído, vemos que o termo mais básicos depende da base menor. Porque já sabemos que o termo menos básico depende da mais básica, acabamos fazendo a pergunta proverbial: 'O que veio primeiro, o ovo ou a galinha " Esta questão resume perfeitamente o que Derrida está tentando mostrar na desconstrução oposições hierárquicas. Ele não está tentando mostrar que estávamos errados em pensar que essa diferença depende da identidade, que o não-sério é dependente do sério, ou que a liberdade condicional depende de langue. E. Deconstruction and Ideology Although these issues seem metaphysical, we can translate Derrida's concerns into a legal setting.56 Legal doctrines both reflect and regulate social life. The choice of protected rights and of enforcement techniques reflect views, whether obvious or obscure, about social relations. Law tells a story about what people are and should be. II. A LIBERTAÇÃO DO TEXTO DO AUTOR Leituras A. e leitura errada conclusão de Derrida, que só existe "escrita", que não são apenas sinais e metáforas para ainda outros sinais e metáforas, tem conseqüências interessantes para uma teoria da interpretação. Essas conseqüências são importantes para os advogados, que estão muito preocupados com a interpretação de textos. leituras desconstrutivista, pelo menos no sentido usado no presente artigo, não demonstram que o pensamento jurídico é incoerente não mais do que demonstrar que todas as formas de prática centrada logo são incoerentes. Da mesma forma, as leituras desconstrutivistas não demonstram que o pensamento jurídico é mais irracional do que qualquer outra forma de pensamento logo centric. Pelo contrário, o que demonstra a desconstrução é a diferença entre o que é privilegiado e que está excluída do pensamento jurídico. A desconstrução, portanto, revela o caráter antinômico do pensamento jurídico, a caracterização que é preocupante em primeiro lugar, mas no final é a melhor descrição de nossa experiência real no uso de conceitos jurídicos. 3. Os maus, os bons, e os AUTO-SUFICIENTE Quando pensamos em muitas idéias famosas associadas fígado Justiça Wendell Holmes e com O Caminho da Lei, em especial, um dos primeiros que vem à mente é a sua famosa imagem do "homem mau." 1 Embora esta metáfora tenha sido um dos legados mais duradouros Holmes, foi também um dos seus mais preocupante também, pois sugere que as verdades mais profundas sobre a lei pode ser encontrado a partir da perspectiva de alguém que é "ruim". É uma coisa a dizer que a sabedoria vem da boca dos bebês, ou mesmo de tolos, é outra bem diferente é dizer que devemos olhar para o pior entre nós para a introspecção. I. "O Homem Mau" eo "homem bom" A referência ao "homem mau" no caminho da lei é bastante Página 10 de 12

11 breve. Ela chega perto do início do endereço, quando Holmes é que estabelece alguns princípios para o primeiro estudo desse corpo de dogma ou sistematizada previsão a que chamamos lei... "4. Imediatamente ele afirma que a lei o entendimento depende de uma nítida separação analítica entre o direito ea moral. II. O Self-Reliant individuais Nós parecemos ter chegado a um impasse. A famosa passagem que quase todo mundo tem considerado como uma declaração definitiva tanto do positivismo Holmes e sua teoria preditiva da lei acaba por prejudicar-se. A distinção entre as pessoas "boas" e "maus" não faz o trabalho que Holmes se destina. III. A Governação Self-Reliant físicas e jurídicas Neste ensaio, têm argumentado que se pode facilmente substituir o "homem mau" Holmesian com o indivíduo auto-suficiente sem perda. Com efeito, a substituição vem com ganho considerável. indivíduos auto-suficientes não incluem apenas os criminosos e egoístas, mas também pessoas como Thoreau, ou de John Brown, que decidem a violar a lei no interesse de que eles acreditam ser um bem maior. Para entender a lei, devemos levar em conta não apenas as pessoas que violam a lei por causa de motivos ímpios, nem insensível auto-interesse, mas as pessoas que violarem isto porque eles têm a coragem para enfrentar o que o resto de nós sabe que é injusto, e pessoas que violam porque julgá-lo incompatível com seus valores, se esses valores parece certo ou errado em nossos olhos. Talvez Holmes realmente quis dizer isso quando ele acompanhou sua referência ao "homem mau" por admitindo que "[a] lei é a testemunha eo depósito externo de nossa vida moral" e que "[a] prática de que, apesar de brincadeiras populares, tende a tornar bons cidadãos e bons homens. "53 Afinal, sabemos que Holmes era um estadista, e do estado, é claro, está sempre preocupado com a presença de muitos cidadãos auto-suficientes que questionam a sua autoridade. 54 Talvez por todos iconoclastia Holmes e seu desejo de choque que David Seipp oferece como a melhor maneira de entender o caminho da-lei Holmes manteve-se em uma raiz totalmente conformista convencional. 4. Transcendental Desconstrução, da Justiça Transcendente Um encontro significativo entre as duas partes não muda só ele mais fraco ou mais forte do partido, mas ao mesmo tempo. Devemos esperar o mesmo de qualquer encontro entre desconstrução e justiça. Pode ser tentador para os defensores de desconstrução da desconstrução a esperança de que iria oferecer novos insights sobre problemas de justiça, ou, mais ousadamente, afirmar que "a questão da justiça" nunca pode ser a mesma após a assimilação de conhecimentos desconstrutiva. Mas, como um desconstrucionista mim, eu sou naturalmente céticos de todos os pronunciamentos tão genéricas, mesmo - ou talvez especialmente - pronunciamentos sobre a utilidade necessária e bondade de prática desconstrutiva. Em vez disso, de forma desconstrutiva verdade, eu prefiro analisar como afirma desconstrucionistas "de que eles estão fazendo - que são muitas vezes recusado o nome de" teoria "ou" método "são estranhamente alterada por seu encontro com questões de justiça. Na verdade, como espero mostrar, quando desconstrução enfoca questões específicas e concretas da justiça, vamos descobrir que a desconstrução sempre foi algo bem diferente do que a maioria das pessoas achava que ele seja. A idéia-chave é que desconstrutiva iteratividade, ou a capacidade de ser repetida em novos contextos, os resultados na mudança. Página 11 de 12

12 No entanto, ao analisar como a repetição está ligada à mudança, devemos sempre ter em mente duas explicações possíveis, dois caminhos diferentes de explicação. As primeiras alegações de que o que nós entendemos mais tarde é realmente diferente de o original e é, portanto, uma melhoria ou uma apostasia. As alegações segundo que essa coisa repetida tem realmente sido sempre o mesmo; contexto, a nova tem apenas alterou o nosso entendimento de que, com a conseqüente melhora ou afastamento desse entendimento. I. A desconstrução e os temas da justiça A primeira conexão entre justiça e desconstrução que Derrida pretende demonstrar respeito à definição de quem é um assunto de justiça, ou seja, que podem ser tratados de forma justa ou injustamente. Ao longo da civilização ocidental, Derrida afirma que a categoria dos temas da justiça tem sido limitada. Desconstrução justiça promove, insiste ele, pois ele chama essas limitações em questão. II. Uma responsabilidade sem Limites A. O Infinito eo Indefinido Vamos continuar. Derrida postula uma segunda relação possível entre a desconstrução ea justiça - é "o sentido de uma responsabilidade sem limites." 46 Esta responsabilidade é "necessariamente excessiva, incalculável, antes da memória." 47 Desconstrução leva à justiça, pois revela a falta de limites da nossa responsabilidade. III. Falando na língua do outro terceira formulação de Derrida sobre a relação entre desconstrução e justiça observa as conexões etimológicas entre justiça e de atendimento. Para ser justo é ter responsabilidade, que é para responder ou responder por algo. Assim, Derrida fala de justiça como uma "demanda infinita". Em certo sentido, era inevitável que desconstrucionistas teria que repensar a relação da desconstrução com o assunto do momento em que começou a se preocupar com questões de justiça. A noção de responsabilidade para com os outros pressupõe pessoas que podem ser responsáveis. A idéia de uma demanda por tempo indeterminado pressupõe pessoas a quem esta demanda pode ser abordado. A tentativa de desconstruir os sistemas de direito ou de doutrinas jurídicas pressupõe a preocupação com as pessoas injustamente atingidas por eles. Finalmente, a concepção transcendental da desconstrução, inevitavelmente, nos leva de volta para o indivíduo. Para essa concepção de justiça não localiza como determinado, Idéia imutável no céu, mas como um valor ou uma vontade dentro da alma humana, daí a importância de prestar atenção à pessoa que possuir essa alma. Página 12 de 12

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

O QUE É A METAFÍSICA?

O QUE É A METAFÍSICA? Álvaro de Campos O QUE É A METAFÍSICA? O QUE É A METAFÍSICA? Na opinião de Fernando Pessoa, expressa no ensaio «Athena», a filosofia isto é, a metafísica não é uma ciência, mas uma arte. Não creio que

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

A EDUCAÇÃO ESPÍRITA. Roteiro 5. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas A EDUCAÇÃO ESPÍRITA Roteiro 5 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Indicar as diferenças existentes entre instrução e

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Manual de Regras. Modelo de debates

Manual de Regras. Modelo de debates Manual de Regras Modelo de debates Parte 1 Introdução 1.1. Formato do Debate 1.1.1. O debate será realizado por quatro duplas, cujos integrantes denominar-se-ão membros ou deputados, e será presidido por

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Resenha de Justice as Fairness: a restatement de John Rawls

Resenha de Justice as Fairness: a restatement de John Rawls Resenha de Justice as Fairness: a restatement de John Rawls Maria Clara Dias Centro de Ética e Filosofia da Mente Justice as Fairness 1 é antes de mais tudo uma defesa da unidade da teoria da justiça proposta

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO 1. Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Análise de discurso como ferramenta fundamental dos estudos de Segurança Uma abordagem Construtivista

Análise de discurso como ferramenta fundamental dos estudos de Segurança Uma abordagem Construtivista Análise de discurso como ferramenta fundamental dos estudos de Segurança Uma abordagem Construtivista Guilherme Frizzera 1 RESUMO A Análise de Discurso (AD) é uma ferramenta essencial para os estudos de

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Filosofia 11) Sobre a

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

A JUSTIÇA PELA PERSPECTIVA FILOSÓFICA

A JUSTIÇA PELA PERSPECTIVA FILOSÓFICA A JUSTIÇA PELA PERSPECTIVA FILOSÓFICA LEOPOLDO, Herick Berger 1. Resumo: Quando Aristóteles escreveu seu pensamento sobre a Justiça, ele partiu de premissas analíticas entre indivíduo e outro individuo,

Leia mais

O Trabalho de Família de Origem

O Trabalho de Família de Origem O Trabalho de Família de Origem Autora: Vânia Bastos Fonseca de Castilho CEFAC 1994 A vida da Família de origem é uma experiência poderosa para todas as pessoas e seu impacto não fica restrito à infância.

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

O Conflito como Sociação 1

O Conflito como Sociação 1 SIMMEL, Georg, O conflito como sociação. (Tradução de Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, pp. 568-573. ISSN 1676-8965. http://www.cchla.ufpb.br/rbse/index.html

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 90 min Ano: 2013 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. A diferença entre ação e acontecimento

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Como se estuda filosofia?

Como se estuda filosofia? Como se estuda filosofia? Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Filosofia 1. Introdução Estas breves notas visam ajudar os estudantes a estudar melhor. Muitas das indicações

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa Teatral (CIRT) em 1970, tem início

Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa Teatral (CIRT) em 1970, tem início 1 Peter Brook e o CIRT: os anos de ruptura Matteo Bonfitto Júnior Universidade Estadual de Campinas Palavras-chave: ruptura transculturalismo alteridade Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917)

A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) A Sociologia de ÉMILE DÜRKHEIM (1858 1917) Instituto de Filosofia, Sociologia e Política Disciplina: Fundamentos de Sociologia Prof. Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015 I CONCEPÇÃO DE CIÊNCIA

Leia mais

A Bíblia. J. Gresham Machen

A Bíblia. J. Gresham Machen 1 A Bíblia J. Gresham Machen Já observamos que o liberalismo moderno perdeu de vista os dois grandes pressupostos da mensagem cristã o Deus vivo e o fato do pecado. Tanto a doutrina liberal de Deus quanto

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ANDRÉIA BARCELLOS DIEGO MOREIRA FERNANDA OGASAWARA GIOVANNA TOMASI TEORIA NORMATIVA CURITIBA/PR Outubro/2009 CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

Teoria dos valores no direito:

Teoria dos valores no direito: Teoria dos valores no direito: para além do positivismo e do pós-positivismo Profa. Fabiana Del Padre Tomé 14/10/2014 Positivismo Conjunto de conhecimentos, de estudos de um valor universal, caracterizados

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais