CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º"

Transcrição

1

2 - -

3 CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral do Padre José Félix de Almeida, nesta Paróquia, é uma Fundação de Solidariedade Social que, como indica o seu nome, pretende homenagear aquele sacerdote pela obra sócioreligiosa que ele tem impulsionado e realizado. Tem a sua sede na Rua do Barro, Freguesia de São Bernardo, Concelho e Distrito de Aveiro. Artigo 2.º A Fundação P.e Félix é uma instituição da Igreja Católica, com duração por tempo indeterminado, com personalidade jurídica, tanto no foro canónico como no foro civil, e tem por objectivo apoiar as pessoas com reconhecidas carências económicas, procurando proporcionar-lhes as condições indispensáveis às necessidades no que se refere à alimentação, saúde, habitação, higiene, educação e cultura. A sua acção será exercida, principalmente, na Freguesia de São Bernardo. Artigo 3.º Para a concretização dos seus objectivos, a Fundação P.e Félix propõe-se: 1) Conceder subsídios às famílias ou pessoas carenciadas economicamente, procurando resolver as suas necessidades. 2) Contribuir para o pagamento, no seu todo ou em parte, das mensalidades dos utentes do Centro Paroquial de São Bernardo, com reconhecidas necessidades económicas. 3) Apoiar a formação de Agentes da Pastoral necessários às actividades sócio-religiosas da Paróquia de São Bernardo. 4) Contribuir para a conservação dos imóveis da Igreja afectos - 3 -

4 CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral do Padre José Félix de Almeida, nesta Paróquia, é uma Fundação de Solidariedade Social que, como indica o seu nome, pretende homenagear aquele sacerdote pela obra sócioreligiosa que ele tem impulsionado e realizado. Tem a sua sede na Rua do Barro, Freguesia de São Bernardo, Concelho e Distrito de Aveiro. Artigo 2.º A Fundação P.e Félix é uma instituição da Igreja Católica, com duração por tempo indeterminado, com personalidade jurídica, tanto no foro canónico como no foro civil, e tem por objectivo apoiar as pessoas com reconhecidas carências económicas, procurando proporcionar-lhes as condições indispensáveis às necessidades no que se refere à alimentação, saúde, habitação, higiene, educação e cultura. A sua acção será exercida, principalmente, na Freguesia de São Bernardo. Artigo 3.º Para a concretização dos seus objectivos, a Fundação P.e Félix propõe-se: 1) Conceder subsídios às famílias ou pessoas carenciadas economicamente, procurando resolver as suas necessidades. 2) Contribuir para o pagamento, no seu todo ou em parte, das mensalidades dos utentes do Centro Paroquial de São Bernardo, com reconhecidas necessidades económicas. 3) Apoiar a formação de Agentes da Pastoral necessários às actividades sócio-religiosas da Paróquia de São Bernardo. 4) Contribuir para a conservação dos imóveis da Igreja afectos ao sector social, bem como na aquisição e reparação dos equipamentos - 4 -

5 do seu Centro Paroquial. 5) Apoiar o funcionamento do Centro de Dia para Idosos, a cargo do Centro Paroquial. Artigo 4.º A organização e funcionamento dos diversos serviços e actividades da Fundação constarão de regulamentos internos, elaborados pela Direcção e aceites pelo Conselho Geral e pelo Bispo da Diocese. CAPÍTULO II DO PATRIMÓNIO, DAS RECEITAS E DAS DESPESAS Artigo 5.º O património da Fundação P.e Félix é constituído pelas ofertas, doações e outros donativos e valores a ele destinados. Artigo 6.º O património da Fundação P.e Félix é intocável, no sentido de não se poder, seja a que pretexto for, alienar, quer no todo quer em parte, excepto no caso de extinção da Fundação, pois nesse caso reverterão para a Fábrica da Igreja Paroquial de São Bernardo todos os bens que lhe tenham sido afectados ou doados por pessoas da Comunidade Católica de São Bernardo, com essa condição. Artigo 7.º A fim de atenuar, no património da Fundação Padre Félix, o efeito nocivo da inflação, à receita da Fundação será retirado, anualmente, um valor, para patrimonizar, duas vezes maior, em percentagem, que o valor da inflação desse ano. Artigo 8.º Serão receitas da Fundação P.e Félix os rendimentos do seu património, concretamente: juros de depósitos, rendimentos de obrigações, acções e outros títulos, e ainda outros valores que não se destinem especificamente ao património da Fundação

6 Artigo 9.º Serão despesas da Fundação: 1) Os subsídios previstos no Artigo 3.º destes estatutos. 2) As percentagens especificadas no Artigo 7.º. 3) As despesas de expediente e outras não especificadas, que não poderão exceder 5% das receitas totais. CAPÍTULO III DOS CORPOS GERENTES Artigo 10.º São Corpos Gerentes da Fundação P.e Félix o Conselho Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal, todos com mandatos de três anos. 1. Poderá também existir um Conselho Técnico para auxiliar a Direcção, se por esta for julgado conveniente, que terá funções consultivas, limitando-se a sua acção a informações ou pareceres técnicos sobre a melhor aplicação das verbas constitutivas do património da Fundação. Artigo 11.º O Conselho Geral é formado por: 1. Conselho Económico da Igreja Paroquial de São Bernardo. 2. Direcção do Centro Paroquial de São Bernardo. 3. Conselho Permanente da Pastoral Paroquial. 4. Todos os elementos, efectivos e suplentes, da Direcção e do Conselho Fiscal da Fundação P.e Félix. 5. Um grupo de dez pessoas indicadas pelo Pároco da Freguesia

7 O Conselho Geral é presidido pelo Pároco da Freguesia que escolherá um Secretário de entre os elementos do mesmo Conselho. Artigo 13.º 1. O Conselho Geral reunir-se-á ordinariamente na primeira quinzena de Março de cada ano para apreciação do Relatório e Contas da Direcção e do Parecer do Conselho Fiscal, relativos ao ano civil anterior. 2. O Conselho Geral reunir-se-á ordinariamente durante o mês de Outubro de cada ano, para apreciar e votar o Orçamento e Plano de Actividades apresentados pela Direcção e destinados ao ano seguinte. 3. O Conselho Geral reunir-se-á extraordinariamente sempre que convocado pelo Pároco, quer por sua iniciativa, quer a pedido da Direcção ou do Conselho Fiscal. 4. No terceiro ano do seu mandato, reunir-se-á também ordinariamente na primeira quinzena de Dezembro, para votar as listas da Direcção e do Conselho Fiscal para o novo mandato. Artigo 14.º Compete ao Conselho Geral: 1. Votar as listas das pessoas que hão-de constituir a Direcção e o Conselho Fiscal. 2. Propor ao Bispo da Diocese, para apreciação e posterior nomeação, os elementos constantes das listas indicadas em Apreciar e votar o Orçamento e Plano de Actividades para o ano seguinte. 4. Analisar e emitir pareceres, sempre que solicitados pela Direcção ou pelo Conselho Fiscal. 5. Enviar, em cada ano, ao Bispo da Diocese, o Relatório e Contas da Direcção e o parecer o Conselho Fiscal, dentro de quinze dias após a reunião anual ordinária do Conselho Geral, considerandose tudo sancionado, se dentro de oito dias nada for informado pelo - 7 -

8 Senhor Bispo. 6. Na sequência do número anterior, fazer publicar pelos meios ao seu alcance (afixação à porta da Igreja Paroquial e publicação no Jornal Paroquial se o houver), os documentos referidos, de forma que o povo tome deles inteiro conhecimento. Artigo 15.º 1. As listas das pessoas destinadas a constituir a Direcção e o Conselho Fiscal para o novo triénio, e a submeter à votação do Conselho Geral, serão previamente elaboradas pelo Presidente e Secretário do Conselho Geral, Presidente da Direcção e Presidente do Conselho Fiscal. O Presidente do Conselho Geral terá voto de qualidade. 2. Se as listas submetidas ao sufrágio directo e secreto dos elementos do Conselho Geral não conseguirem a maioria simples, repetir-se-á o estipulado no número anterior. Artigo 16.º A posse dos Corpos Gerentes, inclusive o novo Conselho Geral, serlhe-á dado pelo Senhor Bispo, satisfeito que seja o estabelecido no n.º 5 do Artigo 14.º. Artigo 17.º A Direcção será constituída por leigos. Dela farão parte três efectivos Presidente, Secretário, Tesoureiro e dois suplentes. Cabe ao Bispo da Diocese nomeá-los por proposta do Conselho Geral. 1. São elegíveis não só os elementos disponíveis do próprio Conselho Geral, como outros paroquianos que, previamente contactados, não recusem essa eventualidade. 2. Nenhum elemento da Direcção poderá ocupar o cargo mais que dois mandatos consecutivos. Artigo 18.º Compete à Direcção gerir a vida da Fundação, nomeadamente: 1. Promover a distribuição das receitas da Fundação em - 8 -

9 conformidade com o previsto no Artigo 3.º, dando satisfação, dentro do possível, às carências apresentadas pelo Conselho Económico da Igreja Paroquial, pela Direcção do Centro Paroquial e do Grupo Sócio- Caritativo da Paróquia, ou ainda directamente pelo necessitado, devendo, em todos os casos, analisar cuidadosamente as situações. 2. Manter em dia o inventário dos valores da Fundação. 3. Promover campanhas de angariação de fundos no sentido de aumentar o património da Fundação. 4. Elaborar e submeter à apreciação do Conselho Geral o Relatório e Contas do exercício de cada ano. 5. Elaborar e submeter à apreciação e votação do Conselho Geral o Orçamento e Plano de Actividades para o ano seguinte. 6. Facultar os livros de escrita, inventário do património da Fundação e outros elementos elucidativos da vida da Fundação aos Conselhos Geral e Fiscal, sempre que estes Órgãos os solicitem. 7. Constituir, anualmente, da receita da Fundação, um Fundo de Reserva, no valor de 20% do rendimento do património desse ano, destinado a satisfazer as solicitações de subsídios a conceder nos primeiros meses do ano seguinte. Artigo 19.º A Direcção reunir-se-á por convocatória do seu Presidente, quer por sua iniciativa, quer a pedido de outro elemento da Direcção, e também a pedido de qualquer dos presidentes dos Conselhos Geral e Fiscal. Artigo 20.º O Presidente da Direcção representará a Fundação em juízo e fora dele, podendo delegar noutro elemento da Direcção, se assim o entender e for aceite pelo elemento convidado. Artigo 21.º Dentro do espírito que deve animar uma Comunidade Paroquial, deverá existir entre a Direcção da Fundação e o Pároco - 9 -

10 da Freguesia uma permanente e actuante colaboração. Quando se notar que esta colaboração deixou de existir, o Bispo da Diocese tomará as providências que julgar necessárias. Artigo 22.º O Conselho Fiscal é formado por cinco elementos: Presidente, dois vogais e dois suplentes. Cabe ao Bispo da Diocese nomeá-los por proposta do Conselho Geral. 1. São elegíveis não só os elementos disponíveis do Conselho Geral, mas também outros paroquianos que, previamente contactados, não recusem essa eventualidade. 2. Nenhum elemento do Conselho Fiscal poderá ocupar o cargo mais que dois mandatos consecutivos. Artigo 23.º Compete ao Conselho Fiscal: 1. Exercer a fiscalização sobre a escrituração e documentos da Fundação, sempre que o julgar conveniente. 2. Assistir ou fazer-se representar por um dos seus membros às reuniões da Direcção, sempre que o julgar conveniente, mas sem direito de voto. 3. Informar o Presidente do Conselho Geral de qualquer anomalia verificada. Artigo 24.º O Conselho Fiscal elaborará, em cada ano, um parecer sobre os actos da Direcção e da vida da Fundação, parecer que estará presente na reunião ordinária do Conselho Geral a que se refere o n.º 1 do Artigo 13.º. Artigo 25.º O Conselho Fiscal é solidariamente responsável com os membros da Direcção, pelos actos por esta praticados, desde que se verifique ter havido negligência no cumprimento da sua acção fiscalizadora. CAPÍTULO IV

11 DISPOSIÇÕES DIVERSAS Artigo 26.º Os da Fundação P.e Félix poderão ser revistos, se tal for reconhecido por, pelo menos, dois terços dos membros do Conselho Geral e pelo Bispo da Diocese. Artigo 27.º A Fundação P.e Félix só poderá ser extinta por decisão do Bispo da Diocese, ouvindo previamente o Conselho Geral da Fundação, revertendo para a Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de São Bernardo todos os bens que lhe tenham sido afectados ou doados por pessoas da Comunidade Católica de São Bernardo ou por outras pessoas com essa condição. Artigo 28.º Poderá ser criada a Liga dos Amigos da Fundação que será constituída por pessoas singulares ou colectivas que se proponham colaborar na prossecução das actividades da Fundação, quer através de contribuição pecuniária para o seu património, quer do trabalho voluntário, e que, mediante proposta da Direcção, sejam aceites por maioria, pelo Conselho Geral, em votação secreta. Artigo 29.º Quando, no final de cada ano, se verificar a existência de saldo positivo que exceda o valor do Fundo de Reserva, previsto no n.º 7 do Artigo 18.º, todo o remanescente desse saldo a 31 de Dezembro é integrado no património, com data-valor a 1 de Janeiro do ano seguinte. Artigo 30.º A Fundação P.e Félix, como Instituição da Igreja Católica, está sujeita à acção orientadora e tutelar da Autoridade Eclesiástica. Sem prejuízo desta disposição, a Fundação deverá cooperar com os competentes serviços oficiais do Estado e Administrativos, bem como, com outras instituições particulares, no sentido de obter o mais alto

12 Rua do Barro, 24 - São Bernardo Aveiro Tel.: Fax: Tlm:

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres )

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres ) Regulamento Interno Capítulo I (Constituição e âmbito) Art. 1.º - O presente Regulamento Interno, tem como finalidade completar pormenorizadamente os Estatutos da ASTA Associação de Artes e Sabores do

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º 1. O Centro Social das Antas é uma associação pública de fiéis, também constituída em Instituição Particular de

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO - ARTIGO 1º - Natureza Jurídica A FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA é uma instituição particular de utilidade pública geral dotada de personalidade

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL Aprovados pelo CA em de 02-12-2008; pela CMS em 10.12.2008; pela AM em 29.12.2008 Escritura celebrada pelo Notário Privativo da CMS em 16.01.2009 Publicado

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ Associação Portuguesa para a Saúde Mental da Primeira Infância (versão corrigida de acordo com as indicações da Procuradoria da República) Artigo 1º 1 - Denominação e natureza

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO BENFICA. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza e Fins. Artigo 1º

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO BENFICA. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza e Fins. Artigo 1º ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO BENFICA CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza e Fins Artigo 1º A Fundação Benfica é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede no Estádio do Sport Lisboa e Benfica,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ADRL ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ESTATUTOS CAPÍTULO I Da associação ARTIGO PRIMEIRO Constituição 1 É constituída uma associação sem fins lucrativos, denominada ADRL Associação de Desenvolvimento

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO (Denominação e Qualificação) A FUNDAÇÃO ALENTEJO adiante designada apenas por Fundação, é uma Pessoa Colectiva

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

ESTATUTOS DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO CATÓLICO DA DIOCESE DE LISBOA CAPÍTULO I NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS PRINCIPAIS (OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO)

ESTATUTOS DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO CATÓLICO DA DIOCESE DE LISBOA CAPÍTULO I NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS PRINCIPAIS (OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) ESTATUTOS DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO CATÓLICO DA DIOCESE DE LISBOA CAPÍTULO I NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS PRINCIPAIS (OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) Artigo 1º Natureza, Denominação, Sede 1. A Associação

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins. Artigo 1.º

ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins. Artigo 1.º ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins Artigo 1.º A Associação... é uma instituição particular de solidariedade social com sede em...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A APPDAE - Associação Portuguesa de Pessoas

Leia mais

ESTATUTOS. Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07.

ESTATUTOS. Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07. ESTATUTOS Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07.99 ESTATUTOS Capitulo I Da Denominação, Sede, Ambito de acções e Fins Artigo

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A.

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. ESTATUTO DA SOCIEDADE.. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. CAPÍTULO I Da Firma, Tipo, Sede, Duração e Objecto Social ARTIGO 1.º (Natureza jurídica, denominação e duração) A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO CAPITULO I Denominação, âmbito, natureza e fins Artigo 1º- A FUNDAÇÃO SANTO ANTÓNIO, pessoa colectiva n.º 504142992, nestes Estatutos abreviadamente designada por Fundação,

Leia mais

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt Artigo 1º. Denominação, Sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO VALOR PEDRA, tem a sede na Estrada Nacional 4, km 158, Apartado 48 EC Borba, 7151-912 Borba,

Leia mais

Modelo de estatutos para associações de solidariedade social

Modelo de estatutos para associações de solidariedade social Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins Artigo 1 A Associação... é uma instituição particular de solidariedade social com sede em... Artigo 2 A Associação... tem por objectivos2...e o

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

FUNDAÇÃO ROTÁRIA PORTUGUESA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Membro Honorário da Ordem de Mérito Conselho de Administração

FUNDAÇÃO ROTÁRIA PORTUGUESA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Membro Honorário da Ordem de Mérito Conselho de Administração 1 ESTATUTOS DA F.R.P. CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINS Art. 1º 1. A Fundação Rotária Portuguesa (FRP) é uma pessoa colectiva particular de utilidade pública e de solidariedade social, instituída com carácter

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1. A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS Capítulo I Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.º 1. A.F.S.D. - Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência,

Leia mais

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Estatutos Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (APDM) é uma Sociedade Cientifica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I. Da denominação, sede, âmbito de acção e fins. Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I. Da denominação, sede, âmbito de acção e fins. Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPITULO I Da denominação, sede, âmbito de acção e fins Artigo 1º Denominação, sede e âmbito de acção 1. A Associação... é uma instituição particular de solidariedade

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DA LIGA PORTUGUESA DE FUTEBOL PROFISSIONAL

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DA LIGA PORTUGUESA DE FUTEBOL PROFISSIONAL ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DA LIGA PORTUGUESA DE FUTEBOL PROFISSIONAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1.º Denominação e Natureza Pela LIGA PORTUGUESA DE FUTEBOL PROFISSIONAL, ao

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS Estatutos aprovados em Acta de fundação em 4 de Janeiro de 2012 Alterações estatutárias aprovadas em 28 de Fevereiro de 2012 Publicados e disponíveis no site publicacoes.mj.pt

Leia mais

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação, sede e duração A Associação denomina-se Associação Cultural Sete Ofícios e é uma colectividade com sede na Rua de Santana, nº 659, Cobre,

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal,

Leia mais

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis ESTATUTOS ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 (Denominação, natureza jurídica, sede e duração) 1.1 A ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude

REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação Associação JB Juventude Barcarense, com sede social na Junta de Freguesia Rua Padre

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS

LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS ARTIGO 1º A LPDM - Centro de Recursos Sociais, anteriormente designada Liga Portuguesa dos Deficientes Motores, criada por despacho do Subsecretário de Estado da Assistência

Leia mais

Da denominação, natureza e fins

Da denominação, natureza e fins REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 153, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1967 Cria a Sociedade Beneficente da Assembléia Legislativa do Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE FERREL APROVADOS PELO DECRETO LEI N.º 119/ 83 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 ALTERADOS PELO DECRETO LEI N.º 402/ 85 DE

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL)

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL) ESTATUTOS E LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES DA (ASEL) ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Objectivos, Sede e Duração 1. A associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL),

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AJUDA HUMANITÁRIA INTERNACIONAL. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito, duração e objecto ARTIGO PRIMEIRO

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AJUDA HUMANITÁRIA INTERNACIONAL. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito, duração e objecto ARTIGO PRIMEIRO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AJUDA HUMANITÁRIA INTERNACIONAL Capítulo I Denominação, sede, âmbito, duração e objecto ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AJUDA HUMANITÁRIA INTERNACIONAL,

Leia mais

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito da acção e fins Artigo Primeiro A Associação para o Desenvolvimento de Miragaia, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Clube,

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS. Artigo 1º

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS. Artigo 1º CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS Artigo 1º 1. A Associação denominada Associação Recreativa Desportiva Cultural e Social da Malta, adiante designada por Associação, é uma instituição

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTA RAFAELA MARIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTA RAFAELA MARIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SANTA RAFAELA MARIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º Denominação e sede A Fundação Santa Rafaela Maria é uma Fundação de solidariedade social, criada pela iniciativa

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Clube de Canoagem de Ovar, com sede social na Rua Ferreira

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos Estatutos da Associação De Professores de Expressão e Comunicação Visual (Versão atualizada conforme as alterações efetuadas em Assembleia Geral no dia 14 de junho de 2013) Da Associação Artigo Primeiro

Leia mais

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação e Sede Social 1 - A Associação tem a denominação..., com sede social... A Associação tem como

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Capítulo I Constituição, Âmbito, Objecto e Atribuição Artigo 1.º (Denominação e natureza) É constituída por tempo indeterminado, uma associação

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

CONSEST, promoção imobiliária, S.A.

CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CAPITULO I Denominação, objecto e sede social Artigo 1º Denominação e sede 1. A Sociedade adopta a firma CONSEST Promoção Imobiliária, S.A., e tem sede na Av. Defensores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES. Estatutos

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES. Estatutos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES Estatutos CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1 É constituída uma Associação, de carácter científico, sem fins lucrativos, denominada

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO Capítulo Primeiro Denominação, sede e âmbito de acção Artigo Primeiro Denominação, Natureza e Duração A Associação adopta a denominação

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das

Leia mais

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO PRIMEIRO ARTIGO PRIMEIRO Denominação, natureza e duração Um A Associação adopta a denominação de Entrajuda Associação para o Apoio a Instituições de Solidariedade Social.

Leia mais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais ESTATUTOS C a p í t u l o I Princípios Gerais Artigo 1º - Denominação e Princípios Com a denominação de PCI Paramédicos de Catástrofe Internacional, constitui-se, como associação, por tempo indeterminado,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

Art. 3º A sua sede é em Lisboa, podendo, contudo, criar dependências onde for julgado necessário ou conveniente.

Art. 3º A sua sede é em Lisboa, podendo, contudo, criar dependências onde for julgado necessário ou conveniente. ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, nacionalidade, duração e sede da instituição Art. 1º A Fundação Calouste Gulbenkian, criada por Calouste Sarkis Gulbenkian no seu testamento de 18 de Junho de 1953, com que

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º 1- A Associação de Professores de Filosofia é uma associação portuguesa de professores ligados ao ensino da Filosofia,

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais