SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Dezembro 2013

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Dezembro 2013"

Transcrição

1 SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dezembro 2013

2 Atenção Básica Fundamentos e Diretrizes TERRITÓRIO LONGITUDINALIDADE COORDENAR A INTEGRALIDADE

3 O Início da Conversa O que há de SM na AB? A Política Nacional de Atenção Básica tem na Saúde da Família sua estratégia prioritária para expansão e consolidação da atenção básica. Cobertura Nacional da ESF: 52% Lógica (Ética) de Redução de Danos como diretriz na PNAB (2011) Equipes para populações específicas, em especial as Equipes de Consultório na Rua (90 ecr) Presença de psicólogos em 85% das equipes NASF no Brasil, além das demais categorias ligadas a SM NASF no Brasil (1498 municípios 1410 tem até 2 equipes implantadas 46 com NASF 3 implantados)

4 Frequência dos profissionais no NASF I & II (2013) Profissional Percentual de NASF I e II com o Profissional na Equipe PSICOLOGO 85,7 FISIOTERAPEUTA GERAL /LUDOMOTRICISTA CINESIOLOGO LUDOMOTRICISTA 85,3 NUTRICIONISTA NUTRICIONISTA SAUDE PUBLICA 82,1 ASSISTENTE SOCIAL 68,3 AVALIADOR FISICO ORIENTADOR FISIOCORPORAL / PREPARADOR FISICO / TECNICO DE DESPORTO INDIVIDUAL E COLETIVO EXCETO FUTEBOL / PROFESSOR DE EDUCACAO FISICA NO ENSINO SUPERIOR / PROFESSOR DE EDUCACAO FISICA NO ENSINO MEDIO / PREPARADOR DE ATLETA /TREINADOR PROFISSIONAL DE FUTEBOL FONOAUDIOLOGO 47,7 FARMACEUTICO BOTICARIO FARMACEUTICO COSMETOLOGO FARMACEU 41,9 MEDICO PEDIATRA 23,1 TERAPEUTA OCUPACIONAL 22,6 MEDICO GINECOLOGISTA E OBSTETRA 20,5 MEDICO PSIQUIATRA 7,7 PSICOLOGO DO TRANSITO PSICOLOGO SOCIAL 1,6 MEDICO HOMEOPATA 1 MEDICO CLINICO 0,4 MEDICO ACUPUNTURISTA 0,3 MEDICO VETERINARIO MEDICO VETERINARIO DE SAUDE PUBLICA ME 0,2 MEDICO GERIATRA 0,1 61,1

5 O Início da Conversa O que há de SM na AB? Os sofrimentos psíquicos mais frequentes na AB são: depressão, ansiedade, somatização e abuso ou dependência de álcool. No caso das psicoses, a Atenção Básica colabora com os serviços especializados para o reconhecimento precoce e acompanhamento dos casos. A formação generalista dos médicos e enfermeiros da AB facilita a integração entre o discurso da SM e o da AB na produção do cuidado integral. A ESF opera um modo ativo de intervenção em saúde, não esperando a demanda chegar para intervir, mas agindo sobre ela preventivamente, o que representa um instrumento de reorganização da demanda

6 Informações Preliminares PREVALÊNCIA : - HAS: 23% na população geral. - DM: 6,4%, na população geral. - Transtorno Mental Comum/Leve: 22,7-38% na população geral. - Transtorno Mental Severo: 9-12% na população geral. Dados MS / OMS (2011)

7 Expectativas da Formação para a AB Utilizar a AB como espaço de problematização clínica da loucura da vida cotidiana e da naturalização e banalização de questões promotoras de sofrimento psíquico; Discussão e incorporação de estratégias e ferramentas da clínica da SM para o cuidado integral na AB; Não estaremos discutindo somente a qualificação do diagnóstico em SM ou do encaminhamento para a equipamentos da Rede de SM; Estaremos discutindo o cuidado possível em SM realizado na AB, pelo ACS; A problematização do discurso das demandas específicas e das especialidades de SM na AB.

8 NASF Dispositivo privilegiado para discussão da Saúde Mental na AB; Equipes compostas por profissionais de diferentes áreas de conhecimento, que devem atuar de maneira integrada e apoiando os profissionais das ESF, compartilhando as práticas e saberes em saúde nos territórios, atuando diretamente no apoio matricial às equipes da(s) unidade(s) na(s) qual(is) o NASF está vinculado.

9 Apoio Matricial Dimensão pedagógica na gestão do trabalho; Se dá sobretudo em ato, nos encontros ; Pede porosidade, capacidade de afetar e ser afetado; Prática técnica e relacional; Pode ampliar a potência de pensar, de inventar, de (inter)agir, de cuidar.

10 Algumas Práticas Específicas do Matriciamento Discussão de casos clínicos; Atendimento conjunto; Capacitação sobre temas relevantes para as equipes (demanda explícita ou percebida/pactuada); Construção de protocolos com as equipes; Suporte na implantação/incorporação de novas práticas (ex: grupos terapêuticos e educativos, técnicas de escuta); Suporte na construção de projetos terapêuticos singulares; Suporte no manejo de questões do território.

11 Efeitos do NASF Integração da Rede de Atenção à Saúde e seus serviços (ex.: CAPS, CEREST, Ambulatórios Especializados, etc.), além de outras redes como SUAS, redes sociais e comunitárias. Revisão da prática do encaminhamento / responsabilização compartilhada. Contribui para a integralidade do cuidado principalmente por intermédio da ampliação da clínica. Aumento da resolutividade / capacidade de cuidado das equipes de saúde diante de necessidades individuais e coletivas, clínicas e sanitárias; - Alteração do lugar e da dinâmica das especialidades.

12 Acolhimento Compromisso ético, estético e político. Ética no que se refere ao compromisso com o reconhecimento do outro, na atitude de acolhê-lo em suas diferenças, dor, alegrias, modos de viver, sentir e estar na vida. Estética porque traz para as relações e encontros do dia a dia a invenção de estratégias que contribuem para a dignificação da vida e do viver e, assim, com a construção de nossa própria humanidade. Política porque implica o compromisso coletivo de envolverse neste estar com, potencializando protagonismos e vida nos diferentes encontros.

13 Qual o sentido destas reflexões para as práticas de produção de saúde? Os processos de produção de saúde dizem respeito, necessariamente, a um trabalho coletivo e cooperativo, entre sujeitos, e se fazem numa rede de relações que exigem interação e diálogo permanentes. Cuidar dessa rede de relações, responsabilizandose pela produção de relações. Afirmando, assim, a indissociabilidade entre a produção de saúde e a produção de subjetividades.

14 As Formações em Saúde A formação em saúde no Brasil não prepara os profissionais para o trabalho no SUS, de forma colaborativa (interdisciplinar) e territorializada. Foco em uma formação de caráter individualizado (clínico) e desconectado da lógica territorial e em rede.

15 O Agente Comunitário de Saúde Mediadores entre o saber científico e popular; Contato permanente com as famílias permite o trabalho de continuidade dos tratamentos; Incorporação do Discurso Científico no processo de trabalho. Função de elo entre o serviço e a população; Diferença entre elo e laço

16 Pontos para Discussão O território é o locus e conceito fundamental para o trabalho na AB e SM; A Clinica Protocolar instituída na Atenção Básica e a Clínica Artesanal que acontece na Saúde Mental; 50% das esf realizam de modo insatisfatório o cuidado a hipertensão de diabetes (PMAQ-AB 2012); Tradição da AB em se dedicar aos Programas (hipertensão, diabetes, saúde da mulher, criança e bucal...);

17 Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade

18 AMAQ

19 A equipe de atenção básica identifica e acompanha os usuários de álcool e outras drogas na perspectiva da redução de danos. n % , , , , , , , , , , ,5 Total ,0 0 5 : 57,8 % 6 10 : 42,2%

20 A equipe de atenção básica identifica e acompanha as pessoas com sofrimento psíquico de seu território. n % , , , , , , , , , , ,6 Total ,0 0 5 : 29,2 % 6 10 : 70,8%

21 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO EXTERNA PMAQ MÓDULO II

22 Qual a freqüência que a equipe recebe o apoio matricial? Abs. % Semanal Quinzenal Mensal Trimestral Semestral Sem periodicidade definida , , , , , ,55 Total ,00

23 O protocolo de acolhimento à demanda espontânea considera: Problemas relacionados à saúde mental Abs. % Sim 110 1,72 Não ,28 Total ,00

24 A equipe teve preparação para o atendimento dos usuários com transtorno mental? Abs. % Sim ,8 Não ,2 Total ,0

25 A equipe de atenção básica possui registro do número dos casos mais graves de usuários com transtorno mental? Abs. % Sim ,7 Não ,3 Total ,0

26 A equipe de atenção básica possui registro dos usuários com necessidade decorrente do uso de crack, álcool e outras drogas? Abs. % Sim ,8 Não ,2 Total ,0

27 Dados do SIAPES Agosto 2013

28 Percentual de usuários em cuidado compartilhado com equipes de outros serviços - Agosto ,0 10,0 8,0 6,0 4,0 3,5 2,5 2,3 2,0 1,3 0,4 0,5 0,2 0,8 1,6 0,8 0,2 0,6 0,0

29 Integralidade (Mattos, 2001) A Integralidade do olhar do profissional de saúde. Evitar a fragmentação dos sujeitos A Integralidade dos serviços no território. A forma como os serviços de saúde são organizados. Clínica e epidemiologia deveriam andar de mãos dadas A Integralidade das Políticas Públicas. Respostas governamentais a determinados problemas de saúde ou ás necessidades de grupos específicos

30 O Deslocamento Necessário Ao falar em SM na AB não se trata de acrescentar mais uma linha de cuidado ou tarefa a AB, mas sim incorporar na clínica da AB um olhar a questão da formação dos processos subjetivos que constituem os sujeitos, assumir a transversalidade na AB; Necessidade de transpor para a clínica na AB um deslocamento do cuidado ao transtorno mental (diagnóstico) para o cuidado ao sofrimento psíquico;

31 O Deslocamento Necessário Mais do que representar uma maior clareza dos diagnósticos é propor uma clínica guiada por intensidades. Abertura para reconhecer e valorizar os pequenos movimentos no processo de cuidado (Pequenas Vertigens - Rolnik); Fazer do cuidado espaço de produção de vida, em suas mais variadas formas. Produção Produção de do Relações Cuidado Produção de Vidas

32 Ofertas Atuais do MS - CAB de Saúde Mental; - Manual Sobre o Cuidado à Saúde Junto a População em Situação de Rua; - CAB NASF (Dez 2013); - Curso de ações de SM na AB para todos os ACS e téc. de enfermagem do Brasil (SGETS); - Curso de qualificação dos processos de trabalho para os profissionais de ecr (SGETS) ; - Curso de qualificação dos processos de trabalho para os profissionais do NASF (SGETS); - Comunidade de Práticas (DAB).

33 OBRIGADO!!! Contatos: CGGAB/ DAB/ MS tel: (61)

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Outubro 2013

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA. Outubro 2013 SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA Outubro 2013 ATENÇÃO BÁSICA Fundamentos e Diretrizes cuidado e gestão, democráticas e participativas, trabalho em equipe, populações de territórios definidos, com responsabilidade

Leia mais

APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO

APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO APOIO MATRICIAL NA ATENÇÃO BÁSICA PRÁTICAS DE APOIO EM REDES - O Apoio: função gerencial que pressupõe relação horizontal, desburocratizada, suporte, dimensão pedagógica na gestão do trabalho; - Se dá

Leia mais

NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA. Panorama Atual e Perspectivas

NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA. Panorama Atual e Perspectivas NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Panorama Atual e Perspectivas LINHAS GERAIS DA APRESENTAÇÃO -Aspectos Conceituais e Organizativos -Aspectos Normativos e Situação Atual dos NASF s no Brasil -Diretrizes

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA Pesquisa Nacional de população em situação de rua 71 municípios recenseados pelo MDS em 2007-2008: 31.922 moradores de rua. São Paulo (2003): 10.399 pessoas.

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários II Mostra Nacional de Saúde Família 01º a 03 de junho de 2004 Diretrizes da política de saúde mental do MS Redução Progressiva dos Leitos

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ficha Técnica Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Elaboradas online no site tagul.com Orientadora: Milena Coelho Fernandes Caldato Este Produto Educativo

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial

Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Área Técnica da Atenção Básical Gerência de Atenção à Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Vitória Organização da Atenção Básica no Município de Vitória: Equipes Ampliadas e Apoio Matricial Enfª Cláudia

Leia mais

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização:

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: 30 de Outubro de 2014. São Paulo S.P. A inclusão do Médico Veterinário no contexto institucional

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

INTRODUÇÃO. FIEP BULLETIN - Volume 85 - Special Edition - ARTICLE I - 2015 (http://www.fiepbulletin.net)

INTRODUÇÃO. FIEP BULLETIN - Volume 85 - Special Edition - ARTICLE I - 2015 (http://www.fiepbulletin.net) A PARTICIPAÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM NÚCLEO DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA: PROTAGONISMO PROFISSIONAL ALÉM DA APLICAÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA INTRODUÇÃO JEFERSON SANTOS JERÔNIMO Universidade

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Enfermeira Sandra Joseane F. Garcia Promoção da Saúde- Divisão de Vigilância Epidemiológica/SC. Divisão de doenças e Agravos

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Rio de Janeiro, 07 de dezembro de 2016. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Assunto: Diretrizes de

Leia mais

3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica

3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica 3º Ciclo do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) VI Fórum de Gestão da Atenção Básica Brasília, 23 de Outubro de 2015 PMAQ Objetivos e Características do Programa

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE NASF DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS

EXPERIÊNCIA DE NASF DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS apresentam EXPERIÊNCIA DE DO MUNICÍPIO DE BALNEÁRIO PIÇARRAS Experiência de Nasf do município de Balneário Piçarras Talita Vieira de Souza 100 % cobertura ESF Balneário Piçarras Atenção Básica 8 ESF Estratégia

Leia mais

Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial

Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial Oficina 5: Os desafios para sustentabilidade da RAPS - Rede de Atenção Psicossocial Loiva dos Santos Leite Secretaria Municipal da Saúde de Porto Alegre Julho/2016 SUStentabilidade da RAPS sob os aspectos

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL O ENSINO DO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM SAÚDE MENTAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Acadêmica :Amanda da Silva Alves Orientador: Alexsandro Barreto Almeida Águas Claras - DF 2016 Alexsandro Barreto

Leia mais

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos NOTA PEDAGÓGICA* MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Para refletir... Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos INTRODUÇÃO De acordo com Campos e Domitti (2007), os conceitos

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013 PARECER CREMEC N.º 26/2013 06/12/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 10924/2013 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DOS MÉDICOS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PARECERISTA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS.

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS. HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETE MELLITUS: UMA ANALISE DO ACOMPANHAMENTO REALIZADO PELA EQUIPE ESF DE BOM SUCESSO DO SUL Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio

Leia mais

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió -2012 Prof.: Rafael Azeredo 1. Pode-se classificar com Região de Saúde segundo o decreto 7508/11 a alternativa: a) Acordo de colaboração firmado entre entes

Leia mais

"Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS "Os desafios para a sustentabilidade das Redes de Atenção Psicossocial"

Leia mais

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG BETIM Localização: 30 Km de Belo Horizonte. É um dos principais polos de concentração Industrial

Leia mais

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA

MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA INTRODUÇÃO Neste Caso Didático vamos relatar a experiência de organização dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) de um município de grande

Leia mais

MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL MATRIZ DIAGNÓSTICA DA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REGIÃO: RRAS 2 MUNICÍPIOS: ARUJÁ, BIRITIBA MIRIM, FERRAZ DE VASCONCELOS, GUARAREMA, GUARULHOS, ITAQUAQUECETUBA, MOGI DAS CRUZES, POÁ, SALESÓPOLIS, SANTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 403/11 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei nº 9.716, de 07 de agosto de 1992, que estabelece a Reforma Psiquiátrica no âmbito

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais

Prezados(as) gestores(as),

Prezados(as) gestores(as), Prezados(as) gestores(as), Este boletim tem como objetivo trazer informações atualizadas sobre os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Apresenta o panorama nacional das equipes do Nasf, alguns dados

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental

Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental Atuação da Fonoaudiologia na Saúde Mental Dia: 04/05 Local: Anf. da Biblioteca Horário: 13 às 14h Apresentadoras: Caroline Pascon 4º ano Chrishinau Silva 2º ano Orientadora: Drª Fgaª Ariadnes Nobrega de

Leia mais

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL SAÚDE MENTAL NO SUS E OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Prof. João Gregório Neto 2013 REFORMA PSIQUIÁTRICA Ampla mudança do atendimento público em Saúde Mental, objetivando garantir o acesso da população

Leia mais

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ

Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ Ana Raquel Octaviano SMS Piraí - RJ POPULAÇÃO: 26.314 DISTRITOS: SEDE, ARROZAL, SANTANÉSIA, VILA MONUMENTO. (mapa) ÁREA TERRITORIAL: 505 KM² DENSIDADE DEMOGRÁFICA: 52,21 HAB/KM² 0,16% DA POPULAÇÃO DO

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Viver Sem Limite - Marco Legal Nacional e Internacional Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência (NY, 2007) Decreto Presidencial

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB)

Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB) Encontro Estadual de Apoio Matricial para Atenção Básica (NASF-NAAB) A experiência da implantação do Núcleo de Apoio à Atenção Básica (NAAB) no município de Muçum/RS. Porto Alegre, 24 de outubro de 2013

Leia mais

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011 PROGRAMA DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Contratualização

Leia mais

PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 2.027, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera a Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006, na parte que dispõe sobre a carga horária dos profissionais médicos que compõem as Equipes de Saúde da

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA - NASF. Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE PÚBLICA - NASF. Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE PÚBLICA - NASF Alexandre de Araújo Pereira Portaria:GM154 de 01/2008 Objetivos: 1. Ampliar o escopo das ações 2. Aumentar a resolubilidade da estratégia 3. Aumentar a integralidade das ações Atuação:

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Crack, é possível vencer Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/ :26:47

Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/ :26:47 Cartilha CosensV2.indd 1 17/04/2017 09:26:47 I. INTRODUÇÃO Secretários Municipais de Saúde O Conselho Regional de FISIOTERAPIA e TERAPIA OCUPACIONAL do Estado de São Paulo - CREFITO 3, tem a honra de apresentar

Leia mais

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Departamento de Regulação Secretaria Municipal de Saúde de Ubatuba regulacaoubatuba@gmail.com Francine França Tel: (12) 3834-2307 Nossa Cidade Localizada

Leia mais

REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO

REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO REDE SAUDE MENTAL SÃO BERNARDO DO CAMPO ARTICULAÇÃO COM ATENÇÃO BÁSICA Descentralização do Ambulatório de Saúde Mental para os 10 territórios da Saúde. Casos leves vem sendo inseridos nos programas de

Leia mais

Gestão e produção do cuidado

Gestão e produção do cuidado Ubatuba, abril de 2014 Gestão e produção do cuidado Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Saúde, ciência e cuidado Ao longo do tempo, em diferentes sociedades

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS

IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS IMPLANTAÇÃO DE SERVIÇOS CLÍNICOS FARMACÊUTICOS NA ATENÇÃO BÁSICA EM UMA REGIÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO FELIPE TADEU CARVALHO SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Região do Itaim Pta composta por dois

Leia mais

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS

XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS XXVI CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO REDES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO SUS MARÍLIA Março/2012 1 REGIONALIZAÇÃO NO SUS ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 1988: CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1990:

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Coordenação do projeto: Prof. Dr. Rafael Mendonça Dias Título: Atenção Integral

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR:

PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR: PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR: IMPACTO NA ASSISTÊNCIA À BEBÊS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZIKA VÍRUS E SUA FAMÍLIA EXPERIÊNCIA DE CAMPINA GRANDE - PB Maria Jeanette De Oliveira Silveira Mestre em Psicanálise

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO ADMINISTRATIVO I ADMINISTRATIVO II COMUNITÁRIO DE SAÚDE DE COMBATE A ENDEMIAS ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ATRIBUIÇÕES Executar tarefas auxiliares de escritórios e secretária envolvendo registros,

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS SUBPAV Coordenação Geral de Atenção Primária 1.0 Karen Athié Apoiadora Técnica Saúde Mental NASF e Consultório na Rua Como nasce essa ideia? Problemas de saúde mental sem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE 2. GRUPO OCUPACIONAL INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE NIVEL TÉCNICO

Leia mais

RELATÓRIO ANALÍTICO DA FOLHA DE PAGAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE MÊS DE SETEMBRO DE 2012

RELATÓRIO ANALÍTICO DA FOLHA DE PAGAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE MÊS DE SETEMBRO DE 2012 RELATÓRIO ANALÍTICO DA FOLHA DE PAGAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE MÊS DE SETEMBRO DE 2012 Organização: Instituto Apoiar Tabela 1 - Resumo da Folha de Pagamento

Leia mais

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das Redes Regionais da Atenção à Saúde nas regiões priorizadas pelo Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual da Saúde 2016 QUESTIONÁRIO REDE

Leia mais

GABARITO PRELIMINAR PROVA APLICADA NO DIA 22/11/2015

GABARITO PRELIMINAR PROVA APLICADA NO DIA 22/11/2015 CARGOS: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFESSOR POLIVALENTE (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ANO) D E E A D C A D D A B D D D B B B D D B C B C E D PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A D C B E A D

Leia mais

PORTARIA Nº 145, DE 11 DE JANEIRO DE 2017

PORTARIA Nº 145, DE 11 DE JANEIRO DE 2017 PORTARIA Nº 145, DE 11 DE JANEIRO DE 2017 Altera procedimentos na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS para atendimento na Atenção Básica. O Secretário

Leia mais

Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3

Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3 Tipo 1 Nível:SUPERIOR Cargo: ANALISTA CLÍNICO Tipo 2 Tipo 3 Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta Questão Resposta 1 D 41 NULA 1 E 41 NULA 1 A 41 NULA 2 D

Leia mais

VÁRZEA PAULISTA POPULAÇÃO:

VÁRZEA PAULISTA POPULAÇÃO: VÁRZEA PAULISTA POPULAÇÃO: 100.400 habitantes TERRITÓRIO: 36 Km2 DENSIDADE: 3 hab/m2 Fonte: IBGE/2007 EMANCIPAÇÃO: 1965 (anteriormente era bairro de Jundiaí) Localizada próximo a grandes centros como São

Leia mais

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 PORTARIA Nº 154, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL.

PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL. PSICOLOGIA, SISTEMA ÚNICO DE SAUDE E DIREITOS HUMANOS: RELATO DE UMA PSICÓLOGA SOBRE SUA ATUAÇÃO PROFISSIONAL. BARROS, Aline; RISSON, Ana Paula; GORCZVESKI, Jucilane. Resumo Apresentação: Este trabalho

Leia mais

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS

Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS Encontro Nacional da Rede de Nutrição no SUS - 2008 Nutrição na Atenção Básica uma visão integrada Michele Lessa Organização Pan-Americana de Saúde Brasília, 22 de abril de 2008 OPORTUNIDADES cenário atual

Leia mais

Tal vistoria foi uma demanda do Ministério Público do Estado de Pernambuco e teve como objetivo as demissões ocorridas após as eleições municipais.

Tal vistoria foi uma demanda do Ministério Público do Estado de Pernambuco e teve como objetivo as demissões ocorridas após as eleições municipais. Relatório de Fiscalização CAPS SÃO LOURENÇO MÁRTIR Rua Barão de Caruaru, 116 Muribara São Lourenço da Mata Telefone: não tem Diretor técnico: não tem Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento

Leia mais

Atividade Física na Atenção Básica. Paulo Sérgio Cardoso da Silva

Atividade Física na Atenção Básica. Paulo Sérgio Cardoso da Silva Atividade Física na Atenção Básica Paulo Sérgio Cardoso da Silva Sistema Único de Saúde Constituição Federal de 1988; Leis Orgânicas de Saúde (8.080 e 8.142 de 1990) Programa Saúde da Família (1994) Estratégia

Leia mais

Introdução

Introdução 1. 2. 3. 4. Introdução A estratégia Saúde da Família Os princípios organizativos da estratégia Saúde da Família A reorganização da Atenção Primária a partir da Saúde da Família Introdução A Atenção Primária

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM.

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM. HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO RESINDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE A RESIÊDNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE NA INTEGRALIDADE DA

Leia mais

Prefeitura de Natal-RN

Prefeitura de Natal-RN Prefeitura de Natal-RN Legislação do SUS 16. (Prefeitura de Natal-RN/Makiyama/CKM/2016) Ambiência na Saúde refere-se ao tratamento dado ao espaço físico entendido como espaço social, profissional e de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO REDA SEAD / SEPLAG EDITAL 002/2008. RECURSOS DA PROVA DE TÍTULOS Resultado da Análise

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO REDA SEAD / SEPLAG EDITAL 002/2008. RECURSOS DA PROVA DE TÍTULOS Resultado da Análise PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO REDA SEAD / SEPLAG EDITAL 002/2008 NÚMERO DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO RECURSOS DA PROVA DE TÍTULOS Resultado da Análise CARGO SITUAÇÃO DO RECURSO 94074 Assistente Social CAPS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO O CONCEITO ATENÇÃO BÁSICA A ATENÇÃO BÁSICA CARACTERIZA-SE POR UM CONJUNTO DE AÇÕES DE SAÚDE, NO ÂMBITO INDIVIDUAL E COLETIVO, QUE ABRANGE A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO

Leia mais

RESIDÊNCIA FARMACÊUTICA NO BRASIL. Vânia Mari Salvi Andrzejevski

RESIDÊNCIA FARMACÊUTICA NO BRASIL. Vânia Mari Salvi Andrzejevski RESIDÊNCIA FARMACÊUTICA NO BRASIL Vânia Mari Salvi Andrzejevski vaniasalvi@lpcc.org.br vmsalvi@ufpr.br BASE LEGAL Médica Decreto n 80.281, 1977 HC-UFPR RM iniciou década 60 Multiprofissional e em Área

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

MUNICÍPIO DE XANXERÊ SC CONCURSO PÚBLICO 01/2015 GABARITO DEFINITIVO

MUNICÍPIO DE XANXERÊ SC CONCURSO PÚBLICO 01/2015 GABARITO DEFINITIVO AGENTE EPIDEMIOLÓGICO 31B 32C 33D 34A 35B 36D 37C 38A 39B 40A ASSISTENTE ADMINISTRATIVO 31A 32B 33B 34D 35D 36A 37C 38B 39D 40C ASSISTENTE SOCIAL 31B 32B 33C 34C 35D 36A 37A 38D 39D 40C AUXILIAR DE SERVIÇOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA DESAFIOS DA APS E O PAPEL DO NASF BRASILIA Novembro, 2010 APS Saúde da Família Caracteriza-se

Leia mais

Manual Instrutivo. Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no. Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0

Manual Instrutivo. Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no. Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0 Manual Instrutivo Relatório de Atividades dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no Prontuário Eletrônico VERSÃO 3.0 RIO DE JANEIRO - 2015 Prefeito Eduardo Paes Secretário Municipal de Saúde Daniel Soranz

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE

PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM REDE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE Tatiane Pecoraro Psicóloga Coordenadora de Saúde Mental Salgado Filho -PR Caracterização do Município Município de

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Memórias de uma Vida

Memórias de uma Vida Secretaria Municipal de Saúde Pouso Novo RS GRUPO DE IDOSOS: Memórias de uma Vida Nutricionista Lilia Heck Gonçalves Fisioterapeuta Renate Scherer Brandt Agosto/2014 Município de Pouso Novo-RS Localização:

Leia mais

Farmacêutico em equipe multiprofissional

Farmacêutico em equipe multiprofissional Atuação clínica do Farmacêutico em equipe multiprofissional na Atenção BásicaB Lucas Bronzatto Silveira Farmacêutico especialista em Saúde da Família (egresso da Residência Multiprofissional em Saúde da

Leia mais

27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial

27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial 27º Seminário de Municipalização as Saúde Regionalização nas diferentes redes de atenção: COAP e Regulação Rede de Atenção Psicossocial A Experiência de Viamão/RS Sandra Sperotto Secretária Municipal de

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE RECIFE

A EXPERIÊNCIA DE RECIFE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE DO RECIFE NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL - NDI NÚCLEO DE APOIO A SAUDE DA FAMÍLIA - NASF A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à saúde.

Leia mais

Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente.

Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente. TÍTULO DA PRÁTICA: Atuação do Profissional de Educação Física no Nasf-1 Continente. CÓDIGO DA PRÁTICA: T83 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 (tópico A) Florianópolis é considerado

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS

Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS Redes de Atenção à Saúde no SUS Adriano de Oliveira DARAS/SAS/MS 12 de setembro de 2011 Articulação para Produção da Saúde RAS Assistência à Saúde Vigilância em Saúde Promoção da Saúde Vasos Comunicantes

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa

Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa Concurso Agentes Comunitários de Saúde 2 Etapa MÓDULO 1 O que é saúde? Determinantes em saúde Histórico do SUS Princípios Básicos do SUS Quem usa o SUS? MÓDULO 2 Os serviços de Saúde Redes de atenção a

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS.

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. DE DEPENDENTES QUÍMICOS CENPRE AO CRACK E OUTRAS DROGAS. O Centro Regional de Estudos, Prevenção e Recuperação de Dependentes Químicos - CENPRE é um programa permanente de extensão da FURG, tem como missão

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES

REFORMULAÇÃO DAS DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES DCNs O QUE O BRASIL ESPERA DAS NOVAS DIRETRIZES ABENFISIO Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia II ENCONTRO DE COORDENADORES E DOCENTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL

Leia mais

Programa nacional de melhorias do acesso e da sua qualidade na atenção básica (PMAQ)

Programa nacional de melhorias do acesso e da sua qualidade na atenção básica (PMAQ) Programa nacional de melhorias do acesso e da sua qualidade na atenção básica (PMAQ) PMAQ Iniciativa proposta pelo Ministério da Saúde para a qualificação do sistema de atenção básica Instituído pela Portaria

Leia mais

DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014.

DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014. DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014. O Prefeito Municipal do Município de Água Doce, Estado de Santa Catarina e a Coordenação dos Concursos Públicos e Processos Seletivos

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Coordenação do projeto: Prof. Dra Ana Paola Fare Prof. Dra. Flávia Helena Miranda

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NÚCLEO MICRORREGIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DAS LINHAS DE CUIDADO E EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA ATENÇÃO BÁSICA (NEPSmr) RELATÓRIO DE GESTÃO ATIVIDADES E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO NEPSmr - 2010 Município: Porto

Leia mais

Relatório de Concorrência Candidatos por Vaga

Relatório de Concorrência Candidatos por Vaga Relatório de 134.05 101 - AGENTE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO 105.68 102 - AGENTE DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 34.65 103 - AGENTE DE APOIO OPERACIONAL 4.20 104 - AGENTE DE COLETA DE LIXO 57.00 105 - AGENTE DE CONDUÇÃO

Leia mais