Confeccionador de Bolsa em Couro e Sintético

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confeccionador de Bolsa em Couro e Sintético"

Transcrição

1 Confeccionador de Bolsa em Couro e Sintético

2 Corte e Costura de Artefatos de Couro e Sintéticos SENAI-SP, 2010 Trabalho organizado, revisado e editorado pela Escola SENAI "Maria Angelina Vicente de Azevedo Franceschini" para o Curso de formação Continuada. Coordenação Luiz Francisco Rovere Organização Maria José Carneiro Avancini Revisão Domingos Panzarini Escola SENAI Maria Angelina Vicente de Azevedo Franceschini Rua Antonio Marcondes, 285 São Paulo - SP CEP Telefax (0XX11)

3 Sumário Couro 7 Introdução 7 Origens e aplicações 7 Camadas da pele animal 8 Composição química da pele 10 Regiões de uma pele 11 Elasticidade das peles 14 Tipos de peles 15 Classificação de couros 20 Controle de qualidade no setor de corte 22 Armazenamento do couro 27 Condições adequadas de armazenamento 28 Tecidos 29 Introdução 29 Urdume e trama 29 Classificação das fibras e fios 32 Não-tecidos 34 Reforços 36 Introdução 36 Recuperado de couro 36 Entretelas 37 Espuma 37 Sintéticos 39 Introdução 39 Laminados sintéticos 39 Origens e aplicações 39 3

4 Linhas e fios 42 Introdução 42 Linhas e fios 42 Obtenção das linhas sintéticas 46 Obtenção das linhas naturais 46 Processos equivalentes para fibras naturais e/ou sintéticas 47 Torção de linhas 48 Titulagem de linhas 49 Procedimentos para identificação das fibras de uma linha de costura 52 Adornos 54 Introdução 54 Adornos habituais 54 Matéria-prima dos adornos 56 Tratamento e acabamento de peças de adorno 57 Adesivos 59 Introdução 59 Conceito de adesivo 59 O processo de colagem 61 Formulação de um adesivo 64 Tipos de adesivos 65 Vida útil e tempo de estocagem do adesivo 67 Preparação de superfícies 68 Aplicação de adesivos 69 Materiais acessórios 71 Tintas 73 Introdução 73 Conceito de tinta 73 Componentes 73 Composição básica da tinta 74 O verniz 80 4

5 Solventes 81 Teoria geral das cores 82 Aplicação de tintas manual e mecânica 85 Máquinas 89 Introdução 89 Ferramentas 89 Máquinas 94 Outros tipos de corte automatizado 97 Máquinas de costura 99 Tipos de máquinas de costura e pesponto 99 Outros tipos de máquinas 103 Partes componentes da máquina de costura 104 Motor e acionamento 114 Limpeza e lubrificação de máquinas de costura 115 A Qualidade e você 119 Qualidaade invenção de japonê 120 Globalização da economia 121 ISO Série Simplificando o Trabalho 128 Método no trabalho 129 Perdas 130 Refugo 130 Retrabalho 131 Acidente zero, prevenção dez 133 Introdução 133 Conceituação de acidente de trabalho 134 Acidente de tabalho x acidente no trabalho 136 Consequências dos acidentes 139 5

6 Prevenir Acidentes é dever de todos 142 Introdução 142 O efeito dominó e o acidente 143 Atividades prevencionistas 145 Proteção coletiva X individual 148 EPI 152 Referências 153 6

7 Couro Couro Introdução Aqui é apresentada uma visão geral sobre o couro e sua manipulação no ambiente de uma empresa que produz artefatos em que ele entra como matéria-prima. O couro é apresentado como a pele curtida de animais com que se confeccionam bolsas, sapatos, cintos, carteiras, etc. Inicialmente o texto informa sobre a relação entre o couro e a vida do homem. Expõe pontos a respeito da estrutura do couro e das regiões de uma pele - ou couro. Mostra que cada região do couro curtido presta-se à produção de diferentes objetos, dependendo da finalidade que cada um deles tenha. Para isso examina ainda os tipos de pele existentes no mercado, sua classificação, defeitos que possam apresentar e o modo de armazenamento, de modo a não se deteriorar e estar sempre disponível em bom estado de conservação para o processo de produção. Origens e Aplicações A relação entre o homem e a pele de animais é muito antiga. O homem primitivo usava pele de grandes animais para deitar-se nelas, fechar as entradas das cavernas e vestia-se com peles de pequenos animais. Posteriormente, era utilizado para construir carroças, armaduras, escudos e depois, cadeiras, luvas, cintos, calçados. 7

8 O couro é considerado atualmente a matéria-prima mais nobre utilizada na indústria de calçados. Tem alto custo e certas empresas têm dificuldades para sua aquisição. Por isso e também por causa da tendência da moda e das exigências de venda do mercado, desenvolveram-se tecnologicamente outros tipos de materiais para confecção de calçados, como: laminados sintéticos, misto de couros, tecidos, etc. O couro é uma pele de origem animal, transformada em um material estável e imputrescível através do curtimento, para a confecção de calçados, por exemplo. O produto para curtir curtente - mais usado é o cromo. É chamado de pele o couro que, mesmo curtido, mantém os pelos ou a lã. Chama-se também de pele a camada que recobre o corpo de animais de pequeno porte, como cabra, porco, rã, etc. O couro bovino também denominado vacum é o mais empregado pelas indústrias. Entretanto, tem crescido a procura de couros suíno, caprino, eqüino, ovino e de outras espécies de animais como o jacaré, cobra, avestruz, rã, etc. Em alguns casos, de acordo com utilização do calçado, têm-se usado também materiais alternativos para apliques e adornos como bucho de boi e pés de galinha. Camadas da pele animal A pele é o revestimento externo do corpo dos animais. É formada por várias camadas e exerce ação protetora, além de várias funções fisiológicas, como as de regular temperatura do corpo e mantê-la constante. A pele do animal pode ser dividida em três partes: Camada superior: epiderme; Camada intermediária: derme; Camada inferior: hipoderme. 8

9 Observe no esquema abaixo cada uma dessas camadas e, a seguir, leia a explicação sobre cada uma delas: Epiderme Corresponde a pequena porcentagem de espessura de pele e é formada por várias outras camadas sobrepostas. Na epiderme encontram-se ainda pelos, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas, que são eliminados nas operações anteriores ao curtimento, como a depilação. Quimicamente é constituído basicamente de queratina que é um tipo de proteína insolúvel encontrada nos corpos de animais.. Derme É a camada de pele que será transformada em couro. É constituída por um entrelaçamento de fibras que permanece até o produto final. Podemos considerar a derme constituída de duas camadas: Camada superior, chamada de termostática. É composta por glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas e folículos pilosos. A camada superior é que define o desenho do couro. É submetida a tratamentos especiais, que vão dar suas características finais de acabamento. 9

10 Camada inferior, denominada reticular, por apresentar um entrelaçamento fibroso com aparência de rede. As fibras da derme são constituídas principalmente de colágeno mas nela estão também outras proteínas como elastina e a reticulina. Embora tenha resistência menor que a flor, pode receber tratamento e ser utilizada para a confecção de calçados ou artefatos. Hipoderme É o tecido subcutâneo que une a pele aos demais tecidos internos do animal. Na hipoderme encontram-se gorduras, vasos sangüíneos e nervos. Essa camada é eliminada durante o processo de produção do couro na etapa de descarne. Histologia É o ramo da biologia que estuda a estrutura microscópica normal de tecidos e órgãos. Composição química da pele A pele em vida, quando ainda está no animal, tem a seguinte composição química: 64% de água; 34% de fibras colágenas ( proteína fibrosa ); 2% de lipídios; 1% de sais minerais; 1% de proteínas globulares; 1% de outras substâncias. Quanto mais velho o animal, maior será a quantidade de proteína fibrosa e menor a de água. 10

11 Regiões de uma pele A pele foi dividida em regiões conforme suas características, quanto a: qualidade, espessura e elasticidade. Observe o esquema abaixo que mostra uma pele e sua divisão em regiões. Em seguida, leia a explicação sobre cada uma delas: Grupon É a região mais nobre de uma pele. É rica em fibras de colágeno, apresenta melhor entrelaçamento das fibras e consequentemente, menor elasticidade, melhor estrutura fibrosa e poucos defeitos. Nesta região devemos cortar as peças principais, visíveis da peça a produzir. Cabeça É a parte que no esquema encontra-se à esquerda e mostra a área correspondente ao pescoço. A cabeça da pele é formada pela cabeça do animal, seu pescoço e ombros. Apresenta menor espessura, maior rigidez e grande incidência de defeitos. Nessa região devem ser cortadas peças pequenas, não visíveis. 11

12 Flancos Flancos são os lados da pele. São compostos pelas patas, barriga e culatra. É a região mais pobre em fibras de colágeno e com menor entrelaçamento delas. Em geral, os flancos têm pouca espessua e necessitam de encorpamento com resinas específicas no recurtimento. Devem ser cortadas nos flancos, peças que não sejam solicitadas - forçadas - em seu uso. Consistência das fibras De modo geral, existe variação de espessura do couro em cada região de uma mesma pele por causa da variação da consistência das fibras. Nas regiões mais espessas, como grupon e culatra, existe maior consistência, ou melhor entrelaçamento das fibras. Observe na figura a seguir a variação de espessuras nas diferentes regiões da pele. Corte transversal de uma pele inteira Quando se planeja o corte de um artefato no couro, deve-se considerar a relação entre a função da peça e a resistência que a região da pele possui. Se houver necessidade de maior resistência, a peça deve ser cortada na região do grupon, por exemplo. Caso não haja necessidade de resistência, em outras regiões com menor entrelaçamento de fibras. As áreas de maior e menor resistência no couro dependem da tração exercida sobre ele devido à movimentação dos animais. 12

13 A figura abaixo apresenta regiões de uma pele sujeitas a diferentes níveis de tração. O número 1 indica a região de maior resistência. É a região que sofre menor tração - corresponde ao dorso do animal. Os números 3 e 4 são regiões de menor resistência pois sofre maior tração - correspondem a barriga e pernas do animal. Essas regiões num animal vivo distribuem-se do seguinte modo: 13

14 Elasticidade das peles Além da tração, outra característica do couro a ser considerada na fabricação de artefatos é o sentido da elasticidade de uma pele. A elasticidade varia de acordo com raça e idade do animal, tipos de curtimento, engraxe e acabamento. A elasticidade é um fator que influencia o aspecto e a qualidade de um produto com por exemplo as alças de uma bolsa. As peles, sejam de origem vacum, eqüina, caprina ou suína, têm o mesmo sentido de elasticidade. Observe na figura a seguir, como se orienta a elasticidade em cada parte da pele. O sentido da elasticidade relaciona-se com a movimentação dos animais: A elasticidade no couro varia em função da idade, da raça do animal e do manuseio da pele. Animais em fase de crescimento, por exemplo, fornecem couro de maior elasticidade, com o sentido de elasticidade disposto de maneira diferente. Observe o sentido de elasticidade no couro de um animal jovem: 14

15 É preciso sempre verificar os sentidos de elasticidade no couro para saber como orientar o corte de artefatos, coerente com sua função. Tipos de peles As peles de diferentes animais, que curtidas, são utilizadas para confeccionar calçados, bolsas, cintos, carteiras, etc, apresentam características específicas e estruturas próprias. As principais peles encontradas no mercado são: 1. Vacum; 2. Caprina; 3. Suína; 4. Eqüina; 5. Ovina; 6. Outras peles. 1. Vacum As peles vacum provêm de boi, vaca, touro, bezerro, terneiro etc. Este tipo de pele é mais utilizada em função de seu tamanho, propriedades físico-mecânicas - movimentação, além de seu baixo custo, em função de grande quantidade de cabeças de gado vacum espalhadas pelo mundo. As peles recebem diversas denominações conforme tratamento recebido. 15

16 Wet-blue: termo técnico oriundo do inglês, wet que significa úmido ou molhado; e blue que significa azul, que é a coloração de todo couro curtido ao cromo. A partir do wet-blue, o couro é transformado em semi-cromo, podendo receber qualquer tipo de acabamento. Os tipos de couro mais comuns derivados do wet blue, dependendo de seu acabamento, são: Atanado: é um couro curtido com taninos vegetais. Muito utilizado para confecção de artesanato, especialmente em produtos que tenham sua superfície ornamentada com pirogravura, perfuração e outros. Dentre as suas principais características estão: toque acartonado - com consistência de cartão, pouca resistência a rasgo, calor e luz, além de apresentar quase que exclusivamente acabamento anilina. Napa vacum: couro semi-cromo normalmente com acabamento anilina ou semi-anilina. É um couro macio, podendo receber várias estampas. Sua espessura é um pouco superior à napa vestuário. Anilina: denominação comum atribuída a couros semi-cromo com acabamento anilina. O acabamento é realizado sobre couros com flor integral, que recebem uma camada de corantes, que dão cor, deixando bastante visível a flor do couro. Semi-acabado: é um couro seco, que já passou por todas as etapas que envolvem fulões. No semi-acabado restam apenas as operações de préacabamento e acabamento. Semi-acabado pode ser tingido ou não independente do tipo de curtimento sofrido (cromo ou tanino). Nubuk: couro semi-cromo, tingido na cor, e que recebe um tratamento com lixas (primeiro lixa grão 220 para dar aspecto aveludado, e segundo: lixa grão 380 para homogeneizar o efeito escrevente). 16

17 Verniz: couro semi-cromo com grande intensidade de defeitos na flor, tendo assim sua flor corrigida através da lixa. Após pode receber uma película de PU com alto brilho, ou ainda receber uma densa camada de tinta pigmentada e lacas de poliuretano para conferir auto-brilho. Relax: couro semi-cromo que recebe uma forte estampa (tipo flor quebrada). Pode tanto receber acabamento semi-anilina, como pigmentado. Geralmente quando o acabamento é anilina, o efeito de flor quebrada é conseguido através de um intenso trabalho mecânico de fulão a seco, denominado então relax fulonado. Croco: couro semi-cromo, porém o mais acartonado. Pode receber qualquer tipo de acabamento, mas o que realmente o caracteriza é a gravação que pode ser feita nele e que imita a pele de jacaré ou crocodilo. Napa Vestuário: é um couro curtido ao cromo, que recebe um leve recurtimento ao tanino, podendo ter acabamento anilina ou semi-anilina. Apresenta espessura entre 0,8 a 1,2 mm, maior maciez e elasticidade que a napa vacum. Semi-anilina: denominação comum atribuída a couros semi-cromo com acabamento semi-anilina. Este acabamento é realizado sobre couros com flor integral, no qual recebe uma camada de corantes e pigmentos. Comparando com o couro anilina, não tem um acabamento tão transparente em função da adição de pigmentos à tinta. Estes pigmentos têm como função: uniformizar a tonalidade de toda a superfície, além de cobrir levemente a flor do couro. 2. Caprina As peles caprinas provêm de cabra, cabrito, bode, etc. Esta espécie de pele, em função de sua fina espessura e tamanho, excelente aspecto visual e alto custo, tem utilização em bolsas e calçados de primeira classe e confecção de pequenos artefatos. A pele de cabra também caracteriza-se por ter a camada flor ocupando a metade da espessura total da pele. 17

18 As peles caprinas recebem diversas denominações conforme tratamento recebido: Pelica: couro semi-cromo, com acabamento anilina de alto-brilho transparente. Este efeito é obtido por meio da aplicação final de emulsões de resinas protéicas com a caseína; Napa: couro semi-cromo de grande maciez e elasticidade, apresentando acabamento anilina ou semi-anilina; Camurça: diferencia-se dos demais tipos de couro e peles, pelo fato de ter valorizado seu lado carnal através de um tratamento especial com o uso de lixas que conferem um excelente aspecto visual. No entanto a camada flor ainda permanece intacta, o que proporciona maior resistência. 3. Suína As peles suínas provêm de porco, leitão, etc. Apresentam quase a mesma composição de fibras das demais peles. A diferença está no fato de que a raiz do pelo atravessa toda a pele, chegando até a carne. Em razão disso, é que até mesmo na raspa de porco, aparecem perfurações referentes aos folículos pilosos. As principais aplicações de pele suína são em: forro e vestuário. As peles suínas recebem diversas denominações, dependendo do tratamento recebido. 18

19 Porco flor: de cada pele suína é extraído um porco-flor, que é composto pela camada flor mais a parte externa da camada reticular. Em função disso, é de custo elevado. É utilizado quase que exclusivamente em calçados sociais e vestuário. Eventualmente essas peles podem receber um tratamento especial pelo lado carnal através de lixas, dando origem a camurça de porco. Raspa de porco: de cada pele suína extraem-se, em média, 3 raspas. As propriedades físico-mecânicas delas são inferiores às da porco flor, bem como o aspecto visual. A raspa de porco tem seu emprego dirigido à forração de bolsas sociais. 4. Ovina As peles ovinas provêm da ovelha, carneiro, cordeiro etc. É um tipo de pele que se caracteriza por apresentar a camada termostática com mais da metade da espessura total dela. Nessas peles também existe grande quantidade de tecido adiposo - gordura - situada abaixo da camada flor. Proporciona, deste modo, o desprendimento das duas camadas. As principais aplicações da pele ovina são em: pelegos, gamulã, chamois, encadernação. 5. Eqüina As peles eqüinas provêm de cavalo e égua. Esse tipo de pele apresenta estrutura semelhante à da vacum, porém na região das ancas a estrutura das fibras é compacta - fechada, dificultando a penetração de produtos químicos utilizados no seu beneficiamento. Essa região é denominada espelho. Observe na figura a seguir, a localização do espelho na área da pele. 19

20 Fonte: Tecnologia dos materiais. Formação Supervisores 1a linha CTC SENAI RS. As principais aplicações da pele eqüina são em calçados, vestuários e forros. 6. Outras peles Existem outras peles, que são utilizadas para detalhes em artefatos, artesanatos, bolsas e calçados, mas em escala comercial bem menor. Podemos citar, por exemplo, as seguintes peles e suas aplicações: Roedores (coelho e chinchila): peleteria, vestuário; Répteis (cobra e jacaré): artefatos, calçados; Anfíbios (rã): artefatos, calçados; Peixes (tilápia, cação): decoração, artefatos, vestuário; Aves (pé de galinha e avestruz): decoração, artefatos. Classificação de couros O processo de classificação de couros se inicia em alguns casos com o animal vivo, porém isto nem sempre é possível. 20

21 O que é feito geralmente como primeira atividade é uma pré classificação de acordo com a cor da pele. Peles com cores mais claras têm maior valor econômico para curtumes. Em seguida procede-se ao processo de conservação adotado em frigoríficos ou matadouros: salga à seco, salmoragem, salga e secagem, secagem ou resfriamento. Depois dessa primeira classificação as peles passam pelo processo de curtimento. O produto resultante desse processo é o couro denominado Wet blue. Essa denominação se deve às características do couro curtido, devidas ao cromo usado no processo, que são: seu tom azulado e sua manutenção sempre molhado. O Wet blue, é classificado novamente de acordo com espessura, tamanho, estado de conservação, etc. Dependendo da quantidade de defeitos que apresentar, recebe uma classificação que varia de 1a até 7a. Os couros de primeira já quase não são mais encontrados no mercado nacional. Essa classificação e o tipo de acabamento é que irão determinar o preço do couro depois de acabado. Existem empresas que trabalham com uma classificação intermediária. Usam o couro de 3a subdividido em 3a A, 3a B e 3a C, por exemplo. Em algumas indústrias é feita uma nova classificação assim que o couro chega ao almoxarifado. Essa classificação define a matéria-prima para uso em cada um dos produtos a serem fabricados. Em alguns casos pode até determinar a devolução de um lote comprado. As remessas de couros enviadas ao setor de corte são classificadas de acordo com o trabalho dos cortadores. A classificação é feita com a finalidade de agrupar couros com características semelhantes e assim obter melhor resultado quanto a aproveitamento do material e produtividade do cortador. Alguns dos critérios observados para essa classificação do couro em lotes individuais para cortadores são: 21

22 Espessura: A espessura do couro é controlada para verificar se está de acordo com as especificações estabelecidas; Aparência do couro: Num primeiro momento, deve-se verificar se a tonalidade do material recebido está em conformidade com as especificações do pedido. A seguir são verificados: a regularidade dos poros e o brilho do material. Então, o couro é agrupado em lotes de aparência semelhante para não haver diferenças de tonalidade; Tamanho do couro: Embora não ocorram grandes diferenças no tamanho dos couros de um mesmo lote, é aconselhável que a numeração maior da coleção de navalhas seja utilizada nos couros de maior área. Isso possibilita melhor aproveitamento do material; Defeitos: Os couros com maior incidência de defeitos devem ser distribuídos proporcionalmente nos conjuntos de couro de melhor qualidade. Nos couros com defeitos serão cortadas peças menores ou peças em que pequenos defeitos não tenham importância. Controle de qualidade no setor de corte O controle de qualidade, principalmente do couro, é feito durante todo o processo de produção - desde o setor de compras até a expedição do produto acabado. É uma tarefa necessária pois a qualquer momento podem ocorrer problemas com manuseio por pessoas ou com operações em máquinas. No setor de corte, por exemplo, o controle de qualidade é feito basicamente observando-se dois aspectos principais: Defeitos existentes na matéria prima e Técnicas inadequadas de operação. 22

23 Defeitos existentes na matéria prima Os defeitos apresentados nos couros geram grande depreciação deles e consequentemente dos produtos. Os defeitos normalmente são identificados na flor -parte superior - e não devem ser utilizados em locais visíveis nos produtos. Regiões do couro com defeito são utilizadas em partes do produto não visíveis como foles, interior de alças e lingüeta, como no caso de uma maleta como esta da figura a seguir: Observe, agora, no esquema a seguir, as diferentes regiões do couro e a incidência de defeitos sobre elas. 1º menor número de defeitos; 2º médio número de defeitos; 3º maior número de defeitos. Os defeitos que o couro apresenta podem ocorrer durante a vida do animal, oriundos da esfola mal conduzida, da conservação ineficiente ou inadequada, bem como de erros no processo de transformação das peles em couro pelo curtimento. 23

24 Dentre os principais defeitos encontrados nos couros, os mais comuns são: Cicatriz de Bernes; Riscos de arame; Carrapatos; Cortes de esfola; Veias e estrias; Marcas de fogo (identificação); Flor solta; Mosca do chifre; Material murcho; Flor trincando; Cores desiguais; Manchas; Espessuras desiguais; Queimados; Buracos; Granas desiguais (porosidade); Dobras e pregas; Flor ardida; Marcação de lote e classificação; Furos por aguilhões, espinhos, parafusos, lascas de madeira; Material ressecado; Flor enrugada. Cicatriz de Bernes: é causada por larvas que são depositadas na pele do animal, pela mosca berneira. Essas larvas desenvolvem-se no animal durante um período de 5 a 7 semanas. Causa lesões em forma de nódulos que podem ser vistas tanto na flor, quanto no carnal. A cicatriz de berne pode aparecer em qualquer tipo de couro. É um defeito que não desaparece durante os processos de fabricação. Carrapatos: são insetos artrópodes que sugam o sangue dos animais. Podem ser encontrados isolados ou em grupo, principalmente na região da barriga. Ele causa marcas semelhantes às do berne, porém suas marcas são visíveis somente na flor. É um defeito que não desaparece nos processos fabricação. Pode ser amenizado conforme o tipo de acabamento que o couro recebe. Mosca do chifre: deixam marcas semelhantes a um furo de agulha. São geralmente encontradas em grande quantidade nas áreas do lombo do animal são bastante freqüentes em animais provenientes das regiões do Paraná e Mato Grosso do Sul. Este tipo de defeito é visível somente do lado da flor do couro. 24

25 Veias e Estrias: marcas de veias correspondem a vasos sangüíneos aparentes no couro do animal decorrente do estresse antes do abate. Este problema é resolvido com o procedimento correto no momento do abate. Usase o banho gelado no gado para constringir os vasos sangüíneos e a sangria até o esgotamento de todo o sangue do animal. Marcas de estrias são mais comuns em peles de fêmeas e em animais com mais idade. São formadas por pequenos sulcos no couro. Esses defeitos podem ser notados tanto na flor como no carnal, principalmente na região da barriga. Riscos de arame, cortes de esfola e buracos: são decorrentes de procedimentos incorretos com o gado, tanto no pasto quanto no abate. Os riscos são causados principalmente pela utilização de arame farpado para a contenção do gado no campo, espinhos e galhos de árvore. Os buracos podem ser causados por: uso de grilhões pelos peões, ferimentos causados no transporte por parafusos e pontas de madeira, etc. Existem também marcas de cortes de esfola que são ocasionados por facas no momento de retirar a pele do animal e muitas vezes pode traspassar o couro. As marcas de corte de esfola quando não traspassam o couro deixam a região mais fraca. Por isso, deve-se evitar nessa região, o corte de peças que possam ser forçadas. Marcas de fogo: são utilizadas pelo proprietário para identificação dos animais. Esta marcação pode ser feita tanto com ferro quente como com ferro gelado - resfriado com nitrogênio, deixando uma cicatriz que pode ser vista tanto na flor como no carnal do couro. Geralmente é feita na região do grupon porque permite visualização. Isso, entretanto, contraria a legislação especifica que regula a marcação de gado porque danifica o grupon. Flor solta: é o desprendimento da camada flor da camada reticular, formando bolhas ou rugas. Pode ser causado por má conservação, por mau emprego de produtos químicos, ou ainda por excessivo trabalho mecânico em fulões ou máquinas de amaciamento. Outro fator que contribui para o surgimento da flor solta é a temperatura dos banhos, pois o calor diminui a resistência do couro. 25

26 Flor trincada: é o defeito causado por bactérias que durante a conservação enfraquecem a flor do couro. Pode ser ocasionado ainda por problemas decorrentes dos processos de secagem e amaciamento mecânico. Flor ardida: a flor do couro apresenta certa aspereza, causada por bactérias resistentes aos sais, que digerem a flor da pele já durante o processo de conservação. Pode ainda ser causada por depilação excessiva, pois além dos pelos a depilação começa também a dissolver a camada da flor. Flor enrugada: Este defeito é o mais comum em peles de animais velhos, devido a falta de elasticidade na pele. Também pode ser causado pela falta de estiramento da pele no processo de curtimento ou por uma secagem forçada em estufas. Dobras e pregas: são oriundos das etapas de processamento do couro que envolvem máquinas com cilindros como: rebaixadeiras, máquinas de enxugar, prensas, etc. Se o couro não passar por essas máquinas completamente esticado, sairá com dobras em sua superfície. Grana desigual: ocorre quando em uma mesma peça de couro são verificadas diferenças na porosidade: os poros têm tamanhos diferentes. Isso pode ocorrer durante o processo de estampagem do couro. Técnicas inadequadas de operação: os problemas mais comuns podem ser: 26

27 Modelos trocados; Peças com lados errados; Pinos e vazadores da navalha quebrados; Riscos de caneta; Piques nas navalhas; Corte chanfrado (manual); Navalhas com lâminas tortas; Sentido de estiramento da peça atravessado; Colocações inadequadas Aparelhamento de cores e grana (porosidade); Falta de peças; Riscos de caneta; Armazenamento do couro A guarda da matéria-prima na empresa para uso em momentos planejados para seu uso é trabalho da maior importância pois cuida de sua manutenção e preservação. Resguarda o couro de dano, decadência, deterioração, etc. Há setores na empresa que não têm grandes problemas com isso. O setor de corte de uma empresa, por exemplo, trabalha somente com quantidades de matéria-prima necessárias para cortar o que está definido numa ficha ou num plano de produção. Desse modo, esse setor não tem grandes problemas com armazenamento. Já no caso do almoxarifado, onde se deposita todo o couro para uso no momento devido, é necessário observar certos critérios de guarda e manutenção, de modo a evitar que a qualidade do couro acabado sofra danos e a empresa, prejuízos. Esses critérios dizem respeito a: Temperatura Oscilações na temperatura favorecem a migração de substâncias que não estejam muito bem fixadas no couro. Nessas condições de variação, as graxas por exemplo, são substâncias mais sensíveis a essa situação, vindo a depositar-se na superfície do material. Em caso de temperaturas mantidas altas pode ocorrer o ressecamento do couro dificultando o seu posterior manuseio no processo de produção. 27

28 Umidade Couros depositados em ambientes frios, quando transferidos para depósitos cujo ambiente tenha condições de temperatura e umidade mais elevadas, estão sujeitos à ocorrência de condensação da umidade sobre a superfície. Isso pode provocar ataque de fungos que produzem manchas no acabamento do couro. A ação dos fungos evolui até deixar a flor totalmente sem brilho. Ventilação Uma boa ventilação é sempre importante para homogeneizar a temperatura e principalmente a umidade. Luminosidade A iluminação proveniente de fontes luminosas diversas, pode provocar alteração nas cores dos couros, principalmente em couros de cor clara. Esta ação pode causar escurecimentos ou clareamentos, manchamentos e migrações. A fonte luminosa de ação mais forte, é sem dúvida, o sol. Outras fontes também atuam sobre a superfície do couro, mesmo que de forma mais branda. Deve-se evitar, na medida do possível, a incidência direta de luz sobre a superfície dos couros. Condições adequadas de armazenamento Para que o armazenamento seja satisfatório em termos de manutenção e conservação do couro, algumas condições básicas são necessárias. Nesse sentido, recomenda-se que: o couro seja acondicionado em prateleiras para evitar o contato com o solo; se evitem pilhas muito grandes. Isso amassa e marca a superfície do couro; os couros sejam sempre que possível, guardados em sua embalagem original. Quando não for possível, deve ser enrolado com o lado da flor - acabamento, para dentro, para evitar a ação da luz sobre suas cores. 28

Entretelas Coats Corrente

Entretelas Coats Corrente Entretelas Coats Corrente Introdução às Entretelas - O que é uma entretela? Entretela é um material aplicado em certas partes das roupas confeccionadas, com a função de encorpar e estruturar a peça, oferecendo-lhe

Leia mais

BIT - Boletim Informativo Torcetex

BIT - Boletim Informativo Torcetex INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por finalidade orientar nossos clientes, amigos e usuários de nossos produtos quanto a a aplicação e especificação dos produtos TORCETEX. Os produtos TORCETEX representam

Leia mais

Peças técnicas em feltro

Peças técnicas em feltro Peças técnicas em feltro A ARTE NA PRODUÇÃO DE PEÇAS TÉCNICAS DE FELTRO Nascida há mais de 50 anos, a Artenafex é hoje reconhecida como uma empresa especializada em buscar soluções para os mais diversos

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

Passível de atualizações/revisões. A revisão vigente estará sempre disponível no departamento comercial e/ou no site da empresa.

Passível de atualizações/revisões. A revisão vigente estará sempre disponível no departamento comercial e/ou no site da empresa. 1. OBJETIVO CRITÉRIOS DE QUALIDADE Definir o critério para classificação de tecidos em Primeira Qualidade e LD (Leves defeitos). Definir o critério para atendimento de reclamações por problemas de qualidade.

Leia mais

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras

Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Gaxetas de Fibras Sintéticas e Outras Quimgax 2030 Quimgax 2004 Quimgax 2017 Quimgax 2043 Quimgax 2044 Quimgax 2777 Quimgax 2019 Quimgax 2143 Quimgax 2153 Quimgax 2061 e 2062 As gaxetas de fibras sintéticas

Leia mais

Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida

Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida Olá!!! É um prazer tê-lo como cliente. Sua presença em nosso dia a dia, nos deixa mais motivados a buscar sempre um ótimo atendimento, entrega rápida e produtos com ótima qualidade. Nosso bom relacionamento

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

MANUAL DO TRANSFORMADOR

MANUAL DO TRANSFORMADOR MANUAL DO TRANSFORMADOR Acrílico Espelho Bérkel MANUAL DO TRANSFORMADOR ACRÍLICO ESPELHO BÉRKEL Os espelhos acrílicos Bérkel são leves e resistentes, e foram desenvolvimentos para um vasto campo de aplicações

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml.

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. O Limpador Lexol-pH é ideal para todos os cuidados necessários

Leia mais

Ciclo de Vida. Elastano

Ciclo de Vida. Elastano Ciclo de Vida Elastano A fibra é a menor parte visível de uma unidade de tecido, e é conhecida por ser muito longa para sua largura (que pode ser até 100 vezes menor). As fibras de tecido podem ser naturais

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Produtos A Salapronta possui uma rigorosa seleção de seus móveis, começando pela qualidade de madeiras maciças, placas de madeira, laminados e outros acessórios. Escolhendo sempre

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 2000/2010 é composto de: Casco (com ou sem tira refletiva), Suspensão (com ajuste simples ou com catraca), Tira de absorção de suor,

Leia mais

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO 11/07 297-05/00 072469 REV.1 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO DUAL ACTION ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800-6458300 Manual de Instruções Cortes curtos 1.Usando o pente de 12 mm (05)

Leia mais

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns!

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns! ANOS PRESENTE NOS EDIFÍCIOS + INTELIGENTES E MODERNOS Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alto padrão, elaborado com matéria-prima de excelente qualidade, tecnologia avançada e design exclusivo.

Leia mais

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca.

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Carlos Drummond de Andrade ORIGENS SUPORTE Antes do papel, o suporte da

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Manual Técnico Fibrapiso

Manual Técnico Fibrapiso Manual Técnico dos Pisos Laminados Fibrapiso O Fibrapiso possui um sistema de classificação, que estabelece requisitos práticos para áreas e níveis de utilização, indicando onde o piso laminado melamínico

Leia mais

EPIS Segurança do Jatista

EPIS Segurança do Jatista EPIS Segurança do Jatista Capacete de Proteção do Jatista - Fibra Azul 200.370.00992 PC 28642 Branco 200.370.00107 PC Capacete de proteção do Jatista fabricado em fibra com visor de vidro temperado e saída

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.010 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF - 02.010 MANUAL DE QUALIDADE - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VERSÃO 6 PAG: 1 / 7 Esta instrução tem por objetivo acrescentar especificações de conformidade aos controles atuais de rotina, estabelecendo padrões mínimos de qualidade para desenvolvimento de produtos,

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS ESTADO DO PARÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS ESTADO DO PARÁ 1. Dados Gerais da Licitação Número do Processo Licitatório PA 031/2016 Exercício 2016 Modalidade Tipo Objeto Registro de Preços Originário de Pregão Presencial Menor Preço Status Publicada Contratação

Leia mais

Curso Avançado de Vendas

Curso Avançado de Vendas Curso Avançado de Vendas Módulo 3. 2014 Av. Saburo Akamine, 1.555 Rio Claro SP 13504-505 A maior fábrica de estofados do Brasil Garantia Luizzi A garantia do estofado depende da sua correta utilização.

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Novembro/2005 Substitui: Julho/2005 Revisão 01 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D

Leia mais

Vanderlei Pereira de Oliveira Edson Pascoal Barizon. Não-Tecidos Higiênico Pessoal. Americana

Vanderlei Pereira de Oliveira Edson Pascoal Barizon. Não-Tecidos Higiênico Pessoal. Americana Vanderlei Pereira de Oliveira Edson Pascoal Barizon Não-Tecidos Higiênico Pessoal Americana FAM 2008 Vanderlei Pereira de Oliveira Edson Pascoal Barizon Não-Tecidos Higiênico Pessoal Trabalho de aproveitamento

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Capítulo 59 Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Notas. 1. Ressalvadas as disposições em contrário, a designação tecidos, quando

Leia mais

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por:

NR 06. Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: Página1 II - Proteção para os membros superiores: NR 06 Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: 1. Materiais ou objetos

Leia mais

Ciclo de Vida. Fibras de Aramida

Ciclo de Vida. Fibras de Aramida Ciclo de Vida Fibras de Aramida A fibra é a menor parte visível de uma unidade de tecido, e é conhecida por ser muito longa para sua largura (que pode ser até 100 vezes menor). As fibras de tecido podem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CONSTRUÇÕES RURAIS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk São tubos cerâmicos

Leia mais

ALGODÃO (CO) HISTÓRICO

ALGODÃO (CO) HISTÓRICO ALGODÃO (CO) HISTÓRICO O algodão é usado como fibra têxtil há mais de 7.000 anos, podendo dizer-se que está ligado à origem mais remota do vestuário e à evolução da produção de artigos têxteis. Por séculos,

Leia mais

Beneficiamento têxtil Prof a.. Mitiko Kodaira de Medeiros

Beneficiamento têxtil Prof a.. Mitiko Kodaira de Medeiros Beneficiamento têxtil Prof a.. Mitiko Kodaira de Medeiros Introdução Princípio Os produtos têxteis, fibras, fios e tecidos (principalmente os últimos), quando são produzidos, apresentam aspectos ligeiramente

Leia mais

IMPACTA CONTÁBIL S/S LTDA CNPJ: 07.792.378/0001-14

IMPACTA CONTÁBIL S/S LTDA CNPJ: 07.792.378/0001-14 1 2 REGULAMENTO TÉCNICO DE ETIQUETAGEM DE PRODUTOS TÊXTEIS NORMA BRASILEIRA I. Considerações Gerais 1. Para os efeitos do presente Regulamento, é considerado produto têxtil aquele que, em estado bruto,

Leia mais

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7

TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 TINTAS E VERNIZES MCC1001 AULA 7 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil DEFINIÇÃO: TINTAS

Leia mais

Linhas, Agulhas e Costuras

Linhas, Agulhas e Costuras Linhas, Agulhas e Costuras Normalmente as linhas de costura representam aproximadamente 2% do total do custo de produção. As empresas têm investido muito em maquinários e mão de obra, sendo que geralmente

Leia mais

LINHA AYTY. Roque Frizzo

LINHA AYTY. Roque Frizzo LINHA AYTY Roque Frizzo LINHA AYTY Roque Frizzo CONCEITO Espírito Coleção de móveis para jardim em madeira de eucalipto reflorestada certificada. É aqui que você vai descansar a mente e o espírito... Rústico

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material.

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material. Professora 1. Objetivos Gerais A partir do maior conhecimento do trabalho do professor, fazer com que os alunos percebam a importância de se trabalhar com papel e demais materiais reciclados. Outro assunto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

Além disso, conforme a estrutura do tecido, pode variar o tipo das costuras, ou em alguns casos pode ser previsto o friso

Além disso, conforme a estrutura do tecido, pode variar o tipo das costuras, ou em alguns casos pode ser previsto o friso O REVESTIMENTO Os nossos sofás podem ser revestidos em: Couro Microfibra Tecido Quando o sofá é revestido em couro (Fig. A) o número das suas costuras poderá ser superior em comparação ao mesmo modelo

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO EXTRUSÃO DE TUBOS E CANOS Tubos diâmetro inferior a 12,7mm (1/2 in) Materiais mais utilizados: PE e PVC (canos), PA, POM (tubos). corte Extrusora matriz resfriamento/calibração

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Resultados médios do Recouro

Resultados médios do Recouro LINHA 260 Resultados médios do Recouro tipo 260 280 290 espessura mm 3,00/4,00 3,00/4,00 3,00/4,00 Alongamento % DIN 53328 34,5 43 46 tração Kg/cm³ DIN 53328/1979 14,8 20 20 Massa específica aparente g/cm³

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL

PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL PRODUTOS DA LINHA PROFISSIONAL 1 Produtos da Linha Profissional Recomendações p/ se trabalhar com artigos Profissionais 3 Limpeza de Uniformes Profissionais 100% Algodão c/ Sujidade Leve 4 Limpeza de Uniformes

Leia mais

TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais

TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais Sobre a Kleen-Tex do Brasil A Kleen-Tex é uma empresa americana, fundada em 1967 em LaGrange, Georgia, EUA. Em 1970 a Kleen-Tex inventou o

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02 Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial 1. ARMÁRIO ALTO Armário com duas portas, revestido com laminado melamínico

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Trânsito de substâncias no corpo

Trânsito de substâncias no corpo A U A UL LA Atenção A voz do professor Trânsito de substâncias no corpo Nesta aula vamos produzir uma pequena revista. A partir das informações que irá recebendo, você vai escrever os textos (reportagens),

Leia mais

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial

IMACOAT VERNIZ UV. IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda. Página 1 de 8. : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Página 1 de 8 IMACOAT VERNIZ UV IMAGRAF Indústria de Tintas Gráficas Ltda Vendas : Rua D Oro, 201 Jd. Cruzeiro Distrito Industrial Mairinque SP Brasil CEP 18120-000 Telefone : (55+11) 4718 1745 Fax : (55+11)

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Abril/2008 Substitui: Julho/2006 Revisão 03 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D são

Leia mais

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações técnicas sobre tipos de fios para tecelagem de tecidos utilizados para uso em forros de bolsos de calças jeans.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações técnicas sobre tipos de fios para tecelagem de tecidos utilizados para uso em forros de bolsos de calças jeans. RESPOSTA TÉCNICA Título Fabricação de produtos têxteis Resumo Informações técnicas sobre tipos de fios para tecelagem de tecidos utilizados para uso em forros de bolsos de calças jeans. Palavras-chave

Leia mais

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998

Dados Técnicos AgoAg Junho / 1998 Fitas VHB Dupla-Face de Espuma Acrílica para Construção Civil Fita Dupla-Face de Espuma Acrílica Cinza - 4972 Dados Técnicos Julho/2011 AgoAg Junho / 1998 Substitui: Novembro/2005 Descrição do Adesivo

Leia mais

Capacetes de Segurança 3M H-700

Capacetes de Segurança 3M H-700 Capacetes de Segurança 3M H-700 CA 29.637 (versão c/ ventilação) CA 29.638 (versão s/ ventilação) DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 3M H-700 é composto de: Casco ventilado ou sem ventilação (ambos

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda.

Atualmente é Sócio Proprietário da DIGITALBRAIN Consultoria e Treinamento Ltda. Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização em Embalagens nos U.S.A. e Alemanha, vem atuando no mercado de embalagens desde 1976 em empresas

Leia mais

Correspondência NCM X CNAE Classe 2.0 dos produtos desonerados pela Lei 12.546/11/2011 - art. 8º com as alterações da MP nº 563/2012.

Correspondência NCM X CNAE Classe 2.0 dos produtos desonerados pela Lei 12.546/11/2011 - art. 8º com as alterações da MP nº 563/2012. Correspondência NCM X CNAE 2.0 dos produtos desonerados pela Lei 12.546/11/2011 - art. 8º com as alterações da MP nº 563/2012. NCM 2007 DESCRIÇÃO NCM 2007 39262000 Vestuario e seus acessorios, de plasticos,

Leia mais

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção.

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção. Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes Defeitos de Pintura, prevenção e correção. Para garantir maior produtividade e qualidade total na aplicação de tintas e vernizes

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA s.f. Ato ou efeito de pintar. Camada de recobrimento de uma superfície, com funções

Leia mais

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951

tecidos e Fitas Técnicas Aramtex Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 TC 600S e TC 600RT Termoceram 920 e 930 Termovid 901 e 951 Tecidos e Fitas Técnicas tecidos Aramtex AR 443ACE Aramtex AR 580T, AR 580S e AR 580RT Termoflex 610 e Termoflex HT Termovid 910N, 1000 e 1600 ThermoCarbon TC 600S e TC 600RT Termoceram 1200 e 1600 Os

Leia mais

ORIGAMI Manual de conservação

ORIGAMI Manual de conservação R e s p e i t a r o s l i m i t e s d e p e s o. T r a n s p o r t a r c o m c u i d a d o. TECIDO S LIMPE SEMANALMENTE A POEIRA DEPOSITADA SOBRE O TECIDO COM UM ASPIRADOR DE PÓ E REALIZE UMA ESCOVAÇÃO

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO Filmes Tubulares Espessura menor que 0,4 mm - Materiais típicos: PEAD, PEBD, PP e PVC - Estiramento ascendente e descendente Filmes Tubulares 1. Extrusoras 2. Matriz e refrigeração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 Aquisição de Equipamentos de Proteção Individual - PLANTEQ/2012 1. JUSTIFICATIVA A presente aquisição justifica-se pela necessidade de atender a demanda do Projeto PLANTEQ /2012,

Leia mais

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II

PINTURAS EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURAS EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II PINTURA EQUIPAMENTOS USUAIS PARA APLICAÇÃO DA PINTURA Ferramentas para PREPARO

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC

FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC FICHAS REFERENCIAIS UNIFORMES SENAC RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA CAIXAS - CONTACT CENTER - BIBLIOTECA FEMININO - INVERNO 01 RECEPÇÃO - SECRETARIA ESCOLAR - CENTRAL DE MATRÍCULA

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013

PREGÃO PRESENCIAL (SRP) Nº 56/2013 1 2 AVENTAL EM RASPA INTEIRO Avental de proteção confeccionado em raspa de couro, com emendas, com altura de 1,00m e largura de 0,60m. AVENTAL IMPERMEÁVEL Avental de segurança tipo frontal, em Trevira,

Leia mais

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços.

Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. 1/7 I FINALIDADE Definir critérios de Segurança e Medicina do Trabalho. a serem exigidas das prestadoras de serviços. II ABRANGÊNCIA Todas Prestadoras de Serviços contratadas pela CERON. III PROCEDIMENTOS

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Introdução Centenas de caixas de vapor foram instaladas no mundo inteiro em todo tipo de máquina de papel e celulose desde a década de 1940. As primeiras

Leia mais

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula.

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula. Polias e correias I A UU L AL A O número de rotações por minuto (rpm) executado por uma furadeira de coluna não estava compatível com a necessidade exigida pelo trabalho. O número de rotações desenvolvido

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis.

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis. ARREPIAMENTO O solvente do produto recém aplicado ataca o acabamento anterior causando, enrugamento, arrepiamento ou franzimento do filme de tinta, devido a: Repintura de esmalte ou poliuretano não totalmente

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais