Marco Lógico do Projeto de Saúde Bucal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marco Lógico do Projeto de Saúde Bucal"

Transcrição

1 Marc Lógic d Prjet de Saúde Bucal

2 Marc Lógic d Prjet de Saúde Bucal A) Intrduçã O Marc Lógic é um instrument gerencial utilizad na avaliaçã de prjets e prgramas sciais. É cmpst pr uma matriz na qual se relacinam bjetivs, metas, indicadres, fntes de verificaçã, riscs, insums, prduts e atividades. Fi desenvlvid na década de 70 pela Agência Nrte-Americana de Cperaçã (USAID) para respnder a três prblemas cmuns em prjets sciais (Adulis, 2001): Os plans ds prjets careciam de precisã e cntinham múltipls bjetivs que nã estavam relacinads cm as atividades d prjet; Dificuldade de determinar alcance da respnsabilidade ds gestres n cas de insucess de prjets; e Puca clareza sbre s resultads esperads d prjet, dificultand a pssibilidade de cmparaçã e avaliaçã. Atualmente, várias agências de cperaçã internacinais se utilizam d marc lógic, especialmente para ter um cntrle mair sbre a eficácia ds prgramas que apóiam, u seja, para que a variaçã ds custs financeirs, humans e de infra-estrutura prevists e utilizads seja a menr pssível. Os elements da matriz estã assim definids: Objetiv Geral também chamad de bjetiv de impact, representa a situaçã de lng praz que prgrama u prjet quer alcançar. Está atrelad a que se quer medir, quê, quem, cm. Pde-se verificar e incluir as características d perfil d públic atendid pela intervençã. Nã pde ser nem tã geral e extern à atuaçã d prgrama, nem tã específic, a pnt de estar restrit a uma ferramenta u cmpnente d prgrama.

3 Objetivs Específics - Representa s efeits direts que se desejam alcançar cm um prjet u um prgrama. Estã ligads às respnsabilidades ds gestres envlvids n prcess. Se referem a quem faz e cm mensurar. Estabelecem vinculaçã hrizntal cm s utrs elements d marc lógic. Pdem ser estruturads de acrd cm s cmpnentes d Prgrama. Em cas de dúvida, nã devem ser incluíds n marc lógic, pis cada bjetiv específic gerará metas e indicadres específics que serã mnitrads e avaliads, aumentand cmprmiss para s gestres e alterand as análises avaliativas psterires da intervençã. Metas - Representam a quantificaçã e estã ttalmente vinculadas a seus bjetivs específics. Prjetam a elabraçã ds indicadres. Sugere-se nã estabelecer metas qualitativas, em um marc lógic, vist a sua natureza avaliativa. Ou seja, uma meta qualitativa u relativa estará atrelada a um indicadr qualitativ. Indicadres - Os indicadres indicam parcial u ttalmente a medida em que uma meta é alcançada. Fntes de Verificaçã sã frmas de verificar a execuçã ds indicadres. Riscs representam s prblemas que pdem dificultar a utilizaçã das fntes de verificaçã ds indicadres estabelecids em um marc lógic. Insums - Sã tds s recurss humans, financeirs, materiais e rganizacinais que, cmbinads através de atividades, levam à btençã ds prduts. Nã pdem ser estabelecids pr verbs. Atividades sã aut-explicativas, materializam prcess entre insums e prduts. Prduts - sã as ações realizadas, s resultads direts das atividades de um prgrama. Assim cm s insums, nã sã dispnibilizads pr verbs. Exs: curss realizads, planejament realizad, cnsultres capacitads

4 A crreta elabraçã de um marc lógic pede ainda a atençã a alguns ingredientes fundamentais: 1) Envlviment ds gestres - a participaçã ds gestres envlvids n prgrama, tant da unidade matricial quant das unidades de análise que embasarã as ferramentas avaliativas. Cnsiderar apenas a experiência d crp diretr u de crdenaçã pde restringir e camuflar indicadres e utrs pnts relevantes das unidades de análise da intervençã, trnand instrument restrit e enviesand tdas as cinc ferramentas psterires d prcess avaliativ: a elabraçã das ferramentas de avaliaçã, a pesquisa avaliativa ex ante e ex pst, e as análises financeira, ecnômica e scial. 2) Lógica hrizntal - n marc lógic, s elements estã vinculads especialmente em uma lógica hrizntal, e nã vertical. Iss quer dizer que as metas determinadas estã atreladas ttalmente as seus bjetivs - geral u específics pr sua vez, s indicadres estã vinculads a suas metas específicas, assim cm s meis de verificaçã estã atrelads as indicadres e s riscs as meis de verificaçã. O únic atrelament vertical está na vinculaçã ds bjetivs específics cm geral, vist que representam s efeits direts relacinads a alcance d bjetiv mair, de impact de um prjet u prgrama. 3) Clunas para metas e indicadres deve-se dispnibilizar clunas específicas para metas e indicadres. A incluir ambs s elements em apenas uma cluna, cnfundem-se s dis cnceits e restringe-se atrelament de indicadres à suas metas específicas. Em utras palavras, uma meta pde ter mais de um indicadr. 4) Metas, indicadres, fntes de verificaçã e riscs para Insums iss, para que a mensuraçã destes elements nã esteja dispnibilizada apenas de frma geral. A eficácia d prgrama, prjetada em suas metas e indicadres, é também prdut d cntrle da variaçã de seus insums

5 B) Descriçã d Marc Lógic d Prjet Este Marc Lógic está dispst cm seu Objetiv Geral e mais 08 Objetivs Específics (OEs), cnfrme dispst a seguir: O Objetiv Geral u de Impact d Prjet de Saúde Bucal é CONTRIBUIR PARA A MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA PARA SUA SAÚDE BUCAL, GARANTINDO O RETORNO ECONÔMICO. As metas para este bjetiv mair, de transfrmaçã, sã três: 1) Aumentar delta da Escala em X pnts (ex ante/ ex pst); 2) X% de melhria na saúde bucal ds trabalhadres da Indústria; e 3) Retrn de pel mens R$ 1,50 para cada R$ 1,00 investid n Prjet. Para cada meta, fram estipulads s principais blcs de itens que frmarã as variáveis e indicadres da Escala de Cmprtaments d Prjet, cm express n item c, deste dcument: Próxims Passs. Ou seja, s indicadres smente serã definids quand cncluída a etapa de Elabraçã da Escala de Cmprtaments/Transfrmaçã em Saúde Bucal. Em relaçã à meta 1 s blcs de itens estã dentr de um Índice de Cmprtaments (hábits de higiene bucal, alimentaçã, exames periódics de saúde bucal e atitudes preventivas n ambiente de trabalh). O mesm fi subdividid em três dmínis e suas variáveis específicas, cnfrme a seguir: Acess: Acess as prduts de higiene bucal (escva de dentes, pasta de dente, fi dental,...) Nível de acess à carbidrats n ambiente de trabalh Nível de acess a serviçs de saúde bucal

6 Recurss para a saúde bucal pessal n ambiente de trabalh Acess a exame dntlógic anual Cultura: Percepçã da influência da saúde bucal na saúde em geral Percepçã d valr da saúde bucal (CDC) Aut-percepçã da própria cndiçã da saúde bucal Percepçã da saúde bucal em relaçã a utrs Nível de cnscientizaçã d hábit de higiene bucal Hábits: Us de fi dental Freqüência da escvaçã Nível de cnsum de carbidrats (geral) Cmpartilhament da escva Peridicidade de visita a Dentista Us de máscaras de prteçã (EPI) e prcediments e equipaments definids Aut-estima (Ghai, OASIS, OIDP)

7 Na meta 2 d bjetiv geral, fram definids s seguintes indicadres: Indicadres da Ficha Clínica (a definir de acrd cm FSBT); e % da ppulaçã saudável, u seja, sem necessidade de tratament. Já a meta 3, que abarca s impacts ecnômics esperads, está subdividida em itens que serã cncluídas na próxima etapa da avaliaçã. Sã eles: I) Prdutividade (absenteísm, presenteísm, acidentes de trabalh, II) Reduçã d cust da necessidade de tratament dntlógic, III) Saúde Bucal (cnfrme estabelecid na meta 2) (cm indicadres da ficha, % da ppulaçã saudável, u seja, sem necessidade de tratament/ diagnóstic antes e depis/ FSBT). Os parâmetrs para cnclusã destes itens sã: 3.1) Razã Benefíci Ecnômic Lìquid pr pessa/ Cust Ecnômic Líquid pr pessa (Razã BL/CL), 3.2) Nível de Assciaçã da Evluçã da Escala cm a Reduçã d Presenteísm, 3.3) Nível de Assciaçã da Evluçã da Escala cm a Reduçã d Absenteísm; e 3.4) Taxa de reduçã d cust necessári cm tratament bucal pr usuári. Os bjetivs específics d Prjet sã 08, cnfrme a seguir: 1) Transferir a tecnlgia de saúde bucal para a empresa cm a participaçã ds trabalhadres. Este bjetiv talvez seja mais trabalhs, vist ter sid materializad 1em nada mais, nada mens que dez diferentes metas: 1.1) Efetivaçã ds cmpnentes da intervençã implementads (Educaçã, Prevençã, Gestã e Tratament; 1.2) 70% n nível de participaçã ns dis wrkshps (planejament e avaliaçã) e reuniões de desempenh trimestral das unidades chave da empresa envlvida n prgrama; 1.3) Participaçã de dis CIPISTAS n prjet (representante d empregadr e trabalhadr); 1.4) 70% de adesã a exame clínic dntlógic ds trabalhadres ns cmpnentes d prgrama (cbertura tds s grups); 1.5) 50% d trabalhadres participand em pel mens duas ações cletivas trimestrais durante um an; 1.6) Ter 3 ganhs rápids anuais em saúde bucal (incluind as dinâmicas educativas); 1.7) Realizaçã de um tema mensal de dntlgia n DDS da empresa (Diálg Diári de Segurança); 1.8) Cbertura de 70% ds trabalhadres em duas mesas demnstrativas (trimestral) durante an; 1.9) 10% ds trabalhadres acmpanhads em dis mments pel persnal ; e 1.10) Entrega d prtótip da tecnlgia scial à empresa de intervençã. 2) Desenvlver a metdlgia de assessria às empresas (tecnlgia scial). Este bjetiv está representad apenas pr uma meta, que é 100% ds cmpnentes d prgrama sistematizads. A meta é trabalhsa, prque a sistematizaçã d prjet em Tecnlgia Scial será sem dúvida um prcess

8 que durará td períd d cicl avaliativ. Além diss, sua cnsecuçã ttal nã será medida cnsiderand-se a finalizaçã da Tecnlgia até a prduçã gráfica d(s) manual(is), mas até a finalizaçã d cnteúd. 3) Prmver a saúde bucal n ambiente de trabalh, na perspectiva da empresa. Neste bjetiv cncentram-se ações que fmentem a mudança de cmprtament ds trabalhadres, cnsiderand, antes de tud, a melhria das cndições das empresas participantes, n que se refere à mudança de cmprtaments. As metas sã: 3.1) X% de implementaçã ds cntrles à expsiçã a peiras (açúcar, farinha, etc.) prevists n PPRA; 3.2) X% de ferta de EPI adequad à expsiçã (equipament de prteçã individual); 3.3) Máxim de X trabalhadres pr trneira (padrã NR24: 20); 3.4) Máxim de X trabalhadres pr espaçs reservads para guardar bjets pessais (padrã NR24: 02); 3.5) Identificar 100% ds cntrles da empresa para a expsiçã a carbidrats durante hrári de trabalh; e 3.6) Reduzir em 5% da expsiçã a carbidrats durante hrári de trabalh. Em utras palavras, quant mais as empresas adaptarem sua estrutura para bjetiv de impact d prjet, maires as chances de transfrmaçã d públic adtante primári. 4) Cnslidar a percepçã de valr para empresári. Aqui, as metas 4.1) 90% de nível de satisfaçã de empresa cm a intervençã; e 4.2) 90% de nível de percepçã de valr da saúde bucal da empresa, estã cncentradas em apenas um indicadr, que é Índice de satisfaçã e percepçã de valr da empresa cm a intervençã e agregaçã de valr da saúde bucal a empresa, qual será medid através de um instrument de satisfaçã e percepçã na reuniã de avaliaçã trimestral. 5) Celebrar parcerias. Este bjetiv pssui três metas: 5.1) Elabrar e executar plan de trabalh da parceria cm a Universidade Federal da Bahia; 5.2) Aprvaçã d cmitê de ética da UFBA a prtcl de pesquisa avaliativa (quasi-experimental); e 5.3) Validar a Tecnlgia de Saúde Bucal em 5 reuniões d GT Saúde Bucal para incrpraçã n mdel de saúde bucal nacinal. Pde ser facilitad pr uma parceria já existente cm a UFBA. Já a meta da validaçã está vinculada à participaçã d Departament Nacinal, que crdena s Grups de Trabalh de Saúde Bucal, GTs, cm s DRs. 6) Capacitar a equipe d prjet. As metas 6.1) 100% d plan de capacitaçã executad (dentistas examinadres) e 6.2) 100% d plan de capacitaçã dcumentad n manual da metdlgia, estã estabelecidas cnsiderand plan a ser executad cm denminadr, e nã númer de prfissinais u númer de capacitações. Além diss, fica clar que plan de capacitaçã fará parte da Tecnlgia Scial a ser sistematizada, cnfrme express n Objetiv Específic 2.

9 7) Fmentar a Cmunicaçã (Institucinal e Científica). Este bjetiv fi estabelecid para que seja estabelecida e frtalecida uma linha de psicinament da cmunicaçã d prjet. De um lad, a cmunicaçã institucinal, de utr, a científica. As metas sã: 7.1) Submissã de um resum científic em cngress relacinad as temas d prjet; 7.2) Realizaçã de um estud de cas sbre prjet; 7.3) Elabraçã de uma publicaçã cm resultads da avaliaçã; e 7.4) Apresentaçã da tecnlgia a 70% ds sindicats patrnais de aliments e bebidas filiads à FIEB. A cnsecuçã deste bjetiv será de grande valia para prjet. A publicaçã ds resultads representará a traduçã ds principais impacts a serem btids, em linguagem clquial, tant visual, quant escrita. Já a submissã de resums e realizaçã de estud de cas pderá slidifcar a metdlgia d prgrama, d planejament à avaliaçã. 8) Frtalecer Plíticas Públicas. Este bjetiv busca relacinar prjet à plíticas públicas já existentes, que apóiam causas relativas à saúde bucal. A única meta é a Apresentaçã em um fórum gvernamental/scial sbre s resultads d prjet (ex. OPAS). Observações: O impact d prgrama previst n Objetiv Geral está direcinad as trabalhadres das empresas participantes d prjet. Já s bjetivs específics se referem à Indústria de Aliments e Bebidas. Na parte cmplementar d Marc Lógic, enfatize-se que serã cntabilizads para a análise financeira u de gestã apenas s insums e suas metas e indicadres. As atividades de gestã e avaliaçã, além ds prduts, servirã apenas para acmpanhament d prjet em seu cicl avaliativ de 2011, que fi recrte definid da realizaçã d prjet, qual será avaliad. Pr iss, atividades e prduts nã precisam ter metas, indicadres, meis e riscs estipulads. Sã elements prcessuais para api as crdenadres d prjet pel Cnselh Nacinal d SESI e pels Departaments Reginais. Para cálcul da eficácia, nã serã cnsiderads valres excedentes às metas numéricas. Exempl, se a meta fr apresentar resultads em 5 sindicats, u seja, acima de 5, será mantid valr máxim n indicadr:1.

10 Os insums sugerids a serem cnsiderads para a gestã d prjet sã quatr: Equipe, Orçament Financeir, Materiais Educativs e Cntrapartidas ds Parceirs. O insum Equipe nã abarca s prfissinais da equipe gestra, apenas s dentistas. Sua meta é garantir a participaçã de X% ds dentistas prevists durante td prjet. O Orçament Financeir tem uma meta de previsã e efetivaçã ds recurss a serem repassads pel DN e utra para DR/BA. A meta de Materiais Educativs é garantir que 70% ds trabalhadres ativs recebam s materiais educativs. Pr fim, as Cntrapartidas de Parceirs tem uma meta para cntrapartidas financeiras e utra para ecnômicas. O própri Prjet de Invaçã cntém s percentuais pr empresa que deverã ser cnsiderads para verificaçã d nível de atingiment da meta. As metas sem definiçã percentual (X%) serã medidas pela média de sua btençã pr cada um ds centrs de cust d prjet, u seja, s DRs participantes d cicl avaliativ de Estas nã fram estipuladas pels gestres e técnics nesta primeira avaliaçã de impact d prgrama, pel fat de ser esta a primeira avaliaçã de impact d prjet Saúde Bucal. Cm s dads d primeir cicl avaliativ, será pssível estabelecer tets mais factíveis para estas metas respectivas em uma próxima avaliaçã. Em anex a Marc Lógic, está desenh da avaliaçã de impact. C) Próxims Passs Cnsiderand as seis etapas da Metdlgia de Avaliaçã de Impact Scial (MAIS), Marc Lógic é a primeira etapa, a bússla de rientaçã de td prcess avaliativ. O próxim estági, já em curs, é a elabraçã das ferramentas de avaliaçã, que fmentará a terceira etapa, a pesquisa avaliativa d Prgrama. A principal ferramenta de avaliaçã será a Matriz de Cnheciments, Atitudes e Práticas (CAP) d prjet. Nesta Matriz, estarã tdas as variáveis que riginarã instrument de cleta da pesquisa avaliativa experimental ante e experimental pst, u seja, que medirã a evluçã ds participantes d Prgrama, em terms de CAP, antes de iniciar prjet e depis de finalizad um cicl de implementaçã.

11 Tdas as variáveis estarã fundamentadas cm dads exógens a Prgrama, u seja, infrmações frnecidas pel mercad que embasem ainda mais a sua inclusã na matriz. As variáveis terã pess específics a partir das necessidades apntadas pels gestres. O psicinament d respndente em uma variável de cnheciment pderá variar, pr exempl, de 1 a + 1; já uma de atitude pde ter mesm pes u mair que a de cnheciment, e as variáveis de cmprtament cm pes mair que as de atitude e cnheciment. Cntud, esta determinaçã será determinada em cnjunt cm s gestres d Prgrama. Ainda na Matriz, as variáveis sã transfrmadas em questões u afirmações que cmprã questinári a ser utilizad na Pesquisa Avaliativa, terceir estági da avaliaçã de impact scial.

12 Objetiv geral CONTRIBUIR PARA A MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DOS TRABALHADORES DA INDÚSTRIA PARA SUA SAÚDE BUCAL, GARANTINDO O RETORNO ECONÔMICO Metas d bjetiv geral 1) Aumentar delta da Escala em X pnts (ex ante/ ex pst) Indicadres das metas 1.1) Índice de Cmprtaments (hábits de higiene bucal, alimentaçã, exames periódics de saúde bucal e atitudes preventivas n ambiente de trabalh) em: Acess: Acess as prduts de higiene bucal (escva de dentes, pasta de dente, fi dental,...) Nível de acess a carbidrats n ambiente de trabalh Nível de acess a serviçs de saúde bucal Recurss para a saúde bucal pessal n ambiente de trabalh Meis de verificaçã ds indicadres Pesquisa CAP (ex ante e ex pst) OBS: incluir n cadastr questões sbre a percepçã d trabalhadr em relaçã as atividades de saúde bucal na empresa Riscs ds meis de verificaçã Adesã ds trabalhadres Linguagem d instrument Sensibilizaçã ds empresáris e superires (gerentes e utrs líderes de área) Acess a exame dntlógic anual Cultura Percepçã da influência da saúde bucal na saúde em geral Percepçã d valr da saúde bucal (CDC) Aut-percepçã da própria cndiçã da saúde bucal Percepçã da saúde bucal em relaçã a utrs Nível de cnscientizaçã d hábit de higiene bucal Hábits: Us de fi dental

13 Freqüência da escvaçã Nível de cnsum de carbidrats (geral) Cmpartilhament da escva Peridicidade de visita a Dentista Us de máscaras de prteçã (EPI) e prcediments e equipaments definids Aut-estima (Ghai, OASIS, OIDP) 2) X% de melhria na saúde bucal ds trabalhadres da Indústria 2.1) Indicadres da Ficha Clínica (a definir de acrd cm FSBT) 2.2) % da ppulaçã saudável, u seja, sem necessidade de tratament Ficha Clínica Odntlógica sem a parte cmprtamental (FSBT) N/A

14 3) Retrn de pel mens R$ 1,50 para cada R$ 1,00 investid n Prjet Variáveis para estud d impact ecnômic: I) Prdutividade (absenteísm, presenteísm, acidentes de trabalh) II) Reduçã d cust da necessidade de tratament dntlógic III) Saúde Bucal (cnfrme estabelecid na meta 2)(cm indicadres da ficha, % da ppulaçã saudável, u seja, sem necessidade de tratament/ diagnóstic antes e depis/ FSBT). Finalizar, seguind s parâmetrs abaix: 3.1) Razã Benefíci Ecnômic Líquid pr pessa/ Cust Ecnômic Líquid pr pessa (Razã BL/CL) Matriz de Gittinger aplicada à análise ecnômica d Prjet Cadastr da Pesquisa CAP: verificar elements ds Índices da Universidade de Stanfrd e Wrkability Index (Finish Institute, traduzida pr Frida Fischer) Linguagem válida para as variáveis de absenteísm e presenteísm 3.2) Nível de Assciaçã da Evluçã da Escala cm a Reduçã d Presenteísm 3.3) Nível de Assciaçã da Evluçã da Escala cm a Reduçã d Absenteísm Ficha Clínica e Dads exógens 3.4) Taxa de reduçã d cust necessári cm tratament bucal pr usuári (a cmpletar na etapa 2 da avaliaçã: elabraçã da escala de cmprtaments d prjet)

15 Objetivs Específics Metas ds bjetivs específics Indicadres das metas Meis de verificaçã ds indicadres 1) Transferir a tecnlgia de saúde bucal para a empresa cm a participaçã ds trabalhadres 1.1) Efetivaçã ds cmpnentes da intervençã implementads: Educaçã, Prevençã e Gestã (medir separadamente): 70% Tratament:40% 1.1.1) Taxa de efetivaçã ds cmpnentes de Educaçã, Prevençã e Gestã 1.1.2) Taxa de efetivaçã de tratament Relatóris de desempenh trimestral e Avaliaçã anual final (excet 1.10, cuj mei é prtótip entregue) Riscs ds meis de verificaçã Nã preenchiment ds dcuments fntes 1.2) 70% n nível de participaçã ns dis wrkshps (planejament e avaliaçã) e reuniões de desempenh trimestral das unidades chave da empresa envlvida n prgrama 1.3) Participaçã de dis CIPISTAS n prjet (representante d empregadr e trabalhadr) 1.4) 70% de adesã a exame clínic dntlógic ds trabalhadres ns cmpnentes d prgrama (cbertura tds s grups) 1.5) 50% d trabalhadres participand em pel mens duas ações cletivas trimestrais durante um an 1.6) Ter 3 ganhs rápids anuais em saúde bucal (incluind as dinâmicas educativas) 1.2.1) Taxa de participaçã das unidades (RH, SMS e prduçã três gerentes de turn) 1.3.1) Taxa de participaçã ds CIPISTAS na intervençã 1.4.1) Taxa de adesã 1.5.1) Taxa de participaçã ds trabalhadres 1.6) Taxa de ganhs rápids anuais

16 1.7) Realizaçã de um tema mensal de dntlgia n DDS da empresa (Diálg Diári de Segurança) 1.7.1) Taxa de realizaçã ds temas mensais 1.8) Cbertura de 70% ds trabalhadres em duas mesas demnstrativas (trimestral) durante an 1.8.1) Taxa de cbertura ds trabalhadres 1.9) 10% ds trabalhadres acmpanhads em dis mments pel persnal 1.9.1) taxa ds trabalhadres acmpanhads 1.10) Entrega d prtótip da tecnlgia scial a empresa de intervençã ) Entrega d prtótip da TS 2) Desenvlver a metdlgia de assessria às empresas (tecnlgia scial) 2.1) 100% ds cmpnentes d prgrama sistematizads 2.1.1) taxa de sistematizaçã ds cmpnentes d prgrama Cnteúd da Tecnlgia finalizad Nã finalizar cnteúd 3) Prmver a saúde bucal n ambiente de trabalh, na perspectiva da empresa 3.1) X% de implementaçã ds cntrles à expsiçã a peiras (açúcar, farinha, etc.) prevists n PPRA 3.2) X% de ferta de EPI adequad à expsiçã (equipament de prteçã individual) 3.3) Máxim de X trabalhadres pr trneira (padrã NR24: 20) 3.1.1) taxa de cntrles prevists n PPRA cumprids 3.2.1) taxa de ferta de EPI 3.3.1) Númer trabalhadres pr trneira, cnsiderand a NR24 PPRA e visitas à empresa Listas de entrega de EPIs visitas à empresa Dificuldade de acess à empresa e as dcuments d PPRA Nã haver lista de cntrle de entrega de EPIs; nã dispnibilizar listas existentes Dificuldade de acess à empresa 3.4) Máxim de X trabalhadres pr espaçs reservads para guardar bjets pessais 3.4.1) Númer de trabalhadres pr armári visitas à empresa Dificuldade de acess à empresa

17 (padrã NR24: 02) 4) Cnslidar a percepçã de valr para empresári 3.5) Identificar 100% ds cntrles da empresa para a expsiçã a carbidrats durante hrári de trabalh 3.6) Reduzir em 5% da expsiçã a carbidrats durante hrári de trabalh 4.1) 90% de nível de satisfaçã de empresa cm a intervençã 4.2) 90% de nível de percepçã de valr da saúde bucal da empresa 5) Celebrar parcerias 5.1) Elabrar e executar plan de trabalh da parceria cm a Universidade Federal da Bahia 3.5.1) taxa de cntrles identificads 3.6) taxa de reduçã da expsiçã e 4.1.2) Índice de satisfaçã e percepçã de valr da empresa cm a intervençã e agregaçã de valr da saúde bucal a empresa 5.1.1) Taxa de execuçã d plan visitas à empresa visitas à empresa Instrument de satisfaçã e percepçã na reuniã de avaliaçã trimestral Plan de trabalh executad Dificuldade de acess à empresa Dificuldade de acess à empresa Atras na cnfecçã d instrument Nã preenchiment d instrument pela empresa Atras u nã aprvaçã d plan 5.2) Aprvaçã d cmitê de ética da UFBA a prtcl de pesquisa avaliativa (quasiexperimental) 5.2.1) Taxa de aprvaçã d prtcl Prtcl aprvad Atras nã aprvaçã d prtcl 5.3) Validar a Tecnlgia de Saúde Bucal em 5 reuniões d GT Saúde bucal para incrpraçã n mdel de saúde bucal nacinal 5.3.1) Taxa de validaçã da Tecnlgia Declaraçã de validaçã da tecnlgia Atras na validaçã 6) Capacitar a equipe d prjet 6.1) 100% d plan de capacitaçã executad (dentistas examinadres) 6.2) 100% d plan de capacitaçã 6.1.1) taxa d plan executad Plan executad Nã adesã ds prfissinais

18 dcumentad n manual da metdlgia 6.2.1) taxa d plan dcumentad Manual de tecnlgia cntend plan de capacitaçã Atras n fechament d plan de capacitaçã 7) Fmentar a Cmunicaçã (Institucinal e Científica) 7.1) Submissã de um resum científic em cngress relacinad as temas d prjet 7.2) Realizaçã de um estud de cas sbre prjet 7.3) Elabraçã de uma publicaçã cm resultads da avaliaçã 7.4) Apresentaçã da tecnlgia a 70% ds sindicats patrnais de aliments e bebidas filiads à FIEB 7.1.1) Taxa de submissã 7.2.1) Taxa de realizaçã d estud 7.3.1) Taxa de elabraçã da publicaçã 7.4.1) taxa das apresentações realizadas Cmprvante da submissã Estud realizad Cnteúd da Publicaçã elabrad Registrs das reuniões (atas, memórias, listas de freqüência) N/A Atras u nã realizaçã d estud Atras u nã elabraçã d cnteúd da publicaçã Ausência de registrs 8) Frtalecer Plíticas Públicas 8.1) Apresentaçã em um fórum gvernamental/scial sbre s resultads d prjet (ex. OPAS) 8.1.1) Taxa de apresentaçã Registrs da apresentaçã (certificad, fts, atas) Ausência de registr

19 Insums Metas ds insums Indicadres das metas Meis de verificaçã ds indicadres 1. Equipe 1.1) Garantir a participaçã de X% ds dentistas prevists durante td prjet 2. Orçament financeir 2.1) 90% ds recurss financeirs prevists d DN em caixa 1.1.1) Taxa de participaçã ds dentistas 2.1.1) Taxa de recurss em caixa Relatóris trimestrais e anual Relatóri DMR Riscs ds meis de verificaçã Ausência das infrmações ns relatóris Nã prestaçã de cntas 2.2) 90% ds recurss financeirs d DR efetivads 3. Materiais educativs 3.1) Garantir que 70% ds trabalhadres ativs recebam s materiais educativs 2.2.1) Taxa de utilizaçã ds recurss 3.1.1) Taxa de trabalhadres que receberam materiais Relatóri de realizaçã de despesas d prjet (GMOD) Listas de freqüência e cntrle de serviçs prestads Nã execuçã das atividades Falha ns registrs 4. Cntrapartidas ds parceirs 4.1) Garantir 90% das cntrapartidas financeiras previstas 4.1.1) Taxa de efetivaçã das cntrapartidas da empresa 1 (em R$) Relatóris d prjet de invaçã Atras n envi de infrmações pela empresa 4.2) Garantir 90% das cntrapartidas ecnômicas previstas 4.1.2) Taxa de efetivaçã das cntrapartidas da empresa 2 (em R$) 4.2.1) Taxa de efetivaçã das cntrapartidas da empresa 1 (em R$ - hra técnica) Relatóris d prjet de invaçã Atras n envi de infrmações pela empresa 4.2.2) Taxa de efetivaçã das cntrapartidas da empresa 2 (em R$ - hra técnica)

20 Atividades de Gestã (para acmpanhament pels gestres) 1. Preparaçã ds materiais educativs 2. Capacitaçã da equipe d prjet 3. Implantaçã das atividades nas empresas (J Maced Simões Filh e J. Maced Salvadr0 4. Elabraçã e validaçã d manual peracinal 5. Elabraçã d plan de negócis Atividades de Avaliaçã (para acmpanhament pels gestres) 1. Elabrar Escala de Cmprtaments d Prgrama 2. Elabrar instrument de gestã ds DRs 3. Elabrar instrument de insums gerais ds DRs 4. Elabrar instrument de satisfaçã para cntratante 5. Elabrar instrument de satisfaçã para beneficiári 6. Elabrar instrument de gestã d DN 7. Enviar as DRs instruments de gestã e insums gerais para preenchiment 8. Analisar s dads ds instruments preenchids pels DRs para análise de cust eficácia 9. Elabrar instrument de cleta de dads a partir da Escala de Cmprtaments 10. Pré-testar Instrument de cleta da Escala 11. Acmpanhar a realizaçã da cleta de dads ex ante 12. Acmpanhar teste d banc de dads da ex ante 13. Acmpanhar a realizaçã da análise ex ante (validaçã da Escala de Cmprtaments e impact da variaçã da Escala n Mercad) 14. Acmpanhar a realizaçã da cleta de preçs smbra ns 27 DRs 15. Acmpanhar a realizaçã da cleta de dads ex pst 16. Testar banc de dads da ex pst

21 17. Acmpanhar a realizaçã da análise ex pst 18. Acmpanhar a realizaçã da análise financeira (cust eficácia) 19. Acmpanhar a realizaçã da análise ecnômica (cust benefíci) 20. Acmpanhar a realizaçã da análise scial (equidade) 21. Elabrar a publicaçã da avaliaçã de impact scial d Prgrama 22. Participar das apresentações ds resultads das 03 análises da avaliaçã de impact scial 23. Cmunicar resultads da avaliaçã para s DRs 24. Tirar pssíveis dúvidas ds DRs sbre s resultads 25. Elabrar inventári cm sugestões (DN e DRs) para a gestã d Prgrama em base as resultads da avaliaçã Prduts (para acmpanhament pels gestres) 1. Materiais educativs (04 cartazes, 20 flders, 02 vídes, 01 esquete teatral, kit de saúde bucal, dispenser de fi dental) 2. Tecnlgia sistematizada em um manual 3. Plan de negócis

22 ANEXO Desenh Quasi-Experimental cm Participantes d Prjet e Saúde Bucal Lcalizaçã Ex-Ante Prjet de Saúde Bucal Ex-Pst Empresa 1 (plan de saúde e prjet) O1 X1 O2 Empresa 2 (plan de saúde) O3 O4 Cntrle (sem plan de saúde) O5 O6

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico

Implantação do Escritório de Projetos na área de RH: Um olhar estratégico Implantaçã d Escritóri de Prjets na área de RH: Um lhar estratégic Regina Buzetti Meneghelli UO-ES/RH Alexandre de Castr Faria Fidelis UO-ES/RH O gerenciament de prjets é utilizad pr rganizações ds mais

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE - Minuta Pesquisa CREPOP - Centr de Referência da Assistência Scial CRAS/SE N mês de mai d an de 2010 realizu-se a pesquisa CREPOP cm psicólgas(s) que atuam ns Centrs de Referência da Assistência Scial

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3

INTEGRAÇÃO Gestão de Frete Embarcador x Datasul 11.5.3 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet INTEGRAÇÃO Gestã de Frete Embarcadr x Datasul 11.5.3 PLANO DO PROJETO 24/01/2013 Respnsável pel dcument: Jã Victr Fidelix TOTVS - 1 Prdut: GFE - Prtheus Plan d Prjet ÍNDICE

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO I - INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Infrmações Institucinais 1.1.1 Caracterizaçã, Missã e Objetivs O BNDES é uma empresa pública federal dtada de persnalidade

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

MONITORIA & AVALIAÇÃO:

MONITORIA & AVALIAÇÃO: MONITORIA & AVALIAÇÃO: Os fundaments para bter resultads Bénédicte de la Briere O Banc Mundial Os bjetivs desta sessã 1 2 3 4 5 Prquê cncentrar-se ns resultads Mnitria u Avaliaçã Utilizar uma cadeia de

Leia mais