NIS Serviço de Informação em Rede

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NIS Serviço de Informação em Rede"

Transcrição

1 NIS Serviço de Informação em Rede Artigo extraído do link: Este capítulo trata do Serviço de Informação em Rede, que permite que as configurações de um servidor, como senhas de usuários possam ser compartilhadas e utilizadas em outros clientes da rede. NIS O Serviço de Informação em Rede. O Serviço de Informação em Rede Network Information Service tem como finalidade a centralização da Administração dos Serviços em um Servidor, denominado servidor NIS. Entre as várias funções do NIS, a mais importante é a centralização da administração de usuários. O servidor NIS utiliza uma base de dados baseada em mapas, que são gerados a partir de arquivos como o /etc/passwd, ou seja, a partir de arquivos de administração e configuração local, o NIS cria mapas que são necessários para gerar seu banco de dados. Mapas são armazenados em um servidor central servidor NIS e podem ser acessados por clientes. Estes mapas onde o cliente obtém as informações necessárias são armazenados geralmente no formato DBM. DBM é um formato de armazenamento de informações que usa técnicas de hashing que aceleram o processo de pesquisa. Existe uma implementação livre de biblioteca para manipulação de base de dados DBM no projeto GNU e é chamada de gdbm, que faz parte de muitas distribuições do Linux. Assim como o NFS, o NIS utiliza da tecnologia RPC, Chamada de Procedimento Remoto, a partir do qual os clientes acessam as informações no servidor. Isto permite que as informações contidas em arquivos administrativos do servidor possam ser disseminados por toda uma rede. O NIS foi desenvolvido pela empresa Sun Microsystems e era originalmente conhecido como Páginas Amarelas, que é traduzido em inglês por Yellow Pages, mas seu nome teve quer ser alterado devido a problemas de direitos autorais, uma vez que a empresa Bell South já era dona da marca registrada "Yellow Pages". Devido a isso, os pacotes de instalação, arquivos de configuração do serviço e nomes de arquivos binários do NIS continuam com as iniciais YP. O objetivo desse sistema era implementar um ambiente comum para todos os usuários da rede, fazendo com que informações básicas como nomes de usuários, senhas, relação de máquinas da rede, e etc fossem compartilhadas. Outras tecnologias semelhantes Existem outras tecnologias para o compartilhamento de informações em rede, podemos citar o NIS+ (NISPLUS) e o LDAP. A Sun Microsystems também desenvolveu uma versão aprimorada do NIS chamada NIS+ (NISPLUS). Essa nova versão inclui algumas diferenças como: o NIS+ não usa mapas para a distribuição de informações, mas sim tabelas. Cada tabela é dividida de modo a que suas linhas representam objetos de sua base de dados e as colunas representam as propriedades desses elementos. Além disto, sua organização se parece com a hierarquia do DNS. Neste documento não iremos tratar do NIS+, mas apenas do NIS. Para mais informações sobre o NIS+ você pode consultar seu site oficial : nis.org, que coincidentemente também é o site oficial do NIS. Você pode obter os fontes para compilação e instalação em: ftp://ftp.kernel.org/pub/linux/utils/net/nis+. O LDAP (Lightweight Directory Access Protocol) é também uma tecnologia utilizada para compartilhamento de informações, mas diferente do NIS, pois provê serviços de "Diretório", inclusive permitindo funcionar como um banco de dados distribuído, tal como o DNS. Um Diretório é organizado em forma de árvore, e suas informações tendem a ser mais lidas do que escritas e são organizadas para darem respostas rápidas e suportar um grande volume de pesquisas. Mais informações sobre o LDAP e sua implementação você pode encontrar no LDAP How To em HOWTO.html e na página do grupo que mantém seu desenvolvimento:

2 Instalando o NIS Os pacotes necessários para instalação do NIS são: ypserv e ypbind, o primeiro é o pacote referente ao servidor, o segundo é referente ao cliente NIS. Você pode encontrar a instalação do NIS em pacotes rpm e pode encontrar os fontes em arquivos compactados com o tar. Para instalar o NIS a partir de pacotes rpm, execute: rpm ivh ypserv.x.y.z.i386.rpm rpm ivh ypbind.x.y.z.i386.rpm Repare que X.Y.Z é a versão do pacote a ser instalado. Outro pacote que deve ser instalado é o yp tools.x.y.z.i386.rpm, que contém ferramentas administrativas, como o yppasswd, que permite troca de senha. Este pacote é necessário para instalação do cliente NIS. Verifique antes de instalar os pacotes do NIS se o portmap já está instalado. Caso não esteja, será necessário instalá lo. %DEBIAN% Podemos instalar o nis pela ferramenta apt. lab152:~ apt get install nis Reading Package Lists... Done Building Dependency Tree... Done The following extra packages will be installed: libc6 libc6 dev locales Suggested packages: glibc doc manpages dev The following NEW packages will be installed: nis The following packages will be upgraded: libc6 libc6 dev locales 3 upgraded, 1 newly installed, 0 to remove and 451 not upgraded. Need to get 11.6MB of archives. After unpacking 647kB of additional disk space will be used. Do you want to continue? [Y/n] lab152:~ apt get install portmap Reading Package Lists... Done Building Dependency Tree... Done The following extra packages will be installed: libc6 libc6 dev locales Suggested packages: glibc doc manpages dev The following packages will be upgraded: libc6 libc6 dev locales portmap 4 upgraded, 0 newly installed, 0 to remove and 450 not upgraded. Need to get 11.4MB of archives. After unpacking 20.5kB disk space will be freed. Do you want to continue? [Y/n] Durante a instalação do nis será perguntado sobre o domínio nis da maquina

3 Entendendo o Servidor NIS O principal uso de um servidor NIS é oferecer uma autenticação centralizada. Ou seja, podemos criar contas de usuários no servidor e estes usuários podem efetuar logon nas estações clientes NIS, ou seja, as contas de usuários necessitam apenas ser criadas no servidor, permitindo uma administração centralizada. Assim, não é necessário criação de contas de usuários nas estações de trabalho, poupando um esforço considerável, ainda mais quando se tem muitas estações na rede. Com a tecnologia cliente/servidor NIS, todas as configurações serão definidas no servidor e os clientes consultarão o servidor através de chamadas de procedimentos remotos RPC (tecnologia criada pela Sun Microsystems). Como foi citado, o NIS trabalha com mapas, que podem ser classificados em duas categorias: Arquivos de Administração do Sistema Arquivos de Administração de Redes Segue abaixo a relação de arquivos de configuração do Sistema: /etc/passwd Através deste arquivo o NIS gera os mapas passwd.byaddr e passwd.byname. Este arquivo é o arquivo de administração de usuários. /etc/shadow Os dados deste arquivo são anexados ao mapa passwd.byaddr, pelo fato de ser o arquivo de senhas do Linux, este arquivo é consideravelmente novo no Linux, pois antigamente o arquivo passwd guardava também as senhas do usuários. Por este motivo o NIS não cria necessariamente um mapa relativo a este arquivo, ele apenas anexa o no mapa passwd.byaddr. /etc/group Através deste arquivo o NIS gera os mapas group.byaddr e group.byname. Os próximos arquivos são referentes à Administração de Redes. /etc/hosts Produz os mapas hosts.byname e hosts.byaddr. Este arquivo é responsável pela resolução de nomes quando não se deseja resolver nomes não providos por um servidor DNS (Vide capítulo 2). Da mesma forma será criado mapas para os arquivos /etc/protocols, /etc/services, /etc/aliases, etc. Para você checar quais arquivos que o NIS armazenará os mapas. Para isto use o comando: ypcat x Use "ethers" for map "ethers.byname" Use "aliases" for map "mail.aliases" Use "services" for map "services.byname" Use "protocols" for map "protocols.bynumber" Use "hosts" for map "hosts.byaddr" Use "networks" for map "networks.byaddr" Use "group" for map "group.byname" Use "passwd" for map "passwd.byname" Todos este mapas serão armazenados no Servidor NIS que terá como serviço o ypserv (Daemon do Servidor NIS). No caso dos clientes, o serviço que deve ser iniciado é o ypbind (Daemon do Cliente NIS).

4 Fig. 1 Conversão para o formato dbm. Tanto o servidor como o cliente NIS devem pertencer a um domínio, este domínio é denominado domínio NIS e deve ser definido no servidor. O NIS utiliza do nome do domínio NIS para criar um diretório dentro do diretório /var/yp, o nome deste diretório será o nome do domínio. Dentro deste diretório serão armazenados os mapas da base de dados NIS. Exemplo: caso você defina o domínio NIS como sistemasabertos.com.br, o diretório onde estará a base de dados NIS será /var/yp/sistemasabertos.com.br. Este domínio não tem nenhuma relação com o domínio Internet, podendo ser um nome completamente diferente. Definindo um domínio NIS. Há duas formas de definir um domínio NIS: Fig. 2 Definindo um domínio NIS.

5 1.O domínio NIS pode ser definido através do comando domainname, veja o exemplo: domainname sistemasabertos.com.br Este comando atribui o domínio NIS temporariamente, quando a máquina é reinicializada o mesmo perde esta configuração. Para isto existe arquivo para armazenar este parâmetro. Nas distribuições Conectiva e Red Hat o arquivo utilizado é /etc/sysconfig/network, em outras distribuições existem um arquivo chamado /etc/defaultdomain. Veja o exemplo de configuração para a distribuição Conectiva: NETWORKING=yes FORWARD_IPV4="no" HOSTNAME="intranet.sistemasabertos.com.br" DOMAINNAME=sistemasabertos.com.br GATEWAY=" " GATEWAYDEV="eth0" NISDOMAIN=dominio nis O parâmetro NISDOMAIN define o domínio NIS que o servidor irá gerenciar. Insira nesse valor o nome do seu domínio NIS para que seu servidor se configure na inicialização. /etc/rc.d/init.d/network start 2.Esta última forma é mais adequada, pois trata de uma configuração especifica para o NIS. Imagine se você quer que o domínio da máquina (Domínio relativo ao DNS) seja diferente do domínio do NIS. Neste caso você deve usar este exemplo de configuração. Para este tipo de configuração existe o comando nisdomainname, veja a sintaxe: nisdomainname meudominio Neste exemplo o domínio NIS será "meudominio". Assim como domainname, o nisdomainname apenas configura temporariamente o domínio NIS, logo você deve alterar o arquivo /etc/sysconfig/networks; eis aqui um exemplo: NETWORKING=yes FORWARD_IPV4="no" HOSTNAME="intranet.sistemasabertos.com.br" DOMAINNAME=sistemasabertos.com.br GATEWAY=" " GATEWAYDEV="eth0" NISDOMAIN=meudominio Para que as alterações tenham efeito reinicie o serviço network. Depois destas configurações devemos, no caso do servidor, inicializar o serviço ypserv, mas antes disto deve ser inicializado o serviço portmap, pelo fato do NIS trabalhar com a tecnologia RPC. O servidor portmap é responsável por organizar quais são as portas corretas que se deve procurar para ter acesso a determinados dados de programas que utilizam chamadas RPC (Remote Procedure Calls). Quando programas que utilizam RPC s são inicializados eles dizem ao portmap que portas estarão escutando e, qualquer tentativa de acesso a esses programas irá passar pelo portmap primeiro. Para mais informações sobre o portmap você deve consultar a página de manual desse programa ou o livro Guia do Administrador de Redes de Olaf Kirch, traduzido pela Conectiva informática e disponível para download gratuito em Para isso devemos executar: /etc/rc.d/init.d/portmap start /etc/rc.d/init.d/ypserv start

6 O que define a máquina como sendo servidor NIS ou cliente NIS é o serviço que está rodando na mesma. Logo, podemos concluir que a configuração do cliente é apenas inicializar o ypbind?. A resposta é não, você deve definir o domínio NIS da mesma forma que foi apresentada para o servidor, e ainda definir quem será o seu servidor NIS. Esta última afirmação não precisa ser exatamente desta forma, o ypbind (serviço do cliente) pode enviar um pedido via broadcast [anúncio] perguntando por algum servidor NIS na rede, caso exista ele se ajuntará ao mesmo, portanto existe mais de uma forma para encontrar um servidor NIS na rede. Veremos a configuração do cliente passo a passo na seção referente à configuração do cliente. %DEBIAN% Editar o arquivo com o dominio vi /etc/defaultdomain sa.com.br Arquivos de Configuração do NIS /etc/yp.conf Este arquivo é utilizado pelo ypbind (serviço cliente) para o mesmo encontrar o Servidor NIS. Veja o exemplo deste arquivo: /etc/yp.conf ypbind configuration file Valid entries are domain NISDOMAIN server HOSTNAME Use server HOSTNAME for the domain NISDOMAIN. domain NISDOMAIN broadcast Use broadcast on the local net for domain NISDOMAIN ypserver HOSTNAME Use server HOSTNAME for the local domain. The IP address of server must be listed in /etc/hosts. Através deste exemplo verificamos que há três formas de encontrarmos o servidor NIS em uma rede. No primeiro caso, você deve passar como parâmetro o NISDOMAIN e o nome do servidor NIS. No parâmetro HOSTNAME você pode usar o endereço IP ou o nome da máquina. Se você for usar o nome de máquina servidora, o endereço IP do servidor deve estar citado no arquivo /etc/hosts. No segundo, você necessita apenas conhecer o nome do domínio NIS, este caso é conhecido como pedido via anúncio, pois ao inicializar o serviço ypbind, o mesmo envia um sinal por broadcast [difusão] solicitando um servidor NIS. Esta forma de configuração tem desvantagem em relação a segurança, pois o ypbind se conectará ao primeiro servidor NIS que ele encontrar em rede. Assim, sua máquina poderá utilizar de um servidor não autorizado na rede, o que pode ser problemático. Nesta última somente é necessário o nome ou endereço IP do Servidor NIS. Para usar o nome do host, o endereço IP deve estar listado no arquivo /etc/hosts, ou ser resolvível via DNS. /etc/ypserv.conf Este é o arquivo de configuração do serviço ypserv. Este arquivo contém opções de configuração do ypserv. Ao ser carregado o serviço ypserv, este serviço lê este arquivo e a partir deste ele cria os mapas da base de dados NIS. Este arquivo será detalhado mais nas seções posteriores. 3.3 %DEBIAN% No debian, p ypsev não é chamado através do comando /etc/init.d/ypserv restart

7 Ele é tratado como um comando executável ypserv /etc/nsswitch.conf Este arquivo define a ordem de pesquisa das fontes de informações. Veja um exemplo deste arquivo: passwd: shadow: group: files nisplus nis files nisplus nis files nisplus nis hosts: files nis dns ethers: files netmasks: files networks: files protocols: files rpc: files services: files netgroup: nisplus publickey: nisplus automount: files nisplus aliases: files nisplus Para exemplificação do uso deste arquivo utilizaremos a entrada hosts deste arquivo. Esta diretiva define que a resolução de nome para endereço IP será primeiramente baseado no arquivo hosts, pois o parâmetro é files. Caso o arquivo /etc/hosts falhe na resolução, a resolução é então passada para o nis, somente depois é verificado o DNS, se o nis falhar. Para os outros parâmetros do arquivo a lógica é semelhante, sempre que o Linux tentar encontrar informações sobre algo, seja lista de usuários, senhas, grupos e etc, ele irá fazer a busca na ordem imposta pelo arquivo /etc/nsswitch.

8 Configurando o Servidor NIS Neste tópico estaremos apresentando todos os passos para configurar o Servidor NIS. Segue abaixo as etapas de configuração numerados: 1.Definir um domínio NIS, para isto execute os seguintes passos: vi /etc/sysconfig/network NETWORKING=yes FORWARD_IPV4="no" HOSTNAME="lab1.sistemasabertos.com.br" DOMAINNAME=sistemasabertos.com.br GATEWAY=" " GATEWAYDEV="eth0" NISDOMAIN="meudominio" Depois de configurado reinicie o serviço network, /etc/rc.d/init.d/network restart Observe que neste exemplo definimos o nome do domínio NIS como sendo meudominio. Você observou anteriormente que poderíamos usar o comando domainname e nisdomainname para atribuir o nome do domínio NIS. Neste caso, nós usaremos este comando para verificarmos se realmente depois de reiniciado o serviço network o domínio estará configurado. Logo, ao executar o nisdomainname devemos ter como saída o nome "meudominio". nisdomainname meudominio Caso a saída seja a apresentada acima, sua configuração está correta. 2.Devemos agora iniciar o serviço do Servidor NIS, não esquecendo que o serviço portmap deve estar rodando anteriormente. /etc/rc.d/init.d/ypserv start 3.Devemos agora criar os mapas da base de dados NIS. cd /var/yp make O comando criará o diretório meudominio onde estará o mapas da base de dados NIS. 4.Agora inicie o serviço yppasswd: /etc/rc.d/init.d/yppasswd start Este serviço permite que o cliente mude sua senha através de uma máquina cliente. É importante salientar que toda vez que é criado um novo usuário ou é alterado uma senha, a base de dados do NIS deve ser atualizada; isto é visto posteriormente. Aqui termina a configuração do Servidor NIS. Não se esqueça também de configurar os serviços portmap e ypserv para serem inicializados automaticamente quando a máquina é inicializada.

9 %DEBIAN% Após definirmos o dominio nis durante a instalaçao e o dominio atraves do /etc/defaultdomain, devemos adicionar os usuarios que desejamos com o comando adduser usuario. A seguir, devemos carregar o ypserv por linha de comando e criaremos os mapas de dados atraves de: cd /var/yp make Editaremos /etc/default/nis para definir o comportamento da maquina (servidor ou cliente) vi /etc/default/nis /etc/defaults/nis Configuration settings for the NIS daemons. Are we a NIS server and if so what kind (values: false, slave, master) NISSERVER=master Are we a NIS client (i.e. start ypbind?) NISCLIENT=false Location of the master NIS password file (for yppasswdd). If you change this make sure it matches with /var/yp/makefile. YPPWDDIR=/etc Do we allow the user to use ypchsh and/or ypchfn? The YPCHANGEOK fields are passed with e to yppasswdd, see it's manpage. Possible values: "chsh", "chfn", "chsh,chfn" YPCHANGEOK=chsh NIS master server. If this is configured on a slave server then ypinit will be run each time NIS is started. NISMASTER= Additional options to be given to ypserv when it is started. YPSERVARGS= Additional options to be given to ypbind when it is started. YPBINDARGS= Additional options to be given to yppasswdd when it is started. Note that if p is set then the YPPWDDIR above should be empty. YPPASSWDDARGS= Additional options to be given to ypxfrd when it is started. YPXFRDARGS= Reiniciando o serviço NIS e o portmap /etc/init.d/portmap restart /etc/init.d/nis restart

10 Configurando o Cliente NIS. A configuração do cliente NIS se baseia nas seguintes etapas: 1.Esta primeira etapa é análoga à primeira do servidor, pois o cliente necessita de um domínio NIS. Você deve editar novamente o arquivo /etc/sysconfig/network. Veja abaixo: vi /etc/sysconfig/network NETWORKING=yes FORWARD_IPV4="no" HOSTNAME="lab2.sistemasabertos.com.br" DOMAINNAME=sistemasabertos.com.br GATEWAY=" " GATEWAYDEV="eth0" NISDOMAIN="meudominio" Neste arquivo observamos que a máquina cliente será a lab2.sistemasabertos.com.br, e que ela pertence ao domínio NIS "meudominio". Reinicie o serviço network e execute nisdomainname para ver se as alterações tiveram efeito. 2.Edite o arquivo /etc/yp.conf vi /etc/yp.conf /etc/yp.conf ypbind configuration file Valid entries are domain NISDOMAIN server HOSTNAME Use server HOSTNAME for the domain NISDOMAIN. domain NISDOMAIN broadcast Use broadcast on the local net for domain NISDOMAIN ypserver HOSTNAME Use server HOSTNAME for the local domain. The IP address of server must be listed in /etc/hosts. ypserver Note que este arquivo aceita vários tipos de entrada, com várias formas de identificar o servidor para este cliente. Neste caso, estamos utilizando a última forma, que é a mais simples, e lembrando também que o endereço IP referente neste cliente será o endereço IP do servidor, logo este endereço apresentado no exemplo é o endereço IP da máquina lab1.sistemasabertos.com.br. Uma entrada interessante deste arquivo é o uso do pedido via anúncio (broadcast), neste caso você não precisa saber o endereço IP do servidor, você precisa saber apenas o domínio NIS, para isto, no lugar de ypserver coloque a seguinte entrada no arquivo yp.conf: domain "meudominio" broadcast 3.Para terminar a configuracão do NIS, basta inicializarmos o serviço do cliente NIS, sabemos que o serviço que gerencia o cliente NIS é o ypbind, então: /etc/rc.d/init.d/portmap start /etc/rc.d/init.d/ypbind start Ligando ao domínio NIS... [ OK ] Aguardando por um servidor de domínios em NIS:

11 Observe que o cliente deve estar com o serviço portmap rodando antes de executar o ypbind. Se a saída do comando for similar à apresentada acima, sua configuração está correta. Repare que o servidor encontrado é o servidor Em nossa configuração daremos ênfase na sincronização de usuários e informação de contas em todas as máquinas de um domínio NIS. Você deve alterar a ordem de pesquisa no arquivo nsswitch.conf relativo as campo passwd, group e shadow. Veja como deve ficar a configuração: passwd: shadow: group: nis files nisplus nis files nisplus nis files nisplus A partir deste momento você conseguirá efetuar logon na máquina cliente com um usuário que foi criado no servidor. Depois de funcionando o cliente e servidor NIS, você pode utilizar os programas oferecidos pelo pacote yp tools, dentre os mais importantes temos os comando ypwhich e ypcat. Estes comandos são utilizados para verificação e teste no servidor e cliente NIS. Para listar todos os comandos, execute rpm ql yp tools, por uma questão didática, iremos demonstrar a utilização de apenas alguns. O ypcat pode lhe mostrar quais são os mapas que seu servidor está armazenando. Para isso use o com a opção x. ypcat x Use "ethers" for map "ethers.byname" Use "aliases" for map "mail.aliases" Use "services" for map "services.byname" Use "protocols" for map "protocols.bynumber" Use "hosts" for map "hosts.byname" Use "networks" for map "networks.byaddr" Use "group" for map "group.byname" Use "passwd" for map "passwd.byname" Já o comando ypwhich pode lhe retornar o nome do servidor NIS que sua máquina está configurada para utilizar. ypwhich dominio nis Existe uma ferramenta também útil para configurar o cliente NIS, a ferramenta authconfig. Esta ferramenta faz exatamente os procedimentos dos itens de 1 a 3 explicado anteriormente, ou seja, configurar o cliente NIS para se autenticar em algum servidor da rede, realizando as alterações necessárias nos arquivos de configuração correspondentes. Vejamos sua aplicação: authconfig As opções apresentadas no programas são : Arquivo de senhas e NIS : essas opções definem que tipo de autenticação sua máquina irá usar. Se for escolhida "Arquivo de senhas" seu cliente irá consultar seus arquivos locais para realizar autenticação de usuários. Se for escolhido "NIS", ele irá então tentar encontrar o servidor NIS que lhe for indicado para realizar a autenticação de usuários. Domínio NIS : uma vez que a opção NIS foi marcada, você deverá então especificar qual será o domínio NIS que seu cliente faça parte. Se marcado o item Pedido via anúncio quando utilizado não é preciso especificar o endereço IP do servidor, pois o cliente faz um pedido via broadcast na rede, procurando pelo servidor NIS indicado. Servidor : você pode aqui especificar que máquina é a responsável pelo domínio NIS citado nos passos anteriores. Esse é o campo onde você deve colocar o endereço IP, ou nome, da máquina que é seu servidor NIS. As opções "usar senhas shadow" e "usar senhas MD5" só terão valor quando for utilizada a opção "Arquivo de senhas". %DEBIAN% Direcionando para o servidor NIS vi /etc/yp.conf

12 ypserver Definindo o comportamento do cliente NIS vi /etc/default/nis /etc/defaults/nis Configuration settings for the NIS daemons. Are we a NIS server and if so what kind (values: false, slave, master) NISSERVER=false Are we a NIS client (i.e. start ypbind?) NISCLIENT=true Reiniciar o serviço NIS e o portmap /etc/init.d/portmap restart /etc/init.d/nis restart Atualizando os mapas do NIS automaticamente Os mapas que são criados no servidor NIS, contém informações do sistema, como: lista de usuários, senhas, grupos e etc. Deste modo, se qualquer alteração for realizada na sua relação de usuários, por exemplo, seus mapas do NIS já não irão refletir o estado atual do seu sistema. Para que sua base de dados do NIS fique atualizada você deve periodicamente executar a linha de comando "/var/yp/make". Automatizar essa tarefa com o cron pode lhe liberar algum tempo e evitar que seus mapas NIS fiquem desatualizados. Para agendar essa tarefar com o cron, chame o comando crontab com a opção e. crontab e Adicione então uma linha, relativa a essa tarefa, que pode ser algo parecido com: 0,30 * * * * /var/yp/make Deste modo, seu servidor irá atualizar seus mapas do NIS a cada meia hora, de modo que não será mais necessário que você se preocupe com isso. Não se esqueça de manter seu servidor cron (crond) sempre em execução, senão essa tarefa não será executada.

13 Segurança no Servidor NIS Neste tópico veremos como aumentar a segurança no servidor NIS através de alguns arquivos de configuração. O NIS pode deixar o arquivo de senhas da rede acessível virtualmente a todos os usuários da rede local e a outras que possam estar conectadas a esta rede, o que torna o sistema vulnerável a intrusos, pois estes podem fazer uma requisição ao servidor NIS pedindo pelo mapa passwd.byaddr. Tendo acesso a este mapa, o intruso terá em mãos todas as contas e senhas do servidor NIS, pois com um simples programa de quebra de senhas e um ótimo dicionário este intruso poderá quebrar as senhas. Para isso o intruso precisa somente saber o nome do domínio NIS e o número IP do servidor NIS. Para consultar o mapa passwd.byaddr do servidor basta que o cliente NIS esteja configurado corretamente e executar: ypcat passwd main:$1$t6utdaku$7t93gpsfcpevcyst7nbgy1:511:515::/home/main:/bin/bash beltrano:$1$8indbva7$smciv6g4wkocjqlxdmxb//:505:505::/home/beltrano:/bin/bash avalia1:$1$wy6yr2eg$89iuefwwetcijowyp1iiq1:685:685::/home/avalia1:/bin/bash ronaldo:$1$h9bkewgy$ydg5dfh8wqrz3bylwxb1r/:503:503::/home/ronaldo:/bin/bash marcos:$1$btkl.xpq$.i1uccar/bqbk.xvqjmnf.:512:516::/home/marcos:/bin/bash Para algumas versões do NIS é criado um mapa separado para o arquivo /etc/shadow, neste caso o comando deverá ser ypcat shadow.byname e não ypcat passwd. Observe que este comando mostra as contas de usuários do servidor NIS com suas respectivas senhas criptografadas. Isto compromete a segurança do servidor, pois um usuário com um programa de quebras de senha pode facilmente descobrir senhas de outros usuários. Para o Linux o quebra de senha mais conhecido e utilizado é John the Ripper (Vide endereço Uma forma de garantir uma maior segurança no servidor é através do arquivo /etc/ypserv.conf, este arquivo tem como objetivo garantir o controle de acesso, para isso o mesmo contém uma lista de regras necessária para determinar quais máquinas podem acessar os mapas do servidor NIS. Vejamos um exemplo deste arquivo: Some options for ypserv. This things are all not needed, if you have a Linux net. dns: no The following, when uncommented, will give you shadow like passwords. Note that it will not work if you have slave NIS servers in your network that do not run the same server as you. Host : Map : Security : Passwd_mangle * : passwd.byname : port : yes * : passwd.byuid : port : yes Not everybody should see the shadow passwords, not secure, since under MSDOG everbody is root and can access ports < 1024!!! * : shadow.byname : port : yes * : passwd.adjunct.byname : port : yes If you comment out the next rule, ypserv and rpc.ypxfrd will look for YP_SECURE and YP_AUTHDES in the maps. This will make the security check a little bit slower, but you only have to change the keys on the master server, not the configuration files on each NIS server. If you have maps with YP_SECURE or YP_AUTHDES, you should create a rule for them above, that's much faster. * : * : none As linhas que começam com o caractere são consideradas comentários. Uma linha deste arquivo pode ter o seguinte formato: opção: [sim nao]

14 A linha deste arquivo ainda pode ser uma regra de acesso: host: mapa : segurança: campo seguro Onde o valor de campo seguro pode ser yes ou no. Se o campo for habilitado, será testado a segurança do campo, ou seja, o campo será substituído por um "x" se a verificação da porta revelar que existe uma requisição que não possua os privilégios necessários. As seguintes opções são suportadas por este arquivo: dns O servidor NIS irá consultar o servidor de nomes para os nomes de hosts, quando a resolução de nomes não é conseguida através dos mapas hosts.*. Você pode sobrescrever está opção com a opção " dns" através da linha de comando. A opção "no" não irá sobrescrever a opção " dns". xfr_check_port Os valores para esta entrada é "yes"(ativa), "no"(inativa). Com esta opção ativa, o Servidor NIS tem que funcionar com uma porta inferior a porta Esta opção é ativa por padrão. As próximas entradas definem os campos de descrições para o acesso. Estas entradas podem ser observada no arquivo: Host : Map : Security : Passwd_mangle * : passwd.byname : port : yes * : passwd.byuid : port : yes Neste exemplo observamos que existem 4 campos, estes campos estão explicados a seguir: host É utilizado para definir quais hosts podem ter acesso às tabelas de consulta do NIS. Logo, você deve passar como parâmetro o endereço IP de uma máquina específica ou o endereço IP de uma rede. Vejamos um exemplo: = / map Define o nome do mapa, um asterisco identifica todos os mapas. security Esta opção é utilizada para definir políticas de acesso. Os parâmetros suportados podem ser: none permite total acesso, está opção é ativada por padrão. port permite acesso somente se a requisição vier de portas inferiores a portas deny não permite acesso para este mapa. DES requere autenticação DES. No momento esta opção não é suportada pela biblioteca libc e, portanto, não deve ser utilizada. Passwd_mangle Esta entrada define qual campo será monitorado que neste caso é o campo de senha. Com a opção "yes" este campo é monitorado, com a opção "no" ele não é monitorado. Outra forma de restringir acesso ao servidor NIS é através do arquivo /var/yp/securenets. Este é o meio mais fácil e eficiente de garantir a autenticação de usuários. Este arquivo permite definirmos quais máquinas ou rede podem fazer uso do servidor NIS. Este arquivo por padrão permite que todos acessem o servidor NIS. Vejamos: Always allow access for localhost This line gives access to everybody. PLEASE ADJUST! Este exemplo apresentado já vem pré configurado, observe que a segunda entrada define acesso para todos. Para restringir o acesso para a rede / substitua a segunda entrada para: %DEBIAN% vi /etc/ypserv.securenets

15 Links Indicados nis.org o Página oficial do projeto Linux NIS/NIS+. É uma página mantida por Thorsten Kukuk, possui várias documentações, inclusive o Como Fazer (How To) oficial do NIS. Também mantém a versão atual (no formato *.tar.gz) das fontes do NIS/NIS+. nis.org/nis howto/howto/index.html o How To [como fazer] oficial do NIS. Neste documento você poderá encontrar informações de como instalar e configurar seu servidor NIS. o Um documento de Doug Hughes sobre como melhorar a segurança de NIS. Um conjunto de procedimentos adotados na Escola de Engenharia da Universidade de Auburn para melhorar a segurança em seu ambiente NIS. nis.org/doc/nis.debian.howto o Como fazer do nis na distribuição debian. Documento que relata os passos para configuração tanto do servidor quanto do cliente NIS na distribuição Debian. nis.org/doc/secure_networking.ps o Documento a respeito de segurança em servidores NIS. nis.org/doc/nisplus.ps o Documento em postscript que traz informações detalhadas sobre o NIS+. o Site oficial do grupo que mantém o desenvolvimento do serviço LDAP. Nesse site você pode encontrar informações diversas e também um Guia para o administrador. HOWTO.html o Documento How To (Como Fazer) referente ao LDAP. Neste documento você pode encontrar informações de configuração e implementação do LDAP. Implementation HOWTO o Documento que mostra como o LDAP pode interagir com outras ferramentas como PAM e Radius. o Site do projeto de desenvolvimento da versão 4 do protocolo NFS. Neste site você pode encontrar a RFC que explica as características dessa nova versão do NFS.

16 Terminologia utilizada neste capítulo Anúncio Também conhecido como broadcast. É um procedimento de comunicação onde um computador lança uma mensagem destinada para todos os computadores da rede. dbm é um formato hashing de arquivo. Possui uma versão GNU denominada gdbm. Domínio NIS: nome único que identifica um conjunto de clientes e um servidor que compartilham informações NIS. Hashing é o formato de arquivo binário utilizado pelo NIS em seus mapas, é baseado em uma estrutura baseada em chave associada a valores e permite uma consulta bastante eficiente. LDAP É o acrônimo de Lightweight Directory Access Protocol é um protocolo de funcionalidades semelhante ao NIS, porém mantém suas informações em uma estrutura de diretórios. Mapas são os arquivos convertidos para formato hash e mantidos pelo servidor, formando a base de consulta do NIS. NFS Acrônimo de Network File System Sistema de Arquivo em Rede, que permite compartilhar seus arquivos para clientes. NIS+ É a versão atualizada do NIS pela empresa Sun Microsystems. Possui mais funcionalidades que o NIS do qual é baseado. NIS é o acrônimo de Network Information Server, ou Serviços de Informações de Rede, desenvolvido pela empresa Sun Microsystems e com versões GNU disponíveis para Linux, que permitem que informações de um servidor sejam compartilhadas com clientes da rede, tal como senhas de usuários. Portmap Serviço que roda escutando tipicamente a porta TCP 111, obtendo de clientes RPC solicitações para executar um determinado procedimento remoto por um número de identificação; o portmap então fornece ao cliente RPC uma porta TCP onde este procedimento é disponibilizado. Em outras palavras, o portmap mapeia números de procedimentos remotos à portas TCP. RPC é o acrônimo para Remote Procedure Call, ou Chamada de Procedimento Remoto. É uma tecnologia que tem analogia à chamada de procedimentos em linguagens de programação, porém a chamada é realizada de um cliente para um servidor remoto. Cada RPC possui um número de identificação único (veja /etc/rpc). Yellow Pages: É uma marca registrada pela empresa Bell South que denomina as "páginas amarelas" de uma lista telefônica. ypbind É o cliente NIS, que permite que a estação cliente possa se conectar (bind) e utilizar as informações compartilhadas pelo servidor NIS. ypserver É o servidor NIS, que controla a interação e disponibiliza informações de rede para os clientes NIS.

Agenda NIS. Motivações. Motivações. Motivações NIS

Agenda NIS. Motivações. Motivações. Motivações NIS Agenda NIS Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.br/ Motivações NIS Relacionamento com outros Sistemas Automount /

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE REDES

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE REDES FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE REDES CURITIBA 2006 RODRIGO DZIKOVICZ VICTOR ROMANO WAGNER FILHO

Leia mais

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Introdução Este tutorial tem por objetivo ensinar a configurar o NFS + NIS no Ubuntu de forma rápida e simples, mas sem deixar de transmitir os conceitos necessários

Leia mais

Capítulo 8. Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux. Network File System (NFS) Network Information System (NIS)

Capítulo 8. Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux. Network File System (NFS) Network Information System (NIS) Capítulo 8 Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux Network File System (NFS) Network Information System (NIS) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 8 1/1 Network File System

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE UM CLUSTER DA CLASSE BEOWULF ALESSANDRO

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Roteiro Prático para a Migração dos Servidores Turing e Godel

Roteiro Prático para a Migração dos Servidores Turing e Godel Roteiro Prático para a Migração dos Servidores Turing e Godel Alfenas, Abril de 2010. Rodrigo Martins Pagliares Última atualização: 27/05/2010 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Instalação do Debian Lenny

Leia mais

Arquitectura Intranet

Arquitectura Intranet Gestão de Sistemas e Redes Sistemas de ficheiros distribuídos (NFS e SMB) Network Information Service (NIS) Serviço de e-mail (SMTP, POP3 ) Paulo Coelho 2005 Versão 1.0 1 Arquitectura Intranet 2 Serviços

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Aula 3 Servidor DNS BIND

Aula 3 Servidor DNS BIND 1 Aula 3 Servidor DNS BIND Um servidor DNS é responsável em responder pelos domínios e direcionar tudo que é relacionado a ele, nele por exemplo pode se apontar onde fica www.dominio.com.br, vai apontar

Leia mais

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux:

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: O LTSP (Linux Terminal Server Project) é uma solução que agrega um conjunto de serviços, de forma que máquinas clientes

Leia mais

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução 1 de 6 Introdução O não vem com a opção de configuração através do Control Center, para a utilização de discagem/autenticação via PPPoE. Este documento visa demonstrar como é feita a configuração do PPPoE

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 Objetivo Esse artigo tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o Active Directory no Windows Server 2008. Será também apresentado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Samba Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Conhecido também como servidor de arquivos; Consiste em compartilhar diretórios do Linux em uma rede Windows e visualizar compartilhamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

Utilizando subversion como controle de versão

Utilizando subversion como controle de versão Utilizando subversion como controle de versão Heitor Rapcinski Este documento descreverá a utilização de subversion como ferramenta de controle de versão mostrando as facilidades da sua utilização para

Leia mais

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004

Daniel Darlen. daniel.correa@planejamento.gov.br. IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba Daniel Darlen daniel.correa@planejamento.gov.br IV SDSL Brasília DF Dezembro de 2004 Introdução ao Samba p.1/65 Introdução Introdução ao Samba p.2/65 Introdução SAMBA é um conjunto

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Telefonia IP MOT. Prática 1

Telefonia IP MOT. Prática 1 Prática 1 Instalando o proxy SIP Kamailio, configurando os usuários e interligando proxies. Objetivo: Criar um ambiente VoIP básico utilizando o proxy SIP Kamailio que terá suas informações de usuário

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Tutorial, Instalando e configurando o apache no linux.

Tutorial, Instalando e configurando o apache no linux. Tutorial, Instalando e configurando o apache no linux. Olá galera, esse tutorial ensinará passo passo, como subir um servido WEB no linux. Estou usando atualmente, o Linux ubuntu Hardy Heron 8.04 primeira

Leia mais

HOW TO Integração do OPIE com o Firewall Aker One time password

HOW TO Integração do OPIE com o Firewall Aker One time password Introdução HOW TO Página: 1 de 5 O presente documento explica como utilizar o com um sistema One Time Password implantado em um servidor Linux. Solução Sistemas One Time Password são uma evolução dos sistemas

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Manual do Suporte LZT LZT Soluções em Informática Sumário VPN...3 O que é VPN...3 Configurando a VPN...3 Conectando a VPN... 14 Possíveis erros...16 Desconectando

Leia mais

Confguração básica da rede

Confguração básica da rede Confguração básica da rede www.4linux.com.br - Sumário Capítulo 1 Confguração básica da rede...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 13 2.1. Objetivos... 13 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Manual Linux SERVIÇOS DE REDE

Manual Linux SERVIÇOS DE REDE Manual Linux SERVIÇOS DE REDE Configurando o servidor NIS Significado do NIS NIS é Network Information Service (serviço de informação de rede). Mantém informações administrativas da rede na forma de domínios,

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7 INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX CENTOS 5.7 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO NAGIOS CENTOS 1. INSTALANDO NAGIOS-CORE Para todo administrador

Leia mais

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR Projeto LibertasBR http://www.libertasbr.org.br 15 de junho de 2005 Introdução O LTSP (Linux Terminal Server Project) é um conjunto de ferramentas

Leia mais

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4

Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Instalação de um Cliente Linux em um domínio de rede Microsoft Windows NT4 Projeto Libertas-BR http://www.libertasbr.org.br 8 de setembro de 2005 1 Introdução Esta documentação orienta a integração de

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0

INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0 INSTALANDO E CONFIGURANDO NAGIOS NO LINUX DEBIAN 6.0 Gerson Ribeiro Gonçalves www.websolutti.com.br MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO NAGIOS DEBIAN 1. INSTALANDO NAGIOS-CORE Para todo administrador

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 13 Servidor Samba Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INSTALANDO O SAMBA... 3 Verificando a versão... 3 Criando uma cópia do servidor samba original... 3 COMPARTILHAMENTOS

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma Neste STK apresentaremos como configurar seu servidor Windows 2008 R2 para abrir diretamente sua aplicação ao

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5

Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Advanced Group Policy Management (AGPM) 2.5 Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo iremos conhecer um dos cinco componentes do MDOP 2008. Você vai aprender sobre o Advanced

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius

DHCP. Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius DHCP Administração de Redes de Computadores Prof.ª Juliana Camilo 6080822 Ângelo, Bryan, Carlos, Vinícius Histórico O termo DHCP significa Dynamic Host Configuration Protocol Começou a se tornar popular

Leia mais

Instalação e configuração do Server Core - Windows Server 2008 (Longhorn) Parte 2

Instalação e configuração do Server Core - Windows Server 2008 (Longhorn) Parte 2 Autor: Bruno Leonardo MCP, MCDST, MCSA, MCTS http://brunoleonardoleal.spaces.live.com Instalação e configuração do Server Core - Windows Server 2008 (Longhorn) Parte 2 Vamos começar definindo a senha de

Leia mais

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS Neste laboratório iremos falar sobre o serviço DNS (Domain Name System). O DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distríbuido visando resolver nomes de domínio em endereços de rede IP.

Leia mais

- Wireless e NTP - 272

- Wireless e NTP - 272 - Wireless e NTP - 272 18.3. NTP NTP significa Network Time Protocol, o servidor NTP é responsável por sincronizar tempo (data e hora) em uma máquina. A idéia de colocar NTP na rede é para garantir que

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Squid autenticado no Active Directory com Winbind

Squid autenticado no Active Directory com Winbind 1 de 5 4/2/2007 14:40 Squid autenticado no Active Directory com Winbind Autor: Anderson Leite Data: 30/08/2006 Introdução Este é um artigo bem resumido, entrando em detalhes somente

Leia mais

Samba - Aspectos Avançados

Samba - Aspectos Avançados Samba - Aspectos Avançados Por Conectiva Informática e Time de Desenvolvimento do Samba Certamente, no momento em que iniciamos a implantação de uma rede, nos deparamos com diversos aspectos não previstos,

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando/Configurando Servidor DNS. Este tutorial irá

Leia mais

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux Projeto Amadeus Guia de Instalação 00.95.00 Linux Agosto 2010 Sumário 1. Introdução...3 2. Pré-Requisitos...4 2.1 Máquina Virtual Java...4 2.1.1 Instalando JDK via apt-get...4 2.1.2 Instalando JDK a partir

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX

Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Guia de instalação para ambiente de Desenvolvimento LINUX Conteúdo deste manual Introdução O guia de instalação... 3 Capítulo 1 Instalando o servidor Web Apache... 4 Teste de instalação do Apache... 9

Leia mais

MTM00008 - MANUAL DE INSTALAÇÃO DE ADEMPIERE NO LINUX DEBIAN

MTM00008 - MANUAL DE INSTALAÇÃO DE ADEMPIERE NO LINUX DEBIAN Processo de instalação: 1-Adicionar ao arquivo /etc/apt/sources.list os pacotes não livres: deb http://http.us.debian.org/debian/ etch main contrib non-free ou algum outro de sua escolha. 2-Instalar o

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822

SMB vs NFS. Técnico Integrado em Telecomunicações turma 6080822 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA SMB vs NFS Técnico Integrado em Telecomunicações

Leia mais

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins

Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Roteiro 4: Replicação/Active Directory DHCP e Wins Objetivos: Explorar as configurações para replicação de domínios com Active Directory; Configurar os serviços DHCP e WINS em servidores Windows; Ferramentas

Leia mais

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar.

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. CSAU 10.0 Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. Data do Documento: Janeiro de 2012 Sumário 1. Sobre o manual do CSAU... 3 2. Interface do CSAU 10.0... 4 2.1. Início... 4 2.2. Update...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Número de peça 900-486 Revisão F Maio 2010 Índice Introdução...3 Conteúdo do kit de demonstração...3 O que você precisa saber...3 Endereço de hardware... 3 Endereço

Leia mais

AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1)

AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1) AVG Anti-Vírus 7.0 Atualização Centralizada (AVGADMIN 7.1) Guia do Usuário Documento revisado 70.1 (12/27/2004) Copyright (c) 1992-2004 GRISOFT, s.r.o. Todos os direitos reservados. Este produto utiliza

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers NFS A sigla NFS, do inglês Network File System, significa Sistema de Arquivos de Rede. Através de programas específicos no servidor e nas máquinas clientes, podemos fazer com que esses clientes acessem

Leia mais

Acesso Remoto Placas de captura

Acesso Remoto Placas de captura Acesso Remoto Placas de captura 1 instalar o DVR Siga os passos de instalação informados na caixa do produto, após seu perfeito funcionamento vá para próximo passo. 2 Configurá-lo na rede Local O computador

Leia mais

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa)

Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Aula 06 Servidor de Arquivos e Impressora (SaMBa) Prof. Roitier Campos Gonçalves Introdução O servidor de arquivos fornece um ponto centralizado na rede para armazenamento e compartilhamento de arquivos

Leia mais

Capítulo 3. Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar:

Capítulo 3. Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar: Servidores Web 19 Capítulo 3 Servidores Web Visão Geral Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar: HTTP (o mais comum) Servidor

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 INSTALL 2010-05-20 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO:

Leia mais

Manual de Configuração do Alferes 7

Manual de Configuração do Alferes 7 DIRETORIA DE TECNOLOGIA E SISTEMAS CENTRO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS Manual de Configuração do Alferes 7 1 Sumário 1. Configurando o Alferes 7.0 na Rede...3 2. Senha de Root.... 4 3. Configurando o Alferes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor de Arquivos (NFS) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução ao NFS O NFS (Network File System) é um sistema de arquivos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula-6

Sistemas Distribuídos Aula-6 6 SAMBA Histórico: O Samba foi criado por Andrew Tridgell. Ele precisava montar um espaço em disco em seu PC para um servidor Unix. Esse PC rodava DOS e, inicialmente, foi utilizado o sistema de arquivos

Leia mais

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro

NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro NOMES: Leonardo Claro Diego Lage Charles Tancredo Márcio Castro O MySQL Cluster é versão do MySQL adaptada para um ambiente de computação distribuída, provendo alta disponibilidade e alta redundância utilizando

Leia mais

Instalação de pacotes

Instalação de pacotes Instalação de pacotes Introdução Qualquer distribuição Linux sempre irá possuir um gerenciador de pacotes, que nada mais é do que um programa que irá instalar (adicionar) programas, listar, remover, etc.

Leia mais

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux

Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux 1 of 11 23/6/2010 22:45 Servidor Messenger Openfire passo-a-passo no Linux Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 20/10/2008 Introdução Caso não goste de ler textos, vá logo

Leia mais

LABORATÓRIO I. UMA REDE DE DIFUSÃO SIMPLES USANDO HUB COMO DOMÍNIO DE COLISÃO Documento versão 0.2. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO I. UMA REDE DE DIFUSÃO SIMPLES USANDO HUB COMO DOMÍNIO DE COLISÃO Documento versão 0.2. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO I UMA REDE DE DIFUSÃO SIMPLES USANDO HUB COMO DOMÍNIO DE COLISÃO Documento versão 0.2 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo

Leia mais

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação do Zada 5 MA001 Responsável Revisão Q de 26/06/2015 FL Página 01 de 28 Página 1 de 33 Revisão Q de 26/06/2015 MA001 Responsável: FL Manual de instalação do Zada 5 Este manual consiste

Leia mais

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH: Introdução: O projeto OpenSSH veio para substituir antigos métodos inseguros de comunicação e autenticação, podemos dizer que o OpenSSH é um substituto direto do

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor FTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática FTP: o protocolo de transferência de arquivos transferir arquivo de/para hospedeiro remoto modelo cliente/servidor cliente:

Leia mais

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net

Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Conceitos de relação de confiança www.jpinheiro.net jeferson@jpinheiro.net Procedimento para criar uma árvore O procedimento usado para criar uma árvore com o Assistente para instalação do Active Directory

Leia mais

HOW TO Como distribuir o Aker Client em

HOW TO Como distribuir o Aker Client em Introdução Página: 1 de 13 Neste documento será demonstrado como configurar o para ser distribuído em ambiente de rede de forma automática com usuários sem permissão de instalação de softwares. Solução

Leia mais

Administração de Redes SAMBA

Administração de Redes SAMBA Administração de Redes SAMBA Rafael S. Guimarães IFES - Campus Cachoeiro de Itapemirim Baseado no material de João Paulo de Brito Gonçalves SAMBA SAMBA A finalidade do serviço Samba é permitir que estações

Leia mais

Usando o Nmap. A instalação do Nmap é bem simples. Após obter o código fonte execute os comandos abaixo: tar xjvpf nmap-3.48.tar.bz2 cd nmap-3.

Usando o Nmap. A instalação do Nmap é bem simples. Após obter o código fonte execute os comandos abaixo: tar xjvpf nmap-3.48.tar.bz2 cd nmap-3. Usando o Nmap Este artigo irá explicar como instalar e utilizar algumas funções do Nmap. Todos os comandos foram testados com a versão 3.48 do Nmap. É bem provável que alguns comandos não funcionem em

Leia mais

Tutorial AwStats Indice

Tutorial AwStats Indice Tutorial AwStats Indice Introdução...2 Funcionamento:...3 Pré-Requisitos:...3 Instalação:...4 Configurações:...7 Utilização:...11 Sobre o Autor:...11 Introdução AwStats Como saber se seu site é um sucesso

Leia mais

TUTORIAL PARA A INSTALAÇÃO EM AMBIENTE DE REDE WINDOWS DO SERVIDOR FIREBIRD

TUTORIAL PARA A INSTALAÇÃO EM AMBIENTE DE REDE WINDOWS DO SERVIDOR FIREBIRD TUTORIAL PARA A INSTALAÇÃO EM AMBIENTE DE REDE WINDOWS DO SERVIDOR FIREBIRD Este tutorial foi preparado com o objetivo de orientar os passos necessários para a instalação do SGBD relacional Firebird, em

Leia mais

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon

ESET Remote Administrator ESET EndPoint Solutions ESET Remote Adminstrator Workgroup Script de Logon AGENDA 1. Download dos pacotes de instalação ESET Remote Administrator 2. Download dos pacotes de instalação ESET EndPoint Solutions 3. Procedimento de instalação e configuração básica do ESET Remote Adminstrator

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback Protocolo FTP Professor Leonardo Larback Protocolo FTP O FTP (File Transfer Protocol) é um protocolo de transferência de arquivos. Atualmente, o FTP é definido pela RFC 959 File Transfer Protocol (FTP)

Leia mais