QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Município. Nome da unidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Município. Nome da unidade"

Transcrição

1 ANEXO 2 Questionários Dados Gerais QUESTIONÁRIO - AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Município Nome da unidade Tipo: UBS Tradicional ( ) UBSF ( ) UBS mista ( ) PACS ( ) PA ( ) PS ( ) UPA ( ) Outro Horário de Funcionamento: Dias úteis Finais de Semana Nome do entrevistado Cargo: Agente ( ) Desde quando? Contratante: SMS ( ) OSS ( ) Outro Formação: Até Ensino Médio ( ) Curso Técnico ou Ensino Superior: Qual? Bloco 1 - Trajetória Pessoal 1) Já foi agente em outros municípios? Não ( ) Sim: Qual? 2) Já foi agente em outras unidades deste município? Não ( ) Sim: Qual? 3) Participou de treinamento para preparação do agente comunitário de saúde? Não ( ) Sim ( ) 4) É oferecido treinamento para preparação do agente comunitário de saúde? Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) 5) Quem oferece o treinamento? OSS ( ) SMS ( ) Não sabe ( ) Outro Bloco 2 - Organização de Trabalho 6) Quantos domicílios cobre cada Agente Comunitário de Saúde? 7) Quantos domicílios cobre cada equipe de Saúde da Família? 8) Com que frequência se reúne a equipe de Saúde da Família? Diária ( ) Semanal ( ) Mensal ( ) Não sabe ( ) Outra 9) O quadro de funcionários da ESF está completo? Sim ( ) Não: Qual profissional falta? 10) Com que frequência os agentes comunitários de saúde se reúnem com outros profissionais da unidade? Semanal ( ) Mensal ( ) Não sabe ( ) Outra 11) Nas reuniões, vocês discutem casos específicos de pacientes? Não ( ) Sim ( ) 12) Nas reuniões, vocês discutem o planejamento de atividades? Não ( ) Sim ( ) 13) Nas reuniões, vocês discutem o planejamento de atividades? Não ( ) Sim ( ) 14) Nas reuniões, vocês discutem a qualidade do trabalho feito? Não ( ) Sim ( )

2 15) Quando foi realizado o último levantamento da área de abrangência de sua equipe? Bloco 3 - Rotina 16) com que frequência você visita cada domicílio? Semanal ( ) Mensal ( ) Não sabe ( ) Outra 17) Como faz para saber se um paciente precisa de atenção prioritária? 18) Acha que os médicos e enfermeiros conseguem usar as informações que você passa para planejarem as atividades deles? Sim ( ) Não ( ): Por quê? 19) Você usa o SIAB? Sim ( ) Não: Por quê? Não sabe ( ) Outro: 20) Considera o SIAB útil para: a) Estimar a demanda por serviços Não ( ) Sim ( ) b) Avaliar o desempenho da equipe Não ( ) Sim ( ) c) Planejar o trabalho da equipe Não ( ) Sim ( ) 21) A gerência discute os dados do SIAB com a equipe? Não ( ) Sim ( ) 22) A gerência dá algum retorno sobre o desempenho da equipe? Não( ) Sim( ) Qual? 23) Os indicadores de saúde da população atendida estão dentro do esperado? Não ( ) Sim( ) Não sabe ( ) 24) A gerência oferece à gerência algum tipo de orientação para melhoria do desempenho? Não ( ) Sim ( ) Qual? 25) Sua equipe participa/participou das avaliações do PMAQ? Não ( ) Sim ( ) 26) Acha que as avaliações do PMAQ ajudam a equipe a se avaliar? Não ( ) Sim ( ) 27) Quando há necessidade de encaminhar um paciente para outra unidade, os agentes desempenham alguma função? Não( ) Sim( ) Qual? 28) Os agentes trazem queixas e demandas da população para a unidade? Não ( ) Sim ( ) Quais e por qual via? 29) Que papel os agentes desempenham no tratamento de pacientes? Levam remédios ( ) Levam resultados de exames ( ) Medem pressão ( ) temperatura ( ) glicose ( ) Discutem hábitos como alimentação, sedentarismo, tabagismo ( )

3 Outros 30) Quando o agente identifica um paciente acamado, qual o procedimento? 31) O agente desempenha algum papel junto às escolas? Não ( ) Sim( ) Qual? 32) Nota alguma diferença de estilo de gestão entre as unidades geridas por OSS e as geridas diretamente pela prefeitura? Não ( ) Sim ( ) Qual? Bloco 4 - Rotatividade de Pessoal 33) Em relação aos outros profissionais da unidades, você acha que os agentes tendem a ficar no emprego: Mais tempo ( ) Menos tempo ( ) Igual ( ) Não sabe ( ) Outro 34) O que você acha que mais importa para manter o agente neste emprego? Caso não haja resposta espontânea, oferecer as alternativas: a) Salário b) Estabilidade c) Violência no entorno d) Localização física da unidade e) Gerência da unidade f) Condições materiais de trabalho (infraestrutura do prédio, material de uso médico-diário) g) Condições imateriais de trabalho (satisfação da população, cotidiano da unidade, qualidade da relação com a população) Bloco 5 - Comunicação com a população 35) Como a população comunica suas demandas para a unidade? Livro de queixas ( ) Conselho de Unidade ( ) Conselho Municipal ( ) Pesquisa de Satisfação ( ) Ouvidorias ( ) Informalmente: Recepção ( ) Enfermeiros ( ) Médicos ( ) Gerência ( ) Agentes ( ) Outros: 36) Os agentes repassam as reclamações dos usuários para a gerência?

4 Não ( ) Sim ( ) 37) Quais são as queixas mais frequentes? Tempo de espera ( ) Falta de médicos ( ) Desorganização ( ) Insatisfação com os funcionários ( ) Insatisfação com a infra-estrutura ( ) Outros: 38) A unidade tem conselho? Não ( ) Sim ( ) 39) Se reúne com regularidade? Não ( ) Sim ( ) 40) Os conselheiros são assíduos? Não ( ) Sim ( ) 41) Os conselheiros representam as necessidades da população? Não ( ) Sim ( ) 42) Acha que o conselho da unidade tem um papel a desempenhar? Não ( ) Sim ( ) Qual? 43) Acha que o conselho da unidade está cumprindo esse papel? Não ( ) Sim ( ) Por quê? 44) A população entende o papel do conselho e conselheiros no SUS? Não ( ) Sim ( ) 45) Os conselheiros entendem o papel do conselho e conselheiros no SUS? Não ( ) Sim ( ) 46) Quem se interessa por participar do conselho? Há um perfil de morador? 47) Quem tipo de demanda vem do conselho? 48) É fácil para os agentes falar com a Secretaria, se for preciso? Sim ( ) Não ( ) Por quê? 49) É fácil para os agentes falar com a OSS, se for preciso? Sim ( ) Não ( ) Por quê?

5

6 QUESTIONÁRIO - CONSELHEIRO DE UNIDADE - USUÁRIO Dados Gerais Município Nome unidade da Tipo: UBS Tradicional ( ) UBSF ( ) UBS mista ( ) PACS ( ) PA ( ) PS ( ) UPA ( ) Outro Horário de Funcionamento: Dias úteis Finais de Semana Nome entrevistado do Cargo: Conselheiro ( ) Desde quando? Outros mandatos? Formação: Até Ensino Médio ( ) Curso Técnico ou Ensino Superior: Qual? Bloco 1 - Trajetória Pessoal 1) Já participou de outros conselho? Não ( ) Sim: Qual? 2) Já usou os serviços de outras unidades deste município? Não ( ) Sim: Qual? 3) Por que se interessou em ser conselheiro? Bloco 2 - Atuação do Conselho 4) Como avalia a capacidade desta unidade de atender às demandas da população: Em comparação com o passado? Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Em comparação com outras unidades do município que conheça? Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Em comparação com outros municípios que conheça? Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 5) Como avalia a qualidade da atenção que a unidade dá ao conselho? Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 6) Você se sente preparado para discutir os assuntos levantados nas reuniões do conselho? Sim ( ) Não ( ) Por quê?

7 6) Como avalia a atuação dos conselheiros representantes do poder público no conselho? Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 7) Como avalia a atuação dos conselheiros representantes de profissionais no conselho? Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 8) Como avalia a atuação dos conselheiros representantes de usuários no conselho? Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 9) Como avalia o preparo dos conselheiros representantes de usuários para lidar com os assuntos discutidos no conselho? Bom ( ) Suficiente ( ) Ruim ( ) 10) Como avalia o apoio que a prefeitura dá para os conselheiros se informarem e se prepararem para as discussões? Bom ( ) Regular ( ) Ruim ( ) 11) Acha que o conselho de unidade tem um papel a desempenhar? Qual? 12) Acha que os conselheiros sabem que papel é esse? Sim ( ) Não ( ) 13) Acha que os conselheiros agem de acordo com esse papel? Sim ( ) Não ( ) 14) Acha que a comunidade sabe que papel é esse? Sim ( ) Não ( ) 15) Acha que a comunidade está interessada nas atividades do conselho? Sim ( ) Não ( ) 16) Acha que a comunidade se sente representada no conselho? Sim ( ) Não: Por quê? Bloco 3 - Funcionamento e Estrutura do Conselho de Saúde 17) Os conselheiros têm: Espaço adequado para se reunir? Não ( ) Sim ( ) Uma linha telefônica que possam usar para atividades do conselho? Não ( ) Sim ( ) Um computador que possam usar para atividades do conselho? Não ( ) Sim ( ) Acesso à internet, sendo necessária para atividades do conselho? Não ( ) Sim ( ) Apoio administrativo para atividades do conselho? Não ( ) Sim ( ) Alguma verba repassada pelo governo para atividades do conselho? Não ( ) Sim- Quanto? 18) Quando foi a última eleição para conselheiros? 19) Você avalia que foi bem divulgada? Não ( ) Sim ( ) 20) A população se interessou? Não ( ) Sim ( ) 21) Houve diversidade de candidatos? Não ( ) Sim ( ) 22) O conselho se reúne regularmente? Não ( ) Sim: Qual frequência? 23) Os conselheiros são assíduos? Não ( ) Sim ( )

8 24) O conselho desta unidade dialoga com outros conselhos de unidade? Não ( ) Sim: Qual? 25) O conselho desta unidade dialoga com o Conselhos Municipal? Não ( ) Sim ( ) 26) O conselho discute a qualidade dos serviços prestados na unidade? Não ( ) Sim: Como os avalia? Bons ( ) Regulares ( ) Ruins ( ) 27) Nas reuniões do conselho, o que dizem que precisa melhorar na unidade? 28) O conselho discute os indicadores de saúde da população atendida pela unidade? Não ( ) Sim: Como os avalia? Bons ( ) Regulares ( ) Ruins ( ) 29) O conselho discute as políticas de saúde do município? Não ( ) Sim ( ) 30) Como o conselho as avalia? Boas ( ) Regulares ( ) Ruins ( ) 31) Nas reuniões do conselho, o que dizem que precisa melhorar nas políticas de saúde do município? Bloco 4 - Relação com a Organização Social de Saúde 32) Nas reuniões do conselho, o tema da contratualização é discutido? Sim ( ) Não ( ) Não sabe ( ) 33) Você se sente suficientemente informado para discutir esse tema? Sim ( ) Não ( ) 34) O que você acha da atuação das OSS no município/na unidade? Bom ( ) Igual à prefeitura ( ) Ruim ( ) Não sabe ( ) Outro: 35) O que a comunidade acha da atuação das OSS no município/na unidade? Bom ( ) Igual à prefeitura ( ) Ruim ( ) Não sabe ( ) Outro: 36) Que outras opiniões sobre a atuação das OSS no município/na unidade aparecem nas reuniões do conselho?

9 37) Se souber comparar com outras unidades: acha que faz diferença a unidade ser gerida por OSS? Não ( ) Sim ( ) Qual? 38) Há representantes das OSS no conselho da unidade? Sim ( ) Não ( ) Não sabe ( ) 39) Como eles foram acionados/escolhidos/eleitos? Votação ( ) Indicação ( ) Não sabe ( ) 40) Quem são? (nome e função) 41) Que informações e documentos a OSS passa para o conselho? a) Relatórios de gastos b) Planejamento financeiro c) Contratos d) Contas e) Indicadores de desempenho f) Satisfação dos usuários g) Outros: 42) Com que freqüência são passadas essas informações? a) Mensal b) Anual c) Outra: 43) O conselho procura a OSS para pedir informações e documentos? Não ( ) Sim ( ) Quais? 44) O senhor poderia dar um exemplo de queixas, ponderações ou sugestões sobre a gestão das unidades geridas por OSS que o conselho de saúde da unidade tenha encaminhado à Secretaria Municipal de Saúde? 45) A Secretaria Municipal de Saúde acompanha e dá retorno sobre as manifestações do conselho da unidade sobre a OSS? Sim ( ) Não ( ) 46) O senhor poderia citar uma mudança que a atuação do conselho de unidade esteja produzindo na relação entre prefeitura e OSS?

10 QUESTIONÁRIO - ENFERMEIROS Dados Gerais Município Nome da unidade Tipo: UBS Tradicional ( ) UBSF ( ) UBS mista ( ) PACS ( ) PA ( ) PS ( ) UPA ( ) Outro Horário de Funcionamento: Dias úteis Finais de Semana Nome do entrevistado Cargo: Enfermeiro ( ) Auxiliar de Enfermagem ( ) Técnico em Enfermagem ( ) Desde quando? Contratante: SMS ( ) OSS ( ) Outro Formação: Até Ensino Médio ( ) Curso Técnico ou Ensino Superior: Qual? Bloco 1 - Trajetória Profissional 1) Já trabalhou em outros municípios? Não ( ) Sim: Qual? 2) Já trabalhou em outras unidades deste município? Não ( ) Sim: Qual? 3) Já trabalhou fora da rede pública? Não ( ) Sim ( ) 4) Já trabalhou fora da Atenção Básica? Não ( ) Sim: Hospitalar ( ) Ambulatorial ( ) PA/PS ( ) Bloco 2 - Características da Unidade 5) Tem prontuário eletrônico? Não ( ) Sim: Ligado a toda a rede municipal? Não ( ) Sim ( ) 6) Pacientes têm cartão SUS? Não ( ) Sim: Único para toda a rede municipal? Não ( ) Sim ( ) Bloco 3 Dinâmica de Trabalho 7) Os resultados do trabalho atual da enfermagem estão dentro do esperado? Não ( ) Sim( ) Não sabe ( ) 8) A gerência oferece à enfermagem algum tipo de orientação para melhoria do desempenho? Não ( ) Sim ( ) Qual? 9) A gerência discute o planejamento de suas atividades e prioridades com a enfermagem? Não ( ) Sim: De que forma? 10) Existe, no dia-a-dia da enfermagem da unidade, um momento de discussão? Não ( ) Sim: Qual? Planejamento ( ) Problemas ( ) Avaliação ( ) Casos específicos de pacientes ( ) Casos específicos de funcionários ( ) Outros:

11 11) Quais procedimentos autorizados pelo Conselho Nacional de Enfermagem são feitos por enfermeiros nessa unidade: Transcrição de receita médica ( ) Coleta de exame de sangue ( ) Coleta de exame Papanicolau ( ) Consulta pré-natal em meses alternados com consulta com Gineco-Obstetra ( ) Outros exames: 12) Como avalia a capacidade da unidade em dar conta da demanda da população? Excelente ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssima ( ) 13) Como avalia a capacidade da enfermagem em dar conta da demanda da população? Excelente ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssima ( ) 14) Como avalia a capacidade dos médicos em dar conta da demanda da população? Excelente ( ) Boa ( ) Regular ( ) Ruim ( ) Péssima ( ) 15) Sobre a divisão de trabalho entre médicos e enfermeiros na unidade, avalia que: Há mais tarefas que os médicos poderiam fazer ( ) Há mais tarefas que os enfermeiros poderiam fazer ( ) A divisão atual é adequada ( ) 16) A unidade tem protocolos estabelecidos para o trabalho de enfermagem? Não ( ) Sim ( ) 17) Os protocolos foram estabelecidos por quem? Prefeitura ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Governo estadual ( ) Outros: 18) Acha os protocolos usados satisfatórios? Sim ( ) Não: Por quê? 19) Com que periodicidade ocorrem as reuniões: Toda a unidade Semanal( ) Mensal( ) Bimestral( ) Semestral( ) Não ocorrem( ) Outras Equipes de SF Semanal( ) Mensal( ) Bimestral( ) Semestral( ) Não ocorrem( ) Outras 50) Nota alguma diferença de estilo de gestão entre as unidades geridas por OSS e as geridas diretamente pela prefeitura? Não ( ) Sim ( ) Qual? 20) A unidade tem o apoio de um NASF? Não ( ) Sim ( ) 21) O NASF é usado para discutir casos com outros especialistas? Não ( ) Sim ( ) Bloco 4 Gerência de Equipe 22) Existe treinamento para preparar o profissional de enfermagem? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) 23) O treinamento é realizado pela OSS ou pela SMS? OSS ( ) SMS ( ) Outro

12 24) Algum destes grupos profissionais é mais interessado em cursos de aperfeiçoamento? SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo 25) Caso identifique algum grupo, porque acredita que isso acontece? Bloco 5 - Rotatividade de Pessoal 26) Quem é que mais requisita os remanejamentos de pessoal dentro da rede municipal? O próprio profissional ( ) O gerente da unidade ( ) A Secretaria Municipal de Saúde ( ) Outros: 27) O que você acha que mais importa para manter o profissional na atenção básica: SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo Caso não haja resposta espontânea, oferecer as alternativas: a) Salário b) Estabilidade c) Violência no entorno d) Localização física da unidade e) Gerência da unidade f) Condições materiais de trabalho (infraestrutura do prédio, material de uso médico-diário) g) Condições imateriais de trabalho (satisfação da população, cotidiano da unidade, qualidade da relação com a população) 28) Algum destes grupos é mais propenso à rotatividade? SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo 29) Há diferença salarial entre profissionais de enfermagem da prefeitura e da OSS? Não( ) Sim( ) Qual?

13 30) Essa diferença salarial afeta a capacidade de contratar profissionais de enfermagem? Não( ) Sim: Como? 31) Você avalia que o salário de enfermeiros, auxiliares de enfermagem e técnicos de enfermagem na Atenção Básica do seu município é competitivo com o que é oferecido na saúde privada? Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) Bloco 6 Administração da Unidade: encaminhamento 32) Como lida com casos de urgência/emergência? Encaminha para unidade de pronto-atendimento: Formalmente ( ) Informalmente ( ) Encaminha para outra unidade básica ( ) Tenta atender na própria unidade ( ) 33) O encaminhamento de pacientes é feito usando os canais oficiais estabelecidos pela SMS? Sempre ( ) Às vezes ( ) Raramente ( ) Nunca ( ) 34) Qual o procedimento oficial de encaminhamento? A unidade entra em contato com a SMS ( ) A unidade entra em contato com o equipamento de destino do paciente ( ) Outro 35) No procedimento oficial, como é feito o contato com a SMS ou equipamento de destino? Telefone ( ) Eletrônico ( ) Malote/correio ( ) Outro 36) No procedimento oficial, quem na unidade cuida do encaminhamento? A recepção/administrativo ( ) O gerente ( ) O médico ou enfermeiro que atendeu o paciente ( ) Outro 37) No procedimento oficial, quem informa o paciente sobre o seu encaminhamento? A Secretaria Municipal de Saúde ( ) A Unidade de Atenção Básica ( ) O equipamento de destino do paciente ( ) Outro 38) Caso ocorra, como é feito o encaminhamento informal? 39) Como é o procedimento oficial de contra-referência? A SMS passa as informações para a unidade básica ( ) O equipamento de destino passa as informações para a unidade báscia ( ) Não ocorre ( ) Não sabe ( ) 40) Acha satisfatório o atual procedimento de referência e encaminhamento? Sim ( ) Não: Por quê?

14 QUESTIONÁRIO - GERENTES Dados Gerais Município Nome da unidade Tipo: UBS Tradicional ( ) UBSF ( ) UBS mista ( ) PACS ( ) PA ( ) PS ( ) UPA ( ) Outro Horário de Funcionamento: Dias úteis Finais de Semana Nome do entrevistado Cargo: Gerente ( ) Enfermeiro ( ) Agente ( ) Conselheiro ( ) Desde quando? Formação: Até Ensino Médio ( ) Curso Técnico ou Ensino Superior: Qual? Bloco 1 - Trajetória Profissional 1) Já trabalhou em outros municípios? Não ( ) Sim: Qual? 2) Já trabalhou em outras unidades deste município? Não ( ) Sim: Qual? 3) Já trabalhou fora da rede pública? Não ( ) Sim ( ) 4) Já trabalhou fora da Atenção Básica? Não ( ) Sim: Hospitalar ( ) Ambulatorial ( ) PA/PS ( ) Bloco 2 - Características da Unidade 5) Tem prontuário eletrônico? Não ( ) Sim: Ligado a toda a rede municipal? Não ( ) Sim ( ) 6) Pacientes têm cartão SUS? Não ( ) Sim: Único para toda a rede municipal? Não ( ) Sim ( ) 7) Qual o tamanho da população coberta pelo equipamento: Usuários cadastrados: Demanda estimada oficial: site( ) in loco ( ) 8) O quadro de funcionários está completo? Sim ( ) Não: Qual profissional falta? 9) Quantos profissionais atuam no equipamento? Administrativo: Total Farmácia: Total Limpeza: Total Segurança: Total Cirurgião-Dentista: Total Auxiliar de Saúde Bucal: Total

15 Agente Comunitário de Saúde: Total Auxiliar de enfermagem: Total Enfermeiros: Total Médicos: Total Outros (fonoaudiólogo, psicólogo, acupunturista, fisioterapeuta): Total 10) Quais e quantos médicos especialistas atuam na unidade? Qual a sua carga horária? Clínico Geral: número carga horária Ginecologista-Obstetra: número carga horária Pediatra: número carga horária Psiquiatra: número carga horária Ortopedista: número carga horária Assistente Social: número carga horária Nutricionista: número carga horária Outros: qual? número carga horária Outros: qual? número carga horária Outros: qual? número carga horária (questões 11 a 14: apenas para UBSF e PACS) 11) Quantas equipes de saúde atuam? 12) Quantos domicílios cobre cada Agente Comunitário de Saúde? 13) Quantos domicílios cobre cada equipe de Saúde da Família? 14) Com que frequência se reúne a equipe de Saúde da Família? Diária ( ) Semanal ( ) Mensal ( ) Não sabe ( ) Bloco 3 - Dados de produção 15) Qual a média de consultas/mês? 16) Qual a proporção de nascidos vivos de mães com 7 ou mais consultas pré-natais? (parâmetro IDSUS=90%) 17) A gerência usa o SIAB? Não ( ) Sim ( ) 18) A gerência considera o SIAB útil para: a) Estimar a demanda por serviços Não ( ) Sim ( ) b) Avaliar o desempenho das equipes Não ( ) Sim ( ) c) Avaliar o desempenho da unidade Não ( ) Sim ( ) c) Planejar o trabalho da unidade Não ( ) Sim ( ) 19) A gerência repassa os dados do SIAB para secretaria? Não ( ) Sim ( ) 20) A secretaria dá algum retorno sobre o desempenho da unidade? Não( ) Sim( ) Qual?

16 21) Os indicadores de saúde da população atendida estão dentro do esperado? Não ( ) Sim( ) Não sabe ( ) 22) A secretaria oferece à gerência algum tipo de orientação para melhoria do desempenho? Não ( ) Sim ( ) Qual? 23) A gerência monitora os gastos da unidades? Não ( ) Sim ( ) Quais? Como? 24) Existem metas para a produção na unidade? Não ( ) Sim: Estabelecidas por quem? SMS ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Outros: 25) A gerência é cobrada em relação à sua produção? Não ( ) Sim: Por quem? SMS ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Outros: 26) A gerência discute o planejamento de suas atividades e prioridades com: SMS ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Outros: 27) Existe no dia-a-dia da gerência da unidade um momento de levantamento de problemas? Não ( ) Sim: Qual? 28) A gerência recebe apoio para a avaliação e planejamento de suas atividades? Não ( ) Sim: Por quem? SMS ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Outros: Bloco 4 Administração da Unidade: porta de entrada 29) Como funciona o agendamento? Agenda aberta (agenda-se independente da data para qual há consulta disponível) ( ) Agenda fechada (agenda-se dentro de um intervalo de tempo determinado) ( ) 30) No caso de agenda aberta, o paciente é contatado para confirmação? Não ( ) Sim ( ) 31) Em caso de desistência, como são realocadas as consultas? Lista de espera ( ) Encaixe ( ) Outros ( ) 32) Como é feito o atendimento à demanda espontânea? Encaixe ( ) Encaminhamento para uma unidade de pronto-atendimento: Formalmente ( ) Informalmente ( ) Faz agendamento ( ) 33) Como lida com casos de urgência/emergência? Encaminha para unidade de pronto-atendimento: Formalmente ( ) Informalmente ( ) Encaminha para outra unidade básica ( ) Tenta atender na própria unidade ( ) 34) Quanto tempo demora desde a recepção até a primeira escuta? 35) Quanto tempo entre o agendamento e a consulta/procedimento na unidade? Consulta odontológica Consulta com médico generalista Consulta com médico especialista Coleta de exame Outros procedimentos Bloco 5 Administração da Unidade: encaminhamento 36) O encaminhamento de pacientes é feito usando os canais oficiais estabelecidos pela SMS? Sempre ( ) Às vezes ( ) Raramente ( ) Nunca ( )

17 37) Qual o procedimento oficial de encaminhamento? A unidade entra em contato com a SMS ( ) A unidade entra em contato com o equipamento de destino do paciente ( ) Outro 38) No procedimento oficial, como é feito o contato com a SMS ou equipamento de destino? Telefone ( ) Eletrônico ( ) Malote/correio ( ) Outro 39) No procedimento oficial, quem na unidade cuida do encaminhamento? A recepção/administrativo ( ) O gerente ( ) O médico ou enfermeiro que atendeu o paciente ( ) Outro 40) No procedimento oficial, quem informa o paciente sobre o seu encaminhamento? A Secretaria Municipal de Saúde ( ) A Unidade de Atenção Básica ( ) O equipamento de destino do paciente ( ) Outro 41) Caso ocorra, como é feito o encaminhamento informal? 42) Como é o procedimento oficial de contra-referência? A SMS passa as informações para a unidade básica ( ) O equipamento de destino passa as informações para a unidade báscia ( ) Não ocorre ( ) Não sabe ( ) 43) Qual é o tempo de espera para que um paciente encaminhado seja atendido: Cirurgia: Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) Internação: Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) Consulta com médico especialista 1 : Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) Consulta com médico especialista 2 : Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) Consulta com médico especialista 3 : Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) Consulta com médico especialista 4 : Até duas semanas ( ) Até um mês ( ) Até três meses ( ) Mais de três meses ( ) 44) A unidade tem o apoio de um NASF? Não ( ) Sim ( ) Para quais especialidades? Bloco 6 - Administração da Unidade: Organização de Trabalho 45) A unidade tem protocolos estabelecidos para o trabalho de: Enfermagem? Não ( ) Sim ( ) Médicos? Não ( ) Sim ( ) Agente Comunitário de Saúde? Não ( ) Sim ( ) 46) Os protocolos foram estabelecidos por quem? Prefeitura ( ) OSS ( ) Ministério da Saúde ( ) Governo estadual ( ) Outros:

18 47) Que avaliações são feitas sobre o desempenho da unidade? Externa, pela SMS ( ) Externa, por outro órgão ( ): Qual? Auto-avaliação ( ) (questão 48 apenas para UBSF/PACS) 48) Alguma equipe da unidade aderiu ao PMAQ Não ( ) Sim ( ) Quantas? (total: ) 49) Com que periodicidade ocorrem as reuniões: Internas Semanal( ) Mensal( ) Bimestral( ) Semestral( ) Não ocorrem( ) Outras Inter-unidades Semanal( ) Mensal( ) Bimestral( ) Semestral( ) Não ocorrem( ) Outras Com a SMS Semanal( ) Mensal( ) Bimestral( ) Semestral( ) Não ocorrem( ) Outras 50) Nota alguma diferença de estilo de gestão entre as unidades geridas por OSS e as geridas diretamente pela prefeitura? Não ( ) Sim ( ) Qual? Bloco 7 Gerência de Equipe 51) Existe treinamento para preparar o profissional para o cargo de: Gerência? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) Administrativo? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) Enfermagem? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) Médico? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) Agente Comunitário de Saúde? Não ( ) Sim ( ) Apenas no ESF ( ) Não sabe ( ) 52) O treinamento é realizado pela OSS ou pela SMS? OSS ( ) SMS ( ) Outro 53) A gerência tem autonomia para: Selecionar? Não ( ) Sim ( ) Montar a grade horária? Não ( ) Sim ( ) Definir quem trabalha com quem? Não ( ) Sim ( ) Oferecer treinamento? Não ( ) Sim ( ) Indicar para promoção? Não ( ) Sim ( ) Oferecer incentivos financeiros? Não ( ) Sim ( ) Oferecer outros incentivos? Não ( ) Sim: Quais? 54) Algum destes grupos profissionais é mais interessado em cursos de aperfeiçoamento? SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo 55) Caso identifique algum grupo, porque acredita que isso acontece? 56) A gerência utiliza algum instrumento de avaliação? Não ( ) Sim ( ) Qual? Prefeitura ( ) Prestadora ( ) Outros:

19 57) Esses instrumentos são aplicados para avaliar: O profissional individualmente: Não ( ) Sim ( ) A equipe em conjunto: Não ( ) Sim ( ) Bloco 8 - Rotatividade de Pessoal 58) Quem é que mais requisita os remanejamentos de pessoal dentro da rede municipal? O próprio profissional ( ) O gerente da unidade ( ) A Secretaria Municipal de Saúde ( ) Outros: 59) O que você acha que mais importa para manter o profissional na atenção básica: SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo Caso não haja resposta espontânea, oferecer as alternativas: a) Salário b) Estabilidade c) Violência no entorno d) Localização física da unidade e) Gerência da unidade f) Condições materiais de trabalho (infraestrutura do prédio, material de uso médico-diário) g) Condições imateriais de trabalho (satisfação da população, cotidiano da unidade, qualidade da relação com a população) 60) Algum destes grupos é mais propenso à rotatividade? SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo 61) Há diferença salarial entre funcionários da prefeitura e da OSS? Não( ) Sim( ) Qual? 62) Qual o salário desses profissionais? SMS (estatutário) Prestadora Outros? Médicos Enfermeiros Agentes comunitários Administrativo 63) Você avalia que o salário desses profissionais na Atenção Básica do seu município é competitivo com o que é oferecido na saúde privada? a) Médicos Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) b) Enfermeiros Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) c) Auxiliares de Enfermagem Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) d) Administrativo Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( ) e) Gerentes de unidade Não ( ) Sim ( ) Não sabe ( )

20 Bloco 9 Comunicação com a população 64) Quais canais são utilizados para comunicação com a população? Livro de queixas Conselho de Unidade Conselho Municipal Pesquisa de Satisfação Ouvidorias Informalmente: Recepção ( ) Enfermeiros ( ) Médicos ( ) Gerência ( ) Outros: 65) A gerência recebe reclamações dos usuários da unidades pela SMS? Não ( ) Sim ( ) 66) A gerência repassa reclamações dos usuários da unidades para a SMS? Não ( ) Sim ( ) 67) Quais são as queixas mais frequentes? Tempo de espera ( ) Falta de médicos ( ) Desorganização ( ) Insatisfação com os funcionários ( ) Insatisfação com a infra-estrutura ( ) Outros: 68) A unidade tem conselho? Não ( ) Sim ( ) 69) Se reúne com regularidade? Não ( ) Sim ( ) 70) Os conselheiros são assíduos? Não ( ) Sim ( ) 71) Os conselheiros trazem questões, contribuem para a discussão? Não ( ) Sim ( ) 72) Os conselheiros representam as necessidades da população? Não ( ) Sim ( ) 73) Acha que o conselho da unidade tem um papel a desempenhar? Não ( ) Sim ( ) Qual? 74) Acha que o conselho da unidade está cumprindo esse papel? Não ( ) Sim ( ) Por quê? 75) A população entende o papel do conselho e conselheiros no SUS? Não ( ) Sim ( ) 76) Os conselheiros entendem o papel do conselho e conselheiros no SUS? Não ( ) Sim ( ) 77) Quando foi a última eleição de conselheiros? 78) Quantos se candidataram? 79) Quantos votaram?

21 80) Quem se interessa por participar do conselho? Há um perfil de morador? 81) Quem tipo de demanda vem do conselho? 82) O conselho guarda atas de suas reuniões, ou outros documentos? Podemos ter acesso? Não ( ) Sim ( ) 83) Tem uma opinião sobre o Conselho Municipal?

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012 6º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda Espontânea na Atenção Básica em Saúde: A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Leia mais

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos.

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos. Introdução A Assistência Domiciliar surge para responder à demanda de individualização da assistência, realizando cuidados na privacidade do domicílio do paciente, possibilitando ao mesmo e à família participarem

Leia mais

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde

Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde Conheça o SUS e seus direitos e deveres, como usuário da saúde O Escritório de Projetos de Humanização do ICESP desenvolveu esta cartilha para orientar os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) sobre

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Proponente: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA DO SUL Localização: BAIRRO FUNDEC Área da construção: 232,93 m² Resp. Técnica: Marlei Salete Ogrodowski

Leia mais

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Regulamenta a concessão de incentivo financeiro, Prêmio Variável de Qualidade e Inovação, do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA ENGENHO VELHO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2º TRIMESTRE DO 2º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de Dezembro de 2012 à Fevereiro de 2013 2 INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta

Leia mais

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATTI - ASSESSORIA TÉCNICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Secretaria Municipal da Saúde, visando a modernização da gestão, investiu na implantação de um Sistema Integrado de Gestão da Assistência à Saúde,

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA - JULHO 213 CONTEXTO 22 CONTRATO DE GESTÃO E O IDQ Objetivo de incentivar qualidade e produtividade Componente

Leia mais

PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE

PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. PREFEITURA DE NOVO HAMBURGO INFORMATIZA SERVIÇOS DE SAÚDE E TRAZ MELHORIAS PARA CIDADÃOS E PROFISSIONAIS DA REDE Perfil A Secretaria Municipal da

Leia mais

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil...

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Encontramos diversidade nas estruturas, modo de organização e escopo das ações de APS... O registro de campo como instrumento de pesquisa percepção dos entrevistadores

Leia mais

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado. Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo/SP São Bernardo do Campo/SP População IBGE (estimativa

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Projeto Saúde On-line

Projeto Saúde On-line Projeto Saúde On-line Sistemas de computadorizados de registro médico e tecnologia de informação em saúde. INTRODUÇÃO: Visando organizar o acesso aos serviços, agilizar processo, impactar na qualidade

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Estágio Curricular II - Administração em Enfermagem ÂNGELA BAGATTINI RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR II- REDE BÁSICA DE SAÚDE: Unidade básica

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Por uma política de saúde do trabalhador do SUS na Secretaria Municipal de Divinópolis/MG Marília Fraga Cerqueira

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Tabela 1: Documento para comprovação das ações das equipes de AB Módulo Módulo Documento Documento que conste o CNES da UBS, o código de área

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado No Ceará, as queixas de quem procura o sistema de saúde são atendidas, encaminhadas e respondidas, ajudando a melhorar os serviços SAÚDE Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado (ESTADO DO CEARÁ)

Leia mais

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/DAB Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar Ação: Ampliação e qualificação da atenção domiciliar. Para quem:

Leia mais

A Estratégia e-sus. Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA

A Estratégia e-sus. Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA A Estratégia e-sus AB em Caxias/MA Estratégia e-sus AB Vinícius Araújo Secretário Municipal de Saúde Caxias- MA Caxias- MA Localizada no leste maranhense, fica à 360 km da capital, São Luís. Possui 160.291

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 A Redes da Maré seleciona tecedores para o Programa Criança Petrobras (PCP) na Maré. Antes de se candidatar, conheça bem os valores e atuação da instituição.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES A) CONHECER OS PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS B) PLANEJAR A AÇÃO DE CONTROLE/FISCALIZAÇÃO C) SOLICITAR INFORMAÇÕES PRÉVIAS D) VISITA AO LOCAL / INSPEÇÕES / ENTREVISTAS (TÉCNICAS

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE GERENTE DE UBSF EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS

PROCESSO SELETIVO DE GERENTE DE UBSF EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS PROCESSO SELETIVO DE GERENTE DE UBSF EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS A Associação Saúde da Família ASF faz saber que realizará processo seletivo para cargo de Gerente nas Unidades Básicas de

Leia mais

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 Ementa: Acesso ao prontuário e anotação pelo Agente Comunitário de Saúde. 1. Do fato Enfermeira que atua em Estratégia Saúde

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF Jorge Zepeda Gerente de APS da SMS de Florianópolis I Encontro Estadual dos NASF de SC Florianópolis, Novembro de 2012 ROTEIRO DE CONVERSA 1. LUGAR DE ONDE FALO:

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1 Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

CENTROS DE ESPECIALIDADES

CENTROS DE ESPECIALIDADES CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS (CEO): Um estudo linha de base para a avaliação e monitoramento dos serviços para o Brasil. METODOLOGIA 2ª ETAPA Visita i em loco aos serviços cerca de 10% dos CEO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ]

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 07 /2014

NOTA TÉCNICA 07 /2014 NOTA TÉCNICA 07 /2014 Institui o incentivo financeiro de custeio destinado aos núcleos de Telessaúde do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, Componente de Informatização e Telessaúde

Leia mais

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 NÍVEL SUPERIOR CIRURGIÃO DENTISTA BUCO MAXILO FACIAL - CEOCAM Realizar

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

São Paulo, 14 de Maio de 2010. Ofício Lote III n.º 008/2010

São Paulo, 14 de Maio de 2010. Ofício Lote III n.º 008/2010 Ofício Lote III n.º 008/2010 São Paulo, 14 de Maio de 2010. Prezada Senhora, Através deste, encaminhamos o Relatório dos Indicadores Gerais de Acompanhamento e Avaliação da Gestão, dos Indicadores de Produção

Leia mais

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul.

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. PROJETO TELESSAÚDERS Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. (TelessaúdeRS) O que é o TelessaúdeRS? É um serviço de suporte assistencial

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação Av. São Paulo 3996 Vila Rosário Ibirité MG CEP:32400-000 Telefone: (31) 3521-9540- Fax: (31) 3521-9534 www.fundacaohantipoff.mg.gov.br MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde

Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde A Estratégia Saúde da Família é, desde 1994, a opção brasileira para expansão e fortalecimento da atenção básica. Desde então, observamos importante aumento de sua cobertura

Leia mais

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES

Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Programa de Saúde Familiar Uma Análise na Região do Caparaó/ES Letícia Polastrelli de Carvalho UVV Faculdade de Guaçuí guacui@uvv.br Marcio José Furtado UVV Faculdade de Guaçuí marciofurt@yahoo.com.br

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início :

J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início : J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início : Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre o uso dos serviços de saúde, dificuldades para conseguir o atendimento e sua avaliação sobre o atendimento

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Claudilene Fernandes da Silva

Claudilene Fernandes da Silva CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA IMPLANTAÇÃO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: ASSEGURANDO SATISFAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO UPA CARUARU RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1º TRIMESTRE DO 4º ANO DO CONTRATO DE GESTÃO Período de outubro à dezembro de 2013 fevereiro

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

EIXOS E DIMENSÕES DO INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO

EIXOS E DIMENSÕES DO INSTRUMENTO DE MONITORAMENTO Instrumento de Monitoramento da Atenção à Saúde de Adolescentes e Jovens na Rede Básica de Saúde Ao aplicar esse instrumento, as UBS obtiveram informações importantes para avaliar o acesso dos/as adolescentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ RELATÓRIO DE EXECUÇÃO OUTUBRO/2015 UPA 24 SÃO PEDRO DA ALDEIA RJ Relatório Mensal de Acompanhamento do Contrato de Gestão nº 02/2015. DIREÇÃO LOCAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. O INDSH... 5 1.2. A UPA

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria

Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria Marjorie Travassos Reis Diretora da Auditoria SUS Camaçari Salvador - Bahia Setembro 2014 Auditoria SUS Camaçari Implantação Avanços

Leia mais

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira RESPOSTA: CORRETA PERMANECE A LETRA D QUESTÃO 42. A senhora Maria Cristina 22 anos, do lar, união estável, tem um filho de 2 anos(pedro). A mesma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais