Tool. Change Network. (English and Brazilian Portuguese) 2012 Changefirst Limited

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tool. Change Network. (English and Brazilian Portuguese) 2012 Changefirst Limited"

Transcrição

1 Tool Change Network (English and Brazilian Portuguese) 2012 Changefirst Limited

2

3 Change Network Mapping Purpose To represent the true political terrain that needs to be addressed when planning for the change. To ensure that Sponsors and Change Agents share a common understanding of the potential impact of the political structure of the organisation on the change effort. To identify the key people involved in securing the necessary sponsorship and influence for the change to succeed. To identify other key individuals and groups who are critical in order for the change to succeed. If used in enhanced form to serve as a critical scope/challenge depiction of the change. When to Use To map the true political terrain in the Current State and as the change evolves through transition. Anytime there is a sense of inertia, change of direction or other difficulties emerging during transition state. As key players in the change arena are moved and/or replaced. changefirst Ltd, all rights reserved,

4 Change Network Mapping Introduction Do not assume that the formal organisational structure will always depict the change network relationships. The differences between the organisational and political structure are highlighted in the table below. Organisational Structure Formal Constructed Visible May represent delivery of power Political Structure Informal Happens Discoverable Reality 1. Build the Change Network Map The Change Network should map the political structure of the organisation related to a given change situation. It is the informal and unofficial relationships that are often most critical to successful implementation. The formal organisational structure does not realistically reflect the way power and influence flows through the enterprise. That is why Agents should always construct the Change Network Map from the bottom-up to avoid replicating the formal organisational structure. Item Guideline 1 Based on the change description document, identify the area to be mapped. (The area may be a part of the overall network, a particular component of the change or a time boundary e.g. who will be the main Adapters to work with, within a specific time period.) 2 Who are the individuals or groups who will need to change their skills, attitudes and/or behaviours for this change to succeed? Notes: These are the Adapters. (AD) This is not hierarchical, and does not necessarily imply front line workers. Senior and middle managers are often the people whose behaviour must change the most. 3 Who do each of the Adapters, or Adapter groups, you have identified look to provide legitimacy regarding this change? Who provides critical support/reinforcement for this change or has the authority to sanction this change for the Adapters? Note: These are your Reinforcing Sponsors. (RS) 4 Who will sponsor each of the reinforcing sponsorship individuals or groups? (RS) 5 Who is the initiating group or person for this change? Who has ultimate yes/no authority over the change, or could formally stop the change? Note: This is the Initiating Sponsor(s). (IS) 6 Who will enable the change by planning and executing implementation? (Show also who they work for and in what capacity?) Note: These are the Agents. (Ag) 7 Who are the Influencers and other (informal) thought leaders in the area being mapped? Who are they able to influence? Who influences them? Note: These are the informal Influencers (I). 8 Who will design the elements of the Solution? Note: These are the Solution Builders. (SB) changefirst Ltd, all rights reserved,

5 Change Network Mapping Instructions adapted in part from materials developed by ODR. 1. Build the Change Network Map (continued) Role Definitions Role Description Map Abbreviation Initiating Sponsor Reinforcing Sponsor Agent Influencer Adapter Solution Builder An individual or group who can legitimise the change initiative for everyone who is within the scope of this change and be the ultimate authority in the decision-making process. Legitimises this change initiative for the Adapters and ensures the change is implemented in their area. Ultimately accountable for the successful implementation and benefits delivery from this change in their area of organisational authority. Responsible for the planning and execution of tasks and activities that enable people to adapt to and implement this change. Works closely with Sponsors. Has significant influence over others and can potentially deliver positive informal communication that encourages people to adapt to this change. Note: Influencers could also adopt a neutral or negative mindset to the change if they are not effectively enlisted. Has to adapt to new ways of working and must change their behaviour, attitude or skills for this change to succeed. Everyone is viewed as an Adapter initially. Designs components of the change (installation). Examples: New processes or systems, new organisational structures, revised roles and responsibilities, new competency models and development approaches Post solution building, they may move on to be Sponsors, Change Agents or Influencers during implementation. IS RS Ag I Ad SB Relationships Legend for Map = The direction that authority or legitimising power flows between the identified roles. = The direction of informal influence between the identified roles. changefirst Ltd, all rights reserved,

6 Change Network Mapping 2. Analyse the Change Network Map 1. Identify Critical Network Roles or Nodes Identify critical players, from your network. People can be critical if they: have more than one role e.g. RS/SB or Ag/SB have many power/influence arrows around them suggesting they are a key influence node in the network control critical resources e.g. large groups of Adapters, Solution Builders, budgets are part of a core group of Influencers within the organisational entity who have a dominant influence on people s decision making. Note: The issue here is how the key organisational level Agents and Sponsors can best provide support to these critical network roles to maximise their level of support for the change e.g. by giving practical assistance to assist with any capacity issues. 2. Identify Gaps Identify gaps from your Network. Record the key pressure points where gaps in Sponsor commitment, agent presence or enlisted Influencers are evident or likely during this stage in the initiative. The issue here is how to best fill these gaps e.g. through involvement, assigning responsibility, securing resources or adjusting any formal project structure. changefirst Ltd, all rights reserved,

7 Change Network Mapping 2. Analyse the Change Network Map (continued) 3. Key Relationships Identify the key relationships from your Network. Record the key role relationships that need to be effective to increase the likelihood of success at this stage e.g. between Sponsor groups or Agents and Solution build teams. The issue here is how will the relationship be developed and maintained rather than left to chance? 4. Identify Specific Actions. Item Question 1 Are all of the network players (Sponsor, Agent etc.) aware of their role in this change initiative? What communication/preparation do they require? 2 Will network players be able to give the effort or time commitment expected of them for this initiative? 3 Does a formal project structure exist for the initiative? Is a structure, or adjustment to the structure, required? Consider who is in steering team, design team, communication team, implementation or execution team etc. 4 What does the network tell you about the natural path for communication? What does the network tell you about the sequence for the communications plan execution? 5 What opportunity is there to bring the network together to become involved in Solution and implementation design - rather than be told about it? changefirst Ltd, all rights reserved,

8 Change Network Mapping 2. Analyse the Change Network Map (continued) 5. Assess Power When undertaking major change it is important to understand how much power key network role players have to either facilitate or hinder the change. This power is derived mainly from their influence due to organisational rank, but can be compounded by their attitude to the particular change situation. υ Those that have power and are favourable in attitude need ENCOURAGEMENT υ Those that have power but are unfavourable in attitude need CONVINCING/WORKING AROUND It s important that the Change Agent understands at this stage the attitude of the critical network players to this change, and how much power they have. The degree of support and opposition will affect the approach the Change Agent needs to take towards implementation. Use the Grid provided to position critical network role players identified in your Change Network Map in terms of their level of power to influence and their attitude to the change. NETWORK POWER MATRIX Attitude For 5 4 Neutral 3 2 Against What must be done to address high power/against attitude? Low Medium High Power How can the positive impact of those with high power/for attitude be most effectively used? changefirst Ltd, all rights reserved,

9 Change Network Mapping 3. Enhancing the Change Network Map Further Advanced Information Building The Network Map can be enhanced further to provide a comprehensive picture of the scope and challenge of the change by adding further descriptive data. The map then becomes a core dynamic planning document for the Agent throughout the change life cycle. Further Information The orientation of critical network nodes can be identified by colour coding the node legend oval. The orientation of the key Influencers can be denoted are they against, neutral or supportive of the change. Legend Favourable node in green Unfavourable node in red Supportive = I + Neutral = I ~ Against = I The quality of power relationships can be shown are they established, healthy and supportive or emerging, dysfunctional/adversarial. (Note low quality power relationships will at a minimum require high quality Agent influence to compensate.) Established relationship, gone through several changes previously, mutual respect and support. + New relationship, low experience of change, low trust or coercive. The proximity of power relationships can be added are the S and Ad co located, operate in separate locations in same country or separted across time zones/cultures. Co location: (1 unit) Same Country: (2 units) Time Zone/ Culture Distance: (3 units) Numbers and location information for Adapter populations can be useful for assessing full scope and communication challenge. Show detail in brackets after Adapter code. e.g. Marketing Team (Ad/50/London Office) UK North Region Sales Force (Ad/20/Field Based.) The strength or degree of influence relationships is the influence weak or very strong. Weak Moderate Strong changefirst Ltd, all rights reserved,

10

11 Mapeamento da Rede de Mudança Objetivo Sinalizar o real ambiente político da organização que precisa ser trabalhado no planejamento da mudança. Assegurar que Sponsors e Agentes de Mudança compartilhem o entendimento do impacto potencial que a estrutura política da organização pode ter sobre o esforço de mudança. Identificar pessoas chave que podem assegurar o patrocínio e influência, necessários para que a mudança seja bem-sucedida. Identificar outros indivíduos e grupos críticos a serem trabalhados para garantir o sucesso da mudança. Compreender o detalhamento de escopo e abrangência da mudança. Sinalizar o real ambiente político da organizaç Quando utilizar Para mapear o real cenário político do estado atual e acompanhar o andamento da mudança durante a transição. A qualquer momento, quando há um senso de inércia, mudança de direção ou outras dificuldades surgindo durante a transição. Quando atores-chave no ambiente da mudança são realocados ou substituídos. 1

12 Mapeamento da Rede de Mudança n Introdução Não suponha que a estrutura formal da organização vá sempre refletir a rede de relacionamento da mudança. As diferenças entre a estrutura organizacional e a estrutura política são destacadas na tabela abaixo. Estrutura Organizacional Formal Construída Visível Poder hierárquico Estrutura Política Informal Surge/Acontece Reconhecível Poder real n 1. Construa o Mapa da Rede de Mudança A Rede de Mudança deve mapear a estrutura política da organização no que diz respeito a uma situação de mudança. São os relacionamentos informais e formais que frequentemente são os mais críticos para o sucesso da implementação. A estrutura formal da organização não reflete de forma realista o modo como poder e influência circulam no ambiente empresarial. É por isso que os Agentes devem sempre construir um Mapa da Rede de Relacionamentos de baixo para cima, para evitar replicar a estrutura formal da organização. Item Orientação 1 Com base no documento de descrição da mudança, identifique a área a ser mapeada. (A área pode ser uma parte de toda a rede, um componente particular da mudança ou um prazo específico. Por exemplo: os principais Usuários, dentro de um período específico de tempo.) 2 Quem são os indivíduos ou grupos que precisarão mudar suas habilidades, atitudes e/ou comportamentos para que esta mudança seja bem-sucedida? Obs.: Estes são os Usuários. Isto não é hierárquico, e não implica, necessariamente, em profissionais de linha de frente. Gerentes da alta e média gestão são frequentemente as pessoas cujo comportamento/atitude mais precisam ser mudadas. 3 Quem é que os Usuários (ou grupos de Usuários) que você identificou procuram para dar legitimidade a esta mudança? Quem fornece apoio/reforço fundamental para esta mudança ou tem a autoridade para sancionar esta mudança para os Usuários? Obs.: Estes são os Sponsors de Reforço. 4 Quem será o sponsor de cada um dos indivíduos ou grupos responsáveis pelo reforço do patrocínio da mudança? 5 Quem é o patrocinador inicial para esta mudança? Quem tem a máxima autoridade para dizer sim ou não sobre a mudança ou poderia, formalmente, cancelar a mudança? Obs.: Este(s) é(são) o(s) Sponsor(s) Inicial(ais). 6 Quem irá viabilizar a mudança por meio do planejamento e execução da implementação? (Observe também para quem eles trabalham e em qual função) Obs.: Estes são os Agentes de Mudança. 7 Quem são os influenciadores e outros formadores de opinião (informais) na área a ser mapeada? A quem eles influenciam? E quem os influencia? Obs.: Estes são os Influenciadores informais. 8 Quem desenhará os elementos da Solução? Obs.: Estes são os Construtores da Solução. 2

13 Mapeamento da Rede de Mudança Instruções adaptadas parcialmente de materiais desenvolvidos pelas Áreas de Desenvolvimento Organizacional. n Construa o Mapa da Rede de Mudança (continuação) Definição de Papéis Papéis Descrição Abreviaturas Sponsor Inicial Sponsor de Reforço Agente de Mudança Influenciador Usuário Construtor da Solução Um indivíduo ou grupo que pode legitimar a iniciativa da mudança para todos aqueles contemplados no escopo desta mudança e que pode ser a autoridade máxima no processo de tomada de decisão. Traz legitimidade a esta iniciativa de mudança para os Usuários e assegura a implementação da mudança na sua área. Responsável pelo sucesso da implementação e seus benefícios na sua área organizacional. Responsável pelo planejamento e execução de tarefas e atividades de capacitação das pessoas para se adaptarem e implementarem esta mudança. Trabalham bem próximos dos Sponsors. Possui uma influência significativa sobre os outros e potencialmente pode fornecer comunicação informal positiva no sentido de encorajar as pessoas a se adaptarem a esta mudança. Obs.: Influenciadores podem também adotar um modelo mental neutro ou negativo no que diz respeito à mudança se eles não forem efetivamente engajados no processo. Tem que se adaptar à nova forma de trabalho e precisa mudar seus comportamentos, atitudes ou habilidades para que a mudança seja bem-sucedida. Inicialmente todos são considerados Adapters. Projeta os componentes da mudança (instalação). Exemplos: Novos processos ou sistemas, nova estrutura organizacional, revisão de funções e responsabilidades, novos modelos de competência ou abordagens de desenvolvimento. Após a construção das soluções, eles podem vir a ser Sponsors, Agentes de Mudança ou Influenciadores durante a implementação. SI SR AG I U CS Legenda do Mapa de Relacionamentos = O sentido do poder da autoridade ou o poder legitimador entre os papéis identificados. = O sentido da influência informal entre os papéis identificados. 3

14 Mapeamento da Rede de Mudança n Analise o Mapa da Rede de Mudança 1. Identifique Papéis ou Grupos Importantes na Rede Identifique atores estratégicos na sua rede. As pessoas podem ser estratégicas se: têm mais de um papel. Ex: SR/CS or AG/CS têm várias setas em volta delas, sugerindo que são influenciadores importantes controlam recursos estratégicos. Ex: grandes grupos de Adapters, Construtores de Soluções, orçamentos integram um núcleo de Influenciadores na organização tendo grande influência nas maneiras que as pessoas tomam decisões. Obs.: A questão aqui é como os Agentes e Sponsors estratégicos do nível organizacional podem melhor oferecer suporte adequado a essas funções críticas da rede, de forma a maximizar seus níveis de apoio à mudança. Ex: Fornecer ajuda prática com questões de capacitação. 2. Identifique Lacunas Identifique lacunas na sua Rede. Tome nota dos pontos de pressão críticos onde existem ou são prováveis de existir lacunas no comprometimento do Sponsor, presença do Agente ou Influenciadores neste estágio da iniciativa. A questão aqui é como melhor preencher esses lacunas. Ex: por meio de envolvimento, designação de responsibilidades, proteção de recursos ou ajustando a estrutura formal do projeto. 4

15 Mapeamento da Rede de Mudança 3. Relacionamentos-chave Identifique os relacionamentos-chave na sua Rede. Tome nota dos relacionamentos que precisam ser efetivos para aumentar a probabilidade de sucesso neste estágio. Ex: entre grupos de Sponsors ou Agentes e equipes de Construção de Soluções. A questão aqui é como o relacionamento será desenvolvido ou mantido ao invés de deixá-lo ao acaso. 4. Identifique Ações Específicas Item Questão 1 Todos os membros da rede (Sponsor, Agente etc.) estão conscientes do seu papel nesta iniciativa de mudança? Qual comunicação/preparação eles requerem? 2 Os membros da rede estarão aptos a se esforçar ou terão o tempo necessário que é esperado deles para a iniciativa? 3 Existe uma estrutura formal de projeto para a iniciativa? É necessário uma estrutura ou um ajuste na estrutura? Examine quem são as equipes que lideram e desenham o projeto, os responsáveis pela comunicação, implementação ou execução etc. 4 O que a rede lhe diz sobre o caminho natural para a comunicação? O que a rede lhe diz sobre como sequenciar a execução do plano de comunicação? 5 Que oportunidade há para juntar os membros da rede para se envolverem com o desenho da Solução e implementação ao invés de somente serem informados a respeito? 5

16 Mapeamento da Rede de Mudança n Analise o Mapa da Rede de Mudança (continuação) 5. Avaliação da Estrutura de Poder Ao realizar uma mudança grande é importante compreender o poder de membros estratégicos da rede para facilitar ou prejudicar a mudança. Este poder é oriundo, principalmente, da influência adquirida pelo cargo, mas pode ser reforçada por sua atitude com relação à situação específica de mudança. υ Aqueles que têm poder e possuem atitude favorável, precisam de ENCORAJAMENTO υ Aqueles que têm poder, mas que possuem atitudes desfavoráveis, precisam ser CONVENCIDOS/TRABALHADOS Neste estágio é importante que o Agente de Mudança tenha um entendimento da atitude dos membros críticos da rede, e o quanto poder eles têm. O grau de apoio e oposição vai interferir na abordagem que o Agente de Mudança precisa ter para a implementação. Use a Grade abaixo para inserir membros críticos da rede identificados no seu Mapa de Rede de Mudança, considerando o nível de poder para influenciar e a sua atitude perante a mudança. MATRIZ DA REDE DE PODER Atitude Contra Neutro A favor Baixo Médio Alto Poder O que deve ser feito com relação àqueles com alto poder/ atitude contra? Como o impacto positivo daqueles com alto poder/ atitude a favor pode ser mais bem utilizado? 6

17 Mapeamento da Rede de Mudança n Aprimorando o Mapa da Rede de Mudança Construindo Informações Avançadas O Mapa da Rede pode ser aprimorado de forma a promover uma maior compreensão do cenário e desafios da mudança por meio da inserção de dados descritivos. Assim o mapa se torna uma referência dinâmica para o Agente, a ser usado no decorrer do ciclo de vida da mudança. Informação Adicional Legenda A orientação de nódulos estratégicos pode ser indicada usando um círculo oval colorido Nódulo favorável em verde Nódulo favorável em vermelho A orientação dos Influenciadores-chave pode ser indicada eles são a favor, neutros ou apoiadores da mudança. A qualidade dos relacionamentos de poder pode ser demonstrada são relacionamentos estabelecidos, saudáveis e apoiadoras, ou emergentes, disfuncionais/adversos. (Obs.: a baixa qualidade dos relacionamentos de poder vai requerer, no mínimo, influência de alta qualidade do Agente para compensar ). A proximidade dos relacionamentos de poder pode ser adicionada à matriz os S e U estão localizados no mesmo lugar ou em lugares separados no mesmo país ou separadas por fuso horários/culturas. Informação de números e localização para população de Usuários podem ser úteis para avaliar todo o escopo e o desafio da comunicação. A força ou grau de influência dos relacionamentos a influência é fraca ou muito forte. Facilitador = I + Neutro = I ~ Contra = I Relacionamentos formalizados, que já passaram por várias mudanças, respeito mútuo e apoio. Novos relacionamentos, pouca experiência com mudanças, baixa confiabilidade ou coercivo. Mesma Localização: (1 unidade) Mesmo País: (2 unidades) Fuso Horário/ Distância Cultural: (3 unidades) Mostra detalhes entre parêntesis após o código do Usuário. Exemplo: equipe de Marketing (U/50/Escritório de Londres) Equipe de Vendas do Norte do Reino Unido (U/20/Baseado no Campo.) Fraca Moderada Forte 7

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE

IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE IN THE CIRCUIT COURT FOR ORANGE COUNTY, FLORIDA PROBATE DIVISION IN RE: GUARDIAN ADVOCATE OF/ REF: CURATELA ESPECIAL DE Case No / N o do Caso: ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE REPORT ANNUAL GUARDIAN ADVOCATE PLAN

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and

BIBLIOGRAFIA. Faupel, A. & Sharp, P. (2003). Promoting emotional literacy. Guidelines for schools, local authorities and RESUMO EXPANDIDO Pode definir-se Literacia Emocional como a capacidade para reconhecer, compreender, expressar e gerir estados emocionais, do próprio e de outras pessoas, existindo associações entre esta

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

Project Communications Management. PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br

Project Communications Management. PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br Project Communications Management PMBOK Capítulo 10 hermano@cin.ufpe.br Quem não se comunica se intrubica Abelardo CHACRINHA Barbosa Gerência da Comunicação O gerente de projeto gasta de 75% a 90% de seu

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

2012 State of the Industry Survey

2012 State of the Industry Survey 2012 State of the Industry Survey Contact Information Por favor, preencha suas informações de contato (* indicates required information) Nome * Título * Title Razão Social completa da Empresa/Organização

Leia mais

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil These guides possess a lot information especially advanced tips such as the optimum settings configuration for manualdepsiquiatriainfantil manual

Leia mais

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse

Simulação Gráfica e Visão Computacional. Soraia Raupp Musse Simulação Gráfica e Visão Computacional Soraia Raupp Musse Objetivo Analisar exemplos comerciais e do estado-da-arte científicos que utilizam dados reais para aprimorar a qualidade de simulações e animações.

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user.

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user. Órgão: Ministry of Science, Technology and Innovation Documento: Flow and interaction between users of the system for submitting files to the periodicals RJO - Brazilian Journal of Ornithology Responsável:

Leia mais

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1

Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Normas Gráficas do Símbolo e Logótipo aicep Portugal Global aicep Portugal Global Symbol and Logo Graphic Guidelines Capítulo 1 Chapter 1 Introdução Introduction Normas Gráficas Este manual fornece os

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Escopo de Projetos. Parte 04. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Escopo de Projetos Parte 04 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems João Barreto and Paulo Ferreira Distributed Systems Group INESC-ID/Technical University Lisbon, Portugal www.gsd.inesc-id.pt Bandwidth remains

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

EIA and SEA differences and relationship

EIA and SEA differences and relationship Mestrado em Urbanismo e Ordenamento do Território/ Master in Urban Studies and Territorial Management Mestrado em Engenharia do Ambiente / Master in Environmental Engineering Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

design para a inovação social

design para a inovação social design para a inovação social mestrado em design - 15 16 universidade de aveiro gonçalo gomes março de 2016 s.1 ergonomia ergonomia > definição Ergonomia A ergonomia (do grego "ergon": trabalho; e "nomos":

Leia mais

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes.

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Palavras-chave : Análise Redes Sociais, Criança com Diabetes, Cuidados Continuados,

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

CONSULTORIA E ACOMPANHAMENTO PATRIMÓNIO HISTÓRICO E CONTEMPORÂNEO

CONSULTORIA E ACOMPANHAMENTO PATRIMÓNIO HISTÓRICO E CONTEMPORÂNEO CONSULTORIA E ACOMPANHAMENTO PATRIMÓNIO HISTÓRICO E CONTEMPORÂNEO O QUE OFERECEMOS! COMO FUNCIONA! CONTACTOS CONSULTORIA E ACOMPANHAMENTO PATRIMÓNIO HISTÓRICO E CONTEMPORÂNEO ÍNDICE CONTACTOS O QUE OFERECEMOS!

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão: 26 30 41 A questão 26 do código 02, que corresponde à questão 30 do código 04 e à questão 41 do código 06 Nº de Inscrição: 2033285 2041257 2030195 2033529 2032517 2080361 2120179 2120586 2037160

Leia mais

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores

Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Campos extraídos diretamente Título Software reliability analysis by considering fault dependency and debugging time lag Autores Huang, Chin-Yu and Lin, Chu-Ti Ano de publicação 2006 Fonte de publicação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

O INTÉRPRETE EM SEU MEIO PROFISSIONAL

O INTÉRPRETE EM SEU MEIO PROFISSIONAL Rebecca Frances Atkinson O INTÉRPRETE EM SEU MEIO PROFISSIONAL Por uma voz mais alta Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Letras da PUC-Rio como requisito parcial

Leia mais

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.

desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org. desenvolvimento de software em indústria, comunidades acadêmicas e científicas uma fábrica de software?... joa@ufrpe.br silvio@cesar.org.br laboratórios de desenvolvimento... Produção de Software: histórico

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation

DevOps. Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013. Accelerating Product and Service Innovation DevOps Carlos Eduardo Buzeto (@_buzeto) IT Specialist IBM Software, Rational Agosto 2013 1 O desenvolvedor O mundo mágico de operações Como o desenvolvedor vê operações Como operações vê uma nova release

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE

PRINCE2 FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING SOLUTIONS WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE PYLCROW Portugal LISBOA Email: info.pt@pylcrow.com Telefone: +351 21 247 46 00 http://www.pylcrow.com/portugal WWW.PYLCROW.COM PORTUGAL - BRAZIL - MOZAMBIQUE FOUNDATION AND PRACTITIONER INNOVATIVE LEARNING

Leia mais

Ideação - Geração de idéias para inovação

Ideação - Geração de idéias para inovação Ideação - Geração de idéias para inovação Carlos Arruda, Anderson Rossi e Paulo Savaget Centro de Referência em Inovação 19 de Outubro/2010 Agenda do evento 8h45 9h00 Café de boas vindas 9h00 9h30 Abertura:

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA.

COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. COMITÊ DO ESPECTRO PARA RADIODIFUSÃO - CER SPECTRUM DAY 16.08.2011 A REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO DO USO DA FAIXA DE 3,5 GHZ UMA NECESSIDADE COMPROVADA. PAULO RICARDO H. BALDUINO 0 Conteúdo 1. Introdução

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade IV Jobs The perfect job for you 2 Aula 10.1 Conteúdos Vocabulary: Jobs; Reading Comprehension 3 Habilidade Dizer o nome das

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Profissionalização de Organizações Esportivas:

Profissionalização de Organizações Esportivas: Eduardo de Andrade Pizzolato Profissionalização de Organizações Esportivas: Estudo de caso do Voleibol Brasileiro Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

O PAPEL DO SETOR PÚBLICO NO DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL

O PAPEL DO SETOR PÚBLICO NO DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL FOCUS GROUP O PAPEL DO SETOR PÚBLICO NO DESENVOLVIMENTO DO ECOSSISTEMA DE INVESTIMENTO SOCIAL 23 ABRIL 2015 PARTE I BOAS VINDAS Boas vindas da: AMP Área Metropolitana do Porto Boas vindas dos parceiros

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 (CHARTER OF RECOMMENDATION AND PRINCIPLES OF FORUM EMPRESARIAL RIO+20 TO UNCSD-2012) Nós, membros participantes do FÓRUM

Leia mais

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience)

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) 1 Jose de Ribamar, Ger Qualidade e Food Safety Cargill Amidos e Adoçantes América do Sul jose_ribamar@cargill.com

Leia mais

A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS:

A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS: BIOÉTICA ANA BERNARDO SEARA CARDOSO A COMUNICAÇÃO NA TRANSIÇÃO PARA CUIDADOS PALIATIVOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA REALIDADE PORTUGUESA Resumo da dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013 Consórcio do Politecnico di Milano Fevereiro 2013 DESIGN DEFINITIONS SENAI & POLI.design Fevereiro 2013 Design como uma atividade específica no processo de P&D que visa a projetação dos aspectos funcionais

Leia mais

A Influência do Correio Eletrônico na Comunicação Organizacional

A Influência do Correio Eletrônico na Comunicação Organizacional Claudia Müller de Almeida A Influência do Correio Eletrônico na Comunicação Organizacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ MATEMÁTICA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 30/11/2014 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 1. Prova

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios por meio da transparência no Estado de São Paulo Dentro do MoU (Memorando de Entendimento) que o Governo do Estado tem com o Reino Unido estão sendo promovidos vários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES

2. HUMAN RESOURCES 2. RECURSOS HUMANOS 1 RECRUTAMENTO E SELECÇÃO 1 RECRUITMENT AND SELECTION 2 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES RECURSOS HUMANOS HUMAN RESOURCES . RECURSOS HUMANOS RECRUTAMENTO E SELECÇÃO. HUMAN RESOURCES RECRUITMENT AND SELECTION O recrutamento e a situação contratual, no ano em análise, e face ao anterior, caracterizaram-se

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

Vaccines for Your Children

Vaccines for Your Children Vaccines for Your Children Vaccines help prevent disease. Babies born in the United States may have their first vaccine right after birth. Future vaccines are given at well child check-ups with your child

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Tecnologia e Inovação na era da Informação

Tecnologia e Inovação na era da Informação Tecnologia e Inovação na era da Informação Cezar Taurion Executivo de Novas Tecnologias Chief Evangelist ctaurion@br.ibm.com TUDO EM TEMPO REAL TECNOLOGIA PERVASIVA E COMPUTAÇÃO SOCIAL A SOCIEDADE HIPERCONECTADA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439

WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439 Page 1 of 10 WATER MATTRESS MASSAGE SYSTEM 20439 CONTENTS Massage System with Controller Please note: the above image shows a white unit and a blue unit. The white unit is supplied inside the blue unit

Leia mais

Each year hundreds of Friendship Force. clubs travel on outbound exchanges, and host inbound exchanges

Each year hundreds of Friendship Force. clubs travel on outbound exchanges, and host inbound exchanges Cada ano centenas de clubes da Friendship Force viajam em intercâmbios de saída, Each year hundreds of Friendship Force clubs travel on outbound exchanges, e recebem intercâmbios de chegada and host inbound

Leia mais

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL MORAIS, Rafael Oliveira Lima Discente do curso de Pedagogia na Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO O profissional que entender que é importante

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 17 de Abril de 2008 Versão Portuguesa 1. O que é uma Certidão Permanente?...4 2. Como posso ter acesso a uma Certidão Permanente?...4 3. Onde posso pedir uma Certidão Permanente?...4

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais