5/15/2009. Carajas District. Urucum District. Quadrilatero Ferrifero. Location of the four cratons

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5/15/2009. Carajas District. Urucum District. Quadrilatero Ferrifero. Location of the four cratons"

Transcrição

1 Iron Formations in Brazil A Focus in the Iron Quadrangle Tectonic Map of South America Carajas District Urucum District Location of the four cratons Quadrilatero Ferrifero 1

2 Location of the main BIF-bearing Basins at 2.0 Ga. K. Rog Kursk Labrador F Derik Nimba, Simandou Bailadilla Hamersley Naberu L. Superior Carajás QF Goa Orissa Middleback Kapvaal The São Francisco Craton and Surrounding Orogenic Belts 2

3 QF Geologic Structural Map Minas Supergroup Classic Stratigraphy 3

4 Stratigraphy QF x HP 4

5 NW-SE Basin 2.8 Ga Consolidation of the Pilbara G-G G T Ga Fortescue Volcanism 5

6 First record of the MSG ~2.45 Ga Beginning of break up of Late Archean supercontinents Rifting, Dyke swarm injection 2449? 3 Ma Large Igneous Province (Woongara) Opening of the Minas Basin and BIF Deposition 6

7 NE-SW Basin ~2.6 Ga Deposition of the Hamersley Group Fm. Moeda Fm. Batatal Fm. Cauê Minas Supergroup Classic Stratigraphy 7

8 Platformal Where is the Rift Sequence? Environment on a Passive Margin Classic Minas SG starts with widespread fluvio-deltaic environment Minas SG Rift Sequence Candidates? 8

9 Batatal & Cauê Formations Carbonaceous Phyllite, Sericite Phyllite, Chert, Carbonates. Turbidites? Pyrite Nodules (Oxidized to Hematite) Slump folds in sandstones Batatal Formation 9

10 Deposition of Iron Formations Itabira Group (Cauê/Gandarela) Single unit Key layer Association Pelagites (Batatal)/IF (Cauê) Hamersley Gp: Marra Mamba, Brockman, Weeli Wolli, Bolgeeda ~3x thickness Sub-volcanic/ volcanic/vulcanoclastics in Itabirite Hamersley: Woongara LIP Local sills and volcanoclastic layers 10

11 Plagioclase / fluidal fabric (500x) Euhedral quartz with shards (500X) Hematitized shards (1000x) Ignimbrite clast in chlorite matrix (500x) Different types of Itabirite! Not necessarily Facies! 11

12 Dolomitic Itabirite REE-signature from itabirites 12

13 Dolomitic Itabirite 750µ 13

14 Isotopes in Carbonates Kuruman BIFs Dolomitic Itabirite Griquatown BIFs Gandarela Dolomite Organic C Goethitic Itabirite 100m 100m 750m 14

15 Amphibolitic/ Goethitic Itabirite 750m Pisoliths in Itabirite 15

16 Fm Gandarela Fm. Cercadinho Disc. angular e erosiva Ferruginous Oncoliths in Dolomite 16

17 The gradation from iron formation to dolomitic iron formation and the presence of two stratigraphic levels of intraformational conglomerate and pelitesindicate indicate two uplift events of the basin related to its incomplete inversion with very weak and local development of intraformational fold structures, specially in the iron formation layer D 2 Deformation/McGrath Trough/Foreland Basin Cercadinho Cgl/Piracicaba Gp Uplift aborted orogenesis? 17

18 Lower Piracicaba Group (Cercadinho Fm) Erosional unconformity that separates the Itabira from the Cercadinho Fm/Piracicaba Group with the development of BIF-Pebble conglomerate, Fe -rich sandstones and small supergene ore bodies. Piracicaba Group L. Wyloo Group Turbidites, Carbonates, Chert Dolomites, Iron Formations Iron rich Quartzite BIF-Pebbles Conglomerate Dolomites Continental Basalts (Cheela Springs) Shallow marine/fluvial Quartzite BIF-Pebbles Conglomerate Rifting in the Hamersley Basin 2,2Ga old mafic sills 18

19 Piracicaba Group Sabará - The Foreland Basin Ga (?) Submarine fan with NW- ward debris flow and turbidity currents 19

20 Structural Geology of the Quadrilátero Ferrífero Schematic Cross- Section W Western Low-Strain Domain Bonfim Gneiss Dome Moeda Syncline Bação Gneiss Dome Eastern High-Strain Domain Thrusts from the Cambotas-Fundão System Santa Rita Syncline E Minas Supergroup Rio das Velhas Supergroup Granite-Gneiss Complex Transamazonian Faults Brasiliano Faults 20

21 Neoproterozoic sediments 21

22 Transamazonian Orogeny Ga (?) NE-SW-trending Folds and superposed ~ NW-SE Folding Hamersley - The Ophtalmian Orogeny 2.14 Ga Ophtalmian Fold Belt/ Panhandel Folding? Lower Panhandel Wyloo Folding Group Extension/Rifting Ophtalmian Orogeny Mafic sills/rifting Synorogenic sedimentation Sabará Foreland Basin Transamazonian Upper Piracicaba Orogeny Group 22

23 Tectonic Axes in the Hamersley Basin Ophtalmian Orogeny/ Panhandel Folding Taylor et al., 2001, vs. Müller et al.,

24 Uplift and Erosion Uplift of Gnaisse Domes Orogenic Collapse? 24

25 The Formation of Fe- High-Grade Ores! Fe -Mineralization Fe -Mineralization 2 Fe -Mineralization 1 25

26 Deformation and Folding The folding mechanism (flexural- slip folding) was very important for the development of suitable sites for mineralization Deformation and Folding 26

27 Hypogene Ores: Low Strain Domains Hypogene Ores 27

28 F 1 ^ F 2 Folds Weakly or locally developed Schistosity Loci for Fe- mineralization The Mutuca Fault! Channelway for the fluids? CAPÃO XAVIER MUTUCA JANGADA MAR AZUL MUTUCA Fault TAMANDUÁ FEIJÃO SERRA DA MOEDA BELO HORIZONTE CAPITÃO DO MATO ABÓBORAS Tectonic Control in the Western Domain km ESCALA N GALINHEIRO P I C O SAPECADO 28

29 Córrego do Feijão Original surface Córrego do Feijão Structural Cross- Section Amphibolitic itabirites High-grade ore Dolomitic itabirites Dolomitic phyllite Banded phyllite Bonfim Complex (granite-gneisses) 29

30 Curvas de nível de 100 em 100 metros Córrego do Tijuco km km Indiviso: xistos e filitos intemperizados Formação Barreiro: filitos grafitosos Formação Taboões: ortoquartzitos Formação Cercadinho: quartzitos e filitos ferruginosos Formação Gandarela: dolomitos e filitos dolomíticos Formação Batatal: filitos sericíticos a grafitosos Formação Moeda: filitos,quartzitos e quartzo xistos Contato, tracejado quando inferido Falha, tracejada quando inferida. Anticlinal, traço do plano axial e caimento do eixo Sinclinal, traço do plano axial e caimento do eixo Direção e mergulho de camadas Direção e mergulho de foliação Direção e mergulho de camadas invertidas Mina Drenagens Estradas principais Estradas secundárias 5/15/2009 Serra do Curral Model of Structural Evolution Metassediments (Minas Sg) Gneisses (Bonfim Cplx) Serra do Curral W Segment Rio Paraopeba MAPA GEOLÓGICO E SEÇÃO DO SEGMENTO OESTE DA SERRA DO CURRAL, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG E Córrego da Estiva 1000 CórregoLaranjeira Córrego do Engenho Seco Córrego dos Três Irmãos A A 900 Córrego Valongo SERRA DOS TRÊS IRMÃOS 1000 Córrego do Feijão 1100 Córrego Laranjeiras 800 Ribeirão Casa Branca N TERCIÁRIO E QUATERNÁRIO PROTEROZÓICO ARQUEANO Supergrupo Minas Grupo Sabará Grupo Piracicaba Grupo Itabira Grupo Caraça Complexo Bonfim Coluna Estratigráfica Rolados: depósitos, constituídos de blocos de hematita compacta e itabiritos Canga: colúvio de itabirito e hematita cimentada por óxidos de Fe Formação Fecho do Funil: filitos dolomíticos e metasiltitos Formação Cauê: itabiritos silicosos e anfiboliticos com lentes de hematita Gnaisse Souza Noschese: gnáisses, granitos e milonitos CONVENÇÕES metros Escala Original: 1: Mapeamento Geológico do segmento oeste da Serra do Curral; Quadrilátero Ferrífero - MG DESENHO: Mapa Geológico-Estrutural Provisório REFERENCIAS: AUTORES: Júlio D ALESSANDRO; Luedson MANDUCA; Fotos aéreas 1: Cemig 1986 Leonardo MORATO Mapas Topográficos Fecho do Funil e Ibirité 1: IBGE DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA IGC/UFMG ESCALA ORIGINAL: 1: A A 30

31 Saprólito argiloso laminado - intercalado no quartzo itabirito Quartzo Itabirito e Brechas Silicificados Quartzo Itabirito - l imonítico Filito Carbonoso - localmente mineralizado com ocorrência de veios Minério Friável Minério Compacto Soleiras e Corpos Irregulares saprólito - de rocha intrusiva xistosa?? ?????????? ??????? /15/2009 Bocaina N N??? β ??? Bocaina Velha N β ?????? Aterro Aterro CENOZÓICO CONVENÇÕES fanglomerados com argila, matacões e blocos diversos de hematita compacta e itabirito Formação Cauê Bocaina Nova 50 Quartzo Itabiritos Goethíticos - localmente com intercalações de níveis argilosos laminados e pseudomorfos de anfibólios PROTEROZÓICO SupergrupoMinas Grupo Itabira Quartzo Itabirito Rico - limonítico, mineralizado em ferro, localmente apresenta intercalações argilosas Filito Mineralizado - filito de origem indefinida, intensamente mineralizado em Ferro Limite Inferior d ) Rochas Intrusivas a Forma inferido eco Cauz ( Structure of the Serra dos Franceses A B 31

32 Tamanduá 32

33 Ores Fabrics in Western Domain Ores Fabrics in Western Domain 33

34 Hematite I Hematite II polygonal overgrowth FI-2 Hm II Hm II FI-2 Infrared Images - Fl in Hematite II Th = 115 to 145 o C Low to intermediate salinity FI-2 Hm II FI-1 FI-1 Hm II 34

35 Plot of ice-melting temperatures versus temperatures of homogenisation 35

36 High-grade ore from dolomitic itabirite Fe-Rich Dolomite Register of Fe- mineralization 36

37 High-grade ore from dolomitic itabirite 37

38 Hypogene Ore: High Strain Hypogene Ore: High Strain 38

39 Ores Fabrics from the Eastern Domain 39

40 Deformation and Precipitation Fabrics 40

41 FI (001) Tab Hem Infrared Images - Tab. Hematite Specularite twinning lamellae qtz Hm aggreg. Spec. Hm aggreg. Infrared Images Fl in Tab. Hematite Th = 120 to 140 o C High salinity Specularite Th prob o C High salinity 40µ 41

42 Diagram of Fluid Evolution Total melting of solid phase T >350 o C Agua Quente Fault 42

43 Hematite N 20 Piracicaba Group BIF Lineations/ minor fold hinges Cauê 25 Nova Lima Group and older Poles to S1a (contoured) Chacrinha Poles to S2 Lineations/ minor fold hinges Onça Dois Córregos Syncline (F/F) 1b 2 Poles to S1a (contoured) 80 Periquito Syncline (F) 1a Thrust (D) 1 Conceição 65 Dolerite dike Source: CVRD Structural data: de Melo et al. (1986) Chemale (1987) and Rosiere (pers com) m The Itabira Syncline 43

44 Conceição Structurally thickened BIF in refolded fold The Conceição Iron Ore Deposit 44

45 Dois Córregos NW Folded thrust stack F1-F1 a b SE Hematite Soft BIF Piracicaba Group BIF Nova Lima Group and older Length between pin lines: 104m Original bed length: 42m Shortening: 75% NW Present Section E 21 source: CVRD/ de Melo (1986) SE 0 400m Imbricate thrust stack, F1 a Preserved Eroded NW Pin Pin SE Reconstructed undisturbed section Site of future hematite formation N-S Basin 45

46 The Brasiliano Orogeny Cauê Fm. The Cambotas Fundão Thrust Espinhaco SG. 46

47 Fe-Mobilization in the Espinhaço SG 47

48 Formation of High-Grade Iron Orebodies Part I Magnetite and Fe-Dolomite 2.2 Ga? prob. Metamorphic Fluids Formation of High-Grade Iron Orebodies Part II Hematite 48

49 Uplift and Minor Formation Iron of Remobilization Present Configuration High-Grade Iron Orebodies Part II 500 ma. Hematite Ga erosion present day surface Brasiliano Orogeny 49

CURSO TÉCNICO EM MINERAÇÃO RELATÓRIO DE CAMPO

CURSO TÉCNICO EM MINERAÇÃO RELATÓRIO DE CAMPO CURSO TÉCNICO EM MINERAÇÃO RELATÓRIO DE CAMPO PROFESSORA: MARILANE GONZAGA DE MELO DISCIPLINA: GEOLOGIA GERAL II DATA: 05/04/2013 Coordenação Pedagógica 2013 RELATÓRIO: TRABALHO DE CAMPO MARILANE GONZAGA

Leia mais

Recebido em 28 maio, 2009 / Aceito em 19 novembro, 2009 Received on May 28, 2009 / Accepted on November 19, 2009

Recebido em 28 maio, 2009 / Aceito em 19 novembro, 2009 Received on May 28, 2009 / Accepted on November 19, 2009 Revista Brasileira de Geofísica (2010) 28(3): 495-514 2010 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg EXPLORAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO UTILIZANDO DADOS DE AEROGRADIOMETRIA GRAVIMÉTRICA

Leia mais

Geociências. Petrografia do minério hematita compacta da Mina do Tamanduá (Quadrilátero Ferrífero, MG) Resumo. Abstract. Renata Alvarenga Vilela

Geociências. Petrografia do minério hematita compacta da Mina do Tamanduá (Quadrilátero Ferrífero, MG) Resumo. Abstract. Renata Alvarenga Vilela Renata Alvarenga Vilela et al. Geociências Petrografia do minério hematita compacta da Mina do Tamanduá (Quadrilátero Ferrífero, MG) Renata Alvarenga Vilela Gerente de Tec. e Proj. da Fertilizantes Fosfatados

Leia mais

Caracterização mineralógica de hematitas do Quadrilátero Ferrífero

Caracterização mineralógica de hematitas do Quadrilátero Ferrífero Caracterização mineralógica de hematitas do Quadrilátero Ferrífero Andreia Bicalho Henriques 1 Luiz Carlos Santos Angrisano 2 Idalmo Montenegro de Oliveira 3 Resumo: Com o objetivo de entender melhor a

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS DE CARGABILIDADE, RESISTIVIDADE ELÉTRICA E SUSCEPTIBILIDADE MAGNÉTICA NA MINA DO BRUCUTU, MG.

ANÁLISE DE DADOS DE CARGABILIDADE, RESISTIVIDADE ELÉTRICA E SUSCEPTIBILIDADE MAGNÉTICA NA MINA DO BRUCUTU, MG. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS ANÁLISE DE DADOS DE CARGABILIDADE, RESISTIVIDADE ELÉTRICA E SUSCEPTIBILIDADE MAGNÉTICA NA MINA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA Mapeamento Geológico em escala de 1:5.000 da localidade de Fazenda Trindade, Município

Leia mais

Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem.

Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem. Análise hipsométrica da região nordeste do Quadrilátero Ferrífero associado ao material de origem. Leonardi, F.A. (UNICAMP) ; Ladeira, F.S.B.L. (UNICAMP) RESUMO Este trabalho apresenta observação de campo

Leia mais

ESTRUTURA E DEFORMAÇÃO BRASILIANA NOS DIQUES MÁFICOS DA SERRA DO ESPINHAÇO MERIDIONAL

ESTRUTURA E DEFORMAÇÃO BRASILIANA NOS DIQUES MÁFICOS DA SERRA DO ESPINHAÇO MERIDIONAL GEONOMOS 8 (2): 19- ESTRUTURA E DEFORMAÇÃO BRASILIANA NOS DIQUES MÁFICOS DA SERRA DO ESPINHAÇO MERIDIONAL Alexandre Uhlein* & Joel Jean G. Quemeneur** ABSTRACT Mafic dike swarms are abundant in Southern

Leia mais

MAPEAMENTO DAS SUPERFÍCIES LATERÍTICAS DE FERRO NA REGIÃO DA SERRA DO CARAÇA E CORRELAÇÕES ALTIMÉTRICAS LESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO/MG

MAPEAMENTO DAS SUPERFÍCIES LATERÍTICAS DE FERRO NA REGIÃO DA SERRA DO CARAÇA E CORRELAÇÕES ALTIMÉTRICAS LESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO/MG MAPEAMENTO DAS SUPERFÍCIES LATERÍTICAS DE FERRO NA REGIÃO DA Leonardi, F.A. 1 ; Ladeira, F.S.B. 2 ; 1 IFSULDEMINAS Email:ferleonardi@gmail.com; 2 UNICAMP Email:fsbladeira@ige.unicamp.br; RESUMO: Neste

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

Orientadores: Prof. Dr. Wilson Trigueiro de Sousa. Prof. Dr. José Aurélio Medeiros da Luz.

Orientadores: Prof. Dr. Wilson Trigueiro de Sousa. Prof. Dr. José Aurélio Medeiros da Luz. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Engenharia de Minas Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mineral PPGEM ESTUDO DE VIABILIDADE

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de. Nova Lima

Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de. Nova Lima JORGE WILHEIM CONSULTORES ASSOCIADOS Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de Nova Lima - MG DIAGNÓSTICO Fevereiro 2006 ÍNDICE Apresentação... 1 1. Introdução... 3 2. Inserção Regional... 6 3. Meios

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

O QUADRILÁTERO FERRÍFERO - MG, BRASIL: ASPECTOS SOBRE SUA HISTÓRIA, SEUS RECURSOS MINERAIS E PROBLEMAS AMBIENTAIS RELACIONADOS.

O QUADRILÁTERO FERRÍFERO - MG, BRASIL: ASPECTOS SOBRE SUA HISTÓRIA, SEUS RECURSOS MINERAIS E PROBLEMAS AMBIENTAIS RELACIONADOS. GEONOMOS 18(1): 33-37. 2010 33 O QUADRILÁTERO FERRÍFERO - MG, BRASIL: ASPECTOS SOBRE SUA HISTÓRIA, SEUS RECURSOS MINERAIS E PROBLEMAS AMBIENTAIS RELACIONADOS. Hubert Matthias Peter Roeser 1 ; Patricia

Leia mais

MECANISMO DE DEFORMAÇÃO DA PAREDE NW DA CAVA DO PONTO 2 MINA DE FÁBRICA - COMPLEXO ITABIRITOS VALE QUADRILÁTERO FERRÍFERO MG

MECANISMO DE DEFORMAÇÃO DA PAREDE NW DA CAVA DO PONTO 2 MINA DE FÁBRICA - COMPLEXO ITABIRITOS VALE QUADRILÁTERO FERRÍFERO MG MECANISMO DE DEFORMAÇÃO DA PAREDE NW DA CAVA DO PONTO 2 MINA DE FÁBRICA - COMPLEXO ITABIRITOS VALE QUADRILÁTERO FERRÍFERO MG Flávio Affonso Ferreira Filho (GAGHL/DIFL/VALE) flavio.affonso@vale.com Teófilo

Leia mais

Ficha Geoespeleológica

Ficha Geoespeleológica 1-GERAL Ne da Cavidade: N5SM1-0007 Responsável pelo Registro: Augusto Auler Data: Dia: 16 Mês: 03 Ano: 2011 No. de níveis de desenvolvimento: Indiviso 2 3 4 Mapa base: 2C 5D Condição Climática da Coleta:

Leia mais

LABORATÓRIO DE MICROESTRUTURAL

LABORATÓRIO DE MICROESTRUTURAL LABORATÓRIO DE MICROESTRUTURAL TRABALHOS SUBMETIDOS ROSIÈRE, C. A., LEON-GARCIA, O; SIEMES, H..; SCHAEBEN, H. Domainal Fabrics of Hematite in Schistose High- Grade Fe Ores (sub ao Journal of Structural

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 853-859.

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 853-859. Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 853-859. INTEGRAÇÃO DOS DADOS LANDSAT/TM E AEROGAMAESPECTOMETRIA DE K NA DIFERENCIAÇÃO DAS ROCHAS DO SUPERGRUPO RIO DAS VELHAS MG SELMA

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO DE METADIAMICTITOS FERRUGINOSOS DA FORMAÇÃO NOVA AURORA (GRUPO

Leia mais

ESTRUTURAS DOBRADAS DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO EM PERFIS GEOLÓGICOS DO SÉCULO XIX

ESTRUTURAS DOBRADAS DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO EM PERFIS GEOLÓGICOS DO SÉCULO XIX GEONOMOS 18(2): 73-77. 2010 73 ESTRUTURAS DOBRADAS DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO EM PERFIS GEOLÓGICOS DO SÉCULO XIX Maria Márcia Magela Machado 1, Friedrich Ewald Renger 2, Úrsula Azevedo Ruchkys 1 RESUMO

Leia mais

Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil SIGEP 129. Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG

Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil SIGEP 129. Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG SIGEP See in English Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil SIGEP 129 Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG da lenda do Sabarabuçu ao patrimônio histórico, geológico, paisagístico e religioso

Leia mais

ESTUDO ESPELEOLÓGICO COMPARATIVO EM CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS, IMPACTADAS E ANTRÓPICAS EM FORMAÇÕES FERRÍFERAS

ESTUDO ESPELEOLÓGICO COMPARATIVO EM CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS, IMPACTADAS E ANTRÓPICAS EM FORMAÇÕES FERRÍFERAS ESTUDO ESPELEOLÓGICO COMPARATIVO EM CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS, IMPACTADAS E ANTRÓPICAS EM FORMAÇÕES FERRÍFERAS SPELEOLOGY COMPARATIVE STUDY IN NATURAL UNDERGROUND CAVITIES, IMPACTED AND MAN-MADE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

7GEOPARQUE QUADRILÁTERO FERRÍFERO (MG) - proposta -

7GEOPARQUE QUADRILÁTERO FERRÍFERO (MG) - proposta - 7GEOPARQUE QUADRILÁTERO FERRÍFERO (MG) - proposta - Úrsula Ruchkys de Azevedo UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais Maria Márcia Magela Machado UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais Paulo de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ESPELEOTEMAS DE 2 CAVERNAS EM ROCHAS FERRÍFERAS NA UNIDADE GEOMORFOLÓGICA QUADRILÁTERO OESTE, CONGONHAS (MG)

CARACTERIZAÇÃO DOS ESPELEOTEMAS DE 2 CAVERNAS EM ROCHAS FERRÍFERAS NA UNIDADE GEOMORFOLÓGICA QUADRILÁTERO OESTE, CONGONHAS (MG) CARACTERIZAÇÃO DOS ESPELEOTEMAS DE 2 CAVERNAS EM ROCHAS FERRÍFERAS NA UNIDADE GEOMORFOLÓGICA QUADRILÁTERO OESTE, CONGONHAS (MG) THE SPELEOTHEMS CHARACTERIZATION OF 2 IRON CAVES IN THE GEOMORPHOLOGIAL UNIT

Leia mais

INTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA DO DOMÍNIO CANINDÉ, FAIXA SERGIPANA (NE DO BRASIL), A PARTIR DE IMAGEM LANDSAT ETM+

INTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA DO DOMÍNIO CANINDÉ, FAIXA SERGIPANA (NE DO BRASIL), A PARTIR DE IMAGEM LANDSAT ETM+ Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 937-942. INTERPRETAÇÃO GEOLÓGICA DO DOMÍNIO CANINDÉ, FAIXA SERGIPANA (NE DO BRASIL), A PARTIR DE IMAGEM LANDSAT ETM+ JULIANO JOSÉ DE SOUZA

Leia mais

III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco

III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco III - Geologia da região centro leste brasileira: O Cráton São Francisco Principais crátons delimitados no território brasileiro e sua expressão no relevo. Notar que sobre os grandes crátons estão as grandes

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO PDDI. Relatório. Mapa de Unidades Geotécnicas da Região Metropolitana de Belo Horizonte

GEOPROCESSAMENTO PDDI. Relatório. Mapa de Unidades Geotécnicas da Região Metropolitana de Belo Horizonte GEOPROCESSAMENTO PDDI Relatório Mapa de Unidades Geotécnicas da Região Metropolitana de Belo Horizonte RMBH Julho de 2010 Mapa de unidades geotécnicas da Região Metropolitana de Belo Horizonte 1 Introdução

Leia mais

12º Simpósio de Geologia da Amazônia, 02 a 05 de outubro de 2011 - Boa Vista - Roraima

12º Simpósio de Geologia da Amazônia, 02 a 05 de outubro de 2011 - Boa Vista - Roraima Caracterização petrográfica, estrutural e novos dados geocronológicos (U-Pb, Sm-Nd) do Complexo Jamari, Folha Rio Machadinho, Rondônia Marcos Luiz do Espírito Santo Quadros 1 & Luis Carlos Melo Palmeira

Leia mais

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS 3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS Depósito de ouro orogênico (Groves et al. 1998) é o termo utilizado para definir depósitos de ouro associados a orógenos, ou seja, a zonas de

Leia mais

ANAIS do 33º Congresso Brasileiro de Espeleologia Eldorado SP, 15-19 de julho de 2015 - ISSN 2178-2113 (online)

ANAIS do 33º Congresso Brasileiro de Espeleologia Eldorado SP, 15-19 de julho de 2015 - ISSN 2178-2113 (online) Eldorado SP, 15-19 de julho de 2015 - ISSN 2178-2113 (online) O artigo a seguir é parte integrando dos Anais do 33º Congresso Brasileiro de Espeleologia disponível gratuitamente em /33cbeanais.asp Sugerimos

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA APLICAÇÃO DE MÉTODO GEOFÍSICO EM ESTUDO HIDROGEOLÓGICO, NO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA MG CARACTERIZAÇÃO DE

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

ANÁLISE POR MÉTODOS HIDROLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DE FATORES CONDICIONANTES DO POTENCIAL HÍDRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS -

ANÁLISE POR MÉTODOS HIDROLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DE FATORES CONDICIONANTES DO POTENCIAL HÍDRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS - ANÁLISE POR MÉTODOS HIDROLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DE FATORES CONDICIONANTES DO POTENCIAL HÍDRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS - ESTUDO DE CASOS NO QUADRILÁTERO FERRÍFERO (MG) ii FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PROJETO. Estudos do Meio Físico GEOTECNIA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SUL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO. Estudos do Meio Físico GEOTECNIA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SUL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Construindo um novo tempo PROJETO APA SUL RMBH Estudos do Meio Físico MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL GOVERNO

Leia mais

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br Cavidades Naturais da Pedra Grande de Igarapé Geossítio de Relevância Espeleológica do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais Caves of

Leia mais

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros;

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros; SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO GEOLOGIA REGIONAL GEOLOGIA LOCAL METODOLOGIA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS MAPAS COLETA DE DADOS RESULTADOS CONCLUSÕES PRÓXIMOS PASSOS INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

CONSULTORES ASSOCIADOS. Nova Lima. Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de. Diagnóstico Preliminar

CONSULTORES ASSOCIADOS. Nova Lima. Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de. Diagnóstico Preliminar JORGE WILHEIM CONSULTORES ASSOCIADOS Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de Nova Lima - MG Diagnóstico Preliminar Novembro 2005 ÍNDICE 1. Introdução... 02 2. Caracterização do Município... 05 2.1.

Leia mais

GEOMETRIA 3D DE FALHAS DE EMPURRÃO E DOBRAS ASSOCIADAS COMO EXPRESSÕES DA MORFOLOGIA DO DESCOLAMENTO BASAL: RESULTADOS DE UMA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

GEOMETRIA 3D DE FALHAS DE EMPURRÃO E DOBRAS ASSOCIADAS COMO EXPRESSÕES DA MORFOLOGIA DO DESCOLAMENTO BASAL: RESULTADOS DE UMA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Revista Brasileira de Geociências Vassily Khoury Rolim e Fernando Flecha Alkmim 34(3):295-302, setembro 2004 GEOMETRIA 3D DE FALHAS DE EMPURRÃO E DOBRAS ASSOCIADAS COMO EXPRESSÕES DA MORFOLOGIA DO DESCOLAMENTO

Leia mais

Posicionamento Estratigráfico da Formação Bandeirinha na Região de Diamantina, Minas Gerais: Grupo Costa Sena ou Supergrupo Espinhaço?

Posicionamento Estratigráfico da Formação Bandeirinha na Região de Diamantina, Minas Gerais: Grupo Costa Sena ou Supergrupo Espinhaço? 131 Posicionamento Estratigráfico da Formação Bandeirinha na Região de Diamantina, Minas Gerais: Grupo Costa Sena ou Supergrupo Espinhaço? Leonardo Lopes-Silva 1, Luiz Guilherme Knauer 2 1 Mineração Belocal

Leia mais

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil

Exploração. Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil Exploração 2012 Programa de Exploração AngloGold Ashanti Brasil AngloGold Ashanti AngloGold Ashanti 2011 Produção mundial - 4.33 MOz Brasil 428KOz produzidas $6.6 bilhões de faturamento 61.242 empregados

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO SUPERGRUPO MINAS NA SERRA DE BOM SUCESSO, EXTREMO SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO

Leia mais

GEOESPELEOLOGIA EM ROCHAS FERRÍFERAS: CENÁRIO ATUAL E CONSERVAÇÃO

GEOESPELEOLOGIA EM ROCHAS FERRÍFERAS: CENÁRIO ATUAL E CONSERVAÇÃO GEOESPELEOLOGIA EM ROCHAS FERRÍFERAS: CENÁRIO ATUAL E CONSERVAÇÃO Luís B. Piló, Ataliba Coelho & José Carlos R. Reino Introdução Cavernas em rochas ferríferas, incluindo formações ferríferas, cangas e

Leia mais

Dossiê de Candidatura à Rede Mundial de Geoparks - UNESCO

Dossiê de Candidatura à Rede Mundial de Geoparks - UNESCO Dossiê de Candidatura à Rede Mundial de Geoparks - UNESCO Coordenação Executiva Ana Paula Bax Design Juliene Xavier Editoração Eletrônica Isaac Abraão Silva Tradução Luciana Gianturco Fotos Antonio Liccardo

Leia mais

EXPERIMENTOS FÍSICOS COM MATERIAIS ANALÓGICOS ALTERNATIVOS APLICADOS À EVOLUÇÃO TECTÔNICA NEOARQUEANA DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO

EXPERIMENTOS FÍSICOS COM MATERIAIS ANALÓGICOS ALTERNATIVOS APLICADOS À EVOLUÇÃO TECTÔNICA NEOARQUEANA DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO Revista Brasileira de Geociências 27(4):387-394, dezembro de 1997 EXPERIMENTOS FÍSICOS COM MATERIAIS ANALÓGICOS ALTERNATIVOS APLICADOS À EVOLUÇÃO TECTÔNICA NEOARQUEANA DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO CAROLINE

Leia mais

Basin Analysis Análise de Bacias. Part 1. Introduction Mechanisms of Basin Formation

Basin Analysis Análise de Bacias. Part 1. Introduction Mechanisms of Basin Formation Basin Analysis Análise de Bacias Part 1 Introduction Mechanisms of Basin Formation Basin Analysis Introduction Mechanisms of Basin Formation Basin Classification Basins and Sequence Stratigraphy Summary

Leia mais

Projeto Conceitual de Mina Subterrânea Mina do Tamanduá

Projeto Conceitual de Mina Subterrânea Mina do Tamanduá Projeto Conceitual de Mina Subterrânea Mina do Tamanduá Iuri Brandi 1 Contexto Tendência de fechamento de minas no sudeste do Brasil nos próximos 05 anos. Caso modelo para outros depósitos com restrições

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS SIMULAÇÃO MAPSAR EM PESQUISA MINERAL NA PROVÍNCIA MINERAL DE CARAJÁS (AMAZÔNIA) E NO DISTRITO CUPRÍFERO DO VALE DO RIO CURAÇÁ (SEMI-ÁRIDO DA BAHIA) Apresentador: Athos R. Santos Principais pesquisadores:

Leia mais

Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG

Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG Serra da Piedade, Quadrilátero Ferrífero, MG Da lenda do Sabarabuçu ao patrimônio histórico, geológico, paisagístico e religioso SIGEP 129 Úrsula Ruchkys de Azevedo 1 Friedrich Ewald Renger 2 Carlos Maurício

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA MINERALÓGICA E QUÍMICA DAS FACIES ESTRUTURAIS DA JAZIDA DE CAULINITA DE VARGEM DOS ÓCULOS, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA MINERALÓGICA E QUÍMICA DAS FACIES ESTRUTURAIS DA JAZIDA DE CAULINITA DE VARGEM DOS ÓCULOS, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MG Revista Brasileira de Geociências 20(l-4):75-82, março/dezembro de 1990 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA MINERALÓGICA E QUÍMICA DAS FACIES ESTRUTURAIS DA JAZIDA DE CAULINITA DE VARGEM DOS ÓCULOS, QUADRILÁTERO

Leia mais

SUMÁRIO GEOLÓGICO DA ÁREA DE CONSTRUÇÃO DO HOSPITAL DO BARREIRO REPERCUSSÕES GEOTÉCNICAS

SUMÁRIO GEOLÓGICO DA ÁREA DE CONSTRUÇÃO DO HOSPITAL DO BARREIRO REPERCUSSÕES GEOTÉCNICAS GP16909 SUMÁRIO GEOLÓGICO DA ÁREA DE CONSTRUÇÃO DO HOSPITAL DO BARREIRO REPERCUSSÕES GEOTÉCNICAS 1 IDENTIFICAÇÃO TIPO: Lote em área urbana LOCALIZAÇÃO: Rua Dona Luiza, 311; bairro Milionários - Regional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO FORMAÇÕES FERRÍFERAS E METASSEDIMENTOS QUÍMICOS DE ÁREAS SELECIONADAS DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO E SUAS RELAÇÕES COM

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

Geologia e Recursos Minerais de Timor Leste

Geologia e Recursos Minerais de Timor Leste Geologia e Recursos Minerais de Timor Leste Instituto do Petroleo e Geologia Instituto Publico (IPG) Ministerio do Petroleo e Recursos Minerais (MPRM) Republica de Timor Leste 2014 Localizacao Geografica

Leia mais

Minério de ferro. Insumos Básicos. Resumo. Pedro Sergio Landim de Carvalho Marcelo Machado da Silva Marco Aurélio Ramalho Rocio Jacques Moszkowicz *

Minério de ferro. Insumos Básicos. Resumo. Pedro Sergio Landim de Carvalho Marcelo Machado da Silva Marco Aurélio Ramalho Rocio Jacques Moszkowicz * Insumos Básicos BNDES Setorial 39, p. 197-234 Pedro Sergio Landim de Carvalho Marcelo Machado da Silva Marco Aurélio Ramalho Rocio Jacques Moszkowicz * Resumo Este artigo tem o objetivo de traçar um panorama

Leia mais

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Eduardo Azambuja Por que as obras viárias tanto se relacionam com a geologia? Obras deitadas; Escala do emprego de materiais naturais; Distância

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM ESTRATIGRAFIA, PROVENIÊNCIA E IDADE MÁXIMA DE SEDIMENTAÇÃO DO GRUPO CANASTRA NA REGIÃO DE SÃO GOTARDO, MG*. Paulo H. A. Dias 1,2, Antônio C. Pedrosa- Soares 2, Hildor J.

Leia mais

Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM

Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ / Divisão de Geoquímica, CPRM Exploração Geoquímica para Ouro e Metais Base nos Terrenos Lateríticos do Brasil Central: estudos de caso dos depósitos de Chapada (Cu-Au) e Palmeirópolis (Cu-Pb-Zn) Prof. Claudio Gerheim Porto Dep. Geologia,UFRJ

Leia mais

Meta-Komatiítos do Morro do Onça, um Importante Sítio Geológico do Quadrilátero Ferrífero - MG

Meta-Komatiítos do Morro do Onça, um Importante Sítio Geológico do Quadrilátero Ferrífero - MG 100 Meta-Komatiítos do Morro do Onça, um Importante Sítio Geológico do Quadrilátero Ferrífero - MG Úrsula de Azevedo Ruchkys 1, Maria Márcia Magela Machado 1, Carlos Maurício Noce 1* 1 - Centro de Pesquisa

Leia mais

Riolito, o Vulcão Pernambucano

Riolito, o Vulcão Pernambucano SEÇÃO LIVRE Riolito, o Vulcão Pernambucano Texto: Gorki Mariano Desenhos: Antonio Barbosa Para Brian Mariano Derocy Um pouco da história da Terra À luz da Geologia Meu nome é Riolito Sei que parece esquisito

Leia mais

Depósitos de enriquecimento supergênico

Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Os depósitos de enriquecimento supergênico ocorrem em sub-superfície na altura e abaixo do lençol freático. Pode haver uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas. Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas Dissertação de Mestrado Sistemas de Reagentes Surfatantes na Flotação Catiônica Reversa de Minérios de Ferro

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE A PROCESSOS GEOLÓGICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA ÁREA URBANA DE MARIANA, MG

SUSCEPTIBILIDADE A PROCESSOS GEOLÓGICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA ÁREA URBANA DE MARIANA, MG SUSCEPTIBILIDADE A PROCESSOS GEOLÓGICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA ÁREA URBANA DE MARIANA, MG Frederico Garcia Sobreira Departamento de Geologia da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto Campus

Leia mais

MINERALIZAÇÕES DE ZINCO E CHUMBO DO DEPÓSITO SALOBRO, PORTEIRINHA (MG)

MINERALIZAÇÕES DE ZINCO E CHUMBO DO DEPÓSITO SALOBRO, PORTEIRINHA (MG) MINERALIZAÇÕES DE ZINCO E CHUMBO DO DEPÓSITO SALOBRO, PORTEIRINHA (MG) Fernando Antônio CROCCO 1, Francisco Robério de ABREU 2, Noevaldo TEIXEIRA 1, Fernando Luis Lucena CANÇADO 1, Juliano Duarte MACIEL

Leia mais

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE Análise geomorfométrica da região da folha Capão Bonito (SG-22-X-B-III), SE do estado de São Paulo: Implicações neotectônicas na porção sul da Serra de Paranapiacaba e Gráben de Sete Barras Renato dos

Leia mais

Contribuições às Ciências da Terra

Contribuições às Ciências da Terra Contribuições às Ciências da Terra UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EVOLUÇÃO CRUSTAL E RECURSOS NATURAIS RASTREAMENTO GEOQUÍMICO

Leia mais

P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3

P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 433-437 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Potencial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br INTERPRETAÇÃO ATUALISTICA DE MAPAS GEOLÓGICOS INTRODUÇÃO O estudo das rochas tem

Leia mais

FOTOGRAFIA E ANTROPOGEOMORFOLOGIA: PANORAMA DAS TRANSFORMAÇÕES FISIOGRÁFICAS DA PAISAGEM NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS.

FOTOGRAFIA E ANTROPOGEOMORFOLOGIA: PANORAMA DAS TRANSFORMAÇÕES FISIOGRÁFICAS DA PAISAGEM NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS. FOTOGRAFIA E ANTROPOGEOMORFOLOGIA: PANORAMA DAS Henriques, R.J. 1 ; 1 IGC/UFMG Email:renatajhques@gmail.com; RESUMO: A modificação antrópica da paisagem evidenciada no município de Belo Horizonte é produto,

Leia mais

- Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais.

- Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais. DOSSIÊ SIMPLIFICADO DOS PRESTADOS NA ÁREA DE MINERAÇÃO: - Infra-estrutura em Geral; - Barragens; - Pilhas, Taludes e Escavações; - Transportadores e Plantas Industriais. Experiência Anterior do Atual Corpo

Leia mais

INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NA GEOQUÍMICA DE ÁGUA E SEDIMEN- TOS DO RIO CONCEIÇÃO, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS - BRASIL

INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NA GEOQUÍMICA DE ÁGUA E SEDIMEN- TOS DO RIO CONCEIÇÃO, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS - BRASIL Geochimica Brasiliensis, 21(1)036-049, 2007 INFLUÊNCIA ANTRÓPICA NA GEOQUÍMICA DE ÁGUA E SEDIMEN- TOS DO RIO CONCEIÇÃO, QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS - BRASIL R.R. Parra 1,*, H.M.P. Roeser 1, M.G.P.

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

STRUCTURAL EVOLUTION OF ROCKS OF THE BASEMENT OF SÃO FRANCISCO CRATON, BOA VISTA OF TUPIM (BA)

STRUCTURAL EVOLUTION OF ROCKS OF THE BASEMENT OF SÃO FRANCISCO CRATON, BOA VISTA OF TUPIM (BA) EVOLUÇÃO ESTRUTURAL DE ROCHAS DO EMBASAMENTO DO CRATON DO SÃO FRANCISCO, REGIÃO DE BOA VISTA DO TUPIM (BA): UM ESTUDO BASEADO NA ANÁLISE ESTRUTURAL E ANISOTROPIA DE SUSCETIBILIDADE MAGNÉTICA Harrizon Lima

Leia mais

Estruturas da região continental emersa da Bacia de Campos, Estado do Rio de Janeiro, e sua continuação para a plataforma continental.

Estruturas da região continental emersa da Bacia de Campos, Estado do Rio de Janeiro, e sua continuação para a plataforma continental. Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Prospecção geológica. Investigações em superfície e subsuperfície

Prospecção geológica. Investigações em superfície e subsuperfície Prospecção geológica Investigações em superfície e subsuperfície Investigações em superfície e subsuperfície Complementar as informações adquiridas durante mapeamento geológico de detalhe e prospecção

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D

DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D ¹ Menor, E. N., ² Silva, E. P., 3 Motta, J. A. ¹ Universidade Federal de Pernambuco, Recife PE evertonmenor@hotmail.com

Leia mais

NONA RODADA DE LICITAÇÕES BACIA POTIGUAR. Geólogo Gustavo Barbosa Superintendência de Definição de Blocos

NONA RODADA DE LICITAÇÕES BACIA POTIGUAR. Geólogo Gustavo Barbosa Superintendência de Definição de Blocos NONA RODADA DE LICITAÇÕES BACIA POTIGUAR Geólogo Gustavo Barbosa Superintendência de Definição de Blocos Apresentação Localização, Área e Limites Geológicos Histórico Exploratório Infra-estrutura Geologia

Leia mais

DADOS AEROGAMAESPECTROMÉTRICOS APLICADOS NA DELIMITAÇÃO DO COMPLEXO CRUZETA (MACIÇO ARQUEANO DE TRÓIA), DOMÍNIO CEARÁ CENTRAL DA PROVÍNCIA BORBOREMA

DADOS AEROGAMAESPECTROMÉTRICOS APLICADOS NA DELIMITAÇÃO DO COMPLEXO CRUZETA (MACIÇO ARQUEANO DE TRÓIA), DOMÍNIO CEARÁ CENTRAL DA PROVÍNCIA BORBOREMA DADOS AEROGAMAESPECTROMÉTRICOS APLICADOS NA DELIMITAÇÃO DO COMPLEXO CRUZETA (MACIÇO ARQUEANO DE TRÓIA), DOMÍNIO CEARÁ CENTRAL DA PROVÍNCIA BORBOREMA Tercyo Rinaldo Gonçalves Pinéo, Felipe Grandjean da

Leia mais

CAPÍTULO 3 ÁREA TESTE

CAPÍTULO 3 ÁREA TESTE CAPÍTULO 3 ÁREA TESTE 3.1 INTRODUÇÃO O depósito N1 corresponde a um platô que é parte das reservas de ferro da Serra Norte, localizado próximo à jazida N4E, onde atualmente são lavrados os minérios de

Leia mais

Boletim Informativo Minério de ferro

Boletim Informativo Minério de ferro Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é o segundo maior fornecedor para o setor de minério de ferro do mundo. O ferro é um dos elementos mais comuns na Terra, formando cerca de cinco por cento da crosta

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24 Profº André Tomasini Brasil: estrutura Geológica e Relevo BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental (Alfred Wegener) Pangea. Teoria da Tectônica

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO BAIRRO JARDIM CANADÁ SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS NA MICROBACIA DO CÓRREGO SECO - NOVA LIMA/ MG

IMPACTOS AMBIENTAIS DO BAIRRO JARDIM CANADÁ SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS NA MICROBACIA DO CÓRREGO SECO - NOVA LIMA/ MG IMPACTOS AMBIENTAIS DO BAIRRO JARDIM CANADÁ SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS SUPERFICIAIS NA MICROBACIA DO CÓRREGO SECO - NOVA LIMA/ MG Frederico Wagner de Azevedo Lopes 1 ; Vladimir Diniz Vieira Ramos 2 ; Antônio

Leia mais

PROJETO BR-040 BR 040 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

PROJETO BR-040 BR 040 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO BR-040 SP RJ

Leia mais

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão. Helena Couto. Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Câmara Municipal de Valongo Geologia no Verão Helena Couto Departamento de Geologia Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2002 Introdução O Parque Paleozóico de Valongo, criado em 1998, é o resultado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO Manuel Lemos de Sousa INTRODUÇÃO 1. A importância que, ao longo do tempo, tem tido o Jazigo de Ferro de Moncorvo justifica, só por si, a abundante e importante

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições

Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições XIII Congresso Brasileiro de Mineração, setembro / 2009 José Francisco M. de Viveiros Desafio para

Leia mais

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são:

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são: Rochas sedimentares Sedimentos cobrem a maior parte da superfície terrestre. São divididos em três grandes grupos: - o dos sedimentos gerados pelo intemperismo continental, o dos gerados por organismos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA RODOLFO SANTOS GASSER CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA, PETROGRÁFICA, GEOQUÍMICA E POTENCIALIDADES METALOGENÉTICAS DA FORMAÇÃO ÁGUA PRETA,

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

AQUÍFERO FURNAS - URGÊNCIA NA PROTEÇÃO DE MANANCIAIS SUBTERRÂNEOS EM PONTA GROSSA, PR

AQUÍFERO FURNAS - URGÊNCIA NA PROTEÇÃO DE MANANCIAIS SUBTERRÂNEOS EM PONTA GROSSA, PR AQUÍFERO FURNAS - URGÊNCIA NA PROTEÇÃO DE MANANCIAIS SUBTERRÂNEOS EM PONTA GROSSA, PR MELO, Mário Sérgio UEPG-DEGEO - msmelo@uepg.br INTRODUÇÃO A cidade de Ponta Grossa é abastecida com água potável fornecida

Leia mais

PARTE SUPERFICIAL DO MANTO DE INTEMPERISMO, INCONSOLIDADA, CONTENDO MATERIAL ROCHOSO

PARTE SUPERFICIAL DO MANTO DE INTEMPERISMO, INCONSOLIDADA, CONTENDO MATERIAL ROCHOSO MINERAIS E AGRICULTURA RAYMUNDO JOSÉ DE SÁ FILHO GEÓLOGO CONSULTOR TÉCNICO ROCHAGEM UTILIZAÇÃO DE ROCHAS NA AGRICULTURA FARINHA DE ROCHA: UMA NOVA OPÇÃO PARA OS MINERAIS ROCHA AGREGADO NATURAL DE UM OU

Leia mais

Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos

Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos Quarta Rodada de Licitações Bacia de Campos Orivaldo Bagni Superintendência de Definição de Blocos Apresentação Localização Generalidades Evolução Tectono-Estratigráfica Sistema Petrolífero Modelos de

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS AS UNIDADES SILICICLÁSTICAS DA SUB-BACIA DE PERNAMBUCO: UMA REVISÃO LITO-ESTRATIGRÁFICA* Liliane Rabêlo Cruz 1,2, Mário Ferreira Lima Filho 3, Virgínio

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais