IMPLEMENTANDO PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA EM BACKBONE GPRS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTANDO PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA EM BACKBONE GPRS"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria nº 577/ MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO IMPLEMENTANDO PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA EM BACKBONE GPRS JEAN TOMÁZ DA SILVA UBERLÂNDIA - MG 2005

2 2 JEAN TOMÁZ DA SILVA IMPLEMENTANDO PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA EM BACKBONE GPRS Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador Prof. Esp. Flamaryon Guerin Gomes Borges UBERLÂNDIA - MG 2005

3 3 JEAN TOMÁZ DA SILVA IMPLEMENTANDO PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA EM BACKBONE GPRS Trabalho de Final de curso submetido à UNIMINAS como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador Prof. Esp. Flamaryon Guerin Gomes Borges Banca Examinadora: Uberlândia, 10 de Dezembro de Prof.. Esp. Flamaryon Guerin Gomes Borges (Orientador) Prof. Msc.Gilson Marques Silva Prof. Msc. Luiz Cláudio Theodoro UBERLÂNDIA - MG 2005

4 4 À Deus, em primeiro lugar. Aos meus familiares e a todos que acreditaram no meu esforço, trabalho e dedicação para se produzir este trabalho.

5 5 AGRADECIMENTOS trabalho. Ao Prof. Flamaryon pela força e apoio no desenvolvimento deste A minha família, pela confiança e motivação. À Deus por ter me dado energia para vencer e conquistar mais um mérito que é o ensino superior. A UNIMINAS pelos recursos oferecidos para meu aprendizado. A todos que me deram oportunidade de estar concluindo um curso na área de Informática, que me conhecem e sabem os caminhos por onde eu passei, por onde eu passo e até onde vou chegar nesta vida.

6 6 RESUMO A evolução da tecnologia de forma tão acelerada provoca em muitos administradores de rede um atraso na absorção de novas informações sobre o mundo digital relacionados à segurança. Este trabalho mostra para os administradores de rede como uma tecnologia móvel está exposta a todos os tipos de riscos existentes devido à uma precária administração ou informação. O foco principal deste trabalho é o Backbone GPRS pois o mesmo está se tornando um avanço para a integração de dados com uma rede de circuitos comutados. Os testes de detecção de vulnerabilidades dos equipamentos que fazem parte deste Backbone são apresentados descrevendo o grau de risco para cada tipo de falha encontrada, além disso, no final é elaborado um procedimento de configuração segura para cada equipamento.

7 7 ABSTRACT The evolution of the technology of form so acelerated provokes in many administrators of network a delay in the absorption of new information on the digital world related the security. This work it will be possible for the net administrators if to have an idea of as it is a mobile technology displayed to all the types of existing risks due to a precarious administration or information. The main focus of this work is Backbone GPRS therefore is to become a step for the integration of data with a network of commuted circuits. The tests of detection of vulnerabilities of the equipment that is part of this Backbone are presented in this document having described the degree of risk for each type of found failure, moreover, in the end is elaborated a procedure of certain configuration for each equipment.

8 8 ÍNDICE DE TABELAS TABELA 1 - COMPARATIVO ENTRE AS GERAÇÕES DE CELULAR (ZIMMER,[200-])...27

9 9 ÍNDICE DE FIGURAS FIGURA 1: Slot s de tempo representados em um quadro TDMA...19 FIGURA 2: Carregamento de um canal de RF (Rádio Freqüência) do CDMA(Modificado TUDE,2003)...20 FIGURA 3: Arquitetura da Rede GSM (Modificado de O SISTEMA GSM,2000)...21 FIGURA 4: Uma breve apresentação da arquitetura GPRS (Modificado de TUDE,2003)...26 FIGURA 5: Backbone GPRS e sistema de tarifação (Modificado de AMARAL,[200-])...26 FIGURA 6: Arquitetura da Rede GPRS (Modificado de GPRS,2005)...30 FIGURA 7: Interface entre BSC e SGSN (Modificado de DE LA CUESTA,[200-])...34 FIGURA 8: Posições de uma PCU e CCU numa Rede GPRS (Modificado de SANDERS,2003)...35 FIGURA 9: Interconexão entre Redes GPRS...36 FIGURA 10: Tipos de CDR (Modificado de DE LA CUESTA,[200-])...37 FIGURA 11: Dois possíveis pedidos para um SGSN. (Modificado de SANDERS,2003)...39 FIGURA 12: Nessus programa de auditoria de segurança...40 FIGURA 13: Plugins do Nessus...41 FIGURA 14: Tela que indica o tipo de scanner FIGURA 15: Tela que indica o elemento de análise...43 FIGURA 16: Arquivo gerado em HTML com o resultado das análises FIGURA 17: Informações coletadas usando o Tcpdump (Modificado de INSECURE,2005)...51

10 10 ÍNDICE DE ABREVIATURAS 1 ACK - Acknowledgement 2 AMPS - Advance Mobile Phone System 3 APN - Access Point Name 4 ARP - Address Resolution Protocol 5 AuC - Authentication Center 6 BG - Border Gateway 7 BSC - Base Station Controller 8 BSS - Base Station System 9 BSSGP - BSS GPRS Protocol 10 BTS - Base Transceiver Station 11 CCU - Channel Codec Unit 12 CDE - Common Desktop Environment 13 CDMA - Code Division Multiple Access 14 CDR - Charging Data Records 15 CG - Charging Gateway 16 CGF - Charging Gateway Function 17 DNS - Domain Name System 18 EIR - Equipment Identity Register 19 FCC - Federal Communications Commission 20 FDMA - Frequency Division Multiple Access 21 FTP - File Transfer Protocol 22 GGSN - Gateway GPRS Support Node 23 GSN GPRS Support Node 24 GPRS - General Packet Radio Service 25 GSM - Group Special Mobile 26 GTP - GPRS Tunnelling Protocol 27 HLR - Home Location Register 28 HTML - Hypertext Markup Language 29 ICMP - Internet Control Message Protocol 30 IMEI - International Mobile Equipament Identity 31 IP - Internet Protocol

11 11 32 IPSec - IP Security 33 IMSI - Internacional Mobile Subscriber Identity 34 LAN - Local Area Network 35 MAC - Media Access Control 36 ME - Mobile Equipment 37 MMS - Multimedia Message Service 38 MSC - Mobile services Switching Center 39 NTP - Network Time Protocol 40 PCU - Packet Control Unit 41 PDP - Packet Data Protocol 42 PDTCH - Packet Data Traffic Channel 43 PLM - Public LAN Mobile 44 PLMN - PLM Network 45 Qos - Quality of Service 46 RF - Rádio Frequência 47 RIP - Routing Information Protocol 48 RLC - Radio Link Control 49 RPC - Remote Procedure Call 50 SGSN - Serving GPRS Support Node 51 SIM - Subscriber Identity Module 52 SLR - SGSN Location Register 53 SMS - Short Message Service 54 SMTP - Simple Mail Transfer Protocol 55 SNMP - Simple Network Management Protocol 56 SYN - Synchronize 57 SSH - Secure Shell 58 TCP - Transport Control Protocol 59 TCP/IP - Transport Control Protocol / Internet Procotol 60 TDMA - Time Division Multiple Access 61 UDP - User Data Protocol 62 VLR - Visitor Location Register 63 WAP - Wireless Application Protocol 64 WCDMA - Wideband Code Division Multiple Access 65 XFS - X Windows Font Service

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CENÁRIO ATUAL IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVO DO TRABALHO JUSTIFICATIVA PARA PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO GPRS - SERVIÇO GERAL DE RÁDIO POR PACOTES EVOLUÇÃO DAS REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS CELULARES ESTRUTURA E RECURSOS OFERECIDOS PELA REDE GSM ESTRUTURA E RECURSOS OFERECIDOS PELA REDE GPRS COMPARATIVO ENTRE AS GERAÇÕES 2G, 2.5G E 3G DA TELEFONIA CELULAR ARQUITETURA GPRS E SEUS ELEMENTOS ARQUITETURA INTERNA SGSN SERVING GPRS SUPPORT NODE GGSN GATEWAY GPRS SUPPORT NODE PCU PACKET CONTROL UNIT BG BORDER GATEWAY CG CHARGING GATEWAY DNS DOMAIN NAME SYSTEM ANÁLISES DE CADA ELEMENTO DA REDE GPRS E SUAS VULNERABILIDADES CG CHARGING GATEWAY DNS DOMAIN NAME SYSTEM BG BORDER GATEWAY GGSN GATEWAY GPRS SUPPORT NODE SGSN SERVICE GPRS SUPPORT NODE PROCEDIMENTOS DE CONFIGURAÇÃO DE SEGURANÇA DE CADA ELEMENTO DA REDE GRPS CHARGING GATEWAY E DNS BG - BORDER GATEWAY SERVICE GPRS SUPPORT NODE GATEWAY GPRS SUPPORT NODE CONCLUSÃO CONCLUSÃO GERAL TRABALHOS FUTUROS...93 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...94

13 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Cenário atual Mais do que uma tendência, o acesso às redes sem a utilização de cabos é uma realidade. No Brasil, vivencia-se a utilização do protocolo WAP (Wireless Application Protocol), WCDMA (Wideband Code Division Multiple Access) e GPRS (General Packet Radio Service) através dos telefones celulares, sejam para acessar redes locais ou para acessar a Internet. Apesar de cada tecnologia possuir riscos inerentes à sua implementação, a tendência maior é a utilização freqüente e constante de redes sem fio. Este quadro está se formando aos poucos e a redução do preço de aparelhos celulares e equipamentos móveis tem tido sua alta contribuição para a formação deste cenário. As maiorias das empresas estão investindo cada vez mais para chegarem à intermediária geração (2,5G) que está entre a 2ª geração e 3ª de geração de celulares. A rede GPRS é uma das inovações apresentadas por esta geração. A evolução dos celulares 2,5G comparando aos antigos celulares da 2ª geração é semelhante à banda larga com os tradicionais modem s de linhas telefônicas convencionais. Existem inúmeras vantagens na utilização deste tipo de rede. A mobilidade e flexibilidade são apenas alguns exemplos, sem contar os casos onde as redes sem fio são imprescindíveis e redes tradicionais não podem ser instaladas. As redes GPRS possuem uma estrutura interna definida para que possa atender qualquer tipo de situação, por exemplo, no caso de um cliente que tente acessar sua rede corporativa por meio de uma aplicação, para consultar seus dados e informações ou a própria rede GPRS se comunicar com outra rede GPRS. O surgimento desses serviços foi devido à necessidade de acesso remoto a recursos como Internet e , que não sejam efetuados por um

14 14 computador como um notebook. Esses serviços podem ser oferecidos por um dispositivo mais compacto, ou seja, menor e que se integra mais ferramentas tomando como exemplo uma câmera digital. Graças a isso hoje por meio não só de um celular, mas sim de qualquer equipamento que tenha suporte a rede GPRS uma infinidade de novos recursos e novas aplicações estão aparecendo no mercado. Hoje no Brasil as principais operadoras (Tim, Claro, Oi, etc) oferecem serviços de GPRS para seus clientes. Para isso um cliente precisa apenas ligar na operadora para habilitar sua linha e começar a utilizar o serviço, sem a necessidade de um provedor. Geralmente o valor deste serviço é cobrado por tempo ou quantidade de dados transmitidos, sendo em média cinco reais por cada megabyte transmitido ou valor do minuto. 1.2 Identificação do problema Se antes o risco poderia ser uma presença indesejada na rede local, pode-se imaginar como será o quesito segurança no futuro das redes GPRS. Como fica a segurança da informação neste novo cenário? A preocupação sobre os tipos de riscos surge porque uma tecnologia que sempre está em fase transitiva de geração para geração, principalmente como anda acontecendo atualmente onde o processo de evolução é muito rápido, expõe várias vulnerabilidades. Um exemplo dessa rápida evolução foi a Internet, desde quanto ela nasceu dos laboratórios de faculdades passando por bases militares até sua total difusão mundial chegando até nas casas de todas as pessoas. A rede GPRS em si trabalha semelhante a uma rede Ethernet, pois utiliza bastante o protocolo IP (Internet Protocol). Por meio desta comparação entre as redes, de imediato pode perceber que as falhas encontradas em redes Ethernet podem ser as mesmas para uma rede GPRS. Hoje maioria das empresas que oferecem os equipamentos para uma

15 15 rede GPRS não se preocupam muito com a segurança interna. Geralmente toda documentação de dispositivo seja ele um roteador ou gateway, enfim um elemento que faça parte da rede, vem como uma receita de bolo tudo padronizado focando apenas o funcionamento do equipamento e não sua segurança. Então um atacante pode aproveitar-se dessas fragilidades e iniciar qualquer tipo de ataque à rede interna, por meios de falhas expostas pelas configurações mal-sucedidas dos administradores nos equipamentos. Para fazer isso ele não precisa ter grandes conhecimentos porque hoje na Internet é muito fácil encontrar ferramentas para explorarem vulnerabilidades e por meio delas conseguir paralisar qualquer tipo de serviço em rede que utilize o protocolo TCP/IP (Transport Control Protocol / Internet Procotol). 1.3 Objetivo do trabalho Neste trabalho, são abordados os principais quesitos de segurança em Redes GPRS, abrangendo desde a análise de vulnerabilidade até os procedimentos de segurança a serem adotados para cada componente de uma rede GPRS. Será mostrada a função de cada elemento ou componente dentro do Backbone GPRS, bem como é relação entre cada um deles e os tipos de serviços que os mesmos compartilham entre si. Não serão abordadas falhas ou vulnerabilidades por parte do lado do cliente, ou seja, do aparelho móvel para rede interna. O foco é apenas nos equipamentos que fazem parte do Backbone que oferecem serviços como bilhetagem, resolução de nomes, roteamento, etc. Outros componentes como HLR (Home Location Register), VLR (Visitor Location Register), AuC (Authentication Center) e EIR (Equipment Identity Register) não serão analisados, pois os mesmos constituem a rede GSM (Group Special Móbile) que não é o foco deste trabalho, apesar de interagirem em alguns elementos do Backbone GPRS, principalmente com o SGSN (Serving GPRS Support Node). Por meio de softwares de auditoria de segurança serão coletadas as possíveis falhas em cada elemento dentro um ambiente de testes. Por esses

16 16 softwares será possível ter uma visão geral do grau de risco que a rede se encontra exposta a um tipo definido de ataque. No ambiente serão utilizados equipamentos novos de fábrica que vem já pré -configurados para serem ativados na rede. Para cada elemento serão estudadas suas possíveis falhas colhidas nas análises e por fim elaborado uma proposta de configuração, ou seja, um procedimento de segurança. Os procedimentos terão como objetivo propor para os administradores de rede uma forma mais segura e simplificada de se configurar equipamentos com SSGN, GGSN (Gateway GPRS Support Node), DNS (Domain Name System), CG (Charging Gateway) e BG (Border Gateway). Reforçando que esse procedimento é apenas uma recomendação de segurança e não uma forma de configuração ideal que seja 100% seguro, pois a cada dia que passa novas falhas vão surgindo e isso é um processo evolutivo que principalmente o administrador de rede deverá estar sempre bem informado. 1.4 Justificativa para pesquisa A implementação deste trabalho justifica-se principalmente pelo fato de ainda não existir nas principais operadoras de Telecomunicações uma preocupação com os procedimentos de segurança a serem usados nos equipamentos que compõem a rede GPRS. Através de relatos de técnicos e engenheiros de Telecomunicações de algumas operadoras, até mesmo os fornecedores de equipamentos não possuem esses procedimentos, nem mesmo documentos que possam contribuir para garantir a segurança lógica das informações transmitidas nesse tipo de rede. Então a principal contribuição é a elaboração de documento que mostra quais os meios utilizados para se configurar os equipamentos da rede GPRS.

17 Organização do trabalho O capítulo 2 mostra a evolução das tecnologias móveis, falando de cada padrão existente dentro de cada geração. Então neste mesmo capítulo é mostrada a arquitetura da rede GSM, elementos e serviços oferecidos e por fim se encerra com uma breve abordagem de como é um arquitetura GPRS e seus elementos que vão desde um cliente até a um elemento do Backbone. No capítulo 3 é mostrado, detalhadamente, cada elemento do Backbone GPRS. Serão mostrados os serviços e funções do CG, SGSN, DNS, Pcu, GGSN e BG. O capítulo 4 apresenta, de forma detalhada, cada falha encontrada nos serviços com seu respectivo tipo de conexão, n porta e grau do risco. Isso será feito para cada elemento do Backbone, expondo nesse capítulo apenas os serviços mais críticos que podem comprometer um ambiente corporativo. E encerrando o trabalho, no capítulo 5 são montadas as recomendações de como se configurar cada elemento de forma mais segura. A proposta é feita apresentando as linhas de comandos que um administrador deve executar para cada elemento ou serviço.

18 18 2 GPRS - SERVIÇO GERAL DE RÁDIO POR PACOTES Hoje o mundo se tornou compacto, pois a cada dia que se passa a informação está cada vez mais próxima. O ser humano está rodeado de dispositivos que trafegam dados por todo lado, sempre ouvindo falar de nomes técnicos como TCP/IP, Gateway, DNS, Hub, Switch etc. No trabalho se encontra meios ou até ferramentas como Internet, e- mail, chat, serviços de mensagens (Messenger, ICQ, etc), de acesso remoto, além de outras. Até mesmo em casa usa-se essas ferramentas que nos permitem estar mais próximos uns dos outros. O mundo se torna cada vez menor, o resultado disso é o grande crescimento nas áreas de Comunicações de Dados, principalmente que envolve telecomunicações destacando-se a tecnologia das redes GPRS. Pode-se classificar o GPRS como passo intermediário (2,5G) para a terceira geração de celulares (3G), uma evolução das redes GSM (Sistema Global para Comunicações Móveis). 2.1 Evolução das redes de comunicações móveis celulares Os primeiros equipamentos móveis celulares surgiram com o sistema analógico AMPS (Advance Mobile Phone System) desenvolvido pela Bell Labs nos anos 70, definida como a primeira geração de celulares (1G). Nesses sistemas os canais de comunicação são compartilhados utilizando FDMA (Frequency Division Multiple Access) operando numa banda de 800 MHz, que é subdividida em canais de 30 khz onde um canal alocado permanece ativo até o final de sua duração. Os serviços são limitados além de voz e do número de assinantes que o mesmo pode suportar. (BERNAL,2002) Para solucionar esse problema a FCC (Federal Communications Commission), órgão americano que cuida da regulamentação de todas as telecomunicações e as transmissões em linha telefônicas, reservou 50 MHz na banda de 800 MHz para a telefonia celular, dividindo em duas bandas denominadas banda A e B. Isso permite que duas empresas provedoras de serviços possam

19 19 operar nas mesmas faixas de freqüência do sistema AMPS. Sendo que, por exemplo, se cada banda utilizasse uma tecnologia diferente como TDMA (Time Division Multiple Access) e CDMA (Code Division Multiple Access) que são incompatíveis, então são usados canais da banda AMPS para fazer o que se chama de roaming (encaminhamento) entre tecnologias digitais diferentes, onde tudo isso funciona de forma analógica. (BERNAL,2002) A partir disto novos sistemas digitais surgiram com diferentes formas como TDMA, onde os canais são divididos por intervalos de tempo e o CDMA, onde os canais são divididos por código usando a tecnologia de espalhamento de sinal modulado no espectro de freqüência (Spread Spectrum) que consiste em fazer com que cada sinal seja combinado com um código cuja taxa é bem superior. Umas das vantagens do TDMA em relação ao AMPS é que um canal pode ser compartilhado no tempo por vários assinantes, dividindo cada quadro em slot s, como na FIGURA 1: FIGURA 1: Slot s de tempo representados em um quadro TDMA O sistema TDMA também oferece mais serviços como: o Identificação de chamadas o Chamada em espera o Siga-me o Conferência o SMS (Short Message Service) No CDMA, o seu espalhamento espectral se transforma

20 aparentemente em ruído e quanto maior o número de usuários utilizando o canal maior será o ruído, aumentado sua potência cada vez mais como na FIGURA 2: 20 FIGURA 2: Carregamento de um canal de RF (Rádio Freqüência) do CDMA(Modificado TUDE,2003) Os serviços oferecidos pelo sistema CDMA são semelhantes ao TDMA, além do serviço de MMS (Multimedia Message Service) para os assinantes enviar fotos, vídeos e áudio. As redes GSM surgiram na Europa em 1989 e comercialmente utilizado em 1992, é considerada a segunda geração (2G) de tecnologia para celulares juntamente com outras tecnologias com TDMA e CDMA, cujo principal característica é a sua arquitetura aberta, onde os equipamentos que compõem a estrutura podem ser de diferentes fabricantes, ajudando a redução de custos de aquisição e manutenção. O padrão TDMA também suporta GPRS. Essa aceitação ajuda a atingir um caminho evolutivo em direção as redes móveis de terceira geração. 2.2 Estrutura e recursos oferecidos pela Rede GSM A Rede GSM é constituída de três elementos: o terminal, a BSS (Base

21 21 Station System) - estação base - e subsistema de rede ou nó. Veja na FIGURA 3: FIGURA 3: Arquitetura da Rede GSM (Modificado de O SISTEMA GSM,2000) O cartão inteligente conhecido como SIM (Subscriber Identity Module) que é utilizado para identificar o assinante dentro da rede, fornece uma grande mobilidade, pois pode ser conectado em qualquer ME (Mobile Equipment) que permite chip; onde o assinante pode usufruir todos os serviços mesmo em um terminal diferente. O cartão SIM tem uma identificação única mundial conhecida como IMSI (Internacional Mobile Subscriber Identity) e o terminal como IMEI (International Mobile Equipament Identity). A BSS - Estação de Rádio Base, conhecida como célula, responsável pela comunicação rádio com a estação móvel se subdividem em BTS (Base Transceiver Station) - Estação Rádio Base de Transmissão - e a BSC (Base Station Controller) - Estação Rádio Base de Controle. Cada BSS pode ter um ou mais BTS. A BTS aloja os receptores/transmissores rádio que definem a célula e suportam os protocolos de ligação rádio com a estação móvel. A BTS utiliza técnicas digitais permitindo que vários utilizadores permaneçam ligados à rede, técnica conhecida como multiplexação. Uma das funções do BSC é o hand-off que ocorre quando o assinante se desloca de uma célula para outra, mantendo a ligação ativa. Além

22 22 disso, a BSC gerencia todos os recursos de uma ou mais BTS. A BSC é responsável por realizar a conexão entre a estação móvel e o MSC (Mobile services Switching Center) - Centro de Comutação Móvel. O Subsistema de Rede possui como principal componente o MSC responsável por fazer a comutação das chamadas entre estações móveis ou entre estações móveis e fixas. Esse dispositivo possui uma série de equipamentos que trabalham em conjunto, destinados a controlar várias funções, como a cobrança de serviço, segurança e o envio de mensagens SMS. Os dispositivos são HLR, VLR, EIR e AuC. O HLR contém todo o registro do assinante da Rede GSM que ele pertence, pois a rede sempre verifica se existe uma assinatura válida para o usuário que deseja utilizar qualquer serviço. Caso a reposta seja positiva o MSC envia uma mensagem ao terminal, informando o nome da operadora, autorizando a ligação. Sempre o MSC verifica onde está localização de um terminal no seu HLR, mas, além disso, o terminal fica de tempos em tempos enviando mensagens a rede informando sua posição, processo conhecido como polling. O VLR controla os tipos de ligações que um terminal pode fazer, onde um assinante não tem permissão para fazer ligações internacionais o VLR retorna uma mensagem ao assinante, bloqueando e impedindo que a chamada seja feita. Além disso, o VLR informa qual BTS está cobrindo um terminal móvel, atualizando na base de dados do HLR o endereço da MSC. O EIR e o AuC são utilizados para segurança do assinante, onde o EIR contém uma lista de IMEI de terminais que foram cadastrados como furtados ou que não são compatíveis com a Rede GSM. Por exemplo, se um terminal que foi roubado e esteja cadastrado no EIR, ele é bloqueado para entrar na rede. Já o AuC possui uma cópia do SIM, onde numa determinada autorização para usar um serviço o AuC cria um número randômico que é enviado para o terminal, logo os dois utilizam esse número juntamente com um código do SIM e um algoritmo de encriptação (A3), logo um outro número é gerado que retorna ao AuC e se o resultado for correto está liberado para usar a rede. A rede GSM funciona operando na banda dos 900 MHz, onde os primeiros MHz são utilizados para o terminal transmitir e os outros

23 23 para as transmissões da rede. Essas freqüências são criadas combinando TDMA e FDMA, onde o FMDA divide 25 MHz em 124 canais com uma largura de 200 khz e uma capacidade de transmissão de dados de 270 Kbps. Cada uma ou mais dessas freqüências são destinadas a cada estação base e novamente divididas pelo TDMA em oitos espaços de tempo (timeslots). Cada terminal utiliza um timeslot para receber e outro para enviar. São separados para que o terminal não envie e receba ao mesmo tempo, conhecida essa divisão com full rate. A freqüência pode ser dividida em 16 espaços de tempo, conhecido como half-rate, mas a rede sai perdendo em qualidade, principalmente na transmissão do móvel. Nesse processo toda a voz é codificada de uma forma complexa, onde os erros podem ser detectados e corrigidos numa transmissão. Logo em seguida um timeslot é enviado, cada um durando cerca de 577 milisegundos e uma capacidade de 116 bits codificados. Além disso, o terminal sempre verifica se outros canais possuem um sinal mais forte e mudar a transmissão. As principais características das redes GSM são: o A facilidade de se usar o terminal (celular) e o cartão SIM em redes GSM de outros países. o Serviços de SMS podendo enviar mensagens curtas de até 100 caracteres. o Conferência, os utilizadores podem conversar simultaneamente. o Possibilidade de consulta de créditos e custos o Aviso de chamada em espera, quando estamos em outra ligação. o Encaminhamento de chamadas para outro número. o Mensagens com até 93 caracteres podem ser enviadas para os terminais numa área geográfica. o Binagem permite ver quem está a nos procurar ou ao contrário, impede que o número seja visto por alguém. o Possibilidade de se colocar uma chamada em espera, enquanto se atende outra.

24 Estrutura e recursos oferecidos pela Rede GPRS De acordo com a infra-estrutura da Rede GSM no tópico anterior, a evolução da Rede GSM para Rede GPRS oferece um aumento da taxa de transmissão de dados. Essa tecnologia permite a transmissão de dados por pacotes. A velocidade de 9,6 Kbps ou 14,4 Kbps da GSM é pequena próxima dos 171,2 Kbps em que se pode operar uma Rede GPRS. Diferente das tecnologias 2G que utilizam comutação por circuito, onde todos os recursos da rede são usados até que o assinante termine a ligação, na GPRS é utilizada comutação por pacote, onde um recurso é somente utilizado por um terminal quando o mesmo irá receber ou enviar uma informação, permitindo que todos que estejam na rede compartilhem os recursos disponíveis. Isso permite que os assinantes usem a Internet e paguem apenas a quantidade de dados que eles transferem e não pelo tempo em que ficam conectados à rede. Graças a isso, mais serviços podem ser oferecidos como: o Chat - pode utilizar salas de bate-papo normalmente, sem nenhuma restrição. o Web Broswing - pode navegar por páginas HTML (Hypertext Markup Language) e ter acesso a todo conteúdo, como imagens, etc. o Wap - essa tecnologia é complementar, fornecendo downloads mais rápidos. o Imagens - é possível receber e enviar imagens de câmeras digitais. o Transferência de documentos - acesso a Ftps. o - as mensagens são recebidas diretamente sem a necessidade de verificar no servidor o Áudio e Vídeo - arquivos de vídeo e áudio poderão ser enviados pela rede. Para oferecer esses recursos são feitos algumas modificações na Rede GSM, onde os terminais (estações móveis) devem ser trocados. Em cada BTS é feita uma atualização do software, além do aumento do n de canais para

25 25 suporte o volume do trafego na célula. Na BSC é feita atualização de software e inserido um novo dispositivo conhecido como PCU (Packet Control Unit) - Unidade de Controle de Pacotes - cuja função é separar o tráfego comutado por circuito do comutado por pacote do GPRS. No restante dos elementos são atualizados apenas softwares. Os novos terminais móveis são divididos em três classes de equipamentos : o Classe A equipamentos que podem lidar com chamadas de voz e transmitir pacote de dados ao mesmo tempo; o Classe B equipamentos que podem fazer chamadas de voz ou transferência de pacote de dados, mas não ao mesmo tempo. o Classe C equipamentos que pode lidar com dados e voz juntos. Novos dispositivos são acrescentados para formar a Rede GPRS, o SGSN que é responsável por manter a conexão lógica do assinante quando ele passa de uma célula para outra, método conhecido como handover, além deste termos o GGSN responsável pela conexão com a Internet e outras redes de dados. Além disso, a Rede GPRS possui um DNS para resolução de nomes externos e internos, que faz parte de seu Backbone. A FIGURA 4 mostra os elementos que compõe a Rede GPRS.

26 26 FIGURA 4: Uma breve apresentação da arquitetura GPRS (Modificado de TUDE,2003) Dentro do Backbone GPRS podemos encontrar outros dispositivos como o CGF (Charging Gateway Function) na FIGURA 5: FIGURA 5: Backbone GPRS e sistema de tarifação (Modificado de AMARAL,[200-]) Tudo que o assinante executa dentro de uma Rede GPRS, o GGSN e o SGSN coleta essas informações colecionadas pelos chamados CDR (Charging Data Records) e entregue ao CGF, responsável pela tarifação.

27 27 Os seguintes parâmetros se baseiam no volume de dados (quantidade de bits), duração (sessão), tempo (data, hora, dia da semana), destino final, localização, SMS, IMSI (diferença ente classe de assinantes), tarifa reversa, livre tarifação, flat rate (taxa fixa mensal). 2.4 Comparativo entre as gerações 2G, 2.5G e 3G da telefonia celular. Tabela 1 - Comparativo entre as gerações de celular (ZIMMER,[200-]) 2G 2,5G 3G Status Presente na maioria dos atuais telefones Disponível em grande escala no momento Futuro da tecnologia móvel móveis -Chamadas telefônicas - Chamadas Telefônicas - Chamadas -Recepção de mensagens simples e Serviços de fax - com voz -Envio e recepção de mensagens mais complexas - Navegação na Internet Telefônicas/Serviços de fax - Interoperabilidade -Envio/recepção de mensagens mais complexas Funcionalidades - Mapas de Informação - Atualizações disponíveis - Alta velocidade de navegação na Internet/Possibilidade de videoconferência - Streaming de vídeos e canais de TV - Agenda eletrônica de compromissos Velocidade 10Kbps Kbps 144Kbps-2Mbps Tempo de download de um mp3 de 3 minutos de duração 31-41min 6-9 min 11 sec - 1,5 min

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações UFSM Artigo Científico GSM: Terceira Geração de Telecomunicações Carlos Renan Silveira Ciência da Computação Santa Maria, RS, Brasil 2003 GSM: Terceira Geração de Telecomunicações por Carlos Renan Silveira

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005).

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005). Telefonia Móvel Celular e sua Aplicação para Tráfego de Dados Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005. O conteúdo

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech.

Parabéns, você acaba de adquirir um produto com qualidade e tecnologia Identech. MANUAL Sumário 1 INTRODUÇÃO3 2 LIGANDO/CONECTANDO3 3 CONFIGURAÇÕES4 31 - INICIAL4 32 - REDE8 321-3G8 322 - WAN9 323 - LAN10 324 - Tipo de Reconexão13 325 - Redirecionar14 33 - WIRELESS16 34 - DHCP17 35

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Hardening de Servidores

Hardening de Servidores Hardening de Servidores O que é Mitm? O man-in-the-middle (pt: Homem no meio, em referência ao atacante que intercepta os dados) é uma forma de ataque em que os dados trocados entre duas partes, por exemplo

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais