VISUALIDADES TRANSGRESSORAS: OUTROS MODOS DE VER A - E VER/SE NA DOCÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VISUALIDADES TRANSGRESSORAS: OUTROS MODOS DE VER A - E VER/SE NA DOCÊNCIA"

Transcrição

1 1 VISUALIDADES TRANSGRESSORAS: OUTROS MODOS DE VER A - E VER/SE NA DOCÊNCIA Maria Emilia Sardelich Universidade Federal da Paraíba (UFPB) INTRODUÇÃO Desde a segunda metade do século XX circula o clichê de que a instituição escolar não estaria cumprindo com seu papel, dado seu apego a modelos pedagógicos anacrônicos. Ao mesmo tempo intima-se aos docentes que respondam aos desafios que caracterizam a mutação cultural dos modos contemporâneos de viver e as aprendizagens necessárias a estes. Nóvoa (2009) assinala que investigadores das ciências da educação, das didáticas, de redes institucionais diversas, bem como políticos e legisladores, já estão de acordo sobre as medidas necessárias que possam assegurar a formação e o desenvolvimento profissional de docentes que atendam aos desafios contemporâneos. Porém, mesmo que esse discurso seja coerente e consensual entre investigadores e legisladores, Nóvoa (2009) afirma que raramente se faz aquilo que é dito como sendo preciso fazer para a valorização profissional docente. O autor destaca docentes não autoras desse discurso e tem tido seu território profissional e simbólico ocupado por outros grupos que estão produzindo uma inflação retórica sobre a missão docente. No Brasil o processo de profissionalização do magistério apresenta especificidades e defasagens em relação ao iniciado no continente europeu ao final do século XVIII. Somente no início do período republicano, ao final do século XIX, que essa profissionalização se inicia no País e as mulheres ocupam esse espaço no decorrer do século XX (VEIGA, ARAÚJO, KAPUZINSKIM, 2005). Dados do Anuário Brasileiro da Educação Básica de 2014 indicam que 80% do total de docentes na Educação Básica são mulheres (TODOS PELA EDUCAÇÃO, 2014). Costa (2006) constata que as imbricações do feminino com a docência são indissociáveis das analises sobre a formação profissional e valorização da carreira do magistério. Apesar das mulheres serem maioria na Educação Básica, a autora destaca que só

2 2 recentemente a massiva presença feminina passou a ser admitida como parte da problemática da profissão docente. As mulheres nunca foram invisíveis nem estavam escondidas, porém os aparatos analíticos utilizados não permitiam visualizá-las. Vianna (2013) observa que a docência abriu um dos primeiros campos de trabalho para as mulheres brancas estudadas das chamadas classes médias. Ao mesmo tempo em que essas mulheres protagonizavam a luta pela participação feminina na esfera econômica e política também representavam uma feminilidade idealizada. A autora compreende que a feminização do magistério não abarca, apenas, o aspecto quantitativo, mas também o modo como os denominados significados femininos amor, cuidado, domesticidade- estão representados nessa atividade. Vianna (2013) afirma que esses significados não são associados à competência profissional nem ao engajamento político sindical. Por outro lado, a mídia brasileira tem feito circular imagens de docentes que resistem a aceitar a precária situação educacional brasileira como uma fatalidade, posicionando-se publicamente, seja em Assembleias Legislativas (Figura 1), seja nas ruas manifestando sua expressão pessoal (Figura 2) e compreensão do contexto profissional (Figura 3), como também se enfrentando à violência policial em momentos de reivindicação salarial (Figura 4). Figura 1. Professora Amanda Gurgel Assembleia Legislativa (RN), 10/05/2011 Imagem: YouTube Figura 2. Greve dos Professores, Rio de Janeiro (RJ) 28/05/2014 Foto: Vladimir Platonow / Agência Brasil

3 3 Figura 3. Greve dos Professores, São Paulo (SP) 13/03/2015 Foto: J. Duran Machfee / Estadão Conteúdo Figura 4. Greve dos Professores, Rio de Janeiro (RJ) 28/05/2014 Foto: Vladimir Platonow / Agência Brasil Essas imagens contrastam com as representações fabricadas no campo profissional do magistério que tem posicionado as docentes na ordem do coração e não na ordem da razão, distanciando-as da participação democrática no domínio público atrelando essa política cultural de identidade às políticas neoconservadoras em andamento (COSTA, 2006, p ). Consideramos que a docência nutre-se da e na ambiência social, daquilo que é valor na coordenada espaço temporal em que se constitui. A docência é uma construção social e histórica em meio às disputas de poder para sua definição, que carrega uma multiplicidade de sentidos. É por essa variedade de sentidos que nossa investigação debruçase sobre os modos de ver a docência, e também de ver-se na docência, que circulam entre da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Temos por objetivo dar visibilidade às representações da docência que estão se construindo entre em um contexto de desvalorização profissional e excesso de informação/imagens que afetam nossos modos de pensar, agir e aprender. É nesse cenário político-social, em meio aos constrangimentos institucionais de todas as ordens que envolvem o precarizado fazer docente, que encontramos os problemas que nos levam a pensar sobre nossa responsabilidade de formadores em uma sociedade campeã mundial de desigualdades (SGUISSARDI, 2005, p. 216). Compreendemos o fazer docente como um saber/fazer que se faz na medida em que se refaz/repensa (PAREYSON,

4 4 1993) e se fala sobre ele (FOUCAULT, 1986). Falamos sobre o nosso fazer como docentes em cursos de Licenciaturas, apesar da inflação retórica produzida por outros grupos profissionais sobre o mesmo. Nossa investigação se organiza a partir do desejo de compreender como nos relacionamos e aprendemos com e a partir de inúmeros artefatos visuais, que constroem nossos modos de ver, ser visto e nos fazer ver, em múltiplas imagens dispersas no fluxo midiático da contemporaneidade. Trabalhar com e a partir das imagens é um desafio que aceitamos, pois o exercício de mostrar o ver requer distanciar-nos da suposta noção de familiaridade que temos com as imagens e despertar a capacidade para surpreendernos, estranhar-nos, de tal modo que muitas coisas que se dão por sabidas sejam postas em questão (MITCHELL, 2003). Trabalhamos neste projeto, pois avaliamos ser necessário discutir com os processos de significação da docência e de nossas relações com os demais e o meio ambiente em nossos espaços de aprendizagem. Quando as crianças chegam à escola trazem experiências que afetam suas construções cognitivas e que se referem aos conteúdos estudados na escola. Do mesmo também trazem representações sobre a docência, pois chegamos aos cursos de Licenciatura com uma identidade, uma biografia em construção alicerçada em nossas experiências de gênero, etnia e classe social (HERNANDEZ, 2005). Pensamos, como Garcia (2009) que o processo de formação deve dar atenção às representações, crenças e preconceitos de discentes e docentes, pois estes afetam a aprendizagem da docência, possibilitando ou dificultando as transformações. Fazer emergir e circular as representações sobre a profissão pode levar ao questionamento de nossas ideias e noções sobre a prática docente e colaborar para a reflexão e construção de outros processos de identificação profissional. Elaborar este projeto, e os textos que dele se originam, nos permite refletir sobre a narrativa que vem se configurando sobre a docência, bem como as que fazemos circular, pois estas também fazem parte dos dispositivos de produção de subjetividades (GUATTARI, 1990). Investigamos as narrativas sobre a docência que circulam nessas imagens para pensar o formar/se em um mundo que se con/forma, de/forma, in/forma, re/forma, trans/forma no incontrolável fluxo de bits que aparecem em forma de imagens e palavras, práticas discursivas

5 5 para laminagem das subjetividades, dos bens e do meio ambiente (GUATTARI, 1990, p. 12). Outras pesquisas já têm se debruçado sobre a representação de docentes em textos da literatura infantil (SILVEIRA, 2004, 2002), de revistas pedagógicas (COSTA; SILVEIRA, 1998), em imagens do cinema (DALTON, 1996) e produzidas por discentes (COSTA, 2011; FISCHMAN, 2005; LEITE; HYPOLITO; LOGUERCIO, 2010). Nossa investigação situa-se no âmbito dos Estudos Culturais, na perspectiva da Cultura Visual, compreendendo o visual como lugar de interação social e enunciados de classe, gênero, identidade sexual e racial. As noções de visão - o processo fisiológico em que a luz impressiona os olhos - e visualidade - o olhar socializado - são fundamentais nesse entendimento da Cultura Visual (MIRZOEFF, 2003). Pensar sobre a visualidade implica perguntar sobre de que modo vemos e também como somos capazes, autorizados ou levados a ver (JAY, 2003/2004). Tourinho (2009) denomina de visualidades comuns um campo de imagens de referência que compartilhamos, num sentido semelhante ao senso comum, quando nos referimos a ideias, práticas, hábitos que nos aproximam. Apresentamos, a seguir, os primeiros achados em nossa investigação e as nossas considerações transitórias. ACHADOS NA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Participaram da primeira coleta de imagens desta pesquisa 36 licenciandas e 2 licenciandos de Pedagogia, do quarto período do curso, no segundo semestre de No componente curricular Didática trabalhamos a memória educativa em uma reflexão sobre a profissão, o profissionalismo e a profissionalidade (FARIAS et al, 2011). A produção do memorial abarca a linguagem verbal e visual. Na produção apresenta uma imagem que represente a docência, o exercício profissional. A imagem pode ser de autoria própria ou alheia, produzida a partir de qualquer técnica. Essas imagens são compartilhadas e interpretadas pelo coletivo. Na discussão coletiva não é necessário indique a imagem escolhida, a fim de não criarmos constrangimento em função de possíveis estereótipos que possam emergir no grupo de discussão. A interpretação das imagens fundamenta-se na associação livre de palavras ou ideias. Nosso foco não está no que pensamos sobre essas representações, mas sim

6 6 nas narrativas que essas imagens fazem circular e, a partir dessas imagens/narrativas propor uma reflexão sobre o exercício da docência na contemporaneidade. Exploramos o modo pelo qual as narrativas favorecem determinadas visões de docência. Das 38 imagens coletadas, 30 são de autoria alheia, sendo imagens disponíveis em revistas, sites da Internet, de conteúdo educacional. Dentre as 8 imagens de autoria própria, 4 são fotografias; 3 desenhos, sendo dois em branco e preto e um em cores; 1 colagem. Figura 5. Representações da Docência, Pedagogia Na figura 5 estão circuladas as duas imagens que foram apresentadas por mais de uma vez. Das 38 imagens apresentadas, 34 aludem a figura humana e somente 4 são figurativas sem referência direta à figura humana. Figura 6. Representações Figurativas Docência, Pedagogia O cenário privilegiado é a sala de aula, representada em 21 imagens.

7 7 imagens. Figura 7. Cenário Representações Docência, Pedagogia A figura masculina, acompanhada ou não de crianças/jovens, aparece em 8 Figura 8. Representações Masculinas Docência, Pedagogia A figura feminina, acompanhada ou não de crianças, predomina na representação da docência em 18 imagens.

8 8 Figura 9. Representações Femininas Docência, Pedagogia VISUALIDADE COMUM: DOCÊNCIA GENERIFICADA Nossos resultados se aproximam aos do estudo de Fischman (2005), e de Leite, Hypolito e Loguercio (2010), pois predomina a representação de uma mulher vestida sobriamente, frente a um quadro ou escrivaninha (Figura 9), muito próxima da imagem da Professora Marocas, personagem das Histórias em Quadrinhos de Maurício de Sousa (Figura 10), um popular artefato cultural destinado à infância que circula no Brasil. Figura 10. Visualidade Comum sobre a Docência. Figura 11. Professora Marocas, Turma do Chico Bento. Sousa, 2007 Consideramos essas imagens como visualidades comuns que emergem no cruzamento das redes de significados compartilhados pelas licenciandas. Louro (2002) afirma que no entrecruzamento dessas representações algumas ganham a autoridade do óbvio, do senso comum, da autoevidência, que se chega a esquecer de seu status de representação

9 9 socialmente construída. São imagens que ditam um modo de exercer a docência e quem a exerce. Louro (1999) observa que por meio de múltiplos recursos se reforça uma estreita ligação entre professoras e crianças que chega a infantilizar o processo de formação e o exercício da profissão. As imagens com as quais as licenciandas de Pedagogia do século XXI identificam a profissão docente pouco rompem com os lugares comuns dos estereótipos destinados às professoras. Essas licenciandas são subjetivadas por imagens que reforçam uma determinada pedagogia visual do feminino (LOPONTE, 2008). Louro (1999) adverte para não incorrermos no erro de homogeneizar todos os discursos e práticas de sujeitos que exerceram e exercem a docência no Brasil, porém recorda que, apesar das múltiplas práticas e discursos sobre a docência, nem todos são considerados socialmente do mesmo modo. Alguns se fixam como os verdadeiros ou verdadeiras práticas docentes. Apesar desses discursos impregnarem as visualidades comuns encontradas em nossa investigação, também circularam imagens que consideramos transgressoras e apresentamos uma a seguir. VISUALIDADE TRANSGRESSORA A imagem da Figura 12 causou um grande alvoroço durante a discussão coletiva com as licenciandas. Figura 12. Bui Brothers, Brainiac, Durante a discussão coletiva a partir das imagens a primeira frase que emergiu rapidamente na apresentação desta foi: Ela tá se achando! Não é a imagem de uma professora. O grupo agitou-se com essa representação levando a falar

10 10 ao mesmo tempo, desrespeitando as regras previamente ajustadas de solicitar a palavra, falar e durante a fala. Chamou nossa atenção a expressão Ela tá se achando, que em geral utiliza-se para a pessoa que deseja ser o centro das atenções; uma pessoa que, supostamente, sente-se poderosa, se acha e é classificada como arrogante. No tumulto repentino emergiram argumentos como: é uma mulher muito sexy, ela não pode entrar assim numa sala do terceiro ano, ela está com os braços de fora, o vestido é muito sensual, entre outros que giraram em torno da elegante e refinada aparência da figura feminina. Esta imagem foi selecionada por uma licencianda, de 19 anos que, durante a discussão coletiva, não quis se identificar e manteve-se em silêncio. Ao conseguirmos reorganizar a discussão, recordamos ao grupo que solicitamos uma imagem que representasse a docência, ou seja, a profissão e não a profissional, a professora. Apesar de ratificarmos que estávamos discutindo sobre a representação da profissão, o argumento que, quantitativamente sobressaiu foi o de que uma professora não deve vestir-se desse modo. Ao questionarmos tal argumento o grupo justificou o posicionamento afirmando que uma professora está para cumprir o ofício. Indagamos os motivos pelos quais a vestimenta estaria inadequada para o ofício e a justificativa foi a de que a professora deve ter os braços cobertos. Questionamos as razões para os braços cobertos, pois se essa mulher tem os braços descobertos, por sua vez está de meias cobrindo as pernas. O grupo justificou a necessidade dos braços cobertos pelo fato de que uma professora acaba tendo contato físico com crianças, pode pegar no colo, abraçar, daí a necessidade dos braços cobertos. As licenciandas também observaram que as meias escolhidas pela mulher da imagem não são para cobrir as pernas, pois são meias provocantes. Os argumentos apresentados pelas licenciandas apontam para a constatação de Silveira (2004) em relação às exigências de uma postura educacional assexuada na docência. Louro (1999) destaca a imbricação entre gênero a condição social pela qual somos identificados como mulher ou homem- e a sexualidade - a forma cultural pela qual vivemos nossos desejos e prazeres corporais - na docência. Observa que a sexualidade da docente vem sendo negada em função das restrições em relação ao contato físico entre professoras e pois abraços e beijos foram considerados práticas inadequadas durante muito tempo.

11 11 Apenas duas licenciandas, dentre 36 mulheres, levantaram argumentos em favor dessa representação para a docência. Os argumentos foram: essa mulher é uma intelectual, pois tem muitos livros, se as professoras assumissem o lado intelectual da docência e não o maternal, a profissão seria mais respeitada ; se as professoras se vestissem bem, como essa mulher, seriam mais valorizadas. Em relação ao argumento da docência como atividade intelectual, Giroux (1997) afirma que compreender o trabalho docente como intelectual implica tornar o pedagógico mais político e o político mais pedagógico, o que significa inserir a escolarização diretamente na esfera política e fazer ecoar a voz ativa dos estudantes em suas experiências de aprendizagem. A imagem que causou tanta discordância entre as licenciandas de Pedagogia representa uma mulher jovem, diante de uma grande estante de livros que necessita de uma escada para poder alcançar todas as prateleiras. A estante contém muitos livros, ordenados, porém não simetricamente e ocupam todos os lugares disponíveis. Causa a impressão de que falta espaço para mais livros e juntam-se a pequenos objetos que, aparentemente, parecem pertencer a diversas culturas. Assemelha-se a estante de um colecionador, um estudioso em determinado assunto. A jovem mulher, de cabelos curtos e avermelhados, usa óculos, agarrase à escada com a mão direita e sustenta-se sobre um degrau com o pé direito. Segura um livro aberto com a mão esquerda, porém não olha para o livro, mas sim para o espectador em uma atitude séria, de lábios vermelhos e fechados, com uma expressão que sugere uma indagação, como se aguardasse a resposta a um enigma. Dentre os vários significados atribuídos pela simbologia ao livro temos sabedoria, revelação, manifestação da mensagem divina, o próprio Universo. Um livro aberto significa matéria fecundada e seu conteúdo possuído por quem o lê (CHEVALIER; GHEERBRANT, 1998). A seriedade da expressão facial da mulher representada contrasta com a leveza da pose que se sustenta apenas sobre o pé direito, em um degrau da escada, com a perna esquerda dobrada para trás, em uma atitude juvenil e graciosa. A vivacidade da pose se contrapõe com a sobriedade do vestido preto de alças muito finas, que deixa a descoberto o colo e braços finos, tendo as pernas encobertas por meias arrastão, de um desenho similar a uma rede, que sugere um ar retrô à mulher, apesar da elegante modernidade.

12 12 A figura feminina que posa nesta imagem é a atriz estadunidense Felicia Day (1979). A imagem está disponível no site da atriz 1 e tem por título Brainiac. A autoria da imagem é da dupla de fotógrafos estadunidense Bui Brothers, e recebe duas etiquetas de identificação na web: Bui Brothers e Felicia Day. Sobre o título Brainiac, o dicionário da língua inglesa Oxford, indica como substantivo, originário da linguagem informal norte americana, que significa uma pessoa de inteligência excepcional. O dicionário aponta que a expressão resulta da junção das palavras brain (cérebro) e maniac (maníaco), etimologia datada na década de 1950, no âmbito das Histórias em Quadrinho, por ter sido o nome dado ao vilão humanoide inimigo do super-herói Super Homem. Sobre a figura feminina que posa para esta imagem - a atriz, cantora, roteirista, produtora e jogadora de videogame (gamer) - Felicia Day, é conhecida entre o público jovem que consome webseries. Apesar dos suportes tradicionais para a produção audiovisual ainda serem o cinema e a TeVê, essa produção transita para as várias telas disponíveis atualmente, como as da web e celulares. Nesses trânsitos, além da remediação - quando um meio herda características de meios anteriores, mas também as reatualiza - e do cruzamento das mídias - com os conteúdos distribuídos pelas várias mídias ao mesmo tempo - também encontramos o fenômeno da transmidiação (Machado, 2007). A transmidiação de conteúdos ocorre quando as produções envolvidas não são só derivadas de outros meios e estão circulando em vários deles, mas em seu conjunto compõem uma narrativa, ou diversas narrativas, que se constroem em torno a um tema comum. Jenkins (2009) indica a transmidiação como um fenômeno da cultura da convergência. Esta não se refere apenas ao processo tecnológico que une múltiplas funções em um mesmo dispositivo, como podem ser os telefones inteligentes, mas sim como uma transformação cultural, na medida em que consumidores, espectadores, pesquisadores, caçam, coletam informações e são capazes de estabelecer novas conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos. A cultura da convergência propõe uma estética que exige a participação ativa do espectador em comunidades de conhecimento, pois os espectadores necessitam assumir o papel de coletores, caçadores, para perseguir os pedaços da história em diferentes canais. 1 Disponível em

13 13 As séries são comercialmente exploradas desde os folhetins, no início do século XIX, porém atualmente constroem narrativas transmídias, como os livros que dão lugar a Histórias em Quadrinhos, Filmes, Jogos, e vice-versa. As webseries não são somente uma produção seriada veiculadas na web, mas fazem parte dessa nova estética transmídia. Na série Supernatural, que recebeu a denominação de Sobrenatural ao ser veiculada na televisão aberta brasileira, a figura feminina que posa para a imagem em análise, Felicia Day, interpreta a personagem Charlene Bradbury, uma especialista em Tecnologia da Informação, que faz uma série de referências à cultura dos games e séries de TeVê. Felicia Day também é autora e produtora de uma webserie denominada The Guild 2, (A guilda). O argumento central da série reúne um conjunto de pessoas, que se conhecem apenas no mundo on line, cujo interesse comum é o de jogar um jogo sem nome, um MMORPG, um jogo misto de interpretação de personagens (RPG) e videogame online de múltiplos jogadores. Essa webserie estreou no Youtube em julho de Cada episódio começa com a personagem principal, Codex 3, uma fitoterapeuta interpretada por Felicia Day, recapitulando os eventos do episódio anterior. Além de recapitular os fatos ocorridos, também compartilha seus próprios sentimentos sobre o ocorrido. A atriz que posa para esta imagem, não só pelos papéis que interpreta, mas também por sua própria inserção nas múltiplas funções que envolvem a produção transmídia, é uma espécie de musa nerd. Bicca et al (2013) observam que embora o bom desempenho escolar seja uma característica recorrente dos integrantes do grupo cultural nerd, esse grupo dedica-se ao estudo aprofundado, sistemático. Um/a nerd não tem por objetivo obter sucesso na escola, mas apropriar-se de conhecimentos diversos pelo prazer que o ato de aprender um determinado tema proporciona quando essa aprendizagem representa um desafio mental. Matos (2013) observa o caráter curatorial na prática cotidiana de catalogar, selecionar, classificar, atribuir valor e inserir esses objetos em um mapa de importância nerds. Para esse grupo não basta, apenas, consumir e colecionar determinados filmes, histórias em quadrinhos, séries de TeVê ou livros, mas sim a escolha, a seleção, a disputa pelo prestígio, pela distinção que a identificação com determinados signos lhes permite. 2 Disponível em: 3 Em latim placa de madeira usada para registro, livro, código.

14 14 CONSIDERAÇÕES ALCANÇADAS Apesar das múltiplas práticas e discursos sobre a docência, nem todos são considerados socialmente do mesmo modo. Imagens de docentes que se posicionam a favor da competência profissional e o engajamento político sindical (Figuras 1, 2, 3, 4) ainda pouco contaminam discursos mais resistentes, como o da visualidade comum na docência generificada. A partir das imagens coletadas podemos identificar que, quantitativamente, a visualidade comum da docência generificada, com a regulação do comportamento feminino no exercício da profissão, persevera na subjetivação Compreendemos a identificação com a profissão docente como um processo contínuo que se constrói na trajetória formativa. Inicia-se muito antes da formação nos cursos de Licenciatura e pode adotar modelos docentes que marcaram a escolarização A identificação profissional implica uma rede de interações pessoais e sócio culturais que se institui e se constitui nas identificações das subjetividades consigo, com os outros e com o contexto espaço-temporal. Mesmo que quantitativamente inexpressivas, algumas representações indicam outra visualidade, outro modo transgressor de representar e compreender a docência. Uma docência para a qual o desafio do aprender se aproxima do prazer. Uma docência que não nega nossos desejos e prazeres corporais e intelectuais, que se abre para a sexualidade e rompe com as anacrônicas concepções de maternidade e sacrifício vocacional. Uma docência que pode forjar-se na cultura da convergência, na qual a própria mitologia pessoal e os processos de identificação se organizam a partir de fragmentos de informação extraídos do fluxo midiático e constrói subjetividades entre fronteiras. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BICCA, A. D. N. et al. Identidades Nerd/Geek na web: um estudo sobre pedagogias culturais e culturas juvenis. Conjectura, Caxias do Sul, v. 18, n. 1, p , jan./abr CHEVALIER, J. ; GHEERBRANT, A. Dicionário de Símbolos. 12ed. Rio de Janeiro, José Olympio, COSTA, S. C. M. Ser professor: um estudo de representações orais e visuais de um grupo de licenciandos da UNIFAP. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, 2011.

15 15 COSTA, M. C. V. O magistério e a política cultural de representação e identidade. In: O magistério na política cultural. Canoas: Ed. ULBRA, 2006.p COSTA, M. V.; SILVEIRA, R. M. H. A revista Nova Escola e a constituição de identidades femininas. In: BRUSCHINI, C.; HOLANDA, H. B. de (orgs.). Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo: Editora 34, DALTON, M. O currículo de Hollywood: quem é o bom professor, quem é a boa professora? Educação & Realidade, v. 21. n. 4, p , jan. / jun FARIAS, I. M. S. de, et all. Didática e Docência: aprendendo a profissão. 3 ed. Brasília: Liber Livro, FISCHMAN, G. Imágenes de la docencia: neoliberalismo, formación docente y género. Revista Electrónica de Investigação Educativa. v.7, n.2., FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense/Universitária, GARCIA, C. M. Desenvolvimento Profissional: passado e futuro. Sísifo: Revista das Ciências da Educação, n. 08, pp. 7-22, jan./abr GUATTARI, F. As três ecologias. Campinas: Papirus,1990. GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, HERNANDEZ, Fernando. De qué hablamos cuando hablamos de Cultura Visual? Educação & Realidade, v. 30, n. 2, p.9 34 jul. / dez JAY, Martin. Relativismo cultural e a virada visual. (Tradução de Myrian Ávila). Aletria - Revista de Estudos de Literatura. Volume 10/11, 2003/2004.p JENKINS, H. Cultura da Convergência. 2 ed. São Paulo: Aleph, LEITE, M. C. L.; HYPOLITO, A. M.; LOGUERCIO, R. de Q. Imagens, docência e identidade. Cadernos de Educação FaE/PPGE/UFPel, Pelotas, n. 36, p , mai./ago LOPONTE, L. G. Pedagogias visuais do feminino: arte, imagens e docência. Currículo sem Fronteiras, v.8, n.2, pp , Jul/Dez LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, M. Del (org.); BASSANEZI, C. Histórias das mulheres no Brasil. 6. Ed. São Paulo: Contexto, 2002.

16 16 LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, MACHADO, A. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo, Editora Paulus, MATOS, P. Consumo, curadoria e a construção de mapas de importância na cultura nerd. X POSCOM SEMINÁRIO DOS ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PUC. Rio de Janeiro, nov MIRZOEFF, N; Una introducción a la cultura visual. Barcelona: Paidós, MITCHELL, W.J.T. Mostrando el ver: una crítica de la cultura visual. Revista Estudios Visuales, n. 1, dez NOVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA, PAREYSON, L. Os problemas da estética. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, SGUISSARDI, V. Universidade pública estatal: entre o público e o privado/mercantil. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 90, p , jan./abr.. SILVEIRA, R. M. H. Professoras pelo avesso: gênero, sexualidade e paixão em narrativas contemporâneas. V SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO - REGIÃO SUL ANPEDSUL, 27 a 30 de abril de SILVEIRA, R. M. H. (org.). Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, SOUSA, M. de. Turma do Chico Bento n. 1. São Paulo: Ed. Panini Comics, TODOS PELA EDUCAÇÃO. Anuário Brasileiro da Educação Básica São Paulo: Editora Moderna/Todos pela educação, TOURINHO, I. Visualidades comuns, mediação e experiência cotidiana. In: BARBOSA, A. M.; COUTINHO, R. G. (orgs.) Arte Educação como mediação cultural e social. São Paulo: Editora UNESP, p VEIGA, Ilma Passos Alencastro; ARAUJO, José Carlos Souza; KAPUZINIAK, Celia (orgs). Docência uma construção ético profissional. Campinas, SP: Papirus, VIANNA, C. P. A feminização do magistério na Educação Básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, S. C. (coord.). Trabalhadoras: Análise da Feminização das Profissões e Ocupações. Brasília: Editorial Abaré, 2013.p

17 17

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456

RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 451 RESUMOS SIMPLES...452 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...454 RESUMOS DE PROJETOS...456 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS Gabriella Pizzolante da Silva Universidade Federal de São Carlos gabriellapizzolante@gmail.com Maria José da Silva Rocha - Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA RELAÇÃO DE LINHAS DE, S E PARA METODOLOGIAS DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS EDUCATIVOS Constituição histórica das metodologias do ensino e as diferentes concepções de ensino

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15 08/10/14 sala 2 FORMAÇÃO INICIAL E O PROCESSO DA ESCRITA EM FRANCÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE LEITURA COMO ASPECTOS CONSTITUTIVOS DA BASE DE CONHECIMENTOS DO PROFESSOR CRENÇAS DE

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais