Biologia da Conservação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biologia da Conservação"

Transcrição

1 Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies Introdução Conservação in-situ Conservação ex-situ

2 Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies Introdução

3 Conservação: espécies ou ecossistemas? Problemas com a conservação de ecossistemas: Depende dos problemas relativos à área em questão e seus arredores. Não é eficiente com populações muito pequenas Não é eficiente quando todos os indivíduos estão fora de unidades de conservação. Problemas com a conservação de espécies: O esforço despendido nesta abordagem espécie por espécie acaba sendo ineficiente, caro e tendencioso para a megafauna carismática. Esta abordagem de conservação inicia suas ações apenas quando uma espécie se torna ameaçada de extinção. A abordagem da conservação de espécies particulares não é efetiva, pois não considera a perda contínua de habitat e a fragmentação. O manejo de populações maximiza a produtividade de poucas espécies com pouca atenção ao ecossistema - Altas densidades de determinadas espécies podem levar à degradação do ecossistema.

4 Mais abrangente Instrumentos: Conservação de ecossistemas Zoneamento / ecologia da paisagem Unidades de conservação (para ecossistemas) Seleção de reservas - critérios Desenho de reservas - recomendações Manejo de ecossistemas: Manejo de impactos Controle de espécies exóticas Recuperação de áreas degradadas Manejo de espécies indicadoras Monitoramento de ecossistemas

5 Conservação de espécies Espécies carismáticas ou de interesse econômico. Instrumentos: Conservação in-situ Unidades de conservação (para espécies-bandeira) Análise de Viabilidade Populacional Manejo de populações (e metapopulações) Controle biológico Manejo de caça Translocação + acréscimo ou reintrodução Monitoramento de populações Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Jardins botânicos, zoológicos, aquários, etc... Coleções e culturas: Bancos de germoplasma, herbários(?) e coleções zoológicas(?) Unidades de conservação ex-situ (!)

6 Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação in-situ

7 Conservação in-situ Definição - conservação de ecossistemas e habitats naturais e a manutenção e recuperação de populações viáveis de espécies em seus ambientes naturais. Limitações (as mesmas de qualquer Unidade de Conservação): Depende dos problemas relativos à área em questão e seus arredores. Não é eficiente com populações muito pequenas Não é eficiente quando todos os indivíduos estão fora de áreas de conservação (espécies com grandes áreas de vida e espécies migratórias).

8 Instrumentos: Conservação in-situ Unidades de conservação (para espécies-bandeira) Análise de Viabilidade Populacional Manejo de populações (e metapopulações) Controle biológico (para espécies-praga ou invasoras) Manejo de exploração (ex.: caça, pesca, coleta) Programas de acréscimo populacional (espécies ameaçadas) Estabelecimento de novas populações (espécies ameaçadas) Monitoramento de populações (para conservação)

9 Conservação in-situ Unidades de Conservação Unidades de conservação (para espécies-bandeira) Estudo de caso: Mico-leão dourado

10 Conservação in-situ Unidades de conservação Unidades de conservação (para espécies-bandeira) Estudo de caso: Panda

11 Conservação in-situ - PVA Análise de Viabilidade Populacional (PVA - Population Viability Analysis Todas as populações serão extintas (um dia)... Questão-chave: Qual a probabilidade de uma população com N indivíduos nas condições A, B e C ser extinta em X anos?" A Análise de Viabilidade Populacional é o processo de identificação de riscos enfrentados por uma espécie. É realizada por similação dos possiveis destinos de uma população ou espécie a partir de informações de sua distribuição e dinâmica populacional. Permite simular o efeito de diferentes estratégias de manejo antes de efetivá-las em campo.

12 Conservação in-situ - PVA. Probabilidade de extinção Análise de Viabilidade Populacional Probabilidade de extinção de populações de elefantes em função do tamanho da reserva. Tempo (anos)

13 Conservação in-situ Manejo de populações Manejo de populações (e metapopulações) Controle biológico (para espécies-praga ou invasoras) Manejo de exploração (ex.: caça, pesca, coleta) Programas de acréscimo populacional (espécies ameaçadas) Estabelecimento de novas populações (espécies ameaçadas) Monitoramento de populações (para conservação)

14 Conservação in-situ Monitoramento Monitoramento de populações (e metapopulações) Estudo de caso: Christmas Bird Survey / British Bird Survey

15 Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação ex-situ

16 Conservação ex-situ Definição - conservação de componentes da biodiversidade fora de seus habitats. Ênfase nas espécies ameaçadas de extinção e nas espécies com potencial de uso econômico. Instrumentos: Reprodução em cativeiro: zoológicos, criadouros de vida silvestre, núcleos de criação animal, aquários. jardins botânicos, arboretos, hortos florestais, viveiros de plantas nativas. Culturas: bancos de germoplasma - coleções de germoplasma sob a forma de sementes, explantes de plantas, culturas de células, plantas mantidas no campo. coleções de cultura de microrganismos Coleções(?): herbários, coleções etno-botânicas, coleções botânicas (?) coleções zoológicas (?) Unidades de conservação fora dos limites de distribuição da espécie (!)

17 Questões éticas: Conservação ex-situ O que fazer com os últimos indivíduos de uma espécie? Deixá-los passar seus últimos momentos na natureza? Ou criar uma população cativa que pode não se re-adaptar ao ambiente natural? Uma população criada em cativeiro e que não sabe sobreviver no seu ambiente de origem representa a sobrevivência da espécie? As espécies mantidas em cativeiro são mantidas para o seu próprio benefício, ou para o benefício de alguma instituição (ex.: zoológico)?

18 Limitações: Conservação ex-situ Muito cara - 50 vezes mais cara que a conservação in situ do mesmo número de indivíduos. Não há casos perdidos, somente pessoas sem esperança e situações caras demais (Soulé 1987). Limitada a poucas espécies carismáticas ou a espécies com potencial econômico. Efeito do fundador Suscetível a todos os problemas (eventos estocásticos) que afetam pequenas populações Vantagens: Permite conhecer melhor a biologia da espécie. Pode ser usada para educação ambiental. Reduz a necessidade de se retirar indivíduos da natureza para diversos fins. Pode fornecer indivíduos para programas de acréscimo, introdução e reintrodução.

19 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudos de caso: Peixes do deserto Controvérsia Cavalos ferais (Equus cabalus) Megafauna africana nos EUA Reposição da megafauna extinta da América do Norte

20 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Owen s pupfish (Cyprinodon radiosus) Distribuição geográfica: uma lagoa no deserto na Califórnia (Owen s Lake). Resgate não planejado em 1969.

21 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Owen s pupfish (Cyprinodon radiosus)

22 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Cavalos ferais (Equus cabalus) nos EUA.

23 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Cavalos ferais (Equus cabalus) nos EUA. Assateague Island National Seashore

24 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Megafauna africana nos EUA (idéia)

25 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Reposição da megafauna extinta da América do Norte (idéia)

26 Conservação ex-situ Unidades de conservação Unidades de conservação fora da área de distribuição original Estudo de caso: Reposição da megafauna extinta da América do Norte (idéia) ml

27 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Jardins zoológicos: Objetivos Educação ambiental Local de experimentação de técnicas de reprodução assistida. Estabelecer populações criadas em cativeiro de animais ameaçados. Fonte de animais para programas de reintrodução e acréscimo indivíduos de espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios em zoológicos no mundo (Groombridge 1992). 10% das 274 espécies de mamíferos raras em zoológicos tem populações auto-sustentáveis em cativeiro (manutenção da variabilidade genética) (Groombridge 1992).

28 Número de animais nos zoológicos Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Jardins zoológicos Tempo (anos) Origem da população de leopardo das neves em cativeiro: a) animais silvestres capturados (barras escuras), b) animais nascidos em cativeiros (barras claras)

29 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Jardins zoológicos Número de animais Tempo (anos) Origem da população de mico-leão dourado na REBIO Poço das Antas: a) animais nascidos em cativeiro (barras escuras) b) animais nascidos na natureza (barras claras)

30 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Aquários: indivíduos de peixes em aquários no mundo (Olney e Ellis 1991). Estudo de caso: The Maritime Aquarium at Norfolk

31 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Aquários: Estudo de caso: The Maritime Aquarium at Norfolk

32 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Viveiros de plantas nativas, criadouros de vida silvestre e núcleos de criação animal Estudo de caso: criação de jacarés

33 Conservação ex-situ Reprodução em cativeiro Jardins botânicos: jardins botânicos no mundo espécies de plantas, 15% da flora mundial (Given 1994). Tendências: Especialização em táxons (ex.: coníferas) Especialização em floras regionais

34 Conservação ex-situ - Culturas Bancos de germoplasma: Objetivos: Conservação de espécies Conservação da diversidade genética (genótipos selvagens) de plantas domesticadas. Problemas: Depende de energia elétrica (para congeladores) Deterioração gradativa da qualidade das sementes necessidade contínua de rejuvenescimento da coleção (germinação, cultivo e recoleta das sementes). Muitas espécies tropicais tem sementes recalcitrantes. Quem controla os recursos genéticos das plantas cultivadas? Empresas privadas (ex.: Monsanto) Empresas estatais: EMBRAPA Consórcios de países: The Svalbard Global Seed Vault

35 Conservação ex-situ - Culturas Bancos de germoplasma: The Svalbard Global Seed Vault (Depósito Global de Sementes de Svalbard)

36 Conservação ex-situ - Culturas Bancos de germoplasma: The Svalbard Global Seed Vault (Depósito Global de Sementes de Svalbard) Objetivo: Condições: Ilhas Svalbard (Noruega) a 1000 km do Pólo Norte Armazenamento numa montanha com 130 m de altitude a 120 m dentro da montanha Capacidade para armazenar sementes de 1400 bancos de germoplasma mundiais (100 países) Armazenamento a -18 ºC 4,5 milhões de acessos (500 sementes/acesso) acessos de arroz de 120 países acessos de trigo acessos de milho

37 Conservação ex-situ - Culturas Bancos de germoplasma: The Svalbard Global Seed Vault (Depósito Global de Sementes de Svalbard)

38 Conservação ex-situ - Coleções Herbários, coleções botânicas e coleções zoológicas (?) Espécies extintas: Controvérsia Quagga (Equus quagga) Clonagem do lobo marsupial (Thylacinus cynocephalus) Clonagem do mamute Problemas: Técnicos Ainda não foi conseguida clonagem a partir de material morto (DNA degradado). Será possível obter indivíduos saudáveis? Éticos É aceitável promover a ressurreição de espécies extintas por causas naturais ou mesmo por impactos antrópicos? Biológicos Efeito do fundador. Será possível estabelecer populações viáveis?

39 Literatura básica Referências Primack, R.B. & Rodrigues, E., Biologia da Conservação. Ed. Vida, Londrina, pp Para saber mais: Meffe, G. K. & Carrol, C. R., Principles of Conservation Biology. Sinauer, Sundaerland, pp (pag ) Primack, R.B.; Rozzi, R; Feisinger, P.; Dirzo, R. & Massardo, F., Fundamentos de conservación biologica. Fondo, pp

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Biologia da Conservação

Biologia da Conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de ecossistemas Introdução Unidades de conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Introdução Conservação de ecossistemas

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias:

VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO. Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: VULNERABILIDADE À EXTINÇÃO Algumas espécies são mais vulneráveis à extinção e se enquadram em uma ou mais das seguintes categorias: 1) Espécies com área de ocorrência limitada; 2) Espécies com apenas uma

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTIUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTIUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO 1 TÍTULO: MASTOFAUNA BRASILEIRA E EXÓTICA: CONHECIMENTO E INTERESSE DOS VISITANTES DO HORTO DE DOIS IRMÃOS, RECIFE, PE. AUTORES: Patrícia F. Rosas Ribeiro, Ana Gabriela D. Bieber, Paulo Milet-Pinheiro,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

RECURSOS NATURAIS CONSERVAR X PRESERVAR RECURSOS NATURAIS 09/08/2012

RECURSOS NATURAIS CONSERVAR X PRESERVAR RECURSOS NATURAIS 09/08/2012 RECURSOS NATURAIS Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Uma das funções primordiais do meio-ambiente é o fornecimento de recursos para as atividades desempenhadas pelo homem ao longo de sua vida na sociedade.

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Artigo 9 Conservação ex situ. Questões 125 e 126.

Artigo 9 Conservação ex situ. Questões 125 e 126. Artigo 9 Conservação ex situ Questões 125 e 126. A Resolução nº. 266, de 3 de agosto de 2000, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), estabelece diretrizes para a criação de jardins botânicos e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

Biodiversidade. Vergínio Piacentini Neto Engenheiro Florestal Oréades Núcleo de Geoprocessamento

Biodiversidade. Vergínio Piacentini Neto Engenheiro Florestal Oréades Núcleo de Geoprocessamento Biodiversidade Vergínio Piacentini Neto Engenheiro Florestal Oréades Núcleo de Geoprocessamento Biodiversidade??? De onde vem isso??? O que é isso??? De onde vem isso? Surgiu na década de 70; Thomas Lovejoy

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Evolução e biodiversidade

Evolução e biodiversidade O Valor da Biodiversidade Evolução e biodiversidade Biológico Valor intrínseco que é dado aos organismos vivos, espécies e comunidades bióticas separadas dos interesses humanos. Não é mutuamente exclusivo

Leia mais

... Biologia da Conservação (2013-2) Prof. Alexandre R. T. Palma. Impactos antrópicos 2: Processos globais

... Biologia da Conservação (2013-2) Prof. Alexandre R. T. Palma. Impactos antrópicos 2: Processos globais ... Biologia da Conservação (2013-2) Prof. Alexandre R. T. Palma Impactos antrópicos 2: Processos globais Processos globais Geralmente os efeitos se estendem por grandes áreas. Alterações nos ciclos biogeoquímicos

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores INTRODUÇÃO Um código de conduta voluntário é um conjunto de regras e recomendações que visa orientar seus signatários sobre práticas éticas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO 1 Proteção da espécie e seu habitat OBJETIVO ESPECÍFICO 3 Manejo das populações em cativeiro OBJETIVO ESPECÍFICO 5 Projetos de reintrodução PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Zoológico Resumo O episódio Matemática no Zoológico, da série Matemática em Toda Parte II abre as portas de um Parque Zoológico para mostrar como a Matemática

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2006

PROJETO DE LEI N o, DE 2006 PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Antônio Carlos Biffi) Altera dispositivos da Lei nº 5.197, de 03 de janeiro de 1967. O Congresso Nacional decreta: janeiro de 1967. Art. 1 o Fica revogado o art. 2º

Leia mais

Modernização da Infra-estrutura e das Edificações do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Modernização da Infra-estrutura e das Edificações do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Programa 0508 Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade e dos Recursos Genéticos Ações Orçamentárias Número de Ações 17 7N560000 Produto: Projeto executado Modernização da Infra-estrutura e das Edificações

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas AQUECIMENTO GLOBAL Respostas da fauna às mudanças climáticas O exemplo dos anfíbios. Em princípio,

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Biodiversidade. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Biodiversidade. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Biodiversidade Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Biodiversidade ou diversidade biológica (grego bios, vida) é a diversidade da natureza viva. Desde 1986, o termo e conceito tem adquirido largo uso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.339, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Institui princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade.

Leia mais

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa BIODIVERSIDADE Maria José Costa Sou de opinião de que estamos longe de conhecer que espécies existem realmente no ambiente oceânico. Hápor aímais espécies do que pensamos. ROBERT H. GIBBS JUNIOR (1986)

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 7º ANO PROFESSORA: LUCIANA PERES

Leia mais

Histórico e conceitos em conservação e uso de recursos

Histórico e conceitos em conservação e uso de recursos Histórico e conceitos em conservação e uso de recursos genéticos 1. Introdução Os recursos fitogenéticos são as bases da subsistência da humanidade. Suprem as necessidades básicas e ajudam a resolver problemas

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE JARDINS BOTÂNICOS. Documento Colaborativo Oficial para Criação e Implantação de Jardins Botânicos CONTEÚDO 1.

REDE BRASILEIRA DE JARDINS BOTÂNICOS. Documento Colaborativo Oficial para Criação e Implantação de Jardins Botânicos CONTEÚDO 1. REDE BRASILEIRA DE JARDINS BOTÂNICOS CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO 2. DEFINIÇÃO DE JARDIM BOTÂNICO 3. OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DOS JARDINS BOTÂNICOS BRASILEIROS 4. O PAPEL DOS JARDINS BOTÂNICOS 5. CONTEXTO 6.

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador/Lab. Vida Selvagem Embrapa Pantanal walfrido.tomas@embrapa.br Pantanal : o que é? Uma planície inundável que,

Leia mais

Professora avaliadora: Andrea Pereira Luizi Ponzo Orientador: Cézar Henrique Barra Rocha. Mestrando: Eduardo Lage Bisaggio

Professora avaliadora: Andrea Pereira Luizi Ponzo Orientador: Cézar Henrique Barra Rocha. Mestrando: Eduardo Lage Bisaggio Ferramentas teóricas e práticas utilizadas na conservação dos recursos naturais Material apresentado ao programa de Pós-graduação em Ecologia da Universidade Federal de Juiz de Fora, como parte integrante

Leia mais

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 289ª Reunião Ordinária do Plenário do CONSEMA Dispõe sobre a elaboração e a atualização de lista de espécies exóticas com potencial de bioinvasão no Estado

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Contrabando de animais

Contrabando de animais CONCEITOS A EXPLORAR S ociologia Globalização. Novas identidades sociais. Cidadania. B iologia Extinção de espécies. Degradação ambiental. Equilíbrio ecológico. G eografia Desenvolvimento sustentável.

Leia mais

ABRASE. Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes de Animais Silvestres e Exóticos

ABRASE. Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes de Animais Silvestres e Exóticos ABRASE Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes de Animais Silvestres e Exóticos Rumos da Criação de Animais Silvestres no Brasil Características do mercado de animais silvestres 1. Forte pressão

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 2º Ano 2ª Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Naturais Disciplina:

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

Indicadores MEB versão para consulta pública

Indicadores MEB versão para consulta pública MEB - Governança Política Indicadores MEB versão para consulta pública A fim de garantir que as questões relacionadas à biodiversidade estejam incorporadas aos processos de trabalho e às atitudes/comportamentos

Leia mais

A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA A PROTEÇÃO DA FAUNA SILVESTRE NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA OAB-SANTO ANDRÉ/SP, 14.08.2012 Érika Pires Ramos Advocacia-Geral da União Procuradoria Federal Especializada IBAMA/ICMBio/SP REGRAMENTO CONSTITUCIONAL

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Melhoramento de plantas

Melhoramento de plantas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Melhoramento de plantas Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia e Zootecnia MELHORAMENTO

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: TARDE Data: 30/6/2010 PROVA GRUPO GRUPO VI 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM CONCEITOS APREENSÃO ato de tomar, legalmente e sem compensação, animal mantido de forma ilegal ou sob maus tratos, como estratégia patrimonial de combate

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Ecologia da Paisagem e Restauração

Ecologia da Paisagem e Restauração Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais CBRN Projeto de Recuperação de Matas Ciliares Treinamento: Recuperação de Áreas Degradadas Ecologia da Paisagem e Restauração Leandro Reverberi Tambosi

Leia mais

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Inovação com base na Biodiversidade CAPITAL NATURAL BRASIL PAÍS MEGADIVERSO

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 0508 Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade e dos Recursos Genéticos Numero de Ações 24 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera:

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO PARA O PEIXE-BOI (Trichechus inunguis): UMA ABORDAGEM TEÓRICA

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO PARA O PEIXE-BOI (Trichechus inunguis): UMA ABORDAGEM TEÓRICA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO PARA O PEIXE-BOI (Trichechus inunguis): UMA ABORDAGEM TEÓRICA Andrea Barroso Amancio INTRODUCÃO O peixe boi da Amazônia é um mamífero aquático herbívoro, o único sirênio exclusivamente

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 266, DE 03 DE AGOSTO DE 2000

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 266, DE 03 DE AGOSTO DE 2000 REVOGADA RESOLUÇÃO CONAMA N 339/2003 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 266, DE 03 DE AGOSTO DE 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Ilheus, Setembro de 2011 I Simpósio Brasileiro da Pupunheira Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Dr. Douglas A. Steinmacher Introdução

Leia mais

PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015

PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015 PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015 Estabelece as normas e procedimentos pertinentes à destinação de fauna silvestre apreendida, resgatada ou entregue voluntariamente no âmbito do Estado do

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s)

Indicador(es) Órgão(s) Programa úmero de Ações 20 0508 Conservação, Uso Sustentável e Recuperação da Biodiversidade Objetivo Indicador(es) Conhecer e conservar a diversidade biológica e promover a utilização Taxa de Conservação

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO

I OBJETIVO II ABRANGÊNCIA III CONTEXTO 1 I OBJETIVO Conservação, restauração e valorização da Mata Atlântica e de sua diversidade, especialmente a diversidade arbórea, por meio da construção e difusão do conhecimento. ABRANGÊNCIA Região com

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM)

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Prof. Dr. Rodrigo Lingnau Bacharel e Licenciado, Biólogo (UFPR) Mestre em Biologia, Área de Concentração Ecologia (UFG) Doutor em Zoologia (PUC-RS) Aulas Segunda-feira:

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta.

Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta. Estão entre os primatas mais ameaçados de extinção do planeta. A Mata Atlântica é uma das florestas mais ameaçadas de extinção no mundo devido ao intenso desmatamento que vem sofrendo desde a época da

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

ESPECIES EXÓTICAS INVASORAS PROBLEMAS E SOLUÇÕES

ESPECIES EXÓTICAS INVASORAS PROBLEMAS E SOLUÇÕES ESPECIES EXÓTICAS INVASORAS PROBLEMAS E SOLUÇÕES PARTICIPAÇÃO Adilson Roque dos Santos - Arquiteto - Dr.Ecologia Urbana Jorge Antonio Pontes Biólogo Dr. Ecologia Cláudio Alexandre de A. Santana Engenheiro

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG

INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG INFORMAÇÕES BÁSICAS DA PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA FLORESTA NACIONAL DE PASSA QUATRO MG (Desde de 2005 vem sendo discutida a proposta de ampliação da Flona de Passa Quatro, ano em que foi elaborado o projeto

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP

Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP *Savana Diegues 1 ; Ana Carolina Dalla Vecchia 1 ; Soraya Alonso

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais