expert PDF Trial Retenções na Fonte de Impostos e Contribuições Setembro 2013 Elaborado por: Wagner Mendes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "expert PDF Trial Retenções na Fonte de Impostos e Contribuições Setembro 2013 Elaborado por: Wagner Mendes"

Transcrição

1 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) ramal 1529 (núcleo de relacionamento) web: Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis São Paulo SP Presidente: Luiz Fernando Nóbrega Gestão Palestra Retenções na Fonte de Impostos e Contribuições Elaborado por: Wagner Mendes A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, de fotocópias e de gravação, somente poderá ocorrer com a permissão expressa do seu Autor (Lei n. 9610) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS: É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA APOSTILA, DE QUALQUER FORMA OU POR QUALQUER MEIO. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO ARTIGO 184. Setembro 2013 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

2 1. Considerações iniciais: As pessoas jurídicas prestadoras de serviços estão sujeitas à retenção na fonte sobre alguns serviços prestados. Reter na fonte significa antecipar o imposto de renda e as contribuições federais devidas no período de apuração (mensal, trimestral ou anual). 2. Responsabilidade: Compete a fonte pagadora o dever de reter e recolher o IR Fonte (art. 717 do RIR/1999). Se a fonte pagadora não retiver o IR Fonte, também fica obrigada ao recolhimento do imposto (art. 722 do RIR/1999). Considera-se fonte pagadora a pessoa jurídica que efetuar o pagamento do rendimento

3 3. Fato gerador: O fato gerador nos casos das retenções de imposto de renda retido na fonte é o crédito ou o pagamento, e não, somente o pagamento, como ocorre com as retenções das contribuições federais. Como ambas as situações são consideradas fatos geradores da obrigação tributária, a situação que primeiro ocorrer já será considerada como fato gerador. 3. Fato gerador: Considera-se PAGAMENTO a efetiva entrega de recursos (dinheiro ou cheque), considerando como tal o depósito em conta bancária a favor do beneficiário ( art. 38, parágrafo único, RIR/1999). Entende-se por CRÉDITO o registro contábil efetuado pela fonte pagadora, pelo qual o rendimento é colocado, incondicionalmente, a disposição do beneficiário (Parecer Normativo CST nº 121/1973 e Solução de Consulta nº 268/2006 6ª RF)

4 3. Fato gerador: MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 268 de 07 de Novembro de 2006 ASSUNTO: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - IRRF EMENTA: FATO GERADOR A retenção na fonte deve ser efetuada no pagamento ou crédito (o que primeiro ocorrer) efetuado pela pessoa jurídica a outras pessoas jurídicas, por importâncias relativas à prestação de serviços, contando-se, a partir dessa data, o prazo para o recolhimento do imposto. 3. Fato gerador: EXEMPLO PRÁTICO: Serviço prestado em , cujo pagamento foi realizado em Qual o momento de ocorrência do fato gerador? RESPOSTA: O imposto deve ser retido por ocasião do pagamento ou crédito, o que ocorrer primeiro. Neste caso, como o crédito ocorreu primeiro, o fato gerador será Fundamentação: Arts. 647, 649, 651 e 652 do RIR/99 e art. 29 da Lei nº /

5 4. Adiantamento: Os adiantamentos não constituem fato gerador do imposto de renda, haja vista que a retenção deve ser realizada por ocasião do pagamento ou crédito do serviço prestado. Neste caso, ainda não há o serviço prestado, mas apenas uma expectativa. Segue a Solução de Consulta transcrita: 4. Adiantamento: Processo de Consulta nº 403/2004 Órgão: Superintendência Regional da Receita Federal - SRRF / 6a. Região Fiscal Assunto: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte IRRF 7 Ementa: ADIANTAMENTO DE COMISSÕES. Os adiantamentos feitos a representante comercial pessoa jurídica, por conta de comissões sobre vendas ainda não realizadas, não constituem fato gerador do imposto na fonte. DISPOSITIVOS LEGAIS: Lei nº 5.172/1966, artigos 43 e 116; RIR/1999, art FRANCISCO PAWLOW - CHEFE (Data da Decisão: ) 8 4

6 4. Adiantamento: EXEMPLO PRÁTICO: A empresa Delta contratou Ômega Serviços de Engenharia Ltda para elaborar um projeto para sua nova sede. Para execução do trabalho, a empresa Ômega solicitou que fosse adiantado o valor do trabalho. Haverá retenção do imposto de renda? RESPOSTA: Não. Ainda que o serviço de engenharia esteja entre aqueles sujeitos à retenção do imposto, o momento de ocorrência do fato gerador do imposto é tão somente o pagamento ou crédito do serviço prestado Base de cálculo: É o valor correspondente a prestação do serviço. Isto é o total da nota fiscal de serviços, sem nenhuma dedução. 10 5

7 6. Alíquotas: A alíquota no caso das retenções de imposto de renda na fonte, entre pessoas jurídicas, varia entre 1% e 1,5%, dependendo do serviço prestado. 7. Tratamento do imposto retido: A retenção do imposto de renda na fonte será considerada antecipação do imposto devido pela beneficiária (art. 650 RIR/1999). Isso significa que o prestador de serviços poderá deduzir do imposto devido o valor retido na fonte do imposto de renda

8 7. Tratamento do imposto retido: Exemplo: Vamos supor que, no mês de outubro, foi prestado serviço de consultoria no valor de R$ ,00, sujeito a retenção do IR Fonte de 1,5%. Considerando que o período de apuração do imposto de renda, na empresa prestadora de serviços, seja trimestral e que a alíquota seja de 15%. Teremos: 7. Tratamento do imposto retido: Em 31 de dezembro (4º trimestre) a empresa prestadora de serviços apurará o seguinte IRPJ: R$ ,00 (valor do serviço prestado) (x) 15% (alíquota do IRPJ) (=) R$ 1.500,00 (IRPJ devido no 4º trimestre)

9 7. Tratamento do imposto retido: Em 31 de janeiro do ano seguinte, a empresa prestadora de serviço recolherá o valor de R$ 1.350,00 (líquido do valor retido em outubro). Valor do IRPJ = R$ 1.500,00 Valor da Retenção = (R$ 150,00) Valor a recolher = R$ 1.350,00 8. Vencimento: Deverão ser observados os seguintes prazos: I - IRRF: 15 a) na data da ocorrência do fato gerador, no caso de: i. rendimentos atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior; ii. pagamentos a beneficiários não identificados; 16 8

10 8. Vencimento: b) até o 3º (terceiro) dia útil subsequente ao decêndio de ocorrência dos fatos geradores, no caso de: i.juros sobre o capital próprio e aplicações financeiras, inclusive os atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior, e títulos de capitalização; 8. Vencimento: ii. prêmios, inclusive os distribuídos sob a forma de bens e serviços, obtidos em concursos e sorteios de qualquer espécie e lucros decorrentes desses prêmios; iii. multa ou qualquer vantagem, de que trata o art. 70 da Lei no 9.430, de 27 de dezembro de 1996;

11 8. Vencimento: c) até o último dia útil do mês subsequente ao encerramento do período de apuração, no caso de rendimentos e ganhos de capitais distribuídos pelos fundos de investimento imobiliário; e d) a partir de 01/10/2008, até o último dia útil do 2 o (segundo) decêndio do mês subsequente ao mês de ocorrência dos fatos geradores, nos demais casos (ex. códigos 1708, 8045, 3280, 5944, 0561, 0588, etc); 9. Forma de recolhimento: Os valores retidos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional pela pessoa jurídica que efetuar a retenção, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica (art. 867 do RIR/1999). Em cada período de apuração basta um Darf por código de recolhimento, não se fazendo necessário o recolhimento de um Darf por retenção efetuada, bem assim o recolhimento de um Darf por prestador de serviço

12 10. Dispensa de retenção: É dispensada a retenção de imposto, de valor igual ou inferior a R$ 10,00, incidente na fonte sobre rendimentos que devam integrar a base de cálculo do imposto devido pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado (art. 724, II do RIR/1999). Caso haja vários créditos (contabilizações) da mesma empresa no mesmo dia, deverão ser somados todos os valores para fins de retenção, mesmo que isoladamente fique abaixo de R$ 10, Dispensa de retenção: EXEMPLOS PRÁTICOS: 1. Empresa contrata serviço de engenharia, no valor total de R$ 1.000,00, e serviço de limpeza, também no valor de R$ 1.000,00, de prestadores de serviços distintos. Haverá retenção nesses pagamentos? 22 11

13 10. Dispensa de retenção: RESPOSTA: Em relação ao serviço de engenharia sim, haja vista que o valor a ser retido corresponde a R$ 15,00 (R$ 1.000,00 x 1,5%). No serviço de limpeza não, haja vista que o valor a ser retido R$ 10,00 está no limite de dispensa (R$ 1.000,00 x 1%). 10. Dispensa de retenção: 2. Empresa contrata serviço de limpeza à vista no valor de R$ 800,00 em Posteriormente, contrata desse mesmo prestador novo serviço no valor de R$ 900,00, também à vista. Haverá retenção do imposto nesses pagamentos?

14 10. Dispensa de retenção: RESPOSTA: Não, haja vista que em cada pagamento o valor a ser retido (base de cálculo x alíquota) é inferior a R$ 10,00. A legislação não obriga que os valores sejam acumulados para fins de aplicação ou não da dispensa. 11. Reajustamento do imposto: Quando a fonte pagadora assumir o ônus do imposto devido pelo beneficiário, a importância paga, creditada, empregada, remetida ou entregue, será considerada líquida, cabendo o reajustamento do respectivo rendimento bruto, sobre o qual recairá o imposto (art. 725 do RIR/1999)

15 11. Reajustamento do imposto: A fonte pagadora do rendimento poderá assumir o ônus do imposto de renda na fonte por um dos seguintes motivos: a) por acordos entre as partes; b) por erro ou enganos na hora de pagar o rendimento; c) imposição legal. 11. Reajustamento do imposto: Quando se tratar de rendimentos cuja tributação na fonte se processe por meio de alíquota fixa, pode ser utilizada a seguinte fórmula (art. 20 da IN SRF nº 15/2001): 27 RR = RP 1-T/

16 11. Reajustamento do imposto: Exemplo: Rendimento líquido relativo à prestação de serviços de consultoria, pago por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica no mês, no valor de R$ ,00. RP = R$ ,00 T = 1,5% RR = $ ,00 / 1-0, Reajustamento do imposto: 29 RR = $ ,00 / 0,985 RR = $ ,

17 11. Reajustamento do imposto: Então: rendimento bruto reajustado R$ ,43 rendimento pago (R$ ,00) Imposto de Renda na Fonte R$ 228,43 Comprovando: 1,5% s/ R$ ,43 R$ 228, Serviços sujeitos a tributação na fonte: Estão sujeitas à incidência do Imposto de Renda na Fonte, os seguintes serviços: 31 ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 01 Administração de bens ou negócios em geral (exceto consórcios ou fundos mútuos para aquisição de bens) 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Advocacia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Análise clínica laboratorial 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Análises técnicas 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Arquitetura 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/

18 ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 06 Assessoria e consultoria técnica (exceto o serviço de assistência prestada a terceiros e concernente a ramo de indústria ou comércio explorado pelo prestador de serviço); 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ assistência social 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Auditoria 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Avaliação e perícia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Biologia e biomedicina 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Cálculo em geral 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Consultoria 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Contabilidade 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 14 Desenho técnico 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Economia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Elaboração de projetos 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Engenharia (exceto construção de estradas, pontes, prédios e obras assemelhadas) 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Ensino e treinamento 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Estatística 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Fisioterapia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Fonoaudiologia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/

19 ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 22 Geologia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Leilão 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Medicina; (exceto a prestada por ambulatório, banco de sangue, casa de saúde, casa de recuperação ou repouso sob orientação médica, hospital e pronto socorro); 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Nutricionismo e dietética 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Odontologia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Organização de feiras de amostras, congressos, seminários, simpósios e congêneres; 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Pesquisa em geral 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/1999. ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Planejamento 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Programação 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Prótese 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Psicologia e psicanálise 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Química 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Radiologia e radioterapia 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Relações públicas 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Serviço de despachante 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Terapêutica ocupacional 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/

20 ITEM SERVIÇO PRESTADO POR PESSOA JURÍDICA IRPJ ALÍQUOTA DARF CÓDIGO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 38 Tradução ou interpretação comercial 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Urbanismo 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Veterinária 1,5% 1708 Art. 647, 1º, do RIR/ Comissões e corretagens 1.5% 8045 Art. 651 do RIR/ Propaganda e publicidade 1,5% 8045 Art. 651 do RIR/ Cooperativa de trabalho 1,5% 3280 Art. 652 do RIR/ Limpeza e conservação de bens imóveis, exceto reformas e obras assemelhadas; 1% 1708 Art. 649 do RIR/ Segurança e vigilância, inclusive transporte de valores; 46 locação de mão de obra de empregados da locadora a serviço da locatária, pessoa jurídica, em local por esta determinado. 1% 1708 Art. 649 do RIR/1999 1% 1708 Art. 649 do RIR/1999 Item 17. Serviços de Engenharia: 37 Não haverá retenção na fonte, nos seguintes casos: A) Obras de construção: A exceção constante do item 17 da lista (que coloca fora do campo da incidência tributária a construção de estradas, pontes, prédios e obras assemelhadas) abrange as obras de construção em geral e as de montagem, instalação, restauração e manutenção de instalações e equipamentos industriais (PN CST nº 08/1986)

21 B) Contratos que abranjam trabalhos de caráter múltiplo e diversificado: O mesmo Parecer citado esclarece que também não é exigido o imposto na fonte sobre rendimentos decorrentes da execução de contratos de prestação de serviços que abranjam trabalhos de engenharia de caráter múltiplo e diversificado (quando um único contrato, sequencialmente, abranja estudos preliminares, elaboração de projeto, execução e acompanhamento do trabalho), como, por exemplo, contrato que englobe serviços preliminares de engenharia (tais como viabilidade e elaboração de projetos), execução física de construção civil ou obras assemelhadas e fiscalização de obras. 39 c) Serviços alcançados pela incidência: O imposto na fonte incide somente sobre remunerações relativas ao desempenho de serviços pessoais da profissão, prestados por meio de sociedades civis ou explorados empresarialmente por intermédio de sociedades mercantis (PN CST nº 08/1986)

22 Desse modo, é devido o imposto na fonte, por exemplo, sobre a remuneração dos seguintes serviços quando prestados isoladamente: a)estudos geofísicos; b)fiscalização de obras de engenharia em geral (construção, derrocamento, estrutura, inspeção, proteção, medições, testes etc.); c)elaboração de projetos de engenharia em geral; d)administração de obras; e)gerenciamento de obras; f) serviços de engenharia consultiva; g) serviços de engenharia informática (desenvolvimento e implantação de software e elaboração de projetos de hardware); h) planejamento de empreendimentos rurais e urbanos; i) prestação de orientação técnica; j) perícias técnicas; e k) contratos de cessão ou empréstimo de mão de obra de profissional de engenharia, etc

23 EXEMPLOS PRÁTICOS: 1.Elaboração de projeto: Está sujeito à retenção do IR. 2.Construção de prédio: Não está sujeito à retenção do IR. 3.Instalação de máquina industrial: Não está sujeito. 4.Elaboração de projeto e construção de prédio: Não está sujeito. MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL 43 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 162 de 17 de Junho de 2003 ASSUNTO: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - IRRF EMENTA: Estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte, à alíquota de 1,5 % (um e meio por cento), as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, pela prestação de serviços de engenharia. No entanto, não será exigida a retenção do imposto, quando o serviço contratado englobar a execução das obras de engenharia

24 Item 24. Serviços de Medicina: Conforme esclarece o PN CST nº 08/1986, a incidência do imposto na fonte examinada neste trabalho restringe-se aos rendimentos decorrentes do desempenho de trabalhos pessoais da profissão de medicina que, normalmente, poderiam ser prestados em caráter individual e de forma autônoma, mas que, por conveniência empresarial, são executados mediante interveniência de sociedades civis ou mercantis. Desta forma, o citado Parecer declarou que estavam fora do campo da incidência em questão: a)os serviços inerentes ao desempenho das atividades profissionais da medicina, quando executados dentro do ambiente físico dos estabelecimentos de saúde (ambulatório, banco de sangue, casa de saúde, casa de recuperação ou repouso sob orientação médica, hospital e pronto-socorro), prestados sob subordinação técnica e administrativa da pessoa jurídica titular do empreendimento; essa exclusão abrange os serviços correlatos ao exercício da medicina, tais como análise clínica laboratorial, fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, psicanálise, raio X e radioterapia;

25 b) os rendimentos provenientes da execução de contratos de prestação de serviços médicos pactuados com pessoas jurídicas, visando a assistência médica de empregados e seus dependentes em ambulatório, casa de saúde, pronto-socorro, hospital e estabelecimentos assemelhados (referidos no item 24 da lista), desde que a prestação dos serviços seja realizada exclusivamente nos estabelecimentos de saúde mencionados, próprios ou de terceiros. EXEMPLOS PRÁTICOS: 1.Serviço prestado por clínica médica: Está sujeito à retenção do IR. 2.Serviço prestado por hospital: Não está sujeito à retenção do IR. 3.Convênio médico: Não está sujeito à retenção do IR

26 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 481 de 19 de Dezembro de 2008 ASSUNTO: Imposto sobre a Renda Retido na Fonte - IRRF EMENTA: COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO - PLANOS DE SAÚDE - RETENÇÃO. Não estão sujeitas à retenção do imposto de renda na fonte, as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas às cooperativas de trabalho médico, na condição de operadoras de planos de assistência à saúde, relativas a contratos que estipulem valores fixos de remuneração, independentemente da utilização dos serviços pelos usuários da contratante (segurados). Por outro lado, estão sujeitas à incidência do imposto de renda na fonte à alíquota de 1,5% (um e meio por cento) as importâncias pagas ou creditadas pelas pessoas jurídicas às cooperativas de trabalho médico, relativas a serviços pessoais prestados pelos associados ou colocados à sua disposição. Item 43. Cooperativas de Trabalho: As importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a cooperativas de trabalho, associações de profissionais ou assemelhadas, relativas a serviços pessoais que lhes forem prestados por associados destas ou colocados à sua disposição, submetem-se à incidência do Imposto de Renda na Fonte, à alíquota de 1,5%, conforme art. 652 do RIR/

27 Ao contrário da regra geral de incidência, no entanto, a presente retenção deve ser aplicada somente em relação aos serviços pessoais prestados pelos cooperados ou associados. Dessa forma, não se inclui, por exemplo, na base de cálculo do valor a ser retido, o valor relativo a taxa de administração (BCE COSIT nº 21/1993, pergunta 46 e ADN COSIT nº 1/1993). Discriminação dos Serviços Pessoais nas Faturas: Para efeito de retenção do Imposto de Renda na fonte (ADN COSIT nº 1/1993): I - as importâncias relativas aos serviços pessoais prestados pelos associados deverão ser discriminadas nas faturas separadamente das importâncias que corresponderem a outros custos ou despesas; II - a alíquota do imposto incidirá apenas sobre as importâncias relativas aos serviços pessoais

28 Serviços de transporte rodoviário de cargas ou de passageiros (ADN 1/1993 e BCE SRF 21/1993, Item 46): No caso de prestação de serviços pessoais de transporte de carga ou de passageiros, com a utilização de veículo próprio, locado ou adquirido com reserva de domínio ou alienação fiduciária, a importância relativa à remuneração desse serviço deverá, ainda, ser discriminada em parcela tributável e parcela não-tributável, observando-se que a parcela tributável corresponderá a: a) 10% (dez por cento) do rendimento decorrente do transporte de carga e de prestação de serviços com trator, máquina de terraplenagem, colheitadeira e assemelhados (arts. 18 e 20 MP 582/2012); b) 60% (sessenta por cento) do rendimento decorrente do transporte de passageiros

29 Exemplo: Se considerarmos que determinada pessoa jurídica tenha contratado, com uma cooperativa de trabalho, serviço de transporte de cargas no valor total de R$ ,00 (sendo R$ 7.000,00 relativos a serviços pessoais e R$ 3.000,00 referentes a outros custos ou despesas), a cooperativa, por ocasião da emissão da fatura, deverá proceder da seguinte forma: I - discriminação na fatura de serviços os seguintes valores: Serviços pessoais Parcela tributável (10% x $ 7.000) 700 Parcela não tributável Outros custos/despesas Total da nota fiscal

30 II - cálculo o IR/Fonte sobre a parcela tributável relativa a serviços pessoais: 1,5% x R$ 700 = R$ 10,50 Item 44. Limpeza e conservação de bens imóveis: Conceito de Bem Imóvel 57 De acordo com o art. 79 do Novo Código Civil, são bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente

31 De face dessa conceituação abrangente de imóveis, a Superintendência Regional da Receita Federal da 8ª Região Fiscal decidiu (Decisão n 361/1997) que estão sujeitos a incidência do IR Fonte os rendimentos provenientes da prestação de serviços de manutenção de equipamentos e sistemas instalados em imóveis. Entende-se como serviços de limpeza e conservação, os serviços de varrição, lavagem, enceramento, desinfecção, higienização, desentupimento, dedetização, desinsetização, imunização, desratização ou outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências, logradouros, vias públicas, pátios ou de áreas de uso comum (IN SRF nº 459/2004)

32 Item 45. Conceito de segurança ou vigilância para efeito das retenções: O inciso III, 2º, art. 1º da IN SRF 459/2004 entende como serviço de segurança e/ou vigilância os serviços que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de valores e de bens patrimoniais, inclusive escolta de veículos de transporte de pessoas ou cargas. Item 46. Conceito de Locação de Mão de Obra: É importante salientar a distinção entre locação de mão de obra e simples intermediação na contratação de empregados. Na locação de mão de obra, a locadora coloca empregados seus à disposição da locatária para executar trabalhos temporários em local por esta designado. O pessoal fornecido continua mantendo a condição de empregado da locadora e sendo por este remunerado

33 A locadora cobra da locatária uma importância que cobre os seus custos (salários dos empregados, respectivos encargos sociais etc.), as despesas operacionais e a sua margem de lucro. Sobre essa importância, paga pela locatária à locadora (ambas pessoas jurídicas), incide o Imposto de renda na Fonte, à alíquota de 1%, na modalidade examinada neste trabalho. Já na intermediação para a contratação de empregados, a atividade da intermediária limita-se a recrutar profissionais no mercado e encaminhá-los à empresa que deseja contratá-los, daí advindo a tributação à alíquota de 1,5% anteriormente mencionada. 63 No caso de locação de mão de obra, as Superintendências Regionais da 7ª e da 8ª Regiões Fiscais já decidiram que: a base de cálculo do imposto devido é o valor total do faturamento, ou seja, o montante pago ou creditado pela prestação de serviços, inclusive os valores pagos pela tomadora dos serviços, que sejam de exclusiva responsabilidade da empresa locadora (Decisões nos 193/1997 da 7ª Região Fiscal e 304/1999 da 8ª Região Fiscal); 64 32

34 integram a remuneração pela locação de mão de obra de empregados da locadora as importâncias relativas a salários e demais encargos devidos em decorrência de vínculo empregatício; por conseguinte, essas importâncias compõem a base de cálculo do imposto na fonte (Decisão no 40/1998 da 8ª Região Fiscal). 13. Casos específicos: Multa por rescisão contratual: Estão sujeitas ao IRRF à alíquota de 15% as multas ou quaisquer outras vantagens pagas ou creditadas por pessoa jurídica, ainda que a título de indenização, as beneficiárias pessoa jurídica em virtude de rescisão de contrato (art. 685 do RIR/1999). A responsabilidade pela retenção e recolhimento é da pessoa jurídica que efetuar o pagamento ou crédito da multa ou vantagem. O imposto será considerado como antecipação do devido pela pessoa jurídica beneficiária do rendimento

35 13.2. ME e EPP - Simples Nacional: A legislação dispensa a retenção do imposto de renda nos serviços prestados por pessoas jurídicas optantes pelo Simples Nacional. No entanto, a legislação não prevê a forma de comprovação dessa condição para fins de dispensa da retenção. A legislação do Supersimples, como ficou conhecido o novo regime, prevê que nos documentos fiscais emitidos por esses contribuintes deve constar a expressão DOCUMENTO EMITIDO POR ME OU EPP OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL. Dessa forma, considerando que nos documentos recebidos pelas fontes pagadoras conste essa expressão, entendo, a princípio, que este documento é suficiente para a dispensa da retenção do imposto de renda. Na ausência da expressão, recomendo que a fonte pagadora recuse o documento emitido, haja vista que está em desacordo com as regras do Simples Nacional

36 Caso não haja retificação do documento fiscal, aconselho, preventivamente, que seja efetuada normalmente a retenção do imposto de renda. 14. Exterior: Como regra geral, os rendimentos do trabalho assalariado e da prestação de serviços, auferidos por residentes no exterior, sujeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte à alíquota de 25% quando pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos a residentes ou domiciliados no exterior (art. 7 da Lei n 9.779/1999). O referido imposto deverá ser recolhido no dia de ocorrência do fato gerador (crédito, pagamento, emprego, entrega ou 69 remessa). O código a ser utilizado no DARF é o

37 14. Exterior: CIDE ROYALTIES: As importâncias pagas, creditadas, entregues, empregadas ou remetidas ao exterior a título de royalties ou remuneração prevista nos respectivos contratos relativos a fornecimento de tecnologia, prestação de assistência técnica, serviços técnicos especializados, cessão e licença de uso de marcas e cessão e licença de exploração de patentes, estão sujeitas à retenção do imposto de renda na fonte e também da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) Exterior: Em razão da criação da contribuição de intervenção de domínio econômico pela Lei nº de 29/12/2000, publicada no D.O.U. de 30/12/2000, a partir de 01/01/2001 a alíquota para retenção do imposto de renda na fonte sobre as importâncias pagas, creditadas, entregues, empregadas ou remetidas ao exterior a título de royalties ou remunerações acima citadas, ficou reduzida para 15%

38 14. Exterior: Dessa forma, desde , as importâncias pagas, creditadas, entregues, empregadas ou remetidas ao exterior a título de royalties ou as remunerações mencionadas estão sujeitas a seguinte tributação: a)15% de retenção de IR Fonte, e b)10% de CIDE. 14. Exterior: O fato gerador da referida contribuição (10%) é: o crédito, pagamento, emprego, entrega ou remessa, o que ocorrer primeiro. A Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (10%) deve ser paga até o último dia útil da quinzena subsequente ao mês de ocorrência do fato gerador (Lei nº /2001, art. 2º). O código a ser utilizado no DARF é o 8741 (AD nº 6/2001)

39 RETENÇÃO CSLL / PIS / COFINS 1. Fato gerador: O fato gerador da retenção das contribuições, conforme dispõe o art. 30 da lei /2003, é o pagamento do serviço prestado. As retenções de CSLL, PIS e COFINS serão efetuadas independentemente da retenção do imposto de renda na fonte das pessoas jurídicas sujeitas a alíquotas específicas

40 EXEMPLOS PRÁTICOS 1) Recebimento de uma nota fiscal de serviço, sujeito à retenção para pagamento a vista. Serviço tomado em 1º de março de 20X0; pagamento nessa mesma data. Momento de ocorrência do fato gerador: 1º de março de 20X0. 2) Recebimento de uma nota fiscal de serviço sujeito à retenção para pagamento com prazo de 30 dias. Serviço tomado em 1º de março de 20X0; pagamento em 1º de abril de 20X0. Momento de ocorrência do fato gerador: 1º de abril de 20X

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por:

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 539 DE 25 /04 /2005 Altera a Instrução Normativa SRF nº 480, de 15 de dezembro de 2004, que dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

Retenção de Tributos e Contribuições nos Pagamentos Efetuados por Órgãos da Administração Federal

Retenção de Tributos e Contribuições nos Pagamentos Efetuados por Órgãos da Administração Federal Retenção Tributos e Contribuições nos Pagamentos Efetuados por Órgãos da Administração Feral ANEXO I NATUREZA DO BEM FORNECIDO OU DO SERVIÇO PRESTADO (01) ALÍQUOTAS IR CSLL COFINS PIS/PASEP (02) (03) (04)

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund.

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund. Administração de bens ou negocios em geral art. 647 RIR/1999 Advocacia art. 647 RIR/1999 Aluguel do movel ou imovel entre pessoas juridicas art. 647 RIR/1999 Ambulatorio art. 647 RIR/1999 Analise clinica

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor RETENÇÃO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor. 1 RETENÇÃO NA FONTE FATO GERADOR O imposto de renda na fonte tem como

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPORTÂNCIAS PAGAS OU CREDITADAS PELAS PESSOAS JURÍDICAS A COOPERATIVAS DE TRABALHO... Pág. 608

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA AUDITORIA-GERAL DO ESTADO COORD. DE PROCEDIMENTOS E CAPACITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Elaboração:

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO

TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO Sumário Introdução I - Abrangência da obrigatoriedade I.1 - Imposto de Renda I.2 - Contribuições

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS Art. 647. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de um e meio por cento,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 59 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF PLANOS DE SAÚDE. MODALIDADE

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - PARTE 1 - IRRF IMPOSTOS DE RENDA RETIDO NA FONTE O imposto de renda retido na fonte é um mecanismo criado pelo governo que obtetiva o seguinte: - maior controle

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Cosit Data 29 de julho de 2015 Processo *************** Interessado *************** CNPJ/CPF *************** ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE. Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015

TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE. Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015 TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015 TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE Módulo I Retenção IRRF, PIS,COFINS e CSLL Serviços Prestados por Pessoa Jurídica

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação 13 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 50 - Cosit Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE CONSULTORIA

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 6 - Data 6 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF IRPJ. RETENÇÃO NA FONTE.

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 Dia: 01 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

Manual prático de retenção na fonte

Manual prático de retenção na fonte Manual prático de retenção na fonte imposto de renda, CIDE, csll, pis/cofins, inss e iss Manual pratico de retencao.indd 1 3/6/2009 12:41:22 Manual pratico de retencao.indd 2 3/6/2009 12:41:22 Manual prático

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA 1- Examinamos os Balanços Patrimoniais

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: PAGAMENTOS DE FATURAS DE SERVIÇOS DE TELEFONIA VERIFICADO EM: 14/07/2011 POR: LUCIANA VIVÓRIO ASSINATURA:

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: PAGAMENTOS DE FATURAS DE SERVIÇOS DE TELEFONIA VERIFICADO EM: 14/07/2011 POR: LUCIANA VIVÓRIO ASSINATURA: PÁGINA: 1/37 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD CÓDIGO POP.020003300/002 TíTULO: PAGAMENTOS DE FATURAS DE SERVIÇOS DE TELEFONIA ELABORADO EM: 14/07/2011 RESP. PELA UF: JÉSSICA LOUISE SOUSA E WAGNER BRABO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 28 27 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 23 - Data 7 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE PROTENSÃO.

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Sergio Reolon Imposto de Renda Retido na Fonte e Contribuições Sociais Retidas na Fonte

Sergio Reolon Imposto de Renda Retido na Fonte e Contribuições Sociais Retidas na Fonte 2 PALESTRANTE Sergio Renato Reolon Martins Contador Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior Universidade Candido Mendes Rio de Janeiro; Consultor da LEFISC Especialista em Tributos Federais, nas áreas

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Divulga a Agenda Tributária do mês de abril de 2003. O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA, no uso de suas atribuições declara:

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008

OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008 OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008 DIA 2 (Quinta) CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS RECLAMATÓRIA TRABALHISTA PESSOAS OBRIGADAS: Empregadores, inclusive domésticos, que participaram de ação judicial na Justiça

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 13 12 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 18 - Data 16 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Serviços de coleta de resíduos não-perigosos. Enquadramento.

Leia mais

Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015

Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015 Agenda Tributária: de 13 a 19 de agosto de 2015 Dia: 13 IOF - Imposto sobre Operações Financeiras 1º DECENDIO AGOSTO/2015 O IOF incide sobre as operações de crédito, operações de câmbio, operações de seguro

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE ESCLARECIMENTOS SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE. MAIO 2012 APRESENTAÇÃO A Constituição

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR.

OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR. OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR. Roberto Rodrigues de Morais Elaborado em 01/2008. 1. Iniciando mais um ano-calendário deparamos com as tarefas relacionadas ao encerramento no exercício

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 1 MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 2 3 1. INTRODUÇÃO 4 2. IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 4 2.1. Dispensa de efetuar a retenção 5 2.2. Prazo de recolhimento 6 2.3. Situações específicas para

Leia mais

MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS

MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Prezado Senhor Este é um manual que tem por finalidade ajudar ao funcionário na correta aplicação da legislação municipal

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 14 Data Tributos Descrição 03 03 IOF COMPROVANTE MENSAL DE RETENÇÃO DA PARA O PIS/PASEP E DA COFINS - AUTOPEÇAS 03 IR/FONTE 06 SALÁRIOS

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 Apesar do quanto informado pela Receita Federal no link "Perguntas e Respostas",

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de Transportador Autônomo Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF de 10/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Incidência do IRRF para

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I.

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I. 1 CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 A partir de Fevereiro/2004 as empresas de serviços

Leia mais

NUMERO: Registrar o número do documento emitido gerada pelo sistema ( NP ou NO ).

NUMERO: Registrar o número do documento emitido gerada pelo sistema ( NP ou NO ). 1. SIAFI ATUCPR ( Retenção dos Impostos ) NUMERO: Registrar o número do documento emitido gerada pelo sistema ( NP ou NO ). 1 2. SIAFI ATUCPR ( Retenção dos Impostos e alteração do Campo Observação) OPÇÃO:

Leia mais

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno CÓDIGO DE GUIAS Códigos para Preenchimento do DARF Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código CIDE COMBUSTÍVEIS CIDE ROYALTIES Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM FINANÇAS E GESTÃO CORPORATIVAINSTITUTO A VEZ DO MESTRE COMO SABER EM QUE MOMENTO PODE ATRIBUIR À RETENÇÃO NA FONTE DOS IMPOSTOS SOBRE AS NOTAS FISCAIS

Leia mais

Palestra. Retenção na Fonte de Tributos Federais - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias

Palestra. Retenção na Fonte de Tributos Federais - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Imposto de Renda Retido na Fonte Apresentação: Josemar Pereira da Silva AFRFB Mauro Alves Gomes - AFRFB Palestra proferida a

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Até: Quarta-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de abril/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS

RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS RETENÇÃO DE TRIBUTOS NOS PAGAMENTOS EFETUADOS A FORNECEDORES DE BENS E PRESTADORES DE SERVIÇOS Autoria: Adriane Terebinto Di Bacco Advogada COFINS, CSLL e PIS/PASEP A retenção das contribuições federais

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

ANEXO II. Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA

ANEXO II. Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA ANEXO II Tabela de Códigos de Retenção Obrigatórios 1) BENEFICIÁRIO PESSOA FÍSICA CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO 0561 Trabalho Assalariado no País e Ausentes no Exterior a Serviço do País Pagamento de salário, inclusive

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS *Por Roberto Rodrigues de Morais, Artigo elaborado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 605/2015 Referência : Correio eletrônico, de 12/3/2015. Protocolo AUDIN-MPU nº 932/2015. Assunto

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

RETENÇÃO DE IR, PIS, COFINS E CSLL NA CONTRATAÇÃO DE ÓRGÃOS PÚBLICOS FEDERAIS. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2012.

RETENÇÃO DE IR, PIS, COFINS E CSLL NA CONTRATAÇÃO DE ÓRGÃOS PÚBLICOS FEDERAIS. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2012. RETENÇÃO DE IR, PIS, COFINS E CSLL NA CONTRATAÇÃO DE ÓRGÃOS PÚBLICOS FEDERAIS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 06/08/2012. Sumário: 1 INTRODUÇÃO 2 DA OBRIGATORIEDADE DE RETENÇÃO DOS

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão

Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 - Impressão Page 1 of 9 Instrução Normativa RFB nº 983, de 18 de dezembro de 2009 DOU de 21.12.2009 Dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o programa gerador da Dirf 2010. Alterada

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais