Ciclo de Palestras e Cursos Técnicos Jurídicos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de Palestras e Cursos Técnicos Jurídicos."

Transcrição

1 Ciclo de Palestras e Cursos Técnicos Jurídicos. Objetivos: Colaborar com o Programa Nacional de Prevenção de Acidentes no Trabalho visando a Diminuição dos Acidentes e Mortes, em particular no Mercado da Construção Civil e de Infraestrutura onde os números são expressivos. O RENTAL ou o aluguel de Máquinas, Equipamentos, Ferramentas e outros abastecem este mercado em quase sua totalidade de suas necessidades. O mercado do aluguel de Bens Móveis vem crescendo em ritmo acelerado em todo o Mundo e no Brasil não é diferente. Novas empresas são constituídas diariamente em todo país e as já existentes estão sendo obrigadas a acompanhar sua evolução. O empresário terá que lançar mão de ferramentas de Administração, Engenharia, Direito, Marketing, dentre outras, para acompanhar os novos tempos que já estamos vivenciando. Terá que se assessorar com bons profissionais especializados em particular na área do Direito para poder acompanhar todas as normativas que a cada dia torna-se mais complexa, provocando o risco de muitas empresas colecionarem novas dúvidas e novas dívidas com o Fisco. Nosso trabalho terá um total de 5 (cinco) Temas que se complementam e permitirão que o leitor possa empreender um negócio bom e lucrativo, a saber:

2 1º Tema A Locação de Bens Móveis Feita Dentro Da Lei: Da Abertura Até a Operação da Locadora. 2º Tema A Segurança do Trabalho na Indústria da Construção. 3º Tema A NR-12 Seus Aspectos Técnicos: Aspectos Jurídicos e Demais Normas Incidentes. 4º Tema A Locação Gerando Produtividade e Competitividade na Construtora. 5º Tema O FAP Fortalecendo a Prevenção, Modificando os Tributos a Recolher. O Autor: JOSÉ EDUARDO DE SOUZA Engenheiro, Administrador de Empresas, Advogado, Empresário. Patrocinadores: ASSESSORIAINTEGRADA, PEÇAFORTE, PORTAL DO LOCADOR. Trabalho realizado em Junho de Agradecimentos: a esposa, os filhos e aos amigos que nos incentivam.

3 1º Tema da Palestra/Curso A Locação de Bens Móveis Feita Dentro da Lei: da Abertura até a operação da Locadora. Um pouco de Estatísticas Segundo o IBGE, 48% das companhias abertas de 2007 a 2010 deixaram o mercado. Quase metade das empresas Brasileiras abertas no País não sobrevive aos primeiros três anos de vida. O Brasil criou em 2012, 1 Milhão de empresas segundo o levantamento do IBPT( Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário). Desse total, 65%são do tipo MEI( Micro Empreendedores Individuais). Depois desta os tipos mais comuns foram as Sociedades Empresaria Ltda., com 15% e Empresário Individual, com 13,5%. Juntas representaram mais de 93% dos novos negócios. Nesta estatística não participaram as Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada - EIRELI cuja Lei nº 12441, foi sancionada em 11/07/2011, entrando em vigor em Janeiro de De acordo com relatórios estatísticos da Junta Comercial de Pernambuco-JUCEPE disponíveis em seu próprio site foram abertas em 2012 pouco menos de 5%(cinco por cento) das empresas EIRELI no Estado. As sociedades limitadas representaram 95%(noventa e cinco por cento) do total das empresas constituídas em Pernambuco em Esta informação é significativa haja visto que foi o Estado que mais cresceu a Atividade de Locação de Bens Móveis passando de pouco mais de 50(cinquenta) locadores em 2010 para perto de 400(quatrocentos) locadores conforme relatos de sindicatos da região. A publicação feita pelo Jornal Valor Econômico de 14/01/2013, sobre pesquisa feita com mais de 40 nações, produzida pela Comissão Europeia em 2010 sendo a primeira vez que é incluído o Brasil, registrou que 63% dos Brasileiros gostariam de ter seu próprio negócio ou trabalhar de forma autônoma. Foi o segundo país com resposta deste tipo, o primeiro foi a Turquia com 82%, em terceiro a China com 56%.

4 A abertura de empresa comercial, prestadora de serviço ou de locação de bens móveis muitas vezes parece difícil e as estatísticas das empresas que fecham antes de três anos de vida somente irão causar problemas para aqueles que não tenham conhecimento, pois "é a falta de conhecimento que cria obstáculos desnecessários ao novo empreendedor. Em muitos casos fazendo com que desista. Hoje, temos as informações necessárias para que as empresas tenham condições de faturar e caminhar com suas próprias pernas. Para que não tenhamos dores de cabeça temos que tomar precauções definindo a área exata que se vai atuar. Esta área de atuação costuma ter a personalidade de seu dono, características pessoais e os tipos de atividades em que o futuro empresário se destaca. Em que tipo de negócio se daria bem ou não. Traçamos um plano de negócios e faz-se um estudo do mercado da atividade pretendida. Muito importante será conhecer o imóvel que será utilizado para iniciarmos nosso empreendimento consultando a Prefeitura antes de tomar posse do imóvel, para saber se o imóvel permite a exploração da atividade escolhida. Deverá ter a mão a planta do imóvel e o IPTU. Imóveis com mais de 750m² é exigido o auto de vistoria do Bombeiro(AVCB). Tudo em ordem, vamos iniciar o caminho para ter uma empresa! Agora que temos um lugar físico para iniciarmos a empresa temos que saber quais os formatos empresariais que podemos adotar, quais as novas entidades e denominações adotadas no mapa empresarial implantado pelo código civil de Sociedade Personalizada Simples ou Limitada, S/A, Nome Coletivo, Comandita Simples, Comandita por Ações. Os sócios serão um mau ou bom negócio? Que tipos de Empresa não precisam de sócios. Poderá ser Empresário Individual MEI assumindo sozinho o risco do negócio com seu patrimônio pessoal de forma ilimitada ou:

5 DICA! Empresa Individual de Responsabilidade Limitada- Eireli, que está limitada ao patrimônio da empresa cujo capital social a ser integralizado será de no mínimo 100 vezes o maior salário mínimo do Brasil hoje de R$67.800,00, tomando as decisões da empresa sem ter que submetêlas a apreciação de um sócio. O capital deverá estar disponível para compra dos bens móveis, do imóvel, do fundo de comercio, gastos com a legalização da empresa, Contador, Advogado. Ter uma Reserva disponível para atravessar os obstáculos que vem pela frente. Faça um projeto de como serão as áreas de trabalho de sua locadora com auxilio de um profissional do ramo. A escolha do nome deverá ser escolhida com bom senso, criando também uma logomarca que será a identidade da empresa. Registrar esse domínio no Registro BR, ou equivalente, e a marca deverá ser registrada no INPI. Nasce a Empresa! Após estes levantamentos preliminares deve-se fazer O Ato Constitutivo da Empresa ou Contrato na Empresa Individual, a Declaração de Empresário, que devem seguir o Código Civil Brasileiro Lei - Nº /2002- artigos 968,997 e 998 e Lei 9841/1999. As empresas que apresentarem declaração de enquadramento de ME ou EPP ficam dispensadas do visto do Advogado no Contrato Social e declarar o desimpedimento do titular ou administrador em clausula do mesmo ou em documento a parte. A falta deste se comprovada a existência da empresa poderá ensejar a responsabilidade pessoal dos sócios ou titulares pelas obrigações contraídas. O próprio Código Civil permite que ao elaborarmos o Contrato Social sejam colocadas no mínimo cinco cláusulas que pode eliminar o risco pessoal da atividade empresarial. Portanto os contratos não podem ser omissos do contrario as sociedades limitada poderão ser regidas pelas normas

6 das sociedades simples onde o patrimônio pessoal do empresário estará à mercê do Fisco e da Justiça. Devemos ao elaborar os contratos sociais deslocar a Sociedade Limitada para o universo da Sociedade de Capital afastando da órbita da Sociedade de Pessoas que respondem com seus bens pessoais. A Empresa interessada em promover a Locação de Bens Móveis, deve providenciar a inclusão deste objetivo no seu contrato social. A Empresa esta sendo apresentada! Com este Contrato Social ou Formulário de Empresa individual registra-se na Junta Comercial, onde a partir deste momento a empresa esta aberta. Uma vez registrado o Contrato Social a obtenção do CNPJ será obtida na Receita Federal, assim como a Inscrição estadual ( DECA) deverá ser obtida na Agência Fazendária do Estado. Na Prefeitura será obtido o Alvará de Localização e Funcionamento. No caso de empresas prestadoras de serviço, juntamente com o alvará será expedida a Inscrição para fins do ISSQN (CCM). As empresas de Locação de Bens Móveis Beneficiadas pela Lei Complementar 116/2003 entram na categoria de outros e não são inscritas para fins do ISSQN. Também será inscrito no cadastro Fiscal Municipal na Secretaria de finanças. Não se esquecer dos Sindicatos patronais e dos trabalhadores que acrescerão custos as empresas. Tendo empregados deverá seguir toda orientação trabalhista e da segurança do trabalho. Tudo pronto para começar a ser um empreendedor! Minha Opção foi: A Locação de Bens Móveis e vou atender o Mercado da Construção Civil e da Infra Estrutura. Vou Trabalhar com Máquinas e todo tipo de Equipamentos construção utiliza. CNAE 2.0 Grupo 773 Aluguel de Máquinas e Equipamentos Sem Operador que a

7 Classe: Aluguel de Máquinas e Equipamentos não Especificado Anteriormente. Para sermos Locadores de Bens Móveis e termos êxito neste tipo de negócio é necessário conhecer o que é Locação de Bens Móveis No Direito temos as definições: Locação de Coisas Locação de Bens Móveis (maquinas equipamentos, cadeiras, mesas, etc.). Consiste na Locação de bens de sua propriedade para alguém ou empresa, definida no artigo 565 do Código Civil Na locação de coisas, uma das partes se obriga a ceder à outra, por tempo determinado ou não, o uso e gozo de coisa não fungível ( não é substituível, não se consome), mediante certa retribuição(aluguel). Portanto se configura em uma obrigação de DAR ou de Entregar. Entrego a coisa a alguém ou empresa para que esta a utilize no que necessitar dispondo este da coisa como bem lhe convier, gozando da coisa, sem necessidade do locador operar ou executar qualquer tarefa. Vencido um determinado período passo a receber um aluguel. Esse aluguel não gera a cobrança do ISSQN( imposto sobre serviços de qualquer natureza) por parte do município devido a Lei Complementar n º 116/2003, que não contemplou esta atividade como serviço. A não incidência do imposto consta na redação da Súmula Vinculante nº 31 do STF É INCONSTITUCIONAL A INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA- ISSQN SOBRE OPERAÇÕES DE LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS. Trata-se de uma Locação Pura e Simples, sobre obrigação de dar ou entregar. Deste modo, a partir de 01/01/2004 quando entrou em vigor a Lei complementar n º 116, de 31 de Julho de 2003, foi vetado o subitem 3.01 da lista de serviços, pois veiculava indevidamente a incidência do imposto sobre Locação de Bens Móveis, onde em respeito ao principio da anterioridade(art.150, III, b, CF/88), a Locação de Bens Móveis deixou de ser tributada pelo ISSQN, passando a ser hipótese de não incidência. As pessoas que executam tais operações deixaram de ser contribuintes do imposto sobres serviços e consequentemente ficaram impedidas de emitir notas fiscais de serviços.

8 A partir de então, a locação de bens móveis passou a ser uma mera relação jurídica, sujeitandose as disposições dos artigos 320 e 565 a 578 da Lei nº de Janeiro de 2002(Código Civil Brasileiro), no que se refere ao contrato de locação e da quitação(recibo) do valor ajustado entre locador e locatário. Não há o recolhimento do imposto sobre serviços das empresas de locação que fazem a locação pura e simples, mas recolhem-se os demais impostos. Vale lembrar que não se incide o ICMS, conforme RICMS-SP Decreto /2000 artigo 7º, inciso IX Sendo que cada estado tem sua lei a respeito. Para transitarmos com os bens móveis temos que identificar a nota de simples remessa com o CFOP 5949 dentro do estado e 6949 fora do estado. Todo bem que sair do estabelecimento do locador deverá estar acompanhado da nota fiscal de simples remessa. Quem comprar bens no exterior ou fabricar seus próprios bens com o objetivo de alugar pagará o IPI (imposto sobre produtos industrializados) na primeira saída que houver do estabelecimento do locador, regulamentado pelo decreto 4.544/2002. artigo 37, inciso II sobre o IPI. PIS/PASEP e COFINS incidirão sob a alíquota de 1,65% e 7,6 %%, quando for lucro real e 0,65% e3% na hipótese de lucro presumido conforme artigos 51 a 59 do decreto 4.524/2002. IR e CSLL são tributáveis em qualquer regime conforme previsto nos artigos, 218 e 219 do regulamento do IR aprovado pelo decreto 3.000/1999. O regime do Simples já é composto por uma cesta de impostos que o participante pagará em função do seu faturamento, e mesmo que for locador de bens móveis puro e simples estará pagando a alíquota de 1% sobre prestação de serviços que não poderá se beneficiar, pois terá que aceitar ou não ficará no regime do simples. Vamos agora falar um pouco do que é Serviço e mais a frente iremos operar com estes dois institutos e esclarecer dúvidas que muitos ainda não sabem separar um do outro. A Prestação do Serviço. No direito temos: É a Prestação Positiva que resulta da obrigação de FAZER, ou na execução de algum trabalho ou na realização de algum mister.

9 O imposto sobre os serviços de qualquer natureza ISSQN, é de competência dos Municípios e do Distrito Federal, conforme preceitua o artigo 156, inciso III, da CF/88, bem como da lei Complementar nº 116 de 31 de Julho de Em seu fato gerador conforme preceitua nossa Constituição Federal está a prestação do serviço de qualquer natureza, não compreendidos na lei tributária estadual que se consubstancia numa obrigação de FAZER, ou seja, numa relação jurídica que se manifesta no poder de exigir ou pretender do prestador de serviços uma conduta ou determinado comportamento positivo, objetivando um resultado especifico. Através dessas normas constitucionais delimitou-se o campo de atuação do fisco municipal ficando este adstrito exclusivamente ao que consta como sendo prestação de serviço e estariam sujeitos ao imposto sobre serviços. Para firmarmos o que é serviço voltamos a repetir que serviço é tudo aquilo que vou dispender de um esforço físico ou mental. Prestar serviço é executar, de forma habitual, a venda onerosa de qualquer serviço, com ou sem fornecimento de material, pouco importando a designação dada ao contrato. Para o ISSQN, basta à transferência do bem imaterial(serviços), a título oneroso, de uma pessoa para outra. Em Direito um compromisso de fazer. Neste tópico estaremos tratando de prestação onerosa de serviços com aplicação de materiais e da venda de materiais com prestação de serviços. Serviço é o que o motorista do ônibus faz quando regularmente transporta passageiros pela cidade ou estradas. Quando a Prefeitura contrata empresas para realizar a limpeza da cidade. Consiste na Prestação de serviços de manutenção e revitalização de peças dos equipamentos, locados ou vendidos aos clientes, consistindo obrigação de FAZER. Juridicamente como serviços (artigos 156 III, da CF) e (artigo 110 do CTN). Entendemos até aqui o que é Locação de Bens Móveis que não recolhe o ISSQN e A Prestação do Serviço que é recolhido o ISSQN por ser contribuinte.

10 Porém quando os dois institutos estão juntos o que fazer para não ficarmos em dívida com o fisco e sermos penalizados? Locação de Bens Móveis concomitante com prestação de Serviços. Temos que seguir as Jurisprudências e estarmos atentos aos julgados do STF e acatarmos. A Locação de Bens Móveis Associada a Prestação de Serviços Como a Locação de Guindaste e Apresentação do Respectivo Operador. Incidência do ISS sobre a prestação de serviço. Não incidência sobre a locação de bens móveis. A Súmula Vinculante nº 31 não exonera a prestação de serviços concomitante à locação de bens móveis do pagamento do ISS. Se houver ao mesmo tempo locação de bem móvel e prestação de serviços, o ISS sobre o segundo fato, sem atingir o primeiro. O que poderia se discutir é a necessidade de adequação da base de calculo do tributo para refletir o vulto econômico da prestação de serviço, sem a inclusão dos valores relacionados à locação. (ARE AgR DJe Relator Ministro Joaquim Barbosa- Segunda Turma). E firme o entendimento do STF no sentido de que não incide Imposto sobre serviços (ISS) sobre locação de Bens Móveis. (... )Possibilidade de as autoridades fiscais exercerem as faculdades conferidas pela lei para aferirem quais receitas são oriundas da isolada locação de bens móveis. (AI AgR, Rel. Min. Joaquim Barbosa, julgamento em , Segunda Turma, DJE de ) No mesmo sentido: RE , Rel. Min. Gilmar Mendes, julgamento em , Plenário, DJE de ISS: competência para tributação: local da prestação do serviço. (AI AgR, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em , Primeira Turma, DJ de ). Pelo que já vimos podemos concluir que se o locatário(é quem esta alugando o bem), se este em tempo algum, tem a coisa locada para seu uso e gozo, não usou em tempo algum o locatário teve a sua disposição este bem, em contra partida o locador é quem operava o bem, administrava seu uso fazia sua manutenção, assumiu as responsabilidades de seguros em geral, transportes necessários para locomoção do bem, assumiu os encargos sociais, em relação ao uso do bem.

11 Se junto a todas essas evidências de um prestador de serviço. Ainda podemos ver clausulas de contratos onde o locador assume todas as despesas para realização de um determinado serviço. O Fisco qualificará como Prestador de serviço passando a cobrar o ISSQN sobre o Total do contrato, pois é patente a prestação de serviço. Temos essas situações no transporte público onde o serviço de transporte é o fato gerador do serviço não podendo ser separado o aluguel provável dos ônibus. A locação de um automóvel caracteriza-se pela prestação de serviços diários e contínuos onde o veiculo locado com ou sem motorista fica a disposição dentro da empresa ou do locatário exclusivamente com serviços feitos para ele. Locação onde o veiculo fica a disposição do locatário para seu uso e gozo sendo este locatário quem determina seu uso indefinidamente. Se esta locação abranger o fornecimento do motorista não será cobrado o ISS. Se o motorista for contratado em separado incidirá o ISS sobre o valor cobrado a esse titulo. Não havendo a entrega deste veiculo ou disposição por tempo integral ao locatário por parte do locador esta atividade será caracterizada como serviços de transporte. Transportes de pessoas diversas ou eventual do locatário contratante será prestação de serviços de transporte. Agora sabemos distinguir o que é Serviço e o que é Locação de Bens Móveis vamos elaborar alguns documentos para que não tenhamos nenhum problema futuro. Elaborar um contrato que será a sua garantia sobre toda a locação que for realizar. Este contrato será o único documento que será aceito no judiciário. Caso tenha que reaver um bem que não lhe foi devolvido (esbulho) por parte do locatário. Protegerá seu bem no caso de furto. O contrato é o Título Executivo Extrajudicial que será aceito pelo Juiz para execução dos aluguéis não pagos pelo locatário. Sem o contrato muito bem elaborado, assinado pelas partes no original, com as duas testemunhas como prevê a lei, a locação estará sujeita a todo tipo de riscos. O Contrato de Locação de Bens Móveis deverá estar de acordo com a Súmula Vinculante nº 31, o Código Civil Brasileiro, a Lei Complementar nº 116, o Código de Proteção ao Consumidor e a

12 Constituição Federal do Brasil. As normas regulamentadoras de segurança no ambiente do trabalho também farão parte de acordo com o bem a ser locado. O Objeto do contrato deverá estar muito bem descrito com as peculiaridades da locação e ter cuidado quanto à assistência no local da locação para não caracterizar como serviços. deveres de cada parte também deverão estar bem claros e com todas as clausuras para estar coberto numa eventual disputa judicial. Onde será instalado o bem, como será sua fiscalização, como será feito o pagamento, datas, locais, documentos que serão criados para tal, os prazos, os atrasos. Muito importante citar os documentos que deram origem a locação como as propostas, termos de vistorias de saídas dos bens móveis e toda documentação que hoje são obrigatórias para atender as Normas de Engenharia e Segurança do trabalho. Um contrato bem feito, muito bem elaborado dará a tranquilidade e as garantias necessárias para que o negócio da Locação prospere e cresça. O risco de não ter ou mesmo de estar mal elaborado poderá levar o negócio para a banca rota. Nunca aceite o contrato do locatário, pois este não tem a propriedade do bem e seu contrato não tem valor legal. Cada contrato deverá ter as características particulares de cada empresa de locação. Deverão ser elaborados juntamente com o Empreendedor e o Especialista. Não utilize contratos padrões que muitas vezes não lhe protegem e não são aceitos no Judiciário em casos de demandas. Relacione todos os itens que irá compor sua cesta de produtos para locação, relacione todas as máquinas, equipamentos, ferramentas, etc., juntamente com os seus descritivos, número de patrimônio para que possa através dessas informações elaborar uma boa proposta de locação. Na proposta de locação colocar tudo aquilo que identifique o produto, todos os dados do futuro locatário, onde será utilizado, não economize em informação. Numere os orçamentos que farão parte do contrato de locação. Contrate uma instituição tipo Serasa e só alugue depois de Os

13 averiguado o crédito do futuro locatário. Lembre-se sempre do ditado popular que o seguro morreu de velho. Na locação de Bens Moveis Cobramos o locatário através de recibo ou no máximo através de cobranças simples por boletos bancários. Não faça notas de cobranças de serviço, não emita duplicatas, pois é crime! O delito de Duplicata simulada esta previsto no artigo 172, caput, do Código Penal Brasileiro, e consiste em "emitir fatura, duplicata ou nota de venda que não corresponda à mercadoria vendida m quantidade ou qualidade, ou ao serviço prestado. Prevê, em seu preceito secundário, a pena de detenção de Dois a Quatro anos, além da multa. O Sacado que aceita o título executivo, sabendo que é simulado, m unidade de desígnios com o emitente, incorre no crime em questão na condição de coautor, nos termos do artigo 29 do Código Penal Brasileiro. O endossatário e o avalista incorrerão na mesma conduta delituosa. A consumação do crime de Duplicata Simulada ocorre no momento em que é colocado em circulação. Devido à inexistência de Relação de prestação de serviço na locação de Bens Móveis a Duplicata é nula e se for protestada, o protestado entrará na justiça, pois é jurisprudência consolidada e todo Juiz a anulará e em reconvenção será condenado a pagar pesada indenização por danos morais. Como já dissemos deverá ser cobrado o aluguel do locatário através de recibo ou no máximo com boleto bancário sem instrução de protesto. Como as empresas muitas vezes necessitam de um aviso de cobrança será interessante ter um papel onde constem os dados da locação avisando que aquele aluguel estará sendo cobrado em determinada data, través do banco Y, ou pessoalmente. Não há um modelo a seguir, mas não se recomenda fazer parecer com documentos fiscais ou mesmo ter números sequenciais, è só um Aviso.

14 Agora temos que comunicar ao mercado que você existe e está ávido para ganhar muito dinheiro e seu sucesso já está garantido, pois fez tudo certo até aqui! A internet será um dos caminhos mais consultados, ter um pequeno Site objetivo ajudará a divulgar seu trabalho. Um veículo informativo como o "Portal do Locador, ajudará a consolidar sua estratégia de Marketing. Ter algum material informativo escrito, cartões de visita não deverão faltar. Coloque sua criatividade na empresa. Minha Nossa, o telefone tocou, é a minha primeira locação?" Não! Agora iremos passar para o 2º Tema da palestra/curso onde falaremos da A Segurança do Trabalho na Indústria da Construção. Seus bens móveis deverão estar de acordo com as normas de segurança vigentes no Brasil. Precisará conhecer estas legislações. Hoje temos 36 Normas Reguladoras, a empresa também segue estas normas, seus empregados deverão conhecê-las e segui-las. Toda área de sua empresa deverá estar dentro destas normativas, do escritório ao estoque de peças, da manutenção a expedição, seus Bens Móveis serão sua melhor propaganda, seu melhor cartão de visitas. Diversos outros documentos serão criados para atender essas normativas. Todo pessoal deverá passar por treinamentos. Os bens móveis deverão estar acompanhados de novos documentos que até pouco tempo atrás não existiam. Nesta segunda etapa sua empresa passará a ter um diferencial em relação às demais do mercado de locação e estará preparada para o futuro onde somente as empresa organizadas sobreviverão. O SEGREDO DO SUCESSO DOS LOCADORES BEM SUCEDIDOS ESTÁ BATENDO A SUA PORTA!

Locação de bens móveis.

Locação de bens móveis. Locação de bens móveis. Entende-se por Locação de Bens Móveis aquela em que o locador entrega o bem ao locatário, dispondo este da coisa como bem lhe convier, sem a necessidade do locador operar ou executar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

SENHORES SENADORES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Referente: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 386, DE 2012 COMPLEMENTAR.

SENHORES SENADORES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Referente: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 386, DE 2012 COMPLEMENTAR. SÃO PAULO 17 DE JULHO DE 2013 AOS EXCELENTÍSSIMOS SENHORES SENADORES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DOUTOR ROMERO JUCÁ DOUTOR ARMANDO MONTEIRO DOUTOR LINDBERGH FARIAS DOUTOR EDUARDO SUPLICY DOUTOR FRANCISCO

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

1) Para vender pela internet (ter uma loja virtual) preciso ter um CNPJ obrigatoriamente? 2) Quais os impostos que incidem sobre uma loja virtual?

1) Para vender pela internet (ter uma loja virtual) preciso ter um CNPJ obrigatoriamente? 2) Quais os impostos que incidem sobre uma loja virtual? Caro leitor, Todos os dias recebemos milhares de pessoas, em nosso programa de consultorias do ShoppingSeguro.com.br, muitas dúvidas sobre os aspectos contábeis da abertura de uma loja virtual para nossos

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA

PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA PROPOSTA COMERCIAL PARA ABERTURA DE EMPRESA PROPOSTA DE ABERTURA DE EMPRESA INDIVIDUAL / SOCIEDADE / EIRELI É com grande satisfação que agradecemos a oportunidade de apresentarmos nossa proposta comercial,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.679, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Dispõe sobre as atividades de locação de bens móveis. DESPACHO: À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA (MÉRITO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009 PARECER: 42 / 2009 ASSUNTO: Consulta sobre necessidade ou não de apresentação de nota fiscal de serviços ou de circulação de mercadorias para o recebimento de pagamento de valores de locação de automóvel

Leia mais

ISS Exame do PLC nº 386/12

ISS Exame do PLC nº 386/12 ISS Exame do PLC nº 386/12 Kiyoshi Harada* O nobre Senador Romero Jucá apresentou o PLC nº 386/12 que introduz importantes alterações na LC nº 116/03, lei de regência nacional do ISS. As modificações a

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade

Palestra Ana Afonso Formalização da atividade Bem-Vindos! APRESENTAÇÃO Ana Afonso organizadora profissional em São Paulo atua desde 2006 realizando serviços de organização de espaços, gestão de residências, treinamento de funcionários domésticos,

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

Secretaria de Finanças

Secretaria de Finanças SECRETARIA DE FINANÇAS CONSELHO ADMINISTRATIVO FISCA - CAF PROCESSO/CONSULTA Nº 15.74464.8.14 CONSULENTE: CENTAURO SUPRIMENTOS E SERVIÇOS LTDA Av. Visconde de Suassuna, 735 Santo Amaro - Recife/PE Inscrição

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

INFORMATIVO PIS/ COFINS

INFORMATIVO PIS/ COFINS INFORMATIVO PIS/ COFINS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) DESPESAS COM CONTROLE DE QUALIDADE, MESMO QUE DECORRENTES DE EXIGÊNCIAS LEGAIS, NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS.... 2 B) DIFERENCIAL DE

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Temos observado que é muito comum encontrar empresários do segmento da prestação de serviços que apresentam dificuldades na Gestão dos Custos em suas empresas. Essas dificuldades

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL GABARITO 1 (Mandado de Segurança) Uma instituição de ensino superior, sem fins lucrativos, explora, em terreno de sua propriedade, serviço de estacionamento para

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA GERÊNCIA DE PROCESSAMENTO CERTIDÃO

PODER JUDICIÁRIO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA GERÊNCIA DE PROCESSAMENTO CERTIDÃO o. PODER JUDICIÁRIO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DIRETORIA JUDICIÁRIA GERÊNCIA DE PROCESSAMENTO CERTIDÃO Certifico, para que esta produza os devidos efeitos, que os presentes autos foram-me entregues,

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem

ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem ICMS/SP - Principais operações - Venda à ordem Sumário 1. Introdução... 2 2. Operações de venda à ordem - emissão de documentos fiscais... 3 2.1 Procedimentos adotados pelo vendedor remetente (fornecedor)...

Leia mais

Holding. Aspectos Tributários

Holding. Aspectos Tributários Holding Aspectos Tributários Holding Holding Pura O Objeto da Holding Pura é basicamente a participação no capital de outras sociedades. Dessa forma, a fonte de receitas desta serão os dividendos das empresas

Leia mais

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil Empresas: Passos para abertura de empresa: 1. Definir qual o tipo de Pessoa Jurídica irá compor: 1.1 Sociedade Se constitui quando duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS 1 AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS Introdução funções: O Código Comercial de 1850 criou os Tribunais de Comércio que tinha duas 1) Julgar os conflitos que envolviam comerciantes; 2) Função administrativa

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO TRIBUTÁRIO Questão 1 MÁRIO ROBERTO possui terreno limítrofe entre as zonas urbana e rural do município de Pedra Grande. No ano de 2009, ele recebeu o carnê do IPTU, emitido pela Secretaria de Fazenda de Pedra Grande,

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Informativo n 17 ano II Setembro/2008

Informativo n 17 ano II Setembro/2008 NOTA TRIBUTÁRIA informativo tributário www.ssplaw.com.br faz o que gosta e acredita no que faz Informativo n 17 ano II Setembro/2008 É com muita satisfação que apresentamos a décima sétima edição do NOTA

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010 JOSÉ LUIS RIBEIRO BRAZUNA Advogado em São Paulo, Mestre em Direito Tributário pela USP e Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo - TIT ISS Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza Curso de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 21.343/14/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000210484-18 Impugnação: 40.010135808-50 Impugnante: Mais Medicamentos Ltda IE: 001022236.01-19 Proc. S. Passivo: Alexandre Lara Ribeiro/Outro(s) Origem:

Leia mais

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA.

NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO AO PIS/PASEP E DA COFINS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS BETINA TREIGER GRUPENMACHER ADVOGADA. PROFª UFPR NÃO CUMULATIVIDADE DA CONTRIBUIÇÃO PIS/PASEP E DA COFINS

Leia mais

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há vários tipos de estruturas societárias possíveis; Análise da realidade de cada empresa; Objetivos dos

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

A atividade contábil e o ISS

A atividade contábil e o ISS A atividade contábil e o ISS Janeiro de 2014. A prática da atividade de contabilista pode ser exercida por profissional autônomo, sociedade empresária e sociedade simples. Para tanto, o responsável tem

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI Nº 2.182, DE 24 DE MAIO DE 2011. Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços no Município de Louveira, define forma, prazo e declarações de recolhimento do ISSQN pelo Sistema Eletrônico e dá outras

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos

ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Informativo FISCOSoft ICMS/ES - Armazém geral - Remessa e retorno - Roteiro de procedimentos Os armazéns gerais têm por finalidade a guarda e a conservação das mercadorias remetidas a eles pelos estabelecimentos

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI SEGUNDO SEMINÁRIO DE GESTÃO E ARRECADAÇÃO MUNICIPAL AMM - 2014 PROFESSOR FRANCISCO RAMOS MANGIERI PALESTRANTE DA EMPRESA TRIBUTO MUNICIPAL WWW.TRIBUTOMUNICIPAL.COM.BR

Leia mais

Elaboração e Modalidades de contratos

Elaboração e Modalidades de contratos Elaboração e Modalidades de contratos Dra. Sabrina Moreira Batista Advogada especialista em Direito Tributário, sócia do escritório Batista Silva Freire Advogados, Assessora Jurídica do CRN/5 e do Corecon/Ba.

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

IDÉIAS DE NEGÓCIO ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE (Fonte: SEBRAE/MS SEBRAE/SC) APRESENTAÇÃO DE NEGÓCIOS Contabilidade é um trabalho minucioso que atua nas áreas fiscal, tributária e trabalhista; exigindo muita análise e tempo. Por isso, a maioria das

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada*

Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Contribuições sociais não cumulativas Kiyoshi Harada* Muito se tem discutido acerca do alcance e conteúdo da não comutatividade do PIS/COFINS e PIS/COFINS-importação. Examinemos a questão à luz do 12,

Leia mais

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico

Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Princípio da legalidade e nulidades do lançamento: revisão por erro de fato, erro de direito e mudança de critério jurídico Aurora Tomazini de Carvalho Doutora PUC/SP e Professora UEL - Que se entende

Leia mais

Analista Fiscal. ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins. (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Fernanda Silva

Analista Fiscal. ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins. (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Fernanda Silva Analista Fiscal ICMS, IPI, ISS, PIS/Pasep e Cofins (O único curso da região ministrado por especialistas em cada área abordada) Orientadores Fernanda Silva Advogada; consultora da CPA; Pós-Graduada em

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Formalizando o negócio

Formalizando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Formalizando o negócio Manual Etapa 3/Parte 2 Bem-vindo! É um prazer ter você participando da Etapa 3 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo,

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991

DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991 DECRETO N.º 7330/91 de 09 de julho de 1991 ALTERADO DISPOSITIVOS PELO DECRETO N.º 7461/91 Regulamenta os documentos fiscais de que trata o Capítulo III do Título II do Código tributário Municipal e dá

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Tributário Peça GABARITO COMENTADO O Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) é imposto de competência municipal, cabendo à lei complementar estabelecer

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e

CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e CIRURGIÕES DENTISTAS: FORMAS DE ESCRITURAÇÃO, TRIBUTAÇÃO E NF-e Contador: Mardonedes Camelo de Paiva CRC/DF 010925-O-1 Contadora: Ozineide Paiva CRC/DF 024791/P-2 Bacharel: Pedro Henrique Brasília-DF /

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

O que é e qual sua finalidade?

O que é e qual sua finalidade? HOLDING Copyright Ody & Keller Advocacia e Assessoria Empresarial, 2014. Todos os direitos reservados. Versão: 01 (outubro de 2014) Este material tem caráter informativo, e não deve ser utilizado isoladamente

Leia mais

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS CARTAZES/DOCUMENTOS/ALVARAS Você encontrara neste guia as principais exigências com relação a fixação de cartazes para o seu estabelecimento comercial. Na

Leia mais