COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES"

Transcrição

1 COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Regulamento Depois de um ano de experiência com este modelo de selecção e preparação dos atletas para as competições internacionais, o balanço é muito positivo e encorajador para prosseguirmos novas etapas de desenvolvimento. De facto, para além de serem retomadas as participações nos campeonatos do mundo de orientação, constituímos um grupo de técnicos que trabalha de perto com os atletas, ganhando a sua confiança. Torna-se, ainda, necessário referir os excelentes resultados alcançados ao nível da preparação física dos atletas de orientação, ao que não será alheia a implementação de requisitos físicos para os atletas do GAPEE. Vamos continuar no sentido de desenvolver os outros factores do rendimento desportivo. Aqui, iremos começar por dar importância ao perfil psicológico do atleta do GAPEE, pois, como sabemos, a orientação é uma modalidade desportiva que se caracteriza pela capacidade de decisão em ambientes desconhecidos e, muitas vezes, hostis, com todos os seus imprevistos. Reforçando alguns princípios já estabelecidos, estamos agora em condições de proceder a algumas alterações ao presente regulamento, nomeadamente ao aumento da exigência física, à implementação de testes psicotécnicos (de conteúdo a definir), à abolição das provas especiais de apuramento e, por fim, criar mecanismos de controlo do treino dos atletas, no seguimento das recomendações sobre o controlo anti-doping. 1. Âmbito a. A selecção dos atletas para constituírem as equipas nacionais nas competições internacionais de orientação Pedestre e de BTT é feita de acordo com o presente regulamento. b. Este regulamento estabelece ainda as normas para a constituição do Grupo de Atletas em Percurso de Elite e Elite (GAPEE). c. Para as restantes disciplinas (Trail e Corridas de Aventura), o regulamento aplica-se com as necessárias adaptações. 2. Princípios e deveres a. A preparação dos atletas é um processo contínuo, assentando no aproveitamento equilibrado dos recursos do atleta, do clube e da federação. b. O GAPEE constitui o núcleo base de recrutamento das selecções nacionais. c. A selecção dos atletas será feita por escolha. d. A escolha terá em conta a prestação dos atletas ao longo da época desportiva e ainda o seu perfil para a competição em causa. Excepcionalmente poderá ser avaliada a prestação em provas anunciadas para o efeito. e. É constituída uma comissão para os assuntos das selecções, devendo os responsáveis de cada categoria manter uma ligação permanente com os atletas e respectivos treinadores. f. Durante as competições internacionais, os elementos que constituírem a Delegação Nacional ficam obrigados aos deveres de diligência e de mútua cooperação na execução das funções que a cada um caibam, de modo a dignificar a Federação, o Desporto e o País. g. Poderá ser autorizada a participação de atletas em representação nacional, a expensas próprias, em situações de dificuldade financeira da Federação.

2 3. Composição e funcionamento da CTS a. A Comissão Técnica para as Selecções (CTS) é constituída por um Coordenador e um elemento por cada categoria, excepcionalmente dois, de acordo com o Anexo 1 (Composição da CTS). b. As decisões da CTS são tomadas por maioria, cabendo a cada elemento um voto. 4. Pré-selecção e selecção a. A pré-selecção é constituída pelos atletas que fazem parte do GAPEE. b. A selecção será feita mediante proposta do responsável pela respectiva equipa, fundamentada na análise da prestação dos atletas ao longo da época desportiva e terá em conta: (1) Prestação Desportiva - Domínio do factor físico (corrida em terreno diversificado, pista e laboratório); - Domínio do factor táctico (habilidades específicas, técnicas e tácticas de orientação); - Domínio do factor técnico (técnica de corrida e transposição de obstáculos); - Domínio do factor psicológico. (2) Resultados Desportivos - Classificações de confronto directo; - Velocidade de corrida média (min/km) média aritmética das provas de observação. c. A selecção de atletas Veteranos é feita por escolha da CTS, de entre os atletas com a idade correspondente, mesmo que participem noutros escalões, nos termos da alínea anterior. d. Os atletas seleccionados devem planear os seus treinos com vista à melhor prestação na competição para a qual foram seleccionados. e. A Delegação fará um estágio de preparação, antes da competição, onde se avaliará a componente física, táctica, técnica e psicológica dos atletas. f. Nos campeonatos do mundo, a Delegação deve chegar ao local da competição e dispor de 3 dias para treino, antes do programa oficial. g. Serão criadas facilidades para apoiar os atletas pré-seleccionados que queiram participar em campos de treino, com vista às competições internacionais. h. Os clubes devem colaborar e apoiar na preparação dos seus atletas. i. Caso não haja capacidade financeira para suportar as despesas de uma equipa em competições internacionais, poderá ser autorizada a representação nacional a atletas que suportem essas despesas, desde que sejam seleccionados. j. Técnicos e atletas ficam obrigados a respeitar as regras de conduta estabelecidas para as selecções nacionais, nos termos do Anexo 2 (Normas de Integração nas Selecções Nacionais), mediante declaração formal. 5. GAPEE a. O GAPEE é constituído por atletas que se enquadrem num perfil definido pela CTS, sendo avaliados os resultados desportivos, a sociabilidade, o perfil psicológico e a margem de desenvolvimento físico e técnico.

3 b. O GAPEE é constituído por atletas das categorias Juvenis, Juniores e Seniores, sendo convocados para avaliação, com base nos resultados da época anterior: (1) Os 3 primeiros classificados do Ranking da Taça de Portugal; (2) Os 3 primeiros classificados nos campeonatos nacionais; (3) Outros atletas escolhidos pela CTS. c. O número máximo de elementos em cada categoria é de 10. d. Os atletas do GAPPE serão submetidos a testes da componente psicológica (testes psicotécnicos). (1) Só integram o GAPPE os atletas que satisfaçam os requisitos psicotécnicos; (2) Os testes psicotécnicos constam de exercícios práticos de desembaraço e provas de decisão, de acordo com o Anexo 3 (testes da componente psicológica). e. Os atletas do GAPPE serão submetidos a testes da componente física (testes físicos). (1) Só integram o GAPPE os atletas que cumpram os requisitos físicos da tabela constante do Anexo 4 (testes da componente física); (2) Os testes físicos são feitos pelo clube do atleta, todos os anos, durante o mês de Novembro, podendo ser nomeado um supervisor. (3) Sempre que o entenda, a CTS submeterá os atletas do GAPEE a testes físicos de confirmação, com um aviso prévio de 20 dias. (4) Poderão ainda ser feitos testes físicos em terreno variado, para avaliar a condição física dos atletas seleccionados. f. O GAPEE transita de uma época desportiva para a outra, podendo proceder-se a alteração em Novembro e em Maio. g. Os atletas do GAPEE são obrigados a elaborar um plano detalhado de treino, no qual conste a data, hora e local, para efeitos de controlo anti-doping. h. Os atletas do GAPEE são obrigados a elaborar e a enviar à CTS os seguintes documentos: (1) Ficha de identificação, a elaborar anualmente; (2) Processo de treino; (3) Diário de treino, quando solicitado; (4) Relatório de prova, quando solicitado. i. Exige-se aos atletas do GAPEE que tenham um comportamento exemplar nas provas que integram os quadros competitivos realizados sob a égide da FPO. j. A inclusão e a exclusão de qualquer elemento do GAPEE são da inteira responsabilidade da CTS, sem prejuízo de sanção disciplinar. k. O não respeito pelas medidas de controlo anti-doping implicam a exclusão do atleta do GAPEE. Mafra, 10 de Novembro de 2004 O Presidente da FPO Augusto Almeida

4 COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Anexo 1 Composição da CTS De acordo com o Regulamento da CTS (3.a), para a época 2005/06, a CTS apresenta a seguinte constituição: Coordenador Carlos Pires Orientação Pedestre? Equipa Sénior Alexandre Reis? Equipa Júnior Rui Ferreira? Equipa Juvenil Bruno Nazário Orientação em BTT? Equipa Sénior Eduardo Oliveira? Equipa Júnior Lourenço Lopes Corridas de Aventura? A definir Mafra, 09 de Novembro de 2005 O Presidente da FPO Augusto Almeida

5 COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Anexo 2 Normas de Integração nas Selecções Nacionais Capítulo I (Âmbito) Artigo 1º De acordo com o Regulamento da CTS (4.j.), as presentes normas aplicam-se a todos os elementos que venham a integrar e representar as selecções nacionais nas competições internacionais. Capítulo II (Da Delegação) Artigo 2º Cabe à FPO a responsabilidade de representação nacional, que constituirá desde a sua partida do País, ou localidade deste, até ao seu regresso uma Delegação Autónoma formada por: - Chefia da Delegação - Corpo Técnico - Atletas Artigo 3º Todos os membros da delegação, sem excepção, como componentes de uma representação nacional federativa, que voluntariamente aceitaram integrar, ficam obrigados aos deveres de diligência e de mútua cooperação na execução das funções que a cada um caibam e são co-responsáveis na preservação da disciplina e da amizade entre todos os membros da Delegação, tendo em vista o objectivo último de dignificar a Federação, o Desporto e o País. Capítulo III (Da Chefia de Delegação) Artigo 4º A Chefia da delegação é constituída pelo Chefe da Delegação, nomeado pela FPO.

6 Artigo 5º São funções do Chefe de Delegação: a) Assumir responsabilidade exclusiva da direcção da Delegação, desde a partida até ao seu regresso; b) Representar a Delegação; c) Coordenar os vários sectores no sentido de desenvolver a eficácia e assegurar o seu pleno aproveitamento; d) Providenciar, em colaboração com a FPO, pela inscrição de todos os membros que integram a Delegação e pela sua deslocação; e) Efectuar a acreditação de todos os membros da Delegação; f) Estabelecer a ligação com a Comissão Organizadora das competições, directamente ou através de um eventual guia da Delegação; g) Coordenar os transportes postos à disposição da Delegação; h) Providenciar o conveniente alojamento de toda a Delegação; i) Convocar e dirigir reuniões; j) Resolver em todos os casos omissos. Capítulo IV (Do corpo técnico) Artigo 6º A equipa técnica é escolhida pela Direcção da FPO e inclui, preferencialmente, o seleccionador nacional ou outro elemento que o substitua. Artigo 7º São funções da Equipa Técnica da modalidade: a) Coordenar a actividade da modalidade respectiva em colaboração com o Chefe de Delegação; b) Providenciar de forma a garantir que todos os atletas disponham de orientação técnica e das melhores condições de treino e de competição; c) Orientar tecnicamente os seus atletas e acompanhá-los permanentemente em treinos e em competições; d) Recolher junto do Chefe de Delegação as informações necessárias para poder orientar o treino e a competição dos atletas de que seja responsável; e) Orientar o regime alimentar dos seus atletas; f) Programar em colaboração com o Chefe de Delegação e com a devida antecedência os transportes necessários para os seus atletas, indicando os horários respectivos; g) Zelar pela manutenção da disciplina e da ordem nos alojamentos ocupados pelos atletas da sua modalidade; h) Comunicar, imediatamente, ao Chefe de Delegação quaisquer faltas disciplinares cometidas pelos atletas; i) Informar o Chefe de Delegação acerca dos resultados das provas em que participem os atletas da sua modalidade; j) Comparecer às reuniões sempre que convocado pela Chefia da Delegação. k) Assegurar que os atletas cumpram nas competições ou quaisquer cerimónias desportivas, as disposições regulamentares e instruções da Chefia da Delegação; l) Apresentar ao Chefe de Delegação e à FPO o relatório de toda a actividade desenvolvida, no prazo máximo de 30 dias após a chegada da delegação.

7 Capítulo V (Dos Atletas) Artigo 8º Os atletas integrantes da Delegação, obrigam-se a assumir um comportamento cívico e desportivo adequado à função social e cultural de Federado e Atleta Internacional, ficando abrangidos pelos seguintes direitos e deveres: 1. Dos Direitos, a) Acompanhamento técnico indispensável às exigências de participação nas competições; b) Aplicação da legislação que salvaguarda a dispensa, destacamento ou requisição, para participação nas competições, a qual deve ser antecipadamente solicitada; c) Equipamento Oficial da Delegação 1 Kispo, 1 Fato de Treino, 2 Fatos de Competição, 3 T shirts, 2 pare de Meias e 1 Saco; 2. Dos Deveres, a) Respeitar, desde a data em que tenha sido seleccionado para integrar a comitiva da Selecção Portuguesa às competições, todas as directrizes emanadas pela FPO e pela Chefia da Delegação; b) Comparecer nos exames médicos, de controlo anti-doping e de feminilidade ou outros que lhe sejam determinados pela Chefia da Delegação; c) Respeitar as instruções de caracter técnico e as directivas de ordem disciplinar transmitidas pela Chefia da Delegação. d) Usar o equipamento ou vestuário oficiais da Delegação, nas cerimónias para que for convocado pela Chefia de Delegação; e) Entregar o equipamento ou vestuário oficiais da Delegação à chegada da delegação; f) Usar exclusivamente o equipamento de competição fornecido pela FPO; g) Manter a ordem e disciplina nos alojamentos e não fazer mau uso das instalações a utilizar durante a estadia; h) Cumprir com pontualidade todos os horários estabelecidos oficialmente; i) Manter um comportamento digno em todas as circunstâncias; j) Respeitar em todas as circunstâncias os regulamentos e instruções de ordem geral emanados pela Comissão Organizadora das competições; k) Assinar, antes da partida, a declaração de aceitação das regras estabelecidas pelo presente regulamento; l) Levar a sua identificação e entregá-la ao Chefe de Delegação antes da partida. Capítulo VI (Disposições Gerais) Artigo 9º Todos os membros da Delegação que sejam funcionários públicos, têm direito à aplicação da legislação que salvaguarde a dispensa, destacamento ou requisição, sem prejuízo da sua vida profissional, desde que atempadamente solicitada, não lhe sendo devidos pela FPO o pagamento de quaisquer salários, faltas, compensações de vencimento, ou outros subsídios;

8 Artigo 10º Os membros da delegação que exerçam funções profissionais em entidades privadas não têm direito por parte da FPO a qualquer pagamento de salários perdidos por faltas, compensações de vencimento, ou quaisquer outros subsídios. Artigo 11º Os membros da Delegação não têm direito a qualquer dinheiro de bolso pago pela FPO ou pela Chefia de Delegação. Artigo 12º Em caso algum haverá, por parte da FPO, quaisquer compensações monetárias ou outras a atletas que se classifiquem nos 3 primeiros lugares nas provas em que participarem. Artigo 13º Os membros da direcção e do corpo técnico da FPO serão integrados na Delegação com a acreditação que lhes for fornecida pela Comissão Organizadora das competições, mas exercerão as funções para que forem expressamente nomeados. Artigo 14º Os membros da Delegação obrigam-se a ficar alojados nos locais que lhes forem destinados pela Organização das competições, salvo em circunstâncias excepcionais prévia e devidamente autorizadas pela Chefia da Delegação, não se responsabilizando a FPO pela segurança, transportes e quaisquer despesas daí decorrentes. Artigo 15º Todos os membros da Delegação têm de assinar, antes da partida, a declaração sobre compromisso de honra de aceitação do presente regulamento. Artigo 16º A FPO não se responsabiliza por qualquer tipo de despesa que os elementos da Delegação efectuem fora do âmbito de funcionamento da Delegação, nomeadamente no espaço de alojamento (telefone, minibar, etc.) Artigo 17º 1. A violação deste Regulamento, por parte de qualquer Membro da Delegação, implicará, de acordo com a sua gravidade e respectivas circunstâncias atenuantes ou agravantes, a aplicação das sanções seguintes: a) Repreensão escrita; b) Suspensão de participação na competição com regresso imediato a Portugal; c) Suspensão definitiva de integração nas Selecções Nacionais, bem como, em campeonatos da responsabilidade da FPO.

9 2. Mediante o regulamento em vigor, cabe à Direcção da FPO a competência para aplicação da sanção prevista na alínea c) do número 1) deste artigo, cabendo as restantes à Chefia da Delegação. 3. A aplicação de qualquer das sanções referidas será comunicada ao clube a que pertencer o membro punido, para os efeitos que forem julgados convenientes na actividade desportiva nacional. Mafra, 10 de Novembro de 2004 O Presidente da FPO Augusto Almeida

10 COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Anexo 3 Testes da componente psicológica (A definir oportunamente)

11 COMISSÃO TÉCNICA PARA AS SELECÇÕES Anexo 4 Testes da componente física De acordo com o Regulamento da CTS (5.e.), são estabelecidos os seguintes requisitos físicos, a vigorar a partir da época ORIENTAÇÃO PEDESTRE Os atletas devem obter os seguintes tempos, em terreno plano pista: Categoria Masculinos Femininos Distância Tempo Distância Tempo Juvenis 4 Km Km Juniores 5 Km Km Seniores 7 Km Km Veteranos I 6 km Km Veteranos II 5 Km Km ORIENTAÇÃO EM BTT (A definir oportunamente) Mafra, 10 de Novembro de 2004 O Presidente da FPO Augusto Almeida

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL REGULAMENTO INTERNO SECÇÃO I COMISSÕES DIRECTIVAS Artigo 1º As Comissões Directivas dependem directamente da Direcção competindo-lhes assegurar as actividades julgadas

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Regulamento Interno Específico ANDEBOL

Regulamento Interno Específico ANDEBOL Instalações Desportivas São consideradas neste regulamento instalações desportivas da CPVV todas as instalações disponibilizadas pela instituição Casa do Povo de Valongo do Vouga. Elementos Desportivos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO

REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 2 2. Classificação dos Praticantes em Regime de Alta Competição... 3 (Portaria nº947/95 de 1 de Agosto) 3. Níveis de Qualificação... 5 4. Critérios

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino

CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino CAMPEONATOS BRASILEIROS CAIXA DE ATLETISMO DE JUVENIS INTERSELEÇÕES LV Masculino e XLIII Feminino Art. 1º - Os CAMPEONATOS BRASILEIROS DE ATLETISMO DE JUVENIS têm por propósito básico a integração nacional,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO Programa Euro-Sénior Depois da Final da Taça do Mundo em 2008 a FPPM volta a receber a elite mundial da modalidade com a organização do Campeonato da Europa de Seniores 2016, o maior evento internacional jamais realizado em

Leia mais

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Protocolo de Estágio Entre AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. e Entre PRIMEIRO: AICEP - Agência para

Leia mais

Regulamento Policiamento. Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016

Regulamento Policiamento. Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016 Regulamento Policiamento Jogos do Campeonato Distrital de Futebol 9 e 7 Feminino / Futsal Feminino da A.F.L. Época 2015 /2016 Índice 1. Introdução... 2 2. Estratégia para Redução de Custos...3 2.1 Policiamento

Leia mais

FPN CADERNO DE ENCARGOS DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. CADERNO DE ENCARGOS COMPETIÇÕES NACIONAIS DE POLO AQUÁTICO Pág. 1 de 1

FPN CADERNO DE ENCARGOS DE COMPETIÇÕES NACIONAIS. CADERNO DE ENCARGOS COMPETIÇÕES NACIONAIS DE POLO AQUÁTICO Pág. 1 de 1 [Type text] [Type text] [Type text] FPN CADERNO DE ENCARGOS DE COMPETIÇÕES NACIONAIS CADERNO DE ENCARGOS COMPETIÇÕES NACIONAIS DE POLO AQUÁTICO Pág. 1 de 1 1. NORMAS GERAIS A atribuição de sedes leva implícito

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015

DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO DESTACAMENTO DE DOCENTES PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO ANO LETIVO 2014/2015 REGULAMENTO Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define as condições de candidatura ao destacamento de docentes para entidades que operam no Sistema Desportivo Regional e regula os procedimentos

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO Nº 05/2005 REGULAMENTO DE CAMPOS DE FÉRIAS ARTIGO 1.º OBJECTIVO 1 O presente regulamento estabelece as regras gerais a observar nos Campos de Férias organizados pela Câmara Municipal de Vila

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE FUTSAL 2007 2008 e 2008-2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO.. 3 1. CONSTITUIÇÃO / IDENTIFICAÇÃO DAS EQUIPAS... 4 2. DURAÇÃO DOS JOGOS... 5 3. A BOLA.. 6 4. CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO.... 6

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA

PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA PROTOCOLO ENTRE A LIGA DE CLUBES DE BASQUETEBOL E O CLUBE NACIONAL DE IMPRENSA DESPORTIVA CAPÍTULO I PRESSUPOSTOS DO PROTOCOLO CLÁUSULA 1ª Partes A Liga de Clubes de Basquetebol e o Clube Nacional de Imprensa

Leia mais

Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de 9.9.1994. REGULAMENTO de COMPETIÇÃO

Utilidade Pública Desportiva - Despacho 49/94, de 9.9.1994. REGULAMENTO de COMPETIÇÃO REGULAMENTO de COMPETIÇÃO Regulamento da Taça de Portugal de ing 2015 INDICE Capitulo I Definição e Âmbito Capitulo II Objectivos e Títulos Capitulo III Categorias e escalões etários integrantes Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores

Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Anexo à deliberação do conselho geral de 10 de maio de 2014 Normas do recrutamento, seleção e contratação dos formadores Artigo 1.º Objeto e âmbito 1 O presente regulamento estabelece o regime de recrutamento,

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES

II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES II ÁGUAS ABERTAS AQUAPOLIS ABRANTES IX CIRCUITO NACIONAL DE ÁGUAS ABERTAS Regulamento 02.Agosto.2009 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO / CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL 0 1. ORGANIZAÇÃO Associação de Natação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA EMBU GUAÇU - ADEG REGIMENTO INTERNO ADEG Home 14 INDICE INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------. 03 1. DEVERES DA ASSOCIAÇÃO ------------------------------------------------------

Leia mais

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I)

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I) Regulamento 2010/2011 Cursos de Treinadores de Futebol (Nível I) 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), através do seu (SF), a quem compete

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL COMUNICADO OFICIAL N.º 023 20.08.2015 Época 2015/16 POLICIAMENTO DESPORTIVO SEGURANÇA A JOGOS PARA TODAS AS COMPETIÇÕES DISTRITAIS ÉPOCA DE 2015/2016 E SEGUINTES Para conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

REGULAMENTO ABRIL/2011

REGULAMENTO ABRIL/2011 REGULAMENTO ABRIL/2011 Regulamento dos Voluntários com Asas Í NDICE Pág. 1. Constituição 2 2. Grupo Dinamizador GD 2.1. Missão.. 2 2.2. Obrigações e Atribuições.. 2 2.3. Funcionamento. 3 3. Membros dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Estas normas são complementadas com a leitura do Regulamento de Filiação de Agentes Desportivos da FPA e do Regulamento Geral de Competições da FPA. Escalões FILIAÇÕES DE ATLETAS Escalão Anos de Nascimento

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES Regulamento n.º 743/2010 OA (2.ª série), de 19 de Julho de 2010 / Conselho Geral da Ordem dos Advogados - Regulamento de Recrutamento,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO INTERNO DE CAMPOS DE FÉRIAS Nota Justificativa A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens é uma das actividades centrais da política do município da Moita na área da juventude

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento)

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Circular n.º 023-A/2014 Portal F.P.T. - Inscrições (Aditamento) Exmo. Sr. Presidente, A Direcção da F.P.T. tem emitido, ao longo dos últimos meses, diversas Circulares, com o objectivo de ir informando,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVAS DE R.C.I.

REGULAMENTO DE PROVAS DE R.C.I. CAPÍTULO I REALIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 1 Organizações As Associações ou Clubes, que pretendam organizar provas, terão que estar filiadas no CPC, devem dirigir o seu pedido ao CPC 4ª Comissão Subcomissão

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012 Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 Documentação Produzida http://prodesporto.idesporto.pt/ Etapas do Processo Referenciais de Formação Geral Referenciais de Formação Específica

Leia mais

DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS

DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS DEPARTAMENTO SELEÇÕES REGIONAIS REGULAMENTO INTRODUÇÃO A forma e desenvolvimento de um praticante com evidência de talento e voca de mérito desportivo excecional justificam a existência de uma estrutura

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010 Senhor Presidente da Mesa da Assembleia-geral Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes Senhores Dirigentes

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Guião: Pagamento de Despesas de Transporte e Ajudas de Custo

Guião: Pagamento de Despesas de Transporte e Ajudas de Custo 2013/ 2014 Sindicato Democrático dos Professores do Sul Villas da Cartuxa Apartado 131 7002-502 Évora Telef. 266 749 660 Fax 266 749668 www.sdpsul.com E-mail: evora@sdpsul.com Guião: Pagamento de Despesas

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES ARTIGO 1 Dos Membros 1- Podem ser membros da MUTUALIDADE

Leia mais

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição

TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição TROFÉU BRASIL CAIXA DE ATLETISMO XXXIII Edição Art. 1º - Art. 2º - Art. 3º - O Troféu Brasil de Atletismo é uma competição realizada anualmente que têm por propósito básico a difusão do Atletismo e a verificação

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: PRIMEIRA: MOVIJOVEM MOBILIDADE JUVENIL, COOPERATIVA DE INTERESSE PÚBLICO DE RESPONSABILIDADE LIMITADA, titular do Cartão de Identificação de Pessoa Colectiva número 502530863,

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA

V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA V. REGULAMENTAÇÃO RELATIVA À HOMOLOGAÇÃO DE RECORDES DE PORTUGAL, RECORDES NACIONAIS E RECORDES NACIONAIS DE ESTRADA A. Homologação de Recordes de Portugal 1. GENERALIDADES Para que uma marca possa ser

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014

MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014 MANUAL DE PROCESSAMENTO DE INSCRIÇÕES DE AGENTES DESPORTIVOS Época 2013/2014 1. INSCRIÇÕES A EFECTUAR OBRIGATORIAMENTE NA FEDERAÇÃO - PO 01 - PO 02 - PO 03 Todos os agentes desportivos, Treinadores e Oficiais,

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

Troféu de Sintra em BTT 2014 REGULAMENTO

Troféu de Sintra em BTT 2014 REGULAMENTO Troféu de Sintra em BTT 2014 REGULAMENTO DIVISÃO DE DESPORTO E JUVENTUDE NÚCLEO DE DESPORTO AVENTURA Versão 10/3/2014 1 INTRODUÇÂO O Ciclismo nas suas diversas variantes e como modalidade desportiva torna-se

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores. UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal

Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores. UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal Normas de Licenciamento de Cursos de Treinadores UEFA Basic /II Grau de Futebol UEFA C / Raízes /I Grau de Futebol I e II Graus de Futsal Aprovadas em reunião da Direção de 5 de Novembro de 2013 Índice

Leia mais

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento O Centro de Alto Rendimento de Atletismo é um espaço vocacionado para o treino de Atletas de Alto Rendimento que ambicionam competir em Campeonatos da

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE ARBITRAGEM

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE ARBITRAGEM FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE ARBITRAGEM Aprovado em Assembleia Geral de 21 de Maio de 2006 CAPÍTULO I Sede, Competência e Âmbito Artigo 1º - O Conselho Nacional e

Leia mais

XXVI TRAVESSIA DOS TEMPLÁRIOS

XXVI TRAVESSIA DOS TEMPLÁRIOS Regulamento 28 Setembro.2014 APROVADO PELA FPN EM 22 DE JULHO DE 2014 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO / CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL 0 1. ORGANIZAÇÃO Associação de Natação do Distrito de Santarém. Associação

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS

MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS MANUAL DE NORMAS E INSTRUÇÕES PARA DELEGADO AO JOGO NOS JOGOS OFICIAIS DOS CAMPEONATOS DISTRITAIS Associação de Futebol de Aveiro 1. INTRODUÇÃO O Delegado ao jogo desempenha uma das funções mais importantes

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013

CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Época de 2013 CRITÉRIOS DE SELECÇÃO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS Época de 2013 Federação Portuguesa de Atletismo, Março 2013 39º CAMPEONATO MUNDO DE CORTA MATO Bydgoszcz, Polónia 24 Março MASCULINOS FEMININOS Seniores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL

CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL CDE - CLUBE DESPORTIVO ESTRELA REGULAMENTO PARA O FUTEBOL ÍNDICE CAPITULO I - PARTE GERAL Artigo 1º - Disposição Geral Artigo 2º - Formação e Competição Artigo 3º - Formação Artigo 4º - Competição Artigo

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

REGULAMENTO I Trilhos de Casainhos

REGULAMENTO I Trilhos de Casainhos 1. ORGANIZAÇÃO O Sporting Clube de Casainhos organiza, no próximo dia 15 DE NOVEMBRO DE 2009, com a colaboração da Câmara Municipal de Loures, da Junta de Freguesia de Fanhões e do Atleta Digital (www.atleta-digital.com),

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

DESPACHO N. GR.O1.04.2011. Alteração do Regulamento Estatuto de Estudante-Atleta da U.Porto

DESPACHO N. GR.O1.04.2011. Alteração do Regulamento Estatuto de Estudante-Atleta da U.Porto DESPACHO N. GR.O1.04.2011 Alteração do Regulamento Estatuto de Estudante-Atleta da U.Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o) do n 1 do artigo 400 dos estatutos da Universidade do Porto,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos Município de Felgueiras. Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Regulamento Do Programa De Voluntariado Social Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define o conjunto de normas a que deve obedecer o Programa Voluntariado Social e Jovem para a Freguesia de Macieira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DESPORTIVO

REGIMENTO INTERNO DESPORTIVO REGIMENTO INTERNO DESPORTIVO A Direcção do Grupo Desportivo e Coral de Fânzeres, em reunião de Direcção de 16 de Junho de 2011, deliberou aplicar o presente Regimento Interno Desportivo. OBJECTO O presente

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016

NORMAS DE ATUAÇÃO ADMINISTRATIVA ÉPOCA 2015-2016 CONTEÚDOS 1. Filiações a. Formulários b. Escalões c. Inscrições Iniciais d. Renovações e. Transferências f. Taxas de Filiação g. Contratos Plurianuais 2. Atletas Estrangeiros 3. Filiações de Atletas Portugueses

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais