estatísticas rápidas - nº dezembro de 2016

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "estatísticas rápidas - nº dezembro de 2016"

Transcrição

1 estatísticas rápidas - nº dezembro de 216

2 Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica 1 Eólica 12 Biomassa 15 Fotovoltaica 16 Comparação internacional 17 Biocombustíveis 18 Contributo das FER 19 Conceitos e abreviaturas 21 Direção-Geral de Energia e Geologia 2

3 A publicação abrange o Continente e as Regiões Autónomas dos Açores e Madeira e pretende acompanhar a utilização da energia proveniente de fontes renováveis. A potência instalada em unidades de produção de energia elétrica a partir de fontes renováveis atingiu MW. Durante o ano de 216, foram instalados 142 MW de potência renovável, dos quais 781 MW correspondem a centrais hídricas. Em 216, o peso da energia elétrica renovável atingiu 61,9% relativamente à produção bruta + saldo importador. De acordo com a metodologia da diretiva 29/28/CE, que estabelece os objectivos a atingir em 22, essa percentagem situou-se em 52%. Os dados de 215 e 216 são provisórios. 3 de março de 217 Direção-Geral de Energia e Geologia 3

4 Produção Produção Anual () Total Renovável Hídrica Grande Hídrica (>3MW) em bombagem PCH (>1 e <=3 MW) PCH (<= 1 MW) Eólica Biomassa c/ cogeração s/ cogeração Resíduos Sólidos Urbanos Fração renovável Biogás Geotérmica Fotovoltaica Total normalizado (Diretiva 29/28/CE) Hídrica normalizada Eólica normalizada Produção Bruta + Saldo Importador % de renováveis (Real) 3,5% 27,6% 35,% 51,1% 45,1% 38,2% 57,4% 61,4% 47,6% 61,9% % de renováveis (Diretiva) 32,4% 34,% 37,5% 4,7% 45,9% 47,6% 49,1% 52,2% 52,6% 52,% 1 Dados provisórios 3 Inclui resíduos vegetais, florestais e licores sulfitivos. 2 Exclui a fração não renovável de RSU. 4 Produção Bruta + Saldo Importador é estimado para 216. Exclui a bombagem. TWh Em 216, constata-se uma subida de 3,7%, na produção de origem FER, relativamente a 215, tendo a hídrica aumentado 72,1%. A forte quebra na produção FER em 212 deveu-se à seca ocorrida nesse ano. Na Região Autónoma dos Açores a produção geotérmica representou, em 215, 24% do total da produção Biomassa+RSU+Biogás Geotérmica Hídrica Eólica Fotovoltaica Produção total normalizada Direção-Geral de Energia e Geologia 4

5 Produção Produção por Região () Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Desconhecido Dados provisórios TWh Cerca de 87% da produção de origem FER ocorre nas regiões Norte e Centro do país Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Produção FER por Distrito e Ilhas em 215,,5 1, 1,5 2, 2,5 3, 3,5 4, Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu R.A. Açores R.A. Madeira TWh Biomassa Hidrica Eólica Outras ( Fotovoltaicas + Geotérmicas + Ondas) Direção-Geral de Energia e Geologia 5

6 Produção Total Renovável Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. dos Açores R.A. da Madeira Produção de energia elétrica renovável por região NUTs II () Produção Mensal () 216 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Total Renovável Hídrica >3MW em bombagem >1 e <=3 MW <= 1 MW Eólica Biomassa c/ cogeração s/ cogeração RSU Fração Renovável Biogás Geotérmica Fotovoltaica jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Biomassa+RSU+Biogás Hídrica Eólica Fotovoltaica Geotérmica Direção-Geral de Energia e Geologia 6

7 Potência Potência Instalada (MW) Total Renovável Hídrica Grande Hídrica (>3MW) PCH (>1 e 3 MW) PCH ( 1 MW) Eólica Biomassa c/ cogeração s/ cogeração Resíduos Sólidos Urbanos Biogás Geotérmica Fotovoltaica FV de concentração dez GW De 27 a dezembro de 216 a tecnologia com maior crescimento em potência instalada foi a eólica (2,8 GW). No entanto em termos relativos a tecnologia que mais cresceu foi a fotovoltaica, tendo evoluido de uma potência instalada residual, para 465 MW Biomassa+RSU+Biogás Hídrica Eólica Fotovoltaica Geotérmica Potência Instalada por Região (MW) Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado Direção-Geral de Energia e Geologia dez

8 Potência Distribuição da potência instalada por tecnologia e NUTs II em 215 GW 4, 3, 2, 1,, Norte Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica MW 4 Açores Hídrica Eólica Geotérmica Biomassa GW 3, 2,5 2, 1,5 1,,5, Centro Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica GW,5,4,3,2,1, Lisboa Eólica Biomassa Fotovoltaica GW 1,,8,6,4,2, Alentejo Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica MW Madeira Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica GW,3,2,2,1,1, Algarve Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica Direção-Geral de Energia e Geologia 8

9 Micro/Mini Produção Micro/Mini Produção Anual (MWh) Total Micro/Mini Micro-Produção Hídrica Eólica Fotovoltaica Mini-Produção Hídrica Eólica Fotovoltaica Biogás Dados provisórios Mini-Produção Micro-Produção O Decreto-Lei 363/27 de 2 de novembro e o Decreto-Lei 34/211 de 8 de março, enquadraram a produção e comercialização de energia elétrica em regime de micro e mini produção respetivamente. De 29 a 215 a taxa média de crescimento anual desta produção foi de 54% Micro/Mini Potência Instalada (kw) Total Micro/Mini Micro-Produção Hídrica Eólica Fotovoltaica Mini-Produção Hídrica Eólica Fotovoltaica Biogás,7,7,7,7 216 dez MW Mini-Produção Micro-Produção Direção-Geral de Energia e Geologia 9

10 Hídrica Produção Hídrica por Bacia Hidrográfica () Potência Inst (MW) Portugal Continente Lima Cávado Douro Mondego Tejo Guadiana Outras R.A. Açores R.A. Madeira TWh A bacia hidrográfica do rio Douro, em 216, foi responsável por 55,2% da produção hídrica. Em julho de 216, entrou em funcionamento a central de Frades II Douro Cávado Tejo Mondego Lima Guadiana Outras Produção hídrica normalizada (diretiva 29/28/CE) Produção Hídrica por Tipo de Aproveitamento () Albufeira Lima Cávado Douro Mondego Tejo Guadiana Fio de Água Lima Cávado Douro Mondego Tejo Guadiana 1 1 Outras Dados provisórios 2 Inclui pequenas albufeiras. Direção-Geral de Energia e Geologia 1

11 Hídrica Produção mensal de energia elétrica por bacia hidrográfica () 3 25 Lima Cávado 5 J F M A M J J A S O N D Douro Mondego J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D Tejo J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D 25 2 Guadiana J F M A M J J A S O N D Direção-Geral de Energia e Geologia 11

12 Eólica Evolução da produção eólica e equipamentos instalados Grande parte dos aerogeradores atualmente instalados, cerca de 4 MW, decorreu entre 25 e 212. Esta tecnologia, desde 213, é responsável pela produção de cerca de 12 TWh/ano MW / # Produção () Produção eólica normalizada () Potência instalada (MW) Nº de aerogeradores (#) Nota: Exclui a micro e a mini produção Produção () Potência instalada (MW) Horas de produção equivalente Nº de parques Nº de aerogeradores Dados provisórios Produção normalizada () Potência instalada 2 (MW) Horas de produção equivalente Média da potência instalada dos últimos 2 anos. Horas de produção equivalente (HPE) em parques com potência instalada estabilizada 3 Potência Instalada (MW) Produção () Total HPE > < HPE < HPE < HPE < HPE < HPE HPE Valores apurados apenas para o Continente. Direção-Geral de Energia e Geologia 12

13 Eólica Produção por Região () Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado 1 Dados provisórios Atualmente, a região Centro é responsável por 5% da produção eólica nacional. Juntando a região Norte este peso elevase para 87% Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Potência Instalada por Região (MW) Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado dez Direção-Geral de Energia e Geologia 13

14 Eólica Distribuição das horas de produção equivalente (HPE) de dezembro/215 a dezembro/216 horas D J F M A M J J A S O N D Continente R.A. Açores R.A. Madeira HPE 1 Nº de parques Potência MW] Continente R.A. Açores R.A. Madeira Dados provisórios horas Norte D J F M A M J J A S O N D HPE: 2198 Nº de parques: 1 Potência Instalada: 2141MW HPE: 2491 Nº de parques: 12 Potência Instalada: 253MW horas Centro D J F M A M J J A S O N D horas Lisboa D J F M A M J J A S O N D HPE: 2764 Nº de parques: 17 Potência Instalada: 13 MW HPE: 2835 Nº de parques: 7 Potência Instalada: 222 MW HPE: 2698 Nº de parques: 12 Potência Instalada: 225 MW horas horas Alentejo D J F M A M J J A S O N D Algarve D J F M A M J J A S O N D Direção-Geral de Energia e Geologia 14

15 Biomassa Produção por Região () Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado 2 1 Dados provisórios Mais de 6% da produção de energia elétrica a partir de biomassa, situa-se na região centro Norte Centro Lisboa R.A. Madeira Potência Instalada por Região (MW) Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado dez Direção-Geral de Energia e Geologia 15

16 Fotovoltaica Produção por Região () Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Não especificado Dados provisórios Em 216, a região do Alentejo foi responsável por 38,9% da produção fotovoltaica nacional. Desde 214, salientase a entrada em funcionamento, de nove centrais fotovoltaicas de concentração, totalizando uma potência de 9 MW Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Madeira Potência Instalada por Região (MW) Portugal Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores 1 1 R.A. Madeira Não especificado dez Média de horas equivalentes de produção Média dos últimos três anos. Horas Equivalentes de Produção Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Madeira Direção-Geral de Energia e Geologia 16

17 Comparação Internacional Produção de energia elétrica em Países da UE (TWh) D% 15/5 Total FER %FER Total FER %FER Total FER Suécia 159, 8,9 5,9% 139,5 1,7 72,1% -12,2% 24% Áustria 63,1 39,9 63,3% 75,4 47,2 62,6% 19,4% 18% Dinamarca 36,8 9,5 25,8% 34,8 17,5 5,2% -5,6% 84% Portugal 53,9 15,3 28,5% 54,7 24,4 44,6% 1,4% 59% Finlândia 7,5 22,9 32,5% 85, 29,9 35,1% 2,5% 3% Espanha 291,5 49,4 17,% 28,4 97, 34,6% -3,8% 96% Itália 293,6 44,1 15,% 328,4 19,6 33,4% 11,9% 148% Alemanha 612,1 61,8 1,1% 63,2 196, 32,5% -1,5% 217% Irlanda 25,7 1,9 7,3% 29,4 7,7 26,3% 14,5% 314% Grécia 59,2 5,9 1,% 57,6 14, 24,3% -2,8% 135% Reino Unido 396,6 15, 3,8% 358,6 83,3 23,2% -9,6% 456% França 57,6 56,7 9,9% 54,1 89,4 17,7% -11,6% 58% Bélgica 93,3 2,1 2,3% 89, 13,9 15,7% -4,6% 562% Holanda 1,2 7,5 7,5% 118,8 13,6 11,5% 18,5% 81% Suécia Áustria Dinamarca Portugal Finlândia Espanha Itália Alemanha Irlanda Grécia Reino Unido Portugal foi, em 215, o quarto país da União Europeia com maior incorporação de energias renováveis na produção de energia elétrica. Esta posição devese ao contributo das fontes hídrica e eólica (84% das FER). França Bélgica Holanda % 5% 1% 15% 2% 25% 3% 35% 4% 45% 5% 55% 6% 65% 7% 75% 8% Hídrica Eólica Biomassa + Biogás Outras (Fotovoltaica + Geotérmica) Produção de energia elétrica noutros países da OCDE (TWh) D% 14/5 Total FER %FER Total FER %FER Total FER Total OCDE 1 461, 1 67,3 16,% 1 821, 2 471,1 22,8% 3,4% 48% Nova Zelândia 42, 27,5 65,5% 44,2 35,4 8,1% 5,2% 29% Canadá 628,2 379, 6,3% 571,9 414,3 72,4% -9,% 9% Turquia 162, 39,9 24,6% 264,1 83,3 31,5% 63,% 19% México 233,7 37,5 16,% 3,7 46,6 15,5% 28,7% 24% Estados Unidos 4 258,3 356,4 8,4% 4 378,3 561,2 12,8% 2,8% 57% Japão 1 49,1 92,8 8,8% 1 14,9 164,8 16,2% -3,3% 77% Austrália 248,2 17,3 7,% 248,7 34, 13,7%,2% 96% Noruega 126, 136,5 18,3% 13,4 141, 18,2% 3,5% 3% Direção-Geral de Energia e Geologia 17

18 Biocombustíveis Produção (ton) Biodiesel Óleos virgens (fame ) Matéria residual Nota: matéria residual inclui óleos vegetais usados e gordura de origem animal. Incorporado (ton) Total Biodiesel Biogasolina nd nd nd Notas: a Biogasolina inclui o Bioetanol incorporado e a fração renovável de BioETBE; as quantidades correspondem a incorporações físicas. A produção e incorporação de biodiesel no gasóleo teve início em 26, com o enquadramento do Decreto-Lei nº 62/26 de 21 de Março. A subida de biogasolina incorporada em 215, resulta dos objetivos expressos no Decreto-Lei 117/21 de 25 de outubro (2,5% em teor energético). kt Produção de biodiesel Biodiesel incorporado Biogasolina incorporada Venda direta ao mercado (ton) Biodiesel Dados provisórios O biodiesel fornecido diretamente ao mercado, corresponde a biodiesel produzido a partir de matéria residual renovável e vendido diretamente a frotas. kt Biodiesel fornecido diretamente ao mercado Direção-Geral de Energia e Geologia 18

19 Contributo Consumo de Energia Primária Carvão Petróleo Gás natural Outros não renováveis Renováveis Contribuição renovável 17,2% 17,4% 19,8% 23,% 21,% 2,5% 24,% 25,9% 22,2% 1 Inclui saldo Importador de energia elétrica e fração não renovável de resíduos. 2 O consumo corresponde a valores reais (não normalizados). Em 215, a contribuição das FER no consumo de energia primária foi de 22,2%. Os principais contributos para as FER, foram da biomassa com 51%, da eólica com 21% e da hidroeletricidade com 17%. Os biocombustíveis contribuiram com 7% para as FER. O Contributo da Energia Renovável no Consumo de Energia Primária 215 Carvão 42,8% Gás natural 18,6% A biomassa inclui lenhas, licores sulfitivos, biogás e 5% de RSU; Outros renováveis inclui solar (térmica e fotovoltaica), geotermia e outros resíduos renováveis Consumo de Energia Final Carvão Petróleo dos quais biocombustíveis Gás natural Outros não renováveis Eletricidade da qual renovável Calor do qual renovável Outras Renováveis Contribuição renovável 2,8% 2,5% 23,9% 26,6% 24,7% 23,7% 29,2% 29,9% 26,5% 14,8% 3 Inclui biomassa, solar térmico, geotermia e biocombustíveis vendidos diretamente ao mercado. Petróleo 1,6% 22,2% Outros não renováveis O Contributo da Energia Renovável no Consumo de Energia Final % Hidroeletricidade Biomassa Outros renováveis 7% 4% 21% Eólicas 17% Biocombustíveis ktep ktep Em 215, a contribuição das FER no consumo final de energia foi de 27%. 5% das FER teve origem na biomassa, seguida da eólica com 22% e da hidroeletricidade com 16%. Os biocombustíveis contribuiram com 8% para as FER. 11% 47% Petróleo Calor não renovável Outros não renováveis 2% 13% 27% Gás Natural Eletricidade não renovável Renováveis 5% 8% 4% 16% Hidroeletricidade Eólicas Biomassa Biocombustíveis Outros renováveis 22% Direção-Geral de Energia e Geologia 19

20 Contributo Contributo das FER no consumo final bruto de energia (ktep) Consumo final bruto de energia (CFBE) Contributo FER Eletricidade Aquecimento e arrefecimento Transportes Peso das FER no CFBE 21,9% 22,9% 24,4% 24,2% 24,6% 24,6% 25,7% 27,% 28,% 1 De acordo com a metodologia da Diretiva 29/28/CE. A diretiva comunitária 29/28/CE fixa um objetivo para incorporação de FER no consumo final bruto de energia até 22, que é de 31% para Portugal, cujo contributo provêm do setor de produção de eletricidade, no aquecimento e arrefecimento nos setores da indústria, de serviços e doméstico e ainda nos Transportes (1%). A partir de 211, apenas os biocombustíveis produzidos a partir de matéria residual e os biocombustíveis com certificado de origem, são considerados no cálculo. 33% 3% 27% 24% 21% 18% 15% Objetivo da diretiva 29/28/CE para 22 Contributo FER no CFBE Produção Anual de Energia Renovável (ktep) Total Renovável Biocombustíveis Biomassa Lenhas e resíduos vegetais/florestais Licores Sulfítivos Pellets e briquetes nd nd nd Biogás Outra biomassa Outros renováveis Inclui fração renovável de RSU. 3 Inclui solar térmico e geotermia de baixa entalpia. Mtep Cerca de 54% da produção renovável provém da biomassa. Em 215, cerca de 62% da biomassa foi transformada em outras formas energéticas, nomeadamente em centrais termoelétricas e em centrais de cogeração Biomassa Biocombustíveis Outros renováveis Direção-Geral de Energia e Geologia 2

21 Conceitos, Siglas e Abreviaturas Conceitos Saldo importador - Diferença entre a energia elétrica importada e a exportada. Ano Móvel - É o período que compreende doze meses, independente do mês de início. Quando um evento acontece num mês do ano atual, os resultados do mesmo mês no ano anterior são eliminados. Central hidroelétrica de albufeira - Central hidroelétrica cuja alimentação pode ser regulada graças a uma albufeira. São habitualmente implantadas nos rios das regiões montanhosas. Central hidroelétrica a fio de água - Central hidroelétrica num curso de água, sem albufeira reguladora de volume significativo. Localizam-se normalmente em cursos de água de declive pouco acentuado, nos quais os caudais disponíveis são elevados. Potência instalada - Valor correspondente à soma das potências nominais dos equipamentos. Potência instalada estabilizada - Corresponde à potência instalada, quando a produção de energia elétrica provém de uma ou mais centrais cuja potência instalada não variou no período em análise. Horas de produção equivalentes - Número de horas que uma central de produção de energia elétrica necessita funcionar num regime equivalente à potência nominal, para produzir determinada quantidade de energia elétrica. Hídrica/Eólica corrigida - No cálculo da contribuição da energia hidroeléctrica e eólica para os fins da Diretiva 29/28/CE, os efeitos das variações climáticas deverão ser atenuados através da utilização da metodologia de normalização constante dos anexos da Diretiva. Micro/Mini produção - é a atividade de produção de eletricidade em baixa tensão para consumo próprio, com possibilidade de entrega de energia à rede elétrica pública. Esta produção de eletricidade tem por base as chamadas energias renováveis. Siglas/abreviaturas CFBE - Consumo Final Bruto de Energia FAME - Fatty Acid Methyl Esters (ésteres metílicos de ácidos gordos) FER - Fontes de Energia Renováveis INE - Instituto Nacional de Estatística PCH - Pequenas Centrais Hídricas OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico UE - União Europeia NUT s II -Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos (Versão V521 de 22 do INE) RSU - Resíduos Sólidos Urbanos Unidades de medida kw Watt kwh - Quantidade de energia elétrica produzida numa hora, por um gerador debitando em contínuo a potência de 1kW MW Watt tep - Tonelada Equivalente de Petróleo. Corresponde a 1 7 kcal ktep tep. Watt - Unidade de potência do Sistema Internacional (W) Fontes DGEG - Direção Geral de Energia e Geologia REN - Rede Elétrica Nacional EDA - Empresa de Eletricidade dos Açores EEM - Empresa de Eletricidade da Madeira Site da Direção Regional da Estatística da Madeira (dados mensais) Direção-Geral de Energia e Geologia 21

estatísticas rápidas - nº julho de 2017

estatísticas rápidas - nº julho de 2017 estatísticas rápidas - nº 53 - julho de 27 Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica Eólica

Leia mais

estatísticas rápidas - nº novembro de 2017

estatísticas rápidas - nº novembro de 2017 estatísticas rápidas - nº 57 - novembro de 27 Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica

Leia mais

estatísticas rápidas - nº junho de 2014

estatísticas rápidas - nº junho de 2014 estatísticas rápidas - nº 112 - junho de Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica 1 Eólica

Leia mais

estatísticas rápidas - nº janeiro de 2018

estatísticas rápidas - nº janeiro de 2018 estatísticas rápidas - nº 59 - janeiro de 28 Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Produção descentralizada

Leia mais

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR A Valorização do Território e as Energias Renováveis Guarda Maio de 2011 Energia Eólica Álvaro Rodrigues Energia e desenvolvimento (clima, território, etc.) Cultura energética dominante o petróleo e os

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

ENERGIA EM PORTUGAL. Principais Números

ENERGIA EM PORTUGAL. Principais Números ENERGIA EM PORTUGAL Principais Números Fevereiro de 217 CONSUMO DE ENERGIA PRIMÁRIA (ktep) 3 25 2 15 1 5 Carvão Petróleo GN Saldo Imp. En. Elétrica Renováveis 26 27 28 29 2 1 2 11 2 12 2 13 2 14 2 15 3

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2016 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2015 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético

BALANÇO ENERGÉTICO. Sintético BALANÇO ENERGÉTICO Sintético 2014 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESTAQUE... 4 BALANÇO ENERGÉTICO... 5 EVOLUÇÃO DO BALANÇO ENERGÉTICO... 6 EVOLUÇÃO POR FORMA DE ENERGIA... 7 CARVÃO... 7 PETRÓLEO E DERIVADOS...

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Nesta operação de Inquérito recensearam-se investigadores, num total de pessoas a trabalhar em actividades de I&D.

Nesta operação de Inquérito recensearam-se investigadores, num total de pessoas a trabalhar em actividades de I&D. RECURSOS HUMANOS EM I&D IPCTN 1999 Os recursos humanos em actividades de I&D Nesta operação de Inquérito recensearam-se 28.375 investigadores, num total de 36.872 pessoas a trabalhar em actividades de

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares Site:

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares   Site: FONTES ENERGÉTICAS Prof. Dr. Adilson Soares E-mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br MATRIZ ENERGÉTICA Brasil e mundo Matriz Energética - Glossário Matriz Energética: Demanda total

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Janeiro de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Em janeiro de 218, as energias renováveis representaram 47,7 % do total da produção de

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO 2017

BALANÇO ENERGÉTICO 2017 2017 Notas Explicativas O Balanço Energético (BE) é um mapa de dupla entrada, no qual figuram em coluna as formas de energia utilizadas e em linha os diversos movimentos ou operações de transformação associados

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO 2015

BALANÇO ENERGÉTICO 2015 1/7 DireçãoGeral de Energia e Geologia Notas Explicativas 2015 O Balanço (BE) é um mapa de dupla entrada, no qual figuram em coluna as formas de energia utilizadas e em linha os diversos movimentos ou

Leia mais

Balanço Energético da Região Autónoma da Madeira. 2014Po (Continua)

Balanço Energético da Região Autónoma da Madeira. 2014Po (Continua) Balanço Energético da Região Autónoma da Madeira 204Po (Continua) Unid: tep Petróleo Bruto Refugos e Produtos Intermédios GPL Gasolinas Petróleos Jets Gasóleo Fuelóleo Nafta Coque de Petróleo Petróleo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Base de Dados MOPE. Farmácias: Insolvência e Penhora. Dezembro de 2012 a Dezembro de Janeiro 2018

Base de Dados MOPE. Farmácias: Insolvência e Penhora. Dezembro de 2012 a Dezembro de Janeiro 2018 Base de Dados MOPE Farmácias: Insolvência e Penhora Dezembro de 2012 a Dezembro de 2017 Inovar e Liderar a Avaliação do Medicamento e da Saúde Janeiro 2018 Base de Dados MOPE Dezembro de 2012 a Dezembro

Leia mais

A APREN e as Universidades

A APREN e as Universidades A APREN e as Universidades A Importância da Biomassa no Contexto Energético Nacional Comemoração do Dia Internacional das Florestas 15:00 15:10 Abertura 5 de abril de 2016 Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Prospeção, pesquisa e exploração de recursos minerais na Região Norte. Paulo Pita. Porto 29 de outubro de 2018

Prospeção, pesquisa e exploração de recursos minerais na Região Norte. Paulo Pita. Porto 29 de outubro de 2018 Prospeção, pesquisa e exploração de recursos minerais na Região Norte Paulo Pita Porto 29 de outubro de 2018 Direção Geral de Energia e Geologia - DGEG Energia Combustíveis Recursos Geológicos Direção

Leia mais

% & %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

% & %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% !! " $ % % & %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%% % $ %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%' (% %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%)

Leia mais

DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS

DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS DADOS IBÉRICOS BALANÇO ENERGÉTICO ktep 1 16 1 16 Consumo de Energia Primária 22 6 21 684-2% 122 236 123 242 1% Petróleo 9 447 9 17-3% 2 434 4 633 4% Carvão 3 29 2 848-13% 13 686 442-24%

Leia mais

FÓRUM PARLAMENTAR DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2018 A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

FÓRUM PARLAMENTAR DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2018 A SEGURANÇA RODOVIÁRIA FÓRUM PARLAMENTAR DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2018 A SEGURANÇA RODOVIÁRIA Jorge Jacob Lisboa, 08 de maio de 2018 Agenda: 1 A Sinistralidade Rodoviária em 2017 e a sua Evolução 2 O Enquadramento Europeu e Comunitário

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA ENERGIA SOLAR NO

A INTEGRAÇÃO DA ENERGIA SOLAR NO A INTEGRAÇÃO DA ENERGIA SOLAR NO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Seminário "A Energia Solar - o novo motor de crescimento das renováveis" Lisboa, 17 de Março de 2016 José Medeiros Pinto ÍNDICE 1. Quem somos

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor

Painel 6 Expansão das Energias Renováveis. Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Painel 6 Expansão das Energias Renováveis Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Belo Horizonte, MG 04 Junho 2014 Expansão das Energias Renováveis no Brasil AGENDA 1 Panorama

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Energia - É a capacidade de realizar trabalho. aquilo que permite a mudança a na configuração

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de agosto caracterizou-se por produtibilidade hidroelétrica, que atingiu temperaturas extremamente

Leia mais

Eletricidade Renovável Em Revista

Eletricidade Renovável Em Revista Eletricidade Renovável Em Revista Portugal conseguiu alcançar uma posição de referência a nível mundial no que respeita à integração de energias renováveis no setor da eletricidade. A APREN, como associação

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho Vice-presidente da APREN Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Hélder Serranho, APREN Índice Enquadramento

Leia mais

ADMINISTRADORES JUDICIAIS

ADMINISTRADORES JUDICIAIS ANUAL 0 Nota introdutória Cabendo à Comissão para o Acompanhamento dos Auxiliares da Justiça (CAAJ), no quadro da divulgação da atividade dos auxiliares da justiça (artigo.º da Lei n.º /0, de de novembro),

Leia mais

A Energia Eólica: Presente e Futuro

A Energia Eólica: Presente e Futuro Ciclo de mesas redondas A APREN e as Universidades Dia Mundial do Vento A Energia Eólica: Presente e Futuro Escola de Engenharia da Universidade do Minho 15 de junho de 2018 A Energia Eólica: Presente

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Abril de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O passado mês de abril apresentou temperaturas elevadas e uma fraca pluviosidade, em

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal 1º Semestre de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do Setor Elétrico no 1º Semestre de 218 As energias renováveis representaram

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL PARA A DESCARBONIZAÇÃO DA ECONOMIA ANTÓNIO SÁ DA COSTA LISBOA, 17 DE MARÇO DE 2017 EVOLUÇÃO DO SETOR ELETROPRODUTOR PORTUGUÊS 2 EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis António Sá da Costa Lisboa, 18 de Junho de 2015 ENERGIA EM PORTUGAL 4 VISÃO GLOBAL

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 05-02 a 11-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

Opções de utilização da biomassa florestal

Opções de utilização da biomassa florestal utilização da biomassa florestal no nergético de Luís Manuel de Aguiar Teixeira Orientador: Prof. Vítor Leal nergético de Paradigma energético actual assente essencialmente nas Fontes Fósseis Consumo mundial

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 05-03 a 11-03- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Dezembro de 217 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do ano de 217 Um dos quatro anos mais quentes desde 1931. Mais 25 % de emissões

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

VERSÃO 1.0 DEZEMBRO2014

VERSÃO 1.0 DEZEMBRO2014 DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS MENSAIS DE ENERGIA ELÉTRICA VERSÃO 1.0 DEZEMBRO2014 Designação da operação estatística: Estatísticas Mensais de Energia Elétrica Sigla da operação estatística: - Código

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO I. ESTATÍSTICAS DE IMIGRAÇÃO DE PAÍSES DA OCDE % estrangeiros por total de população residente em países da OCDE País 1992 1995 1998 2001 2002 Áustria 7,9 8,5 8,6 8,8 8,8 Bélgica

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

estatísticas rápidas - nº novembro de 2013

estatísticas rápidas - nº novembro de 2013 estatísticas rápidas - nº 12 - novembro de 213 Índice Destaque 3 Mercado Interno 4 Consumo Global 4 Produtos do Petróleo 4 Combustíveis Rodoviários 5 Gasóleos Coloridos e Fuel 6 GPL 7 Gás Natural 7 Carvão

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S PER S OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de PER s registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por Sector de Atividade e

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 215 Eletricidade de origem renovável em Portugal Portugal Continental A caminho do fim do Verão, Portugal continental contínua com valores de quantidade de precipitação

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A rotulagem de energia eléctrica tem como principal objectivo informar os cidadãos sobre as fontes energéticas primárias utilizadas na produção

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Comissão de Economia e Obras Públicas Audição sobre a evolução do preço dos combustíveis em Portugal

Comissão de Economia e Obras Públicas Audição sobre a evolução do preço dos combustíveis em Portugal Comissão de Economia e Obras Públicas Audição sobre a evolução do preço dos combustíveis em Portugal Lisboa, 27 de janeiro de 2015 Principais mensagens (1/2) 1 2 3 4 5 6 7 8 Para efeitos de esclarecimento

Leia mais

O Alentejo e a Produção Energética a Partir de Fontes Renováveis

O Alentejo e a Produção Energética a Partir de Fontes Renováveis O Alentejo e a Produção Energética a Partir de Fontes Renováveis 0 O Alentejo e a Produção Energética a Partir de Fontes Renováveis No Alentejo, a energia corresponde a um dos setores mais importantes,

Leia mais

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA CASA DO POVO DE VALONGO DO VOUGA A Rotulagem de energia eléctrica pretende informar o consumidor sobre as fontes primárias utilizadas e emissões atmosféricas, associadas

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Energia Eólica Setembro 2016

Energia Eólica Setembro 2016 Energia Eólica Setembro 2016 2 3 4 12 ton. / pá BRASIL: 5.432 aerogeradores construídos 5 Associados 6 Panorama do Setor Eólico Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada) --------------------

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS

OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS INSOLVÊNCIAS OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Insolvências registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por Sector

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números Turismo Interno Mercados em Números 1 Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Constituições Constituições vs dissoluções naturais Mensal Acumulado Mensal Acumulado Dissoluções

Leia mais

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe MINISTERIO DE INFRAESTRUTURAS RECURSOS NATURAIS E ENERGIA Direção Geral dos Recursos Naturais e Energia Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Junho de 2015 Sumário Introdução : Energias renováveis

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Fevereiro de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Até ao final de fevereiro a eletricidade de origem em fontes renováveis foi equivalente

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST AÇÕES JUDICIAIS

OBSERVATÓRIO INFOTRUST AÇÕES JUDICIAIS AÇÕES JUDICIAIS OBSERVATÓRIO INFOTRUST AÇÕES JUDICIAIS O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Ações Judiciais registadas em território nacional, com segmentação Geográfica

Leia mais

estatísticas rápidas - nº dezembro de 2013

estatísticas rápidas - nº dezembro de 2013 estatísticas rápidas - nº 13 - dezembro de 213 Índice Destaque 3 Mercado Interno 4 Consumo Global 4 Produtos do Petróleo 4 Combustíveis Rodoviários 5 Gasóleos Coloridos e Fuel 6 GPL 7 Gás Natural 7 Carvão

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional 24 de Março de 2017 Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 10:00 10:10 10:10 10:30 10:30 10:50 Abertura Prof. Dr. Luís Neves,

Leia mais

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE NO MUNDO - 2016 Fonte: REN 21 - Renewables 2017 Global Status Report 2 POTÊNCIA RENOVÁVEL INSTALADA NO MUNDO - 2016 (EXCLUINDO

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2017 Prof. Alceu Ferreira Alves http://www4.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu/2379teo.htm Energia O que é Energia? Energia se cria? sistema físico isolado?

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 03 B A R Ó M E T R O DISTRITAL

01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 03 B A R Ó M E T R O DISTRITAL J U L H O 2 0 1 7 DINÂMICA DO TECIDO EMPRESARIAL D A D O S M E N S A I S J U N H O D E 2 0 1 7 01 A N Á L I S E DE TENDÊNCIAS 02 B A R Ó M E T R O SETORIAL Dados do mês Nascimentos Encerramentos Insolvências

Leia mais

IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99

IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 IPCTN.99 Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional S u m á r i o s e s t a t í s t i c o s S u m á r i o s e s t a t í s t i c o s S u m á r i o s e s t a t í

Leia mais

'( ((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((#

'( ((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((# ! " #$ $ % ( '( ((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((# #( (((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((() *( " ((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((('#

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Maio de 217 [GW] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de maio teve uma precipitação regular e apresentou temperaturas muito altas, em

Leia mais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais

As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Estatísticas do Comércio Internacional Novembro 09 de janeiro de 2017 As exportações e importações aumentaram 7,6% e 8,4%, respetivamente, em termos nominais Em novembro de, as exportações e as importações

Leia mais

ALGUNS NÚMEROS SOBRE O PROBLEMA ENERGÉTICO DE PORTUGAL

ALGUNS NÚMEROS SOBRE O PROBLEMA ENERGÉTICO DE PORTUGAL 1 ALGUNS NÚMEROS SOBRE O PROBLEMA ENERGÉTICO DE PORTUGAL Pretende-se que o leitor interessado nesta matéria, venha a ter uma visão simples e integrada da questão energética do país, num passado recente

Leia mais

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA PROMOVIDO PELA: ORDEM DOS ENGENHEIROS ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA CARLOS ALEGRIA

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. a 29 de fevereiro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS a 29 de fevereiro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de fevereiro, à semelhança do anterior, continua a evidenciar o forte potencial das fontes

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2016 Prof. Alceu Ferreira Alves www.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu Energia O que é Energia? Energia se cria? sistema físico isolado? 2379EE2 Energia Solar

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil

Seminário Internacional Portugal Brasil Seminário Internacional Portugal Brasil Diversidades e Estratégias do Sector Eléctrico A Energia Hidroeléctrica no Actual Contexto do Mercado Ana Cristina Nunes Universidade do Minho Guimarães, 17 de Fevereiro

Leia mais

Nov de Principais Indicadores de Sinistralidade Continente. Observatório de Segurança Rodoviária. Relatório - Mensal

Nov de Principais Indicadores de Sinistralidade Continente. Observatório de Segurança Rodoviária. Relatório - Mensal Nov de Principais Indicadores de Sinistralidade Continente Observatório de Segurança Rodoviária 1 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 EVOLUÇÃO 28-... 4 1. Acidentes com vítimas no período de Jan a Nov... 4 2. Vítimas

Leia mais

Evolução das remunerações médias mensais

Evolução das remunerações médias mensais Evolução das remunerações médias mensais 1991-2012 (distritos e regiões autónomas) BREVE NOTA INTRODUTÓRIA As remunerações médias apresentadas neste documento, resultaram do tratamento estatístico da informação

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Edição Mensal Abril de 218 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Destaques do Setor Elétrico em Abril de 218 Preço médio da eletricidade no mercado spot do

Leia mais

A Hidroeletricidade em Portugal Perspetivas Futuras

A Hidroeletricidade em Portugal Perspetivas Futuras A Hidroeletricidade em Portugal Perspetivas Futuras 3 de Outubro de 2017 Instituto Superior Técnico 15:00 15:10 Abertura Prof. António Heleno Cardoso, Presidente do Departamento de Engenharia Civil do

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003

ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Informação à Comunicação Social 21 de Fevereiro de 2003 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (*) E ÍNDICE HARMONIZADO DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Janeiro de 2003 Tema: Economia e Finanças Preços no consumidor aumentam

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Março 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Março 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Março 2016 Consumo mensal [TWh] Consumo 1º Trimestre [TWh] ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O primeiro trimestre de 2016 caracterizou-se do ponto de

Leia mais