QUITETURA AVANÇADA DE SISTEMAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUITETURA AVANÇADA DE SISTEMAS"

Transcrição

1 QUITETURA AVANÇADA DE SISTEMAS CLOUD PROGRAMMING ICARDO MENDÃO SILVA RMSILVA AT UAL DOT PT MARÇO 2015

2 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

3 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS As máquinas virtuais podem ser utilizadas para partilhar recursos computacionais, tanto de modo flexível como seguro. A Amazon tem sido líder no fornecimento de Cloud Pública, nomeadamente através de recursos IaaS (http://aws.amazon.com ). A arquitetura da Amazon assenta nos seguintes blocos: EC2 (Elastic Compute Cloud) fornece platformas virtualizadas. S3 (Simple Storage Service) Fornece armazenamento orientado a objetos. EBS (Elastic Block Service) - Fornece uma interface para um bloco de armazenamento, que pode ser utilizado pelas aplicações tradicionais. SQS (Simple Queue Service) Garante a troca de mensagens entre dois processos com fiabilidade.

4 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS

5 As ofertas da AWS resumem- se a: SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS

6 As ofertas da AWS resumem- se a (continuação): SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS

7 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS A Amazon tem um serviço denominado ELB (Elastic Load Balancing) que é responsável por distribuir todo o tráfego de entrada pelas várias instâncias EC2 disponíveis, permitindo evitar nós não- operacionais e implementando balanceamento de carga. Tanto o auto- escalamento e o ELB são ativados pelo CloudWatch que monitoriza as instâncias em execução. O CloudWatch é um web service que fornece monitorização aos recursos do AWS. Fornece aos clientes a visualização sobre a utilização de recursos, performance operacional e padrões de utilização genéricos, tais como CPU, discos e trafego de rede (tal como o vclient no TL1).

8 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS

9 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS Tal como o Azure, a Amazon oferece bases de dados relacionais RDS (Relationship Database Service). AWS Import/Export permite a transmissão de grandes volumes de dados entre EC2. A Amazon CloudFront implementa uma rede de conteúdos distribuída. A Amazon DevPay é um serviço simples de pagamentos e gestão de contas on- line, que facilita a comercialização de aplicações implantadas no AWS.

10 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS PLATAFORMA AWS O FPS (Flexible Payments Service) fornece aos programadores de sistemas comerciais no AWS uma forma conveniente para taxar os clientes que utilizam tais sistemas sobre AWS. Com FPS os clientes podem pagar com os mesmos recursos e credenciais que utilizam no site da Amazon. O FWS permite que a Amazon controle todo o sistema de venda e shipping de produtos em nome dos fornecedores tradicionais.

11 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

12 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) A Amazon foi a primeira empresa a introduzir VMs disponibilizadas como serviço. Desde então, os clientes podem alugar VMs em vez de máquinas físicas para executar as suas aplicações. Ao utilizar VMs os utilizadores podem instalar e utilizar qualquer software sobre estas. A elasticidade deste tipo de serviço é que um cliente pode criar, iniciar e terminar instâncias de servidores consoante as necessidades, pagando os servidores ativos por hora. A Amazon fornece uma série de VMs pré- instaladas. Essas instâncias são geralmente chamadas Amazon Machine Images (AMIs).

13 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) Existem AMIs configuradas com diferentes sistemas operativos, Linux e Windows, e pré- configuradas com diverso software aplicacional. Existem três tipos de AMIs: Tipo de imagem Definição da AMI AMI Privada Imagens criadas pelo utilizador, que são privadas por defeito. Podem ser dadas permissões a outros utilizadores para iniciar estas imagens privadas. AMI Pública Imagens criadas pelo utilizador e partilhadas com a comunidade AWS. AMI Pagas O utilizador pode criar AMI específicas e cobrar pelo uso das mesmas a outros utilizadores.

14 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) As AMIs são assim o template para instâncias de VMs. O fluxo necessário para criar uma VM é o seguinte: Criar uma AMI - > Criar um par de chaves - > Configurar a firewall - > lançar. Essa sequência é suportada por AMIs públicas, privadas e pagas. As AMIs são formadas a partir da virtualização de capacidade computacional, de armazenamento e outros recursos de servidores.

15 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2)

16 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) As instâncias definidas no IaaS da Amazon são diversas, classificadas em cinco tipos: Standard instances são máquinas típicas razoáveis para qualquer aplicação. Micro instances fornece um pequeno número de recursos de CPU consistentes e permite aumentar a capacidade de CPU quando existe essa disponibilidade. São aconselhados para aplicações com poucos requisitos e web sites com ciclos de computação periódicos. High- memory instances oferece muita memória para aplicações exigentes, incluíndo bases de dados e aplicações de caching.

17 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) As instâncias definidas no IaaS da Amazon são diversas, classificadas em cinco tipos (continuação): High- CPU instances são máquinas com mais CPU que RAM e desenhadas para alta computação. Cluster computer instances fornecem proporcionalmente recursos de CPU com performance de rede aumentada, sendo dirigidos para HPC high- performance computing. Tipicamente utilizam interligações 10GBps.

18 RESUMO EC2 (2010) SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2)

19 RESUMO PREÇO EC2 (2010) SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2)

20 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

21 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) O serviço Amazon S3 fornece uma simples interface web service que pode ser utilizada para guardar e descarregar qualquer quantidade de dados, em qualquer lugar, em qualquer altura. O S3 fornece um serviço de armazenamento orientado a objetos. Os utilizadores podem aceder aos seus objetos através do protocolo SOAP, através dos browsers ou de qualquer outra aplicação que suporte o mesmo. Para além de SOAP, REST é também suportado. SQS (Simple Queue Service) é responsável por garantir um serviço de mensagens fiável entre dois processos, mesmo quando o receptor não está em execução.

22 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3)

23 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) A unidade de operação fundamental do S3 é chamada objeto. Cada objeto é guardado num balde (bucket) e acessível através de uma única chave. Noutras palavras o bucket é o container do objeto. Para além da chave única, o objeto tem outros atributos, tais como, valores, metadados e informação de controlo de acesso. Da perspectiva do programador, o fornecedor de armazenamento S3 pode ser visto como um par chave- valor.

24 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) Através da interface de programação <chave, valor> os utilizadores podem escrever, ler e eliminar objetos contendo desde 1 byte até 5 GB de dados cada. Como mencionado anteriormente, existem dois tipos de interfaces distintas para acesso aos serviços: REST SOAP As propriedades do S3 são as seguintes: Redundância através de dispersão geográfica. Desenhado para fornecer % de durabilidade e 99.99% de disponibilidade dos objetos/ano, considerando o modelo de redundância mais barato Reduced redundancy storage (RRS).

25 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) As propriedades do S3 são as seguintes (continuação): Mecanismos de autenticação para garantir que os dados são mantidos seguros de acessos não autorizados. Os objetos podem ser tornados privados ou públicos e podem ser administrados direitos por utilizador. ACLs e URLs por objeto. O HTTP é o protocolo de download por defeito. Existe ainda uma interface BitTorrent, que permite melhor performance em sistemas largamente distribuídos.

26 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) As propriedades do S3 são as seguintes (continuação): $ (para mais de 5, 000 TB) até 0.15 por GB/mês. O primeiro GB de tráfego por mês é grátis. A partir dai tem um custo de $0.08 a $0.15 por GB transferido para fora da região S3. Não existe cobrança para transferências entre EC2 e S3 dentro da mesma região ou para dados transferidos entre Amazon EC2 Northern Virginia e Amazon S3 U.S. Standard region, entre outras.

27 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

28 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) O Elastic Block Store (EBS) fornece interfaces para guardar e restaurar imagens virtuais de instâncias EC2. Tradicionalmente as instâncias de EC2 seriam destruídas depois de utilizadas. Com EBS é possível guardar o estado dos EC2, mesmo depois da máquina ser desligada. Os utilizadores podem utilizar o EBS para guardar dados persistentes e montar nas instâncias EC2 em execução. Denote- se, que o S3 é Storage as a Service com uma interface de mensagem. O EBS é semelhante a um sistema de ficheiros distribuído, com acesso tradicional pelo Sistema Operativo.

29 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) O ESB permite criar diferentes volumes de armazenamento desde 1 GB até 1 TB, que podem ser montados em instâncias EC2. Múltiplos volumes podem ser montados na mesma instância. Esses volumes de armazenamento funcionam como disco raw, não formatados, com o nome fornecido pelo utilizador e uma interface típica de acesso via SO. É possível criar um sistema de ficheiros nesses volumes de armazenamento ou utiliza- los de qualquer outra forma.

30 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) São fornecidos Snapshots de modo a que os dados possam ser guardados incrementalmente. Deste modo é garantida a performance tanto do backup como do restore. Em termos de preço a Amazon fornece um pay- per- use similar ao EC2 e S3. A cobrança é efetuada com base na quantidade de GB alocados, com um preço a rondar os $0.10 por GB/mês. O EBS cobra ainda $0.10 por 1 milhão de pedidos I/O efetuados sobre o volume. Em clouds OpenSource existe um equivalente ao EBS, nomeadamente o Nimbus.

31 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

32 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS SIMPLEDB O SimpleDB fornece um modelo de dados simplificado baseado em modelos de bases de dados relacionais. Os dados estruturados devem ser organizados em domínios. Cada domínio pode ser considerado uma tabela. Os items são as linhas da tabela. Uma célula na tabela é reconhecida como o valor de um atributo específico (nome da coluna) na linha correspondente. Ou seja, isto é semelhante a uma tabela numa base de dados relacional. Porém, é possível atribuir mais do que um valor a cada célula da tabela. Tal não é permitido numa base de dados relacional tradicional, uma vez que se prevalece a consistência dos dados.

33 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS SIMPLEDB Muitos developers simplesmente querem rapidamente guardar, aceder e pesquisar dados guardados. SimpleDB remove o requisito em manter esquemas de bases de dados com forte consistência. SimpleDB custo $0.140 por SimpleDB/hora, com as primeiros 25 horas/mês grátis. SimpleDB, tal como o Azure Table, pode ser chamado de LittleTable, uma vez que são desenhadas para lidar com pequenas quantidades de dados.

34 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

35 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE Em 2008 a Microsoft lança a plataforma Windows Azure para apanhar o comboio da Could. O Azure foi desenvolvido sobre os centros de dados da Microsoft, com recurso às tecnologias da mesma, Windows OS e Hyper- v. As aplicações são instaladas em VMs que são implantadas nos centros de dados. O Azure gere todos os servidores, armazenamento e recursos de rede dos centros de dados. No topo de toda a infraestrutura existem uma série, crescente, de serviços disponibilizados.

36 O Azure assenta na seguinte plataforma de serviços SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE

37 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A plataforma Azure fornece uma serie de serviços ao nível da cloud, entre os quais: Live service.net service SQL Azure Sharepoint service Dynamic CRM service Os utilizadores podem ou não utilizar estes serviços, ou seja, as suas aplicações podem assentar nestes ou diretamente no Windows Azure. A platforma Azure fornece estes serviços tanto em REST como em SOAP

38 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE Na imagem que se segue esse modelo é detalhado, incluindo o SQLAzure e os subsistemas de armazenamento e programação.

39 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE Focando no essencial, podemos verificar que primeiro temos o Azure fabric, que consiste no hardware virtualizado juntamente com um avançado ambiente de controlo que implementa a alocação dinâmica de recursos e tolerância a falhas. O Fabric implementa ainda DNS e capacidades de monitorização para os recursos suportados. Quando o sistema está em execução, os serviços são monitorizados, permitindo a consulta de logos de eventos, dados de debug, contadores de performance, logos do IIS, crash dumps entre outros logs. Essa informação pode ser guardada no próprio Azure.

40 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE As propriedades básicas do Azure podem ser divididas entre armazenamento e computação. O Azure está ligado à Internet através de VMs customizadas, chamadas web role, que suportam as propriedades base do web hosting Microsoft. Para além dessas VMs existem outras máquinas de suporte que não têm capacidade de web server e servem somente para processamento de trabalhos. A estas denomina- se de worker role. A comunicação com os roles é realizada via HTTP(S) e TCP.

41 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE Os roles oferecem os seguintes métodos: OnStart() é chamado pelo fabric no arranque, permitindo executar tarefas de inicialização. OnStop() é invocado quando o role está a ser desligado. Run() contem a lógica principal do role. Os roles podem ser balanceados consoante a carga.

42 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

43 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE SQLAZURE O Azure oferece soluções de armazenamento bastante interessantes e diversas, como podemos verificar na figura anterior. O AzureSQL oferece SQL Server as a Service, com todos os métodos acessíveis via interfaces REST. Para além desses métodos, implementa um sistema semelhante ao Amazon EBS denominado Drives. As interfaces REST são automaticamente associadas a URLs e todo o armazenamento é replicado três vezes para garantir tolerância a falhas e consistência no acesso.

44 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE SQLAZURE O sistema de armazenamento básico é construído por blobs (binary large object) o que o torna análogo ao S3 da Amazon. Os Blobs são organizados numa hierarquia a três níveis: Account - > Containers - > Page or Block Blobs Os containers são análogos às diretorias dos sistemas tradicionais, com o account a funcionar como a raiz. O Block Blob é utilizado para o streaming de dados, com cada blob constituído por sequências de blocos de 4 MB cada e identificadores de 64 bytes. Os Block Blob podem chegar aos 200 GB.

45 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE SQLAZURE Page blobs são utilizados para leituras e escritas aleatórias e consistem num array de páginas com um blob máximo de 1 TB. As mesmas podem associar metadados aos blobs, com pares <nome, valor>, ocupando 8 KB por blob.

46 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

47 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE TABLES A Azure Table and Queue são modos de armazenamento desenhados para pequenas quantidades de dados. As Queues fornecem entrega de mensagens com fiabilidade e são naturalmente utilizadas para suportar a comunicação entre os web roles e os worker roles. As Queues consistem num número de mensagens ilimitado que podem ser obtidas e processadas pelo menos uma vez, com um limite de 8KB por mensagem. O Azure suporta PUT, GET e DELETE para operações sobre mensagens. E ainda CREATE e DELETE para operações sobre Queues.

48 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE TABLES Cada conta pode conter qualquer número de Azure tables que consistem em linhas chamadas entidades e colunas chamadas propriedades. Não existe limite para o número de entidades de uma tabela e a tecnologia é desenhada para escalar bem perante grandes números de entidades. Cada entidade pode ter até 255 propriedades definidas por <name, type, value>. Uma entidade só pode conter no máximo 1 MB. Se for necessário maior volume, colocasse um link para um blob.

49 AAS OUTLINE SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AWS A PLATAFORMA AWS AMAZON ELASTIC COMPUTE CLOUD (EC2) AMAZON SIMPLE STORAGE SERVICE (S3) AMAZON ELASTIC BLOCK STORE (EBS) SIMPLEDB SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE A PLATAFORMA AZURE SQLAZURE AZURE TABLES AZURE SDK

50 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK O Azure permite ainda a integração das aplicações cloud com outras plataformas ou clouds. É possível executar uma versão local do Azure e desenvolver para o mesmo utilizando o Azure SDK. O Azure SDK permite que as aplicações Azure sejam desenvolvidas e depuradas em máquinas Windows. TL3 - us/downloads/

51 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK ENUNCIADO DO TL3 A empresa AAS Rulez, SA pretende migrar a sua aplicação BatalhaNaval do serviço PaaS da Google para o serviço PaaS da Microsoft. Desse modo, serão necessárias uma série de ações base, nomeadamente: A criação de uma nova Web App no Azure para implantar a aplicação Python a importar. A criação de uma conta Git para controlo da implantação da Web App a importar e respetiva associação da mesma ao Azure.

52 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK ENUNCIADO DO TL3 A construção de uma App Hello World em Python, implantada via Git, para testar o ambiente. A importação da aplicação em Python BatalhaNaval, desenvolvida no TL2, para a plataforma Azure, substituindo o Hello World, do ponto anterior. A migração deverá ser desenvolvida por grupos de 2 ou 3 colaboradores e completada até dia 20 de Maio. O delivery manager deverá entregar o projeto do Git, o link público do Azure (xxxx.azurewebsites.net) e o relatório. Neste último, deve ser salientado, entre outros, as dificuldades encontradas na migração da App.

53 RICARDO MENDAO SILVA RMSILVA AT UAL DOT PT A S A SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK ENUNCIADO DO TL3

54 ENUNCIADO DO TL3 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

55 ENUNCIADO DO TL3 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

56 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

57 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

58 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

59 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

60 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK A implementação para python do Azure SDK, tal como o GAE, baseia- se no WSGI, definido no pep- 333 https://www.python.org/dev/peps/pep- 0333/ Resumidamente, uma aplicação WSGI exige objetos python, ou seja, funções ou classes com um método call que recebe dois argumentos: um ambiente WSGI e uma função para iniciar a resposta. A aplicação tem de iniciar a resposta utilizando a função fornecida e devolve um objeto iterável onde cada item yielded significa escrita e flushing.

61 APP.py SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

62 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE Adicionalmente ao main é necessário um web.config, tal como no IIS Denotar que neste web.config é definida uma key para o handler WSGI. AZURE SDK

63 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

64 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

65 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK VIRTUAL ENVIRONMENT PROXY Este script é utilizado para obter o handler WSGI, ativar o ambiente virtual e os logos de erros. O mesmo foi desenhado para ser genérico e não deve ser modificado.

66 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

67 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

68 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

69 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK

70 SUPORTE À PROGRAMAÇÃO EM AZURE AZURE SDK Criados os ficheiros anteriormente apresentados, pode ser ainda incluido os ficheiros: requirements.txt define qualquer requisito extra, como por exemplo a versão minima do azure. runtime.txt define o ambiente python- 2.7 ou 3.4 Uma vez criados, os ficheiros devem ser enviados via git (command line), para o Azure, utilizando os comandos fornecidos no momento da criação da web app. Ex: git init git add. git commit - m another bug git push azure master

71 THE CUTTING EDGE COURSE RMSILVA AT UAL DOT PT CAPÍTULO 4 & 6: HWANG K, DONGARRA J., GEOFFREY F., Distributed and Cloud Computing: From Parallel Processing to the Internet of Things, Morgan Kauffman, 2011

Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio

Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio Patrício Domingues Dep. Eng. Informática ESTG Instituto Politécnico de Leiria Leiria, Maio 2011 http://bit.ly/patricio 1 Velocidade... Pesquisar Cloud computing 76 milhões resultados em 0,06 segundos Isto

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Introdução

Desenvolvimento de aplicações para a Cloud. Introdução Desenvolvimento de aplicações para a Cloud Introdução Introdução } O que é Cloud Computing? } Porquê o termo Cloud? 2 Introdução } O que é Cloud Computing? } Porquê o termo Cloud? } Cloud Computing versus

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Glauber Cassiano Batista Membro Colméia glauber@colmeia.udesc.br Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

Ricardo R. Lecheta. Novatec

Ricardo R. Lecheta. Novatec Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS

Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Minicurso Computação em Nuvem Prática: AWS Glauber Cassiano Batista Ricardo Sohn Membros Colméia Roteiro Geral Definições Virtualização Data center Computação em Nuvem Principais classificações: Modelos

Leia mais

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem

Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Uma Proposta de Framework de Comparação de Provedores de Computação em Nuvem Igor G. Haugg Bolsista PIBITI/CNPq Orientador: Dr. Rafael Z. Frantz Área de Pesquisa Integração de Aplicações Empresariais Computação

Leia mais

Agenda CLOUD COMPUTING I

Agenda CLOUD COMPUTING I Agenda O que é Cloud Computing? Atributos do Cloud Computing Marcos do Cloud Computing Tipos do Cloud Computing Camadas do Cloud computing Cloud Computing Tendências O Cloud Computing do Futuro Pros &

Leia mais

Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015

Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015 Relatório de Piloto Tecnológico Plataforma de Cloud Privada baseada em OpenStack Março 2015 Resumo Executivo: A Inok realizou uma instalação piloto para analisar as funcionalidades, características técnicas,

Leia mais

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack

Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre André Rover de Campos Membro Colméia andreroverc@gmail.com Joinville Minicurso Computação em Nuvem Prática: Openstack Roteiro Definições Virtualização Data

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD)

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) Donal Krossman, Tim Kraska and Simon Loesing João Lucas Chiquito Universidade Federal do Paraná Departamento de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br 1 Agenda Introdução; Software Aging; Software Rejuvenation; Laboratório MoDCS Cloud; Dúvidas?

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

4 Solução Proposta. 4.1 Escopo Proposto

4 Solução Proposta. 4.1 Escopo Proposto 30 4 Solução Proposta 4.1 Escopo Proposto Neste trabalho propomos um arcabouço genérico que permite implementar leques de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo, utilizando o ambiente de computação

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

A.S.P. Servidores Windows

A.S.P. Servidores Windows A.S.P. Servidores Windows Servidores TCP/IP O mercado de servidores de rede é dominado essencialmente por duas linhas de produtos: Open Source: Linux, BSD, e seus derivados Proprietários: Microsoft Windows

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE DOMAIN NAME SYSTEM NOMES DE DOMINIO CONSULTAS DNS SERVIDORES DE NOMES NAVEGAÇÃO E CONSULTA REGISTO DE RECURSOS O DNS é um serviço de nomes, normalizado

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

01.00 CDNs Introdução

01.00 CDNs Introdução 01.00 CDNs Introdução Redes de Distribuição de Conteúdos Introdução A Web surgiu enquanto forma de partilha de conteúdos e serviços Aumento de utilizadores e conteúdos, aumenta a necessidade de largura

Leia mais

Amazon AWS. Visão Geral dos Serviços de Nuvem da Amazon. Conrado De Biasi outubro/2014 Conacloud

Amazon AWS. Visão Geral dos Serviços de Nuvem da Amazon. Conrado De Biasi outubro/2014 Conacloud Amazon AWS Visão Geral dos Serviços de Nuvem da Amazon Conrado De Biasi outubro/2014 Conacloud cloudmonks.com.br Fundamentos Virtualização SOA (Service- Oriented Architecture) Web Services API

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

AR TELECOM CLOUD SERVICES

AR TELECOM CLOUD SERVICES AR TELECOM SERVICES NACIONAL E ESCALA GLOBAL Ar Telecom - Acessos e Redes de Telecomunicações, S.A. Doca de Alcântara, Edifício Diogo Cão 1350-352 Lisboa Tel: 800 300 400 corporatebusiness@artelecom.pt

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Sizing Qf22007POR v3.1 Q-flow Sizing Urudata Software Rua Canelones 1370 Segundo Andar CP11200

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305

Garantindo a. Máquinas Virtuais do. alta disponibilidade nas. Microsoft Azure MDC305 Garantindo a alta disponibilidade nas Máquinas Virtuais do Microsoft Azure MDC305 Palestra Quem são os palestrantes? Daniel Mauser Senior Techical Advisor LATAM Escalation Team Lead Email: dmauser@microsoft.com

Leia mais

Computação em Nuvens IaaS com Openstack. Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015

Computação em Nuvens IaaS com Openstack. Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015 Computação em Nuvens IaaS com Openstack Eng. Marcelo Rocha de Sá marcelo@jambu.com.br FLISOL - Belém - Pará 25 de abril 2015 Nuvens Computacionais IaaS com Openstack Nuvens Computacionais Serviços em nuvens

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Cloud Computing Aplicando a Tecnologia no Mundo Corporativo

Cloud Computing Aplicando a Tecnologia no Mundo Corporativo Cloud Computing Aplicando a Tecnologia no Mundo Corporativo Carlos Matheus Galvão Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2009/1 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Outubro

Leia mais

Microsoft Azure. Softmanager Soluções em TI. ModernBiz

Microsoft Azure. Softmanager Soluções em TI. ModernBiz Microsoft Azure Softmanager Soluções em TI ModernBiz Programação ModernBiz: seu caminho para a empresa moderna Visão geral do Microsoft Azure Principais soluções de negócios Hospede seus aplicativos na

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Há diversos motivos para as empresas de hoje enxergarem o valor de um serviço de nuvem, seja uma nuvem privada oferecida por

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura maneiras

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Weather Search System

Weather Search System Weather Search System PROJECTO DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM RELATÓRIO Grupo 2 Gonçalo Carito - Nº57701 Bernardo Simões - Nº63503 Guilherme Vale - Nº64029 Índice Weather Search System...1 1. A Solução Implementada...3

Leia mais

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo

Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Alexandre Malveira, Wolflan Camilo Introdução Cloud Computing Computação Móvel SaaS, PaaS e IaaS CloudBees Diariamente arquivos são acessados, informações dos mais variados tipos são armazenadas e ferramentas

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL OUTLINE DHCP PROTOCOLO RELAY AGENT EXEMPLO LINUX EXEMPLO IOS DHCP Dynamic Host Configuration Protocol, ou DHCP, é um dos protocolos de suporte

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003

INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 INTRODUÇÃO AO WINDOWS SERVER 2003 1 FUNÇÕES DE UM SERVIDOR Um servidor é um computador que tem como função disponibilizar serviços numa rede. Uma das funções do Windows Server 2003 é gerir um domínio da

Leia mais

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte

Fernando Seabra Chirigati. Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Fernando Seabra Chirigati Universidade Federal do Rio de Janeiro EEL879 - Redes de Computadores II Professores Luís Henrique Costa e Otto Duarte Introdução Grid x Nuvem Componentes Arquitetura Vantagens

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Bancos de Dados em Clouds

Bancos de Dados em Clouds Bancos de Dados em Clouds Bancos de Dados em Clouds Erik Williams Zirke Osta Rafael Brundo Uriarte Agenda Introdução; Fundamentos; Estudo comparativo das Ferramentas; Conclusões e Trabalhos Futuros. Agenda

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Práticas de Desenvolvimento de Software

Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 8. 13/04/2015. Práticas de Desenvolvimento de Software Aula 8 - Arquitetura e infraestrutura de aplicações Web. Oferecimento Modelo cliente-servidor (1) Cliente Rede scheme://domain:port/path?query_string#fragment_id

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS (DFS) Visão geral sobre o Sistema de Arquivos Distribuídos O Sistema de Arquivos Distribuídos(DFS) permite que administradores do

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas. José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com

Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas. José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com Virtualização Como Base de Infra-Estruturas Dinâmicas José Grilo Director de Negócio Servidores jose.grilo@microsoft.com 26 de Maio de 2011 Custos de Operação Inferiores Controlo da dispersão dos Servidores

Leia mais

Servidores Identica A performance ao extremo agora disponível no Brasil

Servidores Identica A performance ao extremo agora disponível no Brasil Servidores Identica A performance ao extremo agora disponível no Brasil Com nossa marca Identica oferecemos, entre outros, servidores virtualizados que são hospedados e gerenciados pela unidade de negócios

Leia mais

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção.

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. es Virtuais Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. O que são os es Virtuais? Virtual é um produto destinado a empresas que necessitam de um servidor dedicado ligado

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Google App Engine. André Gustavo Duarte de Almeida. Computação Ubíqua e Nuvens. Natal, 24 de maio de 2012 andregustavoo@gmail.com

Google App Engine. André Gustavo Duarte de Almeida. Computação Ubíqua e Nuvens. Natal, 24 de maio de 2012 andregustavoo@gmail.com Google App Engine Natal, 24 de maio de 2012 andregustavoo@gmail.com Sumário Introdução Instalação Aplicação Exemplo Implantação Conclusão Introdução Google App Engine developers.google.com/appaengine Permite

Leia mais

Plataforma de Serviços Azure. Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao

Plataforma de Serviços Azure. Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao Plataforma de Serviços Azure Lucas A. Romão http://laromao.spaces.live.com laromao@oxygenhost.com.br @LucasRomao http://azureservicesbr.ning.com @AzureServicesBR Agenda Por que uma plataforma na Nuvem?

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

DevOps, Chef, Puppet, Ansible e como vender milhões na Black Friday com 100% de uptime

DevOps, Chef, Puppet, Ansible e como vender milhões na Black Friday com 100% de uptime DevOps, Chef, Puppet, Ansible e como vender milhões na Black Friday com 100% de uptime Sobre a Rivendel Fundada em Maio/2013 Especialistas em Cloud/DevOps Empresa mais qualificada em Amazon Web Services

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM Igor dos Passos Granado¹, Ricardo de Melo Germano¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil

Leia mais

AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT. Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294

AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT. Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294 AN IN-DEPTH STUDY OF MAP REDUCE IN CLOUD ENVIRONMENT Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Nuno Garcia m6284, Tiago Carvalho m6294 Sobre o paper Novia Nurain, Hasan Sarwar, Md.Pervez Sajjad United

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

30/11/2011. DataSnap e Cloud. Deep Dive. Agenda. RAD Cloud Overview DBExpress Novo API Cloud Novidades no DataSnap

30/11/2011. DataSnap e Cloud. Deep Dive. Agenda. RAD Cloud Overview DBExpress Novo API Cloud Novidades no DataSnap DataSnap e Cloud Deep Dive Agenda RAD Cloud Overview DBExpress Novo API Cloud Novidades no DataSnap 1 API Cloud 2 O que é novo no API Cloud? Delphi API for accessing cloud application services from Amazon

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso Palestrante: Leandro Carvalho MVP Virtual Machine http://msmvps.com/blogs/msvirtualization twitter.com/leandroeduardo Palestrante: Francisco Ferreira Especialista em Virtualização http://ferreirafco.wordpress.com/

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE. Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369

Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE. Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369 Fault-tolerant virtual cluster experiments on federated sites using BonFIRE Grupo: Edgar Oliveira, E8385 Pedro Jesus, M6369 O Problema: A falha dos sites na Cloud e a variabilidade da performance das máquinas

Leia mais

Migrando seu site para o Azure utilizando

Migrando seu site para o Azure utilizando Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. DEV210 Migrando seu site para o Azure utilizando Plataforma como serviço. Quem é o palestrante? Vinícius Souza Evangelista Técnico @vbs_br

Leia mais

BACKUP E ARQUIVAMENTO NA NUVEM GERENCIADA

BACKUP E ARQUIVAMENTO NA NUVEM GERENCIADA Agenda Unidade Artsoft de Infraestrutura Gerenciada Fatos sobre segurança de dados e Conceitos-chave Infraestrutura tradicional versus na infraestrutura na nuvem Infraestrutura de backup e arquivamento

Leia mais

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation Soluções IBM SmartCloud Estratégia de Cloud Computing da IBM Business Process as a Service Software as a Service Platform as a Service Infrastructure as a Service Design Deploy Consume Tecnologias para

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas de Ficheiros Distribuídos Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org December 16, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos

Leia mais

Proteção de dados híbrida

Proteção de dados híbrida Proteção de dados híbrida Independentemente de estar protegendo o datacenter, escritórios remotos ou recursos de desktops, você precisa de uma solução que ajude a atender aos exigentes SLAs e às estratégias

Leia mais

Curso CP100A - Google Cloud Platform Fundamentals (8h)

Curso CP100A - Google Cloud Platform Fundamentals (8h) Curso CP100A - Google Cloud Platform Fundamentals (8h) Este curso virtual liderado por um instrutor, com 8 horas de duração, introduz os participantes aos produtos e serviços do Google Cloud Platform.

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

10 Guia do Usuário. 10.1 Finalidade do Guia. 10.2 Criando sua Conta no Azure

10 Guia do Usuário. 10.1 Finalidade do Guia. 10.2 Criando sua Conta no Azure 88 10 Guia do Usuário 10.1 Finalidade do Guia O presente capítulo é destinado a Estatísticos, Atuários, Matemáticos e Engenheiros que estão desenvolvendo sua pesquisa com o Método de Monte Carlo e desejam

Leia mais

APRESENTANDO O WINDOWS AZURE

APRESENTANDO O WINDOWS AZURE APRESENTANDO O WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Visão geral do Windows Azure... 2 Computação... 4 Armazenamento... 6 Controle da malha... 7 Content

Leia mais