GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE ENSINO PROJETO-BASE ESCOLA NA CULTURA DIGITAL SEEDF Julho/2013 Página 1 de 34

2 Ao esgotarem-se o ideal e as estratégias de uma sociedade homogênea, o que se impõe é um novo e radical pluralismo. Daniel Innerarity Página 2 de 34

3 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Sumário CULTURA DIGITAL...14 TECNOLOGIA...16 INTERNET E CIDADANIA...16 REDES DE APRENDIZAGEM...17 EDUCOMUNICAÇÃO...18 EDUCAÇÃO ABERTA E RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS...19 HIPERTEXTO SOFTWARE LIVRE Geral Específicos Página 3 de 34

4 INTRODUÇÃO O presente consiste do Projeto-base do Projeto Escola na Cultura Digital (PECD), uma das ações do PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DO DISTRITO FEDERAL, iniciativa da da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SUMTEC). A SUMTEC busca implementar ações em rede que facilitem a comunicação e o fluxo de informações sejam elas administrativas, pedagógicas, relatos, experiências, demandas, dentre outras na rede pública de ensino do GDF. Esse Programa abarca vários projetos, entre eles o PECD, que tem como objetivo inserir a escola pública na cultura digital contemporânea, pela construção coletiva e democrática de uma orientação pedagógica voltada para o uso pedagógico das tecnologias (OP-ECD), pela formação do corpo de professores, pelo planejamento de ações de uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para apoiar a organização do trabalho pedagógico em salas de aula e em outros espaços escolares, e pelo incentivo, nas escolas, à reflexão crítica e cotidiana sobre as influências das tecnologias nos processos sociais e na vida da cidade, do campo e das comunidades. Assim, este Projeto-base tem por intuito fornecer os alicerces para a discussão e a construção coletiva da OP-ECD, uma orientação pedagógica que pretende considerar a complexidade dos processos pedagógicos existentes na rede pública de ensino do DF. Componentes fundamentais de aprendizagens significativas, ajudam a compor o cotidiano desse cenário complexo tecnologias como tablets, lousas digitais e computadores em geral, com e sem o uso da internet. A proposta deste documento, portanto, é oferecer uma base para dar início à construção coletiva do Projeto Escola na Cultura Digital, tanto no âmbito das coordenações, gerências e núcleos da SEEDF, quanto na esfera das coordenações regionais, das unidades administrativas, das escolas da rede pública do GDF e das comunidades. Para efetivar-se a intenção de envolvimento dos diversos atores da comunidade escolar, devem ser convidadas para integrar as discussões, também, instituições com história e ações profundamente associadas à da Rede Pública de Ensino do GDF, como o Sindicato de Professores do DF (SINPRO-DF), o Conselho de Educação do DF e a Universidade de Brasília. Como referência e ponto de partida, este documento Página 4 de 34

5 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO é aberto a contribuições e será continuamente reformulado, enquanto se realizar o processo de discussão, já que o Projeto será construído de forma coletiva. Da mesma maneira, a sistemática de discussões, organização e consolidação das propostas está aberta a sugestões e pode ser alterada a qualquer momento, se os atores envolvidos assim o decidirem. Página 5 de 34

6 JUSTIFICATIVA O conceito de cultura digital é historicamente recente os fenômenos sociais, econômicos e tecnológicos que levaram e ainda levam à sua construção têm ocorrido há apenas algumas décadas. A corrente digitalização de vastas massas de documentos, fotos, músicas e vídeos e o grande fluxo de informações proporcionado pela miniaturização de equipamentos e pela disseminação de dispositivos conectados suscitam uma questão fundamental: a educação para a reflexão sobre as tecnologias e o seu uso fazendo parte da educação para a cidadania. Silveira (2001) afirma que a pobreza será reduzida apenas com a construção de coletivos sociais inteligentes, e tal construção tem suas perspectivas ampliadas em grande escala pela conexão em rede e pelas infinitas possibilidades de comunicação e interação que a Internet oferece. O Governo Brasileiro tem mantido sítios com o propósito de beneficiar a população em geral e promover o efetivo acesso aos serviços públicos. Sítios 1 como Portal Brasil, e-democracia, Portal da Copa, Governo Eletrônico, Portal do Planalto, Portal da Transparência dos Recursos Públicos Federais, além dos portais de ministérios, universidades e outros entes que aumentam, de forma qualificada, não somente a oferta de serviços por vias eletrônicas, mas também a demanda. O acesso à Internet no Brasil e no mundo cresce continuamente e um grande volume de computadores é vendido por ano, o que torna mais importante tratar a questão das parcelas da população sem acesso às TICs. Países ricos usam com intensidade as redes informacionais para se comunicar, armazenar e processar informações, ao passo que as populações dos países pobres são mantidas à margem dos benefícios das redes informacionais. Kroker (1994) chama a atenção para a constituição de uma nova classe dirigente virtual, composta de administradores, formuladores e executores da telemática uma nova elite que comandaria uma sociedade dividida entre inforicos e infopobres. 1 Respectivamente: Página 6 de 34

7 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO O Governo Brasileiro por meio do Comitê Executivo do Governo Eletrônico, CEGE (Brasil, 2008), apresenta um conjunto de diretrizes que evidenciam a preocupação ao acesso como forma de inclusão social e digital: Promoção da cidadania como prioridade. Indissociabilidade entre inclusão digital e governo eletrônico. Importância do software livre como recurso estratégico para a implementação do governo eletrônico. Gestão do Conhecimento como instrumento estratégico de articulação e gestão das políticas públicas. Racionalização de recursos no governo eletrônico. Elaboração de arcabouço integrado de políticas, sistemas, padrões e normas para o governo eletrônico. Integração das ações de governo eletrônico com outras esferas e poderes. Para a efetivação de tais diretrizes, é necessário que, de fato, a população tenha acesso garantido às TICs por meio de políticas publicas estabelecidas, buscando a diminuição do aprofundamento da brecha digital. A relação Governo e Sociedade na área do governo eletrônico pretende construir capacidades coletivas de controle social e participação política. Com o GDF não é diferente, ao investir no uso de ferramentas eletrônicas e de tecnologias da informação e comunicação para aproximar governo e cidadãos, como por exemplo, o Portal do GDF 2, o Portal do Cidadão, o sítio de Orçamento Participativo e os sítios de suas secretarias, dentre outros. 2 Respectivamente: Página 7 de 34

8 O desenvolvimento de capacidades coletivas de controle social e participação política não acontece a partir da simples oferta de ferramentas. É fundamental o envolvimento das redes públicas de ensino, para que se possa alcançar a efetiva ampliação da cidadania o que só se pode dar a partir de um planejamento estratégico na área. Uma parceria entre a GDFNet, responsável pela infraestrutura de rede do DF, as Redes Comunitárias de Educação e Pesquisa (REDECOMEP 3 ) e a GigaCandanga (REDE-COMEP no DF) levará cabos de fibra ótica a todas as escolas da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal. Todos os tipos de Unidades de Ensino estarão interligados com conexão de alta velocidade. O momento, portanto, pede a construção imediata de uma orientação pedagógica baseada na cultura digital, nas redes sociotécnicas, na comunicação e na tecnologia, na busca da formação para o exercício da cidadania e da autonomia, para favorecer o desenvolvimento pleno das potencialidades dos estudantes na perspectiva da sociedade em rede, usufruindo dessa conexão de alta velocidade. O Projeto Político-pedagógico (PPP) Carlos Mota contribui com alguns elementos para a discussão sobre a inserção crítica e qualificada das escolas do GDF na sociedade em rede. Serão apresentados, a seguir, trechos que abordam algumas questões referentes à relação entre escola e tecnologias. 1. A escola necessita reorganizar o seu trabalho, seu planejamento, sua coordenação coletiva, reconstruir a relação entre o sujeito e o conhecimento, para subverter a lógica que separa pessoas e saberes, prazeres e descobertas, respeito e diferenças. Reconhecer que democracia, solidariedade e liberdade devem orientar o trabalho pedagógico. Há ainda que se considerarem as novas formas de ensinar e aprender que, a exemplo da transcendência espacial, requerem a conexão com as novas realidades do tempo presente, como o diálogo com as novas tecnologias. Lévy (1999) nos alerta que qualquer projeção a ser feita sobre o futuro da educação e das sociedades deve considerar as novas relações com o saber, dada a velocidade com que os saberes são renovados e os meios que estão a esse serviço. (p. 21) Quatorze anos depois da referida citação de Lévy, cabe colocar a questão: a escola considera, hoje, em sua prática pedagógica, a velocidade de construção 3 Iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), que tem por objetivo implementar redes de alta velocidade nas regiões metropolitanas do país servidas pelos Pontos de Presença da RNP (http://www.redecomep.rnp.br/). Página 8 de 34

9 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO e reconfiguração dos saberes, os novos fluxos do conhecimento e os meios disponíveis para isso? Hoje, os processos pedagógicos que têm lugar na escola são capazes de preparar os estudantes para o uso crítico e reflexivo sobre as tecnologias, propiciando educação para a cidadania? 2. As crianças chamadas nativas digitais ingressam na escola habituadas a aparatos tecnológicos e à nova rotina deles advinda, que lhes permitem desenvolver diversas atividades ao mesmo tempo. Elas ouvem música no MP3 player, enquanto enviam mensagens pelo celular, acessam sites, baixam fotos, realizam a pesquisa encomendada pelo professor e, ainda, aprendem (MARTINS, 2009). (p. 22) Há que se aproximar o trabalho pedagógico das numerosas possibilidades oferecidas pelas TICs e pela habilidade que parte significativa dos estudantes já tem com elas. Sobre isso, existe certo consenso entre profissionais da educação, bem como sobre a dificuldade de se planejar e operacionalizar, de fato, tal aproximação. 3. O arrojo das tecnologias educacionais, associado ao gerenciamento de atividades guiadas pela participação, que priorizam a noção de conhecimento como construção e colaboração (PAIVA, 2010), remetem a práticas inovadoras, que rompem com a aula objetivista e buscam uma mudança de paradigma, apoiando-se em novas ferramentas, como os ambientes virtuais de aprendizagem (PAIVA, 2010) [...] A atuação do professor, nesse contexto, deve superar uma visão reducionista das tecnologias digitais numa perspectiva meramente técnica, e centrar-se no acompanhamento e na gestão das aprendizagens, que se traduzem no incitamento às trocas de saberes, na mediação relacional e simbólica, na condução personalizada pelas rotas de aprendizagem, constituindo uma relação dialógica que leva em consideração as diferentes formas de aprender dos alunos (LÉVY, 1999). A modernização dos processos educativos, concebidos em um projeto de sustentabilidade humana, prevê o suporte do Estado para a efetivação de suas ações, abrangendo tanto a aquisição de computadores de última geração para estudantes e professores, quanto o apoio formativo para a otimização de seu uso. Consolida-se assim, a educação com a visão da integralidade humana a qual prenuncia a gestão democrática, o planejamento e a construção coletiva como exercício fundamental, para que profissionais e estudantes sejam favorecidos no Página 9 de 34

10 desenvolvimento de práticas pedagógicas que ultrapassem o simples diálogo entre os saberes, provocando uma nova práxis do trabalho educativo e da reorganização dos processos de aprendizagens. (p. 23) Como formar o professor para atuar na superação de uma visão reducionista das tecnologias digitais, numa perspectiva meramente técnica, para incorporar em sua prática, de fato, o uso das TICs no apoio ao trabalho pedagógico? Como preparar o professor para utilizar as TICs no acompanhamento e na gestão das aprendizagens, e para a compreensão de que a formação para a cidadania passa obrigatoriamente pela formação crítica no uso de TICs? A relevância da inserção das TICs na prática pedagógica está presente e pode ser constatada em um dos objetivos institucionais da SEEDF: Assegurar aos sujeitos educativos o acesso às novas tecnologias como instrumentos de mediação da construção da aprendizagem. O PPP destaca, ainda, a necessidade de se estabelecer política das tecnologias educacionais, alinhada às suas bases teóricas, que contemple processos de formação dos professores, relacione ferramentas pedagógicas e determine a infraestrutura requerida para o uso sustentado das tecnologias educacionais. A proposta do Projeto Escola na Cultura Digital diz respeito a esse objetivo e a essa necessidade, pois tenciona deflagrar um processo de reflexão sobre uso de tecnologias como mediadoras do processo de construção de aprendizagem nas escolas públicas do DF, por intermédio da construção coletiva de uma orientação pedagógica especificamente com esse fim. A adoção plena 4 das TICs em rede nas escolas do DF é possível: a) Pelas possibilidades oferecidas pela conexão de alta velocidade que chegará a toda a rede pública de ensino, proporcionada pela parceria com a GigaCandanga, REDECOMEP no DF. 4 Por adoção plena, entende-se aqui o uso das TICs nos diferentes ambientes escolares, mas principalmente nas salas de aula, para apoiar o trabalho pedagógico e favorecer situações de aprendizagem motivadoras. Página 10 de 34

11 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO b) Pelo acesso à rede por meio do programa de distribuição de tablets a professores e estudantes. c) Pelo acesso à rede por intermédio de netbooks e notebooks existentes em muitas unidades de ensino. d) Pelo crescimento do uso das TICs como ferramenta de construção de aprendizagens e de saberes em diferentes contextos da Educação. e) Pela existência de redes de compartilhamento de experiências educacionais relacionadas a cultura digital, que favorecem o trabalho e a reflexão coletivos. f) Pelas muitas possibilidades de apoio que oferece ao trabalho pedagógico e pelo decorrente aumento de tempo destinado à aprendizagem com esse apoio. g) Pela necessária renovação das práticas de ensino, para tornar a escola mais atraente e motivadora. Além disso, o PPP ressalta a importância democrática de garantir o direito dos estudantes de serem partícipes do processo educativo e da vida da comunidade, argumentando que as deliberações da escola devem contar com a participação de seus estudantes, que são os sujeitos para os quais a escola organiza suas ações. Não há dúvida de que o uso contínuo das TICs na sala de aula e a participação em redes sociais educacionais podem favorecer as práticas democráticas. Para a implementação desse projeto, no entanto, é imprescindível um processo de formação que envolva todos os professores da Rede. O Projeto-político pedagógico Professor Carlos Mota considera a formação docente uma atividade seminal para a apropriação das tecnologias e para o seu uso não como fim, mas como apoio ao processo de aprendizagem e ensino: Página 11 de 34

12 A educação do Distrito Federal reclama um olhar transformador, que congregue harmonicamente os principais elementos desse contexto: o humano, o ambiente e as tecnologias, em um processo de sustentabilidade e cultura de paz. Nesse sentido, a ação formativa se expande à constituição do educador como agente social, que se constrói no protagonismo das lutas por uma formação de qualidade social, melhores condições de trabalho, carreira e salário. É também uma concepção inclusiva, posto que abarca a diversidade, o indivíduo e o coletivo em um contexto de relações dialógicas e igualitárias (p. 108). O texto do PPP salienta que um dos maiores desafios está na formação continuada dos educadores para usarem essas ferramentas tecnológicas como facilitadoras e estimuladoras do processo de ensino e aprendizagem; e a integração das tecnologias ao processo pedagógico, o que exige novas estratégias no ensinar e a compreensão do processo de aprendizagem, a construção de conceitos e esquemas cognitivos para geração de conhecimentos. Alerta, ainda, para os perigos da pseudomodernização, tendo em vista que não se trata de informatizar a educação, pois a aplicação das TICs não deve ser vista como um fim em si no processo educacional, mas como ferramenta poderosa no processo de aprender e ensinar, em que todos os atores interagem com novas possibilidades, desafios e descobertas. Tal processo engloba, dentre outras coisas, implementação de novos canais de comunicação para a rede, utilizando recursos tecnológicos, inclusive de voz e imagem; disponibilização do Canal-E como importante ferramenta de apoio educacional e compartilhamento das experiências da rede; promoção de ambiente virtual com infraestrutura que permita a implantação do uso de novas tecnologias, como os tablets; projetos de formação continuada de professores, em parceria com a EAPE, para o uso de tecnologias no contexto da cultura digital; disponibilização de ferramentas para educação a distância, oferecendo aos profissionais da rede a ampliação de oportunidades de formação, tanto quantitativa como qualitativamente; estruturação de espaços de aprendizagem destinados ao trabalho coletivo e colaborativo, com foco especial na infraestrutura tecnológica para salas de aula, laboratórios educacionais, bibliotecas, videotecas e demais espaços que favoreçam a socialização do conhecimento; fortalecimento dos Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs), para que intensifiquem suas ações nas áreas de capacitação e inclusão digital. O NTE tem papel fundamental no Página 12 de 34

13 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO processo de apropriação tecnológica, já que: i) prepara professores para utilizarem as TICs de forma autônoma e independente, possibilitando a ampliação da experiência profissional de cada um, visando à transformação de sua prática pedagógica; ii) tem por função promover o uso pedagógico de recursos tecnológicos; iii) catalisa experiências inovadoras e a utilização de tecnologias específicas, para a inclusão de pessoas com deficiência sejam elas profissionais da educação ou estudantes no processo pedagógico. A Pesquisa TIC Educação (CETIC.BR, 2012) atesta que, em nível nacional, apenas 2% dos professores da rede pública de ensino usam TICs para apoiar o trabalho pedagógico de sala de aula. Por mais que o laboratório de informática seja bem equipado, o tempo reservado a ele durante a semana é de apenas uma hora. Para o uso sustentado das tecnologias educacionais, conforme preconiza o PPP, é imprescindível a integração do uso das TICs à sala de aula, e a distribuição de tablets permite essa integração. O confinamento da aplicação pedagógica das TICs ao Laboratório de Informática nas escolas dificulta abordagens facilitadoras e estimuladoras do processo de ensino e aprendizagem e a integração das tecnologias ao processo pedagógico. Entre professores da rede pública em todo o País, em função de um processo histórico, não há cultura de utilização em massa das TICs em sala de aula. A Secretaria de Educação do Distrito Federal, com este projeto, tenciona promover a mudança de paradigmas em seu contexto educacional. Objetiva desenvolver ações estruturais e de infraestrutura para receber o aparato tecnológico que a sociedade oferece, capacitando seus servidores e, em especial, seus professores para que a sala de aula seja o local de excelência de aprendizagens e construção de conhecimentos com suporte tecnológico. Página 13 de 34

14 REFERENCIAL TEÓRICO Nas últimas décadas, mudanças radicais têm ocorrido nas formas de comunicação, de fluxo de dados, de produção de conhecimento, de informações, notícias, saberes, serviços, nas formas de expressão e disseminação de ideias. A contemporaneidade vive revolução provocada pela disseminação e uso intensivo das TICs, que só pode ser comparada às transformações resultantes do surgimento da oralidade e, posteriormente, da escrita (Lévy, 1993). O Programa de Modernização da Rede Pública de Ensino do Distrito Federal fundamenta-se, em sua vertente pedagógica, em um conjunto de conceitos que auxiliarão a guiar os processos de discussão e a estruturar etapas e ações do Projeto Escola na Cultura Digital. Destacam-se os conceitos de cultura digital, tecnologia, redes de aprendizagem, educomunicação, educação aberta e recursos educacionais abertos, hipertexto e software livre, tratados a seguir. CULTURA DIGITAL Pretto e Assis (2008) consideram a cultura digital um espaço aberto de vivências de novas formas de relações sociais, tendo em vista a abrangência de suas influências, que afetam transversalmente toda sorte de atividade humana. Para os autores, o modo com que culturas diversas se manifestam e operam na sociedade em rede podem se constituir naquilo que Lévy (1993) chama de inteligência coletiva, que se baseia em outra perspectiva de atuação dos sujeitos sociais e de produção de suas identidades, diferente nas novas configurações proporcionadas pela revolução digital, cujo conjunto é denominado sociedade em rede por Castells (1999). Essa revolução digital pode ser constatada em praticamente todos os ambientes urbanos. A virada do século XX para o XXI representa uma nova era da história da humanidade: a revolução digital. As ferramentas da internet, como blogs e redes sociais, e as novas tecnologias de telefonia celular mudam não apenas os meios de comunicação, mas a própria cultura global, interligada e hipermoderna 5. O texto citado, 5 Página 14 de 34

15 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO retirado do Portal Brasil 6, chama de revolução digital as novas configurações de contextos sociais, econômicos e políticos provocadas pela disseminação do uso da internet e das TICs. Hoffman e Fagundes (2008) afirmam que a Cultura Digital é a cultura de rede, a cibercultura que sintetiza a relação entre sociedade contemporânea e Tecnologias da Informação (TIs). Para Santana e Silveira (2013), Reunindo ciência e cultura, antes separadas pela dinâmica das sociedades industriais, centrada na digitalização crescente de toda a produção simbólica da humanidade, forjada na relação ambivalente entre o espaço e o ciberespaço, na alta velocidade das redes informacionais, no ideal de interatividade e de liberdade recombinante, nas práticas de simulação, na obra inacabada e em inteligências coletivas, a cultura digital é uma realidade de uma mudança de era. Como toda mudança, seu sentido está em disputa, sua aparência caótica não pode esconder seu sistema, mas seus processos, cada vez mais auto-organizados e emergentes, horizontais, formados como descontinuidades articuladas, podem ser assumidos pelas comunidades locais, em seu caminho de virtualização, para ampliar sua fala, seus costumes e seus interesses. A cultura digital é a cultura da contemporaneidade. A comunicação praticamente instantânea que ocorre no fluxo das redes, a superação das distâncias físicas e temporais e as possibilidades oferecidas pelo protocolo peer-to-peer 7 provocaram transformações profundas no modo com que nos relacionamos com o saber, em todas as suas instâncias: produção, disseminação, compartilhamento, consumo. Toda pessoa que tem um computador conectado à rede 6 Ministério da Cultura. Fonte: Acesso agosto de O protocolo peer-to-peer permite que todos os usuários da rede compartilhem dados e serviços entre si sem necessidade de um servidor central. Página 15 de 34

16 pode ser um produtor e compartilhador de conteúdos. Qualquer pessoa pode expressar suas ideias e ser visto por milhares ou por milhões de pessoas -, compartilhar arquivos e construir conhecimento colaborativa e rapidamente. TECNOLOGIA A palavra tecnologia advém da palavra grega Tchné, que significa saber fazer. São muitos os conceitos de tecnologia e variadas as áreas de estudo que a tratam. Neste projeto, optou-se pela definição de tecnologia fornecida pela área de Estudos Sociais de Ciência e Tecnologia, segundo a qual o termo tecnologia não é neutro, mas resultado de uma prática social, de circunstâncias históricas e econômicas, que tornam explícitos os valores culturais a ela subjacentes (Veraszto, 2008), afastando-se assim da definição utilitarista e instrumental. Modelos tecnológicos variam de época para época, e são condicionados por fatores como potencial de comercialização, configuração de mercado, perfis de consumidores, outras tecnologias existentes, dentre tantos outros. Assim, o modo como as sociedades desenvolvem seus artefatos e modificam seu meio - ou seja, a adoção de soluções tecnológicas -, é amplamente influenciado por fatores econômicos, históricos e sociais. INTERNET E CIDADANIA A relevância do papel da internet em praticamente todas as esferas sociais suscitou ações para torná-la um direito constitucional. Esse é o objeto da PEC 479, de De acordo com seu autor, o deputado Sebastião Bala Rocha, "na sociedade contemporânea, a universalização do acesso à informação consolida-se como elemento fundamental para o desenvolvimento econômico e social das nações", e "a internet, em especial, desempenha papel crucial no processo de construção dessa nova realidade 9. Do mesmo modo, alguns setores da sociedade se mobilizam pela a370410VgnVCM bcceb0aRCRD.html. Página 16 de 34

17 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO aprovação do PL 2126/ (hoje apensado ao PL 5403/ ), o Marco Civil da Internet 12, que defende a neutralidade da rede fator que assegura a igualdade de tratamento de todas as informações que transitam pela rede, independentemente de sua origem, seu conteúdo e seu autor ou proprietário. Pelo texto do Marco Civil, Art. 2o A disciplina do uso da Internet no Brasil tem como fundamentos: I - o reconhecimento da escala mundial da rede; II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais; III - a pluralidade e a diversidade; IV - a abertura e a colaboração; e V - a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor. A relação entre internet e desenvolvimento de cidadania e autonomia é hoje inequívoca. Bustamante (2010) acredita que as redes digitais são o campo de batalha onde se travam as lutas mas significativas pelos direitos humanos (p. 13). REDES DE APRENDIZAGEM As redes sociais têm existência muito anterior à invenção do computador. As plataformas de redes sociais e a internet apenas facilitaram a comunicação entre pessoas em uma dimensão nunca antes registrada na história da humanidade. O aprendizado resultante de grupos conectados por redes sociais é fruto de um processo de sociabilidade que põe em contato criativo e curioso grupos de pessoas com biografias, valores, desejos e influências diversos, contatados entre si em torno da tarefa de juntos 10 codteor=912989&filename=pl+2126/ ura/pl principios-do-uso-da-internet/conheca-a-comissao/membros e 12 Página 17 de 34

18 desvendar, inventar e reinventar a realidade. O exercício cognitivo coletivo que caracteriza a aprendizagem em rede promove a circulação e distribuição de saberes, fortalece cada ponto dessa rede e as ligações entre esses pontos. Dias e Moura (2008) descrevem processos relacionados às redes de aprendizagem, e tratam de duas questões fundamentais: a mútua influência entre as novas formas de comunicação e as representações culturais e; sua repercussão nos processos de aprendizagem. No desenvolvimento do seu trabalho, adotaram como referencial teórico-metodológico a teoria sobre dialogismo de Mikhail Bakhtin, na perspectiva de conceituar o hipertexto como um evento comunicacional calcado em conceitos como interatividade, intertextualidade, interdisciplinaridade, multilinearidade, heterogeneidade, dialogismo e polifonia, e apontar a possibilidade de utilização do referencial bakhtiniano como subsídio para a elaboração e assunção de uma concepção pedagógica socioculturalista, que contribua para a promoção de uma Educação Hipertextual uma rede de experiências educacionais capaz de constituir salas de aula interativas e dinâmicas, propícias ao desenvolvimento de posturas e estratégias educativas pautadas na diversidade. EDUCOMUNICAÇÃO O termo educomunicação é recente e está ligado às práticas pedagógicas de formação de sujeitos com base em mídia de massa. Soares (2010) destaca três linhas que compõe a educomunicação: i) área da mediação tecnológica da educação, em que são aplicadas ferramentas de informação nos processos educativos; ii) área da educação para a comunicação, que trabalha com a reflexão sobre a relação entre elementos do processo de comunicação e está ligada aos meios; iii) área da gestão comunicativa, que está ligada à área de políticas de comunicação educativa, buscando ampliar o espaços de expressão. A educação na área da comunicação não se restringe a um caminho para a formação dos sujeitos, pois emprega várias metodologias que contribuem para o desenvolvimento humano, com foco na autonomia. A ideia é oferecer e disponibilizar diferentes meios de comunicação para o desenvolvimento de senso crítico a partir das diferentes linguagens. Conhecida abreviadamente por Educom, o encontro da Educação Página 18 de 34

19 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO com a Comunicação alia o uso de recursos tecnológicos e técnicas da comunicação em seus processos de aprendizagem, com caráter colaborativo e interdisciplinar. Sua perspectiva pode fortalecer as relações do ambiente escolar a partir dos seus ecossistemas democráticos e participativos. Assim, é tanto uma prática quanto um conceito que se situa na fronteira entre Educação e Comunicação. Como prática, propõe novos tipos de aprendizagem, utilizando recursos tecnológicos e novas relações na comunicação, mais democráticas, igualitárias e menos hierarquizadas. Pode ser desenvolvida com estudantes de qualquer idade e utilizada por professores de qualquer área. Exemplos de comunicação são o uso de rádio escolar, rádio virtual, videogames, softwares de aprendizagem online, podcasts, blogs, fotografia, projetos de entrevistas e reportagens executadas por estudantes 13. EDUCAÇÃO ABERTA E RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS No ano de 2002, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) organizou o 1º Fórum Global de Recursos Educacionais Abertos, evento no qual o termo Recursos Educacionais Abertos foi utilizado pela primeira vez. A comunidade REA-Brasil apresenta, em seu sítio 14, a seguinte definição, adaptada do conceito da UNESCO: Recursos Educacionais Abertos são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. O uso de formatos técnicos abertos facilita o acesso e o reuso potencial dos recursos publicados digitalmente. Recursos Educacionais Ver Página 19 de 34

20 Abertos podem incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didáticos, artigos de pesquisa, vídeos, testes, software, e qualquer outra ferramenta, material ou técnica que possa apoiar o acesso ao conhecimento. Por serem abertos, oferecem grande potencial de democratização da Educação não apenas por estarem facilmente acessíveis e poderem ser amplamente usados, mas também por trazerem em si a proposta da construção coletiva e colaborativa e da remixagem, contestando o atual modelo de produção e utilização de materiais didáticos. A proposta dos Recursos Educacionais Abertos coloca o(a) professor(a) no papel de autor(a) e confere ao material maior flexibilidade e qualidade, tendo em vista que as adaptações podem incluir especificidades locais que jamais seriam abordadas em material didático genérico. Santana, Rossini e Pretto (2012) afirmam que o recurso educacional aberto é aberto porque é livre, como liberdade, é aberto porque permite outros voos e outras produções, é aberto porque permite a remixagem e, em última instância, é aberto porque entende a diferença como um valor a ser enaltecido e não simplesmente aceito ou considerado. De acordo com Amiel (2012), configurações mais flexíveis de aprendizagem e ensino só são possíveis com a utilização de Recursos Educacionais Abertos (REA). HIPERTEXTO A origem do hipertexto remonta ao século XVI, com a proposta de permitir a consulta simultânea de vários livros. Em 1945, Bush apresentou para a sociedade a concepção de uma biblioteca multimídia capaz de oferecer leitura não-linear, com documentos associados por assuntos. Tal concepção pode se concretizar com o advento da popularização da internet e do acesso massivo à informação. Uma lógica de associações - de palavras, conceitos, ideias, modelos, imagens, sons, odores, sensações proprioceptivas, lembranças, afetos, etc. assemelha-se à nossa forma de pensar 15. O hipertexto se concentra não somente na comunicação, mas em todas as esferas da realidade em que significações estejam em jogo. A rede hipertextual está em constante construção e renegociação, e suas conexões são 15 Por isso, o nome do artigo de Vannevar Bush As we may think, ou, em tradução livre, Como nós pensamos. Página 20 de 34

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE MANAUS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Proposta de Estrutura Curricular do Ensino Fundamental de 9 (nove) Anos com um Bloco Pedagógico nos Três Anos Iniciais RELATORA: Aldenilse Araújo

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA

O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA O BLOG NUMA PERSPECTIVA EDUCOMUNICATIVA SANTOS, Suara Macedo dos 1 - UFPE Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O trabalho apresentado resulta

Leia mais

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida O uso da tecnologia de informação e comunicação TIC - na escola carrega em si mesmo as contradições da sociedade

Leia mais

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância 1 Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância Data de envio do trabalho: 06/11/2006 Ludmyla Rodrigues Gomes Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) ludmyla.gomes@enap.gov.br

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Faculdade de Educação da USP, 11 e 12 de agosto de 2000 O mundo de constantes transformações em que vivemos tornou obsoleta a idéia de que a educação

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância

A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância A Implementação do Ambiente Moodle na Educação de Jovens e Adultos a Distância Maria Vandete de Almeida Especialista em Desenvolvimento de Sistemas para Web Aluna não-regular Programa de Pós-graduação

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

O que é um Telecentro e para que serve?

O que é um Telecentro e para que serve? O que é um Telecentro e para que serve? Telecentros são espaços com computadores conectados à Internet banda larga. Cada unidade possui normalmente entre 10 e 20 micros. O uso livre dos equipamentos, cursos

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO OPORTUNIDADES DE TRABALHO E CIDADANIA Área Temática: Trabalho Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Fabio Favarim Beatriz Terezinha Borsoi 2 Palavras-chave: inclusão

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE Diretoria de Estudos e Acompanhamento das Vulnerabilidades Educacionais Avaliação da Rede de Educação para a Diversidade

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais