Interação Genótipo-Ambiente para a Produção de Leite em Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil. 2. Uso de um Modelo Animal 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interação Genótipo-Ambiente para a Produção de Leite em Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil. 2. Uso de um Modelo Animal 1"

Transcrição

1 Rev. bras. zootec., 29(6): , 2000 (Suplemento 1) Interação Genótipo-Ambiente para a Produção de Leite em Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil. 2. Uso de um Modelo Animal 1 Paulo Roberto Nogara Rorato 2, Dale Van Vleck 3, Rui da Silva Verneque 4, Mário Luiz Martinez 4, José Valente 4, Claudia Helena Gadini 5 RESUMO - Com o objetivo de estudar o efeito da interação genótipo-ambiente sobre o desempenho produtivo de vacas da raça Holandesa no Brasil, foram estudados os registros de produção total de leite à primeira lactação de vacas, filhas de 233 touros distribuídas em 377 rebanhos, no período de 1981 a Os dados pertencentes ao Arquivo Zootécnico Nacional-Gado de Leite foram estratificados de acordo com a produção média de leite do rebanho, por lactação, em níveis baixo (B), médio (M) e alto (A). Os componentes de (co)variância foram estimados utilizando-se o método da máxima verossimilhança restrita sob um modelo animal, considerando a produção total de leite, em função dos efeitos fixos rebanho-ano-época e aleatórios genético aditivo, interação touro x ano-época e residual. Os componentes de variância genética (s 2 a ) foram , e e os de ambiente (s2 e ) foram , e , respectivamente, para os níveis B, M e A. Os coeficientes de herdabilidade estimados foram 0,58; 0,26; e 0,32, para os níveis B, M e A, respectivamente. Os coeficientes de correlação genética entre os níveis, medida da interação genótipo-ambiente, foram 0,42, entre os níveis B e M, 0,59, entre os níveis B e A e 0, 98, entre os níveis M e A. Palavras-chave: coeficientes de herdabilidade, componentes de variância, correlação genética, interação genótipo-ambiente, produção de leite Genotype-Environment Interaction on Milk Production in Holstein Herds in Brasil. 2. Use of an Animal Model ABSTRACT - Records on first lactations of Holstein cows sired by 233 bulls distributed in 377 herds from 1981 to 1991 were used to study the effect of genotype-environment interaction on milk production. The data were distributed in three levels (low- B, medium-m and high-a) according to the average of the herd milk production. (Co) variances components were estimated by REML using an animal model considering milk production as a function of the herd-year-season fixed effect and the additive genetic, sire by year-season interaction, and residual random effects. The estimated variance components were 1,012,987, 429,703, and 583,650, for the genetic (s 2 a ) and 594,785, 1,268,903, and 1, , for the environmental (s2 e ) variance, respectively, for the levels B, M, and A. The estimated heritabilities were.58,.26, and.32, respectively, for B, M, and A levels. The estimated genetic correlations were.42,.59, and.98, among the levels B and M, B and A, and M and A, respectively. Key Words: coefficients of heritability, genetic correlation, genotype by environment interaction, milk production, variance components Introdução Por ser um país continental, o Brasil apresenta grande variação climática, com baixas temperaturas no inverno e verão quente; um regime de chuvas bem distribuído durante o ano todo, no sul; inverno seco com temperatura amena e verão quente e chuvoso, nas regiões centrais; clima tropical úmido, na região norte e semi-árido na região nordeste. O maior percentual da produção de leite nacional está concentrado nas regiões central e sul do país proveniente de animais da raça Holandesa e seus mestiços. Por originar-se de região de clima temperado, esta raça, quando exposta a condições diversas, necessita adaptar-se modificando o metabolismo em busca do conforto térmico. A energia despendida neste processo é subtraída daquela disponível para a produção, que, por conseguinte, é reduzida. O melhoramento genético dos rebanhos leiteiros brasileiros, em geral, passa pela importação de sêmen. Todavia, para nossas condições criatórias, em conseqüência das diferenças de ambiente, os produtos destas importações muitas vezes têm evidenciado baixo desempenho produtivo. Segundo BUVANENDRAN e 1 Pesquisa financiada pela CAPES. 2 Professor do Departamento de Zootecnia - UFSM Santa Maria - RS. 3 Professor do Animal Science Department - UNL - Lincoln - Nebraska - USA. 4 Pesquisador do CNPGL/EMBRAPA - Coronel Pacheco - MG. 5 In Memoriam.

2 PETERSEN (1980), a interação genótipo-ambiente origina mudanças na ordem de classificação dos valores genéticos e nas variâncias genéticas. Na tentativa de elucidar a importância da interação genótipo-ambiente, inúmeros trabalhos de pesquisa foram realizados, estimando-se a correlação genética entre o desempenho das filhas de um mesmo reprodutor em diferentes condições de ambiente dentro de um mesmo país, como nos trabalhos de VAN VLECK (1963), MOULICK (1978), DE VEER e VAN VLECK (1987) e CARABAÑO et al. (1990), ou mesmo entre países diferentes, como nos trabalhos de PETERSEN (1975), McDOWELL et al. (1976), MENENDEZ e GUERRA (1981), CARABAÑO et al. (1989) e STANTON et al. (1991). Esses autores concluíram que não ocorre, ou se ocorre não tem importância prática, alteração na ordem de classificação dos genótipos, como conseqüência da interação genótipo-ambiente. Conclusão semelhante foi relatada por MAITA e VACCARO (1988), na Venezuela, comparando os desempenhos de filhas de touros nativos com os de filhas de touros importados. Entretanto, BUVANENDRAN e PETERSEN (1980) encontraram correlação genética baixa (0,08) para a produção de leite, no Sri lanka e na Dinamarca, e ABUBAKAR et al. (1987) estimaram correlação genética igual a 0,26 entre a ordem de classificação dos valores genéticos de touros no México e na Colômbia, indicando mudanças consideráveis na ordem de classificação dos reprodutores nos dois países. HOURI NETO (1996), estudando a correlação genética entre o desempenho das filhas de touros no Brasil e nos Estados Unidos, concluiu que a resposta, em termos de produção, era diferente nos dois países, em função da interação genótipo-ambiente. O efeito da interação genótipo-ambiente sobre o desempenho produtivo da raça Holandesa, no Brasil, foi estudado por MADALENA et al. (1982), os quais encontraram efeito significativo para a interação grupo genético-nível de manejo em rebanhos mestiços das raças e Guzerá. VENKOWSKY e DIAS (1970) verificaram a superioridade do grupo genético 5/8 Holandês + 3/8 Guzerá em regime de criação extensivo, enquanto, em sistemas intensivos de produção, PIRES et al. (1985) verificaram acréscimo significativo na produção de leite e na duração da lactação com o aumento da proporção de genes da raça Holandesa na composição genética dos animais. De forma semelhante, em estudo realizado por RORATO et al. (1992), no Estado do Paraná, o melhor desempenho foi verificado nas filhas de touros RORATO et al de origem nacional, quando exploradas em rebanhos com nível de produção de até kg leite/lactação, ao passo que as filhas dos touros de origem americana e canadense foram mais produtivas nos rebanhos com nível de produção superiores a este. RORATO et al. (1994), ainda no Estado do Paraná, estimaram coeficientes de correlação genética iguais a 0,25 e 0,36 entre o desempenho das filhas de um mesmo reprodutor em regiões diferentes. Pesquisando muitos rebanhos da raça Holandesa no Brasil, em que o ambiente foi estudado de forma indireta pelo nível de produção, RORATO et al. (1999) verificaram que os menores coeficientes de correlação genética ocorreram entre os ambientes mais contrastantes. Os estudos sobre interação genótipo-ambiente são contraditórios, merecendo ser mais pesquisado nas condições brasileiras. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocorrência da interação genótipo-ambiente sobre a produção total de leite na raça Holandesa, por intermédio da estimativa dos coeficientes de herdabilidade e de correlação genética entre as produções das filhas de um mesmo reprodutor em ambientes diversos, representados por três níveis diferentes de produção. Material e Métodos Foram estudadas as produções totais de leite à primeira lactação de vacas da raça Holandesa, filhas de 233 touros, distribuídas em 377 rebanhos, no período de 1981 a Os dados foram extraídos do Arquivo Zootécnico Nacional-Gado de Leite, localizado no CNPGL-EMBRAPA. Sob a suposição de que, nos rebanhos de produção de médias mais baixas, o manejo em geral é deficitário, tornando-se mais eficiente nos rebanhos de médias mais elevadas, o ambiente foi diferenciado de forma indireta, pela média de produção do rebanho. Os dados foram estratificados de acordo com a produção média de leite do rebanho em: nível baixo (B) para as produções por lactação, ajustadas à idade adulta, abaixo de kg, médio (M) de a kg e alto (A) acima de kg. FALCONER (1952) sugere que o desempenho de uma mesma característica em dois ambientes diferentes pode ser assumido como características distintas; a magnitude do coeficiente de correlação genética entre os desempenhos das filhas de um mesmo reprodutor nos níveis diferentes de ambiente dá indícios do comportamento dos genes e será uma das medidas da interação. Assim, a correlação genética entre as produções de leite, nos níveis

3 2032 Rev. bras. zootec. A, B e C, foi um dos critérios adotados para estudar a interação. De outra forma, a interação foi também avaliada por meio da comparação dos valores dos coeficientes de herdabilidade, estimados para os diferentes níveis, uma vez que a heterogeneidade destes parâmetros é indício de interação. Os componentes de (co)variância foram estimados utilizando-se o método da máxima verossimilhança restrita (REML) sob um modelo animal considerando as produções totais de leite, em função do efeito fixo de rebanhoano-época e dos aleatórios genético aditivo, interação touro-ano-época e residual. Foram consideradas duas épocas por ano, uma de abril a setembro e a outra de outubro a março. O programa computacional utilizado foi o MTDFREML de BOLDMAN et al. (1995). Resultados e Discussão A distribuição dos dados pelos níveis está apresentada na Tabela 1. Observa-se a existência de maior número de informações nos níveis mais altos, nos quais os coeficientes de variação foram menores, sugerindo serem as produções nestes níveis, relativamente, mais homogêneas. O maior componente de variância fenotípica foi observado no nível de produção alto (A), seguido dos níveis baixo (B) e médio (M), aproximadamente 9% menores (Tabela 2), sugerindo que, com o meio ambiente mais favorável oferecido no nível A, os fenótipos expressaram maior variação, diferenciando-se uns dos outros. Esta tendência está de acordo com o relatado por DONG e MAO (1984), BOLDMAN e FREEMAN (1990) e VALENCIA et al. (1998), os quais observaram aumento da variância fenotípica do nível baixo para o alto. O componente de variância genética aumentou do nível M para o B (Tabela 2), em que seu valor máximo foi cerca de 58 e 42% maior, em relação aos níveis M e A, respectivamente. Estas menores variâncias genéticas observadas para os níveis M e A podem ser atribuídas, em parte, às restrições impostas aos reprodutores, os quais deveriam possuir mais que três filhas, que, por sua vez, deveriam estar presentes em, pelo menos, dois dos níveis para que fossem incluídos neste estudo. Tal procedimento pode ter levado a uma amostra selecionada de reprodutores. Este componente de variância foi responsável por, aproximadamente, 59, 26 e 32% da variação total, para os níveis B, M e A, respectivamente. Este comportamento foi oposto ao relatado por BOLDMAN e FREEMAN (1990) e DONG e MAO (1990), para os quais a variância genética cresceu do nível B para o A e foi o dobro no A em relação a B, e por VALENCIA et al. (1998), os quais verificaram que a maior variância genética ocorreu no nível M, onde foi cerca de três vezes maior em relação a B. O componente de variância de ambiente foi menor no nível B, enquanto nos níveis M e A foram encontrados valores duas vezes maiores (Tabela 2). Estes altos valores para os níveis M e A foram responsáveis pela compressão da variância genética, sugerindo que os animais nestes dois níveis não foram capazes de expressar tode seu potencial genético, em conseqüência do meio ambiente desfavorável. Este componente de variância foi responsável por, aproximadamente, 34, 70 e 64% da variação total para os níveis B, M e A, respectivamente. Comportamento similar foi relatado por DE VEER e VAN VLECK (1987), BOLDMAND e FREEMAN (1990) e VALENCIA et. al. 1998), os quais observaram que a variância residual aumentou com o nível de produção. As proporções da variação devidas à interação touro x ano-época foram pequenas, representando apenas, aproximadamente, 7, 4 e 4% da variância Tabela 1 - Número de observações, produções médias de leite e respectivos erros-padrão, em kg, e coeficientes de variação (CV), em %, segundo os níveis de produção Table 1 - Number of observations, average milk yield, and respective standard errors, in kg, and coefficients of variation (CV), in %, by herd production level Níveis Nº Obs. Produção de leite Erro-padrão CV Levels N. Obs. Milk production Standard error Baixo-B Low - B Médio-M Medium -M Alto-A High - A

4 RORATO et al total, respectivamente, para os níveis B, M e A estimativa para o coeficiente de herdabilidade no (Tabela 2), sugerindo que, a partir dos dados estudados, nível médio de produção, e de DE VEER e VAN este efeito pode não ser importante sob o ponto de VLECK (1987) e BOLDMAN e FREEMAN (1990) vista prático, porém foi cerca de 50% maior para o e DONG e MAO (1990), os quais observaram valores crescentes, de acordo com o aumento da média de nível B em relação aos outros dois. As variâncias heterogêneas verificadas neste produção, para os coeficientes de herdabilidade estimados. Os menores valores estimados neste trabalho trabalho chamam a atenção para a necessidade de estabilização das mesmas para aumentar a acurácia para os coeficientes de herdabilidade, para os níveis nas avaliações genéticas, pois, segundo RAMOS et al. A e M, são conseqüência da redução da variância de (1966), uma conseqüência direta da heterocedasticidade reprodutor causada, provavelmente, pela seleção dos das variâncias é o risco de se selecionar maior touros e do tratamento preferencial dispensado às proporção de animais de maior variabilidade fenotípica, vacas de maiores produções destes níveis. Apesar de e não de maior valor genético, podendo provocar as condições de meio ambiente serem melhores nos redução no progresso genético. níveis M e A, quando comparados com o nível B, Os coeficientes de herdabilidade (Tabela 2), provavelmente, não eram suficientemente boas, limitando a expressão do potencial genético das vacas assim como as variâncias, não foram homogêneos nos diferentes níveis, crescendo da seguinte forma: superiores nestes dois níveis e, neste caso, segundo 0,26; 0,32; e 0,58, respectivamente, para os níveis M, CARABAÑO et al. (1989), as diferenças nas produções entre os animais, devidas ao valor genético, A e B, como conseqüência do aumento da variância de reprodutor e da redução da variância de ambiente. estariam restringidas. Os rebanhos de médias de produção mais altas apresentaram menores estimativas. A maior magnitude que os menores coeficientes de correlação genética O estudo da interação genótipo-ambiente revelou observada no nível B (45 e 55% em relação a M e A, estimados (0,42 e 0,59) ocorreram entre os níveis respectivamente) talvez possa ter ocorrido em função baixo e médio e baixo e alto, respectivamente (Tabela 2). do menor número de observações neste extrato (cerca de 50% dos outros dois) para um número menor de genótipos não tiveram a oportunidade de se expressar Estes valores ocorreram, provavelmente, porque os reprodutores (cerca de 8%, somente), reduzindo o plenamente, em conseqüência do meio desfavorável número médio de filhas, o que diminui a acurácia das no nível baixo, além do menor número de observações estimativas. Esta tendência de comportamento foi neste nível. Estes valores são maiores que aqueles relatada por RAMOS et al.(1996) e VALENCIA et relatados por RORATO et al. (1994 e 1999), com al. (1996), os quais observaram o maior coeficiente dados brasileiros. Todavia, são menores que os obtidos de herdabilidade no nível B. Todavia, estes resultados por DE VEER e VAN VLECK (1987) e CARABAÑO são discordantes dos relatados por MIRANDE e et al. (1989 e 1990), com dados latinoamericanos e VAN VLECK (1985), os quais verificaram a maior americanos. Sob o ponto de vista prático, estes valo- Tabela 2 - Componentes de variância genética (σ 2 a ), de ambiente (σ2 e ), da interação touro x ano-época (σ 2 T X AE ), em kg2,e fenotípica (σ 2 p ), segundo os níveis de produção Table 2 - Genetic (σ 2 a ), environmental, (σ2 e ), interaction (σ2 T X AE ), and phenotipic (σ2 p ) variance components, in kg 2, by levels Níveis Levels σ 2 a σ 2 e σ 2 T X AE σ 2 p Baixo-B Low - B (59) 1 (34) (7) (100) Médio-M Medium-M (26) (70) (4) (100) Alto-A High - A (32) (64) (4) (100) 1 Os valores entre parentêses representam o percentual em relacao à variancia total. 1 The values between brackets means the percentage of the total variance.

5 2034 Rev. bras. zootec. Tabela 3 - Coeficientes de herdabilidade, segundo os níveis B, M e A e de correlações genéticas entre eles Table 3 - Coefficients of heritability, for the levels B, M, and A, and genetic correlations among them Níveis Herdabilidades Corr. genéticas Levels Heritabilities Genetic correlations Baixo-B 0,58 B X M 0,42 Low - B Médio-M 0,26 B X A 0,26 Medium -M Alto-A 0,32 M X A 0,98 High - A res significam que filhas de um reprodutor expressarão frações diferentes do valor genético transmitido, dependendo do nível em que estiverem os rebanhos nos quais irão realizar seus desempenhos. Portanto, para rebanhos classificados nestes dois estratos, é importante que o efeito da interação genótipo-ambiente seja considerado no momento da escolha do sêmen a ser adquirido, pois, caso contrário, o produtor poderá ver sua expectativa de ganho genético para a próxima geração frustrada. HOURI NETO (1996), estudando a correlação genética entre as produções das filhas de touros com desempenho no Brasil e nos Estados Unidos, concluiu, similarmente, que a utilização de touros leiteiros selecionados para produção de leite no Brasil, a partir de avaliação genética feita sob condições norte-americanas, deveria levar em consideração a interação genótipoambiente. O valor estimado entre os níveis médio e alto foi de 0,98 e está de acordo com os resultados relatados por DE VEER e VAN VLECK (1987) e CARABAÑO et al. (1990), os quais encontraram coeficientes de correlação próximos da unidade. Este valor significa que as filhas de um mesmo reprodutor deverão apresentar desempenhos semelhantes nos níveis M e A. Conclusões Os componentes de variância nos diferentes níveis foram heterogêneos, fato que deve ser considerado na avaliação genética dos animais. Os coeficientes de herdabilidade estimados não foram homogêneos, implicando em que o progresso genético esperado pela seleção está na dependência dos diferentes níveis de ambiente em que os animais são criados. Os coeficientes de correlação genética de 0,42, entre os níveis B e M, e 0,59, entre os níveis B e A, são indícios claros do efeito da interação genótipoambiente, mostrando que os melhores reprodutores em um dos níveis não serão, necessariamente, nos outros; portanto, na aquisição de sêmen, a interação genótipo-ambiente deve ser considerada. O coeficiente de correlação 0,98, entre os níveis M e A sugere desempenhos semelhantes entre as filhas de um mesmo reprodutor nestes dois níveis de produção. Agradecimento Ao Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria, pela oportunidade; à CAPES, pelo suporte financeiro que viabilizou a realização deste estudo; ao CNPGL-EMBRAPA, pela cessão dos arquivos com os registros de produção; e ao Animal Science Department da Universidade de Nebraska-Lincoln-USA, pelo uso do laboratório de computação onde as análises foram realizadas. Em especial ao Dr. Dale Van Vleck, pela colaboração na realização deste trabalho. Referências Bibliográficas ABUBAKAR, B.Y., McDOWELL, R.E., VAN VLECK, L.D Interaction of genotype and environment for breeding efficiency and milk production of Holsteins in Mexico and Colombia. Trop. Agric., 64(1): BOLDMAN, K.G., FREEMAN, A.E Adjustment for heterogeneity of variances by herd production level in dairy cow and sire evaluation. J. Dairy Sci., 73(2): BUVANENDRAN, V., PETERSEN, P.H Genotypeenvironment interactionn in milk production under Sri Lanka and Danish conditions. Acta Agriculturae Scandinavica, 30: CARABAÑO, M.J., WADE, K.M., VAN VLECK, L.D Genotipe by environment interactions for milk and fat productions of the Unite States. J. Dairy Sci., 73(1): CARABAÑO, M.J., WIGGANS, G.R., ALENDA, R Estimation of genetic parameters for milk and fat yields of dairy cattle im Spain and the United States. J. Dairy Sci., 72(11): DE VEER, J.C., VAN VLECK, L.D Genetic parameters for first lactation milk yields at three levels of herd production. J. Dairy Sci., 70(7): DONG, M.C., MAO, I.L Heterogeneity of (co)variance and heritability in different levels of intraherd milk production variance and of herd average. J. Dairy Sci., 73(3): FALCONER, D.S The problem of environment and selection. America. Nat., 86: HOURI NETO, M. Interação genótipo-ambiente e avaliação genética de reprodutores da raça Holandesa, usados no Brasil e nos Estados Unidos: Belo Horizonte, MG:Escola de Veterinária/UFMG, 1996, 204 p. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Universidade Federal de Minas Gerais, MADALENA, F.E., LEMOS, A.M.,TEODORO, R.T. et al.

6 Estratégias de cruzamentos entre raças leiteiras na região sudeste. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE MELHORA- MENTO GENÉTICO DE BOVINOS LEITEIROS NO TRÓPICOS, 1, 1982, Juiz de Fora, MG. Anais... Juiz de Fora: EMBRAPA,p MAITA, L., VACCARO, L Estimation of breeding value of bulls used in two dairy herds at the University of Venezuela. Anim. Breeding Abst., 50 (7):395. McDOWELL, R.E., WIGGANS,G.R., CAMOES, J.K. et al Sire comparisons for Holstein in Mexico versus the Unite States and Canada. J. Dairy Sci.,59 (2): MIRANDE, S.L., VAN VLECK, L.D Trends in genetic and phenotypic variances for milk production. J. Dairy Sci., 68 (9): MENENDEZ, A.B., GUERRA, D. Relación entre el valor genetico de sementales Holstein evaluados em Cuba, Canada y Mexico. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO LATINO AMERICANA DE PRODUÇÃO ANIMAL, 8, 1981, Santo Domingo, São Domingos. Proceedings... São Domingos/ALPA, p.161. MOULICK, S.K Ranking of Jersey, Holstein and Brown Swiss bulls in India as compared with that of the United States and England as na evidence of genotype-environment interaction. Ind. J. Dairy Sci., 31: RAMOS, A.A., VALENCIA, E.T., WECHSLER, F.S. et al. Heterogeneidade de variância das características de produção de bovinos da raça Holandesa no trópico. I-Estratificação por nível de produção do rebanho. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33, 1996, Fortaleza, CE. Anais... Fortaleza: SBZ, p RORATO, P.R.N., RIBAS, N.P., LÔBO, R.B. et al Interação genótipo-ambiente no desempenho produtivo de vacas da raça Holandesa no Estado do Paraná. R. Soc. Bras. Zootec., 21(1): RORATO, P.R.N., LÔBO, R.B., FILHO, R.M. et al Efeito da interação genótipo-ambiente sobre a produção de leite da raça Holandesa no Estado do Paraná. R. Soc. Bras. Zootec., 23(5): RORATO, P.R.N., VERNEQUE, R.S., MARTINEZ, M.L. et al. RORATO et al Interação genótipo-ambiente para a produção de leite em rebanhos da raça Holandesa no Brasil. (I) Modelo de touro. Ciência Rural, 28(4): STANTON, T.L., BLAKE, R.W., QUASS, R.L. et al Genotype by environment interaction for Holstein milk yield in Colombia, Mexico, and Puerto Rico. J. Dairy Sci., 74(5): VALENCIA, E.T., RAMOS, A.A., WECHSLER, F.S. et al. Heterogeneidade de variância das características de produção de bovinos da raça Holandesa no Trópico. II. Estratificação por nível de produção das vacas. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33, 1996, Fortaleza, CE. Anais... Fortaleza: SBZ, p VALENCIA, E.T., RAMOS, A.A., WESCHLER, F.S. et al. Heterocedasticidade São dos componentes de variância, na produção de leite de rebanhos dos estados de Paulo e Paraná, Brasil. In: REUNIAO ANUAL DA SOCIEDADE BRASI- LEIRA DE ZOOTECNIA, 35, 1998, Botucatu, SP. Anais Botucatu: SBZ, p VAN VLECK, L.D Genotype and environment in sire evaluation. J. Dairy Sci., 46:983. VENKOVSKY, R., DIAS, D.J Um modelo genético aplicado à análise de produção de leite em gado bovino. Relatório do Departamento de Genética, ESALQ/USP. Recebido em: 14/03/00 Aceito em: 15/10/00

Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa

Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa Rev. bras. zootec., 30(2):383-387, 2001 Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa Nilson Milagres Teixeira 1, William

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1

Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1 Eficiência Reprodutiva e Produtiva em Rebanhos Leiteiros Comerciais Monitorados por Sistema Informatizado 1 Selma de Fátima Grossi 2, Maria Armênia Ramalho de Freitas 3 RESUMO - O estudo foi conduzido

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO LUCAS FAVORETTO RASSI, VIVIANE CAMPOS ARAUJO, BRENO DE FARIA E VASCONCELLOS, FERNANDO XAVIER NASCENTE, VINICIUS GOULART SCHWABACHER,

Leia mais

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena Departamento de Zootecnia, Escola de Veterinária da

Leia mais

*Trabalho realizado junto ao Departamento de Zootecnia da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias UNESP Jaboticabal.

*Trabalho realizado junto ao Departamento de Zootecnia da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias UNESP Jaboticabal. EFEITOS GENÉTICOS E AMBIENTAIS SOBRE A PRODUÇÃO DE LEITE, O INTERVALO DE PARTOS E A DURAÇÃO DA LACTAÇÃO EM UM REBANHO LEITEIRO COM ANIMAIS MESTIÇOS, NO BRA- SIL* BRENO DE FARIA E VASCONCELLOS 1 JOÃO TEODORO

Leia mais

Parâmetros Genéticos

Parâmetros Genéticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Parâmetros Genéticos 1. INTRODUÇÃO Os parâmetros genéticos são

Leia mais

Ajustamento para Heterogeneidade de Variância para Produção de Leite entre Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil

Ajustamento para Heterogeneidade de Variância para Produção de Leite entre Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil Rev. bras. zootec., v.28, n.2, p.295-303, 1999 Ajustamento para Heterogeneidade de Variância para Produção de Leite entre Rebanhos da Raça Holandesa no Brasil Robledo de Almeida Torres 1, José Aurélio

Leia mais

Tendências genéticas para escores visuais de conformação, precocidade e musculatura à desmama de bovinos Nelore

Tendências genéticas para escores visuais de conformação, precocidade e musculatura à desmama de bovinos Nelore Revista Brasileira de Zootecnia 27 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 186-929 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.36, n.3, p.572-577, 27 Tendências genéticas para escores

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

ALI WILLIAM CANAZA CAYO AVALIAÇÃO GENÉTICA DA PRODUÇÃO DE LEITE E DE CARACTERÍSTICAS REPRODUTIVAS DE BOVINOS DA RAÇA GIROLANDO

ALI WILLIAM CANAZA CAYO AVALIAÇÃO GENÉTICA DA PRODUÇÃO DE LEITE E DE CARACTERÍSTICAS REPRODUTIVAS DE BOVINOS DA RAÇA GIROLANDO ALI WILLIAM CANAZA CAYO AVALIAÇÃO GENÉTICA DA PRODUÇÃO DE LEITE E DE CARACTERÍSTICAS REPRODUTIVAS DE BOVINOS DA RAÇA GIROLANDO Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa

Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.4, p.522-528, 2004 Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa [Study of environmental effects on

Leia mais

Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil

Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil Avaliação do desempenho de animais da raça Canchim durante a fase de cria, no estado do Paraná, Brasil J. de Souza 1, E. Pereira, D. Perotto 2, J. Moletta 2, A. Miyagi, J. de Freitas Universidade Federal

Leia mais

ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS GENÉTICOS EM CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DA RAÇA HOLANDESA

ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS GENÉTICOS EM CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DA RAÇA HOLANDESA ESTIMATIVAS DE PARÂMETROS GENÉTICOS EM CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DA RAÇA HOLANDESA ESTIMATIVE OF GENETIC PARAMETERS IN PRODUCTION TRAITS OF THE HOLSTEIN BREED Eduardo Brun Shwengber 1 & Evaristo Bianchini

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil Brazilian milk production systems and its representativeness Stock, L.A.; Carneiro, A.V. 1 ; Carvalho, G.R. 1 ; Zoccal, R. 1

Leia mais

Interação genótipo ambiente para produção de leite de bovinos da raça Holandesa entre bacias leiteiras no estado do Paraná

Interação genótipo ambiente para produção de leite de bovinos da raça Holandesa entre bacias leiteiras no estado do Paraná Revista Brasileira de Zootecnia 9 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1516-3598 (impresso) ISSN 186-99 (on-line) www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.38, n.3, p.467-473, 9 Interação genótipo ambiente

Leia mais

Parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros e vacas Gir leiteiro

Parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros e vacas Gir leiteiro Revista Brasileira de Zootecnia 2010 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros e vacas Gir leiteiro Mário Luiz Santana

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DE PRECISÃO

MELHORAMENTO GENÉTICO DE PRECISÃO MELHORAMENTO GENÉTICO DE PRECISÃO Uma nova abordagem da seleção em tempos de mudanças climáticas, globalização e sustentabilidade Newton Tamassia Pegolo Abril - 2010 Deus está nos detalhes Gustave Flaubert,

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 14 INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS Prof. Rodrigo de Almeida Entendendo as Provas de Touros Canadenses Informações de Produção Provas de produção Baseado

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO*

PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* PRODUÇÃO MÉDIA DE LEITE DE VACAS GIROLANDO MANTIDAS EM PASTEJO ROTACIONADO DE TIFTON 85 COM E SEM IRRIGAÇÃO NO PERÍODO CHUVOSO* OLIVEIRA, A.I.¹; JAYME, D.G.²; BARRETO, A.C. 3 ; FERNANDES, L.O. 4 ; SENE,

Leia mais

Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado

Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado M. A. R. de Freitas 1, M. M. Guilhermino*, I. B. M. Sampaio 2 e S. F. Grossi 3 Estação Experimental de Zootecnia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Fatores ambientais que influem no tempo de corridas de cavalos Puro- Sangue Inglês Mota,

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Escore de condição corporal de vacas da raça Nelore e suas relações com características de tamanho e reprodução

Escore de condição corporal de vacas da raça Nelore e suas relações com características de tamanho e reprodução Escore de condição corporal de vacas da raça Nelore e suas relações com características de tamanho e reprodução M.E. Zerlotti Mercadante 1, A.G. Razook 2, J.A. de Vasconcelos Silva 3, e L.A. de Figueiredo

Leia mais

Parâmetros Genéticos para Características Produtivas em Bovinos da Raça Holandesa no Estado de Goiás

Parâmetros Genéticos para Características Produtivas em Bovinos da Raça Holandesa no Estado de Goiás Rev. bras. zootec., 29(2):421-426, 2000 Parâmetros Genéticos para Características Produtivas em Bovinos da Raça Holandesa no Estado de Goiás Gilka Barbosa Ferreira 1, Henrique Dorneles Fernandes 2 RESUMO

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

LUCIANA SALLES DE FREITAS AVALIAÇÃO DA PERSISTÊNCIA NA LACTAÇÃO DE VACAS GUZERÁ UTILIZANDO MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA

LUCIANA SALLES DE FREITAS AVALIAÇÃO DA PERSISTÊNCIA NA LACTAÇÃO DE VACAS GUZERÁ UTILIZANDO MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA LUCIANA SALLES DE FREITAS AVALIAÇÃO DA PERSISTÊNCIA NA LACTAÇÃO DE VACAS GUZERÁ UTILIZANDO MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA Dissertação apresentada à Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas

Leia mais

Influência do Período de Serviço no Início da Lactação sobre a Relação entre a Produção de Leite e o Período de Serviço de Vacas da Raça Holandesa

Influência do Período de Serviço no Início da Lactação sobre a Relação entre a Produção de Leite e o Período de Serviço de Vacas da Raça Holandesa Rev. bras. zootec., 29(2):452-457, 2000 Influência do Período de Serviço no Início da Lactação sobre a Relação entre a Produção de Leite e o Período de Serviço de Vacas da Raça Holandesa Nilson Milagres

Leia mais

Parâmetros Genéticos da Produção de Leite de Animais da Raça Holandesa Mantidos em Sistema Intensivo de Produção do Tipo Free Stall

Parâmetros Genéticos da Produção de Leite de Animais da Raça Holandesa Mantidos em Sistema Intensivo de Produção do Tipo Free Stall Rev. bras. zootec., 29(6):2008-2012, 2000 (Suplemento 1) Parâmetros Genéticos da Produção de Leite de Animais da Raça Holandesa Mantidos em Sistema Intensivo de Produção do Tipo Free Stall Ary Ferreira

Leia mais

Os principais tipos climáticos mundiais

Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais 1 massas de ar -Definição - Origens - Tipos - Frentes (fria e quente) 2 Climas -O que define os climas? - Tipos de climas

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

JOÃO CRUZ REIS FILHO ALTERNATIVAS PARA AVALIAÇÃO GENÉTICA NA RAÇA GIR LEITEIRO

JOÃO CRUZ REIS FILHO ALTERNATIVAS PARA AVALIAÇÃO GENÉTICA NA RAÇA GIR LEITEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO ALTERNATIVAS PARA AVALIAÇÃO GENÉTICA NA RAÇA GIR LEITEIRO Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em Genética e Melhoramento,

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

Avaliação Genética de Vacas e Touros da Raça Gir com Base na Produção de Leite em Diferentes Estádios de Lactação

Avaliação Genética de Vacas e Touros da Raça Gir com Base na Produção de Leite em Diferentes Estádios de Lactação Rev. bras. zootec., 29(4):1060-1066, 2000 Avaliação Genética de Vacas e Touros da Raça Gir com Base na Produção de Leite em Diferentes Estádios de Lactação Rui da Silva Verneque 1, Mario Luiz Martinez

Leia mais

Modelos de dimensão finita para a estimação de parâmetros genéticos para a produção de leite de primeiras lactações de vacas da raça Holandesa

Modelos de dimensão finita para a estimação de parâmetros genéticos para a produção de leite de primeiras lactações de vacas da raça Holandesa Ciência Rural, Santa Modelos Maria, de dimensão v.38, n.6, finita p.1705-1710, para a estimação set, 2008de parâmetros genéticos para a produção de leite... ISSN 0103-8478 1705 Modelos de dimensão finita

Leia mais

Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino

Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino José Lindenberg Rocha Sarmento 1, Edgard Cavalcanti Pimenta Filho 2, Maria Norma Ribeiro 3, Cláudio

Leia mais

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Equipe de pesquisadores MGA/ CNPGL: Maria Gabriela C.D. Peixoto Rui da Silva Verneque João Cláudio do Carmo Panetto Frank Ângelo Tomita Bruneli

Leia mais

Classificação Linear de Caprinos Leiteiros

Classificação Linear de Caprinos Leiteiros Classificação Linear de Caprinos Leiteiros Silvio Doria de Almeida Ribeiro 1,2,3 e Anamaria Cândido Ribeiro 1,2,4 1 Dr, Professor do CREUPI - Espírito Santo do Pinhal SP www.creupi.br 2 Consultor da Capritec

Leia mais

Intervalo de Partos e Fertilidade Real em Vacas Nelore no Estado do Maranhão 1

Intervalo de Partos e Fertilidade Real em Vacas Nelore no Estado do Maranhão 1 Rev. bras. zootec., v.8, n.3, p.474-479, 1999 Intervalo de Partos e Fertilidade Real em Vacas Nelore no Estado do Maranhão 1 Claudio Cabral Campello, Raimundo Martins Filho 3, Raimundo Nonato Braga Lobo

Leia mais

ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009

ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009 ÍNDICE K: ANÁLISE COMPARATIVA DOS PERIODOS CLIMATOLÓGICOS DE 1950-1979 E 1980-2009 Fellipe Romão Sousa Correia, Fabricio Polifke da Silva, Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva Universidade Federal do

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte

Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.57, n.6, p.784-791, 2005 Componentes de variância para o período de gestação em bovinos de corte [Genetic parameters estimates for gestation length in beef cattle] J.C.M.C.

Leia mais

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 04 Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas Parte 2 Medidas de Dispersão Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 São medidas que fornecem informação com relação a dispersão dos dados (heterogeneidade).

Leia mais

O nível do salário mínimo no Brasil frente à evidência internacional* Ricardo Paes de Barrros Miguel Foguel Gabriela Garcia Rosane Mendonça

O nível do salário mínimo no Brasil frente à evidência internacional* Ricardo Paes de Barrros Miguel Foguel Gabriela Garcia Rosane Mendonça O nível do salário mínimo no Brasil frente à evidência internacional* Ricardo Paes de Barrros Miguel Foguel Gabriela Garcia Rosane Mendonça 23 1. INTRODUÇÃO Nesta nota procuramos apresentar uma série de

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Pesquisa Científica PESQUISA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ

Pesquisa Científica PESQUISA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ Pesquisa Científica PESQUISA CIENTÍFICA: O QUE É E COMO SE FAZ Pesquisa O que é? Por que fazer? Como pode ser útil? Quais as etapas? 2 Tópicos A pesquisa: conceitos e definições Tipos de pesquisa Etapas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Avaliação Genética de Bovinos da Raça Holandesa Usando a Produção de Leite no Dia do Controle 1

Avaliação Genética de Bovinos da Raça Holandesa Usando a Produção de Leite no Dia do Controle 1 R. Bras. Zootec., v.3, n., p.95-303, 003 Avaliação Genética de Bovinos da Raça Holandesa Usando a Produção de Leite no Dia do Controle 1 William José Ferreira, Nilson Milagres Teixeira 3, Ricardo Frederico

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO

MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO MODELOS DE REGRESSÃO ALEATÓRIA NA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO 1. Introdução DE FRANGOS CAIPIRAS Gregori Alberto Rovadoscki¹ Johanna Ramirez-Díaz¹ Tiago Almeida de Oliveira² Rachel Santos Bueno³ Antonio Augusto

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil

Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil Um puro sangue da raça Quarto de Milha custa entre R$ 6 mil e R$ 20 mil e uma simples cobertura de um reprodutor de elite pode valer R$ 20 mil 18_Animal Business-Brasil O Brasil e as biotecnologias reprodutivas

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

INTERAÇÃO GENÓTIPO-AMBIENTE EM BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA BRASILEIROS E COLOMBIANOS*

INTERAÇÃO GENÓTIPO-AMBIENTE EM BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA BRASILEIROS E COLOMBIANOS* INTERAÇÃO GENÓTIPO-AMBIENTE EM BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA BRASILEIROS E COLOMBIANOS* GENOTYPE BY ENVIRONMENT INTERACTION IN BRAZILIAN AND COLOMBIAN HOLSTEIN POPULATION Cerón-Muñoz, M.F. 1, H. Tonhati 2,

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Lauro Ramos* Maurício Cortez Reis** 1 INTRODUÇÃO O conjunto de evidências empíricas apresentadas por Ferreira e Veloso (23) mostra

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

Comparação de Diferentes Modelos para Avaliação Genética de Características de Desempenho Pós-desmama em Suínos 1

Comparação de Diferentes Modelos para Avaliação Genética de Características de Desempenho Pós-desmama em Suínos 1 Comparação de Diferentes Modelos para Avaliação Genética de Características de Desempenho Pós-desmama em Suínos 1 Fabiano Veraldo da Costa Pita 2, Lucia Galvão de Albuquerque 3,4 RESUMO - O objetivo deste

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

Estimação de parâmetros genéticos para produção de leite de vacas da raça Holandesa via regressão aleatória

Estimação de parâmetros genéticos para produção de leite de vacas da raça Holandesa via regressão aleatória Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.6, n.2, p.407-42, 2009 Estimação de parâmetros genéticos para produção de leite de vacas da raça Holandesa via regressão aleatória [Estimation of genetic parameters for

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS Mateus Paranhos da Costa Departmento de Zootecnia, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, UNESP, Jaboticabal-SP, Brazil. (mpcosta@fcav.unesp.br) Grupo

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Herdabilidade e Tendência Genética para as Produções de Leite e de Gordura em Rebanhos da Raça Holandesa no Estado do Rio Grande do Sul

Herdabilidade e Tendência Genética para as Produções de Leite e de Gordura em Rebanhos da Raça Holandesa no Estado do Rio Grande do Sul 1512 R. Bras. Herdabilidade Zootec., v.34, e Tendência n.5, p.1512-1518, Genética para 2005 as Produções de Leite e de Gordura em Rebanhos da Raça Holandesa... Herdabilidade e Tendência Genética para as

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS. Kepler Euclides Filho

PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS. Kepler Euclides Filho PROGRAMAS EM RAÇAS SINTÉTICAS Kepler Euclides Filho Embrapa Gado de Corte Caixa Postal 154 79002-970, Campo Grande, MS E-mail: kepler@cnpgc.embrapa.br. INTRODUÇÃO O termo raça sintética, no contexto de

Leia mais

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 29/09/2010 Fatores usados para determinar o nível de ameaça de extinção de uma raça

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais