Câncer de pulmão. Autor Mauro Zamboni 1 Publicação: Ago-2000 Revisão: Jul-2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câncer de pulmão. Autor Mauro Zamboni 1 Publicação: Ago-2000 Revisão: Jul-2007"

Transcrição

1 Câncer de pulmão Autor Mauro Zamboni 1 Publicação: Ago-2000 Revisão: Jul Como situamos o câncer do pulmão do ponto de vista epidemiológico? De doença rara no passado, o câncer do pulmão transformou-se em doença neoplásica comum e na mais mortal em todo o mundo. É o mais freqüente tipo de câncer em todo o mundo e sua incidência continua aumentando (em torno de 0,5% ao ano), principalmente entre as mulheres. Atualmente, é a principal causa de morte, por neoplasia, entre os homens e as mulheres, em todo o mundo. Desde os meados do século passado é considerado, pela OMS, como uma epidemia mundial. Os números são assustadores! Nos EUA, em 2007, estima-se em os novos casos de câncer do pulmão entre os homens e entre as mulheres. Excetuando-se o câncer da próstata, nos homens, e o da mama, nas mulheres, o de pulmão é a neoplasia maligna mais freqüentemente diagnosticada naquele país, representando 15% de todos esses tumores. O câncer do pulmão é a primeira causa de morte por câncer nos homens (31%) e nas mulheres (26%). É responsável por 30% de todas as mortes por câncer, porcentagem maior do que a do câncer da mama, da próstata, do cólon e do ovário somadas. A estimativa de óbito por esta neoplasia nos EUA, em 2007, é de casos homens e mulheres. Em todo o mundo, o número de óbitos secundários ao câncer do pulmão ultrapassa os casos. No Brasil, em 2006, estimou-se que o número de novos casos de câncer do pulmão seria de entre os homens e de entre as mulheres. Estes valores correspondem a um risco estimado de 19 casos novos a cada 100 mil homens e 10 para cada 100 mil mulheres. A maioria dos casos do câncer do pulmão se apresenta entre os 50 e 70 anos. Nos pacientes com menos de 40 anos sua incidência é menor do que 5%. 2 - Quais os principais fatores de risco para o adoecimento pelo câncer do pulmão? A associação entre o tabagismo e o desenvolvimento do câncer do pulmão foi sugerida, pela primeira vez, na Inglaterra, em Em 1950 o trabalho de Doll e Hill, além de deixar evidente a íntima relação tabaco-câncer do pulmão, demonstrou o efeito dose-resposta entre o aparecimento da neoplasia maligna do pulmão e a quantidade de fumo consumida pelos pacientes. A mortalidade pelo câncer do pulmão exibe uma relação inversa com a idade do início do tabagismo. Aqueles que começaram a fumar na adolescência têm maior risco de desenvolver a neoplasia do que aqueles que iniciaram com mais de 25 anos. O papel esmagador do tabagismo como principal causa do câncer do pulmão vem sendo demonstrado exaustivamente nos últimos 60 anos. Cerca de 90% dos tumores do pulmão poderiam ser evitados simplesmente abandonando-se o fumo. Mais de 90% dos pacientes com câncer do pulmão são fumantes, incluindo aí aqueles não fumantes, mas expostos continuadamente à fumaça do tabaco os fumantes passivos. O papel da exposição passiva à fumaça do tabaco hoje já está estabelecido na literatura especializada mundial. Outras causas responsabilizadas pelo aparecimento dessa neoplasia são: fatores genéticos, a poluição atmosférica e a exposição às radiações ionizantes, ao asbesto e a outras fibras minerais, à sílica, ao cromo, ao níquel, ao arsênico, aos hidrocarbonetos policíclicos. Entretanto, estes são responsáveis por menos de 10% dos casos. O câncer de pulmão é uma doença incomum em quem não fuma. É a neoplasia com relação causa-efeito mais bem estabelecida: praticamente só quem fuma tem câncer de pulmão e, portanto, o melhor tratamento para esta doença é a sua prevenção. Por isso a luta anti-tabágica deve ser uma responsabilidade continuada entre todos os profissionais da área da saúde. 1 Pneumologista do Instituto Nacional do Câncer, Ministério da Saúde; Pneumologista do Centro Médico Sorocaba, Rio de Janeiro; Diretor de Assuntos Científicos da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia gestão 2000/02.

2 3 - Quais são os tipos histológicos mais comuns do câncer do pulmão? Noventa a 95% dos tumores pulmonares são representados pelos carcinomas broncogênicos: adenocarcinoma, carcinoma de células escamosas, carcinoma de pequenas células e carcinoma de grandes células. Adenocarcinoma Constitui o câncer do pulmão mais comum em mulheres e homens. Com freqüência manifestase na forma de massa periférica. Seus aspectos microscópicos característicos incluem formação glandular, geralmente com produção de mucina. Carcinoma de células escamosas Exibe a maior correlação observada com o tabagismo. Esses tumores surgem, em sua maioria, no hilo ou próximo a ele. Geralmente origina-se em um brônquio central, tem crescimento endobrônquico e, por isso, pode apresentar sintomas clínicos locais, tais como tosse e hemoptise, e tem maior probabilidade de ser diagnosticado nas suas formas iniciais, pela citologia do escarro. Geralmente dissemina-se para os linfonodos regionais e, em torno de dez por cento dos casos, apresenta-se com cavitação. Microscopicamente variam desde neoplasias ceratinizantes bem diferenciadas a tumores anaplásicos com diferenciação ceratinizante apenas focal. Carcinoma de pequenas células É o mais maligno dos cânceres pulmonares e, em geral, manifesta-se na forma de tumor central e hilar e tende a estenosar os brônquios por compressão extrínseca. Está fortemente associado ao hábito de fumar. Os aspectos microscópicos incluem a presença de pequenas células semelhantes aos grãos de aveia, com pequena quantidade de citoplasma, sem diferenciação escamosa ou glandular e com grânulos neurossecretores. O carcinoma escamoso e o de pequenas células, por serem centrais, são geralmente acessíveis à broncoscopia. Carcinoma de grandes células Provavelmente representa carcinomas de células escamosas ou adenocarcinomas pouco diferenciados, em certas ocasiões com elementos histológicos peculiares: células gigantes, células claras, células fusiformes. 4 - Quais as manifestações clínicas mais comuns do câncer do pulmão? As manifestações clínicas do câncer do pulmão resultam de um desses três processos: crescimento local do tumor; metástases intratorácicas ou à distância; síndromes paraneoplásicas. 5 - Quais as manifestações clínicas mais comuns resultantes do crescimento local do tumor? As manifestações clínicas do câncer do pulmão estão relacionadas com o crescimento do tumor primário e com a disseminação loco-regional do tumor. 6 - Quais são as manifestações clínicas relacionadas ao crescimento do tumor primário? As lesões endobrônquicas podem determinar tosse, hemoptise, dispnéia e sibilo. A tosse, seca ou produtiva, é o sintoma mais comum associado ao câncer do pulmão, presente em até 75% dos casos. Ela pode ser causada por um pequeno tumor agindo como um corpo estranho dentro do brônquio ou pode ser secundária à ulceração da mucosa. É um sintoma comum em todo paciente com câncer do pulmão de qualquer localização; entretanto é mais comumente observada nos portadores de tumores centrais. A hemoptise está presente em um terço dos casos das neoplasias pulmonares. Por isso, toda hemoptise em indivíduo com mais de 40 anos deve ser investigada com radiografia de tórax e

3 broncofibroscopia. Aproximadamente 20% de todos os casos de hemoptise nesta faixa etária resultam do câncer do pulmão. A dispnéia usualmente é causada pela obstrução de um brônquio principal ou da traquéia pelo tumor. Os tumores periféricos somente causam dispnéia quando são suficientemente grandes para interferir na função pulmonar, quando associados aos derrames pleurais volumosos ou como conseqüência de extensa linfangite carcinomatosa. O sibilo é causado pelo estreitamento de um grande brônquio, pela obstrução tumoral ou pela compressão extrínseca, e tem significado quando é unilateral, localizado e de origem recente. O estridor é produzido pela obstrução quase total do brônquio principal ou da traquéia, em sua porção inferior e, geralmente, é pouco valorizado. Febre e os calafrios podem estar presentes nos pacientes com neoplasia pulmonar como manifestações secundárias à pneumonia obstrutiva ou à atelectasia. O abscesso do pulmão resultante da necrose tumoral também pode ser responsável pela febre. 7 - Quais são as manifestações clínicas relacionadas à disseminação loco-regional do tumor? A disseminação intratorácica do câncer do pulmão, tanto por extensão direta quanto pela linfangite carcinomatosa, pode produzir uma variedade de sinais e sintomas. Eles são secundários ao envolvimento do nervo frênico (paralisia diafragmática) ou do nervo laríngeo recorrente (rouquidão); do plexo braquial (dor no ombro); dos grandes vasos (veia cava superior síndrome da veia cava superior); de outras estruturas tais como esôfago (disfagia); pericárdio (derrame pericárdico); coração (arritmias), duto torácico (quilotórax); gânglio estrelado (síndrome de Horner). Sintomas decorrentes de linfoadenomegalia mediastinal, como opressão retroesternal e dor torácica, não são freqüentes, a menos que seja volumosa e comprima o esôfago, a veia cava superior. Os locais mais comuns onde encontramos linfonodos visíveis ou palpáveis são as fossas supra-claviculares. Elas estão envolvidas em, aproximadamente, 15% a 20% dos pacientes com câncer do pulmão, desde o início ou durante o curso da doença. Os linfonodos escalenos estão envolvidos menos comumente, mas com freqüência estão comprometidos nos tumores dos lobos superiores. Na maioria dos casos, esses achados contra-indicam o tratamento cirúrgico do paciente. Os tumores periféricos podem invadir a pleura, o que ocorre em cerca de 8% a 15% dos casos, podendo causar tosse seca e dispnéia, ou a parede torácica, causando dor. 8 - O que é o tumor de Pancoast e a Síndrome de Horner? Os tumores de Pancoast localizam-se posteriormente no ápice dos lobos superiores, junto ao plexo braquial. Comumente causam sintomas e sinais relacionados à infiltração neoplásica das raízes do oitavo nervo cervical e do primeiro e segundo nervos torácicos. São freqüentes: dor, alteração na temperatura cutânea e atrofia muscular do ombro e das porções do membro superior secundária ao comprometimento nervoso. No câncer do pulmão, a incidência da síndrome e de seus sintomas é de, aproximadamente, 4% e é comum o atraso no diagnóstico em até um ano, desde o início das queixas dos pacientes. A maioria dos tumores de Pancoast é do tipo escamoso, de crescimento lento e raramente produz metástases a distância. O tumor pode invadir a pleura e a parede torácica, destruindo a primeira e a segunda costelas, causando intensa dor. Pode também invadir e destruir o corpo vertebral. Nesses casos, devido ao acometimento da cadeia simpática e do gânglio estrelado, é comum o aparecimento da síndrome de Horner, que se caracteriza por: enoftalmia unilateral, ptose palpebral, miose e anidrose da face e do membro superior. 9 - O que é a síndrome da veia cava superior (SVCS)? A obstrução da veia cava superior é um processo subagudo ou agudo, na maioria das vezes causada por uma neoplasia maligna intratorácica. Essas podem ser, em até 90% dos casos, o câncer do pulmão, os linfomas ou os tumores mediastinais primários ou metastáticos. O câncer do pulmão é o responsável por 46% a 75% de todos os casos da SVCS. Ela é secundária à compressão, à invasão da veia cava superior e, ocasionalmente, à formação de um trombo

4 endoluminal. Os pacientes com SVCS apresentam edema e pletora facial, do pescoço e das pálpebras, além da dilatação das veias do pescoço, do ombro, da parede anterior do tórax e dos membros superiores. A cianose dos membros superiores e da face é comum. Outros sintomas associados a ela são cefaléia, tonteira, vertigem, visão borrada, tosse, síncope, dispnéia, dor torácica, e disfagia. A associação da SVCS com a obstrução das vias aéreas superiores e com sinais de edema cerebral é sinal de mau prognóstico. Entre as neoplasias pulmonares, a que mais comumente causa a SVCS é o carcinoma indiferenciado de pequenas células, em 40% das vezes, seguido pelo carcinoma escamoso A paralisia do nervo laríngeo recorrente e do frênico são comuns no câncer de pulmão? A rouquidão, secundária à paralisia do nervo laríngeo, e a paralisia diafragmática, secundária à paralisia do nervo frênico são incomuns 5% e 1% respectivamente -, mas aparecem, com freqüência, nas fases tardias da doença. A rouquidão é secundária à compressão ou à invasão do nervo laríngeo recorrente pelo tumor e é encontrada associada, mais comumente, aos tumores do lobo superior esquerdo. A neoplasia do pulmão também pode comprometer o nervo frênico. A radiografia do tórax mostra a elevação da hemicúpula diafragmática afetada e a fluoroscopia pode demonstrar a movimentação paradoxal do músculo durante a inspiração e a expiração. A paralisia diafragmática pode contribuir para a dispnéia do paciente com tumor do pulmão As neoplasias pulmonares podem envolver a parede torácica? A dor torácica é comum nos pacientes com tumores do pulmão e mais da metade deles desenvolvem este sintoma durante o curso de sua doença. Ela é geralmente surda, intermitente, podendo durar alguns minutos ou horas e, em geral, manifesta do mesmo lado do tumor, sem relação com a respiração ou com a tosse. Quando a dor é intensa, persistente, bem localizada, ventilatório-dependente e piora com a tosse, ela está comumente relacionada à invasão neoplásica da pleura parietal e/ou da parede torácica com erosão dos arcos costais. A dor no ombro pode ser secundária ao tumor de Pancoast ou referida, devido a um tumor do lobo inferior que invade a porção central do diafragma inervado pelo frênico. A dor torácica, usualmente associada à tosse e à dispnéia, pode ainda ser associada à compressão neoplásica da artéria pulmonar O derrame pleural é freqüente no câncer do pulmão? O derrame pleural no paciente com câncer do pulmão ocorre em aproximadamente 8-15% dos casos e é assintomático em 25% das vezes. Está associado a mau prognóstico. Geralmente é conseqüência da invasão neoplásica da pleura visceral e tem por característica ser hemorrágico. Pode, porém, estar associado a obstrução linfática. As principais queixas a ele relacionadas são: dispnéia, dor torácica e tosse. Como interfere diretamente com o estadiamento, a definição de malignidade no líquido é obrigatória. A toracocentese com biópsia pleural deve ser o método de escolha para a definição da natureza do derrame pleural. Este procedimento define a etiologia do derrame pleural em aproximadamente 80% dos casos. Maiores detalhes sobre o derrame pleural neoplásico são descritos no capítulo sobre derrame pleural, na seção temas em pneumologia O derrame pericárdico é freqüente no câncer do pulmão? As metástases para o coração e para o pericárdio ocorrem por migração linfática retrógrada das células tumorais. Outras vias para o implante das células neoplásicas nesses locais incluem a disseminação hematogênica e a invasão tumoral direta. O derrame pericárdico está presente em 15% dos casos e duas das suas mais graves complicações são a arritmia taquicardia sinusal ou fibrilação atrial e o tamponamento cardíaco. O derrame pericárdio, que causa o tamponamento, é resultante de pericardite carcinomatosa e coloca em risco a vida do paciente As metástases à distância são comuns nos pacientes com câncer de pulmão? Quais são os sítios mais comuns? A freqüência das metástases extratorácicas varia de acordo com o tipo celular e a diferenciação histológica do tumor: é maior no carcinoma indiferenciado de pequenas células e

5 no adenocarcinoma e nos tumores pouco diferenciados. A disseminação hematogênica do câncer do pulmão se faz mais freqüentemente para o sistema nervoso central (SNC), para os ossos, para o fígado e para as adrenais, nesta ordem Quais são as características das metástases para o sistema nervoso central (SNC)? Os compartimentos anatômicos do cérebro mais comumente envolvidos pelas metástases são a calota craniana, as leptomeninges e o parênquima cerebral. O câncer do pulmão é a neoplasia que mais produz metástases para o SNC (40-60%). Dez por cento dos pacientes já as possuem no momento do diagnóstico e outros 15% a 20% as desenvolvem durante o curso da sua doença. Aproximadamente 80% a 85% das metástases para o parênquima cerebral comprometem os lobos frontais e 10% a 15% delas acometem o cerebelo. Mais comumente são secundárias ao carcinoma indiferenciado de pequenas células, ao indiferenciado de grandes células, ao carcinoma escamoso e ao adenocarcinoma, nessa ordem seqüencial. Os sinais e sintomas mais comuns são: cefaléia, náusea, vômito, alteração do nível de consciência, crise convulsiva, fraqueza e depressão. A cefaléia é o sintoma mais comum, está presente em 50% dos casos e, em geral, está associada a sinais e sintomas de hipertensão intracraniana: letargia, confusão mental e papiledema. Outra complicação das metástases para o SNC diz respeito ao acometimento da medula ao longo de seu eixo. A compressão medular ocorre em 3% dos pacientes com câncer do pulmão, sendo mais comum nos portadores do carcinoma indiferenciado de pequenas células Quais são as características das metástases ósseas no câncer de pulmão? Metástases ósseas ocorrem em até 25% dos casos de câncer de pulmão e 80% delas se localizam no esqueleto axial. A coluna, a bacia, as costelas e os fêmures são os locais mais freqüentemente afetados. Os sinais e sintomas próprios do envolvimento ósseo são dor, fratura patológica, hipercalcemia, déficit neurológico e imobilidade. À radiografia as metástases para os ossos apresentam-se como lesões líticas Quais são as características das metástases hepáticas no câncer de pulmão? As metástases para o fígado aparecem nos estágios mais avançados da doença, em 1% a 35% dos casos. O quadro clínico mais característico é de anorexia, dor epigástrica e hepatomegalia multinodular. A icterícia e a ascite são comuns. As enzimas hepáticas geralmente estão elevadas Quais são as características das metástases para adrenais no câncer de pulmão? O comprometimento das adrenais varia de 2% a 21% e, na maioria das vezes, é assintomático. A tomografia computadorizada do abdome superior tem um bom rendimento na sua identificação e deve ser realizada de rotina em todo paciente com câncer do pulmão O que são síndromes paraneoplásicas? As síndromes paraneoplásicas são manifestações patológicas, clínicas ou biológicas associadas a qualquer neoplasia de uma maneira geral, mas que não se relacionam diretamente com o tumor principal. Estão ligadas a mecanismos hormonais, humorais, tóxicodegenerativos e dismetabólicos. Muitas são as síndromes paraneoplásicas associadas ao câncer do pulmão, sendo a mais comum delas a síndrome de Cushing. Outras menos freqüentes são a hipercalcemia não metastática e a síndrome da secreção inadequada do hormônio antidiurético. As síndromes paraneoplásicas neurológicas são incomuns e estão presentes em menor de 5% dos pacientes com neoplasia pulmonar. A osteoartropatia hipertrófica é caracterizada por baqueteamento digital, proliferação periostal dos ossos longos e artrite. É uma das síndromes paraneoplásicas mais comuns associadas ao câncer do pulmão. Embora sua presença esteja associada à neoplasia pulmonar em mais de 80% dos casos, principalmente ao carcinoma escamoso e ao adenocarcinoma, ela pode ser encontrada também associada a doenças não-neoplásicas, como processos pulmonares supurativos, fibrose pulmonar idiopática, tuberculose, proteinose alveolar, pneumoconioses e fibrose cística.

6 20 - Qual o papel da radiografia do tórax no câncer do pulmão? A radiografia do tórax geralmente é o exame que nos leva a suspeitar da neoplasia pulmonar, devendo ser o primeiro exame a ser realizado em um paciente com esta hipótese diagnóstica. Apesar de sua importância, a radiografia de tórax realizada rotineiramente para o rastreamento do câncer do pulmão não tem valor. Para este fim, trabalhos recentes têm demonstrado que a tomografia computadorizada helicoidal com baixa dose é de utilidade Existem características radiológicas que sugiram quais os tipos histológicos do câncer do pulmão? A linfoadenomegalia mediastinal grosseira e a invasão mediastinal precoce são observadas com freqüência nos carcinomas indiferenciados de pequenas e grandes células. Volumosas massas hilares ou para-hilares são típicas do carcinoma indiferenciado de pequenas células, nos quais são vistas em 78% dos casos. O adenocarcinoma se apresenta como nódulo periférico em 72% dos casos, entretanto também podemos observar grandes massas hilares associadas a linfoadenomegalia mediastinal grosseira. Na maioria dos casos, o carcinoma indiferenciado de grandes células também se revela como um nódulo periférico e o carcinoma escamoso sob a forma de volumosas massas, com escavação central em 22% dos casos. A tabela 1 mostra algumas correlações entre aspectos radiológicos e tipos histológicos.»» Tabela 1 Tabela 1. Correlações entre tipo histológico e apresentação radiográfica Células Adenocarcinoma Pequenas células Grandes células escamoso Massas volumosas (cavitação em 22% dos casos) Nódulo solitário (72% dos casos) Linfoadenomegalia mediastinal e massas hilares Massas hilares ou para hilares volumosas (78% dos casos) Invasão mediastinal precoce com linfoadenomegalia mediastinal grosseira Nódulo periférico (maioria dos casos) Invasão mediastinal precoce com linfoadenomegalia mediastinal grosseira 22 - Qual o papel da citologia do escarro no diagnóstico do câncer do pulmão? A citologia do escarro é um método não invasivo de muita utilidade na definição diagnóstica do câncer do pulmão. Seu rendimento depende da existência de expectoração, do tamanho e localização do tumor e da experiência do citopatologista. Sua sensibilidade para os tumores proximais está em torno de 80%. Para os tumores periféricos e menores do que 3 cm, seu rendimento é menor que 20%. Atualmente, devido a maior disponibilidade da broncofibroscopia, o exame de escarro tem sido cada vez menos utilizado, entretanto, trata-se de um exame simples, não invasivo, de baixo custo e alto rendimento Qual o papel da broncofibroscopia no diagnóstico e no estadiamento do câncer do pulmão? A broncofibroscopia é comumente utilizada para o diagnóstico e o estadiamento do câncer do pulmão. As alterações endoscopicamente visíveis devem ser lavadas, escovadas e biopsiadas. A biópsia transbrônquica está indicada nas lesões submucosas e naquelas que causam compressão extrínseca. Nas lesões visíveis, seu rendimento fica em torno de 80%. As lesões periféricas podem ser acessadas pela broncofibroscopia por meio da biópsia transbrônquica guiada pela fluoroscopia. O tamanho da lesão é um fator determinante do rendimento da broncofibroscopia: menor que 25% para as lesões menores que 2 cm; entre 60% e 70% para as lesões maiores que 2 cm; em torno de 80% para aquelas lesões maiores que 4 cm. A biópsia transbrônquica também é capaz de diagnosticar a linfagite carcinomatosa. Mais de 70% dos tumores pulmonares são de localização central e a combinação do lavado, do escovado e da biópsia brônquica (3 a 5 fragmentos) estabelece o diagnóstico em mais de 90% dos casos. Quando, ao invés de uma lesão endobrônquica, observamos a infiltração intramural pelo tumor, o rendimento diagnóstico cai para 55%. A biópsia transbrônquica por agulha aumenta esse resultado para 97%. Nas lesões periféricas, o rendimento diagnóstico desse procedimento é baixo (em torno de 60%). O lavado broncoalveolar produz bons resultados no esclarecimento diagnóstico quando se suspeita de carcinoma bronquíolo-alveolar.

7 Com a finalidade do estadiamento da neoplasia pulmonar, a broncofibroscopia pode, ocasionalmente, identificar a presença de lesões sincrônicas, avaliar a extensão proximal do tumor e facilitar o acesso aos linfonodos paratraqueais, subcarinal e hilar por meio da punção aspirativa com agulha. Embora sua utilização continue sendo um desafio, a punção aspirativa transbrônquica por agulha tem sensibilidade de 50% e especificidade de 90% no estadiamento do mediastino nos pacientes portadores de neoplasias pulmonares Quando está indicada a punção aspirativa percutânea com agulha fina e qual o seu rendimento? A punção aspirativa percutânea com agulha fina é utilizada na abordagem diagnóstica das lesões pulmonares periféricas, nas lesões pleurais e nas da parede torácica. Pode ser orientada pela fluoroscopia ou pela tomografia computadorizada. Sua positividade está em torno de 90%. O pneumotórax é sua principal complicação e ocorre em, aproximadamente, 30% dos casos, mas somente 15% deles necessitam de drenagem pleural. O implante tumoral no trajeto da agulha é muito raro. A punção aspirativa com agulha fina, guiada pela fluoroscopia, também é útil no diagnóstico das metástases hepáticas, ósseas e adrenais Qual o papel da mediastinoscopia e da mediastinotomia nos pacientes portadores de câncer do pulmão? A mediastinoscopia cervical e a mediastinotomia anterior têm sido utilizadas tradicionalmente para o diagnóstico do câncer do pulmão e, principalmente, para o estadiamento mediastinal. A mediastinoscopia cervical alcança os linfonodos paratraqueais à direita e os subcarinais e, através da mediastinotomia anterior, pode-se biopsiar os linfonodos paratraqueais à esquerda, os supra-aórticos e os da janela aorto-pulmonar. A mediastinoscopia está indicada nos pacientes portadores de carcinoma do pulmão não pequenas células, candidatos à cirurgia, nos quais a tomografia computadorizada do tórax identificou, no mediastino, linfonodos maiores do que 1 cm no seu menor diâmetro Como se dá o acometimento dos linfonodos no câncer do pulmão? Na maioria das vezes, o aumento dos linfonodos hilares ou mediastinais nos pacientes com câncer do pulmão se faz por disseminação linfática. O aumento dos linfonodos, por si só, pode causar sintomas como a compressão do esôfago, da veia cava superior, pressão retroesternal ou dor. Os linfonodos mais comumente vistos à inspeção ou palpados são os supraclaviculares, acometidos em 15-20% dos pacientes, em algum momento, no curso da doença. Na maioria dos casos, a presença desses linfonodos indica a irressecabilidade do tumor A correlação entre o tamanho dos linfonodos mediastinais, observado na tomografia de tórax, e seu comprometimento neoplásico é sempre um problema. Como devemos nos posicionar frente a esta situação? Geralmente, o único sinal radiológico de comprometimento neoplásico do linfonodo mediastinal é o seu aumento de tamanho. Entretanto a dificuldade em se usar o tamanho como único critério de envolvimento neoplásico dos linfonodos é que muitas outras doenças não neoplásicas são capazes de produzir tal imagem: tuberculose, histoplasmose, pneumoconiose, sarcoidose ou a hiperplasia reacional a um processo inflamatório inespecífico. É sabido que, nos pacientes com câncer do pulmão, até 30% dos linfonodos mediastinais aumentados de tamanho estão livres de neoplasia. Por outro lado, o envolvimento microscópico pelo tumor pode estar presente em linfonodos mediastinais de tamanho normal. A conduta aceita, até o momento, é considerar como normal o linfonodo mediastinal com menos de 10 mm em seu menor eixo. Os pacientes com câncer do pulmão e com tomografia computadorizada do tórax mostrando linfonodos mediastinais maiores do que 10 mm no seu menor eixo devem ser estadiados por meio de mediastinoscopia cervical e/ou de mediastinotomia.

8 28 - Podemos confirmar a invasão do mediastino com tomografia computadorizada ou ressonância magnética? Existem alguns sinais, observados na tomografia computadorizada e/ou na ressonância magnética que sugerem a invasão mediastinal pelo tumor. São eles: contato do tumor com o mediastino numa extensão > 3 cm; contato do tumor com a circunferência da aorta > 90º; perda do plano de gordura entre o tumor em seu contato com o mediastino. Todos são sinais de irressecabilidade. A ressonância magnética é melhor do que a tomografia computadorizada na avaliação do comprometimento vascular Como podemos avaliar a invasão tumoral da parede torácica? A princípio, a invasão da parede torácica não contra-indica a cirurgia, embora interfira no prognóstico dos pacientes. O diagnóstico da invasão da parede torácica pela tomografia computadorizada só será possível quando houver destruição óssea ou massa na parede. O simples contato do tumor com a pleura parietal não significa que ela esteja comprometida. A dor torácica contínua é o melhor sintoma que sugere a invasão da parede torácica pelo tumor. Mais recentemente, a ultra-sonografia tem se mostrado um bom método para avaliar o envolvimento da parede torácica pelo tumor, principalmente se pelo menos dois dos seguintes critérios estiverem presentes: evidente envolvimento pleural; extensão do tumor à parede; fixação do tumor durante a respiração Quais pesquisas de metástases devem ser feitas rotineiramente em pacientes com câncer do pulmão? Quais métodos são empregados nesta primeira pesquisa? Quais métodos devem ser utilizados após esta primeira avaliação? A conduta estabelecida atualmente para a investigação de metástases à distância em pacientes com câncer do pulmão é a seguinte: A investigação de rotina dos doentes assintomáticos limita-se à solicitação de hemograma, eletrólitos, cálcio, fosfatase alcalina e gama GT. A cintilografia óssea e/ou radiografia estão indicadas nos pacientes que tenham dor óssea e/ou fosfatase alcalina elevada. A ultra-sonografia hepática está indicada nos pacientes com gama GT elevada. A tomografia de crânio e/ou ressonância magnética do crânio estão indicadas para aqueles pacientes com sintomas ou sinais sugestivos de metástase cerebral. No paciente com câncer do pulmão, no momento em que se realiza a tomografia do tórax, deve-se sempre realizar a tomografia do andar superior do abdome é uma conduta simples para se avaliar o fígado e as adrenais. As adrenais com mais de 3 cm devem ser exploradas com punção aspirativa com agulha fina Como definir o nódulo pulmonar solitário e qual a conduta a ser adotada frente ao mesmo? Nódulo pulmonar é definido como uma opacidade pulmonar com diâmetro menor ou igual a 3 cm (acima de 3 cm a imagem é considerada massa) e completamente circundada por tecido pulmonar. Na maioria das vezes o paciente é assintomático, sendo o nódulo um achado radiográfico. Mais informações estão disponíveis no capítulo específico sobre nódulo pulmonar Como deve ser estadiado o câncer do pulmão? Estadiamento é a avaliação da extensão da doença neoplásica de um paciente, permitindo seu agrupamento com outros pacientes com extensão de doença semelhante e objetivando uniformizar os tratamentos e facilitar a análise de dados epidemiológicos. Baseia-se na avaliação do tamanho, da localização e do grau de invasão do tumor primário, bem como na identificação da possível presença de doença loco-regional ou metastática. O atual sistema de estadiamento do câncer do pulmão se baseia naquele proposto por Denoix, em 1946, em que se avalia o tumor (T), os linfonodos (N) e a presença ou não de metástases a distância (M). As

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares

Câncer de Pulmão. Epidemiologia. II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010. Epidemiologia. Quadro clínico. Exames complementares Câncer de Pulmão II Curso de Pneumologia na Graduação Porto Alegre - 2010 Epidemiologia Quadro clínico Exames complementares Estadiamento Tratamento Epidemiologia 1 Tabagismo 90% dos casos ocorrem em fumantes

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Luiz Henrique de Castro Guedes

Luiz Henrique de Castro Guedes Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antônio Pedro Oncologia Clínica Agosto de 2011 Luiz Henrique de Castro Guedes NECESSIDADE DE UM TIME DOS SONHOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Câncer de Pulmão

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS)

AMERICAN THORACIC SOCIETY(ATS) LINFONODOS A capacidade de reconhecer linfonodos normais, assim como os anormais, na TC esta diretamente relacionada com a quantidade de tecido adiposo mediastinal presente. Os linfonodos aparecem com

Leia mais

Câncer de Pulmão. Etiologia

Câncer de Pulmão. Etiologia Câncer de Pulmão Causa mais comum de morte por câncer em ambos os sexos. A maioria dos tumores malignos são carcinomas que surgem a partir do epitélio brônquico. Disseminação regional para linfonodos mediastinais

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão Posicionamento, Imobilização e Técnica de Tratamento nos Tumores do Pulmão INTRODUÇÃO Tumores malignos que ocorrem no Tórax. Carcinoma de Esôfago, Timoma, Tumores de células germinativas, Doenças Metastáticas,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia

Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia Imagem da Semana: Fotografia e Radiografia Imagem 01. Fotografia da região cervicofacial Imagem 02. Fotografia de mão esquerda Imagem 03. Radiografia de tórax em incidência posteroanterior Imagem 04.Tomografia

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão)

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) 11 CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) INTRODUÇÃO O pulmão é local freqüente de infecções, metástases e tumores benignos e malignos. Aproximadamente 90 a 95% dos tumores pulmonares são carcinomas broncogênicos,

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo.

Coloque, de imediato, o seu número de inscrição e o número de sua sala, nos retângulos abaixo. &$5*2 9;:=@?A*B'C=%BED-F@BGA!HID#=/?,=JGK:E?9,L 9NM4:O-H#BL 9! #"%$'&(*),+-)#"/.0"%)#"%$%+-12)43654"7+-$%8 TVUEWX,YKZ'[K\6]^_Y-`^%W;aK^/X#^/b>^Ja(cdUefaYI^g]4Uhji,U`%Y P QKR k lnmovm S p,qsrutfv,vxwkq6pq

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56

PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 56 QUESTÃO 26 O principal suprimento arterial para músculo peitoral maior é fornecido pela artéria: a) toracodorsal. b) subescapular. c) toracoacromial. d) torácica interna. QUESTÃO

Leia mais

Perfil clínico e sócio-demográfico de pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células atendidos num serviço privado

Perfil clínico e sócio-demográfico de pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células atendidos num serviço privado 49 Artigo Original Perfil clínico e sócio-demográfico de pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células atendidos num serviço privado Eldsamira Mascarenhas CRM-BA 16324 Gildete Lessa CRM-BA 3319 NÚCLEO

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

CANCER DO PULMAO - ESTADIAMENTO PRESENTE E FUTURO

CANCER DO PULMAO - ESTADIAMENTO PRESENTE E FUTURO CANCER DO PULMAO - ESTADIAMENTO PRESENTE E FUTURO Leandro Publio Silva Leite BA O câncer do pulmão é a mais freqüente doença maligna e a causa mais comum de morte por câncer no mundo, com aproximadamente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

CA de Pulmão com invasão de parede da aorta 24.04.06

CA de Pulmão com invasão de parede da aorta 24.04.06 CA de Pulmão com invasão de parede da aorta 24.04.06 Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica Caso da Semana - No 7-2006 Serviço Cirurgia Torácica do Pavilhão Pereira Filho Santa Casa de Porto Alegre

Leia mais

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias.

TC de alta resolução. É o principal exame na avaliação das doenças pulmonares difusas, doenças das pequenas vias aéreas e bronquiectasias. 19 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. TC: aspectos técnicos Espessura dos cortes (cortes com menos de 1mm de alta resolução para estudo do parênquima pulmonar, principalmente para doenças do interstício

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

Métodos imagiológicos de avaliação do Tórax

Métodos imagiológicos de avaliação do Tórax FORMAÇÃO CLÍNICA COMPLEMENTAR 15.Out.2007 Imagiologia do Tórax I FORMAÇÃO DOCENTE: Dr.ª CLÍNICA Paula Campos COMPLEMENTAR DISCENTE: Carina Ruano 1 ª Aula 06.10.2006 FISCALIZADOR: Métodos imagiológicos

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Qual o papel das próteses em estenoses traqueais?

Qual o papel das próteses em estenoses traqueais? Qual o papel das próteses em estenoses traqueais? Luiz Felippe Júdice Professor Titular de Cirurgia Torácica do HUAP-UFF Introdução: O manuseio de pacientes com comprometimento respiratório secundário

Leia mais

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID Módulo: Câncer de Pulmão de Pequenas Células Caso 1 MRC, femin, 70 anos Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID CT de Torax: nodulo 28 2,8 x 1,9 19 cm junto à pleura base

Leia mais

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso RAIOS-X AR Gordura Osso preto cinza branco Radiotransparente Radiopaco Imagens formadas pelas diferentes DENSIDADES radiográficas GÁS GORDURA TECIDOS MOLES/ ÁGUA OSSO Radiologia torácica Primeira opção

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Mauro Zamboni, MD, FCCP, MSc Pneumologista, Coordenador do Grupo de Oncologia Torácica

Leia mais

31: 266-276, abr./jun. 1998 Capítulo IX CÂNCER DE PULMÃO LUNG CANCER

31: 266-276, abr./jun. 1998 Capítulo IX CÂNCER DE PULMÃO LUNG CANCER Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: DOENÇAS PULMONARES 31: 266-276, abr./jun. 1998 Capítulo IX CÂNCER DE PULMÃO LUNG CANCER César Uehara 1 ; Sérgio Jamnik 2 & Ilka Lopes Santoro 2 1 Docente da Disciplina

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

COLEGIO BRASILEIRO. ;faventis DECIRURGIOES - =- Programa de Auto-Avaliação em Cirurgia . - Cânc.3...,...Jmã(' ".".:,;:.. - r... -. -.

COLEGIO BRASILEIRO. ;faventis DECIRURGIOES - =- Programa de Auto-Avaliação em Cirurgia . - Cânc.3...,...Jmã(' ..:,;:.. - r... -. -. . -..... -:- õ:' =. : =' ::; c..,; - =- : ;; : I,. - ~ COLEGIO BRASILEIRO N DECIRURGIOES : : ~~ = --'J '!!!:'!.~ ;:::~ I ~ ~.. - ~ - r..... -. -. ~ I I I.1I'j;...:.;:: = c;iiii ~ ~ ~p ~u,..,:!;-. ~ l I

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 QUESTÃO 26 Em relação à anatomia pulmonar, marque a afirmativa CORRETA: a) A principal função do pneumócito tipo I é realizar a troca gasosa, que ocorre por difusão ativa.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC Mário Sérgio Rocha Macêdo TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia Embrião 4 semanas Faringe Embrionária TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia TUMORES

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 11 Caso seja constatada estenose no referido paciente, o. 12 As entubações de até dez dias a que o paciente fora submetido

PROVA OBJETIVA. 11 Caso seja constatada estenose no referido paciente, o. 12 As entubações de até dez dias a que o paciente fora submetido Cada um dos itens da prova objetiva está vinculado ao comando que imediatamente o antecede. De acordo com o comando a que cada um deles esteja vinculado, marque, na folha de respostas, para cada item:

Leia mais

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax

15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax 15º Imagem da Semana: Radiografia e Tomografia de Tórax Enunciado Paciente de 20 anos, sexo feminino, previamente hígida, percebeu há 20 dias nodulação em região cervical ínfero-anterior, indolor, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO TORÁCICO CONHECIEMENTOS ESPECÍFICOS 01 - Um paciente chega a emergência

Leia mais

Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO. Carlos Haruo Arasaki 2006

Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO. Carlos Haruo Arasaki 2006 Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões CÂNCER DE ESÔFAGO Carlos Haruo Arasaki 2006 Epidemiologia do Câncer de Esôfago 1% de todos os cânceres 3

Leia mais

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Coordenação de Pesquisa Clínica - INCA Serviço de Oncologia Clínica - HSE COI - Clínicas Oncológicas Integradas Definição de emergência oncológica

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA

CASO CLÍ ICO HDA IOA. Fonte da História: o próprio paciente. Queixa Principal: inchaço no rosto GEYSA CÂMARA Identificação: M.R.B,32 anos, sexo masculino,pardo, natural de Quixadá e procedente de Solonópoles, solteiro, agricultor, católico. CASO CLÍ ICO Fonte da História: o próprio paciente Queixa Principal:

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

Você conhece esta doença?

Você conhece esta doença? Você conhece esta doença? Mesotelioma Definição: O Mesotelioma é uma neoplasia do mesotélio, tecido de origem mesodérmica. Ele cresce preferencialmente sobre as superfícies serosas e atinge mais frequentemente

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

TRATAMENTO CIRÚRGICO DO CARCINOMA BRÔNQUICO. José J. Camargo

TRATAMENTO CIRÚRGICO DO CARCINOMA BRÔNQUICO. José J. Camargo TRATAMENTO CIRÚRGICO DO CARCINOMA BRÔNQUICO José J. Camargo INTRODUÇÃO "A tragédia do homem é o que morre dentro dele enquanto ele ainda está vivo" (Albert Schweitzer) Qualquer possibilidade de sucesso

Leia mais

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN-

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN- mulheres, ficando como o quinto tipo de câncer mais frequente na população feminina americana. No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a incidência dessa neoplasia foi estimada em 10,6

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais