Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação."

Transcrição

1 Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação. Ana Maria Vieira ITA Prof. Dra. Isabel Cristina dos Santos UNITAU Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 335 de

2 Motivação Contribuir para redução de acidentes e incidentes aéreos causados, no todo ou em parte, por falhas no relacionamento interpessoal e comunicação ineficaz Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 336 de

3 Provavelmente nenhuma outra atividade seja tão vulnerável ao desempenho da comunicação como a Aviação (MONAN, 1988) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 337 de

4 Comunicação real Copiloto: We re running out of fuel Controlador: [ ] is that fine with you and your fuel? Copiloto: I I I guess so. Thank you very much. Copiloto: Avianca 052, we just lost two engines and we need priority, please Falhas de comunicação Copiloto: Segundo a gravação de voz, o piloto comentou, de modo calmo e em tom de voz baixo, que estava ficando com pouco combustível. Não soube transmitir assertivamente a situação de emergência. Sua transmissão minimizada da situação, para a ATC, pareceu tratar-se apenas de uma informação sobre o combustível, o que contribuiu para diminuir a consciência situacional de todos os envolvidos na comunicação. Copiloto: Não soube dar um feedback eficaz e necessário quando questionado sobre o combustível. Em vez de declarar emergência, o copiloto afirmou à torre que achava que o combustível daria, e ainda agradeceu, dando um feedback positivo para uma situação negativa. O copiloto mostrouse um comunicador passivo, cujo objetivo é agradar aos outros e evitar conflitos. Controlador: Não usou a escuta ativa e não detectou os sinais de hesitação (I... I... I...) e o uso da palavra guess como uma red flag de dúvida, e não solicitou um feedback para esclarecer a situação. Faltou a habilidade de distinguir fato de opinião. Copiloto: O copiloto não utilizou a fraseologia padrão da sua área e função: utilizou priority em vez de mayday ou pan-pan. Fraseologia inadequada resulta em quebra da comunicação Controlador: Mostrou não possuir a habilidade da escuta ativa. Um profissional bem treinado desconfia do significado das palavras fora do padrão; no caso, a palavra 'prioridade'. Elas surgem, então, como red flags que devem ser esclarecidas Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 338 de Diálogo corrigido pelo THC Primeiro, utilizar a fraseologia padrão de emergência para chamar a atenção do controlador - com tom de voz forte e firme. Falar o número do voo, para facilitar a localização do voo, pelo controlador. Falar de forma concisa o tipo de emergência. Copiloto: Mayday! Mayday! Avianca 052, emergência fuel situation. O copiloto, agindo de maneira assertiva, teria tempo e combustível suficiente para o controlador agir da maneira padrão. O controlador, quando recebesse a mensagem mayday, daria prioridade imediata de pouso para o Avianca 052.

5 Introdução Erro humano é responsável por 60 a 80% dos acidentes e incidentes de voo. Falhas no relacionamento interpessoal e comunicação ineficaz são identificadas como causas desses erros (FAA,2004). 80% dos acidentes na Aviação, nos últimos 20 anos - deficiências na comunicação interpessoal (KRIFKA et al., 2003). Aviation Safety Reporting System (ASRS ) - 70% de falhas nas comunicações interpessoais (SEXTON; HELMREICH, 2000) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 339 de

6 Conceitos Relacionamento interpessoal. Capacidade para estabelecer e manter interações sociais simultaneamente produtivas e satisfatórias diante de diferentes interlocutores, situações e demandas. (DEL PRETTE E DEL PRETTE,1998) Comunicação Interpessoal Processo pelo qual a informação é trocada e entendida por duas ou mais pessoas. (PESTANA, 2006) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 340 de

7 Conceitos Este Estudo - visão integrada - agrupamento das habilidades sociais e habilidades de comunicação. Habilidades de comunicação - habilidades verbais, nãoverbais, escritas e estratégicas sociais utilizadas pelos indivíduos para gerir as relações interpessoais, expressar sentimentos, compartilhar visões da realidade e divulgar mensagens informativas e de persuasão, de modo adequado à situação, resolvendo e minimizando problemas Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 341 de

8 Pesquisa realizada por Segrin e Flora (2000): Profissionais com níveis mais elevados de habilidades de comunicação são mais resistentes aos efeitos estressores de uma situação de risco Indivíduos com poucas habilidades sofrem um agravamento dos problemas, quando confrontados com eventos estressores. Portanto, na esfera da aviação, há vantagens consideráveis para se adquirir habilidades d e comunicação Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 342 de

9 Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 343 de

10 Fatores socioculturais e a comunicação A cultura nacional exerce uma poderosa influência no desempenho, formação e treinamento do profissional (HOFSTEDE, 1991). Duarte (2008): Informalidade - característica presente na cultura brasileira - forte tendência para fugir às formalidades e às regras. Os treinamentos precisam considerar diferenças e peculiaridades locais. Programas de treinamento desenvolvidos em um país e posteriormente aplicados em outros são, comprovadamente, pouco eficazes (MESHKATI, 2001) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 344 de

11 Fatores socioculturais e a comunicação Ocorrência: acidente aeronáutico Data: 29 set 2006 ACC BS Centro de Controle de Área de Brasília ACC AZ Centro de Controle de Área Amazônico A transferência do voo foi realizada com o seguinte diálogo: ACC AZ: Oi, Brasília. ACC BS: November meia zero zero x-ray Lima, tem? ACC AZ: Tem aqui. ACC BS: Tá entrando na tua área já aí. ACC AZ: Tenho sim, tenho sim. ACC BS: Beleza, três meia zero tá te chamando aí. ACC AZ: Tá beleza! ACC BS: Valeu. ACC AZ: Valeu, falou. Observaram-se desvios de procedimento com relação à fraseologia prevista, em várias situações da atividade de controle de tráfego aéreo e nos diversos órgãos envolvidos no acidente - fatores contribuintes (CENIPA, 2008) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 345 de

12 Identificar os aspectos culturais que podem influenciar na segurança treinar comportamentos desejáveis Melhorias significativas nos treinamentos dos profissionais da aviação, desde sua formação comunicação mais assertiva Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 346 de

13 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Comunicação e automação: Quebra da comunicação + falta de informações = acidente Comunicação + atenção compartilhada = decisões eficazes Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 347 de

14 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Estudo National Culture and Flightdeck Automation (HELMEREICH et al.,1997), Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 348 de

15 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Apesar de os pilotos reconhecerem a necessidade de um maior número de verificações cruzadas, os dados recolhidos por peritos durante voos de linhas comerciais indicaram que há muitos casos em que os pilotos não se comunicam e demoram a reconhecer as alterações de programação (Helmreich, et. al. 1996) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 349 de

16 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação comunicação escrita - o emissor perde a capacidade de comunicação não-verbal, como o tom e a expressão facial; assim, a escolha de palavras é extremamente importante na transmissão da mensagem. Work cards - 46% dos casos de acidentes de manutenção (Parke, et. al., 2003) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 350 de

17 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Padrão linguístico da palavra vazio é associado a nulo, sem efeito, negativo, inerte. O termo desconsidera a existência de vapores ou vestígios dispersos dentro do recipiente. Comandante - vazio não oferece risco. Como resultado, os passageiros tiveram sua "última linha de defesa derrubada. A diferença de pressão maçaricos - incêndio que matou todos os ocupantes do voo Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 351 de

18 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Comunicaçao interna: A comunicação interna é menos eficaz do que se acredita ser, porém, sua falha só é descoberta após algum acontecimento indesejável (Mouden, 1992). Falhas latentes dizem respeito, também, a mensagens mal formuladas, que levam a erros de conduta (REASON, 1990) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 352 de

19 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Data: XX, May :40: Assunto: Atrasos e PPR. Como já é de nosso conhecimento, conseguir o PPR (Programa de Participação nos Resultados) está ligado diretamente à diminuição e, porque não dizer, extinção de todo e qualquer atraso; portanto, a equipe responsável por maior número de atrasos será penalizada com o não recebimento deste benefício. Tripulação de cabine, tripulação comercial, DOVs, manutenção, rampa, etc. devem enviar relatórios, com a maior brevidade possível, apontando a equipe responsável pelo atraso. Vamos gerar uma sinergia de equipes para acabarmos com os atrasos e nossa empresa ser reconhecida como a mais pontual do mundo. Desafios servem para transformamos nossos bons colaboradores de hoje em ótimos colaboradores amanhã (DEPOIMENTO A, 2009) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 353 de

20 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação 1. A filosofia do CRM foi deturpada: o que parece ter conotação de união, na realidade acaba por segregar os grupos, quebrar o senso de envolvimento do todo na melhoria do gerenciamento de ameaças e erros, transformando equipes de trabalho em competidores que agem como se estivessem participando de uma grande gincana; 2. Delação improdutiva: Reason (1997) define como blame cycles, que não soluciona a questão do atraso e contribui para o surgimento de erros e violações; 3. Para ganhar o adicional no pagamento, cortam-se caminhos e queimam-se etapas (manutenção 'nervosa', check de emergência malfeito, briefing eliminado, dentre outras questões de emergências que são relegadas); 4. síndrome do hurry up (síndrome da pressa), que ocorre em qualquer situação em que o desempenho de uma equipe (ex: uma tripulação) é degradado devido à pressão para que tarefas sejam cumpridas rapidamente - frequentemente apontada em relatórios de acidentes e incidentes aéreos Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 354 de

21 Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 355 de

22 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Não-verbal: linguagem corporal, sinais manuais a partir do solo para a cabine, entre os tripulantes técnicos e a tripulação de cabine e os passageiros. Habilidade para perceber os sinais não verbais: Observar os comportamentos não verbais, reconhecer um sentimento ou emoção e agir de acordo com o contexto. Perceber, traduzir e agir Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 356 de

23 Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 357 de

24 Habilidades de Comunicação e a Segurança de Aviação Pesquisa EUROCONTROL =Air Ground Communication Safety Study (2006) - Os problemas de comunicação frequentemente citados estavam relacionados a fatores humanos, tais como: Velocidade de fala do controlador Distração do piloto Ansiedade do controlador Fadiga do Piloto Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 358 de

25 Deficiência das habilidades de comunicação como ferramenta socializadora. É importante que controladores sejam comunicadores assertivos em situações de conflito e que saibam utilizar técnicas para reverter uma comunicação que possa comprometer a segurança do voo Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 359 de

26 tripulantes e médicos Principais fatores contribuintes para as falhas médicas (HELMREICHh2000) Comunicação: não informar a equipe sobre problemas e falta de habilidade para discutir procedimentos alternativos. Liderança: não estabelecer uma liderança correta para gerenciamento da equipe. Relações interpessoais: conflitos e hostilidade, por exemplo, a condição do paciente deteriora-se, enquanto cirurgião e anestesista estão em conflito. Falta de Preparação Falta de planejamento Falha de Julgamento Falta de acompanhamento da situação Principais fatores contribuinte dos acidentes aéreos de acordo com. Panorama Estatístico da Aviação Civil brasileira de 2000 a 2009 (CENIPA, 2010) Julgamento Supervisão Planejamento Aspectos psicológicos (Relacionamento interpessoal, intra e intergrupal) Indisciplina de voo Coordenação de cabine -Ineficiência no aproveitamento dos recursos humanos em virtude de falha na comunicação e no relacionamento interpessoal. Esquecimento Treinamento de habilidades de comunicação nos cursos dos profissionais da saúde. 6 anos depois da conclusão dos cursos - médicos que receberam o treinamento mantiveram tais habilidades: eram profissionais mais empáticos, mais autoconfiantes, com melhores habilidades comunicacionais Obrigatoriedade do Exame de Habilidades de Comunicação, ministrado pelo Conselho Nacional de Examinadores Médicos, para obtenção da licença profissional Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 360 de

27 Corporate Resource Management (CRM ) Empresas aéreas - criação do Corporate Resource Management (CRM) como resposta às novas compreensões em relação às causas dos acidentes - falhas humanas Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 361 de

28 Corporate Resource Management (CRM ) Falhas de gestão dos recursos da tripulação: um em cada cinco acidentes aéreos. Efeitos positivos de curta duração (HELMREICH, et al., 1999). falhas de Gerenciamento de Recursos de Equipes: 60%, (CRM ) acidentes a bordo, e 80%, operações preparação de voo (SHAPPEL et al., 2006). Principais fatores contribuinte dos acidentes aéreos na Aviação Civil brasileira, de 2000 a 2009, apontam baixa consciência situacional referente ao aspecto da aplicação da doutrina CRM Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 362 de

29 Corporate Resource Management (CRM ) Quais as possíveis causas para a ocorrência dessas falhas de CRM? Nesse contexto, podemos analisar essas falhas do ponto de vista de uma falha anterior, advinda dos cursos de aviação Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 363 de

30 O CRM deve enfatizar o trabalho de equipe, e não a competência técnica individual, visando a eficiência e a eficácia no desempenho operacional. ( IAC A) Antes de trabalharem em grupo, os indivíduos necessitam ter suas (CRM ) (CRM ) habilidades interpessoais desenvolvidas e, em particular, a capacidade individual de comunicar-se com os outros, de ouvi-los, influenciá-los, e assim por diante (MOHRMAN et. al, 1995). Escolas de aviação: focotreinar habilidade sociais individuais : saber escutar; saber utilizar a empatia para compreender o outro; ter flexibilidade para elaborar novas formas de lidar com impasses ou rupturas interpessoais; e, ter capacidade de promover mudanças individuais, visando otimizar o desempenho da equipe Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 364 de O treinamento de habilidades de sociais suporta o CRM.

31 Conclusões Necessidade de profissionais com habilidades de comunicação, em todos os setores da Aviação, propiciando ações comunicativas moldadas de forma mais assertiva e, consequentemente, reduzindo ao menor nível possível os efeitos negativos do processo de comunicação. O diagnóstico da situação atual das grades curriculares das escolas de Aviação aponta para a insuficiência dos conteúdos relacionados ao desenvolvimento de habilidades de comunicação e ao descompasso entre as necessidades das empresas aéreas e a formação oferecida pelas escolas de Aviação. As escolas de Aviação treinam os seus alunos, de acordo com parâmetros prioritariamente técnicos, como fora nos primórdios da Aviação, desconsiderando as relações humanas. O desenvolvimento individual das habilidades de comunicação é uma ferramenta relevante e significativa para a eficácia do Treinamento de Corporate Resource Management (CRM) Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 365 de

32 Recomendações Formato do Treinamento de Habilidades de Comunicação (THC): adaptação do Treinamento das Habilidades Sociais, desenvolvido por Caballo (2003), integrado a Psicologia das Relações Interpessoais desenvolvida por Del Prette e Del Prette (2004). Técnicas de treinamento Dramatização ( jogo de papéis, role playing ) Ensaio de comportamento Modelação Prática do feedback Vivências Audição de conversas gravadas pelo Cockpit Voice Recorder para desenvolver a Análise Perceptiva Auditiva Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 366 de

33 Conteúdo básico do Treinamento de Habilidades de Comunicação (THC) Ensinar e treinar os tipos de comunicação e mostrar a importância de cada um no contexto da aviação. Identificar os diferentes estilos de comunicação e suas influências (assertiva, agressiva, não assertiva e passiva). Desenvolver a habilidade do Autoconhecimento, Autocontrole e Empatia. Desenvolver a Habilidade Perceptivo-visual: realizar uma leitura consciente da linguagem não verbal, reconhecer um sentimento ou emoção e agir de acordo com a situação identificada; Treinar Análise Perceptivoauditiva = paralinguagem (tom de voz, pausas, velocidade da fala, marcadores de hesitação e outros); Treinar as habilidades para dar e receber feedback; Praticar exercícios desafiadores e criativos que levem os alunos ao desenvolvimento da habilidade de escrita assertiva; Ensinar e praticar estratégias eficazes de comunicação num sistema de gestão de emergência; Aplicar técnicas de gerenciamento de comportamentos inconvenientes, utilizando a linguagem verbal e não-verbal Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 367 de

34 As palavras podem ferir e, na aviação, isto é uma verdade e não uma metáfora!!! Tel: xx Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página 368 de

Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação.

Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação. Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação. Ana Maria Vieira - Mestre em Segurança de Aviação Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Isabel Cristina

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Choques Econômicos dos últimos anos Filhos do Downsizing Geração X Foco na carreira e no seu processo de desenvolvimento profissional. Síndrome de

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação São Paulo agosto 2012 A Tríade Corpo Relacionamento e Comunicação A busca de resultados através das pessoas Alma Mente 1 2 Agenda "Não há maior sinal de LOUCURA do que fazer uma coisa repetidamente e esperar

Leia mais

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL

ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL ÁREA COMPORTAMENTAL E DESENVOLVIMENTO PESSOAL COMUNICAÇÃO E IMAGEM COMO FACTORES COMPETITIVOS A sua empresa tem problemas ao nível da comunicação interna? Promover a Comunicação assertiva no relacionamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO?

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO? Palestra: Comunicação e Marketing Pessoal: Dicas para Valorizar a sua Imagem. Prof. Adm. Esp. Juliana Pina Bomm E-mail: professorajulianapina@yahoo.com.br QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo 5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012)

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo - Conceito de segurança de vôo: é a parte integral da operação eficiente, que nasce com o projeto, amadurece com o plano

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Liderança Competências Conhecimento Habilidade Atitude - - Relacionamento - - -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Crise Liderança: Qual é a definição? Principal fator de saída da empresa

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS APTIDÕES SOCIAIS TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS Objectivo: aumentar as competências do sujeito para lidar com situações sociais e diminuir a sua ansiedade ou desconforto nestas Teorias acerca da etiologia

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM COACHING PESSOAL

CURSO DE FORMAÇÃO EM COACHING PESSOAL CURSO DE FORMAÇÃO EM COACHING PESSOAL FOCO 1 Formação para a área de RH CONSULTORES INTERNOS ESPECIALIZADOS em COACHING PESSOAL. FOCO 2 Formação DE CONSULTORES PROFISSIONAIS especializados em COACHING

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

Treinamento Coaching - Assessment

Treinamento Coaching - Assessment Treinamento Coaching - Assessment Treinamento de vendas COACHING ASSESSMENT Para que treinar? A importância "A vontade de ganhar é importante, mas a vontade de se preparar é vital. Apresentando o Coaching

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

Ana Beatriz Bronzoni

Ana Beatriz Bronzoni Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa Viçosa (MG) - CEP 36570-000 CNPJ: 07.245.367/0001-14 Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Universidade Federal

Leia mais

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 Quem sou eu em 3 fases Há 18 anos Reinventando identidade Pessoas Governança Familiar PMC Mesa Coerentia Ekilibra Marketing Lage e Magy Itau

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

Wilza Carla Spiri TRABALHO EM EQUIPE E PROCESSO GRUPAL GERENCIAMENTO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO

Wilza Carla Spiri TRABALHO EM EQUIPE E PROCESSO GRUPAL GERENCIAMENTO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO TRABALHO EM EQUIPE E PROCESSO GRUPAL GERENCIAMENTO DE CONFLITOS E NEGOCIAÇÃO O TRABALHO EM SAÚDE Engloba inúmeras ações de que podem ser executadas parceladamente ou integradamente Wilza Carla Spiri EQUIPE

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento. Abordagem à Gerência 16/07/07

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento. Abordagem à Gerência 16/07/07 Perfil Comportamental DiSC de: Paul Persuader Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal Abordagem à Gerência Dimensões do Comportamento 16/07/07 W2.0.0.5 1998 by Inscape

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Liderança. www.propeople-brasil.com.br

Liderança. www.propeople-brasil.com.br P Liderança para Chefias ara que as organizações subsistam no contexto atual é necessário que possuam colaboradores motivados, pró-ativos, dinâmicos, capazes de trabalhar em equipe e com elevado grau de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho.

Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Estudo de caso de relacionamento interpessoal no ambiente de trabalho. Giovanna Ferreira Curvelo 1 Resumo. Este ensaio tem a finalidade de estudar a importância da Inteligência Emocional no ambiente de

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EQ A HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS Relatório para Tal Fulano ID HC748264 Data 12, Novembro, 2014 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional Equipes As Equipes de Trabalho Melhoram o desempenho dos indivíduos quando a tarefa exige o uso de múltiplas habilidades, julgamentos e experiências. As equipes são mais flexíveis e reagem melhor às mudanças

Leia mais

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING

PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING 11 PORTFÓLIO DE CURSOS E COACHING W W W. C O M U N I C A C A O E M F O C O. C O M. BR SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... 3 2. CURSOS IN COMPANY 2.1. ORATÓRIA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO...

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Perfil Caliper Smart Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper Smart Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper Smart The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mário Teste Preparada por: Consultora Caliper consultora@caliper.com.br Data: Perfil Caliper Smart The Inner Leader Report Página 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico. 2. Não costumo delegar bem minhas atividades

1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico. 2. Não costumo delegar bem minhas atividades Liderança O perfil do gestor para o século XXI Principais falhas gerenciais 1.Sinto que estou apagando incêndio, quando deveria ser mais estratégico 2. Não costumo delegar bem minhas atividades 3. Tenho

Leia mais

O DNA do Secretariado: Competências e Desafios exigindo um Novo Repertório. 21 de agosto

O DNA do Secretariado: Competências e Desafios exigindo um Novo Repertório. 21 de agosto O DNA do Secretariado: Competências e Desafios exigindo um Novo Repertório 21 de agosto DNA do Profissional de Secretariado Inovador Bete D Elia Isabel Cristina Baptista Participação especial: Adriano

Leia mais