Quadro 1. As funçõesdo Administradoṙ. Planejamento Organização Direção Controle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quadro 1. As funçõesdo Administradoṙ. Planejamento Organização Direção Controle"

Transcrição

1 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO Funções do Administrador Para a Teoria Neoclássica, as funções do administrador correspondem aos elementos da Administração, que Fayol (1960) definira no seu tempo: prever, organizar, comandar, coordenar e controlar, com uma roupagem atualizada. Basicamente, as funções do administrador são: planejamento, organização, direção e controle. O desempenho dessas quatro funções básicas forma o chamado processo administrativo. Administração Quadro 1. As funçõesdo Administradoṙ Planejamento Organização subordinados Direção Controle Fonte: Adaptação de Chiavenato (1995). Introdução à teoria geral da administração. Objetivos da Empresa Cada uma das funções administrativas - os elementos da Administração - repercute na seguinte, determinando o seu desenvolvimento, como um processo seqüencial. Assim: Quadro2. O processoadministrativo. Planejamento Organização Direção Controle Fonte: Adaptação de Chiavenato (1995). Introdução à teoria geral da administração. O desempenho dessas funções forma o chamado ciclo administrativo. O ciclo administrativo, à medida que se repete, permite uma contínua correção e ajustamento por meio da retroação. Assim, o desenvolvimento de um ciclo permite, até certo ponto, definir quais as correções que deverão ser introduzidas no ciclo seguinte, e assim por diante. Na realidade, as funções do administrador, ou seja, os processos administrativos formam mais do que uma seqüência cíclica, pois elas estão intimamente relacionadas em uma interação dinâmica. O processo administrativo é cíclico, dinâmico e interativo. As funções administrativas, quando considerado como um todo, formam o processo administrativo. Quando consideradas isoladamente, o planejamento, a direção, a organização e o controle constituem funções administrativas; quando consideradas em sua abordagem global para alcançar objetivos, formam o processo administrativo.

2 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 2 Quadro 3. Processo administrativo e suasfunções. PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE Decisão sobre os objetivos Definição dos planos para alcançá-los Programação de atividades Recursos e atividades para atingir os objetivos: órgãos e cargos Atribuição de autoridade e responsabilidade Preenchimento dos cargos Comunicação, liderança e motivação do pessoal. Direção para os objetivos Fonte: Adaptação de Chiavenato (1995). Introdução à teoria geral da administração. Definição de padrões para medir desempenho, corrigir desvios ou discrepâncias e garantir que o planejamento seja realizado. O processo administrativo é o elemento decisório que cada a cada dia se torna mais complexo, pois as decisões precisam ser tomadas rapidamente, mas sem expor a organização a riscos financeiros, de perda de mercado, qualidade ou imagem frente a seus clientes. Para Motta (1994), os decisores tomam decisões por meio de interações diversas, ações isoladas e opiniões às vezes pouco coerentes, quase sempre envoltas em grandes incertezas, em ambientes turbulentos, sob grande pressão e sem tempo para levantar informações, pois a maioria das decisões demanda soluções quase que imediatas. Como forma de sistematizar atividades, as organizações são divididas em áreas. Estas áreas subdividem-se em outras, sendo que esta divisão varia em cada empresa; as mais freqüentemente utilizadas são a de marketing, produção, pessoal e financeira, existindo outras nem sempre estabelecidas formalmente. As decisões geralmente são tomadas com interações entre as diferentes áreas buscando sintonia, crescimento e desenvolvimento, para alcançar vantagens competitivas e melhoria de qualidade. Kotler (2000) diz que o sucesso de uma empresa não depende apenas do desempenho de cada área, mas também de como as atividades entre as áreas são realizadas. Segundo ele, freqüentemente as áreas agem para maximizar seus próprios interesses em vez dos interesses da empresa e dos consumidores. O quadro 4 abaixo identifica algumas das decisões mais freqüentes em cada área funcional da empresa: visão sistêmica da empresa Senge(1990) possibilita compreender que as decisões têm conseqüências diretas em muitas atividades da empresa. Se o departamento financeiro demora em aprovar uma liberação de crédito, pois está em busca de inúmeras informações sobre o cliente, certamente não terá problemas com a cobrança, porém a empresa corre o risco de perder um bom cliente. Contrariamente à visão restrita de departamentos, é necessário pensar na empresa como um todo, pois qualquer decisão vai influenciar direta ou indiretamente toda a empresa. Sendo assim, é importante saber o que considerar, a fim de que toda a organização obtenha melhores resultados.

3 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 3 Quadro 4. Decisões e áreas funcionais Área Decisões voltadas para... Autores ƒ Atrair e manter clientes Kotler,2000 ƒ Melhorar a qualidade de vida do consumidor ƒ Definir a melhor maneira de satisfazer o consumidor-alvo ƒ Antecipar-se às necessidades do mercado ƒ Transformar os recursos de capital, materiais e humanos, em Monks, 1987 bens e serviços de maior valor. ƒ Reunir os insumos em um plano de produção que utilize Moreira, 1996 adequadamente os materiais, a capacidade e o conhecimento disponível. Slack, 1997 ƒ Produzir bens e serviços, que retornarão à empresa como capital. ƒ Disponibilizar e administrar pessoas para todos os setores Caravantes, 1993 ƒ Buscar e manter a pessoa ideal em cada cargo, possibilitando assim, maior produtividade e crescimento na organização. Bergamini, 1997 ƒ Atrair pessoas com talentos, que assumam responsabilidades e desafios, sendo leais à organização. ƒ Captar, aplicar e distribuir eficientemente os recursos Gitman, 1987 financeiros, saldando em tempo hábil os compromissos assumidos com terceiros e buscando lucro. Van Horne, 1984 ƒ Projetar o retorno e determinar o grau de risco sobre os investimentos ƒ Estar atento ao aumento ou declínio súbito nas vendas, expansão ou retração do mercado, elevação dos preços, concorrência, inflação, mudanças de câmbio, alterações na política governamental e inadimplência. Fonte: Adaptação do autor Percepções do processo decisório do Administrador Decisões são tomadas a todo instante nas organizações. Elas... constituem o conteúdo do trabalho diário dos administradores Emmerich, 1962), e são uma "... atividade crucial para as organizações" (Freitas et alli,1997). Morgan (1996) ressalta que "as organizações são, em larga escala, sistemas de tomada de decisões", e Simon (1947) cita que as atividades nas organizações são,essencialmente, atividades de tomada de decisão e resolução de problemas. Em todos os níveis da hierarquia organizacional são tomadas decisões, diferindo em complexidade e riscos, sendo estes maiores nas decisões tomadas em níveis estratégicos. Devido à sua importância na organização, o processo decisório vem sendo estudado há décadas e, como todo processo de conhecimento, evolui progressivamente com a colaboração de diferentes estudos, dando novas perspectivas ao tema com o intuito de compreendê-lo em meio ao contexto da organização e todas as suas peculiaridades.

4 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 4 O processo de tomada de decisão segundo Simon (1947) sustenta-se na racionalidade limitada. A partir desta definição seguiram-se muitas percepções e modelos tais como o modelo militar, o modelo de Pesquisa Operacional, modelo político, da lata de lixo, da janela quebrada, e muitos outros. Entretanto, o processo decisório deve ser abordado de acordo com cinco percepções: 1)a racionalidade, 2)a racionalidade limitada, 3)o modelo político, 4) o modelo de Jarroson (1994) e, 5) o modelo de Torres (1994). Sendo o processo decisório como atividade essencial nas organizações,é fundamental considerar a decisão como envolta e dependente nos jogos de poder intrínseco às organizações. As principais percepções do processo decisório são apresentadas a seguir: Qu ad ro 5.Percep çãoda decisão. Percepção Decisão racional: desejável, mas inatingível. Principais concepções Autores Araújo Santos (1996), Elster (1984), Miller (1996) ƒ Acreditava-se que o indivíduo conseguia enumerar todas as possíveis alternativas (identificando-as de acordo com sua importância e conseqüência), selecionar todas as informações necessárias, e, baseado nisso, tomar a decisão correta; ƒ Devido a suas limitações, o ser humano não consegue conceber todas as alternativas possíveis, e nem ter acesso a todas as informações necessárias em dado momento; ƒ Nem sempre sabemos formular corretamente nossos objetivos, por não sabermos qual é realmente o problema, além de que a preferência por uma ou alternativa ser influenciada pelas convicções intrínsecas do decisor; ƒ A teoria da decisão racional pode falhar por haverem diversas ações que sejam igualmente boas, ou não haver nenhuma ação que seja ao menos tão boa quanto as demais; ƒ As críticas ao racionalismo dizem que ele tende à inércia e não promove mudanças necessárias quando em situações de crise, e que conduz à paralisia, à complexidade e dificuldade de inovação. Racionalidade limitada: a Simon (1947), Simon (1963), Motta (1994) decisão possível ƒ Não é possível dispor de todas as informações, nem listar todas alternativas, então, a decisão racional não existe, mas sim a decisão possível num dado momento; ƒ A decisão tem um momento limite para ser tomada, não há como ficar exaustivamente buscando informações e enumerando alternativas, mesmo porque as decisões são tomadas em ambientes turbulentos, com grandes implicações e que exigem decisões rápidas; ƒ Segundo este modelo, inicialmente ocorre a exploração do ambiente, após formula-se e avaliam-se as linhas de ação possíveis, e então se opta por uma alternativa ou curso de ação; ƒ Caso o decisor não se sinta satisfeito com as informações das quais dispõe em determinada fase, retorna de qualquer uma delas para as anteriores, retomando o processo. A decisão como um jogo de Poder Bretas Pereira (1997), Miller (1996), Morgan (1996), Motta (1994)

5 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 5 ƒ Indica a existência de jogos de poder dentro das organizações, por meio de autoridade, status, idéias, informação, hierarquia ou função, enfim, qualquer mecanismo que possa colocar um indivíduo ou um grupo em vantagem em relação à outro; ƒ A manifestação de poder nasce quando as pessoas têm metas divergentes; ƒ O indivíduo ou o grupo que tenha o poder de influência na organização à qual pertence, manipula a escolha de forma conveniente às suas intenções quase sempre ocultas a fim de criar o resultado que deseja; Muitas decisões não são tomadas porque vão contra os interesses dos detentores de maior poder; a intervenção pode ocorrer pelo controle de informações-chave, evitando ou postergando discussões, fazendo com que a decisão tomada seja por falta de outra opção ou por omissão. Ou ainda definindo quem vai decidir, em que momento, e a quem comunicar a decisão. A decisão como um alerta Jarroson (1994) ƒ Ressalta a importância de ver um problema como alerta emitido pelo ambiente, sinais de mudança que chegam ao decisor. Esses sinais podem dar idéia de novas metas, pode ser um indício de problema, mas também o presságio de uma oportunidade; ƒ Se estiver atento a estes sinais, o decisor pode agir por antecipação, considerando, antes da ação, as implicações positivas e negativas desta; ƒ As deduções feitas a partir de dados quantificados são uma referência importante, mas não devem decidir no lugar do decisor; ƒ Nem sempre a decisão é relevante, o decisor deve se perguntar sobre a importância da decisão antes de se preocupar com ela, e das conseqüências se ela for descartada Intuição e decisão no processo decisório Damasio (1996), Torres (1994) ƒ A decisão é uma seqüência de análises e comparações, da qual resulta indicação das possíveis alternativas de ação, produzindo uma ou mais soluções para o problema; ƒ As alternativas são submetidas a critérios, e só são levantados os dados da alternativa que satisfizer o critério estabelecido; ƒ Não há como separar a preferência pessoal de cada um em escolher uma entre várias alternativas que parecem igualmente boas; ƒ O julgamento pessoal é necessário, porque na maioria das vezes não conhecemos a realidade por completo, devido à sua complexidade e ao tempo limitado para descobri-la. Fonte: adaptação do autor Independente do modelo de processo decisório considerado, todos tem fases em comum, e por meio do estudo dessas diferentes abordagens pode-se ter uma visão mais completa, visto que cada autor considera elementos diferentes. Todas as fases do processo decisório podem ser melhoradas de alguma forma. Assim, a tomada de decisão, no processo de planejamento, visa resolver as seguintes questões: Dá para fazer? Vale a pena fazer? Quem faz? Como fazer bem? Funciona? Por ser um instrumento de permanente atualização, como condição necessária para a sua efetividade, deve refletir as mudanças no ambiente econômicas, de mercado, tecnológico ou interno à empresa. A oportunidade de pensar e consolidar em um único documento todas as questões que dizem respeito ao caminho a ser seguido pela empresa, garante no seu processo: A organização das idéias e propostas do conjunto das

6 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 6 pessoas- chave envolvidas na condução da empresa (ou que iniciarão um novo empreendimento) para a visão, missão e objetivos da empresa, e não das pessoas que individualmente a compõe; A organização da própria empresa seja dos números que a refletem, seja das funções exercidas pelas pessoas; A comunicação entre os sócios, sócios e principais gerentes, clientes, investidores, fornecedores e parceiros em geral. O fato de ser um documento único que reflete na íntegra a empresa garante um instrumento de comunicação eficiente entre os envolvidos na operação; O comprometimento de todas as pessoas-chave da empresa no caminho que se delineará para ela; A existência de um instrumento de controle gerencial para acompanhamento, avaliação e controle das fases dos projetos da empresa; A existência de um instrumento eficiente para a captação de recursos seja financeiro, humanos ou de parcerias Áreas de decisão A tomada de decisão pode ser, separada por áreas macro e suas respectivas variáveis que devem ser afetadas: MACRO PESSOAL MATERIAIS VENDAS FINANCEIROS PRODUÇÃO PRODUTO AMBIENTE ESTRATÉGIA Qu ad ro 6.Áreas de Decisão VARIÁVEIS 1. Salário 2. Benefícios 3. Qualificação 4. Ambiente 5. Quantidade de estoque 6. Valor do Estoque 7. Giro do estoque 8. Fornecedores 9. Market share 10. Volume 11. Demanda 12. Satisfação dos clientes 13. Lucro 14. Faturamento 15. Custo 16. Preço 17. Liquidez 18. Margem de lucro 19. Rentabilidade 20. Endividamento 21. Patrimônio 22. Produtividade 23. Tecnologia da Produção 24. Capacidade 25. Qualidade 26. Tecnologia do produto 27. Mix 28. Impacto ambiental 29. Política governamental 30. Concorrência 31. Mercado 32. Risco 33. Imagem da empresa Pesquisa e Desenvolvimento 34.Pesquisa e desenvolvimento Fonte: Adaptação do Autor Ferramentas de Gestão As ferramentas de gestão se propõem a auxiliar os gestores a alcançarem seus objetivos, sejam eles aumentar lucros, reduzir os custos, melhorar a qualidade e os processos, inovar, ou se planejar para o futuro, mas, sobretudo, permear as melhores soluções, as informações mais exatas, enfim, a decisão mais adequada. No Quadro 7

7 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 7 estão listadas 25 ferramentas de gestão que Rigby (2009) afirma que empresas do mundo inteiro utilizam. Ao longo das últimas décadas ferramentas de gestão se tornaram comuns na vida das empresas. Elas ajudam os executivos a atingirem seus objetivos, sejam eles aumentar receitas, reduzir custos, inovar, melhorar a qualidade ou se planejar para o futuro. Mas como identificar as ferramentas mais apropriadas para os desafios de sua organização? O segredo não está em descobrir uma ferramenta mágica, mas sim entender as diferentes ferramentas e saber quando e como utilizá-las. Atualmente se foca em 25 ferramentas, refinando a lista a cada ano. Ao monitorar quais ferramentas as empresas utilizam, em quais circunstâncias e com qual nível de satisfação, se consegue ajudar os executivos a melhor selecionar, implementar e integrar estas ferramentas, maximizando assim o seu desempenho. Ao longo dos anos, esta pesquisa gerou alguns insights importantes: Ferramentas de gestão são muito mais efetivas quando fazem parte de um projeto maior da organização; Gestores que mudam muito freqüentemente de ferramentas acabam comprometendo a confiança dos colaboradores. Os tomadores de decisão atingem resultados muito melhores quando lideram estratégias realistas e consideram as ferramentas apenas como suporte para atingir os objetivos estratégicos; A satisfação geral com as ferramentas de gestão é positiva, mas os resultados alcançados, as taxas de uso e a facilidade de implementação variam muito; Nenhuma ferramenta serve para solucionar todos os problemas.ao avaliarmos como a utilização das ferramentas e a satisfação com elas têm mudado ao longo do tempo, identificamos quatro categorias de ferramentas: Ferramentas incipientes têm baixo nível de utilização e baixo nível de satisfação; Ferramentas brutas têm alto nível de utilização, mas baixo nível de satisfação; Ferramentas especializadas têm baixo nível de utilização, mas alto nível de satisfação; Ferramentas de impacto têm alto nível de utilização e alto nível de satisfação. Em geral, as ferramentas começam na categoria incipientes, como, por exemplo, Comunidades Online e Inovação a partir da Opinião do Cliente. Segundo estudo realizado recentemente, essas ferramentas incipientes podem seguir quatro caminhos possíveis: 1. Elas continuarão a ter desempenho fraco e se mostrarão modismos passageiros; 2. Elas serão melhoradas e funcionarão de forma mais efetiva, mas acabarão servindo algum nicho funcional, tornado-se Ferramentas Especializadas, como é o caso de Fusões e Aquisições ; 3. Elas serão utilizadas de forma mais ampla, em virtude de necessidades reais, mas não ganharão efetividade, tornando-se Ferramentas Brutas, continuamente avaliadas com baixos índices de satisfação, como é o caso de Gestão do Conhecimento, ou; 4. Elas serão adaptadas, ficarão mais efetivas, utilizadas mais amplamente e se tornarão Ferramentas de Impacto. Se tornam padrão para a maioria das empresas, como é o caso de Planejamento Estratégico, Gerenciamento do Relacionamento com Clientes (CRM) e Segmentação de Clientes.

8 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 8 Com base em esse estudo, também podem-se assumir quatro sugestões para a utilização das ferramentas de gestão: 1. Entenda os fatos. Toda ferramenta tem suas vantagens e desvantagens. Para ter sucesso você deve entender os efeitos positivos (e também os colaterais) de cada uma, para então combinar as ferramentas certas, da maneira certa, nos momentos certos. Pesquise, converse com outros executivos que já utilizaram a ferramenta. Não aceite ingenuamente soluções simplistas ou milagrosas. 2. Promova estratégias duradouras, não modismos passageiros. Gestores que promovem modismos minam a confiança de seus colaboradores em sua capacidade de gerar a mudança necessária. Os executivos devem apontar opções estratégicas realistas e enxergar as ferramentas como meio para executá-las. 3. Escolha as melhores ferramentas para o serviço. Os executivos precisam de um sistema racional para selecionar, implementar e integrar as ferramentas que são adequadas para suas empresas. Uma ferramenta somente melhorará os resultados se ela ajudar a descobrir necessidades não atendidas dos clientes, construir capacidades diferenciadas, explorar vulnerabilidades dos concorrentes. 4. Adapte as ferramentas ao seu sistema de negócios (e não o contrário). Nenhuma ferramenta vem com um pacote incluindo instruções e garantia. Toda ferramenta deve ser adaptada à situação particular da empresa. Eis a listagem das ferramentas de Gestão atualmente em uso em nível internacional: 1. Painel de Controle (Balanced Scorecard) 2. Benchmarking 3. Re-engenharia de Processo 4. Inovação Colaborativa 5. Core Competencies 6. Gerenciamento do Relacionamento com Clientes - CRM 7. Segmentação de Clientes. 8. Ferramentas de Suporte à Tomada de Decisão. 9. Downsizing 10. Estratégias de Crescimento 11. Gestão do Conhecimento 12. Lean Six Sigma 13. Gerenciamento da Fidelidade 14. Fusões e Aquisições 15. Missão e Visão 16. Comunidades Online 17. Terceirização (Outsourcing) 18. Modelos de Otimização de Preços 19. Planejamento de Cenários e Contingências. 20. Centros de Serviços Compartilhados 21. Alianças Estratégicas 22. Planejamento Estratégico 23. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management) 24. Gerenciamento da Qualidade Total 25. Inovação a partir da Opinião do Cliente

9 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 9 FERRAMENTAS DE GESTÃO Qu ad ro 7.Ferramentas de Gestão TÓPICOS RELACIONADOS Medidas de desempenho, gestão por objetivos, Balanced Scorecard pagamento por desempenho, balanço estratégico. Benchmarking Melhores práticas, perfil dos competidores. Redução do tempo de ciclo, análise do quadro de Re-engenharia pessoal, redesenho de processos. Inovação Colaborativa Desenvolvimento de novos produtos, inovação, inovação em livre mercado. Core Competencies Qualificações essenciais, fatores chave de sucesso. Gerenciamento do Relacionamento Comércio colaborativo, retenção e segmentação de clientes, ferramentas com Clientes CRM de gestão da fidelidade. Segmentação de Clientes Marketing customizado, segmentação de mercado. Ferramentas de Suporte à Tomada de Objetivos organizacionais,processo decisório, governança. Decisão Downsizing Redução de pessoal, re-engenharia, redimensionamento. Estratégias de Crescimento Expansão, inovação de gestão, análise de migração de mercado. Gestão do Conhecimento Grupos de trabalho, gerenciamento de capital intelectual, organização voltada para o aprendizado. Lean 6 Sigma Produção lean, 6 sigma, controle por processos estatísticos, gerenciamento total da qualidade. Gerenciamento da Fidelidade Pesquisa com clientes e funcionários, retenção e fidelização clientes, gerenciamento do relacionamento com clientes. de Fusão e Aquisições Times de integração em fusões, alianças estratégicas. Visão e Missão Valores da corporação, transformação cultural, planejamento estratégico. Comunidades On Line Blogs, redes sociais, chats, comunidades virtuais; interação com funcionários, clientes e parceiros. Terceirização (Outsourcing) Comércio colaborativo, core competencies, off shoring, alianças estratégicas, análise da cadeia de valor. Modelos de Otimização de Preços Gerenciamento baseado na demanda, precificação, crescimento de receita. Planejamento contigencias de Cenários e Gerenciamento de crises, recuperação em desastres, análise das opções reais, modelos de simulação. Centro de Serviços Compartilhados Alianças Estratégicas Planejamento Estratégico Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Joint ventures, off shoring, terceirização, melhoria do desempenho, parcerias estratégicas. Parcerias, relações gerenciadas por valor, joint ventures, organizações virtuais. Core competencies, missão e visão, planejamento de cenários e contingências, processo estratégico. Supply chain management, corporação sem fronteiras, comércio colaborativo, análise da cadeia de valor.

10 GESTÃO E FERRAMENTAS DE APLICAÇÃO 10 Gerenciamento da Qualidade Total Melhoramento contínuo, prêmios de qualidade, certificados de qualidade, lean 6 sigma. Inovação a Partir da Opinião do Visita à clientes, etnografia, grupos de discussão, entrevistas pessoais, Cliente análise de usuário. Fonte: LOZANO,Marie,Adaptado de Rigby (2009). Rigby, Bridelli e Alves (2003) afirmam que as ferramentas de gestão são utilizadas tanto por uma questão de redução de custos, mas também por razões vinculadas à questões de crescimento do negócio. Para muitos gestores, as ferramentas de gestão são vistas apenas como suporte para atingir os objetivos estratégicos. Segundo os autores, as ferramentas de gestão podem ser mais efetivas quando fazem parte de algo maior, de um projeto da organização e, ainda, que nenhuma ferramenta serve para solucionar todos os problemas da organização. Rigby (2009) classifica as ferramentas de gestão em quatro categorias distintas: (a) Ferramentas incipientes: ferramentas pouco utilizadas e com baixo nível de satisfação; (b) Ferramentas brutas: ferramentas bastante utilizadas mas com baixo nível de satisfação; (c) Ferramentas especializadas: ferramentas pouco utilizadas mas alto nível de satisfação; e, (d) Ferramentas de impacto: ferramentas altamente utilizadas e com alto nível de satisfação. Segundo o autor, as ferramentas incipientes podem seguir quatro caminhos possíveis: (1) continuarão ter um péssimo desempenho e serão descartadas, (2) serão aprimoradas e poderão se tornar mais eficientes (porém mais voltadas para um nicho específico ferramentas especializadas ) (3) serão mais utilizadas pelas reais necessidades que surgirão, porém continuarão não eficientes ou (4) serão adaptadas e se tornarão mais eficientes e mais utilizadas (RIGBY, 2009). Referências LOZANO, Marie-Anne Stival Pereira e LealFerramentas de gestão e de apoio à tomada de decisão das unidades de agricultura familiar [dissertação de Mestrado] UFSC - Florianópolis, SC, RIGBY, Darrell K; BRIDELLI, Stefano; ALVES, Vera. Ferramentas de Gestão. Bain & Company: São Paulo RIGBY, Darrell K. Ferramentas de Gestão: Um Guia para Executivos. Bain & Company: São Paulo.2009.

Management tools and trends 2007

Management tools and trends 2007 Management tools and trends 2007 As ferramentas que os executivos utilizam para crescer seus negócios Coordenadores globais: Darrell Rigby e Barbara Bilodeau Colaboradores locais: André Chaves, Igor Marchesini,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

ESSENCIAIS DECISÓRIO MAPEAMENTO DOS INDICADORES PARA DIAGNÓSTICO E SUPORTE EDIMARA MEZZOMO LUCIANO

ESSENCIAIS DECISÓRIO MAPEAMENTO DOS INDICADORES PARA DIAGNÓSTICO E SUPORTE EDIMARA MEZZOMO LUCIANO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO GESID - Grupo de Estudos em Sistemas de Informação e de Apoio à Decisão PROPOSTA DE DISSERTAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13)

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007

MBA IBMEC SÃO PAULO DISCIPLINAS AVULSAS FEVEREIRO 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO. Disciplinas Avulsas Maio 2007 MBA IBMEC SÃO PAULO Disciplinas Avulsas Maio 2007 Disciplinas do MBA Finanças Negociação Estratégica A área de finanças lida com um constante conflito: recursos que serão transferidos de um investidor

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

BankersLab : Visão Geral do Produto CollectionLab

BankersLab : Visão Geral do Produto CollectionLab BankersLab : Visão Geral do Produto CollectionLab Por que BankersLab? Inovador no desenvolvimento de treinamentos gerenciais avançados baseados em Cases e Games que permitem praticar e simular as decisões

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento. Da ideia à prática

Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento. Da ideia à prática Preparação para seleção do Projeto de Empreendimento Da ideia à prática Informações Gerais Grandes ideias surgem há todo momento. Mas como colocá-las em prática? Será tão simples? Muitos ignoram o processo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009

OqueéBI? QualéoobjetivodeBI? 15/03/2009 Profª. Kelly Business Intelligence (BI) OqueéBI? É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazendo uso de acontecimentos (fatos) e sistemas baseados nos mesmos, apóia a tomada de decisões em negócios;

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO #12 FERRAMENTAS DE GESTÃO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Apresentação Importância de buscar a excelência da gestão O uso das ferramentas para a gestão Dicas para a melhor utilização das ferramentas de gestão

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013

Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 Ambiente de Modelo de Negócios Canvas Fevereiro/2013 O modelo de negócios canvas (MNC), criado pelo finlandês Alex Osterwalder a partir de sua tese de doutoramento, revolucionou a forma com projetos e

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES

O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES O GERENTE DA PEQUENA EMPRESA: ALGUMAS DISCUSSÕES DESCONCERTANTES Luciana de Oliveira Miranda Gomes Mestre em Administração Pública Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Administração Campus

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 -

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Plano de Negócios. Nome

Plano de Negócios. Nome Plano de Negócios Nome (Perguntas MakeMoney em vermelho) Data 1/11 1 - Resumo Executivo 1.1 - Enunciado do projeto Este tópico pode ser entendido como a definição, de forma sintética, do projeto ou negócio

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS DO COMERCIAL DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Capítulo 9. O líder empreendedor e a equipe

Capítulo 9. O líder empreendedor e a equipe O líder empreendedor e a equipe Este material é parte integrante do livro Criação de Novos Negócios e pode ser distribuído livremente desde que citada a fonte: www.elsevier.com.br/josedornelas ou www.josedornelas.com.br.

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHAS DE PESQUISA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 4.1 Área de Concentração 4.1.1 Administração de Recursos Humanos 4.1.1.1 Linha de Pesquisa Esta linha tem como principal objetivo pesquisar a importância dos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 24/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais