SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC/RS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC/RS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING"

Transcrição

1 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC/RS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAIO MASTRASCUSA RODRIGUES O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE ENTERPRISE RESOURCES PLANNING (ERP) E COSTUMER RELATIONSHIP MANAGEMENT (CRM): INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS PORTO ALEGRE 2007

2 CAIO MASTRASCUSA RODRIGUES O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE ENTERPRISE RESOURCES PLANNING (ERP) E COSTUMER RELATIONSHIP MANAGEMENT (CRM): INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau Tecnólogo em Marketing, pela Faculdade de Tecnologia Senac/RS. Orientador: Wagner Júnior Ladeira PORTO ALEGRE 2007

3 RESUMO A utilização do outsourcing na área de TI e a implementação de sistemas de ERP e CRM são hoje elementos necessários às organizações, e tem expandido durante a ultima década, gerando maior produtividade às mesmas. Dentro deste contexto, o presente projeto teve como objetivo mapear o processo de implantação de ferramentas ERP e CRM, identificando as possíveis e principais influências e interferências neste processo. Para isto, foram entrevistados os diretores das células-modulares de uma Empresa Focal, sendo evidenciado as principais etapas do processo de implantação, identificando as principais influências positivas no processo, como as vantagens aos Processos Gerenciais, Questões Comportamentais e nos Processos Operacionais, já os Fatores Macro e Micro-ambientais e as Questões de Estrutura Organizacional, foram identificados como fatores críticos de sucesso à empresa fabricante. As principais interferências ao processo também foram elencadas, dentre as quais podemos citar: (a) forte resistência às mudanças por parte dos colaboradores; (b) constantes revisões e alterações de processos por uma possível má adaptação à ferramenta; (c) preconceito à necessidade real de implantação; (d) o fator tempo; (e) erros de utilização e (f) expectativas de retorno sobre o investimento mal avaliado. Palavras-chave: Processo de Implantação. ERP e CRM. Influências e Interferências.

4 ABSTRACT The use of outsourcing in the area of TI and the implementation of systems of ERP and CRM are necessary elements to the organizations, and has expanded during finishes decade, generating bigger productivity to the same ones. Inside of this context, this project had as objective to describe the implantation process of tools ERP and CRM, being identified the possible and main influences and interferences in this process. For this, the directors of the cell-modular ones of a Focal Company had been interviewed, being evidenced the main stages of the implantation process, identifying the main positive influences in the process, as the advantages to the Management Processes, Conducting Questions and in the Operational Processes, already the Macro and Micron-ambient Factors and the Organizational Structure Questions, had been identified as critical factors of success to the manufacturer company. The main interferences to the process had been also listing, amongst which we can cite: (a) strong resistance to the changes on the part of the collaborators; (b) constant revisions and alterations of processes for a possible bad adaptation to the tool; (c) preconception to the real necessity of implantation; (d) the factor time; (e) errors of use and (f) expectations of return on the investment badly evaluated. Key-words: Process of Implantation. ERP and CRM. Influences and Interferences.

5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 O Processo de Implantação de ERP e CRM Figura 2 Exemplos de interferências para a empresa cliente no Processo de 91 Implantação de ERP e CRM... Figura 3 Exemplos de interferências para a empresa fabricante no Processo de 91 Implantação de ERP e CRM... Figura 4 Exemplos de influências do Processo de Implantação de ERP e CRM nas empresas cliente e fabricante... 93

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO REFERENCIAL TEÓRICO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SI) Classificando Sistemas A integração de conhecimentos com o sistema e a tecnologia da informação Tecnologia da Informação (TI) Definições dos elementos básicos de TI Tendências em (TI) Sistemas de informação Gerenciais (SIG) ou Enterprise Resources Planning (ERP) Criação da necessidade de implantação de uma ferramenta de Customer Relationship Management (CRM) Customer Relationship Management (CRM) Aplicabilidade do CRM O objetivo do CRM Foco no cliente CRM nas pequenas empresas As vantagens da gerência de relacionamento em uma relação custo-benefício Fatores que influenciam no processo de implantação de ERP e CRM Processos Gerenciais Questões Comportamentais Questões de estrutura organizacional Fatores Macro e Micro-ambientais... 27

7 3.4.5 Processos Operacionais MÉTODOS Método qualitativo Instrumento de coleta: roteiro de entrevista semi-estruturado Método de investigação: análise de conteúdo Descrição do caso DESCRIÇÃO E ANÁLISE DE DADOS CATEGORIAS INICIAIS CATEGORIAS INTERMEDIÁRIAS CATEGORIAS FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA PESQUISAS FUTURAS REFERÊNCIAS... 95

8 1. INTRODUÇÃO As empresas, em todo o mundo, têm buscado se diferenciar e obter vantagens competitivas, investindo em Tecnologia da Informação (TI). Essa busca da diferenciação pode ocorrer através da terceirização de suas atividades meios, através do outsourcing (terceirização) de serviços e de infra-estrutura de TI. O outsourcing da TI nas empresas tem expandido durante as décadas passadas e este crescimento é provável que tenha uma continuação (AUBERT et. al., 2004). O outsourcing pode ser entendido como a transferência da produção interna dos bens ou dos serviços a um fornecedor externo (CAO e WANG, 2007). Este projeto teve como principal objetivo mapear e identificar quais os fatores que influenciam ou interferem no processo de implantação de ferramentas de Enterprise Resources Planning (ERP) e Costumer Relationship Management (CRM). Dando início ao trabalho foi possível perceber o quão propício estava o mercado, para abordarmos temas como este, relacionado à comunicação na sua essência. Com a informação e o conhecimento sendo as maiores fontes de riquezas do mundo, nada melhor do que voltarmos nossas atenções para a Tecnologia da Informação (TI), para desvendarmos novas oportunidades e aprimorarmos o que acreditávamos estar pendente nestes processos. Foi com este objetivo que este trabalho foi projetado, detalhando processos gerenciais, operacionais, questões comportamentais, questões de estrutura e do ambiente organizacional como um todo. Tudo isto, visando mapear estes fatores que poderiam influenciar ou interferir para a adequação desta nova e necessária realidade que são o ERP e o CRM.

9 1.1 JUSTIFICATIVA De acordo com Cao e Wang (2007), o processo de outsourcing na TI alcançou sozinho USS 156 bilhões em Estima-se também que mais de 50% das companhias americanas utilizaram este processo em A consultoiria Frost e Sullivan estima que o setor brasileiro de serviços de outsourcing de infra-estrutura de TI, que movimentou 1,1 bilhão de dólares em 2006, deve triplicar para 3,3 bilhões de dólares até 2012; aumento decorrente da intensa movimentação de médias empresas que tem se tornado alvo das provedoras de terceirização (CHEROBINO, 2007). Dentro deste contexto, o número de empresas que utilizam os sistemas de Enterprise Resource Planning (ERP) e Costumer Relationship Management (CRM) vem crescendo a cada ano, pautados nas necessidades de interligar os diversos órgãos, com o intuito de aumentar a eficiência produtiva. Os sistemas de ERP cresceram nos últimos dez anos incorporando uso de tecnologia de informação. As execuções de ERP são geralmente projetos grandes, complexos, envolvendo grande número de funcionários e de outros recursos (AKKRMANS e VAN HELDEN, 2002). Magnusson et. al., (2004) declaram que 70% das 1000 maiores empresas do mundo utilizam o sistema de ERP. Estima-se que em 2005, este mercado alcançou a cifras de 20 bilhões de dólares (FUβ et. al., 2007). Os ERP s podem ser considerados sistemas de gerência de empresas que integram todas as faces do negócio, incluindo planejamento, produção, finanças, vendas e marketing, em um sistema fortemente integrado de processo/informação, facilitando trocas através da organização (McCOMBS, 2007). Já os CRM s são ferramentas que trabalham o gerenciamento do relacionamento com o cliente, que segundo Swift (2001) é uma abordagem empresarial destinada a entender e influenciar o comportamento dos clientes, por meio de comunicações significativas para melhorar as compras, a retenção, a lealdade e a lucratividade dos mesmos.

10 2. OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Identificar os fatores que influenciam o processo de implantação de Enterprise Resources Planning (ERP) e Costumer Relationship Management (CRM) de acordo com o estudo de caso. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS A) Caracterizar o processo de implantação de ERP e CRM; B) Caracterizar fatores que interferem na implantação de ERP e CRM; C) Analisar a influência desses fatores na opinião da empresa entrevistada, no processo de implantação de ERP e CRM.

11 3. REFERENCIAL TEÓRICO Para a realização deste trabalho foram pesquisados os seguintes temas: Tecnologia da Informação, Sistemas de Informação, ERP, CRM e fatores organizacionais que poderiam influenciar nos processos de implantação destas ferramentas. Todos estes pertencem a uma seqüência de conceitos que vêem a agregar positivamente para o embasamento teórico necessário para a realização deste trabalho. Ao início deste projeto foi possível estabelecer que os sistemas de conhecimentos, os sistemas de informação, a tecnologia da informação e as pessoas se constituem pontos essenciais dos desenvolvimentos recentes das estratégias empresariais baseadas em recursos e no conhecimento (REZENDE apud FLEURY et. al., 2003). Isto mostra o quão necessária é a cumplicidade entre as partes envolvidas, para que uma ferramenta tenha eficácia em determinada função. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SI) De acordo com Rezende (2003), todo o sistema, usando ou não os recursos da tecnologia da informação, que manipule e gere informação pode ser considerado sistema de informação. Já pela visão de Turban (2004) o sistema de informação tem a função de coletar, processar, armazenar, analisar e difundir informações com um determinado objetivo. Ele ainda cita que como qualquer outro sistema, o sistema de informação inclui inputs (dados, instruções) e outputs (relatórios, cálculos). Ele processa os inputs e gera outputs, que são remetidos ao usuário ou para outros sistemas. Para o funcionamento de um sistema de informação são necessários insumos para que se tenha eficácia em sua função, os insumos neste caso são as informações, as quais são constituídas por dados. De acordo com o que o autor Rezende (2003) menciona dado é entendido como um elemento da informação, um conjunto de letras, números ou dígitos depositados ou guardados,

12 que, recebidos isoladamente, não transmitem nenhum conhecimento, ou seja, não contém nenhum significado claro. As razões de se ter um sistema de informação implantado em uma empresa são diversas, mas um dos principais objetivos de um sistema para Rezende (2003) é assessorar nos processos de tomada de decisões nas organizações, pois do contrário sua existência não seria significativa. Como segue a essência do processo de tomada de decisão, a primeira etapa é o levantamento das informações, para isso nada mais adequado do que um sistema de informação bem ajustado aos processos empresariais Classificando Sistemas Os sistemas de informação em um âmbito empresarial podem ser divididos em três principais categorias: os sistemas operacionais, gerenciais e estratégicos. Para Rezende (2003) os sistemas de informação operacionais contemplam o processamento de operações e transações rotineiras quotidianas, incluindo seus respectivos métodos. Manipulam informações em seu detalhe, analítica, no singular. Seguindo sua visão Rezende (2003) fala que os sistemas de informação gerenciais contemplam o processamento de grupos de dados das operações e transações operacionais, os transformado em informações coligadas para a gestão. Manipulam informações agrupadas, sintéticas, totais, percentuais, acumuladores, plurais. Já os sistemas de informação estratégicos contemplam o processamento de grupos de dados das intervenções operacionais e transações gerenciais, transformando-os em informações estratégicas. Manipulam informações agrupadas e relacionadas com o meio ambiente interno ou externo (REZENDE, 2003). Os sistemas de informação também podem ser classificados quanto à abrangência da organização, ou seja, nos níveis pessoais, de grupo ou departamental, organizacional e interorganizacionais nos quais condizem os sistemas globais de informação, envolvendo várias empresas (REZENDE apud KROENKE, 2003).

13 Para Rezende (2003) os sistemas de informação podem também ser classificados como sistemas de conhecimentos, para ele todo e qualquer sistema que manipula ou gera informações organizadas para contribuir com os seres humanos, com as organizações e com a sociedade toda pode ser chamado de sistemas de conhecimentos. Para Turban (2004) os sistemas de informação podem ser também classificados como formais e informais, ele diz que: Os sistemas formais incluem métodos pré-definidos, entradas e saídas padronizadas e definições fixas. Já os sistemas informais adotam diversas formas, que vão desde uma rede de fofocas do escritório até um grupo de amigos que troca correspondência eletronicamente A integração de conhecimentos com o sistema e a tecnologia da informação Os sistemas de informação operacionais (SIO), gerenciais (SIG) e estratégicos (SIE) manipulam e geram as respectivas informações oportunas a partir da base de dados única. Essas informações são divulgadas, respectivamente, no detalhe, em grupos e macrorrelacionadas com o meio ambiente interno ou externo (MAIE) da organização (REZENDE, 2003). Este trecho mostra o quão complexa é a integração de todas as informações, para que sejam analisadas e relacionadas no seu detalhe. Isto se dá por tamanha abrangência do (SI) e a função que exerce dentro de uma organização Tecnologia da Informação (TI) A informática ou tecnologia da informação pode ser conceituada como recursos tecnológicos e computacionais para guarda, geração e uso da informação e do conhecimento (REZENDE apud STAIR, 2003). Está fundamentada nos seguintes componentes: hardware e seus dispositivos e periféricos; software e seus recursos; sistemas de telecomunicações; gestão de dados e informações (REZENDE, 2003).

14 Não muito diferente é o entendimento de Turban (2004), para ele a tecnologia da informação, em uma definição mais limitada, diz respeito ao aspecto tecnológico de um sistema de informação. Ela inclui hardware, banco de dados, software, redes e outros dispositivos. Todos esses elementos integram e necessitam do componente fundamental que é o recurso humano, peopleware ou humanware. Embora conceitualmente esse componente não faça parte da tecnologia da informação propriamente dita sem ele essa tecnologia não teria funcionalidade e utilidade (REZENDE e ABREU, 2003). A tecnologia da informação é composta por diversos componentes, como já foram citados acima, mas em especial os dados são essenciais para toda a comunicação necessária para a troca de informação e interatividade na área de TI, para Rezende (2003) as comunicações de dados são um subconjunto especializado de telecomunicações que se referem à coleta, processamento e distribuição eletrônica de dados, normalmente entre os dispositivos de hardware de computadores Definições dos elementos básicos de TI Segundo Turban (2004) os elementos básicos de TI podem ser definidos como: - Hardware é um conjunto de equipamentos, tais como processadores, monitores, teclados e impressoras. Juntos, eles aceitam dados e informações, processam-nos e permitem sua visualização. - Software é um conjunto de programas que permite que o hardware processe os dados. - Banco de dados é uma coleção de arquivos, tabelas e outros dados inter-relacionados que armazenam dados e suas respectivas associações. - Rede é um sistema de ligação que permite o compartilhamento de recursos entre diversos computadores. - Procedimentos são um conjunto de instruções sobre como combinar os elementos ora mencionados de forma a processar a informação e gerar o output desejado.

15 3.1.5 Tendências em (TI) Turban (2004) cita algumas tendências e aperfeiçoamentos tecnológicos relacionados a TI, são eles: - A vantagem custo-benefício dos computadores sobre o trabalho manual aumentará; - Interfaces gráficas e outras interfaces amigáveis irão dominar os PCs; - A capacidade de armazenamento crescerá incrivelmente; - Os data warehouse armazenarão quantidades cada vez maiores de informação; - O uso da multimídia, e também da realidade virtual, aumentará significativamente; - Sistemas inteligentes, em especial computação neural artificial e sistemas especialistas, crescerão em importância; - O uso de agentes inteligentes tornará os computadores mais espertos; - A programação orientada para objetos e o gerenciamento de documentos serão amplamente aceitos; - Os computadores ficarão cada vez mais compactos; - Aumentará o uso de software plug-and-play. 3.2 Sistemas de informação Gerenciais (SIG) ou Enterprise Resources Planning (ERP) O sistema de ERP hoje, se torna cada vez mais necessário para uma organização que queira realmente ter conhecimento de seu negócio, e queira estar em acompanhamento ao avanço tecnológico empresarial. Uma ferramenta de ERP não pode mais ser encarada como um diferencial competitivo, e sim como uma ferramenta essencial competitiva, pois sem ela a organização ficará em desvantagem em relação às demais. As informações são constantes e o cliente cada vez mais exigente, se a organização não estiver preparada para atender com a agilidade necessária, não resistirá.

16 A finalidade básica de um ERP segundo Stair e Reynolds (2002) é ajudar a empresa a alcançar suas metas, fornecendo as seus gerentes detalhes sobre as operações regulares da organização, de forma que possam controlar organizar e planejar com mais efetividade e com maior eficácia. Stair e Reynolds (2002) citam também que em suma, um ERP fornece aos gerentes, não só informação e suporte para a efetiva tomada de decisão, bem como as respostas às operações diárias, agregando, assim, valor aos processos da organização. A maioria das empresas utilizam o ERP para monitorar processos da organização, este monitoramento é feito por meio de relatórios obtidos pela ferramenta, filtrando-se e analisando-se os dados detalhados dos bancos de dados de processamento de transações e apresentando os resultados aos gerentes numa forma compreensível (STAIR e REYNOLDS, 2002). A saída da maior parte de informações gerenciais corresponde a um conjunto de relatórios que são distribuídos a gerência. Estes relatórios compreendem os relatórios agendados, relatórios de indicadores-chave, relatórios de demanda, relatórios de execução e relatórios de drill down (STAIR e REYNOLDS, 2002). Relatórios agendados são produzidos periodicamente ou de acordo com um agendamento, diária, semanal, ou mensalmente. Por exemplo. Um gerente de produção poderia usar um relatório resumido semanal dos custos totais da folha de pagamento para monitorar e controlar os custos de mão-de-obra e das tarefas (STAIR e REYNOLDS, 2002). Relatórios de indicadores-chave sintetizam as atividades críticas do dia anterior, estando geralmente disponíveis no início de cada jornada de trabalho. Esses relatórios podem resumir os níveis de estoque, atividade de produção, volume de vendas, etc. (STAIR e REYNOLDS, 2002). Já Relatórios de demanda trazem informações de acordo com as exigências da gerência, ou melhor, são produzidos sob demanda. Por exemplo, um executivo precisa obter nível de produção de um item em particular relatórios de demanda são gerados para fornecer as informações requeridas (STAIR e REYNOLDS, 2002). Enquanto os Relatórios de drill down fornecem dados mais detalhados sobre uma situação (STAIR e REYNOLDS, 2002). Nos dias de hoje mais do que um sistema de gestão de empresarial um ERP pode ser considerado um fator determinante para a sobrevivência de uma empresa, pois agiliza processos, economiza mão-de-obra e qualifica sua produtividade em todos os aspectos.

17 3.3 Criação da necessidade de implantação de uma ferramenta de Customer Relationship Management (CRM) Com a alta competitividade do mercado e a busca pela excelência na oferta de bens e serviços aos consumidores, empresas de todo o mundo se sentem na necessidade de utilizar ferramentas de Marketing para se manterem viva em seus segmentos de atuação. De acordo com a citação do autor Gummesson (2005) e a definição da American Marketing Association (Associação Americana de Marketing) Marketing é: o processo de planejamento e execução da concepção, do preço, da promoção e da distribuição de idéias, bens e serviços para gerar trocas que satisfaçam a objetivos individuais e organizacionais. A partir desta filosofia de negócio é que as empresas buscam, em acompanhamento aos avanços tecnológicos, cada vez mais, melhorias para seus processos. Tudo isto, em busca de um único objetivo, que é a prospecção de novos clientes e a satisfação dos já existentes, visando à conquista do mercado e em conseqüência a isso, a lucratividade. Uma das principais virtudes do Marketing é a construção de uma base sólida no relacionamento com fornecedores e clientes. Com a necessidade de saber como se relacionar com estes dois interesses em questão, é que foi desenvolvido o conceito de Marketing de Relacionamento, que segundo Gummesson (2005) é o Marketing fundamentado em interações dentro da rede de relacionamentos. Como já citado o Marketing e o avanço tecnológico tendem a andar juntos em razão às necessidades criadas a partir da competitividade do mercado. Com isso, uma série de interesses e oportunidades são despertados para ambos, com cada vez maior intensidade. Com a preocupação de se manter clientes já existentes, e tornarem-nos clientes fiéis e acima disto lucrativos, foi estabelecida a Gerência de Relacionamento com clientes, que segundo o autor Swift (2001) é uma abordagem empresarial destinada a entender e influenciar o comportamento dos clientes, por meio de comunicações significativas para melhorar as compras, a retenção, a lealdade e a lucratividade dos mesmos. Portanto com esta filosofia começando a ser praticada pelas empresas, e as oportunidades nas organizações, para a inclusão de TI voltada à lucratividade é que foi criada a ferramenta de CRM.

18 3.3.1 Customer Relationship Management (CRM) Segundo Swift (2001) CRM é um processo que analisa e transforma informações sobre os clientes em relacionamentos positivos. Ele fala também que por uma definição mais ampla de CRM é possível dizer que ele abrange a todas as atividades que transformam clientes eventuais em clientes leais, satisfazendo ou excedendo as exigências deles, de tal forma que eles voltem a comprar (SWIFT, 2001). Swift (2001) finaliza dizendo que CRM é mensurável e pode servir para maximizar a lucratividade de uma cadeia de valor. Já para Gummesson (2005) em uma visão mais sucinta, CRM são os valores e estratégias do Marketing de relacionamento, com ênfase no relacionamento com o cliente, que são transformadas em aplicações práticas. De acordo com Frederick Newell em seu livro Fidelidade.com (Makron Books, 2000), o gerenciamento do relacionamento com o cliente é: um processo de modificação do comportamento do cliente com o tempo e de aprendizado com cada interação, de personalização do tratamento com o mesmo e do fortalecimento dos vínculos entre ele e a empresa (ALLEN et. al., 2002). O CRM é um processo de geração de lucro a longo prazo, o que pode levar muitos anos e um investimento considerável (ALLEN et. al., 2002) Aplicabilidade do CRM CRM deve ser integrado em tudo o que a empresa faz, com todos os colaboradores (até mesmo fornecedores) e todos com os quais ela transaciona, o autor também cita que você deva pensar e montar uma estratégia acerca de como atualizar a empresa de acordo com a inovadora definição e processo de CRM (SWIFT, 2001).

19 Allen et. al., (2002) dizem que a web é uma excelente plataforma para aplicar CRM, devido a sua habilidade de personalizar de maneira econômica. Além da Web, os sistemas de CRM também permitem que as empresas reconheçam clientes específicos pelos canais-telefone, , mala-direta, sistemas de pontos-de-venda de varejo (POS Point Of Sale) e assim por diante (ALLEN et. al., 2002). A principal maneira de executar um bom CRM é coletar informações sobre um cliente, não apenas o que ele comprou, mas também, seu comportamento, sentimento e o ambiente que afetam suas decisões de compra. Os autores dizem também que estas informações serão gerenciadas de maneira a permitir que o profissional de marketing possa prever compras futuras e o comportamento de compra (ALLEN et. al., 2002) O objetivo do CRM De acordo com Swift (2001) o objetivo de uma ferramenta de CRM é: aumentar as oportunidades aperfeiçoando o processo de comunicação com o cliente certo, fazendo a oferta certa (produto preço), por meio do canal certo e na hora certa. Allen et. al., (2002) citam que com o marketing de banco de dados, os profissionais de marketing segmentam os clientes, de modo que possam vender mais a um custo menor. Mas que com o CRM os profissionais de marketing concentram-se no que o cliente quer, em vez de concentrar-se no que a empresa quer vender. Já Swift (2001) cita que os objetivos de CRM podem ser caracterizados da seguinte forma: - Cliente certo Gerenciar os relacionamentos com os clientes por meio de seus ciclos de vida; realizar o potencial do cliente aumentando a participação na carteira. - Oferta certa Trazer efetivamente clientes reais e em potencial para sua empresa e para seus produtos e serviços; personalizar as ofertas para cada cliente. - Canais certos Coordenar e analisar as informações em cada ponto de contato com o cliente; estar capacitado para se comunicar pelo canal preferido do cliente; capturar e analisar as informações de canais, de modo a se aprender continuamente.

20 - Hora certa Comunicar-se eficientemente com os clientes com base na relevância de tempo; capacidade para se comunicar por meio de marketing tradicional ou em tempo real/ quase real. Segundo Swift (2001) CRM efetivamente engloba a capacidade de uma organização para: - Descobrir clientes; - Conhecer os mesmos; - Manter comunicações com eles; - Assegurar que eles recebam o que desejam da organização não somente quanto ao aspecto do produto, mas em cada detalhe de como a organização lida com eles; - Verificar se eles recebem o que lhes foi prometido certamente, desde que seja lucrativo; - Assegurar que o cliente seja mantido mesmo que o cliente não seja lucrativo atualmente, o objetivo é lucratividade a longo prazo. O CRM também ajuda os profissionais de marketing a aperfeiçoar a comunicação, do ponto de vista do cliente, para maximizar o seu valor (relevante a grupos de clientes específicos) e aumentar a fidelidade do cliente, entre os segmentos de clientes lucrativos (ALLEN et. al., 2002). O CRM fornece as capacidades para gerar produtos, serviços, respostas, individualização, personalização em massa e satisfação do cliente (SWIFT, 2001). Para Newell de acordo com Allen et. al., (2002) a grande virtude para o CRM é identificar o que cria valor para o cliente e então fornecê-lo Foco no cliente Visar clientes lucrativos é um objetivo valioso. A eficiência é uma maneira de economizar recursos financeiros e humanos, mas também de fornecer à sua organização os clientes certos a serem atendidos pelos produtos ou serviços certos (SWIFT, 2001). Swift (2001) diz que se você sabe quem são seus clientes e o que eles desejam e pode satisfazer melhor as necessidades deles, repetidamente e pelo preço certo, eles continuarão a ser seus clientes e o recompensarão com lealdade.

21 Swift (2001) cita ainda que: ser um Consultor para seus clientes é o mais alto de todos os níveis de satisfação dos clientes, engajando o cliente em uma relação contínua de alto valor. Uma das principais dificuldades para fundamentar a importância de um investimento com o foco no cliente, é saber mensurar o retorno sobre investimento, devido a sua intangibilidade e complexidade. Há aspectos relativos à criação de retorno sobre investimento (ROI) e ao nível do foco no cliente. A curva ROI não acelera realmente até que uma organização obtenha as capacidades para reter os clientes lucrativos atuais e transfira os clientes preferidos para novos produtos, serviços, canais ou relacionamentos (SWIFT, 2001). De acordo com Swift (2001) a oportunidade fundamental do Marketing e do ROI é facilitar a lealdade do cliente por meio de compras repetidas de seus produtos e serviços e então gerar novas referências de clientes para criar novas oportunidades de negócios e clientes CRM nas pequenas empresas Segundo Swift (2001) as pequenas empresas precisam se manter próximas de um pequeno número de clientes e continuam a procurar formas de impressioná-los, vender para os mesmos clientes e servi-los por um longo tempo. Ele cita também que toda a história de serviços, atendimento e gerência de relacionamento com os clientes é uma tentativa de se obter outra vez a intimidade desfrutada pelos pequenos comerciantes, cujas clientelas viviam perto deles e cuja ligação se dava não somente pelo comércio, mas também por laços de família e de comunidade. Em um comparativo com a aplicabilidade de CRM em pequenas e grandes empresas Swift, (2001) cita as dificuldades que as grandes empresas têm em aplicar esta ferramenta, ele diz que essas empresas muitas vezes são tão grandes que ficam perdidas nas próprias idéias. Elas se esquecem de que estão no negócio para atender aos clientes As vantagens da gerência de relacionamento em uma relação custo-benefício

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE ENTERPRISE RESOURCES PLANNING (ERP) E CUSTUMER RELATIONSHIP MANAGEMENT (CRM): INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE ENTERPRISE RESOURCES PLANNING (ERP) E CUSTUMER RELATIONSHIP MANAGEMENT (CRM): INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE ENTERPRISE RESOURCES PLANNING (ERP) E CUSTUMER RELATIONSHIP MANAGEMENT (CRM): INFLUÊNCIAS E INTERFERÊNCIAS Caio Rodrigues (Senac-Fatec) caio@gens.com.br Rafael Mendes Lubeck

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Por que estudar sistemas de informação?

Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Por que estudar sistemas de informação? Isto é o mesmo que perguntar por que alguém deve estudar contabilidade, finanças, as, marketing, RH ou qualquer outra grande

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

RESUMO AULAS DE TSSI I. Prof.MsC. Ly Freitas Filho

RESUMO AULAS DE TSSI I. Prof.MsC. Ly Freitas Filho 1 RESUMO AULAS DE TSSI I Prof.MsC. Ly Freitas Filho Março, 2006 1 Sistemas de Informação Desde 1950, a Teoria Geral de Sistemas TGS começou a ser estruturada como teoria pelo biólogo Ludwig von Bertalanffy,

Leia mais