Bibliotecas Digitais: Uma abordagem para armazenamento e publicação de artigos científicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bibliotecas Digitais: Uma abordagem para armazenamento e publicação de artigos científicos"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Filippe Zampiroli Lovatti Bibliotecas Digitais: Uma abordagem para armazenamento e publicação de artigos científicos VILA VELHA 2010

2

3 Filippe Zampiroli Lovatti Bibliotecas Digitais: Uma abordagem para armazenamento e publicação de artigos científicos Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Centro Univertário Vila Velha como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação. Orientador: Cristiano Biancardi VILA VELHA 2010

4 Filippe Zampiroli Lovatti Bibliotecas Digitais: Uma abordagem para armazenamento e publicação de artigos científicos BANCA EXAMINADORA Prof. Msc. Cristiano Biancardi Centro Universitário Vila Velha Orientador Prof. Msc. Sandro Tonini da Silva Centro Universitário Vila Velha Prof. Msc. Susiléa A. Dos Santos Lima Centro Universitário Vila Velha Trabalho de Conclusão de Curso aprovado em 17/11/2010.

5 Eu, Filippe Zampiroli Lovatti, autorizo que a UVV, sem ônus, promova a publicação de minha monografia em página própria na Internet ou outro meio de divulgação de trabalho científico. Data: 17/11/2010 Assinatura:

6 Aos meus pais, familiares, amigos e namorada.

7 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por permitir e dar-me força para que esse trabalho se realizasse. Agradeço a minha família pelo apoio incondicional durante toda a faculdade, dando todo o suporte necessário a minha formação. A minha namorada Tayná Tavares Ambrosio por todo apoio durante a faculdade, e principalmente, no decorrer desse trabalho sendo compreensiva e principal incentivadora. Aos meus avôs, que foram imprescindíveis na minha educação. Principalmente ao meu avô Alfonso, por ser uma referencia impar na minha vida. Aos meus amigos feitos durante toda a faculdade, tanto em Ciência da Computação quanto em Engenharia de Petróleo, espero tê-los pelo resto da vida. Aos amigos da Promov, que me deram suporte, e foram indispensáveis para realização desse trabalho. Ao meu tio Elio e família que me recebeu em sua casa durante o desenvolvimento desse projeto. Ao suporte e paciência de todos os professores. Por fim ao orientador Prof. Msc. Cristiano Biancardi pelo direcionamento para que esse projeto se concretizasse.

8 LISTA DE TABELAS 1 Principais acontecimentos na história das BDs Os Elementos Dublin Core [de Menezes CARDOSO 2007] Os verbos e seus argumentos [Forc, 2003] Descrição dos casos de uso propostos na solução Dicionário de dados Artigo Dicionário de dados Avaliação Dicionário de dados Usuário Dicionário de dados Categoria Dicionário de dados Artigo_Situação Ícones Tempo de Execução das Tarefas (em segundos) Número de erros por tarefas

9 LISTA DE FIGURAS 1 Parte de uma reposta a uma requisição onde pode-se observar o DC em conjunto com o XML Ilustra os dois tipo de interoperabilidade apresentados, Federation e Harvesting. [CUNHA 2008] Representação do esquema de um provedor de dados.[contessa 2006] 29 4 Provedor de Serviços. [CONTESSA 2006] Diagrama de Pacotes Diagrama de Casos de Uso do módulo Básico Diagrama de Casos de Uso do módulo de Avaliação Diagrama de Casos de Uso do módulo de Administração Diagrama de Casos de Uso do módulo de Publicação Diagrama de Classe Diagrama de Sequência do caso de uso Manter Usuário (Inserir) Diagrama de Sequência do caso de uso Manter Usuário (Consultar) Diagrama de Sequência do caso de uso Manter Usuário (Alterar) Diagrama de Sequência do caso de uso Manter Usuário (Remover) Diagrama de Sequência do caso de uso Publicar Artigo Diagrama de Transição de Estado Diagrama de Pacotes Diagrama de Pacotes Arquitetura Básica de Projeto Orientado a Objetos Diagrama de Pacotes - Divisão em Camadas

10 21 Diagrama de Classes Componente Domínio do Problema Diagrama de Classes Gerência de Tarefas Diagrama de Sequência Revisado - Inserir Usuário Diagrama de Sequência Revisado - Consultar Usuário Diagrama de Sequência Revisado - Alterar Usuário Diagrama de Sequência Revisado - Remover Usuário Diagrama de Sequência Revisado - Listar Artigos Diagrama de Sequência Revisado - Publicar Artigo Diagrama de Classes do Componente de Gerência de Dados Diagrama Relacional Diagrama de Navegação Padrão de Interface Busca Padrão de Interface Listar Padrão de Interface do Painel de Controle Padrão de Interface Cadastro Stored Procedure - Publica Artigo Diagrama de Componentes Diagrama de Implantação

11 SUMÁRIO RESUMO 1 INTRODUÇÃO Motivação Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos específicos Metodologia Organização do Trabalho REFERENCIAL TEÓRICO Bibliotecas Digitais Metadados Dublin Core Interoperabilidade Abordagens de Integração Open Archives Initiative OAI-PMH Provedor de dados Provedor de serviços Construção de uma biblioteca digital LEVANTAMENTO DE REQUISITOS 34

12 3.1 Descrição Geral do Ambiente Divisão em Pacotes Modelagem Casos de Uso Descrição dos Atores Descrição dos Casos de Uso Avaliar artigo Manter Usuário Publicar artigo ESPECIFICAÇÃO DE ANÁLISE Diagrama de Classes Dicionário de Dados Diagrama de Interação Diagrama de Sequência Diagrama de Transição de Estado Diagrama de Pacotes ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO Escolha da Tecnologia Arquitetura do Sistema Pacotes De Administração, Submissão, Busca e Avaliação Divisão em Camadas Pacote de Publicação SQL Server Agent Stored Procedure Diagrama de Componentes Diagrama de Implantação

13 6 TESTES Resultados CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS 75 REFERÊNCIAS 77 ANEXO A - Plano de Teste 79

14 RESUMO A publicação de trabalhos científicos além de promover o avanço da ciência, eleva o reconhecimento dos autores por parte da comunidade científica. O processo burocrático para publicação e divulgação de trabalhos científicos somado à popularização da mídia digital, faz com que as Bibliotecas Digitais sejam cada vez mais bem vistas nos dias atuais. Um dos principais problemas apontados para publicação de artigos científicos em revistas é o fato que muitas vezes estes podem se tornar obsoletos até a publicação, devido ao demorado processo de avaliação ao qual estes artigos são submetidos. Outro problema encontrado é que nem sempre bons trabalhos são publicados, isso ocorre pela falta de espaço nestas mídias. Com o objetivo de solucionar esses problemas as Bibliotecas Digitais surgem como uma alternativa para agilizar o processo de publicação dos artigos. A construção de uma Biblioteca Digital deve primar pela interface com o usuário, os serviços oferecidos e o repositório de metadados. Com o proposito de desenvolver uma Biblioteca Digital foram estudados os principais protocolos e padrões existentes assim como trabalhos relacionados. Com o resultado desse estudo foi possível desenvolver o sistema de Biblioteca Digital respeitando as premissas acima, eliminado deficiências encontradas em outras e incorporando funcionalidades como submissão, avaliação e publicação de artigos. Palavras-chave: Biblioteca Digital. Artigo Científico. Publicação.

15 13 1 INTRODUÇÃO Segundo [SILVA,2004], a medida da aceitação ou qualidade de um trabalho pode ser dada pelo número de vezes em que ele é referenciado. Assim, nota-se a grande importância que tem a divulgação dos trabalhos publicados por um pesquisador ou por um grupo de pesquisa. Mas para a concretização desse fato é necessária a existência de processos e mecanismos eficientes que permitam aos autores publicar seus trabalhos. Em geral, a comunidade científica divulga e publica os resultados dos trabalhos em artigos submetidos a congressos, conferências, simpósios ou periódicos. Este tipo de publicação feita em mídia digital ou impressa, sujeita à avaliação de comitês especializados, pode tornar o processo de publicação mais lento e complexo fazendo com que trabalhos fiquem obsoletos, por outro lado, isso aumenta a qualidade relativa dos artigos. Isto se deve ao fato de haver uma seleção dos melhores trabalhos para publicação. Essa seleção gera outro problema: trabalhos de qualidade não publicados. Além disso, muitas vezes há a necessidade de resolução de problemas burocráticos relacionados a direitos autorais, os quais podem dificultar ainda mais o processo de divulgação das publicações. Na tentativa de solucionar os problemas descritos acima, bibliotecas digitais vêm sendo utilizadas. Segundo a Digital Library Federation, bibliotecas digitais (BDs) podem ser definidas como organizações que fornecem recursos para selecionar, estruturar, oferecer acesso intelectual, distribuir, preservar a integridade e garantir a permanência das coleções digitais, de tal forma que elas estejam disponíveis para uma ou várias comunidades. Nelas há repositórios de metadados sobre os trabalhos publicados, bem como links para os textos dos trabalhos (ou mesmo o arquivo propriamente dito, como texto). Um exemplo de biblioteca digital é a BDBComp [LAENDER; RO- BERTO,2004]. Assim diversas bibliotecas digitais surgiram com essa iniciativa, como consequên-

16 14 cia direta disso aumentou o número de publicações através das mesmas. Contudo surge um dificultador no que diz respeito a busca por tais trabalhos onde é necessário o acesso a cada uma separadamente. Visando resolver este problema a Iniciativa de Arquivos Abertos (OAI - Open Archives Initiative) sugere que tais bibliotecas digitais disponibilizem seus metadados através de um serviço padrão de forma que seja possível a implantação do sistema de disponibilização e coleta metadados. Nas bibliotecas atuais são encontradas deficiências. Algumas delas servem somente como repositórios digitais, não oferecendo ou disponibilizando em partes serviços como busca, navegação, submissão, interoperabilidade, avaliação e a publicação de trabalhos. Além disso outros serviços de gerenciamento como: controle de acesso, avaliação de trabalhos pelos leitores e personalização do ambiente não são encontrados por completo nas bibliotecas digitais. Dentro deste contexto este trabalho tem por objetivo estudar bibliotecas digitais que estão relacionadas a submissão, publicação e avaliação de trabalhos assim como propor, modelar e implementar um sistema que resolva as deficiências encontradas e incorpore outros serviços. 1.1 Motivação Observando o mercado de software foi encontrando uma carência no que diz respeito a sistemas de Bibliotecas Digitais que englobam submissão, avaliação e publicação de artigos. Através de uma pesquisa, foram encontrados alguns softwares que realizam tais tarefas, porém de forma manual e ineficiente. Além da falta de softwares no mercado, o processo manual de submissão e avaliação torna o processo lento e burocrático, que muitas vezes tornam estudos obsoletos até sua publicação. 1.2 Justificativa Diante esta carência do mercado de software, este projeto visa relacionar as principais tecnologias para o desenvolvimento de Bibliotecas Digitais, obtendo maior controle, agilidade, facilidade e confiabilidade para a publicação de artigos. Auxiliando

17 15 também, na submissão e avaliação, tendo padrão, agilidade e controle das solicitações, sendo de fácil utilização para com seus usuários. 1.3 Objetivos Objetivo Geral O Objetivo principal deste é desenvolver um sistema de informações em ambiente web de Bibliotecas Digitais, contemplando aspectos de submissão, avaliação, publicação e interoperabilidade Objetivos específicos Os objetivos específicos desse trabalho são: Criar um sistema web, com gerenciamento de perfis: Usuário comum, usuário avaliador e usuário administrador; Permitir qualquer visitante ter acesso rápido aos artigos contidos na biblioteca através de um sistema de buscas, com opção de realizar buscas avançadas; Permitir ao usuário comum submeter artigos, editar artigos já submetidos e gerenciar seu perfil; Desenvolver um módulo de interoperabilidade em conformidade com o protocolo OAI-PMH e que utilize o Dublin Core como padrão de metadados; Criar um método para avaliação de artigo, onde usuários previamente cadastrados darão notas e tecerão comentários sobre o artigo avaliado; Desenvolver ferramentas que auxiliem o usuário administrador a manter a biblioteca, através de rotinas como: criar categoria, definir quantidade de avaliações e nota mínima para um artigo ser publicado e definir usuário como avaliador; Realizar testes de usabilidade no sistema implementado, visando melhorá-lo.

18 Metodologia Para alcançar todos os objetivos foram executados as seguintes atividades: Efetuar pesquisas sobre os conceitos de Bibliotecas Digitais; Estudar o protocolo Open Archives Initiative Protocol Metadata Harvestinhg(OAI- PMH); Analisar o padrão para descrição de metadados Dublin Core; Estudar trabalhos relacionados, identificando pontos positivos e negativos; Modelar um ambiente web para submissão, avaliação e publicação de artigos; Implementar uma ferramenta que dê suporte à submissão, avaliação e publicação de trabalhos. 1.5 Organização do Trabalho A seguir é apresentada uma breve descrição sobre a organização dos próximos capítulos deste trabalho. O capítulo 2 apresenta algumas definições sobre Bibliotecas Digitais, além de explicar os conceitos de metadados, padrões de metadados, Dublin Core, tipos de integração de dados e Iniciativa de Arquivos Abertos e protocolo (OAI-PMH). O capítulo 3 apresenta o Levantamento dos Requisitos do sistema. São descritas as funcionalidades do sistema, seus casos de usos e atores. No capítulo 4 é descrita a especificação da Análise. Na análise são modelados os requisitos através dos diagramas de classes e seqüência. O capítulo 5 contém toda a especificação do Projeto do sistema, abordando soluções tecnológicas e a modelagem detalhada do sistema para posterior implementação. O capítulo 6 contém a parte de Testes. São apresentados os testes realizados e seus resultados. O capítulo 7 contém a conclusão do trabalho, bem como os trabalhos futuros.

19 17 2 REFERENCIAL TEÓRICO Nesta seção, serão abordados os conceitos de Bibliotecas Digitais e padrão de Metadados, serão citados assuntos relevantes sobre integração de dados no tema proposto para o trabalho e, por fim, serão apresentados conceitos para construção de uma Biblioteca Digital. 2.1 Bibliotecas Digitais Para falar de Bibliotecas Digitais (BD) deve-se conhecer primeiro um pouco da sua historia e quais os personagens principais para que essa idéia se tornasse realidade. A biblioteca convencional é aquela em que a maioria dos itens do seu acervo é constituída de documentos em papel. Ela existe desde a invenção da escrita. É claro que, antes do advento da imprensa de tipos móveis, em 1440, o seu acervo era formado por outros tipos de materiais (como o tablete de argila, o papiro e o pergaminho). Uma característica da biblioteca convencional é que tanto a coleção como os seus catálogos utilizam o papel como suporte de registro da informação. Todavia, no final do século XIX, houve uma grande revolução na biblioteca, com a introdução do catálogo em fichas e o abandono do catálogo sob a forma de livro[cunha 2008] Nas últimas décadas, o computador tem sido utilizado de forma cada vez mais crescente e, desde os anos 1970, muitas bibliotecas implantaram catálogos em linha, passaram a acessar bancos de dados, iniciaram o uso regular do periódico eletrônico e o acesso a textos completos de artigos de periódicos, a verbetes de enciclopédias e a itens de outras fontes de referência. A partir de 1994, por exemplo, com a implantação da World Wide Web (WWW) e do fenomenal crescimento da Internet, as possibilidades de acessar e recuperar informações aumentaram de forma nunca antes imaginada [CUNHA 1999]. Os principais acontecimentos assim como seus autores seguem na (tabela 1) abaixo apresentada.

20 18 Autore(s) Ano Descrição Paul Otlet e Henri La Fontaine 1895 Criaram Instituto Internacional de Bibliografia, cujo objetivo era registrar em fichas a produção mundial de impressos: o Repertório Bibliográfico Universal[BDs e suas utopias] Institutos Pesquisa Theodor Nelson Governo EUA de Holm dos H. G. Wells 1938 Sugeriu a criação de uma enciclopédia universal, que conteria a memória planetária completa para toda a humanidade. [AO 2008] Vannevar Bush 1945 Arquitetou o memex que é um dispositivo através do qual um indivíduo armazena todos os seus livros, seus registros e suas comunicações, ele é mecanizado de forma que pode ser consultado com extraordinária velocidade e flexibilidade. O memex é um suplemento pessoal ampliador da memória desse indivíduo. [AO 2008] IBM 1950 Criou as primeiras aplicações concretas de computadores no apoio a funções de bibliotecas. Como a utilização de cartões perfurados para dar suporte às operações de processos técnicos da biblioteca. [AO 2008] 1960 Primeiras Bibliotecas Digitais. [AO 2008] 1960 Estabeleceu a idéia de hipertexto e a hipermídia. Esses conceitos foram desenvolvidos no contexto do seu projeto chamado Xanadu. [AO 2008] 1994 Investimento pesado na área de Bibliotecas Digitais com montantes na ordem de mais de 24 milhões de dólares, para constituição de um programa multiagência, denominado Digital Library Initiative (DLI). [AO 2008] Tabela 1: Principais acontecimentos na história das BDs. O Memex pode ser considerado como o primeiro pensamento semelhante ao conceito das bibliotecas digitais atuais. Este foi vislumbrado por Bush como um dispositivo para uso individual que funcionasse como uma biblioteca mecanizada. Um dispositivo capaz de amarzenar livros, dados e mensagens, de forma que toda informação pudesse ser consultada de forma veloz e flexível. Ainda de acordo com o modelo proposto por Bush para o Memex, ele deveria funcionar como um grande depósito de informações, que fosse capaz de armazenar grande quantidade de informações e demorasse centenas de anos para completar o espaço disponível. Além da alta capacidade de armazenamento um outro fator crucial seria o mecanismo de busca, se um usuário desejasse consultar por um livro, digitaria o código no teclado e o título

21 19 apareceria em seguida, projetado sobre uma das telas. [BUSH 1945] O termo Biblioteca Digital possui conotações que variam de acordo com o ponto de vista de autores e estudiosos da área. De acordo com a Digital Library Federation Bibliotecas Digitais são organizações que produzem recursos e inclui pessoas especializadas para selecionar, estruturar e oferecer acesso intelectual a coleções de trabalhos digitais, alám de distribuir, preservar e garantir a integridade dos arquivos destes trabalhos. As Bibliotecas Digitais devem ser capazes de garantir a legibilidade e disponibilidade dos trabalhos para uso de uma ou mais comunidades. Conforme [BAEZA and YATES 1999], Biblioteca Digital é uma combinação que envolve: uma coleção de objetos digitais (repositório); descrições destes objetos (metadados); um conjunto de usuários e sistemas que oferecem uma variedade de serviços, tais como captura, indexação, catalogação, busca, navegação, recuperação, entrega, arquivamento e preservação. Em seguida destaca-se os principais benefícios que uma BD tem em relação a uma biblioteca convencional. Acesso 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano; Retiradas, devoluções e recolocações automáticas nas prateleiras digitais; Várias pessoas podem utilizar o mesmo recurso simultaneamente; Fornece relatórios detalhados para analisar a utilização da biblioteca em níveis sem precedentes; O mecanismo de busca permite pesquisa de palavras em um livro ou em uma coleção inteira de livros; Não ha necessidade de aumento do espaço físico com a inclusão de novos trabalhos; O custo de implementação e manutenção muito inferior a uma biblioteca convencional. Conforme Gary Marchionini e seus co-autores, em [et al MARCHIONIINI 2002], BDs (Bibliotecas Digitais) servem comunidades de pessoas e são criadas e mantidas por e para pessoas. As pessoas e as informações que as BDs precisam são centrais para todas as bibliotecas, digitais ou não. Todos os esforços no projeto, implementação e avaliação de BDs devem ser consolidados nas necessidades de informações,

22 20 características e contextos dos usuários que usarão ou poderão usar essas bibliotecas. Apesar dos diferentes pontos de vista apresentados, todos os autores citados, concordam que este tipo de biblioteca implica em novas funcionalidades no que diz respeito á organização, recuperação e armazenamento de informações. As Bibliotecas Digitais devem disponibilizar serviços e produtos, possibilitando recuperar documentos completos e bibliográficos, possuindo tipos diversos de registros (imagem, áudio, texto) e utilizando sistemas inteligentes que ajudam na recuperação da informação. No caso específico da recuperação da informação contida nas publicações, tal tarefa sempre foi o principal objetivo dos instrumentos elaborados pelas BDs e sistemas de informação. Com o surgimento de novas tecnologias, surgiram também, novas formas de organizar, estruturar e disponibilizar a informação, como exemplo dessas tecnologias pode-se citar os metadados. 2.2 Metadados A origem do termo metadados se inicia nos anos 60, mas aparece com maior frequência na literatura sobre sistemas de gerenciamento de bases de dados a partir dos anos 80, sendo empregado para identificar as informações auto-descritivas e de auto-controle dos dados contidos nas bases [VELLUCCI 2002]. A necessidade da utilização de metadados na organização eletrônica é crescente como a necessidade de disponibilizar e descobrir informações na internet e nas intranets. Os metadados possibilitam a integração para compartilhamento de recursos e aplicações entre os sistemas de informação e de gestão de conhecimento. A definição mais comum sobre metadados é dado estruturado sobre dado, ou dito de outra maneira, é a informação estruturada que descreve o conteúdo dos repositórios que armazenam recursos, digitais e não-digitais. Exemplos de recursos incluem imagens, livros, obras de arte, músicas e artigos científicos. Os metadados possuem um conjunto de elementos para o propósito de descrição, administração, requisitos legais, funcionalidade técnica, uso e convenção, e preservação. Alguns exemplos de elementos de metadados são: título, autor, descrição, direitos autorais e data de crição. De acordo com [BAEZA and YATES 1999], metadados são atributos de dados ou

23 21 documentos, normalmente descritivos. Os metadados, tipicamente, são mantidos em um catálogo algumas vezes registrado de acordo com algum padrão de descrição de metadados. Um padrão consiste em um conjunto de elementos, sendo que para cada um é dado um nome explicativo, rótulo e definição. Às vezes, uma anotação é fornecida para documentar a história da mudança do elemento e o mapeamento entre este e outros elementos em outras normas [de Menezes CARDOSO 2007]. Com o rápido crescimento da Internet ocorreu uma ploriferação de padrões de metadados, cada um construído para atender uma comunidade, tipos de materiais e necessidades de projetos específicos [ZENG and CHAN 2006]. Dentre os padrões de metadados, pode-se destacar alguns como o Dublin Core [DC 2010], o MARC [LOC 2010], o IEEE Learning Object Metadata [IEEE 2010], e o IMS. É importante destacar que, usualmente, estes padrões utilizam XML para sua representação. Um exemplo de um metadado no padrão Dublin Core pode ser observado na (figura 1). Conforme estudo realizado em [KRUTSON et al. 2003] os padrões Dublin Core e MARC são os mais utilizados hoje em dia, este estudo contemplou 227 instituições e constatou que 23% das bibliotecas utilizam o padrão Dublin Core; 26% utilizam multipadrões incluindo o padrão MARC, 16% utilizam apenas o padrão MARC. Como um dos objetivos deste trabalho é disponibilizar os metadados segundo a Iniciativa de Arquivos Abertos [KRUTSON et al. 2003], será usado o padrão Dublin Core. 2.3 Dublin Core Com o objetivo de criar uma ferramenta para descrição de metadados que fosse fácil de ser utilizada, em 1995, na cidade de Dublin, Irlanda, foi criado o Dublin Core Metadata Intiative (DCMI), que resultou na criação de um padrão internacional de metadados conhecido como Padrão Dublin Core e composto por 15 elementos básicos. O padrão foi desenvolvido por especialistas de áreas como biblioteconomia e computação no OCLC/NCSA Metadata Workshop, realizado em março de O objetivo do grupo era criar uma ferramenta para descrição de metadados de fácil utilização e que tornasse possível encontrar informações eletrõnicas de forma análoga ao provido por um sistema de busca de uma biblioteca. O padrão DC (Dublin Core) inclui dois níveis: Simples e Qualificado. O Dublin Core Simples inclui quinze elementos, o Qualificado inclui três elementos adicionais

24 22 (Audiência, Proveniência e Detentor de Direitos), assim como um grupo de refinamentos de elementos (também chamados qualificadores), que refinam a semântica dos elementos de maneira que sejam úteis nas descobertas de recursos. Os principais elementos do padrão DC [de Menezes CARDOSO 2007], suas descrições e um breve exemplo de cada são apresentados na tabela 2. Elemento Descrição Exemplo Title O nome dado ao recurso. Efetivamente, é o nome que curso é formalmente conhecido. Subject description Type Source Relation O tópico do conteúdo do recurso. Tipicamente, o subject pode ser expresso nas palavras-chave do recurso. Uma descrição do conteúdo do recurso. Esse elemento pode incluir: um resumo, um índice ou um texto livre sobre o conteúdo1 do recurso. A natureza ou o gênero do conteúdo do recurso. Uma referência de onde o recurso foi gerado. Uma referência para um outro recurso relacionado. Casa-Grande e Senzala escravidão, literatura, senhor de engenho Em 1933, Gilberto Freyre publica Casa- Grande e Senzala, um livro que revoluciona os estudos no Brasil, tanto pela novidade dos conceitos quanto pela qualidade literária texto Casa-Grande e Senzala, Primeira Ediç ao Nordeste: Aspectos da Influência da Cana Tabela 2: Os Elementos Dublin Core [de Menezes CARDOSO 2007].

25 23 coverage Creator publisher contribuitor Rights Date Format identifier language Inclui um local (nome de um lugar ou coordenadas geográficas), um período no tempo ou jurisdição (entidade administrativa). Entidade responsável pela criação do conteúdo do recurso. Pode ser uma pessoa, uma organização ou um serviço. Entidade responsável por disponibilizar o recurso criado. Pessoa, organização ou serviço responsável por contribuir com o conteúdo do recurso criado. Informação sobre os direitos do recurso. Uma data que pode ser associada com a criação ou disponibilização do recurso. A física ou digital composição do recurso. Pode incluir um tipo de mídia ou dimensões do recurso (tamanho ou duração). Uma referência única para o recurso dado. Exemplos de identificação podem ser o ISBN de um livro, o ASIN de uma música, uma URL com o recurso etc. O idioma do conteúdo intelectual do recurso. É recomendável que se utilize os valores dos elementos definidos por. Recife-PE Gilberto Freyre Editora Global Roger Bastide Proibida Reprodução MB ISBN: X pt-br Este padrão é uma ferramenta para facilitar a interoperabilidade entre os sistemas de BDs. Na (figura 1) pode-se observar a estrutura do DC em conjunto com XML. Nota-se que os metadados estão entre tags XML que formam a base necessária para a interoperabilidade.

26 24 Figura 1: Parte de uma reposta a uma requisição onde pode-se observar o DC em conjunto com o XML. 2.4 Interoperabilidade Interoperabilidade é um termo presente em diversas áreas da Ciência da Computação, sendo que, no domínio das Bibliotecas Digitais, se refere a capacidade de uma BD trabalhar em conjunto com outras na tentativa de prover serviços de alta qualidade ao usuários [SULEMAN, 2002]. No começo da década de 90 existiam algumas BDs na internet, mas elas e suas informações estavam dispersas na rede. Para (Marcondes 99) De nada adianta a informação existir, se quem dela necessita não sabe da sua existência ou se ela não puder ser encontrada. Nessa época para um usuário fazer uma pesquisa nessas bibliotecas era necessário entrar site a site e realizar sua busca. Criou-se então um cenário onde era imprescindível para o sucesso das BDs a interoperabilidade uma com a outra, fornecendo assim uma quantidade incrível de informação em um só lugar. Conforme [BIRMINGHAM 00], interoperabilidade é a capacidade das Bibliotecas

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é:

Navegando no produto e utilizando esse material de apoio, você descobrirá os benefícios do IOB Online Regulatório, pois só ele é: 1. CONCEITO Completo, prático e rápido. Diante do aumento da complexidade da tributação e do risco fiscal, pelos desafios de conhecimento e capacitação e pela velocidade para acompanhar mudanças na legislação,

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009

REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009 REPOSITÓRIO DIGITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS Porto Alegre, RS Brasil 2009 LUME Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Implementado em janeiro de 2008, a

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER O Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER/OJS) foi customizado pelo IBICT, e o objetivo principal do projeto foi organizar a informação científica

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário

Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário Scientific Electronic Library Online Sistema SciELO de Publicação Guia do usuário São Paulo, junho de 2007 1º Versão SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Autor... 5 2.1 Cadastro no sistema (http://submission.scielo.br),

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER

Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER Sistema Eletrônico de Editoração de RevistasSEER O SEER foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) baseado no software desenvolvido pelo Public

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral

Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Gravador Digital SUPER MONITOR Descrição Geral Documento confidencial Reprodução proibida 1 Introdução Em um mundo onde as informações fluem cada vez mais rápido e a comunicação se torna cada vez mais

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar

Dell Premier. Guia de Compras e Pedidos. Fazendo Login na sua Página Premier. Três formas de comprar Dell Premier Guia de Compras e Pedidos A Dell Premier é o seu próprio site de suporte e compras seguro e personalizado, que permite um processo de compra fácil, eficiente e econômico. Examine este Guia

Leia mais

Manual de Utilização Moodle

Manual de Utilização Moodle Manual de Utilização Moodle Perfil Professor Apresentação Esse manual, baseado na documentação oficial do Moodle foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição

Leia mais

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software Baidu Spark Browser Documento de Especificação de Requisitos de Software Campus Party Brasil 2014 Desafio Baidu Quero um estágio na China Autor: Thiago Pinheiro Silva E-mail: eu@thiageek.com.br Índice

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO Versão: BETA Última atualização: 24/06/2012 Índice O sistema de banco de imagens 03 Pesquisa de fotos 04 Pautas e eventos 08 Cadastro de fotos 09 Edição e indexação

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Trabalho 2 Modelagem Dinâmica do Sistema ViajarFácil.com.br Disciplina: INF318 - Modelagem Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural Profa. Dra. Cecília M. F. Rubira Equipe 5 Jeniffer

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã

Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital. Questões para hoje e amanhã Repositórios, Acesso Livre, Preservação Digital Questões para hoje e amanhã Florianópolis 1.000.000 a.c - 2009 d.c Evolução da prática científica O compartilhamento dos dados das pesquisas mudou para práticas

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Programa de Evolução Contínua Versão 1.84

DOCUMENTAÇÃO. Programa de Evolução Contínua Versão 1.84 DOCUMENTAÇÃO Programa de Evolução Contínua Versão 1.84 SUMÁRIO RESUMO DAS NOVIDADES... 3 CONFIGURAÇÃO DAS NOVIDADES... 6 Resolução de Conflitos de Integração de Pedidos de Marketplaces... 6 Configurações

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core Sumário 4 Introdução 4 Definições 4 Utilização 4 Padrões 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core 4 Conclusão Introdução 4 A constante evolução da área de informática, permite com que

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

GUIA DE USUÁRIO - GU-

GUIA DE USUÁRIO - GU- 1/22 Revisão 00 de 20//12 1. OBJETIVO Orientar o usuário para a pesquisa e visualização detalhada de todas as ordens de compra emitidas, emitir confirmações de aceite, submeter solicitação de alteração,

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais