FLORA AUXILIADORA XIMENES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FLORA AUXILIADORA XIMENES"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS FLORA AUXILIADORA XIMENES ENSINO DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A PIRACEMA: CONEXÕES POSSÍVEIS CAMPO GRANDE 2012

2 FLORA AUXILIADORA XIMENES ENSINO DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A PIRACEMA: CONEXÕES POSSÍVEIS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu Mestrado em Ensino de Ciências, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), como exigência final para a obtenção do grau de Mestre em Ensino de Ciências, sob a orientação da Profª. Drª. Angela Maria Zanon. CAMPO GRANDE - MS 2012

3 FICHA CATALOGRÁFICA XIMENES, Flora Auxiliadora Ensino de Ciências, Educação Ambiental e a Piracema: conexões possíveis / Campo Grande, Flora Auxiliadora Ximenes. 84 p; 30cm. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências/ Centro de Ciências Exatas e Tecnologia/Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Orientadora: Profª. Drª. Angela Maria Zanon. 1. Teoria sócio histórica. 2. Alfabetização científica. 3. Piracema. 4. Representação gráfica. I. Zanon, Angela. II. Título.

4 FLORA AUXILIADORA XIMENES Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, como exigência final à obtenção do título de Mestre. COMISSÃO EXAMINADORA Profª. Drª. Angela Maria Zanon Presidente - UFMS Profª. Drª. Lenice Heloisa de Arruda e Silva - UFMS Profª. Drª. Rosa Maria Feiteiro Cavalari UNESP de Rio Claro Profª. Drª. Vera de Mattos Machado Suplente - UFMS

5 Ao meu pai, Célio (in memorian), e à minha mãe, Odila, pelo amor, carinho e incentivo durante todo o meu caminhar.

6 Agradecimentos Este é o melhor momento de nossa vida: poder agradecer. Sei que pela concretização desta pesquisa, tenho que agradecer a Deus! Foi Deus quem fez com que......meus familiares me apoiassem e incentivassem....a Profª Ms Wanda Faleiros, com a sua imensa sabedoria visse a possibilidade da realização do mestrado....a Profª Drª Angela Maria Zanon aceitasse me orientar, demonstrando paciência e compreensão a todo instante....a comissão examinadora fosse formada pelas Professoras Doutoras Rosa Maria, Lenice Heloísa e Vera de Mattos, pessoas empenhadas em ajudar, sugerindo alterações de grande valia....a Diretora da Escola autorizasse a realização da pesquisa....os alunos do 7º ano, sujeitos desta pesquisa, fossem criativos, interativos e buscassem avançar no aprendizado....o pesquisador da EMBRAPA/Pantanal Biólogo Dr. Agostinho Carlos Catella, informasse a importância do estudo da piracema....o grupo formado pelos professores doutores do mestrado me levasse a buscar aprender sempre mais....os meus colegas do curso fossem incentivadores e companheiros....as amigas Fátima e Gloria procurassem livros, revistas e artigos relacionados com Vigotski....um sonho se tornasse realidade. Meu Muito Obrigada, Meu Deus!

7 RESUMO Nesta pesquisa, analisou-se como o fenômeno biológico da piracema pode contribuir para o estabelecimento de possíveis conexões entre o ensino de Ciências e a Educação Ambiental, no cotidiano dos alunos do 7º ano do ensino fundamental de uma escola pública estadual do município de Ladário/MS. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo pesquisa-ação, dividida em duas fases. Na primeira fase, os alunos responderam a um questionário e confeccionaram uma história em quadrinhos, para expressar o conhecimento que possuíam sobre o assunto, de forma que pudéssemos estabelecer em que nível de desenvolvimento cognitivo se encontravam, de acordo com a teoria de Vigotski. Na segunda fase, após as análises das respostas e das histórias em quadrinhos, foi introduzido o conteúdo Peixes, por meio de aulas dialogadas e atividades extraclasse, perfazendo 20 horas. No final, os alunos responderam novamente à questão sobre o conceito de piracema e confeccionaram a história em quadrinhos, em grupos, para revelar os prováveis avanços ocorridos. Os dados coletados passaram pela Análise de Conteúdo Categorial. A pesquisa pautou-se na teoria de Lev Semionovich Vigotski, em que se busca compreender a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social, partindo da abordagem sócio-histórica. Constatou-se que os avanços dos conhecimentos foram relevantes, entre a primeira e a segunda fase da pesquisa. Os resultados encontrados foram possíveis pela metodologia utilizada e pelo fato de que as atividades foram desenvolvidas na zona de desenvolvimento proximal dos sujeitos da pesquisa, caracterizada por Vigotski pela necessidade de mediação do professor e dos colegas mais capazes. Palavras-chave: Teoria sócio-histórica. Alfabetização científica. Piracema. Representação gráfica.

8 ABSTRACT The paper analyzed how the biological phenomenon of spawning may contribute to establish possible connections between the teaching of Science and Environmental Education in the daily life of pupils in the 7th grade of elementary education at a state school in the city of Ladário/MS. A qualitative action research was conducted, divided into two phases. In the first phase, the pupils answered a questionnaire and made a comic book to express the knowledge they had about the theme, so as to establish in what level of cognitive development they were, according to Vygotsky s theory. In the second phase, after analyzing the answers and the comics, the theme Fish was introduced in dialogued classes and extracurricular activities, totaling 20 hours. In the end, the pupils answered the question again about the concept of spawning and produced the comic book in groups so as to reveal the progress made. The collected data were considered according to the "Categorical Content Analysis." The research was based on Lev Vygotsky Semionovich s theory, which seeks to understand the relationship between humans and their physical and social environment, from the sociohistorical approach. The knowledge progress was relevant, when comparing the two research stages. The results were made possible by the methodology used and because the activities were developed within the research subjects zone of proximal development, characterized by Vygotsky as the need for mediation by the teacher and more capable peers. Keywords: socio-historical theory. Scientific literacy. Spawning. Graphical representation.

9 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - O que é meio ambiente GRÁFICO 2 Como os alunos adquiriram os conhecimentos sobre o meio ambiente GRÁFICO 3 Descreva o Pantanal GRÁFICO 4 O que é Piracema, 1ª fase da pesquisa GRÁFICO 5 Relação entre a piracema e disciplina ciências GRÁFICO 6 Familiares que vivem da pesca Gráfico 7 Quantidade de peixes no Pantanal GRÁFICOS 8 Categorias das Histórias em Quadrinhos - primeira fase da pesquisa GRÁFICO 9 Categorias das Histórias em Quadrinhos - segunda fase da pesquisa GRÁFICO 10 O que é piracema segunda fase da pesquisa... 71

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Localização de Ladário no Mato Grosso do Sul FIGURA 2 Localização da Escola e dos Bairros dos alunos FIGURA 3 - Preparação do painel (XIMENES,F.A. 2011) FIGURA 4 Interação entre os alunos na confecção do painel (XIMENES,F.A.2011) FIGURA 5 Concretização do painel (XIMENES,F.A. 2011) FIGURA 6 Imagem interativa da estação natureza (XIMENES,F.A. 2011) FIGURA 7 Pesquisa na internet (XIMENES,F.A. 2011) FIGURA 8 Anotações da pesquisa (XIMENES,F.A. 2011) FIGURA 9 Formação de grupos (XIMENES,F.A. 2011)... 26

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Caracterização do universo pesquisado Descrição da pesquisa (Metodologia)... CAPÍTULO 2 - PIRACEMA E A LEGISLAÇÃO DA PESCA DO PANTANAL SUL O que é piracema? Legislações do período de defeso no Pantanal sul de 1988 a CAPÍTULO 3 REFERENCIAL TEÓRICO SÓCIO-HISTÓRICO Elementos Mediadores Conceitos Cotidianos e Conceitos Científicos Zona de Desenvolvimento Proximal CAPÍTULO 4 RESULTADOS Descrição e análise de resultados da primeira fase da pesquisa referente aos questionários Descrição e análise de resultados da primeira fase da pesquisa referente às histórias em quadrinhos (Atividade individual) Descrição e análise de resultados da segunda fase da pesquisa referente às histórias em quadrinhos (Atividade em grupos) Descrição e análise de resultados da segunda fase da pesquisa referente à questão o que é piracema? Comparação das respostas da questão da o que é piracema? primeira e segunda fase da pesquisa CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES... 84

12 INTRODUÇÃO O interesse pelo objeto de estudo desta pesquisa, qual seja, verificar conexões possíveis entre o Ensino de Ciências e a Educação Ambiental no cotidiano dos alunos do 7º ano do ensino fundamental de uma escola pública estadual de Ladário/MS, utilizando como contexto o fenômeno biológico da piracema 1, originou-se da minha experiência como aluna e agora como professora nas disciplinas de Ciências e Biologia, na rede pública dos municípios de Corumbá e Ladário, no estado do Mato Grosso do Sul. Quando aluna, ainda, no ensino fundamental, despertou-me um interesse especial pela disciplina de Ciências. Não vi a necessidade de frequentar um curso vocacional que a escola promovia, pois a resposta em relação à área em que iria trabalhar era sempre a mesma: Vou ser professora de Ciências, para ajudar o meu Pantanal. Talvez, para o momento, fosse uma atitude ingênua. Naquela época, nos anos 1980, estávamos com o problema sério de caça predatória do jacaré do Pantanal. Participávamos de manifestações, com o acompanhamento da professora de Ciências. No ensino médio, a disciplina Biologia foi me mostrando a variedade de opções de estudo. No entanto, a ideia principal, o Pantanal, não saía da minha mente. O ingresso em 1991 na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas, possibilitou-me, no primeiro semestre, o estágio no laboratório de zoologia. Durante o estágio, procurava incentivar as visitas dos alunos do ensino fundamental e médio ao laboratório, pois gostava de explicar a procedência dos animais que faziam parte do acervo e sua importância no ecossistema pantaneiro. Estagiei na EMBRAPA/Pantanal durante os dois últimos anos da graduação, trabalhando com cavalo pantaneiro. A partir daí, a Biologia começou a tomar conta de todas as minhas atividades. Estagiava no período matutino, estudava no vespertino e ministrava aulas no noturno. Ao concluir o curso, em 1994, vi que a educação seria a minha opção de trabalho. Todo conhecimento adquirido durante a graduação precisava ser compartilhado, e as aulas poderiam se constituir um dos meios para tal. Com o passar do tempo, as aulas têm, realmente, sido o meio mais propício para a finalidade. 1 O capítulo 1 traz a definição da piracema.

13 12 Em sala de aula, com a ajuda dos alunos, ao expor o conteúdo a ser estudado, procurávamos levantar um possível problema, que poderia ser solucionado no decorrer do estudo. O impressionante é que esses problemas pertenciam ao seu cotidiano (lixo, esgoto, pesca, mineração, turismo, flora e fauna do Pantanal). Por meio da discussão que fazíamos, chegávamos a um consenso, de maneira que vissem a possibilidade para a melhoria da qualidade de sua vida. Isso seria educação ambiental? Precisava fundamentar-me melhor, para a situação que vivenciava. Com a abertura do Mestrado em Ensino de Ciências, em 2006, que possui a linha de pesquisa em educação ambiental, percebi que as noções de que precisava poderiam ser adquiridas ao fazer o mestrado. As minhas ações como professora foram direcionadas para a sua realização. Após um levantamento entre os alunos sobre possível tema a ser pesquisado, predominaram a pesca e a mineração, temas pertencentes ao seu cotidiano. Ao realizar a prova de entrevista para ingressar no mestrado, um dos professores, membro da banca examinadora, perguntou-me como estava sendo estudada a questão da pesca e da mineração na minha região. Além da pecuária, são os setores que mais contribuem para a economia da minha região. Respondi que, em relação ao ensino de Ciências em contexto da educação ambiental, não havia nenhum estudo até então, mas que, tendo a oportunidade de entrar no mestrado, o meu objeto de estudo seria um dos dois temas. Hoje, vejo que, com a ajuda dos alunos, por pertencermos ao meio ambiente pantaneiro, podemos propor ações educativas com contexto ambiental que venham a promover mudanças de postura para a melhoria do nosso Pantanal. Os alunos podem, como postula Carvalho (2008. p. 75), [...] ler seu ambiente e interpretar as relações, conflitos e os problemas aí presentes. Desse modo, com o estudo do cotidiano dos alunos, originou o tema da minha pesquisa, ao ser aprovada para ingressar no curso de Mestrado de Ensino de Ciências no ano de O ensino de Ciências permite que os alunos se apropriem dos conhecimentos científicos e estabeleçam as relações com os problemas ambientais presentes no cotidiano, garantido, assim, a contextualização do que foi apreendido, conceituando significativamente os conteúdos científicos que fazem parte da grade curricular. É possível, portanto, estabelecer a ligação Ciência/Tecnologia/Sociedade. Conforme Koff, isso implica [...] que se parta do que o aluno já conhece, vivencia, lhe desperta o interesse e motivação, ou seja, da tecnologia e dos problemas ambientais e sociais com ela

14 13 relacionados, até se chegar aos respectivos conceitos científicos e formas de aplicálos na melhoria da qualidade de sua vida e da de seus próximos. (KOFF, 1995, p. 29). Assim, o ensino de Ciências escolar busca, por meio do desenvolvimento científico, tecnológico e social, contribuir para a mudança de postura frente à necessidade de uma educação científica, tecnológica e ambiental. A possibilidade dessa contribuição vem por meio dos Parâmetros Curriculares Nacionais (1998), ao indicar que os [...] objetivos de Ciências Naturais no ensino fundamental são concebidos para que o aluno desenvolva competências que lhe permitam compreender o mundo e atuar como indivíduo e como cidadão, utilizando conhecimentos de natureza científica e tecnológica (BRASIL, 1998, p. 32). Acrescenta que os alunos devem ser capazes de [...] perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente (BRASIL, 1998, p. 7), favorecendo, desse modo, que os conteúdos trabalhados no Ensino de Ciências, com a contextualização da Educação Ambiental, possam atuar como agentes facilitadores para que tais competências sejam desenvolvidas. Partindo desse pressuposto, no 7º ano do ensino fundamental são desenvolvidos conteúdos na disciplina de Ciências que orientam a [...] interpretação e divulgação de informações sobre transformações nos ambientes provocadas pela ação humana e medidas de proteção e recuperação, particularmente da região em que vivem, valorizando e respeitando os seres vivos (BRASIL, 1998, p. 72). Assim, estabeleceu-se como problema de pesquisa a seguinte questão: O estudo do fenômeno biológico da piracema, como temática para o ensino de ciências e educação ambiental, pode contribuir para desenvolver a percepção socioambiental de alunos do 7º ano de uma escola estadual de Ladário/MS, para a conservação do recurso pesqueiro e do rio no Pantanal? A questão é relevante, pois Ladário e Corumbá são os municípios que possuem a [...] maior área de seus territórios no Pantanal, 95,6% de sua área (SILVA; ABDON, 1998, p. 1707), e que [...] o Pantanal é a região de maior importância para a pesca (CATELLA, 2008, p. 175), onde ocorrem 263 espécies de peixes (BRITSKI et al. 2007, p. 9). Neiman (2009, p. 64) destaca que [...] a população de peixes acompanha a vocação do Pantanal para a grandiosidade: em seus rios se encontra um dos maiores estoques de peixes de água doce do mundo. Catella (2004, p. 1) confirma: [...] em função de sua abundância e diversidade, os

15 14 recursos pesqueiros são de grande importância econômica e ecológica no Pantanal e em toda a Bacia do Alto Paraguai. Todas essas postulações justificam a escolha da temática em tela. O fenômeno biológico da piracema foi incluído como tema local no ensino de Ciências. Na região de Ladário, o rio Paraguai representa o sustento e a própria condição de vida para uma parcela significativa da população, razão pela qual os conhecimentos sobre os peixes e seu ciclo de vida devem ser de domínio da população. De acordo com o estudo realizado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), visando o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e Pesca no Território Pantanal Sul (2010), no município de Ladário o total de pescadores é de 325, sendo 212 homens e 113 mulheres. Acrescenta-se: No Território Pantanal Sul há pescadores profissionais artesanais, que representam 62,7% do total da categoria existente no estado de Mato Grosso do Sul. Deste total de pescadores profissionais artesanais existentes no Território Pantanal Sul, 41% residem em Corumbá. Somando-se os pescadores/as de Ladário (município cuja área territorial se localiza no interior do município de Corumbá) aos corumbaenses, tem-se 50% da categoria residindo nestes dois municípios, que estão localizados na divisa com a Bolívia e cujo acesso por terra fica a 420 km da capital, Campo Grande, e 200 km de Miranda (BRASIL/MPA, 2010, p. 26). O mesmo estudo indica que: [...] em média, a cada pescador corresponde uma família de 5 membros. Isso significa que o segmento social dos pescadores profissionais artesanais no Território Pantanal Sul é formado por aproximadamente 18,5 mil pessoas. Essa população representa 8% de toda população residente no Território. (BRASIL/MPA, 2010, p ). Assim, ações que possibilitem aos estudantes o desenvolvimento da percepção sobre os recursos pesqueiros do Pantanal podem auxiliar na valorização desses recursos, do rio e dos próprios pescadores. De acordo com Tozoni-Reis (2004), a educação ambiental [...] é dimensão da educação, é atividade intencional da prática social, que imprime ao desenvolvimento individual um caráter social em sua relação com a natureza e com os outros seres humanos, com o objetivo de potencializar essa atividade humana, tornando-a mais plena de prática social e de ética ambiental. Essa atividade exige sistematização através de metodologia que organize os processos de transmissão/apropriação crítica de conhecimentos, atitudes e valores políticos, sociais e históricos. Assim, se a educação é mediadora na atividade humana, articulando teoria e prática, a educação ambiental é mediadora da apropriação, pelos sujeitos, das qualidades e capacidades necessárias à ação transformadora

16 15 responsável diante do ambiente em que vivem. Podemos dizer que a gênese do processo educativo ambiental é o movimento de fazer-se plenamente humano pela apropriação/transmissão crítica e transformadora da totalidade histórica e concreta da vida dos homens no ambiente (TOZONI-REIS, 2004, p. 147). A escola é considerada um dos locais privilegiados para realizar ações de educação ambiental. Através do aprofundamento de temas locais, os estudantes do 7º ano podem adquirir mais conhecimentos, atitudes e valores políticos, sociais e históricos sobre o meio ambiente em que estão inseridos e esclarecer as dúvidas que por acaso tenham em relação às questões como estas: [...] O homem pertence à natureza? Pertenceu algum dia? Pertencerá no futuro? Em cada caso, quais as condições básicas para que isso se realize? Qual o modelo que mais se coaduna com a relação real homem/natureza: o homem como seu participante; o homem como simples beneficiário natural; o homem como seu dependente? (BRANCO, 1995, p. 217). Com tais questionamentos em mente, podem se tornar capazes de compreender a relação dos problemas ambientais na qualidade de suas vidas e contribuir na busca de soluções aplicáveis no dia a dia. Sob essa perspectiva, os objetivos específicos da pesquisa são: Identificar a percepção de meio ambiente dos alunos, sujeitos da pesquisa; Analisar a percepção dos alunos sobre o fenômeno biológico da piracema e a interrelação ser humano / meio ambiente; Contextualizar o conteúdo do Ensino de Ciências, levando em consideração os aspectos socioambientais. Outros trabalhos de pesquisa que envolvem as relações entre o Ensino de Ciências e a Educação Ambiental foram realizados. Dentre eles, podemos citar: Seniciato e Cavassan (2004), na pesquisa Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências um estudo com alunos do ensino fundamental, discutiram a contribuição das aulas de Ciências, desenvolvidas em fragmentos dos ecossistemas terrestres naturais brasileiros, na relação entre os aspectos emocionais e seu papel na motivação dos alunos em um contexto educativo. Rodrigues (2009), em artigo intitulado Ensino de Ciências e Educação Ambiental, demonstrou como aplicar conceitos da disciplina Física de maneira contextualizada, empregando conceitos de educação ambiental.

17 16 Patriarcha-Graciolli (2009) desenvolveu, em dissertação de mestrado o Jogo Guardião do Meio Ambiente : uma proposta pedagógica para o Ensino de Ciências e Educação Ambiental, comprometido com o ensino de ciências e com a transformação socioambiental, estudos sobre a verificação da viabilidade do uso desse jogo, com alunos do ensino fundamental e médio, na busca de práticas pedagógicas para auxiliar professores e alunos no processo de ensino e aprendizagem. Calvalcanti Neto e Amaral (2011) desenvolveram o Ensino de ciências e educação ambiental no nível fundamental: análise de algumas estratégias didáticas, visando a investigar estratégias didáticas utilizadas por professoras de Ciências, para o desenvolvimento de temas ambientais, nas turmas de 5ª e 6ª séries do Ensino Fundamental II, de três escolas públicas do Município da Escada (PE). Pela revisão bibliográfica, percebemos pesquisas que focaram o Ensino de Ciências e a Educação Ambiental. Nossa intenção, porém, é relacionar as conexões possíveis entre o Ensino de Ciências, a Educação Ambiental e a piracema. Assim, esta pesquisa pode contribuir para a formulação de estratégias didáticas para o ensino de Ciências e de Educação Ambiental e pode, ainda, viabilizar as discussões sobre questões sociais, econômicas e consequentemente ambientais. Acreditamos que um tema local contextualizado pode atuar na formação de indivíduo para que adquira conhecimentos, valores éticos e formação cidadã. Esta dissertação está estruturada em quatro capítulos, organizados conforme descrição a seguir: No primeiro capítulo, apresentamos a pesquisa, abordando a caracterização do universo pesquisado e descrição da metodologia. No segundo capítulo expomos a definição da piracema, de leis federais e estaduais promulgadas no período de 1988 a 2010, que tratam da proteção das espécies migradoras no período de defeso. No terceiro capítulo, tratamos da perspectiva sócio-histórica, ressaltando os elementos mediadores, necessários para compreender a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social, a importância dos conhecimentos cotidianos na garantia dos conceitos científicos e a descrição da zona de desenvolvimento proximal, importante estratégia para o ensino dos conceitos científicos. No quarto capítulo, apresentamos a descrição e análise de resultados da primeira fase da pesquisa referente aos questionários e história em quadrinhos, descrição e análise de resultados da segunda fase da pesquisa referente às histórias em quadrinhos e à questão o que

18 17 é piracema? e a análise das respostas da questão o que é piracema? relacionadas à primeira e segunda fases da pesquisa. Por tudo isso, teremos contextualizado o conteúdo do Ensino de Ciências, levando em consideração os aspectos socioambientais. Por último, registram-se as considerações finais e as referências.

19 18 CAPÍTULO 1 O propósito deste primeiro capítulo é apresentar a pesquisa, abordando a caracterização do universo pesquisado e a descrição da metodologia, para que possamos conhecer quem são os autores da pesquisa e como procederam. APRESENTAÇÃO DA PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO UNIVERSO PESQUISADO O estudo foi realizado com 26 alunos do 7º ano de uma escola estadual do município de Ladário, MS, por meio da pesquisa qualitativa, pois, esta conforme Bogdan e Biklen (1982, apud Lüdke e André 2008), [...] envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto (LÜDKE; ANDRÉ, p. 13). Descreveremos os dados no decorrer da análise, obtidos por meio da interação direta com alunos. O tipo utilizado foi a intervenção experimental, [...] entendida como uma atuação sobre as relações em curso no contexto em estudo, jogando com suas condições sociais de produção (FONTANA, 2000, 107), [...] no sentido de que provoca ou cria artificialmente um processo de desenvolvimento psicológico (VIGOTSKI, 2007, 65), [...] fornecendo-nos indicadores da emergência e da internalização de modos de ação e de elaboração nos sujeitos envolvidos na pesquisa. Esses indicadores aparecem nos percursos, recursos e estratégias compartilhados por nós com eles e entre eles, no decorrer das atividades em que nos encontramos envolvidos. (FONTANA, 2000, p. 107). A intervenção experimental tem três princípios fundamentais: Analisar processos, e não objetos; Análise explicativa, e não descritiva e uma análise do desenvolvimento que reconstrói todos os pontos e faz retornar à origem o desenvolvimento de uma determinada estrutura. O resultado do desenvolvimento será [...] uma forma qualitativamente nova que aparece no processo de desenvolvimento (VIGOTSKI, 2007, p. 69). Com esse tipo de método, as ações desenvolvidas durante as fases da pesquisa foram voltadas para a zona de desenvolvimento proximal, visando a alcançar o objetivo geral da pesquisa, que é analisar como o fenômeno biológico da piracema pode contribuir para o

20 19 ensino de ciências e a educação ambiental, no cotidiano dos alunos do 7º ano do ensino fundamental de uma escola pública estadual de Ladário/MS. A contribuição do fenômeno biológico da piracema ao ensino de ciências vem pela possibilidade de ser um meio de elaboração de novas ideias e até mesmo novas percepções sobre o fenômeno. E como nosso estudo é voltado para o principio socio-histórico, [...] estudar alguma coisa historicamente significa estudá-la no processo de mudança (VIGOTSKI, 2007, p. 68). No decorrer das discussões, os sujeitos da pesquisa podem apresentar fatos reais, como problemas socioambientais, que terão oportunidades de ser percebidos, analisados, transformados ou mudados no seu contexto social. O município de Ladário (figura1) está situado a oeste do Estado de Mato Grosso do Sul, circundado pelo município de Corumbá, localizado na região pantaneira do Estado, na margem esquerda do Rio Paraguai. Figura 1- Localização de Ladário no Mato Grosso do Sul, destacado em vermelho no mapa (fonte Google mapas). A escola fica localizada na zona urbana do município, na região central da cidade (figura 2). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), o município possui habitantes. Por ser uma cidade pequena, a escola tem alunos oriundos de vários bairros da cidade (figura 2), com realidade física e social diferentes. Isso possibilita o uso do referencial teórico de Vigotski, fundamentado na troca de ideias e na reciprocidade incessante de restabelecer e reinterpretar informações, conceitos e significados, que originam do aprendizado em sala de aula ou da experiência pessoal do aluno, buscando analisar [...] a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social (VIGOTSKI, 2007, p. 3).

21 20 Figura 2 Localização da Escola e dos Bairros com respectivos números de alunos (fonte Google mapas). Total 26 alunos. As atividades realizadas com os alunos, no decorrer da pesquisa, foram planejadas de forma a colaborar no processo de transformar o saber cotidiano em saber científico. Como defende Vigotski (2009, p. 241), [...] o desenvolvimento dos conceitos científicos, antes de tudo, uma questão de prática de imensa importância talvez até primordial do ponto de vista das tarefas que a escola tem diante de si quando inicia a criança no sistema de conceitos científicos. É possível inserir temáticas locais no processo de ensino formal, valorizando o conceito cotidiano e buscando a interiorização do conceito científico, para que possam ser disseminados e usados na melhoria da qualidade de vida do grupo social? É o que pretendemos responder no decorrer da pesquisa. 1.2 DESCRIÇÃO DA PESQUISA (Metodologia) Após aprovação do projeto pelo Comitê de Ética, voltamos à escola para dar prosseguimento à pesquisa, pois, tínhamos feito um contato anterior com a diretora da escola, que havia autorizado a sua realização. O próximo passo foi a reunião com os pais dos alunos do 7º ano, para esclarecimento da pesquisa e para que pudessem assinar o Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE), (Apêndice A). Como os alunos são menores, quem assina é seu representante legal. Após essa etapa, agendamos com a direção da escola as datas das ações.

22 21 A pesquisa foi dividida em duas fases, para seu melhor desenvolvimento. Ao final dos estudos, por ser um mestrado profissionalizante, tem-se a necessidade da apresentação do produto. Nesse caso, será uma coletânea de histórias em quadrinhos, confeccionadas pelos alunos sobre a temática piracema, que poderão ser utilizadas com outros alunos, em outras séries e mesmo em outras disciplinas. Iniciamos a pesquisa com um plano de aula de ciências, cuja temática era a piracema, com o objetivo de promover o conhecimento dos alunos em relação ao conteúdo peixes e conhecer as percepções dos alunos em relação a meio ambiente, Pantanal e piracema. A percepção, pode ter como a resposta [...] dos sentidos aos estímulos externos, como a atividade proposital, na qual certos fenômenos são claramente registrados, enquanto outros retrocedem para a sombra ou são bloqueados. Muito do que percebemos tem valor para nós, para a sobrevivência biológica, e para propiciar algumas satisfações que estão enraizadas na cultura (TUAN, 1980, p. 4). As respostas aos estímulos externos, que os alunos descreverem na primeira fase da pesquisa, após análises, constituirão referências para ações que busquem mudanças nas percepções, pois: Uma pessoa que simplesmente vê é um espectador, um observador, alguém que não está envolvido com a cena. [...] Um ser humano percebe o mundo simultaneamente através de todos os sentidos. [...] A percepção é uma atividade, um estender-se para o mundo (TUAN, 1980, p ). Melhor será que o estender-se para o mundo venha com percepção mais elaborada e um sentimento de valorização do meio, que Tuan (1980) conceitua como topofilia, o amor pelo lugar. De acordo com o autor, o meio ambiente [...] pode não ser a causa direta da topofilia, mas fornece o estímulo sensorial que, ao agir como imagem percebida, dá forma às nossas alegrias e ideais (TUAN, 1980, p.129), que são demonstradas por nossas ações. Para Vigotski, conforme Oliveira (2010, p. 75), o funcionamento da percepção está relacionado com a [...] mediação simbólica e pela origem sociocultural dos processos psicológicos superiores. E acrescenta: [...] principalmente por meio da internalização da linguagem e dos conceitos e significados culturalmente desenvolvidos, a percepção deixa de ser uma relação direta entre o indivíduo e o meio, passando a ser mediada por conteúdos culturais (p. 75). Dessa forma, a percepção que os alunos possuíam em relação ao fenômeno biológico da piracema modifica-se com a elaboração dos conceitos científicos.

23 22 As percepções foram conhecidas por meio de um questionário (apêndice B). Pelas respostas dos alunos, obtivemos subsídios para a continuidade da pesquisa. Ainda na primeira fase, os alunos elaboraram individualmente uma história em quadrinhos com a temática piracema. O ponto fundamental da fase foi identificar a percepção que possuíam sobre a piracema, estabelecer em que nível de desenvolvimento se encontravam em relação à temática. Após a análise das respostas, verificamos as dificuldades que tiveram na definição de meio ambiente. Nesse caso, vimos a possibilidade de conduzir o aprendizado para a criação da zona de desenvolvimento proximal, que os levaria ao esclarecimento e à internalização do significado da expressão. Conforme enfatiza Vigotski (2007): [...] um aspecto essencial do aprendizado é o fato de ele criar a zona de desenvolvimento proximal; ou seja, o aprendizado desperta vários processos internos de desenvolvimento, que são capazes de operar apenas quando a criança interage com pessoas em seu ambiente e quando em cooperação com seus companheiros. Uma vez internalizados, esses processos tornam-se parte das aquisições do desenvolvimento independente da criança. [...] Assim, o aprendizado é um aspecto necessário e universal do processo de desenvolvimento das funções psicológicas culturalmente organizadas e especificamente humanas. (VIGOTSKI, 2007, p. 103). Assim, decidimos montar um painel, com a interação e cooperação entre alunos e professora, utilizando a definição de meio ambiente de Reigota (1998, p. 21): [...] um lugar determinado e/ou percebido onde estão em relações dinâmicas e em constante interação os aspectos naturais e sociais. Essas relações acarretam processos de criação cultural e tecnológica e processos históricos e políticos de transformação da natureza e da sociedade. (2007): O ato de elaborarem o painel auxiliaria na percepção do meio ambiente. Para Vigotski [...] o [meio ambiente] não é visto simplesmente em cor e forma, mas também como um [meio ambiente] com sentido e significado. [...] toda percepção humana consiste em percepções categorizadas ao invés de isoladas. [...] A transição, no desenvolvimento para formas qualitativamente novas, não se restringe a mudanças apenas na percepção. A percepção é parte de um sistema dinâmico de comportamento; por isso, a relação entre as transformações dos processos perceptivos e as transformações em outras atividades intelectuais é de fundamental importância. (VYGOTSKY, 2007, p. 24). A concretização do painel pode ser verificada pelas figuras:

24 23 Figura 3 Preparação do painel. Figura 4 Interação entre os alunos na confecção Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). do painel. Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). Figura 5 Concretização do painel sobre meio ambiente. Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). O painel foi formado por imagens do cotidiano dos alunos: soltando pipa, os animais no seu ambiente natural, pessoas andando de bicicleta, famílias reunidas, enfim, um lugar, como Reigota (1998, p. 21) explicita, [...] onde estão em relações dinâmicas e em constante interação os aspectos naturais e sociais, aspectos que não foram verificados nas respostas dos alunos, conforme será visto adiante. Dando prosseguimento à pesquisa, introduzimos o conteúdo Peixes. Utilizando aula expositiva dialogada, buscamos contextualizar o tema piracema, a partir dos questionamentos, críticas e reflexões que surgiram no decorrer da discussão. Também procuramos investigar entre os alunos, por meio de participação no diálogo, a percepção que possuíam em relação ao fenômeno biológico da piracema. O diálogo é um dos meios utilizados em trabalhos que visam a contextualizar a educação ambiental. É assim avaliado por Chapani e Daibem (2003): [...] o Diálogo poderia ser considerado como a ideia síntese da educação ambiental: o diálogo entre gerações, entre culturas, entre os povos, entre o ser humano e a natureza, entre a escola e a vida. Não é possível a realização da educação ambiental na escola sem esta premissa básica: o diálogo (CHAPANI; DAIBEM, 2003, p.23).

25 24 Vigotski refere-se ao diálogo como fundamental. Isso produz novas relações com o ambiente, além de uma nova organização do próprio comportamento (VIGOTSKI, 2007, p.12). É a forma de se sentir integrante de uma sociedade, expressar seus pensamentos e poder ser ouvido. Continuando, de acordo com o plano, realizamos uma aula de campo na Fundação Boticário em Corumbá MS, que possui a Estação Natureza, local com exposições interativas sobre o ecossistema pantaneiro, ou seja, o visitante precisa pressionar botões para o aparecimento das imagens e suas informações (figura 6). Elas têm como objetivo sensibilizar a população urbana sobre a questão ambiental, proporcionando o contato com a natureza. No nosso caso, pedimos um trabalho diferenciado para atendimento aos alunos, que tratasse da temática piracema. São os monitores da Estação que fazem o acompanhamento, desenvolvido, atualmente, por duas geógrafas. Figura 6 - Imagem interativa da estação natureza. Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). Como o período das aulas regulares de ciências é muito pequeno, cinquenta minutos, sugerimos aos alunos que as atividades fossem desenvolvidas aos sábados. Eles se prontificaram em participar. No primeiro sábado do mês de maio de 2011, foram à sala de tecnologia da escola para realizar uma pesquisa na internet (figuras 7 e 8), procurando a definição de piracema e a resposta à seguinte questão: qual é a importância da piracema na reprodução dos peixes? Isso

26 25 porque o intuito da pesquisa não era apenas o estudo do conteúdo peixes, mas, sobretudo abordar o fenômeno biológico da piracema como contexto da educação ambiental. Figura 7 Pesquisa na internet. Figura 8 Anotações da pesquisa Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). Durante a pesquisa na internet, atuamos mediando o aprendizado, procurando sanar as dúvidas que os alunos enfrentavam. Eles anotavam todas as informações nos seus cadernos, aprimorando, dessa forma, os seus conhecimentos. No final da pesquisa na internet, foi solicitada uma atividade extra aos alunos: para que conversassem com seus familiares sobre as informações que obtiveram por meio da pesquisa. No segundo sábado, iniciamos as atividades com a discussão sobre a conversa com os familiares. Os alunos ficaram à vontade para relatar o que havia ocorrido nesses encontros. Após essa fase, constatamos que, a partir da conversa com os familiares, a definição que possuíam sobre piracema ficou mais elaborada, pois compartilharam o conhecimento adquirido na escola e os familiares acrescentaram a sua percepção. Durante a conversa, observamos que os alunos diziam seguidamente o pai falou ou a minha mãe falou, demonstrando que o informal contribui, e muito, com o formal. Na sequência, realizamos uma seção com projeções de dois vídeos com o tema peixes, produzidos pela Embrapa Pantanal, com os títulos Conservação dos recursos pesqueiros no Pantanal e Reprodução dos peixes no Pantanal: importância do período de defeso. Durante a sessão, comentamos sobre as palavras que dificultavam a interpretação e abordamos a legislação de pesca do estado de Mato Grosso do Sul. Os vídeos, juntos, têm duração de 20 minutos, mas foram trabalhados durante duas horas. No encontro seguinte, dividimos a sala em cinco grupos (figura 9), formados por alunos classificados nas diferentes categorias que levantamos por meio das histórias individuais: Categoria I Interesse em conhecer o significado da piracema; Categoria II

27 26 Desconhecimento do significado da piracema e necessidade da ajuda do colega na explicação; Categoria III Pesca no período da piracema e Categoria IV Não faz referência à piracema. A ideia era que os alunos desenvolvessem conjuntamente histórias em quadrinhos, aplicando conceitos apreendidos, possibilitando a interação com os participantes na discussão e elaboração da história do grupo. Figura 9 formação dos grupos Fonte: (XIMENES, F.A. 2011). Na observação, durante o desenvolvimento do trabalho, buscamos verificar, por meio do desempenho nas atividades, a nível de desenvolvimento em que se encontravam em relação ao conhecimento sobre a piracema. O estado de desenvolvimento mental de uma criança só pode ser determinado se forem revelados os seus dois níveis: o nível de desenvolvimento real e a zona de desenvolvimento proximal (VIGOTSKI, 2007, p.98). O trabalho foi dirigido para que trabalhássemos na zona de desenvolvimento proximal, que Vigotski (2008) esclarece, [...] a zona de desenvolvimento proximal hoje será o nível de desenvolvimento real amanhã ou seja, aquilo que uma criança pode fazer com assistência hoje, ela será capaz de fazer sozinha amanhã (VIGOTSKI, 2007, p.98). Trabalhando na zona de desenvolvimento proximal, o aprendizado em fase de amadurecimento poderia ser consolidado, passando para o desenvolvimento real e podendo ser disseminado no seu grupo social. Por último, os alunos responderam à seguinte questão: O que é piracema?, para que comparássemos com as respostas do primeiro questionário e o avanço após as atividades. A pesquisa foi realizada nos meses de abril e maio de 2011, com 20 horas de execução, distribuídas da seguinte forma: em uma segunda-feira do mês de abril durante uma hora responderam ao questionário; em uma terça-feira tiveram duas horas para confeccionar as histórias em quadrinhos individuais; na semana seguinte, em uma terça-feira, por duas horas montaram o mural; na semana posterior, em uma segunda-feira, uma hora para a

28 27 introdução do conteúdo Peixes; em uma quarta-feira, três horas para a aula vivencial na fundação Boticário Corumbá; e por quatro sábados consecutivos do mês de maio, foram trabalhadas 11 horas de atividades, sendo pesquisa na internet, sessão de vídeos e elaboração das histórias em quadrinhos, em grupos. Os dados coletados durante a pesquisa dos questionários e das histórias em quadrinhos passaram pela Análise de Conteúdo que, conforme Bardin (1977, p. 42), é um [...] conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos, sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção destas mensagens. No conjunto das técnicas da análise de conteúdo, optamos pela análise por categorias, porque [...] cronologicamente é a mais antiga; na prática é a mais utilizada. Funciona por operações de desmembramento do texto em unidades, em categorias segundo reagrupamentos analógicos. Entre as diferentes possibilidades de categorização, a investigação dos temas, ou análise temática, é rápida e eficaz na condição de se aplicar a discursos diretos e simples (BARDIN, 1977, p. 153). As categorias serão descritas nos resultados da pesquisa, buscando os significados expressos e os subentendidos nas questões respondidas e nos quadrinhos feitos pelos alunos, utilizamos Vigotski e teóricos da educação ambiental na interpretação dos dados.

29 28 CAPÍTULO 2 Neste segundo capítulo, tratamos da definição da piracema e de Leis Federais e Estaduais, que foram promulgadas no período de 1988 a 2010, visando à proteção das espécies que realizam a migração. Dessa forma, é o capítulo que pode alertar para a importância de incluir a temática no contexto escolar dos alunos que vivem na região pantaneira do estado de Mato Grosso do Sul. PIRACEMA E A LEGISLAÇÃO DA PESCA DO PANTANAL SUL O QUE É PIRACEMA? A palavra comumente usada transformou-se em um meio propício para a realização de estudos científicos. Resende (2008) informa que, para os peixes do Pantanal, foram identificadas quatro estratégias reprodutivas. Uma delas é a piracema: A primeira refere-se aos peixes de piracema ou migradores, que realizam longas migrações ascendentes para a cabeceira dos rios para a desova, de novembro a fevereiro e retornam posteriormente para a planície de inundação, onde se alimentam e se recuperam do desgaste energético da viagem e acumulam reservas para o próximo período reprodutivo. O segundo grupo é composto pelos desovadores de planície que realizam pequenas movimentações transversais, saindo da planície de inundação e entrando para o canal principal do rio para se reproduzir, na época das enchentes. O terceiro e quarto grupos são constituídos por espécies residentes que se reproduzem na seca ou na enchente/cheia na própria planície de inundação (RESENDE, 2008, p. 1) (grifo nosso). Conforme Resende (2008), a preparação da migração como estratégia de reprodução começa com uma alimentação incessante, com o intuito de acumular energia para a viagem, pois durante o percurso os peixes não terão condições de se alimentar. Por migrarem em cardumes, tornam-se presas fáceis para predadores. Já alimentados, saem com a vazante para o canal de migração, começando a subida no período de inundação, propiciando na natureza um grande espetáculo: os peixes nadando contra a correnteza, saltando para vencer os obstáculos. O destaque ao fenômeno de piracema não acontece apenas pelo espetáculo que propicia, e sim por acontecer com espécies de grande importância para a pesca. É o que argumenta Resende (2008):

30 29 A maior parte das espécies pertencentes à categoria de migradores de longa distância é composta por espécies de médio a grande porte como a pacu-peva, Mylossoma orbygnianum, os armaos, Oxydoras kneri e Pterodoras granulosus, o pacu, Piaractus mesopotamicus, o dourado, Salminus maxillosus e o pintado, Pseudoplatystoma corruscans, dentre outras. Reproduzem-se nos trechos superiores dos rios no período das chuvas, geralmente de novembro a fevereiro (RESENDE, 2008, p. 3). Por serem peixes com grande valor comercial, podem ter influenciado a elaboração de Leis que promovem medidas de proteção, mais precisamente no período de defeso ou época da piracema. O período é determinado regionalmente, de acordo com Ferraz de Lima (1984): A piracema, assim como outros movimentos cíclicos de peixes de águas interiores, depende dentre outros fatores ambientais das variações de nível dos rios, com as quais os peixes estão intrinsecamente relacionados. As desovas só ocorrem após uma longa migração rio acima, quando os peixes estão com as gônadas completamente desenvolvidas e o nível do rio em ascendência; aspectos que devem ser observados para o não estabelecimento prematuro ou tardio do período de piracema (defeso). Este período é diferente em diversas regiões do Brasil, pelo que deve ser estabelecido regionalmente, além de se considerar que o início das desovas pode anteceder a data previamente estipulada, motivo pelo qual se necessita dos administradores, em consonância com os técnicos, ponderarem as medidas de fiscalização, para que a exploração de recursos pesqueiros seja realizada de forma racional (FERRAZ DE LIMA, 1984) 2. O Pantanal sul-mato-grossense precisa estabelecer leis que garantam a renovação do estoque pesqueiro, por passar pelo ciclo de cheia e seca anualmente, que interfere na reprodução dos peixes, principalmente os de piracema, no tocante à abundância ou à falta de alimento. Construímos o histórico de Leis Federais e Estaduais no período de 1988 a 2010, para demonstrar a sua aplicação LEGISLAÇÕES DO PERÍODO DE DEFESO NO PANTANAL SUL DE 1988 A 2010 Em 23 de novembro de 1988, foi promulgada a Lei Federal nº 7.679, que dispõe sobre a proibição da pesca em períodos de reprodução, sendo um marco para o estudo da importância do 2 Jornal de Pesca artigo publicado em jornal, conseguido em contato pessoal com o autor, Dr. José Augusto Ferraz de Lima - Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília UnB, doutor em Fisiologia Animal pela UNICAMP, chefe do Parque Nacional do Pantanal, um dos pioneiros no estudo da reprodução dos peixes do Pantanal.

31 30 período da piracema e em nosso estudo da piracema dos rios do Pantanal. A citada Lei informa no seu primeiro artigo: Art. 1º Fica proibido pescar: I - em cursos d'água, nos períodos em que ocorrem fenômenos migratórios para reprodução e, em água parada ou mar territorial, nos períodos de desova, de reprodução ou de defeso; (grifo nosso). A competência dos atos normativos é designada ao Poder Executivo: Art. 2º O Poder Executivo fixará, por meio de atos normativos do órgão competente, os períodos de proibição da pesca, atendendo às peculiaridades regionais e para a proteção da fauna e flora aquáticas, incluindo a relação de espécies, bem como as demais medidas necessárias ao ordenamento pesqueiro. A partir de então, o governo do estado do Mato Grosso do Sul vem normatizando as Legislações, que garantem suprir as deficiências da Legislação Federal. A primeira medida foi aprovar, em 28 de setembro de 1990, o decreto nº 5646, que estabelece, na seção II, do período de estação reprodutiva, no artigo 22: Art Fica proibido o exercício de qualquer modalidade de pesca nos locais e épocas assim descritas: I em todo o território do estado nos meses de novembro a janeiro; II nas Reservas de Recursos Pesqueiros até o mês de fevereiro. 1 - A Secretaria de Meio Ambiente SEMA/MS, atendendo estudos técnicocientíficos poderá antecipar e/ou prorrogar os períodos mencionados nos incisos I e II deste artigo, bem como estabelecer as reservas de Recursos Pesqueiros. 2 - Não se inclui na proibição deste artigo a pesca científica. CAPÍTULO II DAS MODALIDADES DA PESCA Art. 3 - Ressalvado os casos previstos neste Decreto, a pesca não poderá ser exercida com a utilização dos seguintes petrechos: I cercado, pari ou qualquer aparelho fixo; II do tipo elétrico, sonoro ou luminoso; III fisga, gancho ou garatéia, pelo processo de lambada; IV arpão, flecha, covo, espinhel ou tarrafão; V substâncias tóxicas ou explosivas; VI qualquer outro aparelho de malha. SEÇÃO IV DAS DIRETRIZES PARA A EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS PESQUEIROS Art Fica vedada a captura das espécies de peixes abaixo indicadas com a utilização de quaisquer dos petrechos descritos no art. 3 deste Decreto e em tamanho inferior ao estabelecido neste artigo: Jaú: 95cm; Pintado: 80cm; Cachara: 80cm; dourado: 55cm; Pacu: 45cm; Curimbatá: 38cm; Piau-ucú: 38cm; Barbado: 60cm e Piraputanga: 30cm. São medidas muito importantes, que proíbem todas as atividades pesqueiras no Pantanal durante a piracema, proporcionando proteção para a procriação dos peixes e

32 31 estabelecendo o tamanho mínimo para captura de certas espécies de peixes. Em relação ao tamanho mínimo, tomando como exemplo o pintado, Resende et al. (1995) descrevem que as fêmeas atingem a primeira maturação aos 66 cm de comprimento padrão e aos 74 cm todas estão maturas. Os machos alcançam a primeira maturação aos 61,5 cm e todos estão maturos aos 75 cm de comprimento padrão. Com 80 cm já passaram por pelo menos um período reprodutivo. Essas medidas vêm sendo adotadas desde Em 25 de novembro de 1997 foi aprovada a Lei nº 1.787, que dispõe sobre a pesca em Mato Grosso do Sul. Em seu artigo sétimo cria o CONPESCA/MS Conselho Estadual de Pesca, constituído por representantes de todos os setores ligados à pesca, órgãos governamentais e não governamentais, além de instituições de ensino superior e pesquisa, representando um considerável avanço para a gestão participativa da pesca no estado. Dispõe sobre a pesca em Mato Grosso do Sul, e dá outras providências. Art. 7º Fica criado o Conselho Estadual da Pesca, órgão deliberativo e consultivo da política estadual de pesca, cujo regimento interno e composição serão definidos pelo Conselho Estadual de Controle Ambiental e aprovado pelo Poder Executivo, devendo, entretanto, contar necessariamente com a participação de representantes das Federações dos Pescadores, de entidades de estudo e pesquisa, de representante do setor de turismo sul-mato-grossense, de representante de pescadores desportivos, de representante da Secretaria de Estado de Segurança Pública. Essa gestão participativa, ou seja, a criação do CONPESCA/MS, possibilitou, pela representação de alguns segmentos da sociedade, o posicionamento nos rumos e objetivos que a atividade pesqueira deve tomar, optando-se [...] por uma política de gestão participativa, os diversos usuários e setores relacionados à pesca definem em conjunto os rumos e objetivos da atividade. Essa forma de gestão concorre para o amadurecimento político da sociedade, pois os atores da pesca tornam-se, de fato, corresponsáveis pelo uso e conservação dos recursos pesqueiros e prontos para colaborar no cumprimento das normas criadas a partir do debate levado a cabo por eles mesmos (CATELLA, 2001, p. 115). No dia 12 de janeiro de 1998 foi aprovada a Lei nº 1.826, que dispõe sobre a exploração de recursos pesqueiros e estabelece medidas de proteção e controle da ictiofauna e outras providências. No capítulo II seção III, temos: CAPÍTULO II DA PESCA E DA AQÜICULTURA Seção III Das Proibições Art. 18. Fica proibida a pesca predatória. 1º. Considera-se predatória a pesca:

33 32 I - nos locais e épocas estabelecidos em regulamento, para proteção dos fenômenos migratórios e/ou de reprodução de organismos aquáticos; II - em quantidades superiores à permitida; III - de espécie sob regime especial de proteção ou indivíduos com tamanhos inferiores aos permitidos; IV - mediante utilização de: a) explosivos ou substâncias tóxicas; b) aparelhos, petrechos, substâncias, técnicas e métodos não permitidos. V - em época e locais interditados pelo órgão competente; VI - sem autorização ou licença do órgão estadual competente. Na Lei n 1.826, a pesca é considerada como predatória nos locais e épocas de reprodução de peixes, período da piracema. Por essa medida, o período de defeso é garantido. Com a implantação da Lei nº 1.909, que estabelece a forma de reparação de danos ecológicos que ocasionem a mortandade de peixes nos rios do estado de Mato Grosso do Sul, entre outras providências, reforçou-se a Lei nº 1.826, pois a punição é mais severa se o dano ocorrer no período da piracema. LEI N.º 1.909, DE 01 DE DEZEMBRO DE 1998 (Publicado no D.O.E. dia 02/12/98). Art. 1 - Todos aqueles que causarem qualquer tipo de danos ecológicos que ocasionem a mortandade de peixes nos rios do estado de Mato Grosso do Sul, devidamente comprovado e analisado por especialistas da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMADES, ou por outro órgão competente, ficam obrigados a reparar os danos causados, com o repovoamento dos rios. Art. 2 - O repovoamento dos rios atingidos pelo dano ecológico deverão ser efetuados na proporção de 04 (quatro) alevinos, de 02 a 04 centímetros de comprimento, para cada exemplar encontrado morto, em espécies equivalentes e adquiridos em piscicultura do estado. Art. 3 - O não cumprimento do disposto nos artigos anteriores implicará ao causador do dano a multa de, no mínimo (mil), e máximo (cem mil) UFERMS, Unidade Fiscal de Referência, duplicado este valor quando o dano for causado no período de piracema. Art. 4 - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 5 - Revogam-se as disposições em contrário. As pesquisas sobre as explorações dos estoques pesqueiros realizadas pelo Sistema de Controle de Pesca de Mato Grosso do Sul (SCPESCA/MS) entre os anos de 1994 a 1999 possibilitaram, no ano de 2000, alterações do decreto nº de 1990, que estabelecia o período de estação reprodutiva, e a aprovação do Decreto nº 9768.

34 33 Considerando os resultados dos estudos técnico-científicos de avaliação do nível de exploração dos estoques pesqueiros no período de 1994 a 1998, efetuados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, em conjunto com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária do Pantanal EMBRAPA PANTANAL E Polícia Militar Florestal; Considerando que estas medidas representam a garantia de manutenção das populações das espécies de peixes com o aumento do número de indivíduos adultos no estoque e a captura após primeira reprodução; Considerando a aprovação destes resultados pelo Conselho Estadual de Pesca CONPESCA, órgão consultivo da política estadual de pesca, e decisão ad referendum do Conselho Estadual de Controle Ambiental CECA. (grifo nosso) Decreta: Art. 1 - Os dispositivos do Decreto n 5.646, de 28 de setembro de 1990, abaixo indicados, passam a vigorar com a seguinte redação: Art. 7 - O limite de captura e transporte, por pescador amador, é de 15 (quinze) quilos e mais um exemplar de qualquer peso, respeitados os tamanhos mínimos para a captura. SEÇÃO II DO PERÍODO DE ESTAÇÃO REPRODUTIVA Art Fica proibido o exercício de qualquer modalidade de pesca nos locais e épocas assim descritas: I em todo o território do estado nos meses de novembro a janeiro; II nas Reservas de Recursos Pesqueiros até o mês de fevereiro. 1 - A Secretaria de Meio Ambiente SEMA/MS, atendendo estudos técnico-científicos poderá antecipar e/ou prorrogar os períodos mencionados nos incisos I e II deste artigo, bem como estabelecer as reservas de Recursos Pesqueiros. 2 - Não se inclui na proibição deste artigo a pesca científica. O SCPESCA/MS, sistema formado pela parceria entre Embrapa Pantanal, Polícia Militar Florestal/MS e Secretaria de Estado de Meio Ambiente/MS, coleta e analisa informações sobre a pesca em toda a Bacia do Alto Paraguai em Mato Grosso do Sul desde 1994, obtendo parâmetros anuais sobre a pesca. Entre os anos de 1994 e 1999 chegou ao seguinte resultado: Observou-se que a captura total, para a maioria das espécies, respondeu positivamente ao aumento do esforço de pesca, sugerindo que os estoques encontravam-se subexplorados nesse período. Apenas o jaú e o pacu mostraram tendências diferentes. A relação entre esforço e captura foi pouco nítida para o jaú, mas observou-se que a captura total do pacu diminuiu com o aumento do esforço pesqueiro, sugerindo sobrepesca do estoque. Então, para reduzir o esforço pesqueiro sobre esses estoques, os técnicos da Embrapa Pantanal e da SEMA/MS sugeriram aumentar os tamanhos mínimos de captura de 40 para 45 cm para o pacu e de 90 para 95 cm para o jaú. Essas sugestões foram acatadas pelo Conpesca/MS e passaram a vigorar a partir do ano 2000, de acordo com Decreto Estadual nº 9.768/2000 (CATELLA, 2003, p. 19/20). Em 29 de junho de 2009, o Governo Federal revogou a Lei nº de 1988 e sancionou a Lei nº , que dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura e da Pesca e regula as atividades pesqueiras. No capítulo I, têm-se as normas gerais da política nacional de desenvolvimento sustentável da aquicultura e da

35 34 pesca, com seus respectivos objetivos. No capítulo III, expõe-se sobre a sustentabilidade do uso dos recursos pesqueiros e da atividade da pesca, sendo dois capítulos primordiais para quem queira conhecer como se dá a proteção dos recursos pesqueiros, com a garantia de que as futuras gerações possam também deles usufruir. CAPÍTULO I NORMAS GERAIS DA POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AQUICULTURA E DA PESCA Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Aqüicultura e da Pesca, formulada, coordenada e executada com o objetivo de promover: I - o desenvolvimento sustentável da pesca e da aquicultura como fonte de alimentação, emprego, renda e lazer, garantindo-se o uso sustentável dos recursos pesqueiros, bem como a otimização dos benefícios econômicos decorrentes, em harmonia com a preservação e a conservação do meio ambiente e da biodiversidade; II - o ordenamento, o fomento e a fiscalização da atividade pesqueira; III - a preservação, a conservação e a recuperação dos recursos pesqueiros e dos ecossistemas aquáticos; IV - o desenvolvimento socioeconômico, cultural e profissional dos que exercem a atividade pesqueira, bem como de suas comunidades. CAPÍTULO III DA SUSTENTABILIDADE DO USO DOS RECURSOS PESQUEIROS E DA ATIVIDADE DE PESCA Seção I Da Sustentabilidade do Uso dos Recursos Pesqueiros Art. 3º Compete ao poder público a regulamentação da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da Atividade Pesqueira, conciliando o equilíbrio entre o princípio da sustentabilidade dos recursos pesqueiros e a obtenção de melhores resultados econômicos e sociais, calculando, autorizando ou estabelecendo, em cada caso: I - os regimes de acesso; II - a captura total permissível; III - o esforço de pesca sustentável; IV - os períodos de defeso; V - as temporadas de pesca; VI - os tamanhos de captura; VII - as áreas interditadas ou de reservas; VIII - as artes, os aparelhos, os métodos e os sistemas de pesca e cultivo; IX - a capacidade de suporte dos ambientes; X - as necessárias ações de monitoramento, controle e fiscalização da atividade; XI - a proteção de indivíduos em processo de reprodução ou recomposição de estoques. Em 28 de abril de 2010 o governo do estado de Mato Grosso do Sul sancionou a Lei nº 3.886, que dispõe sobre a pesca e a aquicultura e estabelece medidas de proteção e controle da ictiofauna, além de outras providências. É essa a Lei que está em vigor. No capítulo III, estabelece: CAPÍTULO III DA PESCA E DA AQUICULTURA

36 35 Seção III Das Proibições Art. 23. Fica proibida a pesca: I - nos locais e épocas estabelecidos em regulamento, para proteção dos fenômenos migratórios e ou de reprodução de organismos aquáticos; II - em quantidades superiores à permitida; III - de espécie sob o regime especial de proteção ou indivíduos com tamanhos inferiores aos permitidos; Com as Legislações de Pesca que foram promulgadas de 1988 até 2010, espera-se estar contribuindo para que o período de piracema seja respeitado, bem como estar ocorrendo o aumento das populações. A Lei que proíbe a pesca no período de defeso não só proporciona que os peixes com grande valor comercial possam renovar seus estoques, como também permite que outros seres vivos que participam desse complexo ambiente sobrevivam. São leis como estas que, com o respaldo de sua contextualização no ensino formal, apresentando os aspectos socioambientais, favorecem o desenvolvimento sustentável. O aprendizado ambiental pode proporcionar a formação de valores políticos, sociais e históricos, que serão usados nas ações do sujeito ecológico (CARVALHO, 2008). Conforme Resende (2007, p. 3), [...] as questões de ordem ambiental envolvem uma legislação que seja ao mesmo tempo capaz de promover a conservação ambiental e o uso dos recursos naturais.

37 36 CAPÍTULO 3 Com o entendimento do fenômeno biológico da piracema, no segundo capítulo, elaboramos o terceiro capítulo com o embasamento teórico de Vigotski, de forma que o trabalho realizado com a temática, em sala de aula, venha contribuir para o Ensino de Ciências e a Educação Ambiental, no cotidiano dos alunos do 7º ano do ensino fundamental, de uma escola pública estadual de Ladário/MS. REFERENCIAL TEÓRICO SÓCIO-HISTÓRICO Para o desenvolvimento desta pesquisa, buscamos fundamentação em Lev Semionovich Vigotski. 3 A visão desse teórico traz contribuição à aprendizagem e ao desenvolvimento, pois busca compreender a relação entre os seres humanos e o seu ambiente físico e social, partindo da abordagem sócio-histórica. Tal abordagem que visa a [...] caracterizar os aspectos tipicamente humanos do comportamento e elaborar hipóteses de como essas características se formaram ao longo da história humana e de como se desenvolvem durante a vida de um indivíduo (VIGOTSKI, 2007, p. 3). Vigotski (2007) argumenta que aprendizado não é desenvolvimento, pois o desenvolvimento progride de forma mais lenta. É o meio social que possibilita a ocorrência dos dois processos. É nas relações sociais que os processos mentais superiores surgem. Para o autor, todas as funções [...] psicointelectuais superiores aparecem duas vezes no decurso do desenvolvimento da criança: a primeira vez, nas atividades coletivas, nas atividades sociais, ou seja, como funções interpsíquicas; a segunda, nas atividades individuais, como propriedades internas do pensamento da criança, ou seja, como funções intrapsíquicas (VIGOTSKI, 2006, p.114). Deste modo, a interação social possibilita o afloramento dessas funções, que serão internalizadas e poderão ser usadas na mediação social. Mas para que isso aconteça, precisamos dos elementos mediadores. Precisamos entender como ocorre a transformação dos conceitos cotidianos em conceitos científicos e a descrição da Zona de 3 Por existirem diferentes formas de transliterar os fonemas da língua russa para as línguas ocidentais, optamos em padronizar o sobrenome Vigotski, em obras traduzidas, conforme Prestes (2010), estudiosa das traduções de seus textos.

38 37 Desenvolvimento Proximal. É o que iremos relatar a partir de agora, no caminhar da teoria vigotskiana ELEMENTOS MEDIADORES Segundo Vigotski, para que ocorra o desenvolvimento cognitivo é imprescindível a socialização, que se dá por processo de mediação, agente intermediário numa relação. Os elementos mediadores são de dois tipos: os instrumentos e os signos, ambos com características diferentes, de acordo com Oliveira: Os instrumentos são elementos externos ao indivíduo, voltados para fora dele; sua função é provocar mudanças nos objetos, controlar processos da natureza. Os signos, também chamados por Vygotsky 4 de instrumentos psicológicos, são orientados para o próprio sujeito, para dentro do indivíduo; dirigem-se ao controle de ações psicológicas, seja do próprio indivíduo, seja de outras pessoas. São ferramentas que auxiliam nos processos psicológicos e não nas ações concretas, como os instrumentos. (OLIVEIRA, 2010, p. 32) Partindo desse pressuposto, os alunos participantes da pesquisa utilizam os signos como instrumentos psicológicos, ao fazerem anotações em seus cadernos das pesquisas feitas na internet, ou até mesmo das falas que acontecem em sala de aula, auxiliando-os numa possível consulta. Algo interessante pode vir a ocorrer quando virem um peixe e relacionarem o signo com a piracema, pois, conforme Vigotski (2007, p. 50), [...] a verdadeira essência da memória humana está no fato de os seres humanos serem capazes de lembrar ativamente com a ajuda de signos. O autor acrescentando: [...] uma operação que inicialmente representa uma atividade externa é reconstruída e começa a ocorrer internamente (VIGOTSKI, 2007, p. 57), podendo, com isso, ser internalizada e usada pela memória para lembrar-se de um fato ou fenômeno. O uso de instrumentos como signos psicológicos tem papel fundamental na interação social. A linguagem, para Vigotski, é o mais importante sistema de signos para o desenvolvimento cognitivo do indivíduo. A fala é essencial no desenvolvimento da linguagem. Isso produz novas relações com o ambiente, além de uma nova organização do 4 A transliteração do sobrenome do autor está como no livro.

39 38 próprio comportamento (VIGOTSKI, 2007, p. 12), fazendo com que as pessoas participem ativamente na sua comunidade. Vigotski evidencia que a criança, ao passar da fala socializada para a fala internalizada, consegue usar a linguagem para resolver problemas. A socialização, segundo ele, desempenha também papel importante no desenvolvimento do indivíduo. E para a pesquisa em ensino e aprendizagem de Ciências, conforme Moreira (2009, p. 17), [...] é muito importante entender a relação entre pensamento e linguagem, pois a comunicação em sala de aula se dá basicamente por meio da fala e da linguagem. Portanto, uma aula mais interativa que permite a expressão oral do aluno tem reflexo positivo no processo de aprendizagem. O uso de aulas dialogadas, ou seja, que deem oportunidade aos alunos exporem os seus pareceres e até mesmo apresentarem críticas, proporciona-lhes a utilização das palavras do seu cotidiano nas discussões em sala de aula, desencadeando a abordagem dos conceitos científicos. Atuam nesse processo todas as funções intelectuais, sendo todas indispensáveis, [...] porém insuficientes sem o uso do signo, ou palavra, como o meio pelo qual conduzimos as nossas operações mentais, controlamos o seu curso e as canalizamos em direção à solução do problema que enfrentamos (VIGOTSKI, 2008, p.72-73). Esses problemas podem ser até mesmo o significado de uma palavra nova, sendo resolvidos pela definição em conjunto, entre professor e alunos. Pois [...] o signo opera no campo da consciência, no qual ser autor e espectador constitui atributos de uma mesma pessoa. É por isso que a palavra dirigida ao outro produz efeito também naquele que a pronuncia (PINO, 2000, p. 59). Nesse caso, não só o aluno aprende uma palavra nova, como também poderá usá-las nas suas relações sociais, com a consequente utilização e assimilação por outras pessoas. Quando a palavra passa a ter sentido, não é mais som vazio, [...] uma vez que o significado da palavra é simultaneamente pensamento e fala, é nele que encontramos a unidade do pensamento verbal (VIGOTSKI, 2008, p. 6). E acrescenta: [...] uma vez que o conceito esteja amadurecido, haverá quase sempre uma palavra disponível (VIGOTSKI, 2008, p. 8), com a ampliação do vocabulário e a constituição de diálogos mais construtivos, portanto, com a possibilidade da produção de novos conhecimentos. Outra vantagem da linguagem em relação ao ensino é proporcionar ao estudante a construção de sua própria aprendizagem. Schroeder (2007, p. 298) define a aprendizagem como

40 39 [...] um processo em contínua construção, tendo-se, na linguagem, uma das mais importantes ferramentas psicológicas para as elaborações conceituais e suas interações com o mundo. Identificamos, assim, no espaço da sala de aula, um cenário cultural, determinado pelas interações professor conhecimentos - estudantes: o professor de Ciências, empenhado em promover um ensino que conduza aos patamares mais sofisticados de elaboração conceitual e sua classe de estudantes adolescentes com seus conceitos espontâneos, construídos no seu dia-adia, fora da sala de aula. É por essa interação professor conhecimento estudante, realizada por meio da linguagem, que o ensino de ciências se apoia na teoria vigotskiana, ao utilizar os elementos mediadores que podem promover a eficácia do aprendizado escolar CONCEITOS COTIDIANOS E CONCEITOS CIENTÍFICOS De acordo com a teoria sócio-histórica, o aprendizado das crianças começa muito antes de frequentarem a escola: Qualquer situação de aprendizado com a qual a criança se defronta tem sempre uma história prévia (VIGOTSKI, 2007, p. 94). Desse modo, uma das maneiras de avançar o aprendizado é conhecer os conceitos cotidianos dos alunos, observando a sua participação nos diálogos da interação entre professor e a sala de aula, buscando, com isso, a introdução dos conceitos científicos? A transformação dos conceitos cotidianos em conceitos científicos não acontece automaticamente, pois [...] é preciso que o desenvolvimento de um conceito espontâneo tenha alcançado certo nível para que a criança possa absorver um conceito científico correlato (VIGOTSKI, 2008, p. 135). Como exemplo, há o conceito de piracema que os alunos possuem, por vivenciarem o fenômeno no Pantanal. Caso os alunos o entendam apenas como reprodução dos peixes ou tenham outras definições, é oportuna a introdução dos conceitos científicos, utilizando as etapas necessárias para que o processo aconteça. Segundo Vigotski (2008, p. 117), [...] a inter-relação entre os conceitos científicos e os conceitos espontâneos é um caso especial de um tema mais amplo: a relação entre o aprendizado escolar e o desenvolvimento mental. Assim, a escola é o espaço no qual o aluno tem seus conceitos cotidianos ampliados, tornando-os ainda mais abstratos e abrangentes, construindo, de acordo com Vigotski (2008, p. 145), [...] os conceitos científicos, que são produto do aprendizado escolar. Coloca-se a escola na função de mediadora entre o indivíduo e a sociedade, com o dever de proporcionar o aprendizado.

41 40 Desse modo, a teoria sócio-histórica tem o potencial de colaborar com a pesquisa em Educação em Ciências, resultando no desenvolvimento gradual do interesse sobre o processo de significação em salas de aula. Mortimer e Scott (2002) ressaltam: Os significados são vistos como polissêmicos e polifônicos criados na interação social e então internalizados pelos indivíduos. Além disso, o processo de aprendizagem não é visto como a substituição das velhas concepções que o indivíduo já possui antes do processo de ensino, pelos novos conceitos científicos, mas como a negociação de novos significados num espaço comunicativo no qual há o encontro entre diferentes perspectivas culturais, num processo de crescimento mútuo. As interações discursivas são consideradas como constituintes do processo de construção de significados (MORTIMER; SCOTT, 2002, p. 284). As concepções trazidas pelos alunos, do convívio social, são enriquecidas, introjetadas e disseminadas no seu grupo, com a possibilidade da melhoria do conceito científico. Com isso, os alunos se sentem mais motivados a participar do diálogo, pois suas palavras não são despercebidas ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL A socialização, ocasionada por meio da linguagem, propicia o estudo da zona de desenvolvimento proximal. Isto é, se a criança consegue resolver uma tarefa sozinha, o nível de desenvolvimento em que ela se encontra é o Real. Porém se desempenha a tarefa com a ajuda de adultos ou de companheiros mais capazes, o nível de desenvolvimento é Potencial. Vigotski define a zona de desenvolvimento proximal como: A distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com companheiros mais capazes. (VIGOTSKI, 2007, p. 97). Quando o ensino e a aprendizagem são voltados para a zona de desenvolvimento proximal, permite-se que o aluno melhore seu desempenho escolar. Dessa forma, a

42 41 aprendizagem favorece o desenvolvimento, sendo tais processos inseparáveis. A interação que se dá com adultos ou companheiros mais capazes favorece essa melhoria no aprendizado. Salientamos que aprendizado não é desenvolvimento. Porém, se for organizado de maneira adequada, pode ativar as funções psicológicas superiores e resultar em processos de desenvolvimento. "Assim, o aprendizado é um aspecto necessário e universal do processo do desenvolvimento das funções psicológicas culturalmente organizadas e especificamente humanas" (VIGOTSKI, p. 103). A escola, por meio do professor, conhecendo a zona de desenvolvimento real da criança, tem a possibilidade de atuar como agente mediador da aprendizagem na zona de desenvolvimento proximal. O conhecimento que a criança traz do seu cotidiano (desenvolvimento real) será fundamental para a formação dos conceitos científicos (desenvolvimento potencial). Frente a um conceito sistematizado desconhecido, a criança busca significá-lo através de sua aproximação com outros signos já conhecidos, já elaborados e internalizados. Ela busca enraizá-lo na experiência concreta. (FONTANA, 1997, p. 125). Ao atuar nessa zona de desenvolvimento, a escola não só garante o aprendizado, como também, o desenvolvimento. O que o aluno aprende na escola não está acabado; está apenas começando e será ampliado com o seu desenvolvimento no meio social. Em relação à temática piracema, o conhecimento que os alunos trazem do seu cotidiano é adquirido informalmente. Ao ser trabalhado na zona de desenvolvimento proximal, pode desenvolver as funções psicológicas, tornando-os sujeitos capazes de pensar a realidade física e social e vir a transformá-la. Dá-se a oportunidade para atuação da educação ambiental, por seus pressupostos de formar cidadãos mais atuantes em sua sociedade, ao colaborar com esse processo em função do seu caráter formador, além do fato de que [...] favorece a compreensão e desvela as determinações da realidade humana, de forma a reconstruir em si valores de civilidade e humanidade construídos historicamente. Ou seja, deve instrumentalizar o indivíduo para compreender e agir de forma autônoma sobre sua própria realidade histórica, construída pelas relações sociais. Portanto, a educação ambiental tem como objetivo contribuir para a formação de indivíduos críticos e reflexivos capazes de (re)pensar sua própria prática social (JANKE; TOZONI-REIS, 2008, p. 148.). A educação ambiental, com seu potencial de formação de indivíduos críticos e reflexivos, propicia o trabalho escolar direcionado à zona de desenvolvimento proximal, pois, conforme Vigotski (2007, p. 98),

43 42 [..] aquelas funções que ainda não amadureceram, mas que estão em processo de maturação, funções que amadurecerão, mas que estão presente em estado embrionário. Essas funções poderiam ser chamadas de brotos ou flores do desenvolvimento, em vez de frutos do desenvolvimento. [...] a zona de desenvolvimento proximal caracteriza o desenvolvimento prospectivamente. Assim, com o conhecimento amadurecido e mais bem elaborado, pode viabilizar uma reflexão da atitude dos alunos em relação ao seu meio social. Isso dependerá da forma como o professor conduz o aprendizado, pois, segundo Vigotski (2009), a interiorização da aprendizagem se dá via imitação. A imitação, se concebida em sentido amplo, é a forma principal em que se realiza a influência da aprendizagem sobre o desenvolvimento. A aprendizagem da fala, a aprendizagem na escola se organiza amplamente com base na imitação. Porque na escola a criança não aprende o que sabe fazer sozinha, mas o que ainda não sabe e lhe vem a ser acessível em colaboração com o professor e sob sua orientação. O fundamental na aprendizagem é justamente o fato de que a criança aprende o novo (VIGOTSKI, p.331). Ao aprender o novo e tendo o novo como ponto de reflexão e de mudança de postura, pode-se fomentar-se a disseminação desses conhecimentos no grupo social, ocorrendo melhorias em vários aspectos, como na economia, na saúde, na política, entre outros. Com isso, pode-se considerar o resultado do aprendizado dirigido para a zona de desenvolvimento proximal, com o uso da contextualização do ensino de Ciências com a Educação Ambiental.

44 43 CAPÍTULO 4 Neste capítulo, trataremos dos resultados da pesquisa, descrevendo e analisando a percepção dos alunos participantes nas duas fases. É o capítulo que possibilita demonstrar as conexões possíveis entre o ensino de ciências, a educação ambiental e a piracema. RESULTADOS 4.1 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS DA PRIMEIRA FASE DA PESQUISA - REFERENTE AOS QUESTIONÁRIOS Começamos a análise dos resultados pelo questionário (apêndice 1), que foi a primeira forma de coleta de dados. Ele serviu como instrumento para verificar a fase de desenvolvimento da aprendizagem pois, segundo Vigotski (2008, p. 109), [...] para estudar a relação entre o desenvolvimento dos conceitos científicos e dos conceitos cotidianos, precisamos de um parâmetro para compará-los. Assim, as respostas sobre percepções de meio ambiente, Pantanal e piracema foram utilizadas para direcionar a pesquisa. Por se tratar de um questionário com questões abertas, a análise foi feita de forma muito cuidadosa, por meio da categorização, de acordo com Bardin (1977), das respostas obtidas com maior frequência. As transcrições de algumas respostas dos alunos serão apresentadas no corpo do texto em parágrafo recuado, como em citação. Salientamos que, em todas as fases de análise da pesquisa, buscamos organizar os dados em torno de três eixos cronológicos, conforme Bardin (1977): 1) a pré-análise; 2) a exploração do material; 3) o tratamento dos resultados, a inferência e a interpretação (BARDIN, p. 95). A primeira questão foi Para você, o que é meio ambiente?. Essa pergunta foi feita em função do que Reigota (1998, p. 21) enfatiza: [...] para que possamos realizar a educação ambiental, é necessário, antes de tudo, conhecermos as [percepções] de meio ambiente das pessoas envolvidas na atividade. Ao conhecermos a percepção de cada um, podemos conduzir o processo de aprendizagem, de modo que os alunos se apropriem dos conceitos científicos. No gráfico 1, sobre a abordagem O que é meio ambiente?, os dados evidenciaram que 14 dos alunos possuem a percepção de que É a Natureza animais e plantas, bem

45 44 preservados, 6 É viver em um lugar limpo, 3 É um lugar onde os seres vivos vivem, 1 É a coisa mais bela que Deus deu e 2 não responderam. Para você o que é meio ambiente? Gráfico 1- Referente à abordagem O que é meio ambiente, com sua respectiva quantidade. Essa visão de 14 dos alunos de que meio ambiente é a natureza animais e plantas, bem preservados, foi descrita por Sauvé (1997) como uma das seis concepções paradigmáticas sobre o ambiente, Ambiente como a natureza... para ser apreciado, respeitado, preservado. Esse é o ambiente original e "puro" do qual os seres humanos estão dissociados e no qual devem aprender a se relacionar para enriquecer a qualidade de "ser (qualité d être). Sauvé (2005, p. 317) observa que [...] na origem dos atuais problemas socioambientais existe essa lacuna fundamental entre o ser humano e a natureza, que é importante eliminar, e que pode ser eliminada, praticando uma Educação Ambiental que permita a reflexão do ser humano como integrante da natureza. Os 6 que descreveram que é viver em um lugar limpo podem estar expressando a concepção, segundo Sauvé (1997), de ambiente como um recurso... para ser gerenciado? Porém, Sauvé (2005, p.317) acrescenta que [...] não existe vida sem os ciclos de recursos de matéria e energia, é preciso ser ambientalmente educado para gerir os recursos e conservá-los. Ao ser relatado por 3 como é um lugar onde os seres vivos vivem, percebe-se, nas palavras de Sauvé (1997), que é a concepção de ambiente como um lugar para se viver... para conhecer e aprender sobre, para planejar, para cuidar de? Relaciona-se ao seu ambiente cotidiano, é um meio propício para ações de educação ambiental. Podemos verificar que, em nenhuma das respostas, foi citada a participação dos seres humanos no conjunto que compreende o meio ambiente. Guimarães (2006) estabelece a seguinte equação:

46 45 A diferente de B; logo A não é B. Assim, em analogia, entende-se: ser humano diferente (e superior) da natureza; logo ser humano não é natureza, naturalizando um antagonismo representado pela expressão seres humanos versus natureza, em uma postura de oposição, antagônica e dissociada, típica de nossa sociedade. (GUIMARÃES, 2006, p. 20). Essa postura típica de nossa sociedade foi representada pelos alunos da pesquisa, por suas respostas, deixando de incluir o ser humano como um elemento da natureza. O trabalho a partir da elaboração do painel coletivo pode fomentar uma melhor noção de percepção dos alunos em relação ao meio ambiente; em colaboração, as ações da educação ambiental podem proporcionar mudanças de postura, favorecendo uma reformulação no seu posicionamento, deixando de se sentir não integrante do todo e assumindo a noção de parte dela. Em relação à segunda questão como você adquiriu os conhecimentos sobre meio ambiente?, no Tratado de Educação Ambiental para sociedades sustentáveis, temos que a Educação Ambiental deve ter como base o pensamento crítico e inovador, em qualquer tempo ou lugar, em seus modos formal, não formal e informal, promovendo a transformação e a construção da sociedade. Pelo gráfico 2, referente à abordagem como adquiriram os conhecimentos sobre o meio ambiente, podemos ver que 11 dos alunos adquiriram na escola nas aulas de ciências; 11 não souberam responder; 3 disseram que aprenderam em casa; 2 adquiriram participando de uma palestra. Como você adquiriu os conhecimentos sobre meio ambiente? Na escola - na aula de ciências. Não souberam responder. Em casa. Em uma palestra. GRÁFICO 2 Referente à abordagem Como os alunos adquiriram os conhecimentos sobre o meio ambiente, com sua respectiva quantidade.

47 46 Quando 11 dizem ter adquirido os conhecimentos sobre meio ambiente na escola, pode confirmar o que Reigota (1998) menciona: [...] a escola é um dos locais privilegiados para a realização da educação ambiental, desde que dê oportunidade à criatividade (REIGOTA, p. 24). Quando 11 informam que foi nas aulas de Ciências, podemos inferir que as aulas de Ciências ainda continuam a ser o local privilegiado para as discussões sobre o meio ambiente. Trivelato (2001) relata que em [...] pouco tempo as disciplinas científicas se identificaram com a Educação Ambiental; em parte porque entender e apreciar as inter-relações dos seres humanos e seus meios biofísicos já era, de certa forma, objeto da Ecologia; em parte porque os conceitos relacionados aos meios biofísicos fazem parte das questões relacionadas às Ciências Naturais. Assim, vimos as disciplinas Ciências e Biologia funcionando como um dos caminhos preferenciais que levou a Educação Ambiental para a escola (TRIVELATO, 2001, p. 57). Dessa forma, a disciplina Ciências, por trabalhar os assuntos relacionados ao meio ambiente, ganha destaque no ambiente escolar em relação às outras disciplinas. E como a mesma autora acrescenta, [...] na falta, principalmente de uma tradição de trabalhos conjuntos e interdisciplinares na escola, a Educação Ambiental, quando presente, se faz associada a uma disciplina particular e Ciências tem sido uma delas (TRIVELATO, 2001, p. 57). A terceira questão vem representada pelo gráfico 3, referente à abordagem descreva o Pantanal. 13 descreveram que é lindo, maravilhoso... O Pantanal, ele é lindo, grande, verde, cheio de árvores lindas, com rios e também cheio de animais como aves, jacarés e outros (aluno nº 8). 13 Descreva o Pantanal É lindo, maravilhoso... tem animais e plantas. É onde vivem os animais. É uma planície inundável. Deve ser mais cuidado. Não descreveu. GRÁFICO 3 Referente à abordagem Descreva o Pantanal, com sua respectiva quantidade.

48 47 Para 5, é onde vivem os animais ; na descrição de 5 é uma planície inundável ; 2 enfatizaram que deve ser mais cuidado e 1 não descreveu. Em nenhuma das respostas foi citado o homem pantaneiro e nem os índios que fazem parte desse ecossistema. Isso é compreensível, pelo fato de que nas respostas da questão para você, o que é meio ambiente? não foi citado o ser humano como integrante. A quarta questão, representada pelo gráfico 4, referente à abordagem o que é piracema : para 8 é reprodução dos peixes ; 10 disseram que é a época em que não se pode pescar, pois os peixes estão em reprodução ; para 5 é onde vivem os peixes ; 3 não responderam. 8 O que é Piracema? Reprodução dos peixes. É a época em que não se pode pescar. Onde vivem os peixes. Não responderam. GRÁFICO 4 Referente à abordagem o que é Piracema, com sua respectiva quantidade. O conhecimento popular, mas não científico do que é piracema, pelos alunos sujeitos da pesquisa, pode ser justificado, em parte, pelo fato de não terem estudado o conteúdo Peixes em anos anteriores. De acordo com o Referencial Curricular da Educação Básica da Rede Estadual de Ensino/MS - Ensino Fundamental, o conteúdo Peixes, que inclui a reprodução, deve ser ministrado no 7º ano, série em que se encontram atualmente. Porém, o fato de que dez dizem é a época em que não se pode pescar se explica em função do meio onde vivem, visto que são filhos, netos, ou sobrinhos de pescadores, que obrigatoriamente convivem com o fenômeno da piracema e sabem que, nesse período, não é permitido comercializar o peixe. Os pescadores profissionais artesanais do Pantanal, segundo Catella (2005, p. 2), [...] são detentores de um conhecimento empírico extraordinário sobre a ecologia da região, que vem sendo acumulado e transmitido de pai para filho por muitas gerações. Pode-se considerar um

49 48 problema social o fato de que, conforme o BRASIL/MPA (2010, p. 27), o segmento da pesca profissional artesanal [...] apresenta um alto grau de analfabetismo. Apesar de o conjunto da população dos municípios do Território Pantanal Sul ter melhorado as condições educacionais, este segmento se apresenta com 84% de analfabetismo. Isso explica o conhecimento popular do termo. As respostas dos alunos foram determinadas pelo seu contexto social. Leff (2007) postula que [...] na história humana, todo saber, todo conhecimento sobre o mundo e sobre as coisas, tem estado condicionado pelo contexto geográfico, ecológico e cultural em que produz e se reproduz uma formação social determinada (LEFF, 2007, p. 23). A escola, ao trabalhar os conhecimentos científicos, pode fazer com que os alunos contextualizem o meio em que vivem, procurando mudar a percepção popular por uma mais bem elaborada cientificamente. Segundo Leff (2009, p. 150), [...] o saber ambiental se constrói a partir de sua falta de conhecimento. A escola, por meio da produção dos conceitos científicos, favorece a construção de saber ambiental mais elaborado: [...] o conhecimento científico é o processo de produção dos conceitos da concretude do pensamento que permite a apreensão cognoscitiva do real, que poderá ser repassado e expandido para sua comunidade (LEFF, 2007, p. 28). A quinta questão representada pelo gráfico 5, referente à abordagem existe alguma relação entre a piracema com a disciplina Ciências? Se existir, que relação é essa?, Para 14 dos alunos a relação existe e são os peixes e o rio; 7 dizem não existir; 5 não responderam. Existe alguma relação entre a piracema e a disciplina de Ciências? se existir, que relação é essa? Sim. Os peixes e o rio. Não existe. Não responderam. GRÁFICO 5 Referente à abordagem relação entre a piracema e a disciplina ciências, com sua respectiva quantidade.

50 49 Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais de Ciências no ensino fundamental, o eixo temático Vida e Ambiente proporciona: [...] compreender as características adaptativas dos seres vivos (como os peixes em época de reprodução)[...] (BRASIL, p. 71). Dessa forma, esse eixo permite conectar o ensino científico às questões socioambientais. De acordo com Guimarães (2009, p. 42), No planejamento de EA deve-se considerar que os conteúdos das diferentes áreas de conhecimento serão o ponto de partida para proceder-se a reelaboração com vistas à produção de novos conhecimentos, aplicados à realidade no sentido de transformá-la. Nesta pesquisa, o conteúdo Peixes norteou as ações para a contextualização da Educação Ambiental, buscando abordá-lo de modo que os alunos possam entender a relação entre a disciplina Ciências e a piracema no contexto socioambiental. A questão seis, representada pelo gráfico 6, referente à abordagem possuir algum parente que vive da pesca : 17 dos alunos dizem possuir alguém da família que vive da pesca, um tio, avó, avô, pai ou irmão; 9 alunos não possuem nenhum parente desempenhando essa atividade. Parentes que vivem da pesca Não.; 9 Avô, Avó.; 4 Pai.; 2 Tio.; 10 Irmão.; 1 GRÁFICO 6 Referente à abordagem parente que vive da pesca, com sua respectiva quantidade. Como 17 dos alunos possuem um parente que vive da pesca, permite-se, pelo contexto social, o estudo mais detalhado de como ocorre o fenômeno biológico da piracema e o que impede a sua ocorrência. Para Guimarães (2009):

51 50 A práxis em EA resulta em uma unidade teórica/prática do processo o qual se desenvolverá como uma educação ativa por partir de uma prática social do meio vivenciado, retornando ao final do processo a essa prática social com uma compreensão e com uma atuação qualitativamente alteradas (GUIMARÃES, 2009, p. 47). A alteração pode acontecer a partir da transformação do conhecimento cotidiano em conhecimento científico, pois os conhecimentos estão simplificados, por ainda não terem sido abordados em sala de aula. A escola, ao adotar um dos princípios da educação ambiental, definidos no Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Rio 92, [...] a educação ambiental deve ter como base o pensamento crítico e inovador, promovendo a transformação da sociedade, pode fazer com que os alunos compartilhem o aprendizado e os valores socioambientais, que, ao serem disseminados na comunidade, melhoram a sua relação com o meio. A questão sétima, representada pelo gráfico 7, referente à abordagem como imaginam que seja a quantidade de peixes no Pantanal : 22 dos alunos disseram que são milhares; 3 informaram em números a quantidade (9.110; 3.100; 100 mil) e 1 imagina que seja muito pouco. Por essas respostas, vimos a necessidade de introduzir o conceito de finito em relação ao estoque pesqueiro, que muitos não possuíam. O diálogo começou com a explicação da expressão desenvolvimento sustentável, definido pelo relatório elaborado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Relatório de Brundtland em Nosso Futuro Comum como aquele que atende às necessidades do presente, sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades. Com isso, o respeito ao período da reprodução dos peixes pode garantir o sustento das famílias de hoje e de futuras gerações. Caso contrário, esse recurso tenderá a ficar escasso. Como você imagina a quantidade de peixes no Pantanal Milhares ; 3.100; 100 mil. Muito pouco. GRÁFICOS 7 Referente à abordagem quantidade de peixes no Pantanal, com sua respectiva quantidade.

52 51 As respostas que foram apresentadas e analisadas nesta primeira fase da pesquisa referente ao questionário contribuem no conhecimento das percepções dos alunos em relação ao meio ambiente, pantanal, piracema e quantidade de peixe no pantanal, favorecendo a atuação do ensino e aprendizado na zona de desenvolvimento proximal. 4.2 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS DA PRIMEIRA FASE DA PESQUISA - REFERENTE ÀS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS (ATIVIDADE INDIVIDUAL) Ainda fazendo parte da primeira fase da pesquisa, os 26 alunos, individualmente, elaboraram suas histórias em quadrinhos. A escolha desse tipo de atividade, como instrumento de coleta de dados, vem do potencial das histórias em quadrinhos que, além de uma forma de arte e cultura, [...] vão ao encontro das necessidades do ser humano, na medida em que utilizam fartamente um elemento de comunicação que esteve presente na história da humanidade desde os primórdios: a imagem gráfica (VERGUEIRO, 2010, p. 8). Nesta pesquisa, a imagem estava relacionada com o fenômeno biológico da piracema. Ao ser desenhada, os alunos exprimiram o seu sentimento, sua percepção, servindo como uma ferramenta mediadora para o desenvolvimento da aprendizagem. Conforme Vergueiro (2010), o uso das Histórias em Quadrinhos deve levar em consideração o respeito [...] à idade e ao desenvolvimento intelectual dos alunos com os quais se deseja trabalhar (p. 27). No caso no ensino fundamental (6º a 9º anos), o autor descreve a seguinte característica: Os alunos se integram mais à sociedade que os rodeia, sendo capazes de distinguir os níveis local, regional, nacional e internacional, relacioná-los entre si e adquirir a consciência de estar em um mundo muito mais amplo do que as fronteiras entre sua casa e a escola. O processo de socialização se amplia, com a inserção em grupos de interesse e a diferenciação entre os sexos. Têm a capacidade de identificar detalhes das obras de quadrinhos e conseguem fazer correlações entre eles e sua realidade social. As produções próprias incorporam a sensação de profundidade, a superposição de elementos e a linha do horizonte, fruto de sua maior familiaridade com a linguagem dos quadrinhos (VERGUEIRO, 2010, p. 28). Os alunos do 7º ano, por se enquadrarem nessa característica, conseguem fazer correlações entre eles e sua realidade social. No tocante à temática piracema, pode se tornar um meio de socializar o aprendizado? Vigotski (2007, p.100) esclarece que [...] o aprendizado humano pressupõe uma natureza social específica e um processo através do qual

53 52 os [pré-adolescentes] penetram na vida intelectual daqueles que os cercam, compartilhando o aprendizado no seu grupo social. Assim como fizemos com as questões, dividimos as histórias em quadrinhos em categorias. No gráfico 8, referente à abordagem Categorias das histórias em quadrinhos primeira fase da pesquisa podem-se verificar as seguintes categorias: Categoria I Interesse em conhecer o significado da piracema; Categoria II Não conhecimento do significado da piracema e ajuda do colega na explicação; Categoria III Pesca no período da piracema e Categoria IV Não faz referência à piracema. Adotamos o método análise de conteúdo pela técnica de categorias para analisar todas as fases da pesquisa. Sendo assim, todas foram submetidas aos três eixos cronológicos, que são: pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados (BARDIN, 1977). Nessa fase foram elaboradas 26 histórias em quadrinhos. Porém, utilizaremos sete, para descrever e analisar as categorias. As escolhas das histórias ocorreram pelos quadrinhos mais legíveis e pelas falas mais claras dos personagens. Primeira fase da pesquisa LEGENDA Categoria I Interesse em conhecer o significado da piracema Categoria II Desconhecimento do significado da piracema e necessidade da ajuda do colega na explicação Categoria III Pesca no período da piracema Categoria IV Não faz referência à piracema Categoria I. Categoria II. Categoria III. Categoria IV. GRÁFICO 8 Referente à abordagem Categorias das Histórias em Quadrinhos - primeira fase da pesquisa, com sua respectiva quantidade. Categoria I Interesse em conhecer o significado da piracema temos 8 das histórias, nas quais o personagem principal pergunta para outra pessoa o que significa a piracema (histórias1, 2 e 3):

54 (história 1) Quadro 1 _ Oi _ Oi Quadro 2 _ O senhor sabe o que é piracema? _ Olhe para aquele rio Quadro 3 _ Piracema é o período em que os peixes sobem os rios para se reproduzirem Quadro 4 _ Tchau muito obrigado Vigotski (2009) esclarece o porquê da necessidade da explicação do significado: [...] o significado é parte inalienável da palavra como tal, pertence ao reino da linguagem tanto quanto ao reino do pensamento. Sem significado a palavra não é palavra, mas som vazio. Privada do significado, ela já não pertence ao reino da linguagem. (VIGOTSKI, 2009, p. 10). Por meio do significado da palavra, a comunicação acontece, pois o entendimento da palavra facilita o relacionamento entre as pessoas, que buscam se expressar mais naturalmente. Não é apenas som sem sentido, nem o que Vigotski (2009) chama de contágio. Além do que, é no significado da palavra que se encontra a unidade das duas funções básicas da linguagem, conforme Oliveira (2010, p. 50): O intercâmbio social e o pensamento generalizante. São os significados que vão propiciar a mediação simbólica entre o indivíduo e mundo real, constituindo-se no filtro por meio do qual o indivíduo é capaz de compreender o mundo e agir sobre ele.

55 54 A busca do significado da palavra no seu grupo social possibilita a troca de informações e até mesmo o entendimento de um novo conceito. No caso da palavra piracema, há possibilidade de que a dificuldade que os alunos possuíam em relação ao significado seja contornada com o seu devido conceito, que poderá ser usada com mais facilidade (história 2) Quadro 1 _ Pra que pará de pescar Quadro 2 _ Que foi Xiquinho _ To pensando! Quadro 3 _ Por que nós tem que parár de pescar em época da piracema Quadro 4 _ Deve ser por que os peixes estão de férias _ Vamo perguntá pro seu pai Quadro 5 _ É por que os peixes têm seus filhos! _ AAA! Quadro 6 _ Será que os peixes tem o filhote na maternidade Pela história 2, quando o personagem diz tô pensando!, o autor da história estaria utilizando a memória? Vigotski (2008, p. 49) explica que [...] a memória, mais do que pensamento abstrato, é característica definitiva dos primeiros estágios do desenvolvimento cognitivo. Ocorre uma transformação na adolescência, [...] lembrar significa pensar,

56 55 procurando uma relação lógica com o seu cotidiano, tanto que o personagem no final acrescenta será que os peixes têm o filhote na maternidade?. Teria havido a explicação do pai, com a abstração do filho, de um conhecimento popular, favorecendo a formação do saber ambiental? Uma racionalidade ambiental, conforme Leff (2009, p. 155), [...] é o ponto de não conhecimento que impulsiona a produção do saber, sabendo que este é um processo insaciável e interminável de produção de conhecimento, que será lembrado e utilizado na sua vida social (história 3) Quadro 1 _ Pai, o que é Piracema? _ Piracema é reprodução de peixes filho Quadro 2 _ Sim Pai _ Por isso existem mais de mil peixes no Pantanal, entendeu Quadro 3 _ O que é Piracema alunos _ Piracema é reprodução de peixe _ Parabéns Antônio Conforme Oliveira, 2010: Quando um indivíduo aprende, por exemplo, o significado de [piracema], esse conceito, internalizado pelo indivíduo e compartilhado pelos outros usuários da língua portuguesa, passa a ser uma representação mental, que serve como signo mediador na sua compreensão do mundo (OLIVEIRA, 2010, p. 37). Isso pode ter sido demonstrado quando o personagem Antônio perguntou ao pai o que era piracema, abstraindo

57 56 o aprendizado. Chegando à escola, foi capaz de responder à demanda da professora, mesmo que de forma simplificada. Categoria II - Desconhecimento do significado da piracema e necessidade da ajuda do colega na explicação foi verificada em 6 das histórias (histórias 4 ) (história 4) Quadro 1 _ Oi Tony, vamos pescar _ Não, é Piracema Quadro 2 _ A Piracema é a época do ano em que os peixes se reproduzem. Quadro 3 _ Mas eu já pesquei, e agora? _ Devolva o peixe a água para ele voltar para sua família Quadro 4 _ Vou fazer isso mesmo Quadro 5 _ Vamos logo Quadro 6 _ Tá bom Quadro 7 _ É mesmo _ Olha como ele está feliz Quando o colega explica o significado de piracema para o personagem, interpreta-se, segundo Oliveira, 2010, que os alunos que confeccionaram as histórias se encontram no nível de desenvolvimento que Vigotski denomina nível de desenvolvimento potencial, isto é, sua capacidade de desempenhar tarefas com a ajuda de adultos ou de companheiros mais

58 57 capazes (OLIVEIRA, 2010, p. 61). Essa interferência é importante em um momento do desenvolvimento: não é qualquer indivíduo que pode, a partir da ajuda de outro, realizar qualquer tarefa. (OLIVEIRA, 2010, p. 61, grifo do autor). Na categoria III pesca no período da Piracema foi representada por 5 das histórias (história 5 e 6) (história 5) Quadro 1 _ Vamos pescar _ Vamos Quadro 2 _ E aí, vamos pescar ou não _ Vamos ninguém vai nos pega Quadro 3 _ Olha os guarda lá _ Na onde Quadro 4 _ Lá. Vamos fugi _ Como Quadro 5 _Não sei! _ Eles estão vindo Quadro 6 O guarda _ Sai do barco agora Quadro 7 _ Vocês vão levar multa e serem presos Quadro 8 _ Não pode pescar no mês da piracema Pela história 5, verificamos um tipo de comportamento que solicita a contextualização da Educação Ambiental para os alunos, pois o personagem guarda, consciente do seu trabalho, pune o infrator, mas, não esclarece o porquê da punição. O certo seria agir na formação de uma atitude ecológica, que é, de acordo com Carvalho (2008, p.180), [...] um sistema de valores sobre como relacionar-se com o ambiente, sistema que será internalizado

59 58 como visão de mundo orientadora dos posicionamentos dos sujeitos na escola e em outros espaços e circunstâncias de sua vida, garantindo uma melhor visão da importância da obediência às leis, inclusive a lei do defeso (história 6) Quadro 1 _ Ai, estou com fome! Quadro 2 _ Vou pescar. Quadro 3 _ Hum! Quadro 4 _ Hum, que delícia! Quadro 5 _ Vou come! Quadro 6 _ Não quero mais Quadro 7 _ O que é aquilo? Quadro 8 _ Alguém pescou aqui? _ Sim! Quadro 9 _ Quem? _ Eu! Quadro 10 _ AH! Socorro! Tem que ir para cadeia é essa Piracema Na história 6, o personagem retrata pescar para a sua subsistência. A última Resolução Estadual nº 022, de 14 de outubro de 2010, estabelece o período de defeso. No seu artigo 2º exclui-se da proibição da pesca: III - a pesca de subsistência, assim considerada, aquela exercida com finalidade de garantir a alimentação familiar, por pescador artesanal ou população ribeirinha que, desembarcado ou em barco a remo, utilize exclusivamente petrechos do tipo caniço simples, linha de mão e anzol, sendo vedada a comercialização e o transporte do pescado (RESOLUÇÃO SEMAC Nº 022, 2010).

60 59 O ambiente escolar é também propício para informar, esclarecer e orientar o estudo das leis ambientais, além de possibilitar a compreensão de direitos e deveres, garantindo [...] a formação de atitude orientada para a cidadania ecológica gerando novas predisposições para ações e escolhas por parte das pessoas (CARVALHO, 2008, p.182). categoria IV Não faz referência explicitamente a Piracema foi detectada em 7 das histórias (história 7) (história 7) Quadro 1 _ Peguei um peixe tão grande quase não deu no meu barco Quadro 2 _ Vamos pescar amigo _ Vamos. Você tem linhada _ Tenho. Quadro 3 _ Só não podemos pegar muito peixe se não a polícia florestal prende a gente _ É só nós tomarmos muito cuidado que não acontece nada disso Quadro 4 _ O que você está fazendo! _ Estou pescando... O fato de que 7 das histórias estão nesta categoria demonstra a necessidade da participação do professor e dos colegas que, em suas histórias, fizeram referência à piracema. Deve-se atuar junto aos autores dessas histórias no nível de desenvolvimento potencial, conforme Vigotski (2008, p. 97), [...] determinado através da solução de problemas sob a

61 60 orientação de um adulto, ou em colaboração com companheiros mais capazes, mediando-os na apreensão dos conceitos não expressados, gerando o saber ambiental que, de acordo com Leff (2009, p. 152), surge [...] num processo de conscientização, de produção teórica e de pesquisa científica e o processo educativo permite repensar e reelaborar o saber, na medida em que se transformam as práticas pedagógicas correntes de transmissão e assimilação do saber preestabelecido e fixado em conteúdos curriculares e nas práticas de ensino. A atividade realizada com os alunos, no decorrer da pesquisa, pode colaborar para o processo de transformar o saber cotidiano em saber científico. Vigotski (2009, p. 241) estabelece que [...] o desenvolvimento dos conceitos científicos é, antes de tudo, uma questão de prática de imensa importância talvez até primordial do ponto de vista das tarefas que a escola tem diante de si quando inicia a criança no sistema de conceitos científicos. Com planejamento, é possível inserir temáticas locais no processo de ensino formal, buscando, com isso, que esses conhecimentos científicos sejam meios de melhorias na qualidade socioambiental, pois o indivíduo pode se tornar mais crítico e participativo em seu meio social DESCRIÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS DA SEGUNDA FASE DA PESQUISA - REFERENTE ÀS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS - (ATIVIDADE EM GRUPOS) No decorrer da segunda fase da pesquisa, foram formados cinco grupos com os alunos, para discutirem o aprendizado e elaborarem uma história; quatro grupos possuíam cinco membros e um seis membros. As cinco histórias em quadrinhos produzidas foram divididas em categorias, como fizemos com as histórias da primeira fase da pesquisa. Não utilizaremos as mesmas categorias da primeira fase, pois, nesta segunda fase interpretamos que, em todas as histórias, o conhecimento foi elaborado, o que mudou foram os personagens. Utilizaremos, das cinco histórias em quadrinhos elaboradas, três para descrever e analisar as categorias, por demonstrarem mais clareza nos quadrinhos. Categoria I Conhecimento da piracema e utilização de animais como personagens; Categoria II Conhecimento da piracema e utilização de símbolo lendário como personagem; III Conhecimento da piracema e utilização de seres humanos como personagens, que se verifica pelo gráfico 9, referente à abordagem Categorias das histórias em quadrinhos segunda fase da pesquisa.

62 61 Segunda fase da pesquisa 3 LEGENDA Categoria I Conhecimento da piracema e utilização de animais como personagens. Categoria II Conhecimento da piracema e utilização de símbolo lendário como personagem. 1 1 Categoria III Conhecimento da piracema e utilização de seres humanos como personagens. Categoria I Categoria II Categoria III GRÁFICO 9 Referente à abordagem Categorias das Histórias em Quadrinhos segunda fase da pesquisa, com sua respectiva quantidade. Categoria I: Conhecimento da piracema e utilização de animais como personagens. Temos 3 das histórias dentro desta categoria.

63 62 _ Este é Douradinho e seus irmãos _ Douradinho está indo para a escola. _ A Professora está falando sobre piracema. Vamos ouvir? Professora _ Olá alunos! Hoje vamos falar sobre a Piracema. _ Na Piracema é a época que eles desovam e se reproduzem. _ Eles sobem o rio e vão para as cabeceiras, lá eles namoram e desovam. Vamos ver a seguir. _ Primeiro eles acumulam gordura.

64 63 _ Oi, agora que nós já nos alimentamos, vamos subir o rio para desovar? _ Vamos, mas também temos que chamar os outros para a gente ir juntos! _ Oi pessoal, já está na época da piracema, está na hora de desovar. _ Vamos, todos juntos! _ É verdade, então, vamos subir o rio? _ Vamos _ Também vou. _ Vamos amigos, força! _ Ainda bem que é só uma vez por ano. _ Ufa! Agora é só esperar meus filhotes nascerem! _ Missão cumprida Um aspecto interessante das histórias que se enquadram nessa categoria é o fato de os peixes assumirem as características humanas. Como as histórias tiveram nos títulos a piracema, os alunos que as confeccionaram demonstraram conhecer o significado da palavra, interiorizando quem a faz, desenhando os peixes contando as histórias. De acordo com Vigotski (2008, p.156/157),

65 64 Os significados das palavras são formações dinâmicas, e não estáticas. Modificamse à medida que a criança se desenvolve; e também de acordo com as várias formas pelas quais o pensamento funciona. [...] O pensamento não é simplesmente expresso em palavras; é por meio delas que ele passa a existir. Cada pensamento tende a relacionar alguma coisa com outra, a estabelecer uma relação entre as coisas. Pela história, interpreta-se que houve desenvolvimento nas crianças e a construção de significado. Podemos inferir que houve alfabetização científica, pois, conforme Chassot (2010, p. 29), [...] que a Ciência seja uma linguagem; assim, ser alfabetizado cientificamente é saber ler a linguagem em que está escrita a natureza. Vigotski acrescenta (2009, p. 13): a palavra está quase pronta quando está pronto o conceito. Os alunos compreenderam que existem processos necessários para que o fenômeno aconteça, ou seja, construíram o significado da palavra, transpondo o conhecimento para a sua realidade. A aprendizagem que hoje estes alunos detêm em relação ao fenômeno biológico da piracema possibilita que as ações que venham a ser desenvolvidas por eles, quanto à Educação Ambiental, sejam mais elaboradas? Leff (2009, p. 246) considera que [...] o processo educacional auxilia a formação de novos atores sociais, capazes de conduzir a transição para um futuro democrático e sustentável. É preciso que, além dos conhecimentos adquiridos, exista formação de valores, participação política e vontade em transformar suas realidades. Categoria: Conhecimento da piracema e utilização de símbolo lendário como personagem. Temos 1 das histórias nesta categoria.

66 Saiara em O Segredo dos Peixes Quadro 1 _ Olá meu nome é Saiara! Quadro 2 _ Eu me lembro muito bem de quando eu era criança! Quadro 3 _ Eu gostava de ver os peixes na piracema, mas ai aconteceu uma coisa Quadro 4 _ As pessoas começaram a jogar lixo nos rios do pantanal! Quadro 5 _ Mas depois veio à gota d água! 7 Quadro 6 _ foram criadas fábricas que começaram a jogar líquidos poluentes! 6 8 Quadro 7 _ Que dificultava a reprodução dos peixes! Quadro 8 _ E por causa desse líquido os peixes começaram a morrer!

67 Quadro 9 _ Mas depois os peixes acostumaram! _ Os peixes eles nadam contra a corrente mais de 400 km para o acasalamento. Para reprodução! Quadro 10 _ Os peixes, antes de começar a piracema eles se alimentam bastante e também guardam bastante comida para a viagem! Quadro 11 _ Eu também me lembro da alimentação de vários peixes, como carnívoros, insetívoros, herbívoros, onívoros e detritívoros. Quadro 12 _ Muitas vezes os pescadores capturam os peixes em tamanho inadequado, muitas vezes os peixes eram pequenos! _ Esse peixe tá pequeno demais sô! Quadro 13 _ Porque o peixe está muito pequeno? _ É porque estava em período da piracema, período de desova dos peixes, é por isso que o peixe estava muito pequeno para servir de comida

68 67 Quadro 14 _ É importante saber que o período de desova dos peixes é entre outubro até março, mas muitas pessoas como pescadores às vezes eles não respeitam este período de reprodução dos peixes. Quadro 15 _ Os peixes que participam da piracema são: Pacu, Piavuçu, Piraputanga, Jaú, Pintado, Dourado, etc. Quadro 16 _ O Pacu pode ser capturado com mais de 45 cm. _ O sô! Quadro 17 _ É tão bom que os peixes se reproduzam, esse momento é lindo! Quadro 18 _ Isso é emocionante Quadro 19 _ Ai depois que acaba a piracema você já pode pescar! _ É só esperar! Quadro 20 _ Chegou a hora de ir! _ Meu nome é Saiara Tenho 16 anos! Quadro 21 _ Espero que você tenha aprendido, tchau. _ Desejo a todo mundo uma pescaria boa e divertida! É uma história que tem como personagem um elemento que não pertence à realidade pantaneira, uma sereia. Isso é compreensível, devido à possibilidade de relacionar as lendas e o peixe no mesmo ambiente. Uma situação importante descrita por essa história é o problema da poluição ambiental, que prejudica a reprodução dos peixes, devendo ser revolvida. Porém, a afirmação

69 68 de que os peixes se acostumaram com a situação remete-nos à ideia de que é desnecessária a resolução. De acordo com Vigotski (2009, p. 16), [...] em toda ideia existe, em forma elaborada, uma relação efetiva do homem com a realidade nessa ideia. Os alunos presenciam a poluição do rio Paraguai e sabem que, mesmo assim, ocorre o fenômeno biológico da piracema. Nesse caso, verifica-se que o conhecimento científico foi assimilado e elaborado, pois descreveram as etapas necessárias para o fenômeno biológico da piracema. Vigotski (2008, p. 72/73) esclarece: A formação de conceitos é o resultado de uma atividade complexa em que todas as funções intelectuais básicas tomam parte. No entanto, o processo não pode ser reduzido à associação, à atenção, à formação de imagens, à inferência ou às tendências determinantes. Todas são indispensáveis, porém insuficientes sem o uso do signo, ou palavra, como o meio pelo qual conduzimos as nossas operações mentais, controlamos o seu curso e as canalizamos em direção à solução do problema que enfrentamos. O uso da palavra/signo piracema foi bastante expressivo pelos alunos que confeccionaram esta história, em que contaram minuciosamente o processo do fenômeno biológico da piracema, utilizando o conhecimento real, favorecendo, com isso, a elaboração conceitual. Cabe à escola contextualizar um aspecto importante do seu meio social, a poluição ambiental. Fazendo isto, estará desempenhando a função de promotora de reflexão do aluno, podendo sensibilizá-lo para se posicionar frente às ações socioambientais. São meios para compreender possíveis mudanças conceituais, em relação ao fato de que não são os peixes que devem se acostumar; é o ser humano que necessita de uma mudança urgente de postura. Tais mudanças podem vir com ações da Educação Ambiental no contexto escolar do ensino de ciências, por se empenhar em desenvolver a alfabetização científica, ao entender a Ciência, conforme Chassot (2010, p. 31): [...] nos facilita, também, contribuir para controlar e prever as transformações que ocorrem na natureza. Assim, teremos condições de fazer que estas transformações sejam propostas, para que conduzam a uma melhor qualidade de vida. A interpretação correta da necessidade de transformações é construída pela aquisição do saber ambiental? Leff (2009, p. 256) enfatiza que [...] a questão ambiental, oferece uma visão renovada do saber que traz implícito um novo sistema de valores. Os alunos podem se tornar cidadãos críticos, participativos e atuantes na sua comunidade.

70 69 Categoria: Conhecimento da piracema e utilização de seres humanos como personagens. Temos 1 das histórias dentro desta categoria. 1 Quadro 1 Aluno _ Professora nós vamos aprender o que hoje? 2 Quadro 2 Professora _ Hoje nós aprenderemos sobre a piracema Quadro 3 Professora _ Piracema é um fenômeno de migração dos peixes na época da reprodução Quadro 4 _ Os peixes migram centenas de quilometro rumo as nascentes dos rios em busca de águas calmas Quadro 5 Pedro _ Mas por que, os peixes procuram águas calmas? Quadro 6 Professora _ É para desovarem, pois a correnteza e grande volume de água dificultam a fecundação, além disso, a migração é fundamental para o amadurecimento das gônadas (órgãos reprodutores dos peixes)

71 Quadro 7 Professora _ Por isso é proibido pescar nessa época Quadro 8 _ Pedro entendeu agora tudo sobre piracema? Quadro 9 Aluno _ Claro professora. Nós temos que esperar a piracema passar para nós pescar. Eu agora sei só vou pescar quando terminar. Quadro 10 Aluno _ Piracema é respeitar a migração dos peixes, para não faltar esse alimento em nossa vida. Nessa história, os alunos representam um ambiente escolar, demonstrando como o aprendizado pode ser adquirido em sala de aula. Consideramos, conforme Vigotski (2009), que os alunos que a confeccionaram utilizaram a imitação? Pois o autor diz que o desenvolvimento da aprendizagem via imitação é o fator fundamental. A imitação, se concebida em sentido amplo, é a forma principal em que se realiza a influência da aprendizagem sobre o desenvolvimento. A aprendizagem da fala, a aprendizagem na escola se organiza amplamente com base na imitação. Porque na escola a criança não aprende o que sabe fazer sozinha mas o que ainda sabe e lhe vem a ser acessível em colaboração com o professor e sob sua orientação. O fundamental na aprendizagem é justamente o fato de que a criança aprende o novo (VIGOTSKI, 2009, p. 331). Imitando as ações do professor, eles conseguiram expressar o que aprenderam? Interpretamos que o conhecimento foi interiorizado, tendo condições de disseminá-lo no seu grupo social. Isso é possível pela ação da Educação Ambiental, de acordo com Leff, (2009, p. 257), por trazer consigo [...] uma nova pedagogia que surge da necessidade de orientar a educação dentro do contexto social e na realidade ecológica e cultural onde se situam os sujeitos e atores do processo educativo. Conhecendo e aprendendo como ocorre o fenômeno biológico da piracema, os alunos podem adquirir saberes necessários, valores e posturas para lutar e se engajar em defesa do fenômeno, para que ocorra sem a interferência humana.

72 71 A desenvoltura com que os autores narram a história estaria relacionada ao fato de associar ao seu meio social? Possibilita o aprendizado mais prazeroso e profícuo para a concretização da alfabetização científica? A esse respeito, Chassot (2010, p. 36) ressalta que a alfabetização científica é considerada [...] como conjunto de conhecimentos que facilitam aos homens e mulheres fazer uma leitura do mundo onde vivem. Ao ler seu ambiente, têm a oportunidade de encontrar respostas para as inquietações que os incomodavam e, também, podem vir a se tornar mais críticos, reflexivos e participativos em sua comunidade, pois, [...] a Educação Ambiental não é neutra, mas ideológica. É um ato político. (GRUPO DE TRABALHO DAS ONGs, 1992) DESCRIÇÃO E ANÁLISE DE RESULTADOS DA SEGUNDA FASE DA PESQUISA - REFERENTE À QUESTÃO O QUE É PIRACEMA? Encerramos a segunda fase da pesquisa com a aplicação, novamente, da questão o que é piracema?. Procedemos dessa forma para verificar os possíveis avanços dos conhecimentos científicos. Pelas respostas dos alunos, vimos que era necessária apenas uma categoria, Piracema é a migração dos peixes para as nascentes dos rios, para fazerem a reprodução. Pelo gráfico 10, referente à abordagem o que é piracema - segunda fase da pesquisa, com sua respectiva quantidade, pode-se verificar essa categoria. O que é Piracema Piracema é a migração dos peixes para as nascentes dos rios, para fazerem a reprodução. 26 GRÁFICO 10 Referente à abordagem o que é Piracema segunda fase da pesquisa, com sua respectiva quantidade.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PRODUTO FINAL ASSOCIADA A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências Universidade Federal de Itajubá Título da dissertação: OS MANUAIS DOS PROFESSORES DOS LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA Luiz Cleber Soares Padilha Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande lcspadilha@hotmail.com Resumo: Neste relato apresentaremos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB 1 Cláudia Patrícia Fernandes dos Santos, UFCG 2 Marcondes Fernando Pereira Carvalho, UFCG 3 Edson de

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PALAVRAS - CHAVE: Educação ambiental. Jogos. Atividades lúdicas.

PALAVRAS - CHAVE: Educação ambiental. Jogos. Atividades lúdicas. 02624 LUDICIDADE NA APRENDIZAGEM SOBRE APA DELTA DO PARNAÍBA, PI, CE, MA - BRASIL RESUMO Francinalda Maria Rodrigues da Rocha 1 Regina Célia da Rocha Carvalho 2 Niuza Alves da Costa 3 A compreensão dos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA NOGUEIRA, Bárbara Gabriele de Souza PUCPR barbaragsnogueira@gmail.com GONÇALVES, Guilherme Machado PUCPR guilhermemg40@hotmail.com

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos SONHE Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza

Leia mais