COMO SE RELACIONAR COM AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Imagem:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO SE RELACIONAR COM AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Imagem: www.defnet.org.br"

Transcrição

1 COMOSERELACIONARCOMASPESSOAS COMDEFICIÊNCIA Imagem:

2 A partir da concepção de homem como ser social, que se constrói na relação com outros homens, faz se necessário pensar nas formas de relacionamento com as pessoas com deficiência como algo que deve ser perseguido e buscado incansavelmente, pois já não mais se pode prescindir da convivência/interação de todasaspessoasnaamplitudedavidasocial. Isto não deve, jamais, ser objetivado como uma concessão às pessoas com deficiência, que agora, no século XXI, teriam o privilégio de estaremjunto atodasasdemaispessoas,massim, essaidéiadeinclusãodevesercompreendidacomofrutodaslutas históricas desse segmento social, que não mais tolera a discriminação,adiferenciação,asegregação.

3 Asdeficiênciasnãosãotodasiguais,cadaumadelaspossuicaracterísticas enecessidadespróprias,quepodemserresultantesdedefeitoorgânicoe/ouda trajetóriasocialdecadaindivíduo. Também se faz necessário romper com a confusão entre deficiência e doença,poisaprimeiraécaracterizadacomoumadiferenciaçãonosaspectos físico,sensorialoumental. Doença: alteração biológica do estado de saúde de um ser (homem, animal etc.),manifestadaporumconjuntodesintomasperceptíveisounão. Deficiência: toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica,fisiológicaouanatômicaquegereincapacidadeparaodesempenho deatividade,dentrodopadrãoconsideradonormalparaoserhumano(decreto n.º3.298/99).

4 Muitas pessoas "normais", quando estão diante de pessoascomdeficiência,ficamconfusas,nãosabendoqual amelhorformadeprocederdiantedelas.issoénatural,pois qualquer pessoa pode sentir se desconfortável diante do "diferente".mas,pormeiodaconvivência,essedesconforto diminuiepodeatémesmodesaparecer. Fotodisponívelemwww.sentidos.com.br

5 Quandoalguémquiseralguma informaçãodeumapessoacom deficiênciadevedirigir sediretamente aelaenãoaseusacompanhantesou intérpretes,poisela,comoquaisquer outraspessoas,podeedevedialogar comasdemais,nosdiferentes espaçossociais. Amaioriadaspessoascom deficiência,nãoseconstrangeem responderperguntasarespeitodesua deficiênciaesobrecomoelaconsegue realizardeterminadastarefas.mas deve seevitarfazerperguntasmuito íntimas.

6 Aspessoascomdeficiência,assimcomoasdemaispessoas,devidoa sua trajetória social, podem apresentar dificuldades para realizar algumasatividades,emborapossaapresentarextremahabilidadepara outras. Portanto,aoserelacionarcomumapessoacomdeficiência,respeitea suadiferençasemacentuá la. Nãofiquelamentandosuadeficiência,afirmandoquesuavidaémuito difícil, pois para uma boa parte delas, o defeito não se converteu em obstáculointransponível.

7 LarsSchmidtGrael,atualsecretáriodeEstadodaJuventude,Esportee Lazer(SEJEL)doGovernodoEstadodeSãoPaul,bicampeãoemiatismo,é umexemplodedeterminaçãoecoragem,principalmentequandosetratade superar obstáculos que lhe impeçam de chegar a seus objetivos. É dono de uma invejável carreira esportiva, que inclui medalhas e títulos nacionais e internacionais, há mais de 20 anos. Em 1998, sofreu um acidente e teve a pernaamputada.essefator,porém,lhelimitouosmovimentosmasnãosua trajetóriadecampeão(fonte:

8 ClodoaldoSilva,nadador,tem paralisiacerebralporfaltadeoxigênio duranteoparto,oqueafetouos movimentosdesuaspernaseuma pequenafaltadecoordenaçãomotora. Tem26anoseconheceuanatação comoprocessodereabilitaçãonoanode 1996,emNatal.Jáem98,eleparticipou deseuprimeirocampeonatobrasileiro, ondeconquistounadamenosdoque trêsmedalhasdeouro. Paraofuturo,o Tubarão Paraolímpico sonhaemestudar psicologiaeseespecializarem psicologiadoesporte. (Fonte:

9 "VocênãoimaginadoqueumaDulorenécapaz"(2001). Campanhaprotagonizadaporumatetraplégicavestindolingeriepara mostrarquenãohálimitesparaabelezafeminina. A tetraplégica Mara Gabrilli protagonizou a campanha da Duloren criadaparahomenagearodiainternacionaldamulher,em8demarço. Mara,tetraplégicaháseisanos,ficoufamosaporterposadonuaparaa revistatrip,emnovembrodoanopassado(2000). Fonte:

10 JoãoVitor,19anos,temSíndromedeDown.Oquenãooimpediude,depois de seus dois primeiros anos de vida na Apae, estudar sempre em escolas regulares. Mariaté, Gente Alegre, Integral, escolas que tiveram João entre seus alunos. E que se adaptaram a ele, buscaram alternativas para potencializar seu aprendizado.(...) OEnsinoMédiofoirealizadoatravésdoprogramaCEEBJA(CentroEstadual deeducaçãobásicapara JovenseAdultos), ondeconviveucompessoascome sem dificuldades de aprendizagem, na mesma escola em que cursou o Fundamental. O resultado deste caminho acadêmico não deveria surpreender, deveria ser natural imaginar que ele mereceria passar no vestibular. Mas surpreende, emociona e confirma o potencial positivo das pessoas com Síndrome de Down: João Vitor Silvério passou no vestibular de Educação Física! (Universidade de Curitiba)

11 DanielaCaburroéartista plásticadesde1995, residentenacidadede SãoCarlos/SPondepintou grandepartedassuas obraseondecontinua comseutrabalho. Porcausadesuas limitaçõesfísicas,daniela pintacomaboca... (Fonte:

12 Danielausaumaparelhoacrílicoadaptadoparamanipularopincel,projetadopela dentista(...).anteselapintavasegurandodiretamentenosdentes,oque,alémde machucaraboca,começouaprejudicaraarcadadentáriadaartista."eraterrível.eu tinhaquetomaratéanalgésicoparapassarador.hojepossodesfrutarmaisdeste prazerqueépintar",diz (Fonte:

13 Ricardo Tadeu Marques da Fonseca Procurador no Ministério PúblicodoTrabalho 'Perdiavisãoquandocursavaafaculdade,aos23anos.Embora tivesse visão sub normal, comecei a desenvolver um método de leiturasóquandoadulto.atéos20anososprofessoresescreviam comletrasampliadas.apartirdessaidade,elesdesenvolverama telelupa,umaespéciedeóculos,similaraslentesqueosourives usam para examinar jóias, e pude começar a ler os livros diretamente,nosegundoanodafaculdade. Antes era minha família e meus amigos quem liam para mim.tive dificuldade de me alfabetizar. Minha mãe me alfabetizouescrevendoempapeldepãosobreamesadacozinha. As professoras distribuíam textos mimeografados para as crianças e para mim elas tinham de copiar o mesmo texto com pincelatômiconumpapelcomletrasgrandes'. (Fonte:

14 Não se deve tomar decisões sobre questões pertinentes às pessoas com deficiência, sem levar em consideração suas opiniões. Elas têm o direito, podem e devem tomar suas próprias decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas; elas são como todos nós: têm os mesmos direitos, deveres,sentimentos,receiosesonhos. AndersonSantana Temparalisiacerebral tetraplégico. Fotografarsaltosdepara quedaséumadesuaspaixões. Umdia,elevenceuomedodealturaeaslimitaçõesda deficiênciafísicaeresolveuexperimentaroqueregistrava emimagens SantanatrabalhanodepartamentotécnicodaClaro, empresadetelefoniacelular,efazplanosdeingressarna faculdadedepublicidadeepropaganda. (Fonte:

15 Sofrimuitocompreconceito.Primeiro,paraentrarnaescola.A diretorianãoqueriameaceitar,poiselesnãopoderiamdar atençãoparaumdeficientefísico. Minhamãeconseguiumecolocarnaescolasódepoisdebrigar nadelegaciadeensino. Comeceiaestudar,masalgunsdosprofessoresnãomedavam atençãoemecolocavaforadasaladeaulaalegandoqueeunão estavaconseguindoacompanharorestantedaturma.maseu estavamuitobemepegandotodasasmatérias.mesmoassima professoramecolocavaparaforadasaladeaula.eeunão conseguiavoltar,poistinhadificuldadepraandar.chegandoem casaeunãofalavapraminhamãe.atéquecontaramparaela sobreissoeelatomouumaatitude (AndersonSantana RevistaSentidos).

16 Autilizaçãodaimagemdaspessoas comdeficiênciacomoobjetode comoçãosocial,infelizmente,éuma práticabastantepresente, principalmenteementidadesde cunhoassistencialefilantrópico. Talpráticatemcontribuídoparao reforçodeumaimagem estereotipada,ondeaspessoas comdeficiência,atravésda exposiçãopúblicadesuas dificuldadesouqualidades,são colocadasemsituações extremamenteconstrangedoras.

17 Ao perceber que uma pessoa com deficiência está necessitandodeapoioparaarealizaçãodealgumaatividade eforpossívelauxiliá la,ofereçaajuda,masantesperguntea formamaisadequadaparafazê lo. Noentanto,nãoseofendase seuoferecimentoforrecusado,pois nemsempreelaprecisadeauxílio. Àsvezes,umadeterminada atividadepodesermelhor desenvolvidasemamediaçãode outrapessoa. Imagem:

18 Acessibilidadenasinstituiçõeseducacionais Aoiniciaroperíodoletivo,éaconselháveldesenvolveroficinassobre Comoserelacionarcomaspessoascomdeficiência,tantoparaos professores,comoparaosfuncionáriosealunos. Asdiscussõesnasoficinascontribuemparaquebrarasbarreiras atitudinaisexistentes,porfaltadeconhecimentoedemaiorconvivência. O professor deve procurar conversar com o aluno e seus familiares quando necessário, conhecendo sua trajetória social de vida, buscando compreender as necessidades educacionais especiais que precisam ser atendidasparaefetivarseusestudos,evitandoprejuízostantopelafaltade participação,quantonaapropriaçãodoconhecimento.

19 Os conteúdos a serem trabalhados com as pessoas com deficiência devemserosmesmostrabalhadoscomosdemaisalunos. Àsvezespodehaverdiferençasquantoaosrecursosdidáticosaserem utilizados, pois há algumas especificidades próprias de cada área da deficiência. (Evilásio Fonte: Por exemplo: para alunos com paralisia cerebral que possuem boa compreensão, porém não conseguem articular ou produzir fala, deverá ser providenciadorecursosparacomunicaçãoalternativa.

20 Éimportante lembrarquea escoladeve possuir acessibilidade arquitetônica paraatendera estealunado. Foto:CPA ComissãoPermanentedeAcessibilidade Cascavel/PR

21 DEFICIÊNCIAFÍSICA Caracterização: A deficiência física deve ser entendida como sendo uma alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, podendo se apresentardaseguinteforma: Monoplegia,paralisiadeummembrodocorpo; Hemiplegia,paralisiadametadedocorpo; Paraplegia,paralisiadosmembrosinferioresdocorpo;

22 Triplegia,paralisiadetrêsmembrosdocorpo; Tetraplegia,paralisiadosmembrosinferioresesuperioresdo corpo; Monoparesia,perdaparcialdeummembrodocorpo; Hemiparesia,paralisiaparcialdametadedocorpo; Paraparesia,paralisiaparcialdosmembrosinferioresdocorpo; Triparesia,paralisiaparcialdetrêsmembrosdocorpo;

23 Tetraparesia,paralisiaparcialdosmembrosinferiorese superioresdocorpo; Amputaçãoouausênciademembrosdocorpo; Ostomia; Nanismo; Paralisiacerebralemembroscomdeformidade congênitaouadquirida.

24 ParalisiaCerebral Resultadodeumdanocerebral,quelevaàinabilidade,dificuldade ouodescontroledemúsculosedecertosmovimentosdocorpo. O termo Cerebral quer dizer que área atingida é o cérebro (sistemanervosocentral S.N.C)eapalavraParalisiarefere se aoresultadododanoaos.n.c.,comconseqüênciasafetandoos músculosesuacoordenaçãomotora.

25 Estaslesõespossuemdiversascausas,freqüentementedevido à falta de oxigenação antes, durante ou logo após o parto, não existindo dois casos semelhantes, pois algumas crianças têm perturbações sutis, quase imperceptíveis, aparentando serem "desajeitadas"aocaminhar,falarouusarasmãos,enquantoqueas submetidasalesõescerebraismaisgraves,aexemplodecasosde anóxianeonatal,podemapresentarincapacidademotoraacentuada, impossibilidadedefalar,andar.

26 As causas de Paralisia Cerebral são várias, mais freqüentemente encontramos: Problemasduranteagravidez:60%doscasos ProblemasduranteelogoapósoParto:30%doscasos ProblemasdoNascimentoatéos9anos:10%doscasos Dependendodalocalizaçãodaslesõeseáreasdocérebroqueforam afetadas,asmanifestaçõespodemserdiferentes. As crianças com PC podem ter outros problemas, mas nem todos sãorelacionadoscomaslesõescerebrais: Epilepsia, Deficiência Mental, Deficiência Visual, Dificuldades de Aprendizagem, Dificuldades de Fala e Alimentação, dificuldades auditivas, déficits sensoriais, escoliose, contraturas musculares,problemasodontológicos,salivaçãoincontrolável,etc...:

27 Todos estes problemas podem surgir associados ou isoladamente na dependência direta do tipo de PC que a criança apresentar, já que seus déficits motores afetam sua psicomotricidade e seu comportamento emocional e social, que podem resultar num desenvolvimento global atrasado, que muitas vezesaindaéconfundidocomcapacidadecognitivapobre,gerando uma imagem preconceituosa sobre as capacidades e potencialidades para vida independente e autônoma das pessoas comparalisiacerebral. (Fonte:InformaçõesParalisiaCerebral,disponívelemwww.defnet.org.br) )

28 Quandoserelacionarcompessoascomdeficiênciafísica,oprimeiro aspecto a ser considerado é o fato de que elas não são surdas nem cegas,enempossuemproblemasmentais.suasdificuldadesespecíficas consistem principalmente nas barreiras arquitetônicas, as quais podem serreferentesaconstruçõeseequipamentos. Fotos:CPA ComissãoPermanentedeAcessibilidade Cascavel/PR

29 Norelacionamentocomusuáriodecadeirade rodas,éimportanteadotarosseguintescuidados: Nãoseapoiarnacadeira,poiselaécomose fosseaextensãodocorpodaquelapessoa; Quandoforconversareaconversafordemorada, sente separasecolocarnomesmoníveldapessoa, evitandoqueelatenhaqueficarmuitotempocoma cabeçanumaposiçãodesconfortável. Aoauxiliá laadescerumarampaoudegrau,ajude a aconduziracadeiranamarchaaré,evitando,dessa forma,queseuusuáriocaia. Imagem:

30 No caso das pessoas com paralisia cerebral, é importante não subestimar suacapacidadeintelectual,poisapesardelaspoderemapresentardificuldades na fala, movimentos faciais involuntários e de apresentarem marcha difícil ou mesmo inexistente, em recebendo o apoio necessário, podem aprender e se desenvolverdeformasatisfatória. Quando a pessoa for usuária de muletas ou de aparelhos nos membros inferiores,éimportanteobservaralgunscuidados: ao acompanhar uma pessoa com muletas ou aparelhos, procure andar no ritmodela; tomecuidadoparanãotropeçaremsuasmuletas; deixeasmuletassempreaoalcancedasmãosdeseuusuário.

31 Seapessoaapresentardificuldadenafalaenãofor possívelcompreenderimediatamenteoqueelaestá dizendo,pode sepedirparaquerepitaoquedisse. Quandopossível,elapodefazerusodaescritamanual ouviacomputador,parasefazerentender. Correroucaminharsãopalavrasquepodemser utilizadas,os cadeirantes tambémasutilizam.

32 Não estacione seu automóvel em frente às rampas ou em locaisreservadosàspessoascomdeficiência,poiselasforam construídos para atender uma necessidade específica, como éocasodosusuáriosdecadeiraderodas. Foto:CPA ComissãoPermanentedeAcessibilidade Cascavel/PR

33 Aoconvidarumapessoa comdeficiênciafísicaparair aumrestaurante,aoteatro, alocaisamplosondesão realizadasreuniões, conferências,seminários, oumesmoaqualqueroutra localidade,certifique seda acessibilidadearquitetônica dessesespaços,evitando constrangimentosparaa pessoacomdeficiência física. Imagem:journeyofawoundedsoul.blogspirit.com

34 Acessibilidade em sala de aula aos alunos com deficiência física O professor de alunos com deficiências físicas mais acentuadas, quecomprometemsuacapacidadedecomunicação,deveutilizar recursos tecnológicos como comunicação alternativa ou aumentativa/ampliada, tais como os softwares que permitem às pessoas com comprometimento motor mais grave, poderem utilizarocomputadorparasecomunicar. As escolas devem assegurar rampas adequadas, telefones públicos, banheiros e bebedouros adaptados, sempre de acordo comasnormasdaabntvigentes.

35

36

37 DEFICIÊNCIAVISUAL Caracterização: Adeficiênciavisualrefere seaumasituaçãoirreversívelde diminuição da resposta visual, em virtude de causas congênitas, hereditárias ou adquiridas, mesmo após tratamento clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais. No quadro das deficiências visuais estão incluídas a cegueiraeavisãoreduzida.

38 Acegueirapodesercaracterizadapelaimpossibilidadeda pessoaemperceberosestímulosvisuais,nosentidodepoder utilizá losnastarefasdocotidiano. A visão reduzida refere se a uma significativa perda da capacidadedever,queexigealgumasadaptaçõesparaquea pessoa possa utilizar seu resíduo visual para dar conta de algumastarefas.

39 Narelaçãocomumapessoacomdeficiênciavisual,éimportante romper com a tradicional idéia de que os cegos vivem na escuridão. Para os cegos congênitos, o claro e o escuro, bem como as demaiscoressóexistemcomoinstrumentospráticos,nãofazendo partedeumaexperiênciaindividual. Já os que perdem a visão ao longo da vida, mesmo cegos, conseguem reter as imagens aprendidas nas experiências de outrora, articulando as com as novas situações de sua vida e, dessa forma, mantendo a sua psiquê "iluminada". Além disto, é bom salientar que a maioria dos cegos possui percepção de luz, permitindo lheadistinçãoentreaclaridadeeaescuridão.

40 Aosedirigiroralmenteaumapessoacega,deve sefalardiretamente comelaemtomnatural,poisamesmanãoésurda. Também é importante não modificar a voz ao cumprimentar uma pessoacega,jáqueelanãoéadivinha. Quando ela encontrar se muito próxima de outras pessoas, deve se iniciarodiálogochamando apelonomeoudando lheumlevetoqueem seuombro. Issosefaznecessário,devidoàimpossibilidadedeestabelecimentodo contatovisual. Se ela estiver acompanhada, não se dirija a seu acompanhante para dialogarcomelaousabersobresuavida.

41 Umapessoacega, aocontráriodoque seimagina,pode possuirumaboa noçãoespacial, permitindo lheuma movimentação autônoma.

42 Ao explicar localidades é bom orientá las por direito, esquerdo, leste,oeste,norte,sul. Umdosprincipaisrecursosparaavidamaisindependentedocego éautilizaçãodabengalalonga,comaqualoscegoslocalizamos obstáculosexistentesnasuatrajetória. Também é importante respeitar a bengala como sendo um instrumento de uso pessoal e jamais ela deve ser retirada do controledeseuusuário.

43 Quando for guiar uma pessoa cega, basta deixá la segurar no braço (cotovelo) do guia e desenvolver a caminhadanormalmente. Aoencaminharapessoacegaparaum carro, deve se colocar lhe a mão na lateral ou maçaneta da porta e deixar queelaentresozinhanoautomóvel. Fotodisponívelem:

44 Quandosetratardeum ônibus,nãosedeveficar empurrando aportaacima, bastandoqueoguiasubaà frente,eelaoseguirá. Deve sesinalizar antecipadamente,aexistência dedegraus,pisos escorregadios,buracose obstáculosemgeralduranteo trajeto. Imagem:

45 Em espaços estreitos, por onde só é possível passar uma pessoa, o guia deve colocar seu braço para trás, de modo que a pessoacegapossacontinuarseguindo ocomsegurança. Paraajudarumapessoacegaasentar se,deve seguiá laatéa cadeira e colocar a mão dela sobre o encosto da cadeira, informandoseestatembraçosounãoedeixarqueapessoasente sesozinha. Ao apresentar uma pessoa cega a alguém, deve se fazê lo na posiçãocorreta,ouseja,umapessoadefrenteparaaoutra. Ao encontrar se ou despedir se de uma pessoa cega, deve se fazê lodamesmaformautilizadacomasdemaispessoas.

46 Quandoalguémentrarnumrecintoondeseencontraumapessoa cega sozinha, a mesma deve identificar se para que ela tome conhecimentodesuapresença. Ao se retirar deste ambiente deve se dar ciência à pessoa cega, paraqueelasaibaquenãoestámaisacompanhada. Ocegonãotemdeficiênciafísica,portantonãoénecessárioficar segurando o e nem achando que ele vai cair a qualquer momento. Ele pode dispor de boa destreza física, não apresentando dificuldades para subir e descer escadas, para permanecer em pé, mesmo dentro de ônibus em movimento e nem para fazer longas caminhadas. Deve seficaràvontadeparausarpalavrascomo"veja"e"olhe". Aspessoascegasusam nascomnaturalidade.

47 Acessibilidade em sala de aula aos alunos cegos e com visãoreduzida Boa parte dos encaminhamentos didáticos com os alunos cegosoucomvisãoreduzida,sãoiguaisaosutilizadoscomos demaisalunos. Porém, certos procedimentos devem passar por algumas adaptações para atender as necessidades de aprendizagem destesalunos. Opontodepartidadeveserdialogarcomoalunonoiníciodo ano letivo, buscando conhecer quem é o aluno que possui esta deficiência, desta forma iniciando a identificação dos recursoseducativosespecíficosqueelenecessita.

48 Os alunos cegos ou com visão reduzida, necessitam de material didático adequado a suas necessidades para efetuar seus estudos, comolivrosetextosembraile,livrosetextosampliados,gravadosou digitalizados,paraseremlidosviacomputador;eequipamentoscomo máquinadedatilografiabraille,regletes,punções,etc.

49 Nasaulasdeverãoserevitadostermoscomo"isto"ou "aquilo", aqui ou ali etc., uma vez que em certas situações eles podem não ter significado para um estudantecegoedevisãoreduzida. Logo, quando o professor estiver trabalhando com tabelas,gráficos,mapas,desenhos,etc.,devesempre referir se ao termo correto, ou seja, deve ser direto indicandoano,coluna,nomedalocalidadeeotipodo objeto. Dessa forma o aluno não terá dificuldade para acompanharaexplicaçãodoconteúdo.

50 Aoutilizaroquadro,oprofessordeveleremvozaltaoqueescreve, paraqueoalunopossafazersuasanotaçõespormeiodamáquina dedatilografiabraille,dareglete,deformaampliadaougravada. Lupademão

51 Quando utilizartransparências, oprofessor deve,com antecedência, entregar uma cópia em braille ou na formaampliada. Nocasodeoalunoterdisponívelumcomputadorpara fazer a leitura, o material poderá ser entregue digitalizadoemdisquete. Se estas condições não puderem ser atendidas, o educador deve, durante a apresentação da transparência,identificarelerseuconteúdo.

52 Na utilização de recursos audio visuais, deve se descrever as imagens, de modo que tenham significado e sentido para o aluno cego ou com visão reduzida,contribuindoparaacompreensãodoconteúdotrabalhado,buscando assim,garantirosobjetivospropostos. Comojáfoiafirmado,boapartedoscegostemmemóriavisualoquefacilitao trabalhocomimagens. No caso de cegueira congênita, o professor deve, antes de trabalhar com imagens,saberseasmesmasjáfazempartedoimagináriodoeducando. Quando não fizerem, deve se buscar mecanismos de similaridade usando características conceituaisdoque se querexplicar eque envolvam as demais percepçõescomootato,aaudição,oolfatoeacinestesia.

53 Quantoaoalunocomvisãoreduzida,deve severificarquala melhorposiçãoparaelesesentarnasaladeaula. Estadefiniçãodeveresultardeumacordodefinidoapartirda identificaçãodamelhorposiçãofeitapelopróprioeducando. Tambéméimportanteficaratendoàutilizaçãodegiz,pincéis, etc., os quais devem possibilitar um contraste que atenda as necessidadesdoalunocomresíduovisual. Dessaforma,oalunoquepossuiresíduovisualsuficientepara enxergar no quadro, deverá ter asseguradas as condições adequadasparafazercópiadoquadro.

54

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos)

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) EDUCAÇÃO INCLUSIVA Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) O QUE É INCLUSÃO? Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. É

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

TODAS AS PERGUNTAS DEVEM SER RESPONDIDAS COMPLETAMENTE REQUERIMENTOS INCOMPLETOS SERÃO DEVOLVIDOS. Sobrenome Nome. Endereço Ap.

TODAS AS PERGUNTAS DEVEM SER RESPONDIDAS COMPLETAMENTE REQUERIMENTOS INCOMPLETOS SERÃO DEVOLVIDOS. Sobrenome Nome. Endereço Ap. Nº ident. Data de recebimento Protocolo eletrônico Arquivo completo / Rubrica DISTRITO DE TRANSPORTE PÚBLICO DA GRANDE HARTFORD ADA (Lei de Apoio a Americanos com Deficiência) REQUERIMENTO PARA TRANSPORTE

Leia mais

Não se consideraram como deficiência mental as perturbações ou doenças mentais como autismo, neurose, esquizofrenia e psicose.

Não se consideraram como deficiência mental as perturbações ou doenças mentais como autismo, neurose, esquizofrenia e psicose. Pessoas com deficiência Informações pessoas com deficiência em Porto Alegre, por região de Orçamento participativo e por tipo de deficiência Adriana Furtado O Observatório da Cidade apresenta informações

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Responsabilidade social e acessibilidade no ensino superior: a trajetória do UniCEUB 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da prática eficaz Desde 1988, o Centro

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual

ACESSIBILIDADES. boas práticas Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais. 1. Deficiência visual Boas práticas para auxiliar pessoas com necessidades especiais 1. Deficiência visual A deficiência visual é a perda ou redução da capacidade visual, com caráter definitivo. As limitações do campo visual

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas ACESSIBILIDADE EM INFORMAÇÃO E EM ARTE Quem faz a diferença? Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UFRJ Regina COHEN, DSc. Arquiteta e Doutora em Ecologia

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

TdB e Vez da Voz por um mundo mais inclusivo. vez. dobem

TdB e Vez da Voz por um mundo mais inclusivo. vez. dobem TdB e Vez da Voz por um mundo mais inclusivo vez dobem ÍNDICE: 3 4 7 10 12 INTRODUÇÃO DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA VISUAL DEFICIÊNCIA FÍSICA DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A TdB, em parceria com a ONG Vez

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL?

FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O QUE É A DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL? FOLHA DE DADOS DEFICIÊNCIA VISUAL CORTICAL O objetivo deste folheto: Folha de Dados é: 1- Para quem ler este folheto ter um entendimento sobre: O que é a deficiência visual cortical (DVC) Causas da DVC

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Maria Isabel da Silva Jornalista e Gestora da Assessoria de Comunicação Institucional Daniela Loureiro Iacobucci Jornalista e Assessora de Imprensa

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência

Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Ilustrações: Maria João Lopes Local e Data de Edição: Lisboa, 2005 Colecção: Folhetos SNR, n.º 4 Fotocomposição

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Como Lidar com Pessoas com Deficiência

Como Lidar com Pessoas com Deficiência 2 Como Lidar com Pessoas com Deficiência A PRODAM é uma empresa que pratica a contratação de pessoas com deficiência há bastante tempo, antes mesmo da publicação da lei (lei nº 8213 de 24 de julho de 1991)

Leia mais

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva 1 Abordagem tradicional -Focalização do aluno -Avaliação do aluno por especialistas -Resultados da avaliação traduzidos em diagnóstico/prescrição Abordagem

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Junho 2008

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Junho 2008 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Junho 2008 Tereza Cristina Nunes de Queiroz Bonadiman Consórcio CEDERJ terezaqueiroz@cederj.rj.gov.br Categoria: Métodos e Tecnologias

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Visual

Conhecendo o Aluno com Deficiência Visual I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL] Usar letra de forma Nome completo do aluno _ Idade Data de Nascimento Sexo Feminino Masculino Nome completo da Escola _ CRE 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

Como Estudar a Bíblia

Como Estudar a Bíblia Como Estudar a Bíblia Caderno de Estudos Por David Batty Estudos em Grupo Para Novos Cristãos 2 Direitos Reservados 2003 Comitê Acadêmico do Teen Challenge Internacional, EUA. Todos os direitos, incluindo

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Passe Livre Intermunicipal. Manual do Beneficiário

Passe Livre Intermunicipal. Manual do Beneficiário Passe Livre Intermunicipal Manual do Beneficiário O que é? O passe livre intermunicipal garantirá que as pessoas com deficiência do Estado tenham assegurado o direito de ir vir em todo o Piauí com a gratuidade

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 01) As definições do público alvo para a educação especial devem ser contextualizadas e não se esgotam na mera categorização e especificações atribuídas a um quadro de deficiência, transtornos, distúrbios

Leia mais

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS

A Escola. Educação Especial - Educação Inclusiva. Aqui se fala em LIBRAS A Escola Educação Especial - Educação Inclusiva Atende alunos no Ensino Fundamental da Alfabetização à 4ª série e alunos na Educação Especial: deficiência auditiva, física, mental, Síndrome de Down, dentre

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

A intenção por parte do educador

A intenção por parte do educador Intencionalidade A intenção por parte do educador TESTE NA SEXTA! consiste em implicar o educando na experiência de aprendizagem, assim, é o educador que selecciona e organiza a informação para conseguir

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11 - 1 - ÍNDICE Introdução 2 Deficientes mentais 3 Deficientes mentais reabilitados 5 Doentes crónicos 7 Deficientes motores 9 Deficientes visuais 11 Deficientes auditivos 13 Apresentação do Grupo de Trabalho

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m.

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m. 0 CONDIÇÃO: Antigamente nanismo, atualmente baixa estatura 0 INDIVÍDUO: Antigamente anão, atualmente pessoa de baixa estatura 0 Em alguns poucos países: pessoas pequenas ( little people, em inglês), como

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino

Definições. Classificação. Atendimento educacional especializado - Educação Especial. Escolas especializadas Escolas da rede regular de ensino Conteúdos abordados Prof. Ivan Lima Schonmann CREF 082406-G/SP Deficiência intelectual e motora Definição Classificação Características Estratégias de trabalho Deficiência Intelectual (DI) IBGE 2010 Censo

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL Vanessa Piccinin da Rosa. Maria Rosangela Silveira Ramos Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA PEDAGÓGICA DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO EDUCACIONAL GLOSSÁRIO

Leia mais

O uso do DOSVOX no Laboratório de Informática Educativa do IBC

O uso do DOSVOX no Laboratório de Informática Educativa do IBC O uso do DOSVOX no Laboratório de Informática Educativa do IBC Bianca Della Líbera Vanessa França da Silva Instituto Benjamin Constant Eixo Temático: Tecnologia assistiva Palavras chave: deficiência visual,

Leia mais

1. Posição básica. Inicial Institucional Projetos Legislação Contato. Passe o mouse aqui para ampliar a imagem!

1. Posição básica. Inicial Institucional Projetos Legislação Contato. Passe o mouse aqui para ampliar a imagem! Ir para Conteúdo Principal Ir para Menu Principal Inicial Institucional Projetos Legislação Contato Letra Maior Letra Menor Temas Temas acessíveis Técnicas de Guia Vidente: Saiba como conduzir um deficiente

Leia mais

BAIXA VISÃO (parte 2)

BAIXA VISÃO (parte 2) BAIXA VISÃO (parte 2) Juliana Moraes Almeida Silva O terapeuta Ocupacional tem um importante papel no processo de inclusão do aluno com baixa visão no ensino regular, pois além de confeccionar e se preocupar

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN NÚCLEO PERMANENTE DE CONCURSOS COMPERVE COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO A ESTUDANTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS CAENE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

Apoio para crianças de préescola. necessidades especiais

Apoio para crianças de préescola. necessidades especiais Parent Partnership (Sociedade de pais) Trabalhando juntos para atender as necessidades educacionais especiais em Lincolnshire Informação aos pais e responsáveis Apoio para crianças de préescola que podem

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL!

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Um guia para usar o Método de Ovulação AMAMENTAÇÃO Billings durante QUE a amamentação COISA NATURAL DE SE FAZER! Julyanne White, SRN AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Amamentação

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais

Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais Manual de Suporte para Candidatos com Necessidades Especiais INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O preenchimento dos formulários de solicitação é essencial para a liberação das acomodações especiais. Abaixo, algumas

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Como lidar com alunos com necessidades especiais?

Como lidar com alunos com necessidades especiais? Como lidar com alunos com necessidades especiais? Ao decorrer deste e-book gratuito, você verá 26 dicas incríveis para aprimorar o seu relacionamento em sala de aula com alunos que possuem necessidades

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE Regulamenta o Núcleo de Atendimento e Acompanhamento às Pessoas com Necessidades Específicas NAC/PNE,

Leia mais

Tecnologias Assistivas

Tecnologias Assistivas Tecnologias Assistivas Novembro/2011 Elisa Tuler de Albergaria Departamento de Ciência da Computação INCLUSÃO NAS ESCOLAS: Oficinas do fazer e do pensar COM a diferença - 2011 Acessibilidade Acessibilidade

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Atividade Física e Esporte Adaptado Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Introdução No mundo: 610 milhões de pessoas deficientes No Brasil: 14,5% algum tipo de deficiência (WHO, 2003) 27% física/motora

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA Profa. Conchita Kennedy Dantas Bilingüismo Segundo alguns investigadores as crianças expostas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE ORIENTAÇÕES PARA DOCENTES DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE ORIENTAÇÕES PARA DOCENTES DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE ORIENTAÇÕES PARA DOCENTES DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL Leilane Bento de Araújo Meneses Andreza Aparecida Polia De acordo com

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC 25 de Junho de 2010 Objetivos - Discutir sobre as estratégias a serem usadas com as deficiências visuais e surdocegueira; Conteúdos

Leia mais