Utilização de Recursos Alocados pelo Usuário para Armazenamento de Dados no Sistema de Arquivos dnfsp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de Recursos Alocados pelo Usuário para Armazenamento de Dados no Sistema de Arquivos dnfsp"

Transcrição

1 Utilização de Recursos Alocados pelo Usuário para Armazenamento de Dados no Sistema de Arquivos dnfsp Everton Hermann, Danilo Fukuda Conrad, Francieli Zanon Boito, Rodrigo V. Kassick, Rafael B. Avila, Philippe O. A. Navaux Instituto de Informática - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre - RS - Brasil {ehermann, dfconrad, fzboito,rvkassick, avila, Resumo Este artigo apresenta um modelo de alocação de servidores de dados temporários para o armazenamento de de arquivos NFSP para possibilitar a inserção dinˆamica de servidores de dados. Esta funcionalidade permite a adaptação do sistema distribuído às necessidades de desempenho e armazenamento de diferentes aplicações. Será apresentado um modelo de tratamento do dinamismo de servidores de dados, assim como a implementação deste modelo seguida de uma avaliacao de desempenho. 1. Introdução A utilização de cluster de computadores tem crescido muito rapidamente dentro da área de computação paralela. Um número significativo de aplicações científicas executadas neste tipo de plataforma necessitam efetuar uma grande quantidade de operações de entrada e saída em armazenamento secundário (discos, sistemas de arquivos em rede, etc.). Por isso, o desempenho de tais operações é crucial e pode ser o principal fator na determinação do tempo de execução de uma aplicação [12]. O crescimeto da diferença de velocidade entre processador e dispositivos de armazenamento tem agravado ainda mais esta situação, tornando as operações de entrada e saída no ônus mais severo pago por aplicações que fazem uso massivo do sistema de armazenamento. Uma das alternativas que permitem amenizar este problema com baixo custo é a utilização dos recursos de armazenamento dos nós de um cluster através de um sistema de arquivos paralelo. Isto permite agregar as capacidades de transferência de rede e de disco de vários destes nós, oferecendo uma significativa melhoria de desempenho. Em conseqüência desta necessidade de sistema de arquivos paralelos, existe uma quantidade significativa de trabalhos que abordam sistemas de arquivos que sejam escaláveis e façam bom uso dos padrões existentes de hardware e de software. Um bom exemplo deste tipo de sistema de arquivos é o dnfsp[10, 8, 2]. pois faz uso do protocolo NFS[11], largamente utilizado em clusters e outros sistemas. No dnfsp as funcionalidades de um servidor NFS tradicional são divididas entre os nós de um cluster, dedicando algumas máquinas para o armazenamento de dados enquanto outras são responsáveis pela gerência de metadados dos arquivos. A utilização de um protocolo padrão como o NFS permite que clientes de diversas arquiteturas utilizem o sistema de arquivos paralelo sem dificuldade, uma vez que só necessitam da implementação tradicional do protocolo. Outros sistemas largamente utilizados em cluster como o PVFS [3, 9] e o Lustre [4] possuem um protocolo específico para a comunicação entre clientes e servidores, o que os torna incompatíveis com soluções ja existentes de protocolos de armazenamento. Para a instalação de um sistema de arquivos distribuído em um cluster de computadores é possível utilizar de forma exclusiva uma parte dos nós disponíveis neste conjunto de máquinas. Neste caso, um bom dimensionamento da quantidade de nós ocupados pelo sistema de arquivos faz-se essencial. Este dimensionamento é, no entanto, dificultado pelas diferentes necessidades de armazenamento das várioas aplicações paralelas que executam em um cluster : se são disponibilizados muitos nós para o sistema de arquivos, serão consumidos recursos que poderiam ser utilizados para outros fins. Se o sistema de arquivos for distribuído em um número pequeno de máquinas, é possível não estar disponibilizando o grau de paralelismo necessário a aplicações que façam uso massivo do armazenamento. Para que seja possível disponibilizar um sistema de arquivos paralelo que contemple aplicações com grandes necessidades de armazenamento e ainda assim não manter recursos ociosos quando executando aplicações mais simples, será apresentado um modelo que introduz novas funciona-

2 lidades ao dnfsp, permitindo a criação dinâmica de servidores de dados. Desta forma, é possível dedicar nós dinamicamente alocados como recursos temporários de armazenamto do sistema de arquivos. Isso possibilita que o sistema seja adaptado às necessidades da aplicação, utilizando eficientemente a estrutura computacional disponível. 2. Sistema de Arquivos Paralelos Em sistemas de arquivos paralelos, a inserção e remoção dinâmica de servidores de dados é levada em consideração por diversos motivos, principalmente expandir o sistema e suportar tolerância a falhas. Exemplos deste tipo de sistema de arquivos são o xfs[1], o Expand (XPN) [5] e o Lustre. No xfs, quando uma nova maquina se junta ao sistema, o sistema pode adicioná-la ao mapeador de gerenciadores. Este mapeador está presente em todos os nós do sistema e mantém as informações necessárias para encontrar os dados de um determinado arquivo. A cada mudança na configuração do sistema de arquivos, o mapeador deve ser redistribuído entre os nós, para que os arquivos possam ser acessados corretamente. A funcionalidade de reconfiguração não foi implementada nos protótipos desenvolvidos pela equipe do xfs, porém faz parte do modelo proposto pelo sistema de arquivos. O sistema de arquivos Expand (XPN) [5] combina vários servidores NFS para oferecer um particionamento distribuído de arquivos. Esta solução não inclui alterações no servidor NFS. Trata-se da implementação de uma biblioteca que oferece uma interface POSIX ao programador. Desta forma, o XPN não funciona como um sistema de arquivos montável em um diretório do sistema. Uma das funcionalidades projetadas para o Expand é permitir o redimensionamento do sistema de arquivos através da inserção de novos servidores. Porém, para que os dados estejam adequados à nova configuração, é necessário redistribuí-los quando um novo servidor é inserido. Apesar de fazer parte dos projetos, até o momento não existem publicações onde constam resultados da implementação. O sistema de arquivos Lustre [4] foi projetado com o objetivo de remover os gargalos tradicionalmente encontrados em sistemas de arquivos para cluster. Sua arquitetura é dividida em vários tipos de serviços. Os servidores de metadados (MDSs, Metadata Servers) contêm o esquema de diretórios do sistema de arquivos, permissões, e atributos estendidos para cada objeto. Os OST (Object Storage Targets) são responsáveis pelo armazenamento e a transferência dos dados de um arquivo. Tanto um quanto o outro pode operar em pares (active / failover) e podem automaticamente ocupar o lugar um do outro em casos de falha. O sistema de arquivos Zebra [6] distribui os dados dos arquivos em diversos servidores assegurando que a perda de um único servidor não afeta a disponibilidade dos dados. O esquema de fracionamento utilizado pelo Zebra é semelhante ao do RAID nível 5, onde os dados e a paridade são divididos entre os discos. O bloco de paridade é obtido a partir de um ou exclusivo (XOR) dos blocos de dados. A definição do nó que armazena o bloco de paridade é feita através de distribuição circular entre os nós. Através do uso desta técnica o Zebra pode suportar a perda de nós, visto que existem dados redundantes. Apesar de existir uma variedade de sistemas de arquivos para cluster que planeja a inserção e remoção dinâmica de servidores de dados, poucos possuem esta funcionalidade completamente implementada. Quando este fator é levado em conta, o principal objetivo é tolerância a falhas e não oferecer garantias de desempenho e adaptação às necessidades específicas de uma aplicação, como é a proposta deste trabalho. 3. O sistema de arquivos dnfsp O sistema de arquivos dnfsp teve sua origem no NFSp (NFS parallel), desenvolvido no laboratório ID/IMAG em Grenoble. o NFSp é uma extensão da implementação tradicional do NFS, que divide as funções do servidor entre diversos nós de um cluster [10]. O principal objetivo do NFSp é aumentar a desempenho e a escalabilidade em relação ao seu antecessor mantendo-se compativel com os clientes NFS. Do mesmo modo que o PVFS [3, 9], o NFSp utiliza servidores de entrada e saida (I/O daemons, IODs) para acessar os dados em disco. Quem se encarrega do papel de servidor NFS é o nfspd, definido pelos seus criadores como meta-servidor. Este servidor é visto pelos clientes como um servidor NFS tradicional e é responsável por repassar as requisições de leitura e escrita ao IOD que possui os dados em questão. A arquitetura utilizando um único meta-servidor permite um grande ganho de desempenho nas operações de leitura, uma vez que os IODs podem enviar os dados diretamente aos clientes. As operações de escrita, no entando, precisam passar pelo meta-servidor que, por ser único no sistema, transforma-se no gargalo de desempenho. O dnfsp tem como objetivo resolver esta limitação do NFSp através da distribuição dos metadados em vários servidores. Estes servidores funcionam da mesma maneira que o servidor centralizado do NFSp, recebendo as requisições dos clientes e repassando-as aos IODs, compartilhados por todos meta-servidores. No entanto, cada meta-servidor atende a apenas uma parte dos clientes, os quais ainda funcionam como clientes NFS tradicionais. Com a utilização de múltiplos meta-servidores,

3 Figura 1. dnfsp quando os clientes acessam o sistema de arquivos simultaneamente, a carga é distribuida entre os servidores, possibilitando assim obter um melhor desempenho nas operações de escrita. A Figura 1 ilustra uma operação de leitura no dnfsp. O cliente envia uma requisição de leitura do NFS para o metaservidor ao qual está associado. O meta-servidor passa a requisição ao IOD. Ao recebe-la, o IOD envia os dados diretamente ao cliente. 4. Modelo de Inclusão Iniciada Pelo Usuário Devido à grande variedade de aplicações que são executadas em um cluster, nem sempre é possível satisfazer as necessidades de armazenamento de todos os usuários. O pouco conhecimento prévio que o administrador tem sobre as aplicações executadas torna o dimensionamento do sistema de arquivos em uma tarefa bastante complexa. Uma má escolha na quantidade de servidores destinados a este fim pode resultar num desperdício de recursos quando o sistema de arquivos é super-dimensionado. Por outro lado, a disponibilização de poucos nós de armazenamento pode implicar um baixo desempenho a algumas aplicações, principalmente àquelas que efetuam um número significativo de operações de entrada e saída. O usuário, no entanto, possui maior controle sobre o perfil de suas aplicações que o administrador do cluster, o que lhe permite determinar com maior precisão o padrão de acesso aos dados antes mesmo de iniciar a execução. Com isso, um melhor uso dos recursos pode ser obtido se o usuário tiver a possibilidade de redimensionar o sistema de arquivos de acordo com as necessidades de suas aplicações. Para possibilitar esta escolha, é preciso oferecer ferramentas que permitam ao usuário definir o número de nós Figura 2. Alocação de nós pelo usuário que uma aplicação deseja dedicar ao armazenamento. Este número deve ser contabilizado junto com os nós de processamento no momento da reserva de recursos junto ao escalonador do cluster(pbs, OAR, etc.) Como ilustrado na Figura 2, o usuário aloca um número de nós suficiente ao armazenamento e à execução de sua aplicação. No momento em que estes recursos são disponibilizados, é preciso informar ao sistema de arquivos que uma aplicação deseja dedicar alguns nós para o armazenamento. Fazendo uso das ferramentas de configuração, o usuário indica quais nós serão responsáveis pelo processamento e quais vão estar armazenando dados. Ao receber a solicitação do usuário, o sistema de arquivos faz as associações necessárias para que os novos nós sejam integrados no sistema. Neste cenário, os novos nós de armazenamento são chamados de servidores de dados temporários. Estes nós armazenam informações pertencentes a uma aplicação durante a sua execução. Os demais servidores de dados, inseridos pelo administrador no momento da instalação do sistema de arquivos são chamados de servidores de dados permanentes. É neles que ficam armazenados os dados durante todo o tempo de vida do sistema de arquivos. No momento de sua inserção no sistema, cada servidor temporário é associado a um grupo de armazenamento. Um grupo de armazenamento é composto por um ou mais servidores permanentes de dados e no máximo um servidor temporário de por aplicação. Não existe replicação de dados entre os servidores temporários de um mesmo grupo: as únicas informações escritas nestes são os dados criados pela aplicação a eles associada. Os dados armazenados nos servidores permanentes também não são copiados para os servidores temporários no momento de sua inserção.

4 Todas as operações de leitura e escrita feitas pelos clientes são encaminhadas aos servidores temporários. Como não existe replicação entre os servidores permanentes e temporários, é possível que algum dado requisitado não seja encontrado. Isso ocorre principalmente na leitura de dados anteriores à execução da aplicação, ou então dados criados por outras aplicações. Neste caso, a requisição de leitura é repassada ao servidor permanente que pertence ao mesmo grupo do nó que recebeu a requisição. Se a informação existir ela será encontrada nos servidores permanentes. O acesso aos servidores de dados temporários é restrito aos nós da aplicação associada a eles. Isso permite minimizar a interferência das operações de E/S de uma aplicação em outra. Portanto, aplicações que possuem nós temporários tem acesso exclusivo a eles, enquanto que as demais apenas têm acesso aos servidores permanentes. Após o final da execução de uma aplicação os recursos associados a ela devem ser liberados. Porém, antes é preciso transferir os dados dos servidores temporários para os permanentes. Este procedimento garante que os dados criados pela aplicação possam ser acessados posteriormente. 5. Implementação A implementação do dnfsp utiliza um esquema de servidores de dados virtuais (VIOD). Cada VIOD representa um grupo de armazenamento responsável por guardar uma fração do arquivo e é formado por um ou mais IODs. Juntamente com o gerenciador de servidores de dados (iod mgmt), um VIOD funciona como uma camada de abstração entre os meta-servidores e os servidores de dados (IOD), abstraindo dos meta-servidores a maneira como os dados são armazedos e permitindo alterações dinâmicas de IODs. O iod mgmt está acoplado ao servidor de metadados, de forma que ambos executam no mesmo nó. Portanto, existe um iod mgmt para a cada meta-servidor. Grande parte da implementação da inserção de nós iniciada pelo usuário é feita no iod mgmt. É através dele que os comandos do usuário são enviados. O lançador de comandos permite executar diferentes ações: criar uma aplicação, inserir clientes da aplicação, finalizar uma aplicação, entre outras ações não relacionadas à inserção dinâmica iniciada pelo usuário. Apesar de toda a configuração ser tratada pelo iod mgmt, são ainda os servidores de dados e metadados os responsáveis pelas operações em arquivo. A única função do iod mgmt é receber as solicitações do usuário, avaliar a situação atual do sistema de arquivos e tomar decisões de como processar a solicitação. O resultado é repassado aos servidores de dados e metadados para ser posto em pratica Interface com o Usuário A interface entre o usuário e o gerenciador de servidores de dados é feita através de linha de comando. Três novas opções foram criadas para definir a associação de nós a uma aplicação. O primeiro deles é o create-execution, que tem como função notificar o sistema que se deseja executar uma aplicação com servidores de dados inseridos pelo usuário. Esta opção cria um espaço para o gerenciamento desta nova aplicação e retorna ao usuário um identificador único para a execução criada, que deve ser utilizado nos passos subseqüentes. Para definir quais nós fazem parte de uma aplicação, é utilizada a opção application-node. Esta opção recebe como parâmetro o endereço do nó e o identificador da aplicação. Ao receber esta solicitação, o iod mgmt insere este nó na lista de clientes da aplicação e transmite esta informação aos servidores de metadados. A inserção de servidores temporários em um VIOD é feita pelo próprio IOD durante sua inicialização. A diferenciação entre um IOD temporário dos demais é feita através da opção application-iod. Ela recebe como parâmetro o identificador da aplicação à qual o IOD estará associado. Ao ser inicializado com esta opção, o servidor temporário anuncia ao sistema de arquivos que um novo servidor temporário acaba de ser inserido. Após a inseção de todos os servidores de dados e a associação dos clientes à aplicação, o usuário pode iniciar a execução. A existência de servidores de dados temporários é transparente à aplicação, uma vez que o sistema de arquivos continua se comportando como um sistema NFS padrão. Desta forma, não é preciso qualquer alteração na aplicação para executá-la em um ambiente com servidores de dados exclusivos. Ao final da execução, é preciso notificar o iod mgmt que os servidores temporários não são mais necessários. Isto é feito através do comando delete-execution, seguido do identificador da aplicação. Ao processar esta operação, o iod mgmt envia uma mensagem aos servidores de dados temporários indicando a qual IOD permanente os dados devem ser transferiridos. Finalizada a sincronização entre os servidores de dados, os nós podem ser liberados e o iod mgmt solicita aos servidores de metadados a exclusão da aplicação. Um exemplo de execução utilizando esta interface é mostrado na Figura 3. Para facilitar a utilização desta ferramenta, foi desenvolvido um lançador de aplicações chamado dnfsprun. Este lançador interage com o escalonador do cluster, no caso testado o OAR. Desta forma, é necessário informar apenas o número de nós destinados ao armazenamento, além das informações usuais para executar a aplicação. Por exemplo, a linha seguinte pode ser utilizada para executar uma aplicação utilizando MPI que ne-

5 n1:#iod_mgmgt --create-execution 0 n1:#iod_mgmgt --application-node="client1 0" n1:#ssh iod1 iodng --applicationiod=0 n1:#ssh client1 mytests.sh Resultados da aplicacao n1:#iod_mgmgt --delete-execution=0 Figura 3. Exemplo de inicialização de nós exclusivos Figura 4. Alocação de nós pelo usuário cessite 4 nós de armazenamento: n1:#dnfsprun.sh 4 mpirun -machinefile \ $DNFSP_CLIENTS -np 4 btio.bin 5.2. Tratamento da Inserção No modelo proposto a inserção de novos servidores é baseada na estrutura de VIODs. Cada novo servidor de dados passa a fazer parte de um dos VIODs, de acordo com a configuração atual do sistema. A inserção de servidores temporários é iniciada no momento do lançamento do servidor de dados. Para determinar se um servidor faz parte de um grupo de servidores temporários de uma aplicação é preciso utilizar a opção applicationiod seguida do identificador da aplicação, como ilustrado anteriormente. O procedimento de execução do servidor é ilustrado na Figura 4. Inicialmente, o IOD envia uma mensagem em broadcast sinalizando a sua existência. Esta mensagem é tratada pelo iod mgmt que que analisa a configuração do sistema de arquivos e define o grupo de armazenamento (VIOD) do qual o novo nó vai fazer parte. Em seguida é enviada uma mensagem ao IOD notificando a nova configuração. Apenas um dos iod mgmt trata a requisição do IOD. Além de notificar o IOD sobre o grupo de armazenamento que ele deve fazer parte, o iod mgmt deve notificar todos os demais iod mgmt da nova configuração. Em seguida, cada iod mgmt repassa as modificações aos seus respectivos servidores de meta-dados Caminho de dados com IODs Temporários Apesar das decisões de configuração serem feitas pelo iod mgmt, durante a execução, o caminho percorrido pelos dados é definido pelos servidores de metadados. Uma tabela de mapeamento entre nós de armazenamento e nós de computação permite determinar de forma direta quais servidores de dados pertencem à mesma aplicação de um determinado cliente. Ao receber a configuração do iod mgmt, o servidor de metadados constrói uma tabela hash associando o endereço dos clientes com uma aplicação. Esta tabela é utilizada no tratamento de requisições de escrita e leitura. Através dela, o servidor de metadados procura a aplicação e a lista de servidores de dados associada ao emissor. Se não existe nenhuma entrada nesta tabela, considera-se que o cliente não faz parte de uma aplicação e a requisição é transmitida a um dos IODs permanentes. No caso de existir uma entrada na tabela, o IOD escolhido faz parte da lista de servidores temporários da aplicação. Em consequência disso, requisições de um mesmo tipo podem ser tratadas por grupos de nós diferentes, dependendo da configuração do sistema. Esta multiplicidade de caminhos de dados pode evitar sobrecarga de servidores. Por pertencerem a apenas uma aplicação, os IODs temporários tendem a ser menos requisitados que os servidores permanentes e portanto oferecem maior desempenho. As requisições de leitura transmitidas aos servidores de dados temporários nem sempre podem ser respondidas por eles. Isso ocorre nos casos onde os dados não existem no servidor temporário. Neste caso, a requisição é transmitida a um dos servidores permanentes que pertence ao mesmo VIOD e, portanto, é responsável por tratar do mesmo conjunto de dados. A Figura 5 ilustra a execução de três aplicações. Duas das aplicações não possuem servidores de dados temporários, e por isso concorrem pelo acesso aos servidores de dados permanentes. Por outro lado, os nós que pertencem ao Cliente 3 (C3) possuem servidores de dados temporários, o que permite acessar estes recursos exclusivamente durante suas operações de leitura e escrita. O acesso aos servidores permanentes é feito apenas quando os dados não são encontrados nos servidores temporários. Nesta figura a presença dos servidores de metados foi abstraída, no entanto todas as requisições devem

6 dados. Após a transmissão é possível excluir os servidores de dados temporários e liberar os nós alocados. 6. Resultados Figura 5. Execução de 3 aplicações, sendo que uma possui IODs temporários Para avaliar o mecanismo de inserção de servidores de dados iniciada pelo usuário, foi desenvolvido um conjunto de testes englobando diversas situações que fazem parte deste cenário. O primeiro caso tem como objetivo avaliar o ganho de desempenho ao executarmos uma aplicação com servidores de dados exclusivos em uma situação onde existem outras aplicações executando no cluster. No segundo caso, a analise é voltada para descrever o impacto das diferentes etapas do ciclo de vida da aplicação nas demais aplicações executando no cluster no mesmo instante. Neste caso o objetivo é observar o quanto o desempenho da aplicação é afetado pelas aplicações executando no cluster ao mesmo tempo que ela. Os testes apresentados nesta seção foram executados no i-cluster2 [7] instalado em Montbonnot Saint Martin, France, na sede do INRIA Rhône-Alpes. O cluster é composto por 100 nós. Cada nó é equipado com processadores duais Itanium2 900 MHz com 3 Gb de memória e armazenamento em disco com capacidade de 72Gb, rpm, SCSI. Todos os nós estão inter-conectados utilizando rede 1 Gigabit Ethernet, rede Fast Ethernet e rede Myrinet. Os experimentos foram realizados utilizando a rede 1 Gigabit Ethernet. O sistema operacional instalado nos nós é a versão estável do Debian GNU/Linux, com a versão do núcleo do Linux Desempenho no uso de nós exclusivos Figura 6. Finalização da execução de uma aplicação passar por ele antes de chegar nos servidores de metadados Tratamento da Finalização Quando a aplicação chega ao final de sua execução, é preciso notificar o sistema de arquivos que se deseja retirar os servidores de dados temporários associados a ela e iniciar a replicação dos dados. Uma vez que os servidores de dados temporários deixam de existir após a alocação dos recursos, as informações devem ser copiadas para os IODs permanentes. Ao receber notificação de finalização 6, o gerenciador de servidores de dados envia uma mensagem aos servidores de dados temporários. Nesta mensagem esta incluído o identificador do IOD persistente ao qual ele deve transferir seus Neste teste, foi feito uma instalação do dnfsp contendo 27 clientes, 9 meta-servidores e 9 IODs. Os 27 clientes foram divididos em 3 aplicações compostas de 9 clientes cada uma. Sobre esta configuração foram executados testes de leitura e escrita seqüencial de dados, onde cada cliente escreveu e leu 1GB de dados. Em seguida foram inseridos servidores de dados temporários a uma das aplicações em um número igual ao de servidores de dados permanentes. Para completar o teste, a mesma quantidade de servidores de dados do caso anterior, somando-se permanentes e temporários, foi distribuída na forma de servidores de dados permanentes. As três configurações testadas são ilustradas de forma simplificada na figura 7. Foram feitas 10 execuções de cada caso, e o valor exibido no gráfico é o tempo médio dos nós de cada aplicação. Os resultados do teste de escrita podem ser observados na Figura 8. Como esperado, a execução utilizando servidores de dados exclusivo trouxe os melhores resultados para a aplicação que possui servidores temporários. As demais aplicações tiveram resultados iguais entre si, visto que compartilham o mesmo

7 Figura 9. Resultado da leitura de dados utilizando servidores de dados temporários Figura 7. Descrição dos cenários utilizados para avaliar o desempenho da inserção dinâmica de servidores de dados iniciada pelo usuário tadados na transferência de dados, visto que os dados são transferidos diretamente entre o servidor de dados e o cliente. Como o tempo de transferência é menor, o impacto da existência de servidores de dados temporários é menos visível, mas mesmo assim foi possivel obter um ganho de desempenho de 11% utilizando servidores temporários Impacto dos Servidores Temporários nas Demais Aplicações Figura 8. Resultado da escrita de dados utilizando servidores de dados temporários recurso. No caso onde existiam 18 servidores de dados permanentes houve um ganho de desempenho das aplicações sem IODs temporários, mas para a aplicação 3 este não foi o melhor resultado entre as três configurações testadas. Isso mostra que o uso de servidores de dados exclusivos para a aplicação pode oferecer vantagens de desempenho que não seriam obtidas se os recursos fossem compartilhados com as demais. O ganho da aplicação 3 utilizando servidores temporários ao ser comparado com o primeiro é de 45%. Já na Figura 9 temos o comparativo da leitura dos dados. Neste caso não existe a participação do servidor de me- Este teste tem como objetivo traçar um perfil da taxa de transferência de dados das aplicações durante a utilização do mecanismo de servidores de dados temprários. O cenário de testes é o mesmo da seção anterior. No entanto, é feita a transferência de dados contínuamente, obtendo-se a taxa de transferência de cado em determinados instantes da execução. A Figura 10 mostra o perfil dos resultados obtidos. Inicialmente existem apenas 9 servidores de dados compartilhados pelas três aplicações (t1). Portanto a taxa de transferência consumida por cada uma é igual. Após 100 segundos de teste (t1), a Aplicação 3 insere 9 servidores de dados temporários. Em consequência disso ela tem sua taxa de transferência quase dobrada. Nos 100 segundos subsequentes as aplicações continuam a transferir, até que no instante t2 a Aplicação 3 finaliza sua execução. Neste instante, os dados armazenados nos servidores temporários são transferidos para os permanentes. Como a operação de replicação não envolve os servidores de metadados, tanto a Aplicação 1 quanto a Aplicação 2 passam a ter uma maior taxa de transferência. Ao finalizar a replicação no instante t3 as aplicações 1 e 2 passam a obter taxas de transferência ainda maiores pois os servidores de dados permanentes não estão mais envolvidos na replicação e portanto podem se dedicar plenamente às operações destas duas aplicações.

8 modelo para a supressão de nós causadas por falha. Este tratamento, aliado a técnicas de replicação pode aumentar a disponibilidade do sistema. Referências Figura 10. Impacto do mecanismo de IODs temporários nas demais aplicaçoes executando no cluster 7. Conclusão O desempenho do armazenamento de dados pode ser um fator determinante no desempenho final de algumas aplicações. Por isso é necessário que uma arquitetura de alto desempenho, com é o cluster, ofereça soluções que satisfaçam estas necessidades. Para facilitar esta tarefa, foi apresentado neste trabalho um modelo que permite ao usuário adaptar o sistema de arquivos às suas necessidades. Isto é feito através da inclusão de servidores de dados temporários. Estes recursos são alocados juntamente com os nós de processamento, e servem de armazenamento exclusivo para a aplicação. Para validar este modelo foi feita uma implementação tendo como base o sistema de arquivos dnfsp. Testes de desempenho foram executados e mostraram um ganho de desempenho na ordem de 50% nas operações de escrita, e de 10% nas operações de leitura. Atualmente está em desenvolvimento a expansão deste [1] T. Anderson, M. Dahlin, J. Neefe, D. Pat-terson, D. Roselli, and R. Wang. Serverless network file systems. In In Proceedings of the 15th Symposium on Operating System Principles. ACM, pages , Copper Mountain Resort, Colorado, December [2] R. B. Ávila, P. O. A. Navaux, P. Lombard, A. Lebre, and Y. Denneulin. Performance evaluation of a prototype distributed NFS server. In J.-L. Gaudiot, M. L. Pilla, P. O. A. Navaux, and S. W. Song, editors, Proc. of the 16th Symposium on Computer Architecture and High Performance Computing, pages , Foz do Iguaçu, Oct Washington, IEEE. [3] P. H. Carns, W. B. Ligon III, R. B. Ross, and R. Thakur. PVFS: a parallel file system for Linux clusters. In Proc. of the 4th Annual Linux Showcase and Conference, pages , Atlanta, GA, Best Paper Award. [4] Cluster File Systems, Inc. Lustre: A scalable, high-performance file system, Available at (July 2004). [5] F. Garcia-Carballeira, A. Calderon, J. Carretero, J. Fernandez, and J. M. Perez. The design of the expand parallel file system. International Journal of High Performance Computing Applications, 17(1):21 37, [6] J. H. Hartman and J. K. Ousterhout. The Zebra striped network file system. In H. Jin, T. Cortes, and R. Buyya, editors, High Performance Mass Storage and Parallel I/O: Technologies and Applications, pages IEEE Computer Society Press and Wiley, New York, NY, [7] i-cluster 2, Available at: <http://icluster2.inrialpes.fr>. Access in: May [8] R. Kassick, C. Machado, E. Hermann, R. Ávila, P. Navaux, and Y. Denneulin. Evaluating the Performance of the dnfsp File System. In 5th Int. Symposium on Cluster Computing and the Grid (CCGrid 2005), Cardiff, UK, May IEEE Press. [9] R. Latham, N. Miller, R. Ross, and P. Carns. A nextgeneration parallel file system for linux clusters. LinuxWorld, 2(1), January [10] P. Lombard and Y. Denneulin. nfsp: A distributed nfs server for clusters of workstations. In IPDPS 02: Proceedings of the 16th International Parallel and Distributed Processing Symposium, page 352, Washington, DC, USA, IEEE Computer Society. [11] Sun Microsystems, Inc. RFC 1094: NFS: Network File System Protocol specification, Mar [12] Y. Zhu, H. Jiang, X. Qin, D. Feng, and D. Swanson. Improved read performance in a Cost-Effective, Fault-Tolerant Parallel Virtual File System (CEFT-PVFS). In Proceeding of IEEE/ACM International Symposium on Cluster Computing and the Grid (CCGRID), Tokyo, Japan, May 2003.

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Reconfiguração Automática de I/O para Aplicações Paralelas no Sistema de Arquivos dnfsp2

Reconfiguração Automática de I/O para Aplicações Paralelas no Sistema de Arquivos dnfsp2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO RODRIGO VIROTE KASSICK Reconfiguração Automática de I/O para Aplicações Paralelas no Sistema de

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula Autoria 1 versão Alunos de disciplina do PPGC Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer Sistemas Distribuidos Sistema de Arquivos Distribuídos 1 Sistemas Distribuidos Sistema

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistema de Arquivos Distribuídos

Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos A interface cliente para um sistema de arquivos é composta por um conjunto de primitivas e operações em arquivos (criar, apagar, ler, escrever)

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE***

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO TÓPICOS EM COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA - MO809 A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** Aluno: Joaquim Domingos Mussandi

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DISCIPLINA: ARQUITETURAS PARALELAS. Hadoop e QEF: Uma abordagem distribuída para aplicações de Astronomia

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DISCIPLINA: ARQUITETURAS PARALELAS. Hadoop e QEF: Uma abordagem distribuída para aplicações de Astronomia UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO (IC) RELATÓRIO DE ATIVIDADES DISCIPLINA: ARQUITETURAS PARALELAS Hadoop e QEF: Uma abordagem distribuída para aplicações de Astronomia Henrique Klôh

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Visão do Usuário da DSM

Visão do Usuário da DSM Memória Compartilhada Distribuída Visão Geral Implementação Produtos 1 Memória Compartilhada Distribuída Mecanismos tradicionais de comunicação via RPC/RMI ou mensagens deixam explícitas as interações

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula

Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula Carlos A. F Maron¹, Dalvan Griebler², Adriano Vogel¹, Claudio Schepke³ ¹Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS 1 - Objetivos Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS Relatório Nº 03/2013 Porto Alegre, 22 de Agosto de 2013. ANÁLISE DE SOLUÇÕES: # RAID 1: O que é: RAID-1 é o nível de RAID que implementa o espelhamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade

Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Compartilhamento de Dados em Storage de Alta Disponibilidade Leonardo Antônio dos Santos¹ Orientadora Prof. Esp. Sabrina Vitório Oliveira Sencioles¹ Co-orientador M.Sc. Pedro Eugênio Rocha² ¹Faculdades

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

Avaliação de Sistemas de Arquivos Distribuídos num Ambiente de Pequena Escala

Avaliação de Sistemas de Arquivos Distribuídos num Ambiente de Pequena Escala Avaliação de Sistemas de Arquivos Distribuídos num Ambiente de Pequena Escala Amadeu Andrade Barbosa Jr., Fabíola Greve, Luciano Porto Barreto 1 Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0

Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0 White paper Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0 Análise detalhada Resumo Com o ritmo sempre crescente dos ambientes virtuais implantados na nuvem, os requisitos de proteção

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1

RAID 1. RAID 0 2. RAID 1 EJAV - ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL JOSÉ APRÍGIO BRANDÃO VILELA Curso Técnico de Informática Professor Jonathas José de Magalhães AULA 08 - RAID RAID O desempenho das memórias secundárias

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica

Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica 1. Introdução Bruno Barcarollo Gauer 1 1 Universidade Federal do Paraná (UFPR) Curitiba PR Brazil bbg09@inf.ufpr.br A

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Características O que são os Sistemas Distribuídos? Benefícios : Não são consequências automáticas da distribuição;

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados *

SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados * paper:6 SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados * Vítor Silva 1, Daniel de Oliveira 2 e Marta Mattoso 1 1 COPPE Universidade Federal do Rio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais