Antena Implantável de Banda Ultra-Larga para Transmissão e Armazenamento de Dados Médicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Antena Implantável de Banda Ultra-Larga para Transmissão e Armazenamento de Dados Médicos"

Transcrição

1 1 Antena Implantável de Banda Ultra-Larga para Transmissão e Armazenamento de Dados Médicos J. Manuel Felício, C. António Fernandes, Senior Member, IEEE, and J. Manuel Costa, Senior Member, IEEE Resumo Este artigo apresenta uma antena de banda ultralarga implantável no corpo, que deverá ser integrada juntamente com uma memória flash para receber e transferir via rádio dados vitais de e para um instrumento exterior. A antena pode atingir um débito binário máximo de 1.43 Gbps permitindo às equipas médicas o acesso prático e quase instantâneo a um grande volume de informações vitais sobre o paciente em caso de emergência. Trata-se de uma antena impressa, cuja configuração é uma evolução de uma antena já apresentada anteriormente. Tem um diâmetro de 15 mm e funciona na banda GHz. As medidas são feitas utilizando um meio líquido que emula as propriedades electromagnéticas do músculo humano. Intencionalmente, o ritmo de transmissão diminui consideravelmente à medida que a distância de leitura aumenta como forma de assegurar a privacidade da informação. A distância óptima de leitura é da ordem dos 20 mm. Palavras-chave antena de banda ultra-larga, antena implantável, phantom, fidelidade, débito binário. N I. INTRODUÇÃO OS últimos anos tem-se assistido a um grande investimento por parte da comunidade científica com o objectivo de desenvolver novas soluções biomédicas que visem a melhoria do bem-estar dos pacientes ou a prevenção de doenças. Algumas das áreas em que mais se tem investido são a prevenção do cancro da mama [1]-[3], a monitorização do glaucoma [4], [5] e do nível de glucose no sangue [6], [7] e a telemetria de sinais vitais [8]. Muitas destas soluções são para ser implantadas dentro do corpo humano para que a monitorização seja contínua. Contudo, para que se tenha acesso a essa informação é necessário transmiti-la do dispositivo implantável para um dispositivo exterior. A Comissão de Comunicações Federais (do inglês Federal Communications Comission FCC) e o Comité de Comunicações Electrónicas (do inglês Electronic Communications Committee ECC), organismos estes que regulam as comunicações nos Estados Unidos da América e na Europa respectivamente, definem duas bandas para utilização de aplicações médicas [9]: a banda MICS (do inglês Medical Implant Communication Service) que se estende desde os 402 MHz até aos 405 MHz; e a banda ISM (do inglês Industrial, Scientific and Medical) que cobre o espectro de 2.4 GHz a GHz. Tanto uma como a outra dispõem de uma banda muito reduzida. No entanto, na transmissão de quantidades elevadas de informação é preferível dispor de bandas mais largas, para que a transmissão se faça com maior rapidez. Algumas antenas implantáveis de banda ultra-larga foram já apresentadas por alguns autores [10]-[13]. Em [10] e [11] são propostas antenas de banda ultra-larga para implantar por baixo do escalpe da cabeça para monitorização da actividade do cérebro, enquanto que em [12] os autores sugerem um antena para endoscopias. Nestes casos o objectivo é transferir a informação recolhida para um dispositivo de leitura exterior. Para além disso, os autores não fazem o estudo do débito binário que as soluções propostas podem atingir. Apenas em [10] os autores fazem uma breve referência a que a antena poderá ser utilizada em aplicações com débitos binários elevados, mas sem nunca referir que valor era este. Neste artigo propõe-se uma antena de banda ultra-larga. Esta é uma evolução da antena apresentada em [14]. Quando integrada com uma memória flash, permite o armazenamento e transmissão de qualquer tipo de dados (exames médicos, historial médico, alergias a medicamentos, entre outros). Estes podem ser carregados/descarregados de e para um dispositivo de leitura exterior. Desta forma, espera-se melhorar o tempo de reacção de uma equipa médica em caso de urgência, já que bastará varrer a área onde está a antena para obter a informação lá armazenada. Assim, pode compensar-se o tempo de acesso do sistema centralizado actual, onde está registado todo o historial do paciente, tempo esse que poderá ser demasiado longo em caso de emergência. Note-se ainda que num país estrangeiro poderá nem haver acesso a esta base de dados médica. Tendo em conta esta solução, o tempo de acesso à informação, que pode variar entre umas centenas de megabytes a alguns gigabytes, é crucial que seja o mais curto possível. Também a potência deve ser o mais baixa possível, uma vez que se trata de um dispositivo implantável e que por isso tem restrições de potência impostas pela FCC e ECC [15]. Por fim, a distância de leitura dos dados armazenados deve ser muito curta (na ordem de poucos centímetros) de forma a evitar leituras não consentidas pelo portador do dispositivo. Este artigo encontra-se organizado como se segue: a secção

2 2 II descreve a geometria e o dimensionamento da antena; na secção III é fabricado um material com as propriedades eléctricas do músculo, designado phantom, onde o protótipo é testado; os resultados obtidos são demonstrados e comparados com as simulações nas secções IV e V, de acordo com o desempenho electromagnético e transmissão de dados, respectivamente; por fim, na secção VI são tiradas as principais conclusões. II. DIMENSIONAMENTO DA ANTENA A antena apresentada neste artigo deriva da antena de banda ultra-larga descrita em [14]. Trata-se de uma antena plana constituída por duas fendas exponenciais cruzadas que intersectam uma fenda em forma de estrela, impressas num substrato, como ilustrada pela Fig. 1 a). Daqui para a frente a antena será referida como XETS, proveniente da sigla em inglês Crossed Exponentially Tapered Slot. a) b) Fig. 1: a) Vista frontal do XETS no CST; b) Protótipo fabricado. Devido à sua geometria balanceada, a antena exibe níveis de polarização cruzada e distorção de pulsos baixos e um centro de fase estável. Para além disso, o diagrama de radiação mantém-se estável ao longo da frequência. A antena foi dimensionada para funcionar de 1.4 GHz a 4.2 GHz, implantada no músculo. Esta banda foi escolhida como um compromisso entre penetração da radiação no corpo e tamanho da antena. As dimensões dos parâmetros da antena são apresentados na TABELA 1, de acordo com a nomenclatura apresentada em [14]. TABELA 1 DIMENSÕES DOS PARÂMETROS DO XETS PARA A APLICAÇÃO DENTRO DO CORPO EM MILÍMETROS. w 0 C 0 L D front w S L in L out D S O XETS tem um diâmetro total de aproximadamente 15 mm, o que pode não ser muito apelativo para um implante, mas torna mais fácil o fabrico de um protótipo e serve para provar o conceito, tal como se pretende neste artigo. Ainda assim, deve notar-se que para reduzir o tamanho da antena, basta fazer uma mudança da banda de operação para frequências superiores. De grosso modo, se a frequência duplicar, o tamanho será reduzido para metade. Foi fabricado um protótipo utilizando um substrato Duroid 5880 (ε r = 2.2 e tangente de perdas tan(δ) = ) com espessura h = 10 mil (0.254 mm). A antena é alimentada entre as pétalas frontais através de um cabo coaxial EZ-47 de diâmetro 1.19 mm, como mostra a Fig. 1 b). III. PHANTOM É necessário testar a antena imersa num material electricamente semelhante ao músculo humano para que se possa estudar o seu funcionamento, uma vez que não é possível fazê-lo dentro do próprio corpo humano. O material idêntico electricamente ao músculo é geralmente denominado phantom. As propriedades eléctricas do músculo foram estudadas em [16]. É possível encontrar diversos phantoms na literatura. No entanto não é o propósito deste trabalho desenvolver uma mistura complexa que replique as propriedades eléctricas do corpo na banda de interesse. Como tal, uma solução prática é utilizar a mesma receita utilizada em [17] e que se encontra disponível no laboratório do Instituto de Telecomunicações (IT). Para que seja possível caracterizar electricamente o phantom e utilizá-lo no simulador para estudar o desempenho da antena, é necessário determinar o modelo físico que melhor caracteriza o líquido do phantom. É referido em [18] que o modelo físico que melhor descreve misturas aquosas é o modelo de Cole-Cole. Este assume que a permitividade complexa pode ser descrita como s ' j '' (1) 1 j j 1 0 onde ω é a frequência angular, τ o tempo de relaxação, σ a condutividade e ε s e ε as constantes dieléctricas estática e infinita, respectivamente [18]. É possível determinar os valores do modelo de Cole-Cole que melhor se adaptam às medidas através do método de medição de permitividades complexas descrito em [17]. Tratase de um método, relativamente preciso, baseado na transmissão e reflexão. Consiste numa cavidade metálica que é atravessada por um cabo coaxial. A cavidade é preenchida pelo líquido do phantom e é medida a respectiva matriz de dispersão (representada nas Fig. 2 e Fig. 3). De seguida, calculam-se os parâmetros do modelo Cole-Cole por tentativa erro através de simulações no CST (Computer Simulation Technology) [19]. Quando a simulação for consistente com as medidas, tem-se o respectivo modelo físico. Os parâmetros do modelo estão apresentados na TABELA 2. Como se pode observar pelas figuras Fig. 2 e Fig. 3, o modelo físico do phantom da TABELA 2 é bastante consistente com as medidas, pelo que se pode assumir que o modelo representa razoavelmente bem o líquido. a) b) Fig. 2: Cavidade preenchida com o líquido do phantom: a) coeficiente de reflexão, s 11; b) fase do coeficiente de reflexão.

3 3 a) b) Fig. 3: Cavidade preenchida com o líquido do phantom: a) coeficiente de transmissão, s 21; b) fase do coeficiente de transmissão. TABELA 2 PARÂMETROS DO MODELO COLE-COLE DO PHANTOM. τ[ps] ε ε s σ [S/m] α A permitividade do phantom pode ser determinada calculando a parte real de (1). A permitividade relativa do músculo humano [16] e do phantom na banda GHz estão representados na Fig. 4. Fig. 5: Comparação dos coeficientes de reflexão do XETS: a vermelho e a tracejado está representado o resultado da simulação da antena imersa no músculo; a azul e a tracejado está o resultado da simulação do XETS imesa no phantom; a azul e a sólido está o resultado das medidas do XETS imersa no líquido do phantom. Fig. 4: Comparação das permitividades relativas do músculo humano [16] e do phantom, assumindo o modelo Cole-Cole da TABELA 2. É possível ver que a permitividade do phantom e do músculo não são totalmente iguais na banda de interesse. Contudo, como se verifica no próximo capítulo, isso não tem uma grande influência no desempenho electromagnético da antena. IV. DESEMPENHO ELECTROMAGNÉTICO O coeficiente de reflexão da antena foi simulado e medido. Por forma a perceber o efeito do phantom no desempenho da antena comparativamente às características do músculo, simulou-se a antena imersa no músculo, baseado nas propriedades discutidas em [16], bem como imersa no líquido, assumindo o modelo apresentado na TABELA 2. Estes resultados estão representados na Fig. 5 pelas linhas tracejadas. Como se pode observar, dentro da banda de interesse, o funcionamento da antena não é afectado de forma significativa, uma vez que o coeficiente de reflexão em ambas as situações se encontra abaixo do limite de -10 db. Isto significa que o phantom é válido para o propósito deste artigo, apesar de as propriedades eléctricas do músculo humano e do phantom não serem exactamente as mesmas. Fig. 6: Montagem da antena imersa no líquido para medição do coeficiente de reflexão, s 11. O XETS está colocado a cerca de 3 mm da base do copo de plástico. Assumindo que, de facto, o phantom pode ser utilizado para emular as propriedades do músculo, mediu-se o coeficiente de reflexão da antena embebida no líquido. Para tal, mergulhouse a antena no líquido dentro de um copo de plástico, até cerca de 3 mm da base deste, como ilustra a Fig. 6. Verificou-se que a forma cilíndrica do copo afecta o desempenho da antena apenas marginalmente. O resultado é representado pela linha azul sólida da Fig. 5. A simulação e a medida mostram uma boa correspondência. De modo a compreender como a distância de leitura afecta a potência transmitida do XETS imerso no líquido comparativamente à transmissão em espaço livre, foram considerados dois cenários onde foi utilizado como dispositivo externo de leitura um XETS apresentado anteriormente em [20] e devidamente dimensionado para a banda de interesse. O XETS utilizado como dispositivo de leitura será denominado XETSL a partir de agora. No primeiro cenário, foram colocados frente a frente o XETS imerso (XETSI) no phantom dentro do copo a cerca de 3 mm da base do mesmo e o XETSL (ver Fig. 7). No segundo, foram colocados frente a frente dois XETSL. De seguida, estudou-se a o coeficiente de transmissão, s 21, em cada um dos cenários para diferentes valores da distância entre o XETSL e a segunda antena. Para efeitos deste estudo e porque a banda é bastante larga, tomou-se em consideração o valor do coeficiente de transmissão no centro da banda (f c = 2.8 GHz). A sua variação ao longo da distância está ilustrada na Fig. 8.

4 4 % XETSI XETSL Fig. 7: Montagem para medição da variação do coeficiente de transmissão, s 21, entre o XETS imerso no líquido (XETSI) e o XETS de leitura (XETSL). Fig. 8: Variação do coeficiente de transmissão, s 21, na frequência central ao longo da distância. No primeiro cenário, têm-se perdas de transmissão de cerca de -29 db à frequência central quando as antenas estão posicionadas a 2 cm de distância uma da outra. Na segunda montagem, a distância pode ser aumentada até aos 60 cm, de modo a verificar as mesmas perdas de transmissão de -29 db. Isto significa que para as mesmas condições de potência das duas antenas em espaço livre, o alcance da primeira montagem com o XETSI é de apenas 2 cm. Isto corresponde a uma redução de 25 dbi na potência recebida. Fig. 9: Fidelidade do XETS imerso no líquido do phantom ao longo do ângulo sólido. O ângulo radial é θ, ao passo que o ângulo polar é φ. A fidelidade está à volta de 98%, o que é extraordinariamente bom, pois significa que a antena praticamente não distorce os pulsos radiados. No entanto, a fidelidade por si só não permite estimar o débito binário que a antena suporta. Para isso é necessário um outro indicador, designado E90. O E90 é a janela temporal que a antena demora a radiar 90% da energia de um pulso. Idealmente, quando dois pulsos são transmitidos de seguida não deveriam interferir um com o outro. Contudo, na prática existe interferência inter-simbólica. Uma estratégia para minimizar esta interferência é transmitir um pulso apenas quando 90% da energia do pulso anterior já tiver sido transmitida. Este período de tempo entre os dois pulsos é dado pelo E90 e define o débito binário máximo suportado pelo sistema. O E90 foi simulado, adoptando o mesmo pulso definido por (2). Os resultados podem ser observados na Fig. 10. ns V. DESEMPENHO DE TRANSMISSÃO DE DADOS Geralmente, as antenas de banda ultra-larga são utilizadas em sistemas de transmissão/recepção de pulsos. Como tal, é de extrema relevância que os pulsos sejam transmitidos com a menor distorção possível. Ao indicador da distorção de pulsos que uma antena introduz chama-se fidelidade. Este indicador foi simulado para o caso do XETS imerso no líquido. Para tal, adoptou-se um pulso gaussiano descrito pela expressão 2 t u( t) cos(2 fct)exp 2 (2) em que a frequência central f c = 2.8 GHz e a largura temporal τ = 850 ps. A fidelidade ao longo do ângulo sólido está ilustrada na Fig. 9. Fig. 10: Janela temporal que contém 90% da energia do pulso transmitido pelo XETS imerso no líquido do phantom ao longo do ângulo sólido (o E90 do pulso original é de 0.56 ns). O ângulo radial é θ, ao passo que o ângulo polar é φ. A janela E90 do pulso de entrada é de 0.56 ns, ao passo que para o pulso transmitido é de 0.7 ns no pior caso. O débito binário máximo é, de grosso modo, o inverso do E90, de onde resulta um débito binário máximo de 1.43 Gbps. Este resultado é bastante interessante tendo em conta a aplicação da antena implantada no músculo. Note-se que é possível diminuir a interferência entre pulsos ao impor uma percentagem mais

5 5 elevada de energia transmitida (por exemplo, em vez de considerar 90% da energia transmitida do pulso, pode imporse 99% reduzindo assim o débito binário máximo). Uma vez calculado o débito binário máximo, analisou-se a variação do débito binário com a distância. Para tal, utilizou-se um router Wi-Fi comercial para o efeito, já que a frequência de funcionamento deste (2.4 GHz) se encontra dentro da banda coberta pela antena implantável. Apesar de ser uma solução de baixo custo, poderá fornecer dados interessantes sobre a variação do débito binário com a distância. No entanto, alguns detalhes devem ser tidos em consideração. O router adquirido tem um ritmo binário máximo de 150 Mbps e recorre a diversas modulações e débitos binários conforme a robustez do canal de transmissão, definidos pela norma IEEE n [21]. Estes aspectos são específicos das redes Wi-Fi e podem não se aplicar a uma antena implantável. Além disso, o router pode aumentar a potência de transmissão até 20 dbm, que é uma potência incomportável dentro do corpo humano. O XETSI foi ligado ao router, de acordo com a montagem ilustrada na Fig. 11, e um ficheiro de dimensão conhecida foi transferido para uma antena Wi-Fi comercial a diferentes distâncias. O respectivo tempo de transmissão foi cronometrado, permitindo assim calcular o débito binário médio da transmissão. De seguida, substitui-se o XETSI pelo XETSL e procedeu-se ao mesmo método. A variação do débito binário, D b, médio e de pico encontra-se registado na Fig. 12. Antena USB Wi-Fi Wi-Fi router XETSI Fig. 11: Montagem do router Wi-Fi com o XETSI ligado, colocado frente a frente com a antena Wi-Fi para medição da variação do débito binário ao longo da distância. Fig. 12: Variação do débito binário D b com a distância. Com o XETSL o débito binário médio permanece estável à volta de 90 Mbps, enquanto que o débito binário máximo atinge os 100 Mbps, excepto para uma distância de 50 cm. Nesta situação o XETSL e a antena de recepção acoplam uma com a outra o que explica o débito binário mais baixo. Ao substituir o XETSL pelo XETSI, verifica-se que o débito binário diminui substancialmente com a distância, em que o débito binário médio estabiliza por volta dos 35 Mbps. A 2 cm, obtiveram-se os mesmo valores de débito binário médio e máximo que a montagem com o XETSL, o que significa que a esta distância se está em condições óptimas de transmissão. Note-se que a estabilização do débito binário a distâncias superiores a 20 cm da montagem com o XETSI se deve sobretudo às estratégias que o router utiliza para aumentar a robustez do sistema às falhas do canal de transmissão, pelo que estes resultados devem ser encarados com precaução. Contudo, é possível concluir que o débito binário diminui consideravelmente quando a distância aumenta. Note-se ainda que a análise teórica do XETSI prevê débitos binários bastante mais elevados que a norma de Wi-Fi, pelo que este resultado não apresenta grandes surpresas. VI. CONCLUSÃO Foi apresentada neste artigo um antena implantável de banda ultra-larga que, uma vez integrada com uma memória flash, permitirá estabelecer uma ligação bi-direccional entre a antena implantada e o dispositivo de leitura exterior. Pretendese com esta solução diminuir o tempo de acesso aos dados por parte das equipas médicas em caso de emergência. Para emular as propriedades eléctricas do corpo humano, utilizou-se um material, designado phantom, onde a antena foi imersa. A antena funciona na banda GHz e tem um diâmetro de 15 mm. Esta dimensão pode ser reduzida ainda mais, simplesmente alterando a banda de funcionamento para frequências mais altas. Verificou-se que o débito binário máximo pode atingir os 1.43 Gbps o que é muito satisfatório para esta aplicação. Além disso, observou-se um decréscimo significativo do ritmo binário à medida que a distância entre a antena implantada e o instrumento de medida aumentava, protegendo assim o paciente de medidas não consentidas. REFERENCES [1] S. M. Aguilar, M. A. Al-Joumayly, M. J. Burfeindt, N. Behdad, S. C. Hagness, Multiband Miniaturized Patch Antennas for a Compact Shielded Microwave Breast Imaging Array, IEEE Transactions on Antennas and Propagation, vol. 62, no. 3, March 2014, pp [2] M. Bassi, M. Caruso, M. S. Khan, A. Bevilacqua, A. Capobiano and A. Neviani, An Integrated Microwave Imaging Radar With Planar Antennas for Breast Cancer Detection, IEEE Transactions on Microwave Theory and Techniques, vol. 61, no. 5, May 2013, pp [3] Abbosh A. M., Compact Antenna for Microwave Imaging Systems, Biomedical Engineering Conference (CIBEC), 1-4, 2008, Cairo. [4] Eric Y. Chow, Arthur L. Chlebowski and Pedro. P. Irazoqui, A Miniature-Implantable RF-Wireless Active Glaucoma Introcular Pressure Monitor, IEEE Transactions on Biomedical Circuits and Systems, vol. 4, no. 6, December 2010, pp [5] L. Marnat, M. H., M.Arsalan, K. Salama and A. Shamim, On-Chip Implantable Antennas for Wireless Power and Data Transfer in a Glaucoma.Monitoring SoC, IEEE Antennas and Wireless Propagation Letters, vol. 11, 2012, pp [6] Tuba Yilmaz, Robert Foster and Yang Hao, Broadband Tissue Mimicking Phantoms and a Patch Resonator for Evaluating Noninvasive Monitoring of Blood Glucose Levels, IEEE Transactions on Antennas and Propagation, vol. 62, no. 6, June 2014, pp

6 [7] T. Karacolak, A. Hood and E. Topsakal, Design of a Dual-Band Implantable Antenna and Development of Skin Mimicking Gels for Continuous Glucose Monitoring, IEEE Transactions on Microwave Theory and Techniques, vol. 56, no. 4, April, [8] Asimina Kiourti, Jorge R. Costa, Carlos A. Fernandes, André G. Santiago and Konstantina S. Nikita, Miniature Implantable Antennas for Biomedical Telemetry: From Simulation to Realization, IEEE Transactions on Biomedical Engineering, vol. 59, no. 11, November 2012, pp [9] Asimina Kiourti and Konstantina S. Nikita, Miniature Scalp- Implantable Antennas for Telemetry in the MICS and ISM Bands: Design, Safety Considerations and Link Budget Analysis, IEEE Transactions on Antennas and Propagation, vol. 60, no. 8, August 2012, pp [10] H. Bahrami, S. A. Mirbozorgi, L. A. Rusch, and B. Gosselin, Biological Channel Modeling and Implantable UWB Antenna Deisgn for Neural Recording Systems, IEEE Transactions on Biomedical Engineering, July 2014, vol. -, pp. -. [11] Kamya Y. Yazdandoost, UWB Antena for Body Implanted Applications, Proc. of the 42nd European Microwave Conference, October [12] T. Dissanayake, M.R. Yuce, and H. Chee, Design and Evaluation of a Compact Antenna for Implant-to-Air UWB Communication, Antennas and Wireless Propagation Letters, IEEE, vol.8, no., pp , [13] M. Leib, M. Frei, D. Sailer, and W. Menzel, Design and Characterization of a UWB Slot Antenna Optimized for Radiation in Human Tissue, IEEE International Conference on Ultra-Wideband (ICUWB), [14] Jorge R. Costa, Carla R. Medeiros and Carlos A. Fernandes, Performance of a Crossed Exponentially Tapered Slot Antenna for UWB Systems, IEEE Transactions on Antennas and Propagation, vol. 57, no. 5, pp , May [15] D. Seabury, An Update on SAR Standards and the Basic Requirements for SAR Assessment, Conformity, ETS-Lindgren, April [16] S. Gabriel, R. W. Lau and C. Gabriel, The dielectric properties of biological tissues: III. Parametric models for the dielectric spectrum tissues, Phys. Med. Biol., vol. 41, pp , [17] A. Santiago, Antennas for Body Area Networks, M. S. thesis, DEEC, Technical University of Lisbon, Lisbon, [18] P. M. Buff, M. B. Steer and G. Lazzi, Cole-Cole Dispersion Models for Aqueous Gelatin-Syrup Dielectric Composites, IEEE Transactions on Geoscience And Remote Sensing, vol. 44, no. 2, February [19] CST Computer Simulation Technology, https://www.cst.com/, [20] Jorge R. Costa and Carlos A. Fernandes, Broadband Slot Feed for Integrated Lens Antenna, IEEE Antennas and Wireless Propagation Letters, vol. 6, [21] E. Perahia, IEEE n Development: History, Process, and Technology, IEEE Communications Magazine, vol. 46, no. 7, pp , July

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas 84 Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas CARLOS A. CARDOSO FERNANDES Instituto Superior Técnico Instituto de Telecomunicações O ritmo a que a capacidade de processamento dos computadores tem evoluido

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007).

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007). Antena Dipolo Planar O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Christian Pinheiro Garcias, do Edson dos Santos Souza e do Jean Almeida Cordeiro para a etapa de classificação do III Concurso

Leia mais

Projecto de uma Antena Planar para Aplicação de Telemetria em Ambiente Naval

Projecto de uma Antena Planar para Aplicação de Telemetria em Ambiente Naval Projecto de uma Antena Planar para Aplicação de Telemetria em Ambiente Naval Germano Gonçalves Capela (1) e Nuno Pessanha Santos (1) (1) Escola Naval, Portugal germanocapela@yahoo.com.br, nuno.pessanha.santos@marinha.pt

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes. 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados.

Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes. 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. Catarina C. Cruz Jorge R. Costa Carlos A. Fernandes 2005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. 1. Motivação e Objectivo 2. Configuração da Antena 3. Medidas experimentais 4.

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

I. INTRODUÇÃO II. REQUISITOS DO SISTEMA E DAS ANTENAS

I. INTRODUÇÃO II. REQUISITOS DO SISTEMA E DAS ANTENAS Caracterização de Antena de Impulso Tipo Corneta no Domínio do Tempo Cynthia Junqueira, Marcelo Perotoni, Benedito Sá de Araújo Filho, Rodrigo Vicentini 3 e Mario Afonso Canto 4. IAE - Instituto de Aeronáutica

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

Projeto de Monopolo Banda-Larga com Uso de Anéis Parasitas Cilíndricos

Projeto de Monopolo Banda-Larga com Uso de Anéis Parasitas Cilíndricos Projeto de Monopolo Banda-Larga com Uso de Anéis Parasitas Cilíndricos Cláudio Augusto Barreto Saunders Filho, Maurício Henrique Costa Dias e José Carlos Araujo dos Santos Resumo A técnica de incremento

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA

LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TUBULAÇÕES E OBJETOS ENTERRADOS SEM A NECESSIDADE DE OBRA INVASIVA OU DESTRUTIVA Claiton P. Colvero, Bráulio F. Cunha, Vinícius R. D. Carneiro Sinopse Atualmente as companhias

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB)

DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) DISPOSITIVOS / SISTEMAS QUE UTILIZAM TECNOLOGIA DE BANDA ULTRALARGA (UWB) Revisto a 30 de janeiro de 2015 A tecnologia UWB permite o desenvolvimento de uma vasta variedade de novos dispositivos de curto

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco

Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco Sistema de Detecção de Metano baseado em Espectroscopia por Modulação de Comprimento de Onda e em Fibras Ópticas Microestruturadas de Núcleo Oco F. Magalhães 1, J. P. Carvalho 1,2, L. A. Ferreira 1, F.

Leia mais

Tabela 1 - Atributos e necessidades por grupos. ID Descrição. Local Aplicação Arq. Tráfego. WWW geral TCP/IP BE WWW S1. E-mail TCP/IP BE Email S2

Tabela 1 - Atributos e necessidades por grupos. ID Descrição. Local Aplicação Arq. Tráfego. WWW geral TCP/IP BE WWW S1. E-mail TCP/IP BE Email S2 Planeamento Tabela 1 - Atributos e necessidades por grupos ID Descrição Nº de Utilizad. Local Arq. Tráfego Dest. tráfeg ID Dest. G1 Instituições Sociais, Culturais e Desportivas 150 G2 Empresas 500 G3

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Ramo TEC) Projecto, Seminário e Trabalho Final de Curso Codificador de CDMA Óptico Relatório de progresso Carlos Filipe Vieira Ramos de Freitas

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation Nuno Borges Carvalho nbcarvalho@ua.pt www.av.it.pt/nbcarvalho Universidade de Aveiro 005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Projecto de Antena Compacta de Banda Muito Larga para Terminais Móveis

Projecto de Antena Compacta de Banda Muito Larga para Terminais Móveis Projecto de Antena Compacta de Banda Muito Larga para Terminais Móveis NUNO SÉRGIO GOULÃO DO SERRO Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Júri Presidente:

Leia mais

Estimação de Zonas de Exclusão para Antenas de Estação Base em Sistemas de Comunicação sem Fios

Estimação de Zonas de Exclusão para Antenas de Estação Base em Sistemas de Comunicação sem Fios Estimação de Zonas de Exclusão para Antenas de Estação Base em Sistemas de Comunicação sem Fios Carla Oliveira, Carlos C. Fernandes, Luís M. Correia Instituto de Telecomunicações / Instituto Superior Técnico

Leia mais

exposição à radiação electromagnética

exposição à radiação electromagnética exposição à radiação electromagnética 0 Resumo Radiações e Ondas Electromagnéticas Sistemas de Comunicações Móveis Efeitos das Radiações Electromagnéticas Projecto monit 1 Fontes de Radiação [Fonte: TrainsTowers,

Leia mais

Site Survey (Indoor)

Site Survey (Indoor) Comunicações Móveis Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Site Survey (Indoor) 6 de Junho de 2003 Ricardo Oliveira rmpoliveira@portugalmail.pt

Leia mais

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007).

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007). Antena Yagi-Uda: Desenvolvimento de Antena para Telefonia Celular O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria da Renata Pereira Oliveira para a etapa de classificação do III Concurso Teleco

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

DESCRIÇÃO MICROANTENA INTEGRADA SINTONIZÁVEL COM DIMENSÕES ELÉCTRICAS REDUZIDAS

DESCRIÇÃO MICROANTENA INTEGRADA SINTONIZÁVEL COM DIMENSÕES ELÉCTRICAS REDUZIDAS DESCRIÇÃO MICROANTENA INTEGRADA SINTONIZÁVEL COM DIMENSÕES ELÉCTRICAS REDUZIDAS Âmbito da invenção A presente invenção está genericamente relacionada com o campo dos microssistemas com comunicações sem

Leia mais

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL

A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL A TEMPERATURA NUM CONTEXTO EDUCACIONAL Mário Talaia e Marta Andreia Silva Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt RESUMO O presente artigo surge

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas.

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas. MARS Antennas & RF Systems, é um líder mundial na fabricação e projeto de soluções de antenas de RF e uma Companhia de R&D, com uma capacidade comprovada para projetar e fornecer produtos de custo efetivo

Leia mais

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos.

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos. Página 1 de 9 PROJETOS / Telecom 25/08/2008 10:44:40 Sistemas Wireless em chão de fábricas. Existem diversas opções de padrões de conexão entre equipamentos industriais e computadores. Dentre essas opções,

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22

Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22 Uma Abordagem Sobre o WRAN - IEEE 802.22 Hermano Pereira 1, Roberson Araujo 2 1 Companhia de Informática do Paraná - CELEPAR 80.530-010 Curitiba PR Brasil 2 Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR 81.350-101

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS COMITÉ DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Decisão EEC de 1 de Dezembro de 2006 sobre a harmonização de sistemas GSM a bordo de aeronaves nas faixas de frequências 1710 1785 e 1805 1880 MHz (EEC/DEC/(06)07)

Leia mais

Campos electromagnéticos e saúde pública: telefones móveis e estações base

Campos electromagnéticos e saúde pública: telefones móveis e estações base Fact Sheet Nº 193 Revista em Junho de 2000 Campos electromagnéticos e saúde pública: telefones móveis e estações base Os telefones móveis, também chamados de telefones celulares ou telemóveis, são actualmente

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares

Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares A.M.Cavalcante, E. S. Lelis, G. H. S. Carvalho, G. P. S. Cavalcante e J.C.W.A. Costa UFPA Universidade Federal do Pará Departamento

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Integração das LANs das Delegações Remotas

Integração das LANs das Delegações Remotas Câmara Municipal do Funchal Integração das LANs das Delegações Remotas 2011 Índice Índice... 2 1 Objecto do Concurso... 3 2 Caracterização da actual Infra-Estrutura das redes remotas da CMF... 3 3 Descrição

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010]

SRD s. a) Interfaces Alarmes. PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Parte normativa SRD s a) Interfaces Alarmes PORTUGAL Especificações Interfaces Radio SRD - Alarmes [REFERENCE NUMBER] [1.0 / 2010] Nr Parâmetro Descrição Comentários 1 Serviço de Radiocomunicações Exclusivamente

Leia mais

Exame de Amador de Radiocomunicações

Exame de Amador de Radiocomunicações Exame de Amador de Radiocomunicações Categoria 1 1. O que acontece normalmente às ondas de rádio com frequências inferiores à frequência máxima utilizável (MUF) que são enviadas para a ionosfera? 1. São

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW AIRVIEW 2 - O Analisador espectro AirVIEW da Ubiquiti Networks é uma ferramenta que permite ao administrador de redes wireless determinar canais sobrecarregados e possíveis fontes de interferência que

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS

EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEEC / Secção de Energia Energias Renováveis e Produção Descentralizada EQUIPAMENTO ELÉCTRICO DOS GERADORES EÓLICOS 1ª Parte Princípio de funcionamento

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 2004 / 05. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO ONDAS 004 / 05 Eercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA Ondas (EE) Eercícios TP Índice ÍNDICE I DERIVADAS E INTEGRAIS

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

MINIATURIZAÇÃO DE ANTENAS TIPO PATCH RETANGULAR EM MICROFITA UTILIZANDO A CURVA FRACTAL DE KOCH

MINIATURIZAÇÃO DE ANTENAS TIPO PATCH RETANGULAR EM MICROFITA UTILIZANDO A CURVA FRACTAL DE KOCH MINIATURIZAÇÃO DE ANTENAS TIPO PATCH RETANGULAR EM MICROFITA UTILIZANDO A CURVA FRACTAL DE KOCH Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA (1); Paulo H. da F. SILVA (2); Sandro G. da SILVA (3) (1) Centro Federal

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

4. Teste de propagação

4. Teste de propagação Teste de propagação 56 4. Teste de propagação A maior dificuldade no projeto de WLANs diz respeito à falta de modelos de propagação precisos para ambientes fechados com diferentes características. Por

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas Antenas Antenas Ewaldo LuIz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Antenas Ondas Eletromagnéticas Linha e Antena Cálculos em db / dbi Antenas para

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers

Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Interferências Eletromagnéticas em Data Centers Dr. Paulo S. Marin, Engº. www.paulomarin.com 1 Objetivo avaliar o nível de emissões dentro do data center a interferência eletromagnética ambiente proveniente

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução Mestrado em Engª de Redes de Comunicações REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório 3º ano, 1º semestre, 2010/11 Segunda-Feira, 16:30h Alunos Nome Número João Salada 57849 Marco Alves 57846

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Sistema de resposta interativa SMART Response LE

Sistema de resposta interativa SMART Response LE PENSE ANTES DE IMPRIMIR Especificações Sistema de resposta interativa SMART Response LE Receptor e dispositivo Especificações físicas Dimensões do receptor Peso do receptor Tamanho do dispositivo Peso

Leia mais

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem Introdução Os primeiros filtros construídos eram circuitos LC passivos.

Leia mais

Antenas compactas baseadas em lentes com feixe orientável para terminais de Terra na banda-ka

Antenas compactas baseadas em lentes com feixe orientável para terminais de Terra na banda-ka 1 Antenas compactas baseadas em lentes com feixe orientável para terminais de Terra na banda-ka J. Santos Silva, E. Brás Lima, J. Rodrigues da Costa, C. Cardoso Fernandes Instituto de Telecomunicações,

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Método Termométrico Diferencial

Método Termométrico Diferencial Método Termométrico Diferencial Neste problema vamos utilizar o método termométrico diferencial para realizar as seguintes tarefas: 1. Determinar o ponto de fusão de uma substância sólida cristalina 2.

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Ondas - 2EE 2003 / 04

Ondas - 2EE 2003 / 04 Ondas - EE 3 / 4 Propagação atmosférica Aspectos preliminares. Introdução A comunicação rádio é devida à propagação de ondas electromagnéticas no espaço. No vazio, estas ondas deslocam-se à velocidade

Leia mais