IN0VAÇÃO NA SAÚDE PAPEL DA UNIVERSIDADE PESQUISA DE TRADUÇÃO PROF JORGE KALIL FACULDADE DE MEDICINA DA USP DIRETOR DO INSTITUTO BUTANTAN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IN0VAÇÃO NA SAÚDE PAPEL DA UNIVERSIDADE PESQUISA DE TRADUÇÃO PROF JORGE KALIL FACULDADE DE MEDICINA DA USP DIRETOR DO INSTITUTO BUTANTAN"

Transcrição

1 IN0VAÇÃO NA SAÚDE PAPEL DA UNIVERSIDADE PESQUISA DE TRADUÇÃO PROF JORGE KALIL FACULDADE DE MEDICINA DA USP DIRETOR DO INSTITUTO BUTANTAN

2 Inovações dos Medicamentos Produtos naturais e derivativos Química Penicilinas sulfanamidas Aspirina Receptores NSAIDS Psicotropicos Enzimas Antagon. H2 bloqueadores Engenharia genética Redutores de lipídeos Inibidores da ECA Farmacologia celular Biologia molecular Drogas de biotecnologia Doença degenerativa crônica associada com a idade, inflamação e cancêr

3 Cadeia de Valor Inovação em Saúde Patentes Mercados de capital Transparência Ciência baseada em padrões internacionais A infra-estrutura legal e regulatória assegura inovação e investimentos Cadeia produtiva segura Necessidade de assuntos legais e regulatórios Infraestrutura legal e regulatória Pacientes com doenças não tratadas contribuem com o aumento das necessidades médicas Pesquisa Gera inovação Desenvolvimento Marketing e Manufatura Saúde Paciente com acesso a informação Melhoria da saúde ROI Identifica novos tratamentos Novo produto aprovado Distribuição Trabalhadores mais produtivos Desenvolvimento de novas tecnologias Testes clínicos Retorno do Investimento Pesquisa básica em instituições Pesquisa acadêmicas Fábricas Educação e treinamento Setor Privado

4 1. A produção científica depende do sistema nacional de CT&I

5 CIÊNCIA E TECNOLOGIA Mudança conceitual Modelo linear com defasagem Pesquisa (conhecimento) Tecnologia (aplicação) Modelo circular sem defasagem Pesquisa Tecnologia Necessidade de aplicação estimula a pesquisa. Novas tecnologias permitem novas descobertas. Setor privado também faz pesquisas. Ciclo virtuoso

6

7 Brazil USA Japan Germany French Ingland Corea China Mexico Israel India PATENTS Number Percentage S&T Budget (% of GNP 2004)

8

9 SCREENING OF BIOACTIVE COMPOUNDS OF ANIMAL VENOMS Pharmacological Activities ANALGESIC ANTIINFLAMATORY ANTI-MICROBIOLOGICAL ANTI-COAGULANT ANTI-TUMORAL NERVOUS SYSTEM ACTION ANTI-VENOMS REACTIVITY ANTI-HYPERTENSION Venom Composition by Transcriptomics and Proteomics

10 PATENTS From animal secrections (32) LOPAP (4 PATENTS APPLICATION) Prothrombin activator, defibrinogenating/ antithrombotic agent kit for diagnosis of dysprothrombinemias anti-apoptotic activity TICKS SALIVARY GLANDS A new anticoagulant and anti-tumoral agent Microarray analysis Lonomia obliqua Amblyomma cajennense

11 PATENTS Biotechnological (16) New developments in Pertussis Vaccines with Appropriate technologies Whole Cell Pertussis Vaccine Low LPS content- Whole Cell Pertussis less reactogenic low cost B. pertussis fermentation Tangential filtration WCP Infants Organic extraction WCP Low Patent Clinical Trials 2007 Neonates Recombinant BCG-Pertussis Immunization at birth Adolescents Acellular Pertussis Vaccine Patent Clinical Trials planned 2009 MPLA Adjuvant Patent IMMUNOGENIC COMPLEX FORMED BY VACCINAL ANTIGENS ENCAPSULATED BY NANOSTRUCTURED MESOPOROUS SILICA Under GMP production Patent C R I S T A L O G R A P H Y L A B O R A T O R Y

12

13 Forças e fraquezas da ciência e inovação brasileira Forças 1. Estabilidade econômica e política. 2. Base crescente de conhecimento e capital humano. 3. Apoio federal para CT&I, tanto financeiro como regulatório, bem organizado. 4. Posição desafiadora no sistema glo bal de propriedade intelectual. 5. Riqueza de capital ambiental. 6. Uma cultura que promove a criatividade. 7. Heróis locais. Fraquezas 1. Desigualdades sociais e regionais. 2. Baixa taxa de conversão da base de conhecimento em inovação. 3. Um sistema voltado para dentro. 4. Peso tributário. 5. O peso do capital ambiental. 6. Um sistema educacional aquém de seu potencial. 7. Incapacidade de explorar inteiramente seu potencial de atrair talentos.

14 2. A produção científica/pessoal

15 Artigos em Periódicos Indexados Brasil: Produção Científica Artigos indexados [ISI] Artigos circ. nacional Artigos circ. internacional Artigos em anais [ N+I ] Artigos científicos Livros Capítulos de livros Teses Dissertações Plataforma Lattes

16 I

17

18

19 Brasil: forte potencial de geração de conhecimento Mestres e doutores titulados anualmente Mestrado Doutorado ,4 mil doutores formados em fonte: Capes/MEC

20 Número de Engenheiros no Brasil 1. Formados/1000 habitantes Korea: 0.80 Alemanha: 0.33 EUA: 0.22 Brasil: Em atividade/1000 habitantes EUA/Japão: 25 Brasil: 6 C.H. Brito Cruz, Science and Technology in Brazil.

21

22 Nossos cientistas ainda estão principalmente nas universidades Distribuição percentual de pesquisadores, em equivalência de tempo, por setores institucionais, 2005 Argentina 11,8 44,6 41,7 Portugal 14,0 19,6 53,0 Brasil (1) 6,6 26,3 65,9 Espanha 18,4 32,4 49,0 Rússia 15,2 33,3 51,2 França 12,4 32,7 53,2 Canadá (1) 5,8 33,0 60,9 Alemanha 14,8 24,3 60,9 Japão 4,8 25,6 68,3 Coréia do Sul 7,1 15,2 76,6 Estados Unidos 3,4 13,3 79,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 ensino superior % pesquisadores setor empresarial governo Fonte: Main Science and Technology Indicators - OECD /1 e para o Brasil, MCT.

23

24 3. O perfil da nossa ciência em relação ao internacional

25 Produção Científica Brasileira 24 Grandes Áreas ( artigos) Rank Área do Conhecimento Medicina Física Química Pesquisa Animal & Vegetal Biologia & Bioquímica Ciências Agrícolas Engenharia Neurociências & Comportamento Ciências dos Materiais Ecologia & Meio-Ambiente Farmacologia Microbiologia 2.6 Rank Área do Conhecimento Geociências Biologia Molecular & Genética Matemática Ciências Sociais Imunologia Multidisciplinar Ciências Espaciais Psicologia/Psiquiatria Ciências da Computação Economia & Administração Educação Direito Fonte: ISI Institute for Scientific Information (Hoje Thompson Scientific). National Science Indicators (NSI), 2005.

26 Publicações USP Base Scopus Medicina Bioquímica, Genética e Biologia Molecular Física e Astronomia Agricultura e Ciências Biológicas Química Imunologia e Microbiologia Toxicologia, Farmacologia e Ciências Farmacêuticas Ciências Planetárias e Terra Ciências de Materiais Matemática Neurociências Engenharias 37% 20% 16% 14% 10% 7% 6% 6% 5% 5% 5% 4% 25% 16% 22% 14% 14% 6% 5% 5% 8% 8% 3% 5% 31% 15% 17% 14% 13% 6% 5% 4% 6% 6% 4% 5% Zago, MA; 2007.

27 Produção Científica Área de Saúde Humana Aumento consistente do volume da produção científica brasileira na área de saúde. Qualidade? Aumento consistente da produção relacionada com tecnologia avançada. Ritmo de crescimento e volume de trabalhos produzidos: maiores da América Latina. Volume total de trabalhos produzidos muito inferior ao de países líderes. Colaboração com países latino-americanos ainda muito exígua. Zago, MA; 2007.

28 4. A importância da cooperação internacional

29 NÚMERO DE PUBLICAÇÕES ORIGINAIS NO BRASIL COM E SEM CO-AUTORES ESTRANGEIROS: base do ISI, Sem colaboração Número de Publicações Com colaboração % com colaboração Publicações em Colaboração, % Ano Fonte: National Science Indications,

30 Colaboração internacional do Brasil em 2001 (3.369 artigos) PAÍS % Estados Unidos 39.0 França 13.8 Reino Unido 12.8 Alemanha 10.7 Itália 7.0 Espanha 6.9 Argentina 5.9 Canadá 4.8 Rússia 4.0 Japão 3.5 Fonte: Institute for Scientific Information, Science Citation and Social Citation Indexes; CHI Research Inc., Science Indicatiors database; and National Science Foundation, Division of Science Resources Statistics. Adaptado de INFOBRIEF, SCIENCE RESOURCES STATISTICS, August 2004.

31 Relação da Média de Citações/Publicações, classificadas segundo a existência ou não de co-autores estrangeiros: Base do ISI (1981, 1984, 1988, 1992, 1996, 1998) : 4 3,5 3 2, , ,5 0 Sem co-autores estrangeiros : Citações/Publicações Com co-autores estrangeiros : Citações/Publicações Adaptado de Leta e Brito Cruz, 2003.

32 MAJOR CHALLENGES TO INTERNATIONALIZE ST&I, ESPECIALLY IN DEVELOPING COUNTRIES UNIVERSILIZE SCIENCE EDUCATION FOR ALL LEVELS. ENLARGEMENT OF THE CAPACITY BUILDING OF PERSONNEL IN ST&I. DEEPEN THE RELATION BETWEEN UNIVERSITY AND INDUSTRY USING KNOWLEDGE TO BENEFIT OF SOCIAL AND ECONOMIC DEVELOPMENT. INCREASE THE INVESTIMENT OF ST&I (AT LEAST 1% OF GNP) WITH GREATER PARTICIPATION OF THE PRIVATE SECTOR. STIMULUS FOR INNOVATION. InterAcademy Council

33 Desafios para a inserção internacional da ciência brasileira 1. Incrementar cooperação institucional. (MCT-MRE...ABC) 2. Evitar assimetrias. (equipes de igual competência) 3. Estabilidade/continuidade. (equipes/financiamento) 4. Previlegiar cooperações multilateral vs bilateral.

34 5. O papel das Universidades na inserção internacional

35 EVOLUTION OF BRAZILIAN ISI PUBLICATION BY MAIN SECTORS Leta, J. et al., Scientometrics, 2005.

36 THE MOST PROLIFIC BRAZILIAM INSTITUTIONS BY SECTOR ( ) Public Sector Private Sector Universities Share Non-Universities Share Share 1. Univ São Paulo 23.89% 1. Braz Agr Res Coorp 3.01% 1. Cath Univ Rio Janeiro 1.60% 2. Campinas State Univ 9.69% 2. Oswaldo Cruz Fnd - RJ 2.77% 2. Cath Univ Rio G Sul 0.39% 3. Fed Univ Rio Janeiro 9.28% 3. Braz Center Res Phys 1.78% 3. Cancer Hosp 0.28% 4. State Univ São Paulo 6.34% 4. Natl Inst For Space Res 1.45% 4. Ludwig Inst 0.28% 5. Fed Univ R G Sul 5.47% 5. Natl Com Nucl Energy 1.28% 5. Vale Itajai Univ 0.17% 6. Fed Univ Minas Gerais 5.19% 6. Butanta Inst 0.67% 6. Univ São Francisco 0.15% 7. Fed Univ São Paulo 3.54% 7. Ctr Aerosp Technol 0.56% 7. Mogi Cruzes Univ 0.14% 8. Fed Univ São Carlos 2.88% 8. Natl Inst Res Amazon 0.52% 8. Braz Lutheran Univ 0.12% 9. Fed Univ Santa Catarina 2.35% 9. Natl Inst Pure & Apll Math 0.48% 9. Albert Einstein Hosp 0.12% 10. Fed Univ Pernambuco 2.34% 10. Adolfo Luz Inst 0.42% 10. Cath Univ Campinas 0.11% Leta, J. et al., Scientometrics, 2005

37 Produção Científica das IES Brasileiras Prof. Dr. Roberto Leal Lobo e Silva Filho Prof. Dr. Oscar Hipólito Instituto Lobo, 2008.

38 AS 20 MAIORES UNIVERSIDADES DO PAÍS Universidade Paulista Universidade Estácio de Sá (RJ) USP Universidade Luterana do Brasil (RS) Universidade do Vale do Rio dos Sinos (RS) PUC - MG Universidade Federal do Pará Universidade do Vale do Itajaí (SC) Universidade Federal do Rio de Janeiro PUC (RS) Universidade Bandeirante de São Paulo Universidade Presbiteriana Mackensie (SP) UNESP (SP) Universidade de Caxias do Sul (RS) Universidade Salgado de Oliveira (RJ) Centro Universitário da Cidade (RJ) Universidade Católica de Goiás Universidade Federal da Fluminense Universidade Federal da Paraiba PUC Campinas (SP) Pùblica Privada

39 ESTRUTURA DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL População Total Inst Inst. (PIB/capita) Matrícula Pública% Privada% Brasil % 65% (R$5.648) Região % 32% Nordeste (R$2.603) Região ,4% 76,6% Sudeste (R$7.706) Estado de ,4% 83,6% São Paulo (R$9.183)

40 A UNIVERSIDADE E OS DESAFIOS PARA A INOVAÇÃO 1. Formar recursos humanos qualificados para a inovação: profissional acabado x profissional em educação continuada é o mercado que identifica o conhecimento necessário para o avanço, mas é a Universidade que poderá provê-lo, organizando cursos de educação continuada. o desenvolvimento de um novo produto ou processo inicia pela apropriação do conhecimento novo geralmente existente na Universidade. a parceria Universidade/Empresa depende da criação de uma cultura comum que pode ser desenvolvida nos cursos de educação continuada, possibilitando à Universidade o reconhecimento do mundo real e à empresa a potencialidade existente na Universidade. Science and Technology in Society Forum. Kyoto, Japan, 2006.

41 A UNIVERSIDADE E OS DESAFIOS PARA A INOVAÇÃO 2. Participar diretamente do esforço nacional de inovação. Lei de inovação: assessoria, consultoria, uso de laboratório, projetos em parceria etc. Participação limitada Foco da inovação é a empresa. A Universidade tem missão própria (educação, cultura, criação de conhecimento).

42 A UNIVERSIDADE E OS DESAFIOS PARA A INOVAÇÃO 3. Criar o conhecimento novo: a multidisciplinaridade na pesquisa organização departamental hoizontal x organização vertical 4. Desenvolver áreas de pesquisa consideradas estratégicas para o sistema CT&I nacional Institutos x redes temáticas

43

44 A Área Médica 1. Importância. 2. Capacitação. 3. Financiamento 4. Centros de Pesquisa.

45 DESAFIOS DE CT&I NA ÁREA MÉDICA Recuperação dos hospitais universitários como centros de pesquisa médica (equipes multidisciplinares). Reverter a noção de que o ensino profissional de medicina pode ser feito de maneira desvinculada da geração de conhecimento. Apoiar a criação, expansão ou consolidação de novos centros. Corrigir desvios da pós-graduação na área médica, reorientando-a para a formação de pesquisadores (carácter científico). Ciência no Brasil - ABC, 2002.

46 DESAFIOS DE CT&I NA ÁREA MÉDICA Promover a pesquisa colaborativa em rede para responder rapidamente a questões relevantes. Promover a pesquisa médica em associação com pesquisa básica para geração de conhecimento genuinamente nacional em questões específicas, e também como forma de estruturar um setor produtivo na área de tecnologia ligada à saúde. Selecionar objetivos restritos com prioridade para promover o desenvolvimento tecnológico (equipamentos e medicamentos). Ciência no Brasil - ABC, 2002.

47 Uma visão Geral da Pesquisa em Saúde no Brasil. Universidades e Institutos de Pesquisa (2004) Source: CNPq - Directory of Research Groups in Brazil < Reinaldo Guimarães, 2008.

48 TRANSIÇÃO EPIDEMIOLÓGICA Períodos: 1. Predominam doenças infecciosas / carências alimentares. 2. Predominam doenças crônicodegenerativas. 3. Urbanização / Industrialização: contaminação ambiental, drogas, violência etc.

49 TRANSIÇÃO EPIDEMIOLÓGICA O panorama de saúde no Brasil nos próximos 10 anos tende cada vez mais a superpor-se ao existente nos países industrializados: a. Diminuição da natalidade. b. Aumento da expectativa de vida com aumento substancial do número de idosos. População vivendo predominantemente em cidades. c. Prevalência das doenças crônico-degenerativas sobre às infecciosas. d. Maior ênfase na medicina preventiva, especialmente com os avanços da medicina e da genética moleculares que possibilitarão a detecção precoce daqueles que irão desenvolver enfermidades específicas, facilitando a sua prevenção. e. Priorização de programas higiênicos-dietéticos que assegurem melhor qualidade de vida e que requerem para implementação ampla difusão de informação sobre a saúde, concomitantemente com melhor capacidade da população para entendê-las (educação).

50 GRANDES EIXOS DE DESENVOLVIMENTO DE C&T EM SAÚDE 1. Aumento da CAPACIDADE CIENTÍFICA em C&T: hospitais universitários, pós-graduação, institutos de pesquisa, técnicos qualificados, etc. 2. DISSEMINAÇÃO DE INFORMAÇÃO, como base para a efetiva implantação de medidas preventivas e curativas: Redes, Informática, Telemedicina e aproximação da criação do conhecimento (Universidades e Institutos) e seu uso (Sistema Público de Saúde). 3. POLÍTICAS DE C&T para atender as demandas atuais e futuras em tecnologia de saúde: Equipamentos (diagnósticos e terapêuticos) e Medicamentos (Biotecnologia, Produtos naturais, terapia gênica, etc.).

51 DESAFIOS DE CT&I NA ÁREA MÉDICA Recuperação dos hospitais universitários como centros de pesquisa médica (equipes multidisciplinares). Reverter a noção de que o ensino profissional de medicina pode ser feito de maneira desvinculada da geração de conhecimento. Apoiar a criação, expansão ou consolidação de novos centros. Corrigir desvios da pós-graduação na área médica, reorientando-a para a formação de pesquisadores (carácter científico). Ciência no Brasil - ABC, 2002

52 DESAFIOS DE CT&I NA ÁREA MÉDICA Promover a pesquisa colaborativa em rede para responder rapidamente a questões relevantes. Promover a pesquisa médica em associação com pesquisa básica para geração de conhecimento genuinamente nacional em questões específicas, e também como forma de estruturar um setor produtivo na área de tecnologia ligada à saúde. Selecionar objetivos restritos com prioridade para promover o desenvolvimento tecnológico (equipamentos e medicamentos). Ciência no Brasil - ABC, 2002.

53 Competividade Sustentada Condições Facilitadoras Suporte contínuo para pesquisa médica básica Proteção efetiva às patentes Ambiente regulatório efetivo, eficiente e previsível Ambiente de negócios transparente Mercado baseado em competição e livre escolha Incentivo a Inovação Sistema de Saúde Núcleos de inovação Incentivo à P&D Lei de Inovação Política Industrial Livre Comércio Sistema baseado nas necessidades dos pacientes Financiamento adequado Núcleos de Inovação em Ciências da Vida e Biotec

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Visão de Futuro

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Visão de Futuro Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais 13.12.2011 SUMÁRIO 1. Visão sobre a atuação do INPE 2. Programas de P&D do Instituto 3. Cronograma de execução do Programa CBERS 4. Programas de Política Industrial

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde 08 de abril de 2008 João Sanches Diretor de Relações Institucionais Cadeia de Valor - Inovação em Saúde Transparência Proteção à propriedade intelectual Mercados

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Desafios para C&T&I no Brasil

Desafios para C&T&I no Brasil Desafios para C&T&I no Brasil Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP CONFAP 26 de Agosto de 2015 desafios-c+t-brasil-confap-20150825.pptx;chbritocruz 1 Desafios para a ciência e a tecnologia

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Indicadores Cienciométricos e as Políticas de Gestão em C&T

Indicadores Cienciométricos e as Políticas de Gestão em C&T Indicadores Cienciométricos e as Políticas de Gestão em C&T Eduardo M. Krieger Diretor, Unidade de Hipertensão InCor-HC.FMUSP Indicadores Cienciométricos e as Políticas de Gestão em C&T 1. O que medir

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO PARA O. Marco Antonio Zago Presidente do CNPq. Senado Federal 2008

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO PARA O. Marco Antonio Zago Presidente do CNPq. Senado Federal 2008 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Antonio Zago Presidente do CNPq Senado Federal 2008 Valor de uma xícara de Café 5% Trabalhadores e cafeicultores Valor de uma xícara de Café 5% Trabalhadores

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Seminário Internacional Portugal - Brasil

Seminário Internacional Portugal - Brasil UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Gustavo Santos ast.porto@itamaraty.gov.br Setor de Cooperação Científica Superior Consulado-Geral do Brasil no Porto Seminário

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

Usa o método científico de observação e experimentação para desenvolver resultados replicáveis ou sistematizar uma área de conhecimento

Usa o método científico de observação e experimentação para desenvolver resultados replicáveis ou sistematizar uma área de conhecimento CIENTISTA Usa o método científico de observação e experimentação para desenvolver resultados replicáveis ou sistematizar uma área de conhecimento Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software I INVENTOR

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA PÓS-GRADUAÇÃO AUGM PMEP ANEXO II DA OFERTA UNIVERSIDAD NACIONAL DE CÓRDOBA (ARGENTINA)

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA PÓS-GRADUAÇÃO AUGM PMEP ANEXO II DA OFERTA UNIVERSIDAD NACIONAL DE CÓRDOBA (ARGENTINA) PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL PARA PÓS-GRADUAÇÃO AUGM PMEP ANEXO II DA OFERTA UNIVERSIDAD NACIONAL DE CÓRDOBA (ARGENTINA) Análise e Processamento de Imagens Antropologia Ciência e Tecnologia dos

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO Agosto de 2009 Ações da Capes Com Ênfase na Cooperação Internacional Reunião das Sociedades de Física da AL SANDOVAL CARNEIRO JUNIOR DIRETOR DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO

Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia. UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Milca Severino Pereira Pró-Reitora de Pós Graduação e Pesquisa PUC Goiás Isac Almeida de Medeiros Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade Federal

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020

A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA A Pesquisa e a Pós-graduação no Brasil: Cenários e Perspectivas 2011-2020 Prof. Hélio Leães

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação. Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013

O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação. Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013 O Brasil e Reino Unido: Interações em Ciência e Inovação Apresentação no Going Global 29 de Abril 2013 Rede Britânica de Ciência e Inovação - SIN Quem somos: I. Uma rede de Britânicos e funcionários locais

Leia mais

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL A INOVAÇÃO EM PORTUGAL Luís Portela BIAL 2 VIVEMOS NUM QUADRO DE PRONUNCIADO DUALISMO evolução notável na produção de conhecimento científico. acentuado desfasamento em comparação com as economias que

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

O HUWC e a pesquisa em saúde

O HUWC e a pesquisa em saúde UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Universitário Walter Cantídio O HUWC e a pesquisa em saúde Dr. Marcelo Alcantara Holanda Diretoria de Ensino e Pesquisa-HUWC Maio-2006 PESQUISA PRÁTICA VS. PESQUISA

Leia mais

gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br

gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br Tema: Como incorporar técnicas t modernas de apoio à comercialização e como o modelo de incubação fomenta o surgimento de empresas de base tecnológica gica Thiago Renault thiagorenault@producao.uff.br

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS Março de 2011 Objetivo Fortalecer a trajetória do setor de biotecnologia em Minas Gerais Identificar

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

ABES VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental

ABES VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental ABES VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Painel: Qualidade Ambiental e a Capacitação de Recursos Humanos O Papel da Universidade na Inovação e na Capacitação de Recursos Humanos Jorge Audy

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL Ranking traz a Suíça em primeiro lugar, seguida de Cingapura e EUA O Brasil perdeu uma posição no Ranking Global

Leia mais

Produção Científica em Portugal. Impacto

Produção Científica em Portugal. Impacto 2014 Produção Científica em Portugal Impacto Índice: Gráfico 1 Evolução do impacto médio das publicações indexadas na Web of Science (artigos, revisões e notas) Gráfico 2 Produção Científica indexada na

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica Boletim Benchmarking Internacional Extensão Tecnológica Dezembro de 2012 Apresentação Visando contribuir para os objetivos estratégicos do SEBRAE, são apresentadas neste boletim informações relacionadas

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Experiência da Fucapi Incubadora de Tecnologia Euler G. M. de Souza Dimas J. Lasmar Agenda Incubação de Empresas Incubadoras no Amazonas

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

ANEXO III. Domínios e áreas científicas

ANEXO III. Domínios e áreas científicas ANEXO III Domínios e áreas científicas Ciências da Vida e da Saúde Neurociências - Molecular e Celular Neurociências, Envelhecimento e Doenças Degenerativas Imunologia e Infeção Diagnóstico, Terapêutica

Leia mais

REGSA Promoção da geração renovável de eletricidade na América do Sul. www.regsa-project.eu

REGSA Promoção da geração renovável de eletricidade na América do Sul. www.regsa-project.eu REGSA Promoção da geração renovável de eletricidade na América do Sul www.regsa-project.eu Projeto é financiado pelo União Europeia. Este folheto foi produzido com o auxilio da União Europeia. O Conteúdo

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

Fontes de Informação Bibliométricas para a gestão de revistas Científicas

Fontes de Informação Bibliométricas para a gestão de revistas Científicas Fontes de Informação Bibliométricas para a gestão de revistas Científicas Jose Cláudio Santos Gerente Regional para América do Sul Jose.santos@thomsonreuters.com URL: www.thomsonreuters.com Agenda: 3.

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

DA AGENDA CONSTRUÇÃO EMPRESA GOVERNO. Participação da sociedade ACADEMIA. Três Workshops. Consultores especializados

DA AGENDA CONSTRUÇÃO EMPRESA GOVERNO. Participação da sociedade ACADEMIA. Três Workshops. Consultores especializados Participação da sociedade CONSTRUÇÃO DA AGENDA Três Workshops Consultores especializados Colaboradores e revisores internos e externos Pesquisa de campo EMPRESA ACADEMIA GOVERNO AGENDA DE BIOECONOMIA:

Leia mais

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP 1 ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP ANA PAULA SANTULO CUSTÓDIO DE MEDEIROS UNESP - Instituto de Biociências Av. 24-A, 1515 Bela Vista 13506-900 - Rio Claro SP / Brasil asantulo@rc.unesp.br

Leia mais

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS

4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS 4º Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Ministério da Saúde: Pesquisa e inovação em APS no SUS Reinaldo Guimarães Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Brasília,

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente

Inovação em Oncologia no Brasil. Jose Fernando Perez Diretor Presidente Inovação em Oncologia no Brasil Jose Fernando Perez Diretor Presidente 1 Anticorpos Monoclonais e Peptídeos para Tratamento do Câncer Recepta Biopharma é uma empresa de biotecnologia dedicada a P&D para

Leia mais

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp C&T em São Paulo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 27/09/07; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of Brazil

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL Roberto Leal Lobo e Silva Filho O Brasil vem se projetando internacionalmente e seu desenvolvimento o incluiu na sigla do grupo conhecido como

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Reunião Regional do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCEE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia

Leia mais

para o Tratamento do Câncer

para o Tratamento do Câncer Terapias Direcionadas para o Tratamento do Câncer 1 Anticorpos Monoclonais e Peptídeos para Tratamento do Câncer Recepta Biopharma é uma empresa de biotecnologia dedicada a P&D para o desenvolvimento de

Leia mais

Base de Patentes: abrangente, valiosa e única

Base de Patentes: abrangente, valiosa e única Patentes... Define o contrato entre o governo e um inventor pelo qual o inventor recebe proteção legal para a sua invenção Requer descrição completa de todos os detalhes da invenção (descrição, desenhos,

Leia mais

Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias. Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses

Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias. Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias Association of Universities and Colleges of Canada Pense no Canadá / Pense nas universidades

Leia mais

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08.

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08. No mundo mundo de hoje, é preciso preciso correr muito pra ficar no mesmo mesmo lugar. (Rainha (Rainha Vermelha Vermelha para a Alice) Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Recursos Humanos em C,T&I 118.000 34.000 41.000 50.000

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Painel Aplicações móveis na área da saúde: m-health Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Profa. Magdala de Araújo Novaes Núcleo de Telessaúde, Hospital das Clínicas, Departamento de Medicina

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais