CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2.0"

Transcrição

1 -- CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0

2 ÍNDICE I PROCEDIMENTOS NORMAIS ÍNDICE I PROCEDIMENTOS NORMAIS 1. INSPEÇÃO PRELIMINAR pág INSPEÇÃO EXTERNA pág ANTES DA PARTIDA pág PARTIDA DO MOTOR pág APÓS A PARTIDA pág ANTES DA DECOLAGEM pág TÁXI pág PONTO DE ESPERA pág EM POSIÇÃO pág DECOLAGEM pág SUBIDA pág CRUZEIRO pág ANTES DO POUSO pág POUSO pág ARREMETIDA pág APÓS O POUSO pág CORTE DO MOTOR pág OPERAÇÃO COM VENTO CRUZADO pág 17 a. TÁXI b. DECOLAGEM c. POUSO 19. INSPEÇÃO PRELIMINAR pág INSPEÇÃO EXTERNA pág ANTES DA PARTIDA pág PARTIDA DO MOTOR pág APÓS A PARTIDA pág ANTES DA DECOLAGEM pág TÁXI pág PONTO DE ESPERA pág EM POSIÇÃO pág DECOLAGEM pág SUBIDA pág CRUZEIRO pág ANTES DO POUSO pág POUSO pág ARREMETIDA pág APÓS O POUSO pág CORTE DO MOTOR pág OPERAÇÃO COM VENTO CRUZADO pág 17 d. TÁXI e. DECOLAGEM f. POUSO IMPRESSO Página 2 de 23 IMPRESSO Página 2 de 23

3 II PROCEDIMENTO DE EMERGÊNCIA II PROCEDIMENTO DE EMERGÊNCIA 1. FOGO DURANTE A PARTIDA pág PARADA DO MOTOR APÓS A DECOLAGEM pág PARADA DO MOTOR EM VOO pág PARTIDA DO MOTOR EM VOO pág FOGO NO MOTOR (EM VOO) pág POUSO DE EMERGÊNCIA NA ÁGUA pág RECUPERAÇÃO DE PARAFUSO pág FUMAÇA NA CABINE pág VIBRAÇÃO DO MOTOR EM VOO pág DESAFOGAMENTO DO MOTOR pág FOGO DURANTE A PARTIDA pág PARADA DO MOTOR APÓS A DECOLAGEM pág PARADA DO MOTOR EM VOO pág PARTIDA DO MOTOR EM VOO pág FOGO NO MOTOR (EM VOO) pág POUSO DE EMERGÊNCIA NA ÁGUA pág RECUPERAÇÃO DE PARAFUSO pág FUMAÇA NA CABINE pág VIBRAÇÃO DO MOTOR EM VOO pág DESAFOGAMENTO DO MOTOR pág 21 IMPRESSO Página 3 de 23 IMPRESSO Página 3 de 23

4 I PROCEDIMENTOS NORMAIS 1. INSPEÇÃO PRELIMINAR: 1. CALÇOS NAS RODAS DO TREM PRINCIPAL 2. PORTA ESQUERDA DESTRAVADA COM A CHAVE 3. CINTOS DE SEGURANÇA DESAFIVELADOS (POSIÇÃO ALUNO) 4. MAGNETOS SEM A CHAVE E POSIÇÃO OFF 5. MASTER LIGADO 6. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA CHECAR EM HORAS 7. MASTER DESLIGADO 8. AR QUENTE CARBURADOR/CABINE FECHADOS 9. EQPTOS ELÉTRO-ELETRÔNICOS DESLIGADOS 10. CIRCUIT BREAK ARMADOS 11. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 12. GLASCOLATOR DRENAR POR 03 SEGUNDOS 13. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 14. MANETE DE POTÊNCIA MARCHA LENTA 15. PEDAIS DO LEME LIVRES E CORRETOS 16. FREIOS VERIFICAR ATUAÇÃO 17. MANCHE RETIRAR TRAVA/VERIFICAR COMANDOS LIVRES E CORRETOS 18. EXTINTOR DE INCÊNDIO CARGA E FIXAÇÃO 19. INSTRUMENTOS VERIFICAR ESTADO E INDICAÇÃO 20. DOCUMENTOS AERONAVE VERIFICAR SE ESTÃO A BORDO 21. DOCUMENTOS DO PILOTO IDENTIDADE CCF - CHT RELÓGIO PULSO CANETA PAPEL 22. MATERIAIS PILOTO MANUAL DO AVIÃO FICHA DE INSTRUÇÃO - FICHA SGSO OBS.: NÃO SERÁ PERMITIDO A OPERAÇÃO DA AERONAVE SEM QUE O PILOTO ESTEJA COM OS ITENS 21, 22 E 23. IMPRESSO Página 4 de 23 I PROCEDIMENTOS NORMAIS 1. INSPEÇÃO PRELIMINAR: 1. CALÇOS NAS RODAS DO TREM PRINCIPAL 2. PORTA ESQUERDA DESTRAVADA COM A CHAVE 3. CINTOS DE SEGURANÇA DESAFIVELADOS (POSIÇÃO ALUNO) 4. MAGNETOS SEM A CHAVE E POSIÇÃO OFF 5. MASTER LIGADO 6. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA CHECAR EM HORAS 7. MASTER DESLIGADO 8. AR QUENTE CARBURADOR/CABINE FECHADOS 9. EQPTOS ELÉTRO-ELETRÔNICOS DESLIGADOS 10. CIRCUIT BREAK ARMADOS 11. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 12. GLASCOLATOR DRENAR POR 03 SEGUNDOS 13. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 14. MANETE DE POTÊNCIA MARCHA LENTA 15. PEDAIS DO LEME LIVRES E CORRETOS 16. FREIOS VERIFICAR ATUAÇÃO 17. MANCHE RETIRAR TRAVA/VERIFICAR COMANDOS LIVRES E CORRETOS 18. EXTINTOR DE INCÊNDIO CARGA E FIXAÇÃO 19. INSTRUMENTOS VERIFICAR ESTADO E INDICAÇÃO 20. DOCUMENTOS AERONAVE VERIFICAR SE ESTÃO A BORDO 21. DOCUMENTOS DO PILOTO IDENTIDADE CCF - CHT RELÓGIO PULSO CANETA PAPEL 22. MATERIAIS PILOTO MANUAL DO AVIÃO FICHA DE INSTRUÇÃO - FICHA SGSO OBS.: NÃO SERÁ PERMITIDO A OPERAÇÃO DA AERONAVE SEM QUE O PILOTO ESTEJA COM OS ITENS 21, 22 E 23. IMPRESSO Página 4 de 23

5 2. INSPEÇÃO EXTERNA INICIO PELO LADO ESQUERDO 1. PORTA DO BAGAGEIRO VERIFICAR TRAVAMENTO 2. FUSELAGEM - ESQUERDA VERIFICAR O ESTADO 3. SUPERFÍCIES EMPENAGEM VERIFICAR O ESTADO 4. ROTATE BEACON VERIFICAR O ESTADO 5. ARTICULAÇÕES E CABOS VERIFICAR O ESTADO 6. ANTENA VOR VERIFICAR O ESTADO 7. COMPENSADOR VERIFICAR O ESTADO 8. FUSELAGEM - DIREITA VERIFICAR O ESTADO 9. ANTENAS VHF/ELT VERIFICAR O ESTADO 10. CINTA RAIZ DA ASA FIXA 11. MONTANTES NA FUSELAGEM FIXAÇÕES 12. DRENO TANQUE DIREITO DRENAR 13. FLAP E AILERON SUPERFÍCIES, FIXAÇÕES E MOVIMENTOS 14. MONTANTES NA ASA FIXAÇÕES 15. PONTA DA ASA VERIFICAR O ESTADO 16. LUZ NAVEGAÇÃO VERDE VERIFICAR O ESTADO 17. BORDO DE ATAQUE DIREITO VERIFICAR O ESTADO 18. TANQUE COMBUSTÍVEL TAMPA FECHADA 19. TREM DE POUSO DIREITO VERIFICAR O ESTADO 20. FREIO ASPECTO NORMAL SEM VAZAMENTOS 21. PNEU PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE 22. CALÇO SÓ REMOVER SE ESTIVER O PARK-BREAK ACIONADO 23. DRENO LINHA COMBUSTÍVEL DRENAR 24. ANTENA DO TRANSPONDER VERIFICAR O ESTADO 25. JANELAS E PARA BRISAS VERIFICAR O ESTADO 26. CARENAGEM DO MOTOR ESTADO GERAL 27. BEQUILHA ESTADO GERAL, PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE 2. INSPEÇÃO EXTERNA INICIO PELO LADO ESQUERDO 1. PORTA DO BAGAGEIRO VERIFICAR TRAVAMENTO 2. FUSELAGEM - ESQUERDA VERIFICAR O ESTADO 3. SUPERFÍCIES EMPENAGEM VERIFICAR O ESTADO 4. ROTATE BEACON VERIFICAR O ESTADO 5. ARTICULAÇÕES E CABOS VERIFICAR O ESTADO 6. ANTENA VOR VERIFICAR O ESTADO 7. COMPENSADOR VERIFICAR O ESTADO 8. FUSELAGEM - DIREITA VERIFICAR O ESTADO 9. ANTENAS VHF/ELT VERIFICAR O ESTADO 10. CINTA RAIZ DA ASA FIXA 11. MONTANTES NA FUSELAGEM FIXAÇÕES 12. DRENO TANQUE DIREITO DRENAR 13. FLAP E AILERON SUPERFÍCIES, FIXAÇÕES E MOVIMENTOS 14. MONTANTES NA ASA FIXAÇÕES 15. PONTA DA ASA VERIFICAR O ESTADO 16. LUZ NAVEGAÇÃO VERDE VERIFICAR O ESTADO 17. BORDO DE ATAQUE DIREITO VERIFICAR O ESTADO 18. TANQUE COMBUSTÍVEL TAMPA FECHADA 19. TREM DE POUSO DIREITO VERIFICAR O ESTADO 20. FREIO ASPECTO NORMAL SEM VAZAMENTOS 21. PNEU PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE 22. CALÇO SÓ REMOVER SE ESTIVER O PARK-BREAK ACIONADO 23. DRENO LINHA COMBUSTÍVEL DRENAR 24. ANTENA DO TRANSPONDER VERIFICAR O ESTADO 25. JANELAS E PARA BRISAS VERIFICAR O ESTADO 26. CARENAGEM DO MOTOR ESTADO GERAL 27. BEQUILHA ESTADO GERAL, PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE IMPRESSO Página 5 de 23 IMPRESSO Página 5 de 23

6 28. AMORTECEDOR BEQUILHA CURSO MÍNIMO 02 POLEGADAS 29.FILTRO DE AR REFRIGERAÇÃO CARTER DESOBSTRUÍDOS 30. FAROL DE TAXI E POUSO VERIFICAR O ESTADO 31. HÉLICE E SPINNER VERIFICAR O ESTADO 32. ÓLEO DO MOTOR NÍVEL MÁXIMO DE 8QTS (NAV) NÍVEL MÍNIMO DE 6QTS (LOC) 33. TOMADA PRESSÃO ESTÁTICA DESOBSTRUIDA 34. TREM DE POUSO ESQUERDO VERIFICAR O ESTADO 35. FREIO ASPECTO NORMAL SEM VAZAMENTOS 36. PNEU PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE 37. CALÇO SÓ REMOVER SE ESTIVER O PARK-BREAK ACIONADO 38. TANQUE COMBUSTÍVEL TAMPA FECHADA 39. BORDO ATAQUE ESQUERDO VERIFICAR O ESTADO 40. TUBO DE PITOT RETIRAR CAPA - CHECAR DESOBSTRUÍDO 41. SENSOR DE ESTOL VERIFICAR O ESTADO 42. PONTA DA ASA VERIFICAR O ESTADO 43. LUZ NAVEGAÇÃO VERMELHA VERIFICAR O ESTADO 44. MONTANTES NA ASA FIXAÇÕES 45. AILERON E FLAP SUPERFÍCIES, FIXAÇÕES E MOVIMENTO 46. MONTANTES NA FUSELAGEM FIXAÇÕES 47. DRENO TANQUE ESQUERDO DRENAR 28. AMORTECEDOR BEQUILHA CURSO MÍNIMO 02 POLEGADAS 29.FILTRO DE AR REFRIGERAÇÃO CARTER DESOBSTRUÍDOS 30. FAROL DE TAXI E POUSO VERIFICAR O ESTADO 31. HÉLICE E SPINNER VERIFICAR O ESTADO 32. ÓLEO DO MOTOR NÍVEL MÁXIMO DE 8QTS (NAV) NÍVEL MÍNIMO DE 6QTS (LOC) 33. TOMADA PRESSÃO ESTÁTICA DESOBSTRUIDA 34. TREM DE POUSO ESQUERDO VERIFICAR O ESTADO 35. FREIO ASPECTO NORMAL SEM VAZAMENTOS 36. PNEU PRESSÃO ADEQUADA E MARCA DE DESLIZE 37. CALÇO SÓ REMOVER SE ESTIVER O PARK-BREAK ACIONADO 38. TANQUE COMBUSTÍVEL TAMPA FECHADA 39. BORDO ATAQUE ESQUERDO VERIFICAR O ESTADO 40. TUBO DE PITOT RETIRAR CAPA - CHECAR DESOBSTRUÍDO 41. SENSOR DE ESTOL VERIFICAR O ESTADO 42. PONTA DA ASA VERIFICAR O ESTADO 43. LUZ NAVEGAÇÃO VERMELHA VERIFICAR O ESTADO 44. MONTANTES NA ASA FIXAÇÕES 45. AILERON E FLAP SUPERFÍCIES, FIXAÇÕES E MOVIMENTO 46. MONTANTES NA FUSELAGEM FIXAÇÕES 47. DRENO TANQUE ESQUERDO DRENAR IMPRESSO Página 6 de 23 IMPRESSO Página 6 de 23

7 3. ANTES DA PARTIDA 1. CINTOS AJUSTADOS E TRAVADOS ALUNO/INSTRUTOR 2. HEADPHONE EM POSIÇÃO DE USO CHECAR ALUNO/INSTRUTOR 3. PARK-BREAK APLICADO 4. CALÇOS REMOVIDOS 5. MAGNETOS CHAVE INSTALADA POSIÇÃO OFF 6. MASTER LIGADO 7. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 8. LUZES DE NAVEGAÇÃO LIGADOS 9. ROTATE BEACON SELECIONAR VHF (01 OU 02) 10. PAINEL AUDIO HEADPHONE ON SPEAKER OFF LIGADO 11. RADIO VHF SELECIONADO FREQUÊNCIA CORRETA CHECAR VOLUME COM SQUELCH 12. INTERCOMM CHECADO QUANDO DUPLO COMANDO 13. FONIA CHAMAR TRÁFEGO PARA A AUTORIZAÇÃO DE Aeródromo Controlado TRÁFEGO 4. PARTIDA DO MOTOR 1. FONIA CHAMAR SOLO PARA AUTORIZAÇÃO DE ACIONAMENTO OU REPORTAR INTENÇÃO EM AD NÃO CONTROLADO 2. RADIO VHF SELECIONADO DESLIGADO 3. MANETE MISTURA RICA 4. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 5. MANETE POTÊNCIA CHECAR CURSO TOTAL E AVANÇAR ¼ CURSO 6. PRIMER 4X MOTOR FRIO OU 2X MOTOR QUENTE 7. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 8. FREIOS APLICADOS 9. CHECAR ÁREA ÁREA LIVRE - NA DUVIDA NÃO ACIONE IMPRESSO Página 7 de ANTES DA PARTIDA 1. CINTOS AJUSTADOS E TRAVADOS ALUNO/INSTRUTOR 2. HEADPHONE EM POSIÇÃO DE USO CHECAR ALUNO/INSTRUTOR 3. PARK-BREAK APLICADO 4. CALÇOS REMOVIDOS 5. MAGNETOS CHAVE INSTALADA POSIÇÃO OFF 6. MASTER LIGADO 7. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 8. LUZES DE NAVEGAÇÃO LIGADOS 9. ROTATE BEACON SELECIONAR VHF (01 OU 02) 10. PAINEL AUDIO HEADPHONE ON SPEAKER OFF LIGADO 11. RADIO VHF SELECIONADO FREQUÊNCIA CORRETA CHECAR VOLUME COM SQUELCH 12. INTERCOMM CHECADO QUANDO DUPLO COMANDO 13. FONIA CHAMAR TRÁFEGO PARA A AUTORIZAÇÃO DE Aeródromo Controlado TRÁFEGO 4. PARTIDA DO MOTOR 1. FONIA CHAMAR SOLO PARA AUTORIZAÇÃO DE ACIONAMENTO OU REPORTAR INTENÇÃO EM AD NÃO CONTROLADO 2. RADIO VHF SELECIONADO DESLIGADO 3. MANETE MISTURA RICA 4. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 5. MANETE POTÊNCIA CHECAR CURSO TOTAL E AVANÇAR ¼ CURSO 6. PRIMER 4X MOTOR FRIO OU 2X MOTOR QUENTE 7. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 8. FREIOS APLICADOS 9. CHECAR ÁREA ÁREA LIVRE - NA DUVIDA NÃO ACIONE IMPRESSO Página 7 de 23

8 ACIONAMENTO DO MOTOR CASO HOUVER DIFICULDADE NA PARTIDA COM O MOTOR DE ARRANQUE, AGUARDE 01 MINUTO PARA ACIONÁ-LO NOVAMENTE. 9. START A INSISTÊNCIA PODERÁ DANIFICÁ-LO GIRE A CHAVE MAGNETOS PARA POSIÇÃO START. ACIONE ATÉ O MOTOR PEGAR. APÓS, SOLTÁ-LA PARA NÃO DANIFICAR O MOTOR DE ARRANQUE. 10. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM FAIXA OPERACIONAL 11. PRESSÃO DO ÓLEO EM 30 SEGUNDOS DEVE ALCANÇAR FAIXA VERDE CASO CONTRÁRIO CORTAR MISTURA 12. AMPERIMETRO CHECAR SE ESTÁ CARREGANDO ACIONAMENTO DO MOTOR CASO HOUVER DIFICULDADE NA PARTIDA COM O MOTOR DE ARRANQUE, AGUARDE 01 MINUTO PARA ACIONÁ-LO NOVAMENTE. 9. START A INSISTÊNCIA PODERÁ DANIFICÁ-LO GIRE A CHAVE MAGNETOS PARA POSIÇÃO START. ACIONE ATÉ O MOTOR PEGAR. APÓS, SOLTÁ-LA PARA NÃO DANIFICAR O MOTOR DE ARRANQUE. 10. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM FAIXA OPERACIONAL 11. PRESSÃO DO ÓLEO EM 30 SEGUNDOS DEVE ALCANÇAR FAIXA VERDE CASO CONTRÁRIO CORTAR MISTURA 12. AMPERIMETRO CHECAR SE ESTÁ CARREGANDO 5. APÓS A PARTIDA 2. VHF SELECIONADO LIGADO PROGRAMADO - CHECADO PARA TREINAMENTO VÔO POR INSTRUMENTOS 3. GPS LIGADOS PROGRAMADOS CHECADOS 4. VHF 5. VOR 6. ADF IDENTIFICAR O CÓDIGO MORSE DA ESTAÇÃO QUANDO NECESSÁRIO 7. INTERCOMM CHECADO QUANDO EM DUPLO COMANDO 8.TRANSPONDER LIGADO EM STANDY-BY SELECIONAR CÓDIGO AUTORIZADO OU APÓS A PARTIDA 2. VHF SELECIONADO LIGADO PROGRAMADO - CHECADO PARA TREINAMENTO VÔO POR INSTRUMENTOS 3. GPS LIGADOS PROGRAMADOS CHECADOS 4. VHF 5. VOR 6. ADF IDENTIFICAR O CÓDIGO MORSE DA ESTAÇÃO QUANDO NECESSÁRIO 7. INTERCOMM CHECADO QUANDO EM DUPLO COMANDO 8.TRANSPONDER LIGADO EM STANDY-BY SELECIONAR CÓDIGO AUTORIZADO OU 2000 IMPRESSO Página 8 de 23 IMPRESSO Página 8 de 23

9 6. ANTES DA DECOLAGEM 1. Comandos 1. AILERON E PROFUNDOR LIVRES E CORRESPONDENTES POSIÇÃO UPº (DECOLAGEM NORMAL) OU 2. FLAP POSIÇÃO 10º (DECOLAGEM CURTA) 3. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 2. Instrumentos 1. BÚSSOLA SEM VAZAMENTO E INDICAÇÃO CORRETA 2. MASTER LIGADO 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 4. VELOCÍMETRO INDICANDO ZERO EM MPH 5. GIRO AJUSTADO COM A BUSSOLA 6. HORIZONTE ARTIFICIAL CALIBRADO 7. ALTÍMETRO AJUSTAR QNH OU ALTITUDE DA PISTA 8. TURN COORDENATOR CHECADO NO TÁXI 9. CLIMB INDICANDO ZERO Ft/min 10. REOSTATO LUZ DA CABINE AJUSTAR CONFORME NECESSÁRIO 11. TACÔMETRO INDICANDO 1000 RPM 12. HORÍMETRO OPERANDO 13. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 14. AMPERÍMETRO VERIFICAR SE ESTÁ CARREGANDO 15. AVIÔNICOS LIGADOS PROGRAMADOS - CHECADOS 16. MANETE DE MISTURA RICA 17. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 18. CIRCUIT BREAK ARMADOS 6. ANTES DA DECOLAGEM 1. Comandos 1. AILERON E PROFUNDOR LIVRES E CORRESPONDENTES POSIÇÃO UPº (DECOLAGEM NORMAL) OU 2. FLAP POSIÇÃO 10º (DECOLAGEM CURTA) 3. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 2. Instrumentos 1. BÚSSOLA SEM VAZAMENTO E INDICAÇÃO CORRETA 2. MASTER LIGADO 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 4. VELOCÍMETRO INDICANDO ZERO EM MPH 5. GIRO AJUSTADO COM A BUSSOLA 6. HORIZONTE ARTIFICIAL CALIBRADO 7. ALTÍMETRO AJUSTAR QNH OU ALTITUDE DA PISTA 8. TURN COORDENATOR CHECADO NO TÁXI 9. CLIMB INDICANDO ZERO Ft/min 10. REOSTATO LUZ DA CABINE AJUSTAR CONFORME NECESSÁRIO 11. TACÔMETRO INDICANDO 1000 RPM 12. HORÍMETRO OPERANDO 13. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 14. AMPERÍMETRO VERIFICAR SE ESTÁ CARREGANDO 15. AVIÔNICOS LIGADOS PROGRAMADOS - CHECADOS 16. MANETE DE MISTURA RICA 17. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 18. CIRCUIT BREAK ARMADOS IMPRESSO Página 09 de 23 IMPRESSO Página 09 de 23

10 1. FONIA 2. ÁREA 7. TÁXI ANTES DE INICAR O TÁXI CHAMAR SOLO PARA AUTORIZAÇÃO DE TÁXI, OU REPORTAR INTENÇÃO NA FREQUÊNCIA ADEQUADA. ÁREA DO TÁXI LIVRE. MUITA ATENÇÃO NA DUVIDA NÃO INICIE O TAXI 3. PARK BREAK LIBERADO 4. FAROL DE TAXI LIGADO (SE NECESSARIO) DURANTE O TÁXI TAXIAR SEMPRE QUE POSSIVEL PELA LINHA AMARELA 4. BEQUILHA 5. FREIOS 6. TURN COORDENATOR 7. BÚSSOLA VERIFICAR OPERAÇÃO 1. FONIA 2. ÁREA 7. TÁXI ANTES DE INICAR O TÁXI CHAMAR SOLO PARA AUTORIZAÇÃO DE TÁXI, OU REPORTAR INTENÇÃO NA FREQUÊNCIA ADEQUADA. ÁREA DO TÁXI LIVRE. MUITA ATENÇÃO NA DUVIDA NÃO INICIE O TAXI 3. PARK BREAK LIBERADO 4. FAROL DE TAXI LIGADO (SE NECESSARIO) DURANTE O TÁXI TAXIAR SEMPRE QUE POSSIVEL PELA LINHA AMARELA 4. BEQUILHA 5. FREIOS 6. TURN COORDENATOR 7. BÚSSOLA VERIFICAR OPERAÇÃO 8. PONTO DE ESPERA (AEROCLUBE) 1. POSIÇÃO DO AVIÃO 45º COM O PONTO DE ESPERA 2. PARK BREAK ACIONADO 3. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM 8. PONTO DE ESPERA (AEROCLUBE) 1. POSIÇÃO DO AVIÃO 45º COM O PONTO DE ESPERA 2. PARK BREAK ACIONADO 3. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM IMPRESSO Página 10 de 23 IMPRESSO Página 10 de 23

11 3. Gasolina 1. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA - CHECAR EM HORAS 2. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 4. Motor 1. PARK BREAK ACIONADO 2. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR EM 1700 RPM 3. PRESSÃO E TEMPERATURA DO OLÉO FAIXA OPERACIONAL 4. INDICADOR DE VÁCUO ENTRE 4,6 A 5,4 Hg MANETE MISTURA EMPOBRECER LENTAMENTE 3X 4. MISTURA OBSERVAR QUEDA RPM AO FINAL DEIXAR MANETE DE MISTURA RICA POSIÇÃO LEFT - QUEDA MÁXIMA 100 RPM POSIÇÃO RIGHT QUEDA MÁXIMA 100 RPM 5. MAGNETOS AO FINAL DEIXAR EM POSIÇÃO AMBOS DIFERENCIAL MÁXIMA 75 RPM MANETE POTENCIA EM 1500 RPM ABRIR AR QUENTE 6. AR QUENTE QUEDA MÁXIMA 100 RPM APÓS, MANTER AR QUENTE FECHADO MANETE POTÊNCIA TODA REDUZIDA 7. MARCHA LENTA MOTOR ENTRE 600 E 800 RPM CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO OFF 8. CORTE DA IGNIÇÃO CHECAR SE ESTÁ CORTANDO IGNIÇÃO CHAVE MAGNETO POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 9. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM 5. Cabine 1. CINTOS AJUSTADOS E TRAVADOS 2. PORTAS E JANELA FECHADAS E TRAVADAS 3. TUBO DE PITOT DESCOBERTO 4. FAROL DE POUSO LIGADO 5. BRIFIENG DE DECOLAGEM REALIZAR IMPRESSO Página 11 de Gasolina 1. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA - CHECAR EM HORAS 2. SELETORA COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 4. Motor 1. PARK BREAK ACIONADO 2. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR EM 1700 RPM 3. PRESSÃO E TEMPERATURA DO OLÉO FAIXA OPERACIONAL 4. INDICADOR DE VÁCUO ENTRE 4,6 A 5,4 Hg MANETE MISTURA EMPOBRECER LENTAMENTE 3X 4. MISTURA OBSERVAR QUEDA RPM AO FINAL DEIXAR MANETE DE MISTURA RICA POSIÇÃO LEFT - QUEDA MÁXIMA 100 RPM POSIÇÃO RIGHT QUEDA MÁXIMA 100 RPM 5. MAGNETOS AO FINAL DEIXAR EM POSIÇÃO AMBOS DIFERENCIAL MÁXIMA 75 RPM MANETE POTENCIA EM 1500 RPM ABRIR AR QUENTE 6. AR QUENTE QUEDA MÁXIMA 100 RPM APÓS, MANTER AR QUENTE FECHADO MANETE POTÊNCIA TODA REDUZIDA 7. MARCHA LENTA MOTOR ENTRE 600 E 800 RPM CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO OFF 8. CORTE DA IGNIÇÃO CHECAR SE ESTÁ CORTANDO IGNIÇÃO CHAVE MAGNETO POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 9. MANETE POTÊNCIA AJUSTAR PARA 1000 RPM 5. Cabine 1. CINTOS AJUSTADOS E TRAVADOS 2. PORTAS E JANELA FECHADAS E TRAVADAS 3. TUBO DE PITOT DESCOBERTO 4. FAROL DE POUSO LIGADO 5. BRIFIENG DE DECOLAGEM REALIZAR IMPRESSO Página 11 de 23

12 Briefing de Decolagem Uma vez alinhado e freado, aplicar toda a potência e checar 2200 RPM +/- 50RPM, caso negativo abortar decolagem. Até 1/3 da pista a velocidade deverá alcançar 40 Mph, caso contrário abortar. Até 2/3 da pista a velocidade deverá alcançar 60 Mph, caso contrário abortar. Fora do solo, pane abaixo de 500 Ft, manter velocidade de 80Mph e pousar em frente, livrando obstáculos se necessário no máximo a 45 graus de cada lado, evitando usar curvas com grande inclinação. Fora do solo, pane acima de 500 Ft, manter velocidade de 80Mph retornar para a pista somente se tiver certeza que é possível, caso contrário pousar em frente, livrando obstáculos se necessário, no máximo a 45 graus de cada lado, evitando usar curvas com grande inclinação. Em caso de EMERGÊNCIA, pane na decolagem, perda de reta ou obstáculo na pista, abortar a decolagem: REDUZIR TODO O MOTOR. 6. PONTO DE ESPERA (PRINCIPAL) 1. BIRUTA CHECAR DV/VV DEFINIR PISTA EM USO 2. CABECEIRA PERNA DO VENTO, BASE E FINAL LIVRES DE EM USO TRÁFEGO 3. CABECEIRA PERNA DO VENTO, BASE E FINAL LIVRES DE OPOSTA TRÁFEGO CHAMAR TORRE PARA A AUTORIZAÇÃO DE 4. FONIA ALINHAR E DECOLAR, OU REPORTAR INTENÇÃO NA FREQUÊNCIA ADEQUADA 5. FREIOS APLICADOS 9. EM POSIÇÃO CHEQUE DE SEGURANÇA 1. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA - CHECAR EM HORAS 2. FLAP 0º - DECOLAGEM NORMAL 10º- DECOLAGEM CURTA 3. MASTER / CHAVE MAGNETOS LIGADOS 4. MANETE MISTURA RICA 5. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 6. AQUECIMENTO DO PITOT CONFORME NECESSÁRIO 7. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 8. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 9. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 10. TRANSPONDER POSIÇÃO ALT CÓDIGO 2000 IMPRESSO Página 12 de 23 Briefing de Decolagem Uma vez alinhado e freado, aplicar toda a potência e checar 2200 RPM +/- 50RPM, caso negativo abortar decolagem. Até 1/3 da pista a velocidade deverá alcançar 40 Mph, caso contrário abortar. Até 2/3 da pista a velocidade deverá alcançar 60 Mph, caso contrário abortar. Fora do solo, pane abaixo de 500 Ft, manter velocidade de 80Mph e pousar em frente, livrando obstáculos se necessário no máximo a 45 graus de cada lado, evitando usar curvas com grande inclinação. Fora do solo, pane acima de 500 Ft, manter velocidade de 80Mph retornar para a pista somente se tiver certeza que é possível, caso contrário pousar em frente, livrando obstáculos se necessário, no máximo a 45 graus de cada lado, evitando usar curvas com grande inclinação. Em caso de EMERGÊNCIA, pane na decolagem, perda de reta ou obstáculo na pista, abortar a decolagem: REDUZIR TODO O MOTOR. 6. PONTO DE ESPERA (PRINCIPAL) 1. BIRUTA CHECAR DV/VV DEFINIR PISTA EM USO 2. CABECEIRA PERNA DO VENTO, BASE E FINAL LIVRES DE EM USO TRÁFEGO 3. CABECEIRA PERNA DO VENTO, BASE E FINAL LIVRES DE OPOSTA TRÁFEGO CHAMAR TORRE PARA A AUTORIZAÇÃO DE 4. FONIA ALINHAR E DECOLAR, OU REPORTAR INTENÇÃO NA FREQUÊNCIA ADEQUADA 5. FREIOS APLICADOS 9. EM POSIÇÃO CHEQUE DE SEGURANÇA 1. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA - CHECAR EM HORAS 2. FLAP 0º - DECOLAGEM NORMAL 10º- DECOLAGEM CURTA 3. MASTER / CHAVE MAGNETOS LIGADOS 4. MANETE MISTURA RICA 5. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 6. AQUECIMENTO DO PITOT CONFORME NECESSÁRIO 7. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 8. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 9. COMPENSADOR POSIÇÃO TAKEOFF 10. TRANSPONDER POSIÇÃO ALT CÓDIGO 2000 IMPRESSO Página 12 de 23

13 10. DECOLAGEM DECOLAGEM NORMAL FLAP 0º 1. POTÊNCIA MÁXIMA MÍNIMO DE 2300 RPM +/- 50 RPM 2. VELOCIDADE ALIVIAR BEQUILHA 60 MPH 2. VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 70 Mph 3. VELOCIDADE DE SUBIDA 80 Mph DECOLAGEM CURTA FLAP 10º 1. POTÊNCIA MÁXIMA MÍNIMO DE 2300 RPM +/- 50 RPM 2. VELOCIDADE ALIVIAR BEQUILHA 60 MPH 2. VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 65 MPH 3. VELOCIDADE DE SUBIDA 80 MPH 1. FONIA 2. AO ATINGIR 400FT ALTURA 3. AO ATINGIR 500FT ALTURA APÓS A DECOLAGEM REPORTAR EM LOCAL DESPROVIDO DE CONTROLE, A HORA DA DECOLAGEM E O DESTINO (ALTITUDE E SETOR) FAROL POUSO DESLIGADO FLAP TOTALMENTE RECOLHIDO INSTRUMENTOS MOTOR OPERACIONAIS CHECAR ÁREA LIVRAR ATZ PARA O DESTINO DE ACORDO COM REGRAS DE VÔO 11. SUBIDA (Sem Flap) SUBIDA NORMAL 1. VELOCIDADE 80 A 90 Mph 2. MANETE POTÊNCIA MÁXIMA 3. MANETE MISTURA RICA SUBIDA DE MÁXIMO DESEMPENHO 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. MANETE POTÊNCIA MÁXIMA 3. MANETE MISTURA RICA OBS.: UTILIZAR SUBIDA DE MÁXIMO DESEMPENHO ATÉ ALCANÇAR 1000Ft DE ALTURA. IMPRESSO Página 13 de DECOLAGEM DECOLAGEM NORMAL FLAP 0º 1. POTÊNCIA MÁXIMA MÍNIMO DE 2300 RPM +/- 50 RPM 2. VELOCIDADE ALIVIAR BEQUILHA 60 MPH 2. VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 70 Mph 3. VELOCIDADE DE SUBIDA 80 Mph DECOLAGEM CURTA FLAP 10º 1. POTÊNCIA MÁXIMA MÍNIMO DE 2300 RPM +/- 50 RPM 2. VELOCIDADE ALIVIAR BEQUILHA 60 MPH 2. VELOCIDADE DE ROTAÇÃO 65 MPH 3. VELOCIDADE DE SUBIDA 80 MPH 1. FONIA 2. AO ATINGIR 400FT ALTURA 3. AO ATINGIR 500FT ALTURA APÓS A DECOLAGEM REPORTAR EM LOCAL DESPROVIDO DE CONTROLE, A HORA DA DECOLAGEM E O DESTINO (ALTITUDE E SETOR) FAROL POUSO DESLIGADO FLAP TOTALMENTE RECOLHIDO INSTRUMENTOS MOTOR OPERACIONAIS CHECAR ÁREA LIVRAR ATZ PARA O DESTINO DE ACORDO COM REGRAS DE VÔO 11. SUBIDA (Sem Flap) SUBIDA NORMAL 1. VELOCIDADE 80 A 90 Mph 2. MANETE POTÊNCIA MÁXIMA 3. MANETE MISTURA RICA SUBIDA DE MÁXIMO DESEMPENHO 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. MANETE POTÊNCIA MÁXIMA 3. MANETE MISTURA RICA OBS.: UTILIZAR SUBIDA DE MÁXIMO DESEMPENHO ATÉ ALCANÇAR 1000Ft DE ALTURA. IMPRESSO Página 13 de 23

14 12. CRUZEIRO 1. MANETE POTÊNCIA 2200 A 2700 RPM 2. MANETE MISTURA EMPOBRECER DE ACORDO COM O EGT 13. ANTES DO POUSO PERNA DO VENTO 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO 2. VELOCIDADE 80MPH 3. LIQUIDOMETROS COMBUSTÍVEL SUFICIENTE PARA ARREMETIDA 4. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 5. MANETE MISTURA RICA 6. SELETORAS DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 7. MASTER / CHAVE MAGNETOS LIGADOS 8. AR QUENTE DO CARBURADOR COMO NECESSÁRIO 7. FAROL DE POUSO LIGADO TRAVÉS DA CABECEIRA EM USO POUSO SEM MOTOR 1. MANETE DE POTÊNCIA REDUZIR PARA MARCHA LENTA POUSO COM MOTOR 1. MANETE DE POTÊNCIA REDUZIR PARA 1500 RPM 2. AR QUENTE DO CARBURADOR COMO NECESSÁRIO 3. VELOCIDADE 80 MPH 4. FLAP 10 GRAUS PERNA BASE 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO TREM FIXO 2. MANETE DE POTÊNCIA COMO NECESSÁRIO 3. FLAP 20 GRAUS 4. VELOCIDADE 75/80 MPH 5. CHEQUE DE AREA FINAL LIVRE E PRINCIPAL LIVRE RETA FINAL 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO 2. MANETE DE POTÊNCIA COMO NECESSÁRIO 3. FLAP 30 GRAUS 4. VELOCIDADE 65/75 MPH IMPRESSO Página 14 de CRUZEIRO 1. MANETE POTÊNCIA 2200 A 2700 RPM 2. MANETE MISTURA EMPOBRECER DE ACORDO COM O EGT 13. ANTES DO POUSO PERNA DO VENTO 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO 2. VELOCIDADE 80MPH 3. LIQUIDOMETROS COMBUSTÍVEL SUFICIENTE PARA ARREMETIDA 4. PRESSÃO E TEMPERATURA DO ÓLEO FAIXA OPERACIONAL 5. MANETE MISTURA RICA 6. SELETORAS DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 7. MASTER / CHAVE MAGNETOS LIGADOS 8. AR QUENTE DO CARBURADOR COMO NECESSÁRIO 7. FAROL DE POUSO LIGADO TRAVÉS DA CABECEIRA EM USO POUSO SEM MOTOR 1. MANETE DE POTÊNCIA REDUZIR PARA MARCHA LENTA POUSO COM MOTOR 1. MANETE DE POTÊNCIA REDUZIR PARA 1500 RPM 2. AR QUENTE DO CARBURADOR COMO NECESSÁRIO 3. VELOCIDADE 80 MPH 4. FLAP 10 GRAUS PERNA BASE 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO TREM FIXO 2. MANETE DE POTÊNCIA COMO NECESSÁRIO 3. FLAP 20 GRAUS 4. VELOCIDADE 75/80 MPH 5. CHEQUE DE AREA FINAL LIVRE E PRINCIPAL LIVRE RETA FINAL 1. FONIA INFORMAR POSIÇÃO 2. MANETE DE POTÊNCIA COMO NECESSÁRIO 3. FLAP 30 GRAUS 4. VELOCIDADE 65/75 MPH IMPRESSO Página 14 de 23

15 14. POUSO POUSAR NO 1/3 DA PISTA 1. ATITUDE CABRANDO PARA POUSAR COM O TREM PRINCIPAL 1. FREIOS UTILIZE COM ATENÇÃO COMO FOR NECESSÁRIO 15. ARREMETIDA ALTURA MÍNIMA RECOMENDADA 300FT 1. COMANDANTE INFORMAR ARREMETENDO 2. CO-PILOTO CIENTE 3. AR QUENTE DO CARBURADOR FECHADO 4. MANETE DE POTÊNCIA MÁXIMA RPM 5. ATITUDE RETO HORIZONTAL 6. FLAPES 1. FONIA 2. AO ATINGIR 400FT ALTURA 3. AO ATINGIR 500FT ALTURA RECOLHER GRADUALMENTE OS FLAPES ATÉ 0 GRAUS SUBIR COM 80 Mph APÓS ARREMETIDA REPORTAR EM LOCAL DESPROVIDO DE CONTROLE, A HORA DA ARREMETIDA E O DESTINO (ALTITUDE E SETOR) FAROL POUSO DESLIGADO FLAP TOTALMENTE RECOLHIDO INSTRUMENTOS MOTOR OPERACIONAIS CHECAR ÁREA LIVRAR ATZ PARA O DESTINO DE ACORDO COM REGRAS DE VÔO 14. POUSO POUSAR NO 1/3 DA PISTA 1. ATITUDE CABRANDO PARA POUSAR COM O TREM PRINCIPAL 1. FREIOS UTILIZE COM ATENÇÃO COMO FOR NECESSÁRIO 15. ARREMETIDA ALTURA MÍNIMA RECOMENDADA 300FT 1. COMANDANTE INFORMAR ARREMETENDO 2. CO-PILOTO CIENTE 3. AR QUENTE DO CARBURADOR FECHADO 4. MANETE DE POTÊNCIA MÁXIMA RPM 5. ATITUDE RETO HORIZONTAL 6. FLAPES 1. FONIA 2. AO ATINGIR 400FT ALTURA 3. AO ATINGIR 500FT ALTURA RECOLHER GRADUALMENTE OS FLAPES ATÉ 0 GRAUS SUBIR COM 80 Mph APÓS ARREMETIDA REPORTAR EM LOCAL DESPROVIDO DE CONTROLE, A HORA DA ARREMETIDA E O DESTINO (ALTITUDE E SETOR) FAROL POUSO DESLIGADO FLAP TOTALMENTE RECOLHIDO INSTRUMENTOS MOTOR OPERACIONAIS CHECAR ÁREA LIVRAR ATZ PARA O DESTINO DE ACORDO COM REGRAS DE VÔO IMPRESSO Página 15 de 23 IMPRESSO Página 15 de 23

16 16. APÓS O POUSO MANTER A AERONAVE SOB TOTAL CONTROLE DURANTE O TÁXI TAXIAR SEMPRE QUE POSSIVEL PELA LINHA AMARELA 1. REALIZAR O BACK TRACK 2. TRANSPONDER POSIÇÃO OFF CÓDIGO FONIA EM PISTA NÃO CONTROLADA REPORTAR A HORA DO POUSO 4. FLAPES RECOLHIDOS 5. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 17. LIVRANDO A PISTA MANTER A AERONAVE SOB TOTAL CONTROLE 1. FONIA ACUSAR LIVRANDO A PISTA PRINCIPAL E DESTINO DO TÁXI 2. FAROL POUSO E TAXI DESLIGADOS 3. MANTER SEMPRE O DESLOCAMENTO PELA LINHA AMARELA 18. CORTE DO MOTOR SOMENTE COM A AERONAVE TOTALMENTE PARADA 1. MANETE POTÊNCIA 1000 RPM 2. AVIÕNICOS DESLIGADOS 3. MANETE MISTURA CORTADA 6. LUZ DE NAVEGAÇÃO ROTATE BEACON DESLIGADOS (Após parada do motor) 7. MASTER / CHAVE MAGNETOS DESLIGADOS 8. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 9. HEADPHONE RETIRADO E GUARDADO 10. CINTOS DE SEGURANÇA AFIVELADOS SOBRE OS ASSENTOS 11. MANCHE TRAVADO 12. HÉLICE NA VERTICAL 13. TUBO DE PITOT COBERTO 14. RODAS CALÇADAS Obs: Em caso de pernoite ao tempo, promover estaqueamento da aeronave. IMPRESSO Página 16 de APÓS O POUSO MANTER A AERONAVE SOB TOTAL CONTROLE DURANTE O TÁXI TAXIAR SEMPRE QUE POSSIVEL PELA LINHA AMARELA 1. REALIZAR O BACK TRACK 2. TRANSPONDER POSIÇÃO OFF CÓDIGO FONIA EM PISTA NÃO CONTROLADA REPORTAR A HORA DO POUSO 4. FLAPES RECOLHIDOS 5. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 17. LIVRANDO A PISTA MANTER A AERONAVE SOB TOTAL CONTROLE 1. FONIA ACUSAR LIVRANDO A PISTA PRINCIPAL E DESTINO DO TÁXI 2. FAROL POUSO E TAXI DESLIGADOS 3. MANTER SEMPRE O DESLOCAMENTO PELA LINHA AMARELA 18. CORTE DO MOTOR SOMENTE COM A AERONAVE TOTALMENTE PARADA 1. MANETE POTÊNCIA 1000 RPM 2. AVIÕNICOS DESLIGADOS 3. MANETE MISTURA CORTADA 6. LUZ DE NAVEGAÇÃO ROTATE BEACON DESLIGADOS (Após parada do motor) 7. MASTER / CHAVE MAGNETOS DESLIGADOS 8. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 9. HEADPHONE RETIRADO E GUARDADO 10. CINTOS DE SEGURANÇA AFIVELADOS SOBRE OS ASSENTOS 11. MANCHE TRAVADO 12. HÉLICE NA VERTICAL 13. TUBO DE PITOT COBERTO 14. RODAS CALÇADAS Obs: Em caso de pernoite ao tempo, promover estaqueamento da aeronave. IMPRESSO Página 16 de 23

17 19. OPERAÇÃO COM VENTO CRUZADO 1- TÁXI 1a VENTO CRUZADO SETOR DIANTEIRO - USE O AILERON DA ASA DO LADO DE ONDE VEM O VENTO NA POSIÇÃO PARA CIMA E COMANDO DO PROFUNDOR NA POSIÇÃO ATRÁS. 1b VENTO CRUZADO SETOR TRASEIRO - USE O AILERON DA ASA DO LADO DE ONDE VEM O VENTO NA POSIÇÃO PARA BAIXO E O COMANDO DO PROFUNDOR EM NEUTRO. 2 DECOLAGEM - USAR O PROCEDIMENTO NORMAL, OU SEJA, DEFLETIR O COMANDO DO AILERON PARA O LADO DO VENTO E APLICAR O PÉ CONTRÁRIO, DE MODO A MANTER UMA TRAJETÓRIA RETILÍNEA NA DECOLAGEM. PROCURAR DECOLAR COM VELOCIDADE LIGEIRAMENTE SUPERIOR À NORMAL, 70 MPH EVITANDO-SE ASSIM A POSSIBILIDADE DE RETORNAR AO SOLO, NESTA SITUAÇÃO, O QUE PODERIA PROVOCAR UMA DERRAPAGEM, NO SOLO. UTILIZAR FLAPES CONFORME NECESSÁRIO. 3 POUSO - ALINHAR A TRAJETÓRIA DE APROXIMAÇÃO DO AVIÃO COM A PISTA, BAIXANDO A ASA DO LADO QUE VEM O VENTO E APLICAR O PÉ CONTRÁRIO. AO CHEGAR PRÓXIMO AO SOLO, ALINHAR PROGRESSIVAMENTE, DE MODO A TOCAR COM LIGEIRA INCLINAÇÃO DA ASA PARA O LADO QUE VEM O VENTO. COM O AVIÃO POUSADO, USAR O FREIO SE NECESSÁRIO DO LADO CONTRÁRIO AO VENTO PARA MANTER A RETA. 19. OPERAÇÃO COM VENTO CRUZADO 1- TÁXI 1a VENTO CRUZADO SETOR DIANTEIRO - USE O AILERON DA ASA DO LADO DE ONDE VEM O VENTO NA POSIÇÃO PARA CIMA E COMANDO DO PROFUNDOR NA POSIÇÃO ATRÁS. 1b VENTO CRUZADO SETOR TRASEIRO - USE O AILERON DA ASA DO LADO DE ONDE VEM O VENTO NA POSIÇÃO PARA BAIXO E O COMANDO DO PROFUNDOR EM NEUTRO. 2 DECOLAGEM - USAR O PROCEDIMENTO NORMAL, OU SEJA, DEFLETIR O COMANDO DO AILERON PARA O LADO DO VENTO E APLICAR O PÉ CONTRÁRIO, DE MODO A MANTER UMA TRAJETÓRIA RETILÍNEA NA DECOLAGEM. PROCURAR DECOLAR COM VELOCIDADE LIGEIRAMENTE SUPERIOR À NORMAL, 70 MPH EVITANDO-SE ASSIM A POSSIBILIDADE DE RETORNAR AO SOLO, NESTA SITUAÇÃO, O QUE PODERIA PROVOCAR UMA DERRAPAGEM, NO SOLO. UTILIZAR FLAPES CONFORME NECESSÁRIO. 3 POUSO - ALINHAR A TRAJETÓRIA DE APROXIMAÇÃO DO AVIÃO COM A PISTA, BAIXANDO A ASA DO LADO QUE VEM O VENTO E APLICAR O PÉ CONTRÁRIO. AO CHEGAR PRÓXIMO AO SOLO, ALINHAR PROGRESSIVAMENTE, DE MODO A TOCAR COM LIGEIRA INCLINAÇÃO DA ASA PARA O LADO QUE VEM O VENTO. COM O AVIÃO POUSADO, USAR O FREIO SE NECESSÁRIO DO LADO CONTRÁRIO AO VENTO PARA MANTER A RETA. IMPRESSO Página 17 de 23 IMPRESSO Página 17 de 23

18 II - PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 1. FOGO DURANTE A PARTIDA 1. CONTINUE ACIONANDO O MOTOR DE ARRANQUE 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO MASTER / CHAVE MAGNETOS - DESLIGADOS 3. SE O FOGO INSISTIR ABANDONE A AERONAVE 4. UTILIZE, SE POSSÍVEL, MEIOS EXTERNOS, A EXEMPLO DO EXTINTOR 5. PERSISTINDO O FOGO AFASTE-SE DO AVIÃO - RISCO DE EXPLOSÃO 2. PARADA DO MOTOR APÓS A DECOLAGEM 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. FLAP SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 5. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 3. PARADA DO MOTOR EM VOO 1. VELOCIDADE ESTABILIZAR EM 80 Mph SE A ALTURA PERMITIR CHEQUE PRÉ POUSO 2. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA SUFICIENTE PARA O VOO 3. MASTER E CHAVE MAGNETOS LIGADOS 4. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 5. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 6. CHAVE MAGNETOS CHECAR LEFT E RIGHT DECLARAR POUSO EM EMERGÊNCIA 7. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO 8. MASTER E CHAVE MAGNETOS DESLIGADOS 9. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO A FRENTE / DOS LADOS ABAIXO / ATRAS 10. FLAP SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 11. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO IMPRESSO Página 18 de 23 II - PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 1. FOGO DURANTE A PARTIDA 1. CONTINUE ACIONANDO O MOTOR DE ARRANQUE 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO MASTER / CHAVE MAGNETOS - DESLIGADOS 3. SE O FOGO INSISTIR ABANDONE A AERONAVE 4. UTILIZE, SE POSSÍVEL, MEIOS EXTERNOS, A EXEMPLO DO EXTINTOR 5. PERSISTINDO O FOGO AFASTE-SE DO AVIÃO - RISCO DE EXPLOSÃO 4. PARADA DO MOTOR APÓS A DECOLAGEM 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. FLAP SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 5. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 5. PARADA DO MOTOR EM VOO 1. VELOCIDADE ESTABILIZAR EM 80 Mph SE A ALTURA PERMITIR CHEQUE PRÉ POUSO 2. LIQUIDOMETROS AUTONOMIA SUFICIENTE PARA O VOO 3. MASTER E CHAVE MAGNETOS LIGADOS 4. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 5. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 6. CHAVE MAGNETOS CHECAR LEFT E RIGHT DECLARAR POUSO EM EMERGÊNCIA 7. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADO 8. MASTER E CHAVE MAGNETOS DESLIGADOS 9. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO A FRENTE / DOS LADOS ABAIXO / ATRAS 10. FLAP SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 11. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO IMPRESSO Página 18 de 23

19 4. PARTIDA DO MOTOR EM VOO COM A CAUSA DA PANE DETERMINADA E CORRIGIDA, SE NECESSÁRIO E CASO HAJA TEMPO SUFICIENTE, TENTAR PARTIDA EM VOO, PROCEDENDO COMO DESCRITO ABAIXO: PERIGO TENTAR A PARTIDA EM VOO APENAS QUANDO HOUVER CERTEZA DE QUE NÃO AFETARÁ A SEGURANÇA DE VOO 1. ESCOLHER ÁERA PARA POSSÍVEL POUSO FORÇADO 2. NARIZ EM BAIXO MANTER 80 Mph 3. MANETE POTÊNCIA ABERTA - CERCA DE 1 POLEGADA 4. MANETE MISTURA RICA 5. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 6. MASTER E CHAVE MAGNETOS LIGADOS CASO A HÉLICE NÃO ESTEJA GIRANDO EM MOLINETE POSIÇÃO STARTER ATÉ A HÉLICE COMEÇAR A GIRAR 7. CHAVE MAGNETOS 5. FOGO NO MOTOR EM VOO 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 5. AR QUENTE CABINE FECHADO A FRENTE / DOS LADOS 6. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO ABAIXO / ATRAS SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. 7. FLAP USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 8. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 9. NÃO ABRIR A JANELA ATÉ A CONCLUSÃO DO POUSO 4. PARTIDA DO MOTOR EM VOO COM A CAUSA DA PANE DETERMINADA E CORRIGIDA, SE NECESSÁRIO E CASO HAJA TEMPO SUFICIENTE, TENTAR PARTIDA EM VOO, PROCEDENDO COMO DESCRITO ABAIXO: PERIGO TENTAR A PARTIDA EM VOO APENAS QUANDO HOUVER CERTEZA DE QUE NÃO AFETARÁ A SEGURANÇA DE VOO 2. ESCOLHER ÁERA PARA POSSÍVEL POUSO FORÇADO 2. NARIZ EM BAIXO MANTER 80 Mph 3. MANETE POTÊNCIA ABERTA - CERCA DE 1 POLEGADA 4. MANETE MISTURA RICA 5. SELETORA DE COMBUSTÍVEL ABERTA - POSIÇÃO AMBOS 6. MASTER E CHAVE MAGNETOS LIGADOS CASO A HÉLICE NÃO ESTEJA GIRANDO EM MOLINETE POSIÇÃO STARTER ATÉ A HÉLICE COMEÇAR A GIRAR 7. CHAVE MAGNETOS 5. FOGO NO MOTOR EM VOO 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. AR QUENTE CARBURADOR FECHADO 5. AR QUENTE CABINE FECHADO A FRENTE / DOS LADOS 6. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO ABAIXO / ATRAS SOMENTE USAR NA CERTEZA DO POUSO. 7. FLAP USAR NA FINAL PARA POUSO 30 GRAUS 8. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 9. NÃO ABRIR A JANELA ATÉ A CONCLUSÃO DO POUSO IMPRESSO Página 19 de 23 IMPRESSO Página 19 de 23

20 6. POUSO DE EMERGÊNCIA NA ÁGUA 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. FLAP APROE O VENTO - POUSO COM FLAP 30º 8. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 7. RECUPERAÇÃO DE PARAFUSO 1. MANETE DE POTÊNCIA MARCHA LENTA 2. PROFUNDOR MANCHE A FRENTE 3. AILERON MANCHE EM NEUTRO 4. PEDAL A FUNDO CONTRA A ROTAÇÃO 5. CESSANDO A ROTAÇÃO CENTRALIZAR OS PEDAIS 6. RECUPERAÇÃO OBSERVE LIMITES - VELOCIDADE E ACELERAÇÃO 8. FUMAÇA NO INTERIOR DA CABINE ORIGEM ELÉTRICA CURTO CIRCUITO 1. JANELA ABERTA 2. AR FRIO CABINE ABERTO 3. VENTILAÇÃO SUPERIOR CABINE AMBAS EM ABERTO 4. MASTER DESLIGADO 5. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 6. EQUIP. ELÉTRO-ELETRÔNICOS DESLIGADOS PARANDO A FUMAÇA 7. MASTER LIGADO 8. EQUIP ELETRO-ELETRÔNICOS LIGAR UM A UM PELA PRIORIDADE 9. ANALISAR COMO SERÁ A SEQUÊNCIA DO VÔO NÃO PARANDO A FUMAÇA DECLARAR POUSO DE EMERGÊNCIA 10. VELOCIDADE 80 Mph 11. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO A FRENTE / DOS LADOS ABAIXO / ATRAS 12. MANETE DE POTÊNCIA CONFORME NECESSÁRIO NA CERTEZA DO POUSO 13. MASTER LIGADO 14. FLAP POSIÇÃO 30 GRAUS IMPRESSO Página 20 de POUSO DE EMERGÊNCIA NA ÁGUA 1. VELOCIDADE 80 Mph 2. SELETORA DE COMBUSTÍVEL POSIÇÃO FECHADA 3. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO DESLIGADO 4. FLAP APROE O VENTO - POUSO COM FLAP 30º 8. MASTER DESLIGADO ANTES DE EFETUAR O POUSO 7. RECUPERAÇÃO DE PARAFUSO 1. MANETE DE POTÊNCIA MARCHA LENTA 2. PROFUNDOR MANCHE A FRENTE 3. AILERON MANCHE EM NEUTRO 4. PEDAL A FUNDO CONTRA A ROTAÇÃO 5. CESSANDO A ROTAÇÃO CENTRALIZAR OS PEDAIS 6. RECUPERAÇÃO OBSERVE LIMITES - VELOCIDADE E ACELERAÇÃO 8. FUMAÇA NO INTERIOR DA CABINE ORIGEM ELÉTRICA CURTO CIRCUITO 1. JANELA ABERTA 2. AR FRIO CABINE ABERTO 3. VENTILAÇÃO SUPERIOR CABINE AMBAS EM ABERTO 4. MASTER DESLIGADO 5. CHAVE MAGNETOS POSIÇÃO AMBOS LIGADOS 6. EQUIP. ELÉTRO-ELETRÔNICOS DESLIGADOS PARANDO A FUMAÇA 7. MASTER LIGADO 8. EQUIP ELETRO-ELETRÔNICOS LIGAR UM A UM PELA PRIORIDADE 9. ANALISAR COMO SERÁ A SEQUÊNCIA DO VÔO NÃO PARANDO A FUMAÇA DECLARAR POUSO DE EMERGÊNCIA 10. VELOCIDADE 80 Mph 11. ESCOLHER LOCAL PARA POUSO A FRENTE / DOS LADOS ABAIXO / ATRAS 12. MANETE DE POTÊNCIA CONFORME NECESSÁRIO NA CERTEZA DO POUSO 13. MASTER LIGADO 14. FLAP POSIÇÃO 30 GRAUS IMPRESSO Página 20 de 23

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Manual para Vôo VFR Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 4 3.1. CHECKLIST:... 4 3.2. CHEQUE PRÉ-DECOLAGEM:... 4

Leia mais

Aeroclube de Sorocaba Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150

Aeroclube de Sorocaba Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 OBJETIVO... 1 O AVIÃO... 1 Painel de instrumentos... 2 Especificações principais... 3 CHECK-LIST DE OPERAÇÃO

Leia mais

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br 2 SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 GENERALIDADES 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 08 SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS NORMAIS 11 SEÇÃO 5 DESEMPENHO 17 SEÇÃO 6 PESO E BALANCEAMENTO 21 SEÇÃO 7 DESCRIÇÃO

Leia mais

Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação

Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação Manual de Padronização de Voo 2 Controle de Revisões Revisão Data Nome Assinatura Original Agosto/2010 Rolf Bauke Revisão Julho/2012 Responsável:

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS Aeroclube de Brasília MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS Cessna C172 Modelo 172F 2013 Revisão 01 PREFÁCIO Este Manual, baseado no Manual do Fabricante da Aeronave Cessna 172 Skyhawk, destina-se ao detalhamento

Leia mais

MANUAL DE VOO PIPER P28R

MANUAL DE VOO PIPER P28R MANUAL DE VOO PIPER P28R SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 INTRODUÇÃO 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS NORMAIS 07 SEÇÃO 4 PERFORMANCE 10 SEÇÃO 5 AERONAVE E SEUS SISTEMAS 13 SEÇÃO 6 PROCEDIMENTOS NORMAIS

Leia mais

SOP/Manual da Aeronave P56C

SOP/Manual da Aeronave P56C SOP/Manual da Aeronave P56C Standard Operational Procedures Manual da Aeronave Paulistinha PP HMN 1ª Edição Junho/2013 PREFÁCIO Este manual de procedimentos tem como objetivo a padronização de todas as

Leia mais

Aeroclube de Eldorado do Sul SOP PAULISTINHA

Aeroclube de Eldorado do Sul SOP PAULISTINHA Junho/2013 /Manual da aeronave NE56C Standard Operational Procedures / Manual da Aeronave Paulistinha 1ª Edição - Beta 2 PREFÁCIO Este manual de procedimentos tem como objetivo a padronização de todas

Leia mais

SOP EMB712. Standard Operating Procedures. Tupi

SOP EMB712. Standard Operating Procedures. Tupi SOP EMB712 Standard Operating Procedures Tupi FOLHA DE ATUALIZAÇÃO Folhas Atualizadas Data Atualizado por: Adicionado página i e 20, e alterada páginas 15 a 19 15/03/2007 F.Muller Alterada as páginas 11

Leia mais

Quasar Lite II. 1 Célula (3 opções diferentes de célula) Opção I - Quasar Lite II - Fuselagem em Vidro

Quasar Lite II. 1 Célula (3 opções diferentes de célula) Opção I - Quasar Lite II - Fuselagem em Vidro 1 Célula (3 opções diferentes de célula) Quasar Lite II Opção I - Quasar Lite II - Fuselagem em Vidro Fuselagem em estrutura sanduíche de fibra de vidro com núcleo em espuma aeronáutica de PVC rígido.

Leia mais

Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB

Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB 1 INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. HISTÓRICO 3. ESTRUTURA 4. MOTOR 5. HÉLICE 6. TREM DE POUSO 7. FREIOS 8. SISTEMAS 9. PILOTANDO 2 INTRODUÇÃO MANUAL DO

Leia mais

Aeroclube de Blumenau

Aeroclube de Blumenau Aeroclube de Blumenau 70 anos de excelência em aviação MANUAL DE SEGURANÇA RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E PRÁTICAS I. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS COM AS AERONAVES DENTRO E FORA DO AERÓDROMO DE INSTRUÇÃO 1. Posicionamento

Leia mais

Manual de manobras e padronização

Manual de manobras e padronização Aeroclube de Eldorado do Centro de Ensino Aeronáutico Manual de manobras e padronização Pág.: 1 www.aeroeldorado.com.br ÍNDICE FINALIDADE... 4 APRESENTAÇÃO... 5 SEÇÃO 1 - INSTRUMENTOS BÁSICOS DAS AERONAVES...

Leia mais

SUMÁRIO. Página. Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br

SUMÁRIO. Página. Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 INTRODUÇÃO 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS NORMAIS 07 SEÇÃO 4 PERFORMANCE 10 SEÇÃO 5 AERONAVE E SEUS SISTEMAS 13 SEÇÃO 6 PROCEDIMENTOS NORMAIS 22 SEÇÃO 7 PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUAL DE VÔO UIRAPURU

MANUAL DE VÔO UIRAPURU MANUAL DE VÔO UIRAPURU A 122B AEROCLUBE DE BRASÍLIA ÍNDICE GERAL SEÇÃO I DESCRIÇÃO Aeronave...1-1 Motor...1-1 Instrumentos do motor...1-3 Instrumentos de vôo...1-4 Sistema de vácuo...1-5 Sistema de lubrificação...1-5

Leia mais

PIPER Super Cub PA18-150

PIPER Super Cub PA18-150 AEROCLUBE DE BRASÍLIA DIRETORIA DE VOO A VELA Manual Resumido PIPER Super Cub PA18-150 PIPER Super Cub PA-18 150 HP Aeronaves produzidas a partir de 1974 Este resumo é uma tradução livre de uma cópia do

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para técnicos

CSR/Instruções de inspeção para técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Escavadeiras CSR/Instruções de inspeção para técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre às instruções

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CAP- 4 (PAULISTINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CAP- 4 (PAULISTINHA) EDIÇÃO 01 06/2013

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CAP- 4 (PAULISTINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CAP- 4 (PAULISTINHA) EDIÇÃO 01 06/2013 MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CAP- 4 (PAULISTINHA) E MANUAL DE MANOBRAS DO CAP- 4 (PAULISTINHA) EDIÇÃO 01 06/2013 2 MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CAP- 4 (PAULISTINHA)

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA)

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) E MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA) EDIÇÃO 01 11/2014 Manual C152 Página 1 Índice MANUAL C 152 SOBRE O MANUAL... 6 BREVE

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA PILOTO PRIVADO PROGRAMA D INSTRUÇÃO PRÁTICA 1 ste é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-3 através

Leia mais

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO

O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO 1 O PRIMEIRO VÔO DO SEU AVIÃO POR Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz discute aviões leves concepção e construção]. Com a chegada da primavera, é

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL +-------------------+ ESPECIFICAÇÃO DE AERONAVE Nº EA-7501 EA-7501-04 Detentor do CHT: Folha 1 INDÚSTRIA

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles Infinity singles Estes equipamentos foram desenvolvidos com funções integradas em pequenas unidades 2¼, para que possam ser utilizadas como complemento em aeronaves que já possuam instrumentos instalados

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

GUIA DE CONSULTA RÁPIDA O Guia de Consulta Rápida foi desenvolvido para auxiliar você a familiarizar-se com seu novo Honda e fornecer instruções básicas sobre alguns dos itens tecnológicos. Indicador de

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA 1 ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA REGIMENTO INTERNO E REGULAMENTO DO CURSO PARA OBTENÇÃO DE CPD & CPR Elaborado por Juares Riva Vanz CANAC 160761 Setembro/2012 Rua Capitão Eleutério, 610 Sala

Leia mais

FOX V-5 Tandem Manual de Operação, Montagem e Manutenção

FOX V-5 Tandem Manual de Operação, Montagem e Manutenção indústria aeronáutica ltda Manual de Operação, Montagem e Manutenção Starflight Indústria Aeronáutica Ltda Av. Gov. Roberto Silveira nº1585 Cep.26285-060 Centro Nova Iguaçu RJ. Tel. 21/2695-4554 Fax.21/2695-4852

Leia mais

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo INSTRUMENTOS Os instrumentos servem para controlar o vôo, o funcionamento do motor e demais sistemas da aeronave. Eles são classificados em 4 grupos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

Cap. 04 - Sistema de Alimentação e Combustível

Cap. 04 - Sistema de Alimentação e Combustível Cap. 04 - Sistema de Alimentação e Combustível SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO O Sistema de Alimentação, como o nome já diz, se destina a fornecer a mistura ar-combustível ao motor, na pressão e temperatura apropriada.

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

CARVE MOTOR. 50cc V.05

CARVE MOTOR. 50cc V.05 CARVE MOTOR 50cc V.05 Leia atentamente as instruções deste manual. O usuário deve seguir rigorosamente todos os procedimentos descritos, bem como estar ciente dos riscos inerentes à prática de esportes

Leia mais

FORMAÇÃO DE GELO EM AERONAVES

FORMAÇÃO DE GELO EM AERONAVES FORMAÇÃO DE GELO EM A formação de gelo afeta uma aeronave tanto interna quanto externamente. A acumulação de gelo ocorre nas superfícies expostas do avião, aumentando o seu peso e a sua resistência ao

Leia mais

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS. 1ª Edição 23 de Outubro de 2002

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS. 1ª Edição 23 de Outubro de 2002 Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS 1ª Edição 23 de Outubro de 2002 INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE INSTRUÇÃO PROFISSIONAL PREFÁCIO Este volume, Instrumentos

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EJI EMB 810C DATA 15 OUT 2002 RF A- 071/CENIPA/2009

Leia mais

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!!

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!! Pneus de Aviões: Vitais, mas quase esquecidos Os aviões foram construídos para voar, mas entre os itens mais críticos para a sua segurança estão os pneus, que os suportam no solo. Embora tenham grande

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13

EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13 EM CASO DE EMERGÊNCIA Corsa, 12/05 9-13 10. Dê a partida ao motor do veículo que está com a bateria descarregada. Se o motor não pegar após algumas tentativas, provavelmente haverá necessidade de reparos.

Leia mais

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG SL 733 GRANDE POTÊNCIA, ALTO DESEMPENHO A carregadeira sobre rodas Hyundai Shandong entrega máxima potência todo o tempo, representando um ganho substancial

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Carregadeiras sobre rodas CSR/Instruções de inspeção para Técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre

Leia mais

Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE

Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE Modelo JACARANDA VBX14 Os Direitos autorais pertencem a VB IMPORTAÇAO LTDA proibindo a reprodução sem previa autorização Obrigado por escolher a VERDE BIKE.

Leia mais

Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE

Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE Manual do Usuário Bicicleta elétrica VERDE BIKE Modelo ALGAROBA VBX05 Os Direitos autorais pertencem a VB IMPORTAÇAO LTDA proibindo a reprodução sem previa autorização Obrigado por escolher a VERDE BIKE.

Leia mais

Criptografia: Fred Mesquita

Criptografia: Fred Mesquita CAPÍTULO 12 SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO INTRODUÇÃO Nos modelos do Super King Air 200, BB-2 até BB-194, o sistema de pressurização foi proj etado para fornecer um diferencial de pressão normal do funcionamento

Leia mais

Aeroclube de Blumenau Excelência em aviação

Aeroclube de Blumenau Excelência em aviação eroclube de Blumenau xcelência em aviação anual de anobras 2 ontrole de revisões Revisão número Data Nome ssinatura Original Setembro/2010 Rolf Bauke Revisão Revisão Julho/2012 Outubro/2015 Responsável:

Leia mais

CAPÍTULO 12 INSTRUMENTOS

CAPÍTULO 12 INSTRUMENTOS CAPÍTULO 12 INSTRUMENTOS INTRODUÇÃO A operação segura, econômica e digna de confiança das modernas aeronaves depende, principalmente, do uso dos instrumentos. Os primeiros instrumentos de aeronaves foram

Leia mais

Com a aproximação do fim da vida útil do T-25 Universal, operado pela FAB na

Com a aproximação do fim da vida útil do T-25 Universal, operado pela FAB na Com a aproximação do fim da vida útil do T-25 Universal, operado pela FAB na Academia da Força Aérea, tem início a busca por um substituto à sua altura. Atenta a esse processo, ainda não oficial no âmbito

Leia mais

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883

www.cpsol.com.br (11) 4106-3883 REGULAGEM DA CORRENTE A tensão da corrente estará correta, quando em temperatura ambiente, a corrente encostar na parte inferior do sabre e ainda puder ser puxada com a mão sobre o mesmo. CORTE DE TORAS

Leia mais

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion SISTEMA I MOTION FOX - I Motion Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino Professor do Umec Universo do Mecânico Ex-Professor do Senai Diretor do Sindirepa-SP Consultor do Jornal

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

Total de horas voadas: novo, sem operação apenas horas de fábrica e traslado.

Total de horas voadas: novo, sem operação apenas horas de fábrica e traslado. Modelo: ESQUILO AS350B2 Fabricante: EUROCOPTER Ano de Fabricação: novo de fábrica Total de horas voadas: novo, sem operação apenas horas de fábrica e traslado. Pronta Entrega Preço: Sob consulta Peso básico

Leia mais

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056 Certificado de Garantia. Modelo Controle Kitest Equipamentos Automotivos KA-056 Nº Manual do Usuário A Kitest Equipamentos Automotivos garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação

Leia mais

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade O A-Viator é um bimotor de hélices turbinadas, asa na parte superior e com capacidade para 11 lugares, desenvolvido para satisfazer as crescentes demandas de operadores por uma aeronave de alto desempenho

Leia mais

SPORT 110 CABEÇOTE/CILINDRO

SPORT 110 CABEÇOTE/CILINDRO SPORT 110 CABEÇOTE/CILINDRO SEQ. CODIGO PEÇA DESCRIÇÃO 1 FOX-M1187-00 COBERTURA, CILINDRO LE 1 2 SUP-M1186-00 TAMPA, VALVULAS 2 3 12313-063-0000 PORCA CAPA 4 4 12246-063-0000 ANEL 30.8X3.2 2 5 12135-063-0000

Leia mais

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P CAPITULO 64 APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P VECTRA 2.0-8V - 97 VECTRA 2.0-16V - 97 KADETT 2.0-97 S10 2.2 VECTRA 2.2 COMO FUNCIONA O SISTEMA. Este sistema de injeção eletrônica é um sistema digital

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns!

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns! Phantom 1308 Manual de Instruções Parabéns! Você acaba de adquirir um produto CANDIDE. Saiba que fez uma excelente escolha. Sempre pensamos em um brinquedo seguro que estimule a criatividade e dê alegria

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

8teste de voo. vulcanair p68c

8teste de voo. vulcanair p68c 8teste de voo TESTE DE VOO 76 A v iã o R ev u e IDEAL PARA QUALQUER Com dois motores de 200 hp supereconômicos, o P68C surge como uma opção de bimotor que se adapta a qualquer tarefa por Décio Corrêa fotos

Leia mais

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING OBJETIVO Identificar o funcionamento do trem de pouso, freios e sistema direcional da aeronave VC-99. ROTEIRO TREM DE POUSO FREIOS SISTEMA DIRECIONAL ROTEIRO TREM DE POUSO

Leia mais

Deriva Horizontal e sua parte móvel (PROFUNDOR)...Deriva Vertical e sua parte móvel (LEME)...O corpo (FUZELAGEM ou CHARUTO)

Deriva Horizontal e sua parte móvel (PROFUNDOR)...Deriva Vertical e sua parte móvel (LEME)...O corpo (FUZELAGEM ou CHARUTO) Este manual serve para qualquer avião da Artal. Terá apenas algumas mudanças como posição do profundor do Stick Onda que será fixo na parte de baixo do charuto. Outra mudança também é na posição dos servos,

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Preparando a Aeronave Removendo a trava do gimbal Remova a trava do gimbal deslizando ela para a direita ( olhando a aeronave de frente ), como mostra

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 650 de 843 - - - - Histórico Histórico Início da Decolagem Falha do motor Impacto Saída do solo - - - - Anais

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 006/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 006/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 006/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-RFU EMB-810C DATA: 03 JUL 2009 ADVERTÊNCIA

Leia mais

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V CAPITULO 56 BOSCH MOTRONIC M2.8-16V APLICATIVOS GM VECTRA GSI CALIBRA 2.0 16V COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 2.8 DO VECTRA GSI 2.0 E CALIBRA 2.0 16V Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC

Leia mais

RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010

RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL I-Nº 037/CENIPA/2010 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: INCIDENTE GRAVE PR-JTR AMT-600 DATA: 14 NOV 2008 ADVERTÊNCIA

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

ROBINSON R66 TURBINE

ROBINSON R66 TURBINE ROBINSON R66 TURBINE Por: Cmte. Mardey Couto APRESENTAÇÃO DA AERONAVE O Robinson R66 Turbine é um helicóptero fabricado pela Robinson C.O. e incorpora os mesmos dispositivos e design que consagraram o

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº Manual Do Usuário A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período

Leia mais

A precisão que você precisa.

A precisão que você precisa. A precisão que você precisa. -30 Agronave 30 O Agronave 30 é um moderno sistema de navegação agrícola para auxiliar o produtor rural nos diversos processos de aplicação, plantio e colheita. Leia com cuidado

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 02 1( 5 ) Generalidades Inspeção Final VM BRA49905 89028788 Portuguese/Brazil Printed in Brazil

Leia mais

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro!

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! A cada 10 mil km: Trocar o fluido do freio;* Trocar os filtros de ar, de combustível, do ar condicionado;* Trocar o óleo do motor (sintético) e filtro do óleo;* A cada 15 mil km Verificar as velas de ignição

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 055/CENIPA/2010

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 055/CENIPA/2010 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 055/CENIPA/2010 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-NGF EMB-711C DATA: 03 SET 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

FAROL DE BUSCA SPECTROLAB SX-16 NIGHTSUN

FAROL DE BUSCA SPECTROLAB SX-16 NIGHTSUN FAROL DE BUSCA SPECTROLAB SX-16 NIGHTSUN PROCEDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO DO FAROL 1 - Abrir o porta-malas lateral direito, desatarraxar a porca-borboleta (verde) do cabo da bateria, conectar o cabo (duplo)

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS XY200-5 RACING

CATÁLOGO DE PEÇAS XY200-5 RACING RACING CHASSI ÍNDICE ELÉTRICA ÍNDICE CHASSI... 04 GUIDÃO... 06 CARENAGEM DO FAROL... 10 SISTEMA DE DIREÇÃO... 12 SUSPENSÃO DIANTEIRA... 14 PARALAMA DIANTEIRO... 16 CAVALETES... 18 PEDALEIRAS... 20 SUSPENSÃO

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da teoria e aerodinâmica de voo, julgue os itens a seguir. 51 Em um avião a hélice, o alcance máximo é obtido na velocidade correspondente ao ângulo de ataque quando

Leia mais

Conteúdo. SOP AEROCLUBE DE PIRACICABA REV. 01 Janeiro / 2014 P á g i n a 1

Conteúdo. SOP AEROCLUBE DE PIRACICABA REV. 01 Janeiro / 2014 P á g i n a 1 Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Controle do Manual... 4 1.2 Composição... 4 1.3 Atualização... 4 1.4 Revisão... 5 1.5 Controle De Revisões... 5 2 PROCEDIMENTOS GERAIS... 5 2.1 Conceito Operacional... 5

Leia mais

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto Introdução Os aviões estão entre as invenções mais incríveis. Um Boeing 747, por exemplo, pode levar 600 pessoas - e pesa quase 400 toneladas quando está abastecido para a decolagem. Mesmo assim, ele percorre

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

Manual de Instruções SX-015-A

Manual de Instruções SX-015-A Manual de Instruções SX-015-A Tabela de conteúdos Características do Produto Desenho de Construção Civil Acessórios Lista Parâmetros técnicos Instrução de Operação Painel de Controle Salvaguardas importantes

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais