Deyve Redyson RESUMO ABSTRACT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Deyve Redyson RESUMO ABSTRACT"

Transcrição

1 23 OU UMA COISA OU OUTRA: UM ESTÁDIO NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD ONE OR THE OTHER: A STAGE IN KIERKEGAARD S PHILOSOPHY Deyve Redyson RESUMO O presente artigo pretende fazer uma análise da obra Ou um Ou outro, A Alternativa do pensador dinamarquês Søren Kierkegaard onde se manifesta uma estética que percorre sua obra pseudonímica e seus estádios de vida entre o estético e o ético. Analisa também a sedução, o amor e a ironia presentes nos escritos que envolvem os anos de 1843 a Palavras-Chave: Estética; Amor; A alternativa. ABSTRACT The present article intends to do an analysis of the work Either/Or A Fragment of life, the thinker Danish's Søren Kierkegaard where shows an aesthetics that travels its work pseudonyms and its life stadiums between the aesthetic and the ethical. It also analyzes the seduction, the love and the irony presents in the writings that involve the years from 1843 to Keywords: Aesthetics; Love; Alternative. Doutor em Filosofia (Oslo, Noruega) Professor adjunto da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) onde atua nos Programas de Pós-Graduação em Filosofia e Ciências das Religiões.

2 24 1. Introdução A obra de Søren Kierkegaard Ou um Ou outro, A Alternativa 1 de1843, é sem dúvida um livro notável dentro da obra deste pensador dinamarquês, pois, inaugurou a obra pseudonímica e nos apresenta os estádios 2 Estético e Ético. A publicação desta obra, originariamente em dois volumes, chocou a sociedade dinamarquesa pela sua densidade e paradoxidade, pois os dois volumes juntos chegam a 800 páginas e é apresentada por pseudônimos diferentes que desenvolvem cada qual uma esfera de pensamento. Os dois tomos de Ou um ou outro foram publicados simultaneamente por Kierkegaard aos 29 anos de idade na cidade de Copenhague em fevereiro de 1843, após sua volta de Berlim onde se decepcionara com as aulas de Friedrich J. Schelling. A obra tem o prefácio de um certo Victor Eremita, que mais tarde escreverá um discurso no banquete In vino veritas publicado nos Estádios no caminho da vida de 1845 que, aparentemente, é uma quase continuação de Ou Ou, o livro segue com os papeis de A e os papeis de B. No prefácio de Victor Eremita, há a descrição de como estes escritos e apontamentos chegaram-lhe a mão, ele narra um episódio de que comprara uma 1 Enten-Eller. Et Livs Fragment in Søren Kierkegaard Skriffer (SKS) København. Gads Forlag, Bind 2 og 3. Utilizaremos aqui além da edição dinamarquesa as seguintes traduções: Either/Or. Princenton: Princenton University Press, 1987, 2 vols; Entweder/Oder. in: Gesammelte Werke. Düsseldorf/Köln, 1986 e O lo Uno o lo Outro: Um Fragmento de Vida I e II. Madrid: Trotta, Quando possível utilizamos algumas traduções ao português. 2 A palavra dinamarquesa é Stadier que por ser entendido (traduzido) como estágios, estádios, estações ou etapas; a tradução alemã usa Stadier a inglesa Stage a francesa Étaps e a italiana Stadi. Aqui utilizarei Estádios.Veja-se também GREVE, William. Kierkegaads maieutische Ethik. Von «Entweder / Oder II» zu den «Stadien». Frankfurt am Main. Suhrkamp Verlag escrivaninha em um antigo antiquário e descobriu que em uma de suas gavetas existia dois maços de papeis, que percebera serem redigidos por dois autores diferentes, daí os batiza de A e o outro de B. Os papeis de A se iniciam com um melancólico conjunto de aforismos intitulados de Diapsálmata redigidos ad se ipsum, isto é, para si mesmo, onde se vê a extrema essência de Goethe, Lichtemberg e outros, o pseudônimo A é o esteta, isto é, dá uma grande ênfase a fantasia, ao embelezamento das coisas e praticamente tem delírios, é dele a autoria de Os Estágios eróticos imediatos, ou o erotismo musical; O reflexo do trágico antigo no trágico moderno; Silhuetas; O Primeiro amor e o Diário do Sedutor. Os papeis de B são o segundo volume de Ou um ou Outro, este é o pseudônimo do pseudônimo Juiz Wilhelm que é o eticista, que nos exorta sobre o matrimônio e a personalidade, dele atribuise a autoria de Da validez estética do matrimônio e O equilíbrio entre a estética e a ética, na verdade estes ensaios são cartas de B para A, tentar convencê-lo de que a vida ética é mais verdadeira que a estética. 2. A representação do estádio estético e ético O Estádio estético é a forma de vida que existe. O esteta é aquele que vive poeticamente, que vive de imaginação e de reflexão. É dotado de sensibilidade delicada que lhe permite descobrir na vida o que ela tem de interessante e sabe tratar os casos vividos como se fossem obra da imaginação poética, isto é, num estado de embriaguez intelectual. A vida estética é protagonizada por Johannes o Sedutor no Diário do sedutor que sabe colocar o seu prazer, não na busca desenfreada do amor, mas na limitação e na intensidade da satisfação. Mas a vida estética revela sua insuficiência Todo o que vive esteticamente é um desesperado, tenha ou não consciência disso, o desespero é o último termo da concepção estética da vida

3 25 (REICHMANN, 1978, p. 125). A partir desse desespero entende-se o ato de se fazer a escolha. Quem desespera, escolhe de novo e escolhe a si próprio dentro de uma validade eterna. A vida ética nasce, portanto, dessa escolha. Ela implica uma estabilidade e uma continuidade que a vida estética, como incessante busca da variedade, exclui por si: a vida ética é o domínio da reafirmação de si, do dever e da fidelidade a si próprio: o domínio da liberdade pela qual o homem se forma ou se afirma por si. O elemento estético é aquele para o qual o homem é imediatamente aquilo que é; o elemento ético é aquele para o qual o homem se transforma no que se transforma (REICHMANN, 1978, p. 190). Na vida ética, o homem singular sujeita-se a uma forma, adequa-se ao universal e renuncia a ser exceção. Tal como a vida a vida estética é encarnada pelo sedutor, a vida ética é encarnada pelo marido. O matrimônio é a expressão típica da eticidade. Enquanto que na concepção estética do amor, duas pessoas excepcionais só podem ser felizes por força da excepcionalidade, na concepção ética do matrimônio todos os esposos podem ser felizes. A característica da vida ética é a escolha que o homem faz de si próprio. A escolha de si próprio é uma escolha absoluta porque não se trata da escolha de uma qualquer determinação finita, mas a escolha da liberdade (REICHMANN, 1978, p. 228). Uma vez efetuada esta escolha, o individuo descobre em si uma riqueza infinita, descobre que existe em si uma história onde reconhece a identidade consigo próprio. Ao se encontrar nesta escolha reconhece-se dentro destes aspectos e arrepende-se. O arrependimento é a última palavra da escolha ética, pois daí atrela-se a religião, no sentido absoluto do reconhecimento da própria culpa. Assim a esfera ética busca até alcançar a vida religiosa 3. No entanto, não existe continuidade entre vida ética e a vida religiosa. Entre eles existe um enorme e profundo abismo que Kierkegaard esclarece em Temor e tremor que se situa entre o estádio ético e o religioso (REICHMANN, 1978, p. 238) inaugurando a intitulada Religiosidade A direcionando a vida religiosa para Abraão. Na parte de Ou ou intitulada Silhuetas passa-tempo psicológico Kierkegaard descreve a história da três seduzidas que inspiram a intensidade da ideia do valor estético que culminará no matrimônio. As seduzidas seriam os personagens de Maria Beaumarchais, Dona Elvira e Margarida. Maria Beaumarchais é a personagem da obra de Goethe Clavigo. Clavigo abandona Maria, ela tenta se convencer de que não mais o ama por conta do sofrimento que a acomete, mais já é tarde demais, pois ela o ama intensamente, os outros que a vêem e a forma da qual sofre tentam convencê-la do contrário, mais é em vão. A personagem Maria fala da pena que é sofrer, seria uma primeira forma de se deixar seduzida, isto é, fazê-la sofrer por ter perdido. A segunda é Dona Elvira de Mozart, que é retirada do convento pela sedução de Don Juan, que a seduz e em seguida a abandona. Ao deixar o convento Elvira percebe que perdeu o céu e ao ser deixada por Don Juan perdeu o mundo, logo restam apenas três alternativas; voltar a religião, continuar amando Don Juan ou se consolar em outro homem. Elvira prefere continuar amando Don Juan e sofrer de outro modo, o estar sempre amando que não lhe ama. A terceira, Margarida, também personagem de Goethe, mais desta vez de Fausto. Fausto seduz Margarida de tal forma que a faz pensar que ele a ama muito, pois Fausto quer uma mulher que possa ser 3 Entre estes dois estágios conferir: Pulmer, K. Die dementierte Alternative. Gesellschaft und Geschichte in der ästhetischen Konstruktion von Kierkegaards «Entweder / Oder». Frankfurt / Bern: Peter Lang

4 26 instalada em sua imediatidade, a perda é terrível, a perda que Margarida sente quando é deixada por Fausto é necessariamente uma perda de si mesma, pois ela entende que só existia por que ele a fez existir, ele a fez se sentir como era, por isso esta perda é a mais terrível. Uma coisa é perder o seu amor por uma morte outra coisa é ser abandonada, enganada ou traída pelo seu amor. A dor neste caso é maior. O detalhe é que o admirável elogio ao casamento empreendido no volume II de Ou Ou confronta-se com alguns termos de Estádios no caminho da vida. Tal como no plano estético provêm em grande arte da presença da mulher, esse ser belo e caprichoso que é tão difícil de fixar numa relação definida. Dificuldade que atinge aqui o paradoxismo se é verdade, como Kierkegaard diz, que a mulher se situa ela própria na vida estética e só se revela plenamente na vida religiosa. Kierkegaard trata o amor, como algo necessário para o indivíduo, mas o amor tem artimanhas, isto é, engana, faz sofrer, liberta e realiza as pessoas. É efetivamente pelo fato de ter muitas divisões que Kierkegaard se propõe a investigá-lo. No texto A validez estética do matrimônio, que inicia o segundo volume de Ou Ou, Kierkegaard apresenta o amor em cinco partes: Os limites do amor romântico, o Exame do matrimônio cristão, Os porquês do matrimônio, O Mistério do matrimônio e o Matrimônio como categoria estética do amor. O amor é assimilado por Kierkegaard como o pensamento de matrimoniar-se, unir-se em amor, por isso que ele trata o amor como ponto fundamental do matrimônio, mais se questiona, qual matrimônio? Segundo Kierkegaard, o amor romântico baseia-se em uma ilusão e sua eternidade no tempo; que se bem que esteja intimamente convencido da constância absoluta de seu sentimento, o cavalheiro do amor romântico não tem, a seu respeito, nenhuma certeza, porque até agora o buscou nas vicissitudes de um meio totalmente exterior (KIERKEGAARD, s/d, p. 27). Kierkegaard também ironiza o amor romântico:... pelos quais um jovem, encostado a janela de sua noiva, vê uma moça passar na esquina, sente a flechada e se lança em se encalço. Porém, logo tropeça com outra e assim tudo se repete (KIERKEGAARD, s/d, p. 26). Estes são dois momentos do amor romântico, um representa o seu limite e outro a idéia de não o ter. Kierkegaard nos faz pensar que este amor é solitário até o momento de encontrar com o seu outro eu solitário, isto é, o amor é uma união de dois eus solitários, que resultado dará isso? A solidão, isso porque Kierkegaard afirma que o amor romântico baseia-se em ilusão. Ainda em A Validez estética do matrimônio de Ou ou, Kierkegaard aborda o matrimônio cristão, que não é romântico e sim Sob os olhos do Senhor, dando uma estrutura ética-religiosa a substância do amor, para que se questione se o amor nasce antes do casamento e ao matrimoniarse acaba? Ou a uma seqüência após o casamento. Segundo a Igreja Cristã a mulher tem um importante papel no matrimônio: A Igreja proclama logo a pena que cabe ao pecado, a mulher deve dar a luz com dores e ser submissa a seu marido... Parece-te bonito, e é conforme a estética, que o filho nasça entre dores? (KIERKEGAARD, s/d, p ). Logo em seguida, Kierkegaard tenta inverter o sentido estrito das sagradas escrituras, que avaliando a frigidez da mulher e sua atitude de submissão ao marido, segundo a Bíblia, deveria ser ao contrário, no lugar do texto bíblico ser o homem deixará seu pai e sua mãe e se juntará a sua mulher, deveria ser: a mulher deixaria seu pai e sua mãe e se juntaria a seu marido, porque é a mais frágil. A Escritura reconhece implicitamente o valor da mulher, e não há cavalheiro que possa ser mais galante (KIERKEGAARD, s/d, p.

5 27 88). Kierkegaard vai encerra este texto, apresentando o amor como o bom entendimento e o valor estético que acontecerá, isso o torna um grande mistério, que será resolvido mediante o matrimoniarse. O matrimônio é a expressão típica da eticidade. É um objetivo que pode ser comum a todos. 3. O caso do Diário do Sedutor (Forforerens Dagbog) Em Diário do Sedutor, também em Ou Ou, mas em sua parte I, Kierkegaard reúne uma série de cartas de Johannes 4 e Cordélia 5, que eventualmente se separam, sendo que Johannes faz Cordélia se sentir culpada e responsável por tudo de ruim que acontecera, isto é, ele inverte toda a situação e passa de culpado para vitima, é este o segredo do sedutor segundo Kierkegaard. A sedução significa isso, fazer com que o outro se sinta dependente, sem mais nenhuma força e que tudo que faça, o faça em prol do outro. Vejamos um dos trechos do Diário do Sedutor onde Johannes seduz a jovem Cordélia: Johannes! Havia um homem rico que possuía ovelhas e gado em grande quantidade; havia uma pobre rapariga que apenas possuía uma ovelha que comia do seu pão e bebia de sua água. Tu eras o homem rico, rico de tudo o que de mais de esplêndido existe sobre a Terra, eu era a pobre rapariga que apenas possuía o seu amor. Tomaste-o e regozijaste-te com ele; depois o desejo acenou-te e sacrificaste o pouco que eu 4 Não confundir com Johannes Climacus, este do Diário do sedutor é Johannes, O sedutor. 5 Lembrando que Cordélia é o nome de uma das filhas, a mais querida, (Gonereil, Regane e Cordelia) de Rei Lear, peça de Willian Shakespeare, por quem Kierkegaard tinha grande apreço. Esta peça de Shakespeare é como um jogo de xadrez, peças pretas e brancas. Pretas: Edmundo, Goneril, Regane e Cornwall. Brancas: Lear, Cordelia, Edgar, Glouceaster, Kent e Albany. possuía; mas das tuas próprias riquezas nada pudeste sacrificar; havia uma pobre rapariga que apenas possuía o seu amor. Tua Cordélia (KIERKEGAARD, 1979, p. 10). Minha Cordélia, Sou pobre és minha riqueza; sombrio és a minha luz. Nada possuo, nada necessito. E também. Como poderia eu possuir alguma coisa? Pois não será uma contradição pretender que aquele que nem a si próprio se possui possua alguma coisa? Sou feliz como uma criança, que nada deve possuir, pois a ti pertenço; não existo, cessei de existir a fim de ser teu.teu Johannes (KIERKEGAARD, 1979, p. 10). A carta de Cordélia, é espelhada na história bíblica do rei Davi; que desobedecera a Deus e por isso lhe foi enviado o profeta Natã (II Samuel 12, 1-14) que lhe conta a história semelhante, de um homem que tinha muitas cabeças de bois e ovelhas, e o outro pobre que só tinha uma ovelha, o rico recebeu uma visita e não matando de seus animais, foi e roubou a única ovelha do pobre. Assim o profeta Natã compara o homem rico com o rei Davi, que tinha cometido um homicídio, para casar-se com a mulher de um dos seus servos. Kierkegaard quer demonstrar o amor que Cordélia e Johannes sentiam, que resulta em seu afastamento e dor, levando o indivíduo a angústia que tornasse-á desespero. Em um outro trecho vemos coisa semelhante: Minha Cordélia! Lê-se nos velhos contos que um rio se enamorou de uma jovem. A minha alma é também um rio enamorado de ti. Tão depressa está calmo e deixa a tua imagem refletir-se nele, profunda e tranqüila, como logo imagina que captou a tua imagem, e as tuas ondas erguem-se para ti impedirem de escapar, para em segredo enrugar a sua superfície e brincar com a tua imagem, mas por vezes perde-a, e então as suas ondas escurecem e

6 28 desaparecem. É assim a minha alma: um rio enamorado de ti. Teu Johannes (KIERKEGAARD, 1979, p ). Como é belo estar apaixonado e como é interessante saber que se está (KIERKEGAARD, 1979, p. 26). Quando Cordélia está apaixonada por Johannes só resta a ele fazer uma coisa, acabar o noivado, mais que acabe de forma que seja um espetáculo prazeiroso. Johannes esta consciente sobre seu projeto. O rompimento não se deu por um acidente de percurso, mas, já estava previsto desde o começo. No início de As obras de amor de 1847, Kierkegaard nos diz: Enganar-se a si mesmo quanto ao amor, é o mais horrível, é uma perda eterna, para a qual não há reparação nem no tempo nem na eternidade (KIERKEGAARD, 2005, p. 19). O amor sucede ao mesmo tempo uma felicidade profunda e uma amargura furiosa entre os homens. Mesmo aquele que ao longo de toda sua vida foi enganado pela vida, pode receber da eternidade uma copiosa reparação; mas o que se enganou a si mesmo impediu a si mesmo de conquistar o eterno (KIERKEGAARD, 2005, p. 20). O amor tem suas armadilhas e segundo Kierkegaard liga-se diretamente com o eterno, pois tem implicações eternas, quem perde o seu amor terá que aceitar não mais amar enquanto amor. Ter que arder as conseqüências de ter perdido, amar somente uma vez, ter, dessa forma, vários amigos, poucas paixões e um único amor. Arder eternamente por ter perdido seu amor é uma condenação eterna a solidão 6. Ainda em As obras de amor: Pois é verdade que a vida do amor é cognoscível em seus frutos, os quais se manifestam, mas a vida, ela mesma é mais do que os frutos 6 Isso implica muito na vida de Kierkegaard, pois sua vida foi de um único amor (Regine Olsen), Kierkegaard acreditava realmente que só se ama uma vez na vida. Sobre a solidão e melancolia de Kierkegaard ver Reichmann, Ernani. Intermezzo Lírico-Filosófico: Como um melancólico poderia escrever tanto (REICHMANN, 1963, p. 110). particulares e mais do que todos os frutos tomados em conjunto, se te fosse possível enumera-los num só instante (KIERKEGAARD, 2005, p. 21). A árvore boa é aquela que dá bons frutos, o amor bom é reconhecido pelo que poderá produzir. Pois o paradoxo é a paixão do pensamento e o pensador sem um paradoxo é como um amante sem paixão (KIERKEGAARD, 1995, p. 61). O amor é a origem de tudo e, no sentido espiritual, o amor é o fundamento o mais profundo da vida espiritual [...] o amor é longânimo (REICHMANN, 1978, p. 320 e 323). O eterno também se faz no amor. Se faz de tal forma que rompe a ligação entre a filosofia que nasce num anseio de vontade e parte para a compreensão de uma esfera que não sendo reducionista é na clareza do ser uma conotação imbricada no eu que é formado pela amor e pela paixão. A verdade é que o mundo não compreende a eternidade... a eternidade afirma impertubavelmente que o mais importante é a misericórdia (REICHMANN, 1978, p. 326). Os Três discursos em ocasiões imaginárias são de mesma data dos Estágios do caminho da vida, cada um destes três discursos representa um dos estágios de modo de vida. Os discursos são: A Ocasião de uma confissão estética, A ocasião de um casamento ético e Junto a um túmulo religioso. Sobre a publicação dos Estágios no Caminho da Vida escreve Kierkegaard nos Diários Os Estágios não terá tantos leitores quanto Ou Ou (KIERKEGAARD, Journals, VI A 79) e depois Em Ou Ou o momento estético era um presente em luta com a ética. O momento ético era a eleição por meio da qual a gente se afasta do estético (REICHMANN, 1978, p. 40). 4. Conclusão Concluímos lançando nosso leitor a obra seguinte de Kierkegaard, onde

7 29 efetivamente realiza-se uma continuação: Os Estágios no caminho da vida compreendem três textos que resultam em 450 páginas: In Vino Veritas, Referências acerca do matrimônio em resposta a algumas objeções e Culpado Inocente. O livro se inicia com uma advertência do editor, um certo Hilário Encadernador (Bogbinder), que diz ter achado num canto um amontoado de manuscritos. Este texto na verdade é uma rememoração ao Banquete de Platão, é escrito pelo pseudônimo Wilhelm Afram que convida cinco pessoas para discursarem sobre o que é o amor, os cinco convidados foram: Um Jovem (que talvez seja A de Ou Ou), Constantin Constantino, Victor Eremita, O Modista e Johannes O Sedutor. O primeiro discurso é do jovem que tem medo do amor infeliz e que acabará por dizer que o amor é ridículo, acha cômico duas pessoas quererem se pertencer eternamente, quererem penetrar um ao outro (Cf. KIERKEGAARD, 2002, p ). Durante os discursos muito se comenta sobre o amor, a infelicidade de amar, como também a alegria de se ter um amor, textos e expressões nostálgicas que revelam uma determinada misticidade em relação a mulher e suas funções no amor e de como amar: Insistiu Johannes, porque não há coisa mais desagradável do que uns destroços a lembrar o que a gente já amou (KIERKEGAARD, 2002, p. 49). No discurso de Victor Eremita, a mulher é colocada como uma das causadoras de infelicidades e desastres, pois é dona de um belo sexo, que tem por finalidade atrair os homens, que dispõe de uma possibilidade inacreditável de enganar, coisa que, segundo ele, nenhum homem teria e conseqüentemente chega a conclusão de que ser mulher é uma desgraça, e que a maior desgraça ainda não é esta e sim o fato de descobrir que se é mulher (Cf. KIERKEGAARD, 2002, p. 105) 7. Por isso a Alternativa, ou uma coisa ou outra, a efetividade da realidade nos transporta a alternância do ser e das coisas que interagem sobre ele. Kierkegaard um mestre tanto da ironia como da beleza ainda tem muito a nos dizer. Referências FARAGO, France. Compreender Kierkegaard. Petrópolis: Vozes, GREVE, William. Kierkegaads maieutische Ethik. Von «Entweder / Oder II» zu den «Stadien». Frankfurt am Main. Suhrkamp Verlag KIERKEGAARD, Søren. Søren Kierkegaard Skriffer. København. Gads Forlag, Either/Or. Princenton: Princenton University Press, 1987, 2 vols.. Entweder/Oder. u. hg. v. E. Hirsch, H. Gerdes u. H.M. Junghans 2.Teil, in Gesammelte Werke, Düsseldorf/Köln, O lo Uno o lo Outro: um fragmento de vida I e II. Madrid: Trotta, Textos selecionados. Curitiba, UFPR, O matrimônio. Campinas: Psy. S/d.. O Banquete. Lisboa: Guimarães, Estas palavras ficaram conhecidas quando Simone de Beauvoir utilizou-as como epigrafe em O Segundo Sexo.

8 30. Diário de um sedutor. São Paulo: Abril Cultural, 1979 (Os pensadores).. Migalhas filosóficas. Petrópolis: Vozes, As Obras do Amor. Algumas considerações cristãs em forma de discursos. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco; Petrópolis: Vozes, KOSKINEN, L. Tidoch evighet hos Sören Kierkegaard. En studiei Kierkegaards Livsåskådning. Lund: Doxa Press PULMER, K. Die dementierte Alternative. Gesellschaft und Geschichte in der ästhetischen Konstruktion von Kierkegaards «Entweder / Oder». Frankfurt / Bern: Peter Lang REDYSON, Deyve. A filosofia de Soren Kierkegaard. Recife: Elógica , Deyve; ALMEIDA, Jorge M; PAULA, Marcio Gimenes (Orgs.) Søren Kierkegaard no Brasil. João Pessoa: Idéia REICHMANN, Ernani. Intermezzo Lírico- Filosófico. Curitiba, UFPR, VALLS, Álvaro L. M. Entre Sócrates e Cristo: Ensaios sobre a ironia e o amor em Kierkegaard. Porto Alegre: Edipucrs, 2000.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A ANGÚSTIA DE ABRAÃO

A ANGÚSTIA DE ABRAÃO A ANGÚSTIA DE ABRAÃO Wagner de BARROS 1 RESUMO Encontramos na filosofia kierkegaardiana um estudo sobre a personagem bíblica Abraão. Em Temor e tremor, Kierkegaard descreve o desespero do sacrifício e

Leia mais

I Plenitude do Espírito e vida familiar

I Plenitude do Espírito e vida familiar 13 I Plenitude do Espírito e vida familiar E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

V. Tem que amar... de verdade!

V. Tem que amar... de verdade! CLASSE DE CASAIS CURSO: CONSTRUINDO UM CASAMENTO COM AMOR V. Tem que amar... de verdade! Esta lição tem por objetivo... Nós amamos porque Deus nos amou primeiro (I Jo 4.19) (a) Mostrar a diferença entre

Leia mais

O valor do silêncio na vida do cristão

O valor do silêncio na vida do cristão O valor do silêncio na vida do cristão Salve Maria! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Em nosso blog, temos muitas palavras de profecia sobre o silêncio. E, por Providência Divina, encontramos um

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Prefácio Não é o amor indefinível, uma questão de sentimento, não de pensamento? Pior: aprofundar essa emoção extremamente espontânea e misteriosa não é correr o risco de expulsar sua magia? E assim acabar

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT:

ATO I CENA I KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: GLOUCESTER: KENT: ATO I CENA I (Salão nobre do palácio do Rei Lear. Entram Kent, Gloucester e Edmundo.) KENT: Pensei que o Rei preferisse o Duque de Albânia ao Duque de Cornualha. GLOUCESTER: Também sempre pensamos assim,

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Em nossa cultura atual os valores familiares estão sendo questionados e quebrados. Hoje a ênfase no individualismo, no belo, no eficiente, no novo,

Em nossa cultura atual os valores familiares estão sendo questionados e quebrados. Hoje a ênfase no individualismo, no belo, no eficiente, no novo, Em nossa cultura atual os valores familiares estão sendo questionados e quebrados. Hoje a ênfase no individualismo, no belo, no eficiente, no novo, no imediato, no prazer, na ausência de limites... Precisamos

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

O Poder da Oração. Ave Maria: História e Meditação

O Poder da Oração. Ave Maria: História e Meditação O Poder da Oração O livro O Poder da Oração apresenta a oração como essência da vida do ser humano: para atingir a felicidade, para o desenvolvimento humano e sobrenatural e para se alcançar a salvação

Leia mais

DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS

DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS DESAFIOS PARA NOSSA MISSÃO HOJE ENVIADOS ÀS FRONTEIRAS Introdução Iniciamos nossa oração comunitária acolhendo as palavras que o Santo Padre dirigiu aos membros da Congregação Geral 35: Hoje desejo animar-vos

Leia mais

Finanças - O Mordomo Fiel

Finanças - O Mordomo Fiel Finanças - O Mordomo Fiel 1 Coríntios 4:2 Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros, é que cada um deles seja encontrado Fiel. A Bíblia apresenta mais de 2.350 versículos sobre dinheiro/riquezas,

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Se parece difícil dar uma explicação satisfatória acerca da verdadeira relação de um grande artista com sua nação, tal dificuldade é elevada ao

Se parece difícil dar uma explicação satisfatória acerca da verdadeira relação de um grande artista com sua nação, tal dificuldade é elevada ao Prefácio1 O autor do presente trabalho sentiu-se no dever de contribuir para a celebração do centenário de nascimento de nosso grande Beethoven e, visto que nenhuma outra oportunidade digna de tal celebração

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus.

No entanto, por mais dedicado, íntegro e capacitado que um líder ou pastor seja, jamais chegará, se quer, aos pés do Senhor Jesus. A sociedade, em todas as nações, encontra-se doente. A maioria das pessoas tem a alma enferma. Nesses últimos dias, o que tem acontecido no Sebastião Norões, tem nos mostrado que até as crianças estão

Leia mais

San Joãu de Deus. Março de 2015. 1.- Introdução. Oração do Mês

San Joãu de Deus. Março de 2015. 1.- Introdução. Oração do Mês San Joãu de Deus Oração do Mês Março de 2015 1.- Introdução O amor de Deus manifesta-se no amor ao próximo. A vida consagrada, para viver o carisma da Hospitalidade, obriga-nos a viver o amor de Deus na

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

CONHECENDO AS SEITAS

CONHECENDO AS SEITAS CONHECENDO AS SEITAS RELIGIÃO: deriva do termo latino "Re-Ligare", que significa "religação" com o divino. SEITA: é um grupo que afirma ser cristão, porém nega uma verdade essencial do cristianismo bíblico.

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS

MAIS DE TI JESUS (JULIANO SOCIO) SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS MAIS DE TI JESUS SENHOR DESCOBRI QUE NAO VIVO SEM TI TENS ME SUSTENTADO EM TUAS MAOS TODAS AS ANGUSTIAS DO MEU CORACAO EU ENTREGO AO SENHOR POIS TUA PALAVRA ALIVIA A ALMA TUA GRACA ME ATRAIU PRA TI E A

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

oda ALEGRIA da nossa vocação

oda ALEGRIA da nossa vocação oda ALEGRIA da nossa vocação Ao chamar-vos, Deus diz-vos: És importante para mim, Eu amote; conto contigo. (Papa Francisco) Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi. (Jo 15, 16) Acreditamos

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Renovação Carismática Católica do Brasil Ministério Universidades Renovadas

Renovação Carismática Católica do Brasil Ministério Universidades Renovadas Seta => Abraçar a Cruz I - Um novo estilo de realização - A Cruz Leandro Rua Médico UFES Conselheiro do MUR Desde a nossa infância somos estimulados a construir um caminho de realização pessoal que tem

Leia mais

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Pensamentos de São Josemaria Escrivá Um mês com Nossa Senhora Primeira Edição São Paulo 2012 PerSe Capa e seleção de figuras Paulo

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO

2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO 2010 PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO NOME: Jaguarari, outubro de 2010. CADERNO DO 6º E 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2010 Numa carta de Papai Noel destinada às crianças, ele comunica que não será

Leia mais

O Arrebatamento da Igreja

O Arrebatamento da Igreja Texto Base: 1Ts 4.13-18 O Arrebatamento da Igreja "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois,

Leia mais

Amor o fruto da maturidade

Amor o fruto da maturidade Amor o fruto da maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO I Coríntios 13.1-10 1 - Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 2

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: A Vida em Família. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: A Vida em Família. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: A Vida em Família Palestrante: Amália Silveira Rio de Janeiro 10/03/2000 Organizadores da palestra: Moderador: Brab (nick: < Moderador

Leia mais

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama Page 1 of 6 Tudo Bem! Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa)

Mais do que ter devoção a Maria, precisamos imitá-la. (Raniero Cantalamessa) O coordenador nacional do Ministério de Música e Artes, Juninho Cassimiro, dá continuidade às cartas aos artistas de toda a RCC do Brasil. No artigo anterior, a reflexão foi sobre a humildade Aos moldes

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Pe. Luís Erlin. Imitação de Maria. O segredo de sermos agraciados por Deus EDITORA AVE-MARIA

Pe. Luís Erlin. Imitação de Maria. O segredo de sermos agraciados por Deus EDITORA AVE-MARIA Pe. Luís Erlin Imitação de Maria O segredo de sermos agraciados por Deus EDITORA AVE-MARIA Para meus irmãos e cunhadas: Antonio Carlos e Tereza por imitarem Maria na confiança em Deus; José Roberto e Ione

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Tesouro em vaso de barro Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Consagração Enchendo o vaso com o tesouro - parte 2 Jz. 14 Sansão desceu até a cidade de Timna e ali viu uma moça filisteia. Voltou

Leia mais

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...).

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...). 122 ANO B DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia (Se estiverem presentes adultos que tenham sido baptizados na última Páscoa, as intenções da oração dos fiéis poderão hoje ser propostas por eles).

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO

CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM VERDADEIRO AVIVAMENTO TEXTO: II REIS 22 INTRODUÇÃO Quando alguém estuda a reforma do século XVI, fica impressionado coma intrepidez dos reformadores. Homens que foram conduzidos por

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade. Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade. Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Crendo em Deus, Conhecendo-o de verdade Aula 01/02/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Crendo em Deus Pesquisa do IBGE (censo 2010) aponta que 92% dos brasileiros creem em Deus ou em um espírito

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais