O ENFERMEIRO DO TRABALHO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENFERMEIRO DO TRABALHO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA"

Transcrição

1 1 O ENFERMEIRO DO TRABALHO E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A SAÚDE DO TRABALHADOR NO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA THE NURSE'S WORK AND ITS CONTRIBUTION TO THE HEALTH WORKER IN HEARING CONSERVATION PROGRAM Marília Gonçalves Emilio Enfermeira Santa Rita - FASAR Gisele Simas dos Santos, M.Sc Orientadora Enfermeira UFF Pós Graduada em Terapia Intensiva e Educação UFJF Pós Graduada em Formação Pedagógica em Educação Profissional na Área de Saúde - ENSP/FIOCRUZ/UFF Mestre em Ciências da Saúde UNIPLI Rodovia BR 356, Nº 25, Cidade Nova, Itaperuna-RJ, Tel: RESUMO O artigo apresenta ponderações sobre o enfermeiro do trabalho e sua contribuição para a saúde do trabalhador no Programa de Conservação Auditiva. O objetivo geral do estudo visa analisar a contribuição dos enfermeiros do trabalho na prevenção das doenças auditivas nas empresas que apresentam elevados níveis de ruídos. Os objetivos específicos buscam conceituar som e ruído; demonstrar os principais prejuízos ao organismo dos trabalhadores promovidos pelo excesso de ruído; conceituar o Programa de Conservação Auditiva; e, demonstrar a contribuição do enfermeiro no desenvolvimento do Programa de Conservação Auditiva. A metodologia utilizada para o desenvolvimento do estudo proposto caracteriza-se por ser uma pesquisa exploratória qualitativa embasada em referências bibliográficas sendo uma pesquisa exploratória qualitativa. Considerou-se, portanto, que os objetivos propostos para o desenvolvimento do estudo foram alcançados, permitindo que, enquanto profissional, fosse compreendido o fato de que, os empregados necessitam ser conscientizados e monitorados em relação ao cumprimento das normas de segurança, para que dessa maneira, não sejam apresentadas consequências negativas nem para a organização, a qual necessita de seus empregados, e nem para os trabalhadores, que acabam sendo prejudicados devido

2 2 à necessidade de afastamento de seus postos de trabalho, identificando que a contribuição do enfermeiro do trabalho se explicita nas campanhas educativas e no monitoramento da saúde do trabalhador.. Palavra-chaves: Enfermeiro. Programa de Conservação Auditiva. Saúde do trabalhador ABSTRACT The paper presents considerations on the nurse's work and its contribution to occupational health in the Hearing Conservation Program. The overall objective of the study is to analyze the contribution of nurses working in the prevention of hearing impairments in companies with high levels of noise. The specific objectives seek to conceptualize and noise, show damage to the main body of workers promoted by excessive noise; conceptualize the Hearing Conservation Program, and demonstrate the contribution of nurses in the development of the Hearing Conservation Program. The methodology used for the development of the proposed study is characterized by a qualitative exploratory research based on references and an exploratory qualitative research. It was, therefore, that the proposed objectives for the development doe study were achieved, allowing, as a professional, it was understood the fact that employees need to be educated and monitored for compliance with safety standards, so that way, is not submitted or negative consequences for the organization, which requires its employees, nor to workers who end up being hurt by the need to move away from their jobs, identifying the contribution of the nurse's work is explicitly in educational campaigns and monitoring of worker health. Key words: Nurse. Hearing Conservation Program. Occupational health 1 INTRODUÇÃO As empresas que atuam no mercado atual utilizam de inúmeras tecnologias para a realização de suas atividades, sejam na produção ou na prestação de serviços. No entanto, há de salientar que, o desenvolvimento o qual se refere à utilização cada vez mais intensa de máquinas e equipamentos, vem sendo analisado por diferentes estudiosos em relação ao nível de ruídos que promove prejuízos a saúde do trabalhador. Quando se trata em definir o que é o som e o que é um ruído, várias pessoas possuem dificuldades em compreender os seus significados, fazendo com que dessa forma, ocorra a distorção dos significados desses dois fenômenos, ou os mesmos apresentam-se referenciados como sendo a mesma coisa.

3 3 Machado (2003) comenta que o som é qualquer variação de pressão (no ar, na água) que o ouvido humano possa captar, enquanto ruído é o som ou o conjunto de sons indesejáveis, desagradáveis, perturbadores. A exposição ao ruído ocupacional de grandes níveis é um risco potencial à audição, e mesmo baixo níveis podem causar perda auditiva em algumas pessoas. As causas mais comuns de perda auditiva induzida pelo ruído em adultos são a exposição ao ruído, os efeitos da idade, a interação dos efeitos do ruído e da idade e a interação do ruído com outras variáveis (KWITKO, 1998 apud HERZER, BROETTO e CONTO, 2009, p.01). Dessa maneira, percebe-se que, em relação à prática das atividades realizadas pelos trabalhadores em seus postos de trabalho, evidencia-se os riscos relacionados à poluição sonora, ocasionada pelos altos índices de ruídos que passam a ser incorporados pelos empregados durante a sua prática em seus postos de trabalho. O trabalhador exposto a níveis elevados de pressão sonora, superiores a 85 db(a), pode ter prejudicada sua audição, o que certamente acarretará problemas para a sua segurança, pelas consequentes dificuldades na percepção de sinais sonoros, localização de fonte sonora à distância, etc., e também para seus relacionamentos sociais, pelas dificuldades comunicativas decorrentes (GONÇALVES, 2004, p. 44). Dessa forma, propicia a compreensão de que, a efetivação do Programa de Conservação Auditiva, bem como a participação do enfermeiro do trabalho nas empresas é de fundamental importância para que os empregados possam ter a segurança durante o seu tempo laboral, para que não sejam acometidos pelas lesões ocasionadas pelo excesso de ruídos, demonstrando a necessidade da adoção de estratégias que promovam a qualidade de vida aos empregados em seus postos de trabalho, os quais são reconhecidos como o capital humano de toda e qualquer organização. Dentro deste contexto, surge a seguinte indagação: Qual a importância da atuação do enfermeiro no Programa de Conservação Auditiva PCA, para garantir a saúde do trabalhador que atuam nas empresas? O objetivo geral do estudo visa analisar a contribuição dos enfermeiros do trabalho na prevenção das doenças auditivas nas empresas que apresentam elevados níveis de ruídos.

4 4 Os objetivos específicos buscam conceituar som e ruído; demonstrar os principais prejuízos ao organismo dos trabalhadores promovidos pelo excesso de ruído; conceituar o Programa de Conservação Auditiva; e, demonstrar a contribuição do enfermeiro no desenvolvimento do Programa de Conservação Auditiva. Justifica a escolha do tema proposto, por buscar demonstrar a importância da Enfermagem do Trabalho no Programa de Conservação Auditiva ressaltando que, a participação dos profissionais de enfermagem do trabalho pode contribuir para a melhoria das condições laborais, por evitar o afastamento ou atraso das atividades realizadas pelos trabalhadores, devido às consequências relacionadas à perda da audição devido à exposição aos níveis de ruídos. 2 METODOLOGIA Este artigo foi embasado na metodologia exploratória, caracterizando a pesquisa como uma revisão bibliográfica, sendo utilizados instrumentos para a coleta de informações, referências bibliográficas, evidenciando a leitura e interpretação de artigos que se encontram relacionadas ao tema exposto. O procedimento utilizado para o desenvolvimento do artigo, em relação a coleta de informações, respaldou-se na busca por artigos, dissertações e teses que possuem referência sobre o assunto, delimitando a pesquisa através da utilização de referências entre 2000 a 2012, para que se pudessem evidenciar com o estudo os avanços em torno do tema abordado. Para tanto, foram pesquisados 15 artigos e após análise, apresentam-se embasando a reflexão realizada 08 artigos, cuja fonte de pesquisa se revela através SCIELO, Google Acadêmico. Sendo utilizadas para a busca no Scielo as palavraschaves: enfermagem; PCA, ruído. Para os demais sites, foram utilizados os descritores: PCA, enfermagem, barulho, ruído, enfermeiro. Dessa maneira o artigo desenvolvido primou pela reflexão sobre as condições de trabalho realizado pelos enfermeiros nas empresas, para a ampliação das discussões sobre o assunto vislumbrando a sua compreensão como meio de promover a compreensão da importância da atuação do enfermeiro para a saúde do trabalhador no Programa de Conservação Auditiva.

5 5 3 DESENVOLVIMENTO 3.1 Definição de som e ruído A definição de som pode ser compreendida de maneira geral, como sendo a variação da pressão do ar, na água ou em qualquer outro meio, onde possa ser percebido pelo ouvido humano. Quando os níveis do som se apresentam elevados, ele passa a perturbar, tornando indesejável ao ser humano, sendo denominado de barulho. O som é qualquer vibração ou conjunto de vibração ou ondas mecânicas que podem ser ouvidas. Na higiene ocupacional costuma-se denominar barulho como todo som indesejado, o barulho e o ruído são interpretações subjetivas e desagradáveis de um som (SALIBA, 2008, p. 185). O indivíduo apresenta-se como o receptor de uma gama de informações sonoras cotidianamente, o som é expresso como um fator primordial para que as falas tomem sentido e possa ser compreendido. No entanto, com a evolução das tecnologias e, principalmente com o aumento das potências eletrônicas, convive-se atualmente com o fato de que, muitos sons produzem sensações desagradáveis e não aceitos pela maioria da população como barulho, passarem a serem definidos como ruídos. A relação entre a compreensão do barulho e o ruído permite a compreensão que exista um fator subjetivo, desenvolvendo assim, o aspecto de que o ruído é na opinião da maioria da população, algo que desagrada os ouvidos. Por isso, há de se compreender que, o fator determinante da altura dos sons trata-se da frequência da onda, onde são detectados sons graves ou baixos, agudos ou altos, fazendo com que o nível adequado do som para o ser humano se encontre em equilíbrio. Ressalta-se ainda que, a questão relacionada à intensidade sonora se relaciona com o fato da regulação do volume, o qual apresenta o aspecto da diferença entre um som intenso e um som fraco, sendo essa ação associada ao aumento ou a redução da vibração da onda. Quanto maior a amplitude da onda, maior a pressão que a onda irá exercer no ar. A definição de ruído por Saliba (2008) como sendo:

6 6 O ruído é o fenômeno físico vibratório com características indefinidas de variações de pressão (no caso ar) em função da frequência, isto é, para uma dada frequência podem existir, em forma aleatória através do tempo, variações de diferentes pressões (SALIBA, 2008, p.15). O ruído é compreendido como um som desagradável, que acarreta desconforto e pode ocasionar a perda da audição, além de distúrbios funcionais no organismo dos seres vivos. A presença de ruídos nos ambientes laborais tem sido diagnosticada como um fator prejudicial para a saúde dos trabalhadores que atuam em setores que possuem constante manifestação de ruídos devido aos equipamentos e máquinas que são utilizadas. Carmo (1999, p. 14) afirma que a preocupação com os níveis de ruído em relação ao meio ambiente e à saúde, data desde os primórdios do tempo, constituindo um problema de 2500 anos atrás. Os níveis de ruídos existentes nas organizações provocados pelo funcionamento das máquinas e equipamentos, que são apresentam ativos constantemente, promovendo assim em curto, médio ou longo prazo, o surgimento de lesões à saúde dos trabalhadores. As lesões existentes em relação ao excesso de ruídos nem sempre são percebidos de maneira imediata, os prejuízos à audição são salientados em variados casos como irreversíveis. Os ruídos incomodam e irritam quando os seres humanos ficam expostos por tempo elevado, e, ainda prejudica tanto o fator de concentração, quanto à audição, justificando assim, a importância do estudo desenvolvido sobre o ruído. 3.2 A interferência do ruído no funcionamento do organismo O ruído favorece o surgimento de distúrbios gastrointestinais, e diferentes distúrbios relacionados ao sistema nervoso, podendo ser percebido comportamento de irritabilidade, nervosismo, vertigens, desânimo, dentre outros fatores, que identificam os distúrbios que são sintomas que prejudicam a saúde do trabalhador. Existem trabalhadores, que pelo fato de atuarem por vários anos no mesmo setor de trabalho se acostumam com o barulho, demonstrando comportamentos que gradativamente, vai afetando a sua capacidade mental e sua prática manual.

7 7 Além disso, o ruído provoca alterações no organismo, atingindo o aparelho circulatório, digestivo, muscular, sobre o sistema nervoso e metabólico, além de interferir no sono, no humor e no quadro de ansiedade. Os prejuízos resultantes do excesso de ruídos nas empresas são verificados através dos efeitos nocivos, os quais são compreendidos como auditivos e não auditivos. Em relação aos efeitos auditivos, verifica-se que a orelha do ser humano é sensível à ação de ruídos, a mesma é composta de mecanismos protetores que alteram a capacidade de audição, principalmente quando o indivíduo fica exposto à estimulação acústica. O ouvido do ser humano é composto por três partes, as quais são interessantes de serem citadas para que haja a compreensão dos efeitos auditivos provocados pelo excesso de ruídos. O ouvido externo é constituído por três elementos: pavilhão da orelha, canal auditivo e tímpano. O pavilhão da orelha tem forma afunilada para coletar e transmitir as ondas sonoras que excitam o tímpano (membrana que vibra). O ouvido médio contém importantes elementos para proteger o sistema de audição, como a Trompa de Eustáquio, que é ligada à garganta e à boca para equilibrar a pressão do ar. No ouvido interno, os movimentos de vibração do tímpano e dos ossos do ouvido médio são transmitidos por nervos até o cérebro. A Cóclea é a parte responsável por colher essas vibrações. Ela é uma espiral cônica com três tubos comprimidos lado a lado (GERGES, 2005, p. 110). Percebe-se que, o ouvido humano é um órgão de perfeito funcionamento, e ao mesmo tempo, apresenta-se frágil. Dentre os efeitos do ruído, Saliba (2008, p. 67) identifica o trauma acústico, a perda auditiva temporária, a perda auditiva permanente. As perdas auditivas causadas pelo barulho excessivo podem ser divididas em três tipos, segundo Soares (2006): Trauma Acústico: Embora esta denominação seja polêmica, adota-se o conceito de trauma acústico como sendo a perda auditiva de instalação repentina, causada pela perfuração do tímpano acompanhada ou não da desarticulação dos ossículos do ouvido médio, ocorrida geralmente após a exposição a barulhos de impacto, de grande intensidade com grandes deslocamentos de ar. Surdez temporária: Também conhecida como mudança temporária do limiar de audição, ocorre após uma exposição a um barulho intenso, por um curto período de tempo.

8 8 Surdez permanente: A exposição repetida dia após dia, a um barulho excessivo, pode levar o indivíduo a uma surdez permanente (SOARES, 2006, p. 02). Essas consequências podem ser justificadas não somente por grandes ruídos, mas pela frequência de ruídos menores, os quais, o individuo pode estar exposto constantemente. 3.3 Programa de Conservação Auditiva PCA e a contribuição do Enfermeiro do Trabalho O Programa de Conservação Auditiva PCA trata-se de uma ferramenta que visa garantir a saúde do trabalhador frente à exposição aos ruídos, os quais se encontram presentes em diferentes atividades realizadas pelas empresas. De acordo com os estudos realizados por Saliba (2008), vale ressaltar que: O desenvolvimento das atividades do PCA conta com uma equipe multiprofissional, sendo o enfermeiro(a) do trabalho um elemento fundamental, devido a sua participação na prevenção primária, secundária e terciária, bem como a reabilitação de funcionários portadores Perda Auditiva Induzida pelo Ruído Ocupacional (PAIRO) (BAGGIO e MARZIALE, 2001, p. 98). A função do PCA se apresenta na instituição de métodos apropriados de gerenciamento das avaliações de influencia da exposição ocupacional ao ruído, bem como qualquer programa, a ação do PCA está sujeita ao desempenho de todos os membros da coordenação, em específico ao elevado comando. A conscientização é um componente importante em qualquer programa de conservação auditiva, pois ele deve ser aceito por pessoas de qualquer nível, desde os trabalhadores e operadores até o pessoal da gerência (mais alto escalão). O envolvimento de representantes dos trabalhadores nos estágios iniciais do programa é um passo importante e, normalmente, isso resulta numa melhor e mais ampla cooperação por parte do pessoal mais graduado da indústria (VIEIRA, 1999, p. 36). Nesse sentido, o Programa de Conservação Auditiva é fundamental para que se preserve a saúde do trabalhador, propiciando-lhes a prevenção com o auxílio dos profissionais da saúde para a garantia do desenvolvimento das atividades desempenhadas no ambiente laboral.

9 9 3.4 O enfermeiro na prevenção do PAIR A contribuição do enfermeiro do trabalho para a busca da melhoria da saúde dos trabalhadores no ambiente laboral efetiva-se na realização de um plano de ação junto aos empregados, voltado para a prevenção e a promoção da saúde, buscando estabelecer metas voltadas para os indivíduos, tendo como foco o respeito as capacidades e limitações dos profissionais, tornando as ações apropriadas à realidade do trabalho desenvolvido. A reflexão sobre o papel educativo do enfermeiro do trabalho e sobre a avaliação das ações executadas, estabelece a relação com o processo de enfermagem, por meio da coleta de dados, diagnóstico de enfermagem, implementação e avaliação da assistência de enfermagem, devendo, estas fases, serem dinâmicas e inter-relacionadas (BAGGIO e MARZIALE, 2001, p. 98). O PCA se apresenta como uma ferramenta de grande utilidade, por propiciar aos empregados, a conscientização através de treinamentos, palestras e cursos, da devida utilização dos protetores. A implantação do PCA exige ações interligadas e, dependendo da medida a ser implantada, uma maior complexidade da atividade é exigida por parte da equipe, um cronograma curto, médio e longo prazo. Os ajustes fazem parte de um processo contínuo ao longo do tempo (RIOS, 2007, p. 35). Esse fato chama a atenção por propiciar a compreensão de que, as atividades em relação à proteção da saúde do trabalhador são enfatizadas de maneira isolada, os resultados não se apresentam os mesmos, demonstrando deficiências que poderiam ser evitadas se houvesse o trabalho em conjunto entre a área médica, da engenharia e da administração. Dentro desse contexto, Rios (2007, p. 39) enfatiza os principais propósitos relacionados ao monitoramento auditivo, realizado através do PCA: Estabelecer o audiograma de referência de todos os trabalhadores, servindo de base para a comparação com exames periódicos; identificar o quadro audiológico de todos os trabalhadores, fazendo acompanhamento periódico; identificar os trabalhadores que necessitam de encaminhamento para o médico otorrinolaringologista, a fim de se realizar o diagnóstico diferencial ou tratamento de problemas de orelha média; conscientizar e alertar os trabalhadores sobre os efeitos do ruído; fornecer o resultado de cada exame ao trabalhador (RIOS, 2007, p. 39).

10 10 Quando o empregado é conscientizado da necessidade de utilizar os equipamentos de proteção, a tendência dos mesmos é tornar esse hábito algo incorporado as suas atividades, prevenindo contra acidentes e possíveis transtornos de saúde que poderiam ser evitados se houver a sua devida utilização. Salienta-se o fato de que, a avaliação realizada pelos enfermeiros do trabalho se fundamenta nas respostas dos trabalhadores frente aos cuidados realizados, bem como as transformações e impactos das atividades que são propiciadas pelo planejamento executado. Porém, salienta-se que, a avaliação de enfermagem necessita ser contínua nos postos de trabalho, vislumbrando as atividades de prevenção à saúde, por meio de campanhas educativas que devem ser constantemente atualizadas. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a finalização do estudo proposto foi verificado que, em relação ao tema abordado, PCA Programa de Conservação Auditiva compreendeu-se que, as empresas necessitam seguir as normas de segurança relacionadas aos cuidados com a saúde de seus empregados, oferecendo-lhes condições de trabalho e equipamentos para a sua proteção individual e coletiva. Em relação ao foco do estudo, o qual se apresentou sobre os cuidados com os empregados em relação à exposição aos ruídos, configurou-se como sendo uma reflexão a cerca da diferença existente entre ruídos e sons. A relação entre a compreensão do barulho e o ruído permitiu compreender que existe um fator subjetivo, ou seja, o aspecto de que o ruído é na opinião da maioria da população, algo que desagrada os ouvidos. Além disso, constatou-se que, o ruído favorece o surgimento de distúrbios gastrointestinais, e diferentes distúrbios relacionados ao sistema nervoso, podendo ser percebido comportamento de irritabilidade, nervosismo, vertigens, desânimo, dentre outros fatores, que identificam os distúrbios que são sintomas que prejudicam a saúde do trabalhador. Considerou-se, portanto, que os objetivos propostos para o desenvolvimento do estudo foram alcançados, permitindo que, enquanto profissional, fosse compreendido o fato de que, os empregados necessitam ser conscientizados e

11 11 monitorados em relação ao cumprimento das normas de segurança, para que dessa maneira, não sejam apresentadas consequências negativas nem para a organização, a qual necessita de seus empregados, e nem para os trabalhadores, que acabam sendo prejudicados devido à necessidade de afastamento de seus postos de trabalho, identificando que a contribuição do enfermeiro do trabalho se explicita nas campanhas educativas e no monitoramento da saúde do trabalhador. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAGGIO M.C.F, MARZIALE M.H.P. A participação da enfermeira do trabalho no programa de conservação auditiva. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, Disponível em:< > Acesso em 10 de janeiro de CARMO, L.S.C. Efeitos do ruído ambiental no organismo humano e suas manifestações auditivas. Dissertação. Monografia de Conclusão de Curso de Especialização em Audiologia Clínica Centro de Especialização em Fonoaudióloga Clínica, CEFAC, Goiânia, Disponível em: <http://acd.ufrj.br/consumo/vidaurbana/monografia_goiania.pdf> Acesso em 10 de dezembro de GERGES, S.N.Y. Ruído e vibrações veiculares. Florianópolis: NR. Editora, GONÇALVES, C.G.O. Implantação de um programa de preservação auditiva em metalúrgica: descrição de uma estratégia. Artigo, Rev. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, Disponível em: <http://www.pucsp.br/revistadisturbios/artigos/tipo_356.pdf> Acesso em 20 de dezembro de HERZER, F.E.A.; BROETTO, A.D.B.; CONTO, J. Controle de ruídos um estudo em postos de combustíveis. Artigo. VII Semana de Engenharia Ambiental, Disponível em: <http://www.unicentro.br/graduacao/deamb/semana_estudos/pdf_09/controle%2 0DE%20RU%CDDOS%20%96%20UM%20ESTUDO%20EM%20POSTOS%20DE% 20COMBUST%CDVEIS.pdf >Acesso em 05 de janeiro de2012. KWITKO, A - Audiometria ocupacional no programa de conservação auditiva: relevância e confiabilidade. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, 1998.

12 12 MACHADO, A. A. Poluição Sonora como crime ambiental. Artigo, Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/5261/poluicao-sonora-como-crimeambiental> Acesso em 30 de abril de 2011 RIOS, A.L. Implantação de um Programa de Conservação Auditiva: enfoque fonoaudiológico. Dissertação. Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto São Paulo, Ribeirão Preto, SP. Disponível em: <www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17138/.../tese_analucia.pdf> Acesso em 05 de janeiro de SALIBA, T.M. Curso básico de segurança e higiene ocupacional. 2 ed. São Paulo: LTR, SOARES, P. Poluição Sonora. Artigo, Disponível em: <http://www.universodeluz.net/modules.php?name=news&file=article&sid=395> Acesso em 06 de janeiro de VIEIRA, I.L. Audiologia Clínica: Ruído e perda auditiva. Dissertação. Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica - CEFAC. Recife, PE, Disponível em: <http://www.cefac.br/library/teses/1565f80d879b2ef53634d25e0a4f29f7.pdf> Acesso em 20 de dezembro de 2011.

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO DO TRABALHO NA ORIENTAÇÃO DO USO DOS EPI'S PARA A PREVENÇÃO DOS ACIDENTES OCUPACIONAIS

A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO DO TRABALHO NA ORIENTAÇÃO DO USO DOS EPI'S PARA A PREVENÇÃO DOS ACIDENTES OCUPACIONAIS 1 A IMPORTÂNCIA DO ENFERMEIRO DO TRABALHO NA ORIENTAÇÃO DO USO DOS EPI'S PARA A PREVENÇÃO DOS ACIDENTES OCUPACIONAIS THE IMPORTANCE OF NURSES WORKING IN THE ORIENTATION OF THE USE OF EPI'S FOR THE PREVENTION

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA -PCA -

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA -PCA - FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DEPTº SEGURANÇA E HIGIENE INDUSTRIAL - DSH.G PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO -PCA - ENGª LÍLIAN RABELLO C. COELHO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO -HISTÓRICO- Atividades preventivas voltadas

Leia mais

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM)

SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) SISTEMA FREQUENCIA MODULADA (FM) CONCEITO: O Sistema de Frequência Modulada (Sistema FM) consiste de um transmissor com uma frequência de rádio específica, com uma antena e um receptor compatível, sendo

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL

AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL Wanderléia Blasca, Andressa S. C.da Silva, Ana C. Spinardi,Thaís

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO ARTIGO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas e

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca

PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE. Wanderléia Blasca PROJETO JOVEM DOUTOR BRASIL UMA ESTRATEGIA DE EDUCAÇÃO EM SAUDE Wanderléia Blasca Colaboradores: Andressa da Silva, Ana C. Spinardi, Thaís Gonçalves, Giédre Berretin-Félix, Deborah Ferrari, Alcione Brasolotto,

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Intervenção dos Serviços de Saúde do Trabalho no âmbito da prevenção do consumo de substâncias psicoativas em meio laboral DATA: 13.05.2013 Para: Médicos

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE Alexandre Ramos NOVAFAPI Rita de Cássia - Orientadora - NOVAFAPI INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador constitui uma área

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) nasce da necessidade de reformular a formação dos cursos de graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem LEVANTAMENTO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AO USO E MANUTENÇÃO DO AASI E À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM CRIANÇAS E JOVENS COM PERDA AUDITIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais