Portos Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portos 2021. Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil"

Transcrição

1 Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 1

2 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 2

3 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 3

4 Escopo Objetivo Introdução Este estudo foi contratado pela ABRATEC (Associação Brasileira dos Terminais de Contêineres de Uso Público) e visa avaliar as potencialidades de demanda e capacidade do setor para os próximos 10 anos Avaliação das potencialidades de demanda e capacidade dos terminais de contêineres do país, explorando possibilidades de adequação das capacidades e propondo novos pontos de atendimento à movimentação, se necessário. Análise da demanda atual e futura de movimentação de contêineres no Brasil e os principais terminais utilizados; Análise da capacidade potencial dos terminais de contêineres considerando serviços, processos e demais parâmetros operacionais e baseado em benchmarks de produtividade; Elaboração de modelo de otimização para alocação de fluxos (faixas de demanda), considerando a projeção para os próximos 10 anos; Definição de clusters de portos e terminais baseada em dados de mercado (sobreposição de cargas, geografia e rotas marítimas) para análise de oferta x demanda; Cruzamento das projeções de demanda e capacidade potencial para identificação de gaps e capacidade ociosa em cada um dos clusters; Proposição de clusters onde haveria necessidade de ampliação de capacidade. Não foram consideradas avaliações de acessos terrestres ou marítimos ou avaliações ambientais, jurídicas ou fiscais/tributárias para terminais existentes ou novos terminais. Para novos terminais não foram considerados OPEX ou CAPEX; Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 4

5 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 5

6 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Mapeamento da Infraestrutura Definição dos Clusters Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 6

7 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres A Lei n 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, e o Decreto nº 6.620, de 29 de outubro de 2008, dentre outros assuntos, disciplinam a exploração de instalações portuárias marítimas Terminais de Uso Público Destinados à movimentação de carga de terceiros (serviço público) e estão sujeitos às normas do Porto Organizado. Terminais de Uso Privativo Exclusivo Terminais de Uso Privativo Misto Destinados à movimentação exclusiva de carga própria. Destinados à movimentação preponderante de carga própria e, em caráter eventual e subsidiário, carga de terceiros, da mesma natureza da carga própria autorizada. As análises a seguir contém informações referentes aos terminais de contêineres de uso público. Ao final do relatório são encontradas análises incluindo terminais de contêineres de uso privativo misto. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 7

8 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres de Uso Público Os principais terminais de contêineres de uso público - atuais e futuros - estão apresentados nos próximos slides, incluindo seus projetos de adequação, os PDZs (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento) de alguns portos e os terminais de Manaus Porto de Manaus*: Super Terminais Chibatão Porto de Belém: CONVICON (Contêineres de Vila do Conde) Porto de Pecém Porto de Fortaleza Porto de Suape: TECON Suape Porto de Manaus: Novo Terminal Porto de Suape: Novo Terminal Porto de Salvador: TECON Salvador Porto de Vitória: TVV (Terminal de Vila Velha) Porto do Rio de Janeiro: Libra Terminais Rio Multi-Rio Legenda Atuais Futuros Porto de Santos: BTP Porto de Itaguaí: Sepetiba TECON Porto de Santos: Santos Brasil Libra Terminais Santos TECONDI Rodrimar Porto de Paranaguá: TCP (Terminal de Contêineres de Paranaguá) Porto de São Francisco do Sul: TESC (Terminal Santa Catarina) Porto de Itajaí: APMT Porto de Imbituba: TECON Imbituba *Os terminais de uso privativo misto que movimentam contêiner atualmente no Porto de Manaus foram incluídos por decisão dos terminais participantes dos levantamentos. Porto de Rio Grande: TECON Rio Grande Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 8

9 % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Rio Grande O TECON Rio Grande movimentou cerca de TEU em 2011 TECON Rio Grande Dados Gerais 2 Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: 900 m; Calado: 14,5 m; Área de Armazenagem: m 2. 1 Movimentação x1.000 TEU Crescimento (em relação ao ano anterior) 2% 7% 5% 2% -4% 1 Área atual 2 Adequação *Adequações possíveis/em processo de autorização: - Cais total: 1.250m (2015) -Área total: m² (2015) Fonte: ABRATEC; TECON Rio Grande; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 9

10 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Imbituba % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O Tecon Imbituba movimentou cerca de TEU em 2011 TECON Imbituba Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: 660 m; Calado do Canal de Acesso: 11 m; Calado do Berço de atracação: 9,5 m a 10,5 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) -20% 6% 18% 25% -48% Fonte: Tecon Imbituba; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 10

11 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Itajaí % 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% APMT Itajaí movimentou cerca de TEU em 2011 APM Terminals Itajaí Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 535 m; Calado: 10,5 m homologado, em fase de dragagem para aprofundamento (11,3 de profundidade); Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 95% -10% -28% -45% 0% Fonte: APM Terminals; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 11

12 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de São Francisco do Sul % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O TESC movimentou mais de TEU em 2011 TESC Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 770 m; Calado do Canal de Acesso: 14 m; Calado do Berço de atracação: 11 m e 14 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 3% 5% -20% -16% 16% *Adequações aprovadas: - Área total: m² (2012) Fonte: ABRATEC; TESC; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 12

13 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Paranaguá % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O TCP movimentou mais de TEU em 2011 TCP Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2 (3º em pré-construção; 4º em estudo); Extensão atual do cais: 564m; Calado do Canal de Acesso: 12,3 m; Calado do Berço de atracação: 12 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU 20% Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 3% 3% 7% 4% *Adequações autorizadas: - Cais total: 880m (2013) *Adequações possíveis e/ou em processo de aprovação: - Cais total: 1.094m (2015); - Área total: m² (2012) e m² (2015) Fonte: ABRATEC; TCP; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 13

14 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Santos % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O TECON da Santos Brasil movimentou mais de TEU em 2011 Santos Brasil Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: 980m; Calado do Canal de Acesso: 13,3m (15m após dragagem); Calado do Berço de atracação: 15 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) *Adequações possíveis: - Cais total: 1.200m (2014) 11% -6% -16% % 11% Fonte: ABRATEC; Santos Brasil; Antaq; Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 14

15 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Santos % 0% - 50% - 100% - 150% - 200% A Libra Terminais Santos movimentou cerca de TEU em 2011 Libra Terminais Santos Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: m; Calado do Canal de Acesso: 13,3 m (15m após dragagem); Calado do Berço de atracação: 13,5m (15m após dragagem); Armazéns Cobertos: m 2 (14.799m² após adequações) x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 17% 12% -19% 24% -1% 1 Área atual 2 Possível Adequação *Adequações possíveis: - Área total: m² (2016) - Cais total: 1.687m (2016) Área cortada por linha férrea e avenida pública Fonte: ABRATEC; Libra; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 15

16 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Santos % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O TECONDI movimentou cerca de TEU em 2011 TECONDI Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: 825 m; Calado do Canal de Acesso: 12,7 m (15m após dragagem); Calado do Berço de atracação: 14,5 m (pode atingir 17 m); Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 10% 13% -13% 34% 34% Fonte: ABRATEC; TECONDI; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 16

17 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Santos % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Rodrimar movimentou cerca de TEU em 2011 Rodrimar Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 325 m; Calado do Canal de Acesso: 13,3 m (15m após dragagem); Calado do Berço de atracação: de 10,8m a 12,2m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) -14% -4% 2% -8% 9% Fonte: Rodrimar; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 17

18 % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Itaguaí O Sepetiba TECON movimentou TEU em Sepetiba TECON 1 Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3; Extensão atual do cais: 810 m; Calado do Canal de Acesso: 20m; Calado do Berço de atracação: 14,3m; Área de armazenagem: m²; x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 1 Área atual 2 Adequação *Adequações em processo de autorização: - Cais total: 1.070m (2015); - Área total: m² (2015) -12% 38% -29% 31% 8% Fonte: ABRATEC; Sepetiba TECON; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 18

19 % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto do Rio de Janeiro A Libra Terminais Rio movimentou mais de TEU em 2011 Libra Terminais Rio Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 545m; Calado: 13m (15m após dragagem); Área de Armaz.: 8.592m 2 (10.700m² após adequação); 1 x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 2 13% 7% -16% 23% -7% 1 Área atual 2 Adequação *Adequações já aprovadas: - Cais total: 665m (2013) e 910m (2019); - Área total: m² (2015) e m² (2019) Fonte: ABRATEC; Libra; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 19

20 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto do Rio de Janeiro % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% A Multi-Rio movimentou cerca de TEU em 2011 Terminal Multi-Rio Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 533m; Calado do Canal de Acesso: 13 m (15 m após adequação); Calado do Berço de atracação: 13m (15 m após adequação); Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 1 Área atual 2 1ª Adequação (aprovada) 3 2ª Adequação (Possível) *Adequações já aprovadas: - Cais total: 800m (2014); - Área total: m² (2014) *Adequações possíveis: - Cais total: 1.000m (2019); - Área total: m² (2019) 6% 14% -15% 22% 17% Fonte: ABRATEC; Multi-Rio; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 20

21 % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Vitória O TVV movimentou TEU em 2011 TVV Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 450 m; Calado: 12,5 m (após dragagem); Área de Armazenagem: m Movimentação x1.000 TEU Crescimento (em relação ao ano anterior) 9% 4% -25% 19% 8% 1 Área atual 2 *Adequações possíveis: - Cais total: 540m (2019); - Área total: m² (2019) Fonte: ABRATEC; TVV; Antaq. Adequação (possível) Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 21

22 % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Salvador O TECON Salvador movimentou mais de TEU em 2011 TECON Salvador 2 Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2 (4 após adequação); Extensão atual do cais: 617 m; Calado do Canal de Acesso: 15m; Calado do Berço de atracação: 15m; Área de Armazenagem: m 2. 1 x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) -1% -4% -1% 12% 0% 1 Área atual 2 Adequação *Adequações possíveis: - Cais total: 1.167m (2015); - Área total: m² (2015) Fonte: ABRATEC; Wilson, Sons; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 22

23 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Suape % - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O TECON Suape movimentou cerca de TEU em 2011 TECON Suape Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 3 (2 próprios e 1 público); Extensão atual do cais: 935m (660m próprios e 275m públicos); Calado do Canal de Acesso: 16,5 m; Calado do Berço de atracação: 15,5 m; Área de Armazenagem: m2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 23% 22% -15% 35% 28% *Adequações possíveis: - Cais total: 1.085m (2016); - Área total: m² (2016) Fonte: ABRATEC; Tecon Suape; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 23

24 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Fortaleza O Porto de Fortaleza movimentou cerca de TEU em 2011 Porto de Fortaleza Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 350 m; Calado: 10m; x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 71% -12% -4% 18% -5% Fonte: ABRATEC; Docas do Ceará; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 24

25 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Pecém % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Pecém movimentou cerca de TEU em 2011 Pecém Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 350 m; Calado: 15 m (berço externo) e 14 m (berço intero); Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 22% 1% -5% 19% 21% Fonte: Pecém; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 25

26 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Porto de Vila do Conde % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% O CONVICON movimentou cerca de TEU em 2011 CONVICON (Contêineres de Vila do Conde) Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 1; Extensão atual do cais: 254 m; Calado: 12 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) -6% -18% 16% 26% -6% Fonte: ABRATEC; Convicon; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 26

27 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêiner Porto de Manaus % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Super Terminais movimentou TEU em 2011 Super Terminais Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 240 m; Calado: 12 a 20 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) 146% 4% 22% -39% 51% Fonte: Super Terminais; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 27

28 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêiner Porto de Manaus % 100% 50% 0% - 50% - 100% - 150% - 200% - 250% Chibatão movimentou mais de TEU em 2011 Porto Chibatão Dados Gerais Área total: m²; Número de Berços: 2; Extensão atual do cais: 430 m; Calado: 12 a 20 m; Área de Armazenagem: m 2. x1.000 TEU Movimentação Crescimento (em relação ao ano anterior) -22% -2% 1% Fonte: Porto Chibatão; Antaq Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 28

29 Mapeamento da Infraestrutura Terminais de Contêineres Futuros e PDZs (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento) Considerados Existem alguns projetos para instalação de novos terminais de contêineres de uso público no Brasil, além de adequações previstas em PDZs* (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento) de alguns portos: Novo Terminal em Manaus Existe um projeto em licitação para construção de um terminal de contêineres de uso público em Manaus. Área adicional*: m² Cais adicional*: m * Valores estimados. Vila do Conde Manaus PDZ de S. F. do Sul Área adicional: m² Cais adicional: 260m BTP Área total: m²; Número de Berços: 2; Início das operações: 2013 PDZ de Vila do Conde Área adicional: m² Cais adicional: 254m Itaguaí Santos São Francisco do Sul Itajaí Suape Novo Terminal em Suape Existe um projeto de licitação para construção de um novo terminal de contêineres de uso público em Suape. Área adicional: m² Cais adicional: 600m PDZ de Itaguaí Área adicional: m² Cais adicional: 1.250m PDZ de Itajaí Área adicional: m² Cais adicional: 332m *Os dados dos novos terminais e dos PDZs (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento) foram incorporados aos terminais atuais de cada porto para efeito do cálculo de capacidade potencial da região. Essa inclusão é feita no ano em que o cluster do qual faz parte teria seu esgotamento de capacidade. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 29

30 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Mapeamento da Infraestrutura Definição dos Clusters Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 30

31 Definição dos Clusters Alguns terminais se comportam como um único sistema (ou cluster) devido a determinadas características, como sua região de influência: Devido ao posicionamento geográfico de alguns terminais, suas regiões de influência se sobrepõem e isso pode causar um impacto direto na escolha da escala dos armadores, por exemplo; Assim, os terminais tendem a se comportar como um cluster, ou seja, estão localizados em regiões com características (geográficas ou de mercado) semelhantes, contribuindo juntos para o atendimento da demanda da região. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 31

32 Definição dos Clusters Em uma primeira análise, observou-se o comportamento das rotas de longo curso que atendem o Brasil, obtendo o Índice de Exclusividade de Rotas Exemplo esquemático de rota de longo curso Índice de Exclusividade de Rotas: Em uma dada região composta por mais de um porto, o índice de exclusividade mostra quantas rotas marítimas fazem escala em apenas um dos portos considerados. Quanto maior esse índice, maior a condição de se assumir que a região se comporta como um cluster. Exemplo ilustrativo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 32 Porto A Porto A 1ª Hipótese Porto B Porto C Porto D 2ª Hipótese Porto C Porto B 47% 91% O resultado da 1ª hipótese indica que 47% do navios com que atracaram na região fizeram uma parada exclusiva em um único porto entre os escolhidos; Já na 2ª hipótese, houve a exclusão do Porto D como parte do possível cluster e, assim, obteve-se um índice de exclusividade de rota de 91%, confirmando que se comportam como um cluster.

33 Definição dos Clusters Os portos candidatos a formarem clusters foram agrupados e foi calculado o Índice de Exclusividade de Rotas de cada formação: Exemplos de análises realizadas Índice de Exclusividade de Rotas de Longo Curso ( rotas) Pecém Salvador Itaguaí Vitória Suape 89% Rio de Janeiro 87% Itajaí Imbituba Itajaí S. Fco. do Sul São Francisco do Sul 92% Rio Grande Paranaguá 54% NE = 89%! Itajaí São Francisco do Sul Imbituba 91% Itajaí! Paranaguá São Francisco do Sul Imbituba 49% RJ/ES = 87%! Rio Grande Imbituba 66% Sul! Fonte: Guia Marítimo (2011) Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 33

34 Definição dos Clusters Para a definição dos clusters da região Sul do Brasil, foi necessária uma análise da sobreposição da região de influência dos portos Os terminais de uso público da região Sul não apresentam alto índice de aderência à metodologia do Índice de Exclusividade de Rotas Marítimas, devido, principalmente, à: Tendência de maior competição comercial entre alguns terminais; Forte sobreposição de regiões de influência; Menor disponibilidade de dados para análise do terminal de Imbituba; Foram analisadas as regiões de influência dessa região e algumas entrevistas foram realizadas com os terminais; Assim, foi possível observar que a região possui uma forte sobreposição de regiões de influência que tendem a se agrupar em duas regiões: a) Paraná e Norte de Santa Catarina e; b) Sul de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Regiões de Influência da Região Sul do Brasil Rio Grande Paranaguá S. F. do Sul Itajaí Imbituba Região de Influência Tendência de confluência Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 34

35 Definição dos Clusters Após as análises foram obtidos 7 clusters para os terminais de contêineres de uso público: Extremo Sul, Sul, Santos, Leste, Nordeste, Norte e Manaus Convicon Cluster Nordeste Chibatão Super Terminais Cluster Manaus Cluster Norte Fortaleza Pecém TECON Suape Santos Brasil TECON Salvador Libra Terminais Santos TVV Tecondi Rodrimar Cluster Santos Cluster Leste Multi-Rio Libra Terminais Rio Cluster Sul Sepetiba TECON TECON Imbituba TECON Rio Grande Cluster Extremo Sul TCP APMT Itajaí TESC Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 35

36 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Mapeamento da Infraestrutura Definição dos Clusters Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 36

37 Demanda A demanda de contêineres projetada para o Brasil até 2021 foi constituída por parâmetros de longo curso e cabotagem e, posteriormente, alocada nos diferentes clusters Longo Curso A projeção da movimentação de contêineres na navegação de longo curso no país foi feita com base em índices macroeconômicos e também contempla volumes de transbordo e remoção. Cabotagem A cabotagem está em pleno desenvolvimento no Brasil e, assim, possui uma curva de crescimento mais acentuada que a navegação de longo curso, devido, principalmente, ao crescimento da região Nordeste. Conteinerização Diversos produtos possuem tendência a aumentar sua movimentação por contêiner. Assim, esse potencial foi adicionado ao volume projetado de longo curso e cabotagem. Alocação do volume nos clusters: o volume projetado representa o volume total do país, sendo que este foi alocado aos clusters de maneira diferenciada, de acordo com o desenvolvimento projetado de cada um. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 37

38 Demanda Projeção de Demanda Navegação de Longo Curso A metodologia de projeção da demanda para o longo curso utilizou um software de redes neurais e divide-se em três etapas: aprendizagem, aplicação de projeções e geração de extrapolações: Metodologia de Projeção TEU Brasil Etapa de Aprendizagem Aplicação de projeções Geração de Extrapolações Aprendizado e treinamento dos modelos (Redes Neurais - Algoritmos Genéticos) Projeções dos indicadores macroeconômicos Extrapolação dos indicadores macroeconômicos (análises de tendência e ciclos) Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 38

39 TEU Brasil período Y TEU Brasil período 201Y 2021 Demanda Projeção de Demanda Navegação de Longo Curso Foram selecionadas algumas variáveis macroeconômicas que explicassem e auxiliassem a projeção de demanda de contêineres no país Modelagem Matemática Seleção de variáveis explicativas Etapa de aprendizagem: Definição de pesos de variáveis Etapa de uso de projeções de variáveis: Projeção de TEU Brasil Y Etapa de extrapolação de variáveis: Projeção de TEU Brasil 201Y-2021 Input Output I Input Output II Input Output III Output IV Comex Mundo (US$) Comex Mundo (Histórico BIRD) 67% Peso 67% Comex Mundo Peso 67% Comex Mundo Comex Mundo 201Y Comex Brasil (US$) Comex Brasil (Histórico BC) 12% Peso 12% Comex Brasil Peso 12% Comex Brasil Comex Brasil 200Y PIB Brasil (US$) PIB Brasil (Histórico BC) 7% Peso 7% PIB Brasil Peso 7% PIB Brasil PIB Brasil 201Y Câmbio (R$/US$) Câmbio (Histórico BC) 14% Peso 14% Câmbio Peso 14% Câmbio Câmbio 200Y Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 39

40 Demanda Projeção de Demanda Navegação de Longo Curso A projeção indica que o Brasil deve chegar a movimentar 9,7 MM de TEU, no longo curso, em O CAGR de 2012 a 2021 é de 5,3 % Volume Anual de Contêineres no Longo Curso (MM TEU) 4,3 4,7 5,1 CAGR: 5,1% 5,5 5,6 4,9 5,6 6,0 6,1 6,3 6,6 CAGR: 5,3% 7,7 7,3 7,0 8,1 8,6 9,1 9,7 Histórico Projeção Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 40

41 Demanda Projeção de Demanda Navegação de Cabotagem Especialistas do setor de cabotagem afirmam que esta deve crescer em um ritmo mais acelerado nos próximos anos, principalmente devido ao desenvolvimento da região Nordeste O histórico da cabotagem não reflete de maneira fiel o crescimento da modalidade, visto que sua evolução é recente e tende a ter um crescimento maior nos próximos anos. O desenvolvimento da região Nordeste pode ser considerado como fator de grande impacto no crescimento da cabotagem no país, pois tanto a demanda por matéria prima e oferta de produtos acabados tendem a aumentar as transações na região. Entrevistas de validação Armador de Cabotagem 1 Em termos de crescimento médio, é razoável assumir uma taxa entre 6% e 7% a.a. até 2021, porém acreditamos que haverá um crescimento mais agudo nos próximos 3 ou 4 anos, para então desacelerar um pouco nos anos seguintes. (Entrevista com Trade and Marketing Manager) PIB Brasil Parâmetros utilizados PIB Nordeste Série Histórica Recente Armador de Cabotagem 2 Possuímos alguns estudos sobre a cabotagem no país que se utilizam de parâmetros como o PIB de Transportes, por exemplo, e acreditamos num crescimento entre 8,5% e 9,0% até (Entrevista com Projetos Logísticos) Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 41

42 Demanda Projeção de Demanda Navegação de Cabotagem A projeção indica que o Brasil deve chegar a movimentar 3,3 MM de TEU, na cabotagem, em O CAGR de 2012 a 2021 é de 7,6 % Volume Anual de Contêineres na Cabotagem (MM TEU) 0,8 0,8 CAGR: 8,2% 0,9 1,1 1,1 1,4 1,2 1,3 1,5 1,7 1,9 CAGR: 7,6% 2,4 2,2 2,0 2,5 2,7 2,9 3,1 3,3 Histórico Projeção Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 42

43 Demanda Projeção de Demanda 16, 0 14, 0 12, 0 10, 0 8, 0 6, 0 4, 0 2, 0 0, 0 Segundo as projeções feitas de cabotagem e longo curso, o Brasil movimentará 13 MM de TEU, em 2021, tendo um CAGR entre 2012 e 2021 de 5,9 % Volume Anual de Contêineres (MM TEU) 5,0 5,7 CAGR: 6,0% 7,0 6,6 6,2 6,1 6,8 7,5 7,8 8,2 8,6 CAGR: 5,9% 10,2 9,7 9,2 10,8 11,5 12,2 13,0 Histórico Longo Curso Histórico Cabotagem Projeção Longo Curso Projeção Cabotagem Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 43

44 Demanda Projeção de Demanda Tendência de Conteinerização Considerando a tendência de conteinerização das cargas, existe um potencial máximo de aumentar o volume atual em 13,5% Análise do Volume Potencial Para selecionar os produtos viáveis para o transporte via contêiner, consideramos que aqueles NCMs com no mínimo 10% de carga atualmente transportada por contêiner são potenciais para conteinerização. A premissa é a de que se o NCM já é movimentado parcialmente em contêiner, mais de seu volume pode migrar para este tipo de embalagem. Volume Potencial por Tipo de Carga* *Dos NCMs que atualmente possuem no mínimo 10% de seu volume transportados por contêiner. Volume Atualmente Movimentado em Contêiner Volume Atualmente Movimentado em Contêiner Volume com Potencial de Conteinerização Volume com Potencial de Conteinerização 4% Volume Potencial Total (MM TEU) Aumento de 13,5% % de Aumento de Tendência de Conteinerização por ano 14% 12% 10% 8% 96% 47% 53% 62% 38% Carga Geral Granel Sólido Granel Líquido Carga Geral Granel Sólido Granel Líquido Principais produtos: Açúcar, celulose, suco de laranja, siderúrgicos, fertilizantes, etc. 7,5 Volume Atual Volume Atual + Potencial Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 44 8,5 6% 4% 2% 0% Premissa: o % de conteinerização foi distribuído linearmente ao longo dos anos Fonte dados: Datamar

45 Demanda Projeção de Demanda Considerando a tendência de conteinerização aplicada às projeções de longo curso e cabotagem, o Brasil pode movimentar 14,7 MM de TEU, em 2021, tendo um CAGR entre 2012 e 2021 de 7,4 % Volume Anual de Contêineres (MM TEU) 5,0 5,7 CAGR: 6,0% 7,0 6,6 6,2 6,1 6,8 7,5 7,8 8,3 8,9 CAGR: 7,4% 9,6 10,2 11,0 11,8 12,7 13,7 14,7 Histórico Projeção Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 45

46 Demanda Alocação de Volume nos Clusters O volume projetado foi alocado a cada cluster de acordo com sua taxa de crescimento nos últimos anos em relação ao Brasil A projeção de demanda apresentada representa o volume do Brasil de maneira agregada. Cluster Manaus Cluster Norte Cluster Nordeste Analisou-se o comportamento de cada cluster em relação à média de crescimento do país nos últimos anos. Os clusters Nordeste e Norte foram identificados como os que possuem um crescimento acima da média nacional, nos últimos anos. Crescimento ACIMA da média nacional* Crescimento PRÓXIMO à média nacional Cluster Santos Cluster Leste Cluster Sul Cluster Extremo Sul *Exceto Cluster Norte Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 46

47 Demanda Alocação de Volume nos Clusters O gráfico abaixo Santos mostra Sul a distribuição Sudeste do Nordeste volume Extremo movimentado Sul Norte de contêineres no Santos Sul Sudeste Nordeste Extremo Sul Norte Santos Sul Sudeste Nordeste Extremo Sul Norte Brasil por cada cluster do estudo até 2021 CAGR Brasil ( ): 7,4% Santa Santos Catarina Sul Santos Leste Sudeste ParanaguáNordeste Rio Grande Extremo Leste Sul Nordeste Manaus Norte Norte 5,3 CAGR 7,2% (Volume em milhões de TEU) 3,2 7,0% 2,5 1,7 1,9 1,9 7,2% 8,9% 1,5 6,6% 1,0 0, ,9 8,0% 0,8 0,4 0,05 0,1 6,7% Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 47

48 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Oferta e Demanda Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 48

49 Metodologia de Análise da Capacidade Para a análise da capacidade potencial dos terminais e clusters, foi utilizada uma metodologia de comparação entre os terminais Levantamento de informações Montagem e execução de modelo DEA Consideração de outras restrições de capacidade Cálculo da capacidade potencial dos clusters Coleta de dados dos terminais: Área atual Adequações futuras PDZ do porto Comprimento dos berços Investimentos previstos Recebimento e compatibilização dos dados Levantamento de benchmarks internacionais Metodologia DEA (Data Envelopment Analysis) Comparação dos terminais entre si e com benchmarks Identificação da capacidade teórica de cada terminal/cluster, a partir dos drivers recebidos na etapa anterior Validação das capacidades teóricas dos terminais vs. dados reais Grau de utilização atual dos terminais Filas de atracação atuais Filas projetadas para a situação de capacidade teórica (modelo de teoria de filas) Restrições de movimentação interna e calado Cálculo da capacidade final dos terminais e clusters Projeção da capacidade a partir dos planos de adequação e investimentos Identificação de gaps oferta x demanda nos clusters Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 49

50 Metodologia de Análise da Capacidade A primeira fase foi o levantamento de informações através de questionários enviados aos terminais associados à ABRATEC e de pesquisas em fontes públicas Levantamento de informações Montagem e execução de modelo DEA Consideração de outras restrições de capacidade Cálculo da capacidade potencial dos clusters Coleta de dados dos terminais: Área atual Adequações futuras PDZ do porto Comprimento dos berços Investimentos previstos Recebimento e compatibilização dos dados Levantamento de benchmarks internacionais Metodologia DEA (Data Envelopment Analysis) Comparação dos terminais entre si e com benchmarks Identificação da capacidade teórica de cada terminal/cluster, a partir dos drivers recebidos na etapa anterior Validação das capacidades teóricas dos terminais vs. dados reais Grau de utilização atual dos terminais Filas de atracação atuais Filas projetadas para a situação de capacidade teórica (modelo de teoria de filas) Outras análises, se necessário Cálculo da capacidade final dos terminais e clusters Projeção da capacidade a partir dos planos de adequação e investimentos Identificação de gaps oferta x demanda nos clusters Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 50

51 Metodologia de Análise da Capacidade Então é aplicado o modelo de capacidade através de benchmarks internos Levantamento de informações Montagem e execução de modelo DEA Consideração de outras restrições de capacidade Cálculo da capacidade potencial dos clusters Coleta de dados dos terminais: Área atual Adequações futuras PDZ do porto Comprimento dos berços Investimentos previstos Recebimento e compatibilização dos dados Levantamento de benchmarks internacionais Metodologia DEA (Data Envelopment Analysis) Comparação dos terminais entre si e com benchmarks Identificação da capacidade teórica de cada terminal/cluster, a partir dos drivers recebidos na etapa anterior Validação das capacidades teóricas dos terminais vs. dados reais Grau de utilização atual dos terminais Filas de atracação atuais Filas projetadas para a situação de capacidade teórica (modelo de teoria de filas) Outras análises, se necessário Cálculo da capacidade final dos terminais e clusters Projeção da capacidade a partir dos planos de adequação e investimentos Identificação de gaps oferta x demanda nos clusters Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 51

52 Metodologia de Análise da Capacidade A metodologia utilizada Análise Envoltória de Dados (DEA) compara os terminais entre si através de suas características área e cais e de sua capacidade, em unidades e navios, para calcular a capacidade teórica de cada um Características do DEA Técnica utilizada para medir e comparar as fontes de capacidade produtiva entre diversas unidades independentes; Determina a capacidade relativa dessas unidades e estabelece um ranking entre elas; Habilidade de analisar vários outputs e inputs simultaneamente: Inputs: cais, área do porto; Outputs: quantidade de atracações, volume movimentado; Exemplo: Agências bancárias Fronteira de capacidade Capacidade ociosa Otimiza cada observação individual com o objetivo de calcular uma fronteira de capacidade. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 52 52

53 Metodologia de Análise da Capacidade Assim, são mapeadas relações multivariáveis entre as características do terminal e a capacidade teórica, através de benchmarks entre os terminais e com outros que tenham dados disponibilizados Formulação do Modelo INPUTS (1) Metragem de cais Número de berços Área de armazenagem OUTPUTS Capacidade de navios atendidos Capacidade de contêineres movimentados (1) Não considera outros inputs, como mão de obra, equipamentos, por não serem características intrínsecas dos terminais. Assume-se, portanto, que os terminais podem investir em pessoal, equipamentos e sistemas e que isto não é uma restrição. Pontos de atenção O modelo calcula a capacidade teórica, portanto, outras restrições devem ser incluídas a posteriori; Avalia-se também a geração de filas de atracação, calculadas com base no output do modelo para um check de viabilidade prática da capacidade calculada; Benchmarks internacionais são inseridos em um cenário do modelo, de maneira a comparar a produtividade dos terminais brasileiros com outros similares no exterior; O modelo permite também avaliar o ganho de capacidade derivado de futuras adequações; Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 53

54 Metodologia de Análise da Capacidade Após, é aplicado o modelo de capacidade através de benchmarks internos Levantamento de informações Montagem e execução de modelo DEA Consideração de outras restrições de capacidade Cálculo da capacidade potencial dos clusters Coleta de dados dos terminais: Área atual Adequações futuras PDZ do porto Comprimento dos berços Investimentos previstos Recebimento e compatibilização dos dados Levantamento de benchmarks internacionais Metodologia DEA (Data Envelopment Analysis) Comparação dos terminais entre si e com benchmarks Identificação da capacidade teórica de cada terminal/cluster, a partir dos drivers recebidos na etapa anterior Validação das capacidades teóricas dos terminais vs. dados reais Grau de utilização atual dos terminais Filas de atracação atuais Filas projetadas para a situação de capacidade teórica (modelo de teoria de filas) Outras análises, se necessário Cálculo da capacidade final dos terminais e clusters Projeção da capacidade a partir dos planos de adequação e investimentos Identificação de gaps oferta x demanda nos clusters Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 54

55 Metodologia de Análise da Capacidade Uma vez definido o grau relativo de utilização da estrutura de cada um dos terminais, definimos o grau de utilização absoluta do terminal benchmark, que serve como referência Benchmark interno Modelo DEA Cálculo da capacidade por cluster baseada no benchmark interno Estabelecimento de terminais benchmark dentro do universo de análise Benchmark: Santos Brasil Avaliação de capacidade absoluta Verificação da capacidade teórica da estrutura de área do terminal benchmark Slots Dwell Time Empilhamento Validação da capacidade através da avaliação de berços e tempo esperado de fila Tempo médio de atracação Consignação Composição da utilização teórica final Combinação da capacidade determinada pelo modelo de benchmark interno com a análise absoluta para cada cluster Incorporação da ocupação máxima a ser considerada para efeitos de operação Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 55

56 Navios atracados por metros de cais Metodologia de Análise da Capacidade Os dados obtidos dos benchmarks internos são replicados como uma prática potencial para todos os outros terminais, seguindo algumas premissas do estudo Aproximação aos Benchmarks x x x Terminal A x Capacidade potencial de operarem com as melhores práticas do setor. Contêineres movimentados por área do terminal x x x Terminal B Terminal C Terminal D Premissas Utilizadas A capacidade potencial máxima do terminal considerado benchmark é calculada através das seguintes premissas: a) Empilhamento de 6 alturas para contêiner dry e 5 alturas para reefer; b) 3 portainers a cada 200m de cais; c) Distribuição de slots baseada na área de armazenagem; d) 25 movimentos/hora/portêiner; Para todos os terminais: a) Sem limitação de equipamentos ou outros recursos; b) Nível de utilização total do terminal de 65%; c) Consignação média atual do terminal, crescendo de acordo com a demanda de seu cluster até 50% a mais da atual ou num limite de 900 CNTR/Navio. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 56

57 Metodologia de Análise da Capacidade Assim, foram aplicados os cálculos para obtenção da capacidade teórica máxima de cada cluster Levantamento de informações Montagem e execução de modelo DEA Consideração de outras restrições de capacidade Cálculo da capacidade potencial dos clusters Coleta de dados dos terminais: Área atual Adequações futuras PDZ do porto Comprimento dos berços Investimentos previstos Recebimento e compatibilização dos dados Levantamento de benchmarks internacionais Metodologia DEA (Data Envelopment Analysis) Comparação dos terminais entre si e com benchmarks Identificação da capacidade teórica de cada terminal/cluster, a partir dos drivers recebidos na etapa anterior Validação das capacidades teóricas dos terminais vs. dados reais Grau de utilização atual dos terminais Filas de atracação atuais Filas projetadas para a situação de capacidade teórica (modelo de teoria de filas) Outras análises, se necessário Cálculo da capacidade final dos terminais e clusters Projeção da capacidade a partir dos planos de adequação e investimentos Identificação de gaps oferta x demanda nos clusters Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 57

58 Metodologia de Análise da Capacidade Com isso, adotando as premissas do projeto, a taxa de utilização e a capacidade atual de cada cluster pode ser obtida Terminais de Contêineres de Uso Público Resultado* da análise do % de utilização da estrutura em 2011 Cluster Norte 78% Capacidade Atual: TEU 50% Cluster Manaus Capacidade Atual: TEU Cluster Nordeste 54% Capacidade Atual: TEU Capacidade Atual: TEU Capacidade Atual: TEU 100% 75% Cluster Santos Cluster Sul Cluster Leste 69% Capacidade Atual: TEU * Os resultados obtidos atendem a algumas premissas específicas deste estudo como, por exemplo, uma taxa de ocupação do terminal de 65%. Cluster Extremo Sul 48% Capacidade Atual: TEU Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 58

59 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 59

60 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Terminais de Uso Público Terminais de Uso Privativo Misto Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 60

61 Balanço de Oferta e Demanda Metodologia Comparando a demanda projetada com a capacidade potencial dos clusters nos próximos anos é possível observar quando se dará o limite de capacidade de cada região Demanda x Capacidade Potencial Cluster A Cluster Manaus Cluster Norte Limite de Capacidade Cluster Nordeste Cluster Leste Cluster Santos Capacidade Potencial Demanda Projetada Cluster Sul Cluster Extremo Sul A demanda projetada e alocada a cada cluster foi comparada à capacidade potencial a fim de se obter em que ano a região poderá atingir seu limite de capacidade e, nesse caso, onde seriam necessárias novas adequações ou a abertura de licitações. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 61

62 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Extremo Sul Considerando os Terminais de Uso Público, o Cluster Extremo Sul apresenta capacidade potencial de movimentação acima de sua demanda projetada Cluster Extremo Sul Demanda x Capacidade (MM TEU) 8,0 Considerando Adequações já Autorizadas SC TECON Imbituba 7,0 6,0 5,0 4,0 1,8 MM 3,0 RS 2,0 1,0 0, Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs TECON Rio Grande A adequação possível considerada refere-se à adequação de cais e área do TECON Rio Grande em 2015, passando a 1.250m de cais e m² de área total. 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 2,3 MM Capacidade Potencial Demanda Projetada Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 62

63 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Sul As adequações possíveis no Cluster Sul (considerando-se Terminais de Uso Público) fazem com que a capacidade potencial da região ultrapasse sua demanda Cluster Sul Demanda x Capacidade (MM TEU) PR SC TCP TESC APMT Itajaí Considerando Adequações já Autorizadas Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs O TESC está aumentando área em 2012 (para m²) e o TCP cais (para 880m) em 2013; 4,0 3,0 2,0 As adequações possíveis consideram o aumento de cais e área 1,0 no terminal da APMT em Itajaí em 2013 e área no TESC no 0,0 mesmo ano; Além disso, o TCP poderá expandir seu cais para m e área para m² em Capacidade Potencial Demanda Projetada 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 1,8 MM ,5 MM 3,0 MM 3,4 MM Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 63

64 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Santos O Cluster Santos apresenta capacidade potencial para suportar a demanda projetada do período até o ano de 2021 considerando-se apenas as adequações já autorizadas Cluster Santos SP Santos Brasil Libra Terminais Santos TECONDI Rodrimar BTP O BTP entrará em operação em 2013; Existe a possibilidade do terminal da Santos Brasil realizar uma adequação em seu cais (para m); Libra Santos poderá expandir seu cais para m e área para m² (adequação possível). 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Capacidade Potencial Demanda x Capacidade (MM TEU) BTP 4,9 MM 5,0 MM Considerando Adequações já Autorizadas Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs BTP 4,9 MM 5,2 MM 5,7 MM Demanda Projetada Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 64

65 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Leste O Cluster Leste apresenta capacidade potencial acima da demanda projetada em todo o período analisado Cluster Leste Demanda x Capacidade (MM TEU) Sepetiba TECON RJ ES Libra Terminais Rio Multi-Rio TVV Considerando Adequações já Autorizadas Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs A Libra Rio apresentará adequação de cais (para 665 m) em 2013 e área (para m²) em 2015, além de adequações em 2019; Em 2014, a Multi Rio expandirá seu cais para 800 m e área para 4,0 3,0 2,0 1, m²; 0,0 O Sepetiba TECON expandirá sua área para m² em 2015 e pode expandir cais para m; Todo o Cluster poderá expandir área e cais em Capacidade Potencial Demanda Projetada 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 2,0 MM 2,5 MM ,4 MM Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 65

66 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Nordeste Também no Cluster Nordeste, a capacidade potencial supera a demanda projetada ao longo do tempo PI Cluster Nordeste Pecém BA CE Fortaleza AL SE Tecon Salvador Tecon Suape Novo Terminal O segundo TECON em Suape está programado para 2016; O TECON Salvador poderá expandir cais e área em 2015; O Tecon Suape poderá expandir cais e área em 2016; PE RN PB 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 Demanda x Capacidade (MM TEU) Considerando Adequações já Autorizadas 3,0 MM Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs 3,6 MM 4,0 3,0 2,0 1,0 0, Capacidade Potencial Demanda Projetada Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 66

67 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público Cluster Norte O Cluster Norte é composto pelo Convicon e o terminal possui capacidade potencial acima de sua demanda projetada Cluster Norte Demanda x Capacidade (Mil TEU) Considerando Adequações já Autorizadas PA Até 2020, o Convicon poderá aumentar seu cais de 254 para 508 m e sua área de m² para m² (adequações possíveis). AP Convicon 0,34 0,29 0,24 0,19 0,14 0,09 0,04 0,34 0,29 0,24 0,19 0,14 0,09 0, Mil Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs 230 Mil Capacidade Potencial Demanda Projetada Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 67

68 Balanço de Oferta e Demanda Cluster Manaus A capacidade potencial do Cluster Manaus é próxima à sua demanda até a entrada em operação do novo terminal Cluster Manaus Super Terminais* Chibatão* Novo Terminal Público Em 2016 está prevista a entrada em operação do novo terminal em licitação em Manaus. 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Demanda x Capacidade (MM TEU) Considerando Adequações já Autorizadas 1,6 MM Incluindo Adequações Possíveis, em fase de aprovação e/ou PDZs Não houve diferença entre adequações autorizadas e possíveis *Os terminais de uso privativo misto que movimentam contêiner atualmente no Porto de Manaus foram incluídos por decisão dos terminais participantes dos levantamentos. Capacidade Potencial Demanda Projetada Limite de Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 68

69 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Terminais de Uso Público Terminais de Uso Privativo Misto Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 69

70 Balanço de Oferta e Demanda Resultados Terminais de Uso Privativo Misto Além dos Terminais de Uso Público, os Terminais de Uso Privativo Misto que estão operando também foram tratados no estudo Além dos Terminais de Uso Público já analisados, existem Terminais de Uso Privativo Misto que estão movimentando contêineres (carga de terceiros); Terminais de Uso Privativo Misto O marco regulatório vigente os permite movimentar carga de terceiros, desde que esta seja eventual, subsidiária e da mesma natureza da carga própria autorizada; Os dados referentes a esses terminais foram obtidos em fontes de domínio público (site dos terminais). Clusters Atuais Futuros Santos (Novo) Santa Catarina 1 Santa Catarina 2 Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 70

71 Balanço de Oferta e Demanda Resultados Terminais de Uso Público e Terminais de Uso Privativo Misto Assim, é possível observar o nível atual de utilização e a capacidade dos clusters, considerando a inclusão dos outros terminais e a mesma metodologia apresentada na primeira etapa Terminais de contêineres de uso público e de uso privativo misto Resultado* da análise do % de utilização da estrutura em 2011 Cluster Norte 78% Capacidade Atual: TEU 50% Capacidade Atual: TEU Cluster Manaus Cluster Nordeste 54% Capacidade Atual: TEU Capacidade Atual: TEU 75% Cluster Santos Cluster Leste 69% Capacidade Atual: TEU Capacidade Atual: TEU 64% Cluster Sul * O resultado de 100% de utilização significa que o cluster atingiu uma taxa de ocupação de 65% (premissa máxima de ocupação para oferta de um nível de serviço mínimo). Cluster Extremo Sul 48% Capacidade Atual: TEU Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 71

72 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público e Privativos de Uso Misto Cluster Santos Considerando o novo Terminal de Uso Privativo Misto em Santos, a capacidade potencial do Cluster chega a 6,1 MM TEU em 2013 Cluster Santos Demanda x Capacidade (MM TEU) Novo Terminais de Uso Privativo Misto + SP Santos Brasil Libra Terminais Santos TECONDI Rodrimar BTP O novo Terminal Privativo de Uso Misto entrará em operação em Santos em 2013, e poderá sofrer adequação de cais de 650 m para m em ,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Considerando Todas as Adequações dos Terminais de Uso Público BTP 5,2 MM 5,7 MM (Aprovadas + Possíveis) 4,9 MM Incluindo os Terminais de Uso Privativo Misto 6,1 MM 6,5 MM 7,0 MM Capacidade Term. U. Público Demanda Projetada Limite de Term. U. Público + U. Privativo Misto Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 72

73 Balanço de Oferta e Demanda Terminais de Uso Público e Privativos de Uso Misto Cluster Sul Considerando os Terminais de Uso Privativo Misto de Santa Catarina, a capacidade potencial do Cluster supera a demanda projetada em todo o período analisado Cluster Sul Demanda x Capacidade (MM TEU) + Terminal Privativo de Uso Misto SC 2 PR + SC Terminal Privativo de Uso Misto SC 1 TCP TESC APMT Itajaí Os Terminais Privativos de Uso Misto (SC 1 e SC 2) já estão em operação e foram considerados na análise. Nenhuma adequação destes terminais foi considerada. 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Considerando Todas as Adequações dos Terminais de Uso Público (Aprovadas + Possíveis) 3,0 MM 3,4 MM 2,5 MM Incluindo os Terminais de Uso Privativo Misto 4,5 MM 3,8 MM Capacidade Term. U. Público Demanda Projetada Limite de Term. U. Público + U. Privativo Misto Capacidade Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 73

74 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 74

75 Conclusão Após a análise do Balanço de Oferta e Demanda e considerando as projeções de demanda e capacidade potencial, pode-se chegar a algumas conclusões O Cluster Sul, se executadas todas as adequações possíveis de acordo com os terminais participantes do levantamento, poderá ter capacidade suficiente para atender à demanda com um bom nível de serviço até 2021; Os demais Clusters, se executadas as adequações já autorizadas pelas respectivas autoridades portuárias, poderão ter capacidade suficiente para atender à demanda até Ainda, se necessário, existem outras adequações possíveis de acordo com os terminais participantes do levantamento que poderiam ampliar a oferta de capacidade. *Não foram consideradas avaliações de acessos terrestres ou marítimos ou avaliações ambientais, jurídicas ou fiscais/tributárias para terminais existentes ou novos terminais. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 75

76 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 76

77 Equipe do Estudo Equipe ILOS Coordenação Prof. Fleury PAULO FERNANDO FLEURY, PhD Dr. Fleury é fundador e diretor presidente do ILOS Instituto de Logística e Supply Chain - uma organização privada criada em 2008, cujo principal objetivo é o desenvolvimento e difusão das melhores práticas de Logística e Supply Chain Management. Ele é também o fundador do Centro de Estudos em Logística do Instituto Coppead de Administração, onde vem ensinando, realizando consultoria, e conduzindo pesquisas durante os últimos vinte e cinco anos. Ele é formado em engenharia mecânica pela UFRJ (1969), e possui os títulos de Mestre (COPPE/UFRJ, 1971) e Ph.D. (Loughborough University, 1976). Ele foi visiting scholar na Harvard Business School, durante o ano de 1983 e palestrante convidado da Sloan School of Management, (MIT, 1986). Possui cerca de 150 trabalhos publicados em periódicos nacionais e internacionais. Leciona nos programas de mestrado e de desenvolvimento de executivos da escola de pós graduação em administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Durante toda sua vida profissional esteve envolvido com atividades de consultoria nas áreas de Logística, Supply Chain Management, e Estratégia de Operações. Seus principais clientes são grandes empresas de uma ampla gama de setores incluindo, óleo e gás, mineração, papel e celulose, cimento, atacadista, varejista, bebidas e fumo, eletrônicos, embalagem, transporte e engenharia. Foi Diretor Superintendente (CEO) da AD-RIO, Agência de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro, tendo sido responsável por sua criação e implementação (1987 a 1989). Como Diretor Superintendente ele esteve envolvido com a identificação e análise de oportunidades de investimentos, a formação de joint vetures, e projetos de fusão e aquisição. Nos últimos quatro anos tem atuado como principal executivo do ILOS Instituto de Logística e Supply Chain, e membro de Conselhos de Administração de empresas nos setores de transporte, óleo e gás, educação e logística. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 77

78 Agenda Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil Introdução Metodologia de Análise da Demanda Metodologia de Análise da Capacidade Balanço de Demanda e Capacidade Conclusão Equipe do Estudo Anexo Memória de Cálculo Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 78

79 Anexo Memória de Cálculo Quadro Resumo: Adequações Consideradas Terminal Após Após Cais Atual (m) Adequações Adequações Aprovadas (m) Possíveis (m) Cais em 2021 (m) Área Total Atual (m²) Após Após Adequações Adequações Aprovadas (m) Possíveis (m)* Área em 2021 (m) Consignação média atual (box/navio)** APMT Itajaí BTP *** Chibatão Convicon Fortaleza Imbituba *** Libra Term. Rio Libra Term. Santos Manaus (Novo) *** Multi Rio Pecém Rio Grande Rodrimar Salvador Santa Catarina *** Santa Catarina Santos (Novo) *** Santos Brasil Sepetiba Suape Super Terminais TCP Tecondi TESC TVV * Os dados dos PDZs de alguns portos foram incluídos nas informações do terminal que atualmente opera no porto e no ano em que seu cluster esgotaria sua capacidade, dentro das premissas adotadas. **A consignação da tabela retrata a situação atual de cada terminal. Para efeito da projeção da capacidade potencial, ela possui um crescimento de acordo com a demanda de seu cluster até 50% de aumento em relação ao valor atual ou até um limite de 900 CNTR/Navio. *** Para alguns terminais foi utilizada a consignação média do cluster onde está inserido. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 79

80 65% Fila Anexo Memória de Cálculo Capacidade Potencial Atual e Futura As capacidades calculadas para os terminais significam seu potencial máximo de capacidade, considerando práticas benchmarking e um nível de utilização máximo de 65% Premissas Utilizadas A capacidade potencial máxima do terminal considerado benchmark é calculada através das seguintes premissas: a) Empilhamento de 6 alturas para contêiner dry e 5 alturas para reefer; b) 3 portainers a cada 200m de cais; c) Distribuição de slots baseada na área de armazenagem; d) 25 movimentos/hora/portêiner; Para todos os terminais: a) Sem limitação de equipamentos ou outros recursos; b) Nível de utilização total do terminal de 65%; c) Consignação média atual do terminal, crescendo de acordo com a demanda de seu cluster até 50% a mais da atual ou num limite de 900 CNTR/Navio Nível de Ocupação do Terminal x Fila O nível de serviço prestado pelo terminal diminui drasticamente à medida que a ocupação passa de determinado nível. Foi estabelecida, portanto, uma ocupação máxima dos terminais de 65%. Curva ilustrativa 0 50% 60% 70% 80% 90% 100% Nível de ocupação Foi considerado 65% como sendo o nível de ocupação total do terminal, evitando comprometer o nível de serviço oferecido; Dependendo do valor utilizado, a capacidade potencial de cada terminal pode ser diferente da apresentada no estudo. Portos 2021 Avaliação de Demanda e Capacidade do Segmento Portuário de Contêineres no Brasil 80

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T14 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE TRANSPORTE DE CARGAS EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENFOQUE LOGÍSTICO Pré-logística: gestão voltada para o custo do transporte (redução do frete de frotas contratadas ou redução dos custos

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO

SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS SUAPE Movimentação de Cargas Complexo Industrial Portuário Movimentação de Cargas TECON Suape Novo Terminal de Containers Localização Privilegiada

Leia mais

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária

VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG. Panorama: Logística Portuária VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia MG Panorama: Logística Portuária Bacharel em Comércio Exterior pela Unicenp (Curitiba/PR) Rodrigo FONSECA rodrigo.fonseca@tcp.com.br +55 41 3420.3334 +55 41

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010 Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2010 Apresentamos a seguir as nossas respostas

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh DESEMPENHO PORTUÁRIO Sistema Permanente de Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços Portuários XXI Encontro Nacional de Entidades Portuárias e Hidroviárias ENEPh Santos, 30 de Março

Leia mais

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor

Fazendo a diferença para sempre fazer melhor II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO Desafios de Implantação e Gestão de um Porto Privado Uma experiência nacional e internacional Florianópolis, 4 de outubro de 2015 PATRÍCIO JUNIOR - Presidente

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

COMUS. RSE / Março 2011

COMUS. RSE / Março 2011 COMUS RSE / Março 2011 1 História da Hamburg Süd Fundada em 1871 por um consórcio de onze comerciantes hamburgueses, a empresa se desenvolveu a partir de uma companhia de navegação convencional em uma

Leia mais

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org.

A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. www.atres.org. A T R E S ASSOCIAÇÃO DO TERMINAIS PORTUÁRIOS E RETROPORTUÁRIOS E DOS USUÁRIOS DOS PORTOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A ATRES - Associação dos Terminais Retroportuários, Portuários e dos Usuários dos Portos

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Secretaria de Portos da Presidência da República Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Ministro Leônidas Cristino São Luiz, abril 2011 AGENDA:

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes A Melhoria da Estrutura Portuária AGENDA PORTOS Coordenação das ações de governo, na Câmara de Política de Infra-estrutura,

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais PROCEDIMENTO Nº Revisão: 3 Data: 20/05/2013 1 OBJETIVO 2 2 ABRANGÊNCIA 2 3 REFERÊNCIAS 2 4 DEFINIÇÕES 3 5 INSTRUÇÕES 4 Nº Revisão 3 Data: 20/05/2013 1 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo definir

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS EM REGULAÇÃO DE MERCADOS

CENTRO DE ESTUDOS EM REGULAÇÃO DE MERCADOS ESTUDO COMPARATIVO DAS ESTRUTURAS DE CUSTOS E AVALIAÇÃO DE PROJETOS/INVESTIMENTOS ENTRE TERMINAIS PORTUÁRIOS DE USO PÚBLICO E TERMINAIS PORTUÁRIOS DE USO PRIVATIVO MISTO Sumário Executivo Neste relatório

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 112 1.1 O QUE É O ARRENDAMENTO PORTUÁRIO?... 112 2 VERIFICAÇÕES INICIAIS... 113 3 ANÁLISE DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE... 114 4 ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA... 117 5

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Manual do Integrador. Programa de Formação

Manual do Integrador. Programa de Formação Manual do Integrador Programa de Formação Introdução As oportunidades de iniciação de frentes de negócios na indústria fotovoltaica brasileira são diversas e estão abertas a todos aqueles que desejam começar

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS

DRAGAGEM POR RESULTADOS Seminário: Reforma Portuária para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES A = Calado B = Distância entre a quilha

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA. NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA. NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com SENADO FEDERAL COMISSÃO DE SERVIÇOS E INFRA-ESTRUTURA NELSON CARLINI +55 21 2272.9594 bra.ncarlini@cma-cgm.com Agenda Introdução Mercado Brasileiro de containeres. Principais limitações nos Portos Brasileiros.

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Dados preliminares sujeitos a alterações Roteiro de Apresentação Definição de Transporte Intemodal

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1

4/11/2010 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO TERMINAL ATÉ 2016 1 AQUISIÇÃO DE 01 SCANNER MAIOR EFICIÊNCIA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE INSPEÇÃO DOS CONTEINERS. VALOR ESTIMADO: R$ 7,0 MILHÕES BLOCO DE UTILIDADES E SERVIÇOS

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

ANEXO 2 - DIRETRIZES TÉCNICAS E PARÂMETROS DO ARRENDAMENTO

ANEXO 2 - DIRETRIZES TÉCNICAS E PARÂMETROS DO ARRENDAMENTO ANEXO 2 - DIRETRIZES TÉCNICAS E PARÂMETROS DO ARRENDAMENTO LEILÃO Nº 3/2015-ANTAQ, PARA O ARRENDAMENTO DE ÁREAS E INFRAESTRUTURAS PÚBLICAS PARA A MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE PAPEL, CELULOSE E CARGA GERAL,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Dalmo Marchetti Gerente Setorial do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, 09/11/2012 Associação

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Terminais de uso privativo

Terminais de uso privativo Terminais de uso privativo Audiência Pública do Senado Federal, PLS nº 118/2009 Brasília, 23 de maio de 2012 Wilen Manteli Presidente da ABTP Porto da USIMINAS Lei nº 8.630/1993 (Modernização dos Portos)

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5.1 Introdução Após apresentação feita sobre os processos para implantação de um software de roteirização de veículos da

Leia mais

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero

Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil. Martina Rillo Otero Panorama da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil Martina Rillo Otero 1 Sumário Objetivos da pesquisa Metodologia Quem foram as organizações que responderam à pesquisa? O que elas pensam

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

Visão Geral do Programa de Portos

Visão Geral do Programa de Portos Visão Geral do Programa de Portos São Paulo, 3 de setembro de 2013 O que é a EBP? Aporte de capital em partes iguais Um voto cada no Conselho Desenvolvimento de projetos de infraestrutura: Em parceria

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011

Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Expandindo a Logística Brasileira Maio 2011 Aviso Legal Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO

EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO Sob o pioneirismo do GRUPO JAD, atuante no mercado logístico há mais de 20 anos, a JADLOG visa disponibilizar um atendimento

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Março/2008 Certificação do ISPS Code. Maio/2012 2 milhões de TEUs movimentados LINHA DO TEMPO

Março/2008 Certificação do ISPS Code. Maio/2012 2 milhões de TEUs movimentados LINHA DO TEMPO HISTÓRICO LINHA DO TEMPO Maio/2001 Contrato de adesão com o Ministério dos Transportes Outubro/2005 Início da construção da Portonave Outubro/2007 Início da operação da Portonave Março/2008 Certificação

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA.

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. Objecto Geral do projecto: Este projecto insere-se no âmbito do "Projecto Infra-estrutura" do MCA-CV (Millennium Challenge Account Cabo Verde) e tem

Leia mais

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista

PORTO 24 HORAS. Complexo portuário santista FIESP/CONSIC PORTO 24 HORAS Complexo portuário santista José Cândido Senna, Coordenador do Comitê de Usuários dos Portos e. Aeroportos do Estado de São Paulo - COMUS São Paulo, 16 de agosto de 2011 Participação

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Reduzindo Custos na Logística

Reduzindo Custos na Logística Reduzindo Custos na Logística 1 Sempre que observo o processo tenho a sensação de estar perdendo muito dinheiro, mas não sei o quanto. Tenho ideia de onde estou perdendo dinheiro mas é impossível ter checar

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais