HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE"

Transcrição

1 HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de Imungenética Transplante de medula óssea Pacientes e possíveis doadores aparentados Doadores voluntários de medula óssea Tipagem Transplante renal Pacientes e possíveis doadores Doador cadáver Prova cruzada ou cross-match PRA Antígeno Leucocitário Humano Estrutura e classe dos antígenos São glicoproteínas presentes na membrana das células que controlam a resposta imune, atuando como antígenos de histocompatibilidade Permitem às s células c do sistema imune: Reconhecerem a si próprias prias dentre as demais do organismo Reconhecerem moléculas estranhas ao próprio prio organismo Cadeia alfa Classe I Classe II Cadeia beta Cadeia Beta2-microglobulina Cadeia alfa Classe I Classe I Função: Processamento e apresentação de antígenos intracelulares a linfócitos CD8 Classe II Função: Processamento e apresentação de proteínas extracelulares a linfócitos CD4. Classe II classe I A B - C classe II DR DQ - DP 1

2 Distribuição tecidual Localização cromossômica Propriedades Classe I Classe II Cromossomo 6 (p21.3) 4 milhões de nucleotídeos Antígenos -A -B -C -DR -DQ -DP Distribuição tecidual Células nucleadas (somáticas) Plaquetas Linfócitos B Macrófagos/Mon fagos/monócitos Células dendríticas Linfócitos T ativados Genes -DRB1 -DQB1 -DPB1 Antígenos -DR -DQ -DP Genes -A -B -C Antígenos -A -B -C Lista Parcial dos Antígenos S R L G I A Nomenclatura A 32 B 27 Número do antígeno classe - Superfície da Antígeno Leucocitário Humano membrana M L E C U L A R A* 3202 B* 2705 Número do alelo lócus Antígeno Leucocitário Humano - Gene Genes Características importantes Hereditariedade Codificam dois tipos de moléculas estruturalmente distintas porém m homólogas (classe I e II); Pai Mãe HAPLÓTIP São os mais polimórficos do genoma em todas as espécies analisadas; Filhos São expressos em co-dominância 2

3 IMPRTÂNCIA D ASSCIAÇÃ CM DENÇAS TESTE DE PATERNIDADE GENÉTICA DE PPULAÇÕES REPRDUÇÃ (ABRTS DE REPETIÇÃ) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA E RIM Métodos de Tipagem Sorológicos: utilizam soros específicos para identificação dos antígenos presentes nas membranas dos linfócitos Moleculares: SSP - Utilizando primers específicos para a amplificação seletiva do DNA correspondente a alelos ou grupos de alelos seguida de eletroforese em gel de agarose SS - Utilizando primers para a amplificação de segmentos de DNA equivalentes aos alelos, seguida de hibridização com sondas de oligonucleotídeos de seqüências específicas Tipagem Sorológica A 23, 68 B 15, 44 Tipagem Molecular Camada de leucócitos Extração do DNA Linfócitos T e B (paciente) + Anticorpos aderidos na placa contra antígenos presentes na membrana das célulasc Preparação do Mix Placa de amplificação Tipagem Molecular A* TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Amplificação SS - Luminex Eletroforese(SSP) A* 23, 68 B* 15, 44 DRB1* 13, 15 DRB 5*, 3* B* DRB1* Consiste na infusão intravenosa de células c progenitoras hematopoiéticas ticas com o objetivo de restabelecer a função medular. Existem dois tipos: Autólogo: medula óssea do próprio prio indivíduo duo Alogênico: : medula óssea de outro indivíduo duo É preciso que haja total compatibilidade entre doador e receptor para que a medula óssea não seja rejeitada. 3

4 CHANCES DE SE ENCNTRAR UM DADR MANEIRAS DE EXTRAÇÃ DA MEDULA ÓSSEA 25% entre irmãos Por punção Por aférese UMA EM 1 MILHÃ entre doadores não aparentados médico decidirá qual a melhor forma de coleta de células para cada paciente. TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA 100% de compatibilidade em -A*, A*, B*, Cw*, DRB*, DQ*. Doação Voluntária de Medula Óssea REDME DADR RECEPTR A* 02, 32 A* 02, 32 B* 07, 35 B* 07, 35 DRB1* 13, 11 DRB1* 13, 11 REDME Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea Sua função é de cadastrar nomes de pessoas dispostas a doar juntamente com a sua tipagem Interação com os registros de doadores internacionais Acompanhar a evolução dos transplantes entre não aparentados Quando um paciente necessita de transplante a pesquisa de compatibilidade é realizada entre todos os doadores nacionais e internacionais DAR É IMPRTANTE TRANSPLANTES DE ÓRGÃS No Brasil a mistura racial é muito grande, e isso dificulta ainda mais a procura do doador ideal A existência cada vez maior de doadores, facilita a busca por um tipo de medula compatível 4

5 INDICAÇÕES CLÍNICAS RIM - FALÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGI TERMINAL. Paciente entra para Lista de Espera para Transplante Renal TESTE DE HISTCMPATIBILIDADE TIPAGEM : TEM CM BJETIV A IDENTIFICAÇÃ DS ANTÍGENS DE UM INDIVÍDU. P R A - PAINEL DE REATIVIDADE ANTILEUCCITÁRIA MEDIDA DA SENSIBILIZAÇÃ PRÉVIA CNTRA ANTÍGENS Quantifica os anticorpos presentes no soro Determina a especificidade destes anticorpos Atualização de soro a cada 2 meses PRVA CRUZADA ou CRSS MATCH PRVA CRUZADA ou CRSS MATCH EXPR in vitro LINFÓCITS T e B D DADR EM CNTAT CM SR D RECEPTR D ÓRGÃ. Linfócitos T (doador) + soro paciente + C1 Linfócitos B (doador) + soro paciente + C2 Linfócitos T (doador) + soro paciente + AGH + C1 TRANSPLANTE RENAL Compatibilidade mismatch DADR Pontuação a) no lócus DRB1* 0 MM = 6 pontos 1 MM = 3 pontos 2 MM = 0 ponto RECEPTR A* 02, 32 A* 02, 68 B* 07, 35 B* 44, 58 DRB1* 13, 11 DRB1* 15, 14 b) no lócus B* 0 MM = 4 pontos 1 MM = 2 pontos 2 MM = 0 ponto c) no lócus A* 0 MM = 1 ponto 1 MM = 0,5 pontos 2 MM = 0 ponto Compatibilidade AB Desempate: TRANSPLANTE RENAL 1) Tempo de espera na lista 2) P.R.A painel de reatividade 2) painel de reatividade antileucocitária 3) Diabetes 4) Idade do receptor 5

6 DADR CADÁVER RTINA LABRATRIAL LISTA DE ESPERA PARA TRANSPLANTE RENAL MRTE CEREBRAL SANGUE PERIFÉRIC LINFND TIPAGEM RESULTAD PARA CENTRAL TRANSPLANTE CHAPECÓ BLUMENAU JINVILLE FLRIANÓPLIS SELEÇÃ RECEPTRES ENVI PARA LABRATÓRI TRANSPLANTE : PRVA CRUZADA RESULTAD PARA CENTRAL TRANSPLANTE SC TRANSPLANTES CENTRS DE TRANSPLANTE LABRATÓRI Caso clínico Criança de 1ano e 2 meses com LMA necessita de transplante de medula óssea pois não responde ao tratamento. Busca de possível doador é feita na família. PAI MÃE A* 02, 03 A* 01, 32 B* 15, 40 B* 27, 39 DRB1* 13, 04 DRB1* 15, 16 A* 01, 24 A* 01, 02 Paciente A* 02, 32 A* 01, 03 A* 32, 03 B* 27, 51 DRB1* 15, 07 B* 27, 15 DRB1* 15, 13 B* 15, 39 DRB1* 13, 16 B* 27, 40 DRB1* 15, 04 B* 39, 40 DRB1* 16, 04 6

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O estudo dos antígenos eritrocitários e de seus anticorpos forma a base da medicina transfusional. Esses antígenos estão vinculados a um sistema de grupos sanguíneos com base na estrutura e semelhança

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

Imunologia dos Tr T ansplantes

Imunologia dos Tr T ansplantes Imunologia dos Transplantes Base genética da rejeição Camundongos isogênicos - todos os animais possuem genes idênticos Transplante de pele entre animais de linhagens diferentes rejeição ou aceitação depende

Leia mais

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS Coração 0505020041 TRANSPLANTE DE CORACAO Fígado 0505020050 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR FALECIDO) 0505020068 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR VIVO) Pâncreas 0505020076

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.314, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.314, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.314, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

Como conseguir a inscrição no Cadastro Técnico Único?

Como conseguir a inscrição no Cadastro Técnico Único? 1 Este Manual se destina a você, paciente, que tem indicação de transplante renal e tem como objetivo informá-lo dos procedimentos adotados sobre o processo de doação-transplante com doador cadáver, bem

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios GENÉTICA Grupos Sanguíneos Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (MACK SP/2013) b) os candidatos III e IV podem ser excluídos da paternidade. c) o candidato I é o pai

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

HEMOTERAPIA BRASILEIRA

HEMOTERAPIA BRASILEIRA FAZENDO HISTÓRIA NA HEMOTERAPIA BRASILEIRA COLSAN - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE COLETA DE SANGUE fazendo história na hemoterapia brasileira A Colsan Associação Beneficente de Coleta de Sangue é uma entidade

Leia mais

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS

POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS POLIALELISMO E GRUPOS SANGUÍNEOS 1) UFRS - Coelhos podem ter quatro tipos de pelagem: chinchila, himalaia, aguti e albina, resultantes das combinações de quatro diferentes alelos de um mesmo loco. Num

Leia mais

NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH

NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH NOÇÕES DE IMUNOGENÉTICA E DA GENÉTICA DOS SISTEMAS SANGUÍNEOS ABO e RH A RESPOSTA IMUNE 1. O Sistema Imune Inato: É formado pelos FAGÓCITOS, LINFÓCITOS killer e SIST. COMPLEMENTO O Sistema Imune Adaptativo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Imunogenética Hematopoese Glóbulos brancos (leucócitos) Glóbulos vermelhos (eritrócitos) Plaquetas Tecido hematopoiético Glóbulos brancos

Leia mais

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP)

01 - (UNIMEP RJ) 02 - (GAMA FILHO RJ) 03 - (UFPA) 04 - (UFRJ) 05 - (FUVEST SP) 01 - (UNIMEP RJ) Assinale a alternativa que apresenta um casal que pode ter descendentes com todos os tipos sangüíneos do sistema ABO. a) IA i x IA IB b) i i x i I c) IA IB x IA IB d) IA IA x IB i e) nenhuma

Leia mais

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008 Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.193, DE 24 DEZEMBRO DE 2008 Altera a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde - SUS.

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS MERCOSUL/GMC/RES. Nº 41/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Sangue. A herança a dos grupos sanguíneos neos humanos. Professora Catarina

Sangue. A herança a dos grupos sanguíneos neos humanos. Professora Catarina A herança a dos grupos sanguíneos neos humanos Genética Professora Catarina Sangue Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células c do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO.

Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. Unidade IV Ser Humano e Saúde Aula 13 Conteúdo: Grupos Sanguíneos. Aplicando o sistema ABO. 2 Habilidade: Compreender como os grupos sanguíneos se comportam geneticamente (genótipo e fenótipo). Conhecer

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 Estabelece estratégia de qualificação e ampliação do acesso aos transplantes de órgãos sólidos e de medula óssea, por meio da criação de novos procedimentos e de

Leia mais

Dados preliminares 2011

Dados preliminares 2011 Dados preliminares 2011 Os seguintes dados referem se à atividade de colheita e transplantação 2011 Agradecimentos: Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação Coordenadores d Hospitalares de

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*)

PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*) PORTARIA Nº 344, DE 20 DE JUNHO DE 2008(*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.8/GM, de 06 de novembro de 200, que aprova a estrutura e o detalhamento

Leia mais

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) :

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) : PORTARIA N º 3.410, de 5 de agosto de 1998. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a) a necessidade de incentivar as atividades de busca de doadores de órgãos;

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 023/2013/GAB/PRM/PVAI

RECOMENDAÇÃO Nº 023/2013/GAB/PRM/PVAI MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ/PR RECOMENDAÇÃO Nº 023/2013/GAB/PRM/PVAI O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República signatário, no

Leia mais

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr BIO 4E aula 10 10.01. Para que ocorra a Eritroblastose Fetal (Doença Hemolítica do Recém Nascido) a mãe deve ter sangue Rh - e ter sido sensibilizada, e a criança deve ser Rh +. 10.02. Quando uma mulher

Leia mais

Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP

Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP 381 Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP Maria Lúcia C. Marin, Anna Carla Goldberg, Hélcio Rodrigues, Cláudia Rosales, Carlos Sérgio Viggiani,

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional. Datas Desde 2013. Datas Desde 2009. Datas De 2009 a 2013. Datas De 2010 a 2013

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Experiência profissional. Datas Desde 2013. Datas Desde 2009. Datas De 2009 a 2013. Datas De 2010 a 2013 Curriculum Vitae Informação pessoal Nome completo Nacionalidade Sandra Balseiro Portuguesa Data de nascimento 08/03/1978 Experiência profissional Função ou cargo ocupado Datas Desde 2013 Consultora Marcação

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Biologia 11) O espanhol

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO TIPAGEM SANGUÍNEA ABO E SISTEMA RH EM ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Edilene Maria Batista de Souza¹, Nikaele Sousa Moreira¹, Renata Rolins da Silva Oliveira²,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

- Busca Ativa de Doador de Órgãos e Tecidos

- Busca Ativa de Doador de Órgãos e Tecidos Portaria n.º 92/GM Em 23 de janeiro de 2001. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC

ENSINO MÉDIO. Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC ENSINO MÉDIO Disciplina: BIOLOGIA Professor: GUSTAVO Série: 2ª ABC 1- A Doença de Huntington (DH) é uma anomalia autossômica com caráter dominante, cuja manifestação ocorre na fase adulta, com uma progressiva

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP Beta talassemia major Doença genética resultando em redução ou ausência da síntese da cadeia

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Hemoglobinopatias e Talassemias Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2 Genética humana e saúde T E M A 2 Neste tema, você conhecerá algumas características do ser humano que possuem base genética, como os grupos sanguíneos. Também estudará doenças decorrentes de mau funcionamento

Leia mais

PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008. Page 1 of 8 PORTARIA N 344 DE 20 DE JUNHO DE 2008. A Secretária de Atenção à Saúde Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.848/GM, de 06 de novembro de 200, que aprova a estrutura

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 Assunto: Testes Pré-Transfusionais. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de testes pré-transfusionais por profissionais de Enfermagem. 2. Da fundamentação

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis Natália Sanches Xavier (PIBIC/CNPq-FA-UEM), Rosilene Fressatti Cardoso

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais