Cheque Aulas 22 a 24

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cheque Aulas 22 a 24"

Transcrição

1 Cheque Aulas 22 a 24

2 1. NORMATIZAÇÃO: Lei 7.357/85 que absorveu as regras contidas na Lei Uniforme sobre Cheques. Resoluções do Banco Central do Brasil, tomadas por deliberação do Conselho Monetário Nacional, e as Circulares do Banco Central do Brasil, nos termos do artigo 69 da Lei do Cheque.

3 O cheque é uma ordem de pagamento, tal qual uma letra de câmbio. De fato, a estrutura é semelhante, pois haverá o sacado a instituição financeira, o sacador o correntista da instituição financeira e o tomador a pessoa que recebe o cheque.

4 No cheque, não existe o aceite (art. 6º), pois a situação do sacado é diferente do que ocorre em uma letra de câmbio. O sacado isto é, o banco ou instituição financeira equiparada sempre irá pagar, se houver fundos.

5 Art. 4º O emitente (sacador) deve ter fundos disponíveis em poder do sacado e estar autorizado a sobre eles emitir cheque, em virtude de contrato expresso ou tácito. A infração desses preceitos não prejudica a validade do título como cheque. 1º - A existência de fundos disponíveis é verificada no momento da apresentação do cheque para pagamento. 2º - Consideram-se fundos disponíveis: a) os créditos constantes de conta-corrente bancária não subordinados a termo; b) o saldo exigível de conta-corrente contratual; c) a soma proveniente de abertura de crédito.

6 No cheque, a insegurança encontra-se em relação ao sacador e não ao sacado. Por isso, muitas lojas não aceitam cheques ou só aceitam cheques especiais ou de clientes cadastrados.

7 O cheque possui a garantia de ter modelo (classificação) vinculado. A nota promissória, por exemplo, pode ser feita em qualquer papel (livre), e quem a confecciona pode se equivocar e esquecer algum requisito, invalidando-a como título de crédito. O cheque será feito pelo banco e só faltará algum requisito se o emitente esquecer-se de preenchê-lo.

8 O cheque, em teoria, pode ser um título ao portador (art. 8º), porém, o art. 69, da L /95, veda a emissão de cheques ao portador em valores superiores à R$ 100,00. Assim, o cheque é emitido nominalmente à ordem, por regra, ou não à ordem, quando expressamente mencionado.

9 No que diz respeito à causa da emissão, o cheque é abstrato, no sentido que pode ser emitido para documentar obrigações de qualquer natureza.

10

11 Estes são os requisitos essenciais, sem os quais o documento não é um cheque. As exceções ficam por conta do art. 2º, que assim as define: I - na falta de indicação especial, é considerado lugar de pagamento o lugar designado junto ao nome do sacado; se designados vários lugares, o cheque é pagável no primeiro deles; não existindo qualquer indicação, o cheque é pagável no lugar de sua emissão. II - não indicado o lugar de emissão, considera-se emitido o cheque no lugar indicado junto ao nome do emitente.

12 A indicação do tomador não é requisito essencial do cheque, mas condição de pagamento imposta por outra Lei. Ademais, o beneficiário pode preencher seu nome de boa-fé (art. 16).

13 E o vencimento? De acordo com o art. 32 é sempre à vista. Ocorre que se tornou uma prática muito comum a realização de crediários por meio de cheques prédatados (alguns doutrinadores insistem em chamálos de cheques pós-datados).

14 E o vencimento? De acordo com o art. 32 é sempre à vista. Ocorre que se tornou uma prática muito comum a realização de crediários por meio de cheques prédatados (alguns doutrinadores insistem em chamálos de cheques pós-datados).

15 O cheque pré-datado depende da boa-fé de seu tomador, o parágrafo único do art. 32 assim prevê: o cheque apresentado para pagamento antes do dia indicado como data de emissão é pagável no dia da apresentação. Ou seja, prédatado apresentado antes da data indicada deve ser pago pelo banco.

16 Como a prática é muito comum, tanto a doutrina quanto a jurisprudência consideram haver uma obrigação contratual de não fazer do credor com o devedor uma obrigação de não apresentar o cheque antes da data indicada. Assim, caso o pré-datado seja apresentado antes da data combinada, o emitente fará jus à indenização.

17 A situação irá se agravar, caso o emitente tenha seu nome enviado para instituições de proteção ao crédito (SPC, SERASA, etc.), na situação do cheque pré-datado apresentado antes do prazo combinado não ser pago por falta de fundos.

18 Súmula 370, STJ: Caracteriza dano moral a apresentação antecipada do cheque prédatado.

19 A emissão de cheques sem fundo é tipificada como estelionato (art. 171, 2º, VI, CP), porém, apenas será crime se a emissão for dolosa e fraudulenta. Quem passar um cheque sem fundos sem a intenção de fazê-lo como no caso do prédatado apresentado antes do combinado não comete crime.

20 Súmula 246, STF: Comprovado não ter havido fraude, não se configura crime de emissão de cheques sem fundos.

21 No que diz respeito a vários institutos como o endosso e o aval, o cheque é muito semelhante à letra de câmbio e a nota promissória. Mudam os números dos artigos, pois são instrumentos normativos distintos. Basta a leitura de Lei para perceber as semelhanças e as diferenças são autoexplicativas. (não admite endosso caução)

22 O cheque pode ter mais de um endosso?

23 Daremos ênfase às diferenças entre o cheque, a letra de câmbio e a nota promissória.

24 A LC e NP, quando pagáveis à vista, ou seja, quando apresentado o título, este deve ser pago de imediato. No caso do cheque, não. Sendo da mesma praça isto é, do mesmo município, o tomador terá trinta dias para apresentá-lo; sendo de outra praça (diferente da agência pagadora), terá sessenta dias (art. 33).

25 Mesma praça: local de emissão é o mesmo da agência pagadora, 30dias; Praça diferente: local de emissão diferente da agência pagadora, 60 dias.

26 ATENÇÃO: a perda de prazo não significa que o beneficiário não poderá apresentar mais o cheque ao banco para liquidação. O que acontecerá é que perderá o direito de ação contra os endossantes e seus avalistas, caso o cheque seja devolvido por insuficiência de fundos (art. 47, II).

27 Art. 47. Pode o portador promover a execução do cheque: II - contra os endossantes e seus avalistas, se o cheque apresentado em tempo hábil e a recusa de pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado, escrita e datada sobre o cheque, com indicação do dia de apresentação, ou, ainda, por declaração escrita e datada por câmara de compensação.

28 Aplicando... - B endossa um cheque recebido de A a C. B será considerado codevedor perante C. - C, por sua vez, poderá descontar o cheque a qualquer momento, dentro do prazo de prescrição. - Devolvido o cheque por insuficiência de fundos, C perderá o direito de executar B, no entanto, poderá executar o emitente A.

29 SÚMULA Nº 600 CABE AÇÃO EXECUTIVA CONTRA O EMITENTE E SEUS AVALISTAS, AINDA QUE NÃO APRESENTADO O CHEQUE AO SACADO NO PRAZO LEGAL, DESDE QUE NÃO PRESCRITA A AÇÃO CAMBIÁRIA.

30 EXCEÇÕES A REGRA: Cheque apresentado fora do prazo e o emitente não possui mais fundos, por razões alheias à sua vontade (art. 47, 3º); Já ocorreu a prescrição para ação cambial (art. 35, parágrafo único). Em ambos os casos, o possuidor do cheque perderá o direito de propor ação cambial contra o sacador.

31 Art. 47 Pode o portador promover a execução do cheque: 3º O portador que não apresentar o cheque em tempo hábil, ou não comprovar a recusa de pagamento pela forma indicada neste artigo, perde o direito de execução contra o emitente, se este tinha fundos disponíveis durante o prazo de apresentação e os deixou de ter, em razão de fato que não lhe seja imputável.

32 Art. 35 (...) Parágrafo único - A revogação ou contraordem só produz efeito depois de expirado o prazo de apresentação e, não sendo promovida, pode o sacado pagar o cheque até que decorra o prazo de prescrição, nos termos do art. 59 desta Lei.

33 A prescrição da ação cambial, no caso do cheque, é de seis meses (art. 59), contados do fim do prazo de apresentação (30 ou 60 dias). A ação de regresso tem o mesmo prazo (art. 59, parágrafo único), contado a partir do pagamento.

34 E a prescrição do cheque prédatato, conta-se a partir de quando?

35 DEVEDOR PRINCIPAL/ AVALISTA (emitente) 6 meses a partir do FIM do prazo de apresentação CODEVEDOR AVALISTA 6 meses a partir do PROTESTO ou declaração do banco sacado ou declaração da câmara de compensação DIREITO DE REGRESSO 6 meses a partir do PAGAMENTO ou quando demandado (CITADO)

36 Perdida a ação cambial, o portador de um cheque terá direito a ação causal (art. 205 e 206 CC). No entanto, há uma ação intermediária, chamada de ação por locupletamento sem causa, que prescreve só dois anos depois da prescrição da ação cambial principal (art. 61).

37 No cheque, também há a figura do protesto, porém, como praticamente todos os casos de não pagamento ocorrerão por falta de fundos, neste caso, quando o cheque é devolvido, junto a ele vem declaração do banco que suprirá o protesto (art. 47, II).

38 Um cheque pode ser sustado de duas formas: a revogação (art. 35), também chamada de contraordem; e a oposição (art. 36). A revogação só surte efeitos após o prazo de apresentação, enquanto a oposição pode ser feita a qualquer momento.

39 Art. 35 O emitente do cheque pagável no Brasil pode revogá-lo, mercê de contra-ordem dada por aviso epistolar, ou por via judicial ou extrajudicial, com as razões motivadoras do ato. Parágrafo único - A revogação ou contra-ordem só produz efeito depois de expirado o prazo de apresentação e, não sendo promovida, pode o sacado pagar o cheque até que decorra o prazo de prescrição, nos termos do art. 59 desta Lei.

40 Art.36 Mesmo durante o prazo de apresentação, o emitente e o portador legitimado podem fazer sustar o pagamento, manifestando ao sacado, por escrito, oposição fundada em relevante razão de direito. 1º A oposição do emitente e a revogação ou contra-ordem se excluem reciprocamente. 2º Não cabe ao sacado julgar da relevância da razão invocada pelo oponente.

41 Embora a lei determine que somente na oposição o emitente deve fundamentar-se em relevantes razões de direito, Fabio Ulhoa sustenta que esta deve ser apresentada em ambos os casos. Entendemos que o acadêmico deve ater-se ao teor da Lei.

42 O descumprimento da obrigação que deu razão à emissão do cheque não autoriza sua sustação, embora a jurisprudência venha relativizando o princípio da autonomia em relação a este título de crédito.

43 A Lei Penal equipara a sustação indevida à emissão de cheques sem fundos (CP, art. 171, 2º), de modo que aquele que susta o cheque deve ter razões consistentes para tal ato, caso contrário incorrerá em conduta típica.

44 MODALIDADES DE CHEQUE: a) visado art. 7º b) administrativo art. 9º, III c) cruzado art. 44 e 45 d) para se levar em conta art. 46

45

46

CHEQUE CARACTERÍSTICA

CHEQUE CARACTERÍSTICA CHEQUE LEI 7357/1985 CONCEITO: Cheque é uma ordem de pagamento à vista, sacada contra um banco e com base em suficiente provisão de fundos depositados pelo sacador em mãos do sacado ou decorrente de contrato

Leia mais

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO 1 AULA 17 ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO Atualmente, existem cerca de 40 títulos de crédito em circulação no país. Os mais conhecidos são a nota promissória, cheque e duplicata. NOTA PROMISSÓRIA

Leia mais

CHEQUE CHEQUE LEGISLAÇÃO APLICÁVEL PRESSUPOSTOS PARA EMISSÃO REQUISITOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 NATUREZA JURÍDICA

CHEQUE CHEQUE LEGISLAÇÃO APLICÁVEL PRESSUPOSTOS PARA EMISSÃO REQUISITOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 NATUREZA JURÍDICA CHEQUE CHEQUE Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br MSN: armindocastro1@hotmail.com Homepage: www.armindo.com.br Cel.: 8405-7311 Conceito Cheque é ordem de pagamento à vista, emitida

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO CONCEITO Armindo de Castro Júnior E-mail: armindocastro@uol.com.br MSN: armindocastro1@hotmail.com Homepage: www.armindo.com.br Cel: 8405-7311 A nota promissória é promessa de pagamento, isto é, compromisso

Leia mais

I - a denominação "cheque'' inscrita no contexto do título e expressa na língua em que este é redigido;

I - a denominação cheque'' inscrita no contexto do título e expressa na língua em que este é redigido; Lei do Cheque - Lei 7357/85 (02/09/85) Dispõe sobre o cheque e dá outras providências. CAPÍTULO I - DA EMISSÃO E DA FORMA DO CHEQUE Art. 1º. O cheque contém: I - a denominação "cheque'' inscrita no contexto

Leia mais

APOSTILA 4 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : CHEQUE

APOSTILA 4 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : CHEQUE APOSTILA 4 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : CHEQUE Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas obras

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO Conceito: Título de crédito é o documento literal e autônomo que representa a obrigação nele contida Características: Titulo de crédito só representa obrigação creditícia

Leia mais

DUPLICATA XII. 1. Origem:

DUPLICATA XII. 1. Origem: DUPLICATA XII 1. Origem: - A duplicata constitui um título de crédito que tem origem no Direito brasileiro, e mais especificamente no Código Comercial de 1850, o qual determinava aos comerciantes atacadistas

Leia mais

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei.

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 27 DIREITO CAMBIÁRIO Títulos de Crédito São documentos representativos de obrigações pecuniárias, deve ser escrito, assinado

Leia mais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais

Cheque. 1) Informações Gerais. Roteiro da Aula. Informações Gerais. Informações Gerais. Informações Gerais Professor Luiz Antonio de Carvalho Cheque lac.consultoria@gmail.com Roteiro da Aula 1) Informações Gerais; 2) Requisitos essenciais; 3) Endosso; 4) Cruzamento; 5) Compensação; 6) CCF; 7) Outros. 1 2 Informações

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES:

TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES: TÍTULOS DE CRÉDITOS OBSERVAÇÕES PRELIMINARES: AÇÃO CAMBIAL: Ação de execução por meio da qual o portador do título cambial exige o pagamento não satisfeito na forma e prazos devidos. ACEITE: Ato de reconhecer,

Leia mais

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito:

PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial. 1. Títulos de Crédito: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Títulos de Crédito PONTO 2: Propriedade Industrial 1. Títulos de Crédito: Critérios de Classificação: Estrutura: - sacador = dá a ordem, emite o título; - sacado = destinatário

Leia mais

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com. 5.1) Legislação aplicável e Conceito. 5.2) Pressupostos para sua emissão

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com. 5.1) Legislação aplicável e Conceito. 5.2) Pressupostos para sua emissão 5.1) Legislação aplicável e Conceito Legislação aplicável: Lei 7.357, de 2.09.1985 (Lei do cheque) 5.1) Legislação aplicável e Conceito 5.2) Pressupostos para sua emissão 5.3) Transmissão do cheque: endosso

Leia mais

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas:

É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: TÍTULOS DE CRÉDITO LETRA DE CÂMBIO É um título de crédito que se estrutura como ordem de pagamento. Desta forma tem-se origem a três situações jurídicas distintas: a) Sacador quem emite a ordem; b) Sacado

Leia mais

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO

IMPEDIMENTO AO PAGAMENTO MOTIVOS DE DEVOLUÇÃO DE CHEQUES CHEQUES EM PROVISÃO DE FUNDOS MOT DESCRIÇÃO OBSERVAÇÕES 11 Cheque sem fundos 1º apresentação. 12 Cheque sem fundos 2º reapresentação. 13 Conta encerrada. 14 Prática espúria.

Leia mais

DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO

DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO 1 UFF MACAÉ (MDI) PROF. SÔNIA BARROSO DIREITO CAMBIAL ou DIREITO CAMBIÁRIO ou TÍTULOS DE CRÉDITO APRESENTAÇÃO: EMENTA: Títulos de crédito (Noções Gerais, Nota Promissória, Letra de Câmbio, Duplicata e

Leia mais

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são:

Os principais motivos que levam o banco sacado a devolver o cheque são: AUTORIZAÇÃO DE COMPRA TERCEIROS E MENORES Pelo presente termo, eu, portador do CPF., abaixo assinado autorizo às pessoas abaixo identificadas a adquirirem bens e produtos em meu nome, reconhecendo como

Leia mais

09/02. A melhor obra para a matéria falimentar no Rio de Janeiro é a do Campinho e para títulos de crédito o Ulhôa é bom. TÍTULOS DE CRÉDITO

09/02. A melhor obra para a matéria falimentar no Rio de Janeiro é a do Campinho e para títulos de crédito o Ulhôa é bom. TÍTULOS DE CRÉDITO Recuperação de Empresas e Títulos de Crédito 09/02 A melhor obra para a matéria falimentar no Rio de Janeiro é a do Campinho e para títulos de crédito o Ulhôa é bom. TÍTULOS DE CRÉDITO Eu posso representar

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Empresarial - Títulos de crédito em espécie e falência / aula 07 Professor: Wagner Moreira. Conteúdo: Ações Cambiais / Monitoria / Cédulas e Notas de

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA

APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : NOTA PROMISSÓRIA APOSTILA 3 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : NOTA PROMISSÓRIA Material de apoio para a disciplina Direito de Empresa Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com

Leia mais

DICAS PARA EMPRESÁRIOS - LOJISTAS / CREDIARISTAS ÍNDICE

DICAS PARA EMPRESÁRIOS - LOJISTAS / CREDIARISTAS ÍNDICE ÍNDICE CONTEÚDO PÁGINA INTRODUÇÕES GERAIS 2 1 MOTIVOS PARA DEVOLUÇÃO DE CHEQUES 3 2 O QUE FAZER COM CHEQUES DEVOLVIDOS 5 3 DIZERES SUGERIDOS PARA CARIMBO AO VERSO DO CHEQUE 7 4 SUGESTÕES MODELOS 8 5 COMO

Leia mais

DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA

DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA DIREITO COMERCIAL NOTA PROMISSÓRIA, CHEQUE E DUPLICATA 1. Títulos de créditos...1 2. Nota Promissória...1 2.1 Requisitos...1 2.2 Pagamento...2 2.3 Protesto...2 2.4 Prazos para ação cambial...2 3. Cheque...3

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS:

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SEMANA DA CONTABILIDADE: ALMINO ROCHA PALESTRANTES: Anderson Vasconcelos Araujo

Leia mais

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente.

CHEQUE. Exemplo para fins didáticos, sem valor! AULA Nº 2. 3) o sacado, que é o banco em que está depositado o dinheiro do emitente. AULA Nº 2 CHEQUE Exemplo para fins didáticos, sem valor! Características do cheque O cheque é uma ordem de pagamento a vista, devendo ser pago no momento de sua apresentação ao banco sacado, descontando-se

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE

A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE A NATUREZA JURÍDICA DO CHEQUE Alecxander Marcelo da Costa Fernando Biral Freitas Resumo: O cheque é uma ordem incondicional de pagamento à vista de valor determinado, formulada pelo titular de uma conta

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 24 09/10/2015 Títulos de Crédito Teoria Geral. ***Necessidade de Circular Riquezas de forma rápida e

Leia mais

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

03/04/2012. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com 6.1) Noções gerais e legislação aplicável 6.2) Requisitos essenciais 6.3) Aceite 6.4) Pagamento 6.5) Duplicata de prestação de serviços 6.6) Triplicata 6.7) Ação de cobrança e protesto Conceito: É um título

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES

INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES INFORMAÇÕES SOBRE O USO DE CHEQUES O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser compensado

Leia mais

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR... XV NOTA EXPLICATIVA... XVII CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. A regulamentação dos títulos de crédito pelo Código Civil e por leis especiais 2. Aplicação

Leia mais

CURSO DE DIREITO EMPRESARIAL

CURSO DE DIREITO EMPRESARIAL MARLON TOMAZETTE CURSO DE DIREITO EMPRESARIAL 'l'ítu]os de Crédit() 6ª Edição Volume 2 Atualizado de acordo com o novo CPC são PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 2009 by Editora Atlas S.A. 1. ed. 2009; 2.

Leia mais

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação

Chec NEGATIVAÇÃO Serviço de registro de inadimplentes Manual de Uso e Aplicação ACESSO AO SISTEMA DE Para ter acesso a área de negativação SRI (Serviço de Registro de Inadimplente), acesse o site www.checkok.com.br. Insira o seu código administrativo no campo de ACESSO EXCLUSIVO A

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE IX CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TÍTULOS DE CRÉDITO PROFª: PAOLA SANTOS

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE IX CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TÍTULOS DE CRÉDITO PROFª: PAOLA SANTOS UNIDADE IX CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TÍTULOS DE CRÉDITO PROFª: PAOLA SANTOS EMENTA: Títulos de Crédito. Conceito. Princípios. Espécies. TÍTULOS DE CRÉDITO 1- CONCEITO São documentos representativos de obrigações

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

CONTA-CORRENTE E SERVIÇOS

CONTA-CORRENTE E SERVIÇOS CONTA-CORRENTE E SERVIÇOS O que é? 2 Abertura 2 Estrangeiros 2 Movimentando sua conta-corrente 2 Consulta Cadastral 3 Capacidade Civil 3 Atendimento especial 4 Modalidades 5 Conta conjunta 5 Exclusão de

Leia mais

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS

DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS DICAS LEGAIS ADMINISTRAÇÃO INTERNA DICAS PARA ASSOCIADOS Dados importantes na FICHA CADASTRAL Nome completo, sem abreviatura Data de nascimento Filiação (mesmo que falecidos) CPF/RG Nome do cônjuge Endereço/Tempo

Leia mais

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente.

PROTESTO DE TÍTULOS. Deverão ser observados os prazos prescricionais, de acordo com legislação vigente. 2 PROTESTO DE TÍTULOS O protesto de títulos pode ser lavrado por falta de aceite, de devolução de duplicatas, por falta de pagamento em seu vencimento, para garantia do direito regressivo contra endossantes

Leia mais

ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA. Capítulo I Títulos de Crédito... 27

ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA. Capítulo I Títulos de Crédito... 27 Títulos de Crédito, Aval, Endosso, Cessão e Fiança 11 ÍNDICE SUMÁRIO PARTE I DOUTRINA Capítulo I Títulos de Crédito..................................................... 27 Ação regressiva no título de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Espera-se que o(a) examinando(a) elabore ação revocatória, com fulcro no art. 130 e ss. da Lei n. o 11.101/2005: São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores,

Leia mais

REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE

REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE REGULAMENTO DE ABERTURA, MOVIMENTAÇÃO E ENCERRAMENTO DE CONTA CORRENTE Registrado no 3 Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica SP, sob o n 8700403 em 15 de janeiro de 2009

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000032304 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000527-46.2013.8.26.0664, da Comarca de Votuporanga, em que é apelante SEBASTIÃO DE PIERRE SOBRINHO, é apelado

Leia mais

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte.

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte. SÚMULAS Súmula: 5 A simples interpretação de clausula contratual não enseja recurso especial. Súmula: 8 Aplica-se a correção monetária aos créditos habilitados em concordata preventiva, salvo durante o

Leia mais

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define:

1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: CAPíTULO 7 PROTESTO 1. CONCEITO O protesto extrajudicial (ou cartorário) é regulamentado pela Lei 9492/97 (LP).A própria norma legal assim o define: Arf. 10_ Protesto é o ato formal e solene pelo qual

Leia mais

TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME

TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME O PROTESTO DE TÍTULOS E OUTROS DOCUMENTOS DE DÍVIDA NA ATUALIDADE. O NOVO CPC E O PROTESTO. 2015 Aula 2 TÍTULO DE CRÉDITO E SEU PROTESTO CAMBIAL/CAMBIARIFORME Vicente de Abreu Amadei 1. Teoria geral e

Leia mais

GERÊNCIA DE OPERAÇÕES BANCÁRIA Germano de Brito Lyra Gerente. GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Arino Ramos da Costa Gerente, interino

GERÊNCIA DE OPERAÇÕES BANCÁRIA Germano de Brito Lyra Gerente. GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA Arino Ramos da Costa Gerente, interino 1 CIRCULAR Nº 52 Às Instituições Financeiras Comunicamos que a Diretoria deste Banco Central deliberou estabelecer, para e- xecução dos Serviços de Compensação de Cheques e outros Papéis, o Regulamento

Leia mais

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA 1 INTRODUÇÃO No estudo da matéria títulos de crédito, torna-se imprescindível a análise daqueles elementos que, não obstante não fazerem parte da essência

Leia mais

Produtos e serviços financeiros I

Produtos e serviços financeiros I Títulos de crédito O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido, somente produz efeito quando preencher os requisitos da lei. Se for omitido qualquer

Leia mais

Tudo o que você precisa saber sobre o cheque para não correr riscos.

Tudo o que você precisa saber sobre o cheque para não correr riscos. Tudo o que você precisa saber sobre o cheque para não correr riscos. Com cautela e informação o cheque é muito seguro. A importância do cheque no comércio é inquestionável. Por isso é fundamental tomar

Leia mais

Sumário. Recebendo cheques com segurança. Algumas modalidades de falsificação. Cuidado com fraudes. Informações gerais

Sumário. Recebendo cheques com segurança. Algumas modalidades de falsificação. Cuidado com fraudes. Informações gerais CARTILHA CHEQUE Sumário Recebendo cheques com segurança Algumas modalidades de falsificação Cuidado com fraudes Informações gerais Principais motivos de devolução de cheques Caro leitor, Importante ressaltar

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS Tatiana Corrêa Teixeira Acadêmica de Direito Centro Universitário Newton Paiva Resumo: O presente artigo tem a função de demonstrar os abusos cometidos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

INADIMPLÊNCIA: E AGORA?

INADIMPLÊNCIA: E AGORA? INADIMPLÊNCIA: INADIMLÊNCIA E AGORA? Inadimplência: E agora? Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Já conseguiu resolver este problema? Nesta cartilha iremos orientar, com base na legislação e no

Leia mais

Questionários Segundo Bimestre. Data entrega: 25.11.2013. Questionário 1 - Ação Cambial e Outras - Postado em 06.10.13

Questionários Segundo Bimestre. Data entrega: 25.11.2013. Questionário 1 - Ação Cambial e Outras - Postado em 06.10.13 FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS - FAJS Curso: Direito Disciplina: Direito Empresarial - Cambiário Professor: Miguel Roberto da Silva Aluno: Marcos Paulo Batista de Oliveira RA: 2117152/4 Questionários

Leia mais

Teoria geral dos títulos de crédito

Teoria geral dos títulos de crédito Teoria geral dos títulos de crédito Crédito A troca de bens no tempo. Não cria nada, apenas utiliza a coisa de 3º enquanto este não a utiliza. Dois atributos: 1. Lapso temporal entre a prestação e a contraprestação.

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

SCPC Pessoa Jurídica

SCPC Pessoa Jurídica SCPC Pessoa Jurídica Site: www.acigra.com.br E-mail: scpc@acigra.com.br SCPC Pessoa Jurídica 1 Definição O SCPC Pessoa Jurídica é o serviço que proporciona muito mais segurança na hora de realizar negócios

Leia mais

LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE

LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE LEI UNIFORME RELATIVA AO CHEQUE CAPÍTULO I - DA EMISSÃO E FORMA DO CHEQUE Artigo 1º - Requisitos do cheque O cheque contém: 1º A palavra "cheque" inserta no próprio texto do título e expressa na língua

Leia mais

Prof. Marcelo Thimoti. Legislação Comercial

Prof. Marcelo Thimoti. Legislação Comercial Prof. Marcelo Thimoti Legislação Comercial 1 DIREITO COMERCIAL Sociedades Anônimas. 2 Sociedade Anônima (S/A) Sociedade com capital dividido em ações, livremente negociáveis, que limitam a responsabilidade

Leia mais

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA

LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. Capítulo I - DA FATURA E DA DUPLICATA LEI N 5.474 - DE 18 DE JULHO DE 1968. Dispõe sobre as Duplicatas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Capítulo

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

PALESTRA INDÚSTRIA DO DANO MORAL. Principais aspectos legais e esclarecimentos sobre Direito do Consumidor.

PALESTRA INDÚSTRIA DO DANO MORAL. Principais aspectos legais e esclarecimentos sobre Direito do Consumidor. PALESTRA CONFLITO NAS RELAÇÕES DE CONSUMO E A INDÚSTRIA DO DANO MORAL Principais aspectos legais e esclarecimentos sobre Direito do Consumidor. Prof. Manoel Ignácio 1 CONFLITO CRÉDITO É UM DIREITO DO CONSUMIDOR?

Leia mais

Do Cheque 1 DO CHEQUE

Do Cheque 1 DO CHEQUE R$ e centavos acima ou a sua ordem 19 a CHEQUE ESPECIAL SERGIO EIDER SILVA 409013483 0813002385 2000131377358 CPF: 002323588-65 Do Cheque 1 DO CHEQUE Do Cheque 2 Do Cheque 3 Barbosa Riezo DO CHEQUE Teoria,

Leia mais

~ Sumário. Nota, xvii

~ Sumário. Nota, xvii ~ Sumário Nota, xvii SíNTESE HISTÓRICA, 1 1.1 Antecedentes, 1 1.2 Título brasileiro, 2 1.2.1 Código Comercial, 3 1.2.2 Interesses fiscais e empresariais, 4 1.2.3 Lei nl:! 5.474/68,8 2 CAUSALIDADE DA DUPLICATA

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 10ª Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO QUADRO COMPARATIVO ENTRE A L.U.G. E O DECRETO 2044/08. LUG Dec. 2044/08 RESULTADO

TÍTULOS DE CRÉDITO QUADRO COMPARATIVO ENTRE A L.U.G. E O DECRETO 2044/08. LUG Dec. 2044/08 RESULTADO 1. Legislação TÍTULOS DE CRÉDITO No Brasil os títulos de crédito são regulamentados pelo Decreto 57.663/66 e pelo Decreto 2044/08 que também são aplicadas à letra de cambia e a nota promissória. O decreto

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br

MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br MANUAL DO USUÁRIO SCPC WEBNET 2.0 Site: www.cdlpelotas.com.br E-mail: scpc@cdlpelotas.com.br ÍNDICE 1 WEBNET 2.0... 4 2 ACESSO WEBNET 2.0... 4 2.1 ALTERAÇÃO DE SENHA DO USUÁRIO... 5 3.1 REGISTRO NORMAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD;

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD; RESOLUÇÃO Nº 2.747 Altera normas relativas à abertura e ao encerramento de contas de depósitos, a tarifas de serviços e ao cheque. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

Leia mais

EMPRESARIAL III REVISÃO AV2

EMPRESARIAL III REVISÃO AV2 REVISÃO AV2 DIREITO OLHA AÍ, GENTE... HOJE É DIA DE REVISÃO!!!! APROVEITEM!!!! DE REVISÃO AV2 DIREITO REVISÃO PARA AV2 10: NOTA PROMISSÓRIA 11 : DUPLICATA 12 : CHEQUE PARTE I 13: CHEQUE PARTE II 14 : CONTRATOS

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Letras e Livranças. Trabalho realizado por:

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Letras e Livranças. Trabalho realizado por: Letras e Livranças Trabalho realizado por: Sandra Costa Nº 15 10ºS Cátia Nunes Nº 15 10ºS Maio 2008 1 Índice Introdução..3 Letra..4 Intervenientes na letra.5 Requisitos da letra.6 Formas de transmissão

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO

A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO A RESPONSABILIDADE CIVIL NA APRESENTATAÇÃO ANTECIPADA DO CHEQUE PÓS-DATADO GONÇALVES, L. R. S. Resumo: O cheque é um título de crédito de ordem de pagamento à vista regido pela Lei nº 7.357/1985, porém

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO O direito cambiário é o que tem por objeto o estudo dos títulos de crédito. Estes títulos são documentos representativos da obrigação de pagar uma determinada quantia em dinheiro,

Leia mais

Os Aspectos Relevantes do Instituto do Cheque

Os Aspectos Relevantes do Instituto do Cheque 1 Os Aspectos Relevantes do Instituto do Cheque Kelsilene Cristine Abrantes Pires Beserra 1 Maria Bernadete Miranda 2 1. Introdução O cheque e o cheque pré-datado constituem um instrumento de pagamento

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CONTA CORRENTE, CONTA INVESTIMENTO E CONTA DE POUPANÇA CONTRATANTE(S): As Pessoa(s) - Física(s) ou Jurídica(s) - indicada(s) e qualificada(s) na Proposta/Contrato de Abertura de Conta Corrente, Conta Investimento e Conta de Poupança, adiante denominada(s)

Leia mais

RESUMO. Art. 1.647, III, CC: Tanto a fiança quanto o aval exigem autorização do cônjuge, salvo o regime de separação absoluta.

RESUMO. Art. 1.647, III, CC: Tanto a fiança quanto o aval exigem autorização do cônjuge, salvo o regime de separação absoluta. RESUMO 1) Aval 1.1) Conceito: Aval é o ato pelo qual o avalista garante o pagamento pelo avalizado. Está na mesma equivalência que o avalizado. Se o avalista for executado e garantir o pagamento do avalizado

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

Sumário 1 - Recebendo cheques com segurança 2 - Algumas modalidades de falsificação 3 - Cuidado com fraudes 4 - Informações gerais 5 - Principais

Sumário 1 - Recebendo cheques com segurança 2 - Algumas modalidades de falsificação 3 - Cuidado com fraudes 4 - Informações gerais 5 - Principais Cartilha Cheque Sumário 1 - Recebendo cheques com segurança 2 - Algumas modalidades de falsificação 3 - Cuidado com fraudes 4 - Informações gerais 5 - Principais motivos de devolução de cheques Caro leitor,

Leia mais

CONCURSO. Produtos e Serviços Financeiros. José Vianna Campos Júnior. (Proibida Reprodução)

CONCURSO. Produtos e Serviços Financeiros. José Vianna Campos Júnior. (Proibida Reprodução) CONCURSO Produtos e Serviços Financeiros José Vianna Campos Júnior (Proibida Reprodução) CONTA CORRENTE CONCEITO: Conta Corrente é a conta livremente movimentada pelo cliente, sem interferência direta

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Pres. Juscelino Kubitschek,

Leia mais

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE:

SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL SÉTIMO TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL, COMO SEGUE: Partes - BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A., com sede na Rua Rio de Janeiro, nº 654, Centro,

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais