Pregabalina Novo Avanço no Tratamento da Dor Neuropática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pregabalina Novo Avanço no Tratamento da Dor Neuropática"

Transcrição

1 Pregabalina Novo Avanço no Tratamento da Dor Neuropática Luiz Fernando de Oliveira Recentes Avanços Academia Nacional de Medicina

2 DOR NEUROPÁTICA Dor por lesão do sistema nervoso periférico ou central Consequente a alterações geradas diretamente pela lesão ou pelo processo de reparação De curso crônico, progressiva, caracterizada por alterações da sensibilidade (anestesia, hiperalgesia, alodinia), grande sofrimento e progressiva incapacidade funcional

3 DOR NEUROPÁTICA Dor por lesão do sistema nervoso periférico ou central Consequente a alterações geradas pela lesão ou pelo processo de reparação Curso crônico, progressivo, com alterações da sensibilidade (anestesia dolorosa, hiperalgesia, alodinia), alterações emocionais e progressiva incapacidade funcional

4 Dor Neuropática Normalmente de curso crônico, progressiva, caracterizada por alterações da sensibilidade, (hiperalgesia, alodinia), grande sofrimento e progressiva incapacidade funcional Pode ocorrer como causa única do quadro de dor crônica ou como coadjuvante em outros tipos de dor crônica, como no câncer

5 CARACTERÍSTICAS 1.Dor em queimação ou fulgurante 2.Dor evocada pelo tato (alodinia) 3.Dor espontânea (em crise) 4.Evidência de deficit sensitivo (anestesia dolorosa) 5.Alterações tróficas locais Todas essas características, ou apenas algumas delas, podem estar presentes

6 Características Crônica Hiperalgesia e/ou Alodinia Dor Dorem Queimação e/ou Fulgurante(emem choque) Distrofia Simpática Incapacidade Física AlteraçõesEmocionais

7 DOR NEUROPÁTICA DOR NEUROPÁTICA PRIMÁRIA Neuralgia Pós-Herpética Neuropatia Diabética Neuralgia do Trigêmeo S. Pós-Laminectomia Lesão Medular (Paraplégico) S. Dor Complexa Regional (DSR) Membro Fantasma / Dor no Coto Dor Central (Pós AVC) DOR COM COMPONENTE NEUROPÁTICO (2 ario Câncer Pós-operatória crônica ario )

8 DOR NEUROPÁTICA -Tratamento Um grande desafio 1. Farmacológico Antidepressivos Tricíclicos - Amitriptilina INSC(duais) - Duloxetina Anticonvulsivantes Carbamazepina - Gabapentina Topiramato 2. Fisioterápico 3. Psicoterápico 4. Bloqueios 5. Cirúrgico (Neuroestimulação) Insatisfatório!

9 Porque Anticonvulsivantes na Dor Neuropática? Na dor neuropática há alterações na gênese, propagação e/ou transmissão do impulso nervoso, comuns a mecanismos da epilepsia Canalopatia com instabilidade do potencial de membrana e aparecimento de atividade ectópica Envolvimento de circuitos reverberantes Deaferentação(inibitória) Facilitação e sensibilização de circuitos excitatórios Aparecimento e consolidação de sinapses anômalas Aumento da sensibilidade axonal à NA e Glu

10 Pregabalina Pregabalina Um novo anticonvulsivante bloqueador dos canais N de Ca ++ mais potente que a Gabapentina A afinidade da pregabalina pelo sítio de ligação no canal (sub-unidade unidade α2δ) é 6 x maiorque a da gabapentina Modula (inibe) os canais de cálcio tipo N nos terminais pré- sinápticos. Reduz liberação do neurotransmissor excitatório, especialmente quando esses terminais estão hiperexcitados. Limita transmissão de impulsos de alta frequência Pregabalina Canal de cálcio N Gabapentina

11 Pregabalina(Lyrica ) -Indicações Introduzido em 2005(USA) e no Brasil em agosto/2009 Neuropatia Pós-Herpética (NPH) Neuropatia Diabética Fibromialgia Outras formas de dor neuropática Em investigação ou sem evidências Aprovado FDA Efeitos Adversos Sonolência Tonteira Náusea Ataxia

12 Características Químicas e Farmacológicas Its exact mechanism of actionis unknown, but its therapeutic action on neuropathic pain is thought to involve voltage-gatedn-type calciumion channels. It is thought to bind to the α2δ subunit (1and 2) [2] of the voltagedependent calcium channel in the central nervous system.

13

14 Meta-análise análise : Cochrane Database of Systematic Reviews (2009) 7000 pacientes 19 estudos 4 a 14 semanas Efficacy outcomes with different doses of pregabalin in postherpetic neuralgia Number of Percent with outcome Outcome -daily dose Studies Participants Pregabalin Placebo Relative benefit (95% CI) NNT (95% CI) At least 30% pain relief 150 mg (1.4 to 3.8) 4.6 (2.9 to 11) 300 mg (1.5 to 2.7) 4.0 (2.9 to 6.5) 300 mg ( 8 weeks) (1.4 to 3.9) 4.2 (2.8 to 8.9) 600 mg (2.0 to 3.2) 2.7 (2.2 to 3.4) 600 mg ( 8 weeks) (2.0 to 3.8) 2.7 (2.2 to 3.7) At least 50% pain relief 150 mg (1.6 to (4.8 to 13) 300 mg (1.9 to 3.4) 5.1 (3.9 to 7.4) 300 mg ( 8 weeks) (1.9 to 4.0) 5.3 (3.9 to 8.1) 600 mg (2.1 to 3.5) 3.9 (3.1 to 5.1) 600 mg ( 8 weeks) (2.0 to 3.9) 4.0 (3.1 to 5.5) PGIC much or very much improved 150 mg *PGIC-Impressão (1.2 to 2.8) 8.4 (4.9 to 30) clínica do paciente 300 mg (1.4 to 3.3) 5.8 (3.9 to 12) 600 mg (1.3 to 3.9) 4.9 (3.0 to 12) Lack of efficacy /discontinuation NNTp(95% CI) 150 mg (0.3 to 1.0) not calculated 300 mg (0.2 to 0.7) 15 (9 to 34) 300 mg ( 8 weeks) (0.2 to 0.7) 13 (7.9 to 35) 600 mg (0.1 to 0.5) 13 (9 to 24) 600 mg ( 8 weeks) (0.1 to 0.6) 11 (7.4 to 22) Moore R Andrew, Straube Sebastian, Wiffen Philip J, Derry Sheena, McQuay Henry J Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 3, 2009

15 Meta-análise análise : Cochrane Database of Systematic Reviews (2009) 7000 pacientes 19 estudos 4 a 14 semanas Efficacy outcomes with different doses of pregabalin in painful diabetic neuropathy Number of Percent with outcome Outcome - daily dose Studies Participants Pregabalin Placebo Relative benefit (95% CI) NNT (95% CI) At least 30% pain relief 150 mg no data 300 mg (1.1 to 1.6) 6.8 (4.3 to 17) 300 mg ( 8 weeks) (0.9 to 1.4) not calculated 600 mg (1.3 to 1.7) 5.1 (3.8 to 7.8) 600 mg ( 8 weeks) (1.1 to 1.5) 6.8 (4.4 to 15) At least 50% pain relief 150 mg (0.8 to 1.6) not calculated 150 mg ( 8 weeks) (0.8 to 1.7) not calculated 300 mg (1.2 to 1.8) 7.5 (5.1 to 14) 300 mg ( 8 weeks) (1.1 to 1.6) 11 (6.1 to 54) 600 mg (1.5 to 2.0) 5.0 (4.0 to 6.6) 600 mg ( 8 weeks) (1.3 to 1.8) 6.3 (4.6 to 10) PGIC much or very much improved 150 mg (0.96 to 2.0) not calculated 300 mg (1.2 to 2.1) 5.6 (3.6 to 13) 300 mg ( 8 weeks) (0.9 to 1.8) not calculated 600 mg (1.5 to 2.1) 4.2 (3.3 to 5.8) 600 mg ( 8 weeks) (1.3 to 1.8) 5.4 (3.9 to 9.2) Lack of efficacy/discontinuation NNTp (95% CI) 150 mg (0.3 to 1.5) not calculated 150 mg ( 8 weeks) (0.3 to 1.7) not calculated 300 mg (0.2 to 1.0) not calculated 600 mg (0.2 to 0.5) 14 (9 to 31) 600 mg ( 8 weeks) (0.2 to 0.5) 10 (6.9 to 20 Moore R Andrew, Straube Sebastian, Wiffen Philip J, Derry Sheena, McQuay Henry J Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 3, 2009

16 Pregabalina (Lyrica ) na Dor Neuropática Experiência Pessoal (Preliminar) TIPO NPH DOSE N % Alívio 50% 150 mg mg mg 3 66 N. diabética 150 mg mg mg 2 50 SDCR 150 mg mg mg 1 100

17 Pregabalina (Lyrica ) na Dor Neuropática Experiência Pessoal (Preliminar) EFEITO Efeitos Adversos Dose % Pacientes Sonolência Tonteira Descontinuação

18 Meta-análise análise : Cochrane Database of Systematic Reviews (2009) 7000 pacientes 19 estudos 4 a 14 semanas Efficacy outcomes with different doses of pregabalin in fibromyalgia (classic trial design only) Percent with outcome Number of Relative benefit NNT Outcome - daily dose Participants Pregabalin Placebo Studies (95% CI) (95% CI) At least 30% pain relief 150 mg (0.8 to 1.7) not calculated 300 mg (1.2 to 1.6) 9.2 (6.3 to 17) 450 mg (1.3 to 1.8) 6.6 (5.0 to 9.8) 600 mg (1.2 to 1.6) 9.1 (6.1 to 18) At least 50% pain relief 150 mg (0.5 to 1.9) not calculated 300 mg (1.2 to 1.9) 14 (9.0 to 33) 450 mg (1.4 to 2.1) 9.8 (7.0 to 16) 600 mg (1.3 to 2.1) 11 (7.1 to 21) PGIC much or very much improved 150 mg (0.8 to 1.8) not calculated 300 mg (1.2 to 1.9) 11 (7.3 to 26) 450 mg (1.3 to 1.8) 6.8 (5.1 to 10) 600 mg (1.2 to 1.7) 7.7 (5.4 to 13) PGIC very much improved 150 mg no data 300 mg (1.2 to 2.9) 16 (9.9 to 37) 450 mg (1.4 to 2.4) 11 (7.9 to 20) 600 mg (1.1 to 2.4) 21 (12 to 83) Lack of efficacy discontinuation NNTp (95% CI) 150 mg (0.3 to 1.3) not calculated 300 mg (0.3 to 0.7) 18 (12 to 34) 450 mg (0.2 to 0.5) 15 (11 to 25) 600 mg (0.2 to 0.5) 15 (11 to 26) Moore R Andrew, Straube Sebastian, Wiffen Philip J, Derry Sheena, McQuay Henry J Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 3, 2009

19 Meta-análise análise : Cochrane Database of Systematic Reviews (2009) 7000 pacientes 19 estudos 4 a 14 semanas Participants experiencing at least one adverse event or serious adverse event Percent with outcome Outcome - daily dose Number of Studies Participants Pregabalin Placebo Relative risk (95% CI) NNH (95% CI) At least one adverse event 150 mg (0.97 to 1.4) not calculated 300 mg (1.17 to 1.29) 6.6 (5.4 to 8.7) 450 mg (1.15 to 1.27) 6.3 (5.1 to 8.5) 600 mg (1.25 to 1.37) 6.1 (5.1 to 7.7) At least one serious adverse event 150 mg (0.5 to 2.3) not calculated 300 mg (0.7 to 2.1) not calculated 450 mg (0.6 to 4.5) not calculated 600 mg (0.7 to 1.8) not calculated Moore R Andrew, Straube Sebastian, Wiffen Philip J, Derry Sheena, McQuay Henry J Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 3, 2009

20 Pregabalina RESUMO Evidências demonstram sua eficácia na dor neuropática, especialmente na NPH e na N. Diabética Evidências de eficácia também na dor da Fibromialgia Bem tolerada Baixa incidência de efeitos adversos que levem à descontinuação

21 Obrigado

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica

Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica Manejo customizado da Dor Aguda e das exacerbações da Dor Crônica DRA KAREN SANTOS FERREIRA Neurologista do Ambulatório de Cefaléias e Dor Neuropática do Hospital das Clínicas da FMRP USP Especialista

Leia mais

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia

Tratamento da dor crônica secundária à fibromilagia Data: 14/05/2014 NOTA TÉCNICA 88/2014 Medicamento x Material Procedimento x Cobertura x Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Processo: 006658-71.2014.8.13.0525 Requerente: IRAILDES

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina)

RESPOSTA RÁPIDA 330/2014. Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) 22/06/2014 RESPOSTA RÁPIDA 330/2014 Beum (tiamina), Tegretol (carbamazepina), Prebictal (pregabalina) SOLICITANTE :Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito de Itapecerica - MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013

CA, DIABETES MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO MELLITUS, INFECÇÃO CRÔNICA. Data: 05/06/2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 NOTA TÉCNICA 82 /2013 Data: 05/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz Daniel da Silva Ulhoa Número do processo: 0687130020043-5 MEDICAMENTOS PARA DEPRESSÃO RESSÃO, FIBROMIALGIA,

Leia mais

Especialização em Clínica de Dor - NOVO

Especialização em Clínica de Dor - NOVO Especialização em Clínica de Dor - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Especialização em Clínica de Dor deverá enriquecer os currículos daqueles

Leia mais

1 -Polimialgia reumática (dor crônica)

1 -Polimialgia reumática (dor crônica) RESPOSTA RÁPIDA 131/2014 Medicamentos para diabetes e depressão SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Renata Perdigão Juiza de Campo Belo 0112.14.001472-4 DATA 13/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação Cominatória

Leia mais

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade

Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012. Solicitante: Medicamento Material Procedimento Cobertura. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Data: 20/11/2012 Nota Técnica 19 /2012 Solicitante: Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Desembargadora 1ª Câmara Cível do TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Uso do ácido alfa lipóico

Leia mais

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail. Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.com DOR NO CÂNCER EXPERIÊNCIA SENSITIVA EMOCIONAL DESAGRADÁVEL DANO TECIDUAL

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina

RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina RESPOSTA RÁPIDA 366/2014 Dor Difusa - Duloxetina SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo NÚMERO DO PROCESSO Autos nº. 0112.14.005276-5 DATA

Leia mais

NEURALGIA DO TRIGÊMEO

NEURALGIA DO TRIGÊMEO NEURALGIA DO TRIGÊMEO Se você abriu esta página, sabemos que você está sofrendo! A neuralgia do trigêmeo (NT) é uma das piores dores que o ser humano pode sofrer. A dor da NT caracteriza-se por ser súbita,

Leia mais

DOR NEUROPÁTICA. Dr. Ricardo J. Cunha Junior

DOR NEUROPÁTICA. Dr. Ricardo J. Cunha Junior DOR NEUROPÁTICA Dr. Ricardo J. Cunha Junior Dor neuropática - definição Dor iniciada ou causada por lesão ou disfunção primária no sistema nervoso: periférico ou central. (H.Merskey, 1986) Dor neuropática

Leia mais

Um Estudo de Caso de Dor Crônica Aplicando as Diretrizes do ACOEM Dra. Wilhelmina

Um Estudo de Caso de Dor Crônica Aplicando as Diretrizes do ACOEM Dra. Wilhelmina Um Estudo de Caso de Dor Crônica Aplicando as Diretrizes do ACOEM Dra. Wilhelmina Diagnosticando Síndrome da Dor Crônica Regional (DSR) Mulher 35 anos Fratura do tornozelo no trabalho 6 meses atrás, tratada

Leia mais

Dor Neuropática A Dor mais difícil do Câncer

Dor Neuropática A Dor mais difícil do Câncer Dor Neuropática A Dor mais difícil do Câncer Dr Alberto Alonso Babarro Unidad de Cuidados Paliativos Dor Neuropática Dor devido a disfunção do sistema nervoso central ou periférico Dor por desaferentação

Leia mais

Antidepressivos Tricíclicos e Gabapentinóides: uma análise do perfil farmacológico no tratamento da dor neuropática

Antidepressivos Tricíclicos e Gabapentinóides: uma análise do perfil farmacológico no tratamento da dor neuropática REVISÃO / REVIEW Antidepressivos Tricíclicos e Gabapentinóides: uma análise do perfil farmacológico no tratamento da dor neuropática Tricyclic Antidepressants and Gabapentinoids: an analysis of the pharmacological

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

1.1.1. SOBRE OS MEDICAMENTOS SOLICITADOS

1.1.1. SOBRE OS MEDICAMENTOS SOLICITADOS NTRR 246/2013 Solicitante: Juíz de Direito Dr. Eduardo Monção Nascimento Data: 06/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0104588-25.2013.8.13.0209 Réu: Secretaria Municipal

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 159/2014. Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina

RESPOSTA RÁPIDA 159/2014. Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina RESPOSTA RÁPIDA 159/2014 Doxepina, cetirizina, duloxetina, tramadol, sulfato de glucosamina e condroitina NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES SOLICITANTE Juiz de Direito do 3º JESP da Unidade Jurisdicional do Juizado

Leia mais

Aminoácidos-neurotransmissores

Aminoácidos-neurotransmissores Aminoácidos-neurotransmissores Síntese e metabolismo de aminoácidos no SNC Receptores dos aminoácidos excitatórios Ketamina Memantina Dizolcilpina (MK801) Fenciclidina Receptores NMDA e GABA A Potenciação

Leia mais

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 MNIO: Uma peculiaridade do Sistema Nervoso é que o conhecimento de sua Anatomia e Fisiologia permite a localização

Leia mais

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015 Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI

I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI I Encontro Multidisciplinar em Dor do HCI Princípios do Tratamento da Dor Oncológica Odiléa Rangel Gonçalves Serviço de Anestesiologia Área de Controle da Dor Princípios do Tratamento da Dor Oncológica

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF.Nº 192 DOU 03/10/12 seção 1 p.54 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 1.083, DE 2 DE OUTUBRO DE 2012

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: Uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nestes termos Associação Internacional para

Leia mais

Cuiabá USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA

Cuiabá USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA I Elaboração Final: 2007 II Autores: Dr Valfredo da Mota Menezes III Previsão de Revisão: / / IV Tema: Tratamento

Leia mais

Consenso Sobre Dor Oncológica

Consenso Sobre Dor Oncológica Consenso Sobre Dor Oncológica Algoritmo para o Tratamento da Dor Oncológica 2014 Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Princípios gerais sobre o manejo da dor oncológica Evidências cada vez maiores

Leia mais

DORES NEUROPÁTICAS JOSÉ MANUEL CASTRO LOPES

DORES NEUROPÁTICAS JOSÉ MANUEL CASTRO LOPES DORES NEUROPÁTICAS JOSÉ MANUEL CASTRO LOPES DORES NEUROPÁTICAS JOSÉ MANUEL CASTRO LOPES 2007 DORES NEUROPÁTICAS ISBN??????????? TEXTO José Manuel Castro Lopes EDIÇÃO Medesign Edições e Design de Comunicação,

Leia mais

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica

TEMA: Fentanila de aplicação transdérmica para tratamento da dor oncológica Data: 12/06/2014 NT 112/2014 Solicitante: Dra Marcilene da Conceição Miranda Juíza de Direito de Claudio Número do processo: 0166.14.000994-4 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: Fentanila

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA No- 7, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

CONSULTA PÚBLICA No- 7, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 CONSULTA PÚBLICA No- 7, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde torna pública, nos termos do Art. 34, inciso II, c/c Art. 59 do Decreto No- 4.176, de 28 de março de 2002, minuta de Portaria

Leia mais

AMBULATÓRIO DE DISTÚRBIOS VESTIBULARES. Cristiana B. Pereira

AMBULATÓRIO DE DISTÚRBIOS VESTIBULARES. Cristiana B. Pereira AMBULATÓRIO DE DISTÚRBIOS VESTIBULARES Cristiana B. Pereira Resumo dos dados: nov/1999 a fev/2009 número de atendimentos: 822 140 120 100 80 60 40 20 0 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia. Dra. Joana Rovani Médica Fisiatra

Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia. Dra. Joana Rovani Médica Fisiatra Síndrome Dolorosa Pós-laminectomia Dra. Joana Rovani Médica Fisiatra IASP Failed Back Surgery Syndrome (FBSS) Dor espinal lombar de origem desconhecida que persiste na mesma localização da dor original

Leia mais

Herpes-zoster and post-herpetic neuralgia*

Herpes-zoster and post-herpetic neuralgia* Rev Dor. São Paulo, 2013 jul-set;14(3):210-5 Herpes-zoster and post-herpetic neuralgia* Herpes-zóster e neuralgia pós-herpética ARTIGO DE REVISÃO Ana Virgínia Tomaz Portella 1, Liane Carvalho de Brito

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Brasília, Nota Técnica janeiro N de 932012. /2012 Nomes Princípio Comerciais1: Ativo: paracetamol Ultracet, + cloridrato Paratram. de tramadol. Medicamento Medicamentos de Similares: Referência: Paratram.

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas

Classes de Dor DOR. Estímulos Algogênicas Classes de Dor DOR Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo aprende a utilizar esse termo através das suas experiências

Leia mais

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura

Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Rafael Vercelino Fisioterapeuta Especialista em Dor e Acupuntura Neuropatias sob a visão da Medicina Chinesa Revisão da neurofisiologia da dor, Revisão da fisiopatologia

Leia mais

15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES

15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES 15) TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA DOR COM OPIÓIDES A dor é uma sensação protetora (fisiológica) bem como perturbação física e emocional desagradável, originada em receptores de dor (nociceptores) que respondem

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

Fibromialgia. Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso. reumatologia

Fibromialgia. Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso. reumatologia Princípios práticos que auxiliam na indicação e no ajuste do tratamento medicamentoso reumatologia Rafael Mendonça da Silva Chakr Ricardo Machado Xavier Do Serviço de Reumatologia do Departamento de Medicina

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Disfunção Erétil. Acd. Francisco Caubi. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Disfunção Erétil. Acd. Francisco Caubi. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Disfunção Erétil Acd. Francisco Caubi w w w. s c n s. c o m. b r Relato do Caso Paciente, S.R.M, sexo masculino, 32 anos,

Leia mais

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia

Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Mirtazapina é Indicada para o Tratamento de Fibromialgia Melhora a Qualidade de Vida dos Pacientes Diminui a Dor Musculoesquelética Beneficia a Qualidade do Sono Reduz a Incapacidade Relacionada à Doença

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Neuropática Localizada

Neuropática Localizada Dor (2011) 19 CEMBE da FMUL NOC da Dor Neuropática Localizada 6 Introdução A dor é uma das causas mais frequentes de consulta médica, representando aproximadamente 25 a 50% das consultas de cuidados de

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL: PROCEDIMENTOS ESPECIAIS CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO/ 2011 ELABORAÇÃO DO VALOR REFERENCIAL: CLÍNICA DA DOR FEVEREIRO DE 2011 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing Sobre a Dor e a Gestão da Dor Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au Portuguese - Pain Management Department of Health and Ageing Financiado pelo Governo Australiano, através do Programa

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre

Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dra. Fabiana Hauser Fisiatra e Acupunturista Serviço de Dor e Cuidados Paliativos Hospital Nossa Senhora da Conceição Porto Alegre Dor Crônica Cuidados Paliativos Atendimento ambulatorial Internação Ambulatório

Leia mais

Pontos Gatilho da parede abdominal

Pontos Gatilho da parede abdominal Pontos Gatilho da parede abdominal Paula Barbeiro, Odete Tomé Sociedade Portuguesa Médica de Acupunctura Coimbra, 30 Novembro 2015 Unidade Multidisciplinar de Dor Crónica do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

Novas perspectivas: Dor Neuropática

Novas perspectivas: Dor Neuropática CAPÍTULO 133 Novas perspectivas: Dor Neuropática Amaury Sanches de Oliveira* Para a discussão de novas perspectivas no tratamento da dor neuropática é importante relatar, resumidamente, o que é aceito

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR

SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR SENSAÇÕES SOMÁTICAS II: DOR NEUROFISIOLOGIA Prof. Hélder Mauad DOR - Mecanismo de proteção do organismo Ocorre quando um tecido está sendo lesado Faz com que o indivíduo reaja para remover o estímulo lesivo

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 1083, DE 02. DE OUTUBRO DE 2012

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 1083, DE 02. DE OUTUBRO DE 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 1083, DE 02. DE OUTUBRO DE 2012 Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Dor Crônica. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOR CRÔNICA Diário Oficial da União Nº 239, Seção 1 quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOR CRÔNICA Diário Oficial da União Nº 239, Seção 1 quarta-feira, 14 de dezembro de 2011 Circular 466/2011 São Paulo, 21 de dezembro de 2011. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOR CRÔNICA Diário Oficial da União Nº 239, Seção 1 quarta-feira, 14 de dezembro

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO DEFINIÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA DEFINITION, DIAGNOSIS AND TREATMENT OF NEUROPATHIC PAIN

ARTIGO DE REVISÃO DEFINIÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA DEFINITION, DIAGNOSIS AND TREATMENT OF NEUROPATHIC PAIN ARTIGO DE REVISÃO DEFINIÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA DOR NEUROPÁTICA DEFINITION, DIAGNOSIS AND TREATMENT OF NEUROPATHIC PAIN Pedro Schestatsky RESUMO A Dor Neuropática é definida como dor causada por

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente

FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente FICHA DE CONSULTA Deverá ser preenchida pelo médico assistente Data: / / Nome: 1) Avaliação de melhora pelo paciente (NÃO USAR NA PRIMEIRA): Muito pior Pior Igual Melhor Muito melhor 2) Índice de dor generalizada:

Leia mais

ANO 1 NUMERO 3 JULHO 2014

ANO 1 NUMERO 3 JULHO 2014 ANO 1 NUMERO 3 JULHO 2014 ÍNDICE 04. 08. Condutas na dor pós-operatória em ortopedia Dor neuropática: conceitos e diretrizes de tratamento 7312_GRU_BRA_ v8_tom Produção editorial Europa Press Comunicação

Leia mais

TEMA: Ácido hialurônico para tratamento da cistite intersticial

TEMA: Ácido hialurônico para tratamento da cistite intersticial NTRR 124/2014 Solicitante: Juiza Mônika Alessandra Machado Gomes Alves Data: 01/07/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 060049781-88.2014 Réu: Estado de Minas Gerais TEMA:

Leia mais

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA NTRR 253/2013 Solicitante: Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 1.0702.13.078195-9/001 TEMA: FINGOLIMODE

Leia mais

Dor Neuropática. B i b l i o t e c a d a. Autor: Maria da Luz Quintal. Coordenador: Dr. José Manuel Caseiro

Dor Neuropática. B i b l i o t e c a d a. Autor: Maria da Luz Quintal. Coordenador: Dr. José Manuel Caseiro A Biblioteca da Dor é uma iniciativa editorial que se propõe contribuir para um maior esclarecimento de todas as questões que a problemática da dor coloca, não apenas aos profissionais mais directamente

Leia mais

Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Saúde. Antiepilépticos. Manoelito Coelho dos Santos Junior.

Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Saúde. Antiepilépticos. Manoelito Coelho dos Santos Junior. Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de Saúde Antiepilépticos Manoelito Coelho dos Santos Junior Feira de Santana Conceitos Básicos q Convulsão: alteração transitória do comportamento

Leia mais

Farmacologia Colinérgica

Farmacologia Colinérgica União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Farmacologia Colinérgica Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Farmacologia Colinérgica Trata

Leia mais

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime.

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime. No livro A DOR FÍSICA, Nasio se preocupa com as origens psicológicas da dor corporal, mais claramente falando, se preocupa com aquela parte enigmática que vem descrita nos artigos médicos como o fator

Leia mais

Tratamento Farmacológico da Gagueira

Tratamento Farmacológico da Gagueira Tratamento Farmacológico da Gagueira Gerald A. Maguire, M.D. Associate Professor Kirkup Endowed Chair in Stuttering Treatment Department of Psychiatry Senior Associate Dean, Educational Affairs University

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA. Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora

NEUROPATIA DIABÉTICA. Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora NEUROPATIA DIABÉTICA Taciana Borges E2 Endocrinologia Geísa Macedo - Coordenadora Definição / Epidemiologia Definição : sinais ou sintomas de disfunção dos nervos periféricos em pacientes diabéticos (intolerantes

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS DOR PEDRO SCHESTATSKY JOSÉ GERALDO SPECIALI E COLABORADORES

QUESTÕES COMENTADAS DOR PEDRO SCHESTATSKY JOSÉ GERALDO SPECIALI E COLABORADORES QUESTÕES COMENTADAS DOR PEDRO SCHESTATSKY JOSÉ GERALDO SPECIALI E COLABORADORES questões comentadas dor Pedro Schestatsky José Geraldo Speciali e colaboradores São Paulo 201 1ª Edição QUESTÕES COMENTADAS:

Leia mais

Curso de Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde EAD. Instituto de Avaliação de Tecnologias em Saúde

Curso de Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde EAD. Instituto de Avaliação de Tecnologias em Saúde Curso de Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde EAD Instituto de Avaliação de Tecnologias em Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO Eficácia e Segurança

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

TEMA: Ácido hialurônico para tratamento da cistite intersticial

TEMA: Ácido hialurônico para tratamento da cistite intersticial NTRR 55/2014 Solicitante: Juiz Anacleto Falci Data: 27/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0348544-02.2011 Réu: Município de Governador Valadares TEMA: Ácido hialurônico

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Aula IV O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES. síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção O CÉREBRO NORMAL CONEXÕES Aula IV Sinapses Tipos de sinapses (elétrica e química) Etapas da transmissão sináptica Neurotransmissores síntese armazenamento transporte tipos principais mecanismos de remoção

Leia mais

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS

Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar. Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Reabilitação em Dores Crônicas da Coluna Lombar Michel Caron Instituto Dr. Ayrton Caron Porto Alegre - RS Introdução - Estima-se que a dor lombar afete até 84% da população adulta. - Episódio de dor autolimitado

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

CONHEÇA A DOR NEUROPÁTICA. Um Guia Prático para Entender, Avaliar e Tratar a Dor Neuropática

CONHEÇA A DOR NEUROPÁTICA. Um Guia Prático para Entender, Avaliar e Tratar a Dor Neuropática CONHEÇA A DOR NEUROPÁTICA Um Guia Prático para Entender, Avaliar e Tratar a Dor Neuropática Comitê de Desenvolvimento Mario H. Cardiel, MD, MSc Reumatologista Morelia, México Andrei Danilov, MD, DSc Neurologista

Leia mais

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais.

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Alternativas terapêuticas farmacológicas. Dr. João Luiz da Fonseca Martins Médico Psiquiatra Uniica . Principais

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Brasília, Técnica maio N de 38 2012. /2012 Princípio Nomes Comerciais1 Ativo: metilfenidato. Sumário e de Referência: Ritalina, Ritalina LA e Concerta 1. 2. que é o metilfenidato? 3. ANVISA? Para

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão

RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão RESPOSTA RÁPIDA 223/2014 Informações sobre Cymbalta,Donaren, Lamotrigina e Olanzapina no tratamento da depressão SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses.

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses. Vulvodínia Isabel do Val Profª Ad. Ginecologia UFF- Patologia TGI e Colposcopia Presidente da ABPTGIC- Cap RJ Membro ISSVD IFCPC Member Educational Committee Dor Vulvar Caracterizada por queimação associada

Leia mais

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas.

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas. Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

RECEPTORES SENSORIAIS

RECEPTORES SENSORIAIS RECEPTORES SENSORIAIS Elio Waichert Júnior Sistema Sensorial Um dos principais desafios do organismo é adaptar-se continuamente ao ambiente em que vive A organização de tais respostas exige um fluxo de

Leia mais