UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT. Elton Elcio Martins POLÍTICA DE SEGURANÇA EM BACKUP DE INFORMAÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT. Elton Elcio Martins POLÍTICA DE SEGURANÇA EM BACKUP DE INFORMAÇÕES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT Elton Elcio Martins POLÍTICA DE SEGURANÇA EM BACKUP DE INFORMAÇÕES São Paulo 2003

2 2 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT Elton Elcio Martins POLÍTICA DE SEGURANÇA EM BACKUP DE INFORMAÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade São Judas Tadeu, como requisito parcial para conclusão do curso de Especialização em Master Integration System. ORIENTADOR: Prof. Dr. Alexandre da Cunha. São Paulo 2003

3 3 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT Elton Elcio Martins POLÍTICA DE SEGURANÇA EM BACKUP DE INFORMAÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade São Judas Tadeu, como requisito parcial para conclusão do curso de Especialização em Master Integration System. Aprovada em dezembro de ORIENTADOR: Prof. Dr. Alexandre da Cunha

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela saúde, disposição e inteligência que ele me concedeu, bem como por ter me ajudado nos momentos mais difíceis da minha vida. Agradeço também a minha família pela colaboração e compreensão nos momentos em que tive que deixá-los para estar na faculdade. Agradeço em especial aos meus pais que me ensinaram os valores morais de um ser humano, como educação, honestidade e trabalho.

5 5 RESUMO Este trabalho de pesquisa apresenta instruções para o planejamento e a criação de soluções de backup e recuperação confiável de dados de forma eficaz, permitindo assim que uma organização de classe empresarial atenda às suas necessidades. Foram discutidos os objetivos e as ações necessárias para o design de serviços de backup e recuperação, seguindo-se um exame detalhado das vantagens e desvantagens de cada opção de backup e recuperação. Essas opções são para servidores baseados no Windows fazendo backup localmente ou fazendo backup dos dados através da rede, para dispositivos NAS usando um sistema proprietário com NDMP ou usando um dispositivo NAS que dê suporte a um agente de backup e para ambientes baseados em SAN usando backup sem LAN, backup sem servidor, instantâneos baseados em hardware e instantâneos baseados em software. Foi discutida também a importância de atender aos requisitos de hardware e de fazer o design para garantir a segurança, disponibilidade e escalabilidade, além dos mecanismos para a otimização do desempenho dos seus serviços de backup e recuperação. Palavras-chave: Backup / Informação / Segurança / Tecnologia / Gerenciamento

6 6 ABSTRACT This work of research presents instructions for the planning and the creation of solutions of backup and trustworthy recovery of data of efficient form, thus allowing that an organization of enterprise classroom takes care of to its necessities. The objectives and the necessary actions for design of services of backup and recovery had been argued, following themselves a detailed examination of the advantages and disadvantages of each option of backup and recovery. These options are for servers based on the Windows making backup local or making backup of the data through the net, for devices In using a system proprietor with NDMP or using a device NAS that it gives to support to an agent of backup and for environments based on SAN using backup without LAN, backup without server, snapshots based on the hardware and snapshots based on software. The importance was also argued to take care of to the hardware requirements and to make design to guarantee the security and availability, beyond the mechanisms for the performance of its services of backup and recovery. Key-Words: Backup / Information/Security / Technology / Management

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO METODOLOGIA DE PESQUISA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO O PROCESSO HISTÓRICO A Internet ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - FUNDAMENTAÇÃO Organogramas Unidade Estratégica de Negócios CONCEITOS FUNDAMENTAIS NO GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA Inventário dos Ativos de Informação Ameaças a Segurança SISTEMAS DE BACKUP E PRINCIPAIS MÍDIAS Tipos de Mídia Fita CD e DVD Unidades Removíveis Backup On-Line Disco Para Disco MÉTODO DE BACKUP CORPORATIVO Design de Backup TIPOS E DESIGN DE BACKUP Backup Local Backup Por Rede Backup Por Dispositivos NAS Backup Sem LAN Backup Sem Servidor Backup de Instantâneos Baseados em Hardware Backup de Instantâneo Baseado em Software CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 57

8 8 LISTA DE SIGLAS AEN ABNT AIF ATA BSI CD LAN NAS NDMP PC QI SAN SCSI SYN UNE Área Estratégica de Negócios Associação Brasileira de Normas Técnicas Fita Inteligente Avançada Tecnologia Avançada Agregada Broadcast Software International Compact Disc Local Area Network Network Attached Storage Network Data Management Protocol Personal Computer Quoeficiente de Inteligência Storage Area Networks Small Computer System Interface Syn-Flood Unidade Estratégica de Negócios

9 9 INTRODUÇÃO A informação e os processos de apoio, sistemas de redes, assumem importante papel para os negócios. Confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação podem ser essenciais para preservar a competitividade, o faturamento, a lucratividade, o atendimento aos requisitos legais e a imagem da organização no mercado. Cada vez mais as organizações, seus sistemas de informação e redes de computadores são colocados à prova por diversos tipos de ameaças à segurança da informação de uma variedade de fontes, incluindo fraudes eletrônicas espionagem, sabotagem, vandalismo, fogo ou inundação. Problemas causados por vírus, hackers e ataques de denial of service estão se tornando cada vez mais comuns, mais ambiciosos e incrivelmente mais sofisticados. A ausência de processos e controles de segurança pode acarretar diversos impactos, que levarão a perda de faturamento, custos e despesas e, no final das contas, perda de valor da empresa. Em determinadas situações se faz necessário um arquivo que foi apagado, um importante com as especificações dos produtos que o principal cliente solicitou. É necessário utilizar o sistema integrado de maneira ininterrupta. Ainda podemos considerar que roubos e assaltos de computadores são constantes, junto a estes problemas e para diversas outras situações existe a necessidade de se implantar regras que possa garantir de alguma forma a possibilidade de se recuperar dados e informações, substituir servidores de maneira ativa e ininterrupta na ocorrência de um problema e assim garantir a continuidade do negócio. Muitos sistemas de informação não foram projetados para serem seguros. A segurança que pode ser adotada por meios técnicos é limitada e convém que seja apoiada por gestão administrativa e procedimentos apropriados. Por estes motivos existe a necessidade de se projetar e implantar uma boa política de segurança da informação de acordo com cada empresa e cada caso. A globalização que transforma a informação recente em ultrapassada apresenta à sociedade um novo momento em que os profissionais devem buscar se atualizar para não serem ultrapassados no mercado e ao mesmo tempo desenvolver procedimento de segurança

10 10 para as informações vitais, em que as organizações se transformaram. Visto que atualmente não existe mais a empresa que valoriza seu imobilizado e toda a sua estrutura física e sim a organização que valoriza a informação de que é constituída toda a sua riqueza, lucro e potencialidade de desenvolvimento futuro e atual. Diante de tantas ameaças que ocorrem nos dias atuais, desde riscos decorrentes da natureza até erros físicos e lógicos em sistemas complexos, fica claro e evidente o grande valor em se obter de maneira rápida e eficaz o backup e reposição dos dados que geram diversas informações e cuja perda pode causar prejuízos gigantescos. Assim, é de alta importância elaborar e implementar uma política de segurança da informação diante da necessidade de se obter a integridade, disponibilidade e continuidade do negócio uma vez que o seu maior valor são as informações que se relacionam ao mesmo. No desenvolvimento deste trabalho de pesquisa, adotou-se como objetivo geral demonstrar o valor da segurança da informação de forma a buscar a conscientização dos usuários com relação à importância de fazerem uso da mesma com ética e guardá-la de maneira segura, dentro dos sistemas existentes para armazenagem de dados. É intenção elaborar um material que possa conduzir um gestor de tecnologia a utilizar boas práticas para elaborar de maneira simples sua própria política de backup na empresa onde atua. São objetivos específicos a serem atingidos: Analisar a importância que as tecnologias de informação assumem para as empresas no contexto atual; Analisar a situação atual da empresa referente à segurança da informação; Identificar os principais sistemas de backup atualmente em uso; Analisar os principais sistemas de backup existentes; Analisar os princípios da segurança da informação a serem considerados em um planejamento de sistema de backup: confidencialidade (preservação de que o acesso à informação seja obtido somente por pessoas autorizadas); integridade (garantia de que os sistemas de hardware e software estão funcionando corretamente e estão guardando a informação com segurança para

11 11 que a mesma não seja alterada, perdida, ou danificada); disponibilidade (garantia que os usuários autorizados obtenham acesso à informação e aos ativos correspondentes sempre que necessário); avaliação de risco (avaliação das ameaças, impactos e vulnerabilidades da informação e das instalações de processamento da informação e da probabilidade de sua ocorrência); gerenciamento de risco (processo de identificação, controle e minimização ou eliminação dos riscos de segurança que podem afetar os sistemas de informação a um custo aceitável); Apresentar os principais fatores a serem considerados na adoção de uma proposta de política de segurança de informações; Apresentar fatores a serem considerados em uma proposta de backup corporativo. O problema em estudo enfoca a questão: quais as considerações que devem ser levadas em conta pelo administrador de rede no que toca à segurança na obtenção, preservação de dados de backup de força eficiente e segura? O estudo estará delimitado ao universo de segurança de tecnologia da informação que se faz necessário às empresas da atualidade, considerando sua organização interna e realidade cotidiana. Considera-se como hipótese básica a ser testada para o sucesso da política de segurança de backup não existem regras rígidas, porém, também é necessário levar em consideração as particularidades e necessidades variáveis de cada empresa.

12 12 1. METODOLOGIA DE PESQUISA É consenso que para realizar uma pesquisa se faz necessário utilizar um método de trabalho. Toda ciência precisa de um método para poder chegar a um conhecimento. Para que isso aconteça, deve-se seguir um caminho específico, uma determinada maneira para se chegar a um resultado desejado. Ao contrário do uso pouco rigoroso que o homem faz da palavra ciência em seu cotidiano, no meio acadêmico, na comunidade científica, esta palavra é tomada em seu sentido estrito: trata-se de uma forma de conhecimento sistemático dos fenômenos materiais, sociais, biológicos, matemáticos, físicos e químicos, pelos quais se pode chegar a um conjunto de conclusões lógicas, demonstráveis por meio de pesquisas. No processo de produção do conhecimento, o pesquisador elege o método que lhe parece mais apropriado à natureza do assunto que vai ser estudado. Para a abordagem e desenvolvimento deste trabalho de pesquisa adotou-se o método dedutivo. Este é o método através do qual, a partir de um princípio geral, se chegar a conclusões particulares. Os procedimentos adotados se encontram baseados na pesquisa bibliográfica. Esta tem por objetivo conhecer as diferentes contribuições científicas disponíveis sobre determinado tema. Ela abrange a leitura, análise e interpretação de livros, textos, documentos, mapas, fotos, etc. BARDIN (1977) lembra que desde o texto literário, passando pelas entrevistas e discursos tudo é susceptível de ser analisado através da técnicas de análise de conteúdo. Para o autor, a análise de conteúdo pode ser entendida como um conjunto de técnicas de análise das comunicações que visa obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção destas mensagens. BARDIN (1977:105), aponta que a análise de conteúdo leva à "unidade de significação que se liberta naturalmente de um texto analisado segundo critérios relativos à teoria que serve de guia à leitura". Seguindo-se as orientações metodológicas preconizadas

13 13 por BARDIN (1977:95), esta técnica apresenta três etapas : "pré-análise ; exploração do material ; tratamento dos dados obtidos e interpretação". Assim, é necessário proceder à leitura exaustiva e repetida dos textos considerando os objetivos do estudo e as questões teóricas apontadas. Ordena-se e classifica-se o conteúdo do texto final que constitui o corpus de análise, emergindo vários temas, que após análise cuidadosa resulta no elenco final de temas. De acordo com BARDIN (1977), um roteiro a ser seguido e que foi adotado no desenvolvimento deste trabalho de pesquisa: preparação dos dados para a análise; transcrição dos discursos obtidos; ordenação dos dados obtidos através de definição previa de categorias; classificação dos dados obtidos através de aspectos sobre os quais se deseja analisar o conteúdo; análise com base em núcleos temáticos ou categorias de análise.

14 14 2. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO O PROCESSO HISTÓRICO A partir do surgimento dos computadores pessoas e do início de sua utilização pelas grandes corporações, o ambiente empresarial transformou-se radicalmente. É objetivo desta capítulo apresentar um sucinto quadro histórico do desenvolvimento das tecnologias da informação no que tange ao ambiente administrativo. Captar o processo histórico supõe detectar o conjunto de alterações que ocorreram nos últimos milênios. Conforme explica GATES (1995), com a crise da indústria no âmbito mundial, a partir da Segunda Guerra surgia a necessidade de prover a sociedade de conhecimentos de informações para que se pudesse desenvolver melhor a criatividade. Por isso os detentores de poder passaram a ser os que detinham os meios de informação. Dava-se acento enfático ao QI, à capacidade da pessoa criativa e bem informada. Trata-se de época também marcada pela implantação e utilização dos computadores na indústria. Assim, o fator tempo ganhou destaque e passou a ser diferencial competitivo aliado à tecnologia, que era privilégio de empresas bem-sucedidas. O foco de atenção era a informação, equipamentos e máquinas. Segundo GATES (1995), no ambiente relativamente estável dos anos 60 e início dos 70 as empresas precisavam encontrar uma posição atrativa no mercado, oferecendo o mais baixo preço ou a melhor qualidade. Porém, quando os parâmetros de competitividade mudaram para a qualidade total, para a flexibilidade, para a capacidade de inovar, as empresas descobriram que sua estratégia competitiva rapidamente se tornaram obsoletas. Em 1974, o programador americano Bill Gates adapta a linguagem Basic dos computadores de grande porte para o Altair, o primeiro modelo de microcomputador. Gates se antecipa a uma demanda do mercado por softwares e, em 1975, funda a Microsoft. GATES (1995) informa que o primeiro computador pessoal, o Aple I, é criado em uma garagem, em 1976, pelos americanos Steve Jobs e Stephan Wozniak. Cinco anos depois a

15 15 IBM lança o seu PC (Personal Computer) e contrata a Microsoft para desenvolver o sistema operacional, o MS-DOS. Bill Gates convence outras companhias, além da IBM, a utilizarem o seu sistema, o que permite que um mesmo programa funcione em micros de diversos fabricantes. Em 1983, a IBM lança o PC-XT. A arquitetura é copiada em todo o mundo e os micros tipo PC passam a ser conhecidos pelos modelos do microprocessador, cada vez mais potentes: 286, 386SX, 386DX, 486SX, 486DX, Pentium e Pentium Pró, lançado em O único computador a fazer frente aos PCs é o Macintosh, que é lançado em 1984 e revoluciona o mercado promovendo o uso de ícones e do mouse. O ícone é um símbolo gráfico que indica um comando e o mouse substitui muitas das funções do teclado. Segundo GATES (1995), no ano seguinte, a Microsoft lança o Windows, sistema operacional que utiliza também o ícone e o mouse em PC. O Windows só alcança sucesso a partir de 1990, com a versão 3.0. Em 1995 uma nova versão vende 7 milhões de cópias em menos de dois meses após o lançamento. 2.1 A INTERNET A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, que têm em comum um conjunto de protocolos e de serviços, de forma que os usuários a ela conectados possam usufruir de serviços de informação e comunicação de alcance mundial. Conforme SOUSA (2002), em 1962, a Advanced Research Projects Agency - ARPA 1 encarregou a Rand Corporation (uma espécie de conselho formado em 1948) de criar um método que garantisse as comunicações governamentais no caso de um ataque nuclear. Dois anos depois, a Rand publicou um relatório, chamado Sobre Comunicação Distribuída, um tratado de Paul Baran a respeito de redes de comutação de pacotes (pequenos grupos de dados). 1 Em 1957 a União Soviética lança o foguete Sputnik, o primeiro satélite artificial terrestre. Como resposta, os Estados Unidos formaram a ARPA dentro de seu Departamento de Defesa para estabelecer a liderança norte-americana em ciência e tecnologia aplicáveis militarmente.

16 16 O conceito de comutação de pacotes parte do pressuposto de que a rede era insegura em qualquer circunstância, então, era preciso evitar um modelo centralizado prevendo que todos os "nós" seriam interligados por caminhos redundantes e teriam autonomia para gerar, transmitir e receber mensagens. As mensagens seriam divididas em pacotes, os quais seriam endereçados separadamente e remetidos de uma máquina para outra. Conforme SOUSA (2002), o itinerário específico que cada pacote percorreria seria irrelevante; o importante era que o modelo garantisse que todos os pacotes chegariam a seus destinos e seriam reagrupados, reconstituindo a mensagem original. Como a idéia era criar diversos canais redundantes, ligando os diversos "nós" da rede entre si, seria necessário destruir praticamente toda a rede para impedí-la de funcionar. Em 1967, a ARPA apresentou o primeiro plano real de uma rede de comutação de pacotes. Essa rede veio a se chamar Arpanet, patrocinada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Porém, de acordo com SOUSA (2002), a primeira rede experimental usando tecnologia de Internet envolveu quatro computadores e foi construída em Contudo, a Arpanet original tem sido, desde então, expandida e substituída, e hoje o que sobrou forma grande parte do que é conhecido como Internet. Em 1973 é feita a primeira conexão internacional da Arpanet, entre a Inglaterra e a Noruega. Foi somente a partir de 1986 que a Arpanet começou a ser chamada de Internet. O Brasil se conecta à rede em 1989, inicialmente visando auxiliar a comunidade acadêmica. A FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo tomou a iniciativa de solicitar, aos Estados Unidos, a responsabilidade da administração dos registros dos domínios brasileiros (.br). A partir disso, toda a comunidade acadêmica universitária pôde usufruir integralmente da grande rede. A Internet cresce e se diversifica com tal velocidade que é impossível prever que rumos tomará. A rede de fato se transformou na decantada "estrada da informação" e, cada vez mais, se constitui no principal meio para transações comerciais e distribuição de informação.

17 17 Atualmente, setores tão diferentes como telecomunicações, indústria editorial, assistência médica, transporte, bancos, educação, varejo, indústria farmacêutica, serviços e tantos outros sofrem profundas transformações em períodos reduzidos de tempo. Neste contexto, muito mais do que em ambientes organizados, onde as mudanças são previsíveis, o planejamento e controle são indispensável. Neste contexto, a segurança das informações assume importância inquestionável. No entanto, as tecnologias de informação são instrumentos que devem atender às necessidades dos usuários. Para isso, é imprescindível considerar as noções fundamentais das práticas administrativas visando formar um quadro mental da estrutura e do ambiente empresarial. Assim, empresas de sucesso devem antever todos os cenários possíveis e, para cada um, definir uma estratégia apropriada. Devem ser capazes de agir com rapidez no confronto com seus concorrentes. E, ainda devem estar prontas para mudanças, segundo o cenário em que se achem inseridas.

18 18 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - FUNDAMENTAÇÃO Considerando as necessidades do ambiente empresarial como fator básico para o desenvolvimento de segurança das informações, este capítulo aborda os fundamentos teóricos relativos ao reconhecimento da estrutura empresarial. Conforme explica CHIAVENATO (1989), a palavra estrutura indica a ordem ou disposição das partes que compõem um todo. Por sua vez, FARIA (1989), buscando definir estrutura organizacional, assim se expressa: Forma de arquitetura do conjunto de elementos que constituem o arcabouço ou suporte sobre o qual repousam as demais partes componentes do organismo, revelando a maneira pela qual foram integradas e estão vinculadas aos órgãos integrantes. Sua filosofia é representada pelo organograma, que evidencia a interdependência, os níveis hierárquicos, as vias de comunicação e controle que permitem entender a anatomia do organismo, sua amplitude e potencialidade. (FARIA, 1989:168) Em outras palavras, a expressão estrutura organizacional se refere à maneira como a empresa agrupa e reúne pessoas e órgãos dentro de escalões hierárquicos (níveis de autoridade) e de áreas de atividade (departamentos, por exemplo). Desta forma pode-se definir estrutura organizacional como um instrumento gerencial utilizado para atingir os objetivos organizacionais, a estrutura é resultado do processo de divisão do trabalho e da definição de meios para coordenar este trabalho. Conforme as exposições de DAY (1999), é possível identificar alguns elementos da estrutura organizacional: Departamentalização - definição dos critérios para agrupar os indivíduos em unidades, de acordo com a especialização de cada um, para que possam ser administrados. Os tipos mais comuns são funcional; por clientes; por processo ou equipamento, por projetos, por produtos ou serviços, matricial, mista. Níveis Hierárquicos - deve ser definido o número mais adequado a cada organização deve ser definido, o excesso ou falta de níveis hierárquicos pode

19 19 afetar o desempenho da mesma. O número máximo de subordinados que um chefe pode supervisionar eficientemente deve ser considerado, e dependerá principalmente da natureza da tarefa, dentre outros fatores; Delegação ou Descentralização da Autoridade referente a definição do grau de descentralização das áreas de apoio, podem ser centralizadas servindo todas as unidades ou podem ser descentralizadas total ou parcialmente. Coordenação das atividades - composta pelos procedimentos realizados para integrar as funções das sub-unidades da organização; Formalização e Sistemas de Comunicação - indica o quanto as regras, procedimentos, instruções e comunicações devem ser formalizadas ou normatizadas e quais canais devem ser utilizados; Padronização das tarefas - definição de procedimentos a serem realizados para garantir a previsibilidade das tarefas ou a definição de procedimentos a serem realizados para garantir a previsibilidade das tarefas; DAY (1989) entende a estruturação considerando os elementos que a influenciam. Estes elementos e seus parâmetros são dispostos e combinados para modelar uma nova estrutura, mas também podem ser considerados como componentes básicos da estrutura, pois, tanto modelam uma nova estrutura através de sua combinação como são partes integrantes da mesma. Para o autor são componentes básicos da estrutura organizacional: especialização do trabalho; formalização do comportamento; treinamento e doutrinação; agrupamento das unidades; tamanho das unidades; sistema de planejamento e controle; dispositivos de ligação; descentralização vertical; descentralização horizontal. Nota-se que há um consenso que quanto mais complexa for uma organização, ou seja, quanto maior a sua diferenciação, maior será a necessidade de mecanismos de controle, coordenação e comunicação, em função do próprio aumento do potencial de dificuldade para efetuar a coordenação do trabalho dividido. Cada dimensões da análise estrutural precisa ser concebida como um contínuo, ou seja, as estruturas não são centralizadas ou descentralizadas, formalizadas ou informalizadas, e sim, possuem graus de centralização, formalização e complexidade.

20 20 Existem diversos projetos estruturais diferentes com vários graus de formalização, complexidade e centralização. A combinação destes elementos depende de fatores contextuais internos e externos. Uma determinada combinação destas dimensões pode ser mais adequada para uma organização do que para outra. Desta forma, a estrutura é uma combinação complexa e adequada ao contexto de cada organização, sempre havendo múltiplas combinações e interações entre estas dimensões. No entanto, apesar de serem possíveis diversas combinações, é necessário manter a coerência entre os elementos. Segundo informa DAY (1989), a estrutura pode ser direcionada à resultados, por meio de tarefas voltadas à rotina ou à inovação. São algumas características da estrutura para rotinas: departamentalização funcional, por processo, por projeto, territorial, etc.; alto grau de especialização de tarefas; melhor divisão do trabalho; atividades bem definidas; maior centralização de autoridade; sistema de autoridade forte e constante; comunicação vertical chefe/subordinado; maior formalização da estrutura. São características da estrutura voltada para inovação: separação as unidades de rotina das unidades criativas e inovadoras; baixa formalização de estrutura por meio de manuais de procedimentos; baixa definição de atividades e atribuições; baixo grau de especialização de tarefas; maior descentralização de autoridade; sistema de autoridade móvel e mais liderado do que autoritário; comunicação mais aberta possível; clima bastante favorável a idéias novas.

21 Organogramas Algumas ferramentas podem ser utilizadas pelos profissionais que necessitem conquistar uma visão minuciosa da estrutura organizacional e suas implicações. Entre estas ferramentas os organogramas são de grande utilidade. (...) organograma (organo = órgãos + grama = gráfico) é o gráfico que representa a organização de uma empresa, ou seja, a sua estrutura organizacional. É um gráfico estatístico, isto é, corresponde a uma radiografia da empresa e mostra o seu esqueleto e sua constituição interna, mas não mostra o seu funcionamento e sua dinâmica. CHIAVENATO (198:25), A estrutura organizacional é representada graficamente no organograma que apresenta a organização formal de empresa (ou área) num determinado momento. Conforme explica OLIVEIRA (1990), a representação gráfica tem por objetivo apresentar graficamente a relação superior/subordinado, além de estabelecer a divisão de trabalho. Deve explicitar: a padronização da nomenclatura (presidência, diretoria, departamento, divisão); o significado de legendas/siglas e/ou abreviação constando de legenda no próprio organograma; o alinhamento horizontal; se não existe um determinado nível, introduzir uma linha vertical prolongada. O organograma também deve especificar convenções achatadas: ligações horizontais = assessoria/coordenação; ligações verticais = linha/autoridade; ligações tracejadas = estruturas provisórias; ligações pontilhadas = autoridade funcional. A representação gráfica deve projetar a estrutura que melhor represente a realidade empresarial, além de apresentar claramente o nível adequado de controle e burocratização. Seu conteúdo deve ser apresentado claramente, assim como sua finalidade e diretrizes. Na FIGURA 1, a departamentalização funcional considerou as quatro áreas funcionais clássicas da empresa. Este tipo de departamentalização também pode ser feito considerando as funções de administração. A departamentalização pode também acontecer por área de conhecimento.

22 22 Conforme OLIVEIRA (1990), o tipo mais comum e mais utilizado de organograma é o clássico ou linear. Diretoria Geral Gerência de Produção Gerência Financeira Gerência Marketing Gerência de RH FIGURA 1. Modelo de Organograma de Departamentalização Funcional Ele é composto de retângulos, linhas verticais e horizontais. Os retângulos representam as unidades organizacionais e as linhas, o comando e a subordinação. As linhas ligam os retângulos na vertical e horizontal, demonstrando os níveis hierárquicos, de autoridade e as relações formais da organização. Linhas tracejadas, pontilhadas e retângulos tracejados podem estar presentes no gráfico. Nesses casos, é necessário colocar uma legenda para informar. Linhas tracejadas ou pontilhadas podem representar relações informais, de assessoria e relações formais previstas. Retângulos tracejados representam unidades de trabalho que ainda não foram implantadas. Conforme as indicações de OLIVEIRA (1990), o organograma linear tem por característica apresentar: um conjunto de informações específicas e relevantes; conjunto de responsabilidades, atividades, decisões, etc. (linha da matriz); conjunto de cargos organizacionais a serem considerados (coluna matriz); conjunto de símbolos que indiquem o grau de extensão de responsabilidade e autoridade de forma que expliquem as relações entre linhas e colunas. Para OLIVEIRA (1990), o organograma linear apresenta como vantagens: possibilita eliminar ambigüidade no processo decisório; permite a efetivação de análises objetivas de estrutura; permite a visualização da responsabilidade pela função; possibilita caracterizar a forma pela qual uma posição se relaciona com as demais dentro da empresa.

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela:

Organograma Linear. O organograma linear de responsabilidade revela: 1 Organograma Linear O organograma linear de responsabilidade revela: 1. A atividade ou decisão relacionada com uma posição ou cargo organizacional, mostrando quem participa e em que grau, quando uma atividade

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 16/06/2008 17:43 Leite Júnior ÍNDICE BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY)...2 BACKUP...2 PORQUE FAZER BACKUP?...2 DICAS PARA BACKUP...2 BACKUP NO WINDOWS...2 BACKUP FÍSICO E ON-LINE...3 BACKUP FÍSICO...3 BACKUP ON-LINE(VIRTUAL) OU OFF-SITE...3

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários.

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários. $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &RQWUROHVVREUHEDQFRGHGDGRVH PLFURFRPSXWDGRUHV

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho

Prof. Demétrios Coutinho Prof. Demétrios Coutinho Hoje em dia a informação é o bem mais valioso de uma empresa/cliente. A segurança da informação é um conjunto de medidas que se constituem basicamente de controles e política de

Leia mais

Gerência de Redes Segurança

Gerência de Redes Segurança Gerência de Redes Segurança Cássio D. B. Pinheiro cdbpinheiro@ufpa.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar o conceito e a importância da Política de Segurança no ambiente informatizado, apresentando

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs

Planejamento Estratégico para as PMEs. Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Planejamento Estratégico para as PMEs Tecnologia da Informação a Serviço das PMEs Maio/2007 Rio Quente- Goiás Nivaldo Cleto Na era da tecnologia da informação, o mercado exige um empresário dinamicamente

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Programas Maliciosos. 2001 / 1 Segurança de Redes/Márcio d Ávila 182. Vírus de Computador

Programas Maliciosos. 2001 / 1 Segurança de Redes/Márcio d Ávila 182. Vírus de Computador Programas Maliciosos 2001 / 1 Segurança de Redes/Márcio d Ávila 182 Vírus de Computador Vírus de computador Código intruso que se anexa a outro programa Ações básicas: propagação e atividade A solução

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto Termos de Uso O aplicativo Claro Facilidades faz uso de mensagens de texto (SMS), mensagens publicitárias e de serviços de internet. Nos casos em que houver uso de um serviço tarifado como, por exemplo,

Leia mais

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix

Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix 1/7 Controle e Monitoramento Inteligente dos processos e regras de negócios utilizando a Plataforma Zabbix Navegue: 1/7 > www.alertasecurity.com.br +55 11 3105.8655 2/7 PERFIL ALERTA SECURITY SOLUTIONS

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA SEGURANÇA CIBERNÉTICA Fevereiro/2015 SOBRE A PESQUISA Esta pesquisa tem como objetivo entender o nível de maturidade em que as indústrias paulistas se encontram em relação

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

www.leitejunior.com.br 29/06/2012 14:30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE BACKUP

www.leitejunior.com.br 29/06/2012 14:30 Leite Júnior QUESTÕES CESPE BACKUP QUESTÕES CESPE BACKUP QUESTÃO 01 - Analise as seguintes afirmações relativas a cópias de segurança. I. No Windows é possível fazer automaticamente um backup, em um servidor de rede, dos arquivos que estão

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistemas de Armazenamento

Sistemas de Armazenamento M. Sc. isacfernando@gmail.com Especialização em Administração de Banco de Dados ESTÁCIO FIR Tipo de Não importa quanta memória seu smartphone tenha, ele nunca terá o bastante para guardar todas as suas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Guia De Criptografia

Guia De Criptografia Guia De Criptografia Perguntas e repostas sobre a criptografia da informação pessoal Guia para aprender a criptografar sua informação. 2 O que estamos protegendo? Através da criptografia protegemos fotos,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord 1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network O

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais