Gestão de Estoques de Produto Acabado AmBev Filial Águas Claras do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Estoques de Produto Acabado AmBev Filial Águas Claras do Sul"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS ECONOMICAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CLOVIS BALBINÓT Gestão de Estoques de Produto Acabado AmBev Filial Águas Claras do Sul São Leopoldo 2005

2 CLOVIS BALBINÓT Gestão de Estoques de Produto Acabado AmBev Filial Águas Claras do Sul Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas pela Universidade do vale do Rio dos Sinos UNISINOS Orientador : Prof. Dr. Carlos Alberto Diehl São Leopoldo 2005

3 CLOVIS BALBINÓT Gestão de Estoques de Produto Acabado AmBev Filial Águas Claras do Sul Trabalho de Conclusão apresentado à Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração de Empresas Aprovado em de. BANCA EXAMINADORA Professor. Professor. Professor.

4 Dedicatória Dedico este trabalho a minha esposa Nara B.da S. Balbinot, minha filha Janine da S. Balbinot, que estiveram ao meu lado em toda minha trajetória, que no início era um sonha, e agora tornou-se uma conquista. Também dedico aos meus pais, Victorio e Lourdes, que foram o início de tudo, e conseguiram mostra-me o caminho correto na vida, com simplicidade, honestidade e caráter educaram seus três filhos.

5 Agradecimento... Agradeço ao meu Orientador Prof. Dr. Carlos A. Diehl, que com seu entusiasmo, dedicação, paciência e excelente orientação tornou possível a realização deste trabalho. Aos colegas de aula que mesmo nos momentos de desavenças, contribuíram para meu crescimento acadêmico, profissional e pessoal. Aos meus colegas da AmBev, pelo apoio, ajuda e compreensão.

6 RESUMO Este trabalho é um estudo de caso realizado na Companhia Brasileira de Bebidas AmBev, Filial Águas Claras do Sul, uma empresa do ramo alimentício, produtora de cerveja, refrigerante e chopp, distribuindo seus produtos para os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e parte do Paraná. Inicialmente é apresentada uma revisão bibliográfica dos conceitos de Logística, Administração de Materiais e Estoques, entre outros, foi desenvolvida para embasar a análise e possibilitar sugestões de melhorias ao final do estudo. Em seguida é desenvolvida uma descrição completa do sistema atual da gestão de estoques de produto acabado da unidade, desde a elaboração da programação de produção até a etapa final que é a venda do produto. Através das entrevistas, consultas a dados secundários e as observações, conseguiu-se obter as informações necessárias para realização do estudo de caso, e posterior comparação a revisão bibliográfica, com o intuito de apresentar a análise final, as sugestões de melhorias e a conclusão. PALAVRAS CHAVES: estoque, produção, vendas, programação. PERÍODO: 2005/2.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Processo de Previsão Eficaz...28 Figura 02: Período de Replanejamento...30 Figura 03: Comportamento Dinâmico do Processo de Previsão...30 Figura 04: Fluxo Primário de Informações...34 Figura 05: Variação de Estoque - Dente de Serra...40 Figura 06: Gráfico dos Estoques no Modelo de Alto Giro...41 Figura 07: Gráficos dos Estoques no Modelo de Baixo Giro...41 Figura 08: Vista Parcial da Unidade Águas Claras do Sul AmBev...66 Figura 09: Horizontes de Planejamento da AmBev...67 Figura 10: Fluxo de Informações da Malha...69 Figura 11: Armazenamento de Produto Acabado Dois de Alto...83 Figura 12: Produto em Analise Tranca Palete...84 Figura 13: Dispersão de Vendas Cerveja 600ml Janeiro Figura 14: Dispersão de Vendas Cerveja Lata Janeiro Figura 15: Dispersão de Vendas Cerveja 600ml Fevereiro Figura 16: Dispersão de Vendas Cerveja Lata Fevereiro Figura 17: Dispersão de Vendas Refrigerante Janeiro Figura 18: Dispersão de Vendas Refrigerante Fevereiro Figura 19: Dispersão de Vendas Skol Lata Jan/Jul Figura 20: Dispersão de Vendas Pepsi Cola Light Jan/Jul

8 LISTA DE TABELA Tabela 01: Quadro Comparativo entre Opções de Inventário...57 Tabela 02: Vendas de Cerveja Prevista x Real Jan/Fev Tabela 03: Vendas de Refrigerante Prevista x Real Jan/Fev Tabela 04: Vendas Cerveja Prevista x Real Jan/Jul Tabela 05: Vendas de Refrigerante Prevista x Real Jan/Jul Tabela 06: Quadro de Sugestões de Melhorias...103

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 2F: Sistema de Emissão de Notas Fiscais da AmBev 2P: Sistema de Marcações de Puxadas da AmBev CDD: Centro de Distribuição a Distância EFF: Estoques Fora de Faixa ERP: Enterprise Resources Planning Sistema de Gestão Empresarial FIFO: First in First out Primeiro Que Entra primeiro que Sai MRP: Materials Requirements Planning MSN: Messenger PCP: Planejamento e Controle de Produção PDV: Ponto de Venda PEF: Programa de Excelência Fabril SAC: Serviço de Atendimento ao Consumidor SAP : Systemanalyse and Programmentwicklung Sistemas, Aplicações e Produtos de Processamento de Dados Set-up: Troca de Produto na Linha de Produção SKU: Stock Keeping Unit Número de Itens ou Produto Estocado

10 SÚMARIO 1 INTRODUÇÃO Situação Problema Definição do Problema Objetivos...13 A seguir será descrito quais os objetivos deste trabalho Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa GESTÃO DE ESTOQUE Definição de Logística Dados Gerais do Estoque Características Básicas de Controle de Estoque Custos de Estoque Objetivos de Estoques Funções dos Estoques Estoque de Antecipação Estoque de Segurança Estoque de Tamanho de Lote Previsões de Estoques Considerações Gerais Natureza da Demanda Componentes das Previsões Abordagens de Previsão Processo de Elaboração de Previsões Técnicas de Previsões Planejamento e Controle de Produção PCP Gerenciamento de Estoques Planejamento de Estoques Incertezas Política de Estoques Níveis de Estoques Estoque Mínimo Estoque Máximo Estoque Ponto de Pedido Gerenciamento de Depósitos Funções de um Depósito ou Armazém...44

11 Estocagem Estratégica Armazenamento de Estoque Localização dos Estoques Técnicas de Estocagem Movimentações de Estoques Manuseio de Materiais Paletização Sistemas de Manuseio de Estoques Inventário MÉTODO Tipo de Pesquisa Definição da Área Alvo de Estudo Coleta de Dados Análise de dados Limitações do Método ESTUDO DE CASO : AMBEV- FILIAL ÁGUAS CLARAS DO SUL Caracterização da Empresa Caracterização da Área de Logística Situação Atual do Planejamento de Estoques Sistemas Utilizados na Unidade de Águas Claras do Sul Malha Planejamento e Programação de Produção (PCP) Programação de Produção Reunião de Produção Negociação de Produção e Distribuição Ajuste da Malha Gestão da Política de Estoques Fechamento de Produção Diária Sistema de Armazenamento Inventário de Estoques Programação de Distribuição :Prevista x Realizada Análise e Considerações Planejamento de Estoques - Determinação dos Níveis de Estoques Planejamento e Controle de Estoques (PCP) Produção das linhas de Envasamento Outras Considerações Sugestões de Melhoria Treinamento dos Analistas e Conferentes Contagem Diária Físico x Contábil Sistema de Codificação dos Estoques Utilização dos Gráficos da Política de Estoques Antecipação da Produção de Cerveja Lata Considerações Finais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE A: Roteiro de Perguntas Utilizados na Pesquisa APÊNDICE B: Fontes de Dados Utilizadas na Pesquisa ANEXO 1: Exemplo de Gráfico Política de Estoques ANEXO 2: Exemplo Protocolo de Justificativas de Estoques Fora de Faixa

12 1 INTRODUÇÃO As empresas e instituições em geral, vem buscando incessantemente a excelência em seus processos. Tal busca visa oferecer produtos e serviços cada vez melhores a preços competitivos; reduzir custos sem comprometer a qualidade; gerar benefícios aos acionistas e funcionários; oferecer aos clientes produtos de qualidade e preço acessível; obter lucro, que é o que todos almejam, com isto garantido a sobrevivência das organizações. Este processo contínuo de melhoria não é apenas uma opção a mais que as empresas possuem para traçar suas diretrizes gerenciais, mais sim uma questão de sobrevivência em ambiente fortemente competitivo. Possuir estoques em níveis adequados, analisar, programar e controlar as diversas variáveis que os estoques sofrem, tornou-se uma das questões de sobrevivência, principalmente no ramo que bebidas, ramo este que versará o trabalho. Os estoques de produto acabado, representam capital parado, capital que poderia ser utilizado em outro investimento, mas sem eles as empresas não conseguem atender às incertezas do mercado. Neste contexto, é inevitável possuir uma gestão de estoques que garanta o atendimento dos clientes e também que não

13 12 impacte no negócio, mantendo o capital empregado nos estoques em níveis que não comprometam o resultado final da organização. 1.1 Situação Problema Definição do Problema O ramo de bebidas brasileiro, mais precisamente o cervejeiro, modificou-se muito com a fusão da Brahma e Antarctica, pois esta união consolidou as duas maiores cervejarias brasileiras em uma só, sendo alvo de protestos e ações dos concorrentes contra a fusão. Mesmo sendo líder de mercado, a AmBev compete acirradamente com os concorrentes por cada ponto percentual de aumento de venda, mantendo uma estratégia de crescimento fundamentado em princípios de gerenciamento de receita e persegue continuamente a maior eficiência em custos. Um dos desafios para se manter competitivo, rentável, adaptar-se as incertezas do mercado e buscar possibilidades de minimizar custos, é possuir um sistema de gestão de estoques adequados às necessidades de distribuição dos produtos produzidos. Segundo Ching (1999), a política de estoques exerce influência muito grande na rentabilidade da empresa. Os estoques absorvem capitais que poderiam estar sendo investidos de outras maneiras, desviam fundos de outros usos potenciais e têm o mesmo custo de capital que qualquer outro projeto de investimento da empresa.

14 13 Os estoques ajudam a maximizar o atendimento aos clientes, protegendo a empresa das incertezas do mercado. (ARNOLD, 1999, p.271). Tentando alcançar este equilíbrio, conciliando as incertezas do mercado com o volume de produtos produzidos, não só na Filial Águas Claras do Sul, como também em todas as filiais da AmBev, tenta-se programar a produção a mais próxima possível da realidade, utilizando as previsões de vendas das áreas comerciais, comparando com as vendas de anos anteriores e buscando indicadores que possam antever possíveis variações nas vendas dos produtos. Atualmente a forma utilizada pela área de logística para programar e controlar os estoques vem encontrando grande dificuldade, pois devido ao grande número de variáveis, externas e internas, ocorrem grandes mudanças no decorrer do mês, mudanças estas que interferem diretamente nos níveis de estoques, acarretamento muitas vezes indisponibilidade de produto acabado ou sobra, conseqüentemente onerando o capital empregado da companhia. Neste contexto, a questão do problema de pesquisa é: Quais os meios necessários para que a AmBev, Filial Águas Claras do Sul, possa manter uma política de estoques de produto acabado adequado às necessidades do mercado? Objetivos A seguir será descrito quais os objetivos deste trabalho.

15 Objetivo Geral Identificar e analisar o Sistema de Gestão de Estoques existentes na AmBev, Filial Águas Claras do Sul Objetivos Específicos Analisar a programação de produção na AmBev, Filial Águas Claras do Sul ; Identificar as práticas adotadas na gestão de estoques na AmBev, Filial Águas Claras do Sul; Identificar problemas na gestão de estoques da AmBev, Filial Águas Claras do Sul; Propor ações, que possam ser adequadas para melhorar a gestão de estoques da AmBev, Filial Águas Claras do Sul Justificativa Uma preocupação constante em qualquer empresa é os níveis de estoques, portanto, fica imprescindível um controle eficaz na Gestão de estoque. Diante disso, torna-se indispensável uma cadeia logística eficiente e sob controle permanente para obter uma vantagem competitiva que garantirá supremacia em relação aos concorrentes.

16 15 O mercado de bebidas, principalmente na região sul, sofre muito com a sazonalidade devido aos períodos de frio, portanto, as incertezas da demanda são maiores, e para que sejam minimizados seus efeitos, um controle muito mais efetivo dos estoques faz-se necessário, e se não garante, ao menos minimiza os custos que geram os estoques, ou falta de produto no mercado. Este trabalho proporcionou um levantamento de informações da AmBev, Filial Águas Claras do Sul, com foco no sistema de Gestão de Estoques e suas peculiaridades, para que se possa identificar como a empresa consegue administrar e compor seus níveis de estoques. O Controle de estoques é a parte vital do composto logístico, pois estes podem absorver de 25 % a 40% dos custos totais, representando uma porção substancial do capital da empresa. (BALLOU, 1993, p. 204). Portanto, é importante a correta compreensão do seu papel do controle de estoques na logística e de como devem ser gerenciados

17 2 GESTÃO DE ESTOQUE Frente uma realidade onde são crescentes as exigências em termos de produtividade e de qualidade do serviço oferecido aos clientes, a logística assume um papel fundamental entre as diversas atividades da empresa, para atingir seu objetivos e se manter vivas e competitivas. O ambiente competitivo, aliado ao fenômeno cada vez mais amplo da globalização dos mercados, exige das empresas maior agilidade, melhores performances e constante procura pela redução de custos (CHING, 1999,p.16). Um dos pontos que poderão fazer diferença se bem administrado é a gestão de estoque, uma vez que a organização que possuir total controle sobre esta gestão, terá vantagens sobre seus concorrentes, pois conseguirá manter-se competitivo atendendo as necessidades do mercado, sem onerar o capital da empresa. 2.1 Definição de Logística Novaes e Alvarenga (2000), não definem explicitamente seu conceito de logística, mas a dividem em: logística de suprimento, logística no sistema industrial e logística de distribuição e marketing, deixando claro que ela trata da identificação

18 17 das necessidades do cliente, através do marketing e da sua satisfação, indo buscar as matérias primas nos fornecedores, processando os materiais através da produção industrial, até suprir os clientes pela distribuição dos produtos acabados. Segundo Ching (1999,p.18): A logística moderna passa a ser a maior preocupação dentro das empresa. Ela deve abranger toda a movimentação de materiais, interna e externa à empresa, incluindo chegada de matéria prima, estoques, produção e distribuição até o momento em que o produto é colocado nas prateleiras à disposição do consumidor final. Logística é processo que integra, coordena e controla: a movimentação de materiais, inventário de produtos acabados e informações relacionadas; fornecedores através da empresa; para satisfazer a as necessidades dos clientes. (IMAM, 1997, p.1). Logística integra o gerenciamento do fluxo físico que começa com a fonte de fornecimento e termina no ponto de consumo. Segundo Ballou (1995, p.24): Logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenamento que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria prima até o ponto de consumo final, assim como os fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis e serviços adequados aos clientes a um custo razoável. A logística é uma área de extrema importância e essencial no atendimento aos clientes e na estratégia competitiva das organizações. Entre as atividades desenvolvidas pela logística está a gestão de estoques, se bem planejada e controlada é o elemento chave para o sucesso de qualquer organização.

19 Dados Gerais do Estoque Os estoques são materiais e suprimentos que a empresa ou instituição mantém, seja para vender ou para fornecer insumos ou suprimentos para o processo de produção. Freqüentemente, os estoques constituem uma parte substancial dos ativos das empresas, conforme Arnold, (1999). Segundo Arnold (1999), a administração de estoques é responsável pelo planejamento e controle de estoque, desde o estágio de matéria-prima até o produto acabado entregue aos clientes. Como o estoque resulta da produção e distribuição, os dois não podem ser administrados separadamente. A formulação de políticas de estoques, requer o conhecimento do papel do estoque nas áreas de produção e marketing, deve-se ter uma visão da magnitude dos ativos nele investidos. (BOWERSOX, 2001, p.224). Conforme Bowersox (2001), existem muitas oportunidades para melhorar a produtividade de estoques. Elas derivam da capacidade que a cadeia de suprimentos integrada têm com o intercâmbio de informações e do esforço gerencial para reduzir incertezas na demanda e nos tempos do ciclo de processamento. 2.3 Características Básicas de Controle de Estoque O controle de estoques envolve as tarefas de coordenação dos fornecedores, condições físicas, armazenamento, distribuição e registro das existências de todas as mercadorias. (GURGEL, 2000, p.67).

20 19 Segundo Ching (1999), existem características que são comuns a todos os problemas de controle de estoque, não importando se são matérias primas, material em processo ou produtos acabados Custos de Estoque Qualquer empresa que deseja possuir uma gestão estoques adequada, tendo controle em todos os níveis, desde matéria-prima ao produto acabado, deve ter bem definido os custo que representam os estoques. Conforme Arnold (1999), os custos relacionados abaixo, são utilizados nas decisões sobre a administração de estoques: a) custo por item: é o preço pago por um item comprado, consiste no custo desse item e de qualquer outro custo direto associado ao mesmo, pode-se incluir transporte, seguro e estocagem; b) custo de manutenção; este custo consiste em todas as despesas que a empresa incorre em função do volume de estoque mantido. Pode-se dividir em três categorias distintas: custo de capital, custo de armazenamento e custo de riscos; c) custos de pedidos: os custos de pedidos em uma fábrica incluem: custo de controle de produção, custos de preparação e desmontagem, custo de capacidade perdida e custos de pedidos de compra; d) custo de esvaziamento de estoque: quando a demanda do lead time excede a previsão, pode-se esperar uma falta de estoque, tornando-se caro devido aos custos de pedidos não atendidos;

21 20 e) custos relacionados à capacidade: este fator aparece quando é necessário alterar os níveis de produção, podendo haver um aumento nas horas extras, contratações treinamentos e demissões. Segundo Ballou (2001), as três classes de custos importantes para determinar a política de estoques são: custo de obtenção, custo de manutenção e custos por falta de estoque Objetivos de Estoques O objetivo principal do gerenciamento de estoque é assegurar que o produto esteja disponível no tempo e nas quantidades desejadas, segundo Ballou (2001). Conforme Arnold (1999), uma empresa que deseja maximizar seu lucro deve possuir um investimento mínimo em estoque. Ballou descreve: Os estoques servem para uma série de finalidades. Ou seja, eles melhoram o nível de serviço, incentivam economias na produção, permitem economias de escala nas compras e no transporte, agem como proteção contra aumento de preços, protegem a empresa de incertezas na demanda e no tempo de ressuprimento e servem como segurança contra contingências. (BALLOU, 1995, p.205)

22 Funções dos Estoques Segundo Arnold (1999), o propósito básico dos estoques é separar o suprimento da demanda. O estoque serve como um armazenamento intermediário entre: 1) oferta e demanda; 2) demanda dos clientes e produtos acabados; 3) produtos acabados e a disponibilidade dos componentes; 4) exigências de uma operação e resultado da operação anterior. Embora manter estoques tenha um custo, o estoque pode indiretamente reduzir custos operacionais em outras atividades e pode ainda compensar o custo de sua manutenção. Manter estoques pode incentivar as economias de produção por permitir rodadas de produção mais amplas, mais longas e de maior nível, com isto, aumentando a produtividade dos equipamentos devido à redução de set-ups (troca de produto na linha de produção), segundo Ballou (2001). Conforme Bowersox (2001), existem quatro principais funções desempenhadas pelos estoques, que estão representadas desta forma: especialização geográfica, estoques intermediários, equilíbrio entre o suprimento e demanda e gerenciamento de incertezas.

23 Estoque de Antecipação Os estoque de antecipação são criados, para atender demandas futuras, através de previsões, programas de promoções ou até mesmo diante de possíveis greves ou férias coletivas agendadas. Através do método de antecipação as empresas podem nivelar seu nível de produção, com isto auxiliando a redução de custos de mudança das taxas de produção Estoque de Segurança O estoque de segurança é a quantidade extra calculada de estoque mantido e é geralmente utilizado como proteção contra a incerteza relativa a quantidade. (ARNOLD, 1999, p.269). O estoque de segurança em qualquer empresa, depende dos fatores interligados a ele, tais como : a) variabilidade da demanda durante o lead time; b) freqüência de novos pedidos; c) nível de atendimento desejado; d) extensão do lead time. Quanto maior o lead time, mais estoque de segurança deve ser mantido.

24 23 Segundo Arnold: O estoque de segurança é mantido para proteger a empresa de flutuações aleatórias e imprevisíveis do suprimento, da demanda ou do lead time. Se a demanda ou lead time são maiores que o esperado, haverá um esvaziamento do estoque. (ARNOLD, 2001, p.269) Estoque de Tamanho de Lote Os itens comprados ou fabricados em quantidades maiores que o necessário criam imediatamente estoque de tamanho de lote, conforme Arnold (1999). Esse tipo de estoque é muito utilizado nas ocasiões quando se quer tirar vantagem dos descontos sobre a quantidade, para reduzir despesas de transporte, os custos de produção e otimizar set-ups das linhas de produção, produzindo lotes mínimos que representam maximização do lucro desejado. Também é conhecido como estoque de ciclo, pois vai diminuindo à medida que os pedidos chegam e é abastecida ciclicamente quando os pedidos aos fornecedores são recebidos. 2.5 Previsões de Estoques As atividades logísticas de planejamento e controle exigem estimativas acuradas dos volumes de produtos e serviços a serem manipulados pela cadeia de suprimentos. Estas estimativas são feitas tipicamente em forma de previsões, conforme Ballou (2001). Segundo Arnold (1999), antes de se fazer planos, deve-se fazer uma estimativa das condições que existem dentro de um período futuro. Como são feitas

25 24 as estimativas e com que precisão, é outro problema; mas não se pode fazer quase nada sem alguma forma de estimativa. A previsão tem a função de orientar o planejamento e a coordenação dos sistemas de informação logística. As previsões tendem a serem projeções de valores e quantidades que poderão ser produzidas, vendidas e enviadas pela expedição da empresa, segundo Bowersox (2001) Considerações Gerais Conforme Bowersox (2001), as previsões dividem-se por local, por quantidade de produto e por período de tempo, com a finalidade de planejamento de operações logísticas. Para desenvolver um processo integrado de previsão, os responsáveis pela logística devem considerar todas as possíveis fontes de informação e as características dos possíveis usuários destas previsões. Os principais componentes da demanda que precisão ser entendidos antes das previsões são: a natureza da demanda, os componentes de previsões e abordagens de previsão Natureza da Demanda Para que materiais e recursos de capacidade sejam planejados com eficácia, todas as fontes de demanda devem ser identificadas, segundo Arnold (2001).

26 25 Prever níveis de demanda é vital à empresa como um todo, conforme Ballou (2001), porque fornece as entradas básicas para o planejamento e controle de todas as áreas funcionais, incluindo a logística, o marketing, a produção e as finanças. Bowersox (2001), afirma que as previsões de demanda podem ser classificadas em dois tipos distintos: independentes e dependentes. As demandas dependentes são aquelas que podem caracterizar-se por uma seqüência interligada de atividades de compra ou de produção, ou seja, esta demanda é parte integrante de um pedido que depende deste item para se completar. A demanda dependente estende-se a vários níveis do canal, como fornecedores de matérias primas, fabricantes de componentes, montadoras e distribuidoras. São consideradas demandas independentes aquelas que não se relacionam com a demanda de nenhum outro item. A demanda independente é inicialmente determinada por meio de previsões. Geralmente as demandas dependentes são derivadas das demandas independentes Componentes das Previsões A área de logística, mais precisamente a programação de produção e controle, precisa de previsões em quantidades de todos os SKU (Stock Keeping Unit -número de itens ou produto estocados) por local de distribuição. As previsões devem ser semanais, quinzenais ou mensais, dependendo do tipo de produto a ser comercializado. Segundo Bowersox (2001), a quantidade prevista é expressa em um único número, porém é formada por seis componentes básicos: o nível de vendas,

27 26 fatores sazonais, a tendência de crescimento ou queda, os fatores cíclicos, as promoções e os fatores aleatórios. Conforme Corrêa (2000), um dos componentes principais de previsão nas empresas é a estratégia utilizada no sistema de administração da produção. Este sistema deve ser capaz de apoiar o tomador de decisões logísticas a: 1) planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da organização; 2) planejar os níveis de estoques adequados de matérias primas, semiacabados e produtos finais, nos pontos certos; 3) programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, nos momentos certos e prioritários; 4) ser capaz de informar corretamente a respeito da situação dos recursos disponíveis da empresa (pessoas, equipamentos, produção); 5) conseguir reagir às incertezas do mercado. Considerando os tópicos acima, fica clara a necessidade de um planejamento eficaz do setor de programação da produção, pois, o setor tem o papel fundamental de dar suporte as empresas a atingirem seus objetivos estratégicos. Corrêa (2000), apresente duas definições do conceito de planejar: a) planejar é entender como a consideração conjunto da situação presente e da visão futura influencia as decisões tomadas no presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro;

28 27 b) planejar é projetar um futuro que é diferente do passado, por causas sobre as quais se tem controle Abordagens de Previsão As abordagens de previsões podem ser elaboradas sob dois aspectos principais, de cima para baixo (top-down) ou de baixo para cima (bottom-up), conforme Bowersox (2001). A abordagem de cima para baixo também é conhecida como analítica, partindo de uma previsão de unidades a nível nacional para, em seguida, decompor o volume total por diversas localidades, sendo mais adequada para situações de demanda estável, ou quando os níveis de demanda variam uniformemente. Já a abordagem de baixo para cima é descentralizada, pois as previsões são feitas separadamente, com isto, cada previsão pode identificar e considerar com mais rigor as flutuações de demanda em mercados específicos. A abordagem de baixo para cima requer, contudo, sistemas de armazenamento e recuperação de informações mais detalhadas, pois ele não está preparado para uma demanda maior que não seja sistematizada. Conforme Bowersox (2001), o responsável pelas previsões não é obrigado a adotar uma abordagem ou outra, ele deve, no entanto, selecionar uma combinação adequada dos dois tipos de abordagem. Esta combinação deve equilibrar o detalhamento inerente à abordagem de baixo para cima com a facilidade de tratamento da abordagem de cima para baixo.

29 Processo de Elaboração de Previsões As atividades logísticas de planejamento e controle de produção exigem uma melhor estimativa possível das necessidades de volumes a serem fabricados e distribuídos, divididos individualmente por SKU. Bowersox (2001), salienta que é crescente o número de empresas que está adotando processos integrados de previsão, que incluem a coleta de dados de múltiplas fontes, técnicas matemáticas e estatísticas sofisticadas e pessoal treinado e motivado. Conforme Bowersox (2001), o processo eficaz de elaboração de previsões exige a presença de vários componentes, que estão expostos na figura 01: Base de dados de previsão Histórico de táticas de pedidos Processo de previsão Gerenciamento de previsões Técnicas de previsões Sistema de suporte às previsões Usuários das previsões Finanças Marketing Vendas Produção Logística Figura 01: Processo de Previsão Eficaz Fonte: Bowersox, 2001 p.211 Para Dias (1996), a previsão é o ponto de partida de todo planejamento de estoque. Para que se consiga obter êxito nas previsões, deve-se ter algumas informações básicas sobre a demanda de estoque de produto acabado, que segundo o autor, dividem-se em duas categorias, as quantitativas e as qualitativas : a) Quantitativas evolução das vendas no passado;

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS. Márcio Schapke Ferreira da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS. Márcio Schapke Ferreira da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS Márcio Schapke Ferreira da Silva ANÁLISE DA GESTÃO DE ESTOQUES DE CERVEJAS IMPORTADAS EM UMA COMPANHIA

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição.

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO 1 CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO Ana Caroline de Souza (Discente do 4º ano do curso de Administração-AEMS) Dayanny Karoliny Pedroso de Oliveira (Discente do 4º ano do curso

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

A gestão de estoque no contexto da logística

A gestão de estoque no contexto da logística A gestão de estoque no contexto da logística Beranice Maria de Lima Torquato (Instituição Toledo de Ensino) beranice@terra.com.br Resumo Esse artigo visa avaliar a gestão do estoque dentro da logística.

Leia mais

Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso.

Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso. Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso. VICTOR BATISTA DA SILVA (UNAMA) greboide@hotmail.com JÓS RODRIGUES MENDONÇA (UNAMA) jos_mendonca@hotmail.com Resumo: Neste artigo será

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A OTIMIZAÇÃO DA CADEIA LOGÍSTICA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Por: Narcio Batista dos Santos Orientador: Prof.: Jorge Tadeu

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Administração de Empresas. José Alexandre Normando dos Santos CADEIA DE SUPRIMENTOS COM ÊNFASE EM ESTOQUE

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Administração de Empresas. José Alexandre Normando dos Santos CADEIA DE SUPRIMENTOS COM ÊNFASE EM ESTOQUE FACULDADE DE PARÁ DE MINAS FAPAM Curso de Administração de Empresas José Alexandre Normando dos Santos CADEIA DE SUPRIMENTOS COM ÊNFASE EM ESTOQUE Pará de Minas, MG 2012 José Alexandre Normando dos Santos

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais