MATERIAL DE APOIO - MONITORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAL DE APOIO - MONITORIA"

Transcrição

1 MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1. Reflexões sobre a nova liquidação de sentença 2. Assista! 2.1. Qual a diferença entre atividade civil e atividade empresarial? (Assista: 01'14'' - Bruno Giancoli) 3. Simulados 1. ARTIGO CORRELATO EMPRESÁRIO PESSOA FÍSICA E JURÍDICA: DO CRITÉRIO SUBJETIVISTA DE IDENTIFICAÇÃO DO EXERCENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA À EMPRESA COMO ORGANIZAÇÃO Daniela de Castro Neves, Tiago Fávaro Camata, Tiago Borba bacharelandos em Direito pelas Faculdades Integradas Norte Capixaba. José Eduardo S. de Miranda doutorando em Direito pela Universidad de Deusto, em Bilbao (Espanha), doutorando em Relações Internacionais pela Universidad del País Vasco (EHU), mestre (Estudios Avanzados) em Direito Comercial, pela Universidad de Deusto, especialista em Direito Comercial, especialista em Metodologia do Ensino Superior, professor do curso de Direito e coordenador acadêmico das Faculdades Integradas Norte Capixaba. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. O fim do Direito Comercial como o Direito dos comerciantes e a supremacia da teoria da empresa; 3. O empresário pessoa física ou jurídica; 4. A percepção do significado de empresa fora da esfera do Direito Comercial: o fortalecimento do Direito da Empresa; 5. Considerações finais; 6. Referências bibliográficas. 1.Introdução. À medida que aumenta seu grau de complexidade, pela própria evolução, a sociedade moderna desenvolve diferentes graus de exigência dos mais diversificados campos do conhecimento. O progresso, a pobreza, as práticas inovadoras estabelecidas pelos sofisticados meios de comunicação social e um sem fim de outros fenômenos provocam o surgimento de novos paradigmas que as ciências humanas utilizam para compreender a dinâmica dos tempos hodiernos. É sob este prisma que as inúmeras e infindáveis altercações sociais afetam a esfera jurídica e esperam o beneplácito das diferentes áreas do Direito, no sentido de orientá-las, legalizá-las e legitimá-las. Delimitadas as relações jurídicas, e restritos ao nosso tema, sublinhamos que na órbita dos atos e dos negócios jurídicos, antigas normas são substituídas por regras mais condizentes com a realidade cotidiana, o que obriga, sem dúvida, uma constante renovação do sistema normativo (1). Foi nesta trilha que acompanhamos o amadurecimento do projeto do Código Civil (2), e vimos confirmada, em 2002, a unificação do direito privado brasileiro, a exemplo do que ocorreu no direito italiano, em 1942 (3). Dentre tantas inovações incrementadas pelo neo diploma pátrio, nos chama a atenção o sepultamento da imagem do comerciante e o reconhecimento legal da figura do empresário. O comércio e os atos reputados comerciais sucumbem diante da noção que o recente ordenamento Civil oferece sobre a atividade do empresário, e o protagonismo do Direito Comercial é fragilizado pela ascensão do Direito da Empresa. Com intuito de facilitar o entendimento destas mudanças, buscamos desenvolver um trabalho com arrimo na didática. Oferecemos, assim, um ensaio esclarecedor da metamorfosis promovida na órbita das - 1

2 operações negociais do comerciante; do conceito de empresário e dos sujeitos que o Direito legitima ao exercício de atividades empresariais; e da percepção de empresa. 2.O fim do Direito Comercial como o Direito dos comerciantes e a supremacia da teoria da empresa. Ao longo de nossa formação, tivemos oportunidade de observar que no Brasil, originariamente, o conceito de comerciante foi desenvolvido sobre o alicerce de uma posição notadamente subjetivista. Esta assertiva encontra fundamento na pauta normativa do artigo 4º, do Código Comercial brasileiro de 1850 (4), que dispõe que ninguém é reputado comerciante se não fizer da mercancia profissão habitual (5). Sem embargo, e não obstante o binômio comerciante-mercancia, o Código omite o significado de mercancia, e a definição de comerciante se esgota na idéia do sujeito que desenvolve a mediação numa relação de troca estabelecida entre produtor e consumidor. Ao verificar esta lacuna, o legislador, sob a influência do Código Comercial francês de 1807, soluciona o problema da subjetividade limitada ao preceito mediador através da publicação do Regulamento 737, em cujo artigo 19 oferece o elenco de atos representativos do significado de mercancia (6), muitos deles diferentes da primitiva ação mediadora, entre produtor e consumidor. É a partir deste momento que, a exemplo do que ocorreu na França, o ordenamento comercial brasileiro deixa de ser um instrumento de comerciantes no exercício da profissão, e se transforma no Direito de atos especiais, ditos de comércio, a ele submetidos independentemente de ser ou não o comerciante a pessoa que os realiza (7). Em seguimento, a sistemática jurídica-mercantil brasileira suprime o perfil comercial das atividades relacionadas com a compra e venda de bens imóveis, e estende às sociedades anônimas a qualidade comercial, independente do objeto de sua constituição. Esta nova realidade sucumbe em 2002 com a publicação do novo Código Civil, que unifica o direito privado brasileiro. O novo ordenamento, caracterizado pela efusiva aproximação entre as normas e seus destinatários, sobreleva-se numa concepção democrática que busca harmonizar os valores individuais e sociais. Outrossim, nos parece importante registrar que observada como um todo, a estrutura do novo Código Civil tanto não se confunde com qualquer codificação alienígena, como não segue o rigorismo dos precedentes sistemas alemão, francês e italiano (8). O novo diploma representa uma colocação original dos problemas internos, em função de nossa história jurídica e de nossas peculiares circunstâncias, e obedece, enfim, à evolução do direito natural (9). Em substituição ao primitivo Código Comercial de 1850, o Código vigente traz à luz um livro destinado ao Direito da Empresa, que ademais de disciplinar a existência jurídica dos empresários, institui uma nova estrutura aos diversos tipos societários presentes no sistema nacional. Sem embargo, e apesar de não encontrarmos conceito preciso, a pura expressão do artigo 966, do Código Civil de 2002, nos faz crer, desde agora, que a empresa corresponde à estrutura organizada, destinada ao exercício de atividade econômica para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. É desta forma que o novo Código, enquanto soterra as figuras do comerciante e dos atos de comércio, amplia a abrangência dos a- gentes aptos ao protagonismo do exercício de atividades econômicas tituladas de atividades empresariais. 3.O empresário pessoa física ou jurídica. Ao tempo em que o artigo 966 do vigente Código Civil esclarece que o empresário é aquele que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou de serviços, o artigo 972 delimita este exercício profissional aos que estiverem no pleno gozo da capacidade civil e não forem legalmente impedidos (10). A partir da interpretação conjunta dos dispositivos antes citados, resta-nos cristalino que o empresário é o sujeito personificado, capaz, que articula o trabalho alheio com matéria-prima e capital, com vistas a produzir ou circular mercadorias ou prestar serviços para o mercado (11) (12). Fortes na lição de que os sujeitos personificados são aqueles que o direito alcança o atributo da personalidade jurídica, conferindo-os autorização à prática de atos e negócios jurídicos (13), consideramos que o novo Código Civil apresenta duas classes distintas de empresário, qual sejam, a pessoa física ou natural - 2

3 e a pessoa jurídica. A primeira, de natureza humana, que alcança personalidade imediatamente após seu nascimento com vida (14), apenas logrará legitimidade ao exercício profissional de atividade econômica destinada a produção ou circulação de bens ou de serviços quando cessada a menoridade ou obtida uma das formas de supressão da incapacidade relativa (15) ; e a segunda, obra da criação jurídica, será personalizada somente depois do registro formal de seus atos constitutivos nos órgãos competentes (16). Nesta esteira, parece-nos oportuno sublinhar que relativamente à pessoa natural, ou física, o artigo 5º do Código Civil ajusta que a maioridade é alcançada aos dezoito anos completos, e a incapacidade cessa pela emancipação expressa, concedida pelos pais, por instrumento público ou por sentença judicial; ou pela tácita, mediante o casamento, o exercício de emprego público efetivo, a colação de grau em curso de ensino superior, o estabelecimento civil ou comercial ou desenvolvimento de relação de emprego que outorgue ao emancipando condições econômicas próprias à sua pessoal manutenção (17). Por outro lado, e no que respeita à pessoa jurídica, importa-nos destacar que, sob o escudo do rol i- dentificador oferecido pelo artigo 44 do Código Civil, a única classe de pessoa jurídica legítima ao e- xercício de atividade econômica organizada é a das sociedades, uma vez que as demais sofrem o veto legal do fim econômico como objeto de sua constituição. Assim sendo, de acordo com a previsão do Código vigente, se enquandram no perfil de empresário as sociedades em nome coletivo, em comandita simples, limitada, anônima, em comandita por ações, ademais da sociedade em conta de participação e da sociedade simples (18). Vistas uma e outra hipóteses, resulta-nos indiscutível que o empresário poderá exercer a atividade econômica, organizada para a circulação de bens ou de serviços, de forma individual ou coletiva. Sem embargo, a prática do mercado nos demonstra que via de regra o empresário pessoa física, ou empresário individual, não explora atividades de grandes proporções, haja vista a dimensão dos investimentos necessários aos negócios vultuosos, e a equivalência da responsabilização pelo insucesso do empreendimento, mais plausíveis nas sociedades, dadas as possibilidades de conjugação de capital e de limitação da responsabilidade. 4.A percepção do significado de empresa fora da esfera do Direito Comercial: o fortalecimento do Direito da Empresa. Não obstante oferecer a definição de empresário, e possibilitar a identificação de suas respectivas classes, o legislador do novo Código ocultou o conceito de empresa, e transferiu à doutrina a responsabilidade por seu ajuste ao sistema unificado. Observadas a grandeza e estilo das diversas contribuições, nos chama a atenção o entendimento de ASQUINI, trazido por ULHOA COELHO como o precursor no delineamento da empresa. Para o autor italiano, a empresa representa um fenômeno multifacetário e poliédrico, que assume os seguintes aspectos: subjetivista, objetivista, corporativo e de atividade. Analisando um a um, podemos dizer que o subjetivista atrai o protagonismo ao titular do exercício da atividade, dada sua responsabilidade pela articulação do capital, mão-de-obra e matéria-prima; o objetivista resulta da unificação do conjunto de bens indispensáveis à produção ou circulação de bens ou serviços; o corporativo representa a harmonia na ação desenvolvida pelo empresário e seus subalternos, em prol do êxito do próprio negócio empresarial; e o da atividade, que destaca a empresa por sua ótica especulativa, peculiar da própria ação negocial (19). Em convergência com a unificação do nosso Direito privado, ASQUINI entende que a empresa não é fundamento do Direito Comercial, o que alicerça sobre duas perspectivas distintas: a histórica, que demonstra que a empresa não representa um fenômeno de presença constante na evolução do Direito Comercial, e a econômica, que apresenta a empresa como um recente fenômeno social, sem influência no nascimento e desenvolvimento do Direito Comercial (20). De outra forma, BROSETA PONT ensina que o alemão GISEK, ao manifestar que a essência da empresa é variável, soergue a impossibilidade de formulação de um conceito jurídico de empresa que defina o seu significado econômico (21). Contudo, compreende que juridicamente a empresa pode ser concebida sob duas formas: a dinâmica e a estática. No sentido dinâmico, a empresa é considerada funcionalmente como a atividade do empresário, enquanto que no sentido estático representa o conjunto organizado de meios pessoais e reais, mediante os quais se exerce atividade de perfil econômico. S. m. j., ambos sentidos são igualmente relevantes tanto para o Direito Comercial como para o Civil, e se condicionam mu- - 3

4 tuamente, pois GISEK supõe que sem o conjunto organizado de elementos dificilmente classificaremos uma atividade como de empresa, e faltando a atividade negocial, o conjunto de elementos apenas constituirá um patrimônio (22). Coligindo este manifesto de forma global, e unificados todos os aspectos, entendemos que uniforme se faz o predomínio normativo do direito privado, sobre a empresa, sem distinção de uma ou de outra área. No âmbito interno, CARVALHO DE MENDONÇA leciona que a empresa compreende uma organização técnico-econômica destinada a produzir, mediante a combinação de distintos elementos, bens e serviços. Para o inolvidável comercialista, este conceito econômico de empresa é o mesmo jurídico, e o direito comercial considera empresa apenas aquela que apresenta caráter mercantil (23). Por esta razão, nos atrevemos assinar que a empresa preserva uma identidade que pode resultar no predomínio de incidência tanto do Direito Comercial como do Civil. Sob outro prisma, ao adotar a interpretação de BRUNETTI, REQUIÃO anota que a empresa, como entidade jurídica, é nada mais que uma abstração, pois surge do manifesto intencional do empresário, em exercitar uma atividade econômica (24). Explica sua posição dizendo que a empresa corresponde a organização dos fatores da produção que o empresário faz funcionar de forma a permitir o exercício de uma atividade (25). ULHOA COELHO, por sua vez, registra efusivamente que a empresa deve ser entendida como uma atividade, que é o seu estatuto jurídico próprio: a atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. No pináculo de respeito às lições dos reconhecidos mercantilistas, não devemos ocultar nossa posição diante do árduo trabalho de interpretar o significado de empresa. Para isto, desnecessário se faz retroceder o estudo ao tempo em que a máquina e a própria cadeia de produção serviram de base metafórica da compreensão de empresa. Solidificamos nossa idéia, em parte, na voz de REQUIÃO, e esculpimos a empresa como a estrutura organizada para o exercício de uma atividade econômica, pelo empresário. Seguindo por este caminho, compete-nos chamar atenção ao fato singular de que tanto a finalidade e- conômica como a tentativa de encontrar-se uma concepção jurídica de empresa são incapazes de ocultar seu fim precípuo, o de organização. É partindo deste princípio, da organização, que somos capazes de envolver a empresa com elementos de grande riqueza humana. Ademais, e para justificarmo-nos, parece oportuno colacionar que MIRALES anota que hablar de organización es hablar de relaciones que permiten a un grupo de personas trabajar conjuntamente para conseguir unos determinados fines. Se trata por tanto de personas. Se trata también de finalidades libremente asumidas y de la responsabilidad de conseguirlas. Se trata de actuar racionalmente poniendo los medios necesarios para alcanzar los fines previstos, pero asumiendo que no todos los fines justifican cualquier clase de medio. Se trata por tanto de una cierta libertad de elección en la determinación de fines y medios (26). 5.Considerações finais. Ao rigor da ação-reação do exercício da atividade econômica, importa-nos concluir com relevo ao fator obrigacional, determinante de direitos e obrigações intrínsecos ao titular da empresa: o empresário. É deste modo que no decorrer do exercício da atividade econômica que a incidência obrigacional recai sobre a pessoa física ou jurídica que titulariza a obrigação, e nunca sobre a estrutura organizada. Entretanto, dado o liame patrimonial empresário-estrutura organizada, os bens ganham correspondência de responsabilidade, e assumem um perfil garantidor das prestações assumidas pelo empresário, seja físico ou coletivo. Não obstante, reiteramos que a empresa, por si mesma, compreende a estrutura organizada através da qual o empresário unifica o capital, a mão de obra e os bens córporeos e incorpóres, necessários ao desenvolvimento profissional de certa atividade econômica destinada à produção ou circulação de bens ou de serviços. Portanto, e conforme ensina REQUIÃO, a empresa somente nasce quando o empresário propulsiona o desenvolvimento de certa atividade econômica, e desaparece ipso facto à medida que o empresário deixa de exercer a respectiva atividade (27). Assim sendo, e observada a abrangência do perfil empresarial da atividade econômica, que ultrapassa a fronteira limítrofe estabelecida pelos atos de comércio, como essência das relações jurídicas-mercantis, - 4

5 temos que o novo código surge como passo propulssor à solidificação futura do Direito da Empresa, como área autônoma e independente, dentro do Direito privado, a exemplo do que foi o próprio Direito Comercial. Referências bibliográficas. ASQUINI, Alberto. Perfis da empresa. Tradução de Fábio Konder Comparato. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, São Paulo, v.35, n. 104, p out/dez BROSETA PONT, Manuel. La empresa, la unificación del derecho de obligaciones y el derecho mercantil. Madrid: Biblioteca Tecnos de Estudios Jurídicos, CARVALHO DE MENDONÇA, José Xavier. Tratado de direito comercial brasileiro. V. 1. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rodrigues & C, COLOMBO ARNOLDI, Paulo Roberto. Direito comercial: autonomia ou unificação. São Paulo: Edição Jalovi,1989. GAGLIANO Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil: (abrangendo o código de 1916 e o novo código civil). 4ª ed. São Paulo: Saraiva, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: parte geral. V. 1. São Paulo: Saraiva, MIRALES, Joseph; BELTRÁN DE HEREDIA, Pablo J. Ética y actividad empresarial. Madrid: Minerva Ediciones, 2004, pág. 40. PONTES DE MIRANDA, Francisco C. Tratado de direito privado. Parte Greal.Tomo 1. São Paulo: Revista dos Tribunais, REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. Vol 1. 18ª ed. São Paulo: Saraiva, 1991, págs. 56 e 57. ULHOA COELHO, Fábio. Manual de direito comercial. São Paulo: Saraiva, Curso de direito civil. V. 1. São Paulo: Saraiva, VIEIRA DA COSTA, Manuel. Introdução ao direito comerical e fundo de comércio. São Paulo: Editora Resenha Univesitária, Notas 1 Sobre o tema ver VIEIRA DA COSTA, Manuel. Introdução ao direito comercial e fundo de comércio. São Paulo: Editora Resenha Univesitária, 1984, p. 11 e seguintes. 2 O Projeto do Novo Código Civil tramitou desde 1975 no Congresso Nacional como Projeto de Lei nº 634-B. 3 Parece-nos oportuno registrar que o novo Código Civil não corresponde a primeira iniciativa brasileira de unificação do direito privado. A primeira tentativa de união desses dois ramos do Direito foi em com a proposta de Teixeira de Freitas. Nessa época, e por incumbência do Governo Imperial, Teixeira de Freitas o fundador do movimento de unificação elaborou um projeto de Código Civil num código geral, e esse, em um código especial, unificou as regras do Direito Comercial e do Direito Civil (COLOMBO ARNOLDI, Paulo Roberto. Direito comercial: autonomia ou unificação. São Paulo: Edição Jalovi,1989, p. 20). 4 E nos importa sublinhar que o Código Comercial brasileiro corresponde a Lei 556, de 25 de junho de Em sua redação original, o artigo 4º do Código Comercial brasileiro de 1850, modelado de acordo com o Código espanhol de 1829, estabelece que "ninguém será reputado comerciante para efeito de gozar da proteção, que este Código liberaliza, sem que se tenha matriculado em alguns dos Tribunais do Comércio do Império, e faça da mercancia profissão habitual". Lembramos, por oportuno, que a matrícula tinha o único e exclusivo fim de outorgar, ao comerciante, proteção liberalizada em favor do regular exercício do comércio, e mostrou-se, ao longo da história, como requisito secundário, ou dispensável, à identificação do comerciante. 6 Pelo artigo 19, do Regulamento 737, eram considerados mercancia, ou comérico: a) a compra e venda ou troca de bem móvel ou semovente, para sua revenda, por atacado ou varejo, industrializado ou não, ou para alugar o seu uso; b) as operações de cambio, bolsa ou corretagem; c) as empresas de fábricas, de comissões, de depósito, de expedição, consignação e transporte de mercadorias, de espetáculos pú- - 5

6 blicos; d) os seguros, fretamentos, riscos; e) quaisquer contratos relativos ao comércio marítimo e à armação de navios. 7 Neste sentido, devemos recordar que, durante muito tempo se admitiu que el Derecho mercantil surge como ordenamiento especial en la época medieval, porque con la caída del Imperio romano se presenta un conjunto de factores económicos, políticos-sociales y otros de estricta naturaleza jurídica que, actuando conjuntamente, determinan la aparición de un Derecho especial para la actividad profesional de una clase de ciudadanos: los comerciantes (BROSETA PONT, Manuel. La empresa, la unificación del Derecho de obligaciones y el Derecho Mercantil. Madrid: Biblioteca Tecnos de Estudios Jurídicos, 1965, p. 43). 8 COLOMBO ARNOLDI, Paulo Roberto. Direito comercial: autonomia ou unificação. Op. cit., p Ibíd., p O caput do artigo 966 é específico no sentido de que considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, e o artigo 972 ajusta que podem exercer a atividade de empresário os que estiverem em pleno gozo da capacidade civil e não forem legalmente impedidos. 11 ULHOA COELHO, Fábio. Manual de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 1989, p Em contexto similar, URIA e MENÉDEZ sustentan que o empresário é aquella persona, natural o jurídica, que ejercita en nombre própio una actividad empresarial, (...), una actividad económica organizada (URIA, Rodrigo; MENÉDEZ, Aurelio. Lecciones de derecho mercantil. Madrid: Thomson Civitas, 2003, p. 27). 13 ULHOA COELHO, Fábio. Curso de direito civil. V. 1. São Paulo: Saraiva, 2003, p Aqui nos parece oportuno recordar o magistério de PONTES DE MIRANDA, no sentido de que com o nascimento, começa a personalidade, porque do direito de personalidade é titular todo homem. (...) O ente humano, para se ter como pessoa, prescisa nascer vivo: o que nasce morto não se tem por nascido, nem, sequer, procriado (PONTES DE MIRANDA, Francisco C. Tratado de direito privado. Parte Greal.Tomo 1. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1977, p. 180). 15 Temos, assim, a efetiva capacidade de exercício, que imprime a aptidão para exercer pessoalmente os direitos, praticando atos e negócios jurídicos (sobre o tema ver GAGLIANO Pablo Stolze; PAMPLONA FI- LHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil: abrangendo o código de 1916 e o novo código civil. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 2003, p. 94 e ss.). 16 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: parte geral. V. 1. São Paulo: Saraiva, 2003, p Insistimos no termo emancipação expressa e tácita por corresponderem aos mecanismos aptos a cessação do pátrio poder. A primeira é reduzida a termo por ato de terceiros, no caso os pais ou o juiz, e a segunda sub-rogada a atos praticados pelo emancipando. 18 Por correto, devemos anotar que o presente estudo não incorpora uma análise dos tipos societários estabelecidos pelo vigente Código Civil. 19 ULHOA COELHO, Fábio. Manual de direito comercial. Op. cit., p ASQUINI igualmente sustentou a perspectiva sistemática, através da qual afirma que se a empresa não está presente em todas as instituições mercantis, dificilmente poderá afirmar-se sua identidade com o Direito Comercial (sobre o tema ver também ASQUINI, Alberto. Perfis da empresa. Tradução de Fábio Konder Comparato. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, São Paulo, v.35, n. 104, p out/dez 1996). 21 BROSETA PONT, Manuel. La empresa, la unificación del Derecho de obligaciones y el Derecho Mercantil. Op. cit., p. 99 e ss. 22 Ibíd., p CARVALHO DE MENDONÇA, José Xavier. Tratado de direito comercial brasileiro. V. 1. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rodrigues & C, 1930, p REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. Vol 1. 18ª ed. São Paulo: Saraiva, 1991, p REQUIÃO esclarece que os fatores de produção não se unificam por si só; necessitam que sobre eles atue o empresário, dinamizando a organização. Manifesta que tanto o capital do empresário como o pessoal que irá trabalhar nada mais são isoladamente do que bens e pessoas. (Ibíd.., p. 57). - 6

7 26 MIRALES, Joseph; BELTRÁN DE HEREDIA, Pablo J. Ética e actividad empresarial. Madrid: Minerva Ediciones, 2004, p REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. Op. cit., p. 57. Fonte: 2. ASSISTA! 2.1. Qual a diferença entre atividade civil e atividade empresarial? (Assista: 01'14'' - Bruno Giancoli) Fonte: 3. SIMULADOS 3.1. Assinale a alternativa correta. a) Para que uma pessoa possa ser reputada empresária tem-se que verificar sua inscrição perante o Registro Público de Empresas Mercantis. b) No ordenamento brasileiro, o incapaz não pode exercer a atividade de empresário, pois sobre os seus bens não podem recair os resultados negativos da empresa. c) O empresário casado, com exceção do regime de separação absoluta de bens, deve proceder à averbação dos pactos e declarações antenupciais no Registro Público de Empresas Mercantis, bem como fazer inserir nos assentamentos do registro público de imóveis a outorga uxória quando de gravação com ônus ou de alienação dos bens imóveis do patrimônio empresarial. d) Deve o empresário operar no mercado sob firma constituída, a qual poderá ser seu nome completo ou abreviado e, se quiser, designação de sua pessoa ou da atividade exercida. e) A instituição de sucursal, agência ou filial implica na averbação no primeiro assento do Registro Público de Empresas Mercantis para que se tenha como regular a atividade desta, sendo desnecessária outra inscrição. RESP: D 3.2. É INCORRETO afirmar: a) Como regra, considera-se empresária a sociedade cujo objeto é o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro; e, simples, as demais. b) A personalidade jurídica da sociedade só se forma com a inscrição, no registro próprio e no modo da lei, de seus atos constitutivos. c) Na sociedade limitada, é solidária a responsabilidade de todos os sócios pela integralização do capital social, mas a responsabilidade individual dos sócios é restrita ao valor de suas quotas. d) O ato de transformação da sociedade depende de sua dissolução ou liquidação, bem como do consentimento de todos os sócios, em qualquer hipótese. e) Entre outros, são deveres do liquidante ultimar os negócios da sociedade, realizar o ativo, pagar o passivo e partilhar o remanescente entre os sócios ou acionistas. RESP: D 3.3. A desconsideração da pessoa jurídica a) será configurada apenas com a insolvência do ente coletivo, sem outras considerações. b) não ocorre no direito brasileiro, dada a separação patrimonial entre pessoas físicas e jurídicas. c) restringe-se às relações consumeristas. d) implicará responsabilização pessoal, direta, do sócio por obrigação original da empresa, em caso de fraude ou abuso, caracterizando desvio de finalidade ou confusão patrimonial. - 7

8 e) prescinde de fraude para sua caracterização, bastando a impossibilidade de a pessoa jurídica adimplir as obrigações assumidas. RESP: D - 8

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO REGULAR DE SÁBADO Disciplina: Direito Comercial Prof.: Vinícius Gontijo Data: 08.08.2009 Aula n 01 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1 Empresário pessoa física e jurídica:

Leia mais

Direito Empresarial A figura do empresário

Direito Empresarial A figura do empresário Direito Empresarial A figura do empresário Olá. Como estão?! Hoje trataremos sobre um tema interessantíssimo (e básico) no direito empresarial. Falaremos sobre a figura do empresário. Vamos brincar? Boa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Recursos Humanos Diretoria de Provimento, Capacitação e Qualidade de Vida no Trabalho

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Recursos Humanos Diretoria de Provimento, Capacitação e Qualidade de Vida no Trabalho DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO DIREITO INTERNACIONAL 1- Tratado Internacional 2- Mercosul 3- União Europeia 4- Estados como sujeitos do Direito Internacional 5- Órgãos das Relações entre os Estados

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Autor(es) FATIMA ANDREA KISIL MENDES Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2012 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2012 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2012 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS CAPACIDADE PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL - CONSIDERAÇÕES GERAIS Introdução - Quem Pode Ser Empresário

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A confusão entre pessoa física e empresa individual para efeitos de habilitação técnica na licitação à luz do Código Civil Carlos Alexandre Perin* Segundo a teoria do emérito comercialista

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

Empresário. Adotar a teoria da empresa significa um retorno ao conceito subjetivo do Direito Comercial, centralizado na figura do empresário.

Empresário. Adotar a teoria da empresa significa um retorno ao conceito subjetivo do Direito Comercial, centralizado na figura do empresário. Empresário Noção Marcia Carla Pereira Ribeiro* O Código Civil (CC) de 2002, abandonando a teoria francesa do ato de comércio e a teoria subjetiva fundada no comerciante, passou a adotar o critério do Código

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O contrato sob o prisma da existência, da validade e da eficácia. Eduardo Monteiro de Castro Casassanta 1. Introdução. 2. O plano da existência. 3. O plano da validade. 4. O plano da eficácia. 5 Conclusão

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial

Direito Comercial. Estabelecimento Comercial Direito Comercial Estabelecimento Comercial 1. Noção Geral 2. Conceito 3. Natureza Jurídica 4. Estabelecimento x Patrimônio 5. Estabelecimento Principal e Filiais 6. Elementos Componentes do Estabelecimento

Leia mais

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS.

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS. 1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. As sociedades acompanham a civilização desde o seu primórdio, ainda que não da maneira que conhecemos hoje. As sociedades tiveram o seu gênese no agrupamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito empresarial: nome empresarial no novo Código Civil Joseph Robert Terrell* RESUMO Com o Novo Código Civil em vigor, ocorreram algumas modificações quanto ao nome empresarial.

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL 7º Período 2014-02

DIREITO EMPRESARIAL 7º Período 2014-02 TEORIAS DO RESUMO I Ao longo da história do Direito Empresarial, este ramo só foi orientado por três teorias: a subjetiva, a objetiva e a subjetiva moderna. A teoria subjetiva é a primeira que introduz

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO?

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Hellen Caroline Ordones Nery Bucair 1 INTRODUÇÃO O empresário individual,

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça O estudo do instituto da DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA, exige a compreensão do que a

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONCEITO JURÍDICO DE EMPRESA À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Rosiane Sasso * Introdução Com o fim de atender às transformações econômicas e sociais experimentadas pelo cenário

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial.

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial. Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Empresarial I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Empresarial Área: Privado PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO EMPRESARIAL I Código

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada.

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Obrigação: débito compromisso do devedor responsabilidade -

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A sociedade em conta de participação Cesar Luis Pereira de Campos. Procurador Federal. Graduado em Direito pela UERJ. Pós-graduado em Direito Civil Constitucional pela UERJ. Mestre em Direito Econômico

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO PARECER JURÍDICO DNRC/COJUR/Nº 205/03 REFERÊNCIA: Processos

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 04-00153 Direito Comercial I 2 DIR 04-00323 Direito Comercial II 3 DIR 04-00494 Direito Comercial III 4 DIR 04-00842 Direito Comercial

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA.

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA. MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. Vide dicas MDE: Material Didático Estácio. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA PROJETO DE LEI 4.138/2012 ADVOGADO PROFISSIONAL INDIVIDUAL ALTERAÇÃO NECESSÁRIA. Alteração legislativa que diminuirá a informalidade e a sonegação fiscal. Criação de novos empregos e formalização

Leia mais

DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA

DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA Jordane Mesquita DANTAS 1 RESUMO: O presente trabalho visa fazer uma análise quanto à autonomia do Direito Comercial de acordo com a sua evolução histórica

Leia mais

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial

www.uniestudos.com.br Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases:

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases: 1 DIREITO EMPRESARIAL Fases: EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1. Conceito Subjetivo (Id. Média): mercadores somente os associados estavam sujeitos às normas das corporações; 2. Conceito Objetivo (Sistema Francês 1807-1808):

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

1 - Direito Comercial x Direito Empresarial

1 - Direito Comercial x Direito Empresarial 1 - Direito Comercial x Direito Empresarial INSTITUTO CUIABÁ DE ENSINO E CULTURA CURSOS SUPERIORES TECNOLÓGICOS AULA 13 DIREITO COMERCIAL X DIREITO EMPRESARIAL O Direito Comercial teve sua origem de modo

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Civil VI (Família) Código PRI0087 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Noções gerais: o Direito de Família na atualidade

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 9ª Semestre: 2º Ano: 2013 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS Ementa: Empresa. Técnicas de Administração,

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada.

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Leonel Falcão. 1 Introdução A Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, que introduziu a EIRELI em nosso sistema, após o período de vacatio legis, entrou em

Leia mais

ASSESSORIA E APOIO JURÍDICO-CONTÁBIL PARA ACADÊMICOS DO NÚCLEO DE EMPRESAS JUNIORES E PROGRAMA DE INCUBADORAS DA UEG

ASSESSORIA E APOIO JURÍDICO-CONTÁBIL PARA ACADÊMICOS DO NÚCLEO DE EMPRESAS JUNIORES E PROGRAMA DE INCUBADORAS DA UEG ASSESSORIA E APOIO JURÍDICO-CONTÁBIL PARA ACADÊMICOS DO NÚCLEO DE EMPRESAS JUNIORES E PROGRAMA DE INCUBADORAS DA UEG FREITAS, Aurélio Marcos Silveira 1 PEREIRA, Bruno Alencar 2 Palavras-chave: assessoria

Leia mais

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 409 ASPECTOS DAS SOCIEDADES ANÔNIMA E LIMITADA Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES

AULA 03 SOCIEDADE EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA SOCIEDADE X SÓCIO B SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE EFEITOS LEASING CREDORES PERSONALIDADE JURÍDICA PRÓPRIA AULA 03 3.1 S X SÓCIO A SÓCIO B EFEITOS DA PERSONIFICAÇÃO SÓCIO A EMPREGADO C.CORRENTE LEASING NACIONALIDADE NOME EMPRESARIAL EFEITOS LEGITIMIDADE PROCESSUAL TITULARIDADE

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LUCIANA ALMEIDA NAIANE GOMES PESSE REINALDO CARDOSO CASTRO RHUAN LOZER HEMERLY THAMIRES BRAUM PEREIRA VANILDE DA SILVA ROCHA ESPÉCIES

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 REFORÇO ACADÊMICO DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL CONCEITO - Art. 1142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa,

Leia mais

DOS ATOS DE COMÉRCIO À TEORIA DA EMPRESA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA

DOS ATOS DE COMÉRCIO À TEORIA DA EMPRESA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA DOS ATOS DE COMÉRCIO À TEORIA DA EMPRESA: UMA ABORDAGEM TEÓRICA 499 Alexandre de Mendonça Nascimento 1, Carla Bonomo 1, Pedro Teófilo de Sá 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL. Curso de Direito,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DAS SOCIEDADES CONSORCIADAS POR OBRIGAÇÕES ORIGINADAS PELO CONSÓRCIO

A RESPONSABILIDADE DAS SOCIEDADES CONSORCIADAS POR OBRIGAÇÕES ORIGINADAS PELO CONSÓRCIO A RESPONSABILIDADE DAS SOCIEDADES CONSORCIADAS POR OBRIGAÇÕES ORIGINADAS PELO CONSÓRCIO SUMÁRIO Clovis Pegorari 1 Everaldo Medeiros Dias 2 Introdução; 1 Sociedade Empresária; 1.1 A Pessoa Jurídica; 1.2

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL

SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL UniFMU Curso de Graduação de Direito SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL Marcos Duque Gadelho Junior R.A 443.668/0 nº46 Turma: 315D Tel: 3209-4551/ 9595-7957 e-mail: gadelho@hotmail.com

Leia mais

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL I Código: Série: 2ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 68 CH Prática: CH Total: 68 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

O Ato Constitutivo e o Titular da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

O Ato Constitutivo e o Titular da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada O Ato Constitutivo e o Titular da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Maria Bernadete Miranda 1 O Projeto de Lei nº 4.605/2009, apresentado no dia 04 de fevereiro de 2009, de autoria do Deputado

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

EMPRESÁRIO INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA ENTREPRENEUR INDIVIDUAL LIMITED LIABILITY RESUMO

EMPRESÁRIO INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA ENTREPRENEUR INDIVIDUAL LIMITED LIABILITY RESUMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA ENTREPRENEUR INDIVIDUAL LIMITED LIABILITY Odenir Donizete Martelo Advogado militante, Mestre em Direito do Trabalho pela UNIMEP, Professor e Coordenador

Leia mais

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais.

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais. AULA XI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PRIVADO: EMPRESARIAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos

Leia mais

As Sociedades Empresárias no Código Civil

As Sociedades Empresárias no Código Civil 1 As Sociedades Empresárias no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 1 ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 DIEGO BISI ALMADA Advogado, Consultor Empresarial, Professor

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM A SOCIEDADE SIMPLES PABLO ROGER DE ANDRADE Administração 6º período Disciplina Direito Empresarial Professor Douglas BETIM 2010 A luta pela existência é a lei suprema de

Leia mais

QUESTÕES DIREITO EMPRESARIAL 2014

QUESTÕES DIREITO EMPRESARIAL 2014 Olá, meus amigos. Como estão?! Estou comentando algumas questões de direito empresarial e resolvi postar 10 questões de concursos recentes aqui para vocês treinarem. Espero que gostem! Forte abraço. QUESTÕES

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL REPRESENTAÇÃO COMERCIAL I- LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: O Código Civil brasileiro traça as diretrizes gerais sobre contratos de agência e distribuição em seus artigos 710 a 721. A representação comercial no Código

Leia mais

Professora conteudista: Joseane Cauduro

Professora conteudista: Joseane Cauduro Direito Societário Professora conteudista: Joseane Cauduro Sumário Direito Societário Unidade I 1 INTRODUÇÃO...1 2 CONCEITOS DE EMPRESA E EMPRESÁRIO...1 3 REGULARIDADE DO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL...3 4 FORMAÇÃO

Leia mais

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Josyane Mansano 1 ; Marcos

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações

Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Aspectos controversos dos planos de opções de compra de ações Dinorá Carla de Oliveira Rocha Fernandes Advogada. Mestranda em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos. Especialista em

Leia mais