FBAA TR Ed. 01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "211 93264 FBAA TR Ed. 01"

Transcrição

1 Alcatel 1000 S12 Descr.CD Manuals System Description P4: SW Funct. Descr FBAA TR Ed. 01

2 Status Released Change Note CNQ Short Title Clock and Tones SW All rights reserved. Passing on and copying of this 2 / FBAA TR Ed. 01

3 All rights reserved. Passing on and copying of this Contents 1 Introdução Visão Geral Descriçãode Software Manejador de Dispositivo de Relógio e Tons Inicialização Ajuste da HoradoDia Sincronização de HoradoDia Distribuição de Anúncios Gravados Difusão de Mensagem Manejando Alarmes de CTM Controle de Bloco de Segurança Teste de Firmware Controladora de Teste de Rotina de Subsistema de Distribuição de Relógio e Tons Teste de Rotina da Porta de Tom Teste de Diagnóstico de Relógio e Tom Teste de Rotina de Relógio e Tons Coordenador de Difusão Programação de Calendário Definir Calendário Atualizações de Tempo Atualizações de Dados Sincronização Externa da HoradoDia OperaçõesTípicas Abbreviations Figures Figure 1 Software Relógio e Tons Figure 2 Solicitação de Operador para Mudança de TOD FBAA TR Ed / 12

4 4 / FBAA TR Ed. 01 All rights reserved. Passing on and copying of this

5 All rights reserved. Passing on and copying of this 1 Introdução Este documento descreve o Software Relógio e Tons usado nas centrais Alcatel 1000 S12. Odocumentodescreve asprincipais áreasfuncionais do software e as funções que elas executam. Um exemplo de operações típicas executadas pelo software também é fornecida. 2 Visão Geral O Software Relógio e Tons executa as seguintes funções principais: monitora a geração e maneja a distribuição do relógio da central, tons e da informação da Hora dodia (TOD) distribui anúncios fornece temporizadores de alta segurança que são necessários por períodos maiores do que aqueles fornecidos pelo Software Sistema Operacional. executa Testes de Rotina (RT) etestes dediagnóstico (DT) no Módulo de Relógio e Tons (CTM) executa RTs no Subsistema de Distribuição de Relógio e Tons (CLTD) define e ajusta (quando solicitado pelo pessoal da central) a informação TOD apresentada ou impressa nos dispositivos de comunicação homem máquina armazena Tarefas Requisitadas pelo Operador (ORJ), do pessoal da central, que devem ser acionadas em uma data posterior. 3 Descrição de Software 3.1 Manejador de Dispositivo de Relógio e Tons O software DH de Relógio e Tons monitora a geração e maneja a distribuição do relógio da central, do TOD, de anúncios e de tons do barramento de tons. O software fornece uma interface entre o firmware de relógio e tons e os módulos da central. As principais funções executadas pelo software DH de Relógio e Tons são: distribuição e cadência de TOD distribuição de anúncios cadenceamento de tons teste de tons e sinais TOD para estabilidade difusão de mensagens no barramento de tons para todos os Elementosde Controle(CE) difusão de um sinal foradeserviço no barramento de tom quando o gerador de tom digital (no CTM) for desabilitado pelo Software de Manu tenção e Defesa checagem da informação TOD para garantir que ela está sendo incrementada controle do hardware e firmware do terminal CTM escrevendo, e lendo, dos registradores manejo de alarmes CTM desabilitação e inicialização dos Blocos de Segu- rança (SBL) do CTM quando solicitado pelo Software de Manutenção e Defesa comparação de sinais TOD em ambos os barramentos de tom estabelecimento do TOD quando solicitado pelo pessoal da central teste do firmware do CTM a intervalos regulares. O Software Relógio e Tons (veja 1) compreende as seguintes partes principais: Manejador de Dispositivos (DH) de Relógio e Tons Controladora Teste de Rotina de Subsistema CLTD RT de Porta de Tom DT de Relógio e Tons RT de Relógio e Tons Coordenador de Difusão Programação de Calendário Definir Calendário Inicialização Quando o software DH de Relógio etons éinicializado (isto é, quando uma central é colocada em operação ou durante uma recarga do CE), ela executa di ferentes ações dependendo do nível de inicialização requerido, e do estado de dispositivos que são manejados pelo software DH de Relógio e Tons FBAA TR Ed / 12

6 Software de Manu tenção e Defesa Software de Módulo de Anúncios Inte grados e Dinâmicos N TCE de Relógio e Tons 1 Todos os CEs RT de Porta de Tom RT de Relógio e Tons Espera ACE de Sistema Ativo Controladora de Teste de Rotina do Subsistema CLTD All rights reserved. Passing on and copying of this Espera DH de Relógio e Tons ACE de Defesa Programação de Calendário Ativo Software de Carga Hardware de Terminal CTM CPM Espera Ativo Coordenador de Difusão Definir Calendário Software de Manu tenção e Defesa DT de Relógio e Tons Software de Comuicações HomemMáquina e Software de Entrada/Saída Figure 1 Software Relógio e Tons A distribuição de tom e anúncio é inicializada independentemente do nível de inicialização e do estado dodispositivo. O softwaredh derelógio etons lêinformação sobre a distribuição TOD e cadência de tons da base de dados Ajuste da HoradoDia O TOD pode ser definido ou ajustado. Quando o DH de Relógio e Tons ajustar e definir o TOD, o firmware estabelece o bit de ajuste TOD por um período pré definido Sincronizaçãode HoradoDia Periodicamente, o software DH de Relógio e Tons checa o TOD em ambos os barramentos de tom para garantir que eles são os mesmo (dentro de limites pré definidos de cada um). 6 / FBAA TR Ed. 01

7 All rights reserved. Passing on and copying of this Distribuiçãode Anúncios Gravados O software DH de Relógio e Tons tem uma interface com o software DH de juntor para permitir anúncios gerados externamente para serem distribuídos internamente. O software checa se a informação de distribuição recebida está correta. Se um anúncio gerado externamente em um CTM falhar, o mesmo tom é tomado do barramento de tons do outro CTM. O software DH de Relógio e Tons também distribui tons e anúncios que são gerados internamente pelo Módulo de Anúncios Integrados Dinâmicos Difusão de Mensagem Mensagens do software Coordenador de Difusão são difundidas em um canal prédefinido do barramento de tom. Quando uma mensagem é recebida, o software DH de Relógio e Tons adia pedidos de mensagens posteriores até que a primeira mensagem fosse enviada Manejando Alarmes de CTM Uma das principais tarefasdo softwaredh derelógio e Tons é o relato e manejo de alarmes do firmware do CTM. Dependendo do tipo de alarme, uma das seguintes ações é tomada: um erro urgente é relatado ao software Manejador de Erro local uma mensagem de alarme é enviada ao Software de Manutenção e Defesa. Os estados de alarme ligado e desligado são monitorados por alguns tipos de alarme. Relatórios de erros urgentes sempre resultam em algum tipo de ação de defesa Controle de Bloco de Segurança Se uma solicitação habilitar ou inicializar for recebida do Software de Manutenção e Defesa, o software DH de Relógio e Tons desabilita ou habilita o SBL como apropriado e então registra o estado SBL na base de dados Teste de Firmware Periodicamente, o software DH de Relógio e Tons executa uma checagem do firmware para garantir que ele está funcionando corretamente. 3.2 Controladorade de Teste de Rotina de Subsistema de Distribuiçãode Relógio e Tons O software Controladora de Teste derotina desubsistema CLTD controla um teste completo do subsistema CLTD controlando e supervisionando os diferentes testes. O software Controladora de Teste derotina desubsistema CLTD recebe ordens para começar os diferentes testes do Software de Manutenção e Defesa. Resultados de testes são enviados ao Software Comunicação HomemMáquina para informar ao pessoal da central. 3.3 Teste de Rotina da Porta de Tom O software RT da Porta de Tom testa os barramentos de tom A e B da porta de tom de qualquer CE no qual resida. O software RT da Porta de Tom, que é controlado pelo softwarecontroladora deteste derotina desubsistema CLTD, compreende um conjunto de segmentos de teste discretos que são individualmente selecionados de acordo com o teste a ser executado. Os segmentos de teste são: pegar recursos, que limita a porta de tom para manutenção de rotina trocar barramento de tom para A, que faz com que o barramento de tom A seja selecionado (se ainda não estiver selecionado) trocar barramento de tom para B, que faz com que o barramento de tom B seja selecionado (se ainda não estiver selecionado) FBAA TR Ed / 12

8 teste de barramento de tom, que testa todos os canais (com exceção dos canais 0 e 3, e daqueles canais que sãoconectados aanúncios geradosexternamente) do barramento de tom de acordo com suas funções (TOD, tom, etc.) mensagem de erro de barramento de tom, que envia um relatório de erro ao Software Sistema Operacional se uma falha for detectada no barramento de tom. O software RT da Porta de Tom apenas testa a porta de tom inteira se ele recebe as mensagens para iniciar os segmentos de teste na seqüência correta. Ao final de cada segmento de teste, os resultados são enviados ao software Controladora de Teste de Rotina de Subsistema CLTD. 3.4 Teste de Diagnóstico de Relógio e Tom O software DT de Relógio e Tons testa todas as funções de relógio e tons, sob a supervisão do Software de Manutenção e Defesa. Como o CTM compreende vários SBLs e tipos de dispositivos associados que formam uma parte definida do hardware, o software DT de Relógio e Tons executa um DT separado para cada dispositivo. Isto significa que apenas um SBL está desabilitado e todos os outros SBLs com o memso nível de hierarquia ou superior permanece em serviço. O software DT de Relógio e Tons compreende vários egmentos de teste que são designados de acordocom os tipos SBL. O software programa os segmentos de testeeretorna umaindicação deaprovação oufalha, e dadosque são usados para suportar ainterpretação dos resultados de testes falhos, ao Software de Manutenção e Defesa. Os segmentos de testes são como a seguir. Segmento de Teste 1, que executa testes nos SBLs responsáveis pela geração de tons digitais. As seguintes funções são executadas: checagem TOD (paralela/serial) configuração e reconfiguração do bit de identificação do barramento de tom configuração do TOD à valores prédefinidos e checagem do bit de indicação de mudança do TOD incrementação e checagem da verificação de transição crítica da meianoite. Segmento de Teste 2, que executa testes nos SBLs responsáveis pela geração de tons digitais e anúncios gravados digitalmente. Checagens são feitas em todos os tons e padrões em cada canal vindo do equipamento de anúncio e geração de tom. Os tons e anúncios são testados com o auxílio do hardware Analisador de Sinal de Teste que roda sob o controle do Software de Teste de Linha. Segmento de Teste 3, que executa testes nos SBLs responsáveis pela geração de tons digitais. Um teste de bit de protocolo é executado para garantir que todos os canais contenham fala e/ou bits de protocolo de dados. Segmento de Teste 4, que executa testes em todos os SBLs. Uma checagem de alarme firmware extensiva é executado pela leitura do registrador de alarme de dispositivo e causando alarmes para os seguintes SBLs: controle de geração de relógio e tom geração de tom digital anúncios digitais alça de fixação de fase própria alça de fixação de freqüência própria alça de fixação de freqüência parceira fonte de referência externa fonte de referência atômica. 3.5 Teste de Rotina de Relógio e Tons O software RT de Relógio e Tons testa todos as funções de relógio e tom, sob a supervisão do Software de Manutenção e Defesa. Uma vez que o CTM compreende vários SBLs e tipos de dispositivos associados, o software RT de Relógio e Tons executa um RT separado para cada dispositivo. Um RT pode apenas ser executado se um dispositivo relacionado estiver no estado disponível. O software RT de Relógio e Tons compreende vários segmentos de teste que são designados de acordo com os tipos de SBL. O software programa os segmentos deteste eretorna umaindicação deaceitação ou falha, e dadosque sãousados parasuportar ainterpretação de resultados de testes falhos, para o Software de Manutenção e Defesa. Os segmentos de teste executados pelo software RT de Relógio e Tons são como a seguir. Segmento de Teste 1, que compara o TOD de ambos os CTMs. All rights reserved. Passing on and copying of this 8 / FBAA TR Ed. 01

9 All rights reserved. Passing on and copying of this Segmento de Teste 2, que executa um teste paralelo/serial do enlace entre o gerador de tom digital e o Elemento de Controle Terminal do CTM. O gerador de tom digital está na parte Terminal do CTM. Segmento de Teste 3, que executa um teste de soma de checagem: de tons produzidos pelo gerador de tomdigital de anúncios produzidos pelo Módulo de Anúncios Integrados Dinâmicos. Segmento de Teste 4, que executa uma checagem de alarme de estado (em todos os dispositivos) para ver se existe qualquer alarme que possa disparar uma ação SBL. 3.6 Coordenador de Difusão Todos os pedidos para definir o TOD, ou para enviar umamensagemdedifusão atravésdo barramentode tom, são recebidos pelo software Coordenador de Difusão. Pedidos são recebidos do software Definir Calendário, do Software de Carga, e do Software de Manutenção e Defesa. Após a checagem de um pedido, o software envia o pedido ao software DH de Relógio e Tons. Se um pedido por uma mensagem de difusão for recebido durante uma difusão, ele é guardado em um buffer pelo software DH de Relógio e Tons até que a difusão corrente tenha terminado. Após receber um pedido de mudança TOD, o software Coordenador dedifusão informaao softwareprogramação de Calendário de modo que ele possa modificar seus temporizadores internos. 3.7 Programação de Calendário O software Programação de Calendário fornece facilidades de tempo para suplementar aquelas fornecidas pelo Software Sistema Operacional. Os temporizadores do software Programação de Calendário são: temporizadores absolutos (isto é, eles expiram após um certo período de tempo) temporizadores relativos (isto é, eles expiram após um certo período de tempo a partir de agora). Os temporizadores fornecem um período máximo de um ano, em incrementos de um minuto. Os temporizadores de software Programação de Calendário sobrevivem a uma recarga ou recomeço de um CE. Por outro lado, os temporizadores fornecidos pelo Software Sistema Operacional têm um período absoluto máximo de 24 horas e não pode sobreviver a uma recarga ou recomeço de CE. Quando uma solicitação de temporizador é recebido de um módulo de software do usuário, o software Programação de Calendário armazena os parâmetros de temporizador requeridos na base de dados. Os dados são enviados aos Módulos de Periféricos dosistema e aos discos de sistema. Esta replicação dos parâmetros do temporizador é o mecanismo pelo qual os temporizadores Programação de Calendário sobrevivem à recarga ou reinicialização do CE. Se uma recarga ou reinicialização for executada, osoftware Base de Dados pode usar os dados de outro CE ou de um disco do sistema para regenerar os dados no CE recarregado ou reinicializado. Alguns temporizadores do software Programação de Calendário podem ser prédefinidos na hora degeração do sistema, tendo sido gerados off-line. Estes temporizadores são mantidos da mesma forma como temporizadores requisitados on-line. Uma atividade de varredura é usada para detectar temporizadores que tenham expirado. A toda hora, o Software Sistema Operacional envia uma mensagem ao software Programação de Calendário. Esta mensagem faz com que o software Programação de Calendário percorra os dados do temporizador (na base de dados) para ver se quaisquer temporizadores irão expirar durante a hora corrente. Se o resultado da varredura mostrar que um temporizador está para expirar, o software inicia um temporizador periódico de um minuto que inicia a varredura dos dados do temporizador a cada 60 minutos. Quando um teporizador expirar, o software Programação de Calendário envia uma mensagem, que foi dada como um parâmetro na mensagem iniciar temporizador, para o software do usuário. Segurança adicional pode ser fornecidapelo usodos parâmetros opcionais. Neste caso, uma confirmação deve ser enviada pelo software do usuário em resposta à mensagem do temporizador. Isto evita que mensagens do temporizador sejam perdidas se o CE envolvido for iniciado ou reiniciado. Se um pedido de temporizador especificar restrições condicionais na geração da mensagem temporizador expirado, o software Programação de Calendário pode diferenciar entre dias da semana, fins de semana e feriados. Quando um temporizador com restrições condicionais expirar, o software Programação decalendário primeirocheca ocalendário FBAA TR Ed / 12

10 da semana, tarifando o calendário de fim de semana e o calendário de roteamento de fim de semana na base de dados gerando uma mensagem de temporizador expirado Após uma mensagem de temporizador expirado ter sido enviada, os dados do temporizador sãoexcluídos (para um temporizador ligadodesligado) ou modificados (para um temporizador periódico) para data e hora posteriores. Usando ORJs, os temporizadoresdo softwareprogramação de Calendário podem ser modificados, cancelados, interrogados, suspensos e finalizados. 3.8 Definir Calendário O software Definir Calendário permite que a data e TOD da central sejam estabelecidas ou atualizadas, tanto por uma ORJ recebida do pessoal da central ou por um sinal de sincronização externa Atualizaçõesde Tempo Pedidos para atualizações do TOD podem ser recebidos: do pessoal da central, através do Software Comunicação HomemMáquina do software Programação de Calendário do software Manejo de Alarme. Todas as ORJs para solicitar mudanças às informações TOD são recebidas pelo software Definir Calendário. Quando uma ORJ é recebida, o software Definir Calendário checa os parâmetros para ver se eles são válidos e, então envia uma mensagem, através do Software Comunicação HomemMáquina, para informar ao pessoal da central da aceitação ou rejeição. Se não houver um erro na ORJ, o pessoal da central deve repetir a ORJ com parâmetros. O software Definir Calendário permite que o pessoal da central: estabeleça ou atualize o TOD ajuste o TOD em pequenos incrementos programe mudanças do TOD para serem implementadas no futuro apresente mudanças TOD programadas cancele uma mudança TOD programada. Todas asorjs pararequisitar mudançasao TODsão reformatados e enviados ao software Coordenador de Difusão (para mudanças TOD imediatas) ou ao software Programação de Calendário (para mudanças TOD programadas). Se uma mensagem de mudança dehorário forrecebida, uma mensagem de novo horário é difundida. Se, entretanto, a flag de horário verão/inverno mudar, uma nova mensagem de nova data é difundida (isto é, três vezes, a intervalos de 13 minutos) para todos os CEs. Uma mensagem com um carimbo de hora pode ser recebida do Software de Manutenção e Defesa. Se a hora de referência for diferente do carimbo de hora, um ajuste é feito à hora difundindo uma mensagem TOD novo. Se a diferença nas horas for de exatamente uma hora, isto é interpretado como uma flag de horário de verão/inverno e uma mensagem nova data adicional é difundida (isto é, três vezes, a intervalos de 13 minutos) Atualizaçõesde Dados Quando uma ORJ para estabelecer a data da central é recebida, o software Definir Calendário checa os parâmetros para ver se são válidos e, então envia uma mensagem, através do Software Comunicação HomemMáquina, para informar ao pessoal da central de uma aceitação ou rejeição da ORJ. Se existir um erro na ORJ, o pessoal da troca deve repetir a ORJ com os parâmetros corrigidos. Se a ORJ for aceita, o software Definir Calendário armazena a nova data na base de dados e, então: ajusta a data do Software Sistema Operacional informa ao software Programação de Calendário envia a nova data do software Coordenador dedifusão. O software Coordenador de Difusão envia a nova data ao software DH de Relógio e Tons para difusão através do barramento de tom. All rights reserved. Passing on and copying of this 10 / FBAA TR Ed. 01

11 All rights reserved. Passing on and copying of this SincronizaçãoExterna da HoradoDia O TOD em várias das centrais pode ser sincronizado através de um dispositivo externo conectado a uma entrada no Painel de Alarme Principal. 4 Operações Típicas Este item descreve as operações típicas executadas pelo Software Relógio e Tons quando uma ORJ é recebida para uma mudança para o TOD. 2 mostra a seqüência simplificada de eventos que ocorrem. Os diferentes eventos, que são identificados por números, são descritos na lista a seguir. Evento 1. O software Definir Calendário recebe uma ORJ para uma mudança imediata para o TOD (1A). O software Definir Calendário checa os parâmetros para ver se eles são válidos, e, então envia uma mensagem de aceitação ao pessoal da central através do Software Comunicação HomemMáquina (1B). Evento 2. Após enviar a mensagem de aceitação, o software Definir Calendário reformata a informação da ORJ e a envia, em uma mensagem solicitação de mudança do TOD, ao software Coordenador de Difusão. Evento 3. Após checar a informação na mensagem da solicitação, o software Coordenador de Difusão envia uma solicitação de mudança de TOD ao software DH de Relógio e Tons e ao Software Sistema Operacional (através do barramento de tom). Evento 4. O software DH de Relógio e Tons envia a nova informação TOD ao hardware do terminal CTM. Evento 5. Após a distribuição do novo TOD, o software Definir Calendário checa se o TOD está correto e envia uma mensagem de resultado para o pessoal da central através do Software Comunicação HomemMáquina. Comunicações HomemMáquina Definir Coordenador Calendário de Difusão DH de Re lógio e Tons Hardware de Terminal CTM 1. A ORJ para mudança de TOD é recebida do Software de Comunica ção HomemMáquina é reconhecida. 1A 1B 2. O pedido é enviado ao software Coordenador de Difusão. 3. O pedido é checado e enviado ao software DH de Relógio e Tons. 4. O novo TOD é enviado ao hardware do Terminal CTM. 5. A nova informação TOD é checada e o resultado é enviado ao Software de Comunicações HomemMáquina. Figure 2 Solicitação de Operador para Mudança de TOD FBAA TR Ed / 12

12 5 Abbreviations CE CLTD CTM DH DT ORJ RT SBL TOD Elementos de Controle Subsistema de Distribuição de Relógio e Tons Módulo de Relógio e Tons Manejador de Dispositivos Testes de Diagnóstico Tarefas Requisitadas pelo Operador Testes de Rotina Blocos de Segurança HoradoDia All rights reserved. Passing on and copying of this 12 / FBAA TR Ed. 01

211 93262 FCAA TR Ed. 01

211 93262 FCAA TR Ed. 01 (Input/OutputSoftware) Alcatel 1000 S12 Descr.CD Manuals System Description P4: SW Funct. Descr. 211 93262 FCAA TR Ed. 01 Status Released Change Note CNQ 9 60 11805 Short Title I/O Software All rights

Leia mais

211 93259 FBBA TR Ed. 01

211 93259 FBBA TR Ed. 01 Alcatel 1000 S12 (Load and InitializationSoftware) Descr.CD Manuals System Description P4: SW Funct. Descr. 211 93259 FBBA TR Ed. 01 Status Released Change Note CNQ 9 60 42303 Short Title LOAD & INIT SW

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

214 65881 AAAA TR Ed. 02

214 65881 AAAA TR Ed. 02 Alcatel 1000 S12 SW de Contr./Numer./Numer./Roteamento de Chamada (Call Cont/Numb & Rout SW) System Description Software 214 65881 AAAA TR Ed. 02 Status Change Note Released CNQ 9 80 70804 Short Title

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol. icmp série 1.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol. icmp série 1.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Ping do Internet Control Message Protocol icmp série 1.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:...

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 0 Conteúdo Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 4 1.2 Acesso através do teclado (digitando a matrícula):...

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR.

Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. 1 Obrigado por escolher o CalDigit VR, por favor, siga as seguintes instruções para uma instalação rápida do seu CalDigit VR. Conteúdo do produto: - CalDigit VR - Modulos de Drive CalDigit (2 unid) - Cabo

Leia mais

A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br.

A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br. SIMA MANUAL DO USUÁRIO INSTALANDO O SIMA A instalação do SIMA pode ser feita com o uso do CD do SIMA, distribuído pela INSIEL ou através de download do programa na homepage www.insiel.com.br. - Instalando

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

Instalando a placa de rede

Instalando a placa de rede Instalando a placa de rede A instalação dos drivers e a configuração de uma placa de rede no Windows 98 independe do tipo de cabo utilizado. Este tipo de instalação não é muito diferente da instalação

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário MODEM USB LTE LU11 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 3 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 8 5 Mensagens SMS... 10 6 Contatos...

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

214 20820 AAAG TR Ed. 01

214 20820 AAAG TR Ed. 01 Alcatel 1000 S12 (Trunk Testing Module) System Description Hardware Module Status Change Note Released CNQ 9 71 12103 Short Title TTM All rights reserved. Passing on and copying of this 2 / 17 All rights

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA AULA 07 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA O Utilitário de configuração do sistema, o famoso "msconfig" está disponível nas versões recentes do Windows. Para abrir o

Leia mais

Global Security Network GSN Brasil. 1

Global Security Network GSN Brasil. 1 Global Security Network GSN Brasil. 1 Operação Básica O teclado Spectra 1689 e o Teclado 1641 (cristal liquido) funcionam da mesma maneira, Mas não oferecem a mesma visualização. Nesta seção veremos suas

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor?

Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Quando se fala em ponto eletrônico, a primeira coisa que vem à sua cabeça ainda é dor? Interagir com sistemas que ainda dependem de agendamentos manuais e de coletas presenciais em vários equipamentos

Leia mais

II Torneio de Programação em LabVIEW

II Torneio de Programação em LabVIEW Desenvolvimento da Aplicação II Torneio de Programação em LabVIEW Seção I: Requisitos Gerais A aplicação submetida deverá atender, pelo menos, às exigências de funcionamento descritas na Seção II deste

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1

Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Programação de Sistemas para Tempo Real Capítulo 1 Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2003.1 Conteúdo Programático Capítulo 1: Introdução aos Sistemas de Tempo Real Definição, caracterização e classificação

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

D-Fly2 Manual do Usuário

D-Fly2 Manual do Usuário D-Fly2 Manual do Usuário Introdução O D-Fly2 é fácil de usar. Basta pressionar o botão de disparo para ligar o scanner e o pressionar novamente para digitalizar um código de barras. As cores e a frequência

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

Deverá ser usado este procedimento se produzir uma falha de ar condicionado em uma central Alcatel 1000 S12 ou quando se emite o seguinte informe:

Deverá ser usado este procedimento se produzir uma falha de ar condicionado em uma central Alcatel 1000 S12 ou quando se emite o seguinte informe: Função Deverá ser usado este procedimento se produzir uma falha de ar condicionado em uma central Alcatel 1000 S12 ou quando se emite o seguinte informe: RRN 00006 Tipo de alarme : AIRC ETEH Informe de

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Administração de Redes

Administração de Redes Administração de Redes DHCP Dynamic Host Configuration Protocol Prof. Fabio de Jesus Souza Professor Fabio Souza Introdução Principais parâmetros que devem ser configurados para que o protocolo TCP/IP

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4

Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4 Configuração do Linux Educacional 5 para melhor uso do MonitorINFO-V4 Primeiro fazemos o login com o usuário admin para ter acesso total ao sistema Usuário: admin Senha: admin Estando no sistema com administrador

Leia mais

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO V1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET POCKET) STUDIO

Leia mais

Como utilizar a central de gerenciamento VPN.

Como utilizar a central de gerenciamento VPN. Como utilizar a central de gerenciamento VPN. Construir conexões VPN entre vários roteadores pode ser uma tarefa demorada. Em cada um dos roteadores há diversos parâmetros que precisam ser sincronizados,

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

Manual de Configuração e Operação

Manual de Configuração e Operação ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual de Configuração e Operação Última alteração Número do documento 21/02/2013 10:38 Este documento contém os procedimentos de configuração e operação do sistema de

Leia mais

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2

DSS H.264 DVR. Guia de instalação rápida V1.0.2 DSS H.264 DVR Guia de instalação rápida V1.0.2 1. Instalação de Disco Rígido Aviso! Recomendamos para instalar com segurança utilizar HDD SATA. Certifique-se de que a energia não esteja desligada antes

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

Manual do Usuário de Telefone Analógico. Revisão 1.0 Julho 2010

Manual do Usuário de Telefone Analógico. Revisão 1.0 Julho 2010 Manual do Usuário de Telefone Analógico Revisão 1.0 Julho 2010 DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE A NEC reserva-se o direito de modificar as especificações, funções ou características a qualquer hora e sem

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE KlimaLogg Pro Ma n In s tr Soluç u çõ s em Me es ão d iç õe d l a u e SOFTWARE Software KlimaLogg Pro Registrador de umidade e temperatura Índice Visão geral...03 Guia Rápido...03 Configuração do dispositivo

Leia mais

BuscaPreço Gertec V3.0

BuscaPreço Gertec V3.0 BuscaPreço Gertec V3.0 Gertec Telecomunicações Ltda. Manual do Usuário 1 DESCRIÇÃO... 3 RECONHECENDO O TERMINAL... 4 INSTALAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURAÇÃO DO TERMINAL... 5 CONFIGURANDO PELO TECLADO...

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Índice. VIAWEBsystem - 1

Índice. VIAWEBsystem - 1 V 3.20 Jul09 r2.0 Índice Apresentação...3 Instalação...3 Esquema de Ligação...4 Operação...5 Terminal...6 Funções de Programação...7 [007 a 011] Programação da Entrada (Setor Interno)... 7 Função 007

Leia mais

Kaseya 2. Dados de exibição rápida. Version R8. Português

Kaseya 2. Dados de exibição rápida. Version R8. Português Kaseya 2 Software Deployment and Update Dados de exibição rápida Version R8 Português Outubro 23, 2014 Agreement The purchase and use of all Software and Services is subject to the Agreement as defined

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

4/5/2009 CONTROLSOFT CONTROLGAS CONTROLE DE VALE GÁS. Manual de Operação www.controlgas.com.br

4/5/2009 CONTROLSOFT CONTROLGAS CONTROLE DE VALE GÁS. Manual de Operação www.controlgas.com.br 4/5/2009 CONTROLSOFT CONTROLGAS CONTROLE DE VALE GÁS Manual de Operação www.controlgas.com.br Sumário Impressão do Vale Gás... 3 Cadastro do Vale Gás... 4 Venda do Vale Gás para os Pontos de Revenda...

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais