Projeto Escola Solar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Escola Solar"

Transcrição

1 Projeto Escola Solar

2 Projeto Escola Solar Por Walder Antonio Teixeira Introdução O que vem a ser uma Escola Solar? Demos o nome de Escola Solar para o nosso projeto, pois utilizamos a prática com energia solar para introduzir nos ambientes acadêmicos de ensino médio e fundamental, do sexto ao nono ano, os conceitos de Energias Renováveis, Sustentabilidade e Economia Verde. Tentamos atingir, com as atividades deste projeto, os três tipos de sustentabilidade que são: Sustentabilidade Ambiental; Sustentabilidade Social; Sustentabilidade Econômica. Aproveitamos o contra-turno para a realização de nossas atividades, pois a escola integral já é uma realidade em muitos lugares, e estará cada vez mais presente nas escolas de nosso país. O projeto, apesar de ter conteúdos multidisciplinares, coloca as disciplinas de Física e Ciências no centro dessas atividades, exigindo dos professores dessas disciplinas um maior empenho. O conteúdo multidisciplinar pode envolver muitas disciplinas, cuja quantidade pode variar, dependendo do empenho e da criatividade do corpo docente da escola. Alguns conteúdos que são abordados em nosso projeto: Conceito de Energia Renovável. Conceito de Energia Limpa. Conceito de Energia Solar. Estrutura e funcionamento de uma Usina Solar. É considerada como energia solar, a energia que vem diretamente da luz do sol e que é convertida em outra forma de energia. Assim, mesmo tendo como origem a luz do sol, as energias eólica (energia dos ventos), a energia das ondas e até a hídrica, não são consideradas como energia solar.

3 Divisão da energia solar em dois processos de aproveitamento: Processo térmico e; Processo fotovoltaico. Usos do calor do sol no processo térmico: Aquecimento de água; aquecimento de ar; desidratação de alimentos ou outros produtos; cozimento de alimentos; secagem de grãos; produção térmica de energia elétrica solar. Formas de uso da eletricidade gerada a partir da luz do sol no processo fotovoltaico. Usinas Solares Conceito de Usina Solar. Tipos de Usinas Solares: Usina solar fotovoltaica (PV). Usina solar térmica com concentradores solares parabólicos tipo prato. Usina solar térmica com concentradores solares parabólicos tipo calha. Torre solar de aquecimento de fluidos. Torre solar de aquecimento de ar. Tecnologias de Armazenagem de energia. Necessidade de tecnologias de estocagem de energia Tipos de sistemas de estocagem. Tecnologia e Resolução 482 da ANEEL A tecnologia que usaremos em nosso projeto é a de PV, ou seja, tecnologia fotovoltaica. O sistema que construiremos no nosso projeto não é uma usina, mas um sistema de geração de energia com painel fotovoltaico que é semelhante aos sistemas que são usados em residências, edifícios e empresas. Esses sistemas podem ser ligados à rede de energia e fornecer energia à rede quando sua produção é maior que o consumo. Para o sistema ser ligado à rede, é necessário

4 que o usuário pague pela instalação de outro relógio ou medidor que irá medir a sua produção de energia, e também o seu sistema deverá passar por uma inspeção para que a empresa de energia possa aprovar. Por fornecer energia à rede, o usuário poderá obter desconto em sua conta de energia. A situação descrita acima, ou seja, com o usuário passando de consumidor para consumidor/produtor de energia, é algo novo e está descrita em uma Resolução Normativa da ANEEL. A Resolução Normativa Nº 482 de 17 de abril de 2012, descreve as normas para as empresas e residências que quiserem produzir sua própria energia renovável e disponibilizá-la para a rede local e nacional de energia. Esta resolução serve tanto para placas solares como para geradores eólicos e mini-hidrelétricas. Existe, portanto, a possibilidade da escola aumentar as placas e integrar-se à rede de energia elétrica da sua cidade. Assim, a escola pode, além de fazer um projeto pedagógico, fazer também um investimento que irá trazer retorno diminuindo a sua conta de luz. Depois de alguns anos, o investimento se paga.

5 Justificativa A justificativa principal para implantar esse nosso projeto em uma escola, é mostrar ao aluno do terceiro ano do ensino médio, que está estudando eletricidade na disciplina de física, como funciona uma usina solar. Assim, abrimos uma discussão sobre a produção de eletricidade, e também sobre sustentabilidade pois a energia solar é uma energia renovável. A sustentabilidade tem caráter multidisciplinar e a física, uma disciplina tão isolada, insere-se com este projeto no contexto multidisciplinar da escola, gerando discussões sobre matriz energética, poluição, efeito estufa, economia verde, etc. É preciso lembrar que a sustentabilidade será o tema politico e econômico principal do século XXI, e desse tema dependerá a nossa existência. Objetivos O principal objetivo, ou objetivo geral deste projeto, é propiciar ao aluno um contato com a área experimental no mundo da energia clareando o seu entendimento, tando com relação a eletricidade, como com a produção de energia renovável. Os objetivos específicos são: Discutir sobre energias renováveis e seu papel para sustentabilidade nos três aspectos: 1. Sustentabilidade econômica. 2. Sustentabilidade social. 3. Sustentabilidade ambiental ou ecológica. Na disciplina Física, discutir e conceituar o funcionamento de uma célula fotovoltaica e o efeito fotoelétrico. Discutir e conceituar as tecnologias solares térmicas e o efeito estufa (Ecologia e Biologia). Com os materiais: Manipular, medir e calcular as potências, correntes e tensões dos componentes do nosso pequeno sistema de energia solar, aprofundando os conhecimentos sobre a eletricidade.

6 Duração das Atividades Como as atividades incluem-se em um projeto de escola integral, elas serão realizadas no contra turno e não irão atrapalhar o andamento das aulas. Como só há um kit do material a ser usado, os alunos formarão grupos de no máximo cinco. Cada turma irá precisar de vários dias para que cada grupo faça o experimento. Depois do experimento, haverá encontros com todos os alunos para juntar os dados e fazer os gráficos, além de estudos teóricos sobre outras formas de energia solar, outras energias renováveis e a análise das contas de luz do colégio e dos alunos. Tudo pode ser feito em um mês, totalizando umas 40h a 60h entre encontros teóricos dados pelos professores, trabalho em grupo e experimento. Metodologia Usamos o método da experimentação e manipulação com os objetos de estudo, aulas expositivas dadas por palestrantes ou professores e o trabalho em grupo. Na nossa visão, é importante trazer para o ambiente escolar as relações econômicas, sociais e culturais em que o aluno vive. Então, baseado em algumas premissas de Paulo Freire, como a conscientização do aluno perante o meio social e político onde ele vive, a visão crítica e a idéia de que o saber está sempre em construção, tentamos, mostrar ao aluno a problemática do modelo energético e da matriz energética mundial e brasileira, e a participação e importância que ele, o aluno, pode e poderá vir a ter neste processo. O estudo da conta de luz da sua casa, a descoberta de que existe uma agência reguladora (ANEEL) para a qual ele pode, enquanto consumidor e cidadão, levar suas denúncias e reclamações em caso de abuso das empresas de energia, transforma esse nosso aluno, de agente passivo a um agente ativo e questionador, ou seja, um verdadeiro cidadão.

7 Material Didático O kit básico, além do projetor para dar uma palestra sobre energia solar, compõe-se de uma placa fotovoltaica, um aparelho inversor e alguns aparelhos de consumo para testes como um pequeno aparelho de som ou uma mini TV. Um multímetro se faz necessário para fazer as medições do sistema quando estiver em operação. A placa fotovoltaica é conhecida como PV (do inglês Photovoltaic), ou tecnologia PV. Sistema simples com placas e inversor Sistema com controlador de carga e bateria O inversor de freqüência é um aparelho que transforma corrente contínua em corrente alternada na freqüência de 60 Hz, igual a corrente que temos em nossa rede pública de eletricidade. A entrada do inversor é por volta 12 Volts de corrente contínua e a saída pode ser de 120 ou 220 Volts de corrente alternada na freqüência de 60 Hz. Em um sistema mais aprimorado podemos usar um controlador de carga e uma bateria para que o sistema continue funcionando à noite. O controlador de carga abastece a bateria e fornece a tensão adequada à entrada do inversor.

8 Procedimento Antes de tudo é preciso discutir com a comunidade escolar a possibilidade de execução do projeto devido as suas características multidisciplinares. Todos devem participar da discussão, seja a direção da escola, os professores e os alunos. As atividades começam com o professor e os alunos analisando os dados de suas contas de eletricidade. Aí entram os conceitos de medição, consumo, Quilowatt/hora (KW/h), etc. Em seguida, deve ser dada uma palestra introdutória sobre energia solar, através da qual os alunos e professores receberão informações sobre os conceitos de energias renováveis, não renováveis, matriz energética, e terão informações sobre os vários tipos de aproveitamento da energia solar, tais como: Painéis fotovoltaicos; captadores térmicos para aquecimento de água ou de ar, fornos solares, concentradores solares parabólicos, concentradores tipo torre, etc. Paralelamente as atividades citadas anteriormente, os professores de biologia, química ou geografia, podem expor em suas aulas informações sobre efeito estufa, concentração de CO2 na atmosfera, metano, poluição do ar e aquecimento global. Finalmente, o professor de Física, ou tutor de tecnologia, deve dividir os alunos em grupos de trabalho para que eles possam utilizar o equipamento em horários diferentes. Os alunos fazem, as medições, montam seus gráficos e depois passam seus gráficos para o Calc ou Excel com o auxilio do professor de informática. No final do processo os alunos e o professor, ou os professores, deverão discutir os resultados em sala de aula.

9 Levantamento de Dados e Resultados Um questionário pode ser feito para saber o que cada um aprendeu neste projeto, seja professor ou aluno. Neste questionário, deve ter, além de questões objetivas, questões subjetivas, e que informem se houve realmente uma maior aproximação entre professor e aluno, professor e professor, e aluno e aluno. Com os resultados pode-se publicar o questionário, gráficos, fotos e vídeos de todas as etapas do trabalho, colocar a experiência em murais ou no blog do colégio ou turma. Uma Pequena Discussão É difícil dizer até onde o projeto poderá nos levar, mas com certeza todos teremos muito a aprender, não só sobre eletricidade, energia solar ou sustentabilidade, mas também uns com os outros. Introduzir uma conta de luz no projeto, traz o mundo do aluno para a sala de aula e inclui um aprendizado de cidadania na disciplina de Física ou Ciências, e porque não em outras disciplinas. Assim, entramos no caminhos da multidisciplinaridade e na ciência aplicada. Espero que a sua escola assuma este projeto e que proporcione, através dele, grandes ganhos, tanto para os alunos como para os professores.

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA 1 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1) Geração de energia através de Grupos Geradores para operação em Emergência e Horário de Ponta: DIESEL GÁS NATURAL 2) Algumas formas de geração

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Resistência equivalente. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Resistência equivalente. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplina: Circuito em Corrente Contínua Turma: AN1 Professor: Vinícius Secchin de Melo Roteiro para experiências de laboratório AULA 4: Resistência

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE OPERAÇÃO DO LABORATÓRIO DE OPERAÇÕES UNITÁRIAS Autora: RAQUEL TEIXEIRA CAMPOS BAURU 2014 APRESENTAÇÃO Este manual é um referencial para docentes

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) o SEMESTRE DE 013 Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno Noturno Data : / / Experiência 6 O CAPACITOR

Leia mais

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE Curso Técnico em Mecânica - 2016 ELETRICIDADE Aula 12 Consumo de energia elétrica Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM 2.1 OBJETIVOS Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Medir as resistências equivalentes das associações Verificar o comportamento

Leia mais

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

ENERGIA EÓLICA NO BRASIL ENERGIA EÓLICA NO BRASIL MICROGERAÇÃO DISTRIBUIDA Eng. Mec. Egberto Rodrigues Neves SÃO PAULO MAIO 2016 Energia Eólica A Geração eólica : destaque na mídia. Grande porte ou grandes empreendimentos: Parques

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 02: Medida de tensão contínua e medida de tensão alternada; Grupo: Ederson

Leia mais

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos.

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos. Lista de Materiais 1 multímetro. 4 pilhas de 1,5V. 2 resistores com resistências da mesma ordem de grandeza. Exemplo: R1 = 270 Ω e R2 = 560 Ω. Lâmpada com soquete com bulbo esférico (6,0V-500 ma). Resistor

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Experiência: CIRCUITOS INTEGRADORES E DERIVADORES COM AMPOP

Experiência: CIRCUITOS INTEGRADORES E DERIVADORES COM AMPOP ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Filtros Passa alta e passa baixa

Filtros Passa alta e passa baixa Filtros Passa alta e passa baixa Objetivo: Medir a corrente elétrica sobre o indutor e o capacitor em um circuito em paralelo de corrente alternada (AC). Materiais: (a) Dois resistores de igual resistência

Leia mais

1. COMO FUNCIONA O FORNO DE MICROONDAS?

1. COMO FUNCIONA O FORNO DE MICROONDAS? 1. COMO FUNCIONA O FORNO DE MICROONDAS? O que são microondas? Como cozer ou aquecer alimentos, através de microondas? Essas perguntas ou dúvidas serão esclarecidas no transcorrer dos trabalhos deste projeto.

Leia mais

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1.

Recursos Energéticos e Ambiente. Aula 4. Organização da Aula. Energia Solar. Contextualização Parte 1. Instrumentalização. 1. Recursos Energéticos e Ambiente Organização da Aula Aula 4 1. Energia solar Profa. Vanessa Mafra Pio 2. Bioeletricidade e biogás História Energia Solar Contextualização Parte 1 1839 efeito fotovoltaico

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO INTERDISCIPLINAR PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: A PRODUÇÃO DE ENERGIA EM UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL

CURSO DE EXTENSÃO INTERDISCIPLINAR PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: A PRODUÇÃO DE ENERGIA EM UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL CURSO DE EXTENSÃO INTERDISCIPLINAR PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR: A PRODUÇÃO DE ENERGIA EM UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL Autor1: Juliana de Carvalho Izidoro Autor 2: Éder Gonçalves Modalidade: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Leia mais

Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio.

Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio. Assunto: Eletricidade Público Alvo: EJA Elaboradores: Edimilson, Jasiel e Jaelson. Professor: Luiz Cláudio. Eletricidade ou Energia Mesmo antes do surgimento da vida em nosso planeta, a eletricidade já

Leia mais

Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro

Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro TEORIA A quantidade de calor Q que é absorvida ou libertada, quando um corpo é aquecido ou arrefecido,

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES. Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso

FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES. Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso FORMAS DE ENERGIA E SUAS CONVERSÕES Profa. Me Danielle Evangelista Cardoso danielle@profadaniell.com.br www.profadanielle.com.br Tipos de Energia Energia pode exisitr em inúmeras formas como: Energia Mecânica

Leia mais

USO EFICIENTE DA ENERGIA

USO EFICIENTE DA ENERGIA Matriz Energética Cenário Atual Uso da Energia Elétrica com Eficiência Dicas de Uso Eficiente e Seguro da Energia MATRIZ ENERGÉTICA Matriz Energética Brasileira Eólica 3,8% 5,5% Biomassa Termoelétrica

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Retificadores. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Retificadores. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Turmas: AM1 e AN1 - Período: 2012-1 Professores: Bene Regis Figueiredo Tatiane Policario Chagas Vinícius

Leia mais

Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro

Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro TEORIA A quantidade de calor Q que é absorvida ou libertada, quando um corpo é aquecido ou arrefecido,

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica, através de aproveitamento

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc)

Bases Conceituais da Energia Q1/2017. Professor: Sergio Brochsztain. (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) Bases Conceituais da Energia Q1/2017 Professor: Sergio Brochsztain (sites.google.com/site/sergiodisciplinasufabc) capacidade que um corpo, uma substância ou um sistema físico têm de realizar trabalho Energia

Leia mais

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas

Mauricio Cruz Lopes. Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Mauricio Cruz Lopes Critérios de Sustentabilidade do Projeto Ilha Pura - Vila dos Atletas Impacto da Construção Civil 20 a 30% de produção de gases de Efeito Estufa 12 a 16% de consumo de água 30% a 40%

Leia mais

ALUNO(A): TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO:

ALUNO(A): TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: ALUNO(A): PROVA COMENTADA OBF 014 PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 Professor: Edney Melo Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 01. A unidade de energia no sistema internacional é o JOULE (J) 0. Uma fonte renovável

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas.

1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas. Ciências Experimentais P9: Carga e descarga do condensador 1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas. 2. Introdução O condensador

Leia mais

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 3212 - LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS Experiência 3 COMPORTAMENTO DE COMPONENTES

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I

APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÕES DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARTE I PROF. Dr. RENÉ PASTOR TORRICO BASCOPÉ (PET-DEE-UFC) INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Efeito Fotovoltaico

Leia mais

Tipos de Usinas Elétricas

Tipos de Usinas Elétricas Tipos de Usinas Elétricas Professor: Xuxu USINAS GERADORAS DE ELETRICIDADE Uma usina elétrica pode ser definida como um conjunto de obras e equipamentos cuja finalidade é a geração de energia elétrica,

Leia mais

Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC

Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC BWP 2016 Implantação de Laboratório para Determinação da Característica de Saída de Aerogeradores Segundo a Norma IEC 61400-12-1 PROF. DR. CLAITON MORO FRANCHI - UFSM Objetivos Auxílio a indústria nacional

Leia mais

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...)

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...) Aprofunda conhecimentos específicos já introduzidos nos anos anteriores nas cadeiras de Materiais de Construção, Física das Construções, Tecnologia das Construções e Direcção de Obras; Introduz áreas adicionais

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011.

PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL. Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. PARQUES EÓLICOS Renova BAHIA O SUDOESTE BAIANO NA ROTA DA ENERGIA RENOVÁVEL Guanambi-BA, 04 de Maio de 2011. 2 1) O QUE É ENERGIA EÓLICA? A energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 005/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Corrente elétrica. A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares.

Corrente elétrica. A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares. Corrente elétrica A corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elementares. A corrente elétrica pode ser um simples jato de partículas no vácuo, como acontece num cinescópio de TV, em que um feixe

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Projeto Veículo Elétrico

Projeto Veículo Elétrico Projeto Veículo Elétrico Palio Weekend Elétrico Leonardo Gaudencio Cavaliere Supervisor de Inovações do Produto Belo Horizonte, 05 julho 2010 GRUPO FIAT NO MUNDO GRUPO FIAT NO BRASIL MONTADORAS COMPONENTES

Leia mais

Diferencial porque os sinais são transmitidos com fases opostas. O micro pode enviar sinais em alta velocidade através de um par de fios paralelos.

Diferencial porque os sinais são transmitidos com fases opostas. O micro pode enviar sinais em alta velocidade através de um par de fios paralelos. Tutorial de Manutenção de Tv/Monitor LCD Placa T-Com e os sinais LVDS. O que significa LVDS: - Em inglês = LOW VOLTAGE DIFFERENTIAL SIGNALING - Em português = SINAL DIFERENCIAL DE BAIXA TENSÃO. Diferencial

Leia mais

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

As perspetivas e o impacto da Energia Solar na economia portuguesa. Aplicação de paineis fotovoltaicos no ISEL para autoconsumo

As perspetivas e o impacto da Energia Solar na economia portuguesa. Aplicação de paineis fotovoltaicos no ISEL para autoconsumo As perspetivas e o impacto da Energia Solar na economia portuguesa Aplicação de paineis fotovoltaicos no ISEL para autoconsumo Cristina Camus António Moisés ISEL ISEL ISEL ISEL ISEL ISEL ISEL ISEL ISEL

Leia mais

Sistemas de Autoconsumo Autónomo. Sistemas fotovoltaicos Híbridos e Isolados da Rede

Sistemas de Autoconsumo Autónomo. Sistemas fotovoltaicos Híbridos e Isolados da Rede Sistemas de Autoconsumo Autónomo Sistemas fotovoltaicos Híbridos e Isolados da Rede Sistemas Fotovoltaicos Híbridos e Isolados da Rede Sistemas Híbridos: São sistemas que usam primariamente a energia fotovoltaica

Leia mais

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos 2016.2 UNIDADE: ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA ELÉTRICA CÓDIGO: ENGC54 MODALIDADE:

Leia mais

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho

COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO. ENERGIA Do fogo a energia elétrica. Prof. Márcio Marinho COLÉGIO SANTA CRISTINA - DAMAS AULÃO ENERGIA Do fogo a energia elétrica O fogo O fogo é a rápida oxidação de um material combustível liberando calor, luz e produtos de reação, tais como o dióxido de carbono

Leia mais

Chapter 27 Circuitos. os portadores de carga a uma diferença de potencialε.

Chapter 27 Circuitos. os portadores de carga a uma diferença de potencialε. Chapter 27 Circuitos Para produzir uma corrente estável, precisamos de uma bomba de cargas, um dispositivo que, realizando trabalho sobre os portadores de carga, mantenha uma diferença de potencial entre

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

NERGIA RENOVÁVEL. XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica

NERGIA RENOVÁVEL. XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica. Soluções EXSTO em Educação Tecnológica NERGIA RENOVÁVEL XR301 - Banco de Ensaios em Energia Solar Fotovoltaica Soluções EXSTO em Educação Tecnológica ÍNDICE EXSTO TECNOLOGIA 3 CARACTERÍSTICAS 4 MATERIAL DIDÁTICO 5 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

Energia solar. É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br

Energia solar. É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. davantisolar.com.br Energia solar É a solução para sua residência. Economize e preserve o meio ambiente. Conquiste sua independência energética com a A Davanti Solar é uma empresa brasileira comprometida em levar mais autonomia

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS ÍVISSON REIS

ENERGIA RENOVÁVEIS ÍVISSON REIS UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADES DE CIÊNCIAS EXATAS DERPATAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET ENERGIA RENOVÁVEIS ÍVISSON REIS PRINCIPAIS FONTES DE ENERGIA

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA PROFº FABIANO 2º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA PROFº FABIANO 2º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE REC. PARALELA DE FÍSICA I - TURMA 232 - PROFº FABIANO 2º BIMESTRE

Leia mais

Gestão sustentável dos recursos. 2.1 Recursos naturais: utilização e consequências

Gestão sustentável dos recursos. 2.1 Recursos naturais: utilização e consequências 2 Gestão sustentável dos recursos 2.1 Recursos naturais: utilização e consequências F I C H A D E T R A B A L H O N. O 7 R e c u r s o s n a t u r a i s : u t i l i z a ç ã o e c o n s e q u ê n c i a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO DE JANDAIA DO SUL COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO DE JANDAIA DO SUL COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1º Período JAN001 72 04 04 00 00 00 00 --- JAN002 Química Geral 72 04 03 01 00 00 00 --- JAN003 Geometria lítica 72 04 04 00 00 00 00 --- JAN004 Ciência, Tecnologia e Sociedade 72 04 04 00 00 00 00 ---

Leia mais

Exercícios Interpretação de Gráficos e Tabelas

Exercícios Interpretação de Gráficos e Tabelas Exercícios Interpretação de Gráficos e Tabelas Gastos dá para economizar? O aumento do consumo de energia elétrica, em razão do consumismo acelerado, tem provocado a construção de mais usinas hidrelétricas.

Leia mais

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015

Sumário. Módulo Inicial. Das Fontes de Energia ao Utilizador 25/02/2015 Sumário Situação energética mundial e degradação da energia Fontes de energia. Impacte ambiental. Transferências e transformações de energia. Degradação de energia. Rendimento. Energia está em tudo que

Leia mais

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome:

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 3. DIMENSIONAMENTO Esta secção visa preparar os alunos para as experiências que irão realizar no laboratório. Todos os grupos terão de no início da sessão de laboratório

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO

O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO O USO RACIONAL DA ÁGUA EM AEROPORTOS O Estudo de caso nos sanitários do Aeroporto Internacional de Salvador/BA Projeto AGUAERO REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Disciplina de Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 Corrente Contínua Trabalho Prático nº 1 Medição de Resistências Trabalho realizado por: Nome:

Leia mais

Substâncias e Misturas

Substâncias e Misturas ESTADO DE SANTA CATARINA EEB DR JORGE LACERDA Substâncias e Misturas Profª Luiza P. R. Martins Química 1º ano Estados físicos (de agregação) da matéria Vapor Características microscópicas 2 Ebulição, Vaporização

Leia mais

Introdução Teórica aula 9: Transistores

Introdução Teórica aula 9: Transistores Introdução Teórica aula 9: Transistores Definição de Transistores de Junção Bipolar Os Transistores de Junção Bipolar (TJB) são dispositivos não- lineares de 3 terminais construídos com base em duas junções

Leia mais

HORÁRIO HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 07:30 08:30 h 08:30 09:30 h FUNDAMENTOS DA FÍSICA I

HORÁRIO HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 07:30 08:30 h 08:30 09:30 h FUNDAMENTOS DA FÍSICA I TURMA: 1 SEMESTRE LICENCIATURA EM FÍSICA SALA: 01 07:30 08:30 h 08:30 09:30 h HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL 09:50 10:50 h COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM INGLÊS INSTRUMENTAL MATEMÁTICA BÁSICA FÍSICA I COMUNICAÇÃO

Leia mais

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico

Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Equipamentos e Técnicas de Pré, Pós-Aquecimento e Tratamento Térmico Neste texto são apresentadas as técnicas e equipamentos utilizados nos processos de pré e pós-aquecimento e no tratamento térmico. São

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 Homologa o reajuste das tarifas de fornecimento de energia elétrica da Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São

Leia mais

A máquina cíclica de Stirling

A máquina cíclica de Stirling A máquina cíclica de Stirling TEORIA A máquina de Stirling (Fig. 1) é uma máquina cíclica a ar quente, com a qual vamos investigar experimentalmente o ciclo de Stirling, e demonstrar o funcionamento de

Leia mais

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias Iluminação Natural Solução Definitiva! Imagens Ilustrativas ENERGIA SOLAR - Luminárias Somos especialistas na linha profissional de luminárias públicas auto alimentadas pela força solar. É o sistema de

Leia mais

Fundamentos de Metrologia. Fundamentos de Metrologia

Fundamentos de Metrologia. Fundamentos de Metrologia Fundamentos de Metrologia Prof. Luiz Dalla Valentina 2008 2 Medir Fundamentos de Metrologia 1 Medições no dia-a-dia Potência da lâmpada Horário do despertador Comprimento da calça Tempo de cozimento Volume

Leia mais

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO ENSINO PRESENCIAL. Américo Matiello

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO ENSINO PRESENCIAL. Américo Matiello EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO ENSINO PRESENCIAL Américo Matiello Focos de Eficiência Canal Campus 3 grupos representam 78% do total de custos e despesas previstos em 2015 no Canal Presencial Cada grupo possui

Leia mais

1 Medir. Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial.

1 Medir. Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial. 1 Medir Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial www.posmci.ufsc.br Medições no dia-a-dia Potência da lâmpada Horário do despertador Comprimento da calça Tempo de cozimento Volume de leite Volume

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2016 Prof. Alceu Ferreira Alves www.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais para entendimento da geração de energia

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 028, de 14 de fevereiro de 2017.

Portaria Inmetro /Dimel n.º 028, de 14 de fevereiro de 2017. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 028, de 14 de fevereiro de 2017.

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Relatórios de Matrículas

Relatórios de Matrículas Relatórios de Matrículas Relatório de Histórico de Matrículas por Unidade (HTML e EXCEL) Exibe o totalizador de matrículas por unidade em um determinado período. É utilizado como referência para cobrança

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 03 Padrão de entrada. Ramal de ligação, poste particular e pontalete. Quadro de medição. Quadro de distribuição. Prof. Dra. Giovana Tripoloni

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF COMPONENTES DA EQUPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LES DE KRCHHOFF ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETVOS: Verificação experimental da Lei de Kirchhoff das Tensões e a Lei de Kirchhoff

Leia mais

UnB/FGA Eletricidade Aplicada

UnB/FGA Eletricidade Aplicada UnB/FGA 201634 Eletricidade Aplicada Laboratório # 1 Bancada Principal / Análise de circuitos elétricos 1 1º semestre de 2015 Objetivos Explicação sobre a bancada didática. Medidas elétricas: voltímetro

Leia mais

Aula 02. Variáveis. Organização e Apresentação dos Dados

Aula 02. Variáveis. Organização e Apresentação dos Dados Aula 02 Variáveis Organização e Apresentação dos Dados Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Variáveis e escalas de medição 1. Variável - É qualquer quantidade ou característica que pode possuir diferentes

Leia mais

Calendário Escolar Ensino Fundamental e Ensino Médio

Calendário Escolar Ensino Fundamental e Ensino Médio Calendário Escolar 2017 Ensino Fundamental e Ensino Médio Macapá - AP outubro/2016 1 APRESENTAÇÃO O Colégio Santa Bartolomea Capitanio apresenta o seu calendário escolar para o ano letivo de 2017. O Calendário

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais